SlideShare uma empresa Scribd logo
Análise Crítica ao Modelo de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares



                                                  “A nível do processo de gestão de qualidade, e apesar
      das diferenças entre os seus contributos, todos os gurus realçam um conjunto de elementos que
      se tornam pilares da Teoria da Qualidade: envolvimento da gestão de topo, envolvimento e
      autonomia dos colaboradores, gestão baseada em métricas e factos, utilização de ferramentas
      estatísticas para controlo da variabilidade e ênfase no cliente.”

                                               (Gomes ,P., 2004)

       Segundo o Manifesto da IFLA, a missão da BE consiste em “Disponibilizar serviços de
aprendizagem, documentos e recursos que permitam a todos os membros da comunidade
escolar tornarem-se pensadores críticos e utilizadores efectivos da informação, nos seus mais
variados suportes e meios de comunicação.” A atenção centra-se no “saber manusear
criticamente a informação”, o que significa que não se trata apenas de desenvolver
competências de carácter técnico mas também de pesquisa, selecção e tratamento da
informação. Numa palavra, a BE deve promover a transformação da informação em
conhecimento, num contexto complexo de novas modalidades e práticas textuais.

      Como espaço privilegiado de acesso à informação, a BE deve trabalhar em articulação
directa com o currículo, a par com os professores dentro e fora da sala de aula, numa
construção partilhada, tendo em vista o sucesso do aluno, que o mesmo é dizer, o
cumprimento das metas e objectivos de aprendizagem da escola.

       O projecto da RBE, iniciado em 1996, realizou um investimento significativo na
construção, remodelação, equipamentos, fundos documentais, formação de pessoal, entre
outros, com o objectivo de que as BE portuguesas deixassem de ser um espaço marginal na
escola, depositário de documentos e de recursos, a que se recorria apenas para diversificar
estratégias da sala de aula ou para suplementar facultativamente a informação veiculada nas
aulas e centrada nas figuras do professor e do manual, para ocupar um lugar privilegiado de
acesso à informação. Segundo Veiga et al. (1997) a BE deverá ser “o núcleo de vida da Escola”
e “ o coração de e para onde flui todo o conhecimento.”

      Assim, na sociedade do século XXI, considerada a Sociedade da Informação e do
Conhecimento é preciso que a escola e a BE, enquanto estrutura educativa da mesma, sejam
capazes de dotar os jovens das competências necessárias para o exercício da cidadania, numa
nova ordem social na qual proliferam meios de informação em suportes diversificados, que é
preciso saber interpretar, seleccionar e reconstruir significativamente.

      Volvidos treze anos de trabalho, esforços e investimentos avultados torna-se imperioso
objectivar o modo como se concretiza, no terreno, a missão da BE e qual o impacto das suas
acções no processo de ensino aprendizagem, assim como a eficácia dos serviços prestados e o
grau de satisfação dos seus utilizadores. Numa palavra, é preciso saber avaliar a BE e construir
um modelo eficaz que permita saber e validar “ o que estamos a fazer / como estamos a fazer”
e como usar a informação recolhida para reforçar práticas bem sucedidas corrigir percursos
que não conduziram aos resultados esperados.
A avaliação torna-se assim uma estratégia fundamental que não só define o princípio da
boa gestão como constitui um instrumento chave num plano de desenvolvimento e de
melhoria contínua. Cabe ao professor bibliotecário, que é, doravante, um gestor e não
organizador de informação, bem como à equipa que coordena e aos responsáveis da avaliação
interna da escola, implementar um modelo capaz de determinar o grau de consecução da
missão e dos objectivos da BE e a articulação destes com o PEE.

     Não obstante o acréscimo de trabalho imputado à coordenação da BE no sentido de
implementar um modelo que devendo ser simples, nunca o é, este deve ser entendido, como
um mais valia estratégica para que a escola possa reconhecer a importância da BE enquanto
promotora de sucesso no resultado escolar dos alunos.

