SlideShare uma empresa Scribd logo
o


                                        DIRECTIVAS PARA A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE
                                            AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE
                                                         (CCAD) 2010/2011



               Nota Introdutória.
               Nos termos previstos no nº 2 do artigo 13º do Decreto Regulamentar nº 2/2008, de 10 de
               Janeiro, compete à Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho (CCAD) estabelecer
               directivas para uma aplicação objectiva e harmónica do sistema de avaliação do desempenho
               dos docentes. Assim, a Comissão de Coordenação da Avaliação do Desempenho propõe as
               directivas que a seguir se enunciam.


                     1. A avaliação de desempenho pressupõe a existência de um quadro de
               referência:

                       •    Externo, isto é, um conjunto de normas, objectivos e perfis de desempenho que
                            enformam o modelo;
                       •    Interno, que tem em conta o contexto socioeducativo em que o docente
                            desenvolve a sua actividade.

               No quadro abaixo identificam-se os referentes externos e internos, que enformam a avaliação
               de desempenho nesta escola:


                                   •    Decreto-Lei n.º 75/2010, de 23 de Junho (Estatuto da Carreira
                                   Docente);
                                   •    Decreto-Lei 240/2001 (perfil geral do desempenho docente);
                                   •   Decreto Regulamentar n.º 2/2010 (Regulamenta o sistema de
                                       avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto
                                       da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos
                                       Básico e Secundário);
                                   •    Despacho n.º 14420/2010, de 15 de Setembro (Regras para a
                                   calendarização do procedimento de avaliação do desempenho)
                                   •    Despacho nº 16034/2010 de 22 Outubro 2010 (Padrões de
                   Nível           desempenho);
                  externo          •    Decreto-Lei n.º 270/2009, de 30 de Setembro (última alteração do
                                   Estatuto da Carreira Docente, com republicação do mesmo);
                                   •    Portaria n.º 926/2010, de 20 de Setembro - Eventual dispensa de
                                       observação de aulas (relevante para licença sabática, regime de
                                       equiparação     a    bolseiro  a    tempo    inteiro,   entre outros);
                                       • Despacho normativo n.º 24/2010, de 23 de Setembro -
                                       Ponderação curricular (relevante para licença sabática, regime de
                                       equiparação a bolseiro a tempo inteiro, entre outros);
                                   •    Despacho n.º 20 131/2008 (fixação das percentagens máximas para a
                                   atribuição das classificações de Excelente e de Muito Bom).
                                   •    Programas curriculares;
                                   •    Recomendações           do Conselho Científico       para a Avaliação
                                   de Professores (CCAP);

                                       •   Despacho conjunto nº 31996/2008 de 16 de Dezembro. (altera o
                                   Despacho nº 20 131/2008 de 30 de Julho).
                                       •   Despacho n.º 4913-B/2010, de 18 de Março (fixa os
                                   procedimentos a adoptar no âmbito da apreciação intercalar).




    E.B. JÚLIO DINIS 2009/2010-GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE-CCAD………………………………………………………… Página 1 de 7
- Objectivos e metas fixados em:
                              •   Projecto Educativo do Agrupamento;
                              •   Plano Anual de Actividades;
                              •    Projecto Curricular do Agrupamento (inclui Plano de Formação
                                  Docente;
                              •   Projecto Curricular de Turma;
               Nível
              interno
                           - Instrumentos de registo criados pela escola.




E.B. JÚLIO DINIS 2009/2010-GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE-CCAD………………………………………………………… Página 2 de 7
1.1. Quadro de referência externo.


              1.1.1. Os objectivos da avaliação de desempenho decorrem do prescrito no DL
                      Decreto-Lei n.º 270/2009, artigo 40.º.
             - A avaliação do desempenho do pessoal docente desenvolve-se de acordo com os princípios
             consagrados no artigo 39.º da Lei de Bases do Sistema Educativo e no respeito pelos princípios e
             objectivos que enformam o sistema integrado de avaliação do desempenho da Administração
             Pública, incidindo sobre a actividade desenvolvida e tendo em conta as qualificações profissionais,
             pedagógicas e científicas do docente.
             - A avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria dos resultados escolares dos
             alunos e da qualidade das aprendizagens e proporcionar orientações para o desenvolvimento
             pessoal e profissional no quadro de um sistema de reconhecimento do mérito e da excelência.

             - Constituem ainda objectivos da avaliação do desempenho de acordo com o n.º 3 artigo 40:
             a) Contribuir para a melhoria da prática pedagógica do docente;
             b) Contribuir para a valorização e aperfeiçoamento individual do docente;
             c) Permitir a inventariação das necessidades de formação do pessoal docente;
             d) Detectar os factores que influenciam o rendimento profissional do pessoal docente;
             e) Diferenciar e premiar os melhores profissionais;
             f) Facultar indicadores de gestão em matéria de pessoal docente;
             g) Promover o trabalho de cooperação entre os docentes, tendo em vista a melhoria dos
             resultados escolares;
             h) Promover a excelência e a qualidade dos serviços prestados à comunidade.

             1.1.2. As dimensões da avaliação são as seguintes:

                  a. Vertente social, profissional e ética (Dimensão Transversal às outras três);
                  b. Desenvolvimento do ensino e da aprendizagem;
                  c. Participação na escola e relação com a comunidade escolar;
                  d. Desenvolvimento e formação profissional ao longo da vida.

