La taylle, dantas e oliveira aula 6

2.486 visualizações

Publicada em

Piaget, Vigotsky e Wallon Teorias psicogenéticas em discussão

La Taylle

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.486
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
152
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

La taylle, dantas e oliveira aula 6

  1. 1. Aula 6 ► Audrey Danielle Beserra de Brito
  2. 2. Piaget, Vigotsky e Wallon Teorias psicogenéticas em discussão Yves La Taille Heloisa Dantas Marta Kohl de Oliveira
  3. 3. Psicogenética ► É o estudo do desenvolvimento das funções da mente que contempla os procedimentos e os avanços da psicologia infantil. ► A teoria psicogenética surgiu por impulso do psicólogo experimental, filósofo e biólogo suíço Jean Piaget que defendia que a afetividade é um subproduto do cognitivo.
  4. 4. Psicogenética ► Piaget propôs-se a avançar com o aprofundamento da examinação do desenvolvimento do conhecimento de raiz biológica, partindo da sua ligação com o desenvolvimento do ser humano desde a sua origem - epistemologia. ► Pela sua postura de combinação sobre a aprendizagem e o seu alcance na educação, a psicogénese constituiu-se como uma das teorias do construtivismo.
  5. 5. Os autores ► Psicologia Moral – afetividade (emoções, sentimentos) – valores morais e não-morais. ► Afetividade na escola (Arantes e Groppa Aquino)
  6. 6. Piaget
  7. 7. O desenvolvimento afetivo segundo Piaget ► Piaget defende a tese da correspondência entre as construções afetivas e cognitivas, ao longo da vida dos indivíduos e recorre as relações entre afetividade, inteligência e vida social para explicar a gênese da moral
  8. 8. Pressupostos de Piaget ► Inteligência e afetividade são diferentes em natureza, mas indissociáveis na conduta concreta da criança; ► A afetividade interfere constantemente no funcionamento da inteligência, estimulando-o ou perturbando-o, acelerando-o ou retardando-o; ► A afetividade não modifica as estruturas da inteligência, sendo somente o elemento enérgico das condutas.
  9. 9. Piaget: desenvolvimento infantil e desenvolvimento da moralidade 1. 2. 3. Anomia (até 6): desconhecimento das regras. Não seguem atividades com regras coletivas; Heteronomia (até 10): conhece as regras que são determinadas por outras pessoas. Não há contrato. Há cumprimento. Autonomia (concepção adulta): internaliza as regras e se submete conscientemente a elas.
  10. 10. Reflexões sobre a obra de Piaget ► “Desde o nascimento, o desenvolvimento intelectual é, simultaneamente, obra da sociedade e do indivíduo. O homem não é social da mesma maneira aos 6 meses e aos 20 anos. A socialização da inteligência só começa a partir da aquisição da linguagem. A personalidade é o ponto mais refinado da socialização”
  11. 11. ► “autonomia significa ser capaz de se situar consciente e competentemente na rede dos diversos pontos de vista e conflitos presentes numa sociedade” ► “toda moral consiste num sistema de regras, sendo que a essência da moralidade deve ser procurada no respeito que o indivíduo tem por elas” ► “O sujeito participa ativamente de seu desenvolvimento intelectual e moral e detém uma autonomia possível perante os ditames da sociedade” ► “Moral é um ato social, porém, dividido em duas categorias: coação e cooperação”
  12. 12. ► Para Piaget, a coerção é inevitável no início da educação, mas não pode permanecer exclusiva para não encurralar a criança na heteronomia. Assim, para favorecer a conquista da autonomia, a escola precisa respeitar e aproveitar a relações de cooperação”
  13. 13. Vygotsky
  14. 14. Vygotsky e as complexas relações entre cognição e afeto ► Principal tese: “afeto e cognição não podem ser estudados separados. Essas duas dimensões são íntimas e relacionadas” ► “O ser humano aprende, por meio do legado de sua cultura e da interação com outros humanos (agir, pensar, falar e sentir). Nesse sentido, o longo aprendizado sobre afetos se inicia nas primeiras horas de vida de uma criança e se prolonga por toda a sua existência”
  15. 15. ► “As emoções são organizadas, concebidas e nomeadas de forma absolutamente diversa em diferentes grupos culturais” ► “Por meio do modelo vygotskyano, é possível concluir que as funções psíquicas humanas estão intimamente vinculadas ao aprendizado, à apropriação (por intermédio da linguagem) do legado cultural de seu grupo. O longo caminho do desenvolvimento humano segue do social para o individual”.
  16. 16. Vygotsky ► “Dimensão social do desenvolvimento: é a cultura que fornece ao indivíduo o universo de significados” ► Sua perspectiva: dimensão social do desenvolvimento; ► Não dá para dissociar interesses e inclinações pessoais (afeto) do que se pensa (intelecto)
  17. 17. Wallon
  18. 18. Wallon “O homem é geneticamente social” “Ao longo do desenvolvimento mental, a motricidade cinética tende a se reduzir, dando lugar ao ato mental” “Sua teoria da emoção é genética e dialética (idas e vindas)” “Não existe estado não emocional. Assim, a educação da emoção deveria ser incluída entre os propósitos da ação pedagógica. O efeito desorganizador da emoção concentra a sensibilidade no próprio corpo e diminui a percepção do exterior” “Não é só a inteligência que evolui,mas também a emoção”
  19. 19. Expressividade e emoções segundo a perspectiva de Wallon ► Foco: motricidade ► Visão não fragmentada: motor, afetividade, inteligência e relações com o meio ► Reciprocidade: movimento e emoção / inteligência e afetividade ► “A emoção estabelece uma relação imediata dos indivíduos entre si, independente de toda relação intelectual” ► “A inteligência e afetividade se constroem reciprocamente, numa complexa relação de interdependência”
  20. 20. Fases da Inteligência - Wallom 1. 2. 3. 4. 5. impulsivo-emocional (0-1): toque, sons, contatos visuais. Afetividade = movimentos; Projetivo (1-3): linguagem = domínio simbólico; Personalismo (3-6): oposição, sedução e imitação; Categorial (6-11): conhecimento de mundo; Puberdade (11...): busca de uma identidade autônoma
  21. 21. Conclusão Piaget Afeto e cognição são duas coisas diferentes. O afeto não modifica o cognitivo, dá-lhe energia. O cognitivo + o afeto torna-o autônomo. Vygotsky Não se pode separar afeto de cognição. Ele aprende por meio do afeto. Um depende do outro. Wallon Afeto e cognitivo evoluem juntos. Há uma interdependência

×