SlideShare uma empresa Scribd logo
1º ENCONTRO DE
FORMAÇÃO PCAGP
19 de Junho de 2013
NÚCLEO PEDAGÓGICO
DER CENTRO
RESOLUÇÃO SE 70 26/10/2010
Dispõe sobre os perfis profissionais, competências e
habilidades requeridos dos educadores da rede
pública estadual e os referenciais bibliográficos que
fundamentam os exames, concursos e processos
seletivos, e dá providências correlatas.
Resolução SE Nº 37/2013 Altera o
ANEXO da Resolução SE Nº 70/2010
Dispõe sobre os perfis profissionais, competências e
habilidades requeridos dos educadores da rede
pública estadual e os referenciais bibliográficos que
fundamentam os exames, concursos e processos
seletivos, e dá providências correlatas.
PERFIL DO PROFISSIONAL
PEB-I - ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS . (1º AO 5º ANO)
1. Compreender os processos de desenvolvimento e aprendizagem dos alunos.
2. Selecionar e utilizar diferentes recursos didáticos.
3. Gerenciar a classe, organizando o tempo, o espaço e o agrupamento dos
estudantes.
4. Avaliar a aprendizagem dos estudantes e utilizar a análise dos resultados.
5. Analisar e utilizar o resultado de avaliações externas e de estudos
acadêmicos para reflexão.
6. Ser proficiente no uso da língua portuguesa.
7. Dominar os conteúdos relacionados aos temas sociais e informar-se sobre os
principais acontecimentos da atualidade, pois é formador de opinião.
8. Dominar os conteúdos relacionados às áreas de conhecimento.
9. Avaliar a eficiência de situações didáticas para a aprendizagem dos
estudantes.
10. Pautar decisões e escolhas pedagógicas por princípios éticos e democráticos.
Fundamentação Pedagógica
PARA CADA CARACTERÍSTICA DO
PERFIL, TEMOS:
CONTEÚDOS, COMPETÊNCIAS E
HABILIDADES
PERFIL 1
Compreender os processos de desenvolvimento e aprendizagem dos alunos
considerando as dimensões cognitivas, afetivas e sociais.
PERFIL 2
• Selecionar e utilizar diferentes recursos didáticos
PERFIL 3
• Gerenciar a classe, organizando o tempo, o espaço e o agrupamento dos
estudantes, de modo a potencializar as aprendizagens.
PERFIS
PROFESSOR PEB-II - ENSINO FUNDAMENTAL ANOS
FINAIS (6º AO 9º ANO) E/OU ENSINO MÉDIO
Competências do
Professor PEB-II
Habilidades do Professor PEB-II
RIQUÍSSIMA REFERÊNCIA
BIBLIOGRÁFICA
Decreto Nº 39.931/1995
Dispõe sobre a fixação da sede de controle de
frequência e de critérios relativos à apuração
de faltas do pessoal docente
Resolução SE 61, de 6-6-2012
Dispõe sobre Orientações Técnicas realizadas
pelos órgãos centrais e regionais, de
que trata o artigo 8º da Resolução SE 58, de
23.8.2011
Resolução SE 104, de 28-12-2012
Altera dispositivo da Resolução SE 61, de 6 de
junho de 2012, que dispõe sobre Orientações
Técnicas realizadas pelos órgãos centrais e
regionais, de que trata o artigo 8º da
Resolução SE 58, de 23-08-2011
AGRADECEMOS A TODOS!!!
RESOLUÇÃO 3 DE 18/01/2013
Dispõe dos mecanismos de apoio à gestão
pedagógica da escola para implementação de
ações estabelecidas pelo
Programa Educação – Compromisso de São
Paulo
Artigo 1º - Ficam disponibilizados às escolas da rede pública estadual, com aulas/classes de
ensino regular, mecanismos de apoio à gestão pedagógica, necessários a uma organização
escolar centrada no desenvolvimento de ensino que propicie efetiva aprendizagem do aluno.
A implementação , dar-se-á, em todas as escolas consideradas prioritárias e
nas Escolas de Tempo Integral – ETIs.
Artigo 2º - Os mecanismos de apoio à gestão pedagógica da escola deverão buscar a reversão da
desigualdade de ensino e de aprendizagem
diagnosticada, pautando-se na necessidade de procedimentos didático-pedagógicos
diferenciados.
Artigo 3º - A gestão pedagógica nas unidades escolares desenvolver-se-á por ações e esforços
protagonizados pelos integrantes dos postos de trabalho de Professor Coordenador que
compõem o núcleo gestor da escola, organizada, na seguinte conformidade:
I – 1 (um) Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica no ensino fundamental e médio;
II – 1 (um) Professor Coordenador para os anos iniciais do ensino fundamental;
III - 1 (um) Professor Coordenador para os anos finais do ensino fundamental; e
IV – 1 (um) Professor Coordenador para o ensino médio.
Artigo 4º – A função de Professor Coordenador deverá ser exercida organicamente articulada,
implicando a aceitação, pela
unidade escolar, da atuação concomitante dos profissionais que integram seu núcleo gestor
Artigo 5º - Constituem-se atributos necessários ao docente no exercício de Professor
Coordenador:
- apresentar competência
- ter dinamismo, espírito de liderança e saber se relacionar com os demais
profissionais
- saber trabalhar em equipe como parceiro
- conhecer as concepções que subsidiam práticas de gestão e curriculares
- – promover a integração horizontal e vertical do currículo no ensino fundamental
e médio
- estimular abordagens multidisciplinares
- ter atitudes proativas
- analisar índices e indicadores externos
- analisar indicadores internos de frequência e avaliação
Artigo 6º - São atribuições específicas do Professor Coordenador de apoio à gestão
pedagógica,
além das atribuições inerentes ao respectivo posto de trabalh
I - coordenar a elaboração, o desenvolvimento, o acompanhamento e a avaliação da proposta
pedagógica, juntamente com
professores e demais gestores da unidade escolar, em consonância com os princípios de uma
gestão democrática participativa e das
disposições curriculares, bem como dos objetivos e metas a serem atingidos;
II - promover a integração horizontal e vertical do currículo, assegurando conteúdos e formas
de
operacionalização articuladas para os dois segmentos do ensino fundamental e para o ensino
médio;
III - atuar colaborativamente com o Professor Coordenador do segmento correspondente aos
anos iniciais e/ou finais do ensino fundamental e/ou do ensino médio, orientando,
acompanhando e intervindo, se necessário, nas atividades desenvolvidas pela coordenação;
IV - tornar as ações de coordenação pedagógica um espaço dialógico e colaborativo de práticas
gestoras e docentes
