SlideShare uma empresa Scribd logo
Conhecendo a Síndrome de Down  Normal é ser diferente.
Eu sou Down!  Sou um ser especial   tenho muito a te ensinar  sobre o verdadeiro amar   aqui nesta esfera mortal  Sou diferente da maioria não sei mentir ou fingir o que sei mesmo é sorrir e espalhar minha alegria Vim ao mundo pra ensinar mais do que para aprender ensinar a você como amar Os seus preconceitos vencer as diferenças aceitar e ao Pai Celeste bendizer.  Jorge Linhaça
A Síndrome de Down é uma alteração genética, que ocorre durante a divisão celular do embrião. O indivíduo com Síndrome de Down possui 47 cromossomos (e não 46), sendo o cromossomo extra ligado ao par 21.  O que é?
Qualquer casal pode ter um filho com Síndrome de Down, mas a chance maior é da mulher com mais de 40 anos. No início da gestação já está determinado que a criança tem Síndrome e já existem exames pré-natais capaz de identificar a anomalia
A gente  nasce molinho, com dificuldade de sustentar a cabeça, engatinhar, caminhar , falar. A Síndrome de Down é essencialmente um atraso nas funções motoras e mentais. Mas com o tempo e com o estímulo do papai e mamãe , podemos melhorar bastante!
Quer saber como  nos identificar ? Hipotonia Abertura das pálpebras inclinada com a parte externa mais elevada. Prega da pálpebra no canto interno dos olhos como os japoneses Língua protusa (para fora da boca) Prega única na palma das mãos Mãos largas, dedos curtos  Comprometimento Intelectual
Estes são alguns problemas que podemos ter , junto com a Síndrome ,  dependendo do caso Cardiopatias  congênitas Complicações  Respiratórias Instabilidade  Atlanto-axial Problemas  visuais Problemas  Auditivos   Problemas  da Tiróide Outros Leucemia, doença de Alzheimer e, nas crianças pequenas, refluxo gastro-esofágico. autismo  Acesse os links para saber mais
Uma das maiores dificuldades  que enfrento é o atraso na aquisição da fala. Por isso papai e mamãe precisam de ajuda de um profissional. Mesmo com ajuda de fonoaudiólogo, o Down demora bastante para poder articular bem as palavras. É necessário muito exercício.O Down se comunica muito por gestos e expressões afetivas.
Não existe cura para a Síndrome de Down, pois é uma alteração nas células Mas com a estimulação precoce, pode melhorar o nosso desempenho motor e intelectual.Mas precisa iniciar cedo, pois mais tarde não há provas de que seja eficaz.
Existem muitas variações no grau da doença tanto nos sinais clínicos, quanto no desenvolvimento. Alguns situam-se no nível severo de déficit cognitivo, outros próximo da deficiência mental leve. Isso interfere no desenvolvimento e adaptação social.
Para diminuir as limitações, precisa estimulação precoce. Os pais podem auxiliar, brincando, mantendo a criança em atividade Exercícios físicos ajudam o desenvolvimento neurológico . A convivência com outras crianças  me ajudam na socialização e para aprender  a conviver com normas sociais.
Estimulação Precoce O desenvolvimento Global de uma pessoa é determinado pela genética e pelo meio ambiente. Quanto mais estímulos forem oferecidos, através da experimentação (tato, paladar, audição, visão), mais a criança vai superando limitações e criando uma memória de suas vivências, aprendendo dessa forma.
Quando adolescentes ou adultos  Down podem ter uma vida quase independente, embora possam não atingir altos níveis de escolarização ou desenvolvimento intelectual Apesar da limitações intelectuais, possui impulsos e afetividade, necessitando também de autonomia e intimidade.
O Down e a Sexualidade O Jovem com Síndrome de Down tem um desenvolvimento afetivo  parecido com uma pessoa normal , mas ao se falar em casamento, deve-se considerar o fato de que eles têm dificuldade em assumir uma família e administrar seus bens, além de que há o alto risco de gerarem filhos também com Síndrome. As mulheres com a deficiência podem gerar filhos(algumas são consideradas subférteis), no entanto, até o momento não está comprovado que o homem tenha fertilidade.
Um dos principais objetivos da educação das crianças com SD é o desenvolvimento de programas criativos e ações que resultem em melhor qualidade de vida destas crianças.  Educação
A criança deve ser educada  com limites, evitando ser colocada  no centro das atenções da família. Devido à demora que a criança tem de  aprender,  é preciso usar de firmeza e cuidado, mas evitar a superproteção..
EDUCAÇÃO INCLUSIVA   O princípio que rege a educação inclusiva é o de que todos devem aprender juntos, sempre que possível, levando-se em consideração suas dificuldades e diferenças, em classes heterogêneas, com alunos da mesma faixa etária.  A escola inclusiva é o espaço ao qual todos pertencem, são aceitos, apoiados pelos colegas e pelos membros da comunidade escolar.
