SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Sistem as O peracionais
Aula II
Prof. Inaldo Nascimento
Prof. Augusto Correia
Bibliografia e Referência: SISTEMAS OPERACIONAIS – Editora: LTC, 2011.
Autores: José Alves Marques, Paulo Ferreira, Carlos Ribeiro, Luiz Veiga, Rodrigo Rodrigues.
Adaptação e Revisão: Edgar Toshiro Yano.
Notas de Aula
 Função dos Sistemas Operacionais
 Gerenciador de Recursos
 Interface
 Maquina Virtual
 Qualidade do S.O
2
Sistem a O peracional
 Historicamente os primeiros sistemas
operacionais eram simples monitores de
controle que gerenciavam sessões onde
cada usuário tinha o uso exclusivo da
máquina, permitindo a execução de
tarefas como carregar programas na
memória e controlar dispositivos de E/S.
3
Sistem a O peracional
 O Sistema Operacional é um dos
componentes centrais de qualquer
sistema computacional, sendo a sua
principal função apresentada sob três
pontos de vista diferentes.
 Gerenciador de recursos;
 Interface simples para o Hardware;
 Máquina virtual que abstrai o hardware e
mecanismos de baixo nível;
4
Função dos Sistem as O peracionais
 A principal função de um sistema
computacional é executar uma ou várias
aplicações para seus usuários.
 Aplicação é um conjunto de programas e de
informações persistentes, armazenadas em
arquivos ou bases de dados.
5
Gerenciado de Recursos
 Compreender o S.O como responsável
por gerenciar os recursos lógicos e a sua
utilização, é necessário entender os
recursos lógicos com abstração do
hardware.
 Normalmente aprendemos o conceito
das linguagens de programação e o
modelo lógico.
6
Gerenciado de Recursos
 A abstração dos recursos lógicos e os
recursos físicos implica em entender:
 Arquivos X Espaço em disco;
 Variáveis e Pilhas X Blocos de Memória;
 Criar recursos;
 Controlar o funcionamento;
 Otimizar o desempenho;
7
Gerenciado de Recursos
 Os principais recursos lógicos
gerenciados pelo Sistema Operacional
são:
 Processos;
 Memória Virtual;
 Sistema de Arquivos;
 Periféricos;
 Usuários;
8
Gerenciado de Recursos
 PROCESSOS – é a capacidade de executar
programas, simplificando o seu
gerenciamento.
 Um processo define um ambiente de execução
independente das características do computador e
da linguagem, podendo ser visto como uma
máquina virtual.
9
Gerenciado de Recursos
 MEMÓRIA VIRTUAL – É a capacidade de
executar programas maiores que a memória
física da máquina movendo peças entre
memória RAM e o disco.
 Implementada no S.O através do gerenciamento de
espaços de endereçamento, de forma
transparente para os usuários, feita pelos
programadores.
10
Gerenciado de Recursos
 SISTEMA DE ARQUIVOS – O conceito
fundamental do S.O que compõe o sistema de
armazenamento de informações.
 Através das chamadas do sistemas, são
necessárias para criar, remover, ler e escrever
arquivos;
 Peculiares aos discos e outras E/S ( CD, Pendriver,
etc) normalmente organizadas em diretórios de
modo a agrupar arquivos;
11
Gerenciado de Recursos
 PERIFÉRICOS – O S.O permite a interação de
mecanismos físicos através de diversos
componentes externos como: telas , teclados,
impressoras e rede.
12
Gerenciado de Recursos
 USUÁRIOS – O S.O gerencia a identificação e
os privilégios, mantendo a informação das
ações e recursos utilizados.
13
14
http://www.youtube.com/watch?v=jo3rl2kxB4g
Interface
 Uma visão do sistema operacional é
considerá-lo como interface que
virtualiza o computador.
 Existem duas interfaces diferentes e com
uso distintos, são elas:
 Interface Operacional
 Chamadas de Sistemas
15
Interface
 INTERFACE OPERACIONAL – é utilizada para a
interação, composta de comandos simples ou
scripts para criar, usar, configurar e apagar os
recursos correspondentes a linguagem de
controle textual para todos os usuários.
 Como exemplo o Shell, tornou-se gráfica, mais
interativa e simples, que permite a execução das
funções operacionais.
16
Interface
 CHAMADAS DE SISTEMA – Fazem parte do
modelo computacional do S.O e formam a
interface funcional do sistema, permitindo não
apenas executar operações associadas como
gerenciar o ciclo de vida.
 Essa interface se materializa numa biblioteca ou API
(application Programming Interface) que faz a interação
entre as operações associadas e os objetos.
17
M áquina Virtual
 Originalmente denominada CP/CMS e depois
renomeado VM/370, onde é a separação
completa de duas funções:
(1) Multiprogramação – que fornece o sistema de tempo
compartilhado.
(2) Maquina Estendida – interface do que o hardware
oferece.
18
M áquina Virtual
 Uma máquina virtual,
torna-se independente do
hardware onde executa,
tornando-se mais
eficientes, robustas.
 O coração do sistema é o
monitor de máquina
virtual, que é executado
diretamente sobre o
hardware e implementa a
multiprogramação.
19
Q ualidade do S.O
 Critérios que definem a qualidade dos
Sistemas Operacionais:
20
Desempenho Segurança
Confiabilidade Disponibilidade
Tolerância a
Faltas
Interface
Interativa
Q ualidade do S.O
 Desempenho – Um dos critérios mais evidente
que tem o impacto global em todas as
aplicações.
 O S.O deve explorar os recursos físicos;
 Implementação lógica com técnicas de otimização;
• Segurança – O S.O é a base de qualquer
política de segurança.
 Requer complexidade;
 Atualização constante;
21
Q ualidade do S.O
 Confiabilidade – Mede a probabilidade de, em
um intervalo de tempo, não existir nenhuma falha
do sistema.
 Disponibilidade – Define a probabilidade do
sistema estar operacional, admitindo que ocorrem
falhas, mais foram reparadas, permitindo que o
sistema continue funcionando.
22
Q ualidade do S.O
 Tolerância a Falhas – Oferece mecanismos para
tratamentos de defeitos e assim evitar ocorrência
de falhas do sistema como um todo.
 Interface – A evolução da interface gráfica,
procura apresentar o S.O ao usuário de forma
natural e interativa.
23
Duvidas
24

