SlideShare uma empresa Scribd logo
RODRIGUES DE FREITAS  E O REPUBLICANISMO  EM PORTUGAL Jorge F. Alves - FLUP
REPÚBLICA:  5 OUT.1910 22.10.1910 – Decreto determinando várias providências em relação ao Liceu D. Manuel II, em virtude de alguns actos de indisciplina ali praticados. 23.10.1910– Decreto substituindo a denominação de Liceu D. Manuel II pelo de Liceu Rodrigues de Freitas. 2.3.1911 – Decreto tomando medidas em virtude das sindicâncias…
J.J. Rodrigues de Freitas, 1840-1896
Rodrigues de Freitas: n. 24.1.1840; f. 27.7.1896 ,[object Object]
Jornalista /escritor (desde jovem): Pedro Quinto, Eco Popular, O Comércio do Porto, A América, etc.
Professor da Escola Politécnica (1867): Economia Política, Comércio
Deputado: legislaturas 1870-1871;  1871-1874; 1879; 1880-1881;1893,[object Object]
Republicanismo em Portugal: ,[object Object]
Visão antropomórfica e humanística da mundividênciamoderna.
Contra o pessimismo cristão, o republicanismo enalteceu a vida terrena e propagandeou a fé na perfectibilidade humana.Teófilo Braga: os patriarcas, os doutrinários,  os activos ,[object Object]
Mandato imperativo
Soberania nacional, exercida através de sufrágio universal
Herdeiros do vintismo, setembrismo : monarquia constutucional como transição
(“rodear de rei de instituições democráticas” - Passos Manuel)António Pedro Mesquita: Republicanismo jacobino, Republicanismo  radical, Republicanismo  independente
1874
"A monarquia do direito divino cede o lugar à monarquia constitucional; mas o ideal da humanidade não cessa de revelar-se cada vez melhor; a democracia aspira à república rodeada de instituições que a distinguem da dos velhos tempos; mas quem sabe quão assombrosas evoluções se realizarão ainda?  Virá um dia em que a sociedade terá por ideal, não a república, mas alguma outra forma de governo que exprima precisamente o máximo desenvolvimento individual! Porém a minha opinião é que nós não podemos por enquanto adoptar a forma republicana. Ainda mais: não atribuo especialmente à monarquia os males que sofremos.  Os abusos praticados por este governo (análogos aos que tem sido cometidos por outros ministérios) não procedem tanto da vontade que os ministros têm de violar a lei como da atmosfera política de que respiram, e a qual eu creio que não é pura."
"... a liberdade eleitoral, a reforma administrativa, a difusão do ensino, tenho-as hoje em mais subida conta... Suponhamos que vinham os republicanos e consideravam que , desde que mudassem o trono pela cadeira de presidente da república, teriam alcançado tudo quanto era necessário para que país estivesse democraticamente organizado. Eu, francamente o digo, não só não podia estar com esses republicanos, mas seria também seu adversário."  (1874)
…das minhas ambições, direi que nunca fiz da política mercancia (apoiados), e não quero sequer investigar se entre os meus acusadores encontraria algum que da política fizesse comércio. Professor e escritor vim para aqui, e do ofício de professor e escritor sei construir a minha independência, e espero mantê-la sempre como a tenho sustentado até agora.  Sou dos que crêem na energia e na iniciativa individual; sou dos que têm confiança no trabalho próprio (apoiados). Não preciso mendigar nada das intrigas políticas, as quais eu abomino e detesto. A minha democracia não tem ambições, tem crenças (apoiados) (1874)
A QUESTÃO SOCIALContrastando com aqueles que por explosivos pretendem alcançar a tábua rasa sobre que ergam em obras o que agora sonham, - há os que pensam resolver a questão social fundando creches, asilos, hospitais, escolas; fomentando a cooperação sob todas as formas protectoras dos quase-pobres; regulamentando a indústria; beneficiando, enfim, material e espiritualmente as classes que representam o trabalho sob os seus aspectos mais rudes e também menos civilizadores do próprio operário. Ninguém pode negar a excelência deste pensamento logo que a palavra "solução" fique substituida por outra menos pretenciosa. ( C. P. 22.9.1894).
A INSTRUÇÃO A colecção de leis portuguesas deste século contem muitas provas de que alguns estadistas nosso desejaram proteger por meio da instrução a indústria nacional; o estado do  ensino prova que é grande a distância entre os factos e o que as leis ordenaram que se praticasse. (C.P., 22.8.1881).
A AGRICULTURAsobre a necessidade do crédito agrícola acessível, os juros elevados, o deficit de associativismo:  “…Infelizmente em Portugal há poucos bancos; as caixas económicas são quase desconhecidas, até dos que mais lucrariam com elas; sociedades muito úteis às classes menos abastadas, como são as cooperativas, não as temos ainda; e as próprias associações de socorros mútuos, sendo numerosas, não estão fundadas nas melhores bases".
A INDÚSTRIAsobre a Exposição Internacional de 1865, mostrando a desigualdade de tratamento inerente a toda a protecção, aceitando-o mas defendendo a reforma pautal:  "o que mais urge é mudar o carácter da produção; as pautas formam o sistema atrasado; seja o ensino industrial o seu natural sucessor" (C.P., 26.9.1865).
CRISES COMERCIAISNeste aspecto, as crises que "tão grandes horrores causam"  são o "maior panegírico do  crédito", ressalvando que não é crédito que gera a crise, mas o mau uso que se faz dele. Com a agravante de a nova crise de uma praça se reflectir nas outras, dadas as intimas relações agora criadas, o "sistema solidário" que redistribui males e bens.
COLÓNIAS E BRASILA incapacidade das administrações ultramarinas em se autofinanciarem a si e aos projectos que implementavam, com deficits permanentes e o recurso ao orçamento metropolitano, merecia-lhe as maiores reservas: "As esperanças consistem em que das colónias virá a grandeza de Portugal; os factos são que as colónias influem desfavoravelmente nos negócios da metrópole", dizia em 1879. "a independência do Brasil, sendo vantajosa para ele, foi para nós muito mais útil do que o seria que tão vastos territórios continuassem pertencendo a Portugal".
Eu milito num partido … não digo bem, eu, sendo republicano, posso dizer que tenho a felicidade de não pertencer a esse partido; quer dizer, o partido republicano não está definitivamente organizado em Portugal: é assim que o considero. E é certo que entre nós sucede às vezes enquanto os partidos não estão organizados são mais fortes do que durante a sua organização, e principalmente … na base do seu próprio triunfo  (1880)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução Espanhola
Revolução EspanholaRevolução Espanhola
Revolução Espanhola
João Marcelo
 
