SlideShare uma empresa Scribd logo
Análise Ambiental Para Implantação de Distritos Industriais Com o Uso do Geoprocessamento no Município de São Leopoldo - RS Programa de Pós-Graduação em Geologia - Área de Concentração: Meio Ambiente e Recursos Minerais, Linha de Pesquisa Geologia e Planejamento Ambiental, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS   Autores:  Biól. Luciane Baretta     Profº Dr. Maurício Roberto Veronez
Introdução A partir do século XIX, as cidades passaram por uma transformação, em estreita relação com a elevada aceleração da industrialização nos grandes centros mundiais (Albano,1999). Desde então os processos de ocupação, uso do solo e exploração dos recursos naturais, têm evidenciado uma realidade nada harmônica com o conceito de Desenvolvimento Sustentável, fazendo-se necessária uma reavaliação e substituição dos métodos praticados atualmente em relação ao planejamento do uso do solo (Souza,1998).
Determinar locais viáveis para implantação de distritos industriais, utilizando técnicas de geoprocessamento para o estabelecimento de critérios na escolha de locais ambientalmente adequados, ponderados pela legislação ambiental Federal, Estadual e Municipal, tendo como área piloto o município de São Leopoldo – RS. Objetivo
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Justificativa
Figura 1 .  Área de instalação industrial não condizente com a legislação estadual . Fonte: Ministério da Integração Nacional antigo  DNOS – Departamento Nacional de Obras e Saneamento.  Foto: Antônio C.S.P Geske
SIG Aplicado aos Estudos Ambientais   SIG é um sistema que utiliza dados espaciais (cartográficos) em conjunto com dados descritivos (alfanuméricos tabulares), os quais trabalham com diferentes planos de informação permitindo análises entre os mesmos (Souza, 1999).
Área de estudo Situa-se no município de São Leopoldo entre as coordenadas geodésicas  (51º13'39"W, 29º49'48"S) e (51º01'14"W, 29º38'59"S),  parte baixa da bacia hidrográfica do Rio dos Sinos, onde ocorre uma extensa planície, constituída por banhados e áreas inundáveis (Teixeira, 2002). Materiais e Método
Figura 2 - Mapa de localização do Município de São Leopoldo  Materiais e Método
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Materiais
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Materiais
Para a estruturação da base cartográfica desse trabalho foi implantada uma rede geodésica para georreferenciamento da imagem  Quickbird  e das demais cartas. Essa rede é composta por 30 pontos bem identificados nos produtos cartográficos e no terreno. Toda a base cartográfica foi associada ao Sistema Geodésico SIRGAS (Sistema de Referência Geocêntrico das Américas) na projeção UTM (Universal Transverso de Mercator).  Método
Método Figura 3 - disposição dos pontos da rede GPS Implantada no Município de São Leopoldo. Modelo de um Ponto GPS
Com base nas restrições impostas pela legislação ambiental foram realizadas análises espaciais com o intuito de estabelecer critérios técnicos mais eficientes no processo de estabelecimento de lugares aptos para instalação de Distritos Industriais .  Método
Figura 4 - Análises espaciais realizadas no processo de definição das áreas adequadas para implantação de Distritos Industriais. Método
Análise Multicritério   Para facilitar o processo de decisão, foi adotada a análise multicritério, que permite que um determinado objetivo seja alcançado através da avaliação e combinação de diversos critérios. Adotou-se o método baseado em escala de pontos (Ramos, 2000):   5 - ótimo, 4 - bom,  3 - regular,  2 - ruim,  1 - péssimo,  0 - inadequado Método
Entrada de Dados   - Trabalho de Campo - Trabalho de Gabinete Método
Resultado do Processamento da Rede GPS Figura 5 - Análise da precisão da rede GPS implantada
Resultados Com auxílio dos  Softwares   ArcGIS ,  AutoCAD  e  SPRING , foram geradas cartas que permitiram a composição do resultado final.
Através da carta altimétrica, foi possível delimitar as APPs de topos de morro e montanhas,  ao longo de linhas de cumeada e obter as classes de declividade, segundo o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (EMBRAPA, 1999):  -  plano : declividades que variam de 0 a 3% - Valor: 5 pontos. -  suave ondulado : declividades entre 3 e 8% - Valor: 4 pontos. -  ondulado : declividades que variam de 8 a 20% - Valor: 3 pontos. -  forte ondulado:  declividades que variam de 20 a 45% - Valor: 2 pontos. -  montanhoso : declividades que variam de 45 a 75% - Valor: 0 pontos. Altimetria
Altimetria   Figura 6 –  Carta de Declividade Elaborada   - Plano - 55,02 % - Suave Ondulado - 24,27 % - Ondulado - 19,29 % - Forte Ondulado - 1,04 % - Montanhoso - 0,37 %
Hidrografia   A partir da carta de hidrografia, delimitou-se as APPs de nascentes e olhos d’água e ao longo de qualquer curso d’água.   Figura 7 - Carta de Hidrografia Elaborada
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Carta de uso do solo
Carta de uso do solo   Figura 8 –  Carta de Uso do Solo  Elaborada   - Área de Sucessão Vegetal  - 2,6 % - Área Urbana - 42,09 % - Banhado - 17,16 % - Campo Antrópico -15,43 % - Mata Mista - 2,95 % - Mata Nativa - 13,86 % - Área de Reflorestamento - 4,84   %
Áreas de Preservação Permanente (APPs) Para definir as APPs foram utilizadas as cartas de altimetria, hidrografia e uso do solo.
Delimitação das APPs em topos de morros e montanhas   Conforme lei n° 4.771 do Código Florestal Brasileiro e Resolução n° 303 do CONAMA. Figura 9 – Representação do terço superior de morros
A carta de APPs de Topos de Morros, mostra a ocupação de cerca de 2,5 % da área total do município.   Delimitação das APPs em topos de morros e montanhas   Figura 10 –  Carta de APP Topos de Morros Elaborada
De acordo com a resolução n° 303 do CONAMA. Delimitação das APPs ao longo das linhas de cumeada   Figura 11-   Representação da medida de linhas de cumeada
O resultado dessa APP mostra que o terço superior das encostas do município de São Leopoldo ocupam, cerca de 22,97% da área do município. Delimitação das APPs ao longo das linhas de cumeada   Figura 12 –  Carta de APP Linha de Cumeada Elaborada
