SlideShare uma empresa Scribd logo
Setor de
Telecomunicações
Eduardo Levy
14/08/2014 – 09h00 : 10h30
Embora integrada, a cadeia de valor da Internet tem
muitos players com diferentes tipos de interesses
As empresas de telecomunicações são as responsáveis pelo
transporte de todo conteúdo trafegado na internet
Telecomunicações
vídeos comércio educação
serviços
públicos
entreteni-
mento
Provedores de
aplicação e
conteúdo
Acesso e
transporte
Provedores de
acesso e
conexão
Aplicações
São necessários “caminhões” cada vez maiores
para conseguir carregar toda essa carga
A Internet no Mundo
Serviços de Telecom que suportam o
acesso à Internet em Banda Larga
Banda larga móvel
Serviço Móvel Pessoal (SMP)
Prestado no Regime Privado
Banda larga fixa
Serviço de Comunicação Multimídia (SCM) e
Serviço de Acesso Condicionado (SeAC)
Prestados no Regime Privado
Rede de Acesso e Rede de Transporte
4G3G
par
metálico
fibra
óptica
cabo
coaxial
Rede de
acesso
Internet
wireless
Rede de
transporte
PTT
Backhaul
7 Mbps 20 Mbps
Velocidades da Rede de Acesso e Rede de Transporte
4G3G
par
metálico
fibra
óptica
cabo
coaxial
velocidade
máxima
15Mbps
1 Gbps
50 Mbps
Rede de
acesso
Internet
wireless
Rede de
transporte
mais de 10 Gbps
PTT
Backhaul
Situação atual
Grandes investimentos
 novas tecnologias de acesso
fixo e móvel
 aumento da cobertura e da
capacidade das redes de
acesso, backhaul e backbones
Situação atual
Grandes investimentos
 nos sistemas de suporte a operação e
sistemas de aprovisionamento para
garantir a OTIMIZAÇÃO do USO das redes
 em gerências de falhas e configuração para
aumentar a ESTABILIDADE e SEGURANÇA
das redes
Situação atual
Grandes investimentos
 para garantir os novos indicadores de
qualidade dos acessos à Internet:
velocidade média de 80% da ofertada
 EAQ sob a coordenação da ANATEL: já
implantou mais de 12 mil probes e vem realizando
mais de 150 mil medições mensais, avaliando a banda
larga fixa e móvel em todo o País
EAQ – Entidade Aferidora da Qualidade
11Fonte: LCA / Telebrasil
Até 50 (1.235 municípios)
De 50 a 75 (2.535 municípios)
De 75 a 100 (1.550 municípios)
Mais de 100 (243 municípios)
Até 1 (3.326 municípios)
De 1 a 2,5 (1.230 municípios)
De 2,5 a 5 (675 municípios)
Mais de 5 (332 municípios)
Serviços móvel e banda larga fixa estão disponíveis mesmo
em regiões onde a demanda ainda é reduzida
 Densidade de Celulares
(por 100 habitantes em 2008)
 Acessos de Banda Larga Fixa
(por 100 habitantes em 2008)
 Densidade de Celulares
(por 100 habitantes em 2012)
12Fonte: LCA / Telebrasil
Até 50 (1.235 municípios)
De 50 a 75 (2.535 municípios)
De 75 a 100 (1.550 municípios)
Mais de 100 (243 municípios)
Até 1 (3.326 municípios)
De 1 a 2,5 (1.230 municípios)
De 2,5 a 5 (675 municípios)
Mais de 5 (332 municípios)
Serviços móvel e banda larga fixa estão disponíveis mesmo
em regiões onde a demanda ainda é reduzida
 Acessos de Banda Larga Fixa
(por 100 habitantes em 2012)
Fonte: Telebrasil, jun/14
161
milhões de
acessos em
banda larga
2009 2010 2011 2012 2013 jun/14
móvel
fixa
acessos em banda larga em milhões
Dos acessos em banda larga,
86% são pela rede móvel
1,8 novo acesso ativado
por segundo em 2014
161,0
133,7
85,9
59,6
35,9
21,5
179
215
255
266
276
9%
13%
23%
32%
50% 276
milhões de
acessos
celulares
Fonte: Telebrasil, jun/14
jun/11 jun/12 jun/14jun/13jun/10
total de celulares
(em milhões) e % de
acessos com
tecnologia 3G e 4G
50% dos celulares no País já podem
acessar a banda larga móvel
R$ 80 milhões por dia*
Fonte: Telebrasil.
*Considera 365 dias por ano, não inclui o pagamento de licenças.
Investimentos de telecom no Brasil:
recorde pelo segundo ano consecutivo
14.6
29.3
2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
Investimentos em Telecom no Brasil
R$ bilhões
em 2013 no Brasil o CAPEX cresceu
14% enquanto a receita apenas 6%
14%
18%
17%
21%
15%
2010 2011 2012 2013e 2014e
Brasil
América Latina
Mercados Emergentes
Mercados desenvolvidos
Fonte: Apresentação Merril Lynch de jun/2014 na Anatel
% CAPEX sobre receita bruta
Níveis de investimentos elevados e não sustentáveis...
Fonte: BofA Merril Lynch Global Research, jun/2014
.... pois os altos investimentos estão
vindo com retornos cada vez menores
Crescimento EBTIDA da Telefonia Móvel
-25%
-15%
-5%
5%
15%
25%
35%
45%
55%
2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
Argentina
Colômbia
Brasil
México
Chile
Peru
o preço do minuto já caiu
pela metade e o tráfego
cresceu 45% no Brasil2008 2013
91
2008 2013
Preço Médio do minuto é calculado dividindo a receita média por usuário pela quantidade de minutos por usuário. Fonte: Teleco.
18
Os investimentos não se traduzem mais em receita
0,31
0,15
preço médio do minuto do celular
(em R$, valores com impostos)
quantidade de minutos por usuário
por mês
133
Fonte: Telebrasil
Brasil é um dos países mais
competitivos do mundo de
