SlideShare uma empresa Scribd logo
Kleitor Franklint
KLEITOR
Entusiasta da Vida,
Qualidade,
Colaborativos,
Ágil,
Teste e
Testes Ágeis.
2
kleitor.franklint@gmail.com
br.linkedin.com/in/kfranklint
99416-0873
Um overview do Universo Ágil e de como todo o
time pode melhorar e agregar valor ao produto
com testes ágeis.
3
4
Agile ALM - Jurgen Appelo
Repensando o saber.
Essencialmente todos os modelos estão errados, mas alguns são
úteis
George E. P. Box
O que é “Ágil”, Afinal?
 Agil não é metodologia, mas praticas uteis,
principalmente comportamentais
 Agil é adaptativo ao invés de prescritivo
 Agil é orientado a pessoas ao invés de orientado
a processo.
 Maximiza o valor do negócio com processos e
documentação right-sized, just-enough, e just-
in-time
5
6
 Capacidade de rapidamente priorizar o uso de recursos quando
requisitos, tecnologia e conhecimento mudam com o objetivo de
lucrar em um mundo empresarial global turbulento
 Uma resposta muito rápida às mudanças súbitas de mercado e
ameaças emergentes através de interação intensiva com o cliente
com base em: http://davidfrico.com/rico14n.pdf, Lean & Agile Enterprise Frameworks
O que é “Ágil”, Afinal?
AGILE - MITOS DOS ÚLTIMOS 20 ANOS
•Métodos ágeis são apenas para desenvolvimento de
software
•Métodos ágeis são apenas para pequenas equipes
colocalizados
•Métodos ágeis não têm nenhuma documentação
•Métodos ágeis não têm requisitos
7
MITOS DOS ÚLTIMOS 20 ANOS
8
•Métodos ágeis precisam de arquiteturas de sistema tradicional
•Métodos ágeis não têm gerenciamento de projeto
•Métodos ágeis são indisciplinados e não mensuráveis
•Sistemas construídos usando métodos ágeis são impossíveis de
manter e inseguros
(Bicho papão)
Mundo Ágil e produtividade
Um estudo independente feito com amostras de mais de 8.000 projetos mostrou que equipes ágeis
são, em média, 25% mais produtivas do que seus pares da indústria.
http://www.deltamatrix.com/why-are-agile-teams-25-more-productive
9
10
Insanidade é fazer a mesma coisa repetidamente e esperar resultados
diferentes.
Definição de insanidade por Albert Einstein
Repensando o fazer.
11
Mas, não é testador que testa?
rsrs.. Já sei, são aqueles testes que
o pessoal de TI e o cliente fazem
usando o produto pronto.
Não, gente. Essa ideia tá
ultrapassada faz 20 anos!
Não!!! Todo mundo pode melhorar o
produto testando!
Repensando que o time todo pode tornar o produto melhor usando
testes!!
Repensando o que, mesmo?
Teste para quê, mesmo?
http://www.deltamatrix.com/why-are-agile-teams-25-more-productive
12
The BUG is on the table!!!
“O objetivo dos testes é agregar valor o mais cedo possível ao produto”.
Modelagem projetando, modelagem executando
Modelar comportamento do cliente..E SE..
13
Teste para quê, mesmo?
Testes Ágeis: um conceito
14
São Práticas “ágeis” principalmente
comportamentais, aplicadas a Teste de
Software, nas quais o teste faz parte do todo e
o todo faz parte do teste.
Não partidarismos, Sim colaboração.
Ciclo de vida de projeto orientado a Alice
Ciclo de vida orientado à incerteza
Requisitos de
negócios
Requisitos
funcionais
desenvolvimento Entrega
Suposições Hipóteses Experimentos Validação
15
Modelagem Orientada a teste,
Pra quê?
Quadrantes ágeis de Teste: apoiar , desenhar e criticar
16
Agile Testing: Past , Present and Future, Asheesh Mehdiratta, Sonik Chopra
Qualidade externa – construindo o produto certo
Qualidade interna – construindo certo o produto
Testes orientados a valor para
todo o TIME!! 
18
Cê sabe o que teste
exploratório?
Rsrs...Gente esse aí é “ad hoc”,
também conhecido como “testa
aeh!”
Mas, pra quê Teste Exploratório?
Claro!!! Navegar pelo Sistema
buscando bugs!!
Por que usar Exploratórios?
Software perfeito e outras ilusões
19
Não consigo cobrir com
antecedência todas as condições
...e é muita coisa que leva tempo!
configurações, interações, execução,
sumarização... rsrs
...e o conhecimento?! dados,
cenários, configurações... nem se
fala!
...e nem todas condições são úteis
de serem cobertas
Por que usar Exploratórios?
Software perfeito e outras ilusões
20
Teste Exploratório: Características
Gente, desculpa, ainda não entendi o
que é teste exploratório
Essa é fácil!!! Design, execução e
aprendizagem ao mesmo tempo
Deixa comigo!!! Seus elementos são
três..
James Bach’s 2003 paper, “Exploratory Testing Explained.”
“Exploratory testing is simultaneous learning, test design, and test execution.”
É estruturado. Não é “Testa
eah!”
Seu ponto de partida são ideias,
propósitos e missão definidas
Identificar riscos críticos,
necessidades e fatores de qualidade
Porque o objetivo é agregar valor ao
produto Por quê?
21
Por que usar Exploratórios?
Software perfeito e outras ilusões
O que posso explorar?
Pode explorar desde a concepção até pós-
estrega... rsrs
...e o todo o time participa!
Analistas, desenvolvedores,
designers, testers...
...tudo, de requisitos, sistemas a
ambiente
22
TESTECOMSCRIPT X EXPLORATÓRIO
23
Alguns pontos de vista
-Aceitação do cliente como base, seja ele qual for;
-Só como pré-entrega do produto é subutilizar a inteligência produtiva da empresa:
muito gasto pouco ROI