As Origens Do Estado Do Bem Estar Social
As Origens Do Estado Do Bem Estar SocialAs Origens Do Estado Do Bem Estar Social
As Origens Do Estado Do Bem Estar Social
Marilia Coutinho
 
Linha do Tempo com Introdução ao Serviço Social
Linha do Tempo com Introdução ao Serviço SocialLinha do Tempo com Introdução ao Serviço Social
Linha do Tempo com Introdução ao Serviço Social
taynaz
 
A sociedade industrial e urbana parte 2
A sociedade industrial e urbana   parte 2A sociedade industrial e urbana   parte 2
A sociedade industrial e urbana parte 2
cattonia
 
Trabalhando Ciências Humanas nos Anos Iniciais II
Trabalhando Ciências Humanas nos Anos Iniciais IITrabalhando Ciências Humanas nos Anos Iniciais II
Trabalhando Ciências Humanas nos Anos Iniciais II
luciany-nascimento
 
Aula desigualdade social e jean jacques rousseau
Aula   desigualdade social e jean jacques rousseauAula   desigualdade social e jean jacques rousseau
Aula desigualdade social e jean jacques rousseau
João Parastchuk
 
A transição do capitalismo para a sociedade pós capitalista
A transição do capitalismo para a sociedade pós capitalistaA transição do capitalismo para a sociedade pós capitalista
A transição do capitalismo para a sociedade pós capitalista
Fernando Alcoforado
 
A FUTURA SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA E SEU FUNCIONAMENTO EM CADA PAÍS DO MUNDO
A FUTURA SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA E SEU FUNCIONAMENTO EM CADA PAÍS DO MUNDOA FUTURA SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA E SEU FUNCIONAMENTO EM CADA PAÍS DO MUNDO
A FUTURA SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA E SEU FUNCIONAMENTO EM CADA PAÍS DO MUNDO
Fernando Alcoforado
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
luisant
 
32 texto do artigo-129-1-10-20160503
32 texto do artigo-129-1-10-2016050332 texto do artigo-129-1-10-20160503
32 texto do artigo-129-1-10-20160503
FBRodrigues
 
Conflito Social e Welfare State
Conflito Social e Welfare StateConflito Social e Welfare State
Conflito Social e Welfare State
Jhose Filho
 
Rerum novarum
Rerum novarumRerum novarum
Rerum novarum
Rarden Luis
 
Apresentação capitalismo antagônico
Apresentação capitalismo antagônicoApresentação capitalismo antagônico
Apresentação capitalismo antagônico
Alexandre bezerraxan
 
