SlideShare uma empresa Scribd logo
ÁREAS DE CONHECIMENTO E 
INTEGRAÇÃO CURRICULAR 
CADERNO 4 
Prof. Orientadora de Estudo: 
Edna Mattos
áReas de conhecimento e integração curricular
INTRODUÇÃO 
 Descontextualização cultural e social dos 
conhecimentos escolares 
 Insucesso e o fracasso da aprendizagem 
 Seleção e forma de organização dos 
conteúdos por áreas de conhecimento . O 
processo de avaliação no ensino. 
 DCEM- Fala no direito que o aluno tem de 
se inserir no mundo formal dos 
conhecimentos para que possa participar 
com inclusão na sociedade
METAS DAS DCNEM 
 Preparar o educando para o trabalho e a 
cidadania. 
 Promover o aprimoramento do educando 
como pessoa humana: ética, autonomia 
intelectual, pensamento crítico. 
 Possibilitar a compreensão dos 
fundamentos científico – tecnológicos e dos 
processos produtivos, relacionando a teoria 
com a prática.
O CONHECIMENTO 
 Vivemos em meio a uma enorme quantidade 
de conhecimentos especializados ( “que sabem 
de quase tudo sobre quase nada”) facilmente 
disponíveis. 
 Encontramo-nos totalmente alienados e 
inseguros diante das questões fundamentais 
das nossas vidas pessoal e coletiva. 
 Indispensável que se obtenha a integração 
dos conhecimentos ( das especialidades) a 
visão da totalidade da realidade.
1. O QUE SÃO AS ÁREAS DE CONHECIMENTO 
E QUAL SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO ? 
 O desenvolvimento da ciência no séc.XX – quanto mais 
se especializou e se diferençou, maior número de novos 
campos que ela descobriu e descreveu . 
 Por exemplo, a biologia se desenvolveu tendo a vida 
orgânica como objeto; a química, a constituição das 
matérias orgânica e inorgânica e suas transformações; 
a física, os fenômenos da natureza mais gerais e suas 
propriedades de movimento,de energia, etc. 
 Contextualizar o conhecimento não é exemplificar em 
que ele se aplica ou que situações ele explica, mas sim 
mostrar que qualquer conhecimento existe como 
resposta a necessidades sociais. Estas, por sua vez, 
são históricas e também produto de disputas 
econômicas, sociais e culturais.
 As áreas de conhecimento na organização curricular 
devem expressar o potencial de aglutinação, integração 
e interlocução de campos de saber, ampliando o diálogo 
entre os componentes curriculares e seus respectivos 
professores, com consequências perceptíveis pelos 
educandos e transformadoras da cultura escolar rígida 
e fragmentada. 
 A organização do currículo em áreas de conhecimento 
não deve substituir a especificidade de cada 
componente curricular. Elas podem expressar uma 
interessante unidade composta por uma diversidade 
que se articula e se comunica entre si. A 
interdisciplinaridade torna-se mais que um método, mas 
uma necessidade do currículo integrador . 
 Reflexão e ação 
Filme - Ponto de mutação
2 - ENSINO INTEGRADO : TRABALHO , 
CIÊNCIA ,TECNOLOGIA E CULTURA. 
 Diferenciamo-nos dos outros animais pela nossa 
capacidade de agir, não apenas instintivamente ou por 
reflexo, mas intencionalmente, em busca de uma 
mudança no ambiente que nos favoreça. 
 Trabalho: modo pelo qual o ser humano produz para si 
o mundo ,os objetos e as condições de que precisa 
para existir. 
 Trabalho é a primeira mediação entre o homem e a 
realidade material e social. 
O trabalho é princípio educativo em dois sentidos: 
- Ontológico – proporciona a compreensão do processo 
histórico de produção científica e tecnológica. 
- Histórico – organiza a base unitária, fundamenta e 
justifica a formação específica para o exercício de 
profissões. 

