SlideShare uma empresa Scribd logo
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
das
Bibliotecas Escolares
 Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as
bibliotecas escolares.
Em plena Sociedade da Informação, em que nos deparamos com
novos ambientes e conceitos de aprendizagem, decorrentes das mudanças
que a revolução das TIC vieram trazer à sociedade, à economia e ao
desenvolvimento pessoal, torna-se pertinente a afirmação do papel das
bibliotecas (que, mais do que disponibilizar recursos e serviços tem que
promover a transformação da informação em conhecimento) e a sua
validação através de uma avaliação centrada essencialmente no seu
impacto qualitativo, isto é, na aferição/medição da eficácia – os resultados,
“o valor que eles acrescentam nas atitudes e nas competências dos
utilizadores”. A acção da BE deve, pois, basear-se numa orientação
estratégica (o que se faz, como se faz, porque se faz, o que se pretende
alcançar) de modo a evidenciar o seu impacto e valor.
 O Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria de
melhoria. Conceitos implicados.
A necessidade de enquadrar as Bibliotecas Escolares no actual
contexto de mudança levou à construção de um modelo de auto-avaliação
capaz de potenciar o seu desenvolvimento, constituindo-se como instrumento
pedagógico e de melhoria contínua com impacto no funcionamento da
escola e nas aprendizagens dos alunos.
As perspectivas subjacentes à construção do modelo são a do
conceito de Biblioteca Escolar e a do desenvolvimento organizacional.
Enquanto a primeira tem a ver com os princípios orientadores da missão da BE
(definidos nos manifestos do IFLA, UNESCO e na declaração do IASL), que
põem a tónica no contributo da BE para as aprendizagens dos alunos, para o
1
sucesso educativo e para a promoção da aprendizagem ao longo da vida, a
segunda enfatiza a prestação de serviços e a sua qualidade.
Os conceitos primordiais que enformam o documento reforçam
essencialmente o seu valor pedagógico e formativo e justificam de forma
clara a necessidade de se proceder a uma avaliação do trabalho que tem
vindo a ser desenvolvido, ao mesmo tempo que apontam para novas pistas
de actuação e valorização da BE:
- a BE deve ser capaz de produzir resultados que contribuam
efectivamente para atingir os objectivos definidos no Projecto Educativo da
escola;
- a auto-avaliação surge como um processo pedagógico e regulador;
- a identificação das áreas nucleares do trabalho com a BE são
determinantes para o ensino/aprendizagem;
- a avaliação deve ser entendida como um processo gerador de
mudanças e não um fim em si mesmo;
- o modelo pretende ser um instrumento pedagógico e orientador;
- a auto-avaliação deve contribuir essencialmente, a partir da
identificação clara dos pontos fortes e fracos, para a elaboração de novos
planos de desenvolvimento. Para isso são necessárias práticas sistemáticas de
recolha de evidências e práticas de pesquisa/acção que ponham a tónica
nos impactos e nas mais-valias que acrescentam às aprendizagens e à escola,
marcando assim a diferença.
 Organização estrutural e funcional.
O modelo criado para avaliação das Bibliotecas Escolares constitui-se
assim como um quadro de referência e um instrumento orientador da sua
transformação em organizações direccionadas para a melhoria da qualidade.
Está organizado em quatro domínios tendo sido definidos os indicadores
para cada um deles. Estes concretizam-se em factores críticos de sucesso, que
operacionalizam o respectivo indicador. Para cada indicador são apontados
possíveis instrumentos de recolha de evidências e também exemplos de
acções para a melhoria. A avaliação realizada articula-se com os perfis de
desempenho que caracterizam o que se espera da BE.
2
Esta organização estrutural e funcional tem a enorme vantagem de se
constituir como instrumento orientador informativo e formativo, facilitando a
perspectivação de acções a desenvolver, considero porém que as
percentagens referidas nos perfis de desempenho estão um pouco
desajustadas à realidade portuguesa, em que os níveis de leitura e literacia
dos nossos alunos são ainda muito baixos. Não poderei deixar de referir
também a minha preocupação relativamente ao tempo que é necessário
para pôr em prática as acções sugeridas nos factores críticos de sucesso,
tendo como objectivo a sua aplicação a toda a escola.
Naquilo que à recolha de evidências diz respeito, podemos deparar-nos
também com alguns constrangimentos derivados, por exemplo, da
receptividade dos docentes aos questionários que lhes são feitos, da
incompreensão em relação à análise de actas e planificações, sobretudo
neste momento tão problemático como o que se está a viver, com a
implementação da avaliação do desempenho. Quanto às grelhas de
observação, aplicadas ao mesmo grupo de alunos, coloca-se o problema da
necessidade de um contacto regular com esses alunos, para melhor os
conhecer, ou então só as poderemos preencher com a colaboração dos
docentes (por exemplo para a grelha proposta no domínio B).
 Integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar.
Oportunidades e constrangimentos.
A avaliação do desempenho não depende só da acção isolada da BE,
envolve/implica também os docentes e a direcção da escola.
Os domínios em que se vai centrar a avaliação da BE são referidos em
vários estudos internacionais como cruciais ao desenvolvimento e qualidade
das BEs, enquanto espaços formativos e de aprendizagem, intrinsecamente
relacionados com a escola, com o processo de ensino/aprendizagem, com a
leitura e com as diferentes literacias. Neste contexto, a BE tem que,
forçosamente, estar integrada nos objectivos educacionais e programáticos
da escola, nos documentos reguladores e orientadores da sua actividade e
articular com toda a comunidade educativa na planificação e
desenvolvimento de actividades educativas e de aprendizagem.
3
Consequentemente a avaliação da biblioteca deve estar incorporada no