acordo com o HHI*
* Índice Herfindahl-Hirschman: mede a concentração de mercado com base no market share.
Em um mercado altamente competitivo
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 Mar-14
Prestadora 1
Prestadora 2
Prestadora 3
Prestadora 4
market share das prestadoras de telefonia móvel
Fonte: Cisco, VNI Mobile Forecast Highlights, 2013-2018
74
155
312
150
474
1,014
2011 2012 2013
crescimento do tráfego de dados
móveis por usuário no Brasil
tablet
smartphone
6,8x em
2 anos
4,2x em
2 anos
tráfego em Mbps por mês
Além da quantidade de acessos, o
tráfego também cresce muito
Em 2014, os tablets vão
ultrapassar os notebooks em
número de unidades vendidas
Fonte: LCA / IDC
venda de smartphones
O Brasil é o 4º maior mercado mundial de vendas de
smartphones e um dos 10 maiores mercados de tablet do mundo
Jornal O Globo de 15/04/2014
http://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/sou-brasileiro-nao-desligo-nunca-12195500
Jornal O Globo de 15/04/2014
os brasileiros
• 95% usam Facebook pelo menos 1 vez por semana
• 93% veem vídeos em dispositivos móveis
• 90% jogam games
• 87% checam notícias
32%
21%
40%
59%
73%
77%
compras
online
baixam
filmes
usam
LinkedIn
http://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/sou-brasileiro-nao-desligo-nunca-12195500
Fonte: LCA / Brazil Digital Future in Focus 2014, comScore
Brasileiros navegam 29,7 horas por
mês, 7 horas a mais do que a média
mundial
Brasil possui a 5º maior audiência
digital do mundo com 68,1 milhões
de visitantes (fev/2014)
Disponibilidade de infraestrutura vem
acompanhada de maior uso dos serviços
Fonte: LCA
Muitos recursos são retirados do setor, reduzindo a
disponibilidade para investimento
Telecom respondeu em 2013
pelo recolhimento de
R$ 59 bi aos cofres públicos:
 R$ 7,2 bi em Fust, Funttel
e Fistel
 R$ 51,8 bi em tributos
(ICMS, IS, CSLL, PIS/Pasep e outros
recolhidos indiretamente dentro do
CAPEX)
os desafios para
a expansão da
infraestrutura
Desafios para Expansão da Infraestrutura
 O tráfego IP global vai triplicar
nos próximos 5 anos
 Vídeos representarão 80% a
90% do tráfego global de
consumidores em 2017
Fonte: Cisco
Desafios para Expansão da Infraestrutura
 Aumento do número de
acessos em banda larga
com os programas de
massificação da Internet
 Redução das
desigualdades
geográficas Para reduzir as desigualdades regionais
(de 20 para 4x) e aumentar a velocidade
média para 10 Mbps estima-se
investimentos de
R$ 167 bilhões até 2020
Desafios para Expansão da Infraestrutura
 Novos serviços
especializados de
Internet que exigem
requisitos de
transmissão dos
pacotes muito mais
rígidos
Desafios para Expansão da Infraestrutura
 Modernização das redes
com a implantação de
redes de acesso com fibra
óptica e disseminação do
4G nas redes móveis
 Convênio 38/2009: Isenção de ICMS para
banda larga do Programa Internet Popular
 Desoneração de smartphones: isenção
parcial de impostos para produtos nacionais
 REPNBL: suspensão do pagamento de
PIS/Pasep/Cofins/IPI sobre máquinas e
equipamentos incluídos nos projetos do
REPNBL
Algumas políticas públicas começam a ser direcionadas
para a expansão da infraestrutura
Incentivos precisam ser
proporcionais às necessidades
de investimentos
Ponto de atenção
 Pesada carga tributária:
 se apropria da maior parte dos valores
que poderiam ser direcionado para os
investimentos, num setor onde a
necessidade de capital é intensiva
 limita o uso dos serviços
 43% do valor de uma conta telefônica é
tributo
Marco Civil da
Internet
preocupação com as várias
interpretações para os principais
pontos do projeto
o Setor recebeu de
forma POSITIVA a
APROVAÇÃO da
LEI do Marco Civil
da Internet
redação da Diretiva Europeia, da Lei
Chilena, do Marco Regulatório Americano,
entre outros, são bem mais claras e
objetivas que a redação final do MCI
Setor sempre defendeu a
adoção de um conceito
de NEUTRALIDADE DE
REDE, que já vem sendo
adotado pela quase
totalidade dos PAÍSES
que já o regulamentaram
As exceções à NEUTRALIDADE
devem ser regulamentadas de
acordo com ASPECTOS TÉCNICOS,
que garantam a GESTÃO da REDE
pelas operadoras de forma a
garantir a sua ESTABILIDADE e a
SEGURANÇA
são aqueles serviços que demandam um
padrão de qualidade assegurada:
como radiodifusão, videoconferências,
aplicações médicas e qualquer outro serviço
demandado pelo usuário, desde que não
prejudique a qualidade da internet em geral
A regulamentação das
exceções à neutralidade
deve contemplar a oferta
de SERVIÇOS
ESPECIALIZADOS de forma
idêntica ao que foi
aprovado pela União
Europeia
Marco Legal e Regulatório
brasileiro deve preservar os
DIREITOS CONSTITUCIONAIS
dos CIDADÃOS, estimulando o
CRESCIMENTO e a
MODERNIZAÇÃO da INTERNET
e garantindo os
INVESTIMENTOS
Obrigado!
Eduardo Levy
levy@sinditelebrasil.org.br
Setor de telecomunicações
Setor de telecomunicações

