SlideShare uma empresa Scribd logo
<>VITECA APROXIMAR PESSOAS QUE SE AMAMPLANO DE MARKETING 2011-2014
<>VITECA APROXIMAR PESSOAS QUE SE AMAMFernando de HolandaJuliana AzevêdoLuís MonteiroSérgio OliveiraSérgio RibeiroPLANO DE MARKETING 2011-2014Faculdade de Economia UC | Mestrado em Marketing
ApresentaçãoPremissasOperaçõesDiferenciaisDescrição do produtoEquipamentoConexãoServiços agregadosMissãoValoresMarket OverviewPúblico-alvoEconomia e ConsumoHighlightsAnálise SWOTAmbiente InternoAmbiente ExternoPressupostosObjectivos e EstratégiasPosicionamentoFactores CríticosMetas e AcçõesMix de MarketingDistribuiçãoPreçoComunicaçãoResultados e AlternativasProjecção de VendasPlano de ContingênciaOrçamentoImplementaçãoConclusõesPróximos passosSUMÁRIO
APRESENTAÇÃO
O PROJECTO Iniciativa que visa promover a Inclusão Digital das pessoas da melhor idade através de um produto / serviço especialmente desenvolvido para elas;
Baseado na comercialização de um computador portátil de fácil utilização e acesso instantâneo à Internet Banda Larga;
 Proposta de valor baseada na dinamização da Comunicação entre as famílias a partir da inserção das pessoas da melhor idade nos ambientes virtuais.PREMISSASFACILIDADE DE UTILIZAÇÃOEquipamento deve apresentar uma utilização simplificada, adequada às necessidades mais básicas do público-alvo. Opção por componentes adaptados e simplificados, que proporcionam, ao mesmo tempo, maior facilidade de uso e menores custos de produção.ACESSIBILIDADEDesmistifica o processo de compra e disponibiliza o produto/serviço a um preço competitivo, próximo dos netbooks. Canal de distribuição diferenciado elimina os intermediários e protege as margens de contribuição para cada membro do canal.
COMPOSIÇÃO DO CANALEQUIPAMENTOFoco na gestão de marketing e I&DActua como intermediário comercialEQUIPAMENTO + INTERNET
DIFERENCIAIS COMPETITIVOSDisponível numa única versão (equipamento e ligação);Dispensa apresentação técnica no acto da venda;Único canal de distribuição (vendas por telefone);Pagamento em 12 mensalidades fixas através da operadora de comunicação (contrato anual).
DESCRIÇÃO DO PRODUTO
DESCRIÇÃO DO PRODUTOHARDWAREBASEADO NO MODELO INTEL INSPIRON 15”WEB CAM COM MICROFONE OMNIDIRECIONALPROCESSAMENTO E MEMÓRIAProcessador Intel Celeron 900 (2.2 GHz, 1 MB L2 cache, 800 MHz FSB)
Memória de 2 GB de SDRAM DDR2 dual-channel de 800 MHz.
Disco rígido de 60 Gb.
Bateria de 6 células com autonomia de 2 horas sem fio.ECRÃ LCD DE 15,6” TOUCH SCREENAPARÊNCIA RETROTECLAS DE ATALHOTECLA DE AJUDAALTIFALANTES EMBUTIDOS COM MAIOR POTÊNCIATECLADO RESUMIDOSUPRESSÃO DAS ENTRADASTAMANHO E PESO PADRÃO3,7 CM DE LARGURA E 2,7 kg
DESCRIÇÃO DO PRODUTOSOFTWARESISTEMA OPERATIVOWindows 7 Starter (lowcost) preconfigurado com ícones e caracteres em grande formato.APLICATIVOS INCLUÍDOSProcessador de texto;Programa de correio electrónico;Programa de mensagens instantâneas;Navegador Web;Máquina de calcular;Jogos.
DESCRIÇÃO DO PRODUTOO QUE UM VITEC NÃO TEMRATO TIPO TOUCHPAD
LEITOR DE CD/DVD
PLACA WI-FI
BLUETOOTH
ENTRADAS DE REDE
SAÍDAS DE VÍDEO
ENTRADA DE CARTÕES DE MEMÓRIADESCRIÇÃO DO PRODUTOLIGAÇÃOSERVIÇOS AGREGADOSASSISTÊNCIA TÉCNICADisponível gratuitamente para defeitos de fabrico, durante um ano; para defeitos decorrentes de utilização, durante três meses;PORTAL DE SERVIÇOSPágina inicial do navegador Web que dispõe de notícias, prestação de serviços e informações aos utilizadores;REDE SOCIAL VITECAplicativo web de rede social restrito a utilizadores do projecto;HELP DESKCentro de atendimento ao utilizador acessível 24 horas por dia através do equipamento ou através do telefone.Placa Pen USB do géneroHuawei E1750 3,6 Mpbs pré-configurada no sistema operativo e com velocidade de 2 Mbps limitado a 2 Gb por mês (consumos extra serão taxados de acordo com a política de preços da operadora).
MISSÃO E VALORES
MISSÃOOferecer um equipamento acessível e de fácil utilizaçãoà maioria das pessoas da melhor idade que vivem em Portugal, proporcionando-lhes uma maior facilidade no acesso a informações e serviços, bem como uma comunicação mais dinâmica e frequentecom as suas famílias.
VALORESGerar lucro através da sua relevância social na sociedade portuguesa, a partir de preços competitivos, baixas margens de contribuição unitária e alto volume de vendas.1Comunicar uma proposta de valor suficientemente clara, acessível e que gere benefícios imediatos às pessoas da melhor idade.<>2VITECAlcançar um diferencial competitivo dinâmico e sintonizado com as necessidades do público-alvo.3
MARKET OVERVIEW
MARKET OVERVIEW: PÚBLICO-ALVONos próximos 3 anos, Portugal deverá abrigar uma população de 2 milhões de pessoas com mais de 65 anos;
Neste período, a expectativa de vida deverá chegar aos 85 anos de idade;
Maior parcela está concentrada no intervalo entre 65 e 74 anos;
Mais de 50% desta população possui um rendimento individual inferior a 1.500 euros mensais;
Maior concentração na Região de Lisboa;
Maiores índices de envelhecimento nas regiões com menores rendimentos.CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO  Se o desempenho relativo da evolução da variação populacional registado na última década se mantiver, é possível que seja registado um decréscimo de até 30 mil pessoas nos próximos anos em Portugal.No segmento da melhor idade, Portugal deverá abrigar uma quantidade absoluta de residentes superior a 2 milhões de indivíduos.
ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃOHá um crescimento do aumento da expectativa de vida das pessoas com mais de 65 anos em Portugal. A cada década, esta expectativa aumenta 2 anos, sendo possível estimar que até 2030 a expectativa média de vida em Portugal seja de 87 anos.O índice de envelhecimento em Portugal praticamente duplicou nos últimos 20 anos. Curiosamente, as regiões de menores rendimentos per capita são as que apresentam os maiores índices, chegando a 172% na região do Alentejo. A manutenção de preços baixos ao consumidor é condição básica para a sustentabilidade do projecto nos próximos 10 anos.
POPULAÇÃO DA MELHOR IDADEEm Setembro de 2009, havia aproximadamente 1 milhão de pessoas com idade entre 65 e 75 anos, sendo 45% homens e 55% mulheres. A região que concentra o maior número de pessoas desta faixa etária é a região Norte. A primeira fase do projecto deverá considerar um universo total de aproximadamente 1 milhão de pessoas.
RENDIMENTO LÍQUIDO DA MELHOR IDADEO rendimento líquido mensal das pessoas com mais de 65 anos em Portugal varia mais de 70% entre a Região do Alentejo e a de Lisboa (893 € e 1530 €, respectivamente). Aplicado a estes valores a percentagem média de despesas em comunicação e equipamentos electrónicos das famílias (10%), é possível estimar um gasto mensal médio com estes itens variando entre 90 € e 150 €. Disparidade de rendimentos dentro da faixa etária justifica adopção de um portfólio de produtos com perfis de preço diferentes.
MARKET OVERVIEW: ECONOMIA E CONSUMOPortugal foi um dos países da UE mais afectados com a crise;
Desemprego atingiu patamares de 10%;
Desde Dezembro de 2009 já há uma retoma do crescimento, com aumento do sentimento económico;
35% da Economia de Portugal gira em torno de Outros Serviços (indicador crescente);
As famílias em Portugal gastam menos de 10% dos seus rendimentos em Bens Semiduráveis (móveis e equipamentos de casa) e Comunicações (TV Cabo, Telefone, Internet);
Taxa de Penetração da Internet Banda Larga é de 40% no país;
80% das famílias possuem computador em casa.SENTIMENTO ECONÓMICOFonte: INE e Banco de Portugal(2009)Apesar da gravidade da situação, indicadores apontam para retoma do crescimento a partir do final de 2009, com índices de sentimento e actividade económica em alta.
COMPOSIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICAA participação do sector de serviços, actividade historicamente predominante na economia portuguesa, tem vindo a ganhar uma maior participação ao longo da última década, com projecção de atingir 35% do VAB total até 2012.Fonte: INE (2009)
COMPOSIÇÃO DOS GASTOS DAS FAMÍLIASOs gastos com comunicação e equipamentos electrónicos atingem menos de 10% do gasto anual das famílias de Portugal.
USO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS FAMÍLIASFonte: INE (2009)80% da população de Portugal possui acesso à Internet em casa, sendo a região de Lisboa e do Algarve as que possuem os melhores índices. Da mesma forma, 84,5%  das pessoas do país possuem telemóvel e 85,3% possuem computador em casa. No entanto, apenas 39% da população possui acesso à Internet banda larga.
ANÁLISE SWOT
ANÁLISE SWOT: AMBIENTE EXTERNOOPORTUNIDADESAMEAÇASAumento do índice de envelhecimento da população em Portugal;Experiência dos grandes players de tecnologia; Ao longo dos anos, a tendência é que os idosos sejam mais propensos ao uso da tecnologia;  Pirataria e concorrência dos fabricantes chineses; É crescente o número de utilizadores de ligação de banda larga móvel à Internet; Instabilidade oriunda da crise económica; Não há um grande player de tecnologia a oferecer um equipamentos específico ao segmento-alvo; Desinteresse das operadoras de comunicação em participar no projecto; Não há empresas de tecnologia a actuar no canal de marketing desenhado; Não adaptação do público-alvo à proposta. Interesse do Estado na implementação de programas de Inclusão Digital;Carência afectiva característica das pessoas da melhor idade.