Artigo 7º - Para o exercício da função de Professor Coordenador de apoio à gestão
pedagógica
da escola, de que trata o inciso I do artigo 3º desta resolução, o docente deverá:
I - ser portador de licenciatura plena em Pedagogia e participar do processo
seletivo/classificatório a ser organizado, executado e avaliado por comissão a ser designada pelo
Dirigente Regional de Ensino;
II - contar, no mínimo, com 3 (três) anos de experiência no magistério da Secretaria de Estado
da Educação;
III - ser docente efetivo de unidade escolar pertencente à Diretoria de Ensino em que ocorrerá a
designação, inclusive podendo se encontrar na condição de adido ou de readaptado, sendo que a
designação, no caso de readaptado, somente poderá ocorrer após pronunciamento favorável da
Comissão de Assuntos de Assistência à Saúde da Secretaria de Gestão Pública – CAAS; ou
IV - ser docente ocupante de função-atividade abrangido pelo § 2º, do artigo 2º, da Lei
Complementar 1.010/2007, com sede de controle de frequência em unidade escolar da Diretoria
de Ensino em que se dará a designação, mesmo que se encontre sem aulas atribuídas, cumprindo
apenas horas de permanência, desde que tenha sido aprovado no Processo Seletivo Simplificado
que integra o processo anual de atribuição de classes e aulas.
Artigo 7º - Para o exercício da função de Professor Coordenador de apoio à gestão
pedagógica
da escola, de que trata o inciso I do artigo 3º desta resolução, o docente deverá:
I - ser portador de licenciatura plena em Pedagogia e participar do processo
seletivo/classificatório a ser organizado, executado e avaliado por comissão a ser designada pelo
Dirigente Regional de Ensino;
II - contar, no mínimo, com 3 (três) anos de experiência no magistério da Secretaria de Estado
da Educação;
III - ser docente efetivo de unidade escolar pertencente à Diretoria de Ensino em que ocorrerá a
designação, inclusive podendo se encontrar na condição de adido ou de readaptado, sendo que a
designação, no caso de readaptado, somente poderá ocorrer após pronunciamento favorável da
Comissão de Assuntos de Assistência à Saúde da Secretaria de Gestão Pública – CAAS; ou
IV - ser docente ocupante de função-atividade abrangido pelo § 2º, do artigo 2º, da Lei
Complementar 1.010/2007, com sede de controle de frequência em unidade escolar da Diretoria
de Ensino em que se dará a designação, mesmo que se encontre sem aulas atribuídas, cumprindo
apenas horas de permanência, desde que tenha sido aprovado no Processo Seletivo Simplificado
que integra o processo anual de atribuição de classes e aulas.
Artigo 8º – Constituem-se componentes do processo de designação do Professor
Coordenador
de apoio à gestão pedagógica da escola
I – formação de comissão mista constituída por representantes da unidade escolar e da Diretoria
de Ensino, que se responsabilizará pelo processo seletivo;
II – fixação, pela referida comissão, dos critérios que presidirão o processo seletivo, que deverá
prever, dentre outros itens:
a) análise do currículo acadêmico e da experiência profissional do candidato;
b) compatibilização entre o perfil do candidato, sua qualificação profissional e a natureza das
atribuições relativas ao posto de
trabalho a ser ocupado;
c) realização de entrevista individual;
d) disponibilidade de tempo do candidato para cumprimento do horário de coordenação e para
investir na própria qualificação e atender às atividades de formação continuada propostas pela
Diretoria de Ensino e pelos órgãos centrais;
e) seleção e indicação, pela comissão, do candidato que melhor atender aos requisitos
estabelecidos;
f) elaboração do cronograma das atividades/procedimentos que compõem o processo de seleção
e designação do Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica da escola.
Artigo 9º - A carga horária para exercício das atribuições do Professor Coordenador
de apoio à
gestão pedagógica será de 40 (quarenta) horas semanais, distribuídas por todos os
dias da
semana e com horário de atendimento em todos os turnos de funcionamento da
escola.
Artigo 10 - Os Professores Coordenadores farão jus ao pagamento da Gratificação
de Função,
instituída pela Lei Complementar 1.018, de 15-10-2007, observada a
proporcionalidade
correspondente à carga horária das respectivas designações.
Artigo 11 – As designações para posto de trabalho de Professor Coordenador, na
conformidade
do disposto nesta resolução, bem como suas cessações, dar-se-ão por ato do
Dirigente Regional
de Ensino.
:
§ 1º - A designação para o posto de trabalho de Professor Coordenador de apoio à gestão
pedagógica será efetuada após a seleção e indicação do candidato pela comissão prevista no
inciso I do artigo 9º da presente resolução.
§ 2º - A designação para o posto de trabalho de Professor Coordenador, nos termos desta
resolução, terá a duração de, no máximo, 1 (um) ano letivo, podendo, a cada final de ano, ser
prorrogada, mediante recondução do docente designado.
§ 3º - A recondução do docente, de que trata o parágrafo anterior, dar-se-á após avaliação,
pelo
núcleo gestor da escola, do desempenho do docente, que ocorrerá no mês de dezembro de
cada
ano, devendo ser, referendada pelo Conselho de Escola e instruída com parecer favorável do
Supervisor de Ensino da unidade escolar, para homologação do Dirigente Regional de Ensino.
:
Artigo 12 - Os Professores Coordenadores usufruirão férias regulamentares
juntamente com
seus pares, observados os requisitos legais para fruição do benefício. 4
Artigo 13 – Tratando-se do ato de designação e de exercício de Professor
Coordenador dos anos
iniciais e finais do ensino fundamental e do ensino médio, de que tratam os incisos II,
III e IV
do artigo 3º desta resolução, permanecem inalterados os atos normativos vigentes.
Artigo 14 - Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação, ficando
revogadas as
disposições em contrário
:
:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Me pedagogia (in) (rf)
Me pedagogia (in) (rf)Me pedagogia (in) (rf)
Me pedagogia (in) (rf)
Juliana Fae
 
