SlideShare uma empresa Scribd logo
O Brasil no século XIX:
a poesia romântica
ROMANTISMO
Momento Histórico
SODRÉ, Nelson Werneck.História da literatura brasileira: seus fundamentos econômicos.Rio de
Janeiro:Civilização Brasileira,1969.p.189
“Burguesia e Romantismo, pois, são como sinônimos, o
segundo é a expressão literária da plena dominação da
primeira. [...] O advento do Romantismo,pois, só tem uma
explicação clara e profunda,a explicação objetiva quando
subordinada ao quadro histórico em que se processou.”
Fatos históricos
Revolução
Francesa
Primeira Guerra
Mundial
Revolução
Industrial
A execução de Luís XVI na guilhotina, escola francesa, século XVIII. A pintura
mostra a decapitação de Luís XVI, guilhotina em 21 de janeiro de 1793. Era o fim
do direito divino dos reis na França, que até então concentravam todo o poder, e a
ascensão de uma nova classe social, a burguesia.
Momento Histórico
Processo de
industrialização
Modifica as antigas relações
econômicas, criando na Europa
uma nova forma de organização
social e política.
Revolução
Francesa
Nivela as classes sociais e
proporciona o predomínio da
aristocracia sobre a literatura.
Burguesia
Fim da dominação dos reis da França, que
até então concentravam todo o poder, e
ascensão de uma nova classe social, a
burguesia.
Uma nova sociedade, um novo gosto, um novo
público
Novo conceito de arte Novo público
 A arte deixa de ser uma atividade
social orientada por critérios objetivos
e convencionais;
A arte transforma-se numa forma de
autoexpressão que cria seus próprios
padrões;
A arte torna-se o meio empregado
pelo indivíduo singular para se
comunicar com indivíduos
singulares;
A burguesia generaliza curiosidade
pelas criações artísticas (imprensa e
teatro);
A aliança da burguesia com o povo permite
levar às massas o conhecimento dos novos
tipos de arte;
 Nasce um novo público que assiste às
peças e lê os folhetins e os livros, cujo
gosto é necessário atender;
Moça com Livro". Sem data. Óleo sobre tela, 50 x 61 cm, de José Ferraz de
Almeida Júnior (1850-1899), que exalta o livro como elemento do cotidiano,
companheiro de todas as horas, e evidencia a mulher como parcel importante de um novo
público leitor.
MuseudeArtedeSãoPauloAssisChateaubriand
O Romantismo nas artes
A LIBERDADE GUIANDO O POVO - LA LIBERTÉ GUIDANT LE PEUPLE.
Autor: Eugène Delacroix. Ano: 1830. Técnica: óleo sobre tela. Tamanho:
260cmx325cmMuseu: Museu do Louvre, Paris.
A Liberdade Guiando o Povo (em francês: La
Liberté guidant le peuple) é uma pintura de
Eugène Delacroix em comemoração à
Revolução de Julho de 1830, com a queda de
Carlos X. Uma mulher representando a
Liberdade, guia o povo por cima dos corpos
dos derrotados, levando a bandeira tricolor da
Revolução francesa em uma mão e brandindo
um mosquete com baioneta na outra. A pintura
é talvez a obra mais conhecida de Delacroix e
uma das representações mais famosas do
período romântico.
Pintura
Características gerais da pintura:
- Aproximação das formas
barrocas;
- Composição em diagonal
sugerindo instabilidade e
dinamismo ao observador;
- Valorização das cores e do claro-
escuro;
- Dramaticidade .
 Fatos reais da história nacional e
contemporânea da vida dos artistas;
 Natureza revelando um dinamismo
equivalente às emoções humanas;
 Mitologia Grega .
Temas da pintura:
Principais expoentes da pintura
 INGLATERRA – William Turner e John Constable.
 FRANÇA - Theodore Géricault e Eugène
Delacroix
 ESPANHA – Francisco Goya (destaque).
Eugène Delacroix Francisco Goya William Turner
Theodore Géricault John Constable
 William Turner – pintura de paisagem; criava
cenas fantásticas, cheias de luz, movimento e
efeitos dramáticos. Estilo gradualmente abstrato,
cor inspirando seus sentimentos. Técnica suave
e detalhada, tons de amarelo não diluído, para
obter maior luminosidade. Temas: paisagens