processo de avaliação da própria escola, devendo ser vista como um
processo participativo e por isso ser conhecida e divulgada. Se o contributo da
biblioteca no apoio ao ensino aprendizagem for reconhecido, a sua
avaliação será vista como parte integrante da auto-avaliação da escola.
Mobilizar toda a escola para o processo de auto-avaliação da BE é pois
de crucial importância, será talvez o desafio maior que se coloca aos
professores bibliotecários, não só devido à pouca abertura dos docentes ao
trabalho colaborativo, como também à falta de tempo para planificações
conjuntas originada pela sobrecarga de trabalho que lhes é actualmente
exigido; neste momento, a tudo isto, há ainda a somar o modelo de avaliação
dos professores que tanta contestação tem gerado.
“O modelo indica o caminho, a metodologia, a operacionalização. A
obtenção da melhoria contínua da qualidade exige que a organização esteja
preparada para a aprendizagem contínua. Pressupõe a motivação individual
dos seus membros e a liderança forte do professor coordenador, que tem de
mobilizar a escola para a necessidade e implementação do processo
avaliativo.” (Texto da sessão, p.7)
 Gestão das mudanças que a sua aplicação impõe. Níveis de
participação da e na escola.
Segundo as palavras de Mike Einsenberg, o professor bibliotecário
deverá aliar-se aos restantes professores para solucionarem as necessidades
de informação dos alunos, articulando conteúdos curriculares, educativos e os
recursos impressos, não impressos e electrónicos existentes na BE.
O professor bibliotecário deve ser um professor especialista em literacia
da informação e um parceiro dos outros professores. Enquanto professor,
colabora com os alunos e outros utilizadores analisando a aprendizagem e as
necessidades de informação, localizando a disponibilizando recursos que
satisfaçam essas necessidades e comunicando a informação e que os
recursos fornecem.
No ponto de vista de Eisenberg (2002) e do texto da sessão (pág.8), o
4
professor bibliotecário deve evidenciar as seguintes competências:
a) Ser um comunicador efectivo no seio da instituição;
b) Ser proactivo;
c) Saber exercer influência junto de professores e do órgão
directivo;
d) Ser útil, relevante e considerado pelos outros membros da
comunidade educativa;
e) Ser observador e investigativo;
f) Ser capaz de ver o todo - “the big picture”;
g) Saber estabelecer prioridades;
h) Realizar uma abordagem construtiva aos problemas e à
realidade;
i) Ser gestor de serviços de aprendizagem no seio da escola;
j) Saber gerir recursos no sentido lato do termo;
k) Ser promotor dos serviços e dos recursos;
l) Ser tutor, professor e um avaliador de recursos, com o objectivo
de apoiar e contribuir para as aprendizagens;
m) Saber gerir e avaliar de acordo com a missão e objectivos da
escola.
n) Saber trabalhar com departamentos e colegas.
O professor bibliotecário deverá ter uma capacidade de liderança
associada a uma visão de gestão estratégica determinantes para o sucesso
da implementação de um processo de avaliação. Assim sendo o professor
bibliotecário deverá orientar estrategicamente articulando a sua gestão com
as prioridades e objectivos da escola; promover uma cultura de avaliação e
comunicar continuamente com a comunidade educativa. Ao professor
bibliotecário “Cabe-lhe como Todd (2001) refere, transformar a biblioteca
escolar em “espaço de conhecimento, por oposição a um espaço de
informação”.
No entanto é de recordar que a auto-avaliação da biblioteca “não é
um fim em si mesma. É um processo de melhoria que deve facultar
informação de qualidade capaz de apoiar a tomada de decisão.” (Texto da
sessão, pág.9).
A aplicação do modelo de avaliação depende, de acordo com o que
5
atrás foi dito, em grande parte da liderança do professor bibliotecário. Este
deverá evidenciar uma série de competências que lhe permitam delinear um
programa que assegure a visão e o programa da Biblioteca Escolar (ensino da
literacia da informação, promoção da leitura, gestão da informação,
integração dos skills da informação e das tecnologias no currículo escolar).
Deverá pensar estrategicamente, tomar decisões, gerir e planear
estrategicamente, em consonância com as prioridades da escola, promover
uma cultura de avaliação, comunicar continuamente com os órgãos de
gestão, os professores, difundir os dados obtidos, sucessos e insucessos, gerir a
mudança necessária à superação dos problemas detectados…
Discordo de Mike Eisenberg uma vez que não se me afigura tão simples a
opinião de apesar de o professor bibliotecário ter vindo a beneficiar de
formação adequada e ter procurado auto-formar-se continuamente, ser
capaz de dar cumprimento a tudo o que lhe é exigido, sem o apoio de uma
equipa forte e com horas suficientes para, por exemplo, ajudar a implementar
devidamente o modelo de auto-avaliação proposto.
TAREFA
 Faça uma análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas
Escolares, tendo em conta os seguintes aspectos:
- Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as
bibliotecas escolares.
- O Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria de
melhoria. Conceitos implicados.
- Organização estrutural e funcional.
- Integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar.
Oportunidades e constrangimentos.
- Gestão das mudanças que a sua aplicação impõe. Níveis de
participação da e na escola.
Recorra, quando julgar oportuno, à informação disponibilizada,
citando-a.
6
OBJECTIVOS DESTA SESSÃO:
 Perceber a estrutura e os conceitos implicados na construção do
Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares.
 Entender os factores críticos de sucesso inerentes à sua aplicação.
INSTRUMENTOS CONSULTADOS:
 Textos obrigatórios e facultativos
 Modelo de auto-avalição da biblioteca escolar – RBE
TRABALHO PRODUZIDO POR
 Anabela Valentim
7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
guest7716cf
 