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

IBICT - Itamaraty - 18 nov
IBICT - Itamaraty - 18 novIBICT - Itamaraty - 18 nov
IBICT - Itamaraty - 18 nov
GESAC
 
Sebrae Recife
Sebrae RecifeSebrae Recife
Sebrae Recife
Elis Monteiro
 
Sessao 5: estímulo às industrias e aos-servicos-nacionais
Sessao 5: estímulo às industrias e aos-servicos-nacionaisSessao 5: estímulo às industrias e aos-servicos-nacionais
Sessao 5: estímulo às industrias e aos-servicos-nacionais
Gabriela Agustini
 
Apresentação Corporativa
Apresentação Corporativa   Apresentação Corporativa
Apresentação Corporativa
algar_ri
 
Private Participation In Brasil, Past And Future What Is Holding Ppp Back Fv
Private Participation In Brasil, Past And Future   What Is Holding Ppp Back  FvPrivate Participation In Brasil, Past And Future   What Is Holding Ppp Back  Fv
Private Participation In Brasil, Past And Future What Is Holding Ppp Back Fv
Mauricio Portugal Ribeiro
 
Análise: Banda larga
Análise: Banda largaAnálise: Banda larga
Análise: Banda larga
Miti Inteligência
 
GVT_banda_larga_telefonia_planos_corporativos
GVT_banda_larga_telefonia_planos_corporativosGVT_banda_larga_telefonia_planos_corporativos
GVT_banda_larga_telefonia_planos_corporativos
Marcio de Mello Moreira
 
1. o impacto socio economico da banda larga
1. o impacto socio economico da banda larga1. o impacto socio economico da banda larga
1. o impacto socio economico da banda larga
Flavia Nascimento
 
20131212 lisboa-going local13-scoreboard dae-m gonzalez-sancho
20131212 lisboa-going local13-scoreboard dae-m gonzalez-sancho20131212 lisboa-going local13-scoreboard dae-m gonzalez-sancho
20131212 lisboa-going local13-scoreboard dae-m gonzalez-sancho
gonzamg
 
TV Digital Introdução ao Middleware Ginga-Ginga-J
TV Digital Introdução ao Middleware Ginga-Ginga-JTV Digital Introdução ao Middleware Ginga-Ginga-J
TV Digital Introdução ao Middleware Ginga-Ginga-J
mercuriocfg
 
Apresentação apimec po a
Apresentação apimec po aApresentação apimec po a
Apresentação apimec po a
TIM RI
 
Internetemnumeros
InternetemnumerosInternetemnumeros
Internetemnumeros
janinedepine
 
Revista Instituto Telecom - 02
Revista Instituto Telecom - 02Revista Instituto Telecom - 02
Revista Instituto Telecom - 02
Denise Vilardo
 
Lidando com serviços over-the-top
Lidando com serviços over-the-topLidando com serviços over-the-top
Lidando com serviços over-the-top
Ericsson Latin America
 
Huawei Banda Larga Móvel 2010
Huawei Banda Larga Móvel 2010Huawei Banda Larga Móvel 2010
Huawei Banda Larga Móvel 2010
Pontomobi
 
Projeto InterVoIP - Visão da Operadora - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológ...
Projeto InterVoIP - Visão da Operadora - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológ...Projeto InterVoIP - Visão da Operadora - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológ...
Projeto InterVoIP - Visão da Operadora - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológ...
CPqD
 
Impactos da convergência e da virtualização nos fabricantes de redes ópticas
Impactos da convergência e da virtualização nos fabricantes de redes ópticasImpactos da convergência e da virtualização nos fabricantes de redes ópticas
Impactos da convergência e da virtualização nos fabricantes de redes ópticas
Nicholas Gimenes
 
Plano de Marketing VITEC
Plano de Marketing VITECPlano de Marketing VITEC
Plano de Marketing VITEC
Fernando Holanda
 
Consulta Pública do Ministério das Comunicações
Consulta Pública do Ministério das ComunicaçõesConsulta Pública do Ministério das Comunicações
Consulta Pública do Ministério das Comunicações
Brasscom
 
Performance Indicators in the Area of Telecommunications for the Legacy of th...
Performance Indicators in the Area of Telecommunications for the Legacy of th...Performance Indicators in the Area of Telecommunications for the Legacy of th...
Performance Indicators in the Area of Telecommunications for the Legacy of th...
VISIONO - Integrated Solutions and Systems in Security
 

Mais procurados (20)

IBICT - Itamaraty - 18 nov
IBICT - Itamaraty - 18 novIBICT - Itamaraty - 18 nov
IBICT - Itamaraty - 18 nov
 
Sebrae Recife
Sebrae RecifeSebrae Recife
Sebrae Recife
 
Sessao 5: estímulo às industrias e aos-servicos-nacionais
Sessao 5: estímulo às industrias e aos-servicos-nacionaisSessao 5: estímulo às industrias e aos-servicos-nacionais
Sessao 5: estímulo às industrias e aos-servicos-nacionais
 
Apresentação Corporativa
Apresentação Corporativa   Apresentação Corporativa
Apresentação Corporativa
 
Private Participation In Brasil, Past And Future What Is Holding Ppp Back Fv
Private Participation In Brasil, Past And Future   What Is Holding Ppp Back  FvPrivate Participation In Brasil, Past And Future   What Is Holding Ppp Back  Fv
Private Participation In Brasil, Past And Future What Is Holding Ppp Back Fv
 
Análise: Banda larga
Análise: Banda largaAnálise: Banda larga
Análise: Banda larga
 
GVT_banda_larga_telefonia_planos_corporativos
GVT_banda_larga_telefonia_planos_corporativosGVT_banda_larga_telefonia_planos_corporativos
GVT_banda_larga_telefonia_planos_corporativos
 
1. o impacto socio economico da banda larga
1. o impacto socio economico da banda larga1. o impacto socio economico da banda larga
1. o impacto socio economico da banda larga
 
