SlideShare uma empresa Scribd logo
Tarefa 3
Aulas nºs.: 127-128; 129-130; 131-132 Dias: 23, 24 e 25 de março/2020
MÓDULO 3
1. A geografia cultural europeia de Quatrocentos e Quinhentos
2. O alargamento do conhecimento do Mundo
DOCUMENTO O conhecimento botânico de Garcia de Orta (1563)
Na passagem seguinte da obra Colóquios, o médico e botânico Garcia de Orta (1500-1568), grande estudioso das
plantas orientais, trava um curioso diálogo com o seu discípulo Ruano:
.
1. O conhecimento botânico transmitido por Garcia de Orta a Ruano (documento) resultou
História A – 10F
2019-2020
RUANO – Não é fora de razão, pois tantos trabalhos os Portugueses levam por haver toda a pimenta
à sua mão […], que me digais onde é a força e a quantidade dela maior, e como se chama nas terras
donde nasce, e mais como se chama em arábio, e como se colhe, e a feição da árvore, e se é cá
usada para medicina.
ORTA – A maior quantidade desta pimenta há em todo o Malabar e ao longo desta costa, do
princípio do cabo do Comorim até Cananor [na Índia] […].
RUANO – Da feição da árvore, como cresce e como se cria toda a pimenta em uma árvore me dizei;
pois nisto concordam os Gregos, Latinos e Arábios todos e os novos escritores que hoje em dia
escrevem.
ORTA – Todos a uma voz se concertaram a não dizer verdade, se não que Dioscórides1
é digno de
perdão, porque escreveu por falsa informação, e de terras longínquas, e o mar não ser navegado
como agora é; e a esse imitou Plínio1
, e Galeno2
, e Isidoro3
, e Avicena4
e todos os Arábios. E mais os
que agora escrevem, como António Musa5
e os frades, têm maior culpa, pois não fazem mais que
dizer todos de uma maneira, sem fazer diligência em coisa tão sabida, como é a feição da árvore e
a fruta, e como amadurece e como se colhe.
RUANO – Como, todos esses que dizeis erraram?
ORTA – Sim, se chamais errar a dizer o que não é. […] A pimenta, isto é, a árvore ou planta é plantada
ao pé de outra árvore e pela mor parte [na maior parte das vezes] a vejo sempre plantada ao pé de
alguma arequeira ou palmeira. Tem a raiz pequena e cresce tanto quanto a árvore a que está
arrimada [apoiada] e encostada, abraçando-se com a árvore; e a folha não é muita, nem muito
grande, e é mais pequena que a de laranjeira e verde e aguda na ponta e queima algum pouco [...];
nasce como as uvas em cachos e não difere mais que serem os cachos da pimenta mais miúdos nos
grãos que os das nossas uvas e não serem tão grandes os cachos como os das uvas; e sempre estão
verdes até ao tempo em que seque a pimenta e esteja em sua perfeição e força, que é até meados
de janeiro; neste Malabar, a planta é de duas maneiras, uma que dá pimenta preta e outra branca;
e, afora estas, há outra em Bengala, que é da longa.
RUANO – Parece-me que destruís a todos os escritores antigos e modernos, por isso olhai o que
fazeis.
Garcia de Horta, Colóquios dos Simples e Drogas e Coisas Medicinais da Índia, vol. II,
Imprensa Nacional, 1982 (1.a
edição em 1563)
1 Escritor romano do século I, foi autor de História Natural, compêndio do conhecimento científico antigo.
2 Médico famoso do mundo romano, viveu nos séculos II-III.
3 Bispo de Sevilha, viveu nos séculos VI-VII, distinguindo-se pela transmissão do saber clássico no reino visigodo.
4 Sábio islâmico dos séculos X-XI, cujos conhecimentos médicos e farmacêuticos foram estudados nas universidades
medievais.
5 Médico e botânico italiano (1500-1555).
1.
O contributo português para o alargamento do conhecimento do Mundo no Renascimento
5
10
15
20
25
(A) do estudo das obras dos sábios greco-romanos, especialmente admirados no Renascimento.
(B) do respeito escrupuloso pelos ensinamentos da Igreja.
(C) dos escritos de outros sábios renascentistas.
(D) da observação e descrição da Natureza, proporcionada pelas Descobertas marítimas.
2. Quando Garcia de Orta foi médico de D. João III, Lisboa era uma metrópole comercial do Mundo
com a qual rivalizava a cidade de
(A) Barcelona.
(B) Sevilha.
(C) Madrid.
(D) Londres.
3. Nomeie, com base no documento, o novo saber empírico que os Portugueses ajudaram a construir
no Renascimento.
4. Transcreva duas afirmações do documento que refletem o exercício do espírito crítico
renascentista.
5. Associe os nomes de sábios portugueses, presentes na coluna A, ao respetivo contributo para o
alargamento do conhecimento do Mundo, patente na coluna B.
Escreva, na folha de respostas, apenas as letras e os números correspondentes. Utilize cada letra e
cada número apenas uma vez.
Coluna A Coluna B
(A) D. João de Castro
(B) Pedro Nunes
(C) Duarte Pacheco Pereira
(1) Militar, navegador e cosmógrafo, escreveu o
Esmeraldo de Situ Orbis, um dos expoentes da
ciência náutica.
(2) Astrónomo, escreveu De Revolutionibus
Orbium Coelestium, onde defendeu o
heliocentrismo.
(3) Geógrafo, matemático e astrónomo, autor de
uma Geografia em que Colombo se baseou
para atingir a Ásia navegando para ocidente.
(4) Cosmógrafo e professor universitário,
distinguiu-se pelos estudos de Matemática.
(5) Militar e geógrafo, celebrizou-se como autor
dos Roteiros.
6. Explicite três inovações técnicas portuguesas no domínio da náutica e da cartografia.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Tarefa 3

As primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasilAs primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasil
VIVIAN TROMBINI
 
As primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasilAs primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasil
VIVIAN TROMBINI
 
Joaquim carlos travassos
Joaquim carlos travassosJoaquim carlos travassos
Joaquim carlos travassos
Izabel Cristina Fonseca
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Carolina Magalhães
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Carolina Magalhães
 
HISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptx
HISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptxHISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptx
HISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptx
mariamarques465184
 
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão MarítimaRevisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Janaína Bindá
 
O Bandeirante - n.216 - Novembro de 2010
O Bandeirante - n.216 - Novembro de 2010O Bandeirante - n.216 - Novembro de 2010
O Bandeirante - n.216 - Novembro de 2010
Marcos Gimenes Salun
 
Questões de vestibular sobre Expansão Marítima
Questões de vestibular sobre Expansão MarítimaQuestões de vestibular sobre Expansão Marítima
Questões de vestibular sobre Expansão Marítima
Zé Knust
 
26 - Renascimento
26 - Renascimento26 - Renascimento
26 - Renascimento
Carla Freitas
 
Fitoterapia verdades e_mentiras
Fitoterapia verdades e_mentirasFitoterapia verdades e_mentiras
Fitoterapia verdades e_mentiras
Faculdade Mário Schenberg
 
Poder das ervas
Poder das ervasPoder das ervas
Poder das ervas
pauloweimann
 
Poder das Ervas
Poder das ErvasPoder das Ervas
Poder das Ervas
V.X. Carmo
 
Sobre a Coca
Sobre a CocaSobre a Coca
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostasSantillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Jose Barroco
 
2 dia cópia
2 dia   cópia2 dia   cópia
2 dia cópia
trilusofona
 
2 dia cópia
2 dia   cópia2 dia   cópia
2 dia cópia
trilusofona
 
O militar e o religioso sob a mesma cruz
O militar e o religioso sob a mesma cruzO militar e o religioso sob a mesma cruz
O militar e o religioso sob a mesma cruz
Maike Piragibe Cavalcante
 