-No Ágil é executado em todo o ciclo de vida do produto
-Aproxima o produto da necessidade do cliente no teste de aceitação final ( UAT )
-Agrega muito valor ao produto
-Gera padrão pra desenvolvedores
Teste de aceitação
24
Sim!!! Em todo o ciclo de vida do
produto
Teste de aceitação
Não!!! Só depois do produto pronto
25
Driving Development with Tests:ATDD and TDD, Elisabeth Hendrickson
Todo o time
explora e
modela
Time explora e
remodela testes
de aceitação
Time apoia e
modela testes
de aceitação
Teste de aceitação: ATDD
Testadores e
desenvolvedores
modelam testes de
aceitação
26
Teste de aceitação com
Modelagem Orientada a Comportamento
Se há cliente então Explorar requisito com Teste de aceitação
Se o cliente puder testar então Explorar requisito com Teste de aceitação
Modele Sistemas desenhando comportamentos
usando exemplos
Modele Sistemas com
BDD (Behavior driven design)
usando
DBE ( design by example).
27
Problema: expressões individualizadas do critério
Specification-By-Example with Gherkin, CHRISTIAN HASSA
Teste de aceitação
28
Teste de aceitação com
BDD (Behavior driven design)
• Prática onde a comunicação se faz por um vocabulário comum encorajando a colaboração entre
todo o time.
• Forma de escrever teste de aceitação ( ATDD ) com exemplos DBE ( design by example).
 Foca nas razões pelas quais o código deve ser criado, e não em detalhes técnicos
 Em vez do termo "testes" , preferimos “cenário" e "especificação“
29
Quebrando requisitos em cenários que
expressem comportamento através de exemplos
https://pythonhosted.org/behave/philosophy.html
Teste de aceitação com BDD
Given
um cliente menor de idade
When
venda de produto for bebida alcoólica
Then
não vender and informar ao cliente o motivo
Vocabulário comum
Aproveitado desde a concepção até a implementação
Desenho interno: Test Unitário
Test Driven Development (TDD)
30
Não é uma técnica para testar código ou detectar bugs
Age como uma ferramenta de apoio ao design do código
Não é para validar todo caminho possível dentro do código, mas para avaliar se o comportamento do
produto é o esperado.
31
http://istqbexamcertification.com/what-are-the-different-agile-testing-methodology-test-driven-development-behavior-driven-development/
- Quando não orientados a Negócio consomem uma enorme quantidade de tempo de manutenção e
pouco ROI.
-Orientados ao valor do negócio com testes de aceitação agregam muito valor a produto.
Testadores criam massa de
dados orientada a teste de
aceitação
Facilitam entrega
contínua
Time especifica unit
tests
Desenho interno: Test Unitário
Test Driven Development (TDD)
BUG TRACK E REPORT – GESTÃO DE FALHAS
•Visão tradicional: rastrear e manter registo de falhas
para analisar, por exemplo, causa raiz e taxas de defeito.
Ferramentas: Mantis, bugzila, etc.
32
Testes Ágeis: como tratar defeitos?
•Visão ágil: buscar evitar “bug track tools”, meio sem sentido no Ágil. Filas de
defeitos são filas de retrabalho e desperdício
ALGUMAS ALTERNATIVAS DO ÁGIL À GESTÃO DE FALHAS
•Ao invés de registrar a falha, crie um teste que prove sua existência. São bons instrumentos de
comunicação. São ocumentação viva.
•Por que um teste que prove o defeito não pode ser um instrumento da ISO?
•Tente iniciar sem um DTS (defect tracking system). DTS tem sua utilidade principalmente em times
distribuídos.
33
Testes Ágeis: como tratar defeitos?
ALGUMAS ALTERNATIVAS DO ÁGIL À GESTÃO DE FALHAS
•Estabeleça um limite máximo de bugs por vez e os corrija o mais rápido possível. Sprints menores
auxiliam nisso. Previna
•Estabeleça um limite mínimo de correções por período: hora, dia, semana.
•Dê visibilidade aos bug cards
34
Testes Ágeis: como tratar defeitos?
35
Automação de testes
Quando
 ... Quer reduzir tempo de execução de testes repetitivos
 ... Precisa de Testes de regressão com constante mudança de código
 ... Casos de teste foram extremamente explorados e a execução precisa ser rápida
 ... Precisa auditar rapidamente a confiabilidade dos testes por testador.
 ... Não precisa testar considerações visuais tais como cor da imagem ou tamanho do fonte.
Mudanças nesse contexto só podem ser detectadas por testes manuais
Fonte da imagem: http://www.precisetestingsolution.com/functional-automation-testing.php
Com base em:
http://www.base36.com/2013/03/automated-vs-manual-testing-the-pros-and-cons-of-each/
https://www.apicasystem.com/blog/automated-testing-vs-manual-testing/
36
Como?
 Por features, histórias,
 Orientados a user-centered ( valor ) sob risco de gastar tempo em automação de algo que não
deveria ser automatizado
 Com ferramentas orientadas a necessidade do projeto
 Treinamento técnico em habilidades técnicas e conhecimentos de programação
 Adicionando risco na automação na estimativa de esforço
Automação de testes
37
Quem participa da automação?
Todos os envolvidos que tomam decisões
- Criar cenários
Todos os que podem colaborar com cenários orientados a valor
- Criar cenários
Testadores e desenvolvedores
- Criar cenários
- Implementar e manter a automação
POSSO COLABORAR COM
MAIS RESPOSTAS?
38
kleitor.franklint@gmail.com
br.linkedin.com/in/kfranklint
99416-0873