O Homem, ser social e fragmentado
O Homem, ser social e fragmentadoO Homem, ser social e fragmentado
O Homem, ser social e fragmentado
GRAZIA TANTA
 
Socialismo
SocialismoSocialismo
Socialismo
Sabrina Avalon
 
Estado e Welfare State
Estado e Welfare StateEstado e Welfare State
Estado e Welfare State
rodrigodalri
 
Terceiro Setor e Comunicação Estratégica para Mobilização Social
Terceiro Setor e Comunicação Estratégica para Mobilização SocialTerceiro Setor e Comunicação Estratégica para Mobilização Social
Terceiro Setor e Comunicação Estratégica para Mobilização Social
L T
 
Administracao publica-consen
Administracao publica-consenAdministracao publica-consen
Administracao publica-consen
grazi87
 
O estado neoliberal e sua influência na educação na América Latina
O estado neoliberal e sua influência na educação na América LatinaO estado neoliberal e sua influência na educação na América Latina
O estado neoliberal e sua influência na educação na América Latina
George Júnior Soares Dantas
 
Opiniao 3 trabalho digno ee+mcs_jul2011
Opiniao 3 trabalho digno ee+mcs_jul2011Opiniao 3 trabalho digno ee+mcs_jul2011
Opiniao 3 trabalho digno ee+mcs_jul2011
Elisio Estanque
 

Mais procurados (20)

Revolução Espanhola
Revolução EspanholaRevolução Espanhola
Revolução Espanhola
 
As Origens Do Estado Do Bem Estar Social
As Origens Do Estado Do Bem Estar SocialAs Origens Do Estado Do Bem Estar Social
As Origens Do Estado Do Bem Estar Social
 
Linha do Tempo com Introdução ao Serviço Social
Linha do Tempo com Introdução ao Serviço SocialLinha do Tempo com Introdução ao Serviço Social
Linha do Tempo com Introdução ao Serviço Social
 
A sociedade industrial e urbana parte 2
A sociedade industrial e urbana   parte 2A sociedade industrial e urbana   parte 2
A sociedade industrial e urbana parte 2
 
Trabalhando Ciências Humanas nos Anos Iniciais II
Trabalhando Ciências Humanas nos Anos Iniciais IITrabalhando Ciências Humanas nos Anos Iniciais II
Trabalhando Ciências Humanas nos Anos Iniciais II
 
Aula desigualdade social e jean jacques rousseau
Aula   desigualdade social e jean jacques rousseauAula   desigualdade social e jean jacques rousseau
Aula desigualdade social e jean jacques rousseau
 
A transição do capitalismo para a sociedade pós capitalista
A transição do capitalismo para a sociedade pós capitalistaA transição do capitalismo para a sociedade pós capitalista
A transição do capitalismo para a sociedade pós capitalista
 
A FUTURA SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA E SEU FUNCIONAMENTO EM CADA PAÍS DO MUNDO
A FUTURA SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA E SEU FUNCIONAMENTO EM CADA PAÍS DO MUNDOA FUTURA SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA E SEU FUNCIONAMENTO EM CADA PAÍS DO MUNDO
A FUTURA SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA E SEU FUNCIONAMENTO EM CADA PAÍS DO MUNDO
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
 
32 texto do artigo-129-1-10-20160503
32 texto do artigo-129-1-10-2016050332 texto do artigo-129-1-10-20160503
32 texto do artigo-129-1-10-20160503
 
Conflito Social e Welfare State
Conflito Social e Welfare StateConflito Social e Welfare State
Conflito Social e Welfare State
 
Rerum novarum
Rerum novarumRerum novarum
Rerum novarum
 
Apresentação capitalismo antagônico
Apresentação capitalismo antagônicoApresentação capitalismo antagônico
Apresentação capitalismo antagônico
 
O Homem, ser social e fragmentado
O Homem, ser social e fragmentadoO Homem, ser social e fragmentado
O Homem, ser social e fragmentado
 
Socialismo
SocialismoSocialismo
Socialismo
 
Estado e Welfare State
Estado e Welfare StateEstado e Welfare State
Estado e Welfare State
 
Terceiro Setor e Comunicação Estratégica para Mobilização Social
Terceiro Setor e Comunicação Estratégica para Mobilização SocialTerceiro Setor e Comunicação Estratégica para Mobilização Social
Terceiro Setor e Comunicação Estratégica para Mobilização Social
 
Administracao publica-consen
Administracao publica-consenAdministracao publica-consen
Administracao publica-consen
 