             1.1.3. Elementos de referência da avaliação (Artigo 7.º do Dec. Reg. 2/2010):

             a) Os padrões de desempenho docente estabelecidos a nível nacional, sob proposta do conselho
             científico para a avaliação de professores;
             b) Os objectivos e as metas fixados no projecto educativo e nos planos anual e plurianual de
             actividades do agrupamento de escolas ou da escola não agrupada;
             c) Os objectivos individuais, facultativos, que fixem o contributo do avaliado para os
             objectivos e as metas referidos na alínea anterior ou para áreas relevantes do seu
             desenvolvimento profissional.

             1.1.4. Intervêm na avaliação de desempenho:

                  a. O Director;
                  b. Os Avaliados;
                  c, Júri de avaliação
                  d. A Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho (CCAD).
                  e. O R e l a t o r .


                   Nota: Os Coordenadores de Departamento são avaliados pelo Director. Os R e l a t o r e s
                      s e r ã o a v a l i a d o s p e l o s Coordenadores, ou outro professor se necessário.




             1.1.5. Cale nd ari za ção do processo de avaliação (a definir):

Escola Básica Júlio Dinis 2010/2011-Directivas para a Avaliação de Desempenho Docente - CCAD……………………………………………… Página 3 de 7
Biénio 2009/2011 (D.L. nº 75/2010, de 23 de Junho 2010; Decreto-Regulamentar nº 2/2010, de 23 de Junho 2010; Despacho nº
                                               14420/2010, de 15 de Setembro 2010)


         Fases do processo de avaliação                                              calendarização

Apresentação, facultativa, de pedido de observação de              Até 31-10-2010 (ou nos 5 dias úteis seguintes à
aulas                                                                         celebração do contrato)

Apresentação, facultativa, ao Director, de Objectivos             Até 31-10-2010 (ou nos 20 dias úteis seguintes à
Individuais                                                                   celebração do contrato)

                                                                 Consideram-se tacitamente aceites se, no prazo de
Aprovação da proposta de Objectivos Individuais                    15 dias úteis após a sua apresentação, não for
                                                                 apresentada indicação em contrário pelo Director.

Aprovação pelo CP dos instrumentos de recolha e
                                                                                      Até 15-11-2010
registos propostos pela C.C.A.D.

Apresentação pelos Relatores da proposta de
                                                                  Até 15-11-2010 (ou nos 15 dias úteis seguintes à
calendário de observação de aulas, se requeridas pelo
                                                                      entrega dos objectivos, para contratados)
Avaliado

                                                                      Nos 2º e 3º Períodos lectivos (2010-2011)
Observação de aulas, pelo Relator, se requeridas pelo
                                                                     Processo de observação de aulas concluído
Avaliado
                                                                                   Até 30-05-2011

Entrega do Relatório de Auto-Avaliação pelo Avaliado                                  Até 15-06-011
e entrega ao Relator

Apreciação do Relatório de Auto-Avaliação e tarefas
                                                                                      Até 30-06-2011
inerentes ao processo Avaliador/Avaliado

                                                                    No prazo de 5 dias úteis após comunicação da
Realização de entrevista individual entre
                                                                          proposta de Avaliação do relator
Relator/Avaliado, se solicitado
                                                                                   Até 08-07-2011

Tarefas inerentes ao processo – relator - Júri de                  Até 20-07-2011 de acordo com a calendarização
avaliação e proposta de Classificação Final                                   estabelecida pela CCAD

Comunicação ao Avaliado da Avaliação Final                                            Até 20-09-2011

                                                                 Nos 10 dias úteis após conhecimento da Avaliação
Reclamação para o Júri de Avaliação                                                  proposta


Apreciação e decisão sobre as reclamações pelo Júri             Nos 15 dias úteis subsequentes à recepção do pedido
de Avaliação

                                                                 No prazo de 10 dias úteis após tomar conhecimento
Recurso sobre a decisão relativa à reclamação,
                                                                           da decisão final da reclamação
dirigida ao Júri Especial de Recurso ( J.E.R. )


Conclusão do processo, incluindo eventuais
                                                                                31 de Dezembro de 2011
reclamações e recursos


               1.2.     Quadro de referência interno


 Escola Básica Júlio Dinis 2010/2011-Directivas para a Avaliação de Desempenho Docente - CCAD……………………………………………… Página 4 de 7
Tendo em conta o enquadramento legal, consideram-se os objectivos e metas
             definidos, nos diversos instrumentos de gestão pedagógica nomeadamente o Projecto
             Educativo, Projecto Curricular de Turma e Plano Anual de Actividades.




                 1.3.    Objectivos individuais


         Constituem uma referência da auto-avaliação e da avaliação final, sempre que sejam apresentados.

         A proposta de objectivos individuais é exclusivamente dirigida ao Director. Esta proposta deve referir:
         c) Prestação de apoio à aprendizagem dos alunos incluindo aqueles com dificuldades de
         aprendizagem;
         d) Participação nas estruturas de orientação educativa e dos órgãos de gestão da escola;
         e) Relação com a comunidade;
         f) Formação contínua adequada ao cumprimento de um plano individual de desenvolvimento
         profissional do docente;
         g) Participação e dinamização de projectos e ou actividades curriculares e extracurriculares.