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão de projeto- conceitos essenciais
Gestão de projeto- conceitos essenciaisGestão de projeto- conceitos essenciais
Gestão de projeto- conceitos essenciais
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Gestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com ScrumGestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com Scrum
Igor Macaubas
 
Metodos Ageis
Metodos AgeisMetodos Ageis
Metodos Ageis
Fábio Aguiar
 
Scrum Experience
Scrum ExperienceScrum Experience
Scrum Experience
Rildo (@rildosan) Santos
 
Gestão Ágil e Lean - Circuito de treinamentos AddTech
Gestão Ágil e Lean - Circuito de treinamentos AddTechGestão Ágil e Lean - Circuito de treinamentos AddTech
Gestão Ágil e Lean - Circuito de treinamentos AddTech
.add
 
Implementando o Desenvolvimento Lean de Software - Do conceito ao dinheiro
Implementando o Desenvolvimento Lean de Software - Do conceito ao dinheiroImplementando o Desenvolvimento Lean de Software - Do conceito ao dinheiro
Implementando o Desenvolvimento Lean de Software - Do conceito ao dinheiro
Taller Negócio Digitais
 
Treinamento Agile com scrum
Treinamento Agile com scrumTreinamento Agile com scrum
Treinamento Agile com scrum
Eduardo Bregaida
 
[Webinar] Scrum - Você está fazendo do jeito certo?
[Webinar] Scrum - Você está fazendo do jeito certo?[Webinar] Scrum - Você está fazendo do jeito certo?
[Webinar] Scrum - Você está fazendo do jeito certo?
TargetTrust
 
Scrum na Prática
Scrum na PráticaScrum na Prática
Scrum na Prática
Alexandre Amorim
 
Teste de software gestao e kaizen
Teste de software gestao e kaizenTeste de software gestao e kaizen
Teste de software gestao e kaizen
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Papeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
Papeis Ágeis - uma proposta operacional ScrumPapeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
Papeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Metodologias Ágeis de Gestão de Projetos
Metodologias Ágeis de Gestão de ProjetosMetodologias Ágeis de Gestão de Projetos
Metodologias Ágeis de Gestão de Projetos
Leandro Faria
 
MBA em projetos - Gestao Ágil
MBA em projetos - Gestao ÁgilMBA em projetos - Gestao Ágil
MBA em projetos - Gestao Ágil
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Apostila Scrum: Fundamentos do Scrum
Apostila Scrum: Fundamentos do ScrumApostila Scrum: Fundamentos do Scrum
Apostila Scrum: Fundamentos do Scrum
MindMasterBrasil
 
Fundamentos Gestão de Escopo e Qualidade
Fundamentos Gestão de Escopo e QualidadeFundamentos Gestão de Escopo e Qualidade
Fundamentos Gestão de Escopo e Qualidade
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Desenvolvimento de software LEAN
Desenvolvimento de software LEAN Desenvolvimento de software LEAN
Desenvolvimento de software LEAN
Venícios Gustavo
 
Automação de testes - uma introdução sobre estratégias
Automação de testes - uma introdução sobre estratégiasAutomação de testes - uma introdução sobre estratégias
Automação de testes - uma introdução sobre estratégias
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Os 7 Princípios do desenvolvimento Lean de Software
Os 7 Princípios do desenvolvimento Lean de SoftwareOs 7 Princípios do desenvolvimento Lean de Software
Os 7 Princípios do desenvolvimento Lean de Software
Lucas Oliveira
 
Introdução A Gestão Ágil De Projetos Com Scrum
Introdução A Gestão Ágil De Projetos Com ScrumIntrodução A Gestão Ágil De Projetos Com Scrum
Introdução A Gestão Ágil De Projetos Com Scrum
Juan Bernabó
 
Metodologia de Gerenciamento de Projetos Ágil
Metodologia de Gerenciamento de Projetos ÁgilMetodologia de Gerenciamento de Projetos Ágil
Metodologia de Gerenciamento de Projetos Ágil
Pablo Marquesi
 

Mais procurados (20)

Gestão de projeto- conceitos essenciais
Gestão de projeto- conceitos essenciaisGestão de projeto- conceitos essenciais
Gestão de projeto- conceitos essenciais
 
Gestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com ScrumGestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com Scrum
 
Metodos Ageis
Metodos AgeisMetodos Ageis
Metodos Ageis
 
Scrum Experience
Scrum ExperienceScrum Experience
Scrum Experience
 
Gestão Ágil e Lean - Circuito de treinamentos AddTech
Gestão Ágil e Lean - Circuito de treinamentos AddTechGestão Ágil e Lean - Circuito de treinamentos AddTech
Gestão Ágil e Lean - Circuito de treinamentos AddTech
 
Implementando o Desenvolvimento Lean de Software - Do conceito ao dinheiro
Implementando o Desenvolvimento Lean de Software - Do conceito ao dinheiroImplementando o Desenvolvimento Lean de Software - Do conceito ao dinheiro
Implementando o Desenvolvimento Lean de Software - Do conceito ao dinheiro
 
Treinamento Agile com scrum
Treinamento Agile com scrumTreinamento Agile com scrum
Treinamento Agile com scrum
 
[Webinar] Scrum - Você está fazendo do jeito certo?
[Webinar] Scrum - Você está fazendo do jeito certo?[Webinar] Scrum - Você está fazendo do jeito certo?
[Webinar] Scrum - Você está fazendo do jeito certo?
 
