SlideShare uma empresa Scribd logo
Técnico em Segurança do Trabalho Profª. Sergilaine de Matos da Silva Especialista em Biologia da Conservação SANEAMENTO AMBIENTAL
PLANO DIRETOR E SANEAMENTO AMBIENTAL conjunto de ações com o objetivo de alcançar níveis crescentes de salubridade ambiental.
Compreende :  abastecimento de  água,  esgotamento  sanitário,
Manejo de resíduos sólidos urbanos; e
o manejo de águas pluviais urbanas;
o saneamento ambiental é o instrumento para controlar impactos da urbanização sobre o meio ambiente e para reduzir os riscos naturais;
-  Diagnosticar os serviços de saneamento;
- Cadastrar a infra-estrutura existente; Avaliar a efetividade das ações de saneamento.
PD deve estabelecer diretrizes e propor ações de caráter legal, institucional e técnico destinadas a solução de problemas atuais de saneamento, antecipar futuros problemas e fornecer subsídios para a execução de programas setoriais de longo tempo.
Abastecimento de água qualidade e disponibilidade da água afetada pelo crescimento populacional;
  PD deve identificar os mananciais destinados ao abastecimento de água, avaliá-los e caracterizá-los quanto a: Origem Qualidade Quantidade Disponibilidade hídrica futura
Deve buscar a proteção de mananciais através dos instrumentos sistemas de meio ambiente e de gerenciamento dos recursos hídricos.
redução de perdas físicas nos sistemas públicos de abastecimento (18 a 20%) reuso – uso doméstico e industrial coleta da água da chuva – usos menos exigentes em qualidade
Manejo de águas pluviais urbanização gera impactos: aumento do volume e dificuldade de escoamento da água da chuva
redução da recarga de aqüíferos provocada pela impermeabilização do solo, implantação de canais artificiais e canalização de cursos d’água.
Impactos de  natureza física : aumento de freqüência e gravidade de inundações;
intensificação de processos erosivos;
aumento da produção, transporte e deposição de sedimentos ;
mudanças na morfologia pluvial e impacto sobre ecossistemas aquáticos.
Impactos de natureza  química e biológica originados no lançamento de esgotos domésticos e industriais no sistema de drenagem pluvial ou diretamente nos meios receptores; poluição visual por corpos flutuantes; poluição microbiológica; impõem restrições ao uso, aumentando o custo de abastecimento .
Como o plano diretor pode intervir nestas questões? Ampliação dos espaços verdes públicos (não-impermeabilizados);
- Definição de parâmetros construtivos que privilegiem a permeabilidade dos lotes; Redução dos excedentes de água gerados pela impermeabilização
Dourados-MS
Áreas verdes em Dourados-MS
-Processos físicos de armazenamento temporário;  Fundos de vale; Definir usos menos vulneráveis às inundações.
Esgotamento sanitário problemas: coleta, interceptação e tratamento de esgotos sanitários e interconexão indevida entre redes de drenagem pluvial e redes de esgotamento sanitário; Levantamento da infra-estrutura e da qualidade dos serviços;
Definição das áreas a serem destinadas para implantação de infra-estrutura de esgotamento sanitário  -  ETE - Promover o adensamento populacional e a ocupação das áreas já servidas por rede de esgotamento sanitário - Coibir novas áreas de expansão
Problemas com manejo de resíduos sólidos Resíduos sólidos não coletados, lançados indevidamente em encostas, cursos d’água, representando riscos à saúde coletiva, riscos de poluição física, química e biológica do solo e de águas superficiais e subterrâneas Ausência de aterros sanitários e a ocorrência freqüente de lixões e aterros não controlados.
- Disposição final inadequada de resíduos sólidos especiais, como os resíduos industriais, hospitalares e de construção civil (entulhos). -  Presença de catadores de material reciclável trabalhando em condições insalubres  - Baixos índices de reutilização e reciclagem
Programas de incentivo ao aproveitamento dos resíduos orgânicos domiciliares. Esclarecimento da legislação e das tecnologias disponíveis. Auxiliar na captação de recursos para financiar empreendimentos necessários AÇÕES QUE PODEM SER IMPLEMENTADAS PELO PODER PÚBLICO
- Incentivar cooperação empresarial na busca de alternativas para resolver o problema.  -  Programas de coleta seletiva ou obrigatoriedade de coleta seletiva.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teli 5
Teli 5Teli 5
Saneamento Ambiental
Saneamento AmbientalSaneamento Ambiental
Saneamento Ambiental
eadsuporteegpa
 
parametros qualidade agua
parametros qualidade aguaparametros qualidade agua
parametros qualidade agua
Raquel Gastao Daniel
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
Giovanna Ortiz
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
Giovanna Ortiz
 