20131212 lisboa-going local13-scoreboard dae-m gonzalez-sancho
20131212 lisboa-going local13-scoreboard dae-m gonzalez-sancho20131212 lisboa-going local13-scoreboard dae-m gonzalez-sancho
20131212 lisboa-going local13-scoreboard dae-m gonzalez-sancho
 
TV Digital Introdução ao Middleware Ginga-Ginga-J
TV Digital Introdução ao Middleware Ginga-Ginga-JTV Digital Introdução ao Middleware Ginga-Ginga-J
TV Digital Introdução ao Middleware Ginga-Ginga-J
 
Apresentação apimec po a
Apresentação apimec po aApresentação apimec po a
Apresentação apimec po a
 
Internetemnumeros
InternetemnumerosInternetemnumeros
Internetemnumeros
 
Revista Instituto Telecom - 02
Revista Instituto Telecom - 02Revista Instituto Telecom - 02
Revista Instituto Telecom - 02
 
Lidando com serviços over-the-top
Lidando com serviços over-the-topLidando com serviços over-the-top
Lidando com serviços over-the-top
 
Huawei Banda Larga Móvel 2010
Huawei Banda Larga Móvel 2010Huawei Banda Larga Móvel 2010
Huawei Banda Larga Móvel 2010
 
Projeto InterVoIP - Visão da Operadora - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológ...
Projeto InterVoIP - Visão da Operadora - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológ...Projeto InterVoIP - Visão da Operadora - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológ...
Projeto InterVoIP - Visão da Operadora - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológ...
 
Impactos da convergência e da virtualização nos fabricantes de redes ópticas
Impactos da convergência e da virtualização nos fabricantes de redes ópticasImpactos da convergência e da virtualização nos fabricantes de redes ópticas
Impactos da convergência e da virtualização nos fabricantes de redes ópticas
 
Plano de Marketing VITEC
Plano de Marketing VITECPlano de Marketing VITEC
Plano de Marketing VITEC
 
Consulta Pública do Ministério das Comunicações
Consulta Pública do Ministério das ComunicaçõesConsulta Pública do Ministério das Comunicações
Consulta Pública do Ministério das Comunicações
 
Performance Indicators in the Area of Telecommunications for the Legacy of th...
Performance Indicators in the Area of Telecommunications for the Legacy of th...Performance Indicators in the Area of Telecommunications for the Legacy of th...
Performance Indicators in the Area of Telecommunications for the Legacy of th...
 

Semelhante a Setor de telecomunicações

Tutorial Mobilidade E E Gov Prefeitura Do Recife
Tutorial Mobilidade E E Gov    Prefeitura Do RecifeTutorial Mobilidade E E Gov    Prefeitura Do Recife
Tutorial Mobilidade E E Gov Prefeitura Do Recife
Thiago Avila, Msc
 
Ericsson Mobility Report – Apêndice: América Latina e Caribe
Ericsson Mobility Report – Apêndice: América Latina e CaribeEricsson Mobility Report – Apêndice: América Latina e Caribe
Ericsson Mobility Report – Apêndice: América Latina e Caribe
Ericsson Latin America
 
Encontro com aTIM em Brasilia 08.05.2015
Encontro com aTIM em Brasilia 08.05.2015Encontro com aTIM em Brasilia 08.05.2015
Encontro com aTIM em Brasilia 08.05.2015
TIM RI
 
Apresentação apimec df (arquivada)
Apresentação apimec df (arquivada)Apresentação apimec df (arquivada)
Apresentação apimec df (arquivada)
TIM RI
 
Apresentação sobre o Projeto Móvel - Informações e Serviços via Celular - Set...
Apresentação sobre o Projeto Móvel - Informações e Serviços via Celular - Set...Apresentação sobre o Projeto Móvel - Informações e Serviços via Celular - Set...
Apresentação sobre o Projeto Móvel - Informações e Serviços via Celular - Set...
Thiago Avila, Msc
 
Encontro com a TIM em Brasilia
Encontro com a TIM em BrasiliaEncontro com a TIM em Brasilia
Encontro com a TIM em Brasilia
TIM RI
 
Encontro com a tim porto alegre nov2014
Encontro com a tim porto alegre nov2014Encontro com a tim porto alegre nov2014
Encontro com a tim porto alegre nov2014
TIM RI
 
Marco Civil da Internet
Marco Civil da InternetMarco Civil da Internet
Apresentação apimec rio
Apresentação apimec rioApresentação apimec rio
Apresentação apimec rio
TIM RI
 
Fórum Smart Grid 2014
Fórum Smart Grid 2014Fórum Smart Grid 2014
Fórum Smart Grid 2014
Telefónica IoT
 
Palestra Mobilidade
Palestra MobilidadePalestra Mobilidade
Palestra Mobilidade
Carlos Eugenio Torres
 
LANÇAMENTO GVT
LANÇAMENTO GVTLANÇAMENTO GVT
LANÇAMENTO GVT
Jamildo Melo
 
28/09/2011 - 9h às 12h - convergência digital - plano nacional de banda larg...
28/09/2011 -  9h às 12h - convergência digital - plano nacional de banda larg...28/09/2011 -  9h às 12h - convergência digital - plano nacional de banda larg...
28/09/2011 - 9h às 12h - convergência digital - plano nacional de banda larg...
Rio Info
 
Tendências Dispositivos Móveis 2010
Tendências Dispositivos Móveis 2010Tendências Dispositivos Móveis 2010
Tendências Dispositivos Móveis 2010
frgo
 
Mobile Commerce
Mobile CommerceMobile Commerce
Mobile Commerce
André Costa
 
Encontro com a TIM em SP
Encontro com  a TIM em SPEncontro com  a TIM em SP
Encontro com a TIM em SP
TIM RI
 
Perspectivas do mercado de Telecom - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológica ...
Perspectivas do mercado de Telecom - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológica ...Perspectivas do mercado de Telecom - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológica ...
Perspectivas do mercado de Telecom - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológica ...
CPqD
 
