SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA
DDPI - CURSOS DE EXTENSÃO
PROFESSOR ME. MARCELO SALCEDO GOMES
CURSO BÁSICO DE FOTOGRAFIA
NOVO HAMBURGO
2014
1
DDPI - CURSOS DE EXTENSÃO 2013/02
Curso Básico de Fotografia - 20 horas
OBJETIVOS

 Identificar os princípios da câmera fotográfica, seus principais mecanismos
técnicos e operacionalizar seus usos integrados para a formação da imagem. Apontar os
principais elementos da linguagem fotográfica (luz, profundidade de campo, foco,
enquadramento, composição, cor, momento decisivo etc) e sua inter-relação com os
elementos técnicos (tipos de lentes, tempo de exposição, velocidade do obturador,
abertura do diafragma, ISO etc). Entender os elementos estéticos, técnicos e sociais
implicados no processo de construção das imagens fotográficas, bem como a diferença
entre fotojornalismo, fotodocumento, foto publicitária, foto arte etc.
PÚBLICO ALVO

 Alunos dos curso Técnico em Design, demais cursos da Fundação Liberato ou da
UERGS e interessados em fotografia em geral.
DOCENTE

 Marcelo Salcedo Gomes: Fotógrafo, Graduado em Comunicação Social -
Jornalismo, com Especialização em Fotografia Instrumental. Mestre em Ciências da
Comunicação e doutorando pelo PPGCC Unisinos na linha de pesquisa Mídia e
Processos Audiovisuais. Primeiro colocado do Prêmio Adelmo Genro Filho da SBPJor
2011 com o TCC intitulado As Fantásticas Fotografias da National Geographic e 1º lugar
do Prêmio de Jornalismo Experimental da Unisinos 2009 na categoria Fotojornalismo.
Realiza pesquisa no campo da comunicação em contexto de midiatização com foco nas
teorias da imagem.
CALENDÁRIO E HORÁRIO DAS AULAS

As aulas ocorrerão aos sábados, no turno da manhã, nos dias 26 de abril; 03, 10 e 17 de
maio; 07 de junho, das 08h30min às 12h30min.
2
PROGRAMA
Os elementos da linguagem fotográfica, operações básicas de câmera fotográfica, a
diferença entre fotografia analógica e digital; – Os tipos de câmeras, tipos de lentes, guia
de equipamentos, como fazer boas fotos com equipamentos limitados, técnicas
fotográficas avançadas; – A importância da luz para a fotografia, noções sobre iluminação
de estúdio, foto ao ar livre e uso do flash, tipos de arquivos, formas de armazenagem,
dicas de edição de imagem e programas de edição; – Como fazer retratos, fotografia de
eventos, fotografia de paisagem e foto artística, tipos de suportes para apresentação e a
escolha adequada do tamanho do arquivo; – Os diversos ofícios que envolvem fotografia,
a ascensão da imagem fotográfica no mundo digital, noções sobre manipulação de
imagens digitais, a fotografia como matéria prima para o designer, dicas para quem quer
se profissionalizar, sites e bibliografia sobre fotografia.
OBSERVAÇÕES
1. É desejável que cada participante traga seu próprio equipamento, podendo ser amador (câmeras
compactas digitais, celulares ou analógicas compactas de filmes), semi-profissionais ou profissionais
(analógicas ou digitais), pois será ministrada uma visão geral de como aproveitar o máximo de cada
equipamento.
2. Serão realizados exercícios práticos no decorrer dos encontros.
Exercícios
Exercício 1
1 foto com movimento borrado
1 foto com movimento congelado
1 foto com primeiro elemento em foco e o resto desfocado
1 foto com o primeiro elemento desfocado e o segundo elemento em foco
1 foto com todos os elementos em foco
Exercício 2
1 foto noturna externa
1 foto de café da manhã com luz suave (difusa)
1 foto de esporte
1 foto de paisagem
1 retrato de grupo dirigido, ou seja, não posado e sim um cena produzida pelo fotógrafo.
Exercício 3
1 foto de produto utilizando técnicas de iluminação
5 retratos inspirados nos fotógrafos estudados em aula ou em outros grandes mestres.
Exercício 4
Faça uma autobiografia fotográfica contando um pouco de você, de sua subjetividade através das imagens,
ou seja, fotografe objetos, lugares, animais, pessoas que sejam importantes ou expressivos na sua vida.
Esta série, que poderá ter de cinco a dez fotos, deve apontar ao leitor das imagens, quem é você.
3
1 História da Fotografia

 A primeira fotografia foi creditada ao francês Joseph Nicéphore Niépce, em 1826. O
tempo de exposição era de cerca de oito horas. Anos mais tarde, Daguerre, continuando
as experiências de Niépce, reduziu o tempo de exposição para minutos, o que tornou o
processo fotográfico prático.

 A fotografia foi fruto da compilação de diversos experimentos e de conhecimentos
ópticos muito antigos. Os pintores renascentistas frequentemente utilizavam a técnica da
câmera obscura para esboçar seus trabalhos. No Renascimento, a câmera obscura era
utilizada como um código de representação denominado perspectiva artificialis.
4
Fotografia feita por Louis Daguerre em 1839.Esta é considerada a 1ª fotografia, feita por
Joseph Nicéphore Niépce em 1826.
Gravura datada de 24 de Janeiro de 1544
com a inscrição: Solis Designium (Desenho
do Sol) demonstrando o principio da Câmara
Escura de Orifício.
No final da Idade Média, o renascimento
das artes na Europa vai criar nova função
para as câmaras escuras: instrumento
especial para desenhistas (utilizadas por
150 anos antes da invenção da fotografia.
O aparato óptico da fotografia, portanto, já havia sido concebido nos séculos XV e
XVII; o que houve no século XIX foi um avanço tecnológico, com a substituição do pincel
do pintor pelas substâncias químicas no momento de fixar a imagem projetada em uma
superfície plana. Alguns cientistas e inventores, como o italiano Angelo Sala em 1602, o
alemão Johann Heinrich Shulze em 1622 e o inglês Thomas Wedgwood em 1802 fizeram
experiências com nitrato de prata, no entanto, não conseguiram desenvolver uma técnica
que fixasse as imagens. Foi Niépce que conseguiu o grande feito quando utilizou uma
placa metálica emulsionada em Betume da Judéia e depois Daguerre aperfeiçoou o
processo, utilizando o nitrato de prata.

 O próximo estágio do progresso dessa tecnologia se deu com a criação de matrizes,
capazes de produzir um número indeterminado de cópias fotográficas. Esse foi o primeiro
passo para o desenvolvimento da fotografia como meio de comunicação de massa. Foi o
americano William Fox Talbot que, em 1835, conseguiu obter o primeiro negativo
denominado Calotipo, obtido através de papel sensibilizado.

 A partir destes primeiros precursores, a fotografia ganhou força com a
popularização dos retratos. Rápidos, baratos e “fiéis”, eles logo se tornaram mania,
inaugurando uma nova forma de representar as pessoas, antes feita apenas pela pintura.
Os retratos serviram como suporte para fotógrafos comercializarem imagens de
paisagens, costumes e povos das mais diversas culturas em grandes tiragens. A
fotografia conquistou um importante papel social como forma de comunicação e
divulgação de conhecimento, pois apresentava imagens de um mundo desconhecido,
principalmente através dos fotógrafos viajantes.
5
Fotografia obtida pelo processo de calotipia desenvolvido por William Fox Talbot.
Em 1888, George Eastmann criou a Kodak juntamente com o slogan: “Você aperta
o botão, nós fazemos o resto”1, salientando a facilidade em usar o equipamento.
Eastmann perseguia a ideia de um sistema fotográfico simples e barato. A fotografia ficou
realmente acessível ao grande público em 1900, quando ele lançou a Brownie, uma
câmera de 6 x 6 centímetros que custava 1 dólar ou 5 xelins.

 Assim, os princípios fundamentais da fotografia foram estabelecidos desde as
primeiras décadas do século XX, sendo o lançamento da Leica2, em 1925 e a criação do
filme fotográfico colorido em 1936, as últimas fronteiras para a nova linguagem se
estabelecer por completo. Apenas alguns avanços tecnológicos ao longo das décadas
tornaram o ato fotográfico mais popular e barato, além de contribuir na melhoria da
qualidade das imagens produzidas.

 Porém, a digitalização dos sistemas fotográficos que iniciou a partir de 1990 e
segue até os dias de hoje colocou em pauta um novo debate: a codificação binária
empregada nesse novo processo descaracteriza a natureza da fotografia de registrar
sinais luminosos em um suporte? Ainda não houve um consenso por parte dos teóricos
sobre este assunto. Por hora, podemos afirmar que a fotografia digital minimizou os
custos, reduziu etapas, modificou formas de visualização, armazenamento e transmissão
de imagens e, sobretudo, acelerou e facilitou os processos de produção e manipulação.
6
1 “You press the button, we do the rest”.
2 A Leica, foi a primeira máquina fotográfica miniaturizada de precisão. Graças a seu obturador de plano
focal e transportador de filme acoplado, preparou o terreno para a revolução ocorrida no sistema de
fotografia de 35mm (BUSSELLE, 1979).
Em 1854, André Disderi patenteou um
sistema chamado de Cate-de-Visite, que
consistia em uma única chapa que produzia
até 10 retratos, tornando-se um mania na
Europa a partir de 1859.
A Brownie, lançada em 1900, popularizou a
fotografia. Ela produzia fotos de qualidade
com 6x6 centímetros em filme de rolo em
cartucho de forma bastante simplificada.
2 A técnica fotográfica e o sentido

 A origem da palavra fotografia vem do grego (foto=luz/grafia=escrita) que significa
escrever com a luz. Se ela é um tipo de escrita, então podemos pensar que isso demanda
o conhecimento de um código para podermos entender a mensagem. Esse código é a
linguagem fotográfica. Para Ivan Lima (1988, p. 19): “É um grande erro achar que a
linguagem da fotografia é universal. Não existe nem uma foto que possa ser interpretada
da mesma forma por um brasileiro, um francês e um chinês, por uma moça de 18 anos e
um homem de 80”.

 A linguagem fotográfica pode ser compreendida através do estudo dos
componentes de ordem material e imaterial que são utilizadas conforme a
intencionalidade do autor da foto, na tentativa de alcançar um entendimento por parte do
leitor. Os de ordem material são as escolhas técnicas como: câmeras, lentes, velocidade
do obturador, abertura do diafragma, quantidade de luz, uso ou não do flash, etc. Já os de
ordem imaterial ou mentais são as escolhas de ordem mais subjetiva como: contraste,
foco, enquadramento, composição, etc. A soma de todos componentes escolhidos terá
como produto final a fotografia com a subjetividade e ideologia do produtor, o que
veremos a partir de agora.
2.1 Componentes de ordem material

 Desde o lançamento da Kodak e da Brownie, ainda no final do século XIX, o senso
comum diz que qualquer um pode “tirar” uma foto. As grandes dificuldades técnicas, os
pesados equipamentos, os processos de revelação química foram todos suplantados por
George Eastmann com seu “You Press The Button and We Do The Rest". O que dizer
então das minúsculas máquinas digitais de hoje, constantes inclusive em boa parte dos
telefones celulares, nas quais é possível visualizar a imagem pronta no instante seguinte
ao da captura da cena e permitem que se faça um milhão de tentativas “sem custo” se o
sujeito tiver tempo e paciência? Todavia, a fotografia profissional exigem um pouco mais
que “apontar para uma cena e apertar um botão”. Os fotojornalistas precisam conhecer a
linguagem fotográfica e aplicá-la nas escolhas técnicas para chegar ao resultado
almejado. Veremos a seguir os principais componentes materiais que interferem na
produção de sentido.
2.1.1 Luz
7
Ao nosso entendimento, a luz é a “matéria prima da fotografia” enquanto o objeto
(referente) dá a sua forma. Para o fotógrafo, o domínio da luz, pode ser comparado ao
domínio do barro ao oleiro. Segundo Weston (apud Busselle, 1977, p. 22): “Enquanto
houver luz, o fotógrafo tem condições de trabalhar, pois seu ofício — sua aventura — é
uma redescoberta do mundo em termos de luz.”

 Existem, na linguagem fotográfica, códigos razoavelmente convencionados para o
uso da iluminação, conforme as intencionalidades do fotojornalista. A escolha de um tipo
específico de luz para uma cena vai determinar a sensação que o fotógrafo quer
transmitir. Há muitos conceitos e conhecimentos sobre luz que são úteis para a prática
fotográfica, principalmente em estúdios. Todavia, para efeito de simplificação,
abordaremos duas situações de luz com as quais se depara o fotógrafo e que farão a
diferença no processo de significação: luz direta ou “dura” e luz difusa ou “suave”.

 A luz direta é aquela em que não há obstáculo entre a fonte de luz e o objeto
fotografado, proporcionando sombras duras e contrastes altos, como nas fotografias
tiradas ao ar livre, no sol do meio-dia ou sob lâmpadas sem difusor. Os manuais de
fotografia consideram que esse tipo de luz traz sensação de desconforto e dramaticidade.
“A luz dura, (...), cria sombras fortes que resultam em fotos nada bonitas (Guia Completo
de Fotografia - National Geographic, 2008, p. 99).”