CONAMA 357.2005
CONAMA 357.2005CONAMA 357.2005
CONAMA 357.2005
Francielson Almeida Alves
 
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de ResíduosTratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
ONU Meio Ambiente e Ministério do Meio Ambiente
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
Mayke Jhonatha
 
Tipos de Lixo
Tipos de LixoTipos de Lixo
Tipos de Lixo
StephanyChaiben
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
ThaisRocha05
 
Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgoto
Grazi Grazi
 
Saneamento basico
Saneamento basicoSaneamento basico
Saneamento basico
Pricilacelos
 
Ecossistema áquatico
Ecossistema áquaticoEcossistema áquatico
Ecossistema áquatico
Lucasro24
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
Giovanna Ortiz
 
Aula 5 reciclagem
Aula 5  reciclagemAula 5  reciclagem
Aula 5 reciclagem
Giovanna Ortiz
 
Palestra Meio Ambiente
Palestra Meio AmbientePalestra Meio Ambiente
Palestra Meio Ambiente
adelsonb
 
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisImpacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
UERGS
 
Etar
EtarEtar
A importância da água
A importância da águaA importância da água
A importância da água
André Luiz Marques
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
Petedanis
 

Mais procurados (20)

Teli 5
Teli 5Teli 5
Teli 5
 
Saneamento Ambiental
Saneamento AmbientalSaneamento Ambiental
Saneamento Ambiental
 
parametros qualidade agua
parametros qualidade aguaparametros qualidade agua
parametros qualidade agua
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
 
CONAMA 357.2005
CONAMA 357.2005CONAMA 357.2005
CONAMA 357.2005
 
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de ResíduosTratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
 
Tipos de Lixo
Tipos de LixoTipos de Lixo
Tipos de Lixo
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
 
Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgoto
 
Saneamento basico
Saneamento basicoSaneamento basico
Saneamento basico
 
Ecossistema áquatico
Ecossistema áquaticoEcossistema áquatico
Ecossistema áquatico
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
 
Aula 5 reciclagem
Aula 5  reciclagemAula 5  reciclagem
Aula 5 reciclagem
 
Palestra Meio Ambiente
Palestra Meio AmbientePalestra Meio Ambiente
Palestra Meio Ambiente
 
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisImpacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
 
Etar
EtarEtar
Etar
 
A importância da água
A importância da águaA importância da água
A importância da água
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
 

Destaque

A História do Saneamento Básico
A História do Saneamento BásicoA História do Saneamento Básico
A História do Saneamento Básico
eloambiental
 
Manual do Saneamento Básico
Manual do Saneamento BásicoManual do Saneamento Básico
Manual do Saneamento Básico
Instituto Trata Brasil
 
Saneamento basico
Saneamento basicoSaneamento basico
Saneamento basico
davidfachim1
 
Plano de aula: Saneamento Básico
Plano de aula: Saneamento BásicoPlano de aula: Saneamento Básico
Plano de aula: Saneamento Básico
carolperuquetti
 
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Nathy Oliveira
 
Saneamento Ambiental Trabalho
Saneamento Ambiental  TrabalhoSaneamento Ambiental  Trabalho
Saneamento Ambiental Trabalho
Maria de Fatima Sakamoto
 
Apostila minha saneamento ambiental atualizada
Apostila minha saneamento ambiental   atualizadaApostila minha saneamento ambiental   atualizada
Apostila minha saneamento ambiental atualizada
Claudia araujo
 
Projeto evolução do saneamento básico
Projeto evolução do saneamento básicoProjeto evolução do saneamento básico
Projeto evolução do saneamento básico
Bianca Souza
 
Registro de Medicamentos Anvisa
Registro de Medicamentos AnvisaRegistro de Medicamentos Anvisa
Registro de Medicamentos Anvisa
biossimilar
 
Apostila saneamento básico
Apostila saneamento básicoApostila saneamento básico
Apostila saneamento básico
Marco Antonio
 
Doenças de veiculação Hídrica
Doenças de veiculação HídricaDoenças de veiculação Hídrica
Doenças de veiculação Hídrica
Shirley Alencar
 