             •    Objectivos individuais devem ser definidos tendo em conta o referido em 1.1.3. “Elementos
                  de referência da avaliação” e todos os normativos legais em vigor.




                  1.4. Instrumentos de registo




         Sem prejuízo da existência de outros documentos de suporte, a recolha e registo de informação pelos
         avaliadores será efectuada nas fichas aprovadas pelo Ministério da Educação e instrumento(s) de
         registo aprovado(s) em Conselho Pedagógico:

             •    “Ficha de avaliação global” aprovada por despacho governamental
             •    “Ficha de observação de aulas”


         Ver anexo III do Despacho n.º 14 420/2010, de 15 de Setembro “Ficha de avaliação global do
         desempenho do pessoal docente”.




                  1.5. Relatório de auto-avaliação


         A auto-avaliação é obrigatória e concretiza-se através da elaboração de um relatório a entregar ao
         relator em momento definido pelo calendário de A.D.D..

         O relatório de auto-avaliação constitui elemento essencial a considerar na avaliação do desempenho, e
         a sua elaboração deve observar as regras simplificadas e os padrões de uniformização definidos por
         despacho do membro do Governo responsável pela área da educação.

         O relatório de auto-avaliação aborda, necessariamente, os seguintes aspectos:

         a) Autodiagnóstico realizado no início do procedimento de avaliação;
Escola Básica Júlio Dinis 2010/2011-Directivas para a Avaliação de Desempenho Docente - CCAD……………………………………………… Página 5 de 7
b) Breve descrição da actividade profissional desenvolvida no período em avaliação;
         c) Contributo do docente para a prossecução dos objectivos e metas da escola;
         d) Análise pessoal e balanço sobre as actividades lectivas e não lectivas desenvolvidas, tendo em conta
         os elementos de referência previstos no artigo 7.º;
         e) Formação realizada e seus benefícios para a prática lectiva e não lectiva do docente;
         f) Identificação de necessidades de formação para o desenvolvimento profissional.
         O relatório é acompanhado, em anexo, dos documentos relevantes para a apreciação do desempenho
         do docente que não constem no seu processo individual.

         Ver anexo II do Despacho n.º 14 420/2010, de 15 de Setembro “Regras e padrões de uniformização
         para a elaboração do relatório de auto–avaliação”




                  1.5. Atribuição e Validação das classificações


         A atribuição fundamentada da classificação final a cada avaliado compete ao júri de avaliação sob
         proposta do relator. O júri é composto pelos membros da comissão de coordenação da avaliação do
         desempenho e por um relator.

         No que diz respeito à validação das classificações que apresentem as menções de Excelente, Muito
         Bom ou Insuficiente, serão validadas as classificações que: Tenham sido atribuídas no respeito e
         observância dos normativos legais; Estejam fundamentadas em factos comprovados e/ou verificáveis
         através dos registos arquivados no processo individual do professor, documentos de registo, Relatório
         de auto-avaliação ou anexos referidos no ponto 5 do Art. 17 do Dec. Reg. 2-2007;

         “Quando seja atribuída a menção de Excelente, a fundamentação tem obrigatoriamente de especificar
         os contributos relevantes proporcionados pelo avaliado para o sucesso escolar dos alunos e para a
         qualidade das suas aprendizagens”. Ver Despacho n.º 14420/2010.



                  1.6. Classificações e desempate


         Quando por efeito da atribuição da menção de Excelente ou de Muito Bom for necessário 1 proceder ao
         desempate entre docentes que tenham a mesma menção qualitativa, releva consecutivamente a
         avaliação obtida nos parâmetros: cumprimento de serviço; realização das actividades lectivas;
         preparação e organização das actividades lectivas; relação pedagógica com os alunos; processo de
         avaliação das aprendizagens e formação contínua e desenvolvimento profissional, por esta ordem.




         1
          Por força da aplicação do Despacho 20131/2008, que determina a fixação das percentagens máximas para a
         atribuição das classificações de Excelente e de Muito Bom.




                  1.7 Níveis classificativos

         O processo de Avaliação do Desempenho Docente em curso apenas considera e valoriza as funções que
         sempre foram consideradas e valorizadas na actividade docente: qualidade da realização das
         actividades lectivas em conformidade com uma planificação previamente estabelecida; qualidade da
         participação e empenho na vida da Escola e na resolução dos seus problemas.

Escola Básica Júlio Dinis 2010/2011-Directivas para a Avaliação de Desempenho Docente - CCAD……………………………………………… Página 6 de 7
1.8 Normas para aplicação da A.D.D..


         1.8.1 A duração das aulas a observar deve ser de noventa minutos, salvo as Disciplinas cuja carga
         lectiva semanal não contemple aulas de noventa minutos. No 1º Ciclo do E.B. e no Ensino Pré-Escolar a
         duração das “sessões” a observar deve ser noventa minutos.

         1.8.2 Terão de ser observadas duas aulas por cada ano lectivo.

         1.8.3 Deverão ser apresentadas as planificações referentes às Unidades Didácticas que incluem as
         aulas assistidas.

         1.8.4 As planificações das aulas assistidas bem como das unidades didácticas (a que as mesmas se
         referem) devem ser entregues até 72 horas antes das observações. Poderão ser apresentadas mais
         planificações como anexos ao relatório de auto-avaliação, relevando nos termos do ponto 1.6 para
         efeito de desempate.