ANÁLISE SWOT: AMBIENTE EXTERNOFACTORES-CHAVE PARA A RELAÇÃO COM O AMBIENTE EXTERNO:Observar constantemente a mudança dos perfis comportamentais das pessoas da melhor idade na União Europeia;Observar os lançamentos tecnológicos com o objectivo de avaliar a possibilidade de adequá-los ao nosso segmento-alvo;Ajustar o meio de ligação à Internet ao formato disponível no mercado com o melhor custo-benefício ao segmento;Estar atento à actuação da concorrência sob todos os aspectos do marketing mix;Manter relações institucionais estreitas com órgãos e agentes governamentais, bem como com parceiros comerciais.
ANÁLISE SWOT: AMBIENTE INTERNOFORÇASFRAQUEZASFacilidade de utilização do equipamento;Core Business pautado em relações com terceiros Baixo preço e condição de pagamento em prestações; Fabrico dependente de terceiros; Canal de distribuição com poucos intermediários; Dependência das operadoras para viabilizar canal de marketing; Processo de compra simples, rápido e de baixo custo;Ausência de patentes sobre os principais aspectos inovadores do equipamento; Atractividade para as operadoras de comunicação;  Custo das licenças dos softwares. O universo de potenciais clientes é superior ao de potenciais consumidores.
ANÁLISE DE SWOT: AMBIENTE INTERNOFACTORES-CHAVE PARA A RELAÇÃO COM O AMBIENTE INTERNO:Dar prioridade à distribuição do produto através de canais de marketing que proporcionem a viabilidade do preço competitivo;Manter relevância económica e boa relação institucional com cada um dos parceiros envolvidos no projecto;Comunicar de forma diferente com potenciais clientes e consumidores;Pautar o diferencial competitivo em aspectos não tecnológicos.
PRESSUPOSTOS
PRESSUPOSTOS1O aspecto económico mais afectado com a crise internacional continuará a ser o índice de emprego, ficando a inflação e a taxa de juro ao crédito pessoal sem grandes alterações nos próximos dois anos.
PRESSUPOSTOS2A tendência é que o índice de envelhecimento da população em Portugal se mantenha ou até aumente nos próximos dez anos.
PRESSUPOSTOS3Cada vez mais, os recém-ingressados na melhor idade serão adeptos do uso da tecnologia, o que obrigará a mudanças anuais no projecto.
PRESSUPOSTOS4A maioria das pessoas que adquirirem o produto não terão grandes dificuldades em utilizá-lo.
PRESSUPOSTOS5Haverá interesse das operadoras de comunicação a actuar em Portugal em tornarem-se parceiras do projecto.
OBJECTIVOS E ESTRATÉGIAS
POSICIONAMENTOPORTÁTIL ADEQUADO ÀS PESSOAS DA MELHOR IDADEFÁCIL DE USAR, SIMPLES DE COMPRAR<>VITECIDEAL PARA COMUNICAR COM A FAMÍLIA DE FORMA DINÂMICAUMA INICIATIVA SOCIAL
POSICIONAMENTO
FACTORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO
OBJECTIVOS, METAS E ACÇÕESOBJECTIVO 1: Montar rede de parcerias para viabilizar o projecto num período de 2 anos.OBJECTIVO 2: Fazer com que 35% das pessoas entre 65 e 74 anos residentes em Portugal possuam um portátil VITEC até aos 3 anos após a implementação do projecto.OBJECTIVO 3: Obter um Lucro Ilíquido Total Anual de 6 milhões de euros em 3 anos.OBJECTIVO 4: Tornar-se reconhecido em todo o país como um projecto de carácter social benéfico à população.OBJECTIVO 5: Vender 100 mil equipamentos a pessoas com baixos rendimentos no segundo ano do projecto.
OBJECTIVO 1: NEGÓCIO Montar rede de parcerias para viabilizar o projecto num período de 2 anos.Meta 1: Desenvolver o equipamento num período de 12 meses.Acção 1: Estabelecer um acordo com o Grupo de AdaptiveComputation do Centre for Informaticsand Systems da Universidade de Coimbra até Junho de 2010; Acção 2: Submeter o projecto de desenvolvimento do equipamento a concursos de fomento à investigação científica e desenvolvimento tecnológico do Governo;Acção 3: Estabelecer protocolo com a JP Sá Couto S.A. para o fabrico dos protótipos.
Meta 2: Iniciar a comercialização do produto em Janeiro de 2012.Acção 1: Estabelecer parceria com a JP Sá Couto S.A. para o fabrico de 300 mil unidades do produto nos próximos 3 anos.Acção 2: Estabelecer parcerias com a TMN, Vodafone e Optimus para a venda do produto.Acção 3: Estabelecer contrato de parceria para compra de publicidade televisiva e realização de acções publicitárias entre as 6 instituições envolvidas no projecto.OBJECTIVO 1: NEGÓCIO Montar rede de parcerias para viabilizar o projecto num período de 2 anos.
OBJECTIVO 2: VENDAS Fazer com que 35% das pessoas entre 65 e 74 anos residentes em Portugal possuam um portátil VITEC.Meta 1: Vender 20 mil computadores no trimestre de lançamento do produto. Acção 1: Realizar campanha de lançamento nos veículos de comunicação de massa;Acção 2: Oferecer condição comercial diferenciada para novos clientes durante o primeiro trimeste de vendas (primeira mensalidade grátis);Acção 3: Promover demonstrações do produto em locais de grande concentração de pessoas da melhor idade.
Meta 2: Vender média de 3 mil computadores/mês nos dois trimestres seguintes.Acção 1: Promover activação dos pontos de venda das operadoras localizados nas 10 maiores cidades de Portugal;Acção 2: Inserir o produto/serviço nos multipacks de comunicação das operadoras;Acção 3: Estabelecer parceria com associações e clubes da melhor idade, oferecendo condição comercial diferenciada aos sócios (primeira mensalidade grátis) durante o primeiro ano do projeto.OBJECTIVO 2: VENDAS Fazer com que 35% das pessoas entre 65 e 74 anos residentes em Portugal possuam um portátil VITEC.
Meta 3: Vender 32 mil computadores no período de fim de ano Acção 1: Promover cross selling do produto/serviço com telemóveis;Acção 2: Realizar acções promocionais em grandes centros comerciais, com sorteio de prémios no final do ano;Acção 3: Lançar a possibilidade do produto ser adquirido por familiares (débito do valor em conta de terceiros).OBJECTIVO 2: VENDAS Fazer com que 35% das pessoas entre 65 e 74 anos residentes em Portugal possuam um portátil VITEC.
Meta 4: Atingir média de comercialização de 9 mil unidades/mês no segundo ano.Acção 1: Realizar campanha institucional de manutençãoAcção 2: Realizar promoção para utilizadores indicarem o serviço a terceirosAcção 3: Promover eventos de demonstração com utilizadores activos do projectoOBJECTIVO 2: VENDAS Fazer com que 35% das pessoas entre 65 e 74 anos residentes em Portugal possuam um portátil VITEC.
OBJECTIVO 3: RENTABILIDADE Obter uma Margem de Contribuição Total Anual de 6 milhões de euros em 3 anos.Meta 1: Obter uma Receita Total de vendas na ordem de 90 milhões de Euros.Meta 2: Ajustar a estrutura de custos administrativos do projecto após o primeiro ano de implementação, mantendo o preço final ao consumidor.Acção 1: Reduzir o Custo Fixo do projecto em 15% a partir do segundo ano.Meta 3: Investir uma média de 510 mil Euros em acções de Marketing nos 3 primeiros anos do projecto.
OBJECTIVO 4: MARCA Tornar-se reconhecido em todo o país como um projecto de carácter social benéfico à população. Meta 1: Vender pelo menos um equipamento em cada cidade que disponha de banda larga móvel até um ano após o lançamento do projecto.Acção 1: Monitorizar mensalmente a cobertura geográfica das vendas;Acção 2: Realizar acções de activação em cidades com baixo potencial de compra durante o segundo trimestre de vendas.
OBJECTIVO 4: MARCA Tornar-se reconhecido em todo o país como um projeto de caráter social benéfico à população. Meta 2: Lançar paralelamente ao projeto uma fundação de interesse social para a promoção da inclusão digital de pessoas da melhor idade em Portugal.Ação 1: Convidar empresas associadas ao projeto para financiarem as primeiras atividades da fundação;Ação 2: Inaugurar 5 centros de inclusão digital da melhor idade nas principais cidades do país;Ação 3: Destinar verba de apoios e patrocínios a iniciativas sociais voltadas à terceira idade.
OBJECTIVO 4: MARCA Tornar-se reconhecido em todo o país como um projecto de carácter social benéfico à população. Meta 3: Publicar pesquisa de satisfação dos consumidores em veículos de imprensa do país um ano após o lançamento do projecto.Acção 1: Realizar pesquisa de satisfação com utilizadores activos da rede social VITEC 6 meses após a inscrição deles no serviço;Acção 2: Contratar serviço de assessoria de imprensa para os 2 primeiros anos do projecto.
OBJECTIVO 5: FUTURO Vender 100 mil equipamentos a pessoas com baixos rendimentos no segundo ano do projecto.Meta 1: Lançar programa de inclusão digital de idosos com baixos rendimentos através da fundaçãoMeta 2: Estabelecer protocolo com o Governo através da Caixa Geral de Aposentações para comparticipação de 50% do valor final do produto/serviço.
MIX DE MARKETING
MIX DE MARKETING:CANAL DE DISTRIBUIÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Plano de Marketing VITEC

