SlideShare uma empresa Scribd logo
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                          SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

                         Projecto de Avaliação do Desempenho Docente


                                              Preâmbulo


                                                  (…)




                                               Artigo 1.º

                                                Objecto


O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente

estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos

Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD.


                                               Artigo 2.º

                                                Âmbito


O disposto no presente decreto regulamentar aplica-se aos docentes integrados na carreira, aos

docentes em período probatório e aos docentes em regime de contrato, nos termos legalmente

estabelecidos.

                                              Artigo 3.º

                                              Objectivos


1 — A avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria da qualidade do serviço

educativo e das aprendizagens dos alunos, bem como a valorização e o desenvolvimento pessoal

e profissional dos docentes.


2 — Para além dos objectivos estabelecidos no n.º 3 do artigo 40.º do ECD, o sistema de

avaliação do desempenho visa ainda permitir diagnosticar as necessidades de formação dos




                                                                                            1
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                          SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

docentes, devendo estas ser consideradas no plano de formação de cada agrupamento de escolas

ou escola não agrupada.


                                               Artigo 4.º

                                     Dimensões da Avaliação


1 - A avaliação do desempenho dos docentes incide sobre três dimensões do trabalho docente:


       a) Científica e pedagógica;

       b) Participação na escola e relação com a comunidade;

       c) Formação contínua e desenvolvimento profissional.


2 - Os avaliadores, os coordenadores e os membros dos órgãos de gestão são avaliados pelo

    Director em função da qualidade do trabalho realizado nas suas funções.


                                               Artigo 5.º

                                         Âmbito Temporal


1 - Professores do quadro:


       a) Os ciclos de avaliação coincidem com os escalões da carreira docente;

       b) O processo de avaliação do desempenho é concluído no final do ano escolar anterior

           ao ano da progressão do docente na carreira.


2 - No caso dos Professores contratados, o ciclo de avaliação corresponde à duração do contrato,

tendo como limite mínimo 180 dias de serviço lectivo efectivamente prestado.


3 - No caso dos Professores em período probatório, o ciclo de avaliação corresponde a um ano

escolar.




                                                                                                   2
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                          SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

                                               Artigo 6.º

                             Elementos de Referência da Avaliação


1 - Os objectivos e as metas fixadas no projecto educativo do agrupamento de escolas ou da

escola não agrupada.


2 - Os parâmetros estabelecidos para cada uma das dimensões aprovados pelo Conselho

Pedagógico.


3 - Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa por órgão a designar.




                                               Artigo 7.º

                                      Natureza da Avaliação


1- A avaliação é interna e externa.


2 - A avaliação interna é efectuada pela escola do docente e realizada em todos os escalões, com

   excepções previstas no artigo 20.º.


3- A avaliação externa centrada na observação de aulas, é efectuada por avaliadores externos, nas

   situações previstas nos termos do n.ºs 2 e 3 do artigo 18.º.


                                               Artigo 8.º

                                            Intervenientes


São intervenientes no processo de avaliação do desempenho docente:


   a) O Presidente do Conselho Geral;

   b) O Director;

   c) O Conselho Pedagógico;



                                                                                                   3
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                         SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

   d) A Secção de Avaliação de desempenho docente do Conselho Pedagógico, constituída

      pelo Director que preside e por quatro docentes de entre os membros do Conselho;

   e) Os avaliadores;

   f) Os docentes do quadro, contratados e em período probatório.



                                              Artigo 9.º

                        Competência do Presidente do Conselho Geral


Compete ao Presidente do Conselho Geral:

   a) Receber e homologar a decisão do recurso;

   b) Notificar o Director para os efeitos previstos no n.º4 do artigo 26.º.



                                             Artigo 10.º

                                   Competências do Director


Compete ao Director:

   a) A responsabilidade pelo processo de avaliação do desempenho docente;

   b) Assegurar as condições necessárias ao processo e homologar a decisão final;

   c) Apreciar e decidir as reclamações.



                                             Artigo 11.º

                            Competências do Conselho Pedagógico



Compete ao Conselho Pedagógico:


    a) Eleger os quatro docentes que integram a Secção;

    b) Aprovar o documento de registo e avaliação do desenvolvimento das actividades

       realizadas pelos avaliados nas dimensões previstas no artigo 4.º;
                                                                                         4
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                         SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

   c) Aprovar os parâmetros previstos no n.º3 do artigo 6.º.



                                             Artigo 12.º

           Competências da Secção de Avaliação do Desempenho Docente do Conselho

                                                 Pedagógico



Compete à Secção de Avaliação do Desempenho Docente do Conselho Pedagógico:

   a) Assegurar a aplicação do sistema de avaliação de desempenho tendo em consideração,

       designadamente o projectivo educativo da escola;

   b) Calendarizar os procedimentos de avaliação;

   c) Conceber e publicitar o instrumento de registo e avaliação do desenvolvimento das

       actividades realizadas pelos avaliados nas dimensões previstas no artigo 4.º;

   d) Acompanhar e avaliar todo o processo;

   e) Aprovar a classificação final integrando e harmonizando as propostas dos avaliadores,

      garantindo o rigor e a aplicação das percentagens de diferenciação de desempenhos,

      cabendo-lhe validar as avaliações de desempenho de Muito Bom, Excelente e

      Insuficiente.



                                             Artigo 13.º

                             Competências do Avaliador Externo


 1 - O avaliador externo integra uma bolsa de avaliadores constituída por docentes de todos os

     grupos de recrutamento.


 2 - Tem como competências proceder à avaliação na dimensão científica e pedagógica dos

     docentes sujeitos à avaliação externa.