Despacho organizac3a7c3a3o-ano-letivo-2013 2014
Despacho organizac3a7c3a3o-ano-letivo-2013 2014Despacho organizac3a7c3a3o-ano-letivo-2013 2014
Despacho organizac3a7c3a3o-ano-letivo-2013 2014
mcelpais
 
10902
1090210902
Despacho organizacao anoletivo20122013
Despacho organizacao anoletivo20122013Despacho organizacao anoletivo20122013
Despacho organizacao anoletivo20122013
TSVasconcelos
 
Despacho Normativo 13A-2012 do Ministério da Educação
Despacho Normativo 13A-2012 do Ministério da EducaçãoDespacho Normativo 13A-2012 do Ministério da Educação
Despacho Normativo 13A-2012 do Ministério da Educação
FLE Liberdade de Educação
 
OAL 12-13
OAL 12-13OAL 12-13
OAL 12-13
aliceb.formacao
 
Seminario pidoc2011
Seminario pidoc2011Seminario pidoc2011
Seminario pidoc2011
apoiopedagogico
 
Treinamento comissões avaliação est probatorio
Treinamento comissões avaliação est probatorioTreinamento comissões avaliação est probatorio
Treinamento comissões avaliação est probatorio
Escola Estadual Deputado Emílio Justo
 
Edital n ¦ 004.2013.seletivo dos cefapros
Edital n ¦ 004.2013.seletivo dos cefaprosEdital n ¦ 004.2013.seletivo dos cefapros
Edital n ¦ 004.2013.seletivo dos cefapros
Jose Henrique
 
Orientações estágio educação infantil - cópia
  Orientações estágio educação infantil - cópia  Orientações estágio educação infantil - cópia
Orientações estágio educação infantil - cópia
Larissa Soares
 
Despacho ano letivo 2016 17
Despacho ano letivo 2016 17Despacho ano letivo 2016 17
Despacho ano letivo 2016 17
anapaulavilas
 
Caso prodoc
Caso prodocCaso prodoc
Caso prodoc
Marcos Nery
 
Avaliacao pidoc2012
Avaliacao pidoc2012Avaliacao pidoc2012
Avaliacao pidoc2012
Marcos Nery
 
PortifóLio
PortifóLioPortifóLio
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
nigo1791
 
Manual de estágio_supervisionado
Manual de estágio_supervisionadoManual de estágio_supervisionado
Manual de estágio_supervisionado
ADRIANA BECKER
 
Decreto - Lei
Decreto - LeiDecreto - Lei
Decreto - Lei
Ministerio_Educacao
 

Mais procurados (17)

Me pedagogia (in) (rf)
Me pedagogia (in) (rf)Me pedagogia (in) (rf)
Me pedagogia (in) (rf)
 