Artigo revista APDC Estado da Nação Rui Franco RENTELECOM 20131113
Artigo revista APDC Estado da Nação Rui Franco RENTELECOM 20131113Artigo revista APDC Estado da Nação Rui Franco RENTELECOM 20131113
Artigo revista APDC Estado da Nação Rui Franco RENTELECOM 20131113
Rui Franco
 
Master Dissertation
Master DissertationMaster Dissertation
Master Dissertation
Nuno Matias
 
Estudo Economia Digital ACEPI-IDC-2012-2017
Estudo Economia Digital ACEPI-IDC-2012-2017Estudo Economia Digital ACEPI-IDC-2012-2017
Estudo Economia Digital ACEPI-IDC-2012-2017
Digital Sapienz - Marketing Digital (mente) Evoluído
 
Economia digital Telcos e OTT
Economia digital Telcos e OTTEconomia digital Telcos e OTT
Economia digital Telcos e OTT
RODRIGO ANDRES CUESTA HERNANDEZ
 
E business
E businessE business
E business
benedocci
 
Setor de telecomunicações
Setor de telecomunicaçõesSetor de telecomunicações
Setor de telecomunicações
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
1. o impacto socio economico da banda larga
1. o impacto socio economico da banda larga1. o impacto socio economico da banda larga
1. o impacto socio economico da banda larga
Flavia Nascimento
 
e-Commerce: Boas Praticas - Negocios Online
e-Commerce: Boas Praticas - Negocios Onlinee-Commerce: Boas Praticas - Negocios Online
e-Commerce: Boas Praticas - Negocios Online
Gerson Rolim
 