 Já a luz difusa é conseguida, basicamente, de duas formas: (a) a luz passa por
um meio translúcido antes de atingir o objeto, como uma cortina ou papel vegetal
colocado em frente à uma lâmpada; (b) a luz é rebatida por uma superfície clara que
reflete os raios luminosos, incidindo no objeto à sombra, como por exemplo, alguém perto
de uma janela. Esse tipo de luz dispersa os raios luminosos, criando uma iluminação
uniforme e suave. O efeito pretendido é uma luz diluída, criando sombras pouco
pronunciadas e proporcionando sensação de conforto.
8
Exemplo de luz difusaExemplo de luz direta
2.1.2 Obturador

 É um dispositivo localizado na câmera, responsável pelo tempo de exposição do
material foto-sensível à luz (filme ou sensor nas câmeras digitais). Quanto maior for o
tempo de abertura do obturador, maior será a quantidade de luz que atingirá o material
foto-sensível. A escolha da velocidade do obturador para a exposição desejada estará
sujeita à combinação com a luz disponível no ambiente a ser fotografado e com a
abertura do diafragma, que serão dadas pela leitura do fotômetro3. As velocidades mais
comuns são: B, 1, 1/2, 1/4, 1/8, 1/15, 1/30, 1/60, 1/125, 1/250, 1/500, 1/1000, 1/2000,
1/4000, (...) 1/200004.

 Geralmente, em uma exposição considerada “correta”, o ajuste da velocidade
normal do obturador serve como parâmetro para a escolha da abertura do diafragma,
conforme a luz disponível como, por exemplo, em um retrato formal. Porém há dois
9
3 Dispositivo destinado a medir a luz com exatidão, disponível na maioria das câmeras.
4 As velocidades do obturador são dadas em frações de segundo, sendo que o número 1 representa um
segundo e o denominador representa o número de vezes em que este segundo foi dividido. Em algumas
câmeras o numerador 1 não é representado para economia de espaço.
Botão de regulagem do obturador
de uma câmera analógica.
“Cortina do obturador”, visível quando o compartimento do
filme está aberto.
Movimento congelado, alta
velocidade do obturador.
Movimento congelado, baixa
velocidade do obturador.
efeitos interessantes que podem ser conseguidos alterando-se a velocidade do obturador:
(a) o movimento borrado é conseguido quando um objeto ou pessoa passa em frente à
câmera com o obturador de velocidade baixa, como um carro de corrida que deixa um
rastro na foto, por exemplo; (b) o movimento congelado é obtido quando um objeto ou
pessoa em movimento passa em frente à câmera com obturador de velocidade alta
como, por exemplo, em fotos de esportes onde os atletas são congelados em plena ação.
2.1.3 Diafragma

 É um dispositivo constituído de lâminas semicirculares justapostas que podem ser
ajustadas alterando o diâmetro do orifício pelo qual passa a luz que atinge o material foto-
sensível. É localizado na objetiva, portanto sua escala vai depender da lente que o
fotógrafo estiver usando. Quanto maior for o diâmetro da abertura, maior será a
quantidade de luz que atinge o material foto-sensível. Quanto menor o diâmetro do
diafragma, menor a quantidade de luz que atinge o material foto-sensível.

 Há, contudo, uma consequência direta da abertura do diafragma com a
profundidade de campo5 (extensão da zona nítida da foto), que é inversamente
proporcional à entrada de luz, ou seja, quanto mais aberto o diafragma, menos
profundidade de campo; quanto mais fechado o diafragma, maior será a profundidade de
campo. Isso significa que o fotógrafo pode optar por menos profundidade de campo
quando quer chamar atenção para uma área específica da fotografia, média
10
5 A profundidade de campo na prática é a extensão da zona nítida disponível quando se tira uma fotografia e
está subordinada à distância de focalização, ao tamanho da abertura e à distância focal da objetiva
utilizada.
A representação do diafragma é dada pela letra f seguida do número.
profundidade de campo quando quer alguns elementos na zona nítida da foto e maior
profundidade de campo quando quer que todos os elementos apareçam nítidos na
imagem.

 As escalas numerais dos diafragmas nas lentes são inversas, ou seja, quanto
maior o número do diafragma menor será seu diâmetro e vice-versa. As escalas mais
comuns de diafragmas são: 1.8, 2.0, 2.8, 3.5, 4.5, 5.6, 8.0 (menor profundidade de
campo) e 11, 16, 22, 32, 64, (maior profundidade de campo).
2.1.4 Objetiva

 Também conhecida como lente, ela é acoplada em frente à câmera a fim de
refratar os raios luminosos para um mesmo ponto, tornando a imagem muito mais nítida e
11
Menor profundidade de campo f/2 - somente b
está em foco.
Maior profundidade de campo f/16 - a, b e c
estão em foco
Posição do fotógrafo em relação a a, b e c.
luminosa. É na objetiva que se encontram o diafragma e a regulagem de foco. A objetiva é
classificada conforme sua distância focal6. Há basicamente três categorias de objetivas:
a)grande angular - tem uma distância focal
menor que 50mm e ângulo de visão amplo,
entre 46 e 180 graus, tem a vantagem de
permitir que uma grande área apareça na
imagem;
b)normal - tem uma distância focal de 50mm e
seu ângulo de visão é de 45 graus, semelhante
ao do olho humano;
c)teleobjetiva - distância focal maior que 50mm
com ângulo de visão restrito, menor que 45
graus, mas tem a vantagem de “aproximar” o
objeto fotografado na imagem.
12
6 Segundo Busselle (1977, p.42), a distânica focal é “a distância do centro da lente até o ponto no qual
convergem os raios paralelos que insidem nela.
Teleobjetiva
Normal
Grande Angular
Distâncias Focais
Ângulos de Visão conforme a lente
2.1.5 Filmes

 O filme7, constituído de material foto-sensível, é o responsável pelo registro da
imagem a partir dos raios luminosos refletidos do objeto fotografado e refratados para o
interior da câmera pela objetiva. São classificados conforme sua sensibilidade à luz,
quanto mais sensível é o filme, menos luz será preciso para registrar uma imagem
satisfatoriamente. Por esse motivo, sua escolha está intimamente ligada à qualidade e
quantidade de luz disponível no local da foto.

 A escala mais usada dos filmes chama-se ISO e seus valores mais comuns são:
100, 200, 400, 800, 1600, 3200, 6400. Um filme de ISO 200, por exemplo, é duas vezes
mais sensível que um de ISO 100 e daí por diante. A qualidade da imagem produzida está
ligada à escolha do ISO do filme. Quanto menor o ISO, menor será a granulação da
imagem e melhor será o contraste e a saturação de cores. Sendo assim, o uso do ISO
baixo proporcionará uma imagem de qualidade excelente; ISO médio proporcionará uma
imagem de qualidade razoável e ISO alto proporcionará uma imagem de baixa qualidade.
2.2 Componentes de ordem imaterial

 Segundo Kossoy (2002, p. 27), os componentes imateriais “se sobrepõem
hierarquicamente” aos componentes materiais, pois são articulados na mente do fotógrafo
e não dependem da tecnologia, mais sim de escolhas culturais e ideológicas. Fazem
13
7 Usaremos a terminologia filme também para nos referir ao sensor da câmera digital, uma vez que sua
escala (ISO), segue o mesmo padrão das películas e sua escolha, teoricamente, causa o mesmo efeito na
imagem.
ISO baixo ISO alto
parte de uma intrincada rede de pensamentos e ações integrantes da linguagem
fotográfica da qual o produtor da foto lança mão quando constrói o signo fotográfico.
2.2.1 Ângulos de tomada

 O ângulo de tomada de uma imagem é o ângulo de visão da câmera em relação ao
objeto fotografado. É decidido pelo fotógrafo conforme seu ponto de vista sobre o tema ou
motivo fotografado. Basicamente, divide-se em três tipos:
a) plongée - quando a tomada é feita de cima para baixo, tende a diminuir o
elemento fotografado, desvalorizando-o, reduzindo sua importância, conotando
ares de fraqueza, submissão e derrota;
b) normal - respeitando as proporções do objeto, denota igualdade;
c) contre-plongée - quando o ângulo de tomada é feito de baixo para cima,
valorizando o elemento fotografado, representando-o maior do que ele
realmente é, ressaltando sua grandeza e conotando superioridade.
2.2.2 Plano de enquadramento

 É a seleção dos elementos e do espaço que faz parte do quadro da fotografia.
Varia de acordo com a objetiva utilizada e com a distância do fotógrafo em relação ao
objeto fotografado. É uma das ferramentas que mais permitem ao fotojornalista construir
sua concepção da cena, uma vez que ele tem o poder de adicionar ou excluir os
elementos que serão representados na imagem. Aqui, mais do que em qualquer outra
14
Plongée
Normal Contre-Plongée
ferramenta, podemos entender o termo “filtro cultural” de que fala Kossoy (2001), uma vez
que o fotojornalista estará editando previamente o que o observador “verá” e “não verá”
do que aconteceu de fato. Os planos de enquadramento são classificados conforme
segue:
a) grande plano geral - o ambiente como um todo pode ser visto em seu
contexto geral, é feito normalmente com lente grande angular;
b) plano geral - o elemento principal aparece em seu contexto de igual para igual
com os outros elementos em cena, geralmente é feito com uma lente normal
ou grande angular;
c) plano médio - o elemento principal preenche quase todo o quadro, pouco do
contexto é mostrado, levando o observador a dar atenção para o objeto
fundamental da imagem, é feito geralmente com uma lente teleobjetiva curta de
até 180 mm que não apresenta distorções, sendo, por esse motivo, muito
usado em retratos;
d) primeiro plano - destaque total ao elemento principal, não havendo nenhum
contexto, é feito geralmente com teleobjetivas acima de 200 mm e quando
usado para retratos, destaca o semblante e emoções do retratado;
e) plano detalhe - somente detalhes do elemento principal aparecem como
únicos elementos da cena, é feito, principalmente, com lentes macro e muitas
vezes é de difícil identificação.
15
Grande plano geral Plano geral
Plano médio
Primeiro plano
Plano detalhe
2.2.3 Plano de foco

 Diretamente ligado ao diafragma e à objetiva utilizada, o plano de foco decide quais
elementos, dentre os estabelecidos na composição, ficarão nítidos e quais ficarão
desfocados. Em outras palavras, seria o mesmo que dizer ao observador, “nesse contexto
existem muitos elementos, mas preste atenção especial neste aqui, pois ele é o que mais
importa”. Os planos de foco podem ser divididos em três grandes grupos:
a) plano de foco amplo - quando existe grande quantidade da imagem em foco;
b) plano de foco mediano - quando existe uma quantidade mediana da imagem
em foco;
c) plano de foco restrito - quando a imagem apresenta uma quantidade de foco
pequena.
2.2.4 Perspectiva

 Imagens fotográficas são projeções do mundo tridimensional em um suporte
bidimensional, que possui altura e largura, mas não profundidade. Para representar esse
terceiro eixo dos objetos o fotojornalista utiliza a perspectiva. Trata-se, na verdade, de
uma técnica para criar a ilusão da tridimensionalidade e foi desenvolvida para dar mais
16
Plano de foco amplo
Plano de foco mediano
Plano de foco restrito
realismo a uma cena. Muitas vezes o observador tem a impressão de que há uma
continuidade do espaço para dentro da imagem ou então de que esta vai “saltar do
papel”. Há basicamente dois tipos de perspectivas quanto à linguagem fotográfica:
a) linear - também conhecida como central ou artificialis é a mais conhecida
técnica de representação pictórica desde a renascença, na qual todas as linhas
convergem para o ponto de fuga, causando a ilusão de profundidade;
b) atmosférica - também chamada de “efeito bruma”, é o efeito atmosférico em
que há o enfraquecimento da imagem com a distância, quanto maior a
distância entre o objeto fotografado e a câmera, menor será a nitidez.
2.2.5 Contraste

 É a diferença entre as partes iluminadas e não iluminadas, entre o preto e o
branco, entre as cores da imagem. Nas fotografias PB quanto maior for a quantidade de
tons de cinza menor será o contraste; na fotografia a cores, quanto maior for a diferença
entre os tons, maior será o contraste.

 O contraste pode ser utilizado pelo fotografo para impressionar o observador.
Geralmente, contrastes mais altos vivificam a imagem dando a impressão de aproximação
dos objetos, da mesma forma que contrastes mais baixos deixam a imagem sem graça
dando a impressão de apagamento.
17
Perspectiva linear Perspectiva atmosférica
Alto contraste
2.2.6 Cor ou preto e branco

 As fotografias em cores conduzem o observador a um maior realismo, pois o
mundo é colorido. Diante disso, o observador estará dispensado da interpretação
cromática, deixando sujeitos à interpretação apenas os outros elementos icônicos da
imagem.

