SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Faculdade Castro Alves Prof.: Lícia Margarida  Equipe:    Ana Claudia Paixão    Andrea Costa     Cléia Silva    Itaciana Walleys    Lucimeire Barbosa    Priscila Bessa     Ramon Oliveira 1º. Semestre
Variação Lingüística da Região Nordeste  Estados: Alagoas; Bahia (*); Ceará; Maranhão; Paraíba; Piauí; Pernambuco; Rio Grande do Norte; Sergipe. População:51.871.449 (Censo IBGE 2010)
ALAGOAS População: 3.093.994 hab. (2010)
Formação Histórica  o Estado de Alagoas foi invadida por franceses no início do século XVI, sendo retomada pelos portugueses em 1535. O nome Alagoas é derivado dos numerosos lagos que se comunicam uns com os outros e também com os diversos rios que banham a região.
Vocabulário Aperriado – Aflito, irritado Avacalhar – Esculhambar; ironizar Avexar - Apressar Bicado - Embriagado Bexiga – Coisa ruim; situação complicada Bizu - Cola de prova; fraude em vestibular Cabuloso – Chato; desagradável Farrapar – Não cumprir, falhar Gréia – Zombaria, gozação Jabá – Propina; qualquer comida sem muito preparo, grosseira Lambedor – Xarope caseiro Ôxe – Exclamação de surpresa Pedir penico - Fracassar, desistir Se aprochegue - Venha pra cá; chegue mais perto Xodó – Namoro; paquera
CEARÁ População: 8.448.055 hab. (2010)
Formação Histórica  O Ceará é conhecido como "Terra da Luz", numa referência à grande quantidade de dias ensolarados. O povo cearense foi formado pela miscigenação de indígenas catequizados e aculturados após longa resistência, colonizadores europeus e negros que viviam como trabalhadores livres ou escravos.
Vocabulário Contrações: Contração de "Bichinha" ou "Bichinho", que é uma referência carinhosa a uma pessoa. Junção: Corte várias palavras, junte-as e aparecerá uma nova.           Exemplo: "Diabeisso?“ = Que diabo é isso.
MARANHÃO População: 6.424.340 hab. (2010)
Formação Histórica  Fundada em 1612 por franceses, única cidade fundada por franceses, invadida por holandeses,mas totalmente construída pelos portugueses.  É uma das 3 cidades brasileiras que localiza-se em uma ilha. Tem uma forte influência indígena, escrava e portuguesa.  São Luís também é a cidade onde a foi escrita e editada a primeira gramática do Brasil, pelo escritor Sotero dos Reis.
Vocabulário Meter o aço:  Fazer algo de forma impetuosa e violenta. Nos tempos em que Adão era cadete: antigamente, nos tempos antigos Ser um alho: ser vivo, esperto, ladino.  empregado no desvio: sem emprego Vá bugiar: vá adiante, não amole, vá importunar outro Ser o bicho cacau: ser o tal, o melhor de todos Engenheiro de obras prontas:malandro, preguiçoso Cheio de nove-horas: cheio de  exigências Comer sopa de vento: passar fome  Não sair desse rame-rame: não progredir nas coisas da vida;  prender-se à rotina, à mesmice.  rasgada: não respeitar ninguém, ser desaforado Dar o tiro na macaca: não casar, ficar solteira Dar o doce: contrair matrimônio
PARAÍBA População: 3.753.633 hab. (2010)
          Formação Histórica Paraíba está situada a leste da região Nordeste, ocupa uma área de 56.439 km² (pouco menor que a Croácia). A capital é João Pessoa. Da Paraíba surgiram alguns dos mais notáveis poetas e escritores brasileiros como Augusto dos Anjos, José Américo de Almeida, José Lins do Rêgo, W.J Solha e Pedro Américo. João Pessoa é conhecida turisticamente como "a cidade onde o sol nasce primeiro". Além disso, é na Paraíba onde realiza-se todos os anos,na cidade de Campina Grande, "O Maior São João do Mundo“.
           Variação do Sotaque  Aumentativos e diminutivos Usam-se expressões e comparativos para indicar grandeza e intensidade. Grande e/ou forte: "da muléxta", "da gota (sérêna)", "pênsi nu tamãnhu". Exemplos: eu vi um prédio grandi da muléxta  Pequeno e/ou fraco: "um mizérê", "um nadinha (di nada)“      Consoantes nasais como "m" e "n" e o encontro consonantal "nh", nasalizam as vogais que as antecedem nos dialetos paraibanos. Além disso, "nh" se torna um som muito suave, e quase não é pronunciado,a vogal anterior.  Essas vogais nasais eu vou representar com um acento circunflexo sobre elas por não ter fonte que me permita usar o til. Assim:  î= soa como im- exemplo: gálî-a (leia: gálim-a= galinha) û= soa como um- exemplo: ûa (leia: um-a)
Vocabulário Paraibano não se diverte..., ele 'bota pa decê'! Não é distraido..., é 'apombaiado ou alesado'!Não fica solteiro..., ele fica solto na buraqueira!Paraibano não vai com sede ao pote...,ele vai com a 'bixiga taboca'!Não vai embora..., ele vai pegá o beco!Não diz 'concordo com vc' ..., ele diz 'Né isso, omi!!!!'Não se admira....ele diz 'oxe, massa!'Não fica com raiva...... fica 'Cá gota'Paraibano não conserta..., ele imenda ou endereita!Não bate..., ele 'senta-le'a mãozada no pé do uvido!Não sai pra confusão..., ele sai pro 'muído'!Não fica impressionado....fica abestalhadoNão tem dor de ouvido...tem dor nas oiçaParaibano não bebe um drink..., ele toma uma!Não vira de ponta-cabeça ...... vira de bunda canasticaNão dá pulo...... dá pinote
PIAUÍ População: 3.753.633 hab. (2010)
Formação Histórica  Pertencendo ao início do  século XVII ao Estado de Grão-Pará e de Maranhão, a região então é habitada por uma população originária de Portugal,Pernambuco e Bahia. É o estado litorâneo com menor extensão de costa, apenas 66 km. Esse pequeno trecho, porém, é privilegiado. Na fronteira com o Maranhão, a oeste, fica o delta do rio Parnaíba,o único em mar aberto das Américas A população piauiense é predominantemente mestiça, fruto da miscigenação entre brancos e índios (caboclos).
          Variação do Sotaque No Piauí surgiram varias expressões que não condizem com a norma culta portuguesa, que apresentam tão grande variedade que acabam intraduzíveis para que não lhes é familiar. Por apresentar várias conjugações verbais que se distanciaram do português oficial acaba por seguir suas próprias regras. E por esse tipo de linguagem ser tão próprio da região piauiense ganhou por adjetivo singular "linguajar piauiês".  Dar ao “piauiês” ou “língua piauiesa“ um status de dialeto único.
Vocabulário ACOCHAR - apertar  ARROCHAR - beijar, ficar  ABERAR - Fugir, escapar, correr  CAÇAR CONVERSA - Provocar, irritar alguém  EGUAGEM - Asneiras, bobagens, tolice  ICHI - meu deus ex.:Ichi! não vai fazer os dever?  SÓARTIRA - bebado, ressacado/"o Zé tava sóartira jogado na calçada"  LENHADA - pancada, porrada  BARRUADA - batida, acidente/ "aconteu uma barruada na avenida"  LECHI - porrada/ "o menino deu um lechi no outro"  DESDROBO - Enganar, levar na conversa.  ONTONTI - Anteontem.  PRIPINADO - Qualidade daquilo que foi previamente mexido, usado, bagunçado. "Ex: eu lá vou querer essa comida... tá toda pripinada!"  ENGOMAR - Passar roupa. "Ex: ainda preciso engomar essas duas calças".  DOIDO - Cara, mano. "E aí doido?"  RAPAR DOIDÓ - "Cara..."