Delimitação das APPs ao redor de nascentes ou olhos d’água   Segundo  CONAMA 303, as áreas em um raio de 50m ao redor das nascentes representam cerca de 7,77% da superfície do município. Figura 13 –  Carta de APP ao Redor de Nascentes
De acordo com a lei n° 4.771 do código florestal brasileiro e CONAMA 302, as APPs ocupam 12,71%,   da área total do município, sendo 2,93% representada pela drenagem principal, 9,41% pela drenagem secundária e 0,38% pelos lagos artificiais.  Delimitação das APPs ao longo do rio ou de qualquer curso d'água   Figura 14 – Carta de APP ao Longo de Rio
Delimitação das APPs de banhado     De acordo com a Lei municipal n° 5.247, de 2003 e Artigo 267 da lei orgânica municipal as APPs de banhados ocupam cerca de 17,22% da área total do município. Figura 15 – Carta de APP Banhado
Delimitação das APPs de mata nativa Segundo o artigo 269 da lei orgânica municipal, as APPs Matas Nativas, ocupam cerca de 13,52% da área total do município. Figura 16 -  Carta de APP   Mata Nativa
Delimitação da área total das APPs   A partir das seis cartas de APPs apresentadas, foi possível compor a área total no município, que ocupa 58,99% da área total do município.  Figura 17 –  Carta de Todas as APP
Delimitação da área total das APPs   Figura 18 – Carta de Ocupação Urbana em Desconformidade com a Legislação Ambiental  Da área total, cerca de  24,25%   já está ocupada pela área urbana.
Tipos de solos: -  Argissolos Amarelos Eutróficos :   Peso 2, alta infiltração.  -  Argissolos Vermelhos Distróficos Típicos ou Abrúpticos : Peso 3, mudança textural abrupta, baixa infiltração. -  Gleissolos e Planossolos Háplicos:  Peso 1, solos hidromórficos, baixa infiltração. -  Nitossolos Vermelhos Distróficos Argissólicos:  Peso 4, alto teor de argila, baixa infiltração Pedologia
Pedologia   No município de São Leopoldo, de acordo com a escala de mapeamento, foram identificados quatro tipos de solos: Figura 19 – (Nascimento, 2001)   44,09 % 36,97 % 17,83 % 0,55 %
Geologia   ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Geologia   Figura  20 –  (Ramgrab et al., 2004)   - Rio do Rasto - 4,92 - Pirambóia - 46,34 - Depósitos Aluvionares - 20,53 - Depósitos Colúvio-Aluviais -28,18
O  critério de infra-estrutura utilizado, foi a rede viária do município. Esta decisão foi orientada pela falta de informações espaciais e critérios específicos relacionados à rede elétrica, distribuição de água, coleta seletiva de lixo e de resíduos sólidos, telefonia, mão-de-obra, entre outros.  Infra-Estrutura
Infra-Estrutura   Figura 21 – Carta de Infra-Estrutura Urbana Elaborada  Os dados referentes à rede viária, foram obtidos através do Plano Diretor do Município 2006.
Para o fator infra-estrutura na análise multicritério, considerou-se apenas as vias estruturais. As vias foram pontuadas de acordo com os níveis de importância estabelecidos pelo Plano Diretor vigente.  - Nível 1 – Peso: 5  - Nível 2 – Peso: 4 - Nível 3 – Peso: 3 - Demais vias – Peso: 2 Infra-Estrutura
Para delimitar as áreas de abrangência de cada via e assim identificar as mais favoráveis à localização industrial, de acordo com sua posição geográfica e importância, adotou-se uma distância máxima da infra-estrutura de 2Km (Pöyry, 1993 apud   Souza, 1998). Infra-Estrutura
Infra-Estrutura   Figura 22 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],Carta Final
[object Object],[object Object],[object Object],Carta Final
Carta Final   Para área total do município (111,12 km2), tem-se como resultado da análise de aptidão para implantação de distritos industriais: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Figura 23 – Locais Aptos para  Instalação  de Distritos Industriais
Ventos   Conforme dados de Teixeira (2002), os ventos que sopram com freqüência do sudeste, indicam que deve haver uma maior preocupação com a emissão de gases provocada pelas industriais localizadas à sudeste, pois esses gases são direcionados na direção noroeste, onde se situa a região mais urbanizada do município.  Figura 24
O zoneamento industrial proposto no Plano Ambiental de 2002 compreende uma área de 10,96% do território, sendo que 72,74% do zoneamento industrial esta situado sobre APPs. Figura 26 -   Zoneamento Industrial
A metodologia empregada nesse estudo, possibilitou ganhos de agilidade, precisão, compatibilidade, praticidade, análise múltipla, qualidade de impressão, entre outras, para os processos de entrada, processamento e saída dos dados.  Através dos critérios eliminatórios e classificatórios estabelecidos foi possível reduzir o universo de busca de áreas, o que facilita a tomada de decisão pelo Poder Público .  Conclusões
O fato de São Leopoldo estar situado sob uma planície de inundação, não surpreende a grande proporção de áreas ocupadas por APPs (58,99%). Porém, é importante acrescentar que 24,25% dessas áreas se encontram sobrepostas por áreas construídas e 8,21% por áreas de reflorestamento, ou seja, 32,46% das APPs encontram-se alteradas.  Apesar de mais da metade do município ser composto por APPs, encontrou-se uma proporção considerável de áreas aptas para implantação de distritos industriais, sendo 31,69% consideradas boas e ótimas, e 8,84% regulares. Conclusões
O comparativo realizado entre o zoneamento industrial proposto no Plano Ambiental de 2002 e a carta final, evidencia a importância de trabalhos baseados em análises ambientais.  Poucas secretarias contam com este tipo de produto e muitas vezes não possuem técnicos preparados para utilizá-los. Dificuldade na aplicação da lei em determinadas situações.  Conclusões
É importante destacar que a realização deste trabalho fez parte de um projeto de pesquisa, convênio entre Unisinos e Secretaria Municipal de Meio Ambiente, que contribuiu financeiramente, para compra de produtos e serviços como: imagem de satélite, saídas à campo, bolsistas, técnicos, implantação de vértices, elaboração de produtos cartográficos, entre outros. O custo de um projeto como esse está avaliado em torno de R$ 120.000. Portanto, cabe salientar a importância de vincular universidades à órgãos financiadores no desenvolvimento de pesquisas. Conclusões