bucólicas (campestres), navios, incêndios e
turbulentas tempestades; pintava a natureza crua
(para ele o tema era a cor). Considerado maior
colorista de seu tempo.
TURNER - The Fighting "Temeraire" – 1838, National Gallery, Londres.
TURNER - Calais (1803), Tate Gallery – Londres.
TURNER - Erupção do Vesúvio (1817), The British Art Center.
TURNER – Canal de Chichester, 1815.
TURNER - Mortlake Terrace, 1826.
John Constable - pinturas mais serenas que as
de Turner; caracterizado também pela pintura de
paisagens, foi um dos artistas pioneiros na
percepção e estudo da mudança dos efeitos da luz
(o céu foi um dos seus focos de estudo quanto a
isso).
CONSTABLE - Estudo das nuvens, 1822, Real Academia das Artes –
Londres.
CONSTABLE - O carro de feno, National Gallery – Londres.
CONSTABLE- Stonehenge, Victória and Albert Museum – Londres.
 Theodore Géricault - preocupado com o
detalhamento e o estudo da natureza Géricault
também utilizava-se do efeito do claro-escuro em
suas obras. Tem como referências os cânones
estéticos neoclássicos, demonstrando grande
admiração por Caravaggio, de quem tirou grande
inspiração para sua arte. A doença, a loucura e o
desespero, o fizeram criar ambientes patéticos e
de intenso sofrimento. Também pintou cavalos,
mas já na sua fase final, onde trabalha a ilusão
de movimento.
Géricault - A Balsa da Medusa, 1819.
Géricault - A hiena de Salpêtrière
Géricault - O derby de Epson, Mus. do Louvre – Paris.
Eugène Delacroix - suas obras apresentam forte
comprometimento político e o valor da pintura é
assegurada pelo uso das cores, das luzes e das
sombras, dando-nos a sensação de grande
movimentação. Representava assuntos abstratos
personificando-os (alegorias). Seu quadro mais
conhecido A Liberdade Guiando o Povo, muitas
vezes tomado como um símbolo das lutas
populares e republicanas.
Delacroix - A tomada de Constantinopla pelos cruzados, (1840),
Museu do Louvre - Paris.
Delacroix - A barca de Dante, (1822), Museu do Louvre - Paris
Francisco de Goya - Temas: retratos (corte/povo)
e horrores da guerra. Mestre em artes gráficas.
Conhecido especialmente pela série de 82
gravuras (1810-14) - “Os Desastres da Guerra”. A
série tem como tema as atrocidades durante a
invasão da Espanha pela França.
Castrações, desmembramentos, civis degolados,
empalados em árvores nuas, soldados
desumanizados contemplando indiferentemente
corpos linchados são então retratados.
Goya - La familia de Carlos IV, 1800-
1801
Goya - Saturno devorando um filho
(espanhol: Saturno devorando a un
hijo), 1819.
ESCULTURA
A escultura romântica não brilhou exatamente pela
sua originalidade, nem tampouco pela maestria de
seus artistas. Do ponto de vista funcional, a
escultura romântica não se afastou dos
monumentos funerários, da estátua equestre e da
decoração arquitetônica, num estilo indefinido a
meio caminho entre o classicismo e o barroco.
François Rude - Este grupo de
estátuas para o Arco do Triunfo, em
Paris, chamado de "A
Marselhesa" (ou "Partida dos
Voluntários de 1792"). É uma obra
cheia de energia e fogo, e
imortalizou o artista. Ela exibe uma
figura da pátria-mãe com asas,
pedindo para que os voluntários
lutem pela nação.
ESCULTURA
A grande novidade temática da escultura romântica
foi a representação de animais de terras exóticas
em cenas de caça ou de luta encarniçada. Não se
abandonaram os motivos heroicos e as
homenagens solenes na forma de estátuas
superdimensionadas de reis e militares. Em
compensação, tornou-se mais rara a temática
religiosa.
Antoine-Louis Barye -Tigre devorando um crocodilo no Ganges.
ESCULTURA
A escultura teve que encontrar meios técnicos de
expressividade, para representar o espírito
romântico, exaltando sentimentos e emoções.
A temática em geral era:
 Natureza (animais e plantas)
 Temas Heróicos
 Cenas de fantasia e da imaginação.