Despacho organizac3a7c3a3o-ano-letivo-2013 2014
Despacho organizac3a7c3a3o-ano-letivo-2013 2014Despacho organizac3a7c3a3o-ano-letivo-2013 2014
Despacho organizac3a7c3a3o-ano-letivo-2013 2014
 
10902
1090210902
10902
 
Despacho organizacao anoletivo20122013
Despacho organizacao anoletivo20122013Despacho organizacao anoletivo20122013
Despacho organizacao anoletivo20122013
 
Despacho Normativo 13A-2012 do Ministério da Educação
Despacho Normativo 13A-2012 do Ministério da EducaçãoDespacho Normativo 13A-2012 do Ministério da Educação
Despacho Normativo 13A-2012 do Ministério da Educação
 
OAL 12-13
OAL 12-13OAL 12-13
OAL 12-13
 
Seminario pidoc2011
Seminario pidoc2011Seminario pidoc2011
Seminario pidoc2011
 
Treinamento comissões avaliação est probatorio
Treinamento comissões avaliação est probatorioTreinamento comissões avaliação est probatorio
Treinamento comissões avaliação est probatorio
 
Edital n ¦ 004.2013.seletivo dos cefapros
Edital n ¦ 004.2013.seletivo dos cefaprosEdital n ¦ 004.2013.seletivo dos cefapros
Edital n ¦ 004.2013.seletivo dos cefapros
 
Orientações estágio educação infantil - cópia
  Orientações estágio educação infantil - cópia  Orientações estágio educação infantil - cópia
Orientações estágio educação infantil - cópia
 
Despacho ano letivo 2016 17
Despacho ano letivo 2016 17Despacho ano letivo 2016 17
Despacho ano letivo 2016 17
 
Caso prodoc
Caso prodocCaso prodoc
Caso prodoc
 
Avaliacao pidoc2012
Avaliacao pidoc2012Avaliacao pidoc2012
Avaliacao pidoc2012
 
PortifóLio
PortifóLioPortifóLio
PortifóLio
 
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
 
Manual de estágio_supervisionado
Manual de estágio_supervisionadoManual de estágio_supervisionado
Manual de estágio_supervisionado
 
Decreto - Lei
Decreto - LeiDecreto - Lei
Decreto - Lei
 

Destaque

2da etapa
2da etapa2da etapa
2da etapa
Bryan Noriega
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
Rafael Camargo
 
Jesucristo
JesucristoJesucristo
Jesucristo
Pako Pérez Brasil
 
Casa marie claude
Casa marie claudeCasa marie claude
Casa marie claude
VIEIRA RESENDE
 
Google erth
Google erthGoogle erth
Google erth
Cristian Herrera
 
Proceso del pan jeison pasil 8 a
Proceso del pan jeison pasil 8 aProceso del pan jeison pasil 8 a
Proceso del pan jeison pasil 8 a
polemic12
 
Imergir
ImergirImergir
Composição da academia de dança mexe te
Composição da academia de dança mexe teComposição da academia de dança mexe te
Composição da academia de dança mexe te
castrorita16616
 
Case Senhor Olímpio - Prêmio Colunistas 2013
Case Senhor Olímpio - Prêmio Colunistas 2013Case Senhor Olímpio - Prêmio Colunistas 2013
Case Senhor Olímpio - Prêmio Colunistas 2013
João Netto
 
Historiaaaa
HistoriaaaaHistoriaaaa
Historiaaaa
alejagarnica13
 
Regulaciondelequilibrioacidobasico2 130902011314-phpapp02
Regulaciondelequilibrioacidobasico2 130902011314-phpapp02Regulaciondelequilibrioacidobasico2 130902011314-phpapp02
Regulaciondelequilibrioacidobasico2 130902011314-phpapp02
Lizz Maldonado
 
Meu primeiro beijo_-_trabalho
Meu primeiro beijo_-_trabalhoMeu primeiro beijo_-_trabalho
Meu primeiro beijo_-_trabalho
roxy1610
 
O futuro da corretagem está nos modelos de negócios que reúnem corretores em ...
O futuro da corretagem está nos modelos de negócios que reúnem corretores em ...O futuro da corretagem está nos modelos de negócios que reúnem corretores em ...
O futuro da corretagem está nos modelos de negócios que reúnem corretores em ...
Associação Paulista dos Técnicos de Seguro
 
Programacion
ProgramacionProgramacion
Programacion
Mabyta Mora
 
はじめてのChu カッコカリ
はじめてのChu カッコカリはじめてのChu カッコカリ
はじめてのChu カッコカリ
Masuda Tomoaki
 
Meu primeiro beijo_-_trabalho
Meu primeiro beijo_-_trabalhoMeu primeiro beijo_-_trabalho
Meu primeiro beijo_-_trabalho
roxy1610
 
Meu primeiro beijo_-_trabalho
Meu primeiro beijo_-_trabalhoMeu primeiro beijo_-_trabalho
Meu primeiro beijo_-_trabalho
roxy1610
 
N fatos&fotos-436-ano
N fatos&fotos-436-ano N fatos&fotos-436-ano
N fatos&fotos-436-ano
VIEIRA RESENDE
 
