SlideShare uma empresa Scribd logo

Tarefa 2 Parte1 Act2

1 de 4
Baixar para ler offline
2:
Actividade 2: 1ª Fase                                    Formanda: Isabel Martins



O Modelo de Auto- Avaliação. Problemáticas e conceitos implicados


Tarefa 2: Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas
          Escolares




                                                                  implicados.
O Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria. Conceitos implicados.

A abordagem deste Modelo como instrumento pedagógico de melhoria entende-se
pelo facto de, efectivamente, a sua implementação apontar para um processo e não
objectivamente para algo ocasional que vise quantificar ou classificar o desempenho
dos serviços da BE. Os conceitos implicados que o documento identifica são,
essencialmente, os seguintes:
   •   VALOR – associado ao impacto dos resultados produzidos pelo uso
       consequente dos meios e serviços disponibilizados pela BE e sua contribuição
       para os objectivos da escola;

   •   QUALIDADE E EFICÁCIA – permite analisar e reflectir sobre os serviços
       prestados, com vista à sua melhoria. O processo visa encontrar pontos fortes e
       fraquezas que deverão ser reorientar a actuação da BE;

Neste processo prevê-se como essencial o estabelecimento de rotinas de
funcionamento que serão determinantes para a recolha de evidências, mas sobretudo
devem ser adoptadas como práticas facilitadoras da actividade quotidiana da BE.



Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares.

No actual contexto educativo é incontestável o papel da Biblioteca Escolar como
estrutura   fundamental   para   a   aquisição   de   conhecimento   e   sucesso   das
aprendizagens.
Tendo em conta que, para cumprir essa missão, a BE precisa traçar objectivos e
delinear estratégias articuladas com as restantes estruturas da escola, parece-me
essencial que se faça valer de “um quadro de referência e de um instrumento que lhes
permite a melhoria contínua da qualidade, a busca de uma perspectiva de inovação”.
(texto da sessão)
A importância da aplicação do MABE reside, também, no facto de promover a aliança
entre a prática e a reflexão, perspectivando, de uma forma consciente, a mudança
com vista à melhoria. Acresce, ainda, o facto de ser um processo que implica a
mobilização de toda a escola, o que, à partida, levará à responsabilização de todos os
envolvidos e contribuirá para a afirmação e reconhecimento da BE.



                           funcional.
- Organização estrutural e funcional. Adequação e constrangimentos

O modelo de auto-avaliação encontra-se estruturado nos quatro domínios (e
respectivos subdomínios) que regulam a actividade da BE. Para cada um são
elencados os indicadores, que permitem observar desempenhos. É de notar as
propostas que o documento apresenta como exemplos de factores críticos de
sucesso, de sugestões de melhoria e, ainda, de meios de recolha de evidências. Por
fim, são apresentados os perfis de desempenho que definem a qualidade dos serviços
da BE em cada domínio/subdomínio.
Numa primeira leitura esta extensa abordagem parece pertinente e adequada.
Apenas me parece que no domínio B – Leitura e literacia – a importância dada a
documentos    não-livro   (filmes,   documentários,   música,   …)   seja   insuficiente,
observando-se essa lacuna também nos inquéritos sugeridos.
Além disso, ainda que o modelo preveja uma adequação à realidade da própria
escola, parece que essa adequação poderá comprometer o resultado final se não
forem observados todos os indicadores.



Integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar.

Como a literatura recomendada evidencia, a avaliação da BE “pressupõe a motivação
individual dos seus membros e a liderança forte do professor coordenador, que tem de
mobilizar a escola para a necessidade e implementação do processo avaliativo.”
Sendo a biblioteca uma estrutura da escola, a sua avaliação e, sobretudo, o seu bom
desempenho, deve interessar a toda a comunidade escolar, em especial aos órgãos
de direcção e gestão pedagógica. Desta forma, é fundamental que o professor
bibliotecário faça uma correcta divulgação do processo, primeiramente junto da
Direcção da Escola e do Conselho Pedagógico, no sentido de obter o seu
envolvimento para a mobilização dos outros.
Julgo que estes órgãos podem / devem ser aliados na escolha do domínio a avaliar, já
que por inerência do cargo deverão ter uma visão de escola mais abrangente e
consequente.