Guerrero tártaro, C. 1850-75. Obra de Antoine-Louis
Barye.
ESCULTURA
 Foram evitadas as regras de composições
estáticas e superfícies lisas, comuns no
neoclassicismo, para mas uma vez, enfatizar a
dramaticidade e os sentimentos através de
movimento. O mármore foi o material mais
utilizado, mas aos poucos foi trocado pelo
bronze, madeira, etc. Principais expoentes:
Antoine-Louis Barye e François Rude.
François Rude - Napoléon
s'éveillant à l'immortalité
(Napoleão despertando para
imortalidade), 1845.
ARQUITETURA ROMÂNTICA
Inspirou-se em diferentes estilos históricos, o que
motivou a sucessão dos revivalismos. Numa
primeira fase (ainda no séc. XVIII), os arquitetos
românticos inspiraram-se na arquitetura medieval
e, posteriormente, recorreram a todos os estilos
arquitetônicos desde o renascentista ao
neoclássico. Expandiu-se um pouco por toda a
Europa até finais do século XIX.
ARQUITETURA ROMÂNTICA
Princípios gerais
 Impulsionada pelos valores do Sentimento;
 Visava a beleza como algo de divino, revelado
apenas pela emoção e pela sensibilidade de cada
um;
 Rejeitou as regras da arquitetura neoclássica e os
princípios da ordem, da proporção, da simetria e da
harmonia que a caracterizaram;
 Preferiu a irregularidade espacial e volumétrica dos
edifícios, o sentido orgânico das formas, os efeitos de
luz, o movimento dos planos, o pitoresco da
decoração, em resumo, caraterísticas que
estimulassem a imaginação e os sentidos;
 Deveria provocar sensações e transmitir ideias.
 Revivalismo: neogótico, exemplo.
O palácio de Westminster é a sede do parlamento britânico em
Londres. Originalmente construído na Idade Média, depois do
último incêndio em 1834 que o destruiu , o arquiteto Charles
Barry juntamente com August Pugin, reconstruíram o palácio
em estilo neogótico.
Charles Garnier, Ópera de Paris (1862) mistura caraterísticas
neoclássicas e neobarrocas, entre outras.
Valores da Revolução
Francesa
Chegada da família real
portuguesa 1808
Processo de
independência
Invasão de Portugal
pelas tropas francesas
1807
Momento histórico que antecede o início do Romantismo no Brasil é
determinado por:
O ROMANTISMO NO BRASIL
Em nossa terra, inicia-se em 1836 com a
publicação, na França, da Nictheroy - Revista
Brasiliense, por Gonçalves de Magalhães. Neste
período, nosso país ainda vivia sob a euforia da
Independência do Brasil. Os artistas brasileiros
buscaram sua fonte de inspiração na natureza e
nas questões sociais e políticas do pais. As obras
brasileiras valorizavam o amor sofrido, a
religiosidade cristã, a importância de nossa
natureza, a formação histórica do nosso pais e o
cotidiano popular.
O ROMANTISMO NO BRASIL
Artes Plásticas
 As obras dos pintores brasileiros buscavam
valorizar o nacionalismo, retratando fatos
históricos importantes. Desta forma, os artistas
contribuíam para a formação de uma identidade
nacional. As obras principais deste período são :
A Batalha do Avaí de Pedro Américo e A Batalha
de Guararapes de Victor Meirelles.
Pedro Américo: A batalha do Avaí, 1872-77. Museu Nacional de
Belas Artes
Pedro Américo: A fala do Trono,
1872. Museu Imperial.
Victor Meirelles: Batalha de Guararapes, 1879. Museu Nacional de Belas
Artes.
Belmiro de Almeida: Arrufos, 1887. Museu Nacional de Belas Artes.
Próxima aula...
A NARRATIVA ROMÂNTICA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
VIVIAN TROMBINI
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Ana Batista
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
martinsramon
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
Helena Coutinho
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
Amanda Rodrigues
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
Lucas Nascimento
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Anjo da Luz
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
Wallinhas Souza
 