Scrum na Prática
Scrum na PráticaScrum na Prática
Scrum na Prática
 
Teste de software gestao e kaizen
Teste de software gestao e kaizenTeste de software gestao e kaizen
Teste de software gestao e kaizen
 
Papeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
Papeis Ágeis - uma proposta operacional ScrumPapeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
Papeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
 
Metodologias Ágeis de Gestão de Projetos
Metodologias Ágeis de Gestão de ProjetosMetodologias Ágeis de Gestão de Projetos
Metodologias Ágeis de Gestão de Projetos
 
MBA em projetos - Gestao Ágil
MBA em projetos - Gestao ÁgilMBA em projetos - Gestao Ágil
MBA em projetos - Gestao Ágil
 
Apostila Scrum: Fundamentos do Scrum
Apostila Scrum: Fundamentos do ScrumApostila Scrum: Fundamentos do Scrum
Apostila Scrum: Fundamentos do Scrum
 
Fundamentos Gestão de Escopo e Qualidade
Fundamentos Gestão de Escopo e QualidadeFundamentos Gestão de Escopo e Qualidade
Fundamentos Gestão de Escopo e Qualidade
 
Desenvolvimento de software LEAN
Desenvolvimento de software LEAN Desenvolvimento de software LEAN
Desenvolvimento de software LEAN
 
Automação de testes - uma introdução sobre estratégias
Automação de testes - uma introdução sobre estratégiasAutomação de testes - uma introdução sobre estratégias
Automação de testes - uma introdução sobre estratégias
 
Os 7 Princípios do desenvolvimento Lean de Software
Os 7 Princípios do desenvolvimento Lean de SoftwareOs 7 Princípios do desenvolvimento Lean de Software
Os 7 Princípios do desenvolvimento Lean de Software
 
Introdução A Gestão Ágil De Projetos Com Scrum
Introdução A Gestão Ágil De Projetos Com ScrumIntrodução A Gestão Ágil De Projetos Com Scrum
Introdução A Gestão Ágil De Projetos Com Scrum
 
Metodologia de Gerenciamento de Projetos Ágil
Metodologia de Gerenciamento de Projetos ÁgilMetodologia de Gerenciamento de Projetos Ágil
Metodologia de Gerenciamento de Projetos Ágil
 

Semelhante a Teste Ágeis para todo o time

Test First, TDD e outros Bichos
Test First, TDD e outros BichosTest First, TDD e outros Bichos
Test First, TDD e outros Bichos
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
DevCamp - O papel de um testador em uma equipe ágil
DevCamp - O papel de um testador em uma equipe ágilDevCamp - O papel de um testador em uma equipe ágil
DevCamp - O papel de um testador em uma equipe ágil
Elias Nogueira
 
Be An Agile Tester - InmetricsDay
Be An Agile Tester - InmetricsDayBe An Agile Tester - InmetricsDay
Be An Agile Tester - InmetricsDay
Nhaiara Ramos
 
Mini curso de testes ágeis
Mini curso de testes ágeisMini curso de testes ágeis
Mini curso de testes ágeis
Qualister
 
Agile testing coach - Agile Trends Floripa
Agile testing coach - Agile Trends FloripaAgile testing coach - Agile Trends Floripa
Agile testing coach - Agile Trends Floripa
Walmyr Lima e Silva Filho
 
Como os testes irão se modificar com o advento das metodologias ágeis
Como os testes irão se modificar com o advento das metodologias ágeisComo os testes irão se modificar com o advento das metodologias ágeis
Como os testes irão se modificar com o advento das metodologias ágeis
Synergia - Engenharia de Software e Sistemas
 
Agile Testing Coaching
Agile Testing Coaching  Agile Testing Coaching
Agile Testing Coaching
Taller Negócio Digitais
 
Desmitificando o ágil e o scrum
Desmitificando o ágil e o scrumDesmitificando o ágil e o scrum
Desmitificando o ágil e o scrum
Scumpb
 
O que seus testes garantem, o funcionamento do código ou das funcionalidades ...
O que seus testes garantem, o funcionamento do código ou das funcionalidades ...O que seus testes garantem, o funcionamento do código ou das funcionalidades ...
O que seus testes garantem, o funcionamento do código ou das funcionalidades ...
Isaac de Souza
 
Palestra agile testing coaching
Palestra agile testing coaching Palestra agile testing coaching
Palestra agile testing coaching
Walmyr Lima e Silva Filho
 
Sobre TDD - Tech Friday da Everis Uberlândia
Sobre TDD - Tech Friday da Everis UberlândiaSobre TDD - Tech Friday da Everis Uberlândia
Sobre TDD - Tech Friday da Everis Uberlândia
Rogerio Fontes
 
Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9
Lu Terceiro
 
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Alejandro Olchik
 
Falácias e outras ilusões sobre Teste Ágil
Falácias e outras ilusões sobre Teste ÁgilFalácias e outras ilusões sobre Teste Ágil
Falácias e outras ilusões sobre Teste Ágil
Mario Ramos
 
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreiraPalestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Taís Dall'Oca
 
Escolas de testes de software
Escolas de testes de softwareEscolas de testes de software
Escolas de testes de software
Alan Carlos
 
Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02
Adriano Bertucci
 
Testes Ágeis - Quallis
Testes Ágeis - QuallisTestes Ágeis - Quallis
Testes Ágeis - Quallis
Quallis
 
Agile Testing, por Carolina Borim
Agile Testing, por Carolina BorimAgile Testing, por Carolina Borim
Agile Testing, por Carolina Borim
Thoughtworks
 