PERNAMBUCO População: 8.541.250 hab. (2010)
Formação Histórica  O nome Pernambuco vem do tupi Paranãpuka, que significa "buraco de mar", expressão com a qual os índios conheciam a foz do rio Santa Cruz, que separa a ilha de Itamaracá do continente, ao norte do Recife.  Pernambuco foi uma das primeiras áreas brasileiras ocupadas pelos portugueses.  A riqueza de Pernambuco foi alvo do interesse de outras nações. No século XVII, os holandeses se estabelecem no estado.
Vocabulário abestalhado - bobo, besta, pateta acochado - apertado (ex: Se aperreie não, doutor. Vou deixar os parafusos da roda do carro bem acochadinhos) açoite - chicote a como é - quanto custa (ex: A como é o quilo do tomate, seu Biu? Prá senhora é de graça, freguesa) afolosado - frouxo, quebrado (ex: Não sente na cadeira, doutor, que ela está afolosada) arribar - sair, ir embora arrodear - dar a volta (ex: Mãe, o portão de casa está trancado. Arrodeia e entra pelos fundos, menino) dor de veado - dor abdominal que dá em quem bebe muito líquido e vai fazer exercício logo depois  tamborete de zona - sujeito baixinho trubufu - pessoa feia
RIO GRANDE DO NORTE População: 3.121.451 hab. (2010)
Formação Histórica  É possível ver a influência holandesa bastante acentuada principalmente no interior do Estado, enquanto na Capital vemos uma maior concentração de pessoas com origem portuguesa e indígena.A raça negra influencia mais nitidamente no tocante as tradições. Danças, religião, comidas, celebrações e tradições trazidas da cultura negra estão presentes no dia a dia do Potiguar.Potiguar é uma denominação dada a quem nasce no estado do Rio Grande do Norte (assim como norte-rio-grandense ou rio-grandense-do-norte). Potiguar ou potiguara é o nome de uma grande nação tupi que habitava a região litorânea do que hoje são os estados do Rio Grande do Norte e da Paraíba. Em tupi quer dizer "comedor de camarão";
Vocabulário Arenga = brigar  Arengueiro = que briga  Arroz= Rapaz que só faz companhia para amigas em festas mas não namora a mesma e geralmente é meio viado.  Boy= Menino / Boyzinha = menina Galado=Ela possui vários significados: babaca; bastardo; alguém que não é boa companhia; pessoa que gosta de fazer travessura com outros. Dependendo do seu tom de voz pode ser algo ruim ou algo bom. Ex: "Essi homi é um galado..." = Este sujeito é antipático.  Reiêra = Pessoa que não presta, coisa que não serve.  É fresk-é? = Vem de " É fresco?" que quer dizer: "Está ficando louco(a)?" ou " Por que você está tão estérico(a)?"
SERGIPE População: 3.121.451 hab. (2010)
Formação Histórica  Sergipe origina-se do tupi si'ri ü pe que quer dizer "no rio dos siris", tendo sido mais tarde adotado Cirizipe ou Cerigipe, que quer dizer "ferrão de siri", nome de um dos cinco caciques que se opuseram ao domínio português. Sua  colonização teve início na segunda metade do século XVI, onde começaram a chegar navios francesespara trocar objetos diversos por pau-brasil, algodão e pimenta-da-terra.
Vocabulário    Uso de é com som de [i]    Ex: “E ele sentado assim, si isprimia pum ladu, si isprimia ou outro.” Queda da vogal final, quando precedida de outra vogal, mas também síncope de consoantes inicias e finais:      Ex: “Num tá tomano nada gelado?”            “Não pudia sê de trabalho” Aspiração do [s], precedido de vogal:     Ex: “Hoje eu num quero mairnada com você” A mesma aspiração ocorre com o [g] inicial:       Ex: “dexe aberto pra quando os boi viere a rente passar” Palatalização do [t]        Ex: otcho (por oito), jeitcho (jeito)
BAHIA População: 13.633.969 hab. (2010)
Formação Histórica  O Estado da Bahia foi o local onde, primeiramente, aportaram os portugueses no Brasil, em 1500. A cidade de Salvador foi fundada em 1549 como a primeira capital do Brasil, pelo Governador-Geral Tomé de Souza. Em Salvador concentrou-se uma grande população de europeus, índios, negros e mestiços. Com essa a interação lingüística, apoiada por fatores favoráveis de ordem sociohistórica e cultural, foi provavelmente facilitada pela proximidade relativa da estrutura lingüística do português europeu antigo e regional com as línguas negro-africanas que o mestiçaram.
Variação do sotaque - O modo como expressam o gerúndio é peculiar, uma vez que omite-se o “d” nesta forma verbal (falano, cantano, dizeno). - Usam o som de “i” no lugar de “e”, como nos exemplos acima, utilizam também o som de “u” no lugar do “o”, encontrados em guverno, furmiga, tumate, minino entre outras. - Algumas palavras com a letra “s”, aparecem como chiado,como exemplo a palavra “mesmo”.
Gírias Colé, misera!’ – Olá, amigo. Colé, men!’ – Olá, amigo. Digái, negão!’ – Olá, amigo. (independente da cor do amigo)E aí, viado!’ – Olá, amigo. (independente da opção sexual do amigo) É niuma - Sem problemas Relaxe mô fiu’ – Sem problemas, amigo. ÊA!’ – Olá, amigo. Colé de mêrmo?’ – Como vai você? Ô vei - Ei você. Aí você me quebra – ai você me prejudica Ôxe! - Todo baiano usa essa expressão para tudo.  Lá ele! - Eu não, sai fora!	  Num tô comeno reggae de (fulano)! - Não estar com medo de provocação/ ameaça de (fulano) Bó batê o baba? - Chamar os amigos para uma partida de futebol. Aonde! – Não mesmo. É massa! – É legal,é bom. Reggae – Festa.
Visite Nordeste                                                                                                                                                         Monumento de Jenipapo-Piauí Lençois Maranheses                                            				  Praia de Pajuçara – Maceió/Alagoas   Rio Mossoró - R.G. Norte                                                                                                           Convento São Francisco-Paraíba Centro Histórico - Pernambuco                  Elevador Lacerda - Salvador/BA                             Museu Eclipse - Ceará
REFERÊNCIAS http://pt.wikipedia.org http://www.censo2010.ibge.gov.br/dados_divulgados/index.php?uf=25 http://www.citybrazil.com.br/ba/historia-do-estado http://www.bahiaemfoco.com/portal/historia-da-bahia www.youtube.com www.pi.gov.br/ diariodonordeste.globo.com/materia maps.google.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008Marcos Gimenes Salun
 
