SlideShare uma empresa Scribd logo
PROCESSOS DE INTERCÂMBIO, ACULTURAÇÃO E ASSIMILAÇÃO –O EMBATE DAS CIVILIZAÇÕES
Eurocentrismo
O eurocentrismo é um modelo de interpretação da realidade que tende a colocar a Europa (a sua
cultura, o seu povo, as suas línguas, etc.) como o elemento fundamental na constituição da
sociedade moderna, sendo necessariamente a protagonista da História do Homem. Atribui ao
continente europeu e aos povos que o constituem a ideia de progresso histórico e de supe-
rioridade política e ética, relativamente a outras regiões do Mundo.
A Europa assume o papel de intermediário
A partir do século XV, as sociedades humanas, que até aí viviam dispersas e fechadas sobre si,
foram abaladas por um processo expansionista que colocou a Europa em contacto com povos
de diferentes níveis civilizacionais. As reações dessas culturas à presença euro- peia foram
diversas. Os ameríndios, por exemplo, assimilaram a cultura e os hábitos daqueles que os
colonizavam, já os hindus e os chineses recusaram os valores europeus.
Mas afinal que trocas culturais ocorreram entre o continente europeu e os continentes
asiático, africano e americano?
As permutas culturais fizeram-se essencialmente a três níveis:
I – Difusão de animais, plantas e técnicas de produção
– Para a América os europeus levaram os seus
animais domésticos, como por exemplo o boi, o
cavalo e o carneiro, e plantas alimentares como o
trigo, o centeio, a vinha e a oliveira…
– Da Ásia, chegavam à América produtos como a
banana, o inhame, o arroz, a cana-de-açúcar…
– A América, por sua vez, forneceu às zonas
mediterrânicas, a batata e o milho maís, e às
zonas tropicais a mandioca e a batata-doce…
Fruto e castanha de caju.
HISTÓRIA – 8 ANO
2019-2020
Será que a aculturação se fez apenas num único sentido? Terão sido só os
europeus a interferir no quotidiano das populações com que contactaram, ou
terão também ocorrido transformações no dia a dia dos europeus após os
contactos com outras culturas?
Com este trabalho pretende-se que reflitas acerca do processo de aculturação
que decorreu do processo expansionista que teve início no século XV.
1. Lê, com muita atenção, as informações que se seguem.
SUGESTÃO DE TRABALHO
II – Formação de comunidades que resultaram da fusão entre os europeus e osnativos
A chegada dos europeus a outros continentes deu origem à formação de comunidades muito
distintas. Assim, se na América os europeus (portugueses e espanhóis) fundaram cidades, com
as mesmas características das que existiam na metrópole, já na Ásia os povos ocidentais
limitaram-se a estabelecer feitorias nas zonas costeiras.
Vejamos, na Ásia, os europeus mantiveram-se em zonas restritas
distanciados dos nativos. Mas na América e na África, os avanços dos
europeus foram mais profundos tendo sujeitado os nativos à escravatura
e aos trabalhos forçados, nas plantações e nas minas. Deste último caso
resultou o cruzamento de raças e a formação de comunidades mestiças.
A presença dos africanos no Brasil deixou marcas na cultura ainda hoje
visíveis.
III – Evangelização e difusão da cultura europeia
Os povos europeus deixaram às comunidades de outros
continentes contributos ao nível da divulgação de técnicas,
da ciência, arte e cultura; transmitiram as estruturas da
administração do território (capitanias; governo geral);
criaram escolas e difundiram as crenças religiosas (como,
por exemplo, o catolicismo e o protestantismo) …
Neste papel, destacaram-se os soldados, os
mercenários, os comerciantes e os missionários (como,
por exemplo, a Companhia de Jesus). Um exemplo deste
intercâmbio é a língua espanhola, ainda hoje falada em
alguns países da América central, ou da língua
portuguesa falada em tantos países do mundo
(Brasil, Moçambique, Timor-Leste, Cabo Verde, entre
outros).
Índio da Amazónia
Padre António Vieira
Por outro lado, a Europa também foi influenciada pelos povos de outros continentes.
• Na geografia e nas ciências (cartografia), graças aos muçulmanos, os europeus
renovaram/corrigiram os conhecimentos que tinham acerca do Mundo, muitas das