Rfc43 artigo8
Rfc43 artigo8Rfc43 artigo8
Rfc43 artigo8
Januário Esteves
 
Olericultura
OlericulturaOlericultura
Olericultura
Helder Monteiro
 

Semelhante a Tarefa 3 (20)

As primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasilAs primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasil
 
As primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasilAs primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasil
 
Joaquim carlos travassos
Joaquim carlos travassosJoaquim carlos travassos
Joaquim carlos travassos
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
 
HISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptx
HISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptxHISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptx
HISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptx
 
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão MarítimaRevisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
 
O Bandeirante - n.216 - Novembro de 2010
O Bandeirante - n.216 - Novembro de 2010O Bandeirante - n.216 - Novembro de 2010
O Bandeirante - n.216 - Novembro de 2010
 
Questões de vestibular sobre Expansão Marítima
Questões de vestibular sobre Expansão MarítimaQuestões de vestibular sobre Expansão Marítima
Questões de vestibular sobre Expansão Marítima
 
26 - Renascimento
26 - Renascimento26 - Renascimento
26 - Renascimento
 
Fitoterapia verdades e_mentiras
Fitoterapia verdades e_mentirasFitoterapia verdades e_mentiras
Fitoterapia verdades e_mentiras
 
Poder das ervas
Poder das ervasPoder das ervas
Poder das ervas
 
Poder das Ervas
Poder das ErvasPoder das Ervas
Poder das Ervas
 
Sobre a Coca
Sobre a CocaSobre a Coca
Sobre a Coca
 
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostasSantillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
 
2 dia cópia
2 dia   cópia2 dia   cópia
2 dia cópia
 
2 dia cópia
2 dia   cópia2 dia   cópia
2 dia cópia
 
O militar e o religioso sob a mesma cruz
O militar e o religioso sob a mesma cruzO militar e o religioso sob a mesma cruz
O militar e o religioso sob a mesma cruz
 
Rfc43 artigo8
Rfc43 artigo8Rfc43 artigo8
Rfc43 artigo8
 
Olericultura
OlericulturaOlericultura
Olericultura
 

Mais de Marquês de Pombal

11 hca 1 matriz
11 hca 1 matriz11 hca 1 matriz
11 hca 1 matriz
Marquês de Pombal
 
10 hca 1 matriz
10 hca  1 matriz10 hca  1 matriz
10 hca 1 matriz
Marquês de Pombal
 
Matriz 7 1 20 21
Matriz 7 1 20 21Matriz 7 1 20 21
Matriz 7 1 20 21
Marquês de Pombal
 
Tarefa 2 10 h
Tarefa 2 10 h Tarefa 2 10 h
Tarefa 2 10 h
Marquês de Pombal
 
12 f tarefa 2
12 f tarefa 212 f tarefa 2
12 f tarefa 2
Marquês de Pombal
 
11 f meu
11 f meu11 f meu
Cidadania desenvolvimento tarefa 2 9 b
Cidadania desenvolvimento tarefa 2 9 bCidadania desenvolvimento tarefa 2 9 b
Cidadania desenvolvimento tarefa 2 9 b
Marquês de Pombal
 
Tarefa 2 11 g
Tarefa  2 11 gTarefa  2 11 g
Tarefa 2 11 g
Marquês de Pombal
 
Tarefa 2 10 g
Tarefa 2 10 gTarefa 2 10 g
Tarefa 2 10 g
Marquês de Pombal
 
Tarefa 3 8 ano
Tarefa 3   8 anoTarefa 3   8 ano
Tarefa 3 8 ano
Marquês de Pombal
 
Dac
DacDac
11 f
 11 f 11 f
9
99
7
77
Tarefa 2 8 ano
Tarefa 2   8 anoTarefa 2   8 ano
Tarefa 2 8 ano
Marquês de Pombal
 
Ficha trabalho 9 a
Ficha trabalho 9 aFicha trabalho 9 a
Ficha trabalho 9 a
Marquês de Pombal
 
Quadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriaisQuadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriais
Marquês de Pombal
 
Quadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriaisQuadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriais
Marquês de Pombal
 
Novela r lib port
Novela r lib portNovela r lib port
Novela r lib port
Marquês de Pombal
 
12 f
12 f12 f

Mais de Marquês de Pombal (20)

11 hca 1 matriz
11 hca 1 matriz11 hca 1 matriz
11 hca 1 matriz
 
10 hca 1 matriz
10 hca  1 matriz10 hca  1 matriz
10 hca 1 matriz
 
Matriz 7 1 20 21
Matriz 7 1 20 21Matriz 7 1 20 21
Matriz 7 1 20 21
 
Tarefa 2 10 h
Tarefa 2 10 h Tarefa 2 10 h
Tarefa 2 10 h
 
12 f tarefa 2
12 f tarefa 212 f tarefa 2
12 f tarefa 2
 
11 f meu
11 f meu11 f meu
11 f meu
 
Cidadania desenvolvimento tarefa 2 9 b
Cidadania desenvolvimento tarefa 2 9 bCidadania desenvolvimento tarefa 2 9 b
Cidadania desenvolvimento tarefa 2 9 b
 
Tarefa 2 11 g
Tarefa  2 11 gTarefa  2 11 g
Tarefa 2 11 g
 
Tarefa 2 10 g
Tarefa 2 10 gTarefa 2 10 g
Tarefa 2 10 g
 
Tarefa 3 8 ano
Tarefa 3   8 anoTarefa 3   8 ano
Tarefa 3 8 ano
 
Dac
DacDac
Dac
 
11 f
 11 f 11 f
11 f
 
9
99
9
 
7
77
7
 
Tarefa 2 8 ano
Tarefa 2   8 anoTarefa 2   8 ano
Tarefa 2 8 ano
 
Ficha trabalho 9 a
Ficha trabalho 9 aFicha trabalho 9 a
Ficha trabalho 9 a
 
Quadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriaisQuadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriais
 
Quadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriaisQuadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriais
 
Novela r lib port
Novela r lib portNovela r lib port
Novela r lib port
 
12 f
12 f12 f
12 f
 

Último

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 

Último (20)