Legislação O Brasil tem um conjunto de normas que garantem proteção absoluta para quem tem Síndrome de Down: direito à educação e oportunidades de desenvolvimento iguais. Confira alguns pontos da legislação. Constituição O artigo 208 determina que 'o dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino'. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Estabelece a divisão do ensino regular e especial, admitindo a possibilidade de substituição do regular pelo especial. Conselho Nacional de Educação A Resolução nº 2 do conselho, de dezembro de 2001, defende que as escolas comuns acolham alunos com deficiências para promover a inclusão social. Admite ainda salas especiais, em caráter temporário, para crianças e adolescentes.
Brasília (DF) - O secretário parlamentar Rodrigo Marinho, portador de síndrome de Down, fala sobre a importância da inclusão escolar de crianças com necessidades especiais. "A gente não pode desistir do sonho de se integrar na sociedade. Eu sou muito corajoso." Foto: Roosewelt Pinheiro/ABr  -  Agência Brasil
Cardiopatias Congênitas  As cardiopatias congênitas estão presentes em aproximadamente 50% dos casos. O exame mais indicado é o ecocardiograma, pois detecta problemas anatômicos como a comunicação inter-ventricular (CIV), que é uma das cardiopatias mais comuns na síndrome de Down. Em alguns casos o tratamento é cirúrgico, com correção total. Os sinais que indicam a presença de cardiopatias são, em geral: baixo peso, cianose de extremidades, malformações torácicas, palidez, taquicardia, atraso no desenvolvimento acima da média da crianças com síndrome de Down. O eletrocardiograma, bem como a ausculta, nem sempre detectam uma cardiopatia.
Complicações Respiratórias A criança com síndrome de Down é mais susceptível às infecções respiratórias. Há uma alteração imunológica que predispõe aos resfriados de repetição, infecção de garganta e pneumonias. Algumas crianças apresentam coriza constante. Quando o quadro clínico é crônico, alguns médicos desaconselham o tratamento repetido à base de antibióticos. O ideal é trabalhar na prevenção das doenças respiratórias, mantendo as vias aéreas desobstruídas. Exercícios respiratórios específicos associados à higiene nasal com aplicação de soro fisiológico podem colaborar para a manutenção da higiene da vias aéreas.
Instabilidade Atlanto-axial A hipotonia ligamentar pode propiciar uma condição de instabilidade entre as duas primeiras vértebras. Isto acontece em aproximadamente 10 a 20% dos casos. O raio-X detecta o aumento do espaço intervertebral e sugere uma possível sub-luxação mediante esforços maiores na região do pescoço. São contra-indicados nestes casos atividades bruscas com o pescoço, como cambalhotas ou mergulhos. Em casos de cirurgia com entubação é essencial o RX, uma vez que a manobra na hora da entubação pode sub-luxar a região cervical. Um deslocamento vertebral pode levar a lesões medulares a até à morte. O raio-X cervical deve ser aconselhado a todas as crianças com Síndrome de Down. Só um especialista pode dar um laudo seguro em relação à instabilidade atlanto-axial.
Problemas visuais É comum as crianças com síndrome de Down a presença de miopia, hipermetropia, astigmatismo, ambliopia, nistagmo ou catarata. Por isso, é aconselhável um exame oftalmológico anualmente. Após avaliação correta, pode ser necessária correção cirúrgica ou com óculos.
Problemas Auditivos Algumas crianças apresentam rebaixamento auditivo uni ou bilateral. Também é comum a presença de otite média crônica. Mediante suspeita, a criança deve ser encaminhada a uma avaliação audiológica para averiguação da percepção auditiva, sendo necessário um exame minuciosos.
Problemas da Tiróide Pode haver alteração no funcionamento da glândula tireóide, causando o hipotireoidismo. Esta alteração está presente em aproximadamente 10% das crianças e 13 a 50% dos adultos com síndrome de Down. Na presença desta alteração a criança pode ficar obesa e até mesmo ter seu desenvolvimento intelectual comprometido. É indicado o exame da tiróide com freqüência anual. Devem ser feitas as dosagens de T3, T4 e TSH.
Outros Outros problemas de saúde podem estar associados à síndrome de Down. A literatura tem mostrado relação entre Síndrome de Down e a presença de leucemia, da doença de Alzheimer e, nas crianças pequenas, do refluxo gastro-esofágico. Alguns autores mencionam relações com o autismo. É importante que o profissional mantenha-se sempre atualizado.
Para informações mais aprofundadas acessar fontes:  Blog Síndrome de Down –  http://sindromedownpuc.blogspot.com  (nossa autoria) Fundação Down -  http://www.fsdown.org.br/publicador/principal . php ? codigo =176 Down S.O.S -  http://www.sosdown.com/   Xande Down -  http://www.xandedown.com.br/1index.html Rhaissa -  http://br.geocities.com/rhaissanet98/   Um menino especial -  http://ummeninoespecial.blogspot.com/ Gabriela -  http://www.perolagabi.weblogger.terra.com.br/   Curso de Especialização Tecnologias em Educação – PUC RIO Trabalho Elaborado para o Seminário Virtual  Disciplina Inclusão e Tecnologias Assistivas Grupo: Marli Dagnese Fiorentin Marília do Rio Martins Neiva Morello Michelin Turma RS_01 Agradecimento especial a todos os que colaboraram com depoimentos e entrevistas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e MolecularSíndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
PHenrique23
 