 Nas fotografias em preto e branco, a interpretação da cor fica por conta do
observador, deixando as imagens com um forte apelo estético, pois são mais distantes de
nossa realidade cotidiana. A atenção a outros aspectos da imagem como textura,
contraste, luz, etc é ampliada, pois não há a distração causada pela cor. O processo de
significação fica mais aberto para que o observador complete as lacunas deixadas pela
ausência de cor com suas próprias interpretações.
2.2.7 Composição

 A composição está ligada diretamente à forma de apresentação da imagem, é
responsável pela disposição dos elementos no quadro da foto, posicionados de acordo
com as intenções do fotojornalista. A escolha dos elementos que irão compor a fotografia
— animais, humanos, objetos, ambiente, etc — está diretamente ligada à sensibilidade
estética do fotógrafo, e determinará seu ponto de vista. Basicamente, a composição
poderá causar dois tipos de sensação no observador: conforto - quando há harmonia,
equilíbrio e unidade estética na imagem; e desconforto - quando há desorganização
estética, poluição visual e falta de hierarquia entre os elementos.
18
Sebastião Salgado La Chapelle
2.2.8 Equilíbrio

 O equilíbrio da imagem fotográfica está relacionado à disposição harmônica dos
elementos que nela figuram. O equilíbrio proporciona uma maior facilidade de acesso do
observador à imagem como um todo, deixando claro as ideias e conceitos que ela
apresenta. Uma imagem equilibrada apresenta uma boa composição, de forma que há
hierarquização ou simetria dos elementos, facilitando a leitura da mensagem que o
fotojornalista pretende transmitir.

 Uma imagem desequilibrada gerará um certo incômodo, pela dificuldade de acesso
aos dados disponíveis. O acúmulo de informações em um quadrante da imagem deixando
o restante da fotografia sem informação relevante é um exemplo de desequilíbrio.
Todavia, uma imagem desequilibrada ou poluída nem sempre é “errada” ou “ruim”, pois
depende das intenções do fotojornalista.

2.2.9 Textura

 Cria uma sensação tátil na imagem. Consiste em detalhar os objetos quanto a seu
relevo, utilizando para isso o contraste entre luz e sombra. A textura permite a
diferenciação entre a qualidade dos materiais que compõem a imagem causando
sensações de lisura, rigidez, porosidade, maciez, aspereza, robustez, fragilidade, entre
outras.

 A textura é mais um efeito de tridimensionalidade que pode ser usado na fotografia
para aumentar sua possibilidade de leitura. A aparência da textura depende
fundamentalmente do ângulo de incidência da luz sobre o objeto fotografado, criando
sombras no relevo desse objeto.
19
Exemplo de conforto na composição Exemplo equilíbrio na imagem
2.2.10 Regra dos terços

 Consiste em dividir mentalmente o quadro da fotografia em nove partes iguais
como se fosse um “jogo da velha” e situar o objeto fotografado em uma das quatro
interseções das linhas. Essas quatro interseções são conhecidas como seções áureas,
consideradas regiões de maior dinamismo em uma imagem, nas quais o elemento vital é
mais enfatizado e também onde existe a convergência natural dos olhos do observador
para dar início ou finalizar a leitura.

 Essa regra de composição foi criada no Renascimento e utilizada por grandes
mestres da pintura, como Da Vinci, Giotto e Michelângelo. Todavia, não existe técnica
mais intuitiva que a regra dos terços quando se trata de contextualizar a informação ou de
privilegiar algum elemento na imagem.
2.2.11 Elementos secundários

 Elementos secundários são todos os elementos que fazem parte da composição
além do principal, servindo para contextualizar o objeto fotografado e produzir sentido à
fotografia. Geralmente, são usados pelos fotografos para facilitar a leitura da imagem e
20
Exemplo do uso da textura
Exemplos do uso da regra dos terços
reforçar ideias, a fim de ajudar o observador na construção de um significado próximo ao
objetivo do autor da imagem.

 Tem que haver um cuidado, da parte do fotografo quanto à utilização de elementos
secundários, pois a imagem poderá fugir ao seu objetivo se algum elemento estiver fora
de contexto. Desta forma, a quantidade de informação deverá ser reduzida, pois um
excesso de elementos poderá poluir a imagem, comprometendo o resultado final.
3 A Câmera Fotográfica

 As câmeras podem ser classificadas de diversas maneiras, em relação a história
da tecnologia, em relação a sofisticação de seus recursos e até mesmo em relação ao
preço. Para os nossos objetivos neste curso, vamos nos categorizá-la de acordo as
possibilidades de aplicação contemporânea. Em relação a forma da fixação da fotografia
podemos classificá-las de duas maneiras:
a) analógicas - são câmeras totalmente mecânicas ou elétro/mecânicas que utiliza
películas, também chamada de filme, emulsionadas por sais de prata que atuam como
negativos que precisaram ser revelados em laboratório para posteriormente serem
ampliadas nas cópias fotográficas.
b) digitais - são aparelhos eletrônicos que dispensam o uso de filmes, sendo que as
imagens são registradas em cartões de memórias ou discos rígidos com capacidade
variadas através do código binário. Posteriormente esse código será lidos por outros
aparelhos eletrônicos como computadores, celulares etc.
21
Exemplo do uso dos elementos secundários
3.1 Tipos de Câmeras
3.1.1 Grande Formato

 São as mais utilizadas pelos estúdios profissionais importantes, fundamentalmente
porque são câmeras que permitem basculamentos e movimentos de compensação de
forma e perspectiva junto a rígidos controles na profundidade de campo tendo como
resultado a máxima qualidade. Por outro lado, as câmaras de grande formato fornecem
negativos e cromos de tamanhos que melhoram a qualidade da reprodução em
comparação direta com as de médio e pequeno formato. As marcas mais conhecidas são:
SINAR, PLAUBEL, CAMBO, LINHOF, CALUMET, S&K etc.
3.1.2 Médio Formato

 São câmeras usadas geralmente por estúdios, artistas ou entusiastas da fotografia
e produzem fotografias de alta qualidade. Muitas destas câmeras são antigas e operam
com negativos de 6 × 6 cm, 6 × 7 cm, 6 × 4,5 cm e 6 × 9 cm, etc, porém existem
fabricantes que se especializaram em produzir câmeras digitais desta categorias que são
bastante caras. As marcas mais utilizadas e conhecidas são: HASSELBLAD,
ROLLEYFLEX, BRONCA, MAMIYA. etc.
22
Câmera Sinar de estúdio
Rolleyflex antiga Mamiya antiga Hasselblad atual
3.1.3 Pequeno Formato

 São câmeras também conhecidas pelo nome de 35mm, largura do filme que
utilizam no caso das analógicas, mas suas características principais se mantiveram nas
digitais. São os aparelhos mais utilizados para quase todos tipos de fotografia por sua
versatilidade, portabilidade e preço acessível. Os principais tipos de câmeras de pequeno
formato são:
a. Reflex monobjetiva ou SLR (Single Lens Reflex) - É sem dúvida a mais bem
sucedido projeto de câmera de todos os tempos. Usa a mesma lente para visualizar a
imagem e fotografá-la. Um espelho reflete a imagem da lente para o visor. Quando o
botão do obturador é pressionado, o espelho sai da frente e o obturador se abre,
expondo o sensor ou filme à luz. Têm uma infinidade de característica e funcionalidade,
além da capacidade de usar lentes intercambiáveis. São essenciais para fotografar
paisagens e esportes. Diversos tipos de acessórios estão disponíveis para elas, tais
como uma ampla variedade da flashes, equipamentos especiais para closes e macros,
apetrechos de controle remoto, etc.
b. Compactas - São câmeras muito simples e baratas que servem para usos não
profissionais e domésticos. Possuem lente única e fixada a câmera. Têm
funcionamento automático programado pelo fabricante com o intuito de facilitar o uso.
As atuais câmeras compactas digitais oferecem um menu com algumas funções que
podem ser escolhidas pelo usuário, como ISO, temperatura de cor, tamanho da
imagem, etc.
23
Laica M de 1950 Nikon D300 digital
Sony Compacta
c. Ultra compactas - São câmeras embuitidas em outros aparelhos como notebooks e
celulares. Possuem funções ainda mais limitadas que as compactas.
4 Funções da Câmera

 Há inúmeros tipos, modelos e fabricante de câmeras, cada com uma configuração
própria das funções disponíveis. Todavia, de uma maneira geral, para fazer boas
fotografias temos que saber localizar e regular as seguintes funções:
•F - Abertura do Diafragma - localizado na objetiva ou em algumas compactas no menu.
A escala depende da lente usada.
•1/x - Velocidade do obturador - localizado no corpo da câmera e em algumas
compactas no menu. A escala depende da câmera.
•ISO - Sensibilidade de ISO - escolha do filme para cada situação ou nas digitais
localiza-se no menu da câmera.
•Temperatura de Cor - Balanço de Branco - localizado no menu da câmera.
•AF - Área de Foco - escolha da área amplitude da área que será focalizada.
•Tamanho da Imagem - com relação o tamanho do arquivo da câmera digital e o uso que
se dará para fotografia posteriormente, localizado no menu.
•Qualidade da Imagem - Escolha do tipo de arquivo que será gerado pela câmera digital,
localizado no menu.
•EV - Compensação da exposição ou do flash - usado para alterar o valor de exposição
sugerido pela câmera ou do flash, localizado no menu.
•Flash - Modo de flash - localizado no menu.
•Temporizador - O temporizador automático pode ser utilizado para reduzir o
estremecimento da câmara ou para auto-retratos. Localizado no menu.
5 Tipos de Arquivos

 As câmeras digitais possibilitam tirar fotografias em um série de tipos de arquivos.
Para a escolha do arquivo temos que levar em consideração o uso que faremos da
imagem posteriormente. Os principais tipos de arquivos são:
24
a. RAW - também conhecido como NEF, é um formato disponível em câmeras SLR e
algumas compactas. Este formato é muito usado pelos profissionais, pois os dados são
armazenados “crus”, conforme vêm do sensor da câmera não sofrendo nenhuma
processamento. Este formato tem a vantagem de proporcionar uma edição muito rica
em detalhes que podem ser trabalhados pelos softwares tendo como resultado uma
imagem de altíssima qualidade. O inconveniente neste caso é que o arquivo Raw
ocupa muito mais espaço do que outros.
b. TIFF - é um formato que permite armazenar arquivos digitais já processado pela
câmera mas sem nenhuma perda de qualidade, portanto gera um arquivo que ocupa
um espaço considerado grande se comparado ao formato JPEG. Este tipo de arquivo é
o preferido para imagens que serão publicadas em material impresso.
c. JPEG - é o formato de armazenamento de imagem digital mais utilizado. Permite uma
variedade bastante grande de níveis de compactação para os diversos usos que
poderão ter a imagem, por isso mesmo é o formato mais utilizado para imagens na
web. É um formato que sofre perdas devido ao processo de compactação, sendo que
os arquivos menores serão os que terão menos qualidade nas imagens. Isto não
significa que os arquivos JPEG grandes não possam ter qualidade razoável para usos
diversos.
6 Formas de Armazenagem
•Reflita sobre o propósito de seu arquivo.
•Aproveite o tempo com sabedoria.
•Abordagem minimalista: arquivamento para quem odeia arquivar.
•Organize seus arquivos desde o início: crie subpastas dentro da pasta imagens, com
cada evento ou tema fotografado.
•Navegue pelas fotografias usando o modo de visualização de fotos, sem precisar abrir
programas de edição.
•Faça Back Up das fotografias. Se tiver pouco espaço disponível faça a cópia de
segurança pelo menos das melhores imagens, evitando perder suas fotos caso algo
aconteça ao seu disco rígido.
•Use um gerenciador de arquivos.
•Faça o grosso do trabalho na hora de descarregar: já na primeira visualização use a tela
cheia e classifique as melhores fotos das não tão boas e elimine as que você não vai
25
usar, como as muito escuras ou completamente tremidas. Assim você poupa espaço no
disco e ainda diminui o trabalho na hora de editar.
•Escolha um software de edição de imagens que seja adequado ao seu uso.
•Digitalize suas fotos impressa com um scanner ou fazendo pelo processo de foto-da-foto.
•Faça back up dos melhore trabalhos em CDs ou DVDs.
7 Guia de Equipamentos

