SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA - UEPB
           CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - CCSA
          DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - DECOM
CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL - JORNALISMO - TURMA: 2011.2 - 1º PERÍODO
        COMPONENTE CURRICULAR: LINGUAGEM FOTOGRÁFICA I
                  PROFESSORA: HIPÓLITO LUCENA
                          ALUNOS (AS):
                 DIEGO HENRIQUE GOMES SILVEIRA
                       ELAINE DE LIMA SILVA
                   FRANKLIN JOSÉ PEREIRA LEITE
                  GEORGIA EUGÊNIO DOS SANTOS
                    ROSÂNGELA SILVA FERREIRA
           TAYSE ERYSLAINE DE MORAIS SANTOS FRANKLIN
                  WELLINGTON SERGIO DE SOUSA
   A invenção da fotografia foi o resultado da combinação
    de duas técnicas científicas desenvolvidas ao longo dos
    séculos:
   ÓTICA
   Câmera obscura (século V a.C)


   QUÍMICA
   Fotossensibilidade (século XIX)
   Câmera obscura
   É um ambiente totalmente vedado onde a luz irá
    penetrar por um pequeno orifício projetando para seu
    interior uma imagem invertida.
   A câmera obscura tornou acessório básico também para
    pintores e desenhistas, inclusive pelo gênio das artes
    plásticas Leonardo Da Vinci (1452 – 1519).
   Fotossensibilidade

   Na virada do século XVII para o XVIII, as imagens feitas
    por meio de câmeras obscuras não resistiam à luz e ao
    tempo, desaparecendo logo após a revelação.

   Em 1816 o francês Joseph Nicéphore Niépce utilizou
    uma placa de estanho coberta com um derivado
    de petróleo fotossensível chamado Betume da Judéia.

   Nièpce chamou o processo de "heliografia", gravura
    com a luz do Sol.
   E então surgiu a primeira fotografia permanente no
    mundo.
   Daguerre, ao perceber as limitações do betume da
    Judéia e dos métodos utilizados por seu sócio, decide
    prosseguir sozinho nas pesquisas com a prata
    halógena.

   Suas experiências consistiam em expor, na câmera
    obscura, placas de cobre recobertas com prata polida e
    sensibilizadas com vapor de iodo, formando uma capa
    de iodeto de prata sensível à luz.

   Dando origem ao daguerreótipo , um método de gravar
    imagens por meio da câmera escura.
   Primeira daguerreótipo registrada na história 1837.
   Com o anúncio da gravação da imagem por Daguerre
    na Europa logo se instituiu uma grande polêmica entre
    os pintores.
   Eles não admitiam que a fotografia pudesse ser
    reconhecida como arte, uma vez que era produzida com
    auxilio físico e químico.

   Deu início ao movimento impressionista.

   O nome do movimento é derivado da obra
    Impressão, nascer do sol (1872), de Claude Monet, um
    dos maiores pintores que já usou o impressionismo.
   Impressão, nascer do sol
   A discussão retorna, de algum modo, nos dias de
    hoje, envolvendo duas formas distintas de captação de
    imagens, a fotografia analógica e a fotografia digital.




    Analógica

                                Digital
   Desde que foi descoberta, a fotografia analógica pouco
    evoluiu.

   No século XX a fotografia passou a ser utilizada em
    grande escala pela imprensa mundial, em amplas
    reportagens    fotográficas,    fazendo    aumentar
    naturalmente a exigência de profissionais que
    trabalhavam com fotojornalismo.

   E então começou a evolução desses equipamentos.
   A profissão de fotógrafo passou a ser cobiçada em todo
    o     mundo,      revelando    profissionais  altamente
    qualificados, e, até, adorados em vários países.

   O fotojornalismo mundial, mostrou e ainda mostra muita
    criatividade e ousadia em suas fotografias, fazendo
    delas verdadeiras obras de artes, admiradas por
    milhões de pessoas.