Tratamento da água
Tratamento da águaTratamento da água
Tratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RS
Tratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RSTratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RS
Tratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RS
Franciel Dors
 
Cartilha fossas septicas biodigestoras
Cartilha fossas septicas biodigestorasCartilha fossas septicas biodigestoras
Cartilha fossas septicas biodigestoras
Reginaldo Carmo
 
Modelos de Gestão em prestação de serviços de água e esgoto - Copasa - Hiria
Modelos de Gestão em prestação de serviços de água e esgoto - Copasa - HiriaModelos de Gestão em prestação de serviços de água e esgoto - Copasa - Hiria
Modelos de Gestão em prestação de serviços de água e esgoto - Copasa - Hiria
FIA Business School
 
PPP em Saneamento - Esxperiências Recentes da Caixa, por Rogério Tavares, CAIXA
PPP em Saneamento - Esxperiências Recentes da Caixa, por Rogério Tavares, CAIXAPPP em Saneamento - Esxperiências Recentes da Caixa, por Rogério Tavares, CAIXA
PPP em Saneamento - Esxperiências Recentes da Caixa, por Rogério Tavares, CAIXA
Instituto Besc
 
Palestra Saneamento
Palestra SaneamentoPalestra Saneamento
Palestra Saneamento
JoseSimas
 
Saneamento ambiental - manual
Saneamento ambiental - manualSaneamento ambiental - manual
Saneamento ambiental - manual
Artemosfera Cia de Artes
 
Arsae
ArsaeArsae
Tratamento de águas residuárias
Tratamento de águas residuáriasTratamento de águas residuárias
Tratamento de águas residuárias
Ana Carolina
 

Destaque (20)

A História do Saneamento Básico
A História do Saneamento BásicoA História do Saneamento Básico
A História do Saneamento Básico
 
Manual do Saneamento Básico
Manual do Saneamento BásicoManual do Saneamento Básico
Manual do Saneamento Básico
 
Saneamento basico
Saneamento basicoSaneamento basico
Saneamento basico
 
Plano de aula: Saneamento Básico
Plano de aula: Saneamento BásicoPlano de aula: Saneamento Básico
Plano de aula: Saneamento Básico
 
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
 
Saneamento Ambiental Trabalho
Saneamento Ambiental  TrabalhoSaneamento Ambiental  Trabalho
Saneamento Ambiental Trabalho
 
Apostila minha saneamento ambiental atualizada
Apostila minha saneamento ambiental   atualizadaApostila minha saneamento ambiental   atualizada
Apostila minha saneamento ambiental atualizada
 
Projeto evolução do saneamento básico
Projeto evolução do saneamento básicoProjeto evolução do saneamento básico
Projeto evolução do saneamento básico
 
Registro de Medicamentos Anvisa
Registro de Medicamentos AnvisaRegistro de Medicamentos Anvisa
Registro de Medicamentos Anvisa
 
Apostila saneamento básico
Apostila saneamento básicoApostila saneamento básico
Apostila saneamento básico
 
Doenças de veiculação Hídrica
Doenças de veiculação HídricaDoenças de veiculação Hídrica
Doenças de veiculação Hídrica
 
Tratamento da água
Tratamento da águaTratamento da água
Tratamento da água
 
Tratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RS
Tratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RSTratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RS
Tratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RS
 
Cartilha fossas septicas biodigestoras
Cartilha fossas septicas biodigestorasCartilha fossas septicas biodigestoras
Cartilha fossas septicas biodigestoras
 
Modelos de Gestão em prestação de serviços de água e esgoto - Copasa - Hiria
Modelos de Gestão em prestação de serviços de água e esgoto - Copasa - HiriaModelos de Gestão em prestação de serviços de água e esgoto - Copasa - Hiria
Modelos de Gestão em prestação de serviços de água e esgoto - Copasa - Hiria
 
PPP em Saneamento - Esxperiências Recentes da Caixa, por Rogério Tavares, CAIXA
PPP em Saneamento - Esxperiências Recentes da Caixa, por Rogério Tavares, CAIXAPPP em Saneamento - Esxperiências Recentes da Caixa, por Rogério Tavares, CAIXA
PPP em Saneamento - Esxperiências Recentes da Caixa, por Rogério Tavares, CAIXA
 
