SlideShare uma empresa Scribd logo
Clique para editar o estilo do subtítulo mestre
Distribuição espacial da
Temperatura da superfície do
Recife
O live ira , Tia g o He nrique de .
Muda nça e s pa ço te mpora l do us o e cobe rtura do s olo e e s tima tiva
do ba la nço de e ne rg ia e e va potra ns pira çã o diá ria no município do
R e cife -P E . C F C H. Dis s e rta çã o de Me s tra do - P rog ra ma de P ós –
G ra dua çã o e m G e og ra fia , 2012. O rie nta dor: P rof.ª Dr.ª J os iclê da
Domicia no G a lvíncio. Inc lui bibliog ra fia . 154 f. : il. ; 30 cm. 2012.
Metodologia
•
Utilização de Imagens TM do satélite Landsat 5
•
Pré-processamento das imagens (Empilhamento, Registro e exclusão
de nuvens e sombras)
•
Aplicação de parte do A lgoritmo SE BAL (BASTIAANSSEN e t a l,
1 998a,b)
•
Te mpe ra tura da s upe rfície (120m)
•
Ajus te de re s oluçã o e s pa cia l da te mpe ra tura (30m)
•
Técnica Ts HA R P (Agam e t a l, 2007) - NDVI e Te mpe ra tura
Figura 1 . Evolução espaço-temporal da temperatura da
superfície do município de Recife – PE
•
Para a temperatura da superfície - Ts
(Figura 1 ), nota-se, como em
períodos de maiores temperaturas
(correspondentes aos meses de
setembro a fevereiro em Recife), que
as áreas vegetadas, assim como os
corpos hídricos, desempenham um
importante papel na amenização das
temperaturas em um ambiente
urbanizado ou adensado.
•
As áreas vegetadas refrescam as
áreas circunvizinhas através da
evapotrans-piração, promovendo a
conversão da energia solar em água
evaporada ao invés do calor e
mantendo a temperatura da
vegetação e do ar mais baixas, assim
como também através da promoção
de áreas sombreadas (no caso da
vegetação de porte Arbóreo),
disponibilizando uma superfície mais
fresca (GARTLAND, 201 0 – p.64-65).
•
Estudo realizado por Souza & Azevedo (201 2), a tra vé s da utilização
de dados meteorológicos da PCD Recife e aplicação de índices
climáticos, constatou a ocorrência de [...] “muda nça s loca is
re la ciona da s a pre cipita çã o pluviomé trica e à s te mpe ra tura s
má xima s e mínima s dura nte o pe ríodo compre e ndido e ntre 1961 e
2008” (p. 1 4).
•
Os mesmos afirmam a existência de um aumento de 1 °C nas
temperaturas máximas e mínimas, nos 47 anos analisados e
modelos utilizados, o que provoca o aumento de ondas de calor
agravando ainda mais a formação de ilhas de calor existente na
cidade.
•
Através da utilização da metodologia TsHARP, proposta por Agam
e t a l. (2007), é possível melhor visualizar espacialmente a
distribuição da temperatura da superfície (°C) assim como verificar
a influência dos diferentes tipos de materiais utilizados nas
edificações e avenidas na temperatura da superfície, como pode
ser observado através das Figura 2 a 4 para a Avenida Caxangá,
parte do bairro de Boa Viagem e Pina e parte dos bairros do Recife,
Santo Amaro e Santo Antônio, respectivamente.
Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife
Figura 2. Distribuição da temperatura da superfície (°C) em parte da Avenida Caxangá (trecho
BR-1 01 à Rua Dr. João Lacerda) no município de Recife – PE.