   Diz o dito popular que uma imagem vale mais que mil
    palavras; em determinadas ocasiões valem bem mais.
    Às vezes, uma simples fotografia pode mudar o
    mundo, fazer tremer a toda uma sociedade.
   Com o surgimentos da fotografia digital, no final dos
    anos 1980, todo o glamour conquistado pela fotografia
    analógica tende a entrar em declínio.

   A evolução dos equipamentos digitais aponta para o
    aniquilamento gradual da fotografia analógica nos
    próximos anos.

   A fotografia digital provocou uma ruptura entre os
    profissionais      da     imagem,    principalmente
    fotojornalistas, dando origem a três categorias de
    profissionais no mercado.
   A     primeira   categoria,    a    dos   fotógrafos
    veteranos, conhecidos como geração analógica, é
    formada por profissionais que sempre se dedicaram à
    velha forma de captação de imagens.

   Essa geração levanta questões relevantes em defesa da
    fotografia tradicional e, conseqüentemente, coloca a
    fotografia digital em plano inferior.

   A “velha guarda” vê problemas éticos na manipulação e
    tratamento das imagens.
   A fotografia digital é um processo recente e sua
    manipulação merece regulamentação específica, de
    modo a evitar transtornos causados por profissionais
    inescrupulosos que acreditam que tudo é possível para
    se obter uma notícia em primeira mão.

   Vejamos um exemplo, que não deverá ser seguido.
   SÃO PAULO - Uma suposta imagem do terrorista Osama Bin Laden
    morto tem circulado na rede desde as primeiras horas de hoje.
    Porém, a imagem é falsa e foi feita a partir de manipulação digital.
   No meio desse conflito de idéias encontramos a
    segunda geração de profissionais do fotojornalismo, que
    participa ativamente da transição da fotografia analógica
    para a digital.
   São profissionais que se preparam para sobreviver no
    mercado fotográfico atual, pois dominam a fotografia
    analógica e buscam conhecimento na área digital.

   Esses profissionais têm plena consciência             da
    importância e necessidade do mercado.
   A terceira e última categoria é a dos profissionais da
    chamada geração digital.

   Essa geração tem como características o consumismo e
    o cultivo do descartável, comuns aos dias de hoje.

   A preocupação em conhecer as técnicas, mesmo que
    antigas, não faz parte do vocabulário dessa geração de
    foto-jornalistas,     que       prefere    os     termos
    “deletar”, “bits”, “dpi” etc., próprios da linguagem da
    fotografia digital.
   O grande conflito da nossa época século XXI


   Os fotógrafos da era digital são acusados de falta de
    domínio dos métodos e técnicas utilizados na
    fotografia,   como     luz,  filtros, velocidade   do
    obturador, entre outros.
   Os equipamentos digitais são em sua grande maioria
    automatizados, não permitindo ao profissional o controle
    manual de suas ações.
   A geração digital é facilmente reconhecida em eventos
    ou coberturas jornalísticas.

                               Por não utilizar o visor da
                                câmera para fotografar.

                               Além disso, a visualização
                                imediata da imagem captada
                                provoca um outro fenômeno
                                típico      da    fotografia
                                digital, que é a pré-edição
                                do material.
   Todos esses questionamentos, com suas verdades e
    mentiras, devem levar à reflexão e ao debate.

   O segmento fotográfico em geral e o fotojornalismo em
    particular se vêem hoje diante de uma oportunidade
    muito grande de refletir sobre o momento histórico que a
    fotografia atravessa.


   Há problemas de ordem ética e estética envolvendo a
    fotografia analógica e digital.
   Acontecimentos recentes mostram o sério problema da
    manipulação e fabricação de imagens, de modo a torná-
    las mais realistas e sedutoras, sem ética, sem
    escrúpulos.

   A edição sempre ocorreu com a fotografia, inclusive a
    montagem.

