SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
REVISÃO DE CONTEÚDO DAS AULAS
SISTEMADE COMPUTADOR EDITOR DE TEXTO GHGJHGHJGJHGJHGJHGJHGHJGJHGJHGJHGJHGJHGJHGJHGJHGJHGJHGHJGJHGJGJHGJHGJKGHJGJHGJHGHJGJHGJHGJHGJHGJHGHJGHGHGJHGHJGJHGJHGJHGHJGJHGHJGHJG EDITR GRÁFICO SOFTWARE REPRODUTOR  DE MÍDIA SISTEMA OPERACIONAL HARDWARE PORTAS MÉMORIA DISCOS REDE
Deixa eu ver se eu entendi. O sistema operacional está entre os SOFTWARES e o HARDWARE, sem ele então, não tem sistema de computação?
É isso ai rapaziada, só há duas opções: Comigo “sem migo”
Existe uma grande distância entre os circuitos eletrônicos e dispositivos de hardware e os programas aplicativos em software. Os circuitos são complexos, acessados através de interfaces de baixo nível (geralmente usando as portas de entrada/saída do processador) e muitas vezes suas características e seu comportamento dependem da tecnologia usada em sua construção. Por exemplo, a forma de acesso de baixo nível a discos rígidos IDE difere da forma de acesso a discos SCSI ou leitores de CD. Essa grande diversidade pode ser uma fonte de dores de cabeça para o desenvolvedor de aplicativos. Portanto, torna-se desejável oferecer aos programas aplicativos uma forma de acesso homogênea aos dispositivos físicos, que permita abstrair as diferenças tecnológicas entre eles. O sistema operacional é uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. O sistema operacional é uma estrutura de software ampla, muitas vezes complexa, que incorpora aspectos de baixo nível (como drivers de dispositivos e gerência de memória física) e de alto nível (como programas utilitários e a própria interface gráfica).
Abstração de recursos Acessar os recursos de hardware de um sistema de computação pode ser uma tarefa complexa, devido às características específicas de cada dispositivo físico e a complexidade de suas interfaces. Por exemplo, a sequência a seguir apresenta os principais passos envolvidos na abertura de um arquivo (operação open) em um leitor de disquete: 1. verificar se os parâmetros informados estão corretos (nome do arquivo, identificador do leitor de disquete, buffer de leitura, tec.); 2. verificar se o leitor de disquetes está disponível; 3. verificar se o leitor contém um disquete; 4. ligar o motor do leitor e aguardar atingir a velocidade de rotação correta; 5. posicionar a cabeça de leitura sobre a trilha onde está a tabela de diretório; 6. ler a tabela de diretório e localizar o arquivo ou subdiretório desejado; 7. mover a cabeça de leitura para a posição do bloco inicial do arquivo; 8. ler o bloco inicial do arquivo e depositá-lo em um buffer de memória.
Assim, o sistema operacional deve definir interfaces abstratas para os recursos do hardware, visando atender os seguintes objetivos: • Prover interfaces de acesso aos dispositivos, mais simples de usar que as interface de baixo nível, para simplificar a construção de programas aplicativos. Por exemplo: para ler dados de um disco rígido, uma aplicação usa um conceito chamado arquivo, que implementa uma visão abstrata do disco rígido, acessível através de operações como open, reade close. Caso tivesse de acessar o disco diretamente, teria de manipular portas de entrada/saída e registradores com comandos para o controlador de disco (sem falar na dificuldade de localizar os dados desejados dentro do disco).
• Tornar os aplicativos independentes do hardware. Ao definir uma interface abstrata de acesso a um dispositivo de hardware, o sistema operacional desacopla o hardware dos aplicativos e permite que ambos evoluam de forma mais autônoma. Por exemplo, o código de um editor de textos não deve ser dependente da tecnologia de discos rígidos utilizada no sistema. • Definir interfaces de acesso homogêneas para dispositivos com tecnologias distintas. Através de suas abstrações, o sistema operacional permite aos aplicativos usar a mesma interface para dispositivos diversos. Por exemplo, um aplicativo acessa dados em disco através de arquivos e diretórios, sem precisar se preocupar com a estrutura real de armazenamento dos dados, que podem estar em um disquete, um disco IDE, uma máquina fotográfica digital conectada à porta USB, um CD ou mesmo um disco remoto, compartilhado através da rede.