CASOS DE ÉXITO REGIONALES DE E-COMMERCE EN RETAIL Y COMERCIO MINORISTA: Las b...
CASOS DE ÉXITO REGIONALES DE E-COMMERCE EN RETAIL Y COMERCIO MINORISTA: Las b...CASOS DE ÉXITO REGIONALES DE E-COMMERCE EN RETAIL Y COMERCIO MINORISTA: Las b...
CASOS DE ÉXITO REGIONALES DE E-COMMERCE EN RETAIL Y COMERCIO MINORISTA: Las b...
Marcos Pueyrredon
 
Consulta Pública do Ministério das Comunicações
Consulta Pública do Ministério das ComunicaçõesConsulta Pública do Ministério das Comunicações
Consulta Pública do Ministério das Comunicações
Brasscom
 
Indicador Internet Nov 2010
Indicador Internet Nov 2010Indicador Internet Nov 2010
Indicador Internet Nov 2010
Daniel Winter
 
11 Dez Plenary 1 - Arminda Neves
11 Dez Plenary 1 - Arminda Neves11 Dez Plenary 1 - Arminda Neves
11 Dez Plenary 1 - Arminda Neves
PANF08
 
Customer Knowledge e o desafio da transformação digital no setor dos media
Customer Knowledge e o desafio da transformação digital no setor dos mediaCustomer Knowledge e o desafio da transformação digital no setor dos media
Customer Knowledge e o desafio da transformação digital no setor dos media
INDEG-ISCTE Executive Education
 
Plano de marketing BLM TMN
Plano de marketing BLM TMNPlano de marketing BLM TMN
Plano de marketing BLM TMN
João Nuno Calado
 
Posicionamento Brasscom: Fomento à prototipação de Internet das Coisas
Posicionamento Brasscom: Fomento à prototipação de Internet das Coisas Posicionamento Brasscom: Fomento à prototipação de Internet das Coisas
Posicionamento Brasscom: Fomento à prototipação de Internet das Coisas
Brasscom
 
Clipping Agosto 1
Clipping Agosto 1Clipping Agosto 1
Clipping Agosto 1
Ricardo Pastore
 
Estudo-da-Economia-Digital-em-Portugal-2020
Estudo-da-Economia-Digital-em-Portugal-2020Estudo-da-Economia-Digital-em-Portugal-2020
Estudo-da-Economia-Digital-em-Portugal-2020
Rute Rosário
 
Native Advertising - Fernando Taralli (VML Brasil)
Native Advertising - Fernando Taralli (VML Brasil)Native Advertising - Fernando Taralli (VML Brasil)
Native Advertising - Fernando Taralli (VML Brasil)
ANER - Associação Nacional de Editores de Revistas
 
Construindo a Sociedade Conectada
Construindo a Sociedade ConectadaConstruindo a Sociedade Conectada
Construindo a Sociedade Conectada
Ericsson Latin America
 
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Gabriel Coimbra
 

Semelhante a Plano de Marketing VITEC (20)

Artigo revista APDC Estado da Nação Rui Franco RENTELECOM 20131113
Artigo revista APDC Estado da Nação Rui Franco RENTELECOM 20131113Artigo revista APDC Estado da Nação Rui Franco RENTELECOM 20131113
Artigo revista APDC Estado da Nação Rui Franco RENTELECOM 20131113
 
Master Dissertation
Master DissertationMaster Dissertation
Master Dissertation
 
Estudo Economia Digital ACEPI-IDC-2012-2017
Estudo Economia Digital ACEPI-IDC-2012-2017Estudo Economia Digital ACEPI-IDC-2012-2017
Estudo Economia Digital ACEPI-IDC-2012-2017
 
Economia digital Telcos e OTT
Economia digital Telcos e OTTEconomia digital Telcos e OTT
Economia digital Telcos e OTT
 
E business
E businessE business
E business
 
Setor de telecomunicações
Setor de telecomunicaçõesSetor de telecomunicações
Setor de telecomunicações
 
1. o impacto socio economico da banda larga
1. o impacto socio economico da banda larga1. o impacto socio economico da banda larga
1. o impacto socio economico da banda larga
 
e-Commerce: Boas Praticas - Negocios Online
e-Commerce: Boas Praticas - Negocios Onlinee-Commerce: Boas Praticas - Negocios Online
e-Commerce: Boas Praticas - Negocios Online
 
CASOS DE ÉXITO REGIONALES DE E-COMMERCE EN RETAIL Y COMERCIO MINORISTA: Las b...
CASOS DE ÉXITO REGIONALES DE E-COMMERCE EN RETAIL Y COMERCIO MINORISTA: Las b...CASOS DE ÉXITO REGIONALES DE E-COMMERCE EN RETAIL Y COMERCIO MINORISTA: Las b...
CASOS DE ÉXITO REGIONALES DE E-COMMERCE EN RETAIL Y COMERCIO MINORISTA: Las b...
 
Consulta Pública do Ministério das Comunicações
Consulta Pública do Ministério das ComunicaçõesConsulta Pública do Ministério das Comunicações
Consulta Pública do Ministério das Comunicações
 
Indicador Internet Nov 2010
Indicador Internet Nov 2010Indicador Internet Nov 2010
Indicador Internet Nov 2010
 
11 Dez Plenary 1 - Arminda Neves
11 Dez Plenary 1 - Arminda Neves11 Dez Plenary 1 - Arminda Neves
11 Dez Plenary 1 - Arminda Neves
 
Customer Knowledge e o desafio da transformação digital no setor dos media
Customer Knowledge e o desafio da transformação digital no setor dos mediaCustomer Knowledge e o desafio da transformação digital no setor dos media
Customer Knowledge e o desafio da transformação digital no setor dos media
 
Plano de marketing BLM TMN
Plano de marketing BLM TMNPlano de marketing BLM TMN
Plano de marketing BLM TMN
 
Posicionamento Brasscom: Fomento à prototipação de Internet das Coisas
Posicionamento Brasscom: Fomento à prototipação de Internet das Coisas Posicionamento Brasscom: Fomento à prototipação de Internet das Coisas
Posicionamento Brasscom: Fomento à prototipação de Internet das Coisas
 
Clipping Agosto 1
Clipping Agosto 1Clipping Agosto 1
Clipping Agosto 1
 
Estudo-da-Economia-Digital-em-Portugal-2020
Estudo-da-Economia-Digital-em-Portugal-2020Estudo-da-Economia-Digital-em-Portugal-2020
Estudo-da-Economia-Digital-em-Portugal-2020
 
Native Advertising - Fernando Taralli (VML Brasil)
Native Advertising - Fernando Taralli (VML Brasil)Native Advertising - Fernando Taralli (VML Brasil)
Native Advertising - Fernando Taralli (VML Brasil)
 
Construindo a Sociedade Conectada
Construindo a Sociedade ConectadaConstruindo a Sociedade Conectada
Construindo a Sociedade Conectada
 
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
 

Mais de Fernando Holanda

Gabinete em Rede | André Lima (Desafio Jovens RAPS 2014)
Gabinete em Rede | André Lima (Desafio Jovens RAPS 2014)Gabinete em Rede | André Lima (Desafio Jovens RAPS 2014)
Gabinete em Rede | André Lima (Desafio Jovens RAPS 2014)
Fernando Holanda
 