Síndrome de down ou trissomia do cromossoma 21
Síndrome de down ou trissomia do cromossoma 21Síndrome de down ou trissomia do cromossoma 21
Síndrome de down ou trissomia do cromossoma 21
Bárbara PJ
 
Sindrome de down - Aula Graduação
Sindrome de down - Aula GraduaçãoSindrome de down - Aula Graduação
Sindrome de down - Aula Graduação
Rafael Celestino
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
Karolina Lobo
 
Síndrome
 Síndrome Síndrome
Síndrome
Sydia Cunha
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
RCCVilhena
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
cintia2803
 
Síndrome de down... (belas lições de vida!!!)
Síndrome de down... (belas lições de vida!!!)Síndrome de down... (belas lições de vida!!!)
Síndrome de down... (belas lições de vida!!!)
Rachel V.
 
Síndrome de down
Síndrome de downSíndrome de down
Síndrome de down
PTAI
 
Síndrome de down
Síndrome de down Síndrome de down
Síndrome de down
Fisioterapeuta
 
Trissomia 21
Trissomia 21Trissomia 21
Trissomia 21
Tiago Oliveira
 
sd-m3
sd-m3sd-m3
GRUPO E – SÍNDROME DE DOWN
GRUPO E – SÍNDROME DE DOWNGRUPO E – SÍNDROME DE DOWN
GRUPO E – SÍNDROME DE DOWN
wanderlei
 
Trissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociais
Trissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociaisTrissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociais
Trissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociais
joanadebarros
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
Fernanda Carvalho
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
Harry Niger
 
Sindrome De Downn
Sindrome De DownnSindrome De Downn
Sindrome De Downn
Mônica Barreto
 
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicaçãoSíndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Sindrome de Down
Sindrome de DownSindrome de Down
Sindrome de Down
Lyzaa Martha
 
Síndrome de down
Síndrome de downSíndrome de down
Síndrome de down
Matheus Baldoino
 

Mais procurados (20)

Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e MolecularSíndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
 
Síndrome de down ou trissomia do cromossoma 21
Síndrome de down ou trissomia do cromossoma 21Síndrome de down ou trissomia do cromossoma 21
Síndrome de down ou trissomia do cromossoma 21
 
Sindrome de down - Aula Graduação
Sindrome de down - Aula GraduaçãoSindrome de down - Aula Graduação
Sindrome de down - Aula Graduação
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
 
Síndrome
 Síndrome Síndrome
Síndrome
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
 
Síndrome de down... (belas lições de vida!!!)
Síndrome de down... (belas lições de vida!!!)Síndrome de down... (belas lições de vida!!!)
Síndrome de down... (belas lições de vida!!!)
 