Gerência de recursos Os programas aplicativos usam o hardware para atingir seus objetivos: ler e armazenar dados, editar e imprimir documentos, navegar na Internet, tocar música, etc. Em um sistema com várias atividades simultâneas, podem surgir conflitos no uso do hardware, quando dois ou mais aplicativos precisam dos mesmos recursos para poder executar. Cabe ao sistema operacional definir políticas para gerenciar o uso dos recursos de hardware pelos aplicativos, e resolver eventuais disputas e conflitos. Vejamos algumas situações onde a gerência de recursos do hardware se faz necessária: • Cada computador possui normalmente um só processador. O uso desse processador deve ser distribuído entre os aplicativos presentes no sistema, de forma que cada um deles possa executar na velocidade adequada para cumprir suas funções sem prejudicar os outros. O mesmo ocorre com a memória RAM, que deve ser distribuída de forma justa entre as aplicações.
• A impressora é um recurso cujo acesso deve ser efetuado de forma mutuamente exclusiva (apenas um aplicativo por vez), para não ocorrer mistura de conteúdo nos documentos impressos. O sistema operacional resolve essa questão definindo uma fila de trabalhos a imprimir (printjobs) normalmente atendidos de forma seqüencial(FIFO). • Ataques de negação de serviço (DoS – Denialof Service) são comuns na Internet. Eles consistememusar diversas técnicas para forçar um servidor de rede a dedicar seus recursos a atender um determinado usuário, em detrimento dos demais. Por exemplo, ao abrir milhares conexões simultâneas em um servidor de e-mail, um atacante pode reservar para si todos os recursos do servidor (processos, conexões de rede, memória e processador), fazendo com que os demais usuários não sejam mais atendidos. É responsabilidade do sistema operacional do servidor detectar tais situações e impedir que todos os recursos do sistema sejam monopolizados por um só usuário (ou um pequeno grupo). Assim, um sistema operacional visa abstrair o acesso e gerenciar os recursos de hardware, provendo aos aplicativos um ambiente de execução abstrato, no qual o acesso aos recursos se faz através de interfaces simples, independentes das características e detalhes de baixo nível, e no qual os conflitos no uso do hardware são minimizados.
Tipos de sistemas operacionais Os sistemas operacionais podem ser classificados segundo diversos parâmetros e perspectivas, como tamanho, velocidade, suporte a recursos específicos, acesso à rede, etc. A seguir são apresentados alguns tipos de sistemas operacionais usuais (muitos sistemas operacionais se encaixam bem em mais de uma das categorias apresentadas):
Batch (de lote) : os sistemas operacionais mais antigos trabalhavam “por lote”, ou seja, todos os programas a executar eram colocados em uma fila, com seus dados e demais informações para a execução. O processador recebia um programa após o outro, processando-os em sequência, o que permitia um alto grau de utilização do sistema. Ainda hoje o termo “em lote” é usado para designar um conjunto de comandos que deve ser executado em sequência, sem interferência do usuário. Exemplos desses sistemas incluem o OS/360 e VMS, entre outros. De rede : um sistema operacional de rede deve possuir suporte à operação em rede, ou seja, a capacidade de oferecer às aplicações locais recursos que estejam localizados em outros computadores da rede, como arquivos e impressoras. Ele também deve disponibilizar seus recursos locais aos demais computadores, de forma controlada. A maioria dos sistemas operacionais atuais oferece esse tipo de funcionalidade.
Multi-usuário: um sistema operacional multi-usuáriodeve suportar a identificação do “dono” de cada recurso dentro do sistema (arquivos, processos, áreas de memória, conexões de rede) e impor regras de controle de acesso para impedir o uso desses recursos por usuários não autorizados. Essa funcionalidade é fundamental para a segurança dos sistemas operacionais de rede e distribuídos. Grande parte dos sistemas atuais são multi-usuários. Desktop : um sistema operacional “de mesa” é voltado ao atendimento do usuário doméstico e corporativo para a realização de atividades corriqueiras, como edição de textos e gráficos, navegação na Internet e reprodução de mídias simples. Sua principais características são a interface gráfica, o suporte à interatividade e a operação em rede. Exemplos de sistemas desktop são o Windows XP, MacOS X e Linux. FONTE DO TEXTO:Prof. Carlos Alberto Maziero PPGIa CCET PUCPR http://www.ppgia.pucpr.br/∼maziero