vezes distorcidos.
• Na medicina, o acesso a novas plantas/drogas utilizadas pelos indígenas possibilitou o
tratamento de algumas doenças.
• Na literatura, surgiam relatos da existência de outras realidades, diferentes da europeia.
• Na arte, a cultura oriental inspirou significativamente as criações artísticas, tanto na
construção como na decoração dos palácios onde se encontravam, por exemplo, móveis
de origem indiana, tapetes persas, porcelanas chinesas…
• Na gastronomia, o impacto da descoberta de novos produtos foi considerável e alterou os
hábitos alimentares dos europeus, possibilitando a superação de graves crises de fome.
Agora que acabaste de ler estas informações relativas ao confronto entre culturas,
responde às questões que se seguem.
1. O que entendes por eurocentrismo?
2. O que entendes por aculturação?
3. Completa a frase escolhendo a opção correta.
A aculturação foi um processo que…
A – se fez apenas num sentido (da Europa para as comunidades para onde se
expandia).
B – foi um processo mútuo que deixou marcas tanto no povo colonizador como no
povo colonizado.
3.1. Retira dos textos apresentados frases que confirmem a tua resposta anterior.
3.2. Completa o quadro que se segue com informações dos textos que acabaste de ler.
Aculturação dos povos extraeuropeus
Exemplos de consequências da aculturação
Mistura de raças deu lugar a casamentos mistos
Aspetos culturais
Ensino
Língua
Medicina
SUGESTÃO DE TRABALHO
4. Os textos que se seguem apresentam duas versões sobre a chegada dos
portugueses ao Japão.
4.1. Qual te parece ser a opinião dos japoneses em relação aos portugueses? Justifica a
tua resposta.
4.2. E o que pensam os portugueses dos japoneses?
4.3. Que conclusões retiras das reações de parte a parte?
Estes homens (os portugueses) são comerciantes. Compreendem, até certo ponto, a
distinção entre superior e inferior, mas não sei se existe entre eles um sistema próprio de
etiqueta. Bebem em copo, sem o oferecerem aos outros. Comem com os dedos, e não
com pauzinhos como nós. (…) Não compreendem o significado dos carateres escritos.
São gente que passa a vida viajando de aqui para além, sem morada certa, e trocam os
produtos que têm pelos que não possuem, mas no fundo, não são má gente.
Crónica japonesa Teppo-Ki (século XVI).
A gente do Japão é pouco cobiçosa e muito educada. Quando se vai à sua terra, os mais
ricos convidam-nos para comer e dormir em suas casas; parece que vos querem meter na
alma. São muito desejosos de saberem de nossas terras e de todas as coisas. Em casa,
é costume estarem assentados de pernas cruzadas (…). Comem no chão como os
mouros, com pauzinhos, como os chineses, e cada um em sua tigela.
Estimam muito falar baixo e têm-nos a nós por destemperados porque falamos alto. Cada
dia se lavam duas vezes (…). As mulheres são muito bem proporcionadas e muito alvas e
são muito maviosas e meigas. São mulheres muito limpas e fazem em casa todo o trabalho
de tecer, fiar e coser. As mulheres honradas são muito veneradas de seus maridos; os
maridos são moldados por elas. São mulheres que vão onde querem, sem o perguntarem
a seus maridos.
Jorge Álvares, Informação sobre o Japão (século XVI).
5. Analisa os quadros informativos seguintes.
5.1. Explica por que razão as palavras portuguesas adotadas pelos japoneses são,
essencialmente, relativas a aspetos do quotidiano e religiosos.
6. Constrói um pequeno texto no qual dês a conhecer a tua ideia acerca do
intercâmbio cultural ocorrido, a partir do século XV, entre os povos europeus e
extraeuropeus. Dá exemplos. Ilustra o teu texto se quiseres.
Bom trabalho!
Mantém-te saudável!
Prof. Ana Vaz
Exemplos de palavras portuguesas
introduzidas no vocabulário japonês
Palavra portuguesa Palavra japonesa
Botão Botan
Capa Kappa
Católico Katorikku
Copo Koppu
Cristão Kirishitan
Pão Pan
Sabão Shabon
Salada Sarada
Varanda Beranda
Exemplos de palavras japonesas
introduzidas no vocabulário português
Palavra japonesa Palavra portuguesa
Banzai Banzé
Byôbu Biombo
Kimono Quimono
Tchá Chá
Tchawan Chávena