Figura 3. Distribuição da temperatura da superfície (°C) em parte do bairro de Boa Viagem e
Pina no município de Recife – PE
Figura 4. Distribuição da temperatura da superfície (°C) nos bairros do Recife, Santo Amaro,
Santo Antônio e São José do município de Recife – PE.
Figura 5. Arrefecimento da temperatura da superfície no entorno do Hospital Geral de Areias,
devido à arborização, bairro de Areias – Recife - PE.
Figura 6. Arrefecimento da temperatura da superfície no entorno de grandes edificações devido
à arborização, Prefeitura da cidade do Recife – Recife - PE.
Figura 7. Distribuição de ilhas de calor em grandes lojas e galpões entre as Avenidas Sul (linha
de metrô) e Mascarenhas de Moraes, município do Recife – PE.
Figura 8. Distribuição de ilhas de calor em áreas com grande concentração de edificações em
área do bairro do Pina, município do Recife – PE.
•
Para demonstrar a sensibilidade dos índices utilizados nesta pesquisa aos
diversos usos e cobertura do solo, foram traçados dois transectos lineares,
Figura 9, e criados perfis dos valores de Índice de Área Foliar, Umidade (NDWI)
e Temperatura da superfície (°C) para as imagens dos anos de 1 987 e 201 0,
Figura 1 0 a 1 3.
Figura 9. Representação do Transecto linear para a Região Político-
Administrativo 4, município do Recife - PE.
Figura 1 0. Representação do Transecto linear 1 para a imagem de 9 de maio de 1 987.Figura 11 . Representação do Transecto linear 1 para a imagem de 6 de setembro de
•
Já o transecto linear 2 está sobreposto sobre uma área mais
urbanizada. Deste modo é possível observar que o bairro da
Cidade Universitária, por apresentar o campus da UFPE com uma
grande distribuição espacial dos centros e amplas áreas verdes,
apresenta valores de temperatura mais baixos e IAF e NDWI mais
elevadas. A partir do ano de 2006 é possível observar alguns picos
mais baixos de NDWI e IAF devido à reforma e construção de
novos centros.
Figura 1 2. Representação do Transecto linear 2 para a imagem de 9 de maio de 1 987.Figura 1 3. Representação do Transecto linear 2 para a imagem de 6 de setembro de
201 0.
Temperatura e infraestrutura de
transportes
Av. Mascarenhas de Moraes, Av. Domingos
Ferreira
Temperatura e infraestrutura de
transportes
Av.
Caxangá
Temperatura e Tipologia
construtiva
ZEDE Centro Boa
Viagem
Temperatura e Tipologia
construtiva
Carrefou
r
Temperatura e Tipologia
construtiva
Rádio
Pina
Temperatura e
arborização
Centro principal de Boa
Viagem
Temperatura e
arborização
Visc. Jequitinhonha. Santos
Dumont
Temperatura e
arborização
Encanta
Moça
Temperatura e
arborização
Católic
a
Temperatura e
arborização
Católic
a
Temperatura e
ZEIS
Temperatura e
ZEIS
Entra
Apulso
Temperatura e
ZEIS
Entra
Apulso
Temperatura e Densidade
construtiva
Vila da
Aeronáutica
Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife
Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como fazer reservatório de água municipal
Como fazer reservatório de água municipal Como fazer reservatório de água municipal
Como fazer reservatório de água municipal
Carlos Elson Cunha
 