Testes ágeis: saindo da zona de conforto
Testes ágeis: saindo da zona de confortoTestes ágeis: saindo da zona de conforto
Testes ágeis: saindo da zona de conforto
Synergia - Engenharia de Software e Sistemas
 

Semelhante a Teste Ágeis para todo o time (20)

Test First, TDD e outros Bichos
Test First, TDD e outros BichosTest First, TDD e outros Bichos
Test First, TDD e outros Bichos
 
DevCamp - O papel de um testador em uma equipe ágil
DevCamp - O papel de um testador em uma equipe ágilDevCamp - O papel de um testador em uma equipe ágil
DevCamp - O papel de um testador em uma equipe ágil
 
Be An Agile Tester - InmetricsDay
Be An Agile Tester - InmetricsDayBe An Agile Tester - InmetricsDay
Be An Agile Tester - InmetricsDay
 
Mini curso de testes ágeis
Mini curso de testes ágeisMini curso de testes ágeis
Mini curso de testes ágeis
 
Agile testing coach - Agile Trends Floripa
Agile testing coach - Agile Trends FloripaAgile testing coach - Agile Trends Floripa
Agile testing coach - Agile Trends Floripa
 
Como os testes irão se modificar com o advento das metodologias ágeis
Como os testes irão se modificar com o advento das metodologias ágeisComo os testes irão se modificar com o advento das metodologias ágeis
Como os testes irão se modificar com o advento das metodologias ágeis
 
Agile Testing Coaching
Agile Testing Coaching  Agile Testing Coaching
Agile Testing Coaching
 
Desmitificando o ágil e o scrum
Desmitificando o ágil e o scrumDesmitificando o ágil e o scrum
Desmitificando o ágil e o scrum
 
O que seus testes garantem, o funcionamento do código ou das funcionalidades ...
O que seus testes garantem, o funcionamento do código ou das funcionalidades ...O que seus testes garantem, o funcionamento do código ou das funcionalidades ...
O que seus testes garantem, o funcionamento do código ou das funcionalidades ...
 
Palestra agile testing coaching
Palestra agile testing coaching Palestra agile testing coaching
Palestra agile testing coaching
 
Sobre TDD - Tech Friday da Everis Uberlândia
Sobre TDD - Tech Friday da Everis UberlândiaSobre TDD - Tech Friday da Everis Uberlândia
Sobre TDD - Tech Friday da Everis Uberlândia
 
Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9
 
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
 
Falácias e outras ilusões sobre Teste Ágil
Falácias e outras ilusões sobre Teste ÁgilFalácias e outras ilusões sobre Teste Ágil
Falácias e outras ilusões sobre Teste Ágil
 
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreiraPalestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
 
Escolas de testes de software
Escolas de testes de softwareEscolas de testes de software
Escolas de testes de software
 
Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02
 
Testes Ágeis - Quallis
Testes Ágeis - QuallisTestes Ágeis - Quallis
Testes Ágeis - Quallis
 
Agile Testing, por Carolina Borim
Agile Testing, por Carolina BorimAgile Testing, por Carolina Borim
Agile Testing, por Carolina Borim
 
Testes ágeis: saindo da zona de conforto
Testes ágeis: saindo da zona de confortoTestes ágeis: saindo da zona de conforto
Testes ágeis: saindo da zona de conforto
 

Mais de Kleitor Franklint Correa Araujo

Metricas (e previsões) acionáveis de projeto
Metricas (e previsões) acionáveis de projetoMetricas (e previsões) acionáveis de projeto
Metricas (e previsões) acionáveis de projeto
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Modelagem com historias bem além dos requisitos
Modelagem com historias bem além dos requisitosModelagem com historias bem além dos requisitos
Modelagem com historias bem além dos requisitos
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Engenharia de software Lean Kanban
Engenharia de software  Lean KanbanEngenharia de software  Lean Kanban
Engenharia de software Lean Kanban
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Introdução ao design de teste de software
Introdução ao design de teste de softwareIntrodução ao design de teste de software
Introdução ao design de teste de software
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Gestao de Projeto com gráfico burndown
Gestao de Projeto com gráfico burndownGestao de Projeto com gráfico burndown
Gestao de Projeto com gráfico burndown
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Teste de segurança do lado servidor - Nível 1
Teste de segurança do lado servidor - Nível 1Teste de segurança do lado servidor - Nível 1
Teste de segurança do lado servidor - Nível 1
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Introdução de teste de segurança app web
Introdução de teste de segurança app webIntrodução de teste de segurança app web
Introdução de teste de segurança app web
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Gestão Agil de tudo - Retrospectivas
Gestão Agil de tudo - RetrospectivasGestão Agil de tudo - Retrospectivas
Gestão Agil de tudo - Retrospectivas
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Gestao Ágil do Backlog - Taskboards
Gestao Ágil do Backlog - TaskboardsGestao Ágil do Backlog - Taskboards
Gestao Ágil do Backlog - Taskboards
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Gestão Ágil de tudo: Planejamento backlog
Gestão Ágil de tudo: Planejamento backlogGestão Ágil de tudo: Planejamento backlog
Gestão Ágil de tudo: Planejamento backlog
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Gestao Ágil de Projeto - Reunião Diária
Gestao Ágil de Projeto - Reunião DiáriaGestao Ágil de Projeto - Reunião Diária
Gestao Ágil de Projeto - Reunião Diária
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Gestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil - praticas de fundamentos
Gestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil -  praticas de fundamentosGestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil -  praticas de fundamentos
Gestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil - praticas de fundamentos
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Teste de Segurança orientado a valor
Teste de Segurança orientado a valorTeste de Segurança orientado a valor
Teste de Segurança orientado a valor
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Mobile App Security Test
Mobile App Security TestMobile App Security Test
Mobile App Security Test
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Estimativa de Teste sem medo - parte 2
Estimativa de Teste sem medo - parte 2Estimativa de Teste sem medo - parte 2
Estimativa de Teste sem medo - parte 2
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Estimativa de Teste sem medo - Introdução 2015
Estimativa de Teste sem medo - Introdução 2015Estimativa de Teste sem medo - Introdução 2015
Estimativa de Teste sem medo - Introdução 2015
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Agiidade na Qualidade de Software -2011
Agiidade na Qualidade de Software -2011Agiidade na Qualidade de Software -2011
Agiidade na Qualidade de Software -2011
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Desenvolvimento Seguro- 2011
Desenvolvimento Seguro- 2011Desenvolvimento Seguro- 2011
Desenvolvimento Seguro- 2011
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Entendendo o Ciclo de Desenvolvimento Seguro
Entendendo o Ciclo de Desenvolvimento SeguroEntendendo o Ciclo de Desenvolvimento Seguro
Entendendo o Ciclo de Desenvolvimento Seguro
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Ameaças e Vulnerabilidade em Apps Web-2013
Ameaças e Vulnerabilidade em Apps Web-2013Ameaças e Vulnerabilidade em Apps Web-2013
Ameaças e Vulnerabilidade em Apps Web-2013
Kleitor Franklint Correa Araujo
 