         1.8.5 Se existir um modelo de plano de aula adoptado pelo departamento ou subdepartamento, o
         mesmo deve ser adoptado pelo avaliado.




         Grijó, 10 de Novembro de 2010




Escola Básica Júlio Dinis 2010/2011-Directivas para a Avaliação de Desempenho Docente - CCAD……………………………………………… Página 7 de 7

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Directivas ccad 6[1]

As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicialAs fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
ANA GRALHEIRO
 
Despacho fichas-add
Despacho fichas-addDespacho fichas-add
Despacho fichas-add
ANA GRALHEIRO
 
Despacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_globalDespacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_global
Maria André
 
Despacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_globalDespacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_global
Maria André
 
Despacho fichas avaliacao_ADD
Despacho fichas avaliacao_ADDDespacho fichas avaliacao_ADD
Despacho fichas avaliacao_ADD
Maria André
 
Calendário da Avaliação de Desempenho - 0910
Calendário da Avaliação de Desempenho - 0910Calendário da Avaliação de Desempenho - 0910
Calendário da Avaliação de Desempenho - 0910
Tito Romeu Gomes de Sousa Maia Mendes
 
FICHAS DE AVALIAÇÃO GLOBAL - ADD
FICHAS DE AVALIAÇÃO GLOBAL - ADDFICHAS DE AVALIAÇÃO GLOBAL - ADD
FICHAS DE AVALIAÇÃO GLOBAL - ADD
ANA GRALHEIRO
 
Ccap recomendações fichas outubro de 2010
Ccap recomendações fichas outubro de 2010Ccap recomendações fichas outubro de 2010
Ccap recomendações fichas outubro de 2010
ANA GRALHEIRO
 
Ccap recomendações fichas outubro de 2010
Ccap recomendações fichas outubro de 2010Ccap recomendações fichas outubro de 2010
Ccap recomendações fichas outubro de 2010
ANA GRALHEIRO
 
Add 2011-09-09 última[1]
Add 2011-09-09 última[1]Add 2011-09-09 última[1]
Add 2011-09-09 última[1]
Ana Lagos
 
Dec reg 26_2012_21fev
Dec reg 26_2012_21fevDec reg 26_2012_21fev
Dec reg 26_2012_21fev
mariacarmcorreia
 
Decreto regulamentar 2 de 2010 avaliação de desempenho
Decreto regulamentar 2 de 2010 avaliação de desempenhoDecreto regulamentar 2 de 2010 avaliação de desempenho
Decreto regulamentar 2 de 2010 avaliação de desempenho
Maria João Vasconcelos
 
0223702244
02237022440223702244
0223702244
ceciliaguise
 
Avaliação do Desempenho dos Docentes - Dec. regulamentar nº2 de 2010 de 23 de...
Avaliação do Desempenho dos Docentes - Dec. regulamentar nº2 de 2010 de 23 de...Avaliação do Desempenho dos Docentes - Dec. regulamentar nº2 de 2010 de 23 de...
Avaliação do Desempenho dos Docentes - Dec. regulamentar nº2 de 2010 de 23 de...
Jorge Barbosa
 
Aval Des Pessoal Docente
Aval Des  Pessoal DocenteAval Des  Pessoal Docente
Aval Des Pessoal Docente
k j
 
Dec939 08 avaliacao de desempenho - modi
Dec939 08 avaliacao de desempenho - modiDec939 08 avaliacao de desempenho - modi
Dec939 08 avaliacao de desempenho - modi
Silvio Corrêa
 
Formação-Avaliados-RADD.pdf
Formação-Avaliados-RADD.pdfFormação-Avaliados-RADD.pdf
Formação-Avaliados-RADD.pdf
carla nabeiro
 
Add power-point
Add   power-pointAdd   power-point
Add power-point
Isabel Matias
 
Avalia%c3%a7%c3%a3ode desempenho vers%c3%a3ode21%5b1%5d%5b1%5d.9.2007
Avalia%c3%a7%c3%a3ode desempenho vers%c3%a3ode21%5b1%5d%5b1%5d.9.2007Avalia%c3%a7%c3%a3ode desempenho vers%c3%a3ode21%5b1%5d%5b1%5d.9.2007
Avalia%c3%a7%c3%a3ode desempenho vers%c3%a3ode21%5b1%5d%5b1%5d.9.2007
Francisco Martins
 
Add 2011-09 set: O texto final
Add 2011-09 set: O texto finalAdd 2011-09 set: O texto final
Add 2011-09 set: O texto final
pr_afsalbergaria
 

Semelhante a Directivas ccad 6[1] (20)

As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicialAs fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
 
Despacho fichas-add
Despacho fichas-addDespacho fichas-add
Despacho fichas-add
 
Despacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_globalDespacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_global
 
Despacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_globalDespacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_global
 
Despacho fichas avaliacao_ADD
Despacho fichas avaliacao_ADDDespacho fichas avaliacao_ADD
Despacho fichas avaliacao_ADD
 
Calendário da Avaliação de Desempenho - 0910
Calendário da Avaliação de Desempenho - 0910Calendário da Avaliação de Desempenho - 0910
Calendário da Avaliação de Desempenho - 0910
 