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Celsoblog6anotexto
Celsoblog6anotextoCelsoblog6anotexto
Celsoblog6anotexto
DiedNuenf
 
Cap 1 da europa para o mundo
Cap 1 da europa para o mundoCap 1 da europa para o mundo
Cap 1 da europa para o mundo
Fernanda Lopes
 
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aulaHistória - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
DiedNuenf
 
SEMANA DO FERA - PRIMEIRO ANO
SEMANA DO FERA - PRIMEIRO ANOSEMANA DO FERA - PRIMEIRO ANO
SEMANA DO FERA - PRIMEIRO ANO
Paulo Alexandre
 
UPE - Prova vestibular terceiro dia
UPE - Prova vestibular terceiro diaUPE - Prova vestibular terceiro dia
UPE - Prova vestibular terceiro dia
Jornal do Commercio
 
Gilberto Freyre (Casa Grande e Senzala, Sobrados e Mucambos)
Gilberto Freyre (Casa Grande e Senzala, Sobrados e Mucambos)Gilberto Freyre (Casa Grande e Senzala, Sobrados e Mucambos)
Gilberto Freyre (Casa Grande e Senzala, Sobrados e Mucambos)
Marcos Mamute
 
Geografia a
Geografia  aGeografia  a
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Fernanda Lopes
 
Apostila de História - UFSC 2017 [amostra]
Apostila de História - UFSC 2017 [amostra]Apostila de História - UFSC 2017 [amostra]
Apostila de História - UFSC 2017 [amostra]
Elton Zanoni
 
Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)
Evanildo Pitombeira
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
Icobashi
 
Caderno do Aluno História 5 série vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 5 série vol 2 2014-2017Caderno do Aluno História 5 série vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 5 série vol 2 2014-2017
Diogo Santos
 
Caderno do Aluno História 6 série vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 6 série vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 6 série vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 6 série vol 1 2014-2017
Diogo Santos
 
Boletim - Diversidade Brasileira
Boletim - Diversidade BrasileiraBoletim - Diversidade Brasileira
Boletim - Diversidade Brasileira
Rodrigo Silveira
 
Planejamento de historia em.
Planejamento de historia em.Planejamento de historia em.
Planejamento de historia em.
Atividades Diversas Cláudia
 
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigoQuestões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
Zé Knust
 
Literatura do século XVII
Literatura do século XVIILiteratura do século XVII
Literatura do século XVII
vinivs
 
Matéria lecionada história fundamental. tudo
Matéria lecionada história fundamental. tudoMatéria lecionada história fundamental. tudo
Matéria lecionada história fundamental. tudo
Atividades Diversas Cláudia
 
Fim 3 programa_ii chc_evora2013
Fim 3 programa_ii chc_evora2013Fim 3 programa_ii chc_evora2013
Fim 3 programa_ii chc_evora2013
Rogério Santos
 
Elementos de História do Brasil Colonial
Elementos de História do Brasil ColonialElementos de História do Brasil Colonial
Elementos de História do Brasil Colonial
vinivs
 

Mais procurados (20)

Celsoblog6anotexto
Celsoblog6anotextoCelsoblog6anotexto
Celsoblog6anotexto
 
Cap 1 da europa para o mundo
Cap 1 da europa para o mundoCap 1 da europa para o mundo
Cap 1 da europa para o mundo
 
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aulaHistória - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
 
SEMANA DO FERA - PRIMEIRO ANO
SEMANA DO FERA - PRIMEIRO ANOSEMANA DO FERA - PRIMEIRO ANO
SEMANA DO FERA - PRIMEIRO ANO
 
UPE - Prova vestibular terceiro dia
UPE - Prova vestibular terceiro diaUPE - Prova vestibular terceiro dia
UPE - Prova vestibular terceiro dia
 