 Existe uma quantidade infindável de equipamentos disponíveis para os diversos
tipos de trabalho realizados na área de fotografia. Com o objetivo deste curso é
apresentar as noções básicas sobre o assunto, vamos descrever de forma sucinta o
material elementar para o fotógrafo iniciante.
1. Câmera Fotográfica - Com a popularização das câmeras digitais a partir do início do
século XXI, aumentou muito o número de pessoas que fazem fotografias. A maioria
absoluta destas pessoas deixa-se levar pelo programa automático da câmera. Se você
se interessa de maneira mais profunda pelo assunto uma boa dica seria pensar em
adquirir uma câmera SLR com lentes intercambiáveis e as diversas possibilidades que
estes aparelhos proporcionam.
2. Objetivas - Se você possui uma câmera SLR, o investimento mais interessante é em
lentes de qualidade, conforme o uso que se está fazendo do equipamento ou
interesses pessoais.
3. Tripé - Todos os fotógrafos, amadores ou profissionais, não podem abrir mão de um
tripé que servirá tanto para reduzir vibrações como para fazer fotografias no modo
temporizador.
4. Flash - Se sua câmera tem sapata para flash acessório, a dica é investir neste
equipamento que melhora consideravelmente a qualidade de suas fotos em condições
de baixa luminosidade. A diferença deste equipamento para o flash que já vem
incorporado à câmera é muito expressiva, enquanto que o flash comum apenas produz
um luz dura e evidentemente artificial, as possibilidade do flash acessório permitem
diversos usos criativos e resultados surpreendentes.
5. Cases - Para carregar seus equipamentos de forma segura e manter tudo limpo e
indispensável que você acomode-os em bolsas especiais revestidas com material anti-
choque e impermeável. Há cases para todo tipo de equipamento e de diversos
tamanhos.
26
6. Baterias extras - Se você pretende fazer muitas fotografias de uma só vez, fazer
viagens na qual não há possibilidade de recaregar a bateria, cobri eventos sociais ou
esportivos, seria bom considerar em adquirir baterias extras.
7. Cartão de memória - É de extrema importância que você tenha espaço suficiente para
fazer suas fotografias de forma tranquila em um evento ou em suas férias. A falta de
espaço pode levar o fotógrafo a optar por tirar certas fotos em detrimento de outras,
ficando com aquela sensação de que está “perdendo algo” interessante. A solução para
isso é ter sempre um cartão de memória reserva de no mínimo 2G.
8. Iluminação auxiliar ou de estúdio - Se você está pretendendo se profissionalizar, já
deve pensar que terá que adquirir um conjunto de iluminação auxiliar ou de estúdio.
Esse tipo de equipamento varia muito em termo de sofisticação e preço, conforme o
bolso e a intenção do fotógrafo.
27
1 2
3
4
5
6
7
8 ANATOMIA DA CÂMERA FOTOGRÁFICA

 Abaixo estão algumas figuras que expõem esquematicamente os mecanismos
internos das câmeras fotográficas.
28
29
30
2 Introdução: Conhecer a câmara
Conhecer a câmara
Dedique alguns momentos a familiarizar-se com os controlos e indicadores da câmara. Pode ser útil
marcar esta secção e consultá-la durante a leitura do manual.
Corpo da câmara
1 Flash incorporado..............................................................23, 40 21 Ilhó para a correia da câmara ................................................8
2 Botão (modo de flash)......................................................40 22 Iluminador auxiliar de AF .............................................. 28, 87
(compensação do flash)................................................55 Luz do temporizador automático............................ 37, 38
3 Botão (bracketing).......................................................56–57 Luz de redução do efeito de olhos vermelhos........39
4 Receptor de infravermelhos................................................38 23 Botão de disparo do obturador................................. 22, 23
5 Marca de montagem da objectiva..................................11 24 Botão de alimentação..................................................... 11, 19
6 Ilhó para a correia da câmara.................................................8 Interruptor do iluminador........................................................3
7 Tampa do conector................................................... 66, 67, 70 25 Botão (compensação da exposição).....................54
8 Conector USB................................................................................67 ! (botão de reinicialização).................................................44
9 Botão de restaurar...................................................................129 26 Botão (modo de disparo)................................................36
10 Conector de entrada de CC para o adaptador
CA EH-5 opcional...........................................................................123
Modo de disparo imagem-a-imagem/contínuo....36
Modo de temporizador automático..............................37
11 Conector de vídeo.....................................................................66 Modo de controlo remoto ...................................................38
12 Conector de cabo remoto.................................................123 27 Botão (modo de AF)...........................................................29
13 Selector do modo de focagem .................................28, 32 ! (botão de reinicialização).................................................44
14 Botão para desbloquear a objectiva ..............................11 28 Painel de controlo.........................................................................5
15 Montagem da objectiva ........................................................11 29 Tampa da sapata de acessórios.......................................119
16 Espelho................................................................................106, 125 30 Sapata de acessórios
(para unidade de flash opcional)...............................................11917 Botão de pré-visualização da profundidade de
campo...............................................................................................49 31 (indicador de plano focal)...........................................32
18 Punho ................................................................................................21 32 Disco de modos...................................................47, 48, 49, 50
19 Disco de controlo secundário....................................10, 91 33 Botão (modo de medição)..........................................52
20 Botão FUNÇ..................................................................................92 Botão (formatar)...............................................................16
1
2
3
4
5
6
7 8
9
10
11
1213
1415
16
1718
19
20
22 32
33
23 24
25
26
21
2728
30
29
A figura abaixo identifica uma possível divisão didática das partes de uma câmera
fotográfica de estúdio.
31

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia da Fotografia
Historia da FotografiaHistoria da Fotografia
Historia da FotografiaCid Costa Neto
 
Breve historia-da-fotografia
 Breve historia-da-fotografia Breve historia-da-fotografia
Breve historia-da-fotografiaMarta Monteiro
 
Evolução da fotografia - Evolution of Photography
Evolução da fotografia  -  Evolution of PhotographyEvolução da fotografia  -  Evolution of Photography
Evolução da fotografia - Evolution of PhotographyLídia Pavan
 
Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Mini Curso de Fotografia - Aula 1Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Mini Curso de Fotografia - Aula 1Thiago Araujo
 
6° ano - Leitura de obra de arte
6° ano - Leitura de obra de arte6° ano - Leitura de obra de arte
6° ano - Leitura de obra de arteRoberta Castro
 
ISO, Diafragma e Obturador
ISO, Diafragma e Obturador ISO, Diafragma e Obturador
ISO, Diafragma e Obturador Clara Ferreira
 
A linguagem cenográfia
A linguagem cenográfiaA linguagem cenográfia
A linguagem cenográfiaLuara Schamó
 
A História da Fotografia: da Modernidade a Contemporaneidade
A História da Fotografia: da Modernidade a ContemporaneidadeA História da Fotografia: da Modernidade a Contemporaneidade
A História da Fotografia: da Modernidade a ContemporaneidadeBeto Lima Branding
 
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografiaPaulo Neves
 
Fotografia para iniciantes: conceitos e princípios
Fotografia para iniciantes: conceitos e princípiosFotografia para iniciantes: conceitos e princípios
Fotografia para iniciantes: conceitos e princípiosEduardo Graziosi Silva
 
Fotografia publicitária
Fotografia publicitáriaFotografia publicitária
Fotografia publicitáriaJúlio Rocha
 
Timeline da Fotografia
Timeline da FotografiaTimeline da Fotografia
Timeline da FotografiaAnaMachado96
 
Direção de Arte e Fotografia no Cinema
Direção de Arte e Fotografia no CinemaDireção de Arte e Fotografia no Cinema
Direção de Arte e Fotografia no CinemaMauricio Mallet Duprat
 
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteEnquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteConrado Melo
 
Gêneros fotográficos
Gêneros fotográficosGêneros fotográficos
Gêneros fotográficosCid Costa Neto
 
Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Vinícius Souza
 

Mais procurados (20)

Historia da Fotografia
Historia da FotografiaHistoria da Fotografia
Historia da Fotografia
 
Maquina fotografica
Maquina fotograficaMaquina fotografica
Maquina fotografica
 
Breve historia-da-fotografia
 Breve historia-da-fotografia Breve historia-da-fotografia
Breve historia-da-fotografia
 
Evolução da fotografia - Evolution of Photography
Evolução da fotografia  -  Evolution of PhotographyEvolução da fotografia  -  Evolution of Photography
Evolução da fotografia - Evolution of Photography
 
Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Mini Curso de Fotografia - Aula 1Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Mini Curso de Fotografia - Aula 1
 
A arte da fotografia
A arte da fotografiaA arte da fotografia
A arte da fotografia
 
6° ano - Leitura de obra de arte
6° ano - Leitura de obra de arte6° ano - Leitura de obra de arte
6° ano - Leitura de obra de arte
 
Cinema novo
Cinema novoCinema novo
Cinema novo
 
ISO, Diafragma e Obturador
ISO, Diafragma e Obturador ISO, Diafragma e Obturador
ISO, Diafragma e Obturador
 
A linguagem cenográfia
A linguagem cenográfiaA linguagem cenográfia
A linguagem cenográfia
 
A História da Fotografia: da Modernidade a Contemporaneidade
A História da Fotografia: da Modernidade a ContemporaneidadeA História da Fotografia: da Modernidade a Contemporaneidade
A História da Fotografia: da Modernidade a Contemporaneidade
 
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
 
Fotografia para iniciantes: conceitos e princípios
Fotografia para iniciantes: conceitos e princípiosFotografia para iniciantes: conceitos e princípios
Fotografia para iniciantes: conceitos e princípios
 
Fotografia publicitária
Fotografia publicitáriaFotografia publicitária
Fotografia publicitária
 
Timeline da Fotografia
Timeline da FotografiaTimeline da Fotografia
Timeline da Fotografia
 
Direção de Arte e Fotografia no Cinema
Direção de Arte e Fotografia no CinemaDireção de Arte e Fotografia no Cinema
Direção de Arte e Fotografia no Cinema
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
 
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteEnquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
 
Gêneros fotográficos
Gêneros fotográficosGêneros fotográficos
Gêneros fotográficos
 
Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual
 

Destaque

Fotojornalismo II - Aula 7 - Elementos da composição fotográfica II
Fotojornalismo II - Aula 7 - Elementos da composição fotográfica IIFotojornalismo II - Aula 7 - Elementos da composição fotográfica II
Fotojornalismo II - Aula 7 - Elementos da composição fotográfica IIJulia Dantas
 
Fotojornalismo II - Aula 8 - Orientações trabalhos, novos prazos, composição ...
Fotojornalismo II - Aula 8 - Orientações trabalhos, novos prazos, composição ...Fotojornalismo II - Aula 8 - Orientações trabalhos, novos prazos, composição ...
Fotojornalismo II - Aula 8 - Orientações trabalhos, novos prazos, composição ...Julia Dantas
 
Fotojornalismo II - Composição fotográfica IV
Fotojornalismo II - Composição fotográfica IV Fotojornalismo II - Composição fotográfica IV
Fotojornalismo II - Composição fotográfica IV Julia Dantas
 
Fotojornalismo II - Aula 2 - Fotojornalismo e ideologia / Mise-en-scène no Fo...
Fotojornalismo II - Aula 2 - Fotojornalismo e ideologia / Mise-en-scène no Fo...Fotojornalismo II - Aula 2 - Fotojornalismo e ideologia / Mise-en-scène no Fo...
Fotojornalismo II - Aula 2 - Fotojornalismo e ideologia / Mise-en-scène no Fo...Julia Dantas
 
Fotojornalismo I - Panorama da profissão e novo jornalismo visual
Fotojornalismo I - Panorama da profissão e novo jornalismo visualFotojornalismo I - Panorama da profissão e novo jornalismo visual
Fotojornalismo I - Panorama da profissão e novo jornalismo visualJulia Dantas
 
Fotojornalismo II - Aula 4 - O ensaio fotográfico e fotografia de retratos e ...
Fotojornalismo II - Aula 4 - O ensaio fotográfico e fotografia de retratos e ...Fotojornalismo II - Aula 4 - O ensaio fotográfico e fotografia de retratos e ...
Fotojornalismo II - Aula 4 - O ensaio fotográfico e fotografia de retratos e ...Julia Dantas
 
O Fotojornalismo
O FotojornalismoO Fotojornalismo
O FotojornalismoAna Almeida
 
Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...
Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...
Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...Julia Dantas
 
Fotojornalismo I - Aula 6 - Os gêneros do fotojornalismo
Fotojornalismo I - Aula 6 - Os gêneros do fotojornalismoFotojornalismo I - Aula 6 - Os gêneros do fotojornalismo
Fotojornalismo I - Aula 6 - Os gêneros do fotojornalismoJulia Dantas
 
Fotojornalismo
FotojornalismoFotojornalismo
FotojornalismoKaren Sica
 
Módulo 1 | Fotografia Digital | 4. Composição
Módulo 1 | Fotografia Digital | 4. ComposiçãoMódulo 1 | Fotografia Digital | 4. Composição
Módulo 1 | Fotografia Digital | 4. ComposiçãoNuno Barros
 
Apostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo Gomes
Apostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo GomesApostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo Gomes
Apostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo GomesRaquel Salcedo Gomes
 
Fotojornalismo I - Aula 4 - Fotojornalismo no século XX
Fotojornalismo I - Aula 4 - Fotojornalismo no século XX Fotojornalismo I - Aula 4 - Fotojornalismo no século XX
Fotojornalismo I - Aula 4 - Fotojornalismo no século XX Julia Dantas
 
Curso de Fotografia - 9 dicas de composição com Cartier Bresson
Curso de Fotografia - 9 dicas de composição com Cartier BressonCurso de Fotografia - 9 dicas de composição com Cartier Bresson
Curso de Fotografia - 9 dicas de composição com Cartier Bressonfelipefaux
 
Aula 02 - Curso Fotografia Básica
Aula 02 - Curso Fotografia BásicaAula 02 - Curso Fotografia Básica
Aula 02 - Curso Fotografia Básicatiago.ufc
 
Fotografia composição enquadramento
Fotografia composição enquadramentoFotografia composição enquadramento
Fotografia composição enquadramentovictormlcosta
 
Técnicas fotográficas
Técnicas fotográficasTécnicas fotográficas
Técnicas fotográficasThayse Beckner
 

Destaque (20)

Fotojornalismo II - Aula 7 - Elementos da composição fotográfica II
Fotojornalismo II - Aula 7 - Elementos da composição fotográfica IIFotojornalismo II - Aula 7 - Elementos da composição fotográfica II
Fotojornalismo II - Aula 7 - Elementos da composição fotográfica II
 
Fotojornalismo II - Aula 8 - Orientações trabalhos, novos prazos, composição ...
Fotojornalismo II - Aula 8 - Orientações trabalhos, novos prazos, composição ...Fotojornalismo II - Aula 8 - Orientações trabalhos, novos prazos, composição ...
Fotojornalismo II - Aula 8 - Orientações trabalhos, novos prazos, composição ...
 