Apresentação expo money recife 2013
Apresentação expo money recife 2013Apresentação expo money recife 2013
Apresentação expo money recife 2013
TIM RI
 
Apresentação sobre o Projeto Cidadania Móvel - SECOP 2006
Apresentação sobre o Projeto Cidadania Móvel - SECOP 2006Apresentação sobre o Projeto Cidadania Móvel - SECOP 2006
Apresentação sobre o Projeto Cidadania Móvel - SECOP 2006
Thiago Avila, Msc
 
Movel Apresentação Executiva Conecta Espirito Santo 2007
Movel    Apresentação  Executiva    Conecta  Espirito  Santo 2007Movel    Apresentação  Executiva    Conecta  Espirito  Santo 2007
Movel Apresentação Executiva Conecta Espirito Santo 2007
Thiago Avila, Msc
 

Semelhante a Setor de telecomunicações (20)

Tutorial Mobilidade E E Gov Prefeitura Do Recife
Tutorial Mobilidade E E Gov    Prefeitura Do RecifeTutorial Mobilidade E E Gov    Prefeitura Do Recife
Tutorial Mobilidade E E Gov Prefeitura Do Recife
 
Ericsson Mobility Report – Apêndice: América Latina e Caribe
Ericsson Mobility Report – Apêndice: América Latina e CaribeEricsson Mobility Report – Apêndice: América Latina e Caribe
Ericsson Mobility Report – Apêndice: América Latina e Caribe
 
Encontro com aTIM em Brasilia 08.05.2015
Encontro com aTIM em Brasilia 08.05.2015Encontro com aTIM em Brasilia 08.05.2015
Encontro com aTIM em Brasilia 08.05.2015
 
Apresentação apimec df (arquivada)
Apresentação apimec df (arquivada)Apresentação apimec df (arquivada)
Apresentação apimec df (arquivada)
 
Apresentação sobre o Projeto Móvel - Informações e Serviços via Celular - Set...
Apresentação sobre o Projeto Móvel - Informações e Serviços via Celular - Set...Apresentação sobre o Projeto Móvel - Informações e Serviços via Celular - Set...
Apresentação sobre o Projeto Móvel - Informações e Serviços via Celular - Set...
 
Encontro com a TIM em Brasilia
Encontro com a TIM em BrasiliaEncontro com a TIM em Brasilia
Encontro com a TIM em Brasilia
 
Encontro com a tim porto alegre nov2014
Encontro com a tim porto alegre nov2014Encontro com a tim porto alegre nov2014
Encontro com a tim porto alegre nov2014
 
Marco Civil da Internet
Marco Civil da InternetMarco Civil da Internet
Marco Civil da Internet
 
Apresentação apimec rio
Apresentação apimec rioApresentação apimec rio
Apresentação apimec rio
 
Fórum Smart Grid 2014
Fórum Smart Grid 2014Fórum Smart Grid 2014
Fórum Smart Grid 2014
 
Palestra Mobilidade
Palestra MobilidadePalestra Mobilidade
Palestra Mobilidade
 
LANÇAMENTO GVT
LANÇAMENTO GVTLANÇAMENTO GVT
LANÇAMENTO GVT
 
28/09/2011 - 9h às 12h - convergência digital - plano nacional de banda larg...
28/09/2011 -  9h às 12h - convergência digital - plano nacional de banda larg...28/09/2011 -  9h às 12h - convergência digital - plano nacional de banda larg...
28/09/2011 - 9h às 12h - convergência digital - plano nacional de banda larg...
 
Tendências Dispositivos Móveis 2010
Tendências Dispositivos Móveis 2010Tendências Dispositivos Móveis 2010
Tendências Dispositivos Móveis 2010
 
Mobile Commerce
Mobile CommerceMobile Commerce
Mobile Commerce
 
Encontro com a TIM em SP
Encontro com  a TIM em SPEncontro com  a TIM em SP
Encontro com a TIM em SP
 
Perspectivas do mercado de Telecom - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológica ...
Perspectivas do mercado de Telecom - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológica ...Perspectivas do mercado de Telecom - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológica ...
Perspectivas do mercado de Telecom - I Workshop CPqD de Inovação Tecnológica ...
 
Apresentação expo money recife 2013
Apresentação expo money recife 2013Apresentação expo money recife 2013
Apresentação expo money recife 2013
 
Apresentação sobre o Projeto Cidadania Móvel - SECOP 2006
Apresentação sobre o Projeto Cidadania Móvel - SECOP 2006Apresentação sobre o Projeto Cidadania Móvel - SECOP 2006
Apresentação sobre o Projeto Cidadania Móvel - SECOP 2006
 
Movel Apresentação Executiva Conecta Espirito Santo 2007
Movel    Apresentação  Executiva    Conecta  Espirito  Santo 2007Movel    Apresentação  Executiva    Conecta  Espirito  Santo 2007
Movel Apresentação Executiva Conecta Espirito Santo 2007
 