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 

Tarefa 3

  • 1. Tarefa 3 Aulas nºs.: 127-128; 129-130; 131-132 Dias: 23, 24 e 25 de março/2020 MÓDULO 3 1. A geografia cultural europeia de Quatrocentos e Quinhentos 2. O alargamento do conhecimento do Mundo DOCUMENTO O conhecimento botânico de Garcia de Orta (1563) Na passagem seguinte da obra Colóquios, o médico e botânico Garcia de Orta (1500-1568), grande estudioso das plantas orientais, trava um curioso diálogo com o seu discípulo Ruano: . 1. O conhecimento botânico transmitido por Garcia de Orta a Ruano (documento) resultou História A – 10F 2019-2020 RUANO – Não é fora de razão, pois tantos trabalhos os Portugueses levam por haver toda a pimenta à sua mão […], que me digais onde é a força e a quantidade dela maior, e como se chama nas terras donde nasce, e mais como se chama em arábio, e como se colhe, e a feição da árvore, e se é cá usada para medicina. ORTA – A maior quantidade desta pimenta há em todo o Malabar e ao longo desta costa, do princípio do cabo do Comorim até Cananor [na Índia] […]. RUANO – Da feição da árvore, como cresce e como se cria toda a pimenta em uma árvore me dizei; pois nisto concordam os Gregos, Latinos e Arábios todos e os novos escritores que hoje em dia escrevem. ORTA – Todos a uma voz se concertaram a não dizer verdade, se não que Dioscórides1 é digno de perdão, porque escreveu por falsa informação, e de terras longínquas, e o mar não ser navegado como agora é; e a esse imitou Plínio1 , e Galeno2 , e Isidoro3 , e Avicena4 e todos os Arábios. E mais os que agora escrevem, como António Musa5 e os frades, têm maior culpa, pois não fazem mais que dizer todos de uma maneira, sem fazer diligência em coisa tão sabida, como é a feição da árvore e a fruta, e como amadurece e como se colhe. RUANO – Como, todos esses que dizeis erraram? ORTA – Sim, se chamais errar a dizer o que não é. […] A pimenta, isto é, a árvore ou planta é plantada ao pé de outra árvore e pela mor parte [na maior parte das vezes] a vejo sempre plantada ao pé de alguma arequeira ou palmeira. Tem a raiz pequena e cresce tanto quanto a árvore a que está arrimada [apoiada] e encostada, abraçando-se com a árvore; e a folha não é muita, nem muito grande, e é mais pequena que a de laranjeira e verde e aguda na ponta e queima algum pouco [...]; nasce como as uvas em cachos e não difere mais que serem os cachos da pimenta mais miúdos nos grãos que os das nossas uvas e não serem tão grandes os cachos como os das uvas; e sempre estão verdes até ao tempo em que seque a pimenta e esteja em sua perfeição e força, que é até meados de janeiro; neste Malabar, a planta é de duas maneiras, uma que dá pimenta preta e outra branca; e, afora estas, há outra em Bengala, que é da longa. RUANO – Parece-me que destruís a todos os escritores antigos e modernos, por isso olhai o que fazeis. Garcia de Horta, Colóquios dos Simples e Drogas e Coisas Medicinais da Índia, vol. II, Imprensa Nacional, 1982 (1.a edição em 1563) 1 Escritor romano do século I, foi autor de História Natural, compêndio do conhecimento científico antigo. 2 Médico famoso do mundo romano, viveu nos séculos II-III. 3 Bispo de Sevilha, viveu nos séculos VI-VII, distinguindo-se pela transmissão do saber clássico no reino visigodo. 4 Sábio islâmico dos séculos X-XI, cujos conhecimentos médicos e farmacêuticos foram estudados nas universidades medievais. 5 Médico e botânico italiano (1500-1555). 1. O contributo português para o alargamento do conhecimento do Mundo no Renascimento 5 10 15 20 25
  • 2. (A) do estudo das obras dos sábios greco-romanos, especialmente admirados no Renascimento. (B) do respeito escrupuloso pelos ensinamentos da Igreja. (C) dos escritos de outros sábios renascentistas. (D) da observação e descrição da Natureza, proporcionada pelas Descobertas marítimas. 2. Quando Garcia de Orta foi médico de D. João III, Lisboa era uma metrópole comercial do Mundo com a qual rivalizava a cidade de (A) Barcelona. (B) Sevilha. (C) Madrid. (D) Londres. 3. Nomeie, com base no documento, o novo saber empírico que os Portugueses ajudaram a construir no Renascimento. 4. Transcreva duas afirmações do documento que refletem o exercício do espírito crítico renascentista. 5. Associe os nomes de sábios portugueses, presentes na coluna A, ao respetivo contributo para o alargamento do conhecimento do Mundo, patente na coluna B. Escreva, na folha de respostas, apenas as letras e os números correspondentes. Utilize cada letra e cada número apenas uma vez. Coluna A Coluna B (A) D. João de Castro (B) Pedro Nunes (C) Duarte Pacheco Pereira (1) Militar, navegador e cosmógrafo, escreveu o Esmeraldo de Situ Orbis, um dos expoentes da ciência náutica. (2) Astrónomo, escreveu De Revolutionibus Orbium Coelestium, onde defendeu o heliocentrismo. (3) Geógrafo, matemático e astrónomo, autor de uma Geografia em que Colombo se baseou para atingir a Ásia navegando para ocidente. (4) Cosmógrafo e professor universitário, distinguiu-se pelos estudos de Matemática. (5) Militar e geógrafo, celebrizou-se como autor dos Roteiros. 6. Explicite três inovações técnicas portuguesas no domínio da náutica e da cartografia.