Frases de jornais
Frases de jornaisFrases de jornais
Frases de jornais
VIEIRA RESENDE
 
Estrategias nde busqueda de informacion
Estrategias nde busqueda de informacionEstrategias nde busqueda de informacion
Estrategias nde busqueda de informacion
Jessyta Morocho
 

Destaque (20)

2da etapa
2da etapa2da etapa
2da etapa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Jesucristo
JesucristoJesucristo
Jesucristo
 
Casa marie claude
Casa marie claudeCasa marie claude
Casa marie claude
 
Google erth
Google erthGoogle erth
Google erth
 
Proceso del pan jeison pasil 8 a
Proceso del pan jeison pasil 8 aProceso del pan jeison pasil 8 a
Proceso del pan jeison pasil 8 a
 
Imergir
ImergirImergir
Imergir
 
Composição da academia de dança mexe te
Composição da academia de dança mexe teComposição da academia de dança mexe te
Composição da academia de dança mexe te
 
Case Senhor Olímpio - Prêmio Colunistas 2013
Case Senhor Olímpio - Prêmio Colunistas 2013Case Senhor Olímpio - Prêmio Colunistas 2013
Case Senhor Olímpio - Prêmio Colunistas 2013
 
Historiaaaa
HistoriaaaaHistoriaaaa
Historiaaaa
 
Regulaciondelequilibrioacidobasico2 130902011314-phpapp02
Regulaciondelequilibrioacidobasico2 130902011314-phpapp02Regulaciondelequilibrioacidobasico2 130902011314-phpapp02
Regulaciondelequilibrioacidobasico2 130902011314-phpapp02
 
Meu primeiro beijo_-_trabalho
Meu primeiro beijo_-_trabalhoMeu primeiro beijo_-_trabalho
Meu primeiro beijo_-_trabalho
 
O futuro da corretagem está nos modelos de negócios que reúnem corretores em ...
O futuro da corretagem está nos modelos de negócios que reúnem corretores em ...O futuro da corretagem está nos modelos de negócios que reúnem corretores em ...
O futuro da corretagem está nos modelos de negócios que reúnem corretores em ...
 
Programacion
ProgramacionProgramacion
Programacion
 
はじめてのChu カッコカリ
はじめてのChu カッコカリはじめてのChu カッコカリ
はじめてのChu カッコカリ
 
Meu primeiro beijo_-_trabalho
Meu primeiro beijo_-_trabalhoMeu primeiro beijo_-_trabalho
Meu primeiro beijo_-_trabalho
 
Meu primeiro beijo_-_trabalho
Meu primeiro beijo_-_trabalhoMeu primeiro beijo_-_trabalho
Meu primeiro beijo_-_trabalho
 
N fatos&fotos-436-ano
N fatos&fotos-436-ano N fatos&fotos-436-ano
N fatos&fotos-436-ano
 
Frases de jornais
Frases de jornaisFrases de jornais
Frases de jornais
 
Estrategias nde busqueda de informacion
Estrategias nde busqueda de informacionEstrategias nde busqueda de informacion
Estrategias nde busqueda de informacion
 

Semelhante a PCAGP - SEE SP - Algumas leis

Projeto despacho-organização-do-ano-letivo-abril-2016
Projeto despacho-organização-do-ano-letivo-abril-2016Projeto despacho-organização-do-ano-letivo-abril-2016
Projeto despacho-organização-do-ano-letivo-abril-2016
Paula Vagarinho
 
Recuperação paralela lp
Recuperação paralela   lpRecuperação paralela   lp
Recuperação paralela lp
telasnorte1
 
Regimento efa escolar
Regimento efa escolarRegimento efa escolar
Regimento efa escolar
dulcesasil
 
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdfPlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
AnaCristinaLuizaSouz
 
Edital segundo profcoordapoiogestaopedag(1)
Edital segundo profcoordapoiogestaopedag(1)Edital segundo profcoordapoiogestaopedag(1)
Edital segundo profcoordapoiogestaopedag(1)
Silvana Sanches
 
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdfPlano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Freiheit Ribeiro
 
Ot. 2015
Ot. 2015Ot. 2015
Ot. 2015
Valdeavare
 
OT. Sociologia 2015
OT. Sociologia 2015OT. Sociologia 2015
OT. Sociologia 2015
Valdeavare
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
Claudio Roberto Ribeiro Junior
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
Claudio Ribeiro
 
Objectivos da avaliação do desempenho
Objectivos da avaliação do desempenhoObjectivos da avaliação do desempenho
Objectivos da avaliação do desempenho
ANA GRALHEIRO
 
EAD - Aula 3
EAD - Aula 3EAD - Aula 3
EAD - Aula 3
referenciais
 
Regulamento Interno TAP
Regulamento Interno TAPRegulamento Interno TAP
Regulamento Interno TAP
paulocarrega
 
EAD - Aula 2
EAD - Aula 2EAD - Aula 2
EAD - Aula 2
referenciais
 
Referenciais de qualidade aula 2
Referenciais de qualidade   aula 2Referenciais de qualidade   aula 2
Referenciais de qualidade aula 2
referenciais
 
