SlideShare uma empresa Scribd logo
Tarefa 2 (1ª parte) Análise Crítica ao Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares O presente Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares, enquanto instrumento pedagógico e regulador e de melhoria contínua do trabalho da BE, vai permitir ao PB e equipa envolvida e aos órgãos directivos proceder a uma avaliação do trabalho da biblioteca escolar bem como orientar esse mesmo trabalho da BE, definindo factores críticos de sucesso e identificando pontos fracos e fortes. A avaliação constitui um processo e não um fim em si mesmo, completando-se o seu ciclo ao fim de quatro anos.  Surge esse modelo num contexto global de mudança, no qual as bibliotecas escolares devem evoluir, e em que são exigidos novos contextos e conceitos de aprendizagem, como por exemplo o aluno ser encarado como actor activo, como construtor do próprio conhecimento, numa perspectiva construtivista da realização das suas aprendizagens, também, como exemplo, a introdução das TIC obrigarem ao desenvolvimento de novas literacias e ao domínio de novos ambientes digitais.   Com este novo modelo de auto-avaliação há necessidade de proceder à  recolha de evidências sobre o impacto que a biblioteca escolar tem na escola, como centro de formação, informação e de lazer, em medir esse impacto que se requer  qualitativo. Segundo Ross Todd, que cause um impacto positivo no processo de ensino - aprendizagem e no sucesso educativo dos alunos.   Este modelo exerce um papel determinante, no sentido em que vai permitir dotar as bibliotecas escolares de um quadro de referência/ instrumento que lhes garanta a melhoria contínua da prestação de serviços e da qualidade da biblioteca escolar, através de uma auto-avaliação sistemática, que se traduz no desenvolvimento de práticas sistemáticas de recolha de evidências, associadas ao trabalho do dia-a-dia. Há que ter em conta que a realidade das escolas é diferente e ter em atenção as especificidades de cada uma.  O referido modelo  surge organizado sob quatro domínios, quatro áreas de funcionamento da BE,  entendidas como  fundamentais ao desenvolvimento e qualidade das BE. Como tal, considera-se que a biblioteca escolar deve ser um espaço apetrechado de múltiplos recursos e equipamentos, entendida como um espaço de aprendizagem, intrinsecamente relacionado com o processo de ensino-aprendizagem,  de acordo com os objectivos educacionais e programáticos da escola; com a leitura, desenvolvendo-se as competências de leitura; e demais literacias, através de um programa de Literacia da Informação.   A qualidade da colecção, disponibilizando-se um conjunto de recursos de informação em diferentes suportes que sejam adequados às necessidades dos utilizadores e as condições de acesso à BE, que permitam o desenvolvimento do trabalho individual e de grupo, a afectação de um professor bibliotecário, visto como um líder forte, um estratega, responsável qualificado que tenha a capacidade de fazer articular o trabalho com as diversas estruturas da escola e que promova estratégias de gestão e integração da BE na escola e no desenvolvimento curricular constituem áreas-chave integradoras daqueles domínios de funcionamento da BE.  Em suma, o envolvimento de uma equipa motivada e interventiva, cujo trabalho esteja de acordo com a missão e objectivos da escola na construção dos saberes e a BE ser encarada como o núcleo central coadjuvante das aprendizagens parece-me por demais importante.   Helena Caroça
Sessao3parte1

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3ªsessão abilio
3ªsessão abilio3ªsessão abilio
3ªsessão abilio
abiliomarquespires
 
MABE
MABEMABE
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
Be Moinho Das Leituras
 
2ª Tarefa
2ª Tarefa2ª Tarefa
2ª Tarefa
Julita Silva
 
Workshop formativo de apresentação do modelo
Workshop formativo de apresentação do modeloWorkshop formativo de apresentação do modelo
Workshop formativo de apresentação do modelo
isabelsilvareis
 
A
AA
A biblioteca escolar
A biblioteca escolarA biblioteca escolar
A biblioteca escolar
mariocaldeira
 
Modelo Autoavaliação das Bibliotecas Escolares - Síntese
Modelo Autoavaliação das  Bibliotecas Escolares - SínteseModelo Autoavaliação das  Bibliotecas Escolares - Síntese
Modelo Autoavaliação das Bibliotecas Escolares - Síntese
florafialho
 
O Modelo De Auto Avaliação No Contexto Do Agrupamento Pedro Moura
O Modelo De Auto Avaliação No Contexto Do Agrupamento   Pedro MouraO Modelo De Auto Avaliação No Contexto Do Agrupamento   Pedro Moura
O Modelo De Auto Avaliação No Contexto Do Agrupamento Pedro Moura
Pedro Moura
 