Síndrome de down
Síndrome de downSíndrome de down
Síndrome de down
 
Síndrome de down
Síndrome de down Síndrome de down
Síndrome de down
 
Trissomia 21
Trissomia 21Trissomia 21
Trissomia 21
 
sd-m3
sd-m3sd-m3
sd-m3
 
GRUPO E – SÍNDROME DE DOWN
GRUPO E – SÍNDROME DE DOWNGRUPO E – SÍNDROME DE DOWN
GRUPO E – SÍNDROME DE DOWN
 
Trissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociais
Trissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociaisTrissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociais
Trissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociais
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
 
Sindrome De Downn
Sindrome De DownnSindrome De Downn
Sindrome De Downn
 
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicaçãoSíndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
 
Sindrome de Down
Sindrome de DownSindrome de Down
Sindrome de Down
 
Síndrome de down
Síndrome de downSíndrome de down
Síndrome de down
 

Destaque

Trissomia 21
Trissomia 21Trissomia 21
Trissomia 21
Catarina Calçada
 
Meu amigo down na escola
Meu amigo down na escolaMeu amigo down na escola
Meu amigo down na escola
saladerecursosec1
 
Síndrome de down power point
Síndrome de down power pointSíndrome de down power point
Síndrome de down power point
Sme Otacílio Costa
 
Síndrome de down power point
Síndrome de down power pointSíndrome de down power point
Síndrome de down power point
Universidad de Oviedo
 
H1N1
H1N1H1N1
H1N1
marlidf
 
Sindrome De Down
Sindrome De DownSindrome De Down
Sindrome De Down
viveremalegria
 
Síndrome de down luciana
Síndrome de down lucianaSíndrome de down luciana
Síndrome de down luciana
luzinhaaa
 
Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)
Ana Paula Custodio
 
Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down
Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de DownDiretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down
Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down
Hevlyn Celso
 
Trissomia21
Trissomia21Trissomia21
Trissomia21
José A. Moreno
 
Sindrome de down 2
Sindrome de down 2Sindrome de down 2
Sindrome de down 2
Ana Cristina Baumgratz
 
Sindrome de down
Sindrome de downSindrome de down
Sindrome de-down everton
Sindrome de-down evertonSindrome de-down everton
Sindrome de-down everton
JOSÉ MONTEIRO LIMA
 
Trabalho sindrome de down
Trabalho sindrome de downTrabalho sindrome de down
Trabalho sindrome de down
Cintia Sena
 
Guia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWN
Guia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWNGuia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWN
Guia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWN
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Meu amigo down em casa[1]
Meu amigo down em casa[1]Meu amigo down em casa[1]
Meu amigo down em casa[1]
saladerecursosec1
 

Destaque (16)

Trissomia 21
Trissomia 21Trissomia 21
Trissomia 21
 
Meu amigo down na escola
Meu amigo down na escolaMeu amigo down na escola
Meu amigo down na escola
 
Síndrome de down power point
Síndrome de down power pointSíndrome de down power point
Síndrome de down power point
 
Síndrome de down power point
Síndrome de down power pointSíndrome de down power point
Síndrome de down power point
 
H1N1
H1N1H1N1
H1N1
 
Sindrome De Down
Sindrome De DownSindrome De Down
Sindrome De Down
 
Síndrome de down luciana
Síndrome de down lucianaSíndrome de down luciana
Síndrome de down luciana
 
Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)
 
Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down
Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de DownDiretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down
Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down
 
Trissomia21
Trissomia21Trissomia21
Trissomia21
 
Sindrome de down 2
Sindrome de down 2Sindrome de down 2
Sindrome de down 2
 
Sindrome de down
Sindrome de downSindrome de down
Sindrome de down
 
Sindrome de-down everton
Sindrome de-down evertonSindrome de-down everton
Sindrome de-down everton
 
Trabalho sindrome de down
Trabalho sindrome de downTrabalho sindrome de down
Trabalho sindrome de down
 
Guia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWN
Guia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWNGuia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWN
Guia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWN
 
Meu amigo down em casa[1]
Meu amigo down em casa[1]Meu amigo down em casa[1]
Meu amigo down em casa[1]
 

Semelhante a Sindromedown Grupo F Rs 01

Síndrome cri - du - chat
 Síndrome  cri - du - chat Síndrome  cri - du - chat
Síndrome cri - du - chat
Jessica Oyie
 
Ser down e por que
Ser down e por queSer down e por que
Ser down e por que
Claudia Vicente
 
