As alianças na primeira guerra mundial

27.390 visualizações

Publicada em

Entenda as aliançasna primeira guerra parte I

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
27.390
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
84
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As alianças na primeira guerra mundial

  1. 1. Entendendo as alianças na primeira guerra mundial<br />Os interesses em jogo<br />1.IMPÉRIO RUSSO<br />Na Primeira Guerra Mundial, o Império Russo se uniu à Tríplice Entente, junto com França e Inglaterra, contra a Tríplice Aliança, formada por Alemanha, Áustria-Hungria e Império Turco-Otomano. A Rússia tinha interesse em obter um acesso ao Mar Mediterrâneo e para isso pretendia anexar, sob a justificativa de proteger povos eslavos irmãos, a península balcânica e os estreitos de Bósforo e Dardanelos, então sob domínio do moribundo Império Turco-Otomano.<br />Bandeira do império russo<br />
  2. 2. Entendendo as alianças na primeira guerra mundial<br />2.IMPÉRIO AUSTRO-HÚNGARO<br />Os interesses em jogo<br />Na altura da sua dissolução, o império tinha uma superfície total de 677.546 km². Sua população, antes do início da Primeira Guerra Mundial era estimada em 52,5 milhões de habitantes. O que resta deste antigo Estado encontra-se dividido entre treze países atuais: Áustria, Hungria, República Checa, Eslováquia, Eslovénia, Croácia, Bósnia e Herzegovina e as regiões da Voivodina na Sérvia, Bocas de Kotor no Montenegro, Trentino-Alto, Ádige e Trieste na Itália, Transilvânia e parte do Banato na Roménia, Galícia na Polónia e Ruténia (região Subcarpática) na Ucrânia<br />
  3. 3. Entendendo as alianças na primeira guerra mundial<br />Conflitos balcânicos<br />Com a derrocada do Império Otomano, os Bálcãs tornaram-se uma zona instável e disputada. De um lado havia interesses de duas grandes potências (Áustria-Hungria e Rússia), que podiam entrar em choque com as potências expansionistas regionais (Bulgária e Sérvia). Os conflitos balcânicos foram essenciais para o desenvolvimento da política externa austríaca a partir das décadas de 1870 e de 1880. Anteriormente defendendo a continuidade do domínio otomano sobre a península balcânica, os interesses austro-húngaros voltaram-se contra a Turquia na Questão Oriental, lançando-se contra a Rússia numa concorrência aberta que duraria até a Primeira Guerra Mundial.<br />
  4. 4. Entendendo as alianças na primeira guerra mundial<br />Conflitos balcânicos<br />A eclosão de revoltas contra o domínio turco na Bulgária e na Bósnia-Herzegóvina foi um ponto vital para a política externa da monarquia dual nos anos seguintes. A Rússia, que havia feito intervenções a favor das minorias eslavas (seguindo a doutrina do pan-eslavismo) venceu uma guerra contra os turco-otomanos em 1878 e assinou o Tratado de Santo Estêvão com a nação perdedora. O acordo permitia a independência dos territórios otomanos dos Bálcãs e criava a Grande Bulgária, que acabaria firmando a hegemonia russa nos Bálcãs e o afastamento da Áustria-Hungria desta região, bem como se tornou uma ameaça à integridade territorial do império a secessão dos povos eslavos em favor das novas pequenas nações que surgiam.<br />Balcãs<br />
  5. 5. Entendendo as alianças na primeira guerra mundial<br />Conflitos balcânicos<br />O Império Habsburgo rejeitou de prontidão os termos do tratado e exigiu uma revisão, que acabaria ocorrendo entre junho e julho de 1878, depois da intervenção de Bismarck. Através da revisão, as áreas de influência dos Bálcãs acabariam sendo redivididas entre Áustria-Hungria e Rússia, e a primeira teria o direito de ocupar a Bósnia-Herzegóvina e administrá-la.<br />Em 1908, a monarquia austro-húngara anexou definitivamente a região da Bósnia-Herzegóvina ao seu território, temendo perdê-la novamente para a Turquia. O interesse maior era mostrar que o país ainda era uma grande potência na região e demonstrar sua clara intenção de refrear o separatismo que se configurava em áreas de seu domínio.<br />Saravejo<br />