Estudo de Caso de Projeto de Fundações e Contenções para Implantação de Eleva...
Estudo de Caso de Projeto de Fundações e Contenções para Implantação de Eleva...Estudo de Caso de Projeto de Fundações e Contenções para Implantação de Eleva...
Estudo de Caso de Projeto de Fundações e Contenções para Implantação de Eleva...
Felipe Souza Cruz
 
Ota-As 10 pragas
Ota-As 10 pragasOta-As 10 pragas
Ota-As 10 pragas
L L P
 
Gpt 1 cartas topográficas e geológicas
Gpt 1   cartas topográficas e geológicasGpt 1   cartas topográficas e geológicas
Gpt 1 cartas topográficas e geológicas
Nuno Correia
 
Projeto Mauricio Veronez
Projeto Mauricio VeronezProjeto Mauricio Veronez
Projeto Mauricio Veronez
semanact2007
 
Ota-Não!
Ota-Não!Ota-Não!
Ota-Não!
L L P
 
Cenários de mudanças climáticas
Cenários de mudanças climáticasCenários de mudanças climáticas
Ota2
Ota2Ota2
Ota2
cab3032
 
Ota
OtaOta
Cálculo da equação de chuva para o município de sâo sebastião
Cálculo da equação de chuva para o município de sâo sebastiãoCálculo da equação de chuva para o município de sâo sebastião
Cálculo da equação de chuva para o município de sâo sebastião
Maria Fernanda Bastos
 
V14n01a10
V14n01a10V14n01a10
V14n01a10
Tibério Silva
 
Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...
Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...
Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...
Bruno Pina
 
Matosinhos Valoriza - solos paisagem
Matosinhos Valoriza - solos paisagemMatosinhos Valoriza - solos paisagem
Matosinhos Valoriza - solos paisagem
Paulo Cabral
 
Quantificação dos serviços ambientais prestados pela mata atlântica na zona d...
Quantificação dos serviços ambientais prestados pela mata atlântica na zona d...Quantificação dos serviços ambientais prestados pela mata atlântica na zona d...
Quantificação dos serviços ambientais prestados pela mata atlântica na zona d...
Projeto Golfinho Rotador
 
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce - CBH-Doce
 
Multifeixe nos estudos de monitorização ambiental no Porto de Sines
Multifeixe nos estudos de monitorização ambiental no Porto de SinesMultifeixe nos estudos de monitorização ambiental no Porto de Sines
Multifeixe nos estudos de monitorização ambiental no Porto de Sines
APS - Administração dos Portos de Sines e do Algarve, S.A.
 
Apresentação - Vale - Reunião ANA 11-02-20
Apresentação - Vale - Reunião ANA 11-02-20Apresentação - Vale - Reunião ANA 11-02-20
Apresentação - Vale - Reunião ANA 11-02-20
Canoa de Tolda
 

Mais procurados (17)

Como fazer reservatório de água municipal
Como fazer reservatório de água municipal Como fazer reservatório de água municipal
Como fazer reservatório de água municipal
 
Estudo de Caso de Projeto de Fundações e Contenções para Implantação de Eleva...
Estudo de Caso de Projeto de Fundações e Contenções para Implantação de Eleva...Estudo de Caso de Projeto de Fundações e Contenções para Implantação de Eleva...
Estudo de Caso de Projeto de Fundações e Contenções para Implantação de Eleva...
 
Ota-As 10 pragas
Ota-As 10 pragasOta-As 10 pragas
Ota-As 10 pragas
 
Gpt 1 cartas topográficas e geológicas
Gpt 1   cartas topográficas e geológicasGpt 1   cartas topográficas e geológicas
Gpt 1 cartas topográficas e geológicas
 
Projeto Mauricio Veronez
Projeto Mauricio VeronezProjeto Mauricio Veronez
Projeto Mauricio Veronez
 
Ota-Não!
Ota-Não!Ota-Não!
Ota-Não!
 
Cenários de mudanças climáticas
Cenários de mudanças climáticasCenários de mudanças climáticas
Cenários de mudanças climáticas
 
Ota2
Ota2Ota2
Ota2
 
Ota
OtaOta
Ota
 
Cálculo da equação de chuva para o município de sâo sebastião
Cálculo da equação de chuva para o município de sâo sebastiãoCálculo da equação de chuva para o município de sâo sebastião
Cálculo da equação de chuva para o município de sâo sebastião
 
V14n01a10
V14n01a10V14n01a10
V14n01a10
 
Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...
Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...
Pina e jeremias aplicação de um sig à inf. geológico geotécnica nal-cta.e-ter...
 
Matosinhos Valoriza - solos paisagem
Matosinhos Valoriza - solos paisagemMatosinhos Valoriza - solos paisagem
Matosinhos Valoriza - solos paisagem
 
Quantificação dos serviços ambientais prestados pela mata atlântica na zona d...
Quantificação dos serviços ambientais prestados pela mata atlântica na zona d...Quantificação dos serviços ambientais prestados pela mata atlântica na zona d...
Quantificação dos serviços ambientais prestados pela mata atlântica na zona d...
 