Projeto Novos Horizontes
Projeto Novos HorizontesProjeto Novos Horizontes
Projeto Novos Horizontes
Fernando Holanda
 
2020 forecasT: the future of cities, information, and inclusion
2020 forecasT: the future of cities, information, and inclusion2020 forecasT: the future of cities, information, and inclusion
2020 forecasT: the future of cities, information, and inclusion
Fernando Holanda
 
Jornal do commercio cidades - notícias - “nunca mais pudemos ser o que nós ...
Jornal do commercio   cidades - notícias - “nunca mais pudemos ser o que nós ...Jornal do commercio   cidades - notícias - “nunca mais pudemos ser o que nós ...
Jornal do commercio cidades - notícias - “nunca mais pudemos ser o que nós ...
Fernando Holanda
 
Jornal do commercio cidades - notícias - à espera de uma justiça que tardou...
Jornal do commercio   cidades - notícias - à espera de uma justiça que tardou...Jornal do commercio   cidades - notícias - à espera de uma justiça que tardou...
Jornal do commercio cidades - notícias - à espera de uma justiça que tardou...
Fernando Holanda
 
Caso maristela just 1989
Caso maristela just 1989Caso maristela just 1989
Caso maristela just 1989
Fernando Holanda
 
Marketing Metrics
Marketing MetricsMarketing Metrics
Marketing Metrics
Fernando Holanda
 
Marketing Metrics
Marketing MetricsMarketing Metrics
Marketing Metrics
Fernando Holanda
 
Shopping rio mar
Shopping rio marShopping rio mar
Shopping rio mar
Fernando Holanda
 
Determinantes na satisfação de clientes em hotéis de cinco estrelas em Por...
Determinantes na satisfação de clientes em hotéis de cinco estrelas em Por...Determinantes na satisfação de clientes em hotéis de cinco estrelas em Por...
Determinantes na satisfação de clientes em hotéis de cinco estrelas em Por...
Fernando Holanda
 
Exercícios Árvores de Decisão
Exercícios Árvores de DecisãoExercícios Árvores de Decisão
Exercícios Árvores de Decisão
Fernando Holanda
 
2234865
22348652234865
Em questão 10001
Em questão 10001Em questão 10001
Em questão 10001
Fernando Holanda
 
O que é o ecossocialismo?
O que é o ecossocialismo?O que é o ecossocialismo?
O que é o ecossocialismo?
Fernando Holanda
 
Examples Of How Hotels Are Using Social Media A Guide For Getting Started
Examples Of How Hotels Are Using Social Media A Guide For Getting StartedExamples Of How Hotels Are Using Social Media A Guide For Getting Started
Examples Of How Hotels Are Using Social Media A Guide For Getting Started
Fernando Holanda
 
Síntese da Economia de Conjuntura de Portugal - Dez/09
Síntese da Economia de Conjuntura de Portugal - Dez/09Síntese da Economia de Conjuntura de Portugal - Dez/09
Síntese da Economia de Conjuntura de Portugal - Dez/09
Fernando Holanda
 

Mais de Fernando Holanda (20)

Gabinete em Rede | André Lima (Desafio Jovens RAPS 2014)
Gabinete em Rede | André Lima (Desafio Jovens RAPS 2014)Gabinete em Rede | André Lima (Desafio Jovens RAPS 2014)
Gabinete em Rede | André Lima (Desafio Jovens RAPS 2014)
 
Projeto Novos Horizontes
Projeto Novos HorizontesProjeto Novos Horizontes
Projeto Novos Horizontes
 
2020 forecasT: the future of cities, information, and inclusion
2020 forecasT: the future of cities, information, and inclusion2020 forecasT: the future of cities, information, and inclusion
2020 forecasT: the future of cities, information, and inclusion
 
310510
310510310510
310510
 
Jornal do commercio cidades - notícias - “nunca mais pudemos ser o que nós ...
Jornal do commercio   cidades - notícias - “nunca mais pudemos ser o que nós ...Jornal do commercio   cidades - notícias - “nunca mais pudemos ser o que nós ...
Jornal do commercio cidades - notícias - “nunca mais pudemos ser o que nós ...
 
Jornal do commercio cidades - notícias - à espera de uma justiça que tardou...
Jornal do commercio   cidades - notícias - à espera de uma justiça que tardou...Jornal do commercio   cidades - notícias - à espera de uma justiça que tardou...
Jornal do commercio cidades - notícias - à espera de uma justiça que tardou...
 
Caso maristela just 1989
Caso maristela just 1989Caso maristela just 1989
Caso maristela just 1989
 
Marketing dashboard
Marketing dashboardMarketing dashboard
Marketing dashboard
 
Marketing Metrics
Marketing MetricsMarketing Metrics
Marketing Metrics
 
Marketing Metrics
Marketing MetricsMarketing Metrics
Marketing Metrics
 
Shopping rio mar
Shopping rio marShopping rio mar
Shopping rio mar
 
Determinantes na satisfação de clientes em hotéis de cinco estrelas em Por...
Determinantes na satisfação de clientes em hotéis de cinco estrelas em Por...Determinantes na satisfação de clientes em hotéis de cinco estrelas em Por...
Determinantes na satisfação de clientes em hotéis de cinco estrelas em Por...
 
Exercícios Árvores de Decisão
Exercícios Árvores de DecisãoExercícios Árvores de Decisão
Exercícios Árvores de Decisão
 
World Leaders on Twitter
World Leaders on TwitterWorld Leaders on Twitter
World Leaders on Twitter
 
2234865
22348652234865
2234865
 
Em questão 10001
Em questão 10001Em questão 10001
Em questão 10001
 
O que é o ecossocialismo?
O que é o ecossocialismo?O que é o ecossocialismo?
O que é o ecossocialismo?
 
Examples Of How Hotels Are Using Social Media A Guide For Getting Started
Examples Of How Hotels Are Using Social Media A Guide For Getting StartedExamples Of How Hotels Are Using Social Media A Guide For Getting Started
Examples Of How Hotels Are Using Social Media A Guide For Getting Started
 
Application Economy
Application EconomyApplication Economy
Application Economy
 
Síntese da Economia de Conjuntura de Portugal - Dez/09
Síntese da Economia de Conjuntura de Portugal - Dez/09Síntese da Economia de Conjuntura de Portugal - Dez/09
Síntese da Economia de Conjuntura de Portugal - Dez/09
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 

Último (20)