Competências do professor bibliotecário e estratégias implicadas na sua aplicação


Na aplicação do modelo de avaliação é importante que o professor bibliotecário
evidencie competências que facilitem a implementação.

Tilke (1999) in “The role of the school librarian in providing conditions for discovery and
personal growth in the school library. How will the school library fulfill this purpose in
the next century?” defende que o professor bibliotecário deverá:


   a. Ser um comunicador efectivo no seio da instituição;
   b. Ser proactivo;
   c. Saber exercer influência junto de professores e do órgão directivo;
   d. Ser útil, relevante e considerado pelos outros membros da comunidade
      educativa;
   e. Ser observador e investigativo;
   f. Ser capaz de ver o todo - “the big picture”;
   g. Saber estabelecer prioridades;
   h. Realizar uma abordagem construtiva aos problemas e à realidade;
   i. Ser gestor de serviços de aprendizagem no seio da escola;
   j. Saber gerir recursos no sentido lato do termo;
   k. Ser promotor dos serviços e dos recursos;
   l.    Ser tutor, professor e um avaliador de recursos, com o objectivo de apoiar e
        contribuir para as aprendizagens;
   m. Saber gerir e avaliar de acordo com a missão e objectivos da escola.
   n. Saber trabalhar com departamentos e colegas.

Assim sendo, para uma intervenção tão abrangente e multifuncional, o
professor bibliotecário deve ser também muito perseverante.
A aplicação deste modelo de avaliação, ainda que se pretenda exequível,
parece-me ser bastante absorvente em termos de tempo e dedicação por parte
do PB.
Questiono-me como consegue o PB entregar-se à sua implementação de
forma eficiente e simultaneamente assegurar todas as outras tarefas inerentes
ao cargo, em especial quando o mesmo é desempenhado em tempo parcial e
em acumulação com outros cargos na escola, além das horas lectivas que
também assegura…?


13-11-2009
A formanda: Isabel Martins
Anúncio

Recomendados

Power Point O Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be No Contexto Da Escola
Power Point   O Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be No Contexto Da EscolaPower Point   O Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be No Contexto Da Escola
Power Point O Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be No Contexto Da Escolaguestf38751
 
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa BeApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa Besandrinhalopes
 
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresMargarida Botelho da Silva
 
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3Margarida Mota
 
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliaçãomariaemilianovais
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliaçãoSessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliaçãoguest1d174ffe
 
ApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 SusiApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 Susiguest404be0b
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãocandidamatos
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Bebeloule
 
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessãoAnalise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessãoanabelavalentim
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Beguest7716cf
 
Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativoguestf38751
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2  análise crítica ao modelo de avaliaçãoSessão 2  análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliaçãoguest1d174ffe
 
Sintese T3 Sessao 4
Sintese T3 Sessao 4Sintese T3 Sessao 4
Sintese T3 Sessao 4rbento
 
Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar Rosario
Auto   Avaliacao Da Biblioteca Escolar RosarioAuto   Avaliacao Da Biblioteca Escolar Rosario
Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar Rosariorosariobarreiras
 
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2   Analise Critica Mod Auto AvTarefa 2   Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Avaevisobibliovis
 
Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be Carrazeda
Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be CarrazedaModelo De Auto AvaliaçãO Da Be Carrazeda
Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be CarrazedaBe Carrazeda
 
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)guest4889824
 
Apresentacao Modelo Auto Avaliacao Escola
Apresentacao Modelo Auto  Avaliacao EscolaApresentacao Modelo Auto  Avaliacao Escola
Apresentacao Modelo Auto Avaliacao EscolaCristina Felício
 

Mais procurados (13)

2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessãoAnalise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativo
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2  análise crítica ao modelo de avaliaçãoSessão 2  análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
 
Sintese T3 Sessao 4
Sintese T3 Sessao 4Sintese T3 Sessao 4
Sintese T3 Sessao 4
 
Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar Rosario
Auto   Avaliacao Da Biblioteca Escolar RosarioAuto   Avaliacao Da Biblioteca Escolar Rosario
Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar Rosario
 
Workshop
WorkshopWorkshop
Workshop
 
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2   Analise Critica Mod Auto AvTarefa 2   Analise Critica Mod Auto Av
Tarefa 2 Analise Critica Mod Auto Av
 
Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be Carrazeda
Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be CarrazedaModelo De Auto AvaliaçãO Da Be Carrazeda
Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be Carrazeda
 
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
 
Apresentacao Modelo Auto Avaliacao Escola
Apresentacao Modelo Auto  Avaliacao EscolaApresentacao Modelo Auto  Avaliacao Escola
Apresentacao Modelo Auto Avaliacao Escola
 

Destaque

Edital inscricao-festivaldearte
Edital inscricao-festivaldearteEdital inscricao-festivaldearte
Edital inscricao-festivaldearteExPEEL
 
Mutantes
MutantesMutantes
Mutantesnuwaspa
 
Sessão 3 Powerpoint 1ªParte
Sessão 3 Powerpoint  1ªParteSessão 3 Powerpoint  1ªParte
Sessão 3 Powerpoint 1ªParteguest1d174ffe
 
Práctica 1 dl2 minilecciones
Práctica 1  dl2 minileccionesPráctica 1  dl2 minilecciones
Práctica 1 dl2 minileccionesJulio Begazo
 
Cirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E SilvaCirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E Silvawaleri
 
Powerpoint Das Caixas
Powerpoint Das CaixasPowerpoint Das Caixas
Powerpoint Das CaixasCarmen Costa
 
Directrizes da UNESCO/IFLA 02
Directrizes da UNESCO/IFLA 02Directrizes da UNESCO/IFLA 02
Directrizes da UNESCO/IFLA 02FilipaNeves
 
Apresentacao curso excel_2010 Básico
Apresentacao curso excel_2010 BásicoApresentacao curso excel_2010 Básico
Apresentacao curso excel_2010 BásicoArnoldo Schmidt Neto
 
Tendencias pedagógicas maría belenice cc
Tendencias pedagógicas  maría belenice ccTendencias pedagógicas  maría belenice cc
Tendencias pedagógicas maría belenice ccBelenice 2013 Ingles
 
O meu... programa festa avante 2012
O meu... programa festa avante 2012O meu... programa festa avante 2012
O meu... programa festa avante 2012SoproLeve
 
Marketing Realidade Ou IntuiçãO
Marketing Realidade Ou IntuiçãOMarketing Realidade Ou IntuiçãO
Marketing Realidade Ou IntuiçãOkeilajsantos
 
El mensaje de juan pablo ii para la jornada mundial de la paz
El mensaje de juan pablo ii para la jornada mundial de la pazEl mensaje de juan pablo ii para la jornada mundial de la paz
El mensaje de juan pablo ii para la jornada mundial de la pazkerygmaawards
 
A cidade mais fria do mundo...
A cidade mais fria do mundo...A cidade mais fria do mundo...
A cidade mais fria do mundo...SoproLeve
 

Destaque (20)

Edital inscricao-festivaldearte
Edital inscricao-festivaldearteEdital inscricao-festivaldearte
Edital inscricao-festivaldearte
 
HistóRia E HistóRias (2)
HistóRia E HistóRias (2)HistóRia E HistóRias (2)
HistóRia E HistóRias (2)
 
Mutantes
MutantesMutantes
Mutantes
 
Sessão 3 Powerpoint 1ªParte
Sessão 3 Powerpoint  1ªParteSessão 3 Powerpoint  1ªParte
Sessão 3 Powerpoint 1ªParte
 
Práctica 1 dl2 minilecciones
Práctica 1  dl2 minileccionesPráctica 1  dl2 minilecciones
Práctica 1 dl2 minilecciones
 
Cirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E SilvaCirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E Silva
 
Desarrollo
DesarrolloDesarrollo
Desarrollo
 
Powerpoint Das Caixas
Powerpoint Das CaixasPowerpoint Das Caixas
Powerpoint Das Caixas
 
Directrizes da UNESCO/IFLA 02
Directrizes da UNESCO/IFLA 02Directrizes da UNESCO/IFLA 02
Directrizes da UNESCO/IFLA 02
 
#1
#1#1
#1
 
Apresentacao curso excel_2010 Básico
Apresentacao curso excel_2010 BásicoApresentacao curso excel_2010 Básico
Apresentacao curso excel_2010 Básico
 
Tendencias pedagógicas maría belenice cc
Tendencias pedagógicas  maría belenice ccTendencias pedagógicas  maría belenice cc
Tendencias pedagógicas maría belenice cc
 