       O novo modelo de avaliação, proposto pela RBE apresenta uma arquitectura diferente
da convencional: em primeiro lugar, trata-se de um modelo de auto avaliação, constituído por
directrizes, mas susceptível de adequação à especificidade da escola; em segundo lugar, não
coloca a ênfase nos aspectos internos da BE ou nas condições físicas do seu funcionamento
(que não podem ser totalmente negligenciáveis), centra-se nos resultados e evidências através
dos quais tornam visíveis o seu contributo e impacto nos quatro domínios essenciais. A saber,
Apoio ao Desenvolvimento Curricular, Leitura e Literacias, Projectos Parcerias e Actividades
Livres e de Abertura à Comunidade e Gestão da BE. Numa palavra, citando o texto da sessão:
“Hoje, a avaliação centra-se, essencialmente, no impacto qualitativo da biblioteca, isto é, na
aferição das modificações positivas que o seu funcionamento tem nas atitudes, valores e
conhecimentos dos utilizadores. Trata-se, neste contexto, de aferir não a eficiência, mas a
eficácia dos serviços – os resultados que produziram.” De notar que eficiência e eficácia são
conceitos correlativos, os resultados não são independentes dos processos ou da criteriosa
escolha dos meios para os atingir. Mas, de facto, as acções e as intenções só ganham corpo
nos resultados.

       No que diz respeito à rede conceptual que define o presente modelo de auto-avaliação,
importa salientar, em primeiro lugar, a ideia de Valor. Trata-se de um conceito difícil de definir
e não isento de polémica entre filósofos, designadamente no que diz respeito à sua natureza
objectiva ou subjectiva. Neste contexto, o da avaliação, assume-se que não se situa ao nível
dos factos, objectos ou coisas, mas resulta da experiência que fazemos dos factos, objectos ou
coisas. Assim, tem valor positivo o que nos traz benefícios. A BE tem valor na medida em que
contribui de forma activa e enriquecedora para as aprendizagens dos alunos e colabora na
consecução dos objectivos do PEE. A auto-avaliação surge, deste modo, como uma prática que
acrescenta valor ao trabalho desenvolvido pela BE, ou, seguindo a letra do texto da sessão,
deve ser entendida “como um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura
de uma melhoria contínua da BE.” Ao apontar para as áreas nucleares sobre as quais deverá
incidir o trabalho da BE, a avaliação não é um fim em si mesma, mas um Processo que origina
reflexão e mudanças significativas nas práticas. Finalmente, o quadro referencial apresentado
assume-se como um Modelo, que é um instrumento possível para ajudar as escolas a
identificar os factores críticos de sucesso, sugerindo também exemplos de acções para
melhoria. Subsidiários destes conceitos chave surgem também, no contexto mais alargado da
avaliação das organizações, e não só das bibliotecas, os de Evidence-Based Practice, que
postula a necessidade de práticas sistemáticas de recolha diária de evidências e o de Práticas
de Pesquisa-Acção, que assenta na identificação do problema, na recolha e avaliação de
evidências que se transformam em conhecimento capaz de orientar as acções futuras.

       A estrutura do modelo de auto-avaliação é composta, como já se referiu, pela
identificação de quatro domínios chave de intervenção da BE, que se dividem em subdomínios
que particularizam áreas mais específicas. Cada domínio e subdomínio é acompanhado dos
indicadores que são objecto de avaliação e que se concretizam em factores críticos de sucesso.
Estes últimos remetem para as evidências, isto é, para aquilo que pode ser observado e
medido. Finalmente, a grelha comporta uma quarta coluna com exemplos de acções para
melhoria, o que a transforma num instrumento de orientação e apoio efectivo ao trabalho a
desenvolver na BE. Dir-se-ia que esta quarta coluna constitui o elemento que evidencia,
mesmo num contexto formal de avaliação, que é possível mudar e fazer melhor. A este
propósito Eisenberg, no seu artigo This Man Wants to Change Your Job (2002), chama a
atenção para a importância do pensamento estratégico, que define como uma forma de
aproximar problemas e oportunidades, sendo por isso um pensamento positivo “Sucess starts
with attitude. A positive attitude breeds positive results, a negative one breeds failure. If you
think you can’t make something happen, chances are you won’t. If you think you can, at least
you have a fighting chance.”