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Visão Geral: Estruturas do Sistema Operacional
Visão Geral: Estruturas do Sistema OperacionalVisão Geral: Estruturas do Sistema Operacional
Visão Geral: Estruturas do Sistema OperacionalAlexandre Duarte
 
(01) intro+inicializacao+boot loader+fhs
(01) intro+inicializacao+boot loader+fhs(01) intro+inicializacao+boot loader+fhs
(01) intro+inicializacao+boot loader+fhsAnderson Lago
 
Aula 5a - Sistemas Operacionais
Aula 5a - Sistemas OperacionaisAula 5a - Sistemas Operacionais
Aula 5a - Sistemas OperacionaisJocelma Rios
 
Introdução a Sistemas Operacionais
Introdução a Sistemas OperacionaisIntrodução a Sistemas Operacionais
Introdução a Sistemas OperacionaisLabin2bpm
 
Apresentação Final Ambientes Operacionais - Biblio's Fanatic
Apresentação Final Ambientes Operacionais - Biblio's FanaticApresentação Final Ambientes Operacionais - Biblio's Fanatic
Apresentação Final Ambientes Operacionais - Biblio's FanaticJordan Claussen
 
Gerência de Processos: Processos
Gerência de Processos: ProcessosGerência de Processos: Processos
Gerência de Processos: ProcessosAlexandre Duarte
 
Sistemas Operacionais (Windows X Linux)
Sistemas Operacionais (Windows X Linux)Sistemas Operacionais (Windows X Linux)
Sistemas Operacionais (Windows X Linux)Paulo Guimarães
 
QWERTcursos.com - Aula 01 - Sistema Operacional
QWERTcursos.com - Aula 01 - Sistema OperacionalQWERTcursos.com - Aula 01 - Sistema Operacional
QWERTcursos.com - Aula 01 - Sistema OperacionalRoney Sousa
 
Sistemas Operacionais - Parte 1
Sistemas Operacionais - Parte 1Sistemas Operacionais - Parte 1
Sistemas Operacionais - Parte 1Rodrigo Piovesana
 
Sd02 (si) gerenciamento de entrada e saída
Sd02 (si)   gerenciamento de entrada e saídaSd02 (si)   gerenciamento de entrada e saída
Sd02 (si) gerenciamento de entrada e saídaComputação Depressão
 
História dos Sistemas Operativos
História dos Sistemas OperativosHistória dos Sistemas Operativos
História dos Sistemas OperativosTROLITO LALALAL
 
Tipos de Sistemas Operacionais
Tipos de Sistemas OperacionaisTipos de Sistemas Operacionais
Tipos de Sistemas OperacionaisLuciano Crecente
 
Estruturas de Sistemas Operacionais
Estruturas de Sistemas OperacionaisEstruturas de Sistemas Operacionais
Estruturas de Sistemas OperacionaisCid de Andrade
 
Aula 04 informática aplicada - comando básicos
Aula 04  informática aplicada - comando básicosAula 04  informática aplicada - comando básicos
Aula 04 informática aplicada - comando básicosRobson Ferreira
 
Noções básicas de Sistemas Operacionais
Noções básicas de Sistemas OperacionaisNoções básicas de Sistemas Operacionais
Noções básicas de Sistemas OperacionaisLuciano Crecente
 

Mais procurados (20)

Visão Geral: Estruturas do Sistema Operacional
Visão Geral: Estruturas do Sistema OperacionalVisão Geral: Estruturas do Sistema Operacional
Visão Geral: Estruturas do Sistema Operacional
 