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

fundamentos de sistema operacional- S.O
fundamentos de sistema operacional- S.Ofundamentos de sistema operacional- S.O
fundamentos de sistema operacional- S.O
Pablo Lopes
 
O que é um sistema operacional
O que é um sistema operacionalO que é um sistema operacional
O que é um sistema operacional
Alessandro Fazenda
 
Tipos de Sistemas Operacionais
Tipos de Sistemas OperacionaisTipos de Sistemas Operacionais
Tipos de Sistemas Operacionais
Jesse Teixeira
 
Sistemas Operativos (Operating Systems)
Sistemas Operativos (Operating Systems)Sistemas Operativos (Operating Systems)
Sistemas Operativos (Operating Systems)
Pepe Rocker
 
SO-01 Introdução aos Sistemas Operacionais
SO-01 Introdução aos Sistemas OperacionaisSO-01 Introdução aos Sistemas Operacionais
SO-01 Introdução aos Sistemas Operacionais
Eduardo Nicola F. Zagari
 
Apresentação - sistemas operacionais
Apresentação - sistemas operacionaisApresentação - sistemas operacionais
Apresentação - sistemas operacionais
Eduardo Macedo
 
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SOSistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Mauro Duarte
 
Sistemas Operacionais - Introducao
Sistemas Operacionais - IntroducaoSistemas Operacionais - Introducao
Sistemas Operacionais - Introducao
Luiz Arthur
 
Classificação – sistemas operativos
Classificação – sistemas operativosClassificação – sistemas operativos
Classificação – sistemas operativos
TROLITO LALALAL
 