 Cultura é o ambiente social formado com valores, 
crenças, objetos, conhecimentos, etc. 
 CULTURA – Articulação entre o conjunto de 
representações e comportamento.É o processo 
dinâmico de socialização, construindo o modo de 
vida de uma população determinada. 
 TECNOLOGIA – Utiliza o conhecimento da 
ciência, modifica-se e utiliza dados diferentes na 
pesquisa que realiza, construindo um 
conhecimento próprio, menos idealizada. 
Transforma e constrói não só a realidade física, mas 
também a social.
 O currículo integrado organiza o conhecimento e 
desenvolve o processo de ensino – aprendizagem 
de forma que os conceitos sejam apreendidos 
como sistema de relações de uma totalidade 
concreta que se pretende explicar / compreender
 A CIÊNCIA é a forma de resposta adaptativa de 
que somente o homem se revela capaz por ser o 
animal que vence as resistências do meio ambiente 
mediante o conhecimento dos fenômenos, ou seja, 
mediante a produção da sua existência, a individual 
e a da espécie. 
 A organização do currículo em áreas de 
conhecimento não deve substituir a especificidade 
de cada componente curricular. Em outras 
palavras, a compreensão do objeto mais geral da 
área não prescinde o estudo das particularidades 
desse objeto, e a relação entre elas deve ser 
construída .
 Reconhecer tanto a ciência quanto a tecnologia 
como produções humanas, resultados de uma 
ação transformadora consciente do ser humano, é 
caracterizá-las como parte da cultura e, 
consequentemente, como bens que são 
constantemente produzidos e reproduzidos. 
 Tecnologia não apenas utiliza o conhecimento da 
ciência, como também o modifica, utiliza dados 
diferentes na pesquisa que realiza, construindo um 
conhecimento próprio, menos idealizado. 
 Tecnológico, portanto , não é apenas o que 
transforma e constrói a realidade física, mas 
igualmente aquilo que transforma e constrói a 
realidade social.
REFLEXÃO E AÇÃO – P.26 A 28 
Leitura do trecho retirado do livro Cartas de Théo, 
de Vicent Van Gogt. 
Responder as questões propostas 1 e 2 .
3- CAMINHOS PARA A APROXIMAÇÃO DO 
CONHECIMENTO DAS DIFERENTES ÁREAS: O 
TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E A 
PESQUISA COMO PRINCÍPIO PEDAGÓGICO 
 O trabalho é mediação concreta entre o homem e 
a sua realidade natural social. 
 O ser humano ao transformar a realidade e a si 
mesmo pelo trabalho, produz também 
conhecimento, tecnologia, cultura. 
 A educação tem o trabalho como princípio 
educativo,por isso compreende que o ser humano 
é produtor de sua realidade, assim apropria-se dela 
e pode transformá-la. 
 Nós somos sujeitos de nossa história e de nosso 
conhecimento. ( veja- traduzindo p.31)
 O trabalho como princípio educativo é, antes uma 
concepção de mundo, de homem e de sociedade 
e, portanto da própria educação. 
 Os processos de trabalho e as tecnologias 
correspondem a momentos da evolução das 
formas materiais de produção e podem ser um 
ponto de partida: 
1- Histórico – o trabalho pedagógico procura 
evidenciar, junto aos conceitos: razões, problemas, 
necessidades, dúvidas que constituem o contexto 