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessãoAnalise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
anabelavalentim
 
Comentario Crítico
Comentario CríticoComentario Crítico
Comentario Crítico
guest1d174ffe
 
MAFSessao3tarefa2parte1
MAFSessao3tarefa2parte1MAFSessao3tarefa2parte1
MAFSessao3tarefa2parte1
ameliafig
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
guest7716cf
 
3º Tarefa 2
3º   Tarefa 23º   Tarefa 2
3º Tarefa 2
Ana Arminda Moreira
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Be
Analise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo BeAnalise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Be
Analise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Be
Cristina Felício
 
MAABE - BE 2009
MAABE - BE 2009MAABE - BE 2009
MAABE - BE 2009
bibliotecaesla
 

Mais procurados (16)

3ªsessão abilio
3ªsessão abilio3ªsessão abilio
3ªsessão abilio
 
MABE
MABEMABE
MABE
 
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
 
2ª Tarefa
2ª Tarefa2ª Tarefa
2ª Tarefa
 
Workshop formativo de apresentação do modelo
Workshop formativo de apresentação do modeloWorkshop formativo de apresentação do modelo
Workshop formativo de apresentação do modelo
 
A
AA
A
 
A biblioteca escolar
A biblioteca escolarA biblioteca escolar
A biblioteca escolar
 
Modelo Autoavaliação das Bibliotecas Escolares - Síntese
Modelo Autoavaliação das  Bibliotecas Escolares - SínteseModelo Autoavaliação das  Bibliotecas Escolares - Síntese
Modelo Autoavaliação das Bibliotecas Escolares - Síntese
 
O Modelo De Auto Avaliação No Contexto Do Agrupamento Pedro Moura
O Modelo De Auto Avaliação No Contexto Do Agrupamento   Pedro MouraO Modelo De Auto Avaliação No Contexto Do Agrupamento   Pedro Moura
O Modelo De Auto Avaliação No Contexto Do Agrupamento Pedro Moura
 
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessãoAnalise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
 
Comentario Crítico
Comentario CríticoComentario Crítico
Comentario Crítico
 
MAFSessao3tarefa2parte1
MAFSessao3tarefa2parte1MAFSessao3tarefa2parte1
MAFSessao3tarefa2parte1
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
3º Tarefa 2
3º   Tarefa 23º   Tarefa 2
3º Tarefa 2
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Be
Analise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo BeAnalise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Be
Analise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Be
 
MAABE - BE 2009
MAABE - BE 2009MAABE - BE 2009
MAABE - BE 2009
 

Destaque

Acf422 fasa4 plot papan cerita slaid js
Acf422 fasa4 plot papan cerita slaid jsAcf422 fasa4 plot papan cerita slaid js
Acf422 fasa4 plot papan cerita slaid js
dramajalansempit
 
Blogger
BloggerBlogger
Acf422 fasa1 induksi slaid js
Acf422 fasa1 induksi slaid jsAcf422 fasa1 induksi slaid js
Acf422 fasa1 induksi slaid jsdramajalansempit
 
Media evalution main task done
Media evalution main task doneMedia evalution main task done
Media evalution main task done
chrisd24
 
T8-YMG
T8-YMGT8-YMG
T8-YMG
janet251099
 

Destaque (6)

Gloria2
Gloria2Gloria2
Gloria2
 
Acf422 fasa4 plot papan cerita slaid js
Acf422 fasa4 plot papan cerita slaid jsAcf422 fasa4 plot papan cerita slaid js
Acf422 fasa4 plot papan cerita slaid js
 
Blogger
BloggerBlogger
Blogger
 
Acf422 fasa1 induksi slaid js
Acf422 fasa1 induksi slaid jsAcf422 fasa1 induksi slaid js
Acf422 fasa1 induksi slaid js
 
Media evalution main task done
Media evalution main task doneMedia evalution main task done
Media evalution main task done
 
T8-YMG
T8-YMGT8-YMG
T8-YMG
 

Semelhante a Sessao3parte1

Trabalho análise crítica tarefa 2
Trabalho análise crítica  tarefa 2Trabalho análise crítica  tarefa 2
Trabalho análise crítica tarefa 2
mariasalgueiro
 
2ªTarefa 1ªParte
2ªTarefa 1ªParte2ªTarefa 1ªParte
2ªTarefa 1ªParte
isabelsousaalves
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Gloria Lopes
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
candidamatos
 