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 

Plano de Marketing VITEC

  • 1. <>VITECA APROXIMAR PESSOAS QUE SE AMAMPLANO DE MARKETING 2011-2014
  • 2. <>VITECA APROXIMAR PESSOAS QUE SE AMAMFernando de HolandaJuliana AzevêdoLuís MonteiroSérgio OliveiraSérgio RibeiroPLANO DE MARKETING 2011-2014Faculdade de Economia UC | Mestrado em Marketing
  • 3. ApresentaçãoPremissasOperaçõesDiferenciaisDescrição do produtoEquipamentoConexãoServiços agregadosMissãoValoresMarket OverviewPúblico-alvoEconomia e ConsumoHighlightsAnálise SWOTAmbiente InternoAmbiente ExternoPressupostosObjectivos e EstratégiasPosicionamentoFactores CríticosMetas e AcçõesMix de MarketingDistribuiçãoPreçoComunicaçãoResultados e AlternativasProjecção de VendasPlano de ContingênciaOrçamentoImplementaçãoConclusõesPróximos passosSUMÁRIO
  • 5. O PROJECTO Iniciativa que visa promover a Inclusão Digital das pessoas da melhor idade através de um produto / serviço especialmente desenvolvido para elas;
  • 6. Baseado na comercialização de um computador portátil de fácil utilização e acesso instantâneo à Internet Banda Larga;
  • 7. Proposta de valor baseada na dinamização da Comunicação entre as famílias a partir da inserção das pessoas da melhor idade nos ambientes virtuais.PREMISSASFACILIDADE DE UTILIZAÇÃOEquipamento deve apresentar uma utilização simplificada, adequada às necessidades mais básicas do público-alvo. Opção por componentes adaptados e simplificados, que proporcionam, ao mesmo tempo, maior facilidade de uso e menores custos de produção.ACESSIBILIDADEDesmistifica o processo de compra e disponibiliza o produto/serviço a um preço competitivo, próximo dos netbooks. Canal de distribuição diferenciado elimina os intermediários e protege as margens de contribuição para cada membro do canal.
  • 8. COMPOSIÇÃO DO CANALEQUIPAMENTOFoco na gestão de marketing e I&DActua como intermediário comercialEQUIPAMENTO + INTERNET
  • 9. DIFERENCIAIS COMPETITIVOSDisponível numa única versão (equipamento e ligação);Dispensa apresentação técnica no acto da venda;Único canal de distribuição (vendas por telefone);Pagamento em 12 mensalidades fixas através da operadora de comunicação (contrato anual).
  • 11. DESCRIÇÃO DO PRODUTOHARDWAREBASEADO NO MODELO INTEL INSPIRON 15”WEB CAM COM MICROFONE OMNIDIRECIONALPROCESSAMENTO E MEMÓRIAProcessador Intel Celeron 900 (2.2 GHz, 1 MB L2 cache, 800 MHz FSB)
  • 12. Memória de 2 GB de SDRAM DDR2 dual-channel de 800 MHz.
  • 14. Bateria de 6 células com autonomia de 2 horas sem fio.ECRÃ LCD DE 15,6” TOUCH SCREENAPARÊNCIA RETROTECLAS DE ATALHOTECLA DE AJUDAALTIFALANTES EMBUTIDOS COM MAIOR POTÊNCIATECLADO RESUMIDOSUPRESSÃO DAS ENTRADASTAMANHO E PESO PADRÃO3,7 CM DE LARGURA E 2,7 kg
  • 15. DESCRIÇÃO DO PRODUTOSOFTWARESISTEMA OPERATIVOWindows 7 Starter (lowcost) preconfigurado com ícones e caracteres em grande formato.APLICATIVOS INCLUÍDOSProcessador de texto;Programa de correio electrónico;Programa de mensagens instantâneas;Navegador Web;Máquina de calcular;Jogos.
  • 16. DESCRIÇÃO DO PRODUTOO QUE UM VITEC NÃO TEMRATO TIPO TOUCHPAD
  • 22. ENTRADA DE CARTÕES DE MEMÓRIADESCRIÇÃO DO PRODUTOLIGAÇÃOSERVIÇOS AGREGADOSASSISTÊNCIA TÉCNICADisponível gratuitamente para defeitos de fabrico, durante um ano; para defeitos decorrentes de utilização, durante três meses;PORTAL DE SERVIÇOSPágina inicial do navegador Web que dispõe de notícias, prestação de serviços e informações aos utilizadores;REDE SOCIAL VITECAplicativo web de rede social restrito a utilizadores do projecto;HELP DESKCentro de atendimento ao utilizador acessível 24 horas por dia através do equipamento ou através do telefone.Placa Pen USB do géneroHuawei E1750 3,6 Mpbs pré-configurada no sistema operativo e com velocidade de 2 Mbps limitado a 2 Gb por mês (consumos extra serão taxados de acordo com a política de preços da operadora).
  • 24. MISSÃOOferecer um equipamento acessível e de fácil utilizaçãoà maioria das pessoas da melhor idade que vivem em Portugal, proporcionando-lhes uma maior facilidade no acesso a informações e serviços, bem como uma comunicação mais dinâmica e frequentecom as suas famílias.
  • 25. VALORESGerar lucro através da sua relevância social na sociedade portuguesa, a partir de preços competitivos, baixas margens de contribuição unitária e alto volume de vendas.1Comunicar uma proposta de valor suficientemente clara, acessível e que gere benefícios imediatos às pessoas da melhor idade.<>2VITECAlcançar um diferencial competitivo dinâmico e sintonizado com as necessidades do público-alvo.3
  • 27. MARKET OVERVIEW: PÚBLICO-ALVONos próximos 3 anos, Portugal deverá abrigar uma população de 2 milhões de pessoas com mais de 65 anos;
  • 28. Neste período, a expectativa de vida deverá chegar aos 85 anos de idade;
  • 29. Maior parcela está concentrada no intervalo entre 65 e 74 anos;
  • 30. Mais de 50% desta população possui um rendimento individual inferior a 1.500 euros mensais;
  • 31. Maior concentração na Região de Lisboa;
  • 32. Maiores índices de envelhecimento nas regiões com menores rendimentos.CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO Se o desempenho relativo da evolução da variação populacional registado na última década se mantiver, é possível que seja registado um decréscimo de até 30 mil pessoas nos próximos anos em Portugal.No segmento da melhor idade, Portugal deverá abrigar uma quantidade absoluta de residentes superior a 2 milhões de indivíduos.
  • 33. ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃOHá um crescimento do aumento da expectativa de vida das pessoas com mais de 65 anos em Portugal. A cada década, esta expectativa aumenta 2 anos, sendo possível estimar que até 2030 a expectativa média de vida em Portugal seja de 87 anos.O índice de envelhecimento em Portugal praticamente duplicou nos últimos 20 anos. Curiosamente, as regiões de menores rendimentos per capita são as que apresentam os maiores índices, chegando a 172% na região do Alentejo. A manutenção de preços baixos ao consumidor é condição básica para a sustentabilidade do projecto nos próximos 10 anos.
  • 34. POPULAÇÃO DA MELHOR IDADEEm Setembro de 2009, havia aproximadamente 1 milhão de pessoas com idade entre 65 e 75 anos, sendo 45% homens e 55% mulheres. A região que concentra o maior número de pessoas desta faixa etária é a região Norte. A primeira fase do projecto deverá considerar um universo total de aproximadamente 1 milhão de pessoas.
  • 35. RENDIMENTO LÍQUIDO DA MELHOR IDADEO rendimento líquido mensal das pessoas com mais de 65 anos em Portugal varia mais de 70% entre a Região do Alentejo e a de Lisboa (893 € e 1530 €, respectivamente). Aplicado a estes valores a percentagem média de despesas em comunicação e equipamentos electrónicos das famílias (10%), é possível estimar um gasto mensal médio com estes itens variando entre 90 € e 150 €. Disparidade de rendimentos dentro da faixa etária justifica adopção de um portfólio de produtos com perfis de preço diferentes.