Gênero lírico
Gênero líricoGênero lírico
Gênero lírico
Walace Cestari
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
Carlos Pinheiro
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Prof Palmito Rocha
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
Carlos Pinheiro
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Literatura brasileira resumo
Literatura brasileira resumoLiteratura brasileira resumo
Literatura brasileira resumo
Ana Lúcia Moura Neves
 

Mais procurados (20)

Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Gênero lírico
Gênero líricoGênero lírico
Gênero lírico
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Literatura brasileira resumo
Literatura brasileira resumoLiteratura brasileira resumo
Literatura brasileira resumo
 

Destaque

Romantismo Poesia
Romantismo PoesiaRomantismo Poesia
Romantismo Poesia
Gabriella Lima
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
Anjo da Luz
 
3º geração romântica condoreira
3º geração romântica condoreira3º geração romântica condoreira
3º geração romântica condoreira
letosgirl
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
GabrielaLimaPereira
 
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
Elayne Beatriz de Farias Pereira
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
Cristina Medina
 
Almeida Garrett Biografia
Almeida Garrett BiografiaAlmeida Garrett Biografia
Almeida Garrett Biografia
Helena Coutinho
 
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
Isabelle Ribeiro
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
Gijasilvelitz 2
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Vívian mourett
 
Lírica Trovadoresca
Lírica TrovadorescaLírica Trovadoresca
Lírica Trovadoresca
Paula Oliveira Cruz
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
xipolito
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
mix1981
 

Destaque (14)

Romantismo Poesia
Romantismo PoesiaRomantismo Poesia
Romantismo Poesia
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
3º geração romântica condoreira
3º geração romântica condoreira3º geração romântica condoreira
3º geração romântica condoreira
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
 
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
 
Almeida Garrett Biografia
Almeida Garrett BiografiaAlmeida Garrett Biografia
Almeida Garrett Biografia
 
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Lírica Trovadoresca
Lírica TrovadorescaLírica Trovadoresca
Lírica Trovadoresca
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
 

Semelhante a Romantismo

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Arte Educadora
 
Neoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E RomantismoNeoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E Romantismo
Auriene
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Priscila Silva
 
Romantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,okRomantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,ok
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Neoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismoNeoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismo
Fabiana Alexandre
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
Cristiane Seibt
 
Neoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismo Neoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismo
Fabiana Alexandre
 
Arte Barroca
Arte Barroca Arte Barroca
Arte Barroca
Biany Lima Lima
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
Cinthya Nascimento
 
Arte Neoclassicismo e romantismo europeu
Arte Neoclassicismo e romantismo europeuArte Neoclassicismo e romantismo europeu
Arte Neoclassicismo e romantismo europeu
Fabiana Alexandre
 
Seminários história da arte 03
Seminários história da arte   03Seminários história da arte   03
Seminários história da arte 03
Gabriela Lemos
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIX
Alcir Costa
 
Aula 2 objetivo
Aula 2 objetivoAula 2 objetivo
Aula 2 objetivo
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Romantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,okRomantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,ok
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
CEF16
 
Seminários história da arte 1 b 05
Seminários história da arte 1 b   05Seminários história da arte 1 b   05
Seminários história da arte 1 b 05
Gabriela Lemos
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Priscila Barbosa
 