        O modelo de auto-avaliação proposto apresenta, sem dúvida um desafio para a escola,
a BE e, sobretudo, para o professor bibliotecário. Este vê-se confrontado com a necessidade de
pôr a funcionar o seu plano de acção e de actividades, de responder positivamente às
solicitações de toda a comunidade escolar, de engendrar variações imaginativas para
promover a leitura e as literacias, sobretudo para aqueles que estão na escola porque não lhes
é permitido legalmente estar noutro lado e deve ainda inaugurar um novo modelo de
avaliação. Sem dúvida, que a avaliação é uma necessidade premente em todos aqueles que
desenvolvem acções não gratuitas, isto é, que pretendem atingir determinados objectivos. A
avaliação já se fazia nas BE, mesmo antes da paranóia generalizada de avaliar tudo a qualquer
preço, falo da ADD, embora fosse realizada com instrumentos rudimentares, de forma pouco
sistemática e sem instrumentos aferidos. Talvez alguns desses instrumentos pudessem ser
aproveitados e não deitados no lixo, talvez a RBE pudesse questionar as BE sobres as suas
práticas de avaliação. Penso que desse modo poder-se-ia evitar uma certa percepção de que
algo está a ser imposto e criar mais abertura para a implementação do modelo.

       Considero também que este modelo tem uma estrutura “pesada”, sobretudo no que se
refere ao domínio do Desenvolvimento Curricular, particularmente no subdomínio da
Articulação Curricular da BE com as Estruturas Pedagógicas e com os Docentes. Será que o
Professor Bibliotecário, depois de reunir e planear com os órgãos pedagógicos de gestão
intermédia, com os docentes das NAC, com os docentes responsáveis pelos Apoios Educativos
e alunos com NEE, realizar actividades no âmbito da OPTE, colaborar com os docentes nas
actividades curriculares, pode ainda responder, de forma capaz, aos outros domínios
contemplados no modelo de auto-avaliação? Outro aspecto, que me parece importante
salientar, é o da razoabilidade que deve presidir à recolha de evidências, nem todos os gestos
são significativos nem tudo é digno de ser registado e, por vezes, uma conversa informal com
um colega é mais produtiva do que as reuniões agendadas, com a respectiva ordem de
trabalhos e acta a condizer com o que se queria ter feito!
Finalmente, falta referir que este modelo de auto-avaliação requer o exercício de
algumas competências que não eram tão evidentes no perfil do professor bibliotecário:
liderança forte associada a uma visão e gestão estratégica, marketing das actividades e
potencialidades da BE, fazer-se reconhecer como parceiro indispensável no apoio ao currículo,
promover uma cultura de avaliação a ser partilhada por todos os serviços e órgãos da escola,
prestar contas do impacto dos seus serviços à comunidade educativa e à RBE. E, antes de tudo
isto, planificar acções de formação e sensibilização sobre o modelo em causa, de modo a
optimizar a sua implementação e comprometer a escola no próprio processo.