Palestra Saneamento
Palestra SaneamentoPalestra Saneamento
Palestra Saneamento
 
Saneamento ambiental - manual
Saneamento ambiental - manualSaneamento ambiental - manual
Saneamento ambiental - manual
 
Arsae
ArsaeArsae
Arsae
 
Tratamento de águas residuárias
Tratamento de águas residuáriasTratamento de águas residuárias
Tratamento de águas residuárias
 

Semelhante a Saneamento Ambiental

Saneamento ambiental
Saneamento ambientalSaneamento ambiental
Saneamento ambiental
FATEC Cariri
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Aula 9 pa
Aula 9 paAula 9 pa
Aula 9 pa
Giovanna Ortiz
 
Aula - Saneamento Básico.pptx
Aula  - Saneamento Básico.pptxAula  - Saneamento Básico.pptx
Aula - Saneamento Básico.pptx
SILVIACARLAHAITHERGO
 
Drenagem urbana
Drenagem urbanaDrenagem urbana
Drenagem urbana
Ligidanor Ávila
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
João Boos Boos
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
João Boos Boos
 
Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...
Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...
Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...
Semasa - Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André
 
Sugestão de Projeto Bartira - RIO+20
Sugestão de Projeto Bartira - RIO+20Sugestão de Projeto Bartira - RIO+20
Sugestão de Projeto Bartira - RIO+20
inbrasci
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
Carlos Elson Cunha
 
Simone mayok
Simone mayokSimone mayok
Simone mayok
André Nobre
 
Programa Produtor de Água_Devanir Garcia dos Santos
Programa Produtor de Água_Devanir Garcia dos SantosPrograma Produtor de Água_Devanir Garcia dos Santos
Programa Produtor de Água_Devanir Garcia dos Santos
Instituto Sustentar de Responsabilidade Socioambiental
 
Agua branca - eia rima - anexo i tr
Agua branca  - eia rima - anexo i trAgua branca  - eia rima - anexo i tr
Agua branca - eia rima - anexo i tr
Carlos Elson Cunha
 
Aula 01 - MBH.pptx
Aula 01 - MBH.pptxAula 01 - MBH.pptx
Aula 01 - MBH.pptx
LimaDeleonMartins1
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
COLÉGIO RAZÃO
 
Tratamento de aguas
Tratamento de aguasTratamento de aguas
Tratamento de aguas
Ana Paula Salles
 
Mayra di matteo
Mayra di matteoMayra di matteo
Mayra di matteo
Carlos Elson Cunha
 

Semelhante a Saneamento Ambiental (17)

Saneamento ambiental
Saneamento ambientalSaneamento ambiental
Saneamento ambiental
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
 
Aula 9 pa
Aula 9 paAula 9 pa
Aula 9 pa
 
Aula - Saneamento Básico.pptx
Aula  - Saneamento Básico.pptxAula  - Saneamento Básico.pptx
Aula - Saneamento Básico.pptx
 
Drenagem urbana
Drenagem urbanaDrenagem urbana
Drenagem urbana
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
 
Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...
Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...
Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...
 
Sugestão de Projeto Bartira - RIO+20
Sugestão de Projeto Bartira - RIO+20Sugestão de Projeto Bartira - RIO+20
Sugestão de Projeto Bartira - RIO+20
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
 
Simone mayok
Simone mayokSimone mayok
Simone mayok
 
Programa Produtor de Água_Devanir Garcia dos Santos
Programa Produtor de Água_Devanir Garcia dos SantosPrograma Produtor de Água_Devanir Garcia dos Santos
Programa Produtor de Água_Devanir Garcia dos Santos
 
Agua branca - eia rima - anexo i tr
Agua branca  - eia rima - anexo i trAgua branca  - eia rima - anexo i tr
Agua branca - eia rima - anexo i tr
 
Aula 01 - MBH.pptx
Aula 01 - MBH.pptxAula 01 - MBH.pptx
Aula 01 - MBH.pptx
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
 
Tratamento de aguas
Tratamento de aguasTratamento de aguas
Tratamento de aguas
 
Mayra di matteo
Mayra di matteoMayra di matteo
Mayra di matteo
 

Último

se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Divina Vitorino
 
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
barbosajucy47
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 