Gilberto Freyre (Casa Grande e Senzala, Sobrados e Mucambos)
Gilberto Freyre (Casa Grande e Senzala, Sobrados e Mucambos)Gilberto Freyre (Casa Grande e Senzala, Sobrados e Mucambos)
Gilberto Freyre (Casa Grande e Senzala, Sobrados e Mucambos)
 
Geografia a
Geografia  aGeografia  a
Geografia a
 
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
 
Apostila de História - UFSC 2017 [amostra]
Apostila de História - UFSC 2017 [amostra]Apostila de História - UFSC 2017 [amostra]
Apostila de História - UFSC 2017 [amostra]
 
Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
 
Caderno do Aluno História 5 série vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 5 série vol 2 2014-2017Caderno do Aluno História 5 série vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 5 série vol 2 2014-2017
 
Caderno do Aluno História 6 série vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 6 série vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 6 série vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 6 série vol 1 2014-2017
 
Boletim - Diversidade Brasileira
Boletim - Diversidade BrasileiraBoletim - Diversidade Brasileira
Boletim - Diversidade Brasileira
 
Planejamento de historia em.
Planejamento de historia em.Planejamento de historia em.
Planejamento de historia em.
 
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigoQuestões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
 
Literatura do século XVII
Literatura do século XVIILiteratura do século XVII
Literatura do século XVII
 
Matéria lecionada história fundamental. tudo
Matéria lecionada história fundamental. tudoMatéria lecionada história fundamental. tudo
Matéria lecionada história fundamental. tudo
 
Fim 3 programa_ii chc_evora2013
Fim 3 programa_ii chc_evora2013Fim 3 programa_ii chc_evora2013
Fim 3 programa_ii chc_evora2013
 
Elementos de História do Brasil Colonial
Elementos de História do Brasil ColonialElementos de História do Brasil Colonial
Elementos de História do Brasil Colonial
 

Semelhante a Tarefa 3 8 ano

66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
LEANDROSPANHOL1
 
AVALIAÇÃO ANTROPOLOGIA CULTURAL
AVALIAÇÃO ANTROPOLOGIA CULTURALAVALIAÇÃO ANTROPOLOGIA CULTURAL
AVALIAÇÃO ANTROPOLOGIA CULTURAL
Umberto Neves
 
Europa e Europeus - Latinos (2018/2019)
Europa e Europeus - Latinos (2018/2019)Europa e Europeus - Latinos (2018/2019)
Europa e Europeus - Latinos (2018/2019)
Carlos Ribeiro Medeiros
 
Europa e Europeus - Os Latinos
Europa e Europeus - Os LatinosEuropa e Europeus - Os Latinos
Europa e Europeus - Os Latinos
Carlos Ribeiro Medeiros
 
Em defesa dos_indios
Em defesa dos_indiosEm defesa dos_indios
Em defesa dos_indios
Rui Pacheco
 
Conceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismoConceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismo
FRANCISCO PALOSQUE
 
UFCD - CP4 - Processos Identitários
UFCD - CP4 - Processos IdentitáriosUFCD - CP4 - Processos Identitários
UFCD - CP4 - Processos Identitários
Nome Sobrenome
 
INDUMENTÁRIA NO BRASIL
INDUMENTÁRIA NO BRASILINDUMENTÁRIA NO BRASIL
INDUMENTÁRIA NO BRASIL
Odair Tuono
 
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 -  Cultura e Antropologia.pptxMaterial 7 -  Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
WillianVieira54
 
Missoes
MissoesMissoes
A Cultura
A Cultura A Cultura
A Cultura
Ana Antunes
 
Culturaport
CulturaportCulturaport
Culturaport
Marco Pereira
 
Ra ef-hi-01População mineira e brasileira: várias origens, várias histórias.
Ra ef-hi-01População mineira e brasileira: várias origens, várias histórias.Ra ef-hi-01População mineira e brasileira: várias origens, várias histórias.
Ra ef-hi-01População mineira e brasileira: várias origens, várias histórias.
Lauri Rene Reis Filho
 
Roteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origens
Roteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origensRoteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origens
Roteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origens
Lauri Rene Reis Filho
 
LISTA-REVISÃO-PRÉ-HISTÓRIA-AO-RENASCIMENTO.pdf
LISTA-REVISÃO-PRÉ-HISTÓRIA-AO-RENASCIMENTO.pdfLISTA-REVISÃO-PRÉ-HISTÓRIA-AO-RENASCIMENTO.pdf
LISTA-REVISÃO-PRÉ-HISTÓRIA-AO-RENASCIMENTO.pdf
mariasilva2107
 
Plano de ensino 7º ano história
Plano de ensino 7º ano históriaPlano de ensino 7º ano história
Plano de ensino 7º ano história
Atividades Diversas Cláudia
 
05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade
Vítor Santos
 
sld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdfsld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdf
SammuelFabricio1
 
HISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptx
HISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptxHISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptx
HISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptx
mariamarques465184
 
Diversidade.pptx
Diversidade.pptxDiversidade.pptx
Diversidade.pptx
FABIOALMEIDADEAGUIAR
 

Semelhante a Tarefa 3 8 ano (20)

66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
 
AVALIAÇÃO ANTROPOLOGIA CULTURAL
AVALIAÇÃO ANTROPOLOGIA CULTURALAVALIAÇÃO ANTROPOLOGIA CULTURAL
AVALIAÇÃO ANTROPOLOGIA CULTURAL
 
Europa e Europeus - Latinos (2018/2019)
Europa e Europeus - Latinos (2018/2019)Europa e Europeus - Latinos (2018/2019)
Europa e Europeus - Latinos (2018/2019)
 
Europa e Europeus - Os Latinos
Europa e Europeus - Os LatinosEuropa e Europeus - Os Latinos
Europa e Europeus - Os Latinos
 
Em defesa dos_indios
Em defesa dos_indiosEm defesa dos_indios
Em defesa dos_indios
 
Conceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismoConceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismo
 
UFCD - CP4 - Processos Identitários
UFCD - CP4 - Processos IdentitáriosUFCD - CP4 - Processos Identitários
UFCD - CP4 - Processos Identitários
 
INDUMENTÁRIA NO BRASIL
INDUMENTÁRIA NO BRASILINDUMENTÁRIA NO BRASIL
INDUMENTÁRIA NO BRASIL
 
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 -  Cultura e Antropologia.pptxMaterial 7 -  Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
 
Missoes
MissoesMissoes
Missoes
 
A Cultura
A Cultura A Cultura
A Cultura
 
Culturaport
CulturaportCulturaport
Culturaport
 
Ra ef-hi-01População mineira e brasileira: várias origens, várias histórias.
Ra ef-hi-01População mineira e brasileira: várias origens, várias histórias.Ra ef-hi-01População mineira e brasileira: várias origens, várias histórias.
Ra ef-hi-01População mineira e brasileira: várias origens, várias histórias.
 
Roteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origens
Roteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origensRoteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origens
Roteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origens
 
LISTA-REVISÃO-PRÉ-HISTÓRIA-AO-RENASCIMENTO.pdf
LISTA-REVISÃO-PRÉ-HISTÓRIA-AO-RENASCIMENTO.pdfLISTA-REVISÃO-PRÉ-HISTÓRIA-AO-RENASCIMENTO.pdf
LISTA-REVISÃO-PRÉ-HISTÓRIA-AO-RENASCIMENTO.pdf
 
Plano de ensino 7º ano história
Plano de ensino 7º ano históriaPlano de ensino 7º ano história
Plano de ensino 7º ano história
 
05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade
 
sld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdfsld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdf
 
HISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptx
HISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptxHISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptx
HISTÓRIA_1SÉRIE_AULA60.pptx
 
Diversidade.pptx
Diversidade.pptxDiversidade.pptx
Diversidade.pptx
 

Mais de Marquês de Pombal

11 hca 1 matriz
11 hca 1 matriz11 hca 1 matriz
11 hca 1 matriz
Marquês de Pombal
 
10 hca 1 matriz
10 hca  1 matriz10 hca  1 matriz
10 hca 1 matriz
Marquês de Pombal
 