O estado neoliberal e sua influência na educação na América Latina
O estado neoliberal e sua influência na educação na América LatinaO estado neoliberal e sua influência na educação na América Latina
O estado neoliberal e sua influência na educação na América Latina
 
Opiniao 3 trabalho digno ee+mcs_jul2011
Opiniao 3 trabalho digno ee+mcs_jul2011Opiniao 3 trabalho digno ee+mcs_jul2011
Opiniao 3 trabalho digno ee+mcs_jul2011
 

Semelhante a Rodrigues De Freitas

Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
Lucas Justino
 
Problemas do Estado Contemporâneo
Problemas do Estado ContemporâneoProblemas do Estado Contemporâneo
Problemas do Estado Contemporâneo
MarcosAlexandre201864
 
Kropotkin p.-o-assalariado
Kropotkin p.-o-assalariadoKropotkin p.-o-assalariado
Kropotkin p.-o-assalariado
moratonoise
 
Catorze cartas às esquerdas (Boaventura de S. Santos).pdf
Catorze cartas às esquerdas (Boaventura de S. Santos).pdfCatorze cartas às esquerdas (Boaventura de S. Santos).pdf
Catorze cartas às esquerdas (Boaventura de S. Santos).pdf
Pamela931154
 
Estado predador e sociedade sitiada no brasil e no mundo
Estado predador e sociedade sitiada no brasil e no mundoEstado predador e sociedade sitiada no brasil e no mundo
Estado predador e sociedade sitiada no brasil e no mundo
Fernando Alcoforado
 
O fim da monarquia em portugal
O fim da monarquia em portugalO fim da monarquia em portugal
O fim da monarquia em portugal
Escola Secundaria luis de freitas Branco
 
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado   chat3 texto-2_tarso_violinPublico e privado   chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
Giovana Soares Carneiro
 
Publico e privado - Tarso Violin
Publico e privado - Tarso ViolinPublico e privado - Tarso Violin
Publico e privado - Tarso Violin
Giovana Soares Carneiro
 
Caderno diário A Revolução Francesa 1314
Caderno diário A Revolução Francesa 1314Caderno diário A Revolução Francesa 1314
Caderno diário A Revolução Francesa 1314
Laboratório de História
 
Capítulo 14 - A Política no Brasil
Capítulo 14 - A Política no BrasilCapítulo 14 - A Política no Brasil
Capítulo 14 - A Política no Brasil
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Apostila 1 conhecimentos pedagogicos
Apostila 1    conhecimentos pedagogicosApostila 1    conhecimentos pedagogicos
Apostila 1 conhecimentos pedagogicos
SYGNUS Assessoria e Consultoria em Educação
 
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS  PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS  PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
A. Rui Teixeira Santos
 
Cidadania e educação escolar maria de fatima 4
Cidadania e educação escolar   maria de fatima  4Cidadania e educação escolar   maria de fatima  4
Cidadania e educação escolar maria de fatima 4
Educação Smed
 
Capitalismo socialismo
Capitalismo socialismoCapitalismo socialismo
Capitalismo socialismo
Marcelo Ferreira Boia
 
Aula de atualidades para quarto bimestre
Aula de atualidades para quarto bimestreAula de atualidades para quarto bimestre
Aula de atualidades para quarto bimestre
Guilherme Gomide von Atzingen Pinto
 
Edd conceito,historiaecontemporaneidade
Edd conceito,historiaecontemporaneidadeEdd conceito,historiaecontemporaneidade
Edd conceito,historiaecontemporaneidade
direitouniube
 
Um Manifesto Anarquista - Louisa Sarah Bevington
Um Manifesto Anarquista - Louisa Sarah BevingtonUm Manifesto Anarquista - Louisa Sarah Bevington
Um Manifesto Anarquista - Louisa Sarah Bevington
João Soares
 
Exerc2 aula3
Exerc2 aula3Exerc2 aula3
Exerc2 aula3
Will Tkd
 
A democracia de mercado e a actuação da esquerda
A democracia de mercado e a actuação da esquerdaA democracia de mercado e a actuação da esquerda
A democracia de mercado e a actuação da esquerda
GRAZIA TANTA
 
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 

Semelhante a Rodrigues De Freitas (20)

Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
 
Problemas do Estado Contemporâneo
Problemas do Estado ContemporâneoProblemas do Estado Contemporâneo
Problemas do Estado Contemporâneo
 
Kropotkin p.-o-assalariado
Kropotkin p.-o-assalariadoKropotkin p.-o-assalariado
Kropotkin p.-o-assalariado
 