Mais de Kleitor Franklint Correa Araujo (20)

Metricas (e previsões) acionáveis de projeto
Metricas (e previsões) acionáveis de projetoMetricas (e previsões) acionáveis de projeto
Metricas (e previsões) acionáveis de projeto
 
Modelagem com historias bem além dos requisitos
Modelagem com historias bem além dos requisitosModelagem com historias bem além dos requisitos
Modelagem com historias bem além dos requisitos
 
Engenharia de software Lean Kanban
Engenharia de software  Lean KanbanEngenharia de software  Lean Kanban
Engenharia de software Lean Kanban
 
Introdução ao design de teste de software
Introdução ao design de teste de softwareIntrodução ao design de teste de software
Introdução ao design de teste de software
 
Gestao de Projeto com gráfico burndown
Gestao de Projeto com gráfico burndownGestao de Projeto com gráfico burndown
Gestao de Projeto com gráfico burndown
 
Teste de segurança do lado servidor - Nível 1
Teste de segurança do lado servidor - Nível 1Teste de segurança do lado servidor - Nível 1
Teste de segurança do lado servidor - Nível 1
 
Introdução de teste de segurança app web
Introdução de teste de segurança app webIntrodução de teste de segurança app web
Introdução de teste de segurança app web
 
Gestão Agil de tudo - Retrospectivas
Gestão Agil de tudo - RetrospectivasGestão Agil de tudo - Retrospectivas
Gestão Agil de tudo - Retrospectivas
 
Gestao Ágil do Backlog - Taskboards
Gestao Ágil do Backlog - TaskboardsGestao Ágil do Backlog - Taskboards
Gestao Ágil do Backlog - Taskboards
 
Gestão Ágil de tudo: Planejamento backlog
Gestão Ágil de tudo: Planejamento backlogGestão Ágil de tudo: Planejamento backlog
Gestão Ágil de tudo: Planejamento backlog
 
Gestao Ágil de Projeto - Reunião Diária
Gestao Ágil de Projeto - Reunião DiáriaGestao Ágil de Projeto - Reunião Diária
Gestao Ágil de Projeto - Reunião Diária
 
Gestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil - praticas de fundamentos
Gestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil -  praticas de fundamentosGestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil -  praticas de fundamentos
Gestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil - praticas de fundamentos
 
Teste de Segurança orientado a valor
Teste de Segurança orientado a valorTeste de Segurança orientado a valor
Teste de Segurança orientado a valor
 
Mobile App Security Test
Mobile App Security TestMobile App Security Test
Mobile App Security Test
 
Estimativa de Teste sem medo - parte 2
Estimativa de Teste sem medo - parte 2Estimativa de Teste sem medo - parte 2
Estimativa de Teste sem medo - parte 2
 
Estimativa de Teste sem medo - Introdução 2015
Estimativa de Teste sem medo - Introdução 2015Estimativa de Teste sem medo - Introdução 2015
Estimativa de Teste sem medo - Introdução 2015
 
Agiidade na Qualidade de Software -2011
Agiidade na Qualidade de Software -2011Agiidade na Qualidade de Software -2011
Agiidade na Qualidade de Software -2011
 
Desenvolvimento Seguro- 2011
Desenvolvimento Seguro- 2011Desenvolvimento Seguro- 2011
Desenvolvimento Seguro- 2011
 
Entendendo o Ciclo de Desenvolvimento Seguro
Entendendo o Ciclo de Desenvolvimento SeguroEntendendo o Ciclo de Desenvolvimento Seguro
Entendendo o Ciclo de Desenvolvimento Seguro
 
Ameaças e Vulnerabilidade em Apps Web-2013
Ameaças e Vulnerabilidade em Apps Web-2013Ameaças e Vulnerabilidade em Apps Web-2013
Ameaças e Vulnerabilidade em Apps Web-2013
 