Matriz 7 1 20 21
Matriz 7 1 20 21Matriz 7 1 20 21
Matriz 7 1 20 21
Marquês de Pombal
 
Tarefa 2 10 h
Tarefa 2 10 h Tarefa 2 10 h
Tarefa 2 10 h
Marquês de Pombal
 
12 f tarefa 2
12 f tarefa 212 f tarefa 2
12 f tarefa 2
Marquês de Pombal
 
11 f meu
11 f meu11 f meu
Cidadania desenvolvimento tarefa 2 9 b
Cidadania desenvolvimento tarefa 2 9 bCidadania desenvolvimento tarefa 2 9 b
Cidadania desenvolvimento tarefa 2 9 b
Marquês de Pombal
 
Tarefa 2 11 g
Tarefa  2 11 gTarefa  2 11 g
Tarefa 2 11 g
Marquês de Pombal
 
Tarefa 2 10 g
Tarefa 2 10 gTarefa 2 10 g
Tarefa 2 10 g
Marquês de Pombal
 
Tarefa 3
Tarefa 3Tarefa 3
Dac
DacDac
11 f
 11 f 11 f
9
99
7
77
Tarefa 2 8 ano
Tarefa 2   8 anoTarefa 2   8 ano
Tarefa 2 8 ano
Marquês de Pombal
 
Ficha trabalho 9 a
Ficha trabalho 9 aFicha trabalho 9 a
Ficha trabalho 9 a
Marquês de Pombal
 
Quadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriaisQuadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriais
Marquês de Pombal
 
Quadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriaisQuadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriais
Marquês de Pombal
 
Tarefa 2 10 f
Tarefa 2   10 fTarefa 2   10 f
Tarefa 2 10 f
Marquês de Pombal
 
Novela r lib port
Novela r lib portNovela r lib port
Novela r lib port
Marquês de Pombal
 

Mais de Marquês de Pombal (20)

11 hca 1 matriz
11 hca 1 matriz11 hca 1 matriz
11 hca 1 matriz
 
10 hca 1 matriz
10 hca  1 matriz10 hca  1 matriz
10 hca 1 matriz
 
Matriz 7 1 20 21
Matriz 7 1 20 21Matriz 7 1 20 21
Matriz 7 1 20 21
 
Tarefa 2 10 h
Tarefa 2 10 h Tarefa 2 10 h
Tarefa 2 10 h
 
12 f tarefa 2
12 f tarefa 212 f tarefa 2
12 f tarefa 2
 
11 f meu
11 f meu11 f meu
11 f meu
 
Cidadania desenvolvimento tarefa 2 9 b
Cidadania desenvolvimento tarefa 2 9 bCidadania desenvolvimento tarefa 2 9 b
Cidadania desenvolvimento tarefa 2 9 b
 
Tarefa 2 11 g
Tarefa  2 11 gTarefa  2 11 g
Tarefa 2 11 g
 
Tarefa 2 10 g
Tarefa 2 10 gTarefa 2 10 g
Tarefa 2 10 g
 
Tarefa 3
Tarefa 3Tarefa 3
Tarefa 3
 
Dac
DacDac
Dac
 
11 f
 11 f 11 f
11 f
 
9
99
9
 
7
77
7
 
Tarefa 2 8 ano
Tarefa 2   8 anoTarefa 2   8 ano
Tarefa 2 8 ano
 
Ficha trabalho 9 a
Ficha trabalho 9 aFicha trabalho 9 a
Ficha trabalho 9 a
 
Quadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriaisQuadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriais
 
Quadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriaisQuadro comparativo regimes ditatoriais
Quadro comparativo regimes ditatoriais
 
Tarefa 2 10 f
Tarefa 2   10 fTarefa 2   10 f
Tarefa 2 10 f
 
Novela r lib port
Novela r lib portNovela r lib port
Novela r lib port
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 