                                                                                            5
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                         SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR




                                             Artigo 14.º

                             Competências do Avaliador Interno



 1- O avaliador interno é o Coordenador de departamento curricular ou quem ele designar.

 2- Compete ao avaliador interno a avaliação do desenvolvimento das actividades realizadas

     pelos avaliados nas dimensões previstas no artigo 4.º através:

    a) Do registo nos documentos aprovados pelo Conselho Pedagógico para esse efeito;

    b) Da análise do Projecto docente;

    c) Da apreciação do Relatório de auto-avaliação.




                                             Artigo 15.º

                                 Calendarização da Avaliação


A calendarização do processo de avaliação do desempenho docente é decidida em cada escola

pela Secção da avaliação do desempenho docente do Conselho Pedagógico em coordenação com

os avaliadores.


                                             Artigo 16.º

                      Documentos de Registo do Processo de Avaliação


1 - O processo de avaliação é constituído pelos seguintes documentos:


  a) O Projecto docente;

  b) Registo de participação nas dimensões previstas no artigo 4.º;

  c) Relatório de auto-avaliação e a sua apreciação qualitativa pelo avaliador.




                                                                                           6
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                          SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR




                                              Artigo 17.º

                                  Natureza do Projecto Docente


1- O Projecto docente tem por referência as metas e objectivos do Projecto Educativo do

  agrupamento de escolas ou escolas não agrupadas e consiste no enunciado do contributo do

  docente para a sua concretização, quer ao nível do departamento, quer ao nível do(s)

  conselho(s) de turma(s), utilizando um máximo de duas páginas;

2- O Projecto docente consiste num documento sintético sendo anualmente reformulável em

  função do serviço distribuído ou de alterações verificadas no contexto e apreciado pelo

  avaliador.

3- O Projecto docente tem carácter opcional podendo, caso o docente o pretenda, ser substituído

  pelo Projecto Educativo da Escola.



                                              Artigo 18.º

                                       Observação de Aulas



1 - A observação de aulas é da responsabilidade dos avaliadores externos, nos termos do artigo

    13.º, a quem compete proceder ao registo das observações.

2 - A observação de aulas é feita no último ano do ciclo de avaliação do docente.

3 - A observação de aulas é obrigatória para os docentes:

     a) Em período probatório;

     b) Nos 2.º e 4.º escalões da carreira;


4- Sempre que o docente requeira, em qualquer escalão, para a atribuição da menção de

    Excelente.


                                                                                             7
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                          SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR




                                              Artigo 19.º

                                   Relatório de Auto-avaliação

1 - O relatório de auto-avaliação tem por objectivo envolver o avaliado na identificação de

    oportunidades de desenvolvimento profissional e na melhoria dos processos de ensino e dos

    resultados escolares dos alunos.


2 – O relatório de auto-avaliação deve consistir num documento de reflexão, utilizando um

    máximo de três páginas, sobre a actividade desenvolvida no ciclo avaliativo, incidindo sobre:


       a) A prática lectiva;

       b) As actividades promovidas;

       c) A análise dos resultados obtidos;

       d) O contributo para os objectivos e metas fixados no Projecto Educativo da Escola;

       e) A formação realizada e o seu contributo para a melhoria da acção educativa.


3- O relatório de auto-avaliação é anual e reporta-se ao trabalho efectuado nesse período.

4- Para efeitos de avaliação de desempenho docente, o professor está dispensado de entregar os

  documentos que se encontrem arquivados na escola.

5- A não entrega injustificada pelo docente do seu relatório de auto-avaliação implica, para

  efeitos de progressão na carreira, a não contagem do tempo de serviço do ano escolar em

  curso.


                                              Artigo 20.º


                                       Isenção de Avaliação

Estão dispensados de avaliação os docentes:

   a) Posicionados no 8.º escalão da carreira docente, desde que, em todas as avaliações

       efectuadas ao longo da sua carreira, tenham obtido, no mínimo, classificação de Bom;
                                                                                               8
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                        SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

  b) Posicionados no 9.º e 10.º escalões da carreira docente;

  c) Que reúnam condições de aposentação durante o ciclo avaliativo.



                                            Artigo 21.º

                                      Efeitos da Avaliação


1 - A obtenção de uma menção de Excelente num ciclo avaliativo determina uma bonificação de

   um ano na progressão na carreira docente, a usufruir no escalão seguinte.

2 - A obtenção da menção de Muito Bom num ciclo avaliativo determina uma bonificação seis

   meses na progressão na carreira docente, a usufruir no escalão seguinte.

3 - A obtenção da menção de Excelente ou de Muito Bom no 4.º e 6.º escalões permite,

   respectivamente, a progressão aos 5.º e 7.º escalões sem dependência de vagas.

4 - A atribuição de menção qualitativa igual ou superior a Bom determina:

      a) Que seja considerado o período de tempo a que respeita para efeitos de progressão na

      carreira;

      b) A conversão do contrato a termo em contrato por tempo indeterminado em resultado da

      colocação no concurso externo, previsto na alínea b) do n.º 1 do artigo 5.º do Decreto-Lei

      n.º 20/2006, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º51/2009 de 27 de Fevereiro, no

      termo do período probatório.

5 - A obtenção das menções de Insuficiente ou de Regular determina a obrigatoriedade de um

      plano de formação do docente a concretizar no ciclo avaliativo seguinte, bem como a não

      contagem do respectivo tempo de serviço para efeitos de progressão na carreira docente.

6 – Para os professores do quadro, a obtenção de duas menções de Insuficiente determina a

   instauração de um processo de averiguações.

7 - Para os professores contratados, a obtenção de duas menções de Insuficiente determina a

   impossibilidade de serem admitidos a qualquer concurso.