Fotojornalismo II - Composição fotográfica IV
Fotojornalismo II - Composição fotográfica IV Fotojornalismo II - Composição fotográfica IV
Fotojornalismo II - Composição fotográfica IV
 
Fotojornalismo II - Aula 2 - Fotojornalismo e ideologia / Mise-en-scène no Fo...
Fotojornalismo II - Aula 2 - Fotojornalismo e ideologia / Mise-en-scène no Fo...Fotojornalismo II - Aula 2 - Fotojornalismo e ideologia / Mise-en-scène no Fo...
Fotojornalismo II - Aula 2 - Fotojornalismo e ideologia / Mise-en-scène no Fo...
 
Fotojornalismo I - Panorama da profissão e novo jornalismo visual
Fotojornalismo I - Panorama da profissão e novo jornalismo visualFotojornalismo I - Panorama da profissão e novo jornalismo visual
Fotojornalismo I - Panorama da profissão e novo jornalismo visual
 
Fotojornalismo II - Aula 4 - O ensaio fotográfico e fotografia de retratos e ...
Fotojornalismo II - Aula 4 - O ensaio fotográfico e fotografia de retratos e ...Fotojornalismo II - Aula 4 - O ensaio fotográfico e fotografia de retratos e ...
Fotojornalismo II - Aula 4 - O ensaio fotográfico e fotografia de retratos e ...
 
O Fotojornalismo
O FotojornalismoO Fotojornalismo
O Fotojornalismo
 
Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...
Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...
Fotojornalismo II - Panorama da profissão, jornalismo visual e fotos ilustrat...
 
Fotojornalismo I - Aula 6 - Os gêneros do fotojornalismo
Fotojornalismo I - Aula 6 - Os gêneros do fotojornalismoFotojornalismo I - Aula 6 - Os gêneros do fotojornalismo
Fotojornalismo I - Aula 6 - Os gêneros do fotojornalismo
 
Manual de Fotografia 1
Manual de Fotografia 1Manual de Fotografia 1
Manual de Fotografia 1
 
Fotojornalismo
FotojornalismoFotojornalismo
Fotojornalismo
 
Composição fotográfica
Composição fotográficaComposição fotográfica
Composição fotográfica
 
Módulo 1 | Fotografia Digital | 4. Composição
Módulo 1 | Fotografia Digital | 4. ComposiçãoMódulo 1 | Fotografia Digital | 4. Composição
Módulo 1 | Fotografia Digital | 4. Composição
 
Apostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo Gomes
Apostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo GomesApostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo Gomes
Apostila do Curso Básico de Fotografia - Prof. Me. Marcelo Salcedo Gomes
 
Linguagem fotográfica
Linguagem fotográficaLinguagem fotográfica
Linguagem fotográfica
 
Fotojornalismo I - Aula 4 - Fotojornalismo no século XX
Fotojornalismo I - Aula 4 - Fotojornalismo no século XX Fotojornalismo I - Aula 4 - Fotojornalismo no século XX
Fotojornalismo I - Aula 4 - Fotojornalismo no século XX
 
Curso de Fotografia - 9 dicas de composição com Cartier Bresson
Curso de Fotografia - 9 dicas de composição com Cartier BressonCurso de Fotografia - 9 dicas de composição com Cartier Bresson
Curso de Fotografia - 9 dicas de composição com Cartier Bresson
 
Aula 02 - Curso Fotografia Básica
Aula 02 - Curso Fotografia BásicaAula 02 - Curso Fotografia Básica
Aula 02 - Curso Fotografia Básica
 
Fotografia composição enquadramento
Fotografia composição enquadramentoFotografia composição enquadramento
Fotografia composição enquadramento
 
Técnicas fotográficas
Técnicas fotográficasTécnicas fotográficas
Técnicas fotográficas
 

Semelhante a Apostila Fotografia - Curso Básico 2014

A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografiaruijmoreira
 
Seminário Fotografia analógica à ascensão da fotografia digital
Seminário Fotografia analógica à ascensão da fotografia digitalSeminário Fotografia analógica à ascensão da fotografia digital
Seminário Fotografia analógica à ascensão da fotografia digitalElaine Lima
 
Slide Introdução a fotografia.pdf
Slide Introdução a fotografia.pdfSlide Introdução a fotografia.pdf
Slide Introdução a fotografia.pdfIsabellaQueiroz18
 
Carlos Miguel - Máquina Fotográfica
Carlos Miguel - Máquina FotográficaCarlos Miguel - Máquina Fotográfica
Carlos Miguel - Máquina Fotográficariscas
 
Historiada fotografia
Historiada fotografia Historiada fotografia
Historiada fotografia cafumilena
 
Apostila de fotografia básica professor fernando feijó - curso basico-fotogr...
Apostila de fotografia básica  professor fernando feijó - curso basico-fotogr...Apostila de fotografia básica  professor fernando feijó - curso basico-fotogr...
Apostila de fotografia básica professor fernando feijó - curso basico-fotogr...Albano Ocaranguejodigital
 
430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf
430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf
430363364-Ficha-Nº3-m1.pdfIlemos
 
As novas tecnologias no contexto profissional
As novas tecnologias no contexto profissionalAs novas tecnologias no contexto profissional
As novas tecnologias no contexto profissionalLaetitia Oliveira
 
A Evolução da Indústria Fotográfica
A Evolução da Indústria FotográficaA Evolução da Indústria Fotográfica
A Evolução da Indústria Fotográficaluisdefaria
 
Impressionismo em fotografia
Impressionismo em fotografiaImpressionismo em fotografia
Impressionismo em fotografiaLuizRoberto8
 
Souza; mariana gomes de fragmentos de imagens na cultura digital
Souza; mariana gomes de   fragmentos de imagens na cultura digitalSouza; mariana gomes de   fragmentos de imagens na cultura digital
Souza; mariana gomes de fragmentos de imagens na cultura digitalAcervo_DAC
 

Semelhante a Apostila Fotografia - Curso Básico 2014 (20)

A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
 
Nascimento da Fotografia.ppt
Nascimento da Fotografia.pptNascimento da Fotografia.ppt
Nascimento da Fotografia.ppt
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
 
Seminário Fotografia analógica à ascensão da fotografia digital
Seminário Fotografia analógica à ascensão da fotografia digitalSeminário Fotografia analógica à ascensão da fotografia digital
Seminário Fotografia analógica à ascensão da fotografia digital
 
Fotografia de A a Z - Aula 01
Fotografia de A a Z - Aula 01Fotografia de A a Z - Aula 01
Fotografia de A a Z - Aula 01
 
Slide Introdução a fotografia.pdf
Slide Introdução a fotografia.pdfSlide Introdução a fotografia.pdf
Slide Introdução a fotografia.pdf
 
Arte - Fotografia e Cinema.docx
Arte - Fotografia e Cinema.docxArte - Fotografia e Cinema.docx
Arte - Fotografia e Cinema.docx
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
 
Carlos Miguel - Máquina Fotográfica
Carlos Miguel - Máquina FotográficaCarlos Miguel - Máquina Fotográfica
Carlos Miguel - Máquina Fotográfica
 
Historiada fotografia
Historiada fotografia Historiada fotografia
Historiada fotografia
 
Apostila de fotografia básica professor fernando feijó - curso basico-fotogr...
Apostila de fotografia básica  professor fernando feijó - curso basico-fotogr...Apostila de fotografia básica  professor fernando feijó - curso basico-fotogr...
Apostila de fotografia básica professor fernando feijó - curso basico-fotogr...
 
430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf
430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf
430363364-Ficha-Nº3-m1.pdf
 
As novas tecnologias no contexto profissional
As novas tecnologias no contexto profissionalAs novas tecnologias no contexto profissional
As novas tecnologias no contexto profissional
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
 
Curso fotografia e historia 2013
Curso fotografia e historia 2013Curso fotografia e historia 2013
Curso fotografia e historia 2013
 
A Evolução da Indústria Fotográfica
A Evolução da Indústria FotográficaA Evolução da Indústria Fotográfica
A Evolução da Indústria Fotográfica
 
Impressionismo em fotografia
Impressionismo em fotografiaImpressionismo em fotografia
Impressionismo em fotografia
 
Souza; mariana gomes de fragmentos de imagens na cultura digital
Souza; mariana gomes de   fragmentos de imagens na cultura digitalSouza; mariana gomes de   fragmentos de imagens na cultura digital
Souza; mariana gomes de fragmentos de imagens na cultura digital
 
Artes visuais
Artes visuaisArtes visuais
Artes visuais
 
Artes visuais
Artes visuaisArtes visuais
Artes visuais
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoRaquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaRaquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoRaquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasRaquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisRaquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasRaquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesRaquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 