   Esse excesso de edição das imagens, que começa com
    o fotógrafo em campo e finaliza no editor, preocupa a
    todos aqueles que usam a fotografia como ferramenta
    de pesquisa e documentação.
   Com todo esse avanço tecnológico, faz-se necessário
    discutir o papel do fotojornalista a partir do surgimento
    da fotografia digital.
   Não se pode descartar o digital. Mas também não se
    pode simplesmente abandonar o analógico, sem
    qualquer preocupação com o passado, o presente e o
    futuro.

   Afinal, o que seria da memória dos séculos XIX e XX se
    não fossem as fotografias produzidas em negativos, que
    armazenam até hoje imagens importantes de nossa
    história?
   “As tentativas para se conseguir uma bela fotografia
    fazem com que as imagens geradas através das
    lentes não fiquem apenas gravadas na mente de
    quem as realiza, mas sim impressa nos corações
    daqueles que as vêem com os mesmos olhos.”
                     Gero Hoffmann
   Referências bibliográficas


   http://www.bocc.ubi.pt/pag/oliveira-erivam-fotografia-analogica-
    fotografia-digital.pdf

   http://achfoto.com.sapo.pt/hf_6-4.html

   http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=1205

   http://www.youtube.com/watch?v=M7ENQthvjxg

   http://www.youtube.com/watch?v=iQjkfnn7xBc

Mais conteúdo relacionado

Destaque

A Evolução da Fotografia
A Evolução da FotografiaA Evolução da Fotografia
A Evolução da Fotografia
Ana Almeida
 
Breve História da Fotografia
Breve História da FotografiaBreve História da Fotografia
Breve História da Fotografia
João Lima
 
Introdução à Fotografia
Introdução à FotografiaIntrodução à Fotografia
Introdução à Fotografia
Fernanda Costa
 
Filme Fotográfico
Filme FotográficoFilme Fotográfico
Filme Fotográfico
Fernanda Costa
 
Aula objetiva
Aula objetivaAula objetiva
Aula objetiva
Fernanda Costa
 
Géneros fotográficos
Géneros fotográficosGéneros fotográficos
Géneros fotográficos
MariValera
 
Fotografía digital aulaLINK
Fotografía digital aulaLINKFotografía digital aulaLINK
Fotografía digital aulaLINK
Laura Azzarini
 
Fotografia digital basico
Fotografia digital basicoFotografia digital basico
Fotografia digital basico
iturriet
 
Módulo 1 | Fotografia Digital | 1. História
Módulo 1 | Fotografia Digital | 1. HistóriaMódulo 1 | Fotografia Digital | 1. História
Módulo 1 | Fotografia Digital | 1. História
Nuno Barros
 
A História da Fotografia: da Modernidade a Contemporaneidade
A História da Fotografia: da Modernidade a ContemporaneidadeA História da Fotografia: da Modernidade a Contemporaneidade
A História da Fotografia: da Modernidade a Contemporaneidade
Beto Lima Branding
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
hcaslides
 
Projeto fotográfico autoral
Projeto fotográfico autoralProjeto fotográfico autoral
Projeto fotográfico autoral
ciclodefotografia
 
O que é a fotografia
O que é a fotografiaO que é a fotografia
O que é a fotografia
jorgefelz
 
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
Paulo Neves
 
Fotografia
FotografiaFotografia
A Maquina fotografica
A Maquina fotograficaA Maquina fotografica
A Maquina fotografica
Secundario16
 
Projeto Foto e Arte
Projeto Foto e ArteProjeto Foto e Arte
Projeto Foto e Arte
Juh Bezerra
 
Curso de Fotografia da VPR
Curso de Fotografia da VPRCurso de Fotografia da VPR
Curso de Fotografia da VPR
Alexandre Fernandes
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
Tatiana Aneas
 
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
João Leopoldo Padoveze
 

Destaque (20)

A Evolução da Fotografia
A Evolução da FotografiaA Evolução da Fotografia
A Evolução da Fotografia
 