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Simulado de geografia de márcia regina 1 b5
Simulado de geografia de márcia regina 1 b5Simulado de geografia de márcia regina 1 b5
Simulado de geografia de márcia regina 1 b5
Marcia Ferreira
 
GIS Day 2011 - Pesquisas Ambientais
GIS Day 2011 - Pesquisas AmbientaisGIS Day 2011 - Pesquisas Ambientais
GIS Day 2011 - Pesquisas Ambientais
Tecgeo - Tecnologia em Geoprocessamento Ltda.
 
Morfologia-urbana-conceitos
Morfologia-urbana-conceitosMorfologia-urbana-conceitos
Morfologia-urbana-conceitos
Ariele Luckwü Mendes
 
Projeto de Requalificação do Barro Preto
Projeto de Requalificação do Barro PretoProjeto de Requalificação do Barro Preto
Projeto de Requalificação do Barro Preto
Câmara De Dirigentes Lojistas
 
Apresentação Ordenamento Territorial
Apresentação Ordenamento TerritorialApresentação Ordenamento Territorial
Apresentação Ordenamento Territorial
PDDI RMVA
 
Santim Et Alii
Santim Et AliiSantim Et Alii
Santim Et Alii
guest445a26
 
Manual tecnico de geomorfologia
Manual tecnico de geomorfologiaManual tecnico de geomorfologia
Manual tecnico de geomorfologia
jnjtributos
 
Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense...
Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense...Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense...
Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense...
GlobalGeo Geotecnologias
 
Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife
Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecifeDistribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife
Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife
Vinícius Sobreira
 
Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...
Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...
Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...
Bruno Pina
 
Proteção de solos em área de recarga de nascentes
Proteção de solos em área de recarga de nascentesProteção de solos em área de recarga de nascentes
Proteção de solos em área de recarga de nascentes
Rodrigo Sganzerla
 
Carta 200 Wagner Morgan 2013 pdf
Carta 200 Wagner Morgan 2013 pdfCarta 200 Wagner Morgan 2013 pdf
Carta 200 Wagner Morgan 2013 pdf
MandatoPEG
 
Requalificação Urbana da Região do Polo da Moda do Barro Preto
Requalificação Urbana da Região do Polo da Moda do Barro PretoRequalificação Urbana da Região do Polo da Moda do Barro Preto
Requalificação Urbana da Região do Polo da Moda do Barro Preto
Diário do Comércio - MG
 
Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...
Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...
Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...
alcscens
 
Magda Lima
Magda LimaMagda Lima
Magda Lima
santofabio
 
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce - CBH-Doce
 
Fases básicas da pesquisa mineral
Fases básicas da pesquisa mineralFases básicas da pesquisa mineral
Fases básicas da pesquisa mineral
Leonardo Souza
 
SBGF-2006
SBGF-2006SBGF-2006
SBGF-2006
Maria Pessoa
 
Projeto porto maravilha
Projeto porto maravilhaProjeto porto maravilha
Projeto porto maravilha
Kamilla Magalhães
 

Mais procurados (19)

Simulado de geografia de márcia regina 1 b5
Simulado de geografia de márcia regina 1 b5Simulado de geografia de márcia regina 1 b5
Simulado de geografia de márcia regina 1 b5
 
GIS Day 2011 - Pesquisas Ambientais
GIS Day 2011 - Pesquisas AmbientaisGIS Day 2011 - Pesquisas Ambientais
GIS Day 2011 - Pesquisas Ambientais
 
Morfologia-urbana-conceitos
Morfologia-urbana-conceitosMorfologia-urbana-conceitos
Morfologia-urbana-conceitos
 
Projeto de Requalificação do Barro Preto
Projeto de Requalificação do Barro PretoProjeto de Requalificação do Barro Preto
Projeto de Requalificação do Barro Preto
 
Apresentação Ordenamento Territorial
Apresentação Ordenamento TerritorialApresentação Ordenamento Territorial
Apresentação Ordenamento Territorial
 
Santim Et Alii
Santim Et AliiSantim Et Alii
Santim Et Alii
 
Manual tecnico de geomorfologia
Manual tecnico de geomorfologiaManual tecnico de geomorfologia
Manual tecnico de geomorfologia
 
Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense...
Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense...Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense...
Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense...
 
Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife
Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecifeDistribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife
Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife
 
Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...
Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...
Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...
 
Proteção de solos em área de recarga de nascentes
Proteção de solos em área de recarga de nascentesProteção de solos em área de recarga de nascentes
Proteção de solos em área de recarga de nascentes
 
Carta 200 Wagner Morgan 2013 pdf
Carta 200 Wagner Morgan 2013 pdfCarta 200 Wagner Morgan 2013 pdf
Carta 200 Wagner Morgan 2013 pdf
 
Requalificação Urbana da Região do Polo da Moda do Barro Preto
Requalificação Urbana da Região do Polo da Moda do Barro PretoRequalificação Urbana da Região do Polo da Moda do Barro Preto
Requalificação Urbana da Região do Polo da Moda do Barro Preto
 
Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...
Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...
Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...
 
Magda Lima
Magda LimaMagda Lima
Magda Lima
 
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
 
Fases básicas da pesquisa mineral
Fases básicas da pesquisa mineralFases básicas da pesquisa mineral
Fases básicas da pesquisa mineral
 
SBGF-2006
SBGF-2006SBGF-2006
SBGF-2006
 
Projeto porto maravilha
Projeto porto maravilhaProjeto porto maravilha
Projeto porto maravilha
 

Destaque

Avaliação Ambiental Estratégica de alteração ao PDM da Figueira da Foz (Pla...
Avaliação Ambiental Estratégica  de alteração ao PDM da Figueira da Foz  (Pla...Avaliação Ambiental Estratégica  de alteração ao PDM da Figueira da Foz  (Pla...
Avaliação Ambiental Estratégica de alteração ao PDM da Figueira da Foz (Pla...
Cláudio Carneiro
 
ANÁLISE AMBIENTAL POR GEOPROCESSAMENTO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA
ANÁLISE AMBIENTAL POR GEOPROCESSAMENTO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICAANÁLISE AMBIENTAL POR GEOPROCESSAMENTO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA
ANÁLISE AMBIENTAL POR GEOPROCESSAMENTO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA
Murilo Cardoso
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
UERGS
 
Análise Ambiental
Análise AmbientalAnálise Ambiental
Análise Ambiental
ProjetoCRP
 
Embrapa - curso de recuperação de áreas degradadas
Embrapa -  curso de recuperação de áreas degradadasEmbrapa -  curso de recuperação de áreas degradadas
Embrapa - curso de recuperação de áreas degradadas
GAVOLUNTARIA
 
Empreendedorismo 2015 05 - Análise Ambiental
Empreendedorismo 2015 05 - Análise AmbientalEmpreendedorismo 2015 05 - Análise Ambiental
Empreendedorismo 2015 05 - Análise Ambiental
Milton Henrique do Couto Neto
 
Desmatamento Degradacao Solo
Desmatamento Degradacao SoloDesmatamento Degradacao Solo
Desmatamento Degradacao Solo
Douglas Baptista
 
Aspectos Ambientais E Impactos Ambientais ApresentaçãO
Aspectos Ambientais E Impactos Ambientais   ApresentaçãOAspectos Ambientais E Impactos Ambientais   ApresentaçãO
Aspectos Ambientais E Impactos Ambientais ApresentaçãO
guest998346
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
mariacarmoteixeira
 

Destaque (9)

Avaliação Ambiental Estratégica de alteração ao PDM da Figueira da Foz (Pla...
Avaliação Ambiental Estratégica  de alteração ao PDM da Figueira da Foz  (Pla...Avaliação Ambiental Estratégica  de alteração ao PDM da Figueira da Foz  (Pla...
Avaliação Ambiental Estratégica de alteração ao PDM da Figueira da Foz (Pla...
 
ANÁLISE AMBIENTAL POR GEOPROCESSAMENTO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA
ANÁLISE AMBIENTAL POR GEOPROCESSAMENTO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICAANÁLISE AMBIENTAL POR GEOPROCESSAMENTO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA
ANÁLISE AMBIENTAL POR GEOPROCESSAMENTO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
 
Análise Ambiental
Análise AmbientalAnálise Ambiental
Análise Ambiental
 
Embrapa - curso de recuperação de áreas degradadas
Embrapa -  curso de recuperação de áreas degradadasEmbrapa -  curso de recuperação de áreas degradadas
Embrapa - curso de recuperação de áreas degradadas
 
Empreendedorismo 2015 05 - Análise Ambiental
Empreendedorismo 2015 05 - Análise AmbientalEmpreendedorismo 2015 05 - Análise Ambiental
Empreendedorismo 2015 05 - Análise Ambiental
 
Desmatamento Degradacao Solo
Desmatamento Degradacao SoloDesmatamento Degradacao Solo
Desmatamento Degradacao Solo
 
Aspectos Ambientais E Impactos Ambientais ApresentaçãO
Aspectos Ambientais E Impactos Ambientais   ApresentaçãOAspectos Ambientais E Impactos Ambientais   ApresentaçãO
Aspectos Ambientais E Impactos Ambientais ApresentaçãO
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
 

Semelhante a Projeto Mauricio Veronez

Apresentação defesa de mestrado Martins, 2026 - Estudos morfometricos e ambie...
Apresentação defesa de mestrado Martins, 2026 - Estudos morfometricos e ambie...Apresentação defesa de mestrado Martins, 2026 - Estudos morfometricos e ambie...
Apresentação defesa de mestrado Martins, 2026 - Estudos morfometricos e ambie...
JedersonHenrique
 
Utilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBC
Utilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBCUtilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBC
Utilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBC
Isabella Aragão Araújo
 