Mais de Escola de Governança da Internet no Brasil

Políticas Públicas para Acesso e uso da Internet
Políticas Públicas para Acesso e uso da InternetPolíticas Públicas para Acesso e uso da Internet
Políticas Públicas para Acesso e uso da Internet
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Futuro da Internet - Perspectivas para os Próximos 10 anos
Futuro da Internet - Perspectivas para os Próximos 10 anosFuturo da Internet - Perspectivas para os Próximos 10 anos
Futuro da Internet - Perspectivas para os Próximos 10 anos
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Políticas Públicas Temáticas e Desafios da Inclusão Digital
Políticas Públicas Temáticas e Desafios da Inclusão DigitalPolíticas Públicas Temáticas e Desafios da Inclusão Digital
Políticas Públicas Temáticas e Desafios da Inclusão Digital
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Liberdade de Expressão, Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
Liberdade de Expressão, Privacidade e Proteção de Dados PessoaisLiberdade de Expressão, Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
Liberdade de Expressão, Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...
Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...
Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
A economia da Internet e os negócios eletrônicos
A economia da Internet e os negócios eletrônicosA economia da Internet e os negócios eletrônicos
A economia da Internet e os negócios eletrônicos
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Economia de Telecomunicações para o Provimento de Acesso à Internet
Economia de Telecomunicações para o Provimento de Acesso à InternetEconomia de Telecomunicações para o Provimento de Acesso à Internet
Economia de Telecomunicações para o Provimento de Acesso à Internet
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Liberdade liberal e a liberdade na rede
Liberdade liberal e a liberdade na redeLiberdade liberal e a liberdade na rede
Liberdade liberal e a liberdade na rede
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Setor de Provimento de Serviços Internet
Setor de Provimento de Serviços InternetSetor de Provimento de Serviços Internet
Setor de Provimento de Serviços Internet
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Panorama do setor de Provimento de Internet
Panorama do setor de Provimento de InternetPanorama do setor de Provimento de Internet
Panorama do setor de Provimento de Internet
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Marco Civil da Internet e Direitos dos cidadãos e consumidores
Marco Civil da Internet e Direitos dos cidadãos e consumidoresMarco Civil da Internet e Direitos dos cidadãos e consumidores
Marco Civil da Internet e Direitos dos cidadãos e consumidores
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Atividade - Recursos Críticos de Internet
Atividade - Recursos Críticos de InternetAtividade - Recursos Críticos de Internet
Atividade - Recursos Críticos de Internet
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Marco Civil da Internet
Marco Civil da InternetMarco Civil da Internet
Recursos Críticos de Internet
Recursos Críticos de InternetRecursos Críticos de Internet
Recursos Críticos de Internet
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Internet, Conceitos e Evolução
Internet, Conceitos e EvoluçãoInternet, Conceitos e Evolução
Internet, Conceitos e Evolução
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Como funciona a Internet
Como funciona a InternetComo funciona a Internet
Fundamentos de Segurança da Informação
Fundamentos de Segurança da InformaçãoFundamentos de Segurança da Informação
Fundamentos de Segurança da Informação
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Fundamentos de Segurança da Informação
Fundamentos de Segurança da InformaçãoFundamentos de Segurança da Informação
Fundamentos de Segurança da Informação
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Introduction to Internet Governance
Introduction to Internet GovernanceIntroduction to Internet Governance
Introduction to Internet Governance
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Internet e Web NÃO SÃO as mesmas coisas
Internet e Web NÃO SÃO as mesmas coisasInternet e Web NÃO SÃO as mesmas coisas
Internet e Web NÃO SÃO as mesmas coisas
Escola de Governança da Internet no Brasil
 

Mais de Escola de Governança da Internet no Brasil (20)

Políticas Públicas para Acesso e uso da Internet
Políticas Públicas para Acesso e uso da InternetPolíticas Públicas para Acesso e uso da Internet
Políticas Públicas para Acesso e uso da Internet
 
Futuro da Internet - Perspectivas para os Próximos 10 anos
Futuro da Internet - Perspectivas para os Próximos 10 anosFuturo da Internet - Perspectivas para os Próximos 10 anos
Futuro da Internet - Perspectivas para os Próximos 10 anos
 
Políticas Públicas Temáticas e Desafios da Inclusão Digital
Políticas Públicas Temáticas e Desafios da Inclusão DigitalPolíticas Públicas Temáticas e Desafios da Inclusão Digital
Políticas Públicas Temáticas e Desafios da Inclusão Digital
 
Liberdade de Expressão, Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
Liberdade de Expressão, Privacidade e Proteção de Dados PessoaisLiberdade de Expressão, Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
Liberdade de Expressão, Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
 
Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...
Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...
Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...
 
A economia da Internet e os negócios eletrônicos
A economia da Internet e os negócios eletrônicosA economia da Internet e os negócios eletrônicos
A economia da Internet e os negócios eletrônicos
 
Economia de Telecomunicações para o Provimento de Acesso à Internet
Economia de Telecomunicações para o Provimento de Acesso à InternetEconomia de Telecomunicações para o Provimento de Acesso à Internet
Economia de Telecomunicações para o Provimento de Acesso à Internet
 
Liberdade liberal e a liberdade na rede
Liberdade liberal e a liberdade na redeLiberdade liberal e a liberdade na rede
Liberdade liberal e a liberdade na rede
 
Setor de Provimento de Serviços Internet
Setor de Provimento de Serviços InternetSetor de Provimento de Serviços Internet
Setor de Provimento de Serviços Internet
 
Panorama do setor de Provimento de Internet
Panorama do setor de Provimento de InternetPanorama do setor de Provimento de Internet
Panorama do setor de Provimento de Internet
 
Marco Civil da Internet e Direitos dos cidadãos e consumidores
Marco Civil da Internet e Direitos dos cidadãos e consumidoresMarco Civil da Internet e Direitos dos cidadãos e consumidores
Marco Civil da Internet e Direitos dos cidadãos e consumidores
 
Atividade - Recursos Críticos de Internet
Atividade - Recursos Críticos de InternetAtividade - Recursos Críticos de Internet
Atividade - Recursos Críticos de Internet
 
Marco Civil da Internet
Marco Civil da InternetMarco Civil da Internet
Marco Civil da Internet
 
Recursos Críticos de Internet
Recursos Críticos de InternetRecursos Críticos de Internet
Recursos Críticos de Internet
 
Internet, Conceitos e Evolução
Internet, Conceitos e EvoluçãoInternet, Conceitos e Evolução
Internet, Conceitos e Evolução
 
Como funciona a Internet
Como funciona a InternetComo funciona a Internet
Como funciona a Internet
 
Fundamentos de Segurança da Informação
Fundamentos de Segurança da InformaçãoFundamentos de Segurança da Informação
Fundamentos de Segurança da Informação
 