                                                                                                9
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                         SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR




                                             Artigo 22.º

                                     Resultado da Avaliação


1 – Os avaliadores atribuem a nota final no fim de cada ciclo de avaliação, na escala graduada de

    um a dez.


2 – As classificações são convertidas em menções qualitativas nos seguintes termos:


       a) Ordenação de todas as classificações por ordem crescente;

       b) Atribuição da menção:

           i)     Excelente se, cumulativamente, a classificação for igual ou superior ao

                  percentil 95, não for inferior a nove e o docente tiver tido aulas observadas;

           ii)    Muito Bom se, cumulativamente, a classificação for igual ou superior ao

                  percentil 75, não for inferior a oito e não tenha sido atribuída ao docente a

                  menção Excelente ;

           iii)   Bom se, cumulativamente, a classificação for igual ou superior a 6,5 e não

                  tiver sido atribuída a menção de Muito Bom ou Excelente;

           iv)    Regular se a classificação for igual ou superior a 5 e inferior a 6,5;

           v)     Insuficiente se a classificação for inferior a 5.




3 - As percentagens referidas no número anterior podem ser acrescidas por despacho dos

membros do Governo responsáveis pelas áreas da Administração Pública e da Educação, tendo

por referência os resultados obtidos pelo agrupamento de escolas ou escola não agrupada na

respectiva avaliação externa.




                                                                                                   10
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                          SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

4 - A atribuição das menções qualitativas de Muito Bom e Excelente depende do cumprimento

efectivamente verificado de 95 % e 100 % respectivamente da componente lectiva distribuída em

cada um dos anos a que se reporta o ciclo de avaliação.



                                              Artigo 23.º

                                      Critérios de Desempate


Quando, para os efeitos previstos na lei, for necessário proceder a desempate entre docentes que

tenham a mesma classificação final na avaliação de desempenho, releva consecutivamente, a

última avaliação de desempenho, o tempo de serviço na carreira e no exercício de funções

públicas.



                                              Artigo 24.º

                                           Avaliação Final


1 - A Secção de avaliação do desempenho docente analisa os elementos de avaliação dos

avaliadores e atribuir a menção quantitativa e qualitativa.


2 – A avaliação final é comunicada por escrito ao avaliado.




                                              Artigo 25.º

                                             Reclamação


1 - Da decisão do Director cabe reclamação a apresentar no prazo de 5 dias úteis a contar da data

   da notificação, devendo a respectiva decisão ser proferida no prazo de 15 dias úteis.




                                                                                              11
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                          SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

2 - Na decisão sobre a reclamação o Director tem em conta os fundamentos apresentados pelo

  avaliado e pelo avaliador, bem como todos os documentos que compõem o processo de

  avaliação.


3 - Considera-se, para todos os efeitos, que a não apresentação de reclamação equivale à

    aceitação da avaliação obtida.




                                              Artigo 26.º

                                       Recurso Hierárquico

1 - Da decisão sobre a reclamação cabe recurso hierárquico para o Presidente do Conselho Geral

  a interpor no prazo de dez dias úteis a contar da data da notificação.

2 - Sempre que o Presidente do Conselho Geral não seja um docente cabe a este órgão eleger de

  entre os seus membros um docente para os efeitos previstos no n.º 1.

3- No recurso o avaliado indica o seu árbitro e respectivos contactos.

4 - Recebido o recurso, o Presidente ou quem o substitua nos termos do n.º 2 notifica o Director

  para em dez dias úteis contra-alegar e nomear o seu árbitro.

5 - No prazo de cinco dias úteis após a notificação referida no número anterior os dois árbitros

  reúnem-se para escolher um terceiro árbitro, que preside.

6 - Todos os árbitros são docentes da escola.

7 - No prazo de dez dias úteis os árbitros submetem à homologação do Presidente do Conselho

  Geral, ou quem o substitui nos termos do n.º 2, a decisão do recurso.

8 - O prazo de homologação é de cinco dias úteis.




                                                                                             12
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                         SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

                                             Artigo 27.º

                    Efeitos do Deferimento da Reclamação ou do Recurso


Sempre que do deferimento da reclamação ou do recurso resulte uma avaliação de Muito Bom ou

Excelente, o agrupamento ou a escola não agrupada tem direito a menos uma menção equivalente

no ano seguinte.



                                             Artigo 28.º

                               Disposições Finais e Transitórias


1- Após o final do primeiro ciclo de avaliação do desempenho docente com base no articulado do

  presente normativo, e fazendo cumprir o princípio de que nenhum docente será prejudicado

  em resultado das avaliações obtidas nos modelos de avaliação do desempenho precedentes,

  cada docente optará para efeitos de progressão na carreira pela classificação mais favorável

  nos tês ciclos entretanto realizados.


2 - O primeiro ano do ciclo avaliativo será destinado à construção do dispositivo de avaliação e à

    formação interna e/ou externa dos intervenientes, não havendo lugar à observação de aulas.



                                             Artigo 29.º

                               Sistemas Específicos de Avaliação


1 – A avaliação de desempenho dos docentes que se encontrem em exercício de funções fora dos

  estabelecimentos de educação da rede do Ministério da Educação e Ciência será

  regulamentada posteriormente.


2 - Será objecto de despacho conjunto dos membros do Governo responsáveis pela educação e

  administração pública as regras de correspondência entre a avaliação de desempenho dos

  docentes em regime de mobilidade em organismos e serviços da Administração Pública, feita
                                                                                                13
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
                         SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

  nos termos do regime geral do sistema integrado de gestão e avaliação de desempenho que lhe

  é aplicado.