Tarefa 3 8 ano

  • 1. PROCESSOS DE INTERCÂMBIO, ACULTURAÇÃO E ASSIMILAÇÃO –O EMBATE DAS CIVILIZAÇÕES Eurocentrismo O eurocentrismo é um modelo de interpretação da realidade que tende a colocar a Europa (a sua cultura, o seu povo, as suas línguas, etc.) como o elemento fundamental na constituição da sociedade moderna, sendo necessariamente a protagonista da História do Homem. Atribui ao continente europeu e aos povos que o constituem a ideia de progresso histórico e de supe- rioridade política e ética, relativamente a outras regiões do Mundo. A Europa assume o papel de intermediário A partir do século XV, as sociedades humanas, que até aí viviam dispersas e fechadas sobre si, foram abaladas por um processo expansionista que colocou a Europa em contacto com povos de diferentes níveis civilizacionais. As reações dessas culturas à presença euro- peia foram diversas. Os ameríndios, por exemplo, assimilaram a cultura e os hábitos daqueles que os colonizavam, já os hindus e os chineses recusaram os valores europeus. Mas afinal que trocas culturais ocorreram entre o continente europeu e os continentes asiático, africano e americano? As permutas culturais fizeram-se essencialmente a três níveis: I – Difusão de animais, plantas e técnicas de produção – Para a América os europeus levaram os seus animais domésticos, como por exemplo o boi, o cavalo e o carneiro, e plantas alimentares como o trigo, o centeio, a vinha e a oliveira… – Da Ásia, chegavam à América produtos como a banana, o inhame, o arroz, a cana-de-açúcar… – A América, por sua vez, forneceu às zonas mediterrânicas, a batata e o milho maís, e às zonas tropicais a mandioca e a batata-doce… Fruto e castanha de caju. HISTÓRIA – 8 ANO 2019-2020 Será que a aculturação se fez apenas num único sentido? Terão sido só os europeus a interferir no quotidiano das populações com que contactaram, ou terão também ocorrido transformações no dia a dia dos europeus após os contactos com outras culturas? Com este trabalho pretende-se que reflitas acerca do processo de aculturação que decorreu do processo expansionista que teve início no século XV. 1. Lê, com muita atenção, as informações que se seguem. SUGESTÃO DE TRABALHO
  • 2. II – Formação de comunidades que resultaram da fusão entre os europeus e osnativos A chegada dos europeus a outros continentes deu origem à formação de comunidades muito distintas. Assim, se na América os europeus (portugueses e espanhóis) fundaram cidades, com as mesmas características das que existiam na metrópole, já na Ásia os povos ocidentais limitaram-se a estabelecer feitorias nas zonas costeiras. Vejamos, na Ásia, os europeus mantiveram-se em zonas restritas distanciados dos nativos. Mas na América e na África, os avanços dos europeus foram mais profundos tendo sujeitado os nativos à escravatura e aos trabalhos forçados, nas plantações e nas minas. Deste último caso resultou o cruzamento de raças e a formação de comunidades mestiças. A presença dos africanos no Brasil deixou marcas na cultura ainda hoje visíveis. III – Evangelização e difusão da cultura europeia Os povos europeus deixaram às comunidades de outros continentes contributos ao nível da divulgação de técnicas, da ciência, arte e cultura; transmitiram as estruturas da administração do território (capitanias; governo geral); criaram escolas e difundiram as crenças religiosas (como, por exemplo, o catolicismo e o protestantismo) … Neste papel, destacaram-se os soldados, os mercenários, os comerciantes e os missionários (como, por exemplo, a Companhia de Jesus). Um exemplo deste intercâmbio é a língua espanhola, ainda hoje falada em alguns países da América central, ou da língua portuguesa falada em tantos países do mundo (Brasil, Moçambique, Timor-Leste, Cabo Verde, entre outros). Índio da Amazónia Padre António Vieira Por outro lado, a Europa também foi influenciada pelos povos de outros continentes. • Na geografia e nas ciências (cartografia), graças aos muçulmanos, os europeus renovaram/corrigiram os conhecimentos que tinham acerca do Mundo, muitas