Monitoramento ambiental
Monitoramento ambientalMonitoramento ambiental
Monitoramento ambiental
Jorgeane Schaefer
 
cartografia-conceitos-basicos-prof.mauricio.ppt
cartografia-conceitos-basicos-prof.mauricio.pptcartografia-conceitos-basicos-prof.mauricio.ppt
cartografia-conceitos-basicos-prof.mauricio.ppt
leiapcsj
 
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
CBH Rio das Velhas
 
A 119
A 119A 119
Examples of remote sensing application in agriculture monitoring
Examples of remote sensing application in agriculture monitoringExamples of remote sensing application in agriculture monitoring
Examples of remote sensing application in agriculture monitoring
International Food Policy Research Institute (IFPRI)
 
Plano de manejo-APA/diagnóstico
Plano de manejo-APA/diagnósticoPlano de manejo-APA/diagnóstico
Plano de manejo-APA/diagnóstico
Emilio Viegas
 
Plano manejo/APA/diagnóstico 2014-10-34789
Plano manejo/APA/diagnóstico 2014-10-34789Plano manejo/APA/diagnóstico 2014-10-34789
Plano manejo/APA/diagnóstico 2014-10-34789
Emilio Viegas
 
PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO SATÉLITE LANDSAT 5 COMO F...
PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO SATÉLITE LANDSAT 5 COMO F...PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO SATÉLITE LANDSAT 5 COMO F...
PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO SATÉLITE LANDSAT 5 COMO F...
Danilo Melo
 
Geoprocessamento - Parte2
Geoprocessamento - Parte2Geoprocessamento - Parte2
Geoprocessamento - Parte2
INPE
 
Relevo - Atividades
Relevo - AtividadesRelevo - Atividades
Relevo - Atividades
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Projeto de sistema de esgoto sanitários
Projeto de sistema de esgoto sanitários Projeto de sistema de esgoto sanitários
Projeto de sistema de esgoto sanitários
Giovani Aurélio Costa
 
819
819819
Atlas Geoambiental Bacias Mogi Guaçu e Pardo
Atlas Geoambiental Bacias Mogi Guaçu e PardoAtlas Geoambiental Bacias Mogi Guaçu e Pardo
Atlas Geoambiental Bacias Mogi Guaçu e Pardo
Camila Conti
 
Aula 3 - Márcia Nascimento
Aula 3 - Márcia NascimentoAula 3 - Márcia Nascimento
Aula 3 - Márcia Nascimento
Habitação e Cidade
 
Matosinhos Valoriza - ar
Matosinhos Valoriza - arMatosinhos Valoriza - ar
Matosinhos Valoriza - ar
Paulo Cabral
 
Cartografia04
Cartografia04Cartografia04
Cartografia04
sesi8
 
Projetos de pesquisa – FAPERJ
Projetos de pesquisa – FAPERJProjetos de pesquisa – FAPERJ
Projetos de pesquisa – FAPERJ
GlobalGeo Geotecnologias
 
Pap020939
Pap020939Pap020939

Semelhante a Projeto Mauricio Veronez (20)

Apresentação defesa de mestrado Martins, 2026 - Estudos morfometricos e ambie...
Apresentação defesa de mestrado Martins, 2026 - Estudos morfometricos e ambie...Apresentação defesa de mestrado Martins, 2026 - Estudos morfometricos e ambie...
Apresentação defesa de mestrado Martins, 2026 - Estudos morfometricos e ambie...
 
Utilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBC
Utilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBCUtilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBC
Utilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBC
 
Monitoramento ambiental
Monitoramento ambientalMonitoramento ambiental
Monitoramento ambiental
 
cartografia-conceitos-basicos-prof.mauricio.ppt
cartografia-conceitos-basicos-prof.mauricio.pptcartografia-conceitos-basicos-prof.mauricio.ppt
cartografia-conceitos-basicos-prof.mauricio.ppt
 
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
 
A 119
A 119A 119
A 119
 
Examples of remote sensing application in agriculture monitoring
Examples of remote sensing application in agriculture monitoringExamples of remote sensing application in agriculture monitoring
Examples of remote sensing application in agriculture monitoring
 
Plano de manejo-APA/diagnóstico
Plano de manejo-APA/diagnósticoPlano de manejo-APA/diagnóstico
Plano de manejo-APA/diagnóstico
 
Plano manejo/APA/diagnóstico 2014-10-34789
Plano manejo/APA/diagnóstico 2014-10-34789Plano manejo/APA/diagnóstico 2014-10-34789
Plano manejo/APA/diagnóstico 2014-10-34789
 
PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO SATÉLITE LANDSAT 5 COMO F...
PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO SATÉLITE LANDSAT 5 COMO F...PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO SATÉLITE LANDSAT 5 COMO F...
PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO SATÉLITE LANDSAT 5 COMO F...
 
Geoprocessamento - Parte2
Geoprocessamento - Parte2Geoprocessamento - Parte2
Geoprocessamento - Parte2
 
Relevo - Atividades
Relevo - AtividadesRelevo - Atividades
Relevo - Atividades
 
Projeto de sistema de esgoto sanitários
Projeto de sistema de esgoto sanitários Projeto de sistema de esgoto sanitários
Projeto de sistema de esgoto sanitários
 
819
819819
819
 
Atlas Geoambiental Bacias Mogi Guaçu e Pardo
Atlas Geoambiental Bacias Mogi Guaçu e PardoAtlas Geoambiental Bacias Mogi Guaçu e Pardo
Atlas Geoambiental Bacias Mogi Guaçu e Pardo
 
Aula 3 - Márcia Nascimento
Aula 3 - Márcia NascimentoAula 3 - Márcia Nascimento
Aula 3 - Márcia Nascimento
 