Canizza
CanizzaCanizza
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Samara Moraesbrito
 
a cultura da gare.arte romantica.ppt
a cultura da gare.arte romantica.ppta cultura da gare.arte romantica.ppt
a cultura da gare.arte romantica.ppt
Patrícia Alves
 

Semelhante a Romantismo (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Neoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E RomantismoNeoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E Romantismo
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Romantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,okRomantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,ok
 
Neoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismoNeoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismo
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Neoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismo Neoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismo
 
Arte Barroca
Arte Barroca Arte Barroca
Arte Barroca
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
 
Arte Neoclassicismo e romantismo europeu
Arte Neoclassicismo e romantismo europeuArte Neoclassicismo e romantismo europeu
Arte Neoclassicismo e romantismo europeu
 
Seminários história da arte 03
Seminários história da arte   03Seminários história da arte   03
Seminários história da arte 03
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIX
 
Aula 2 objetivo
Aula 2 objetivoAula 2 objetivo
Aula 2 objetivo
 
Romantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,okRomantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,ok
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Seminários história da arte 1 b 05
Seminários história da arte 1 b   05Seminários história da arte 1 b   05
Seminários história da arte 1 b 05
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
 
Canizza
CanizzaCanizza
Canizza
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
a cultura da gare.arte romantica.ppt
a cultura da gare.arte romantica.ppta cultura da gare.arte romantica.ppt
a cultura da gare.arte romantica.ppt
 

Mais de Marcos Feliciano

Turma da Mónica em Viva as Diferenças
Turma da Mónica em Viva as DiferençasTurma da Mónica em Viva as Diferenças
Turma da Mónica em Viva as Diferenças
Marcos Feliciano
 
Present continuous tense
Present continuous tensePresent continuous tense
Present continuous tense
Marcos Feliciano
 
Modal can
Modal canModal can
Modal can
Marcos Feliciano
 
Plastic surgery
Plastic surgeryPlastic surgery
Plastic surgery
Marcos Feliciano
 
Romantismo na literatura
Romantismo na literaturaRomantismo na literatura
Romantismo na literatura
Marcos Feliciano
 
Modelo de relatório simplificado
Modelo de relatório simplificadoModelo de relatório simplificado
Modelo de relatório simplificado
Marcos Feliciano
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
Marcos Feliciano
 
Prosa e Poesia
Prosa e PoesiaProsa e Poesia
Prosa e Poesia
Marcos Feliciano
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
Marcos Feliciano
 
Fonética e Fonologia
Fonética e FonologiaFonética e Fonologia
Fonética e Fonologia
Marcos Feliciano
 

Mais de Marcos Feliciano (10)

Turma da Mónica em Viva as Diferenças
Turma da Mónica em Viva as DiferençasTurma da Mónica em Viva as Diferenças
Turma da Mónica em Viva as Diferenças
 
Present continuous tense
Present continuous tensePresent continuous tense
Present continuous tense
 
Modal can
Modal canModal can
Modal can
 
Plastic surgery
Plastic surgeryPlastic surgery
Plastic surgery
 
Romantismo na literatura
Romantismo na literaturaRomantismo na literatura
Romantismo na literatura
 
Modelo de relatório simplificado
Modelo de relatório simplificadoModelo de relatório simplificado
Modelo de relatório simplificado
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
 
Prosa e Poesia
Prosa e PoesiaProsa e Poesia
Prosa e Poesia
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Fonética e Fonologia
Fonética e FonologiaFonética e Fonologia
Fonética e Fonologia
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 