Questoesde fso
Questoesde fsoQuestoesde fso
Questoesde fso
paulocsm
 
Tipos de Sistema operacional
Tipos de Sistema operacionalTipos de Sistema operacional
Tipos de Sistema operacional
Gislaine Conceição
 
Tipos de Sistemas Operacionais
Tipos de Sistemas OperacionaisTipos de Sistemas Operacionais
Tipos de Sistemas Operacionais
Luciano Crecente
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionais
Cleyton Stefanello
 
Sistemas Operativos
Sistemas OperativosSistemas Operativos
Sistemas operacionais lista de exercicios
Sistemas operacionais lista de exerciciosSistemas operacionais lista de exercicios
Sistemas operacionais lista de exercicios
Carlos Melo
 
Sistemas Operacionais
Sistemas OperacionaisSistemas Operacionais
Sistemas Operacionais
Daniel Paz de Araújo
 
Noções básicas de Sistemas Operacionais
Noções básicas de Sistemas OperacionaisNoções básicas de Sistemas Operacionais
Noções básicas de Sistemas Operacionais
Luciano Crecente
 
Sistemas operacionais aula 01
Sistemas operacionais   aula 01Sistemas operacionais   aula 01
Sistemas operacionais aula 01
Professor Douglas
 
Gestão de sistemas operacionais - aula 1
Gestão de sistemas operacionais - aula 1Gestão de sistemas operacionais - aula 1
Gestão de sistemas operacionais - aula 1
Fernando Ottoni
 
Sistemas Operacionais e Mercado de Trabalho
Sistemas Operacionais e Mercado de TrabalhoSistemas Operacionais e Mercado de Trabalho
Sistemas Operacionais e Mercado de Trabalho
Carl Edwin Antonio Nascimento
 

Mais procurados (20)

fundamentos de sistema operacional- S.O
fundamentos de sistema operacional- S.Ofundamentos de sistema operacional- S.O
fundamentos de sistema operacional- S.O
 
O que é um sistema operacional
O que é um sistema operacionalO que é um sistema operacional
O que é um sistema operacional
 
Tipos de Sistemas Operacionais
Tipos de Sistemas OperacionaisTipos de Sistemas Operacionais
Tipos de Sistemas Operacionais
 
Sistemas Operativos (Operating Systems)
Sistemas Operativos (Operating Systems)Sistemas Operativos (Operating Systems)
Sistemas Operativos (Operating Systems)
 
SO-01 Introdução aos Sistemas Operacionais
SO-01 Introdução aos Sistemas OperacionaisSO-01 Introdução aos Sistemas Operacionais
SO-01 Introdução aos Sistemas Operacionais
 
Apresentação - sistemas operacionais
Apresentação - sistemas operacionaisApresentação - sistemas operacionais
Apresentação - sistemas operacionais
 
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SOSistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
 
Sistemas Operacionais - Introducao
Sistemas Operacionais - IntroducaoSistemas Operacionais - Introducao
Sistemas Operacionais - Introducao
 
Classificação – sistemas operativos
Classificação – sistemas operativosClassificação – sistemas operativos
Classificação – sistemas operativos
 
Questoesde fso
Questoesde fsoQuestoesde fso
Questoesde fso
 
Tipos de Sistema operacional
Tipos de Sistema operacionalTipos de Sistema operacional
Tipos de Sistema operacional
 
Tipos de Sistemas Operacionais
Tipos de Sistemas OperacionaisTipos de Sistemas Operacionais
Tipos de Sistemas Operacionais
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionais
 
Sistemas Operativos
Sistemas OperativosSistemas Operativos
Sistemas Operativos
 
Sistemas operacionais lista de exercicios
Sistemas operacionais lista de exerciciosSistemas operacionais lista de exercicios
Sistemas operacionais lista de exercicios
 
Sistemas Operacionais
Sistemas OperacionaisSistemas Operacionais
Sistemas Operacionais
 
Noções básicas de Sistemas Operacionais
Noções básicas de Sistemas OperacionaisNoções básicas de Sistemas Operacionais
Noções básicas de Sistemas Operacionais
 