                                             Artigo 30.º

                                  Garantias de Imparcialidade

Aos intervenientes no processo de avaliação é aplicado o disposto no regime geral dos

impedimentos da Administração Pública.



                                             Artigo 31.º
                           Requisitos Funcionais para a Avaliação


1 - No caso dos docentes que no ciclo de avaliação em pelo menos 2/3 do tempo não tenham o

    correspondente exercício efectivo, conforme definido no número 2 do artigo 76.º do ECD,

    não é realizada a avaliação nos termos do presente capítulo.

2 - No caso previsto no número anterior o docente que não for avaliado, se pretender, pode

    requerer a ponderação curricular.

3 - No caso do número anterior cabe ao conselho pedagógico fixar os critérios, tornando pública

    a respectiva acta.




                                                                                            14

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Despacho 13981 2012
Despacho 13981 2012Despacho 13981 2012
Despacho 13981 2012
Cfae Avcoa
 
Dec reg 26_2012_21fev
Dec reg 26_2012_21fevDec reg 26_2012_21fev
Dec reg 26_2012_21fev
mariacarmcorreia
 
Decreto - Lei
Decreto - LeiDecreto - Lei
Decreto - Lei
Ministerio_Educacao
 
Objectivos da avaliação do desempenho
Objectivos da avaliação do desempenhoObjectivos da avaliação do desempenho
Objectivos da avaliação do desempenho
ANA GRALHEIRO
 
Saerjinhomanualdiretor
SaerjinhomanualdiretorSaerjinhomanualdiretor
Saerjinhomanualdiretor
Mariangela Santos
 
Add plataforma_questões_e_respostas_10_12_12_final
Add  plataforma_questões_e_respostas_10_12_12_finalAdd  plataforma_questões_e_respostas_10_12_12_final
Add plataforma_questões_e_respostas_10_12_12_final
Arménio Rocha
 
Regul pd
Regul pdRegul pd
Regul pd
Miguel Leal
 
Norma 02 2012_com_modelos2
Norma 02 2012_com_modelos2Norma 02 2012_com_modelos2
Norma 02 2012_com_modelos2
Paula Maria Baptista
 
Gabriel portifólio estágio supervisionado ii
Gabriel   portifólio estágio supervisionado iiGabriel   portifólio estágio supervisionado ii
Gabriel portifólio estágio supervisionado ii
familiaestagio
 
PCAGP - SEE SP - Algumas leis
PCAGP - SEE SP - Algumas leisPCAGP - SEE SP - Algumas leis
PCAGP - SEE SP - Algumas leis
Liana Maura
 
Despacho normativo 24_2012
Despacho normativo 24_2012Despacho normativo 24_2012
Despacho normativo 24_2012
Cfae Avcoa
 
Add global
Add globalAdd global
Add global
jmabp4
 
Portaria 15
Portaria 15Portaria 15
Portaria 15
mariacarmcorreia
 
Progrma de monitoria
Progrma de  monitoriaProgrma de  monitoria
Progrma de monitoria
Emanuel Bento
 
4 020 - 2012 - monitoria academica graduacao uenp
4   020 - 2012 - monitoria academica graduacao uenp4   020 - 2012 - monitoria academica graduacao uenp
4 020 - 2012 - monitoria academica graduacao uenp
Direcao Ccsa-Jacarezinho Direito
 
Avaliação Do Desempenho
Avaliação Do DesempenhoAvaliação Do Desempenho
Avaliação Do Desempenho
CoordenadorTic
 
Programa_de_curso
Programa_de_cursoPrograma_de_curso
Programa_de_curso
rvccno
 

Mais procurados (17)

Despacho 13981 2012
Despacho 13981 2012Despacho 13981 2012
Despacho 13981 2012
 
Dec reg 26_2012_21fev
Dec reg 26_2012_21fevDec reg 26_2012_21fev
Dec reg 26_2012_21fev
 
Decreto - Lei
Decreto - LeiDecreto - Lei
Decreto - Lei
 
Objectivos da avaliação do desempenho
Objectivos da avaliação do desempenhoObjectivos da avaliação do desempenho
Objectivos da avaliação do desempenho
 
Saerjinhomanualdiretor
SaerjinhomanualdiretorSaerjinhomanualdiretor
Saerjinhomanualdiretor
 
Add plataforma_questões_e_respostas_10_12_12_final
Add  plataforma_questões_e_respostas_10_12_12_finalAdd  plataforma_questões_e_respostas_10_12_12_final
Add plataforma_questões_e_respostas_10_12_12_final
 
Regul pd
Regul pdRegul pd
Regul pd
 
Norma 02 2012_com_modelos2
Norma 02 2012_com_modelos2Norma 02 2012_com_modelos2
Norma 02 2012_com_modelos2
 
Gabriel portifólio estágio supervisionado ii
Gabriel   portifólio estágio supervisionado iiGabriel   portifólio estágio supervisionado ii
Gabriel portifólio estágio supervisionado ii
 
PCAGP - SEE SP - Algumas leis
PCAGP - SEE SP - Algumas leisPCAGP - SEE SP - Algumas leis
PCAGP - SEE SP - Algumas leis
 
Despacho normativo 24_2012
Despacho normativo 24_2012Despacho normativo 24_2012
Despacho normativo 24_2012
 
Add global
Add globalAdd global
Add global
 
Portaria 15
Portaria 15Portaria 15
Portaria 15
 
Progrma de monitoria
Progrma de  monitoriaProgrma de  monitoria
Progrma de monitoria
 