O meu... programa festa avante 2012
O meu... programa festa avante 2012O meu... programa festa avante 2012
O meu... programa festa avante 2012
 
Marketing Realidade Ou IntuiçãO
Marketing Realidade Ou IntuiçãOMarketing Realidade Ou IntuiçãO
Marketing Realidade Ou IntuiçãO
 
Opará
OparáOpará
Opará
 
#8
#8#8
#8
 
Tecnología y sociedad
Tecnología y sociedadTecnología y sociedad
Tecnología y sociedad
 
El mensaje de juan pablo ii para la jornada mundial de la paz
El mensaje de juan pablo ii para la jornada mundial de la pazEl mensaje de juan pablo ii para la jornada mundial de la paz
El mensaje de juan pablo ii para la jornada mundial de la paz
 
A cidade mais fria do mundo...
A cidade mais fria do mundo...A cidade mais fria do mundo...
A cidade mais fria do mundo...
 
Aula 05
Aula 05Aula 05
Aula 05
 

Semelhante a Tarefa 2 Parte1 Act2

2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Bebeloule
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Anaigreja
 
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 NovS2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Novbiblioteclar
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Beanamariabpalma
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Be
Analise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo BeAnalise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Be
Analise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo BeCristina Felício
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãocandidamatos
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãocandidamatos
 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliaçãomariaemilianovais
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2Gloria Lopes
 
Sessao3tarefa1
Sessao3tarefa1Sessao3tarefa1
Sessao3tarefa1Rui Jorge
 
Analise Critica Maabe Manuela Varejao
Analise Critica Maabe Manuela VarejaoAnalise Critica Maabe Manuela Varejao
Analise Critica Maabe Manuela VarejaoManuela Varejao
 
Texto oper i-out2010
Texto oper i-out2010Texto oper i-out2010
Texto oper i-out2010gigilu
 
AnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica SusanaAnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica SusanaSusana Martins
 
Análise Crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das BEs
Análise Crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das BEsAnálise Crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das BEs
Análise Crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das BEsAna Luísa Fernandes
 
Texto Metodologias Parte1
Texto Metodologias Parte1Texto Metodologias Parte1
Texto Metodologias Parte1Antonio Tavares
 

Semelhante a Tarefa 2 Parte1 Act2 (20)

2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3
 
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 NovS2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Be
Analise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo BeAnalise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Be
Analise Critica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Be
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
 
Analise Critica Mavbe
Analise Critica MavbeAnalise Critica Mavbe
Analise Critica Mavbe
 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
 
Sessao3tarefa1
Sessao3tarefa1Sessao3tarefa1
Sessao3tarefa1
 
Analise Critica Maabe Manuela Varejao
Analise Critica Maabe Manuela VarejaoAnalise Critica Maabe Manuela Varejao
Analise Critica Maabe Manuela Varejao
 
2ªTarefa 2.2
2ªTarefa 2.22ªTarefa 2.2
2ªTarefa 2.2
 
Análise crítica ao maabe
Análise crítica ao maabeAnálise crítica ao maabe
Análise crítica ao maabe
 
Texto oper i-out2010
Texto oper i-out2010Texto oper i-out2010
Texto oper i-out2010
 
3ªsessão abilio
3ªsessão abilio3ªsessão abilio
3ªsessão abilio
 
AnáLise CríTica
AnáLise CríTicaAnáLise CríTica
AnáLise CríTica
 
AnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica SusanaAnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica Susana
 
Análise Crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das BEs
Análise Crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das BEsAnálise Crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das BEs
Análise Crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das BEs
 
Texto Metodologias Parte1
Texto Metodologias Parte1Texto Metodologias Parte1
Texto Metodologias Parte1
 

Mais de Isabel Martins

AnáLise E ComentáRio
AnáLise E ComentáRioAnáLise E ComentáRio
AnáLise E ComentáRioIsabel Martins
 
Quadro Cruzamento M A A B E I G E
Quadro  Cruzamento  M A A B E  I G EQuadro  Cruzamento  M A A B E  I G E
Quadro Cruzamento M A A B E I G EIsabel Martins
 
SubdomíNio A2 A23 A24
SubdomíNio A2 A23 A24SubdomíNio A2 A23 A24
SubdomíNio A2 A23 A24Isabel Martins
 