(01) intro+inicializacao+boot loader+fhs
(01) intro+inicializacao+boot loader+fhs(01) intro+inicializacao+boot loader+fhs
(01) intro+inicializacao+boot loader+fhs
 
Aula 5a - Sistemas Operacionais
Aula 5a - Sistemas OperacionaisAula 5a - Sistemas Operacionais
Aula 5a - Sistemas Operacionais
 
Introdução a Sistemas Operacionais
Introdução a Sistemas OperacionaisIntrodução a Sistemas Operacionais
Introdução a Sistemas Operacionais
 
Apresentação Final Ambientes Operacionais - Biblio's Fanatic
Apresentação Final Ambientes Operacionais - Biblio's FanaticApresentação Final Ambientes Operacionais - Biblio's Fanatic
Apresentação Final Ambientes Operacionais - Biblio's Fanatic
 
Aula 06 Internet, segurança e serviços gratuitos - Operador de Computador
Aula 06 Internet, segurança e serviços gratuitos - Operador de ComputadorAula 06 Internet, segurança e serviços gratuitos - Operador de Computador
Aula 06 Internet, segurança e serviços gratuitos - Operador de Computador
 
teAula 11
teAula 11teAula 11
teAula 11
 
Gerência de Processos: Processos
Gerência de Processos: ProcessosGerência de Processos: Processos
Gerência de Processos: Processos
 
Sistemas Operacionais (Windows X Linux)
Sistemas Operacionais (Windows X Linux)Sistemas Operacionais (Windows X Linux)
Sistemas Operacionais (Windows X Linux)
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionais
 
QWERTcursos.com - Aula 01 - Sistema Operacional
QWERTcursos.com - Aula 01 - Sistema OperacionalQWERTcursos.com - Aula 01 - Sistema Operacional
QWERTcursos.com - Aula 01 - Sistema Operacional
 
Sistemas Operacionais - Parte 1
Sistemas Operacionais - Parte 1Sistemas Operacionais - Parte 1
Sistemas Operacionais - Parte 1
 
Sd02 (si) gerenciamento de entrada e saída
Sd02 (si)   gerenciamento de entrada e saídaSd02 (si)   gerenciamento de entrada e saída
Sd02 (si) gerenciamento de entrada e saída
 
História dos Sistemas Operativos
História dos Sistemas OperativosHistória dos Sistemas Operativos
História dos Sistemas Operativos
 
Tipos de Sistemas Operacionais
Tipos de Sistemas OperacionaisTipos de Sistemas Operacionais
Tipos de Sistemas Operacionais
 
Sistemas Operacionais para Servidores
Sistemas Operacionais para ServidoresSistemas Operacionais para Servidores
Sistemas Operacionais para Servidores
 
Estruturas de Sistemas Operacionais
Estruturas de Sistemas OperacionaisEstruturas de Sistemas Operacionais
Estruturas de Sistemas Operacionais
 
Aula 04 informática aplicada - comando básicos
Aula 04  informática aplicada - comando básicosAula 04  informática aplicada - comando básicos
Aula 04 informática aplicada - comando básicos
 
Noções básicas de Sistemas Operacionais
Noções básicas de Sistemas OperacionaisNoções básicas de Sistemas Operacionais
Noções básicas de Sistemas Operacionais
 
Sistema operacional-1-ano-de-informatica-completa
Sistema operacional-1-ano-de-informatica-completaSistema operacional-1-ano-de-informatica-completa
Sistema operacional-1-ano-de-informatica-completa
 

Destaque

Comunicacion efectiva.
Comunicacion efectiva.Comunicacion efectiva.
Comunicacion efectiva.Chaarlyy MV
 
Esquema mc gvfinal[1]26 10-12
Esquema mc gvfinal[1]26 10-12Esquema mc gvfinal[1]26 10-12
Esquema mc gvfinal[1]26 10-12Víctor Pérez
 
Canal de castilla
Canal de castillaCanal de castilla
Canal de castillafcalabia
 
Sistemas Operacionais aula 02
Sistemas Operacionais  aula 02 Sistemas Operacionais  aula 02
Sistemas Operacionais aula 02 Diego Rodrigues
 
fundamentos de sistema operacional- S.O
fundamentos de sistema operacional- S.Ofundamentos de sistema operacional- S.O
fundamentos de sistema operacional- S.OPablo Lopes
 

Destaque (7)

Comunicacion efectiva.
Comunicacion efectiva.Comunicacion efectiva.
Comunicacion efectiva.
 