  • 36. MARKET OVERVIEW: ECONOMIA E CONSUMOPortugal foi um dos países da UE mais afectados com a crise;
  • 38. Desde Dezembro de 2009 já há uma retoma do crescimento, com aumento do sentimento económico;
  • 39. 35% da Economia de Portugal gira em torno de Outros Serviços (indicador crescente);
  • 40. As famílias em Portugal gastam menos de 10% dos seus rendimentos em Bens Semiduráveis (móveis e equipamentos de casa) e Comunicações (TV Cabo, Telefone, Internet);
  • 41. Taxa de Penetração da Internet Banda Larga é de 40% no país;
  • 42. 80% das famílias possuem computador em casa.SENTIMENTO ECONÓMICOFonte: INE e Banco de Portugal(2009)Apesar da gravidade da situação, indicadores apontam para retoma do crescimento a partir do final de 2009, com índices de sentimento e actividade económica em alta.
  • 43. COMPOSIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICAA participação do sector de serviços, actividade historicamente predominante na economia portuguesa, tem vindo a ganhar uma maior participação ao longo da última década, com projecção de atingir 35% do VAB total até 2012.Fonte: INE (2009)
  • 44. COMPOSIÇÃO DOS GASTOS DAS FAMÍLIASOs gastos com comunicação e equipamentos electrónicos atingem menos de 10% do gasto anual das famílias de Portugal.
  • 45. USO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS FAMÍLIASFonte: INE (2009)80% da população de Portugal possui acesso à Internet em casa, sendo a região de Lisboa e do Algarve as que possuem os melhores índices. Da mesma forma, 84,5% das pessoas do país possuem telemóvel e 85,3% possuem computador em casa. No entanto, apenas 39% da população possui acesso à Internet banda larga.
  • 47. ANÁLISE SWOT: AMBIENTE EXTERNOOPORTUNIDADESAMEAÇASAumento do índice de envelhecimento da população em Portugal;Experiência dos grandes players de tecnologia; Ao longo dos anos, a tendência é que os idosos sejam mais propensos ao uso da tecnologia;  Pirataria e concorrência dos fabricantes chineses; É crescente o número de utilizadores de ligação de banda larga móvel à Internet; Instabilidade oriunda da crise económica; Não há um grande player de tecnologia a oferecer um equipamentos específico ao segmento-alvo; Desinteresse das operadoras de comunicação em participar no projecto; Não há empresas de tecnologia a actuar no canal de marketing desenhado; Não adaptação do público-alvo à proposta. Interesse do Estado na implementação de programas de Inclusão Digital;Carência afectiva característica das pessoas da melhor idade.
  • 48. ANÁLISE SWOT: AMBIENTE EXTERNOFACTORES-CHAVE PARA A RELAÇÃO COM O AMBIENTE EXTERNO:Observar constantemente a mudança dos perfis comportamentais das pessoas da melhor idade na União Europeia;Observar os lançamentos tecnológicos com o objectivo de avaliar a possibilidade de adequá-los ao nosso segmento-alvo;Ajustar o meio de ligação à Internet ao formato disponível no mercado com o melhor custo-benefício ao segmento;Estar atento à actuação da concorrência sob todos os aspectos do marketing mix;Manter relações institucionais estreitas com órgãos e agentes governamentais, bem como com parceiros comerciais.
  • 49. ANÁLISE SWOT: AMBIENTE INTERNOFORÇASFRAQUEZASFacilidade de utilização do equipamento;Core Business pautado em relações com terceiros Baixo preço e condição de pagamento em prestações; Fabrico dependente de terceiros; Canal de distribuição com poucos intermediários; Dependência das operadoras para viabilizar canal de marketing; Processo de compra simples, rápido e de baixo custo;Ausência de patentes sobre os principais aspectos inovadores do equipamento; Atractividade para as operadoras de comunicação;  Custo das licenças dos softwares. O universo de potenciais clientes é superior ao de potenciais consumidores.
  • 50. ANÁLISE DE SWOT: AMBIENTE INTERNOFACTORES-CHAVE PARA A RELAÇÃO COM O AMBIENTE INTERNO:Dar prioridade à distribuição do produto através de canais de marketing que proporcionem a viabilidade do preço competitivo;Manter relevância económica e boa relação institucional com cada um dos parceiros envolvidos no projecto;Comunicar de forma diferente com potenciais clientes e consumidores;Pautar o diferencial competitivo em aspectos não tecnológicos.
  • 52. PRESSUPOSTOS1O aspecto económico mais afectado com a crise internacional continuará a ser o índice de emprego, ficando a inflação e a taxa de juro ao crédito pessoal sem grandes alterações nos próximos dois anos.
  • 53. PRESSUPOSTOS2A tendência é que o índice de envelhecimento da população em Portugal se mantenha ou até aumente nos próximos dez anos.
  • 54. PRESSUPOSTOS3Cada vez mais, os recém-ingressados na melhor idade serão adeptos do uso da tecnologia, o que obrigará a mudanças anuais no projecto.
  • 55. PRESSUPOSTOS4A maioria das pessoas que adquirirem o produto não terão grandes dificuldades em utilizá-lo.
  • 56. PRESSUPOSTOS5Haverá interesse das operadoras de comunicação a actuar em Portugal em tornarem-se parceiras do projecto.
  • 58. POSICIONAMENTOPORTÁTIL ADEQUADO ÀS PESSOAS DA MELHOR IDADEFÁCIL DE USAR, SIMPLES DE COMPRAR<>VITECIDEAL PARA COMUNICAR COM A FAMÍLIA DE FORMA DINÂMICAUMA INICIATIVA SOCIAL
  • 61. OBJECTIVOS, METAS E ACÇÕESOBJECTIVO 1: Montar rede de parcerias para viabilizar o projecto num período de 2 anos.OBJECTIVO 2: Fazer com que 35% das pessoas entre 65 e 74 anos residentes em Portugal possuam um portátil VITEC até aos 3 anos após a implementação do projecto.OBJECTIVO 3: Obter um Lucro Ilíquido Total Anual de 6 milhões de euros em 3 anos.OBJECTIVO 4: Tornar-se reconhecido em todo o país como um projecto de carácter social benéfico à população.OBJECTIVO 5: Vender 100 mil equipamentos a pessoas com baixos rendimentos no segundo ano do projecto.
  • 62. OBJECTIVO 1: NEGÓCIO Montar rede de parcerias para viabilizar o projecto num período de 2 anos.Meta 1: Desenvolver o equipamento num período de 12 meses.Acção 1: Estabelecer um acordo com o Grupo de AdaptiveComputation do Centre for Informaticsand Systems da Universidade de Coimbra até Junho de 2010; Acção 2: Submeter o projecto de desenvolvimento do equipamento a concursos de fomento à investigação científica e desenvolvimento tecnológico do Governo;Acção 3: Estabelecer protocolo com a JP Sá Couto S.A. para o fabrico dos protótipos.
  • 63. Meta 2: Iniciar a comercialização do produto em Janeiro de 2012.Acção 1: Estabelecer parceria com a JP Sá Couto S.A. para o fabrico de 300 mil unidades do produto nos próximos 3 anos.Acção 2: Estabelecer parcerias com a TMN, Vodafone e Optimus para a venda do produto.Acção 3: Estabelecer contrato de parceria para compra de publicidade televisiva e realização de acções publicitárias entre as 6 instituições envolvidas no projecto.OBJECTIVO 1: NEGÓCIO Montar rede de parcerias para viabilizar o projecto num período de 2 anos.