catálogo .LIVROS DE PORTUGUES
catálogo .LIVROS DE PORTUGUES catálogo .LIVROS DE PORTUGUES
catálogo .LIVROS DE PORTUGUES Beatriz Aldana
 
Variação linguística de são paulo
Variação linguística de são pauloVariação linguística de são paulo
Variação linguística de são pauloNeil Azevedo
 
Falamos-portugues
Falamos-portuguesFalamos-portugues
Falamos-portuguesSofia Real
 
O Bandeirante - n.213 - Agosto de 2010
O Bandeirante - n.213 - Agosto de 2010O Bandeirante - n.213 - Agosto de 2010
O Bandeirante - n.213 - Agosto de 2010Marcos Gimenes Salun
 
As línguas africanas no brasil professora marta costa
As línguas africanas no brasil   professora marta costaAs línguas africanas no brasil   professora marta costa
As línguas africanas no brasil professora marta costaDaniel Torquato
 
ANTUNES, A. Amazônia dos brabos (LIVRO)
ANTUNES, A. Amazônia dos brabos (LIVRO)ANTUNES, A. Amazônia dos brabos (LIVRO)
ANTUNES, A. Amazônia dos brabos (LIVRO)Eduardo Carneiro
 
Fiota cartilha3baixa
Fiota cartilha3baixaFiota cartilha3baixa
Fiota cartilha3baixaNádia Rabelo
 
VARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL
VARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASILVARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL
VARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASILuniversigatas
 
4074923 portugues-ppt-historia-da-lingua-portuguesa
4074923 portugues-ppt-historia-da-lingua-portuguesa4074923 portugues-ppt-historia-da-lingua-portuguesa
4074923 portugues-ppt-historia-da-lingua-portuguesaMaría Griselda Sauco
 
C:\Documents And Settings\10444\Desktop\Slide A Lingua De Eulalia[1]
C:\Documents And Settings\10444\Desktop\Slide A Lingua De Eulalia[1]C:\Documents And Settings\10444\Desktop\Slide A Lingua De Eulalia[1]
C:\Documents And Settings\10444\Desktop\Slide A Lingua De Eulalia[1]Karina Barbosa
 
Revista literatas edição 2
Revista literatas   edição 2Revista literatas   edição 2
Revista literatas edição 2canaldoreporter
 