Fundamentos de Segurança da Informação
Fundamentos de Segurança da InformaçãoFundamentos de Segurança da Informação
Fundamentos de Segurança da Informação
 
Introduction to Internet Governance
Introduction to Internet GovernanceIntroduction to Internet Governance
Introduction to Internet Governance
 
Internet e Web NÃO SÃO as mesmas coisas
Internet e Web NÃO SÃO as mesmas coisasInternet e Web NÃO SÃO as mesmas coisas
Internet e Web NÃO SÃO as mesmas coisas
 

Setor de telecomunicações

  • 1.
  • 3. Embora integrada, a cadeia de valor da Internet tem muitos players com diferentes tipos de interesses
  • 4. As empresas de telecomunicações são as responsáveis pelo transporte de todo conteúdo trafegado na internet Telecomunicações vídeos comércio educação serviços públicos entreteni- mento Provedores de aplicação e conteúdo Acesso e transporte Provedores de acesso e conexão Aplicações São necessários “caminhões” cada vez maiores para conseguir carregar toda essa carga A Internet no Mundo
  • 5. Serviços de Telecom que suportam o acesso à Internet em Banda Larga Banda larga móvel Serviço Móvel Pessoal (SMP) Prestado no Regime Privado Banda larga fixa Serviço de Comunicação Multimídia (SCM) e Serviço de Acesso Condicionado (SeAC) Prestados no Regime Privado
  • 6. Rede de Acesso e Rede de Transporte 4G3G par metálico fibra óptica cabo coaxial Rede de acesso Internet wireless Rede de transporte PTT Backhaul
  • 7. 7 Mbps 20 Mbps Velocidades da Rede de Acesso e Rede de Transporte 4G3G par metálico fibra óptica cabo coaxial velocidade máxima 15Mbps 1 Gbps 50 Mbps Rede de acesso Internet wireless Rede de transporte mais de 10 Gbps PTT Backhaul
  • 8. Situação atual Grandes investimentos  novas tecnologias de acesso fixo e móvel  aumento da cobertura e da capacidade das redes de acesso, backhaul e backbones
  • 9. Situação atual Grandes investimentos  nos sistemas de suporte a operação e sistemas de aprovisionamento para garantir a OTIMIZAÇÃO do USO das redes  em gerências de falhas e configuração para aumentar a ESTABILIDADE e SEGURANÇA das redes
  • 10. Situação atual Grandes investimentos  para garantir os novos indicadores de qualidade dos acessos à Internet: velocidade média de 80% da ofertada  EAQ sob a coordenação da ANATEL: já implantou mais de 12 mil probes e vem realizando mais de 150 mil medições mensais, avaliando a banda larga fixa e móvel em todo o País EAQ – Entidade Aferidora da Qualidade
  • 11. 11Fonte: LCA / Telebrasil Até 50 (1.235 municípios) De 50 a 75 (2.535 municípios) De 75 a 100 (1.550 municípios) Mais de 100 (243 municípios) Até 1 (3.326 municípios) De 1 a 2,5 (1.230 municípios) De 2,5 a 5 (675 municípios) Mais de 5 (332 municípios) Serviços móvel e banda larga fixa estão disponíveis mesmo em regiões onde a demanda ainda é reduzida  Densidade de Celulares (por 100 habitantes em 2008)  Acessos de Banda Larga Fixa (por 100 habitantes em 2008)
  • 12.  Densidade de Celulares (por 100 habitantes em 2012) 12Fonte: LCA / Telebrasil Até 50 (1.235 municípios) De 50 a 75 (2.535 municípios) De 75 a 100 (1.550 municípios) Mais de 100 (243 municípios) Até 1 (3.326 municípios) De 1 a 2,5 (1.230 municípios) De 2,5 a 5 (675 municípios) Mais de 5 (332 municípios) Serviços móvel e banda larga fixa estão disponíveis mesmo em regiões onde a demanda ainda é reduzida  Acessos de Banda Larga Fixa (por 100 habitantes em 2012)
  • 13. Fonte: Telebrasil, jun/14 161 milhões de acessos em banda larga 2009 2010 2011 2012 2013 jun/14 móvel fixa acessos em banda larga em milhões Dos acessos em banda larga, 86% são pela rede móvel 1,8 novo acesso ativado por segundo em 2014 161,0 133,7 85,9 59,6 35,9 21,5
  • 14. 179 215 255 266 276 9% 13% 23% 32% 50% 276 milhões de acessos celulares Fonte: Telebrasil, jun/14 jun/11 jun/12 jun/14jun/13jun/10 total de celulares (em milhões) e % de acessos com tecnologia 3G e 4G 50% dos celulares no País já podem acessar a banda larga móvel
  • 15. R$ 80 milhões por dia* Fonte: Telebrasil. *Considera 365 dias por ano, não inclui o pagamento de licenças. Investimentos de telecom no Brasil: recorde pelo segundo ano consecutivo 14.6 29.3 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Investimentos em Telecom no Brasil R$ bilhões
  • 16. em 2013 no Brasil o CAPEX cresceu 14% enquanto a receita apenas 6% 14% 18% 17% 21% 15% 2010 2011 2012 2013e 2014e Brasil América Latina Mercados Emergentes Mercados desenvolvidos Fonte: Apresentação Merril Lynch de jun/2014 na Anatel % CAPEX sobre receita bruta Níveis de investimentos elevados e não sustentáveis...
  • 17. Fonte: BofA Merril Lynch Global Research, jun/2014 .... pois os altos investimentos estão vindo com retornos cada vez menores Crescimento EBTIDA da Telefonia Móvel -25% -15% -5% 5% 15% 25% 35% 45% 55% 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Argentina Colômbia Brasil México Chile Peru
  • 18. o preço do minuto já caiu pela metade e o tráfego cresceu 45% no Brasil2008 2013 91 2008 2013 Preço Médio do minuto é calculado dividindo a receita média por usuário pela quantidade de minutos por usuário. Fonte: Teleco. 18 Os investimentos não se traduzem mais em receita 0,31 0,15 preço médio do minuto do celular (em R$, valores com impostos) quantidade de minutos por usuário por mês 133