ApresentaçãO Maabe Ao Cp
ApresentaçãO Maabe Ao CpApresentaçãO Maabe Ao Cp
ApresentaçãO Maabe Ao CpIsabel Martins
 
A biblioteca escolar. Desafios e oportunidades no contexto da mudança
A biblioteca escolar. Desafios e oportunidades no contexto da mudançaA biblioteca escolar. Desafios e oportunidades no contexto da mudança
A biblioteca escolar. Desafios e oportunidades no contexto da mudançaIsabel Martins
 

Mais de Isabel Martins (12)

Panfleto
PanfletoPanfleto
Panfleto
 
Panfleto
PanfletoPanfleto
Panfleto
 
Actividade 2
Actividade 2Actividade 2
Actividade 2
 
Actividade 1
Actividade 1Actividade 1
Actividade 1
 
AnáLise E ComentáRio
AnáLise E ComentáRioAnáLise E ComentáRio
AnáLise E ComentáRio
 
AcçõEs Futuras D1
AcçõEs Futuras D1AcçõEs Futuras D1
AcçõEs Futuras D1
 
Quadro Cruzamento M A A B E I G E
Quadro  Cruzamento  M A A B E  I G EQuadro  Cruzamento  M A A B E  I G E
Quadro Cruzamento M A A B E I G E
 
Tabela SubdomíNio D1
Tabela  SubdomíNio D1Tabela  SubdomíNio D1
Tabela SubdomíNio D1
 
SubdomíNio A2 A23 A24
SubdomíNio A2 A23 A24SubdomíNio A2 A23 A24
SubdomíNio A2 A23 A24
 
ApresentaçãO Maabe Ao Cp
ApresentaçãO Maabe Ao CpApresentaçãO Maabe Ao Cp
ApresentaçãO Maabe Ao Cp
 
A biblioteca escolar. Desafios e oportunidades no contexto da mudança
A biblioteca escolar. Desafios e oportunidades no contexto da mudançaA biblioteca escolar. Desafios e oportunidades no contexto da mudança
A biblioteca escolar. Desafios e oportunidades no contexto da mudança
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 

Último

"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer""Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"josianispflia
 
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdfGuia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdfomelhordashoppeestaa
 
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...sdl192405
 
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...sdl192405
 
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024dlp391622
 
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...Unicesumar
 
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...sdl192405
 
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024dlalicia08
 
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPOCONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPOAnderson Souza
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...taynaradl79
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.Unicesumar
 
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\Renandantas16
 
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024dlkauana81
 
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024dlkauana81
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...Unicesumar
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024taynaradl79
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...Unicesumar
 

Último (17)

"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer""Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
 
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdfGuia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
 
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
 
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
 
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
 
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
 
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
 
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
 
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPOCONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
 