Analise Critica Mavbe
Analise Critica MavbeAnalise Critica Mavbe
Analise Critica Mavbe
Antonio Tavares
 
Proposta de Workshop (MAABE)
Proposta de Workshop (MAABE)Proposta de Workshop (MAABE)
Proposta de Workshop (MAABE)
Suzana Marquês
 
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
A implementação do Modelo de Autovaliação
A implementação do Modelo de AutovaliaçãoA implementação do Modelo de Autovaliação
A implementação do Modelo de Autovaliação
Teresa Gonçalves
 
AnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica SusanaAnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica Susana
Susana Martins
 
Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]
Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]
Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]
nelidavbn
 
Auto AvaliaçãO Power Point
Auto AvaliaçãO  Power PointAuto AvaliaçãO  Power Point
Auto AvaliaçãO Power Point
speeds
 
Auto AvaliaçãO Power Point
Auto AvaliaçãO  Power PointAuto AvaliaçãO  Power Point
Auto AvaliaçãO Power Point
speeds
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
anamariabpalma
 
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2   Analise Critica Mod Auto AvTarefa 2   Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
aevisobibliovis
 
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novoMabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
candidamatos
 
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novoMabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
candidamatos
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
candidaribeiro
 
Ana Silva 2ª Tarefa
Ana Silva 2ª TarefaAna Silva 2ª Tarefa
Ana Silva 2ª Tarefa
anabraga
 
Tarefa 2 análise critica ao modelo de auto avaliação das bibliotecas escol...
Tarefa 2  análise critica ao modelo de auto   avaliação das bibliotecas escol...Tarefa 2  análise critica ao modelo de auto   avaliação das bibliotecas escol...
Tarefa 2 análise critica ao modelo de auto avaliação das bibliotecas escol...
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 NovS2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
biblioteclar
 

Semelhante a Sessao3parte1 (20)

Trabalho análise crítica tarefa 2
Trabalho análise crítica  tarefa 2Trabalho análise crítica  tarefa 2
Trabalho análise crítica tarefa 2
 
2ªTarefa 1ªParte
2ªTarefa 1ªParte2ªTarefa 1ªParte
2ªTarefa 1ªParte
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
Analise Critica Mavbe
Analise Critica MavbeAnalise Critica Mavbe
Analise Critica Mavbe
 
Proposta de Workshop (MAABE)
Proposta de Workshop (MAABE)Proposta de Workshop (MAABE)
Proposta de Workshop (MAABE)
 
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
 
A implementação do Modelo de Autovaliação
A implementação do Modelo de AutovaliaçãoA implementação do Modelo de Autovaliação
A implementação do Modelo de Autovaliação
 
AnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica SusanaAnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica Susana
 
Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]
Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]
Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]
 
Auto AvaliaçãO Power Point
Auto AvaliaçãO  Power PointAuto AvaliaçãO  Power Point
Auto AvaliaçãO Power Point
 
Auto AvaliaçãO Power Point
Auto AvaliaçãO  Power PointAuto AvaliaçãO  Power Point
Auto AvaliaçãO Power Point
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2   Analise Critica Mod Auto AvTarefa 2   Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
 
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novoMabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
 
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novoMabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
 
Ana Silva 2ª Tarefa
Ana Silva 2ª TarefaAna Silva 2ª Tarefa
Ana Silva 2ª Tarefa
 
Tarefa 2 análise critica ao modelo de auto avaliação das bibliotecas escol...
Tarefa 2  análise critica ao modelo de auto   avaliação das bibliotecas escol...Tarefa 2  análise critica ao modelo de auto   avaliação das bibliotecas escol...
Tarefa 2 análise critica ao modelo de auto avaliação das bibliotecas escol...
 
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 NovS2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
 

Mais de lenacaroca

Sessao5parte1
Sessao5parte1Sessao5parte1
Sessao5parte1
lenacaroca
 
Sessao8parte1
Sessao8parte1Sessao8parte1
Sessao8parte1
lenacaroca
 
Sessao7parte1
Sessao7parte1Sessao7parte1
Sessao7parte1
lenacaroca
 
Sessao7parte2
Sessao7parte2Sessao7parte2
Sessao7parte2
lenacaroca
 
Sessao6parte2
Sessao6parte2Sessao6parte2
Sessao6parte2
lenacaroca
 
Sessao8parte2
Sessao8parte2Sessao8parte2
Sessao8parte2
lenacaroca
 
Sessao6parte1
Sessao6parte1Sessao6parte1
Sessao6parte1
lenacaroca
 
Sessao4parte1
Sessao4parte1Sessao4parte1
Sessao4parte1
lenacaroca
 
Sessao2parte1
Sessao2parte1Sessao2parte1
Sessao2parte1
lenacaroca
 

Mais de lenacaroca (9)