de produção de um conhecimento. 
2- Dialético – estuda-se um processo de trabalho em 
busca de captar os conceitos que os fundamentam 
e as relações que os constituem. Podem ser 
questionados por outros conceitos.
 O estudo das Ciências Humanas e Sociais 
em articulação com as ciências da 
Natureza, das Linguagens, mais a 
Matemática, pode contribuir para a 
compreensão do processo histórico – social 
da produção de conhecimento, mediante o 
questionamento dos fenômenos naturais e 
sociais na sua “obviedade” aparente.
INTERDISCIPLINARIEDADE E 
CONTEXTUALIDADE 
 Devem se aportar no fundamento epistemológico da 
relação entre parte e totalidade na produção da ciência 
e no processo educativo. 
A CONTEXTUALIZAÇÃO 
 Orientação pertinente e útil à formação integrada. 
 Estratégia de análise da realidade social pelos 
educandos com base no conhecimento sistematizado. 
 Processo que provoca a investigação coletiva, um 
interrogar permanente sobre a cotidianidade 
contraditória. 
 O processo de ensino – aprendizagem contextualizado 
é um importante meio de estimular a curiosidade e 
fortalecer a confiança do educando.
A PESQUISA COMO PRINCÍPIO PEDAGÓGICO. 
 Relaciona-se ao trabalho como princípio 
educativo, pois contribui: 
-Construção da autonomia intelectual do educando; 
-Formação orientada pela busca de compreensão e 
soluções para as questões teóricas e práticas da 
vida cotidiana dos sujeitos trabalhadores. 
 A PESQUISA instiga no sentido da curiosidade em 
direção ao mundo que o cerca, gera inquietude. 
 O princípio pedagógico da pesquisa está em 
compreender a ciência não somente na dimensão 
metodológica, mas na filosófica.
3- REFLEXÃO E AÇÃO (P. 38) 
 Elaboração coletiva da proposta curricular 
integrada .
4- O PROJETO CURRICULAR E A RELAÇÃO ENTRE 
OS SUJEITOS E DESSES COM SUAS PRÁTICAS 
 O currículo envolve mais do que a dimensão ensino – 
aprendizagem, sua elaboração deve se basear nos 
seguintes eixos ético – políticos: integração trabalho, 
ciência, tecnologia e cultura; integração escola – 
comunidade; democratização das relações de poder; 
enfrentamento das questões de repetência e de evasão; 
visão interdisciplinar; formação permanente dos 
educadores. 
 O desafio é o de ultrapassar a escola como espaço 
curricular, estendendo o planejamento e as práticas 
para outros espaços, que possibilitem incluir 
manifestações culturais, projetos e processos sociais na 
experiência escolar, de intervenção e de cooperação 
sistematizada em torno da construção do 
conhecimento.
 A escola deve se assumir como parte de um todo 
social, estabelecendo possibilidades para a 
construção de um projeto educativo conjuntivo. 
 Espera-se que as relações escolares entre 
educadores, educandos e seus familiares, mais os 
demais trabalhadores da escola contribuam para a 
reflexão crítica sobre as relações sociais, 
econômicas, culturais e políticas, construindo-se 
em espaço permanente de troca, avaliação e 
produção de conhecimentos.
REFLEXÃO E AÇÃO – P. 46 A 49 
 Leia a notícia “Ligações clandestinas causam 
riscos de incêndio” (pag.47 a 49 ) 
 Realize em grupo a atividade proposta (pag. 49 )