Sistematização dos Grupos de Trabalho
Sistematização dos Grupos de TrabalhoSistematização dos Grupos de Trabalho
Sistematização dos Grupos de Trabalho
Claraluz Gris
 
Add 2011-09 set: O texto final
Add 2011-09 set: O texto finalAdd 2011-09 set: O texto final
Add 2011-09 set: O texto final
pr_afsalbergaria
 
ADD-2011-09SET
ADD-2011-09SETADD-2011-09SET
Resolução Decreto Federal 01/2002
Resolução Decreto Federal   01/2002Resolução Decreto Federal   01/2002
Resolução Decreto Federal 01/2002
asustecnologia
 
201312010588203orientacoes para elaboracao_do_plano_do_ensino (1)
201312010588203orientacoes para elaboracao_do_plano_do_ensino (1)201312010588203orientacoes para elaboracao_do_plano_do_ensino (1)
201312010588203orientacoes para elaboracao_do_plano_do_ensino (1)
Rodrigo Diniz
 

Semelhante a PCAGP - SEE SP - Algumas leis (20)

Projeto despacho-organização-do-ano-letivo-abril-2016
Projeto despacho-organização-do-ano-letivo-abril-2016Projeto despacho-organização-do-ano-letivo-abril-2016
Projeto despacho-organização-do-ano-letivo-abril-2016
 
Recuperação paralela lp
Recuperação paralela   lpRecuperação paralela   lp
Recuperação paralela lp
 
Regimento efa escolar
Regimento efa escolarRegimento efa escolar
Regimento efa escolar
 
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdfPlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
 
Edital segundo profcoordapoiogestaopedag(1)
Edital segundo profcoordapoiogestaopedag(1)Edital segundo profcoordapoiogestaopedag(1)
Edital segundo profcoordapoiogestaopedag(1)
 
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdfPlano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
 
Ot. 2015
Ot. 2015Ot. 2015
Ot. 2015
 
OT. Sociologia 2015
OT. Sociologia 2015OT. Sociologia 2015
OT. Sociologia 2015
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
 
Objectivos da avaliação do desempenho
Objectivos da avaliação do desempenhoObjectivos da avaliação do desempenho
Objectivos da avaliação do desempenho
 
EAD - Aula 3
EAD - Aula 3EAD - Aula 3
EAD - Aula 3
 
Regulamento Interno TAP
Regulamento Interno TAPRegulamento Interno TAP
Regulamento Interno TAP
 
EAD - Aula 2
EAD - Aula 2EAD - Aula 2
EAD - Aula 2
 
Referenciais de qualidade aula 2
Referenciais de qualidade   aula 2Referenciais de qualidade   aula 2
Referenciais de qualidade aula 2
 
Sistematização dos Grupos de Trabalho
Sistematização dos Grupos de TrabalhoSistematização dos Grupos de Trabalho
Sistematização dos Grupos de Trabalho
 
Add 2011-09 set: O texto final
Add 2011-09 set: O texto finalAdd 2011-09 set: O texto final
Add 2011-09 set: O texto final
 
ADD-2011-09SET
ADD-2011-09SETADD-2011-09SET
ADD-2011-09SET
 
Resolução Decreto Federal 01/2002
Resolução Decreto Federal   01/2002Resolução Decreto Federal   01/2002
Resolução Decreto Federal 01/2002
 
201312010588203orientacoes para elaboracao_do_plano_do_ensino (1)
201312010588203orientacoes para elaboracao_do_plano_do_ensino (1)201312010588203orientacoes para elaboracao_do_plano_do_ensino (1)
201312010588203orientacoes para elaboracao_do_plano_do_ensino (1)
 