Romantismo

  • 1. O Brasil no século XIX: a poesia romântica ROMANTISMO
  • 2. Momento Histórico SODRÉ, Nelson Werneck.História da literatura brasileira: seus fundamentos econômicos.Rio de Janeiro:Civilização Brasileira,1969.p.189 “Burguesia e Romantismo, pois, são como sinônimos, o segundo é a expressão literária da plena dominação da primeira. [...] O advento do Romantismo,pois, só tem uma explicação clara e profunda,a explicação objetiva quando subordinada ao quadro histórico em que se processou.” Fatos históricos Revolução Francesa Primeira Guerra Mundial Revolução Industrial
  • 3. A execução de Luís XVI na guilhotina, escola francesa, século XVIII. A pintura mostra a decapitação de Luís XVI, guilhotina em 21 de janeiro de 1793. Era o fim do direito divino dos reis na França, que até então concentravam todo o poder, e a ascensão de uma nova classe social, a burguesia.
  • 4. Momento Histórico Processo de industrialização Modifica as antigas relações econômicas, criando na Europa uma nova forma de organização social e política. Revolução Francesa Nivela as classes sociais e proporciona o predomínio da aristocracia sobre a literatura. Burguesia Fim da dominação dos reis da França, que até então concentravam todo o poder, e ascensão de uma nova classe social, a burguesia.
  • 5. Uma nova sociedade, um novo gosto, um novo público Novo conceito de arte Novo público  A arte deixa de ser uma atividade social orientada por critérios objetivos e convencionais; A arte transforma-se numa forma de autoexpressão que cria seus próprios padrões; A arte torna-se o meio empregado pelo indivíduo singular para se comunicar com indivíduos singulares; A burguesia generaliza curiosidade pelas criações artísticas (imprensa e teatro); A aliança da burguesia com o povo permite levar às massas o conhecimento dos novos tipos de arte;  Nasce um novo público que assiste às peças e lê os folhetins e os livros, cujo gosto é necessário atender;
  • 6. Moça com Livro". Sem data. Óleo sobre tela, 50 x 61 cm, de José Ferraz de Almeida Júnior (1850-1899), que exalta o livro como elemento do cotidiano, companheiro de todas as horas, e evidencia a mulher como parcel importante de um novo público leitor. MuseudeArtedeSãoPauloAssisChateaubriand
  • 8. A LIBERDADE GUIANDO O POVO - LA LIBERTÉ GUIDANT LE PEUPLE. Autor: Eugène Delacroix. Ano: 1830. Técnica: óleo sobre tela. Tamanho: 260cmx325cmMuseu: Museu do Louvre, Paris.
  • 9. A Liberdade Guiando o Povo (em francês: La Liberté guidant le peuple) é uma pintura de Eugène Delacroix em comemoração à Revolução de Julho de 1830, com a queda de Carlos X. Uma mulher representando a Liberdade, guia o povo por cima dos corpos dos derrotados, levando a bandeira tricolor da Revolução francesa em uma mão e brandindo um mosquete com baioneta na outra. A pintura é talvez a obra mais conhecida de Delacroix e uma das representações mais famosas do período romântico.
  • 10. Pintura Características gerais da pintura: - Aproximação das formas barrocas; - Composição em diagonal sugerindo instabilidade e dinamismo ao observador; - Valorização das cores e do claro- escuro; - Dramaticidade .
  • 11.  Fatos reais da história nacional e contemporânea da vida dos artistas;  Natureza revelando um dinamismo equivalente às emoções humanas;  Mitologia Grega . Temas da pintura:
  • 12. Principais expoentes da pintura  INGLATERRA – William Turner e John Constable.  FRANÇA - Theodore Géricault e Eugène Delacroix  ESPANHA – Francisco Goya (destaque).
  • 13. Eugène Delacroix Francisco Goya William Turner Theodore Géricault John Constable