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

C:\Fakepath\Papel Do Pedagogo Na Atualidade
C:\Fakepath\Papel Do Pedagogo Na AtualidadeC:\Fakepath\Papel Do Pedagogo Na Atualidade
C:\Fakepath\Papel Do Pedagogo Na Atualidade
Solange Soares
 
Papel pedagogo
Papel pedagogo Papel pedagogo
Papel pedagogo
Fatima Luzs
 
Pedagogia e pedagogos: inquietações e buscas
Pedagogia e pedagogos: inquietações e buscasPedagogia e pedagogos: inquietações e buscas
Pedagogia e pedagogos: inquietações e buscas
srfilgueira
 
Multi, Inter ou Transdisciplinaridade?
Multi, Inter ou Transdisciplinaridade?Multi, Inter ou Transdisciplinaridade?
Multi, Inter ou Transdisciplinaridade?
Ranlig
 
Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...
Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...
Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...
Karoline dos Santos Tarnowski
 
Didática e Metodologia no Ensino Superior
Didática e Metodologia no Ensino SuperiorDidática e Metodologia no Ensino Superior
Didática e Metodologia no Ensino Superior
Luci Bonini
 
DidáTica Volume 1 2 e 3
DidáTica   Volume 1 2 e 3DidáTica   Volume 1 2 e 3
DidáTica Volume 1 2 e 3
Albérico Henrique
 
Docência no Ensino Superior
Docência no Ensino SuperiorDocência no Ensino Superior
Docência no Ensino Superior
Instituto Consciência GO
 
Etapa i – caderno iv
Etapa i – caderno ivEtapa i – caderno iv
Etapa i – caderno iv
Claudia Ferreira Ferraz
 
A Transposição Didática
A Transposição DidáticaA Transposição Didática
A Transposição Didática
Paulo Pereira
 
Elementos da didática do online.Algumas reflexões. .
Elementos da didática do online.Algumas reflexões. .Elementos da didática do online.Algumas reflexões. .
Elementos da didática do online.Algumas reflexões. .
Diene Eire Mello
 
Didática do ensino superior 01 aula 26 03 2013
Didática do ensino superior 01 aula 26 03 2013Didática do ensino superior 01 aula 26 03 2013
Didática do ensino superior 01 aula 26 03 2013
Ronilson de Souza Luiz
 
Web caderno-4
Web caderno-4Web caderno-4
Web caderno-4
luci96
 
Didática para formação
Didática  para formação Didática  para formação
Didática para formação
Cida Cerqueira
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
Gerdian Teixeira
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
Geraldo Vicente
 
As Diretrizes Curriculares Da Pedagogia
As Diretrizes Curriculares Da PedagogiaAs Diretrizes Curriculares Da Pedagogia
As Diretrizes Curriculares Da Pedagogia
Mariana Nascimento
 
Pc sc didatica-estagio
Pc sc didatica-estagioPc sc didatica-estagio
Pc sc didatica-estagio
ANGELA MATTOS SCHWAHN
 
Apostila de didatica parte 1 - visao geral
Apostila de didatica   parte 1 - visao geralApostila de didatica   parte 1 - visao geral
Apostila de didatica parte 1 - visao geral
afpinto
 
Tendências pedagógicas contemporâneas
Tendências pedagógicas contemporâneasTendências pedagógicas contemporâneas
Tendências pedagógicas contemporâneas
Antonio Abrahao Linhares Filho
 

Mais procurados (20)

C:\Fakepath\Papel Do Pedagogo Na Atualidade
C:\Fakepath\Papel Do Pedagogo Na AtualidadeC:\Fakepath\Papel Do Pedagogo Na Atualidade
C:\Fakepath\Papel Do Pedagogo Na Atualidade
 
Papel pedagogo
Papel pedagogo Papel pedagogo
Papel pedagogo
 
Pedagogia e pedagogos: inquietações e buscas
Pedagogia e pedagogos: inquietações e buscasPedagogia e pedagogos: inquietações e buscas
Pedagogia e pedagogos: inquietações e buscas
 
Multi, Inter ou Transdisciplinaridade?
Multi, Inter ou Transdisciplinaridade?Multi, Inter ou Transdisciplinaridade?
Multi, Inter ou Transdisciplinaridade?
 
Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...
Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...
Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...
 
Didática e Metodologia no Ensino Superior
Didática e Metodologia no Ensino SuperiorDidática e Metodologia no Ensino Superior
Didática e Metodologia no Ensino Superior
 
DidáTica Volume 1 2 e 3
DidáTica   Volume 1 2 e 3DidáTica   Volume 1 2 e 3
DidáTica Volume 1 2 e 3
 
Docência no Ensino Superior
Docência no Ensino SuperiorDocência no Ensino Superior
Docência no Ensino Superior
 
Etapa i – caderno iv
Etapa i – caderno ivEtapa i – caderno iv
Etapa i – caderno iv
 
A Transposição Didática
A Transposição DidáticaA Transposição Didática
A Transposição Didática
 
Elementos da didática do online.Algumas reflexões. .
Elementos da didática do online.Algumas reflexões. .Elementos da didática do online.Algumas reflexões. .
Elementos da didática do online.Algumas reflexões. .
 