Breve História da Fotografia
Breve História da FotografiaBreve História da Fotografia
Breve História da Fotografia
 
Introdução à Fotografia
Introdução à FotografiaIntrodução à Fotografia
Introdução à Fotografia
 
Filme Fotográfico
Filme FotográficoFilme Fotográfico
Filme Fotográfico
 
Aula objetiva
Aula objetivaAula objetiva
Aula objetiva
 
Géneros fotográficos
Géneros fotográficosGéneros fotográficos
Géneros fotográficos
 
Fotografía digital aulaLINK
Fotografía digital aulaLINKFotografía digital aulaLINK
Fotografía digital aulaLINK
 
Fotografia digital basico
Fotografia digital basicoFotografia digital basico
Fotografia digital basico
 
Módulo 1 | Fotografia Digital | 1. História
Módulo 1 | Fotografia Digital | 1. HistóriaMódulo 1 | Fotografia Digital | 1. História
Módulo 1 | Fotografia Digital | 1. História
 
A História da Fotografia: da Modernidade a Contemporaneidade
A História da Fotografia: da Modernidade a ContemporaneidadeA História da Fotografia: da Modernidade a Contemporaneidade
A História da Fotografia: da Modernidade a Contemporaneidade
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
 
Projeto fotográfico autoral
Projeto fotográfico autoralProjeto fotográfico autoral
Projeto fotográfico autoral
 
O que é a fotografia
O que é a fotografiaO que é a fotografia
O que é a fotografia
 
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
 
A Maquina fotografica
A Maquina fotograficaA Maquina fotografica
A Maquina fotografica
 
Projeto Foto e Arte
Projeto Foto e ArteProjeto Foto e Arte
Projeto Foto e Arte
 
Curso de Fotografia da VPR
Curso de Fotografia da VPRCurso de Fotografia da VPR
Curso de Fotografia da VPR
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
 
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
 

Semelhante a Seminário Fotografia analógica à ascensão da fotografia digital

Apostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo Gomes
Apostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo GomesApostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo Gomes
Apostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo Gomes
Raquel Salcedo Gomes
 
Apostila curso básico de fotografia
Apostila   curso básico de fotografiaApostila   curso básico de fotografia
Apostila curso básico de fotografia
Raquel Salcedo Gomes
 
Apostila Fotografia - Curso Básico 2014
Apostila Fotografia - Curso Básico 2014Apostila Fotografia - Curso Básico 2014
Apostila Fotografia - Curso Básico 2014
Raquel Salcedo Gomes
 
A Evolução da Indústria Fotográfica
A Evolução da Indústria FotográficaA Evolução da Indústria Fotográfica
A Evolução da Indústria Fotográfica
luisdefaria
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
Danielle Souza
 
Fotografia Atual
Fotografia AtualFotografia Atual
Fotografia Atual
Ellen_Assad
 
O FOTOLIVRO E A MUDANÇA NO PARADIGMA DA LINGUAGEM FOTOGRÁFICA
O FOTOLIVRO E A MUDANÇA NO PARADIGMA DA LINGUAGEM FOTOGRÁFICAO FOTOLIVRO E A MUDANÇA NO PARADIGMA DA LINGUAGEM FOTOGRÁFICA
O FOTOLIVRO E A MUDANÇA NO PARADIGMA DA LINGUAGEM FOTOGRÁFICA
Luciana Saso
 
História do fotojornalismo parte 2
História do fotojornalismo parte 2História do fotojornalismo parte 2
História do fotojornalismo parte 2
journalistas
 
Máquina fotográfica digital e analógica
Máquina fotográfica digital e  analógicaMáquina fotográfica digital e  analógica
Máquina fotográfica digital e analógica
guiguiass
 
Máquina fotográfica digital e analógica
Máquina fotográfica digital e  analógicaMáquina fotográfica digital e  analógica
Máquina fotográfica digital e analógica
guiguiass
 