Apostila Fotografia - Curso Básico 2014

  • 1. FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA DDPI - CURSOS DE EXTENSÃO PROFESSOR ME. MARCELO SALCEDO GOMES CURSO BÁSICO DE FOTOGRAFIA NOVO HAMBURGO 2014 1
  • 2. DDPI - CURSOS DE EXTENSÃO 2013/02 Curso Básico de Fotografia - 20 horas OBJETIVOS Identificar os princípios da câmera fotográfica, seus principais mecanismos técnicos e operacionalizar seus usos integrados para a formação da imagem. Apontar os principais elementos da linguagem fotográfica (luz, profundidade de campo, foco, enquadramento, composição, cor, momento decisivo etc) e sua inter-relação com os elementos técnicos (tipos de lentes, tempo de exposição, velocidade do obturador, abertura do diafragma, ISO etc). Entender os elementos estéticos, técnicos e sociais implicados no processo de construção das imagens fotográficas, bem como a diferença entre fotojornalismo, fotodocumento, foto publicitária, foto arte etc. PÚBLICO ALVO Alunos dos curso Técnico em Design, demais cursos da Fundação Liberato ou da UERGS e interessados em fotografia em geral. DOCENTE Marcelo Salcedo Gomes: Fotógrafo, Graduado em Comunicação Social - Jornalismo, com Especialização em Fotografia Instrumental. Mestre em Ciências da Comunicação e doutorando pelo PPGCC Unisinos na linha de pesquisa Mídia e Processos Audiovisuais. Primeiro colocado do Prêmio Adelmo Genro Filho da SBPJor 2011 com o TCC intitulado As Fantásticas Fotografias da National Geographic e 1º lugar do Prêmio de Jornalismo Experimental da Unisinos 2009 na categoria Fotojornalismo. Realiza pesquisa no campo da comunicação em contexto de midiatização com foco nas teorias da imagem. CALENDÁRIO E HORÁRIO DAS AULAS As aulas ocorrerão aos sábados, no turno da manhã, nos dias 26 de abril; 03, 10 e 17 de maio; 07 de junho, das 08h30min às 12h30min. 2
  • 3. PROGRAMA Os elementos da linguagem fotográfica, operações básicas de câmera fotográfica, a diferença entre fotografia analógica e digital; – Os tipos de câmeras, tipos de lentes, guia de equipamentos, como fazer boas fotos com equipamentos limitados, técnicas fotográficas avançadas; – A importância da luz para a fotografia, noções sobre iluminação de estúdio, foto ao ar livre e uso do flash, tipos de arquivos, formas de armazenagem, dicas de edição de imagem e programas de edição; – Como fazer retratos, fotografia de eventos, fotografia de paisagem e foto artística, tipos de suportes para apresentação e a escolha adequada do tamanho do arquivo; – Os diversos ofícios que envolvem fotografia, a ascensão da imagem fotográfica no mundo digital, noções sobre manipulação de imagens digitais, a fotografia como matéria prima para o designer, dicas para quem quer se profissionalizar, sites e bibliografia sobre fotografia. OBSERVAÇÕES 1. É desejável que cada participante traga seu próprio equipamento, podendo ser amador (câmeras compactas digitais, celulares ou analógicas compactas de filmes), semi-profissionais ou profissionais (analógicas ou digitais), pois será ministrada uma visão geral de como aproveitar o máximo de cada equipamento. 2. Serão realizados exercícios práticos no decorrer dos encontros. Exercícios Exercício 1 1 foto com movimento borrado 1 foto com movimento congelado 1 foto com primeiro elemento em foco e o resto desfocado 1 foto com o primeiro elemento desfocado e o segundo elemento em foco 1 foto com todos os elementos em foco Exercício 2 1 foto noturna externa 1 foto de café da manhã com luz suave (difusa) 1 foto de esporte 1 foto de paisagem 1 retrato de grupo dirigido, ou seja, não posado e sim um cena produzida pelo fotógrafo. Exercício 3 1 foto de produto utilizando técnicas de iluminação 5 retratos inspirados nos fotógrafos estudados em aula ou em outros grandes mestres. Exercício 4 Faça uma autobiografia fotográfica contando um pouco de você, de sua subjetividade através das imagens, ou seja, fotografe objetos, lugares, animais, pessoas que sejam importantes ou expressivos na sua vida. Esta série, que poderá ter de cinco a dez fotos, deve apontar ao leitor das imagens, quem é você. 3
  • 4. 1 História da Fotografia A primeira fotografia foi creditada ao francês Joseph Nicéphore Niépce, em 1826. O tempo de exposição era de cerca de oito horas. Anos mais tarde, Daguerre, continuando as experiências de Niépce, reduziu o tempo de exposição para minutos, o que tornou o processo fotográfico prático. A fotografia foi fruto da compilação de diversos experimentos e de conhecimentos ópticos muito antigos. Os pintores renascentistas frequentemente utilizavam a técnica da câmera obscura para esboçar seus trabalhos. No Renascimento, a câmera obscura era utilizada como um código de representação denominado perspectiva artificialis. 4 Fotografia feita por Louis Daguerre em 1839.Esta é considerada a 1ª fotografia, feita por Joseph Nicéphore Niépce em 1826. Gravura datada de 24 de Janeiro de 1544 com a inscrição: Solis Designium (Desenho do Sol) demonstrando o principio da Câmara Escura de Orifício. No final da Idade Média, o renascimento das artes na Europa vai criar nova função para as câmaras escuras: instrumento especial para desenhistas (utilizadas por 150 anos antes da invenção da fotografia.
  • 5. O aparato óptico da fotografia, portanto, já havia sido concebido nos séculos XV e XVII; o que houve no século XIX foi um avanço tecnológico, com a substituição do pincel do pintor pelas substâncias químicas no momento de fixar a imagem projetada em uma superfície plana. Alguns cientistas e inventores, como o italiano Angelo Sala em 1602, o alemão Johann Heinrich Shulze em 1622 e o inglês Thomas Wedgwood em 1802 fizeram experiências com nitrato de prata, no entanto, não conseguiram desenvolver uma técnica que fixasse as imagens. Foi Niépce que conseguiu o grande feito quando utilizou uma placa metálica emulsionada em Betume da Judéia e depois Daguerre aperfeiçoou o processo, utilizando o nitrato de prata. O próximo estágio do progresso dessa tecnologia se deu com a criação de matrizes, capazes de produzir um número indeterminado de cópias fotográficas. Esse foi o primeiro passo para o desenvolvimento da fotografia como meio de comunicação de massa. Foi o americano William Fox Talbot que, em 1835, conseguiu obter o primeiro negativo denominado Calotipo, obtido através de papel sensibilizado. A partir destes primeiros precursores, a fotografia ganhou força com a popularização dos retratos. Rápidos, baratos e “fiéis”, eles logo se tornaram mania, inaugurando uma nova forma de representar as pessoas, antes feita apenas pela pintura. Os retratos serviram como suporte para fotógrafos comercializarem imagens de paisagens, costumes e povos das mais diversas culturas em grandes tiragens. A fotografia conquistou um importante papel social como forma de comunicação e divulgação de conhecimento, pois apresentava imagens de um mundo desconhecido, principalmente através dos fotógrafos viajantes. 5 Fotografia obtida pelo processo de calotipia desenvolvido por William Fox Talbot.
  • 6. Em 1888, George Eastmann criou a Kodak juntamente com o slogan: “Você aperta o botão, nós fazemos o resto”1, salientando a facilidade em usar o equipamento. Eastmann perseguia a ideia de um sistema fotográfico simples e barato. A fotografia ficou realmente acessível ao grande público em 1900, quando ele lançou a Brownie, uma câmera de 6 x 6 centímetros que custava 1 dólar ou 5 xelins. Assim, os princípios fundamentais da fotografia foram estabelecidos desde as primeiras décadas do século XX, sendo o lançamento da Leica2, em 1925 e a criação do filme fotográfico colorido em 1936, as últimas fronteiras para a nova linguagem se estabelecer por completo. Apenas alguns avanços tecnológicos ao longo das décadas tornaram o ato fotográfico mais popular e barato, além de contribuir na melhoria da qualidade das imagens produzidas. Porém, a digitalização dos sistemas fotográficos que iniciou a partir de 1990 e segue até os dias de hoje colocou em pauta um novo debate: a codificação binária empregada nesse novo processo descaracteriza a natureza da fotografia de registrar sinais luminosos em um suporte? Ainda não houve um consenso por parte dos teóricos sobre este assunto. Por hora, podemos afirmar que a fotografia digital minimizou os custos, reduziu etapas, modificou formas de visualização, armazenamento e transmissão de imagens e, sobretudo, acelerou e facilitou os processos de produção e manipulação. 6 1 “You press the button, we do the rest”. 2 A Leica, foi a primeira máquina fotográfica miniaturizada de precisão. Graças a seu obturador de plano focal e transportador de filme acoplado, preparou o terreno para a revolução ocorrida no sistema de fotografia de 35mm (BUSSELLE, 1979). Em 1854, André Disderi patenteou um sistema chamado de Cate-de-Visite, que consistia em uma única chapa que produzia até 10 retratos, tornando-se um mania na Europa a partir de 1859. A Brownie, lançada em 1900, popularizou a fotografia. Ela produzia fotos de qualidade com 6x6 centímetros em filme de rolo em cartucho de forma bastante simplificada.
  • 7. 2 A técnica fotográfica e o sentido A origem da palavra fotografia vem do grego (foto=luz/grafia=escrita) que significa escrever com a luz. Se ela é um tipo de escrita, então podemos pensar que isso demanda o conhecimento de um código para podermos entender a mensagem. Esse código é a linguagem fotográfica. Para Ivan Lima (1988, p. 19): “É um grande erro achar que a linguagem da fotografia é universal. Não existe nem uma foto que possa ser interpretada da mesma forma por um brasileiro, um francês e um chinês, por uma moça de 18 anos e um homem de 80”. A linguagem fotográfica pode ser compreendida através do estudo dos componentes de ordem material e imaterial que são utilizadas conforme a intencionalidade do autor da foto, na tentativa de alcançar um entendimento por parte do leitor. Os de ordem material são as escolhas técnicas como: câmeras, lentes, velocidade do obturador, abertura do diafragma, quantidade de luz, uso ou não do flash, etc. Já os de ordem imaterial ou mentais são as escolhas de ordem mais subjetiva como: contraste, foco, enquadramento, composição, etc. A soma de todos componentes escolhidos terá como produto final a fotografia com a subjetividade e ideologia do produtor, o que veremos a partir de agora. 2.1 Componentes de ordem material Desde o lançamento da Kodak e da Brownie, ainda no final do século XIX, o senso comum diz que qualquer um pode “tirar” uma foto. As grandes dificuldades técnicas, os pesados equipamentos, os processos de revelação química foram todos suplantados por George Eastmann com seu “You Press The Button and We Do The Rest". O que dizer então das minúsculas máquinas digitais de hoje, constantes inclusive em boa parte dos telefones celulares, nas quais é possível visualizar a imagem pronta no instante seguinte ao da captura da cena e permitem que se faça um milhão de tentativas “sem custo” se o sujeito tiver tempo e paciência? Todavia, a fotografia profissional exigem um pouco mais que “apontar para uma cena e apertar um botão”. Os fotojornalistas precisam conhecer a linguagem fotográfica e aplicá-la nas escolhas técnicas para chegar ao resultado almejado. Veremos a seguir os principais componentes materiais que interferem na produção de sentido. 2.1.1 Luz 7
  • 8. Ao nosso entendimento, a luz é a “matéria prima da fotografia” enquanto o objeto (referente) dá a sua forma. Para o fotógrafo, o domínio da luz, pode ser comparado ao domínio do barro ao oleiro. Segundo Weston (apud Busselle, 1977, p. 22): “Enquanto houver luz, o fotógrafo tem condições de trabalhar, pois seu ofício — sua aventura — é uma redescoberta do mundo em termos de luz.” Existem, na linguagem fotográfica, códigos razoavelmente convencionados para o uso da iluminação, conforme as intencionalidades do fotojornalista. A escolha de um tipo específico de luz para uma cena vai determinar a sensação que o fotógrafo quer transmitir. Há muitos conceitos e conhecimentos sobre luz que são úteis para a prática fotográfica, principalmente em estúdios. Todavia, para efeito de simplificação, abordaremos duas situações de luz com as quais se depara o fotógrafo e que farão a diferença no processo de significação: luz direta ou “dura” e luz difusa ou “suave”. A luz direta é aquela em que não há obstáculo entre a fonte de luz e o objeto fotografado, proporcionando sombras duras e contrastes altos, como nas fotografias tiradas ao ar livre, no sol do meio-dia ou sob lâmpadas sem difusor. Os manuais de fotografia consideram que esse tipo de luz traz sensação de desconforto e dramaticidade. “A luz dura, (...), cria sombras fortes que resultam em fotos nada bonitas (Guia Completo de Fotografia - National Geographic, 2008, p. 99).” Já a luz difusa é conseguida, basicamente, de duas formas: (a) a luz passa por um meio translúcido antes de atingir o objeto, como uma cortina ou papel vegetal colocado em frente à uma lâmpada; (b) a luz é rebatida por uma superfície clara que reflete os raios luminosos, incidindo no objeto à sombra, como por exemplo, alguém perto de uma janela. Esse tipo de luz dispersa os raios luminosos, criando uma iluminação uniforme e suave. O efeito pretendido é uma luz diluída, criando sombras pouco pronunciadas e proporcionando sensação de conforto. 8 Exemplo de luz difusaExemplo de luz direta
  • 9. 2.1.2 Obturador É um dispositivo localizado na câmera, responsável pelo tempo de exposição do material foto-sensível à luz (filme ou sensor nas câmeras digitais). Quanto maior for o tempo de abertura do obturador, maior será a quantidade de luz que atingirá o material foto-sensível. A escolha da velocidade do obturador para a exposição desejada estará sujeita à combinação com a luz disponível no ambiente a ser fotografado e com a abertura do diafragma, que serão dadas pela leitura do fotômetro3. As velocidades mais comuns são: B, 1, 1/2, 1/4, 1/8, 1/15, 1/30, 1/60, 1/125, 1/250, 1/500, 1/1000, 1/2000, 1/4000, (...) 1/200004. Geralmente, em uma exposição considerada “correta”, o ajuste da velocidade normal do obturador serve como parâmetro para a escolha da abertura do diafragma, conforme a luz disponível como, por exemplo, em um retrato formal. Porém há dois 9 3 Dispositivo destinado a medir a luz com exatidão, disponível na maioria das câmeras. 4 As velocidades do obturador são dadas em frações de segundo, sendo que o número 1 representa um segundo e o denominador representa o número de vezes em que este segundo foi dividido. Em algumas câmeras o numerador 1 não é representado para economia de espaço. Botão de regulagem do obturador de uma câmera analógica. “Cortina do obturador”, visível quando o compartimento do filme está aberto. Movimento congelado, alta velocidade do obturador. Movimento congelado, baixa velocidade do obturador.