Sistemas operacionais aula 01
Sistemas operacionais   aula 01Sistemas operacionais   aula 01
Sistemas operacionais aula 01
 
Gestão de sistemas operacionais - aula 1
Gestão de sistemas operacionais - aula 1Gestão de sistemas operacionais - aula 1
Gestão de sistemas operacionais - aula 1
 
Sistemas Operacionais e Mercado de Trabalho
Sistemas Operacionais e Mercado de TrabalhoSistemas Operacionais e Mercado de Trabalho
Sistemas Operacionais e Mercado de Trabalho
 

Destaque

Conceitos de sistemas operacionais
Conceitos de sistemas operacionaisConceitos de sistemas operacionais
Conceitos de sistemas operacionais
Aparicio Junior
 
Certificação ITIL OSA (Operational Support And Analysis)
Certificação ITIL OSA (Operational Support And Analysis)Certificação ITIL OSA (Operational Support And Analysis)
Certificação ITIL OSA (Operational Support And Analysis)
Fernando Palma
 
Computer Operation Management
Computer Operation ManagementComputer Operation Management
Computer Operation Management
Seto Elkahfi
 
Fuzzymulticriteriadecisionmaking
FuzzymulticriteriadecisionmakingFuzzymulticriteriadecisionmaking
Fuzzymulticriteriadecisionmaking
Seto Elkahfi
 
Macam macam sistem operasi berbasis gui dan teks
Macam macam sistem operasi berbasis gui dan teksMacam macam sistem operasi berbasis gui dan teks
Macam macam sistem operasi berbasis gui dan teks
Fanda Elvira Rosa
 
Bab 5
Bab 5Bab 5
Sistem informasi manajemen (melisa anasthasia fadirubun)
Sistem informasi manajemen (melisa anasthasia fadirubun)Sistem informasi manajemen (melisa anasthasia fadirubun)
Sistem informasi manajemen (melisa anasthasia fadirubun)
Melisa Anasthasia Fadirubun
 
Aula 3 sistema computacional (hardware e software)
Aula 3   sistema computacional (hardware e software)Aula 3   sistema computacional (hardware e software)
Aula 3 sistema computacional (hardware e software)
Vitor Hugo Melo Araújo
 

Destaque (8)

Conceitos de sistemas operacionais
Conceitos de sistemas operacionaisConceitos de sistemas operacionais
Conceitos de sistemas operacionais
 
Certificação ITIL OSA (Operational Support And Analysis)
Certificação ITIL OSA (Operational Support And Analysis)Certificação ITIL OSA (Operational Support And Analysis)
Certificação ITIL OSA (Operational Support And Analysis)
 
Computer Operation Management
Computer Operation ManagementComputer Operation Management
Computer Operation Management
 
Fuzzymulticriteriadecisionmaking
FuzzymulticriteriadecisionmakingFuzzymulticriteriadecisionmaking
Fuzzymulticriteriadecisionmaking
 
Macam macam sistem operasi berbasis gui dan teks
Macam macam sistem operasi berbasis gui dan teksMacam macam sistem operasi berbasis gui dan teks
Macam macam sistem operasi berbasis gui dan teks
 
Bab 5
Bab 5Bab 5
Bab 5
 
Sistem informasi manajemen (melisa anasthasia fadirubun)
Sistem informasi manajemen (melisa anasthasia fadirubun)Sistem informasi manajemen (melisa anasthasia fadirubun)
Sistem informasi manajemen (melisa anasthasia fadirubun)
 
Aula 3 sistema computacional (hardware e software)
Aula 3   sistema computacional (hardware e software)Aula 3   sistema computacional (hardware e software)
Aula 3 sistema computacional (hardware e software)
 

Semelhante a Sistemas Operacionais aula 02

Sistemas operacionais aula 01
Sistemas operacionais aula 01Sistemas operacionais aula 01
Sistemas operacionais aula 01
Albert Belchior
 