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 NovS2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
biblioteclar
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
Sílvia Bastos
 
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novoMabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
candidamatos
 
Trabalho Da 4ª SessãO Tarefa 1 ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Em P...
Trabalho Da 4ª SessãO Tarefa 1  ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Em P...Trabalho Da 4ª SessãO Tarefa 1  ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Em P...
Trabalho Da 4ª SessãO Tarefa 1 ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Em P...
margaridaalbuquerque
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
alcinasousa
 
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes SilvaAuto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
lurdesilva
 
Apresentacao maabe a_escola 4ªsessão
Apresentacao maabe a_escola 4ªsessãoApresentacao maabe a_escola 4ªsessão
Apresentacao maabe a_escola 4ªsessão
anabelavalentim
 
Sintese3 O Modelo De Auto Avaliacao Das B Es No Contexto Da Escola Agrupamen...
Sintese3 O Modelo De Auto Avaliacao Das B Es No Contexto Da Escola  Agrupamen...Sintese3 O Modelo De Auto Avaliacao Das B Es No Contexto Da Escola  Agrupamen...
Sintese3 O Modelo De Auto Avaliacao Das B Es No Contexto Da Escola Agrupamen...
Ana Cristina Matias
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
candidamatos
 
O Modelo De Auto AvaliaçãO Trabalho Final
O Modelo De Auto AvaliaçãO   Trabalho FinalO Modelo De Auto AvaliaçãO   Trabalho Final
O Modelo De Auto AvaliaçãO Trabalho Final
NoemiaMaria
 
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa BeApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
sandrinhalopes
 
Modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares
Modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares Modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares
Modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares
Cristiana Lopes
 
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2   Analise Critica Mod Auto AvTarefa 2   Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
aevisobibliovis
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Gloria Lopes
 
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
Be Moinho Das Leituras
 

Mais procurados (16)

AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 NovS2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novoMabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
 
Trabalho Da 4ª SessãO Tarefa 1 ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Em P...
Trabalho Da 4ª SessãO Tarefa 1  ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Em P...Trabalho Da 4ª SessãO Tarefa 1  ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Em P...
Trabalho Da 4ª SessãO Tarefa 1 ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Em P...
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes SilvaAuto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
 
Apresentacao maabe a_escola 4ªsessão
Apresentacao maabe a_escola 4ªsessãoApresentacao maabe a_escola 4ªsessão
Apresentacao maabe a_escola 4ªsessão
 
Sintese3 O Modelo De Auto Avaliacao Das B Es No Contexto Da Escola Agrupamen...
Sintese3 O Modelo De Auto Avaliacao Das B Es No Contexto Da Escola  Agrupamen...Sintese3 O Modelo De Auto Avaliacao Das B Es No Contexto Da Escola  Agrupamen...
Sintese3 O Modelo De Auto Avaliacao Das B Es No Contexto Da Escola Agrupamen...
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
 
O Modelo De Auto AvaliaçãO Trabalho Final
O Modelo De Auto AvaliaçãO   Trabalho FinalO Modelo De Auto AvaliaçãO   Trabalho Final
O Modelo De Auto AvaliaçãO Trabalho Final
 
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa BeApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
 
Modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares
Modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares Modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares
Modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares
 
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2   Analise Critica Mod Auto AvTarefa 2   Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
 
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
 

Destaque

Engenharia de Computação USP São Carlos - Recepcao calouros 2016 EESC ICMC
Engenharia de Computação USP São Carlos - Recepcao calouros 2016 EESC ICMCEngenharia de Computação USP São Carlos - Recepcao calouros 2016 EESC ICMC
Engenharia de Computação USP São Carlos - Recepcao calouros 2016 EESC ICMC
USP - University of Sao Paulo
 