  • 10. efeitos interessantes que podem ser conseguidos alterando-se a velocidade do obturador: (a) o movimento borrado é conseguido quando um objeto ou pessoa passa em frente à câmera com o obturador de velocidade baixa, como um carro de corrida que deixa um rastro na foto, por exemplo; (b) o movimento congelado é obtido quando um objeto ou pessoa em movimento passa em frente à câmera com obturador de velocidade alta como, por exemplo, em fotos de esportes onde os atletas são congelados em plena ação. 2.1.3 Diafragma É um dispositivo constituído de lâminas semicirculares justapostas que podem ser ajustadas alterando o diâmetro do orifício pelo qual passa a luz que atinge o material foto- sensível. É localizado na objetiva, portanto sua escala vai depender da lente que o fotógrafo estiver usando. Quanto maior for o diâmetro da abertura, maior será a quantidade de luz que atinge o material foto-sensível. Quanto menor o diâmetro do diafragma, menor a quantidade de luz que atinge o material foto-sensível. Há, contudo, uma consequência direta da abertura do diafragma com a profundidade de campo5 (extensão da zona nítida da foto), que é inversamente proporcional à entrada de luz, ou seja, quanto mais aberto o diafragma, menos profundidade de campo; quanto mais fechado o diafragma, maior será a profundidade de campo. Isso significa que o fotógrafo pode optar por menos profundidade de campo quando quer chamar atenção para uma área específica da fotografia, média 10 5 A profundidade de campo na prática é a extensão da zona nítida disponível quando se tira uma fotografia e está subordinada à distância de focalização, ao tamanho da abertura e à distância focal da objetiva utilizada. A representação do diafragma é dada pela letra f seguida do número.
  • 11. profundidade de campo quando quer alguns elementos na zona nítida da foto e maior profundidade de campo quando quer que todos os elementos apareçam nítidos na imagem. As escalas numerais dos diafragmas nas lentes são inversas, ou seja, quanto maior o número do diafragma menor será seu diâmetro e vice-versa. As escalas mais comuns de diafragmas são: 1.8, 2.0, 2.8, 3.5, 4.5, 5.6, 8.0 (menor profundidade de campo) e 11, 16, 22, 32, 64, (maior profundidade de campo). 2.1.4 Objetiva Também conhecida como lente, ela é acoplada em frente à câmera a fim de refratar os raios luminosos para um mesmo ponto, tornando a imagem muito mais nítida e 11 Menor profundidade de campo f/2 - somente b está em foco. Maior profundidade de campo f/16 - a, b e c estão em foco Posição do fotógrafo em relação a a, b e c.
  • 12. luminosa. É na objetiva que se encontram o diafragma e a regulagem de foco. A objetiva é classificada conforme sua distância focal6. Há basicamente três categorias de objetivas: a)grande angular - tem uma distância focal menor que 50mm e ângulo de visão amplo, entre 46 e 180 graus, tem a vantagem de permitir que uma grande área apareça na imagem; b)normal - tem uma distância focal de 50mm e seu ângulo de visão é de 45 graus, semelhante ao do olho humano; c)teleobjetiva - distância focal maior que 50mm com ângulo de visão restrito, menor que 45 graus, mas tem a vantagem de “aproximar” o objeto fotografado na imagem. 12 6 Segundo Busselle (1977, p.42), a distânica focal é “a distância do centro da lente até o ponto no qual convergem os raios paralelos que insidem nela. Teleobjetiva Normal Grande Angular Distâncias Focais Ângulos de Visão conforme a lente
  • 13. 2.1.5 Filmes O filme7, constituído de material foto-sensível, é o responsável pelo registro da imagem a partir dos raios luminosos refletidos do objeto fotografado e refratados para o interior da câmera pela objetiva. São classificados conforme sua sensibilidade à luz, quanto mais sensível é o filme, menos luz será preciso para registrar uma imagem satisfatoriamente. Por esse motivo, sua escolha está intimamente ligada à qualidade e quantidade de luz disponível no local da foto. A escala mais usada dos filmes chama-se ISO e seus valores mais comuns são: 100, 200, 400, 800, 1600, 3200, 6400. Um filme de ISO 200, por exemplo, é duas vezes mais sensível que um de ISO 100 e daí por diante. A qualidade da imagem produzida está ligada à escolha do ISO do filme. Quanto menor o ISO, menor será a granulação da imagem e melhor será o contraste e a saturação de cores. Sendo assim, o uso do ISO baixo proporcionará uma imagem de qualidade excelente; ISO médio proporcionará uma imagem de qualidade razoável e ISO alto proporcionará uma imagem de baixa qualidade. 2.2 Componentes de ordem imaterial Segundo Kossoy (2002, p. 27), os componentes imateriais “se sobrepõem hierarquicamente” aos componentes materiais, pois são articulados na mente do fotógrafo e não dependem da tecnologia, mais sim de escolhas culturais e ideológicas. Fazem 13 7 Usaremos a terminologia filme também para nos referir ao sensor da câmera digital, uma vez que sua escala (ISO), segue o mesmo padrão das películas e sua escolha, teoricamente, causa o mesmo efeito na imagem. ISO baixo ISO alto
  • 14. parte de uma intrincada rede de pensamentos e ações integrantes da linguagem fotográfica da qual o produtor da foto lança mão quando constrói o signo fotográfico. 2.2.1 Ângulos de tomada O ângulo de tomada de uma imagem é o ângulo de visão da câmera em relação ao objeto fotografado. É decidido pelo fotógrafo conforme seu ponto de vista sobre o tema ou motivo fotografado. Basicamente, divide-se em três tipos: a) plongée - quando a tomada é feita de cima para baixo, tende a diminuir o elemento fotografado, desvalorizando-o, reduzindo sua importância, conotando ares de fraqueza, submissão e derrota; b) normal - respeitando as proporções do objeto, denota igualdade; c) contre-plongée - quando o ângulo de tomada é feito de baixo para cima, valorizando o elemento fotografado, representando-o maior do que ele realmente é, ressaltando sua grandeza e conotando superioridade. 2.2.2 Plano de enquadramento É a seleção dos elementos e do espaço que faz parte do quadro da fotografia. Varia de acordo com a objetiva utilizada e com a distância do fotógrafo em relação ao objeto fotografado. É uma das ferramentas que mais permitem ao fotojornalista construir sua concepção da cena, uma vez que ele tem o poder de adicionar ou excluir os elementos que serão representados na imagem. Aqui, mais do que em qualquer outra 14 Plongée Normal Contre-Plongée
  • 15. ferramenta, podemos entender o termo “filtro cultural” de que fala Kossoy (2001), uma vez que o fotojornalista estará editando previamente o que o observador “verá” e “não verá” do que aconteceu de fato. Os planos de enquadramento são classificados conforme segue: a) grande plano geral - o ambiente como um todo pode ser visto em seu contexto geral, é feito normalmente com lente grande angular; b) plano geral - o elemento principal aparece em seu contexto de igual para igual com os outros elementos em cena, geralmente é feito com uma lente normal ou grande angular; c) plano médio - o elemento principal preenche quase todo o quadro, pouco do contexto é mostrado, levando o observador a dar atenção para o objeto fundamental da imagem, é feito geralmente com uma lente teleobjetiva curta de até 180 mm que não apresenta distorções, sendo, por esse motivo, muito usado em retratos; d) primeiro plano - destaque total ao elemento principal, não havendo nenhum contexto, é feito geralmente com teleobjetivas acima de 200 mm e quando usado para retratos, destaca o semblante e emoções do retratado; e) plano detalhe - somente detalhes do elemento principal aparecem como únicos elementos da cena, é feito, principalmente, com lentes macro e muitas vezes é de difícil identificação. 15 Grande plano geral Plano geral Plano médio Primeiro plano Plano detalhe
  • 16. 2.2.3 Plano de foco Diretamente ligado ao diafragma e à objetiva utilizada, o plano de foco decide quais elementos, dentre os estabelecidos na composição, ficarão nítidos e quais ficarão desfocados. Em outras palavras, seria o mesmo que dizer ao observador, “nesse contexto existem muitos elementos, mas preste atenção especial neste aqui, pois ele é o que mais importa”. Os planos de foco podem ser divididos em três grandes grupos: a) plano de foco amplo - quando existe grande quantidade da imagem em foco; b) plano de foco mediano - quando existe uma quantidade mediana da imagem em foco; c) plano de foco restrito - quando a imagem apresenta uma quantidade de foco pequena. 2.2.4 Perspectiva Imagens fotográficas são projeções do mundo tridimensional em um suporte bidimensional, que possui altura e largura, mas não profundidade. Para representar esse terceiro eixo dos objetos o fotojornalista utiliza a perspectiva. Trata-se, na verdade, de uma técnica para criar a ilusão da tridimensionalidade e foi desenvolvida para dar mais 16 Plano de foco amplo Plano de foco mediano Plano de foco restrito
  • 17. realismo a uma cena. Muitas vezes o observador tem a impressão de que há uma continuidade do espaço para dentro da imagem ou então de que esta vai “saltar do papel”. Há basicamente dois tipos de perspectivas quanto à linguagem fotográfica: a) linear - também conhecida como central ou artificialis é a mais conhecida técnica de representação pictórica desde a renascença, na qual todas as linhas convergem para o ponto de fuga, causando a ilusão de profundidade; b) atmosférica - também chamada de “efeito bruma”, é o efeito atmosférico em que há o enfraquecimento da imagem com a distância, quanto maior a distância entre o objeto fotografado e a câmera, menor será a nitidez. 2.2.5 Contraste É a diferença entre as partes iluminadas e não iluminadas, entre o preto e o branco, entre as cores da imagem. Nas fotografias PB quanto maior for a quantidade de tons de cinza menor será o contraste; na fotografia a cores, quanto maior for a diferença entre os tons, maior será o contraste. O contraste pode ser utilizado pelo fotografo para impressionar o observador. Geralmente, contrastes mais altos vivificam a imagem dando a impressão de aproximação dos objetos, da mesma forma que contrastes mais baixos deixam a imagem sem graça dando a impressão de apagamento. 17 Perspectiva linear Perspectiva atmosférica Alto contraste
  • 18. 2.2.6 Cor ou preto e branco As fotografias em cores conduzem o observador a um maior realismo, pois o mundo é colorido. Diante disso, o observador estará dispensado da interpretação cromática, deixando sujeitos à interpretação apenas os outros elementos icônicos da imagem. Nas fotografias em preto e branco, a interpretação da cor fica por conta do observador, deixando as imagens com um forte apelo estético, pois são mais distantes de nossa realidade cotidiana. A atenção a outros aspectos da imagem como textura, contraste, luz, etc é ampliada, pois não há a distração causada pela cor. O processo de significação fica mais aberto para que o observador complete as lacunas deixadas pela ausência de cor com suas próprias interpretações. 2.2.7 Composição A composição está ligada diretamente à forma de apresentação da imagem, é responsável pela disposição dos elementos no quadro da foto, posicionados de acordo com as intenções do fotojornalista. A escolha dos elementos que irão compor a fotografia — animais, humanos, objetos, ambiente, etc — está diretamente ligada à sensibilidade estética do fotógrafo, e determinará seu ponto de vista. Basicamente, a composição poderá causar dois tipos de sensação no observador: conforto - quando há harmonia, equilíbrio e unidade estética na imagem; e desconforto - quando há desorganização estética, poluição visual e falta de hierarquia entre os elementos. 18 Sebastião Salgado La Chapelle
  • 19. 2.2.8 Equilíbrio O equilíbrio da imagem fotográfica está relacionado à disposição harmônica dos elementos que nela figuram. O equilíbrio proporciona uma maior facilidade de acesso do observador à imagem como um todo, deixando claro as ideias e conceitos que ela apresenta. Uma imagem equilibrada apresenta uma boa composição, de forma que há hierarquização ou simetria dos elementos, facilitando a leitura da mensagem que o fotojornalista pretende transmitir. Uma imagem desequilibrada gerará um certo incômodo, pela dificuldade de acesso aos dados disponíveis. O acúmulo de informações em um quadrante da imagem deixando o restante da fotografia sem informação relevante é um exemplo de desequilíbrio. Todavia, uma imagem desequilibrada ou poluída nem sempre é “errada” ou “ruim”, pois depende das intenções do fotojornalista. 2.2.9 Textura Cria uma sensação tátil na imagem. Consiste em detalhar os objetos quanto a seu relevo, utilizando para isso o contraste entre luz e sombra. A textura permite a diferenciação entre a qualidade dos materiais que compõem a imagem causando sensações de lisura, rigidez, porosidade, maciez, aspereza, robustez, fragilidade, entre outras. A textura é mais um efeito de tridimensionalidade que pode ser usado na fotografia para aumentar sua possibilidade de leitura. A aparência da textura depende fundamentalmente do ângulo de incidência da luz sobre o objeto fotografado, criando sombras no relevo desse objeto. 19 Exemplo de conforto na composição Exemplo equilíbrio na imagem
  • 20. 2.2.10 Regra dos terços Consiste em dividir mentalmente o quadro da fotografia em nove partes iguais como se fosse um “jogo da velha” e situar o objeto fotografado em uma das quatro interseções das linhas. Essas quatro interseções são conhecidas como seções áureas, consideradas regiões de maior dinamismo em uma imagem, nas quais o elemento vital é mais enfatizado e também onde existe a convergência natural dos olhos do observador para dar início ou finalizar a leitura. Essa regra de composição foi criada no Renascimento e utilizada por grandes mestres da pintura, como Da Vinci, Giotto e Michelângelo. Todavia, não existe técnica mais intuitiva que a regra dos terços quando se trata de contextualizar a informação ou de privilegiar algum elemento na imagem. 2.2.11 Elementos secundários Elementos secundários são todos os elementos que fazem parte da composição além do principal, servindo para contextualizar o objeto fotografado e produzir sentido à fotografia. Geralmente, são usados pelos fotografos para facilitar a leitura da imagem e 20 Exemplo do uso da textura Exemplos do uso da regra dos terços