  • 64. OBJECTIVO 2: VENDAS Fazer com que 35% das pessoas entre 65 e 74 anos residentes em Portugal possuam um portátil VITEC.Meta 1: Vender 20 mil computadores no trimestre de lançamento do produto. Acção 1: Realizar campanha de lançamento nos veículos de comunicação de massa;Acção 2: Oferecer condição comercial diferenciada para novos clientes durante o primeiro trimeste de vendas (primeira mensalidade grátis);Acção 3: Promover demonstrações do produto em locais de grande concentração de pessoas da melhor idade.
  • 65. Meta 2: Vender média de 3 mil computadores/mês nos dois trimestres seguintes.Acção 1: Promover activação dos pontos de venda das operadoras localizados nas 10 maiores cidades de Portugal;Acção 2: Inserir o produto/serviço nos multipacks de comunicação das operadoras;Acção 3: Estabelecer parceria com associações e clubes da melhor idade, oferecendo condição comercial diferenciada aos sócios (primeira mensalidade grátis) durante o primeiro ano do projeto.OBJECTIVO 2: VENDAS Fazer com que 35% das pessoas entre 65 e 74 anos residentes em Portugal possuam um portátil VITEC.
  • 66. Meta 3: Vender 32 mil computadores no período de fim de ano Acção 1: Promover cross selling do produto/serviço com telemóveis;Acção 2: Realizar acções promocionais em grandes centros comerciais, com sorteio de prémios no final do ano;Acção 3: Lançar a possibilidade do produto ser adquirido por familiares (débito do valor em conta de terceiros).OBJECTIVO 2: VENDAS Fazer com que 35% das pessoas entre 65 e 74 anos residentes em Portugal possuam um portátil VITEC.
  • 67. Meta 4: Atingir média de comercialização de 9 mil unidades/mês no segundo ano.Acção 1: Realizar campanha institucional de manutençãoAcção 2: Realizar promoção para utilizadores indicarem o serviço a terceirosAcção 3: Promover eventos de demonstração com utilizadores activos do projectoOBJECTIVO 2: VENDAS Fazer com que 35% das pessoas entre 65 e 74 anos residentes em Portugal possuam um portátil VITEC.
  • 68. OBJECTIVO 3: RENTABILIDADE Obter uma Margem de Contribuição Total Anual de 6 milhões de euros em 3 anos.Meta 1: Obter uma Receita Total de vendas na ordem de 90 milhões de Euros.Meta 2: Ajustar a estrutura de custos administrativos do projecto após o primeiro ano de implementação, mantendo o preço final ao consumidor.Acção 1: Reduzir o Custo Fixo do projecto em 15% a partir do segundo ano.Meta 3: Investir uma média de 510 mil Euros em acções de Marketing nos 3 primeiros anos do projecto.
  • 69. OBJECTIVO 4: MARCA Tornar-se reconhecido em todo o país como um projecto de carácter social benéfico à população. Meta 1: Vender pelo menos um equipamento em cada cidade que disponha de banda larga móvel até um ano após o lançamento do projecto.Acção 1: Monitorizar mensalmente a cobertura geográfica das vendas;Acção 2: Realizar acções de activação em cidades com baixo potencial de compra durante o segundo trimestre de vendas.
  • 70. OBJECTIVO 4: MARCA Tornar-se reconhecido em todo o país como um projeto de caráter social benéfico à população. Meta 2: Lançar paralelamente ao projeto uma fundação de interesse social para a promoção da inclusão digital de pessoas da melhor idade em Portugal.Ação 1: Convidar empresas associadas ao projeto para financiarem as primeiras atividades da fundação;Ação 2: Inaugurar 5 centros de inclusão digital da melhor idade nas principais cidades do país;Ação 3: Destinar verba de apoios e patrocínios a iniciativas sociais voltadas à terceira idade.
  • 71. OBJECTIVO 4: MARCA Tornar-se reconhecido em todo o país como um projecto de carácter social benéfico à população. Meta 3: Publicar pesquisa de satisfação dos consumidores em veículos de imprensa do país um ano após o lançamento do projecto.Acção 1: Realizar pesquisa de satisfação com utilizadores activos da rede social VITEC 6 meses após a inscrição deles no serviço;Acção 2: Contratar serviço de assessoria de imprensa para os 2 primeiros anos do projecto.
  • 72. OBJECTIVO 5: FUTURO Vender 100 mil equipamentos a pessoas com baixos rendimentos no segundo ano do projecto.Meta 1: Lançar programa de inclusão digital de idosos com baixos rendimentos através da fundaçãoMeta 2: Estabelecer protocolo com o Governo através da Caixa Geral de Aposentações para comparticipação de 50% do valor final do produto/serviço.
  • 74. MIX DE MARKETING:CANAL DE DISTRIBUIÇÃO
  • 76. MIX DE MARKETING: COMUNICAÇÃOOPERADORASGOVERNO / IMPRENSA
  • 77. MIX DE MARKETING: COMUNICAÇÃO FASE 1MIX DE MEDIA
  • 78. MIX DE MARKETING: COMUNICAÇÃO FASE 2MIX DE MEDIA
  • 79. MIX DE MARKETING: INVESTIMENTO EM COMUNICAÇÃOCAMPANHA DE LANÇAMENTOENCERRAMENTO VENDAS GOVERNO
  • 80. RESULTADOS ESPERADOS E PLANOS ALTERNATIVOS
  • 89. CONCLUSÕESA viabilidade do negócio está fundamentada no alto potencial de vendas a partir de um baixo volume de investimento;O equipamento possui alto potencial de despertar o interesse das operadoras de comunicação, por porpocionar uma oportunidade real de aumento da base de consumidores do serviço de acesso à Internet Banda Larga Móvel;A partir do lançamento comercial do VITEC, é necessário concentrar os esforços na monitorização da utilização correcta do equipamento por parte dos primeiro utilizadores, visto que é a partir deles que teremos subsídio para a expansão.
  • 90. A percentagem do Retorno Sobre o Investimento é significativamente mais elevada que a da Margem de Contribuição Total, uma vez que, nas etapas comerciais da fase 1, a função do projecto VITEC é a de intermediário entre o fabricante e a operadora parceira;O redesenho da distribuição da fase 2 do projecto protege os ganhos dos membros do canal, minimizando os possíveis focos de conflito;O período de aplicação do plano garante uma protecção à sazonalidade mensal de vendas;A Fundação VITEC é um ponto chave para a sustentabilidade do produto;A parceria institucional com o Governo é um factor crítico para a expansão e garantia do futuro do projecto.CONCLUSÕES
  • 91. PRÓXIMOS PASSOSDesenvolver as metas e acções específicas para o cumprimento do Objetivo 5 nos dois anos subsequentes à implementação do projecto;Consolidar actividades da Fundação VITEC para apoio institucional ao negócio e reforço das relações institucionais com o poder público;Avaliar a expansão do projecto para mercados com características semelhantes ao português;Desenvolver equipamento de segunda geração, com mais funcionalidades, adequado a utilizadores que aderiram bem ao projecto e já evoluíram na curva de aprendizagem no uso do computador;Abrir o capital do projecto VITEC no mercado de acções para obter alavancagem financeira. Será necessária uma maior estruturação do negócio para a expansão do portfolio e dos mercados-alvo.