4 020 - 2012 - monitoria academica graduacao uenp
4   020 - 2012 - monitoria academica graduacao uenp4   020 - 2012 - monitoria academica graduacao uenp
4 020 - 2012 - monitoria academica graduacao uenp
 
Avaliação Do Desempenho
Avaliação Do DesempenhoAvaliação Do Desempenho
Avaliação Do Desempenho
 
Programa_de_curso
Programa_de_cursoPrograma_de_curso
Programa_de_curso
 

Semelhante a Proposta ME ADD

ADD-2011-09SET
ADD-2011-09SETADD-2011-09SET
Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02
Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02
Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02
Jhosyrene Oliveira
 
Tcc manual
Tcc manualTcc manual
Tcc manual
ETEC/SBC
 
Despacho normativo 24_2012
Despacho normativo 24_2012Despacho normativo 24_2012
Despacho normativo 24_2012
mariacarmcorreia
 
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1
Tito Romeu Gomes de Sousa Maia Mendes
 
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1 (2)
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1 (2)AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1 (2)
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1 (2)
Tito Romeu Gomes de Sousa Maia Mendes
 
Despacho normativo n. 24 a 2012
Despacho normativo n. 24 a  2012Despacho normativo n. 24 a  2012
Despacho normativo n. 24 a 2012
Adelaide Barbosa
 
Despacho fichas-add
Despacho fichas-addDespacho fichas-add
Despacho fichas-add
ANA GRALHEIRO
 
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicialAs fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
ANA GRALHEIRO
 
Aval Des Pessoal Docente
Aval Des  Pessoal DocenteAval Des  Pessoal Docente
Aval Des Pessoal Docente
k j
 
Add power-point
Add   power-pointAdd   power-point
Add power-point
Isabel Matias
 
Regimento efa escolar
Regimento efa escolarRegimento efa escolar
Regimento efa escolar
dulcesasil
 
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicialAs fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
ANA GRALHEIRO
 
Treinamento comissões avaliação est probatorio
Treinamento comissões avaliação est probatorioTreinamento comissões avaliação est probatorio
Treinamento comissões avaliação est probatorio
Escola Estadual Deputado Emílio Justo
 
Despacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_globalDespacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_global
Maria André
 
Despacho fichas avaliacao_ADD
Despacho fichas avaliacao_ADDDespacho fichas avaliacao_ADD
Despacho fichas avaliacao_ADD
Maria André
 
Despacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_globalDespacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_global
Maria André
 
Resolução Decreto Federal 01/2002
Resolução Decreto Federal   01/2002Resolução Decreto Federal   01/2002
Resolução Decreto Federal 01/2002
asustecnologia
 
Directivas ccad 6[1]
Directivas ccad 6[1]Directivas ccad 6[1]
Directivas ccad 6[1]
lpaulas3
 
Instrução Normativa 02/2016
Instrução Normativa 02/2016Instrução Normativa 02/2016
Instrução Normativa 02/2016
Flavia Amâncio Carneiro
 

Semelhante a Proposta ME ADD (20)

ADD-2011-09SET
ADD-2011-09SETADD-2011-09SET
ADD-2011-09SET
 
Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02
Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02
Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02
 
Tcc manual
Tcc manualTcc manual
Tcc manual
 
Despacho normativo 24_2012
Despacho normativo 24_2012Despacho normativo 24_2012
Despacho normativo 24_2012
 
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1
 
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1 (2)
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1 (2)AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1 (2)
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE_Comunicado-1 (2)
 
Despacho normativo n. 24 a 2012
Despacho normativo n. 24 a  2012Despacho normativo n. 24 a  2012
Despacho normativo n. 24 a 2012
 
Despacho fichas-add
Despacho fichas-addDespacho fichas-add
Despacho fichas-add
 
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicialAs fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
 
Aval Des Pessoal Docente
Aval Des  Pessoal DocenteAval Des  Pessoal Docente
Aval Des Pessoal Docente
 
Add power-point
Add   power-pointAdd   power-point
Add power-point
 
Regimento efa escolar
Regimento efa escolarRegimento efa escolar
Regimento efa escolar
 
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicialAs fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
 
Treinamento comissões avaliação est probatorio
Treinamento comissões avaliação est probatorioTreinamento comissões avaliação est probatorio
Treinamento comissões avaliação est probatorio
 
Despacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_globalDespacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_global
 
Despacho fichas avaliacao_ADD
Despacho fichas avaliacao_ADDDespacho fichas avaliacao_ADD
Despacho fichas avaliacao_ADD
 
Despacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_globalDespacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_global
 
Resolução Decreto Federal 01/2002
Resolução Decreto Federal   01/2002Resolução Decreto Federal   01/2002
Resolução Decreto Federal 01/2002
 
Directivas ccad 6[1]
Directivas ccad 6[1]Directivas ccad 6[1]
Directivas ccad 6[1]
 
Instrução Normativa 02/2016
Instrução Normativa 02/2016Instrução Normativa 02/2016
Instrução Normativa 02/2016
 

Mais de Jose Manuel Alho

Biblio. municipal
Biblio. municipalBiblio. municipal
Biblio. municipal
Jose Manuel Alho
 
Biblioteca Municipal Guilherme
Biblioteca Municipal GuilhermeBiblioteca Municipal Guilherme
Biblioteca Municipal Guilherme
Jose Manuel Alho
 
Sub ferias natal_a
Sub ferias natal_aSub ferias natal_a
Sub ferias natal_a
Jose Manuel Alho
 
Sub ferias natal_a
Sub ferias natal_aSub ferias natal_a
Sub ferias natal_a
Jose Manuel Alho
 