Manual linux
Manual linuxManual linux
Manual linux
 
Esquema mc gvfinal[1]26 10-12
Esquema mc gvfinal[1]26 10-12Esquema mc gvfinal[1]26 10-12
Esquema mc gvfinal[1]26 10-12
 
Virtualização
VirtualizaçãoVirtualização
Virtualização
 
Canal de castilla
Canal de castillaCanal de castilla
Canal de castilla
 
Sistemas Operacionais aula 02
Sistemas Operacionais  aula 02 Sistemas Operacionais  aula 02
Sistemas Operacionais aula 02
 
fundamentos de sistema operacional- S.O
fundamentos de sistema operacional- S.Ofundamentos de sistema operacional- S.O
fundamentos de sistema operacional- S.O
 

Semelhante a Sistema

resumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdf
resumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdfresumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdf
resumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdfRafaelPilan1
 
Dispositivos [Entrada E SaíDa]
Dispositivos [Entrada E SaíDa]Dispositivos [Entrada E SaíDa]
Dispositivos [Entrada E SaíDa]SergioSouza
 
TA1 Slides Acessibilidade - Preto e Branco.pdf
TA1 Slides Acessibilidade - Preto e Branco.pdfTA1 Slides Acessibilidade - Preto e Branco.pdf
TA1 Slides Acessibilidade - Preto e Branco.pdfSandroPolizelLaurent
 
Introducao a Sistemas Operacionais
Introducao a Sistemas OperacionaisIntroducao a Sistemas Operacionais
Introducao a Sistemas OperacionaisIsaac Vieira
 
Sistemas operativos trabalho 10ºano
Sistemas operativos trabalho 10ºanoSistemas operativos trabalho 10ºano
Sistemas operativos trabalho 10ºanoHus Juky
 
Trabalho de sistemas operativos
Trabalho de sistemas operativosTrabalho de sistemas operativos
Trabalho de sistemas operativosFrank macoo
 
Infraestrutura de Software - Introdução
Infraestrutura de Software - IntroduçãoInfraestrutura de Software - Introdução
Infraestrutura de Software - IntroduçãoRodrigo Rodrigues
 
Revsão sobre sistemas operacionais
Revsão sobre sistemas operacionaisRevsão sobre sistemas operacionais
Revsão sobre sistemas operacionaisRodrigo Rodrigues
 
New Microsoft Word Document.docx
New Microsoft Word Document.docxNew Microsoft Word Document.docx
New Microsoft Word Document.docxNiltonLourenoCanda
 
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelApostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelPablo Mariano
 
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelApostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelPablo Mariano
 
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelApostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelPablo Mariano
 
2010 02 26 Sistemas Operacionais Aula1
2010 02 26 Sistemas Operacionais Aula12010 02 26 Sistemas Operacionais Aula1
2010 02 26 Sistemas Operacionais Aula1Universal.org.mx
 
Hardware e software
Hardware e softwareHardware e software
Hardware e softwarejotacabral
 

Semelhante a Sistema (20)

So cap01
So cap01So cap01
So cap01
 
resumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdf
resumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdfresumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdf
resumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdf
 
Dispositivos [Entrada E SaíDa]
Dispositivos [Entrada E SaíDa]Dispositivos [Entrada E SaíDa]
Dispositivos [Entrada E SaíDa]
 
TA1 Slides Acessibilidade - Preto e Branco.pdf
TA1 Slides Acessibilidade - Preto e Branco.pdfTA1 Slides Acessibilidade - Preto e Branco.pdf
TA1 Slides Acessibilidade - Preto e Branco.pdf
 