Cartilhas de Saúde Movimento Down
Cartilhas de Saúde Movimento DownCartilhas de Saúde Movimento Down
Cartilhas de Saúde Movimento Down
Andreia Andrade
 
Sindromedown
SindromedownSindromedown
Sindromedown
Milena Rebouças
 
Slide -Sindrome de Down
Slide -Sindrome de DownSlide -Sindrome de Down
Slide -Sindrome de Down
Eugenionem
 
Trissomia21 diferenças
Trissomia21 diferençasTrissomia21 diferenças
Trissomia21 diferenças
ausendanunes
 
Trissomia 21
Trissomia 21Trissomia 21
Trissomia 21
Ana Lúcia Pereira
 
Trissomia 21
Trissomia 21Trissomia 21
Trissomia 21
Ana Lúcia Pereira
 
Ser diferente é normal
Ser diferente  é normalSer diferente  é normal
Ser diferente é normal
Suzana Duraes
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
Liberty Ensino
 
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogiaAula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
therezasophia
 
14 afirmações sobre a síndrome de down
14 afirmações sobre a síndrome de down14 afirmações sobre a síndrome de down
14 afirmações sobre a síndrome de down
Raquel Freitas
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
Eunice Palma
 
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de downQuais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Wellinton Prestes
 
[c7s] Desvendando doenças
[c7s] Desvendando doenças [c7s] Desvendando doenças
[c7s] Desvendando doenças
7 de Setembro
 
Doenças genéticas: Síndromes
Doenças genéticas: SíndromesDoenças genéticas: Síndromes
Doenças genéticas: Síndromes
Matheus Fellipe
 
Doenças geneticas sindromes
Doenças geneticas sindromesDoenças geneticas sindromes
Doenças geneticas sindromes
Elda Aguiar Gama
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
luis
 
PROGERIA.pptx
PROGERIA.pptxPROGERIA.pptx
PROGERIA.pptx
HellenLauany
 
TCC
TCCTCC

Semelhante a Sindromedown Grupo F Rs 01 (20)

Síndrome cri - du - chat
 Síndrome  cri - du - chat Síndrome  cri - du - chat
Síndrome cri - du - chat
 
Ser down e por que
Ser down e por queSer down e por que
Ser down e por que
 
Cartilhas de Saúde Movimento Down
Cartilhas de Saúde Movimento DownCartilhas de Saúde Movimento Down
Cartilhas de Saúde Movimento Down
 
Sindromedown
SindromedownSindromedown
Sindromedown
 
Slide -Sindrome de Down
Slide -Sindrome de DownSlide -Sindrome de Down
Slide -Sindrome de Down
 
Trissomia21 diferenças
Trissomia21 diferençasTrissomia21 diferenças
Trissomia21 diferenças
 
Trissomia 21
Trissomia 21Trissomia 21
Trissomia 21
 
Trissomia 21
Trissomia 21Trissomia 21
Trissomia 21
 
Ser diferente é normal
Ser diferente  é normalSer diferente  é normal
Ser diferente é normal
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogiaAula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
 
14 afirmações sobre a síndrome de down
14 afirmações sobre a síndrome de down14 afirmações sobre a síndrome de down
14 afirmações sobre a síndrome de down
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de downQuais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
 
[c7s] Desvendando doenças
[c7s] Desvendando doenças [c7s] Desvendando doenças
[c7s] Desvendando doenças
 
Doenças genéticas: Síndromes
Doenças genéticas: SíndromesDoenças genéticas: Síndromes
Doenças genéticas: Síndromes
 
Doenças geneticas sindromes
Doenças geneticas sindromesDoenças geneticas sindromes
Doenças geneticas sindromes
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
PROGERIA.pptx
PROGERIA.pptxPROGERIA.pptx
PROGERIA.pptx
 
TCC
TCCTCC
TCC
 

Mais de marlidf

Releitura do livro
Releitura do livroReleitura do livro
Releitura do livro
marlidf
 
Relato de Experiências
Relato de ExperiênciasRelato de Experiências
Relato de Experiências
marlidf
 
Marli net
Marli netMarli net
Marli net
marlidf
 
Pedacinhos
PedacinhosPedacinhos
Pedacinhos
marlidf
 
A imensa alegria_de_servir
A imensa alegria_de_servirA imensa alegria_de_servir
A imensa alegria_de_servir
marlidf
 
Saberes
SaberesSaberes
Saberes
marlidf
 
Feira do Livro 2009
Feira do Livro 2009Feira do Livro 2009
Feira do Livro 2009
marlidf
 