Disney
DisneyDisney
Si segurança e privacidade (1Sem2014)
Si   segurança e privacidade (1Sem2014)Si   segurança e privacidade (1Sem2014)
Si segurança e privacidade (1Sem2014)
Pedro Garcia
 
Desenvolvimento Windows Phone 8 - 15ª Semana da Computação Anhaguera-Uniderp
Desenvolvimento Windows Phone 8 -  15ª Semana da Computação Anhaguera-UniderpDesenvolvimento Windows Phone 8 -  15ª Semana da Computação Anhaguera-Uniderp
Desenvolvimento Windows Phone 8 - 15ª Semana da Computação Anhaguera-Uniderp
Leandro Borges
 
Apostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo iApostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo i
trigono_metrico
 
Calcúlo 1 2º termo de papel e celulose
Calcúlo 1   2º termo de papel e celuloseCalcúlo 1   2º termo de papel e celulose
Calcúlo 1 2º termo de papel e celulose
INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ - IFPR
 
Engenharia de qualidade
Engenharia de qualidadeEngenharia de qualidade
Engenharia de qualidade
Paulo Henrique
 
Banca Neuromarketing
Banca NeuromarketingBanca Neuromarketing
Banca Neuromarketing
Yon Morato
 
Apresentação TCC - Engenharia com Habilitação da Computação, Monitoramento de...
Apresentação TCC - Engenharia com Habilitação da Computação, Monitoramento de...Apresentação TCC - Engenharia com Habilitação da Computação, Monitoramento de...
Apresentação TCC - Engenharia com Habilitação da Computação, Monitoramento de...
Jean Rodrigo Dalbon Cunha
 
Portaria Nº 3.523 - PMOC
Portaria Nº 3.523 - PMOCPortaria Nº 3.523 - PMOC
Portaria Nº 3.523 - PMOC
Seccional Informática
 
Apresentação do Curso Engenharia de Computação
Apresentação do Curso Engenharia de ComputaçãoApresentação do Curso Engenharia de Computação
Apresentação do Curso Engenharia de Computação
Engenharia de Computação
 
Norma de inspecao_predial
Norma de inspecao_predialNorma de inspecao_predial
Norma de inspecao_predial
Sesc Rio
 
Análise Comparativa Gestão Manutenção Predial
Análise Comparativa Gestão Manutenção Predial  Análise Comparativa Gestão Manutenção Predial
Análise Comparativa Gestão Manutenção Predial
Mayb Ferreira
 
Análise crítica sobre o Processo de Gerenciamento de Incidentes baseado na IS...
Análise crítica sobre o Processo de Gerenciamento de Incidentes baseado na IS...Análise crítica sobre o Processo de Gerenciamento de Incidentes baseado na IS...
Análise crítica sobre o Processo de Gerenciamento de Incidentes baseado na IS...
paulocma
 
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informáticoDos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
José Mariano Araujo Filho
 
Gestão da Qualidade - Análise Crítica pela Direção
Gestão da Qualidade - Análise Crítica pela DireçãoGestão da Qualidade - Análise Crítica pela Direção
Gestão da Qualidade - Análise Crítica pela Direção
Universidade Federal Fluminense
 
Engenharia da qualidade
Engenharia da qualidadeEngenharia da qualidade
Engenharia da qualidade
Alexandre Oliveira
 
Reunião da analise crítica
Reunião da analise crítica Reunião da analise crítica
Reunião da analise crítica
Ythia Karla
 
Análise crítica pareto e ishikawa
Análise crítica   pareto e ishikawaAnálise crítica   pareto e ishikawa
Análise crítica pareto e ishikawa
rafaellamatos
 
Revisão em -funções - calculo 1
Revisão   em -funções - calculo 1Revisão   em -funções - calculo 1
Revisão em -funções - calculo 1
Eduardo Soares
 

Destaque (20)

Engenharia de Computação USP São Carlos - Recepcao calouros 2016 EESC ICMC
Engenharia de Computação USP São Carlos - Recepcao calouros 2016 EESC ICMCEngenharia de Computação USP São Carlos - Recepcao calouros 2016 EESC ICMC
Engenharia de Computação USP São Carlos - Recepcao calouros 2016 EESC ICMC
 
Disney
DisneyDisney
Disney
 
Si segurança e privacidade (1Sem2014)
Si   segurança e privacidade (1Sem2014)Si   segurança e privacidade (1Sem2014)
Si segurança e privacidade (1Sem2014)
 
Desenvolvimento Windows Phone 8 - 15ª Semana da Computação Anhaguera-Uniderp
Desenvolvimento Windows Phone 8 -  15ª Semana da Computação Anhaguera-UniderpDesenvolvimento Windows Phone 8 -  15ª Semana da Computação Anhaguera-Uniderp
Desenvolvimento Windows Phone 8 - 15ª Semana da Computação Anhaguera-Uniderp
 
Apostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo iApostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo i
 
Calcúlo 1 2º termo de papel e celulose
Calcúlo 1   2º termo de papel e celuloseCalcúlo 1   2º termo de papel e celulose
Calcúlo 1 2º termo de papel e celulose
 
Engenharia de qualidade
Engenharia de qualidadeEngenharia de qualidade
Engenharia de qualidade
 
Banca Neuromarketing
Banca NeuromarketingBanca Neuromarketing
Banca Neuromarketing
 
Apresentação TCC - Engenharia com Habilitação da Computação, Monitoramento de...
Apresentação TCC - Engenharia com Habilitação da Computação, Monitoramento de...Apresentação TCC - Engenharia com Habilitação da Computação, Monitoramento de...
Apresentação TCC - Engenharia com Habilitação da Computação, Monitoramento de...
 
Portaria Nº 3.523 - PMOC
Portaria Nº 3.523 - PMOCPortaria Nº 3.523 - PMOC
Portaria Nº 3.523 - PMOC
 
Apresentação do Curso Engenharia de Computação
Apresentação do Curso Engenharia de ComputaçãoApresentação do Curso Engenharia de Computação
Apresentação do Curso Engenharia de Computação
 
Norma de inspecao_predial
Norma de inspecao_predialNorma de inspecao_predial
Norma de inspecao_predial
 
Análise Comparativa Gestão Manutenção Predial
Análise Comparativa Gestão Manutenção Predial  Análise Comparativa Gestão Manutenção Predial
Análise Comparativa Gestão Manutenção Predial
 
Análise crítica sobre o Processo de Gerenciamento de Incidentes baseado na IS...
Análise crítica sobre o Processo de Gerenciamento de Incidentes baseado na IS...Análise crítica sobre o Processo de Gerenciamento de Incidentes baseado na IS...
Análise crítica sobre o Processo de Gerenciamento de Incidentes baseado na IS...
 
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informáticoDos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
 
Gestão da Qualidade - Análise Crítica pela Direção
Gestão da Qualidade - Análise Crítica pela DireçãoGestão da Qualidade - Análise Crítica pela Direção
Gestão da Qualidade - Análise Crítica pela Direção
 
Engenharia da qualidade
Engenharia da qualidadeEngenharia da qualidade
Engenharia da qualidade
 
Reunião da analise crítica
Reunião da analise crítica Reunião da analise crítica
Reunião da analise crítica
 
Análise crítica pareto e ishikawa
Análise crítica   pareto e ishikawaAnálise crítica   pareto e ishikawa
Análise crítica pareto e ishikawa
 
Revisão em -funções - calculo 1
Revisão   em -funções - calculo 1Revisão   em -funções - calculo 1
Revisão em -funções - calculo 1
 

Semelhante a Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão

Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2
Isabel Martins
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
beloule
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
beloule
 
Sessao3parte1
Sessao3parte1Sessao3parte1
Sessao3parte1
lenacaroca
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
candidamatos
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
candidamatos
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2  análise crítica ao modelo de avaliaçãoSessão 2  análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
guest1d174ffe
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
anamariabpalma
 
AnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica SusanaAnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica Susana
Susana Martins
 
3ªsessão abilio
3ªsessão abilio3ªsessão abilio
3ªsessão abilio
abiliomarquespires
 
2a Sessao[1]
2a Sessao[1]2a Sessao[1]
2a Sessao[1]
guest18311b1
 
2a Sessao[1]
2a Sessao[1]2a Sessao[1]
2a Sessao[1]
guest18311b1
 
2a Sessao[1]
2a Sessao[1]2a Sessao[1]
2a Sessao[1]
celesteoliveira
 
2ª Tarefa
2ª Tarefa2ª Tarefa
2ª Tarefa
Julita Silva
 
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
mariaantoniadocarmo
 
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
João Alves Dos Reis
 
Plano Do Workshop
Plano Do WorkshopPlano Do Workshop
Plano Do Workshop
Fernanda Esberard
 
Plano Do Workshop
Plano Do WorkshopPlano Do Workshop
Plano Do Workshop
Fernanda Esberard
 
Plano Do Workshop
Plano Do WorkshopPlano Do Workshop
Plano Do Workshop
Fernanda Esberard
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
candidaribeiro
 

Semelhante a Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão (20)

Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
Sessao3parte1
Sessao3parte1Sessao3parte1
Sessao3parte1
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2  análise crítica ao modelo de avaliaçãoSessão 2  análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
AnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica SusanaAnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica Susana
 
3ªsessão abilio
3ªsessão abilio3ªsessão abilio
3ªsessão abilio
 
2a Sessao[1]
2a Sessao[1]2a Sessao[1]
2a Sessao[1]
 
2a Sessao[1]
2a Sessao[1]2a Sessao[1]
2a Sessao[1]
 
2a Sessao[1]
2a Sessao[1]2a Sessao[1]
2a Sessao[1]
 