FICHAS DE AVALIAÇÃO GLOBAL - ADD
FICHAS DE AVALIAÇÃO GLOBAL - ADDFICHAS DE AVALIAÇÃO GLOBAL - ADD
FICHAS DE AVALIAÇÃO GLOBAL - ADD
 
Ccap recomendações fichas outubro de 2010
Ccap recomendações fichas outubro de 2010Ccap recomendações fichas outubro de 2010
Ccap recomendações fichas outubro de 2010
 
Ccap recomendações fichas outubro de 2010
Ccap recomendações fichas outubro de 2010Ccap recomendações fichas outubro de 2010
Ccap recomendações fichas outubro de 2010
 
Add 2011-09-09 última[1]
Add 2011-09-09 última[1]Add 2011-09-09 última[1]
Add 2011-09-09 última[1]
 
Dec reg 26_2012_21fev
Dec reg 26_2012_21fevDec reg 26_2012_21fev
Dec reg 26_2012_21fev
 
Decreto regulamentar 2 de 2010 avaliação de desempenho
Decreto regulamentar 2 de 2010 avaliação de desempenhoDecreto regulamentar 2 de 2010 avaliação de desempenho
Decreto regulamentar 2 de 2010 avaliação de desempenho
 
0223702244
02237022440223702244
0223702244
 
Avaliação do Desempenho dos Docentes - Dec. regulamentar nº2 de 2010 de 23 de...
Avaliação do Desempenho dos Docentes - Dec. regulamentar nº2 de 2010 de 23 de...Avaliação do Desempenho dos Docentes - Dec. regulamentar nº2 de 2010 de 23 de...
Avaliação do Desempenho dos Docentes - Dec. regulamentar nº2 de 2010 de 23 de...
 
Aval Des Pessoal Docente
Aval Des  Pessoal DocenteAval Des  Pessoal Docente
Aval Des Pessoal Docente
 
Dec939 08 avaliacao de desempenho - modi
Dec939 08 avaliacao de desempenho - modiDec939 08 avaliacao de desempenho - modi
Dec939 08 avaliacao de desempenho - modi
 
Formação-Avaliados-RADD.pdf
Formação-Avaliados-RADD.pdfFormação-Avaliados-RADD.pdf
Formação-Avaliados-RADD.pdf
 
Add power-point
Add   power-pointAdd   power-point
Add power-point
 
Avalia%c3%a7%c3%a3ode desempenho vers%c3%a3ode21%5b1%5d%5b1%5d.9.2007
Avalia%c3%a7%c3%a3ode desempenho vers%c3%a3ode21%5b1%5d%5b1%5d.9.2007Avalia%c3%a7%c3%a3ode desempenho vers%c3%a3ode21%5b1%5d%5b1%5d.9.2007
Avalia%c3%a7%c3%a3ode desempenho vers%c3%a3ode21%5b1%5d%5b1%5d.9.2007
 
Add 2011-09 set: O texto final
Add 2011-09 set: O texto finalAdd 2011-09 set: O texto final
Add 2011-09 set: O texto final
 

Mais de lpaulas3

Nova estrutura curricular
Nova estrutura curricularNova estrutura curricular
Nova estrutura curricular
lpaulas3
 
Correlative conjunctions fill
Correlative conjunctions fillCorrelative conjunctions fill
Correlative conjunctions filllpaulas3
 
Ficha trabalho 9_localiz_industrial
Ficha trabalho 9_localiz_industrialFicha trabalho 9_localiz_industrial
Ficha trabalho 9_localiz_industrial
lpaulas3
 
Ficha trabalho 9_localiz_industrial
Ficha trabalho 9_localiz_industrialFicha trabalho 9_localiz_industrial
Ficha trabalho 9_localiz_industrial
lpaulas3
 
Adjectives ended in
Adjectives ended inAdjectives ended in
Adjectives ended in
lpaulas3
 
Resumo de quimica
Resumo de quimicaResumo de quimica
Resumo de quimica
lpaulas3
 
Frase
FraseFrase
Frase
lpaulas3
 
Frase
FraseFrase
Frase
lpaulas3
 
Apa referencias
Apa referenciasApa referencias
Apa referencias
lpaulas3
 
11 fa absolutismo
11 fa absolutismo11 fa absolutismo
11 fa absolutismolpaulas3
 
9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo
lpaulas3
 
10 fa sociedadeordens
10 fa sociedadeordens10 fa sociedadeordens
10 fa sociedadeordenslpaulas3
 
9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo
lpaulas3
 
9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo
lpaulas3
 
10 fa sociedadeordens
10 fa sociedadeordens10 fa sociedadeordens
10 fa sociedadeordenslpaulas3
 
10 fa sociedadeordens
10 fa sociedadeordens10 fa sociedadeordens
10 fa sociedadeordenslpaulas3
 
9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo
lpaulas3
 
9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo
lpaulas3
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalhoFicha de trabalho
Ficha de trabalho
lpaulas3
 

Mais de lpaulas3 (19)

Nova estrutura curricular
Nova estrutura curricularNova estrutura curricular
Nova estrutura curricular
 
Correlative conjunctions fill
Correlative conjunctions fillCorrelative conjunctions fill
Correlative conjunctions fill
 
Ficha trabalho 9_localiz_industrial
Ficha trabalho 9_localiz_industrialFicha trabalho 9_localiz_industrial
Ficha trabalho 9_localiz_industrial
 