Teste Ágeis para todo o time

  • 2. KLEITOR Entusiasta da Vida, Qualidade, Colaborativos, Ágil, Teste e Testes Ágeis. 2 kleitor.franklint@gmail.com br.linkedin.com/in/kfranklint 99416-0873
  • 3. Um overview do Universo Ágil e de como todo o time pode melhorar e agregar valor ao produto com testes ágeis. 3
  • 4. 4 Agile ALM - Jurgen Appelo Repensando o saber. Essencialmente todos os modelos estão errados, mas alguns são úteis George E. P. Box
  • 5. O que é “Ágil”, Afinal?  Agil não é metodologia, mas praticas uteis, principalmente comportamentais  Agil é adaptativo ao invés de prescritivo  Agil é orientado a pessoas ao invés de orientado a processo.  Maximiza o valor do negócio com processos e documentação right-sized, just-enough, e just- in-time 5
  • 6. 6  Capacidade de rapidamente priorizar o uso de recursos quando requisitos, tecnologia e conhecimento mudam com o objetivo de lucrar em um mundo empresarial global turbulento  Uma resposta muito rápida às mudanças súbitas de mercado e ameaças emergentes através de interação intensiva com o cliente com base em: http://davidfrico.com/rico14n.pdf, Lean & Agile Enterprise Frameworks O que é “Ágil”, Afinal?
  • 7. AGILE - MITOS DOS ÚLTIMOS 20 ANOS •Métodos ágeis são apenas para desenvolvimento de software •Métodos ágeis são apenas para pequenas equipes colocalizados •Métodos ágeis não têm nenhuma documentação •Métodos ágeis não têm requisitos 7
  • 8. MITOS DOS ÚLTIMOS 20 ANOS 8 •Métodos ágeis precisam de arquiteturas de sistema tradicional •Métodos ágeis não têm gerenciamento de projeto •Métodos ágeis são indisciplinados e não mensuráveis •Sistemas construídos usando métodos ágeis são impossíveis de manter e inseguros (Bicho papão)
  • 9. Mundo Ágil e produtividade Um estudo independente feito com amostras de mais de 8.000 projetos mostrou que equipes ágeis são, em média, 25% mais produtivas do que seus pares da indústria. http://www.deltamatrix.com/why-are-agile-teams-25-more-productive 9
  • 10. 10 Insanidade é fazer a mesma coisa repetidamente e esperar resultados diferentes. Definição de insanidade por Albert Einstein Repensando o fazer.
  • 11. 11 Mas, não é testador que testa? rsrs.. Já sei, são aqueles testes que o pessoal de TI e o cliente fazem usando o produto pronto. Não, gente. Essa ideia tá ultrapassada faz 20 anos! Não!!! Todo mundo pode melhorar o produto testando! Repensando que o time todo pode tornar o produto melhor usando testes!! Repensando o que, mesmo?
  • 12. Teste para quê, mesmo? http://www.deltamatrix.com/why-are-agile-teams-25-more-productive 12 The BUG is on the table!!!
  • 13. “O objetivo dos testes é agregar valor o mais cedo possível ao produto”. Modelagem projetando, modelagem executando Modelar comportamento do cliente..E SE.. 13 Teste para quê, mesmo?
  • 14. Testes Ágeis: um conceito 14 São Práticas “ágeis” principalmente comportamentais, aplicadas a Teste de Software, nas quais o teste faz parte do todo e o todo faz parte do teste. Não partidarismos, Sim colaboração.
  • 15. Ciclo de vida de projeto orientado a Alice Ciclo de vida orientado à incerteza Requisitos de negócios Requisitos funcionais desenvolvimento Entrega Suposições Hipóteses Experimentos Validação 15 Modelagem Orientada a teste, Pra quê?
  • 16. Quadrantes ágeis de Teste: apoiar , desenhar e criticar 16 Agile Testing: Past , Present and Future, Asheesh Mehdiratta, Sonik Chopra Qualidade externa – construindo o produto certo Qualidade interna – construindo certo o produto
  • 17. Testes orientados a valor para todo o TIME!! 
  • 18. 18 Cê sabe o que teste exploratório? Rsrs...Gente esse aí é “ad hoc”, também conhecido como “testa aeh!” Mas, pra quê Teste Exploratório? Claro!!! Navegar pelo Sistema buscando bugs!! Por que usar Exploratórios? Software perfeito e outras ilusões
  • 19. 19 Não consigo cobrir com antecedência todas as condições ...e é muita coisa que leva tempo! configurações, interações, execução, sumarização... rsrs ...e o conhecimento?! dados, cenários, configurações... nem se fala! ...e nem todas condições são úteis de serem cobertas Por que usar Exploratórios? Software perfeito e outras ilusões
  • 20. 20 Teste Exploratório: Características Gente, desculpa, ainda não entendi o que é teste exploratório Essa é fácil!!! Design, execução e aprendizagem ao mesmo tempo Deixa comigo!!! Seus elementos são três.. James Bach’s 2003 paper, “Exploratory Testing Explained.” “Exploratory testing is simultaneous learning, test design, and test execution.” É estruturado. Não é “Testa eah!” Seu ponto de partida são ideias, propósitos e missão definidas Identificar riscos críticos, necessidades e fatores de qualidade Porque o objetivo é agregar valor ao produto Por quê?
  • 21. 21 Por que usar Exploratórios? Software perfeito e outras ilusões O que posso explorar? Pode explorar desde a concepção até pós- estrega... rsrs ...e o todo o time participa! Analistas, desenvolvedores, designers, testers... ...tudo, de requisitos, sistemas a ambiente
  • 23. 23 Alguns pontos de vista -Aceitação do cliente como base, seja ele qual for; -Só como pré-entrega do produto é subutilizar a inteligência produtiva da empresa: muito gasto pouco ROI -No Ágil é executado em todo o ciclo de vida do produto -Aproxima o produto da necessidade do cliente no teste de aceitação final ( UAT ) -Agrega muito valor ao produto -Gera padrão pra desenvolvedores Teste de aceitação