Joaopinheiro
JoaopinheiroJoaopinheiro
Joaopinheiro
 
Introducao a Sistemas Operacionais
Introducao a Sistemas OperacionaisIntroducao a Sistemas Operacionais
Introducao a Sistemas Operacionais
 
Sistemas operativos trabalho 10ºano
Sistemas operativos trabalho 10ºanoSistemas operativos trabalho 10ºano
Sistemas operativos trabalho 10ºano
 
SlackWare - Leonel
SlackWare - LeonelSlackWare - Leonel
SlackWare - Leonel
 
Trabalho de sistemas operativos
Trabalho de sistemas operativosTrabalho de sistemas operativos
Trabalho de sistemas operativos
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
 
Infraestrutura de Software - Introdução
Infraestrutura de Software - IntroduçãoInfraestrutura de Software - Introdução
Infraestrutura de Software - Introdução
 
Revsão sobre sistemas operacionais
Revsão sobre sistemas operacionaisRevsão sobre sistemas operacionais
Revsão sobre sistemas operacionais
 
Sistemas Operativos
Sistemas OperativosSistemas Operativos
Sistemas Operativos
 
New Microsoft Word Document.docx
New Microsoft Word Document.docxNew Microsoft Word Document.docx
New Microsoft Word Document.docx
 
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelApostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
 
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelApostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
 
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelApostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
 
2010 02 26 Sistemas Operacionais Aula1
2010 02 26 Sistemas Operacionais Aula12010 02 26 Sistemas Operacionais Aula1
2010 02 26 Sistemas Operacionais Aula1
 
Hardware e software
Hardware e softwareHardware e software
Hardware e software
 
Hardware e software
Hardware e softwareHardware e software
Hardware e software
 

Mais de Scriba Digital (20)

Astecas
AstecasAstecas
Astecas
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
CENEBVC - A Violênica na Sociedade Contemporânea
CENEBVC - A Violênica na Sociedade ContemporâneaCENEBVC - A Violênica na Sociedade Contemporânea
CENEBVC - A Violênica na Sociedade Contemporânea
 
Cruzadas.final
Cruzadas.finalCruzadas.final
Cruzadas.final
 
Ceneb.tal
Ceneb.talCeneb.tal
Ceneb.tal
 
Evolucao.humana
Evolucao.humanaEvolucao.humana
Evolucao.humana
 
Evolucao.humana
Evolucao.humanaEvolucao.humana
Evolucao.humana
 
Art pop
Art popArt pop
Art pop
 
Gotico
GoticoGotico
Gotico
 
Guerradostronos
GuerradostronosGuerradostronos
Guerradostronos
 
O movimento operário
O movimento operárioO movimento operário
O movimento operário
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Resnascimento
ResnascimentoResnascimento
Resnascimento
 
Sensação.percep
Sensação.percepSensação.percep
Sensação.percep
 
Pinturamedieval
PinturamedievalPinturamedieval
Pinturamedieval
 
Pinturamedieval
PinturamedievalPinturamedieval
Pinturamedieval
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
As alianças pt2
As alianças pt2As alianças pt2
As alianças pt2
 
As alianças na primeira guerra mundial
As alianças na primeira guerra mundialAs alianças na primeira guerra mundial
As alianças na primeira guerra mundial
 
1guera
1guera1guera
1guera
 

Último

EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 

Último (20)

EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 

Sistema

  • 2. SISTEMADE COMPUTADOR EDITOR DE TEXTO GHGJHGHJGJHGJHGJHGJHGHJGJHGJHGJHGJHGJHGJHGJHGJHGJHGJHGHJGJHGJGJHGJHGJKGHJGJHGJHGHJGJHGJHGJHGJHGJHGHJGHGHGJHGHJGJHGJHGJHGHJGJHGHJGHJG EDITR GRÁFICO SOFTWARE REPRODUTOR DE MÍDIA SISTEMA OPERACIONAL HARDWARE PORTAS MÉMORIA DISCOS REDE
  • 3. Deixa eu ver se eu entendi. O sistema operacional está entre os SOFTWARES e o HARDWARE, sem ele então, não tem sistema de computação?
  • 4. É isso ai rapaziada, só há duas opções: Comigo “sem migo”
  • 5. Existe uma grande distância entre os circuitos eletrônicos e dispositivos de hardware e os programas aplicativos em software. Os circuitos são complexos, acessados através de interfaces de baixo nível (geralmente usando as portas de entrada/saída do processador) e muitas vezes suas características e seu comportamento dependem da tecnologia usada em sua construção. Por exemplo, a forma de acesso de baixo nível a discos rígidos IDE difere da forma de acesso a discos SCSI ou leitores de CD. Essa grande diversidade pode ser uma fonte de dores de cabeça para o desenvolvedor de aplicativos. Portanto, torna-se desejável oferecer aos programas aplicativos uma forma de acesso homogênea aos dispositivos físicos, que permita abstrair as diferenças tecnológicas entre eles. O sistema operacional é uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. O sistema operacional é uma estrutura de software ampla, muitas vezes complexa, que incorpora aspectos de baixo nível (como drivers de dispositivos e gerência de memória física) e de alto nível (como programas utilitários e a própria interface gráfica).
  • 6. Abstração de recursos Acessar os recursos de hardware de um sistema de computação pode ser uma tarefa complexa, devido às características específicas de cada dispositivo físico e a complexidade de suas interfaces. Por exemplo, a sequência a seguir apresenta os principais passos envolvidos na abertura de um arquivo (operação open) em um leitor de disquete: 1. verificar se os parâmetros informados estão corretos (nome do arquivo, identificador do leitor de disquete, buffer de leitura, tec.); 2. verificar se o leitor de disquetes está disponível; 3. verificar se o leitor contém um disquete; 4. ligar o motor do leitor e aguardar atingir a velocidade de rotação correta; 5. posicionar a cabeça de leitura sobre a trilha onde está a tabela de diretório; 6. ler a tabela de diretório e localizar o arquivo ou subdiretório desejado; 7. mover a cabeça de leitura para a posição do bloco inicial do arquivo; 8. ler o bloco inicial do arquivo e depositá-lo em um buffer de memória.
  • 7. Assim, o sistema operacional deve definir interfaces abstratas para os recursos do hardware, visando atender os seguintes objetivos: • Prover interfaces de acesso aos dispositivos, mais simples de usar que as interface de baixo nível, para simplificar a construção de programas aplicativos. Por exemplo: para ler dados de um disco rígido, uma aplicação usa um conceito chamado arquivo, que implementa uma visão abstrata do disco rígido, acessível através de operações como open, reade close. Caso tivesse de acessar o disco diretamente, teria de manipular portas de entrada/saída e registradores com comandos para o controlador de disco (sem falar na dificuldade de localizar os dados desejados dentro do disco).
  • 8. • Tornar os aplicativos independentes do hardware. Ao definir uma interface abstrata de acesso a um dispositivo de hardware, o sistema operacional desacopla o hardware dos aplicativos e permite que ambos evoluam de forma mais autônoma. Por exemplo, o código de um editor de textos não deve ser dependente da tecnologia de discos rígidos utilizada no sistema. • Definir interfaces de acesso homogêneas para dispositivos com tecnologias distintas. Através de suas abstrações, o sistema operacional permite aos aplicativos usar a mesma interface para dispositivos diversos. Por exemplo, um aplicativo acessa dados em disco através de arquivos e diretórios, sem precisar se preocupar com a estrutura real de armazenamento dos dados, que podem estar em um disquete, um disco IDE, uma máquina fotográfica digital conectada à porta USB, um CD ou mesmo um disco remoto, compartilhado através da rede.