Didática do ensino superior 01 aula 26 03 2013
Didática do ensino superior 01 aula 26 03 2013Didática do ensino superior 01 aula 26 03 2013
Didática do ensino superior 01 aula 26 03 2013
 
Web caderno-4
Web caderno-4Web caderno-4
Web caderno-4
 
Didática para formação
Didática  para formação Didática  para formação
Didática para formação
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
 
As Diretrizes Curriculares Da Pedagogia
As Diretrizes Curriculares Da PedagogiaAs Diretrizes Curriculares Da Pedagogia
As Diretrizes Curriculares Da Pedagogia
 
Pc sc didatica-estagio
Pc sc didatica-estagioPc sc didatica-estagio
Pc sc didatica-estagio
 
Apostila de didatica parte 1 - visao geral
Apostila de didatica   parte 1 - visao geralApostila de didatica   parte 1 - visao geral
Apostila de didatica parte 1 - visao geral
 
Tendências pedagógicas contemporâneas
Tendências pedagógicas contemporâneasTendências pedagógicas contemporâneas
Tendências pedagógicas contemporâneas
 

Semelhante a áReas de conhecimento e integração curricular

PPP - E.E.B. Alexandre Ternes Filho
PPP - E.E.B. Alexandre Ternes FilhoPPP - E.E.B. Alexandre Ternes Filho
PPP - E.E.B. Alexandre Ternes Filho
Ana Paula Silva
 
Gre – sertão do alto pajeú
Gre – sertão do alto pajeúGre – sertão do alto pajeú
Gre – sertão do alto pajeú
Mascleide Lima
 
Slide caderno 2 ciências humanas
Slide   caderno 2 ciências humanasSlide   caderno 2 ciências humanas
Slide caderno 2 ciências humanas
Leonardo Ornellas Pena
 
Eixos estruturantes e transversais do currículo
Eixos estruturantes e transversais do currículoEixos estruturantes e transversais do currículo
Eixos estruturantes e transversais do currículo
Eunice Portela
 
Trabalho pedagogia
Trabalho pedagogiaTrabalho pedagogia
Trabalho pedagogia
Ruthinha Ferreira
 
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Patricia Fcm
 
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Patricia Fcm
 
Ensino medio
Ensino medioEnsino medio
Ensino medio
afermartins
 
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINICaderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Salete Perini
 
Sociologia e filosofia
Sociologia e filosofiaSociologia e filosofia
Sociologia e filosofia
pibidsociais
 
Sociologia e filosofia
Sociologia e filosofiaSociologia e filosofia
Sociologia e filosofia
pibidsociais
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
projovemcampoufc
 
Atividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticasAtividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticas
rosiane sangali
 
Atividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticasAtividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticas
rosiane sangali
 
Curso de didática
Curso de didáticaCurso de didática
Curso de didática
Sebastião Gessy Fonseca
 
ABORDAGENS TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais
 ABORDAGENS  TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais ABORDAGENS  TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais
ABORDAGENS TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais
Elicio Lima
 
Caderno III
Caderno IIICaderno III
Caderno III
Jorci Ponce
 
Resumo Caderno III
Resumo Caderno IIIResumo Caderno III
Resumo Caderno III
Leonardo Ornellas Pena
 
Teorias pedagogicas ntem 2014
Teorias pedagogicas ntem 2014Teorias pedagogicas ntem 2014
Teorias pedagogicas ntem 2014
Tatiana Professora
 
Proposta Curricular de SC Educação e Tecnologia
Proposta Curricular  de SC Educação e TecnologiaProposta Curricular  de SC Educação e Tecnologia
Proposta Curricular de SC Educação e Tecnologia
Richard Reinaldo
 

Semelhante a áReas de conhecimento e integração curricular (20)