  • 14.  William Turner – pintura de paisagem; criava cenas fantásticas, cheias de luz, movimento e efeitos dramáticos. Estilo gradualmente abstrato, cor inspirando seus sentimentos. Técnica suave e detalhada, tons de amarelo não diluído, para obter maior luminosidade. Temas: paisagens bucólicas (campestres), navios, incêndios e turbulentas tempestades; pintava a natureza crua (para ele o tema era a cor). Considerado maior colorista de seu tempo.
  • 15. TURNER - The Fighting "Temeraire" – 1838, National Gallery, Londres.
  • 16. TURNER - Calais (1803), Tate Gallery – Londres.
  • 17. TURNER - Erupção do Vesúvio (1817), The British Art Center.
  • 18. TURNER – Canal de Chichester, 1815.
  • 19. TURNER - Mortlake Terrace, 1826.
  • 20. John Constable - pinturas mais serenas que as de Turner; caracterizado também pela pintura de paisagens, foi um dos artistas pioneiros na percepção e estudo da mudança dos efeitos da luz (o céu foi um dos seus focos de estudo quanto a isso).
  • 21. CONSTABLE - Estudo das nuvens, 1822, Real Academia das Artes – Londres.
  • 22. CONSTABLE - O carro de feno, National Gallery – Londres.
  • 23. CONSTABLE- Stonehenge, Victória and Albert Museum – Londres.
  • 24.  Theodore Géricault - preocupado com o detalhamento e o estudo da natureza Géricault também utilizava-se do efeito do claro-escuro em suas obras. Tem como referências os cânones estéticos neoclássicos, demonstrando grande admiração por Caravaggio, de quem tirou grande inspiração para sua arte. A doença, a loucura e o desespero, o fizeram criar ambientes patéticos e de intenso sofrimento. Também pintou cavalos, mas já na sua fase final, onde trabalha a ilusão de movimento.
  • 25. Géricault - A Balsa da Medusa, 1819.
  • 26. Géricault - A hiena de Salpêtrière
  • 27. Géricault - O derby de Epson, Mus. do Louvre – Paris.
  • 28. Eugène Delacroix - suas obras apresentam forte comprometimento político e o valor da pintura é assegurada pelo uso das cores, das luzes e das sombras, dando-nos a sensação de grande movimentação. Representava assuntos abstratos personificando-os (alegorias). Seu quadro mais conhecido A Liberdade Guiando o Povo, muitas vezes tomado como um símbolo das lutas populares e republicanas.
  • 29. Delacroix - A tomada de Constantinopla pelos cruzados, (1840), Museu do Louvre - Paris.
  • 30. Delacroix - A barca de Dante, (1822), Museu do Louvre - Paris
  • 31.
  • 32. Francisco de Goya - Temas: retratos (corte/povo) e horrores da guerra. Mestre em artes gráficas. Conhecido especialmente pela série de 82 gravuras (1810-14) - “Os Desastres da Guerra”. A série tem como tema as atrocidades durante a invasão da Espanha pela França. Castrações, desmembramentos, civis degolados, empalados em árvores nuas, soldados desumanizados contemplando indiferentemente corpos linchados são então retratados.
  • 33. Goya - La familia de Carlos IV, 1800- 1801
  • 34. Goya - Saturno devorando um filho (espanhol: Saturno devorando a un hijo), 1819.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. ESCULTURA A escultura romântica não brilhou exatamente pela sua originalidade, nem tampouco pela maestria de seus artistas. Do ponto de vista funcional, a escultura romântica não se afastou dos monumentos funerários, da estátua equestre e da decoração arquitetônica, num estilo indefinido a meio caminho entre o classicismo e o barroco.
  • 39. François Rude - Este grupo de estátuas para o Arco do Triunfo, em Paris, chamado de "A Marselhesa" (ou "Partida dos Voluntários de 1792"). É uma obra cheia de energia e fogo, e imortalizou o artista. Ela exibe uma figura da pátria-mãe com asas, pedindo para que os voluntários lutem pela nação.
  • 40. ESCULTURA A grande novidade temática da escultura romântica foi a representação de animais de terras exóticas em cenas de caça ou de luta encarniçada. Não se abandonaram os motivos heroicos e as homenagens solenes na forma de estátuas superdimensionadas de reis e militares. Em compensação, tornou-se mais rara a temática religiosa.