                                              Eunice Ferreira Estima de Pinho
transforma num instrumento de orientação e de apoio ao trabalho desenvolvido pela
BE. Penso que

                                                                           Eunice Pinho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]
O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]
O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]
franciscarolla
 
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa BeApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
sandrinhalopes
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
beloule
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
guest7716cf
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
Sílvia Bastos
 
AnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica SusanaAnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica Susana
Susana Martins
 
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
guest4889824
 
Trabalho sessao 2_maria_jose_bernardes
Trabalho sessao 2_maria_jose_bernardesTrabalho sessao 2_maria_jose_bernardes
Trabalho sessao 2_maria_jose_bernardes
Thumbelina17
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
candidaribeiro
 
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
mariaantoniadocarmo
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Gloria Lopes
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
Amparo Morais
 
Tarefa 4 Isabel
Tarefa 4 IsabelTarefa 4 Isabel
Tarefa 4 Isabel
isabelsantosilva
 
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
mariaantoniadocarmo
 
Tarefa 2 análise critica ao modelo de auto avaliação das bibliotecas escol...
Tarefa 2  análise critica ao modelo de auto   avaliação das bibliotecas escol...Tarefa 2  análise critica ao modelo de auto   avaliação das bibliotecas escol...
Tarefa 2 análise critica ao modelo de auto avaliação das bibliotecas escol...
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
Doc aval1
Doc aval1Doc aval1
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
candidamatos
 

Mais procurados (17)

O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]
O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]
O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]
 
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa BeApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
AnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica SusanaAnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica Susana
 
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
 
Trabalho sessao 2_maria_jose_bernardes
Trabalho sessao 2_maria_jose_bernardesTrabalho sessao 2_maria_jose_bernardes
Trabalho sessao 2_maria_jose_bernardes
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
 
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
Tarefa 4 Isabel
Tarefa 4 IsabelTarefa 4 Isabel
Tarefa 4 Isabel
 
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
 
Tarefa 2 análise critica ao modelo de auto avaliação das bibliotecas escol...
Tarefa 2  análise critica ao modelo de auto   avaliação das bibliotecas escol...Tarefa 2  análise critica ao modelo de auto   avaliação das bibliotecas escol...
Tarefa 2 análise critica ao modelo de auto avaliação das bibliotecas escol...
 
Doc aval1
Doc aval1Doc aval1
Doc aval1
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
 

Semelhante a S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov

2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
beloule
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
anamariabpalma
 
Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2
Isabel Martins
 
Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]
Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]
Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]
nelidavbn
 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
mariaemilianovais
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliaçãoSessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
guest1d174ffe
 
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
candidamatos
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
candidamatos
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3
Anaigreja
 
Workshop 1ª Parte
Workshop 1ª ParteWorkshop 1ª Parte
Workshop 1ª Parte
MARIA NOGUE
 
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novoMabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
candidamatos
 
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
Margarida Mota
 
2ª Tarefa
2ª Tarefa2ª Tarefa
2ª Tarefa
Julita Silva
 
3ªsessão abilio
3ªsessão abilio3ªsessão abilio
3ªsessão abilio
abiliomarquespires
 
Texto Metodologias Parte1
Texto Metodologias Parte1Texto Metodologias Parte1
Texto Metodologias Parte1
Antonio Tavares
 
Analise Critica Mavbe
Analise Critica MavbeAnalise Critica Mavbe
Analise Critica Mavbe
Antonio Tavares
 
2ªTarefa 2.2
2ªTarefa 2.22ªTarefa 2.2
2ªTarefa 2.2
isabelsantosilva
 
Sessao3parte1
Sessao3parte1Sessao3parte1
Sessao3parte1
lenacaroca
 

Semelhante a S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov (19)

2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2
 
Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]
Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]
Nelida nabais forum_2_analise_critica_ao_modelo_de_auto_avaliacao[1]
 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliaçãoSessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
 
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3
 
Workshop 1ª Parte
Workshop 1ª ParteWorkshop 1ª Parte
Workshop 1ª Parte
 
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novoMabe  -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
Mabe -problematicas_e_conceitos_implicados_novo
 
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
 
2ª Tarefa
2ª Tarefa2ª Tarefa
2ª Tarefa
 
3ªsessão abilio
3ªsessão abilio3ªsessão abilio
3ªsessão abilio
 
Texto Metodologias Parte1
Texto Metodologias Parte1Texto Metodologias Parte1
Texto Metodologias Parte1
 