  • 24. 24 Sim!!! Em todo o ciclo de vida do produto Teste de aceitação Não!!! Só depois do produto pronto
  • 25. 25 Driving Development with Tests:ATDD and TDD, Elisabeth Hendrickson Todo o time explora e modela Time explora e remodela testes de aceitação Time apoia e modela testes de aceitação Teste de aceitação: ATDD Testadores e desenvolvedores modelam testes de aceitação
  • 26. 26 Teste de aceitação com Modelagem Orientada a Comportamento Se há cliente então Explorar requisito com Teste de aceitação Se o cliente puder testar então Explorar requisito com Teste de aceitação Modele Sistemas desenhando comportamentos usando exemplos Modele Sistemas com BDD (Behavior driven design) usando DBE ( design by example).
  • 27. 27 Problema: expressões individualizadas do critério Specification-By-Example with Gherkin, CHRISTIAN HASSA Teste de aceitação
  • 28. 28 Teste de aceitação com BDD (Behavior driven design) • Prática onde a comunicação se faz por um vocabulário comum encorajando a colaboração entre todo o time. • Forma de escrever teste de aceitação ( ATDD ) com exemplos DBE ( design by example).  Foca nas razões pelas quais o código deve ser criado, e não em detalhes técnicos  Em vez do termo "testes" , preferimos “cenário" e "especificação“
  • 29. 29 Quebrando requisitos em cenários que expressem comportamento através de exemplos https://pythonhosted.org/behave/philosophy.html Teste de aceitação com BDD Given um cliente menor de idade When venda de produto for bebida alcoólica Then não vender and informar ao cliente o motivo Vocabulário comum Aproveitado desde a concepção até a implementação
  • 30. Desenho interno: Test Unitário Test Driven Development (TDD) 30 Não é uma técnica para testar código ou detectar bugs Age como uma ferramenta de apoio ao design do código Não é para validar todo caminho possível dentro do código, mas para avaliar se o comportamento do produto é o esperado.
  • 31. 31 http://istqbexamcertification.com/what-are-the-different-agile-testing-methodology-test-driven-development-behavior-driven-development/ - Quando não orientados a Negócio consomem uma enorme quantidade de tempo de manutenção e pouco ROI. -Orientados ao valor do negócio com testes de aceitação agregam muito valor a produto. Testadores criam massa de dados orientada a teste de aceitação Facilitam entrega contínua Time especifica unit tests Desenho interno: Test Unitário Test Driven Development (TDD)
  • 32. BUG TRACK E REPORT – GESTÃO DE FALHAS •Visão tradicional: rastrear e manter registo de falhas para analisar, por exemplo, causa raiz e taxas de defeito. Ferramentas: Mantis, bugzila, etc. 32 Testes Ágeis: como tratar defeitos? •Visão ágil: buscar evitar “bug track tools”, meio sem sentido no Ágil. Filas de defeitos são filas de retrabalho e desperdício
  • 33. ALGUMAS ALTERNATIVAS DO ÁGIL À GESTÃO DE FALHAS •Ao invés de registrar a falha, crie um teste que prove sua existência. São bons instrumentos de comunicação. São ocumentação viva. •Por que um teste que prove o defeito não pode ser um instrumento da ISO? •Tente iniciar sem um DTS (defect tracking system). DTS tem sua utilidade principalmente em times distribuídos. 33 Testes Ágeis: como tratar defeitos?
  • 34. ALGUMAS ALTERNATIVAS DO ÁGIL À GESTÃO DE FALHAS •Estabeleça um limite máximo de bugs por vez e os corrija o mais rápido possível. Sprints menores auxiliam nisso. Previna •Estabeleça um limite mínimo de correções por período: hora, dia, semana. •Dê visibilidade aos bug cards 34 Testes Ágeis: como tratar defeitos?
  • 35. 35 Automação de testes Quando  ... Quer reduzir tempo de execução de testes repetitivos  ... Precisa de Testes de regressão com constante mudança de código  ... Casos de teste foram extremamente explorados e a execução precisa ser rápida  ... Precisa auditar rapidamente a confiabilidade dos testes por testador.  ... Não precisa testar considerações visuais tais como cor da imagem ou tamanho do fonte. Mudanças nesse contexto só podem ser detectadas por testes manuais Fonte da imagem: http://www.precisetestingsolution.com/functional-automation-testing.php Com base em: http://www.base36.com/2013/03/automated-vs-manual-testing-the-pros-and-cons-of-each/ https://www.apicasystem.com/blog/automated-testing-vs-manual-testing/
  • 36. 36 Como?  Por features, histórias,  Orientados a user-centered ( valor ) sob risco de gastar tempo em automação de algo que não deveria ser automatizado  Com ferramentas orientadas a necessidade do projeto  Treinamento técnico em habilidades técnicas e conhecimentos de programação  Adicionando risco na automação na estimativa de esforço Automação de testes
  • 37. 37 Quem participa da automação? Todos os envolvidos que tomam decisões - Criar cenários Todos os que podem colaborar com cenários orientados a valor - Criar cenários Testadores e desenvolvedores - Criar cenários - Implementar e manter a automação
  • 38. POSSO COLABORAR COM MAIS RESPOSTAS? 38 kleitor.franklint@gmail.com br.linkedin.com/in/kfranklint 99416-0873

Notas do Editor

  1. 5
  2. 6
  3. 7
  4. 8
  5. 9
  6. 12
  7. 13
  8. 14
  9. 15
  10. 16
  11. 17
  12. 20
  13. 23
  14. 24
  15. 25
  16. 26
  17. 27
  18. 28
  19. 29
  20. 30
  21. 31
  22. 32
  23. 33
  24. 34
  25. 35
  26. 36
  27. 37
  28. 38