História da Língua Portuguesa - APP
História da Língua Portuguesa - APPHistória da Língua Portuguesa - APP
História da Língua Portuguesa - APPAntonio Pinto Pereira
 
Jornal os catraios final mf v8 - pdf
Jornal os catraios final mf  v8 - pdfJornal os catraios final mf  v8 - pdf
Jornal os catraios final mf v8 - pdfCelia Ganhao
 
Histórias da Dona Fiota vol 2- História da África
Histórias da Dona Fiota  vol 2- História da ÁfricaHistórias da Dona Fiota  vol 2- História da África
Histórias da Dona Fiota vol 2- História da Áfricaguest15c4e2
 
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010Marcos Gimenes Salun
 

Mais procurados (18)

O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
 
catálogo .LIVROS DE PORTUGUES
catálogo .LIVROS DE PORTUGUES catálogo .LIVROS DE PORTUGUES
catálogo .LIVROS DE PORTUGUES
 
Variação linguística de são paulo
Variação linguística de são pauloVariação linguística de são paulo
Variação linguística de são paulo
 
Falamos-portugues
Falamos-portuguesFalamos-portugues
Falamos-portugues
 
O Bandeirante - n.213 - Agosto de 2010
O Bandeirante - n.213 - Agosto de 2010O Bandeirante - n.213 - Agosto de 2010
O Bandeirante - n.213 - Agosto de 2010
 
As línguas africanas no brasil professora marta costa
As línguas africanas no brasil   professora marta costaAs línguas africanas no brasil   professora marta costa
As línguas africanas no brasil professora marta costa
 
ANTUNES, A. Amazônia dos brabos (LIVRO)
ANTUNES, A. Amazônia dos brabos (LIVRO)ANTUNES, A. Amazônia dos brabos (LIVRO)
ANTUNES, A. Amazônia dos brabos (LIVRO)
 
Fiota cartilha3baixa
Fiota cartilha3baixaFiota cartilha3baixa
Fiota cartilha3baixa
 
VARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL
VARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASILVARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL
VARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL
 
4074923 portugues-ppt-historia-da-lingua-portuguesa
4074923 portugues-ppt-historia-da-lingua-portuguesa4074923 portugues-ppt-historia-da-lingua-portuguesa
4074923 portugues-ppt-historia-da-lingua-portuguesa
 
C:\Documents And Settings\10444\Desktop\Slide A Lingua De Eulalia[1]
C:\Documents And Settings\10444\Desktop\Slide A Lingua De Eulalia[1]C:\Documents And Settings\10444\Desktop\Slide A Lingua De Eulalia[1]
C:\Documents And Settings\10444\Desktop\Slide A Lingua De Eulalia[1]
 
Revista literatas edição 2
Revista literatas   edição 2Revista literatas   edição 2
Revista literatas edição 2
 
Região sul
Região sulRegião sul
Região sul
 
História da Língua Portuguesa - APP
História da Língua Portuguesa - APPHistória da Língua Portuguesa - APP
História da Língua Portuguesa - APP
 
Língua espanhola
Língua espanholaLíngua espanhola
Língua espanhola
 
Jornal os catraios final mf v8 - pdf
Jornal os catraios final mf  v8 - pdfJornal os catraios final mf  v8 - pdf
Jornal os catraios final mf v8 - pdf
 
Histórias da Dona Fiota vol 2- História da África
Histórias da Dona Fiota  vol 2- História da ÁfricaHistórias da Dona Fiota  vol 2- História da África
Histórias da Dona Fiota vol 2- História da África
 
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
 

Destaque

Dicionario de expressoes regionais
Dicionario de expressoes regionaisDicionario de expressoes regionais
Dicionario de expressoes regionaisJaqueline Franco
 
Vocabulario 3367 palavras_mais_usadas_em_ingles
Vocabulario 3367 palavras_mais_usadas_em_inglesVocabulario 3367 palavras_mais_usadas_em_ingles
Vocabulario 3367 palavras_mais_usadas_em_inglesLuciana Pereira
 
WEBQUEST Região norte
WEBQUEST Região norteWEBQUEST Região norte
WEBQUEST Região norteLUIS ABREU
 
Só nordestino entende
Só nordestino entendeSó nordestino entende
Só nordestino entendeProfCalazans
 
Regionalismos kau, jen e carol
Regionalismos   kau, jen e carolRegionalismos   kau, jen e carol
Regionalismos kau, jen e carolJanice Schwarz
 
Castro alves slide²
Castro alves slide²Castro alves slide²
Castro alves slide²Maria da Paz
 
Historia de Castro Alves
Historia de Castro AlvesHistoria de Castro Alves
Historia de Castro AlvesMARCOSVT109
 
A culinária cearense
A  culinária cearense A  culinária cearense
A culinária cearense Marcioveras
 
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos EscravosCastro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos EscravosEvaí Oliveira
 
Navio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro AlvesNavio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro AlvesKleber Brito
 
Castro alves apresentação
Castro alves   apresentaçãoCastro alves   apresentação
Castro alves apresentaçãohudsonnogueira
 

Destaque (20)

Dicionario de expressoes regionais
Dicionario de expressoes regionaisDicionario de expressoes regionais
Dicionario de expressoes regionais
 
Vocabulario 3367 palavras_mais_usadas_em_ingles
Vocabulario 3367 palavras_mais_usadas_em_inglesVocabulario 3367 palavras_mais_usadas_em_ingles
Vocabulario 3367 palavras_mais_usadas_em_ingles
 
Historia da paraiba
Historia da paraibaHistoria da paraiba
Historia da paraiba
 
Slide nordeste
Slide nordesteSlide nordeste
Slide nordeste
 
WEBQUEST Região norte
WEBQUEST Região norteWEBQUEST Região norte
WEBQUEST Região norte
 