Analise Critica Mavbe
Analise Critica MavbeAnalise Critica Mavbe
Analise Critica Mavbe
 
2ªTarefa 2.2
2ªTarefa 2.22ªTarefa 2.2
2ªTarefa 2.2
 
Sessao3parte1
Sessao3parte1Sessao3parte1
Sessao3parte1
 

Mais de biblioteclar

S7 T9 Perspectivar AcçõEs Para Melhoria 15 Dez
S7 T9 Perspectivar AcçõEs Para Melhoria 15 DezS7 T9 Perspectivar AcçõEs Para Melhoria 15 Dez
S7 T9 Perspectivar AcçõEs Para Melhoria 15 Dez
biblioteclar
 
S1 T1 Tabela Desafios Oprtunidades 02 Nov
S1 T1 Tabela Desafios Oprtunidades 02 NovS1 T1 Tabela Desafios Oprtunidades 02 Nov
S1 T1 Tabela Desafios Oprtunidades 02 Nov
biblioteclar
 
S3 T3 O Modelo De Auto AvaliaçãO No Contexto Da Escola 16 Nov
S3 T3 O Modelo De Auto AvaliaçãO No Contexto Da Escola 16 NovS3 T3 O Modelo De Auto AvaliaçãO No Contexto Da Escola 16 Nov
S3 T3 O Modelo De Auto AvaliaçãO No Contexto Da Escola 16 Nov
biblioteclar
 
S4 T4 Plano De Auto Av 23 Nov
S4 T4 Plano De Auto Av 23 NovS4 T4 Plano De Auto Av 23 Nov
S4 T4 Plano De Auto Av 23 Nov
biblioteclar
 
S5 T5 Metodologias De OperacionalizaçãO P1 1 Dez
S5 T5 Metodologias De OperacionalizaçãO P1 1 DezS5 T5 Metodologias De OperacionalizaçãO P1 1 Dez
S5 T5 Metodologias De OperacionalizaçãO P1 1 Dez
biblioteclar
 
S6 T7 Metodologias De OperacionalizaçãO Conc 8 Dez
S6 T7 Metodologias De OperacionalizaçãO Conc 8 DezS6 T7 Metodologias De OperacionalizaçãO Conc 8 Dez
S6 T7 Metodologias De OperacionalizaçãO Conc 8 Dez
biblioteclar
 
S7 T8 Worrkshop 12 Dez
S7 T8 Worrkshop 12 DezS7 T8 Worrkshop 12 Dez
S7 T8 Worrkshop 12 Dez
biblioteclar
 

Mais de biblioteclar (7)

S7 T9 Perspectivar AcçõEs Para Melhoria 15 Dez
S7 T9 Perspectivar AcçõEs Para Melhoria 15 DezS7 T9 Perspectivar AcçõEs Para Melhoria 15 Dez
S7 T9 Perspectivar AcçõEs Para Melhoria 15 Dez
 
S1 T1 Tabela Desafios Oprtunidades 02 Nov
S1 T1 Tabela Desafios Oprtunidades 02 NovS1 T1 Tabela Desafios Oprtunidades 02 Nov
S1 T1 Tabela Desafios Oprtunidades 02 Nov
 
S3 T3 O Modelo De Auto AvaliaçãO No Contexto Da Escola 16 Nov
S3 T3 O Modelo De Auto AvaliaçãO No Contexto Da Escola 16 NovS3 T3 O Modelo De Auto AvaliaçãO No Contexto Da Escola 16 Nov
S3 T3 O Modelo De Auto AvaliaçãO No Contexto Da Escola 16 Nov
 
S4 T4 Plano De Auto Av 23 Nov
S4 T4 Plano De Auto Av 23 NovS4 T4 Plano De Auto Av 23 Nov
S4 T4 Plano De Auto Av 23 Nov
 