  • 41. Antoine-Louis Barye -Tigre devorando um crocodilo no Ganges.
  • 42. ESCULTURA A escultura teve que encontrar meios técnicos de expressividade, para representar o espírito romântico, exaltando sentimentos e emoções. A temática em geral era:  Natureza (animais e plantas)  Temas Heróicos  Cenas de fantasia e da imaginação.
  • 43. Guerrero tártaro, C. 1850-75. Obra de Antoine-Louis Barye.
  • 44. ESCULTURA  Foram evitadas as regras de composições estáticas e superfícies lisas, comuns no neoclassicismo, para mas uma vez, enfatizar a dramaticidade e os sentimentos através de movimento. O mármore foi o material mais utilizado, mas aos poucos foi trocado pelo bronze, madeira, etc. Principais expoentes: Antoine-Louis Barye e François Rude.
  • 45. François Rude - Napoléon s'éveillant à l'immortalité (Napoleão despertando para imortalidade), 1845.
  • 46. ARQUITETURA ROMÂNTICA Inspirou-se em diferentes estilos históricos, o que motivou a sucessão dos revivalismos. Numa primeira fase (ainda no séc. XVIII), os arquitetos românticos inspiraram-se na arquitetura medieval e, posteriormente, recorreram a todos os estilos arquitetônicos desde o renascentista ao neoclássico. Expandiu-se um pouco por toda a Europa até finais do século XIX.
  • 47. ARQUITETURA ROMÂNTICA Princípios gerais  Impulsionada pelos valores do Sentimento;  Visava a beleza como algo de divino, revelado apenas pela emoção e pela sensibilidade de cada um;  Rejeitou as regras da arquitetura neoclássica e os princípios da ordem, da proporção, da simetria e da harmonia que a caracterizaram;  Preferiu a irregularidade espacial e volumétrica dos edifícios, o sentido orgânico das formas, os efeitos de luz, o movimento dos planos, o pitoresco da decoração, em resumo, caraterísticas que estimulassem a imaginação e os sentidos;  Deveria provocar sensações e transmitir ideias.  Revivalismo: neogótico, exemplo.
  • 48. O palácio de Westminster é a sede do parlamento britânico em Londres. Originalmente construído na Idade Média, depois do último incêndio em 1834 que o destruiu , o arquiteto Charles Barry juntamente com August Pugin, reconstruíram o palácio em estilo neogótico.
  • 49. Charles Garnier, Ópera de Paris (1862) mistura caraterísticas neoclássicas e neobarrocas, entre outras.
  • 50. Valores da Revolução Francesa Chegada da família real portuguesa 1808 Processo de independência Invasão de Portugal pelas tropas francesas 1807 Momento histórico que antecede o início do Romantismo no Brasil é determinado por:
  • 51. O ROMANTISMO NO BRASIL Em nossa terra, inicia-se em 1836 com a publicação, na França, da Nictheroy - Revista Brasiliense, por Gonçalves de Magalhães. Neste período, nosso país ainda vivia sob a euforia da Independência do Brasil. Os artistas brasileiros buscaram sua fonte de inspiração na natureza e nas questões sociais e políticas do pais. As obras brasileiras valorizavam o amor sofrido, a religiosidade cristã, a importância de nossa natureza, a formação histórica do nosso pais e o cotidiano popular.
  • 52. O ROMANTISMO NO BRASIL Artes Plásticas  As obras dos pintores brasileiros buscavam valorizar o nacionalismo, retratando fatos históricos importantes. Desta forma, os artistas contribuíam para a formação de uma identidade nacional. As obras principais deste período são : A Batalha do Avaí de Pedro Américo e A Batalha de Guararapes de Victor Meirelles.
  • 53. Pedro Américo: A batalha do Avaí, 1872-77. Museu Nacional de Belas Artes
  • 54. Pedro Américo: A fala do Trono, 1872. Museu Imperial.
  • 55. Victor Meirelles: Batalha de Guararapes, 1879. Museu Nacional de Belas Artes.
  • 56. Belmiro de Almeida: Arrufos, 1887. Museu Nacional de Belas Artes.