PPP - E.E.B. Alexandre Ternes Filho
PPP - E.E.B. Alexandre Ternes FilhoPPP - E.E.B. Alexandre Ternes Filho
PPP - E.E.B. Alexandre Ternes Filho
 
Gre – sertão do alto pajeú
Gre – sertão do alto pajeúGre – sertão do alto pajeú
Gre – sertão do alto pajeú
 
Slide caderno 2 ciências humanas
Slide   caderno 2 ciências humanasSlide   caderno 2 ciências humanas
Slide caderno 2 ciências humanas
 
Eixos estruturantes e transversais do currículo
Eixos estruturantes e transversais do currículoEixos estruturantes e transversais do currículo
Eixos estruturantes e transversais do currículo
 
Trabalho pedagogia
Trabalho pedagogiaTrabalho pedagogia
Trabalho pedagogia
 
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
 
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
 
Ensino medio
Ensino medioEnsino medio
Ensino medio
 
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINICaderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
 
Sociologia e filosofia
Sociologia e filosofiaSociologia e filosofia
Sociologia e filosofia
 
Sociologia e filosofia
Sociologia e filosofiaSociologia e filosofia
Sociologia e filosofia
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
Atividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticasAtividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticas
 
Atividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticasAtividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticas
 
Curso de didática
Curso de didáticaCurso de didática
Curso de didática
 
ABORDAGENS TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais
 ABORDAGENS  TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais ABORDAGENS  TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais
ABORDAGENS TEÓRICAS E METODOLÓGICAS: Tendencias educacionais
 
Caderno III
Caderno IIICaderno III
Caderno III
 
Resumo Caderno III
Resumo Caderno IIIResumo Caderno III
Resumo Caderno III
 
Teorias pedagogicas ntem 2014
Teorias pedagogicas ntem 2014Teorias pedagogicas ntem 2014
Teorias pedagogicas ntem 2014
 
Proposta Curricular de SC Educação e Tecnologia
Proposta Curricular  de SC Educação e TecnologiaProposta Curricular  de SC Educação e Tecnologia
Proposta Curricular de SC Educação e Tecnologia
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 