S5 T5 Metodologias De OperacionalizaçãO P1 1 Dez
S5 T5 Metodologias De OperacionalizaçãO P1 1 DezS5 T5 Metodologias De OperacionalizaçãO P1 1 Dez
S5 T5 Metodologias De OperacionalizaçãO P1 1 Dez
 
S6 T7 Metodologias De OperacionalizaçãO Conc 8 Dez
S6 T7 Metodologias De OperacionalizaçãO Conc 8 DezS6 T7 Metodologias De OperacionalizaçãO Conc 8 Dez
S6 T7 Metodologias De OperacionalizaçãO Conc 8 Dez
 
S7 T8 Worrkshop 12 Dez
S7 T8 Worrkshop 12 DezS7 T8 Worrkshop 12 Dez
S7 T8 Worrkshop 12 Dez
 

Último

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 

Último (20)

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 

S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov

  • 1. Análise Crítica ao Modelo de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares “A nível do processo de gestão de qualidade, e apesar das diferenças entre os seus contributos, todos os gurus realçam um conjunto de elementos que se tornam pilares da Teoria da Qualidade: envolvimento da gestão de topo, envolvimento e autonomia dos colaboradores, gestão baseada em métricas e factos, utilização de ferramentas estatísticas para controlo da variabilidade e ênfase no cliente.” (Gomes ,P., 2004) Segundo o Manifesto da IFLA, a missão da BE consiste em “Disponibilizar serviços de aprendizagem, documentos e recursos que permitam a todos os membros da comunidade escolar tornarem-se pensadores críticos e utilizadores efectivos da informação, nos seus mais variados suportes e meios de comunicação.” A atenção centra-se no “saber manusear criticamente a informação”, o que significa que não se trata apenas de desenvolver competências de carácter técnico mas também de pesquisa, selecção e tratamento da informação. Numa palavra, a BE deve promover a transformação da informação em conhecimento, num contexto complexo de novas modalidades e práticas textuais. Como espaço privilegiado de acesso à informação, a BE deve trabalhar em articulação directa com o currículo, a par com os professores dentro e fora da sala de aula, numa construção partilhada, tendo em vista o sucesso do aluno, que o mesmo é dizer, o cumprimento das metas e objectivos de aprendizagem da escola. O projecto da RBE, iniciado em 1996, realizou um investimento significativo na construção, remodelação, equipamentos, fundos documentais, formação de pessoal, entre outros, com o objectivo de que as BE portuguesas deixassem de ser um espaço marginal na escola, depositário de documentos e de recursos, a que se recorria apenas para diversificar estratégias da sala de aula ou para suplementar facultativamente a informação veiculada nas aulas e centrada nas figuras do professor e do manual, para ocupar um lugar privilegiado de acesso à informação. Segundo Veiga et al. (1997) a BE deverá ser “o núcleo de vida da Escola” e “ o coração de e para onde flui todo o conhecimento.” Assim, na sociedade do século XXI, considerada a Sociedade da Informação e do Conhecimento é preciso que a escola e a BE, enquanto estrutura educativa da mesma, sejam capazes de dotar os jovens das competências necessárias para o exercício da cidadania, numa nova ordem social na qual proliferam meios de informação em suportes diversificados, que é preciso saber interpretar, seleccionar e reconstruir significativamente. Volvidos treze anos de trabalho, esforços e investimentos avultados torna-se imperioso objectivar o modo como se concretiza, no terreno, a missão da BE e qual o impacto das suas acções no processo de ensino aprendizagem, assim como a eficácia dos serviços prestados e o grau de satisfação dos seus utilizadores. Numa palavra, é preciso saber avaliar a BE e construir um modelo eficaz que permita saber e validar “ o que estamos a fazer / como estamos a fazer” e como usar a informação recolhida para reforçar práticas bem sucedidas corrigir percursos que não conduziram aos resultados esperados.