Eça+Queirós
Eça+QueirósEça+Queirós
Eça+Queirós
Jose Manuel Alho
 
Fenprof ADD
Fenprof ADDFenprof ADD
Fenprof ADD
Jose Manuel Alho
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Jose Manuel Alho
 

Mais de Jose Manuel Alho (7)

Biblio. municipal
Biblio. municipalBiblio. municipal
Biblio. municipal
 
Biblioteca Municipal Guilherme
Biblioteca Municipal GuilhermeBiblioteca Municipal Guilherme
Biblioteca Municipal Guilherme
 
Sub ferias natal_a
Sub ferias natal_aSub ferias natal_a
Sub ferias natal_a
 
Sub ferias natal_a
Sub ferias natal_aSub ferias natal_a
Sub ferias natal_a
 
Eça+Queirós
Eça+QueirósEça+Queirós
Eça+Queirós
 
Fenprof ADD
Fenprof ADDFenprof ADD
Fenprof ADD
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 

Último

Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 

Proposta ME ADD

  • 1. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo (…) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.º Âmbito O disposto no presente decreto regulamentar aplica-se aos docentes integrados na carreira, aos docentes em período probatório e aos docentes em regime de contrato, nos termos legalmente estabelecidos. Artigo 3.º Objectivos 1 — A avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria da qualidade do serviço educativo e das aprendizagens dos alunos, bem como a valorização e o desenvolvimento pessoal e profissional dos docentes. 2 — Para além dos objectivos estabelecidos no n.º 3 do artigo 40.º do ECD, o sistema de avaliação do desempenho visa ainda permitir diagnosticar as necessidades de formação dos 1
  • 2. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR docentes, devendo estas ser consideradas no plano de formação de cada agrupamento de escolas ou escola não agrupada. Artigo 4.º Dimensões da Avaliação 1 - A avaliação do desempenho dos docentes incide sobre três dimensões do trabalho docente: a) Científica e pedagógica; b) Participação na escola e relação com a comunidade; c) Formação contínua e desenvolvimento profissional. 2 - Os avaliadores, os coordenadores e os membros dos órgãos de gestão são avaliados pelo Director em função da qualidade do trabalho realizado nas suas funções. Artigo 5.º Âmbito Temporal 1 - Professores do quadro: a) Os ciclos de avaliação coincidem com os escalões da carreira docente; b) O processo de avaliação do desempenho é concluído no final do ano escolar anterior ao ano da progressão do docente na carreira. 2 - No caso dos Professores contratados, o ciclo de avaliação corresponde à duração do contrato, tendo como limite mínimo 180 dias de serviço lectivo efectivamente prestado. 3 - No caso dos Professores em período probatório, o ciclo de avaliação corresponde a um ano escolar. 2
  • 3. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Artigo 6.º Elementos de Referência da Avaliação 1 - Os objectivos e as metas fixadas no projecto educativo do agrupamento de escolas ou da escola não agrupada. 2 - Os parâmetros estabelecidos para cada uma das dimensões aprovados pelo Conselho Pedagógico. 3 - Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa por órgão a designar. Artigo 7.º Natureza da Avaliação 1- A avaliação é interna e externa. 2 - A avaliação interna é efectuada pela escola do docente e realizada em todos os escalões, com excepções previstas no artigo 20.º. 3- A avaliação externa centrada na observação de aulas, é efectuada por avaliadores externos, nas situações previstas nos termos do n.ºs 2 e 3 do artigo 18.º. Artigo 8.º Intervenientes São intervenientes no processo de avaliação do desempenho docente: a) O Presidente do Conselho Geral; b) O Director; c) O Conselho Pedagógico; 3
  • 4. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR d) A Secção de Avaliação de desempenho docente do Conselho Pedagógico, constituída pelo Director que preside e por quatro docentes de entre os membros do Conselho; e) Os avaliadores; f) Os docentes do quadro, contratados e em período probatório. Artigo 9.º Competência do Presidente do Conselho Geral Compete ao Presidente do Conselho Geral: a) Receber e homologar a decisão do recurso; b) Notificar o Director para os efeitos previstos no n.º4 do artigo 26.º. Artigo 10.º Competências do Director Compete ao Director: a) A responsabilidade pelo processo de avaliação do desempenho docente; b) Assegurar as condições necessárias ao processo e homologar a decisão final; c) Apreciar e decidir as reclamações. Artigo 11.º Competências do Conselho Pedagógico Compete ao Conselho Pedagógico: a) Eleger os quatro docentes que integram a Secção; b) Aprovar o documento de registo e avaliação do desenvolvimento das actividades realizadas pelos avaliados nas dimensões previstas no artigo 4.º; 4
  • 5. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR c) Aprovar os parâmetros previstos no n.º3 do artigo 6.º. Artigo 12.º Competências da Secção de Avaliação do Desempenho Docente do Conselho Pedagógico Compete à Secção de Avaliação do Desempenho Docente do Conselho Pedagógico: a) Assegurar a aplicação do sistema de avaliação de desempenho tendo em consideração, designadamente o projectivo educativo da escola; b) Calendarizar os procedimentos de avaliação; c) Conceber e publicitar o instrumento de registo e avaliação do desenvolvimento das actividades realizadas pelos avaliados nas dimensões previstas no artigo 4.º; d) Acompanhar e avaliar todo o processo; e) Aprovar a classificação final integrando e harmonizando as propostas dos avaliadores, garantindo o rigor e a aplicação das percentagens de diferenciação de desempenhos, cabendo-lhe validar as avaliações de desempenho de Muito Bom, Excelente e Insuficiente. Artigo 13.º Competências do Avaliador Externo 1 - O avaliador externo integra uma bolsa de avaliadores constituída por docentes de todos os grupos de recrutamento. 2 - Tem como competências proceder à avaliação na dimensão científica e pedagógica dos docentes sujeitos à avaliação externa. 5