Catorze cartas às esquerdas (Boaventura de S. Santos).pdf
Catorze cartas às esquerdas (Boaventura de S. Santos).pdfCatorze cartas às esquerdas (Boaventura de S. Santos).pdf
Catorze cartas às esquerdas (Boaventura de S. Santos).pdf
 
Estado predador e sociedade sitiada no brasil e no mundo
Estado predador e sociedade sitiada no brasil e no mundoEstado predador e sociedade sitiada no brasil e no mundo
Estado predador e sociedade sitiada no brasil e no mundo
 
O fim da monarquia em portugal
O fim da monarquia em portugalO fim da monarquia em portugal
O fim da monarquia em portugal
 
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado   chat3 texto-2_tarso_violinPublico e privado   chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
 
Publico e privado - Tarso Violin
Publico e privado - Tarso ViolinPublico e privado - Tarso Violin
Publico e privado - Tarso Violin
 
Caderno diário A Revolução Francesa 1314
Caderno diário A Revolução Francesa 1314Caderno diário A Revolução Francesa 1314
Caderno diário A Revolução Francesa 1314
 
Capítulo 14 - A Política no Brasil
Capítulo 14 - A Política no BrasilCapítulo 14 - A Política no Brasil
Capítulo 14 - A Política no Brasil
 
Apostila 1 conhecimentos pedagogicos
Apostila 1    conhecimentos pedagogicosApostila 1    conhecimentos pedagogicos
Apostila 1 conhecimentos pedagogicos
 
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS  PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS  PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
 
Cidadania e educação escolar maria de fatima 4
Cidadania e educação escolar   maria de fatima  4Cidadania e educação escolar   maria de fatima  4
Cidadania e educação escolar maria de fatima 4
 
Capitalismo socialismo
Capitalismo socialismoCapitalismo socialismo
Capitalismo socialismo
 
Aula de atualidades para quarto bimestre
Aula de atualidades para quarto bimestreAula de atualidades para quarto bimestre
Aula de atualidades para quarto bimestre
 
Edd conceito,historiaecontemporaneidade
Edd conceito,historiaecontemporaneidadeEdd conceito,historiaecontemporaneidade
Edd conceito,historiaecontemporaneidade
 
Um Manifesto Anarquista - Louisa Sarah Bevington
Um Manifesto Anarquista - Louisa Sarah BevingtonUm Manifesto Anarquista - Louisa Sarah Bevington
Um Manifesto Anarquista - Louisa Sarah Bevington
 
Exerc2 aula3
Exerc2 aula3Exerc2 aula3
Exerc2 aula3
 
A democracia de mercado e a actuação da esquerda
A democracia de mercado e a actuação da esquerdaA democracia de mercado e a actuação da esquerda
A democracia de mercado e a actuação da esquerda
 
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
 

Mais de Luisa Lamas

Guia do Utilizador e CDU Agrupa,ento de Escolas Rodrigues de Freitas
Guia do Utilizador e CDU Agrupa,ento de Escolas Rodrigues de FreitasGuia do Utilizador e CDU Agrupa,ento de Escolas Rodrigues de Freitas
Guia do Utilizador e CDU Agrupa,ento de Escolas Rodrigues de Freitas
Luisa Lamas
 
Guião de Avaliação de Páginas Web (RBE)
Guião de Avaliação de Páginas Web (RBE)Guião de Avaliação de Páginas Web (RBE)
Guião de Avaliação de Páginas Web (RBE)
Luisa Lamas
 
Catalogação de CD e Audio
Catalogação de CD e AudioCatalogação de CD e Audio
Catalogação de CD e Audio
Luisa Lamas
 
Catalogação de Documentos Electrónicos
Catalogação de Documentos ElectrónicosCatalogação de Documentos Electrónicos
Catalogação de Documentos Electrónicos
Luisa Lamas
 
Catalogação de Documentos Vídeo
Catalogação de Documentos VídeoCatalogação de Documentos Vídeo
Catalogação de Documentos Vídeo
Luisa Lamas
 
Catalogação de Monografias
Catalogação de MonografiasCatalogação de Monografias
Catalogação de Monografias
Luisa Lamas
 
Gui e o Natal Verde no Planeta Azul
Gui e o Natal Verde no Planeta AzulGui e o Natal Verde no Planeta Azul
Gui e o Natal Verde no Planeta Azul
Luisa Lamas
 
Dossier das Bibliotecas do 1ºciclo
Dossier das Bibliotecas do 1ºcicloDossier das Bibliotecas do 1ºciclo
Dossier das Bibliotecas do 1ºciclo
Luisa Lamas
 
Guião do Centro de Recursos Educativos
Guião do Centro de Recursos EducativosGuião do Centro de Recursos Educativos
Guião do Centro de Recursos Educativos
Luisa Lamas
 