NutriçãO Vocabulario
NutriçãO VocabularioNutriçãO Vocabulario
NutriçãO Vocabulario
 
Só nordestino entende
Só nordestino entendeSó nordestino entende
Só nordestino entende
 
Gírias
GíriasGírias
Gírias
 
Regionalismos kau, jen e carol
Regionalismos   kau, jen e carolRegionalismos   kau, jen e carol
Regionalismos kau, jen e carol
 
Região nordeste e região sul caça palavras
Região nordeste e região sul caça palavrasRegião nordeste e região sul caça palavras
Região nordeste e região sul caça palavras
 
Castro alves slide²
Castro alves slide²Castro alves slide²
Castro alves slide²
 
Historia de Castro Alves
Historia de Castro AlvesHistoria de Castro Alves
Historia de Castro Alves
 
Biografia de Castro Alves
Biografia de Castro Alves Biografia de Castro Alves
Biografia de Castro Alves
 
A culinária cearense
A  culinária cearense A  culinária cearense
A culinária cearense
 
O navio negreiro
O navio negreiro  O navio negreiro
O navio negreiro
 
Castro Alves
Castro AlvesCastro Alves
Castro Alves
 
Cantiga de roda
Cantiga de rodaCantiga de roda
Cantiga de roda
 
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos EscravosCastro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
 
Navio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro AlvesNavio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro Alves
 
Castro alves apresentação
Castro alves   apresentaçãoCastro alves   apresentação
Castro alves apresentação
 

Semelhante a Slide licia ok

_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx
_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx
_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptxROSAMONTEIROMARQUES
 
Linguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Linguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdfLinguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Linguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdfBrunoCosta364836
 
A língua portuguesa no mundo
A língua portuguesa no mundoA língua portuguesa no mundo
A língua portuguesa no mundoaDIRIANA SILVI
 
Roteiro autoral -_07_a_11_de_dezembro
Roteiro autoral -_07_a_11_de_dezembroRoteiro autoral -_07_a_11_de_dezembro
Roteiro autoral -_07_a_11_de_dezembroescolacaiosergio
 
Fatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguísticaFatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguísticaJohnJeffersonAlves1
 
Livro meu brasil brasileiro 1 de Cris Sousil
Livro meu brasil brasileiro 1 de Cris SousilLivro meu brasil brasileiro 1 de Cris Sousil
Livro meu brasil brasileiro 1 de Cris SousilCris Sousil
 
Segundo Ano ICE - Teste Mensal - Bimestre 1/2015
Segundo Ano ICE - Teste Mensal - Bimestre 1/2015Segundo Ano ICE - Teste Mensal - Bimestre 1/2015
Segundo Ano ICE - Teste Mensal - Bimestre 1/2015Fernanda Lopes
 
Girias do nortewilliang
Girias do nortewilliangGirias do nortewilliang
Girias do nortewilliangJanice Schwarz
 
Cams 10-dicionário de sinônimos da língua portuguesa-para internet
Cams 10-dicionário de sinônimos da língua portuguesa-para internetCams 10-dicionário de sinônimos da língua portuguesa-para internet
Cams 10-dicionário de sinônimos da língua portuguesa-para internetEstenio Junior
 
Dicionario de sinônimos da língua portuguesa
Dicionario de sinônimos da língua portuguesaDicionario de sinônimos da língua portuguesa
Dicionario de sinônimos da língua portuguesaJessyca Pacheco
 
Trabalhando noções de variação linguística
Trabalhando noções de variação linguísticaTrabalhando noções de variação linguística
Trabalhando noções de variação linguísticaCristianoGaio1
 
A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra - revista de história
 A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra  - revista de história A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra  - revista de história
A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra - revista de históriaveraff
 
Apresentação-Abralin-2021-PPT.pptx
Apresentação-Abralin-2021-PPT.pptxApresentação-Abralin-2021-PPT.pptx
Apresentação-Abralin-2021-PPT.pptxTicianeRibeiro2
 

Semelhante a Slide licia ok (20)

_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx
_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx
_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx
 
Sócio-história da Língua Portuguesa
Sócio-história da Língua PortuguesaSócio-história da Língua Portuguesa
Sócio-história da Língua Portuguesa
 
Linguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Linguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdfLinguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Linguagens - Tema 5 - Lista de questões.pdf
 
A língua portuguesa no mundo
A língua portuguesa no mundoA língua portuguesa no mundo
A língua portuguesa no mundo
 
Roteiro autoral -_07_a_11_de_dezembro
Roteiro autoral -_07_a_11_de_dezembroRoteiro autoral -_07_a_11_de_dezembro
Roteiro autoral -_07_a_11_de_dezembro
 
Fatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguísticaFatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguística
 
Livro meu brasil brasileiro 1 de Cris Sousil
Livro meu brasil brasileiro 1 de Cris SousilLivro meu brasil brasileiro 1 de Cris Sousil
Livro meu brasil brasileiro 1 de Cris Sousil
 
Apostila a história de alagoas
Apostila   a história de alagoasApostila   a história de alagoas
Apostila a história de alagoas
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
 
Segundo Ano ICE - Teste Mensal - Bimestre 1/2015
Segundo Ano ICE - Teste Mensal - Bimestre 1/2015Segundo Ano ICE - Teste Mensal - Bimestre 1/2015
Segundo Ano ICE - Teste Mensal - Bimestre 1/2015
 
Girias do nortewilliang
Girias do nortewilliangGirias do nortewilliang
Girias do nortewilliang
 