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
 
Multifeixe nos estudos de monitorização ambiental no Porto de Sines
Multifeixe nos estudos de monitorização ambiental no Porto de SinesMultifeixe nos estudos de monitorização ambiental no Porto de Sines
Multifeixe nos estudos de monitorização ambiental no Porto de Sines
 
Apresentação - Vale - Reunião ANA 11-02-20
Apresentação - Vale - Reunião ANA 11-02-20Apresentação - Vale - Reunião ANA 11-02-20
Apresentação - Vale - Reunião ANA 11-02-20
 

Destaque

7 Construcaos Sustentavel0 111109
7 Construcaos Sustentavel0 1111097 Construcaos Sustentavel0 111109
7 Construcaos Sustentavel0 111109
Construção Sustentável
 
Cidades energeticamente eficientes do brasil e do mundo slide
Cidades energeticamente eficientes do brasil e do mundo slideCidades energeticamente eficientes do brasil e do mundo slide
Cidades energeticamente eficientes do brasil e do mundo slide
Helder Ferreira
 
Diretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos
Diretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanosDiretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos
Diretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos
JessicaHurbath
 
A Eficiência Energética e as Alterações Comportamentais
A Eficiência Energética e as Alterações ComportamentaisA Eficiência Energética e as Alterações Comportamentais
A Eficiência Energética e as Alterações Comportamentais
mbenquerenca
 
Arquitectura Contemporânea - para além do Funcionalismo
Arquitectura Contemporânea - para além do FuncionalismoArquitectura Contemporânea - para além do Funcionalismo
Arquitectura Contemporânea - para além do Funcionalismo
Michele Pó
 
Carta de motivação (Patrícia Cozer)
Carta de motivação (Patrícia Cozer)Carta de motivação (Patrícia Cozer)
Carta de motivação (Patrícia Cozer)
paty_m
 

Destaque (6)

7 Construcaos Sustentavel0 111109
7 Construcaos Sustentavel0 1111097 Construcaos Sustentavel0 111109
7 Construcaos Sustentavel0 111109
 
Cidades energeticamente eficientes do brasil e do mundo slide
Cidades energeticamente eficientes do brasil e do mundo slideCidades energeticamente eficientes do brasil e do mundo slide
Cidades energeticamente eficientes do brasil e do mundo slide
 
Diretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos
Diretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanosDiretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos
Diretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos
 
A Eficiência Energética e as Alterações Comportamentais
A Eficiência Energética e as Alterações ComportamentaisA Eficiência Energética e as Alterações Comportamentais
A Eficiência Energética e as Alterações Comportamentais
 
Arquitectura Contemporânea - para além do Funcionalismo
Arquitectura Contemporânea - para além do FuncionalismoArquitectura Contemporânea - para além do Funcionalismo
Arquitectura Contemporânea - para além do Funcionalismo
 
Carta de motivação (Patrícia Cozer)
Carta de motivação (Patrícia Cozer)Carta de motivação (Patrícia Cozer)
Carta de motivação (Patrícia Cozer)
 

Semelhante a Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife

Geoindicadores conforto ambiental pluris 2008
Geoindicadores conforto ambiental pluris 2008Geoindicadores conforto ambiental pluris 2008
Geoindicadores conforto ambiental pluris 2008
UNAERP
 
Evapotranspiracao do nordeste
Evapotranspiracao do nordesteEvapotranspiracao do nordeste
Evapotranspiracao do nordeste
Engagro
 
O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...
O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...
O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...
alcscens
 
Cap 8 - o uso de imagem termal gerada pelos satélites - issn 0100-7912 a2
Cap 8 - o uso de imagem termal gerada pelos satélites - issn 0100-7912 a2Cap 8 - o uso de imagem termal gerada pelos satélites - issn 0100-7912 a2
Cap 8 - o uso de imagem termal gerada pelos satélites - issn 0100-7912 a2
UNAERP
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
RILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Geografia brasil-natural-clima-exercicios
Geografia brasil-natural-clima-exerciciosGeografia brasil-natural-clima-exercicios
Geografia brasil-natural-clima-exercicios
Delmacy Cruz Souza
 