  • 2. A avaliação torna-se assim uma estratégia fundamental que não só define o princípio da boa gestão como constitui um instrumento chave num plano de desenvolvimento e de melhoria contínua. Cabe ao professor bibliotecário, que é, doravante, um gestor e não organizador de informação, bem como à equipa que coordena e aos responsáveis da avaliação interna da escola, implementar um modelo capaz de determinar o grau de consecução da missão e dos objectivos da BE e a articulação destes com o PEE. Não obstante o acréscimo de trabalho imputado à coordenação da BE no sentido de implementar um modelo que devendo ser simples, nunca o é, este deve ser entendido, como um mais valia estratégica para que a escola possa reconhecer a importância da BE enquanto promotora de sucesso no resultado escolar dos alunos. O novo modelo de avaliação, proposto pela RBE apresenta uma arquitectura diferente da convencional: em primeiro lugar, trata-se de um modelo de auto avaliação, constituído por directrizes, mas susceptível de adequação à especificidade da escola; em segundo lugar, não coloca a ênfase nos aspectos internos da BE ou nas condições físicas do seu funcionamento (que não podem ser totalmente negligenciáveis), centra-se nos resultados e evidências através dos quais tornam visíveis o seu contributo e impacto nos quatro domínios essenciais. A saber, Apoio ao Desenvolvimento Curricular, Leitura e Literacias, Projectos Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade e Gestão da BE. Numa palavra, citando o texto da sessão: “Hoje, a avaliação centra-se, essencialmente, no impacto qualitativo da biblioteca, isto é, na aferição das modificações positivas que o seu funcionamento tem nas atitudes, valores e conhecimentos dos utilizadores. Trata-se, neste contexto, de aferir não a eficiência, mas a eficácia dos serviços – os resultados que produziram.” De notar que eficiência e eficácia são conceitos correlativos, os resultados não são independentes dos processos ou da criteriosa escolha dos meios para os atingir. Mas, de facto, as acções e as intenções só ganham corpo nos resultados. No que diz respeito à rede conceptual que define o presente modelo de auto-avaliação, importa salientar, em primeiro lugar, a ideia de Valor. Trata-se de um conceito difícil de definir e não isento de polémica entre filósofos, designadamente no que diz respeito à sua natureza objectiva ou subjectiva. Neste contexto, o da avaliação, assume-se que não se situa ao nível dos factos, objectos ou coisas, mas resulta da experiência que fazemos dos factos, objectos ou coisas. Assim, tem valor positivo o que nos traz benefícios. A BE tem valor na medida em que contribui de forma activa e enriquecedora para as aprendizagens dos alunos e colabora na consecução dos objectivos do PEE. A auto-avaliação surge, deste modo, como uma prática que acrescenta valor ao trabalho desenvolvido pela BE, ou, seguindo a letra do texto da sessão, deve ser entendida “como um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua da BE.” Ao apontar para as áreas nucleares sobre as quais deverá incidir o trabalho da BE, a avaliação não é um fim em si mesma, mas um Processo que origina reflexão e mudanças significativas nas práticas. Finalmente, o quadro referencial apresentado assume-se como um Modelo, que é um instrumento possível para ajudar as escolas a identificar os factores críticos de sucesso, sugerindo também exemplos de acções para melhoria. Subsidiários destes conceitos chave surgem também, no contexto mais alargado da avaliação das organizações, e não só das bibliotecas, os de Evidence-Based Practice, que postula a necessidade de práticas sistemáticas de recolha diária de evidências e o de Práticas