Cams 10-dicionário de sinônimos da língua portuguesa-para internet
Cams 10-dicionário de sinônimos da língua portuguesa-para internetCams 10-dicionário de sinônimos da língua portuguesa-para internet
Cams 10-dicionário de sinônimos da língua portuguesa-para internet
 
Dicionario de sinônimos da língua portuguesa
Dicionario de sinônimos da língua portuguesaDicionario de sinônimos da língua portuguesa
Dicionario de sinônimos da língua portuguesa
 
Trabalhando noções de variação linguística
Trabalhando noções de variação linguísticaTrabalhando noções de variação linguística
Trabalhando noções de variação linguística
 
Curso de espanhol em português
Curso de espanhol   em portuguêsCurso de espanhol   em português
Curso de espanhol em português
 
A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra - revista de história
 A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra  - revista de história A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra  - revista de história
A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra - revista de história
 
Apresentação-Abralin-2021-PPT.pptx
Apresentação-Abralin-2021-PPT.pptxApresentação-Abralin-2021-PPT.pptx
Apresentação-Abralin-2021-PPT.pptx
 
Cplp
CplpCplp
Cplp
 
Cplp
CplpCplp
Cplp
 
Fiota cartilha 1
Fiota cartilha 1Fiota cartilha 1
Fiota cartilha 1
 

Mais de Misterios10

Alzheimer atualizado
Alzheimer atualizadoAlzheimer atualizado
Alzheimer atualizadoMisterios10
 
Historinha emoçoes
Historinha emoçoesHistorinha emoçoes
Historinha emoçoesMisterios10
 
Historinha emoçoes
Historinha emoçoesHistorinha emoçoes
Historinha emoçoesMisterios10
 
Historinha emoçoes
Historinha emoçoesHistorinha emoçoes
Historinha emoçoesMisterios10
 
Apresentação faculdade
Apresentação faculdadeApresentação faculdade
Apresentação faculdadeMisterios10
 
Slides Antropologia
Slides AntropologiaSlides Antropologia
Slides AntropologiaMisterios10
 

Mais de Misterios10 (7)

Alzheimer atualizado
Alzheimer atualizadoAlzheimer atualizado
Alzheimer atualizado
 
Historinha emoçoes
Historinha emoçoesHistorinha emoçoes
Historinha emoçoes
 
Historinha emoçoes
Historinha emoçoesHistorinha emoçoes
Historinha emoçoes
 
Historinha emoçoes
Historinha emoçoesHistorinha emoçoes
Historinha emoçoes
 
Apresentação faculdade
Apresentação faculdadeApresentação faculdade
Apresentação faculdade
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Slides Antropologia
Slides AntropologiaSlides Antropologia
Slides Antropologia
 