So cap01
So cap01So cap01
So cap01
Mario Nogueira
 
Sistemas operativos trabalho 10ºano
Sistemas operativos trabalho 10ºanoSistemas operativos trabalho 10ºano
Sistemas operativos trabalho 10ºano
Hus Juky
 
resumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdf
resumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdfresumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdf
resumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdf
RafaelPilan1
 
Sistemas Operativos
Sistemas OperativosSistemas Operativos
Sistemas Operativos
JoseVieira75
 
M1_Sistemas Operativos.pptx
M1_Sistemas Operativos.pptxM1_Sistemas Operativos.pptx
M1_Sistemas Operativos.pptx
Doraestevao
 
Evolução dos sistemas operativos
Evolução dos sistemas operativosEvolução dos sistemas operativos
Evolução dos sistemas operativos
Leo Simões
 
Joaopinheiro
JoaopinheiroJoaopinheiro
Joaopinheiro
joaopinheiro7
 
Modulo 3-IMEI-A02-Sistemas Operativos.pdf
Modulo 3-IMEI-A02-Sistemas Operativos.pdfModulo 3-IMEI-A02-Sistemas Operativos.pdf
Modulo 3-IMEI-A02-Sistemas Operativos.pdf
5abcaeag
 
1ª aula sistema operacional
1ª aula  sistema operacional1ª aula  sistema operacional
1ª aula sistema operacional
João Freire Abramowicz
 
Visão Geral: Estruturas do Sistema Operacional
Visão Geral: Estruturas do Sistema OperacionalVisão Geral: Estruturas do Sistema Operacional
Visão Geral: Estruturas do Sistema Operacional
Alexandre Duarte
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
SISTEMAS OPERACIOANIS 20.01.2023.pptx
SISTEMAS OPERACIOANIS 20.01.2023.pptxSISTEMAS OPERACIOANIS 20.01.2023.pptx
SISTEMAS OPERACIOANIS 20.01.2023.pptx
ADASVIEIRAArmazmPara
 
So rosa coimbra
So rosa coimbraSo rosa coimbra
So rosa coimbra
Rosa Coimbra
 
Sistemas Operacionais - 2º unidade - Tiago Falcão
Sistemas Operacionais - 2º unidade - Tiago FalcãoSistemas Operacionais - 2º unidade - Tiago Falcão
Sistemas Operacionais - 2º unidade - Tiago Falcão
Camila Seródio
 
SO01 - Sistemas-Operacionais - Introdução Historico Conceitos.pdf
SO01 - Sistemas-Operacionais - Introdução Historico Conceitos.pdfSO01 - Sistemas-Operacionais - Introdução Historico Conceitos.pdf
SO01 - Sistemas-Operacionais - Introdução Historico Conceitos.pdf
Silvano Oliveira
 
História dos Sistemas Operativos
História dos Sistemas OperativosHistória dos Sistemas Operativos
História dos Sistemas Operativos
TROLITO LALALAL
 
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelApostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Pablo Mariano
 
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelApostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Pablo Mariano
 
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelApostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Pablo Mariano
 

Semelhante a Sistemas Operacionais aula 02 (20)

Sistemas operacionais aula 01
Sistemas operacionais aula 01Sistemas operacionais aula 01
Sistemas operacionais aula 01
 
So cap01
So cap01So cap01
So cap01
 
Sistemas operativos trabalho 10ºano
Sistemas operativos trabalho 10ºanoSistemas operativos trabalho 10ºano
Sistemas operativos trabalho 10ºano
 
resumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdf
resumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdfresumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdf
resumo-conceitos-de-sistemas-operacionais.pdf
 
Sistemas Operativos
Sistemas OperativosSistemas Operativos
Sistemas Operativos
 
M1_Sistemas Operativos.pptx
M1_Sistemas Operativos.pptxM1_Sistemas Operativos.pptx
M1_Sistemas Operativos.pptx
 
Evolução dos sistemas operativos
Evolução dos sistemas operativosEvolução dos sistemas operativos
Evolução dos sistemas operativos
 