Último (7)

se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
 
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 

Saneamento Ambiental

  • 1. Técnico em Segurança do Trabalho Profª. Sergilaine de Matos da Silva Especialista em Biologia da Conservação SANEAMENTO AMBIENTAL
  • 2. PLANO DIRETOR E SANEAMENTO AMBIENTAL conjunto de ações com o objetivo de alcançar níveis crescentes de salubridade ambiental.
  • 3. Compreende : abastecimento de água, esgotamento sanitário,
  • 4. Manejo de resíduos sólidos urbanos; e
  • 5. o manejo de águas pluviais urbanas;
  • 6. o saneamento ambiental é o instrumento para controlar impactos da urbanização sobre o meio ambiente e para reduzir os riscos naturais;
  • 7. - Diagnosticar os serviços de saneamento;
  • 8. - Cadastrar a infra-estrutura existente; Avaliar a efetividade das ações de saneamento.
  • 9. PD deve estabelecer diretrizes e propor ações de caráter legal, institucional e técnico destinadas a solução de problemas atuais de saneamento, antecipar futuros problemas e fornecer subsídios para a execução de programas setoriais de longo tempo.
  • 10. Abastecimento de água qualidade e disponibilidade da água afetada pelo crescimento populacional;
  • 11. PD deve identificar os mananciais destinados ao abastecimento de água, avaliá-los e caracterizá-los quanto a: Origem Qualidade Quantidade Disponibilidade hídrica futura
  • 12. Deve buscar a proteção de mananciais através dos instrumentos sistemas de meio ambiente e de gerenciamento dos recursos hídricos.
  • 13. redução de perdas físicas nos sistemas públicos de abastecimento (18 a 20%) reuso – uso doméstico e industrial coleta da água da chuva – usos menos exigentes em qualidade
  • 14. Manejo de águas pluviais urbanização gera impactos: aumento do volume e dificuldade de escoamento da água da chuva
  • 15. redução da recarga de aqüíferos provocada pela impermeabilização do solo, implantação de canais artificiais e canalização de cursos d’água.
  • 16. Impactos de natureza física : aumento de freqüência e gravidade de inundações;
  • 18. aumento da produção, transporte e deposição de sedimentos ;
  • 19. mudanças na morfologia pluvial e impacto sobre ecossistemas aquáticos.
  • 20. Impactos de natureza química e biológica originados no lançamento de esgotos domésticos e industriais no sistema de drenagem pluvial ou diretamente nos meios receptores; poluição visual por corpos flutuantes; poluição microbiológica; impõem restrições ao uso, aumentando o custo de abastecimento .
  • 21. Como o plano diretor pode intervir nestas questões? Ampliação dos espaços verdes públicos (não-impermeabilizados);
  • 22. - Definição de parâmetros construtivos que privilegiem a permeabilidade dos lotes; Redução dos excedentes de água gerados pela impermeabilização
  • 24. Áreas verdes em Dourados-MS
  • 25. -Processos físicos de armazenamento temporário; Fundos de vale; Definir usos menos vulneráveis às inundações.
  • 26. Esgotamento sanitário problemas: coleta, interceptação e tratamento de esgotos sanitários e interconexão indevida entre redes de drenagem pluvial e redes de esgotamento sanitário; Levantamento da infra-estrutura e da qualidade dos serviços;
  • 27. Definição das áreas a serem destinadas para implantação de infra-estrutura de esgotamento sanitário - ETE - Promover o adensamento populacional e a ocupação das áreas já servidas por rede de esgotamento sanitário - Coibir novas áreas de expansão
  • 28. Problemas com manejo de resíduos sólidos Resíduos sólidos não coletados, lançados indevidamente em encostas, cursos d’água, representando riscos à saúde coletiva, riscos de poluição física, química e biológica do solo e de águas superficiais e subterrâneas Ausência de aterros sanitários e a ocorrência freqüente de lixões e aterros não controlados.
  • 29. - Disposição final inadequada de resíduos sólidos especiais, como os resíduos industriais, hospitalares e de construção civil (entulhos). - Presença de catadores de material reciclável trabalhando em condições insalubres - Baixos índices de reutilização e reciclagem
  • 30. Programas de incentivo ao aproveitamento dos resíduos orgânicos domiciliares. Esclarecimento da legislação e das tecnologias disponíveis. Auxiliar na captação de recursos para financiar empreendimentos necessários AÇÕES QUE PODEM SER IMPLEMENTADAS PELO PODER PÚBLICO
  • 31. - Incentivar cooperação empresarial na busca de alternativas para resolver o problema. - Programas de coleta seletiva ou obrigatoriedade de coleta seletiva.