Slide licia ok

  • 1. Faculdade Castro Alves Prof.: Lícia Margarida Equipe: Ana Claudia Paixão Andrea Costa Cléia Silva Itaciana Walleys Lucimeire Barbosa Priscila Bessa Ramon Oliveira 1º. Semestre
  • 2. Variação Lingüística da Região Nordeste Estados: Alagoas; Bahia (*); Ceará; Maranhão; Paraíba; Piauí; Pernambuco; Rio Grande do Norte; Sergipe. População:51.871.449 (Censo IBGE 2010)
  • 4. Formação Histórica o Estado de Alagoas foi invadida por franceses no início do século XVI, sendo retomada pelos portugueses em 1535. O nome Alagoas é derivado dos numerosos lagos que se comunicam uns com os outros e também com os diversos rios que banham a região.
  • 5. Vocabulário Aperriado – Aflito, irritado Avacalhar – Esculhambar; ironizar Avexar - Apressar Bicado - Embriagado Bexiga – Coisa ruim; situação complicada Bizu - Cola de prova; fraude em vestibular Cabuloso – Chato; desagradável Farrapar – Não cumprir, falhar Gréia – Zombaria, gozação Jabá – Propina; qualquer comida sem muito preparo, grosseira Lambedor – Xarope caseiro Ôxe – Exclamação de surpresa Pedir penico - Fracassar, desistir Se aprochegue - Venha pra cá; chegue mais perto Xodó – Namoro; paquera
  • 7. Formação Histórica O Ceará é conhecido como "Terra da Luz", numa referência à grande quantidade de dias ensolarados. O povo cearense foi formado pela miscigenação de indígenas catequizados e aculturados após longa resistência, colonizadores europeus e negros que viviam como trabalhadores livres ou escravos.
  • 8. Vocabulário Contrações: Contração de "Bichinha" ou "Bichinho", que é uma referência carinhosa a uma pessoa. Junção: Corte várias palavras, junte-as e aparecerá uma nova. Exemplo: "Diabeisso?“ = Que diabo é isso.
  • 10. Formação Histórica Fundada em 1612 por franceses, única cidade fundada por franceses, invadida por holandeses,mas totalmente construída pelos portugueses. É uma das 3 cidades brasileiras que localiza-se em uma ilha. Tem uma forte influência indígena, escrava e portuguesa. São Luís também é a cidade onde a foi escrita e editada a primeira gramática do Brasil, pelo escritor Sotero dos Reis.
  • 11. Vocabulário Meter o aço: Fazer algo de forma impetuosa e violenta. Nos tempos em que Adão era cadete: antigamente, nos tempos antigos Ser um alho: ser vivo, esperto, ladino. empregado no desvio: sem emprego Vá bugiar: vá adiante, não amole, vá importunar outro Ser o bicho cacau: ser o tal, o melhor de todos Engenheiro de obras prontas:malandro, preguiçoso Cheio de nove-horas: cheio de exigências Comer sopa de vento: passar fome Não sair desse rame-rame: não progredir nas coisas da vida; prender-se à rotina, à mesmice. rasgada: não respeitar ninguém, ser desaforado Dar o tiro na macaca: não casar, ficar solteira Dar o doce: contrair matrimônio
  • 13. Formação Histórica Paraíba está situada a leste da região Nordeste, ocupa uma área de 56.439 km² (pouco menor que a Croácia). A capital é João Pessoa. Da Paraíba surgiram alguns dos mais notáveis poetas e escritores brasileiros como Augusto dos Anjos, José Américo de Almeida, José Lins do Rêgo, W.J Solha e Pedro Américo. João Pessoa é conhecida turisticamente como "a cidade onde o sol nasce primeiro". Além disso, é na Paraíba onde realiza-se todos os anos,na cidade de Campina Grande, "O Maior São João do Mundo“.
  • 14. Variação do Sotaque  Aumentativos e diminutivos Usam-se expressões e comparativos para indicar grandeza e intensidade. Grande e/ou forte: "da muléxta", "da gota (sérêna)", "pênsi nu tamãnhu". Exemplos: eu vi um prédio grandi da muléxta  Pequeno e/ou fraco: "um mizérê", "um nadinha (di nada)“ Consoantes nasais como "m" e "n" e o encontro consonantal "nh", nasalizam as vogais que as antecedem nos dialetos paraibanos. Além disso, "nh" se torna um som muito suave, e quase não é pronunciado,a vogal anterior. Essas vogais nasais eu vou representar com um acento circunflexo sobre elas por não ter fonte que me permita usar o til. Assim:  î= soa como im- exemplo: gálî-a (leia: gálim-a= galinha) û= soa como um- exemplo: ûa (leia: um-a)
  • 15. Vocabulário Paraibano não se diverte..., ele 'bota pa decê'! Não é distraido..., é 'apombaiado ou alesado'!Não fica solteiro..., ele fica solto na buraqueira!Paraibano não vai com sede ao pote...,ele vai com a 'bixiga taboca'!Não vai embora..., ele vai pegá o beco!Não diz 'concordo com vc' ..., ele diz 'Né isso, omi!!!!'Não se admira....ele diz 'oxe, massa!'Não fica com raiva...... fica 'Cá gota'Paraibano não conserta..., ele imenda ou endereita!Não bate..., ele 'senta-le'a mãozada no pé do uvido!Não sai pra confusão..., ele sai pro 'muído'!Não fica impressionado....fica abestalhadoNão tem dor de ouvido...tem dor nas oiçaParaibano não bebe um drink..., ele toma uma!Não vira de ponta-cabeça ...... vira de bunda canasticaNão dá pulo...... dá pinote
  • 17. Formação Histórica Pertencendo ao início do século XVII ao Estado de Grão-Pará e de Maranhão, a região então é habitada por uma população originária de Portugal,Pernambuco e Bahia. É o estado litorâneo com menor extensão de costa, apenas 66 km. Esse pequeno trecho, porém, é privilegiado. Na fronteira com o Maranhão, a oeste, fica o delta do rio Parnaíba,o único em mar aberto das Américas A população piauiense é predominantemente mestiça, fruto da miscigenação entre brancos e índios (caboclos).
  • 18. Variação do Sotaque No Piauí surgiram varias expressões que não condizem com a norma culta portuguesa, que apresentam tão grande variedade que acabam intraduzíveis para que não lhes é familiar. Por apresentar várias conjugações verbais que se distanciaram do português oficial acaba por seguir suas próprias regras. E por esse tipo de linguagem ser tão próprio da região piauiense ganhou por adjetivo singular "linguajar piauiês".  Dar ao “piauiês” ou “língua piauiesa“ um status de dialeto único.