Roteiro Da Viagem
Roteiro Da ViagemRoteiro Da Viagem
Roteiro Da Viagem
marlidf
 
Aprendendocomos Gansos
Aprendendocomos GansosAprendendocomos Gansos
Aprendendocomos Gansos
marlidf
 
PremiaçãO Microsoft Educadores Inovadores – SãO Paulo
PremiaçãO Microsoft Educadores Inovadores – SãO PauloPremiaçãO Microsoft Educadores Inovadores – SãO Paulo
PremiaçãO Microsoft Educadores Inovadores – SãO Paulo
marlidf
 
contexto histórico
contexto históricocontexto histórico
contexto histórico
marlidf
 
obras
obrasobras
obras
marlidf
 
machado
machadomachado
machado
marlidf
 
apresentação
apresentaçãoapresentação
apresentação
marlidf
 
Machadode assis
Machadode assisMachadode assis
Machadode assis
marlidf
 
machado
machadomachado
machado
marlidf
 
81
8181
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
marlidf
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
marlidf
 

Mais de marlidf (20)

Colares
ColaresColares
Colares
 
Releitura do livro
Releitura do livroReleitura do livro
Releitura do livro
 
Relato de Experiências
Relato de ExperiênciasRelato de Experiências
Relato de Experiências
 
Marli net
Marli netMarli net
Marli net
 
Pedacinhos
PedacinhosPedacinhos
Pedacinhos
 
A imensa alegria_de_servir
A imensa alegria_de_servirA imensa alegria_de_servir
A imensa alegria_de_servir
 
Saberes
SaberesSaberes
Saberes
 
Feira do Livro 2009
Feira do Livro 2009Feira do Livro 2009
Feira do Livro 2009
 
Roteiro Da Viagem
Roteiro Da ViagemRoteiro Da Viagem
Roteiro Da Viagem
 
Aprendendocomos Gansos
Aprendendocomos GansosAprendendocomos Gansos
Aprendendocomos Gansos
 
PremiaçãO Microsoft Educadores Inovadores – SãO Paulo
PremiaçãO Microsoft Educadores Inovadores – SãO PauloPremiaçãO Microsoft Educadores Inovadores – SãO Paulo
PremiaçãO Microsoft Educadores Inovadores – SãO Paulo
 