  • 6. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Artigo 14.º Competências do Avaliador Interno 1- O avaliador interno é o Coordenador de departamento curricular ou quem ele designar. 2- Compete ao avaliador interno a avaliação do desenvolvimento das actividades realizadas pelos avaliados nas dimensões previstas no artigo 4.º através: a) Do registo nos documentos aprovados pelo Conselho Pedagógico para esse efeito; b) Da análise do Projecto docente; c) Da apreciação do Relatório de auto-avaliação. Artigo 15.º Calendarização da Avaliação A calendarização do processo de avaliação do desempenho docente é decidida em cada escola pela Secção da avaliação do desempenho docente do Conselho Pedagógico em coordenação com os avaliadores. Artigo 16.º Documentos de Registo do Processo de Avaliação 1 - O processo de avaliação é constituído pelos seguintes documentos: a) O Projecto docente; b) Registo de participação nas dimensões previstas no artigo 4.º; c) Relatório de auto-avaliação e a sua apreciação qualitativa pelo avaliador. 6
  • 7. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Artigo 17.º Natureza do Projecto Docente 1- O Projecto docente tem por referência as metas e objectivos do Projecto Educativo do agrupamento de escolas ou escolas não agrupadas e consiste no enunciado do contributo do docente para a sua concretização, quer ao nível do departamento, quer ao nível do(s) conselho(s) de turma(s), utilizando um máximo de duas páginas; 2- O Projecto docente consiste num documento sintético sendo anualmente reformulável em função do serviço distribuído ou de alterações verificadas no contexto e apreciado pelo avaliador. 3- O Projecto docente tem carácter opcional podendo, caso o docente o pretenda, ser substituído pelo Projecto Educativo da Escola. Artigo 18.º Observação de Aulas 1 - A observação de aulas é da responsabilidade dos avaliadores externos, nos termos do artigo 13.º, a quem compete proceder ao registo das observações. 2 - A observação de aulas é feita no último ano do ciclo de avaliação do docente. 3 - A observação de aulas é obrigatória para os docentes: a) Em período probatório; b) Nos 2.º e 4.º escalões da carreira; 4- Sempre que o docente requeira, em qualquer escalão, para a atribuição da menção de Excelente. 7
  • 8. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Artigo 19.º Relatório de Auto-avaliação 1 - O relatório de auto-avaliação tem por objectivo envolver o avaliado na identificação de oportunidades de desenvolvimento profissional e na melhoria dos processos de ensino e dos resultados escolares dos alunos. 2 – O relatório de auto-avaliação deve consistir num documento de reflexão, utilizando um máximo de três páginas, sobre a actividade desenvolvida no ciclo avaliativo, incidindo sobre: a) A prática lectiva; b) As actividades promovidas; c) A análise dos resultados obtidos; d) O contributo para os objectivos e metas fixados no Projecto Educativo da Escola; e) A formação realizada e o seu contributo para a melhoria da acção educativa. 3- O relatório de auto-avaliação é anual e reporta-se ao trabalho efectuado nesse período. 4- Para efeitos de avaliação de desempenho docente, o professor está dispensado de entregar os documentos que se encontrem arquivados na escola. 5- A não entrega injustificada pelo docente do seu relatório de auto-avaliação implica, para efeitos de progressão na carreira, a não contagem do tempo de serviço do ano escolar em curso. Artigo 20.º Isenção de Avaliação Estão dispensados de avaliação os docentes: a) Posicionados no 8.º escalão da carreira docente, desde que, em todas as avaliações efectuadas ao longo da sua carreira, tenham obtido, no mínimo, classificação de Bom; 8
  • 9. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR b) Posicionados no 9.º e 10.º escalões da carreira docente; c) Que reúnam condições de aposentação durante o ciclo avaliativo. Artigo 21.º Efeitos da Avaliação 1 - A obtenção de uma menção de Excelente num ciclo avaliativo determina uma bonificação de um ano na progressão na carreira docente, a usufruir no escalão seguinte. 2 - A obtenção da menção de Muito Bom num ciclo avaliativo determina uma bonificação seis meses na progressão na carreira docente, a usufruir no escalão seguinte. 3 - A obtenção da menção de Excelente ou de Muito Bom no 4.º e 6.º escalões permite, respectivamente, a progressão aos 5.º e 7.º escalões sem dependência de vagas. 4 - A atribuição de menção qualitativa igual ou superior a Bom determina: a) Que seja considerado o período de tempo a que respeita para efeitos de progressão na carreira; b) A conversão do contrato a termo em contrato por tempo indeterminado em resultado da colocação no concurso externo, previsto na alínea b) do n.º 1 do artigo 5.º do Decreto-Lei n.º 20/2006, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º51/2009 de 27 de Fevereiro, no termo do período probatório. 5 - A obtenção das menções de Insuficiente ou de Regular determina a obrigatoriedade de um plano de formação do docente a concretizar no ciclo avaliativo seguinte, bem como a não contagem do respectivo tempo de serviço para efeitos de progressão na carreira docente. 6 – Para os professores do quadro, a obtenção de duas menções de Insuficiente determina a instauração de um processo de averiguações. 7 - Para os professores contratados, a obtenção de duas menções de Insuficiente determina a impossibilidade de serem admitidos a qualquer concurso. 9