As novas tecnologias no contexto profissional
As novas tecnologias no contexto profissionalAs novas tecnologias no contexto profissional
As novas tecnologias no contexto profissional
Laetitia Oliveira
 
Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...
Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...
Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...
Julia Dantas
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
diogocaetanorodrigues
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
ruijmoreira
 
430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf
430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf
430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf
Ilemos
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
Bárbara Fonseca
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
Isabela Garcia
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
Paulo Alexandre
 
Historia das artes
Historia das artesHistoria das artes
Historia das artes
Filipe_Carvalho
 
Fichamento fotografia ( oficial)
Fichamento fotografia ( oficial)Fichamento fotografia ( oficial)
Fichamento fotografia ( oficial)
isisnogueira
 

Semelhante a Seminário Fotografia analógica à ascensão da fotografia digital (20)

Apostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo Gomes
Apostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo GomesApostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo Gomes
Apostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo Gomes
 
Apostila curso básico de fotografia
Apostila   curso básico de fotografiaApostila   curso básico de fotografia
Apostila curso básico de fotografia
 
Apostila Fotografia - Curso Básico 2014
Apostila Fotografia - Curso Básico 2014Apostila Fotografia - Curso Básico 2014
Apostila Fotografia - Curso Básico 2014
 
A Evolução da Indústria Fotográfica
A Evolução da Indústria FotográficaA Evolução da Indústria Fotográfica
A Evolução da Indústria Fotográfica
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
 
Fotografia Atual
Fotografia AtualFotografia Atual
Fotografia Atual
 
O FOTOLIVRO E A MUDANÇA NO PARADIGMA DA LINGUAGEM FOTOGRÁFICA
O FOTOLIVRO E A MUDANÇA NO PARADIGMA DA LINGUAGEM FOTOGRÁFICAO FOTOLIVRO E A MUDANÇA NO PARADIGMA DA LINGUAGEM FOTOGRÁFICA
O FOTOLIVRO E A MUDANÇA NO PARADIGMA DA LINGUAGEM FOTOGRÁFICA
 
História do fotojornalismo parte 2
História do fotojornalismo parte 2História do fotojornalismo parte 2
História do fotojornalismo parte 2
 
Máquina fotográfica digital e analógica
Máquina fotográfica digital e  analógicaMáquina fotográfica digital e  analógica
Máquina fotográfica digital e analógica
 
Máquina fotográfica digital e analógica
Máquina fotográfica digital e  analógicaMáquina fotográfica digital e  analógica
Máquina fotográfica digital e analógica
 
As novas tecnologias no contexto profissional
As novas tecnologias no contexto profissionalAs novas tecnologias no contexto profissional
As novas tecnologias no contexto profissional
 
Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...
Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...
Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
 
430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf
430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf
430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
 
Historia das artes
Historia das artesHistoria das artes
Historia das artes
 
Fichamento fotografia ( oficial)
Fichamento fotografia ( oficial)Fichamento fotografia ( oficial)
Fichamento fotografia ( oficial)
 

Último

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 

Último (20)