  • 21. reforçar ideias, a fim de ajudar o observador na construção de um significado próximo ao objetivo do autor da imagem. Tem que haver um cuidado, da parte do fotografo quanto à utilização de elementos secundários, pois a imagem poderá fugir ao seu objetivo se algum elemento estiver fora de contexto. Desta forma, a quantidade de informação deverá ser reduzida, pois um excesso de elementos poderá poluir a imagem, comprometendo o resultado final. 3 A Câmera Fotográfica As câmeras podem ser classificadas de diversas maneiras, em relação a história da tecnologia, em relação a sofisticação de seus recursos e até mesmo em relação ao preço. Para os nossos objetivos neste curso, vamos nos categorizá-la de acordo as possibilidades de aplicação contemporânea. Em relação a forma da fixação da fotografia podemos classificá-las de duas maneiras: a) analógicas - são câmeras totalmente mecânicas ou elétro/mecânicas que utiliza películas, também chamada de filme, emulsionadas por sais de prata que atuam como negativos que precisaram ser revelados em laboratório para posteriormente serem ampliadas nas cópias fotográficas. b) digitais - são aparelhos eletrônicos que dispensam o uso de filmes, sendo que as imagens são registradas em cartões de memórias ou discos rígidos com capacidade variadas através do código binário. Posteriormente esse código será lidos por outros aparelhos eletrônicos como computadores, celulares etc. 21 Exemplo do uso dos elementos secundários
  • 22. 3.1 Tipos de Câmeras 3.1.1 Grande Formato São as mais utilizadas pelos estúdios profissionais importantes, fundamentalmente porque são câmeras que permitem basculamentos e movimentos de compensação de forma e perspectiva junto a rígidos controles na profundidade de campo tendo como resultado a máxima qualidade. Por outro lado, as câmaras de grande formato fornecem negativos e cromos de tamanhos que melhoram a qualidade da reprodução em comparação direta com as de médio e pequeno formato. As marcas mais conhecidas são: SINAR, PLAUBEL, CAMBO, LINHOF, CALUMET, S&K etc. 3.1.2 Médio Formato São câmeras usadas geralmente por estúdios, artistas ou entusiastas da fotografia e produzem fotografias de alta qualidade. Muitas destas câmeras são antigas e operam com negativos de 6 × 6 cm, 6 × 7 cm, 6 × 4,5 cm e 6 × 9 cm, etc, porém existem fabricantes que se especializaram em produzir câmeras digitais desta categorias que são bastante caras. As marcas mais utilizadas e conhecidas são: HASSELBLAD, ROLLEYFLEX, BRONCA, MAMIYA. etc. 22 Câmera Sinar de estúdio Rolleyflex antiga Mamiya antiga Hasselblad atual
  • 23. 3.1.3 Pequeno Formato São câmeras também conhecidas pelo nome de 35mm, largura do filme que utilizam no caso das analógicas, mas suas características principais se mantiveram nas digitais. São os aparelhos mais utilizados para quase todos tipos de fotografia por sua versatilidade, portabilidade e preço acessível. Os principais tipos de câmeras de pequeno formato são: a. Reflex monobjetiva ou SLR (Single Lens Reflex) - É sem dúvida a mais bem sucedido projeto de câmera de todos os tempos. Usa a mesma lente para visualizar a imagem e fotografá-la. Um espelho reflete a imagem da lente para o visor. Quando o botão do obturador é pressionado, o espelho sai da frente e o obturador se abre, expondo o sensor ou filme à luz. Têm uma infinidade de característica e funcionalidade, além da capacidade de usar lentes intercambiáveis. São essenciais para fotografar paisagens e esportes. Diversos tipos de acessórios estão disponíveis para elas, tais como uma ampla variedade da flashes, equipamentos especiais para closes e macros, apetrechos de controle remoto, etc. b. Compactas - São câmeras muito simples e baratas que servem para usos não profissionais e domésticos. Possuem lente única e fixada a câmera. Têm funcionamento automático programado pelo fabricante com o intuito de facilitar o uso. As atuais câmeras compactas digitais oferecem um menu com algumas funções que podem ser escolhidas pelo usuário, como ISO, temperatura de cor, tamanho da imagem, etc. 23 Laica M de 1950 Nikon D300 digital Sony Compacta
  • 24. c. Ultra compactas - São câmeras embuitidas em outros aparelhos como notebooks e celulares. Possuem funções ainda mais limitadas que as compactas. 4 Funções da Câmera Há inúmeros tipos, modelos e fabricante de câmeras, cada com uma configuração própria das funções disponíveis. Todavia, de uma maneira geral, para fazer boas fotografias temos que saber localizar e regular as seguintes funções: •F - Abertura do Diafragma - localizado na objetiva ou em algumas compactas no menu. A escala depende da lente usada. •1/x - Velocidade do obturador - localizado no corpo da câmera e em algumas compactas no menu. A escala depende da câmera. •ISO - Sensibilidade de ISO - escolha do filme para cada situação ou nas digitais localiza-se no menu da câmera. •Temperatura de Cor - Balanço de Branco - localizado no menu da câmera. •AF - Área de Foco - escolha da área amplitude da área que será focalizada. •Tamanho da Imagem - com relação o tamanho do arquivo da câmera digital e o uso que se dará para fotografia posteriormente, localizado no menu. •Qualidade da Imagem - Escolha do tipo de arquivo que será gerado pela câmera digital, localizado no menu. •EV - Compensação da exposição ou do flash - usado para alterar o valor de exposição sugerido pela câmera ou do flash, localizado no menu. •Flash - Modo de flash - localizado no menu. •Temporizador - O temporizador automático pode ser utilizado para reduzir o estremecimento da câmara ou para auto-retratos. Localizado no menu. 5 Tipos de Arquivos As câmeras digitais possibilitam tirar fotografias em um série de tipos de arquivos. Para a escolha do arquivo temos que levar em consideração o uso que faremos da imagem posteriormente. Os principais tipos de arquivos são: 24
  • 25. a. RAW - também conhecido como NEF, é um formato disponível em câmeras SLR e algumas compactas. Este formato é muito usado pelos profissionais, pois os dados são armazenados “crus”, conforme vêm do sensor da câmera não sofrendo nenhuma processamento. Este formato tem a vantagem de proporcionar uma edição muito rica em detalhes que podem ser trabalhados pelos softwares tendo como resultado uma imagem de altíssima qualidade. O inconveniente neste caso é que o arquivo Raw ocupa muito mais espaço do que outros. b. TIFF - é um formato que permite armazenar arquivos digitais já processado pela câmera mas sem nenhuma perda de qualidade, portanto gera um arquivo que ocupa um espaço considerado grande se comparado ao formato JPEG. Este tipo de arquivo é o preferido para imagens que serão publicadas em material impresso. c. JPEG - é o formato de armazenamento de imagem digital mais utilizado. Permite uma variedade bastante grande de níveis de compactação para os diversos usos que poderão ter a imagem, por isso mesmo é o formato mais utilizado para imagens na web. É um formato que sofre perdas devido ao processo de compactação, sendo que os arquivos menores serão os que terão menos qualidade nas imagens. Isto não significa que os arquivos JPEG grandes não possam ter qualidade razoável para usos diversos. 6 Formas de Armazenagem •Reflita sobre o propósito de seu arquivo. •Aproveite o tempo com sabedoria. •Abordagem minimalista: arquivamento para quem odeia arquivar. •Organize seus arquivos desde o início: crie subpastas dentro da pasta imagens, com cada evento ou tema fotografado. •Navegue pelas fotografias usando o modo de visualização de fotos, sem precisar abrir programas de edição. •Faça Back Up das fotografias. Se tiver pouco espaço disponível faça a cópia de segurança pelo menos das melhores imagens, evitando perder suas fotos caso algo aconteça ao seu disco rígido. •Use um gerenciador de arquivos. •Faça o grosso do trabalho na hora de descarregar: já na primeira visualização use a tela cheia e classifique as melhores fotos das não tão boas e elimine as que você não vai 25
  • 26. usar, como as muito escuras ou completamente tremidas. Assim você poupa espaço no disco e ainda diminui o trabalho na hora de editar. •Escolha um software de edição de imagens que seja adequado ao seu uso. •Digitalize suas fotos impressa com um scanner ou fazendo pelo processo de foto-da-foto. •Faça back up dos melhore trabalhos em CDs ou DVDs. 7 Guia de Equipamentos Existe uma quantidade infindável de equipamentos disponíveis para os diversos tipos de trabalho realizados na área de fotografia. Com o objetivo deste curso é apresentar as noções básicas sobre o assunto, vamos descrever de forma sucinta o material elementar para o fotógrafo iniciante. 1. Câmera Fotográfica - Com a popularização das câmeras digitais a partir do início do século XXI, aumentou muito o número de pessoas que fazem fotografias. A maioria absoluta destas pessoas deixa-se levar pelo programa automático da câmera. Se você se interessa de maneira mais profunda pelo assunto uma boa dica seria pensar em adquirir uma câmera SLR com lentes intercambiáveis e as diversas possibilidades que estes aparelhos proporcionam. 2. Objetivas - Se você possui uma câmera SLR, o investimento mais interessante é em lentes de qualidade, conforme o uso que se está fazendo do equipamento ou interesses pessoais. 3. Tripé - Todos os fotógrafos, amadores ou profissionais, não podem abrir mão de um tripé que servirá tanto para reduzir vibrações como para fazer fotografias no modo temporizador. 4. Flash - Se sua câmera tem sapata para flash acessório, a dica é investir neste equipamento que melhora consideravelmente a qualidade de suas fotos em condições de baixa luminosidade. A diferença deste equipamento para o flash que já vem incorporado à câmera é muito expressiva, enquanto que o flash comum apenas produz um luz dura e evidentemente artificial, as possibilidade do flash acessório permitem diversos usos criativos e resultados surpreendentes. 5. Cases - Para carregar seus equipamentos de forma segura e manter tudo limpo e indispensável que você acomode-os em bolsas especiais revestidas com material anti- choque e impermeável. Há cases para todo tipo de equipamento e de diversos tamanhos. 26
  • 27. 6. Baterias extras - Se você pretende fazer muitas fotografias de uma só vez, fazer viagens na qual não há possibilidade de recaregar a bateria, cobri eventos sociais ou esportivos, seria bom considerar em adquirir baterias extras. 7. Cartão de memória - É de extrema importância que você tenha espaço suficiente para fazer suas fotografias de forma tranquila em um evento ou em suas férias. A falta de espaço pode levar o fotógrafo a optar por tirar certas fotos em detrimento de outras, ficando com aquela sensação de que está “perdendo algo” interessante. A solução para isso é ter sempre um cartão de memória reserva de no mínimo 2G. 8. Iluminação auxiliar ou de estúdio - Se você está pretendendo se profissionalizar, já deve pensar que terá que adquirir um conjunto de iluminação auxiliar ou de estúdio. Esse tipo de equipamento varia muito em termo de sofisticação e preço, conforme o bolso e a intenção do fotógrafo. 27 1 2 3 4 5 6 7
  • 28. 8 ANATOMIA DA CÂMERA FOTOGRÁFICA Abaixo estão algumas figuras que expõem esquematicamente os mecanismos internos das câmeras fotográficas. 28
  • 29. 29
  • 30. 30 2 Introdução: Conhecer a câmara Conhecer a câmara Dedique alguns momentos a familiarizar-se com os controlos e indicadores da câmara. Pode ser útil marcar esta secção e consultá-la durante a leitura do manual. Corpo da câmara 1 Flash incorporado..............................................................23, 40 21 Ilhó para a correia da câmara ................................................8 2 Botão (modo de flash)......................................................40 22 Iluminador auxiliar de AF .............................................. 28, 87 (compensação do flash)................................................55 Luz do temporizador automático............................ 37, 38 3 Botão (bracketing).......................................................56–57 Luz de redução do efeito de olhos vermelhos........39 4 Receptor de infravermelhos................................................38 23 Botão de disparo do obturador................................. 22, 23 5 Marca de montagem da objectiva..................................11 24 Botão de alimentação..................................................... 11, 19 6 Ilhó para a correia da câmara.................................................8 Interruptor do iluminador........................................................3 7 Tampa do conector................................................... 66, 67, 70 25 Botão (compensação da exposição).....................54 8 Conector USB................................................................................67 ! (botão de reinicialização).................................................44 9 Botão de restaurar...................................................................129 26 Botão (modo de disparo)................................................36 10 Conector de entrada de CC para o adaptador CA EH-5 opcional...........................................................................123 Modo de disparo imagem-a-imagem/contínuo....36 Modo de temporizador automático..............................37 11 Conector de vídeo.....................................................................66 Modo de controlo remoto ...................................................38 12 Conector de cabo remoto.................................................123 27 Botão (modo de AF)...........................................................29 13 Selector do modo de focagem .................................28, 32 ! (botão de reinicialização).................................................44 14 Botão para desbloquear a objectiva ..............................11 28 Painel de controlo.........................................................................5 15 Montagem da objectiva ........................................................11 29 Tampa da sapata de acessórios.......................................119 16 Espelho................................................................................106, 125 30 Sapata de acessórios (para unidade de flash opcional)...............................................11917 Botão de pré-visualização da profundidade de campo...............................................................................................49 31 (indicador de plano focal)...........................................32 18 Punho ................................................................................................21 32 Disco de modos...................................................47, 48, 49, 50 19 Disco de controlo secundário....................................10, 91 33 Botão (modo de medição)..........................................52 20 Botão FUNÇ..................................................................................92 Botão (formatar)...............................................................16 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 1213 1415 16 1718 19 20 22 32 33 23 24 25 26 21 2728 30 29
  • 31. A figura abaixo identifica uma possível divisão didática das partes de uma câmera fotográfica de estúdio. 31