das vezes distorcidos. • Na medicina, o acesso a novas plantas/drogas utilizadas pelos indígenas possibilitou o tratamento de algumas doenças. • Na literatura, surgiam relatos da existência de outras realidades, diferentes da europeia. • Na arte, a cultura oriental inspirou significativamente as criações artísticas, tanto na construção como na decoração dos palácios onde se encontravam, por exemplo, móveis de origem indiana, tapetes persas, porcelanas chinesas… • Na gastronomia, o impacto da descoberta de novos produtos foi considerável e alterou os hábitos alimentares dos europeus, possibilitando a superação de graves crises de fome.
  • 3. Agora que acabaste de ler estas informações relativas ao confronto entre culturas, responde às questões que se seguem. 1. O que entendes por eurocentrismo? 2. O que entendes por aculturação? 3. Completa a frase escolhendo a opção correta. A aculturação foi um processo que… A – se fez apenas num sentido (da Europa para as comunidades para onde se expandia). B – foi um processo mútuo que deixou marcas tanto no povo colonizador como no povo colonizado. 3.1. Retira dos textos apresentados frases que confirmem a tua resposta anterior. 3.2. Completa o quadro que se segue com informações dos textos que acabaste de ler. Aculturação dos povos extraeuropeus Exemplos de consequências da aculturação Mistura de raças deu lugar a casamentos mistos Aspetos culturais Ensino Língua Medicina SUGESTÃO DE TRABALHO
  • 4. 4. Os textos que se seguem apresentam duas versões sobre a chegada dos portugueses ao Japão. 4.1. Qual te parece ser a opinião dos japoneses em relação aos portugueses? Justifica a tua resposta. 4.2. E o que pensam os portugueses dos japoneses? 4.3. Que conclusões retiras das reações de parte a parte? Estes homens (os portugueses) são comerciantes. Compreendem, até certo ponto, a distinção entre superior e inferior, mas não sei se existe entre eles um sistema próprio de etiqueta. Bebem em copo, sem o oferecerem aos outros. Comem com os dedos, e não com pauzinhos como nós. (…) Não compreendem o significado dos carateres escritos. São gente que passa a vida viajando de aqui para além, sem morada certa, e trocam os produtos que têm pelos que não possuem, mas no fundo, não são má gente. Crónica japonesa Teppo-Ki (século XVI). A gente do Japão é pouco cobiçosa e muito educada. Quando se vai à sua terra, os mais ricos convidam-nos para comer e dormir em suas casas; parece que vos querem meter na alma. São muito desejosos de saberem de nossas terras e de todas as coisas. Em casa, é costume estarem assentados de pernas cruzadas (…). Comem no chão como os mouros, com pauzinhos, como os chineses, e cada um em sua tigela. Estimam muito falar baixo e têm-nos a nós por destemperados porque falamos alto. Cada dia se lavam duas vezes (…). As mulheres são muito bem proporcionadas e muito alvas e são muito maviosas e meigas. São mulheres muito limpas e fazem em casa todo o trabalho de tecer, fiar e coser. As mulheres honradas são muito veneradas de seus maridos; os maridos são moldados por elas. São mulheres que vão onde querem, sem o perguntarem a seus maridos. Jorge Álvares, Informação sobre o Japão (século XVI).
  • 5. 5. Analisa os quadros informativos seguintes. 5.1. Explica por que razão as palavras portuguesas adotadas pelos japoneses são, essencialmente, relativas a aspetos do quotidiano e religiosos. 6. Constrói um pequeno texto no qual dês a conhecer a tua ideia acerca do intercâmbio cultural ocorrido, a partir do século XV, entre os povos europeus e extraeuropeus. Dá exemplos. Ilustra o teu texto se quiseres. Bom trabalho! Mantém-te saudável! Prof. Ana Vaz Exemplos de palavras portuguesas introduzidas no vocabulário japonês Palavra portuguesa Palavra japonesa Botão Botan Capa Kappa Católico Katorikku Copo Koppu Cristão Kirishitan Pão Pan Sabão Shabon Salada Sarada Varanda Beranda Exemplos de palavras japonesas introduzidas no vocabulário português Palavra japonesa Palavra portuguesa Banzai Banzé Byôbu Biombo Kimono Quimono Tchá Chá Tchawan Chávena