Ficha trabalho 9_localiz_industrial
Ficha trabalho 9_localiz_industrialFicha trabalho 9_localiz_industrial
Ficha trabalho 9_localiz_industrial
 
Adjectives ended in
Adjectives ended inAdjectives ended in
Adjectives ended in
 
Resumo de quimica
Resumo de quimicaResumo de quimica
Resumo de quimica
 
Frase
FraseFrase
Frase
 
Frase
FraseFrase
Frase
 
Apa referencias
Apa referenciasApa referencias
Apa referencias
 
11 fa absolutismo
11 fa absolutismo11 fa absolutismo
11 fa absolutismo
 
9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo
 
10 fa sociedadeordens
10 fa sociedadeordens10 fa sociedadeordens
10 fa sociedadeordens
 
9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo
 
9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo
 
10 fa sociedadeordens
10 fa sociedadeordens10 fa sociedadeordens
10 fa sociedadeordens
 
10 fa sociedadeordens
10 fa sociedadeordens10 fa sociedadeordens
10 fa sociedadeordens
 
9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo
 
9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo9 fa mercantilismo
9 fa mercantilismo
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalhoFicha de trabalho
Ficha de trabalho
 

Directivas ccad 6[1]

  • 1. o DIRECTIVAS PARA A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (CCAD) 2010/2011 Nota Introdutória. Nos termos previstos no nº 2 do artigo 13º do Decreto Regulamentar nº 2/2008, de 10 de Janeiro, compete à Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho (CCAD) estabelecer directivas para uma aplicação objectiva e harmónica do sistema de avaliação do desempenho dos docentes. Assim, a Comissão de Coordenação da Avaliação do Desempenho propõe as directivas que a seguir se enunciam. 1. A avaliação de desempenho pressupõe a existência de um quadro de referência: • Externo, isto é, um conjunto de normas, objectivos e perfis de desempenho que enformam o modelo; • Interno, que tem em conta o contexto socioeducativo em que o docente desenvolve a sua actividade. No quadro abaixo identificam-se os referentes externos e internos, que enformam a avaliação de desempenho nesta escola: • Decreto-Lei n.º 75/2010, de 23 de Junho (Estatuto da Carreira Docente); • Decreto-Lei 240/2001 (perfil geral do desempenho docente); • Decreto Regulamentar n.º 2/2010 (Regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário); • Despacho n.º 14420/2010, de 15 de Setembro (Regras para a calendarização do procedimento de avaliação do desempenho) • Despacho nº 16034/2010 de 22 Outubro 2010 (Padrões de Nível desempenho); externo • Decreto-Lei n.º 270/2009, de 30 de Setembro (última alteração do Estatuto da Carreira Docente, com republicação do mesmo); • Portaria n.º 926/2010, de 20 de Setembro - Eventual dispensa de observação de aulas (relevante para licença sabática, regime de equiparação a bolseiro a tempo inteiro, entre outros); • Despacho normativo n.º 24/2010, de 23 de Setembro - Ponderação curricular (relevante para licença sabática, regime de equiparação a bolseiro a tempo inteiro, entre outros); • Despacho n.º 20 131/2008 (fixação das percentagens máximas para a atribuição das classificações de Excelente e de Muito Bom). • Programas curriculares; • Recomendações do Conselho Científico para a Avaliação de Professores (CCAP); • Despacho conjunto nº 31996/2008 de 16 de Dezembro. (altera o Despacho nº 20 131/2008 de 30 de Julho). • Despacho n.º 4913-B/2010, de 18 de Março (fixa os procedimentos a adoptar no âmbito da apreciação intercalar). E.B. JÚLIO DINIS 2009/2010-GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE-CCAD………………………………………………………… Página 1 de 7
  • 2. - Objectivos e metas fixados em: • Projecto Educativo do Agrupamento; • Plano Anual de Actividades; • Projecto Curricular do Agrupamento (inclui Plano de Formação Docente; • Projecto Curricular de Turma; Nível interno - Instrumentos de registo criados pela escola. E.B. JÚLIO DINIS 2009/2010-GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE-CCAD………………………………………………………… Página 2 de 7
  • 3. 1.1. Quadro de referência externo. 1.1.1. Os objectivos da avaliação de desempenho decorrem do prescrito no DL Decreto-Lei n.º 270/2009, artigo 40.º. - A avaliação do desempenho do pessoal docente desenvolve-se de acordo com os princípios consagrados no artigo 39.º da Lei de Bases do Sistema Educativo e no respeito pelos princípios e objectivos que enformam o sistema integrado de avaliação do desempenho da Administração Pública, incidindo sobre a actividade desenvolvida e tendo em conta as qualificações profissionais, pedagógicas e científicas do docente. - A avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria dos resultados escolares dos alunos e da qualidade das aprendizagens e proporcionar orientações para o desenvolvimento pessoal e profissional no quadro de um sistema de reconhecimento do mérito e da excelência. - Constituem ainda objectivos da avaliação do desempenho de acordo com o n.