Artigo_Bioterra_V22_N2_04
Artigo_Bioterra_V22_N2_04Artigo_Bioterra_V22_N2_04
Artigo_Bioterra_V22_N2_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Santim Et Alii
Santim Et AliiSantim Et Alii
Santim Et Alii
guest445a26
 
Temperatura_do_ar_Modo_de_Compatibilidade-1.pdf
Temperatura_do_ar_Modo_de_Compatibilidade-1.pdfTemperatura_do_ar_Modo_de_Compatibilidade-1.pdf
Temperatura_do_ar_Modo_de_Compatibilidade-1.pdf
WilderclayMachado1
 
11
1111
Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...
Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...
Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...
alcscens
 
CONTRIBUTO PARA ESTIMAR A REGA EM CAMPOS DE GOLFE E ESPAÇOS ARRELVADOS NA REG...
CONTRIBUTO PARA ESTIMAR A REGA EM CAMPOS DE GOLFE E ESPAÇOS ARRELVADOS NA REG...CONTRIBUTO PARA ESTIMAR A REGA EM CAMPOS DE GOLFE E ESPAÇOS ARRELVADOS NA REG...
CONTRIBUTO PARA ESTIMAR A REGA EM CAMPOS DE GOLFE E ESPAÇOS ARRELVADOS NA REG...
Armindo Rosa
 
Aula6
Aula6Aula6
Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...
Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...
Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...
alcscens
 
Tabelas givone e mahoney. Tabelas de conforto térmico em ambientes Belo Horiz...
Tabelas givone e mahoney. Tabelas de conforto térmico em ambientes Belo Horiz...Tabelas givone e mahoney. Tabelas de conforto térmico em ambientes Belo Horiz...
Tabelas givone e mahoney. Tabelas de conforto térmico em ambientes Belo Horiz...
Amanda Cristine Faluba do Vale
 
Clima
ClimaClima
Ficha tipos de clima
Ficha tipos de climaFicha tipos de clima
Ficha tipos de clima
maria
 
Cartografia.lista 01
Cartografia.lista 01Cartografia.lista 01
Cartografia.lista 01
Camila Brito
 
Exercicios geografia geral_cartografia
Exercicios geografia geral_cartografiaExercicios geografia geral_cartografia
Exercicios geografia geral_cartografia
Camila Brito
 
Material extraído do site
Material extraído do siteMaterial extraído do site
Material extraído do site
rolonluiz
 

Semelhante a Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife (20)

Geoindicadores conforto ambiental pluris 2008
Geoindicadores conforto ambiental pluris 2008Geoindicadores conforto ambiental pluris 2008
Geoindicadores conforto ambiental pluris 2008
 
Evapotranspiracao do nordeste
Evapotranspiracao do nordesteEvapotranspiracao do nordeste
Evapotranspiracao do nordeste
 
O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...
O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...
O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...
 
Cap 8 - o uso de imagem termal gerada pelos satélites - issn 0100-7912 a2
Cap 8 - o uso de imagem termal gerada pelos satélites - issn 0100-7912 a2Cap 8 - o uso de imagem termal gerada pelos satélites - issn 0100-7912 a2
Cap 8 - o uso de imagem termal gerada pelos satélites - issn 0100-7912 a2
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Geografia brasil-natural-clima-exercicios
Geografia brasil-natural-clima-exerciciosGeografia brasil-natural-clima-exercicios
Geografia brasil-natural-clima-exercicios
 
Artigo_Bioterra_V22_N2_04
Artigo_Bioterra_V22_N2_04Artigo_Bioterra_V22_N2_04
Artigo_Bioterra_V22_N2_04
 
Santim Et Alii
Santim Et AliiSantim Et Alii
Santim Et Alii
 
Temperatura_do_ar_Modo_de_Compatibilidade-1.pdf
Temperatura_do_ar_Modo_de_Compatibilidade-1.pdfTemperatura_do_ar_Modo_de_Compatibilidade-1.pdf
Temperatura_do_ar_Modo_de_Compatibilidade-1.pdf
 
11
1111
11
 
Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...
Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...
Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...
 