A Avaliação do Impacto da Biblioteca Escolar
A Avaliação do Impacto da Biblioteca EscolarA Avaliação do Impacto da Biblioteca Escolar
A Avaliação do Impacto da Biblioteca Escolar
Luisa Lamas
 
O que Queremos para as Bibliotecas? por Ross Todd
O que Queremos para as Bibliotecas? por Ross ToddO que Queremos para as Bibliotecas? por Ross Todd
O que Queremos para as Bibliotecas? por Ross Todd
Luisa Lamas
 
Bibliotecas (RBE) Eloy Rodrigues
Bibliotecas (RBE) Eloy RodriguesBibliotecas (RBE) Eloy Rodrigues
Bibliotecas (RBE) Eloy Rodrigues
Luisa Lamas
 
Dossier do Estudante Adaptado (Coordenadora Interconcelhia e o Agrupamento de...
Dossier do Estudante Adaptado (Coordenadora Interconcelhia e o Agrupamento de...Dossier do Estudante Adaptado (Coordenadora Interconcelhia e o Agrupamento de...
Dossier do Estudante Adaptado (Coordenadora Interconcelhia e o Agrupamento de...
Luisa Lamas
 
Grelha de Observação dos Alunos na Atividade
Grelha de Observação dos Alunos na AtividadeGrelha de Observação dos Alunos na Atividade
Grelha de Observação dos Alunos na Atividade
Luisa Lamas
 
Guião de Elaboração de Referências bibliográficas da RBE
Guião de Elaboração de Referências bibliográficas da RBEGuião de Elaboração de Referências bibliográficas da RBE
Guião de Elaboração de Referências bibliográficas da RBE
Luisa Lamas
 
Guião dos Operadores de Pesquisa Avançada do Google
Guião dos Operadores de Pesquisa Avançada do GoogleGuião dos Operadores de Pesquisa Avançada do Google
Guião dos Operadores de Pesquisa Avançada do Google
Luisa Lamas
 
Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6
Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6
Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6
Luisa Lamas
 
Guião Como Trabalhar em Grupo
Guião Como Trabalhar em GrupoGuião Como Trabalhar em Grupo
Guião Como Trabalhar em Grupo
Luisa Lamas
 
Guião Como se Faz um Cartaz
Guião Como se Faz um CartazGuião Como se Faz um Cartaz
Guião Como se Faz um Cartaz
Luisa Lamas
 
Guião Como se Faz Um Cartaz
Guião Como se Faz Um CartazGuião Como se Faz Um Cartaz
Guião Como se Faz Um Cartaz
Luisa Lamas
 

Mais de Luisa Lamas (20)

Guia do Utilizador e CDU Agrupa,ento de Escolas Rodrigues de Freitas
Guia do Utilizador e CDU Agrupa,ento de Escolas Rodrigues de FreitasGuia do Utilizador e CDU Agrupa,ento de Escolas Rodrigues de Freitas
Guia do Utilizador e CDU Agrupa,ento de Escolas Rodrigues de Freitas
 
Guião de Avaliação de Páginas Web (RBE)
Guião de Avaliação de Páginas Web (RBE)Guião de Avaliação de Páginas Web (RBE)
Guião de Avaliação de Páginas Web (RBE)
 
Catalogação de CD e Audio
Catalogação de CD e AudioCatalogação de CD e Audio
Catalogação de CD e Audio
 
Catalogação de Documentos Electrónicos
Catalogação de Documentos ElectrónicosCatalogação de Documentos Electrónicos
Catalogação de Documentos Electrónicos
 
Catalogação de Documentos Vídeo
Catalogação de Documentos VídeoCatalogação de Documentos Vídeo
Catalogação de Documentos Vídeo
 
Catalogação de Monografias
Catalogação de MonografiasCatalogação de Monografias
Catalogação de Monografias
 
Gui e o Natal Verde no Planeta Azul
Gui e o Natal Verde no Planeta AzulGui e o Natal Verde no Planeta Azul
Gui e o Natal Verde no Planeta Azul
 
Dossier das Bibliotecas do 1ºciclo
Dossier das Bibliotecas do 1ºcicloDossier das Bibliotecas do 1ºciclo
Dossier das Bibliotecas do 1ºciclo
 
Guião do Centro de Recursos Educativos
Guião do Centro de Recursos EducativosGuião do Centro de Recursos Educativos
Guião do Centro de Recursos Educativos
 
A Avaliação do Impacto da Biblioteca Escolar
A Avaliação do Impacto da Biblioteca EscolarA Avaliação do Impacto da Biblioteca Escolar
A Avaliação do Impacto da Biblioteca Escolar
 