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 

Seminário Fotografia analógica à ascensão da fotografia digital

  • 1.
  • 2. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA - UEPB CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - CCSA DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - DECOM CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL - JORNALISMO - TURMA: 2011.2 - 1º PERÍODO COMPONENTE CURRICULAR: LINGUAGEM FOTOGRÁFICA I PROFESSORA: HIPÓLITO LUCENA ALUNOS (AS): DIEGO HENRIQUE GOMES SILVEIRA ELAINE DE LIMA SILVA FRANKLIN JOSÉ PEREIRA LEITE GEORGIA EUGÊNIO DOS SANTOS ROSÂNGELA SILVA FERREIRA TAYSE ERYSLAINE DE MORAIS SANTOS FRANKLIN WELLINGTON SERGIO DE SOUSA
  • 3. A invenção da fotografia foi o resultado da combinação de duas técnicas científicas desenvolvidas ao longo dos séculos:  ÓTICA  Câmera obscura (século V a.C)  QUÍMICA  Fotossensibilidade (século XIX)
  • 4. Câmera obscura  É um ambiente totalmente vedado onde a luz irá penetrar por um pequeno orifício projetando para seu interior uma imagem invertida.
  • 5. A câmera obscura tornou acessório básico também para pintores e desenhistas, inclusive pelo gênio das artes plásticas Leonardo Da Vinci (1452 – 1519).
  • 6. Fotossensibilidade  Na virada do século XVII para o XVIII, as imagens feitas por meio de câmeras obscuras não resistiam à luz e ao tempo, desaparecendo logo após a revelação.  Em 1816 o francês Joseph Nicéphore Niépce utilizou uma placa de estanho coberta com um derivado de petróleo fotossensível chamado Betume da Judéia.  Nièpce chamou o processo de "heliografia", gravura com a luz do Sol.
  • 7. E então surgiu a primeira fotografia permanente no mundo.
  • 8. Daguerre, ao perceber as limitações do betume da Judéia e dos métodos utilizados por seu sócio, decide prosseguir sozinho nas pesquisas com a prata halógena.  Suas experiências consistiam em expor, na câmera obscura, placas de cobre recobertas com prata polida e sensibilizadas com vapor de iodo, formando uma capa de iodeto de prata sensível à luz.  Dando origem ao daguerreótipo , um método de gravar imagens por meio da câmera escura.
  • 9. Primeira daguerreótipo registrada na história 1837.
  • 10. Com o anúncio da gravação da imagem por Daguerre na Europa logo se instituiu uma grande polêmica entre os pintores.  Eles não admitiam que a fotografia pudesse ser reconhecida como arte, uma vez que era produzida com auxilio físico e químico.  Deu início ao movimento impressionista.  O nome do movimento é derivado da obra Impressão, nascer do sol (1872), de Claude Monet, um dos maiores pintores que já usou o impressionismo.
  • 11. Impressão, nascer do sol
  • 12. A discussão retorna, de algum modo, nos dias de hoje, envolvendo duas formas distintas de captação de imagens, a fotografia analógica e a fotografia digital.  Analógica  Digital
  • 13. Desde que foi descoberta, a fotografia analógica pouco evoluiu.  No século XX a fotografia passou a ser utilizada em grande escala pela imprensa mundial, em amplas reportagens fotográficas, fazendo aumentar naturalmente a exigência de profissionais que trabalhavam com fotojornalismo.  E então começou a evolução desses equipamentos.
  • 14.
  • 15. A profissão de fotógrafo passou a ser cobiçada em todo o mundo, revelando profissionais altamente qualificados, e, até, adorados em vários países.  O fotojornalismo mundial, mostrou e ainda mostra muita criatividade e ousadia em suas fotografias, fazendo delas verdadeiras obras de artes, admiradas por milhões de pessoas.  Diz o dito popular que uma imagem vale mais que mil palavras; em determinadas ocasiões valem bem mais. Às vezes, uma simples fotografia pode mudar o mundo, fazer tremer a toda uma sociedade.
  • 16.
  • 17. Com o surgimentos da fotografia digital, no final dos anos 1980, todo o glamour conquistado pela fotografia analógica tende a entrar em declínio.  A evolução dos equipamentos digitais aponta para o aniquilamento gradual da fotografia analógica nos próximos anos.  A fotografia digital provocou uma ruptura entre os profissionais da imagem, principalmente fotojornalistas, dando origem a três categorias de profissionais no mercado.