áReas de conhecimento e integração curricular

  • 1. ÁREAS DE CONHECIMENTO E INTEGRAÇÃO CURRICULAR CADERNO 4 Prof. Orientadora de Estudo: Edna Mattos
  • 3. INTRODUÇÃO  Descontextualização cultural e social dos conhecimentos escolares  Insucesso e o fracasso da aprendizagem  Seleção e forma de organização dos conteúdos por áreas de conhecimento . O processo de avaliação no ensino.  DCEM- Fala no direito que o aluno tem de se inserir no mundo formal dos conhecimentos para que possa participar com inclusão na sociedade
  • 4. METAS DAS DCNEM  Preparar o educando para o trabalho e a cidadania.  Promover o aprimoramento do educando como pessoa humana: ética, autonomia intelectual, pensamento crítico.  Possibilitar a compreensão dos fundamentos científico – tecnológicos e dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática.
  • 5. O CONHECIMENTO  Vivemos em meio a uma enorme quantidade de conhecimentos especializados ( “que sabem de quase tudo sobre quase nada”) facilmente disponíveis.  Encontramo-nos totalmente alienados e inseguros diante das questões fundamentais das nossas vidas pessoal e coletiva.  Indispensável que se obtenha a integração dos conhecimentos ( das especialidades) a visão da totalidade da realidade.
  • 6. 1. O QUE SÃO AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E QUAL SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO ?  O desenvolvimento da ciência no séc.XX – quanto mais se especializou e se diferençou, maior número de novos campos que ela descobriu e descreveu .  Por exemplo, a biologia se desenvolveu tendo a vida orgânica como objeto; a química, a constituição das matérias orgânica e inorgânica e suas transformações; a física, os fenômenos da natureza mais gerais e suas propriedades de movimento,de energia, etc.  Contextualizar o conhecimento não é exemplificar em que ele se aplica ou que situações ele explica, mas sim mostrar que qualquer conhecimento existe como resposta a necessidades sociais. Estas, por sua vez, são históricas e também produto de disputas econômicas, sociais e culturais.
  • 7.  As áreas de conhecimento na organização curricular devem expressar o potencial de aglutinação, integração e interlocução de campos de saber, ampliando o diálogo entre os componentes curriculares e seus respectivos professores, com consequências perceptíveis pelos educandos e transformadoras da cultura escolar rígida e fragmentada.  A organização do currículo em áreas de conhecimento não deve substituir a especificidade de cada componente curricular. Elas podem expressar uma interessante unidade composta por uma diversidade que se articula e se comunica entre si. A interdisciplinaridade torna-se mais que um método, mas uma necessidade do currículo integrador .  Reflexão e ação Filme - Ponto de mutação
  • 8. 2 - ENSINO INTEGRADO : TRABALHO , CIÊNCIA ,TECNOLOGIA E CULTURA.  Diferenciamo-nos dos outros animais pela nossa capacidade de agir, não apenas instintivamente ou por reflexo, mas intencionalmente, em busca de uma mudança no ambiente que nos favoreça.  Trabalho: modo pelo qual o ser humano produz para si o mundo ,os objetos e as condições de que precisa para existir.  Trabalho é a primeira mediação entre o homem e a realidade material e social. O trabalho é princípio educativo em dois sentidos: - Ontológico – proporciona a compreensão do processo histórico de produção científica e tecnológica. - Histórico – organiza a base unitária, fundamenta e justifica a formação específica para o exercício de profissões. 
  • 9.  Cultura é o ambiente social formado com valores, crenças, objetos, conhecimentos, etc.  CULTURA – Articulação entre o conjunto de representações e comportamento.É o processo dinâmico de socialização, construindo o modo de vida de uma população determinada.  TECNOLOGIA – Utiliza o conhecimento da ciência, modifica-se e utiliza dados diferentes na pesquisa que realiza, construindo um conhecimento próprio, menos idealizada. Transforma e constrói não só a realidade física, mas também a social.
  • 10.  O currículo integrado organiza o conhecimento e desenvolve o processo de ensino – aprendizagem de forma que os conceitos sejam apreendidos como sistema de relações de uma totalidade concreta que se pretende explicar / compreender
  • 11.  A CIÊNCIA é a forma de resposta adaptativa de que somente o homem se revela capaz por ser o animal que vence as resistências do meio ambiente mediante o conhecimento dos fenômenos, ou seja, mediante a produção da sua existência, a individual e a da espécie.  A organização do currículo em áreas de conhecimento não deve substituir a especificidade de cada componente curricular. Em outras palavras, a compreensão do objeto mais geral da área não prescinde o estudo das particularidades desse objeto, e a relação entre elas deve ser construída .