Matosinhos Valoriza - ar
Matosinhos Valoriza - arMatosinhos Valoriza - ar
Matosinhos Valoriza - ar
 
Cartografia04
Cartografia04Cartografia04
Cartografia04
 
Projetos de pesquisa – FAPERJ
Projetos de pesquisa – FAPERJProjetos de pesquisa – FAPERJ
Projetos de pesquisa – FAPERJ
 
Pap020939
Pap020939Pap020939
Pap020939
 

Mais de semanact2007

Tutorial para acessar a Ilha Unisinos no Second Life
Tutorial para acessar a Ilha Unisinos no Second LifeTutorial para acessar a Ilha Unisinos no Second Life
Tutorial para acessar a Ilha Unisinos no Second Life
semanact2007
 
Mural Enade
Mural EnadeMural Enade
Mural Enade
semanact2007
 
Aprepesqui
AprepesquiAprepesqui
Aprepesqui
semanact2007
 
ApresentaçãO Projeto
ApresentaçãO ProjetoApresentaçãO Projeto
ApresentaçãO Projeto
semanact2007
 
Cibergeografia
CibergeografiaCibergeografia
Cibergeografia
semanact2007
 
Viol^Ncia De G^Nero Ihu
Viol^Ncia De G^Nero IhuViol^Ncia De G^Nero Ihu
Viol^Ncia De G^Nero Ihu
semanact2007
 
Projeto Mpk Aditivos
Projeto Mpk AditivosProjeto Mpk Aditivos
Projeto Mpk Aditivos
semanact2007
 
Gonzalez Pesquisa
Gonzalez PesquisaGonzalez Pesquisa
Gonzalez Pesquisa
semanact2007
 
ApresentaçãO Web
ApresentaçãO WebApresentaçãO Web
ApresentaçãO Web
semanact2007
 
Redes Neurais Aplicacoes
Redes Neurais AplicacoesRedes Neurais Aplicacoes
Redes Neurais Aplicacoes
semanact2007
 
Mostra Cient(Ffica Talize Dia27oficialaiaia
Mostra Cient(Ffica  Talize Dia27oficialaiaiaMostra Cient(Ffica  Talize Dia27oficialaiaia
Mostra Cient(Ffica Talize Dia27oficialaiaia
semanact2007
 
Sisamo
SisamoSisamo
Sisamo
semanact2007
 
M O S T R A W E B X Y
M O S T R A W E B X YM O S T R A W E B X Y
M O S T R A W E B X Y
semanact2007
 

Mais de semanact2007 (13)

Tutorial para acessar a Ilha Unisinos no Second Life
Tutorial para acessar a Ilha Unisinos no Second LifeTutorial para acessar a Ilha Unisinos no Second Life
Tutorial para acessar a Ilha Unisinos no Second Life
 
Mural Enade
Mural EnadeMural Enade
Mural Enade
 
Aprepesqui
AprepesquiAprepesqui
Aprepesqui
 
ApresentaçãO Projeto
ApresentaçãO ProjetoApresentaçãO Projeto
ApresentaçãO Projeto
 
Cibergeografia
CibergeografiaCibergeografia
Cibergeografia
 
Viol^Ncia De G^Nero Ihu
Viol^Ncia De G^Nero IhuViol^Ncia De G^Nero Ihu
Viol^Ncia De G^Nero Ihu
 
Projeto Mpk Aditivos
Projeto Mpk AditivosProjeto Mpk Aditivos
Projeto Mpk Aditivos
 
Gonzalez Pesquisa
Gonzalez PesquisaGonzalez Pesquisa
Gonzalez Pesquisa
 
ApresentaçãO Web
ApresentaçãO WebApresentaçãO Web
ApresentaçãO Web
 
Redes Neurais Aplicacoes
Redes Neurais AplicacoesRedes Neurais Aplicacoes
Redes Neurais Aplicacoes
 
Mostra Cient(Ffica Talize Dia27oficialaiaia
Mostra Cient(Ffica  Talize Dia27oficialaiaiaMostra Cient(Ffica  Talize Dia27oficialaiaia
Mostra Cient(Ffica Talize Dia27oficialaiaia
 