O que Queremos para as Bibliotecas? por Ross Todd
O que Queremos para as Bibliotecas? por Ross ToddO que Queremos para as Bibliotecas? por Ross Todd
O que Queremos para as Bibliotecas? por Ross Todd
 
Bibliotecas (RBE) Eloy Rodrigues
Bibliotecas (RBE) Eloy RodriguesBibliotecas (RBE) Eloy Rodrigues
Bibliotecas (RBE) Eloy Rodrigues
 
Dossier do Estudante Adaptado (Coordenadora Interconcelhia e o Agrupamento de...
Dossier do Estudante Adaptado (Coordenadora Interconcelhia e o Agrupamento de...Dossier do Estudante Adaptado (Coordenadora Interconcelhia e o Agrupamento de...
Dossier do Estudante Adaptado (Coordenadora Interconcelhia e o Agrupamento de...
 
Grelha de Observação dos Alunos na Atividade
Grelha de Observação dos Alunos na AtividadeGrelha de Observação dos Alunos na Atividade
Grelha de Observação dos Alunos na Atividade
 
Guião de Elaboração de Referências bibliográficas da RBE
Guião de Elaboração de Referências bibliográficas da RBEGuião de Elaboração de Referências bibliográficas da RBE
Guião de Elaboração de Referências bibliográficas da RBE
 
Guião dos Operadores de Pesquisa Avançada do Google
Guião dos Operadores de Pesquisa Avançada do GoogleGuião dos Operadores de Pesquisa Avançada do Google
Guião dos Operadores de Pesquisa Avançada do Google
 
Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6
Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6
Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6
 
Guião Como Trabalhar em Grupo
Guião Como Trabalhar em GrupoGuião Como Trabalhar em Grupo
Guião Como Trabalhar em Grupo
 
Guião Como se Faz um Cartaz
Guião Como se Faz um CartazGuião Como se Faz um Cartaz
Guião Como se Faz um Cartaz
 
Guião Como se Faz Um Cartaz
Guião Como se Faz Um CartazGuião Como se Faz Um Cartaz
Guião Como se Faz Um Cartaz
 

Último

História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 

Último (8)