  6. 6. Entendendo as alianças na primeira guerra mundial<br />Conflitos balcânicos<br />Com as Guerras Balcânicas, a configuração territorial da península se alterou rapidamente em uma pequeno intervalo de tempo, e a geopolítica deste espaço mudou. A queda da Bulgária na Segunda Guerra Balcânica perante seus antigos aliados (Grécia e Sérvia) faria com que o país se aproximasse da Áustria-Hungria tentando apoiá-la numa tentativa de impedir a construção de uma Grande Sérvia (que englobaria também territórios austro-húngaros de população eslava).<br />Sérvia<br />
  7. 7. Entendendo as alianças na primeira guerra mundial<br />O Segundo Reich <br />2.IMPÉRIO AUSTRO-HÚNGARO<br />O Império Alemão (em alemão Deutsches Reich) foi um Estado, na região da atual Alemanha, governado pela Casa von Hohenzollern. Existiu desde a sua consolidação como Estado-nação em janeiro de 1871 (fim da Unificação Alemã) até à abdicação do kaiser Guilherme II em novembro de 1918, após a derrota na Primeira Guerra Mundial.<br />A expressão Segundo Reich (do alemão Reich, que significa reino ou império) refere-se ao mesmo período histórico naquele estado; os que a empregam consideram o Sacro Império Romano-Germânico (843-1806) como um primeiro império alemão. Seguindo este mesmo raciocínio, os nazistas chamavam de Terceiro Reich o regime nacional-socialista de Hitler (1933-1945).<br />É de notar que o termo Deutsches Reich foi o nome oficial da Alemanha não apenas no período dos kaisers mas também durante a República de Weimar e o regime nazista<br />Brasão do império alemão<br />
  8. 8. Entendendo as alianças na primeira guerra mundial<br />A Alemanha colonial<br />Em 1884, Karl Peters fundou a Sociedade Alemã da África Oriental, e Bismarck estava pronto para reivindicar três áreas do continente africano: o sudoeste da África, até a fronteira da Colônia do Cabo (Namíbia); Camarões e Togo, onde o comércio era há muito monopolizado pelos britânicos; e o leste africano (Tanganica), ameaçando assim os interesses britânicos em Zanzibar. A Nova Guiné e o Arquipélago de Bismarck, no Oceano Pacífico, também eram reivindicados.<br />Em 1898, a Alemanha arrendou a província chinesa de Xantum e comprou da Espanha as ilhas Carolinas e Marianas. Em 1899, Alemanha e Estados Unidos dividiram Samoa. Um atrito potencial com o Reino Unido foi evitado através de um acordo, em 1900, após sua intervenção para esmagar o levante dos boxers. No mesmo ano, von Büllow tornou-se chanceler (1900-1909).<br />
  9. 9. Entendendo as alianças na primeira guerra mundial<br />A expansão alemã<br />O crescimento da indústria alemã transformou-a na maior potência industrial da Europa, e a procura inevitável por novos mercados levou a tensões com outras potências colonialistas. A expansão da marinha alemã sob orientação de von Tirpitz levou à rivalidade com a marinha britânica, enquanto que a rivalidade com a França na África levou à crise do Marrocos (1905). Numa segunda crise marroquina (1911), esteve-se à beira de uma guerra internacional. O assassinato de Francisco Fernando, arquiduque da Áustria, em Sarajevo pegou o império desprevenido. Terminou-se por decidir que a Aliança Austro-Húngara de 1879 deveria ser honrada, mesmo que isso significasse guerra contra a Rússia e a França. Durante a Primeira Guerra Mundial, a maior parte dos territórios africanos pertencentes à Alemanha foi perdida, e o Tratado de Paz de Versalhes despojou a Alemanha de seu império de ultramar, que se transformou em territórios administrados pelas forças vitoriosas, no interesse da Liga das Nações.<br />

×