Sisamo
SisamoSisamo
Sisamo
 
M O S T R A W E B X Y
M O S T R A W E B X YM O S T R A W E B X Y
M O S T R A W E B X Y
 

Projeto Mauricio Veronez

  • 1. Análise Ambiental Para Implantação de Distritos Industriais Com o Uso do Geoprocessamento no Município de São Leopoldo - RS Programa de Pós-Graduação em Geologia - Área de Concentração: Meio Ambiente e Recursos Minerais, Linha de Pesquisa Geologia e Planejamento Ambiental, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Autores: Biól. Luciane Baretta Profº Dr. Maurício Roberto Veronez
  • 2. Introdução A partir do século XIX, as cidades passaram por uma transformação, em estreita relação com a elevada aceleração da industrialização nos grandes centros mundiais (Albano,1999). Desde então os processos de ocupação, uso do solo e exploração dos recursos naturais, têm evidenciado uma realidade nada harmônica com o conceito de Desenvolvimento Sustentável, fazendo-se necessária uma reavaliação e substituição dos métodos praticados atualmente em relação ao planejamento do uso do solo (Souza,1998).
  • 3. Determinar locais viáveis para implantação de distritos industriais, utilizando técnicas de geoprocessamento para o estabelecimento de critérios na escolha de locais ambientalmente adequados, ponderados pela legislação ambiental Federal, Estadual e Municipal, tendo como área piloto o município de São Leopoldo – RS. Objetivo
  • 4.
  • 5. Figura 1 . Área de instalação industrial não condizente com a legislação estadual . Fonte: Ministério da Integração Nacional antigo DNOS – Departamento Nacional de Obras e Saneamento. Foto: Antônio C.S.P Geske
  • 6. SIG Aplicado aos Estudos Ambientais SIG é um sistema que utiliza dados espaciais (cartográficos) em conjunto com dados descritivos (alfanuméricos tabulares), os quais trabalham com diferentes planos de informação permitindo análises entre os mesmos (Souza, 1999).
  • 7. Área de estudo Situa-se no município de São Leopoldo entre as coordenadas geodésicas (51º13'39"W, 29º49'48"S) e (51º01'14"W, 29º38'59"S), parte baixa da bacia hidrográfica do Rio dos Sinos, onde ocorre uma extensa planície, constituída por banhados e áreas inundáveis (Teixeira, 2002). Materiais e Método
  • 8. Figura 2 - Mapa de localização do Município de São Leopoldo Materiais e Método
  • 9.
  • 10.
  • 11. Para a estruturação da base cartográfica desse trabalho foi implantada uma rede geodésica para georreferenciamento da imagem Quickbird e das demais cartas. Essa rede é composta por 30 pontos bem identificados nos produtos cartográficos e no terreno. Toda a base cartográfica foi associada ao Sistema Geodésico SIRGAS (Sistema de Referência Geocêntrico das Américas) na projeção UTM (Universal Transverso de Mercator). Método
  • 12. Método Figura 3 - disposição dos pontos da rede GPS Implantada no Município de São Leopoldo. Modelo de um Ponto GPS
  • 13. Com base nas restrições impostas pela legislação ambiental foram realizadas análises espaciais com o intuito de estabelecer critérios técnicos mais eficientes no processo de estabelecimento de lugares aptos para instalação de Distritos Industriais . Método
  • 14. Figura 4 - Análises espaciais realizadas no processo de definição das áreas adequadas para implantação de Distritos Industriais. Método
  • 15. Análise Multicritério Para facilitar o processo de decisão, foi adotada a análise multicritério, que permite que um determinado objetivo seja alcançado através da avaliação e combinação de diversos critérios. Adotou-se o método baseado em escala de pontos (Ramos, 2000): 5 - ótimo, 4 - bom, 3 - regular, 2 - ruim, 1 - péssimo, 0 - inadequado Método
  • 16. Entrada de Dados - Trabalho de Campo - Trabalho de Gabinete Método
  • 17. Resultado do Processamento da Rede GPS Figura 5 - Análise da precisão da rede GPS implantada
  • 18. Resultados Com auxílio dos Softwares ArcGIS , AutoCAD e SPRING , foram geradas cartas que permitiram a composição do resultado final.
  • 19. Através da carta altimétrica, foi possível delimitar as APPs de topos de morro e montanhas, ao longo de linhas de cumeada e obter as classes de declividade, segundo o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (EMBRAPA, 1999): - plano : declividades que variam de 0 a 3% - Valor: 5 pontos. - suave ondulado : declividades entre 3 e 8% - Valor: 4 pontos. - ondulado : declividades que variam de 8 a 20% - Valor: 3 pontos. - forte ondulado: declividades que variam de 20 a 45% - Valor: 2 pontos. - montanhoso : declividades que variam de 45 a 75% - Valor: 0 pontos. Altimetria
  • 20. Altimetria Figura 6 – Carta de Declividade Elaborada - Plano - 55,02 % - Suave Ondulado - 24,27 % - Ondulado - 19,29 % - Forte Ondulado - 1,04 % - Montanhoso - 0,37 %
  • 21. Hidrografia A partir da carta de hidrografia, delimitou-se as APPs de nascentes e olhos d’água e ao longo de qualquer curso d’água. Figura 7 - Carta de Hidrografia Elaborada
  • 22.
  • 23. Carta de uso do solo Figura 8 – Carta de Uso do Solo Elaborada - Área de Sucessão Vegetal - 2,6 % - Área Urbana - 42,09 % - Banhado - 17,16 % - Campo Antrópico -15,43 % - Mata Mista - 2,95 % - Mata Nativa - 13,86 % - Área de Reflorestamento - 4,84 %
  • 24. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Para definir as APPs foram utilizadas as cartas de altimetria, hidrografia e uso do solo.
  • 25. Delimitação das APPs em topos de morros e montanhas Conforme lei n° 4.771 do Código Florestal Brasileiro e Resolução n° 303 do CONAMA. Figura 9 – Representação do terço superior de morros
  • 26. A carta de APPs de Topos de Morros, mostra a ocupação de cerca de 2,5 % da área total do município. Delimitação das APPs em topos de morros e montanhas Figura 10 – Carta de APP Topos de Morros Elaborada
  • 27. De acordo com a resolução n° 303 do CONAMA. Delimitação das APPs ao longo das linhas de cumeada Figura 11- Representação da medida de linhas de cumeada