  • 9. Gerência de recursos Os programas aplicativos usam o hardware para atingir seus objetivos: ler e armazenar dados, editar e imprimir documentos, navegar na Internet, tocar música, etc. Em um sistema com várias atividades simultâneas, podem surgir conflitos no uso do hardware, quando dois ou mais aplicativos precisam dos mesmos recursos para poder executar. Cabe ao sistema operacional definir políticas para gerenciar o uso dos recursos de hardware pelos aplicativos, e resolver eventuais disputas e conflitos. Vejamos algumas situações onde a gerência de recursos do hardware se faz necessária: • Cada computador possui normalmente um só processador. O uso desse processador deve ser distribuído entre os aplicativos presentes no sistema, de forma que cada um deles possa executar na velocidade adequada para cumprir suas funções sem prejudicar os outros. O mesmo ocorre com a memória RAM, que deve ser distribuída de forma justa entre as aplicações.
  • 10. • A impressora é um recurso cujo acesso deve ser efetuado de forma mutuamente exclusiva (apenas um aplicativo por vez), para não ocorrer mistura de conteúdo nos documentos impressos. O sistema operacional resolve essa questão definindo uma fila de trabalhos a imprimir (printjobs) normalmente atendidos de forma seqüencial(FIFO). • Ataques de negação de serviço (DoS – Denialof Service) são comuns na Internet. Eles consistememusar diversas técnicas para forçar um servidor de rede a dedicar seus recursos a atender um determinado usuário, em detrimento dos demais. Por exemplo, ao abrir milhares conexões simultâneas em um servidor de e-mail, um atacante pode reservar para si todos os recursos do servidor (processos, conexões de rede, memória e processador), fazendo com que os demais usuários não sejam mais atendidos. É responsabilidade do sistema operacional do servidor detectar tais situações e impedir que todos os recursos do sistema sejam monopolizados por um só usuário (ou um pequeno grupo). Assim, um sistema operacional visa abstrair o acesso e gerenciar os recursos de hardware, provendo aos aplicativos um ambiente de execução abstrato, no qual o acesso aos recursos se faz através de interfaces simples, independentes das características e detalhes de baixo nível, e no qual os conflitos no uso do hardware são minimizados.
  • 11. Tipos de sistemas operacionais Os sistemas operacionais podem ser classificados segundo diversos parâmetros e perspectivas, como tamanho, velocidade, suporte a recursos específicos, acesso à rede, etc. A seguir são apresentados alguns tipos de sistemas operacionais usuais (muitos sistemas operacionais se encaixam bem em mais de uma das categorias apresentadas):
  • 12. Batch (de lote) : os sistemas operacionais mais antigos trabalhavam “por lote”, ou seja, todos os programas a executar eram colocados em uma fila, com seus dados e demais informações para a execução. O processador recebia um programa após o outro, processando-os em sequência, o que permitia um alto grau de utilização do sistema. Ainda hoje o termo “em lote” é usado para designar um conjunto de comandos que deve ser executado em sequência, sem interferência do usuário. Exemplos desses sistemas incluem o OS/360 e VMS, entre outros. De rede : um sistema operacional de rede deve possuir suporte à operação em rede, ou seja, a capacidade de oferecer às aplicações locais recursos que estejam localizados em outros computadores da rede, como arquivos e impressoras. Ele também deve disponibilizar seus recursos locais aos demais computadores, de forma controlada. A maioria dos sistemas operacionais atuais oferece esse tipo de funcionalidade.
  • 13. Multi-usuário: um sistema operacional multi-usuáriodeve suportar a identificação do “dono” de cada recurso dentro do sistema (arquivos, processos, áreas de memória, conexões de rede) e impor regras de controle de acesso para impedir o uso desses recursos por usuários não autorizados. Essa funcionalidade é fundamental para a segurança dos sistemas operacionais de rede e distribuídos. Grande parte dos sistemas atuais são multi-usuários. Desktop : um sistema operacional “de mesa” é voltado ao atendimento do usuário doméstico e corporativo para a realização de atividades corriqueiras, como edição de textos e gráficos, navegação na Internet e reprodução de mídias simples. Sua principais características são a interface gráfica, o suporte à interatividade e a operação em rede. Exemplos de sistemas desktop são o Windows XP, MacOS X e Linux. FONTE DO TEXTO:Prof. Carlos Alberto Maziero PPGIa CCET PUCPR http://www.ppgia.pucpr.br/∼maziero