º 3 artigo 40: a) Contribuir para a melhoria da prática pedagógica do docente; b) Contribuir para a valorização e aperfeiçoamento individual do docente; c) Permitir a inventariação das necessidades de formação do pessoal docente; d) Detectar os factores que influenciam o rendimento profissional do pessoal docente; e) Diferenciar e premiar os melhores profissionais; f) Facultar indicadores de gestão em matéria de pessoal docente; g) Promover o trabalho de cooperação entre os docentes, tendo em vista a melhoria dos resultados escolares; h) Promover a excelência e a qualidade dos serviços prestados à comunidade. 1.1.2. As dimensões da avaliação são as seguintes: a. Vertente social, profissional e ética (Dimensão Transversal às outras três); b. Desenvolvimento do ensino e da aprendizagem; c. Participação na escola e relação com a comunidade escolar; d. Desenvolvimento e formação profissional ao longo da vida. 1.1.3. Elementos de referência da avaliação (Artigo 7.º do Dec. Reg. 2/2010): a) Os padrões de desempenho docente estabelecidos a nível nacional, sob proposta do conselho científico para a avaliação de professores; b) Os objectivos e as metas fixados no projecto educativo e nos planos anual e plurianual de actividades do agrupamento de escolas ou da escola não agrupada; c) Os objectivos individuais, facultativos, que fixem o contributo do avaliado para os objectivos e as metas referidos na alínea anterior ou para áreas relevantes do seu desenvolvimento profissional. 1.1.4. Intervêm na avaliação de desempenho: a. O Director; b. Os Avaliados; c, Júri de avaliação d. A Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho (CCAD). e. O R e l a t o r . Nota: Os Coordenadores de Departamento são avaliados pelo Director. Os R e l a t o r e s s e r ã o a v a l i a d o s p e l o s Coordenadores, ou outro professor se necessário. 1.1.5. Cale nd ari za ção do processo de avaliação (a definir): Escola Básica Júlio Dinis 2010/2011-Directivas para a Avaliação de Desempenho Docente - CCAD……………………………………………… Página 3 de 7
  • 4. Biénio 2009/2011 (D.L. nº 75/2010, de 23 de Junho 2010; Decreto-Regulamentar nº 2/2010, de 23 de Junho 2010; Despacho nº 14420/2010, de 15 de Setembro 2010) Fases do processo de avaliação calendarização Apresentação, facultativa, de pedido de observação de Até 31-10-2010 (ou nos 5 dias úteis seguintes à aulas celebração do contrato) Apresentação, facultativa, ao Director, de Objectivos Até 31-10-2010 (ou nos 20 dias úteis seguintes à Individuais celebração do contrato) Consideram-se tacitamente aceites se, no prazo de Aprovação da proposta de Objectivos Individuais 15 dias úteis após a sua apresentação, não for apresentada indicação em contrário pelo Director. Aprovação pelo CP dos instrumentos de recolha e Até 15-11-2010 registos propostos pela C.C.A.D. Apresentação pelos Relatores da proposta de Até 15-11-2010 (ou nos 15 dias úteis seguintes à calendário de observação de aulas, se requeridas pelo entrega dos objectivos, para contratados) Avaliado Nos 2º e 3º Períodos lectivos (2010-2011) Observação de aulas, pelo Relator, se requeridas pelo Processo de observação de aulas concluído Avaliado Até 30-05-2011 Entrega do Relatório de Auto-Avaliação pelo Avaliado Até 15-06-011 e entrega ao Relator Apreciação do Relatório de Auto-Avaliação e tarefas Até 30-06-2011 inerentes ao processo Avaliador/Avaliado No prazo de 5 dias úteis após comunicação da Realização de entrevista individual entre proposta de Avaliação do relator Relator/Avaliado, se solicitado Até 08-07-2011 Tarefas inerentes ao processo – relator - Júri de Até 20-07-2011 de acordo com a calendarização avaliação e proposta de Classificação Final estabelecida pela CCAD Comunicação ao Avaliado da Avaliação Final Até 20-09-2011 Nos 10 dias úteis após conhecimento da Avaliação Reclamação para o Júri de Avaliação proposta Apreciação e decisão sobre as reclamações pelo Júri Nos 15 dias úteis subsequentes à recepção do pedido de Avaliação No prazo de 10 dias úteis após tomar conhecimento Recurso sobre a decisão relativa à reclamação, da decisão final da reclamação dirigida ao Júri Especial de Recurso ( J.E.R. ) Conclusão do processo, incluindo eventuais 31 de Dezembro de 2011 reclamações e recursos 1.2. Quadro de referência interno Escola Básica Júlio Dinis 2010/2011-Directivas para a Avaliação de Desempenho Docente - CCAD……………………………………………… Página 4 de 7
  • 5. Tendo em conta o enquadramento legal, consideram-se os objectivos e metas definidos, nos diversos instrumentos de gestão pedagógica nomeadamente o Projecto Educativo, Projecto Curricular de Turma e Plano Anual de Actividades. 1.3. Objectivos individuais Constituem uma referência da auto-avaliação e da avaliação final, sempre que sejam apresentados. A proposta de objectivos individuais é exclusivamente dirigida ao Director. Esta proposta deve referir: c) Prestação de apoio à aprendizagem dos alunos incluindo aqueles com dificuldades de aprendizagem; d) Participação nas estruturas de orientação educativa e dos órgãos de gestão da escola; e) Relação com a comunidade; f) Formação contínua adequada ao cumprimento de um plano individual de desenvolvimento profissional do docente; g) Participação e dinamização de projectos e ou actividades curriculares e extracurriculares. • Objectivos individuais devem ser definidos tendo em conta o referido em 1.1.3. “Elementos de referência da avaliação” e todos os normativos legais em vigor. 