PCAGP - SEE SP - Algumas leis

  • 1. 1º ENCONTRO DE FORMAÇÃO PCAGP 19 de Junho de 2013 NÚCLEO PEDAGÓGICO DER CENTRO
  • 2. RESOLUÇÃO SE 70 26/10/2010 Dispõe sobre os perfis profissionais, competências e habilidades requeridos dos educadores da rede pública estadual e os referenciais bibliográficos que fundamentam os exames, concursos e processos seletivos, e dá providências correlatas.
  • 3. Resolução SE Nº 37/2013 Altera o ANEXO da Resolução SE Nº 70/2010 Dispõe sobre os perfis profissionais, competências e habilidades requeridos dos educadores da rede pública estadual e os referenciais bibliográficos que fundamentam os exames, concursos e processos seletivos, e dá providências correlatas.
  • 4. PERFIL DO PROFISSIONAL PEB-I - ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS . (1º AO 5º ANO) 1. Compreender os processos de desenvolvimento e aprendizagem dos alunos. 2. Selecionar e utilizar diferentes recursos didáticos. 3. Gerenciar a classe, organizando o tempo, o espaço e o agrupamento dos estudantes. 4. Avaliar a aprendizagem dos estudantes e utilizar a análise dos resultados. 5. Analisar e utilizar o resultado de avaliações externas e de estudos acadêmicos para reflexão. 6. Ser proficiente no uso da língua portuguesa. 7. Dominar os conteúdos relacionados aos temas sociais e informar-se sobre os principais acontecimentos da atualidade, pois é formador de opinião. 8. Dominar os conteúdos relacionados às áreas de conhecimento. 9. Avaliar a eficiência de situações didáticas para a aprendizagem dos estudantes. 10. Pautar decisões e escolhas pedagógicas por princípios éticos e democráticos.
  • 5. Fundamentação Pedagógica PARA CADA CARACTERÍSTICA DO PERFIL, TEMOS: CONTEÚDOS, COMPETÊNCIAS E HABILIDADES
  • 6. PERFIL 1 Compreender os processos de desenvolvimento e aprendizagem dos alunos considerando as dimensões cognitivas, afetivas e sociais.
  • 7. PERFIL 2 • Selecionar e utilizar diferentes recursos didáticos
  • 8. PERFIL 3 • Gerenciar a classe, organizando o tempo, o espaço e o agrupamento dos estudantes, de modo a potencializar as aprendizagens.
  • 10. PROFESSOR PEB-II - ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS (6º AO 9º ANO) E/OU ENSINO MÉDIO
  • 14. Decreto Nº 39.931/1995 Dispõe sobre a fixação da sede de controle de frequência e de critérios relativos à apuração de faltas do pessoal docente
  • 15. Resolução SE 61, de 6-6-2012 Dispõe sobre Orientações Técnicas realizadas pelos órgãos centrais e regionais, de que trata o artigo 8º da Resolução SE 58, de 23.8.2011
  • 16.
  • 17. Resolução SE 104, de 28-12-2012 Altera dispositivo da Resolução SE 61, de 6 de junho de 2012, que dispõe sobre Orientações Técnicas realizadas pelos órgãos centrais e regionais, de que trata o artigo 8º da Resolução SE 58, de 23-08-2011
  • 18.
  • 20. RESOLUÇÃO 3 DE 18/01/2013 Dispõe dos mecanismos de apoio à gestão pedagógica da escola para implementação de ações estabelecidas pelo Programa Educação – Compromisso de São Paulo
  • 21. Artigo 1º - Ficam disponibilizados às escolas da rede pública estadual, com aulas/classes de ensino regular, mecanismos de apoio à gestão pedagógica, necessários a uma organização escolar centrada no desenvolvimento de ensino que propicie efetiva aprendizagem do aluno. A implementação , dar-se-á, em todas as escolas consideradas prioritárias e nas Escolas de Tempo Integral – ETIs. Artigo 2º - Os mecanismos de apoio à gestão pedagógica da escola deverão buscar a reversão da desigualdade de ensino e de aprendizagem diagnosticada, pautando-se na necessidade de procedimentos didático-pedagógicos diferenciados. Artigo 3º - A gestão pedagógica nas unidades escolares desenvolver-se-á por ações e esforços protagonizados pelos integrantes dos postos de trabalho de Professor Coordenador que compõem o núcleo gestor da escola, organizada, na seguinte conformidade: I – 1 (um) Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica no ensino fundamental e médio; II – 1 (um) Professor Coordenador para os anos iniciais do ensino fundamental; III - 1 (um) Professor Coordenador para os anos finais do ensino fundamental; e IV – 1 (um) Professor Coordenador para o ensino médio.
  • 22. Artigo 4º – A função de Professor Coordenador deverá ser exercida organicamente articulada, implicando a aceitação, pela unidade escolar, da atuação concomitante dos profissionais que integram seu núcleo gestor Artigo 5º - Constituem-se atributos necessários ao docente no exercício de Professor Coordenador: - apresentar competência - ter dinamismo, espírito de liderança e saber se relacionar com os demais profissionais - saber trabalhar em equipe como parceiro - conhecer as concepções que subsidiam práticas de gestão e curriculares - – promover a integração horizontal e vertical do currículo no ensino fundamental e médio - estimular abordagens multidisciplinares - ter atitudes proativas - analisar índices e indicadores externos - analisar indicadores internos de frequência e avaliação
  • 23. Artigo 6º - São atribuições específicas do Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica, além das atribuições inerentes ao respectivo posto de trabalh I - coordenar a elaboração, o desenvolvimento, o acompanhamento e a avaliação da proposta pedagógica, juntamente com professores e demais gestores da unidade escolar, em consonância com os princípios de uma gestão democrática participativa e das disposições curriculares, bem como dos objetivos e metas a serem atingidos; II - promover a integração horizontal e vertical do currículo, assegurando conteúdos e formas de operacionalização articuladas para os dois segmentos do ensino fundamental e para o ensino médio; III - atuar colaborativamente com o Professor Coordenador do segmento correspondente aos anos iniciais e/ou finais do ensino fundamental e/ou do ensino médio, orientando, acompanhando e intervindo, se necessário, nas atividades desenvolvidas pela coordenação; IV - tornar as ações de coordenação pedagógica um espaço dialógico e colaborativo de práticas gestoras e docentes