  • 28. O resultado dessa APP mostra que o terço superior das encostas do município de São Leopoldo ocupam, cerca de 22,97% da área do município. Delimitação das APPs ao longo das linhas de cumeada Figura 12 – Carta de APP Linha de Cumeada Elaborada
  • 29. Delimitação das APPs ao redor de nascentes ou olhos d’água Segundo CONAMA 303, as áreas em um raio de 50m ao redor das nascentes representam cerca de 7,77% da superfície do município. Figura 13 – Carta de APP ao Redor de Nascentes
  • 30. De acordo com a lei n° 4.771 do código florestal brasileiro e CONAMA 302, as APPs ocupam 12,71%, da área total do município, sendo 2,93% representada pela drenagem principal, 9,41% pela drenagem secundária e 0,38% pelos lagos artificiais. Delimitação das APPs ao longo do rio ou de qualquer curso d'água Figura 14 – Carta de APP ao Longo de Rio
  • 31. Delimitação das APPs de banhado De acordo com a Lei municipal n° 5.247, de 2003 e Artigo 267 da lei orgânica municipal as APPs de banhados ocupam cerca de 17,22% da área total do município. Figura 15 – Carta de APP Banhado
  • 32. Delimitação das APPs de mata nativa Segundo o artigo 269 da lei orgânica municipal, as APPs Matas Nativas, ocupam cerca de 13,52% da área total do município. Figura 16 - Carta de APP Mata Nativa
  • 33. Delimitação da área total das APPs A partir das seis cartas de APPs apresentadas, foi possível compor a área total no município, que ocupa 58,99% da área total do município. Figura 17 – Carta de Todas as APP
  • 34. Delimitação da área total das APPs Figura 18 – Carta de Ocupação Urbana em Desconformidade com a Legislação Ambiental Da área total, cerca de 24,25% já está ocupada pela área urbana.
  • 35. Tipos de solos: - Argissolos Amarelos Eutróficos : Peso 2, alta infiltração. - Argissolos Vermelhos Distróficos Típicos ou Abrúpticos : Peso 3, mudança textural abrupta, baixa infiltração. - Gleissolos e Planossolos Háplicos: Peso 1, solos hidromórficos, baixa infiltração. - Nitossolos Vermelhos Distróficos Argissólicos: Peso 4, alto teor de argila, baixa infiltração Pedologia
  • 36. Pedologia No município de São Leopoldo, de acordo com a escala de mapeamento, foram identificados quatro tipos de solos: Figura 19 – (Nascimento, 2001) 44,09 % 36,97 % 17,83 % 0,55 %
  • 37.
  • 38. Geologia Figura 20 – (Ramgrab et al., 2004) - Rio do Rasto - 4,92 - Pirambóia - 46,34 - Depósitos Aluvionares - 20,53 - Depósitos Colúvio-Aluviais -28,18
  • 39. O critério de infra-estrutura utilizado, foi a rede viária do município. Esta decisão foi orientada pela falta de informações espaciais e critérios específicos relacionados à rede elétrica, distribuição de água, coleta seletiva de lixo e de resíduos sólidos, telefonia, mão-de-obra, entre outros. Infra-Estrutura
  • 40. Infra-Estrutura Figura 21 – Carta de Infra-Estrutura Urbana Elaborada Os dados referentes à rede viária, foram obtidos através do Plano Diretor do Município 2006.
  • 41. Para o fator infra-estrutura na análise multicritério, considerou-se apenas as vias estruturais. As vias foram pontuadas de acordo com os níveis de importância estabelecidos pelo Plano Diretor vigente. - Nível 1 – Peso: 5 - Nível 2 – Peso: 4 - Nível 3 – Peso: 3 - Demais vias – Peso: 2 Infra-Estrutura
  • 42. Para delimitar as áreas de abrangência de cada via e assim identificar as mais favoráveis à localização industrial, de acordo com sua posição geográfica e importância, adotou-se uma distância máxima da infra-estrutura de 2Km (Pöyry, 1993 apud Souza, 1998). Infra-Estrutura
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47. Ventos Conforme dados de Teixeira (2002), os ventos que sopram com freqüência do sudeste, indicam que deve haver uma maior preocupação com a emissão de gases provocada pelas industriais localizadas à sudeste, pois esses gases são direcionados na direção noroeste, onde se situa a região mais urbanizada do município. Figura 24
  • 48. O zoneamento industrial proposto no Plano Ambiental de 2002 compreende uma área de 10,96% do território, sendo que 72,74% do zoneamento industrial esta situado sobre APPs. Figura 26 - Zoneamento Industrial
  • 49. A metodologia empregada nesse estudo, possibilitou ganhos de agilidade, precisão, compatibilidade, praticidade, análise múltipla, qualidade de impressão, entre outras, para os processos de entrada, processamento e saída dos dados. Através dos critérios eliminatórios e classificatórios estabelecidos foi possível reduzir o universo de busca de áreas, o que facilita a tomada de decisão pelo Poder Público . Conclusões
  • 50. O fato de São Leopoldo estar situado sob uma planície de inundação, não surpreende a grande proporção de áreas ocupadas por APPs (58,99%). Porém, é importante acrescentar que 24,25% dessas áreas se encontram sobrepostas por áreas construídas e 8,21% por áreas de reflorestamento, ou seja, 32,46% das APPs encontram-se alteradas. Apesar de mais da metade do município ser composto por APPs, encontrou-se uma proporção considerável de áreas aptas para implantação de distritos industriais, sendo 31,69% consideradas boas e ótimas, e 8,84% regulares. Conclusões
  • 51. O comparativo realizado entre o zoneamento industrial proposto no Plano Ambiental de 2002 e a carta final, evidencia a importância de trabalhos baseados em análises ambientais. Poucas secretarias contam com este tipo de produto e muitas vezes não possuem técnicos preparados para utilizá-los. Dificuldade na aplicação da lei em determinadas situações. Conclusões
  • 52. É importante destacar que a realização deste trabalho fez parte de um projeto de pesquisa, convênio entre Unisinos e Secretaria Municipal de Meio Ambiente, que contribuiu financeiramente, para compra de produtos e serviços como: imagem de satélite, saídas à campo, bolsistas, técnicos, implantação de vértices, elaboração de produtos cartográficos, entre outros. O custo de um projeto como esse está avaliado em torno de R$ 120.000. Portanto, cabe salientar a importância de vincular universidades à órgãos financiadores no desenvolvimento de pesquisas. Conclusões