Joaopinheiro
JoaopinheiroJoaopinheiro
Joaopinheiro
 
Modulo 3-IMEI-A02-Sistemas Operativos.pdf
Modulo 3-IMEI-A02-Sistemas Operativos.pdfModulo 3-IMEI-A02-Sistemas Operativos.pdf
Modulo 3-IMEI-A02-Sistemas Operativos.pdf
 
1ª aula sistema operacional
1ª aula  sistema operacional1ª aula  sistema operacional
1ª aula sistema operacional
 
Visão Geral: Estruturas do Sistema Operacional
Visão Geral: Estruturas do Sistema OperacionalVisão Geral: Estruturas do Sistema Operacional
Visão Geral: Estruturas do Sistema Operacional
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
 
SISTEMAS OPERACIOANIS 20.01.2023.pptx
SISTEMAS OPERACIOANIS 20.01.2023.pptxSISTEMAS OPERACIOANIS 20.01.2023.pptx
SISTEMAS OPERACIOANIS 20.01.2023.pptx
 
So rosa coimbra
So rosa coimbraSo rosa coimbra
So rosa coimbra
 
Sistemas Operacionais - 2º unidade - Tiago Falcão
Sistemas Operacionais - 2º unidade - Tiago FalcãoSistemas Operacionais - 2º unidade - Tiago Falcão
Sistemas Operacionais - 2º unidade - Tiago Falcão
 
SO01 - Sistemas-Operacionais - Introdução Historico Conceitos.pdf
SO01 - Sistemas-Operacionais - Introdução Historico Conceitos.pdfSO01 - Sistemas-Operacionais - Introdução Historico Conceitos.pdf
SO01 - Sistemas-Operacionais - Introdução Historico Conceitos.pdf
 
História dos Sistemas Operativos
História dos Sistemas OperativosHistória dos Sistemas Operativos
História dos Sistemas Operativos
 
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelApostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
 
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelApostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
 
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgelApostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
Apostila de sistemas operacionais emi mario gurgel
 

Último

Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 

Último (20)

Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 

Sistemas Operacionais aula 02

  • 1. 1 Sistem as O peracionais Aula II Prof. Inaldo Nascimento Prof. Augusto Correia Bibliografia e Referência: SISTEMAS OPERACIONAIS – Editora: LTC, 2011. Autores: José Alves Marques, Paulo Ferreira, Carlos Ribeiro, Luiz Veiga, Rodrigo Rodrigues. Adaptação e Revisão: Edgar Toshiro Yano.
  • 2. Notas de Aula  Função dos Sistemas Operacionais  Gerenciador de Recursos  Interface  Maquina Virtual  Qualidade do S.O 2
  • 3. Sistem a O peracional  Historicamente os primeiros sistemas operacionais eram simples monitores de controle que gerenciavam sessões onde cada usuário tinha o uso exclusivo da máquina, permitindo a execução de tarefas como carregar programas na memória e controlar dispositivos de E/S. 3
  • 4. Sistem a O peracional  O Sistema Operacional é um dos componentes centrais de qualquer sistema computacional, sendo a sua principal função apresentada sob três pontos de vista diferentes.  Gerenciador de recursos;  Interface simples para o Hardware;  Máquina virtual que abstrai o hardware e mecanismos de baixo nível; 4
  • 5. Função dos Sistem as O peracionais  A principal função de um sistema computacional é executar uma ou várias aplicações para seus usuários.  Aplicação é um conjunto de programas e de informações persistentes, armazenadas em arquivos ou bases de dados. 5
  • 6. Gerenciado de Recursos  Compreender o S.O como responsável por gerenciar os recursos lógicos e a sua utilização, é necessário entender os recursos lógicos com abstração do hardware.  Normalmente aprendemos o conceito das linguagens de programação e o modelo lógico. 6
  • 7. Gerenciado de Recursos  A abstração dos recursos lógicos e os recursos físicos implica em entender:  Arquivos X Espaço em disco;  Variáveis e Pilhas X Blocos de Memória;  Criar recursos;  Controlar o funcionamento;  Otimizar o desempenho; 7
  • 8. Gerenciado de Recursos  Os principais recursos lógicos gerenciados pelo Sistema Operacional são:  Processos;  Memória Virtual;  Sistema de Arquivos;  Periféricos;  Usuários; 8
  • 9. Gerenciado de Recursos  PROCESSOS – é a capacidade de executar programas, simplificando o seu gerenciamento.  Um processo define um ambiente de execução independente das características do computador e da linguagem, podendo ser visto como uma máquina virtual. 9
  • 10. Gerenciado de Recursos  MEMÓRIA VIRTUAL – É a capacidade de executar programas maiores que a memória física da máquina movendo peças entre memória RAM e o disco.  Implementada no S.O através do gerenciamento de espaços de endereçamento, de forma transparente para os usuários, feita pelos programadores. 10
  • 11. Gerenciado de Recursos  SISTEMA DE ARQUIVOS – O conceito fundamental do S.O que compõe o sistema de armazenamento de informações.  Através das chamadas do sistemas, são necessárias para criar, remover, ler e escrever arquivos;  Peculiares aos discos e outras E/S ( CD, Pendriver, etc) normalmente organizadas em diretórios de modo a agrupar arquivos; 11
  • 12. Gerenciado de Recursos  PERIFÉRICOS – O S.O permite a interação de mecanismos físicos através de diversos componentes externos como: telas , teclados, impressoras e rede. 12
  • 13. Gerenciado de Recursos  USUÁRIOS – O S.O gerencia a identificação e os privilégios, mantendo a informação das ações e recursos utilizados. 13
  • 15. Interface  Uma visão do sistema operacional é considerá-lo como interface que virtualiza o computador.  Existem duas interfaces diferentes e com uso distintos, são elas:  Interface Operacional  Chamadas de Sistemas 15
  • 16. Interface  INTERFACE OPERACIONAL – é utilizada para a interação, composta de comandos simples ou scripts para criar, usar, configurar e apagar os recursos correspondentes a linguagem de controle textual para todos os usuários.  Como exemplo o Shell, tornou-se gráfica, mais interativa e simples, que permite a execução das funções operacionais. 16
  • 17. Interface  CHAMADAS DE SISTEMA – Fazem parte do modelo computacional do S.O e formam a interface funcional do sistema, permitindo não apenas executar operações associadas como gerenciar o ciclo de vida.  Essa interface se materializa numa biblioteca ou API (application Programming Interface) que faz a interação entre as operações associadas e os objetos. 17
  • 18. M áquina Virtual  Originalmente denominada CP/CMS e depois renomeado VM/370, onde é a separação completa de duas funções: (1) Multiprogramação – que fornece o sistema de tempo compartilhado. (2) Maquina Estendida – interface do que o hardware oferece. 18
  • 19. M áquina Virtual  Uma máquina virtual, torna-se independente do hardware onde executa, tornando-se mais eficientes, robustas.  O coração do sistema é o monitor de máquina virtual, que é executado diretamente sobre o hardware e implementa a multiprogramação. 19
  • 20. Q ualidade do S.O  Critérios que definem a qualidade dos Sistemas Operacionais: 20 Desempenho Segurança Confiabilidade Disponibilidade Tolerância a Faltas Interface Interativa
  • 21. Q ualidade do S.O  Desempenho – Um dos critérios mais evidente que tem o impacto global em todas as aplicações.  O S.O deve explorar os recursos físicos;  Implementação lógica com técnicas de otimização; • Segurança – O S.O é a base de qualquer política de segurança.  Requer complexidade;  Atualização constante; 21
  • 22. Q ualidade do S.O  Confiabilidade – Mede a probabilidade de, em um intervalo de tempo, não existir nenhuma falha do sistema.  Disponibilidade – Define a probabilidade do sistema estar operacional, admitindo que ocorrem falhas, mais foram reparadas, permitindo que o sistema continue funcionando. 22
  • 23. Q ualidade do S.O  Tolerância a Falhas – Oferece mecanismos para tratamentos de defeitos e assim evitar ocorrência de falhas do sistema como um todo.  Interface – A evolução da interface gráfica, procura apresentar o S.O ao usuário de forma natural e interativa. 23