2ª Tarefa
2ª Tarefa2ª Tarefa
2ª Tarefa
 
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
 
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
 
Plano Do Workshop
Plano Do WorkshopPlano Do Workshop
Plano Do Workshop
 
Plano Do Workshop
Plano Do WorkshopPlano Do Workshop
Plano Do Workshop
 
Plano Do Workshop
Plano Do WorkshopPlano Do Workshop
Plano Do Workshop
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
 

Mais de anabelavalentim

Calendario escolar 2021_22
Calendario escolar 2021_22Calendario escolar 2021_22
Calendario escolar 2021_22
anabelavalentim
 
O modelo de auto avaliação da be metodologias de operacionalização (conclusão...
O modelo de auto avaliação da be metodologias de operacionalização (conclusão...O modelo de auto avaliação da be metodologias de operacionalização (conclusão...
O modelo de auto avaliação da be metodologias de operacionalização (conclusão...
anabelavalentim
 
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança (2)
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança (2)A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança (2)
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança (2)
anabelavalentim
 
8ª sessão on
8ª sessão on8ª sessão on
8ª sessão on
anabelavalentim
 
Guia da unidade sessao7
Guia da unidade sessao7Guia da unidade sessao7
Guia da unidade sessao7
anabelavalentim
 
Guia da unidade e tarefa da sessão
Guia da unidade e tarefa da sessãoGuia da unidade e tarefa da sessão
Guia da unidade e tarefa da sessão
anabelavalentim
 
Modelo de auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operaciona...
Modelo de auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operaciona...Modelo de auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operaciona...
Modelo de auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operaciona...
anabelavalentim
 
Guia de sessão 4ªsessão
Guia de sessão 4ªsessãoGuia de sessão 4ªsessão
Guia de sessão 4ªsessão
anabelavalentim
 
Guia unidade 3ªsessão
Guia unidade 3ªsessãoGuia unidade 3ªsessão
Guia unidade 3ªsessão
anabelavalentim
 
Guia oper i-5_nov2010
Guia oper i-5_nov2010Guia oper i-5_nov2010
Guia oper i-5_nov2010
anabelavalentim
 
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudançaA biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança
anabelavalentim
 
Guia unidade
Guia unidadeGuia unidade
Guia unidade
anabelavalentim
 
Tabela sessao2[1]
Tabela sessao2[1]Tabela sessao2[1]
Tabela sessao2[1]
anabelavalentim
 

Mais de anabelavalentim (13)

Calendario escolar 2021_22
Calendario escolar 2021_22Calendario escolar 2021_22
Calendario escolar 2021_22
 
O modelo de auto avaliação da be metodologias de operacionalização (conclusão...
O modelo de auto avaliação da be metodologias de operacionalização (conclusão...O modelo de auto avaliação da be metodologias de operacionalização (conclusão...
O modelo de auto avaliação da be metodologias de operacionalização (conclusão...
 
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança (2)
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança (2)A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança (2)
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança (2)
 
8ª sessão on
8ª sessão on8ª sessão on
8ª sessão on
 
Guia da unidade sessao7
Guia da unidade sessao7Guia da unidade sessao7
Guia da unidade sessao7
 
Guia da unidade e tarefa da sessão
Guia da unidade e tarefa da sessãoGuia da unidade e tarefa da sessão
Guia da unidade e tarefa da sessão
 
Modelo de auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operaciona...
Modelo de auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operaciona...Modelo de auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operaciona...
Modelo de auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operaciona...
 
Guia de sessão 4ªsessão
Guia de sessão 4ªsessãoGuia de sessão 4ªsessão
Guia de sessão 4ªsessão
 
Guia unidade 3ªsessão
Guia unidade 3ªsessãoGuia unidade 3ªsessão
Guia unidade 3ªsessão
 
Guia oper i-5_nov2010
Guia oper i-5_nov2010Guia oper i-5_nov2010
Guia oper i-5_nov2010
 
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudançaA biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança
 
Guia unidade
Guia unidadeGuia unidade
Guia unidade
 
Tabela sessao2[1]
Tabela sessao2[1]Tabela sessao2[1]
Tabela sessao2[1]
 

Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão

  • 1. Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares  Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares. Em plena Sociedade da Informação, em que nos deparamos com novos ambientes e conceitos de aprendizagem, decorrentes das mudanças que a revolução das TIC vieram trazer à sociedade, à economia e ao desenvolvimento pessoal, torna-se pertinente a afirmação do papel das bibliotecas (que, mais do que disponibilizar recursos e serviços tem que promover a transformação da informação em conhecimento) e a sua validação através de uma avaliação centrada essencialmente no seu impacto qualitativo, isto é, na aferição/medição da eficácia – os resultados, “o valor que eles acrescentam nas atitudes e nas competências dos utilizadores”. A acção da BE deve, pois, basear-se numa orientação estratégica (o que se faz, como se faz, porque se faz, o que se pretende alcançar) de modo a evidenciar o seu impacto e valor.  O Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria de melhoria. Conceitos implicados. A necessidade de enquadrar as Bibliotecas Escolares no actual contexto de mudança levou à construção de um modelo de auto-avaliação capaz de potenciar o seu desenvolvimento, constituindo-se como instrumento pedagógico e de melhoria contínua com impacto no funcionamento da escola e nas aprendizagens dos alunos. As perspectivas subjacentes à construção do modelo são a do conceito de Biblioteca Escolar e a do desenvolvimento organizacional. Enquanto a primeira tem a ver com os princípios orientadores da missão da BE (definidos nos manifestos do IFLA, UNESCO e na declaração do IASL), que põem a tónica no contributo da BE para as aprendizagens dos alunos, para o 1
  • 2. sucesso educativo e para a promoção da aprendizagem ao longo da vida, a segunda enfatiza a prestação de serviços e a sua qualidade. Os conceitos primordiais que enformam o documento reforçam essencialmente o seu valor pedagógico e formativo e justificam de forma clara a necessidade de se proceder a uma avaliação do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido, ao mesmo tempo que apontam para novas pistas de actuação e valorização da BE: - a BE deve ser capaz de produzir resultados que contribuam efectivamente para atingir os objectivos definidos no Projecto Educativo da escola; - a auto-avaliação surge como um processo pedagógico e regulador; - a identificação das áreas nucleares do trabalho com a BE são determinantes para o ensino/aprendizagem; - a avaliação deve ser entendida como um processo gerador de mudanças e não um fim em si mesmo; - o modelo pretende ser um instrumento pedagógico e orientador; - a auto-avaliação deve contribuir essencialmente, a partir da identificação clara dos pontos fortes e fracos, para a elaboração de novos planos de desenvolvimento. Para isso são necessárias práticas sistemáticas de recolha de evidências e práticas de pesquisa/acção que ponham a tónica nos impactos e nas mais-valias que acrescentam às aprendizagens e à escola, marcando assim a diferença.  Organização estrutural e funcional. O modelo criado para avaliação das Bibliotecas Escolares constitui-se assim como um quadro de referência e um instrumento orientador da sua transformação em organizações direccionadas para a melhoria da qualidade. Está organizado em quatro domínios tendo sido definidos os indicadores para cada um deles. Estes concretizam-se em factores críticos de sucesso, que operacionalizam o respectivo indicador. Para cada indicador são apontados possíveis instrumentos de recolha de evidências e também exemplos de acções para a melhoria. A avaliação realizada articula-se com os perfis de desempenho que caracterizam o que se espera da BE. 2
  • 3. Esta organização estrutural e funcional tem a enorme vantagem de se constituir como instrumento orientador informativo e formativo, facilitando a perspectivação de acções a desenvolver, considero porém que as percentagens referidas nos perfis de desempenho estão um pouco desajustadas à realidade portuguesa, em que os níveis de leitura e literacia dos nossos alunos são ainda muito baixos. Não poderei deixar de referir também a minha preocupação relativamente ao tempo que é necessário para pôr em prática as acções sugeridas nos factores críticos de sucesso, tendo como objectivo a sua aplicação a toda a escola. Naquilo que à recolha de evidências diz respeito, podemos deparar-nos também com alguns constrangimentos derivados, por exemplo, da receptividade dos docentes aos questionários que lhes são feitos, da incompreensão em relação à análise de actas e planificações, sobretudo neste momento tão problemático como o que se está a viver, com a implementação da avaliação do desempenho. Quanto às grelhas de observação, aplicadas ao mesmo grupo de alunos, coloca-se o problema da necessidade de um contacto regular com esses alunos, para melhor os conhecer, ou então só as poderemos preencher com a colaboração dos docentes (por exemplo para a grelha proposta no domínio B).  Integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar. Oportunidades e constrangimentos. A avaliação do desempenho não depende só da acção isolada da BE, envolve/implica também os docentes e a direcção da escola. Os domínios em que se vai centrar a avaliação da BE são referidos em vários estudos internacionais como cruciais ao desenvolvimento e qualidade das BEs, enquanto espaços formativos e de aprendizagem, intrinsecamente relacionados com a escola, com o processo de ensino/aprendizagem, com a leitura e com as diferentes literacias. Neste contexto, a BE tem que, forçosamente, estar integrada nos objectivos educacionais e programáticos da escola, nos documentos reguladores e orientadores da sua actividade e articular com toda a comunidade educativa na planificação e desenvolvimento de actividades educativas e de aprendizagem. 3