contexto histórico
contexto históricocontexto histórico
contexto histórico
 
obras
obrasobras
obras
 
machado
machadomachado
machado
 
apresentação
apresentaçãoapresentação
apresentação
 
Machadode assis
Machadode assisMachadode assis
Machadode assis
 
machado
machadomachado
machado
 
81
8181
81
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
 

Sindromedown Grupo F Rs 01

  • 1. Conhecendo a Síndrome de Down Normal é ser diferente.
  • 2. Eu sou Down! Sou um ser especial tenho muito a te ensinar sobre o verdadeiro amar aqui nesta esfera mortal Sou diferente da maioria não sei mentir ou fingir o que sei mesmo é sorrir e espalhar minha alegria Vim ao mundo pra ensinar mais do que para aprender ensinar a você como amar Os seus preconceitos vencer as diferenças aceitar e ao Pai Celeste bendizer. Jorge Linhaça
  • 3. A Síndrome de Down é uma alteração genética, que ocorre durante a divisão celular do embrião. O indivíduo com Síndrome de Down possui 47 cromossomos (e não 46), sendo o cromossomo extra ligado ao par 21. O que é?
  • 4. Qualquer casal pode ter um filho com Síndrome de Down, mas a chance maior é da mulher com mais de 40 anos. No início da gestação já está determinado que a criança tem Síndrome e já existem exames pré-natais capaz de identificar a anomalia
  • 5. A gente nasce molinho, com dificuldade de sustentar a cabeça, engatinhar, caminhar , falar. A Síndrome de Down é essencialmente um atraso nas funções motoras e mentais. Mas com o tempo e com o estímulo do papai e mamãe , podemos melhorar bastante!
  • 6. Quer saber como nos identificar ? Hipotonia Abertura das pálpebras inclinada com a parte externa mais elevada. Prega da pálpebra no canto interno dos olhos como os japoneses Língua protusa (para fora da boca) Prega única na palma das mãos Mãos largas, dedos curtos Comprometimento Intelectual
  • 7. Estes são alguns problemas que podemos ter , junto com a Síndrome , dependendo do caso Cardiopatias congênitas Complicações Respiratórias Instabilidade Atlanto-axial Problemas visuais Problemas Auditivos Problemas da Tiróide Outros Leucemia, doença de Alzheimer e, nas crianças pequenas, refluxo gastro-esofágico. autismo Acesse os links para saber mais
  • 8. Uma das maiores dificuldades que enfrento é o atraso na aquisição da fala. Por isso papai e mamãe precisam de ajuda de um profissional. Mesmo com ajuda de fonoaudiólogo, o Down demora bastante para poder articular bem as palavras. É necessário muito exercício.O Down se comunica muito por gestos e expressões afetivas.
  • 9. Não existe cura para a Síndrome de Down, pois é uma alteração nas células Mas com a estimulação precoce, pode melhorar o nosso desempenho motor e intelectual.Mas precisa iniciar cedo, pois mais tarde não há provas de que seja eficaz.
  • 10. Existem muitas variações no grau da doença tanto nos sinais clínicos, quanto no desenvolvimento. Alguns situam-se no nível severo de déficit cognitivo, outros próximo da deficiência mental leve. Isso interfere no desenvolvimento e adaptação social.
  • 11. Para diminuir as limitações, precisa estimulação precoce. Os pais podem auxiliar, brincando, mantendo a criança em atividade Exercícios físicos ajudam o desenvolvimento neurológico . A convivência com outras crianças me ajudam na socialização e para aprender a conviver com normas sociais.
  • 12. Estimulação Precoce O desenvolvimento Global de uma pessoa é determinado pela genética e pelo meio ambiente. Quanto mais estímulos forem oferecidos, através da experimentação (tato, paladar, audição, visão), mais a criança vai superando limitações e criando uma memória de suas vivências, aprendendo dessa forma.
  • 13. Quando adolescentes ou adultos Down podem ter uma vida quase independente, embora possam não atingir altos níveis de escolarização ou desenvolvimento intelectual Apesar da limitações intelectuais, possui impulsos e afetividade, necessitando também de autonomia e intimidade.
  • 14. O Down e a Sexualidade O Jovem com Síndrome de Down tem um desenvolvimento afetivo parecido com uma pessoa normal , mas ao se falar em casamento, deve-se considerar o fato de que eles têm dificuldade em assumir uma família e administrar seus bens, além de que há o alto risco de gerarem filhos também com Síndrome. As mulheres com a deficiência podem gerar filhos(algumas são consideradas subférteis), no entanto, até o momento não está comprovado que o homem tenha fertilidade.
  • 15. Um dos principais objetivos da educação das crianças com SD é o desenvolvimento de programas criativos e ações que resultem em melhor qualidade de vida destas crianças. Educação
  • 16. A criança deve ser educada com limites, evitando ser colocada no centro das atenções da família. Devido à demora que a criança tem de aprender, é preciso usar de firmeza e cuidado, mas evitar a superproteção..
  • 17. EDUCAÇÃO INCLUSIVA O princípio que rege a educação inclusiva é o de que todos devem aprender juntos, sempre que possível, levando-se em consideração suas dificuldades e diferenças, em classes heterogêneas, com alunos da mesma faixa etária. A escola inclusiva é o espaço ao qual todos pertencem, são aceitos, apoiados pelos colegas e pelos membros da comunidade escolar.