1.4. Instrumentos de registo Sem prejuízo da existência de outros documentos de suporte, a recolha e registo de informação pelos avaliadores será efectuada nas fichas aprovadas pelo Ministério da Educação e instrumento(s) de registo aprovado(s) em Conselho Pedagógico: • “Ficha de avaliação global” aprovada por despacho governamental • “Ficha de observação de aulas” Ver anexo III do Despacho n.º 14 420/2010, de 15 de Setembro “Ficha de avaliação global do desempenho do pessoal docente”. 1.5. Relatório de auto-avaliação A auto-avaliação é obrigatória e concretiza-se através da elaboração de um relatório a entregar ao relator em momento definido pelo calendário de A.D.D.. O relatório de auto-avaliação constitui elemento essencial a considerar na avaliação do desempenho, e a sua elaboração deve observar as regras simplificadas e os padrões de uniformização definidos por despacho do membro do Governo responsável pela área da educação. O relatório de auto-avaliação aborda, necessariamente, os seguintes aspectos: a) Autodiagnóstico realizado no início do procedimento de avaliação; Escola Básica Júlio Dinis 2010/2011-Directivas para a Avaliação de Desempenho Docente - CCAD……………………………………………… Página 5 de 7
  • 6. b) Breve descrição da actividade profissional desenvolvida no período em avaliação; c) Contributo do docente para a prossecução dos objectivos e metas da escola; d) Análise pessoal e balanço sobre as actividades lectivas e não lectivas desenvolvidas, tendo em conta os elementos de referência previstos no artigo 7.º; e) Formação realizada e seus benefícios para a prática lectiva e não lectiva do docente; f) Identificação de necessidades de formação para o desenvolvimento profissional. O relatório é acompanhado, em anexo, dos documentos relevantes para a apreciação do desempenho do docente que não constem no seu processo individual. Ver anexo II do Despacho n.º 14 420/2010, de 15 de Setembro “Regras e padrões de uniformização para a elaboração do relatório de auto–avaliação” 1.5. Atribuição e Validação das classificações A atribuição fundamentada da classificação final a cada avaliado compete ao júri de avaliação sob proposta do relator. O júri é composto pelos membros da comissão de coordenação da avaliação do desempenho e por um relator. No que diz respeito à validação das classificações que apresentem as menções de Excelente, Muito Bom ou Insuficiente, serão validadas as classificações que: Tenham sido atribuídas no respeito e observância dos normativos legais; Estejam fundamentadas em factos comprovados e/ou verificáveis através dos registos arquivados no processo individual do professor, documentos de registo, Relatório de auto-avaliação ou anexos referidos no ponto 5 do Art. 17 do Dec. Reg. 2-2007; “Quando seja atribuída a menção de Excelente, a fundamentação tem obrigatoriamente de especificar os contributos relevantes proporcionados pelo avaliado para o sucesso escolar dos alunos e para a qualidade das suas aprendizagens”. Ver Despacho n.º 14420/2010. 1.6. Classificações e desempate Quando por efeito da atribuição da menção de Excelente ou de Muito Bom for necessário 1 proceder ao desempate entre docentes que tenham a mesma menção qualitativa, releva consecutivamente a avaliação obtida nos parâmetros: cumprimento de serviço; realização das actividades lectivas; preparação e organização das actividades lectivas; relação pedagógica com os alunos; processo de avaliação das aprendizagens e formação contínua e desenvolvimento profissional, por esta ordem. 1 Por força da aplicação do Despacho 20131/2008, que determina a fixação das percentagens máximas para a atribuição das classificações de Excelente e de Muito Bom. 1.7 Níveis classificativos O processo de Avaliação do Desempenho Docente em curso apenas considera e valoriza as funções que sempre foram consideradas e valorizadas na actividade docente: qualidade da realização das actividades lectivas em conformidade com uma planificação previamente estabelecida; qualidade da participação e empenho na vida da Escola e na resolução dos seus problemas. Escola Básica Júlio Dinis 2010/2011-Directivas para a Avaliação de Desempenho Docente - CCAD……………………………………………… Página 6 de 7
  • 7. 1.8 Normas para aplicação da A.D.D.. 1.8.1 A duração das aulas a observar deve ser de noventa minutos, salvo as Disciplinas cuja carga lectiva semanal não contemple aulas de noventa minutos. No 1º Ciclo do E.B. e no Ensino Pré-Escolar a duração das “sessões” a observar deve ser noventa minutos. 1.8.2 Terão de ser observadas duas aulas por cada ano lectivo. 1.8.3 Deverão ser apresentadas as planificações referentes às Unidades Didácticas que incluem as aulas assistidas. 1.8.4 As planificações das aulas assistidas bem como das unidades didácticas (a que as mesmas se referem) devem ser entregues até 72 horas antes das observações. Poderão ser apresentadas mais planificações como anexos ao relatório de auto-avaliação, relevando nos termos do ponto 1.6 para efeito de desempate. 1.8.5 Se existir um modelo de plano de aula adoptado pelo departamento ou subdepartamento, o mesmo deve ser adoptado pelo avaliado. Grijó, 10 de Novembro de 2010 Escola Básica Júlio Dinis 2010/2011-Directivas para a Avaliação de Desempenho Docente - CCAD……………………………………………… Página 7 de 7