  • 3. de Pesquisa-Acção, que assenta na identificação do problema, na recolha e avaliação de evidências que se transformam em conhecimento capaz de orientar as acções futuras. A estrutura do modelo de auto-avaliação é composta, como já se referiu, pela identificação de quatro domínios chave de intervenção da BE, que se dividem em subdomínios que particularizam áreas mais específicas. Cada domínio e subdomínio é acompanhado dos indicadores que são objecto de avaliação e que se concretizam em factores críticos de sucesso. Estes últimos remetem para as evidências, isto é, para aquilo que pode ser observado e medido. Finalmente, a grelha comporta uma quarta coluna com exemplos de acções para melhoria, o que a transforma num instrumento de orientação e apoio efectivo ao trabalho a desenvolver na BE. Dir-se-ia que esta quarta coluna constitui o elemento que evidencia, mesmo num contexto formal de avaliação, que é possível mudar e fazer melhor. A este propósito Eisenberg, no seu artigo This Man Wants to Change Your Job (2002), chama a atenção para a importância do pensamento estratégico, que define como uma forma de aproximar problemas e oportunidades, sendo por isso um pensamento positivo “Sucess starts with attitude. A positive attitude breeds positive results, a negative one breeds failure. If you think you can’t make something happen, chances are you won’t. If you think you can, at least you have a fighting chance.” O modelo de auto-avaliação proposto apresenta, sem dúvida um desafio para a escola, a BE e, sobretudo, para o professor bibliotecário. Este vê-se confrontado com a necessidade de pôr a funcionar o seu plano de acção e de actividades, de responder positivamente às solicitações de toda a comunidade escolar, de engendrar variações imaginativas para promover a leitura e as literacias, sobretudo para aqueles que estão na escola porque não lhes é permitido legalmente estar noutro lado e deve ainda inaugurar um novo modelo de avaliação. Sem dúvida, que a avaliação é uma necessidade premente em todos aqueles que desenvolvem acções não gratuitas, isto é, que pretendem atingir determinados objectivos. A avaliação já se fazia nas BE, mesmo antes da paranóia generalizada de avaliar tudo a qualquer preço, falo da ADD, embora fosse realizada com instrumentos rudimentares, de forma pouco sistemática e sem instrumentos aferidos. Talvez alguns desses instrumentos pudessem ser aproveitados e não deitados no lixo, talvez a RBE pudesse questionar as BE sobres as suas práticas de avaliação. Penso que desse modo poder-se-ia evitar uma certa percepção de que algo está a ser imposto e criar mais abertura para a implementação do modelo. Considero também que este modelo tem uma estrutura “pesada”, sobretudo no que se refere ao domínio do Desenvolvimento Curricular, particularmente no subdomínio da Articulação Curricular da BE com as Estruturas Pedagógicas e com os Docentes. Será que o Professor Bibliotecário, depois de reunir e planear com os órgãos pedagógicos de gestão intermédia, com os docentes das NAC, com os docentes responsáveis pelos Apoios Educativos e alunos com NEE, realizar actividades no âmbito da OPTE, colaborar com os docentes nas actividades curriculares, pode ainda responder, de forma capaz, aos outros domínios contemplados no modelo de auto-avaliação? Outro aspecto, que me parece importante salientar, é o da razoabilidade que deve presidir à recolha de evidências, nem todos os gestos são significativos nem tudo é digno de ser registado e, por vezes, uma conversa informal com um colega é mais produtiva do que as reuniões agendadas, com a respectiva ordem de trabalhos e acta a condizer com o que se queria ter feito!
  • 4. Finalmente, falta referir que este modelo de auto-avaliação requer o exercício de algumas competências que não eram tão evidentes no perfil do professor bibliotecário: liderança forte associada a uma visão e gestão estratégica, marketing das actividades e potencialidades da BE, fazer-se reconhecer como parceiro indispensável no apoio ao currículo, promover uma cultura de avaliação a ser partilhada por todos os serviços e órgãos da escola, prestar contas do impacto dos seus serviços à comunidade educativa e à RBE. E, antes de tudo isto, planificar acções de formação e sensibilização sobre o modelo em causa, de modo a optimizar a sua implementação e comprometer a escola no próprio processo. Eunice Ferreira Estima de Pinho
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48. transforma num instrumento de orientação e de apoio ao trabalho desenvolvido pela BE. Penso que Eunice Pinho