CONTRIBUTO PARA ESTIMAR A REGA EM CAMPOS DE GOLFE E ESPAÇOS ARRELVADOS NA REG...
CONTRIBUTO PARA ESTIMAR A REGA EM CAMPOS DE GOLFE E ESPAÇOS ARRELVADOS NA REG...CONTRIBUTO PARA ESTIMAR A REGA EM CAMPOS DE GOLFE E ESPAÇOS ARRELVADOS NA REG...
CONTRIBUTO PARA ESTIMAR A REGA EM CAMPOS DE GOLFE E ESPAÇOS ARRELVADOS NA REG...
 
Aula6
Aula6Aula6
Aula6
 
Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...
Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...
Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...
 
Tabelas givone e mahoney. Tabelas de conforto térmico em ambientes Belo Horiz...
Tabelas givone e mahoney. Tabelas de conforto térmico em ambientes Belo Horiz...Tabelas givone e mahoney. Tabelas de conforto térmico em ambientes Belo Horiz...
Tabelas givone e mahoney. Tabelas de conforto térmico em ambientes Belo Horiz...
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Ficha tipos de clima
Ficha tipos de climaFicha tipos de clima
Ficha tipos de clima
 
Cartografia.lista 01
Cartografia.lista 01Cartografia.lista 01
Cartografia.lista 01
 
Exercicios geografia geral_cartografia
Exercicios geografia geral_cartografiaExercicios geografia geral_cartografia
Exercicios geografia geral_cartografia
 
Material extraído do site
Material extraído do siteMaterial extraído do site
Material extraído do site
 

Mais de Vinícius Sobreira

Iconografia_da_Bomba_do_Hemetério
Iconografia_da_Bomba_do_HemetérioIconografia_da_Bomba_do_Hemetério
Iconografia_da_Bomba_do_Hemetério
Vinícius Sobreira
 
BancoDeDados_BombaDoHemeterio_PoloCultural
BancoDeDados_BombaDoHemeterio_PoloCulturalBancoDeDados_BombaDoHemeterio_PoloCultural
BancoDeDados_BombaDoHemeterio_PoloCultural
Vinícius Sobreira
 
Bernardo_Vidal_resposta_TCE_BlogDeJamildo
Bernardo_Vidal_resposta_TCE_BlogDeJamildoBernardo_Vidal_resposta_TCE_BlogDeJamildo
Bernardo_Vidal_resposta_TCE_BlogDeJamildo
Vinícius Sobreira
 
acordao_TCE_PE_Pernambuco_2013_contas_Araripina_2009
acordao_TCE_PE_Pernambuco_2013_contas_Araripina_2009acordao_TCE_PE_Pernambuco_2013_contas_Araripina_2009
acordao_TCE_PE_Pernambuco_2013_contas_Araripina_2009
Vinícius Sobreira
 
parecer_TCE_PB_paraiba_Fagundes_2009
parecer_TCE_PB_paraiba_Fagundes_2009parecer_TCE_PB_paraiba_Fagundes_2009
parecer_TCE_PB_paraiba_Fagundes_2009
Vinícius Sobreira
 
Abead_cannabis_descrmini
Abead_cannabis_descrminiAbead_cannabis_descrmini
Abead_cannabis_descrmini
Vinícius Sobreira
 
Resposta_detran_anexo4_entregadechaves
Resposta_detran_anexo4_entregadechavesResposta_detran_anexo4_entregadechaves
Resposta_detran_anexo4_entregadechaves
Vinícius Sobreira
 
Resposta_detran_anexo3_contrato
Resposta_detran_anexo3_contratoResposta_detran_anexo3_contrato
Resposta_detran_anexo3_contrato
Vinícius Sobreira
 
Resposta_detran_anexo2_protocolopge
Resposta_detran_anexo2_protocolopgeResposta_detran_anexo2_protocolopge
Resposta_detran_anexo2_protocolopge
Vinícius Sobreira
 
Resposta_detran_anexo1_notatecnica_geare
Resposta_detran_anexo1_notatecnica_geareResposta_detran_anexo1_notatecnica_geare
Resposta_detran_anexo1_notatecnica_geare
Vinícius Sobreira
 