  • 4. Consequentemente a avaliação da biblioteca deve estar incorporada no processo de avaliação da própria escola, devendo ser vista como um processo participativo e por isso ser conhecida e divulgada. Se o contributo da biblioteca no apoio ao ensino aprendizagem for reconhecido, a sua avaliação será vista como parte integrante da auto-avaliação da escola. Mobilizar toda a escola para o processo de auto-avaliação da BE é pois de crucial importância, será talvez o desafio maior que se coloca aos professores bibliotecários, não só devido à pouca abertura dos docentes ao trabalho colaborativo, como também à falta de tempo para planificações conjuntas originada pela sobrecarga de trabalho que lhes é actualmente exigido; neste momento, a tudo isto, há ainda a somar o modelo de avaliação dos professores que tanta contestação tem gerado. “O modelo indica o caminho, a metodologia, a operacionalização. A obtenção da melhoria contínua da qualidade exige que a organização esteja preparada para a aprendizagem contínua. Pressupõe a motivação individual dos seus membros e a liderança forte do professor coordenador, que tem de mobilizar a escola para a necessidade e implementação do processo avaliativo.” (Texto da sessão, p.7)  Gestão das mudanças que a sua aplicação impõe. Níveis de participação da e na escola. Segundo as palavras de Mike Einsenberg, o professor bibliotecário deverá aliar-se aos restantes professores para solucionarem as necessidades de informação dos alunos, articulando conteúdos curriculares, educativos e os recursos impressos, não impressos e electrónicos existentes na BE. O professor bibliotecário deve ser um professor especialista em literacia da informação e um parceiro dos outros professores. Enquanto professor, colabora com os alunos e outros utilizadores analisando a aprendizagem e as necessidades de informação, localizando a disponibilizando recursos que satisfaçam essas necessidades e comunicando a informação e que os recursos fornecem. No ponto de vista de Eisenberg (2002) e do texto da sessão (pág.8), o 4
  • 5. professor bibliotecário deve evidenciar as seguintes competências: a) Ser um comunicador efectivo no seio da instituição; b) Ser proactivo; c) Saber exercer influência junto de professores e do órgão directivo; d) Ser útil, relevante e considerado pelos outros membros da comunidade educativa; e) Ser observador e investigativo; f) Ser capaz de ver o todo - “the big picture”; g) Saber estabelecer prioridades; h) Realizar uma abordagem construtiva aos problemas e à realidade; i) Ser gestor de serviços de aprendizagem no seio da escola; j) Saber gerir recursos no sentido lato do termo; k) Ser promotor dos serviços e dos recursos; l) Ser tutor, professor e um avaliador de recursos, com o objectivo de apoiar e contribuir para as aprendizagens; m) Saber gerir e avaliar de acordo com a missão e objectivos da escola. n) Saber trabalhar com departamentos e colegas. O professor bibliotecário deverá ter uma capacidade de liderança associada a uma visão de gestão estratégica determinantes para o sucesso da implementação de um processo de avaliação. Assim sendo o professor bibliotecário deverá orientar estrategicamente articulando a sua gestão com as prioridades e objectivos da escola; promover uma cultura de avaliação e comunicar continuamente com a comunidade educativa. Ao professor bibliotecário “Cabe-lhe como Todd (2001) refere, transformar a biblioteca escolar em “espaço de conhecimento, por oposição a um espaço de informação”. No entanto é de recordar que a auto-avaliação da biblioteca “não é um fim em si mesma. É um processo de melhoria que deve facultar informação de qualidade capaz de apoiar a tomada de decisão.” (Texto da sessão, pág.9). A aplicação do modelo de avaliação depende, de acordo com o que 5
  • 6. atrás foi dito, em grande parte da liderança do professor bibliotecário. Este deverá evidenciar uma série de competências que lhe permitam delinear um programa que assegure a visão e o programa da Biblioteca Escolar (ensino da literacia da informação, promoção da leitura, gestão da informação, integração dos skills da informação e das tecnologias no currículo escolar). Deverá pensar estrategicamente, tomar decisões, gerir e planear estrategicamente, em consonância com as prioridades da escola, promover uma cultura de avaliação, comunicar continuamente com os órgãos de gestão, os professores, difundir os dados obtidos, sucessos e insucessos, gerir a mudança necessária à superação dos problemas detectados… Discordo de Mike Eisenberg uma vez que não se me afigura tão simples a opinião de apesar de o professor bibliotecário ter vindo a beneficiar de formação adequada e ter procurado auto-formar-se continuamente, ser capaz de dar cumprimento a tudo o que lhe é exigido, sem o apoio de uma equipa forte e com horas suficientes para, por exemplo, ajudar a implementar devidamente o modelo de auto-avaliação proposto. TAREFA  Faça uma análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares, tendo em conta os seguintes aspectos: - Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares. - O Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria de melhoria. Conceitos implicados. - Organização estrutural e funcional. - Integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar. Oportunidades e constrangimentos. - Gestão das mudanças que a sua aplicação impõe. Níveis de participação da e na escola. Recorra, quando julgar oportuno, à informação disponibilizada, citando-a. 6
  • 7. OBJECTIVOS DESTA SESSÃO:  Perceber a estrutura e os conceitos implicados na construção do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares.  Entender os factores críticos de sucesso inerentes à sua aplicação. INSTRUMENTOS CONSULTADOS:  Textos obrigatórios e facultativos  Modelo de auto-avalição da biblioteca escolar – RBE TRABALHO PRODUZIDO POR  Anabela Valentim 7