História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 

Rodrigues De Freitas

  • 1. RODRIGUES DE FREITAS E O REPUBLICANISMO EM PORTUGAL Jorge F. Alves - FLUP
  • 2. REPÚBLICA: 5 OUT.1910 22.10.1910 – Decreto determinando várias providências em relação ao Liceu D. Manuel II, em virtude de alguns actos de indisciplina ali praticados. 23.10.1910– Decreto substituindo a denominação de Liceu D. Manuel II pelo de Liceu Rodrigues de Freitas. 2.3.1911 – Decreto tomando medidas em virtude das sindicâncias…
  • 3. J.J. Rodrigues de Freitas, 1840-1896
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8. Jornalista /escritor (desde jovem): Pedro Quinto, Eco Popular, O Comércio do Porto, A América, etc.
  • 9. Professor da Escola Politécnica (1867): Economia Política, Comércio
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Visão antropomórfica e humanística da mundividênciamoderna.
  • 25.
  • 27. Soberania nacional, exercida através de sufrágio universal
  • 28. Herdeiros do vintismo, setembrismo : monarquia constutucional como transição
  • 29. (“rodear de rei de instituições democráticas” - Passos Manuel)António Pedro Mesquita: Republicanismo jacobino, Republicanismo radical, Republicanismo independente
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. 1874
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. "A monarquia do direito divino cede o lugar à monarquia constitucional; mas o ideal da humanidade não cessa de revelar-se cada vez melhor; a democracia aspira à república rodeada de instituições que a distinguem da dos velhos tempos; mas quem sabe quão assombrosas evoluções se realizarão ainda? Virá um dia em que a sociedade terá por ideal, não a república, mas alguma outra forma de governo que exprima precisamente o máximo desenvolvimento individual! Porém a minha opinião é que nós não podemos por enquanto adoptar a forma republicana. Ainda mais: não atribuo especialmente à monarquia os males que sofremos. Os abusos praticados por este governo (análogos aos que tem sido cometidos por outros ministérios) não procedem tanto da vontade que os ministros têm de violar a lei como da atmosfera política de que respiram, e a qual eu creio que não é pura."
  • 39. "... a liberdade eleitoral, a reforma administrativa, a difusão do ensino, tenho-as hoje em mais subida conta... Suponhamos que vinham os republicanos e consideravam que , desde que mudassem o trono pela cadeira de presidente da república, teriam alcançado tudo quanto era necessário para que país estivesse democraticamente organizado. Eu, francamente o digo, não só não podia estar com esses republicanos, mas seria também seu adversário." (1874)
  • 40. …das minhas ambições, direi que nunca fiz da política mercancia (apoiados), e não quero sequer investigar se entre os meus acusadores encontraria algum que da política fizesse comércio. Professor e escritor vim para aqui, e do ofício de professor e escritor sei construir a minha independência, e espero mantê-la sempre como a tenho sustentado até agora. Sou dos que crêem na energia e na iniciativa individual; sou dos que têm confiança no trabalho próprio (apoiados). Não preciso mendigar nada das intrigas políticas, as quais eu abomino e detesto. A minha democracia não tem ambições, tem crenças (apoiados) (1874)
  • 41. A QUESTÃO SOCIALContrastando com aqueles que por explosivos pretendem alcançar a tábua rasa sobre que ergam em obras o que agora sonham, - há os que pensam resolver a questão social fundando creches, asilos, hospitais, escolas; fomentando a cooperação sob todas as formas protectoras dos quase-pobres; regulamentando a indústria; beneficiando, enfim, material e espiritualmente as classes que representam o trabalho sob os seus aspectos mais rudes e também menos civilizadores do próprio operário. Ninguém pode negar a excelência deste pensamento logo que a palavra "solução" fique substituida por outra menos pretenciosa. ( C. P. 22.9.1894).
  • 42. A INSTRUÇÃO A colecção de leis portuguesas deste século contem muitas provas de que alguns estadistas nosso desejaram proteger por meio da instrução a indústria nacional; o estado do ensino prova que é grande a distância entre os factos e o que as leis ordenaram que se praticasse. (C.P., 22.8.1881).
  • 43. A AGRICULTURAsobre a necessidade do crédito agrícola acessível, os juros elevados, o deficit de associativismo: “…Infelizmente em Portugal há poucos bancos; as caixas económicas são quase desconhecidas, até dos que mais lucrariam com elas; sociedades muito úteis às classes menos abastadas, como são as cooperativas, não as temos ainda; e as próprias associações de socorros mútuos, sendo numerosas, não estão fundadas nas melhores bases".
  • 44. A INDÚSTRIAsobre a Exposição Internacional de 1865, mostrando a desigualdade de tratamento inerente a toda a protecção, aceitando-o mas defendendo a reforma pautal: "o que mais urge é mudar o carácter da produção; as pautas formam o sistema atrasado; seja o ensino industrial o seu natural sucessor" (C.P., 26.9.1865).
  • 45. CRISES COMERCIAISNeste aspecto, as crises que "tão grandes horrores causam" são o "maior panegírico do crédito", ressalvando que não é crédito que gera a crise, mas o mau uso que se faz dele. Com a agravante de a nova crise de uma praça se reflectir nas outras, dadas as intimas relações agora criadas, o "sistema solidário" que redistribui males e bens.
  • 46. COLÓNIAS E BRASILA incapacidade das administrações ultramarinas em se autofinanciarem a si e aos projectos que implementavam, com deficits permanentes e o recurso ao orçamento metropolitano, merecia-lhe as maiores reservas: "As esperanças consistem em que das colónias virá a grandeza de Portugal; os factos são que as colónias influem desfavoravelmente nos negócios da metrópole", dizia em 1879. "a independência do Brasil, sendo vantajosa para ele, foi para nós muito mais útil do que o seria que tão vastos territórios continuassem pertencendo a Portugal".
  • 47. Eu milito num partido … não digo bem, eu, sendo republicano, posso dizer que tenho a felicidade de não pertencer a esse partido; quer dizer, o partido republicano não está definitivamente organizado em Portugal: é assim que o considero. E é certo que entre nós sucede às vezes enquanto os partidos não estão organizados são mais fortes do que durante a sua organização, e principalmente … na base do seu próprio triunfo (1880)
  • 48. Num país como o nosso é indispensável que os cidadãos compreendam bem os seus direitos e os seus deveres, é necessário que uma opinião pública verdadeiramente esclarecida auxilie eficazmente os governos e os parlamentos no desempenho da tão difícil missão deles; sem este auxílio mal podem a s leis corresponder aos grandes interesses públicos. Durante séculos temos suportado as consequências de um grande abatimento intelectual; sem este abatimento não poderíamos ter sido tão longamente dominados e oprimidos como o fomos pela teocracia e pelo absolutismo. Antes de perdida na África por D. Sebastião a coroa de Portugal, já o povo português tinha perdido outra coroa mais preciosa, a da sua independência intelectual. (1880)