  • 18. A primeira categoria, a dos fotógrafos veteranos, conhecidos como geração analógica, é formada por profissionais que sempre se dedicaram à velha forma de captação de imagens.  Essa geração levanta questões relevantes em defesa da fotografia tradicional e, conseqüentemente, coloca a fotografia digital em plano inferior.  A “velha guarda” vê problemas éticos na manipulação e tratamento das imagens.
  • 19. A fotografia digital é um processo recente e sua manipulação merece regulamentação específica, de modo a evitar transtornos causados por profissionais inescrupulosos que acreditam que tudo é possível para se obter uma notícia em primeira mão.  Vejamos um exemplo, que não deverá ser seguido.
  • 20. SÃO PAULO - Uma suposta imagem do terrorista Osama Bin Laden morto tem circulado na rede desde as primeiras horas de hoje. Porém, a imagem é falsa e foi feita a partir de manipulação digital.
  • 21. No meio desse conflito de idéias encontramos a segunda geração de profissionais do fotojornalismo, que participa ativamente da transição da fotografia analógica para a digital.  São profissionais que se preparam para sobreviver no mercado fotográfico atual, pois dominam a fotografia analógica e buscam conhecimento na área digital.  Esses profissionais têm plena consciência da importância e necessidade do mercado.
  • 22. A terceira e última categoria é a dos profissionais da chamada geração digital.  Essa geração tem como características o consumismo e o cultivo do descartável, comuns aos dias de hoje.  A preocupação em conhecer as técnicas, mesmo que antigas, não faz parte do vocabulário dessa geração de foto-jornalistas, que prefere os termos “deletar”, “bits”, “dpi” etc., próprios da linguagem da fotografia digital.
  • 23. O grande conflito da nossa época século XXI  Os fotógrafos da era digital são acusados de falta de domínio dos métodos e técnicas utilizados na fotografia, como luz, filtros, velocidade do obturador, entre outros.  Os equipamentos digitais são em sua grande maioria automatizados, não permitindo ao profissional o controle manual de suas ações.
  • 24. A geração digital é facilmente reconhecida em eventos ou coberturas jornalísticas.  Por não utilizar o visor da câmera para fotografar.  Além disso, a visualização imediata da imagem captada provoca um outro fenômeno típico da fotografia digital, que é a pré-edição do material.
  • 25. Todos esses questionamentos, com suas verdades e mentiras, devem levar à reflexão e ao debate.  O segmento fotográfico em geral e o fotojornalismo em particular se vêem hoje diante de uma oportunidade muito grande de refletir sobre o momento histórico que a fotografia atravessa.  Há problemas de ordem ética e estética envolvendo a fotografia analógica e digital.
  • 26. Acontecimentos recentes mostram o sério problema da manipulação e fabricação de imagens, de modo a torná- las mais realistas e sedutoras, sem ética, sem escrúpulos.  A edição sempre ocorreu com a fotografia, inclusive a montagem.  Esse excesso de edição das imagens, que começa com o fotógrafo em campo e finaliza no editor, preocupa a todos aqueles que usam a fotografia como ferramenta de pesquisa e documentação.
  • 27. Com todo esse avanço tecnológico, faz-se necessário discutir o papel do fotojornalista a partir do surgimento da fotografia digital.  Não se pode descartar o digital. Mas também não se pode simplesmente abandonar o analógico, sem qualquer preocupação com o passado, o presente e o futuro.  Afinal, o que seria da memória dos séculos XIX e XX se não fossem as fotografias produzidas em negativos, que armazenam até hoje imagens importantes de nossa história?
  • 28.
  • 29.
  • 30. “As tentativas para se conseguir uma bela fotografia fazem com que as imagens geradas através das lentes não fiquem apenas gravadas na mente de quem as realiza, mas sim impressa nos corações daqueles que as vêem com os mesmos olhos.” Gero Hoffmann
  • 31. Referências bibliográficas  http://www.bocc.ubi.pt/pag/oliveira-erivam-fotografia-analogica- fotografia-digital.pdf  http://achfoto.com.sapo.pt/hf_6-4.html  http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=1205  http://www.youtube.com/watch?v=M7ENQthvjxg  http://www.youtube.com/watch?v=iQjkfnn7xBc