Sessao5parte1
Sessao5parte1Sessao5parte1
Sessao5parte1
 
Sessao8parte1
Sessao8parte1Sessao8parte1
Sessao8parte1
 
Sessao7parte1
Sessao7parte1Sessao7parte1
Sessao7parte1
 
Sessao7parte2
Sessao7parte2Sessao7parte2
Sessao7parte2
 
Sessao6parte2
Sessao6parte2Sessao6parte2
Sessao6parte2
 
Sessao8parte2
Sessao8parte2Sessao8parte2
Sessao8parte2
 
Sessao6parte1
Sessao6parte1Sessao6parte1
Sessao6parte1
 
Sessao4parte1
Sessao4parte1Sessao4parte1
Sessao4parte1
 
Sessao2parte1
Sessao2parte1Sessao2parte1
Sessao2parte1
 

Sessao3parte1

  • 1. Tarefa 2 (1ª parte) Análise Crítica ao Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares O presente Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares, enquanto instrumento pedagógico e regulador e de melhoria contínua do trabalho da BE, vai permitir ao PB e equipa envolvida e aos órgãos directivos proceder a uma avaliação do trabalho da biblioteca escolar bem como orientar esse mesmo trabalho da BE, definindo factores críticos de sucesso e identificando pontos fracos e fortes. A avaliação constitui um processo e não um fim em si mesmo, completando-se o seu ciclo ao fim de quatro anos. Surge esse modelo num contexto global de mudança, no qual as bibliotecas escolares devem evoluir, e em que são exigidos novos contextos e conceitos de aprendizagem, como por exemplo o aluno ser encarado como actor activo, como construtor do próprio conhecimento, numa perspectiva construtivista da realização das suas aprendizagens, também, como exemplo, a introdução das TIC obrigarem ao desenvolvimento de novas literacias e ao domínio de novos ambientes digitais. Com este novo modelo de auto-avaliação há necessidade de proceder à recolha de evidências sobre o impacto que a biblioteca escolar tem na escola, como centro de formação, informação e de lazer, em medir esse impacto que se requer qualitativo. Segundo Ross Todd, que cause um impacto positivo no processo de ensino - aprendizagem e no sucesso educativo dos alunos. Este modelo exerce um papel determinante, no sentido em que vai permitir dotar as bibliotecas escolares de um quadro de referência/ instrumento que lhes garanta a melhoria contínua da prestação de serviços e da qualidade da biblioteca escolar, através de uma auto-avaliação sistemática, que se traduz no desenvolvimento de práticas sistemáticas de recolha de evidências, associadas ao trabalho do dia-a-dia. Há que ter em conta que a realidade das escolas é diferente e ter em atenção as especificidades de cada uma. O referido modelo surge organizado sob quatro domínios, quatro áreas de funcionamento da BE, entendidas como fundamentais ao desenvolvimento e qualidade das BE. Como tal, considera-se que a biblioteca escolar deve ser um espaço apetrechado de múltiplos recursos e equipamentos, entendida como um espaço de aprendizagem, intrinsecamente relacionado com o processo de ensino-aprendizagem, de acordo com os objectivos educacionais e programáticos da escola; com a leitura, desenvolvendo-se as competências de leitura; e demais literacias, através de um programa de Literacia da Informação. A qualidade da colecção, disponibilizando-se um conjunto de recursos de informação em diferentes suportes que sejam adequados às necessidades dos utilizadores e as condições de acesso à BE, que permitam o desenvolvimento do trabalho individual e de grupo, a afectação de um professor bibliotecário, visto como um líder forte, um estratega, responsável qualificado que tenha a capacidade de fazer articular o trabalho com as diversas estruturas da escola e que promova estratégias de gestão e integração da BE na escola e no desenvolvimento curricular constituem áreas-chave integradoras daqueles domínios de funcionamento da BE. Em suma, o envolvimento de uma equipa motivada e interventiva, cujo trabalho esteja de acordo com a missão e objectivos da escola na construção dos saberes e a BE ser encarada como o núcleo central coadjuvante das aprendizagens parece-me por demais importante. Helena Caroça