  • 18. Legislação O Brasil tem um conjunto de normas que garantem proteção absoluta para quem tem Síndrome de Down: direito à educação e oportunidades de desenvolvimento iguais. Confira alguns pontos da legislação. Constituição O artigo 208 determina que 'o dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino'. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Estabelece a divisão do ensino regular e especial, admitindo a possibilidade de substituição do regular pelo especial. Conselho Nacional de Educação A Resolução nº 2 do conselho, de dezembro de 2001, defende que as escolas comuns acolham alunos com deficiências para promover a inclusão social. Admite ainda salas especiais, em caráter temporário, para crianças e adolescentes.
  • 19. Brasília (DF) - O secretário parlamentar Rodrigo Marinho, portador de síndrome de Down, fala sobre a importância da inclusão escolar de crianças com necessidades especiais. "A gente não pode desistir do sonho de se integrar na sociedade. Eu sou muito corajoso." Foto: Roosewelt Pinheiro/ABr - Agência Brasil
  • 20. Cardiopatias Congênitas As cardiopatias congênitas estão presentes em aproximadamente 50% dos casos. O exame mais indicado é o ecocardiograma, pois detecta problemas anatômicos como a comunicação inter-ventricular (CIV), que é uma das cardiopatias mais comuns na síndrome de Down. Em alguns casos o tratamento é cirúrgico, com correção total. Os sinais que indicam a presença de cardiopatias são, em geral: baixo peso, cianose de extremidades, malformações torácicas, palidez, taquicardia, atraso no desenvolvimento acima da média da crianças com síndrome de Down. O eletrocardiograma, bem como a ausculta, nem sempre detectam uma cardiopatia.
  • 21. Complicações Respiratórias A criança com síndrome de Down é mais susceptível às infecções respiratórias. Há uma alteração imunológica que predispõe aos resfriados de repetição, infecção de garganta e pneumonias. Algumas crianças apresentam coriza constante. Quando o quadro clínico é crônico, alguns médicos desaconselham o tratamento repetido à base de antibióticos. O ideal é trabalhar na prevenção das doenças respiratórias, mantendo as vias aéreas desobstruídas. Exercícios respiratórios específicos associados à higiene nasal com aplicação de soro fisiológico podem colaborar para a manutenção da higiene da vias aéreas.
  • 22. Instabilidade Atlanto-axial A hipotonia ligamentar pode propiciar uma condição de instabilidade entre as duas primeiras vértebras. Isto acontece em aproximadamente 10 a 20% dos casos. O raio-X detecta o aumento do espaço intervertebral e sugere uma possível sub-luxação mediante esforços maiores na região do pescoço. São contra-indicados nestes casos atividades bruscas com o pescoço, como cambalhotas ou mergulhos. Em casos de cirurgia com entubação é essencial o RX, uma vez que a manobra na hora da entubação pode sub-luxar a região cervical. Um deslocamento vertebral pode levar a lesões medulares a até à morte. O raio-X cervical deve ser aconselhado a todas as crianças com Síndrome de Down. Só um especialista pode dar um laudo seguro em relação à instabilidade atlanto-axial.
  • 23. Problemas visuais É comum as crianças com síndrome de Down a presença de miopia, hipermetropia, astigmatismo, ambliopia, nistagmo ou catarata. Por isso, é aconselhável um exame oftalmológico anualmente. Após avaliação correta, pode ser necessária correção cirúrgica ou com óculos.
  • 24. Problemas Auditivos Algumas crianças apresentam rebaixamento auditivo uni ou bilateral. Também é comum a presença de otite média crônica. Mediante suspeita, a criança deve ser encaminhada a uma avaliação audiológica para averiguação da percepção auditiva, sendo necessário um exame minuciosos.
  • 25. Problemas da Tiróide Pode haver alteração no funcionamento da glândula tireóide, causando o hipotireoidismo. Esta alteração está presente em aproximadamente 10% das crianças e 13 a 50% dos adultos com síndrome de Down. Na presença desta alteração a criança pode ficar obesa e até mesmo ter seu desenvolvimento intelectual comprometido. É indicado o exame da tiróide com freqüência anual. Devem ser feitas as dosagens de T3, T4 e TSH.
  • 26. Outros Outros problemas de saúde podem estar associados à síndrome de Down. A literatura tem mostrado relação entre Síndrome de Down e a presença de leucemia, da doença de Alzheimer e, nas crianças pequenas, do refluxo gastro-esofágico. Alguns autores mencionam relações com o autismo. É importante que o profissional mantenha-se sempre atualizado.
  • 27. Para informações mais aprofundadas acessar fontes: Blog Síndrome de Down – http://sindromedownpuc.blogspot.com (nossa autoria) Fundação Down - http://www.fsdown.org.br/publicador/principal . php ? codigo =176 Down S.O.S - http://www.sosdown.com/ Xande Down - http://www.xandedown.com.br/1index.html Rhaissa - http://br.geocities.com/rhaissanet98/ Um menino especial - http://ummeninoespecial.blogspot.com/ Gabriela - http://www.perolagabi.weblogger.terra.com.br/ Curso de Especialização Tecnologias em Educação – PUC RIO Trabalho Elaborado para o Seminário Virtual Disciplina Inclusão e Tecnologias Assistivas Grupo: Marli Dagnese Fiorentin Marília do Rio Martins Neiva Morello Michelin Turma RS_01 Agradecimento especial a todos os que colaboraram com depoimentos e entrevistas.