  • 19. Fonte: Telebrasil Brasil é um dos países mais competitivos do mundo de acordo com o HHI* * Índice Herfindahl-Hirschman: mede a concentração de mercado com base no market share. Em um mercado altamente competitivo 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 Mar-14 Prestadora 1 Prestadora 2 Prestadora 3 Prestadora 4 market share das prestadoras de telefonia móvel
  • 20. Fonte: Cisco, VNI Mobile Forecast Highlights, 2013-2018 74 155 312 150 474 1,014 2011 2012 2013 crescimento do tráfego de dados móveis por usuário no Brasil tablet smartphone 6,8x em 2 anos 4,2x em 2 anos tráfego em Mbps por mês Além da quantidade de acessos, o tráfego também cresce muito
  • 21. Em 2014, os tablets vão ultrapassar os notebooks em número de unidades vendidas Fonte: LCA / IDC venda de smartphones O Brasil é o 4º maior mercado mundial de vendas de smartphones e um dos 10 maiores mercados de tablet do mundo
  • 22. Jornal O Globo de 15/04/2014 http://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/sou-brasileiro-nao-desligo-nunca-12195500
  • 23. Jornal O Globo de 15/04/2014 os brasileiros • 95% usam Facebook pelo menos 1 vez por semana • 93% veem vídeos em dispositivos móveis • 90% jogam games • 87% checam notícias 32% 21% 40% 59% 73% 77% compras online baixam filmes usam LinkedIn http://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/sou-brasileiro-nao-desligo-nunca-12195500
  • 24. Fonte: LCA / Brazil Digital Future in Focus 2014, comScore Brasileiros navegam 29,7 horas por mês, 7 horas a mais do que a média mundial Brasil possui a 5º maior audiência digital do mundo com 68,1 milhões de visitantes (fev/2014) Disponibilidade de infraestrutura vem acompanhada de maior uso dos serviços
  • 25. Fonte: LCA Muitos recursos são retirados do setor, reduzindo a disponibilidade para investimento Telecom respondeu em 2013 pelo recolhimento de R$ 59 bi aos cofres públicos:  R$ 7,2 bi em Fust, Funttel e Fistel  R$ 51,8 bi em tributos (ICMS, IS, CSLL, PIS/Pasep e outros recolhidos indiretamente dentro do CAPEX)
  • 26. os desafios para a expansão da infraestrutura
  • 27. Desafios para Expansão da Infraestrutura  O tráfego IP global vai triplicar nos próximos 5 anos  Vídeos representarão 80% a 90% do tráfego global de consumidores em 2017 Fonte: Cisco
  • 28. Desafios para Expansão da Infraestrutura  Aumento do número de acessos em banda larga com os programas de massificação da Internet  Redução das desigualdades geográficas Para reduzir as desigualdades regionais (de 20 para 4x) e aumentar a velocidade média para 10 Mbps estima-se investimentos de R$ 167 bilhões até 2020
  • 29. Desafios para Expansão da Infraestrutura  Novos serviços especializados de Internet que exigem requisitos de transmissão dos pacotes muito mais rígidos
  • 30. Desafios para Expansão da Infraestrutura  Modernização das redes com a implantação de redes de acesso com fibra óptica e disseminação do 4G nas redes móveis
  • 31.  Convênio 38/2009: Isenção de ICMS para banda larga do Programa Internet Popular  Desoneração de smartphones: isenção parcial de impostos para produtos nacionais  REPNBL: suspensão do pagamento de PIS/Pasep/Cofins/IPI sobre máquinas e equipamentos incluídos nos projetos do REPNBL Algumas políticas públicas começam a ser direcionadas para a expansão da infraestrutura Incentivos precisam ser proporcionais às necessidades de investimentos
  • 32. Ponto de atenção  Pesada carga tributária:  se apropria da maior parte dos valores que poderiam ser direcionado para os investimentos, num setor onde a necessidade de capital é intensiva  limita o uso dos serviços  43% do valor de uma conta telefônica é tributo
  • 34. preocupação com as várias interpretações para os principais pontos do projeto o Setor recebeu de forma POSITIVA a APROVAÇÃO da LEI do Marco Civil da Internet
  • 35. redação da Diretiva Europeia, da Lei Chilena, do Marco Regulatório Americano, entre outros, são bem mais claras e objetivas que a redação final do MCI Setor sempre defendeu a adoção de um conceito de NEUTRALIDADE DE REDE, que já vem sendo adotado pela quase totalidade dos PAÍSES que já o regulamentaram
  • 36. As exceções à NEUTRALIDADE devem ser regulamentadas de acordo com ASPECTOS TÉCNICOS, que garantam a GESTÃO da REDE pelas operadoras de forma a garantir a sua ESTABILIDADE e a SEGURANÇA
  • 37. são aqueles serviços que demandam um padrão de qualidade assegurada: como radiodifusão, videoconferências, aplicações médicas e qualquer outro serviço demandado pelo usuário, desde que não prejudique a qualidade da internet em geral A regulamentação das exceções à neutralidade deve contemplar a oferta de SERVIÇOS ESPECIALIZADOS de forma idêntica ao que foi aprovado pela União Europeia
  • 38. Marco Legal e Regulatório brasileiro deve preservar os DIREITOS CONSTITUCIONAIS dos CIDADÃOS, estimulando o CRESCIMENTO e a MODERNIZAÇÃO da INTERNET e garantindo os INVESTIMENTOS

Notas do Editor

  1. 1
  2. MAD-AAA123-20061019-
  3. 39