  • 12.  Reconhecer tanto a ciência quanto a tecnologia como produções humanas, resultados de uma ação transformadora consciente do ser humano, é caracterizá-las como parte da cultura e, consequentemente, como bens que são constantemente produzidos e reproduzidos.  Tecnologia não apenas utiliza o conhecimento da ciência, como também o modifica, utiliza dados diferentes na pesquisa que realiza, construindo um conhecimento próprio, menos idealizado.  Tecnológico, portanto , não é apenas o que transforma e constrói a realidade física, mas igualmente aquilo que transforma e constrói a realidade social.
  • 13. REFLEXÃO E AÇÃO – P.26 A 28 Leitura do trecho retirado do livro Cartas de Théo, de Vicent Van Gogt. Responder as questões propostas 1 e 2 .
  • 14. 3- CAMINHOS PARA A APROXIMAÇÃO DO CONHECIMENTO DAS DIFERENTES ÁREAS: O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E A PESQUISA COMO PRINCÍPIO PEDAGÓGICO  O trabalho é mediação concreta entre o homem e a sua realidade natural social.  O ser humano ao transformar a realidade e a si mesmo pelo trabalho, produz também conhecimento, tecnologia, cultura.  A educação tem o trabalho como princípio educativo,por isso compreende que o ser humano é produtor de sua realidade, assim apropria-se dela e pode transformá-la.  Nós somos sujeitos de nossa história e de nosso conhecimento. ( veja- traduzindo p.31)
  • 15.  O trabalho como princípio educativo é, antes uma concepção de mundo, de homem e de sociedade e, portanto da própria educação.  Os processos de trabalho e as tecnologias correspondem a momentos da evolução das formas materiais de produção e podem ser um ponto de partida: 1- Histórico – o trabalho pedagógico procura evidenciar, junto aos conceitos: razões, problemas, necessidades, dúvidas que constituem o contexto de produção de um conhecimento. 2- Dialético – estuda-se um processo de trabalho em busca de captar os conceitos que os fundamentam e as relações que os constituem. Podem ser questionados por outros conceitos.
  • 16.  O estudo das Ciências Humanas e Sociais em articulação com as ciências da Natureza, das Linguagens, mais a Matemática, pode contribuir para a compreensão do processo histórico – social da produção de conhecimento, mediante o questionamento dos fenômenos naturais e sociais na sua “obviedade” aparente.
  • 17. INTERDISCIPLINARIEDADE E CONTEXTUALIDADE  Devem se aportar no fundamento epistemológico da relação entre parte e totalidade na produção da ciência e no processo educativo. A CONTEXTUALIZAÇÃO  Orientação pertinente e útil à formação integrada.  Estratégia de análise da realidade social pelos educandos com base no conhecimento sistematizado.  Processo que provoca a investigação coletiva, um interrogar permanente sobre a cotidianidade contraditória.  O processo de ensino – aprendizagem contextualizado é um importante meio de estimular a curiosidade e fortalecer a confiança do educando.
  • 18. A PESQUISA COMO PRINCÍPIO PEDAGÓGICO.  Relaciona-se ao trabalho como princípio educativo, pois contribui: -Construção da autonomia intelectual do educando; -Formação orientada pela busca de compreensão e soluções para as questões teóricas e práticas da vida cotidiana dos sujeitos trabalhadores.  A PESQUISA instiga no sentido da curiosidade em direção ao mundo que o cerca, gera inquietude.  O princípio pedagógico da pesquisa está em compreender a ciência não somente na dimensão metodológica, mas na filosófica.
  • 19. 3- REFLEXÃO E AÇÃO (P. 38)  Elaboração coletiva da proposta curricular integrada .
  • 20. 4- O PROJETO CURRICULAR E A RELAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS E DESSES COM SUAS PRÁTICAS  O currículo envolve mais do que a dimensão ensino – aprendizagem, sua elaboração deve se basear nos seguintes eixos ético – políticos: integração trabalho, ciência, tecnologia e cultura; integração escola – comunidade; democratização das relações de poder; enfrentamento das questões de repetência e de evasão; visão interdisciplinar; formação permanente dos educadores.  O desafio é o de ultrapassar a escola como espaço curricular, estendendo o planejamento e as práticas para outros espaços, que possibilitem incluir manifestações culturais, projetos e processos sociais na experiência escolar, de intervenção e de cooperação sistematizada em torno da construção do conhecimento.
  • 21.  A escola deve se assumir como parte de um todo social, estabelecendo possibilidades para a construção de um projeto educativo conjuntivo.  Espera-se que as relações escolares entre educadores, educandos e seus familiares, mais os demais trabalhadores da escola contribuam para a reflexão crítica sobre as relações sociais, econômicas, culturais e políticas, construindo-se em espaço permanente de troca, avaliação e produção de conhecimentos.
  • 22. REFLEXÃO E AÇÃO – P. 46 A 49  Leia a notícia “Ligações clandestinas causam riscos de incêndio” (pag.47 a 49 )  Realize em grupo a atividade proposta (pag. 49 )