  • 10. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Artigo 22.º Resultado da Avaliação 1 – Os avaliadores atribuem a nota final no fim de cada ciclo de avaliação, na escala graduada de um a dez. 2 – As classificações são convertidas em menções qualitativas nos seguintes termos: a) Ordenação de todas as classificações por ordem crescente; b) Atribuição da menção: i) Excelente se, cumulativamente, a classificação for igual ou superior ao percentil 95, não for inferior a nove e o docente tiver tido aulas observadas; ii) Muito Bom se, cumulativamente, a classificação for igual ou superior ao percentil 75, não for inferior a oito e não tenha sido atribuída ao docente a menção Excelente ; iii) Bom se, cumulativamente, a classificação for igual ou superior a 6,5 e não tiver sido atribuída a menção de Muito Bom ou Excelente; iv) Regular se a classificação for igual ou superior a 5 e inferior a 6,5; v) Insuficiente se a classificação for inferior a 5. 3 - As percentagens referidas no número anterior podem ser acrescidas por despacho dos membros do Governo responsáveis pelas áreas da Administração Pública e da Educação, tendo por referência os resultados obtidos pelo agrupamento de escolas ou escola não agrupada na respectiva avaliação externa. 10
  • 11. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR 4 - A atribuição das menções qualitativas de Muito Bom e Excelente depende do cumprimento efectivamente verificado de 95 % e 100 % respectivamente da componente lectiva distribuída em cada um dos anos a que se reporta o ciclo de avaliação. Artigo 23.º Critérios de Desempate Quando, para os efeitos previstos na lei, for necessário proceder a desempate entre docentes que tenham a mesma classificação final na avaliação de desempenho, releva consecutivamente, a última avaliação de desempenho, o tempo de serviço na carreira e no exercício de funções públicas. Artigo 24.º Avaliação Final 1 - A Secção de avaliação do desempenho docente analisa os elementos de avaliação dos avaliadores e atribuir a menção quantitativa e qualitativa. 2 – A avaliação final é comunicada por escrito ao avaliado. Artigo 25.º Reclamação 1 - Da decisão do Director cabe reclamação a apresentar no prazo de 5 dias úteis a contar da data da notificação, devendo a respectiva decisão ser proferida no prazo de 15 dias úteis. 11
  • 12. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR 2 - Na decisão sobre a reclamação o Director tem em conta os fundamentos apresentados pelo avaliado e pelo avaliador, bem como todos os documentos que compõem o processo de avaliação. 3 - Considera-se, para todos os efeitos, que a não apresentação de reclamação equivale à aceitação da avaliação obtida. Artigo 26.º Recurso Hierárquico 1 - Da decisão sobre a reclamação cabe recurso hierárquico para o Presidente do Conselho Geral a interpor no prazo de dez dias úteis a contar da data da notificação. 2 - Sempre que o Presidente do Conselho Geral não seja um docente cabe a este órgão eleger de entre os seus membros um docente para os efeitos previstos no n.º 1. 3- No recurso o avaliado indica o seu árbitro e respectivos contactos. 4 - Recebido o recurso, o Presidente ou quem o substitua nos termos do n.º 2 notifica o Director para em dez dias úteis contra-alegar e nomear o seu árbitro. 5 - No prazo de cinco dias úteis após a notificação referida no número anterior os dois árbitros reúnem-se para escolher um terceiro árbitro, que preside. 6 - Todos os árbitros são docentes da escola. 7 - No prazo de dez dias úteis os árbitros submetem à homologação do Presidente do Conselho Geral, ou quem o substitui nos termos do n.º 2, a decisão do recurso. 8 - O prazo de homologação é de cinco dias úteis. 12
  • 13. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Artigo 27.º Efeitos do Deferimento da Reclamação ou do Recurso Sempre que do deferimento da reclamação ou do recurso resulte uma avaliação de Muito Bom ou Excelente, o agrupamento ou a escola não agrupada tem direito a menos uma menção equivalente no ano seguinte. Artigo 28.º Disposições Finais e Transitórias 1- Após o final do primeiro ciclo de avaliação do desempenho docente com base no articulado do presente normativo, e fazendo cumprir o princípio de que nenhum docente será prejudicado em resultado das avaliações obtidas nos modelos de avaliação do desempenho precedentes, cada docente optará para efeitos de progressão na carreira pela classificação mais favorável nos tês ciclos entretanto realizados. 2 - O primeiro ano do ciclo avaliativo será destinado à construção do dispositivo de avaliação e à formação interna e/ou externa dos intervenientes, não havendo lugar à observação de aulas. Artigo 29.º Sistemas Específicos de Avaliação 1 – A avaliação de desempenho dos docentes que se encontrem em exercício de funções fora dos estabelecimentos de educação da rede do Ministério da Educação e Ciência será regulamentada posteriormente. 2 - Será objecto de despacho conjunto dos membros do Governo responsáveis pela educação e administração pública as regras de correspondência entre a avaliação de desempenho dos docentes em regime de mobilidade em organismos e serviços da Administração Pública, feita 13
  • 14. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR nos termos do regime geral do sistema integrado de gestão e avaliação de desempenho que lhe é aplicado. Artigo 30.º Garantias de Imparcialidade Aos intervenientes no processo de avaliação é aplicado o disposto no regime geral dos impedimentos da Administração Pública. Artigo 31.º Requisitos Funcionais para a Avaliação 1 - No caso dos docentes que no ciclo de avaliação em pelo menos 2/3 do tempo não tenham o correspondente exercício efectivo, conforme definido no número 2 do artigo 76.º do ECD, não é realizada a avaliação nos termos do presente capítulo. 2 - No caso previsto no número anterior o docente que não for avaliado, se pretender, pode requerer a ponderação curricular. 3 - No caso do número anterior cabe ao conselho pedagógico fixar os critérios, tornando pública a respectiva acta. 14