  • 24. Artigo 7º - Para o exercício da função de Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica da escola, de que trata o inciso I do artigo 3º desta resolução, o docente deverá: I - ser portador de licenciatura plena em Pedagogia e participar do processo seletivo/classificatório a ser organizado, executado e avaliado por comissão a ser designada pelo Dirigente Regional de Ensino; II - contar, no mínimo, com 3 (três) anos de experiência no magistério da Secretaria de Estado da Educação; III - ser docente efetivo de unidade escolar pertencente à Diretoria de Ensino em que ocorrerá a designação, inclusive podendo se encontrar na condição de adido ou de readaptado, sendo que a designação, no caso de readaptado, somente poderá ocorrer após pronunciamento favorável da Comissão de Assuntos de Assistência à Saúde da Secretaria de Gestão Pública – CAAS; ou IV - ser docente ocupante de função-atividade abrangido pelo § 2º, do artigo 2º, da Lei Complementar 1.010/2007, com sede de controle de frequência em unidade escolar da Diretoria de Ensino em que se dará a designação, mesmo que se encontre sem aulas atribuídas, cumprindo apenas horas de permanência, desde que tenha sido aprovado no Processo Seletivo Simplificado que integra o processo anual de atribuição de classes e aulas.
  • 25. Artigo 7º - Para o exercício da função de Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica da escola, de que trata o inciso I do artigo 3º desta resolução, o docente deverá: I - ser portador de licenciatura plena em Pedagogia e participar do processo seletivo/classificatório a ser organizado, executado e avaliado por comissão a ser designada pelo Dirigente Regional de Ensino; II - contar, no mínimo, com 3 (três) anos de experiência no magistério da Secretaria de Estado da Educação; III - ser docente efetivo de unidade escolar pertencente à Diretoria de Ensino em que ocorrerá a designação, inclusive podendo se encontrar na condição de adido ou de readaptado, sendo que a designação, no caso de readaptado, somente poderá ocorrer após pronunciamento favorável da Comissão de Assuntos de Assistência à Saúde da Secretaria de Gestão Pública – CAAS; ou IV - ser docente ocupante de função-atividade abrangido pelo § 2º, do artigo 2º, da Lei Complementar 1.010/2007, com sede de controle de frequência em unidade escolar da Diretoria de Ensino em que se dará a designação, mesmo que se encontre sem aulas atribuídas, cumprindo apenas horas de permanência, desde que tenha sido aprovado no Processo Seletivo Simplificado que integra o processo anual de atribuição de classes e aulas.
  • 26. Artigo 8º – Constituem-se componentes do processo de designação do Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica da escola I – formação de comissão mista constituída por representantes da unidade escolar e da Diretoria de Ensino, que se responsabilizará pelo processo seletivo; II – fixação, pela referida comissão, dos critérios que presidirão o processo seletivo, que deverá prever, dentre outros itens: a) análise do currículo acadêmico e da experiência profissional do candidato; b) compatibilização entre o perfil do candidato, sua qualificação profissional e a natureza das atribuições relativas ao posto de trabalho a ser ocupado; c) realização de entrevista individual; d) disponibilidade de tempo do candidato para cumprimento do horário de coordenação e para investir na própria qualificação e atender às atividades de formação continuada propostas pela Diretoria de Ensino e pelos órgãos centrais; e) seleção e indicação, pela comissão, do candidato que melhor atender aos requisitos estabelecidos; f) elaboração do cronograma das atividades/procedimentos que compõem o processo de seleção e designação do Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica da escola.
  • 27. Artigo 9º - A carga horária para exercício das atribuições do Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica será de 40 (quarenta) horas semanais, distribuídas por todos os dias da semana e com horário de atendimento em todos os turnos de funcionamento da escola. Artigo 10 - Os Professores Coordenadores farão jus ao pagamento da Gratificação de Função, instituída pela Lei Complementar 1.018, de 15-10-2007, observada a proporcionalidade correspondente à carga horária das respectivas designações. Artigo 11 – As designações para posto de trabalho de Professor Coordenador, na conformidade do disposto nesta resolução, bem como suas cessações, dar-se-ão por ato do Dirigente Regional de Ensino.
  • 28. : § 1º - A designação para o posto de trabalho de Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica será efetuada após a seleção e indicação do candidato pela comissão prevista no inciso I do artigo 9º da presente resolução. § 2º - A designação para o posto de trabalho de Professor Coordenador, nos termos desta resolução, terá a duração de, no máximo, 1 (um) ano letivo, podendo, a cada final de ano, ser prorrogada, mediante recondução do docente designado. § 3º - A recondução do docente, de que trata o parágrafo anterior, dar-se-á após avaliação, pelo núcleo gestor da escola, do desempenho do docente, que ocorrerá no mês de dezembro de cada ano, devendo ser, referendada pelo Conselho de Escola e instruída com parecer favorável do Supervisor de Ensino da unidade escolar, para homologação do Dirigente Regional de Ensino.
  • 29. : Artigo 12 - Os Professores Coordenadores usufruirão férias regulamentares juntamente com seus pares, observados os requisitos legais para fruição do benefício. 4 Artigo 13 – Tratando-se do ato de designação e de exercício de Professor Coordenador dos anos iniciais e finais do ensino fundamental e do ensino médio, de que tratam os incisos II, III e IV do artigo 3º desta resolução, permanecem inalterados os atos normativos vigentes. Artigo 14 - Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogadas as disposições em contrário
  • 30. :
  • 31. :