  • 19. Vocabulário ACOCHAR - apertar ARROCHAR - beijar, ficar ABERAR - Fugir, escapar, correr CAÇAR CONVERSA - Provocar, irritar alguém EGUAGEM - Asneiras, bobagens, tolice ICHI - meu deus ex.:Ichi! não vai fazer os dever? SÓARTIRA - bebado, ressacado/"o Zé tava sóartira jogado na calçada" LENHADA - pancada, porrada BARRUADA - batida, acidente/ "aconteu uma barruada na avenida" LECHI - porrada/ "o menino deu um lechi no outro" DESDROBO - Enganar, levar na conversa. ONTONTI - Anteontem. PRIPINADO - Qualidade daquilo que foi previamente mexido, usado, bagunçado. "Ex: eu lá vou querer essa comida... tá toda pripinada!" ENGOMAR - Passar roupa. "Ex: ainda preciso engomar essas duas calças". DOIDO - Cara, mano. "E aí doido?" RAPAR DOIDÓ - "Cara..."
  • 21. Formação Histórica O nome Pernambuco vem do tupi Paranãpuka, que significa "buraco de mar", expressão com a qual os índios conheciam a foz do rio Santa Cruz, que separa a ilha de Itamaracá do continente, ao norte do Recife. Pernambuco foi uma das primeiras áreas brasileiras ocupadas pelos portugueses. A riqueza de Pernambuco foi alvo do interesse de outras nações. No século XVII, os holandeses se estabelecem no estado.
  • 22. Vocabulário abestalhado - bobo, besta, pateta acochado - apertado (ex: Se aperreie não, doutor. Vou deixar os parafusos da roda do carro bem acochadinhos) açoite - chicote a como é - quanto custa (ex: A como é o quilo do tomate, seu Biu? Prá senhora é de graça, freguesa) afolosado - frouxo, quebrado (ex: Não sente na cadeira, doutor, que ela está afolosada) arribar - sair, ir embora arrodear - dar a volta (ex: Mãe, o portão de casa está trancado. Arrodeia e entra pelos fundos, menino) dor de veado - dor abdominal que dá em quem bebe muito líquido e vai fazer exercício logo depois tamborete de zona - sujeito baixinho trubufu - pessoa feia
  • 23. RIO GRANDE DO NORTE População: 3.121.451 hab. (2010)
  • 24. Formação Histórica É possível ver a influência holandesa bastante acentuada principalmente no interior do Estado, enquanto na Capital vemos uma maior concentração de pessoas com origem portuguesa e indígena.A raça negra influencia mais nitidamente no tocante as tradições. Danças, religião, comidas, celebrações e tradições trazidas da cultura negra estão presentes no dia a dia do Potiguar.Potiguar é uma denominação dada a quem nasce no estado do Rio Grande do Norte (assim como norte-rio-grandense ou rio-grandense-do-norte). Potiguar ou potiguara é o nome de uma grande nação tupi que habitava a região litorânea do que hoje são os estados do Rio Grande do Norte e da Paraíba. Em tupi quer dizer "comedor de camarão";
  • 25. Vocabulário Arenga = brigar Arengueiro = que briga Arroz= Rapaz que só faz companhia para amigas em festas mas não namora a mesma e geralmente é meio viado. Boy= Menino / Boyzinha = menina Galado=Ela possui vários significados: babaca; bastardo; alguém que não é boa companhia; pessoa que gosta de fazer travessura com outros. Dependendo do seu tom de voz pode ser algo ruim ou algo bom. Ex: "Essi homi é um galado..." = Este sujeito é antipático. Reiêra = Pessoa que não presta, coisa que não serve. É fresk-é? = Vem de " É fresco?" que quer dizer: "Está ficando louco(a)?" ou " Por que você está tão estérico(a)?"
  • 27. Formação Histórica Sergipe origina-se do tupi si'ri ü pe que quer dizer "no rio dos siris", tendo sido mais tarde adotado Cirizipe ou Cerigipe, que quer dizer "ferrão de siri", nome de um dos cinco caciques que se opuseram ao domínio português. Sua colonização teve início na segunda metade do século XVI, onde começaram a chegar navios francesespara trocar objetos diversos por pau-brasil, algodão e pimenta-da-terra.
  • 28. Vocabulário Uso de é com som de [i] Ex: “E ele sentado assim, si isprimia pum ladu, si isprimia ou outro.” Queda da vogal final, quando precedida de outra vogal, mas também síncope de consoantes inicias e finais: Ex: “Num tá tomano nada gelado?” “Não pudia sê de trabalho” Aspiração do [s], precedido de vogal: Ex: “Hoje eu num quero mairnada com você” A mesma aspiração ocorre com o [g] inicial: Ex: “dexe aberto pra quando os boi viere a rente passar” Palatalização do [t] Ex: otcho (por oito), jeitcho (jeito)
  • 30. Formação Histórica O Estado da Bahia foi o local onde, primeiramente, aportaram os portugueses no Brasil, em 1500. A cidade de Salvador foi fundada em 1549 como a primeira capital do Brasil, pelo Governador-Geral Tomé de Souza. Em Salvador concentrou-se uma grande população de europeus, índios, negros e mestiços. Com essa a interação lingüística, apoiada por fatores favoráveis de ordem sociohistórica e cultural, foi provavelmente facilitada pela proximidade relativa da estrutura lingüística do português europeu antigo e regional com as línguas negro-africanas que o mestiçaram.
  • 31. Variação do sotaque - O modo como expressam o gerúndio é peculiar, uma vez que omite-se o “d” nesta forma verbal (falano, cantano, dizeno). - Usam o som de “i” no lugar de “e”, como nos exemplos acima, utilizam também o som de “u” no lugar do “o”, encontrados em guverno, furmiga, tumate, minino entre outras. - Algumas palavras com a letra “s”, aparecem como chiado,como exemplo a palavra “mesmo”.
  • 32. Gírias Colé, misera!’ – Olá, amigo. Colé, men!’ – Olá, amigo. Digái, negão!’ – Olá, amigo. (independente da cor do amigo)E aí, viado!’ – Olá, amigo. (independente da opção sexual do amigo) É niuma - Sem problemas Relaxe mô fiu’ – Sem problemas, amigo. ÊA!’ – Olá, amigo. Colé de mêrmo?’ – Como vai você? Ô vei - Ei você. Aí você me quebra – ai você me prejudica Ôxe! - Todo baiano usa essa expressão para tudo. Lá ele! - Eu não, sai fora! Num tô comeno reggae de (fulano)! - Não estar com medo de provocação/ ameaça de (fulano) Bó batê o baba? - Chamar os amigos para uma partida de futebol. Aonde! – Não mesmo. É massa! – É legal,é bom. Reggae – Festa.
  • 33.
  • 34. Visite Nordeste Monumento de Jenipapo-Piauí Lençois Maranheses Praia de Pajuçara – Maceió/Alagoas Rio Mossoró - R.G. Norte Convento São Francisco-Paraíba Centro Histórico - Pernambuco Elevador Lacerda - Salvador/BA Museu Eclipse - Ceará
  • 35. REFERÊNCIAS http://pt.wikipedia.org http://www.censo2010.ibge.gov.br/dados_divulgados/index.php?uf=25 http://www.citybrazil.com.br/ba/historia-do-estado http://www.bahiaemfoco.com/portal/historia-da-bahia www.youtube.com www.pi.gov.br/ diariodonordeste.globo.com/materia maps.google.com.br