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
 
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
 
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 

Tarefa 2 Parte1 Act2

  • 1. 2: Actividade 2: 1ª Fase Formanda: Isabel Martins O Modelo de Auto- Avaliação. Problemáticas e conceitos implicados Tarefa 2: Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares implicados. O Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria. Conceitos implicados. A abordagem deste Modelo como instrumento pedagógico de melhoria entende-se pelo facto de, efectivamente, a sua implementação apontar para um processo e não objectivamente para algo ocasional que vise quantificar ou classificar o desempenho dos serviços da BE. Os conceitos implicados que o documento identifica são, essencialmente, os seguintes: • VALOR – associado ao impacto dos resultados produzidos pelo uso consequente dos meios e serviços disponibilizados pela BE e sua contribuição para os objectivos da escola; • QUALIDADE E EFICÁCIA – permite analisar e reflectir sobre os serviços prestados, com vista à sua melhoria. O processo visa encontrar pontos fortes e fraquezas que deverão ser reorientar a actuação da BE; Neste processo prevê-se como essencial o estabelecimento de rotinas de funcionamento que serão determinantes para a recolha de evidências, mas sobretudo devem ser adoptadas como práticas facilitadoras da actividade quotidiana da BE. Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares. No actual contexto educativo é incontestável o papel da Biblioteca Escolar como estrutura fundamental para a aquisição de conhecimento e sucesso das aprendizagens. Tendo em conta que, para cumprir essa missão, a BE precisa traçar objectivos e delinear estratégias articuladas com as restantes estruturas da escola, parece-me essencial que se faça valer de “um quadro de referência e de um instrumento que lhes permite a melhoria contínua da qualidade, a busca de uma perspectiva de inovação”. (texto da sessão)
  • 2. A importância da aplicação do MABE reside, também, no facto de promover a aliança entre a prática e a reflexão, perspectivando, de uma forma consciente, a mudança com vista à melhoria. Acresce, ainda, o facto de ser um processo que implica a mobilização de toda a escola, o que, à partida, levará à responsabilização de todos os envolvidos e contribuirá para a afirmação e reconhecimento da BE. funcional. - Organização estrutural e funcional. Adequação e constrangimentos O modelo de auto-avaliação encontra-se estruturado nos quatro domínios (e respectivos subdomínios) que regulam a actividade da BE. Para cada um são elencados os indicadores, que permitem observar desempenhos. É de notar as propostas que o documento apresenta como exemplos de factores críticos de sucesso, de sugestões de melhoria e, ainda, de meios de recolha de evidências. Por fim, são apresentados os perfis de desempenho que definem a qualidade dos serviços da BE em cada domínio/subdomínio. Numa primeira leitura esta extensa abordagem parece pertinente e adequada. Apenas me parece que no domínio B – Leitura e literacia – a importância dada a documentos não-livro (filmes, documentários, música, …) seja insuficiente, observando-se essa lacuna também nos inquéritos sugeridos. Além disso, ainda que o modelo preveja uma adequação à realidade da própria escola, parece que essa adequação poderá comprometer o resultado final se não forem observados todos os indicadores. Integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar. Como a literatura recomendada evidencia, a avaliação da BE “pressupõe a motivação individual dos seus membros e a liderança forte do professor coordenador, que tem de mobilizar a escola para a necessidade e implementação do processo avaliativo.” Sendo a biblioteca uma estrutura da escola, a sua avaliação e, sobretudo, o seu bom desempenho, deve interessar a toda a comunidade escolar, em especial aos órgãos de direcção e gestão pedagógica. Desta forma, é fundamental que o professor bibliotecário faça uma correcta divulgação do processo, primeiramente junto da Direcção da Escola e do Conselho Pedagógico, no sentido de obter o seu envolvimento para a mobilização dos outros.
  • 3. Julgo que estes órgãos podem / devem ser aliados na escolha do domínio a avaliar, já que por inerência do cargo deverão ter uma visão de escola mais abrangente e consequente. Competências do professor bibliotecário e estratégias implicadas na sua aplicação Na aplicação do modelo de avaliação é importante que o professor bibliotecário evidencie competências que facilitem a implementação. Tilke (1999) in “The role of the school librarian in providing conditions for discovery and personal growth in the school library. How will the school library fulfill this purpose in the next century?” defende que o professor bibliotecário deverá: a. Ser um comunicador efectivo no seio da instituição; b. Ser proactivo; c. Saber exercer influência junto de professores e do órgão directivo; d. Ser útil, relevante e considerado pelos outros membros da comunidade educativa; e. Ser observador e investigativo; f. Ser capaz de ver o todo - “the big picture”; g. Saber estabelecer prioridades; h. Realizar uma abordagem construtiva aos problemas e à realidade; i. Ser gestor de serviços de aprendizagem no seio da escola; j. Saber gerir recursos no sentido lato do termo; k. Ser promotor dos serviços e dos recursos; l. Ser tutor, professor e um avaliador de recursos, com o objectivo de apoiar e contribuir para as aprendizagens; m. Saber gerir e avaliar de acordo com a missão e objectivos da escola. n. Saber trabalhar com departamentos e colegas. Assim sendo, para uma intervenção tão abrangente e multifuncional, o professor bibliotecário deve ser também muito perseverante. A aplicação deste modelo de avaliação, ainda que se pretenda exequível, parece-me ser bastante absorvente em termos de tempo e dedicação por parte do PB. Questiono-me como consegue o PB entregar-se à sua implementação de forma eficiente e simultaneamente assegurar todas as outras tarefas inerentes ao cargo, em especial quando o mesmo é desempenhado em tempo parcial e
  • 4. em acumulação com outros cargos na escola, além das horas lectivas que também assegura…? 13-11-2009 A formanda: Isabel Martins