Resposta_detran_blog
Resposta_detran_blogResposta_detran_blog
Resposta_detran_blog
Vinícius Sobreira
 
Pagamentos_detran_galpao
Pagamentos_detran_galpaoPagamentos_detran_galpao
Pagamentos_detran_galpao
Vinícius Sobreira
 
comunicado_auditoriaprocessosdetran
comunicado_auditoriaprocessosdetrancomunicado_auditoriaprocessosdetran
comunicado_auditoriaprocessosdetran
Vinícius Sobreira
 
contrato_detran_galpaoc
contrato_detran_galpaoccontrato_detran_galpaoc
contrato_detran_galpaoc
Vinícius Sobreira
 
Manifesto_CRRs_Internação Compulsória
Manifesto_CRRs_Internação CompulsóriaManifesto_CRRs_Internação Compulsória
Manifesto_CRRs_Internação Compulsória
Vinícius Sobreira
 
Informacao_cabo
Informacao_caboInformacao_cabo
Informacao_cabo
Vinícius Sobreira
 
Paulista_entrevistas_selecao_saude_2013
Paulista_entrevistas_selecao_saude_2013Paulista_entrevistas_selecao_saude_2013
Paulista_entrevistas_selecao_saude_2013
Vinícius Sobreira
 
parecer_restriçãoveiculos_recife_camara
parecer_restriçãoveiculos_recife_camaraparecer_restriçãoveiculos_recife_camara
parecer_restriçãoveiculos_recife_camara
Vinícius Sobreira
 
votoderepudio_Carpina_JeanWyllys
votoderepudio_Carpina_JeanWyllysvotoderepudio_Carpina_JeanWyllys
votoderepudio_Carpina_JeanWyllys
Vinícius Sobreira
 
DiarioOficial_PE_jarbas_terezinhanunes
DiarioOficial_PE_jarbas_terezinhanunesDiarioOficial_PE_jarbas_terezinhanunes
DiarioOficial_PE_jarbas_terezinhanunes
Vinícius Sobreira
 

Mais de Vinícius Sobreira (20)

Iconografia_da_Bomba_do_Hemetério
Iconografia_da_Bomba_do_HemetérioIconografia_da_Bomba_do_Hemetério
Iconografia_da_Bomba_do_Hemetério
 
BancoDeDados_BombaDoHemeterio_PoloCultural
BancoDeDados_BombaDoHemeterio_PoloCulturalBancoDeDados_BombaDoHemeterio_PoloCultural
BancoDeDados_BombaDoHemeterio_PoloCultural
 
Bernardo_Vidal_resposta_TCE_BlogDeJamildo
Bernardo_Vidal_resposta_TCE_BlogDeJamildoBernardo_Vidal_resposta_TCE_BlogDeJamildo
Bernardo_Vidal_resposta_TCE_BlogDeJamildo
 
acordao_TCE_PE_Pernambuco_2013_contas_Araripina_2009
acordao_TCE_PE_Pernambuco_2013_contas_Araripina_2009acordao_TCE_PE_Pernambuco_2013_contas_Araripina_2009
acordao_TCE_PE_Pernambuco_2013_contas_Araripina_2009
 
parecer_TCE_PB_paraiba_Fagundes_2009
parecer_TCE_PB_paraiba_Fagundes_2009parecer_TCE_PB_paraiba_Fagundes_2009
parecer_TCE_PB_paraiba_Fagundes_2009
 
Abead_cannabis_descrmini
Abead_cannabis_descrminiAbead_cannabis_descrmini
Abead_cannabis_descrmini
 
Resposta_detran_anexo4_entregadechaves
Resposta_detran_anexo4_entregadechavesResposta_detran_anexo4_entregadechaves
Resposta_detran_anexo4_entregadechaves
 
Resposta_detran_anexo3_contrato
Resposta_detran_anexo3_contratoResposta_detran_anexo3_contrato
Resposta_detran_anexo3_contrato
 
Resposta_detran_anexo2_protocolopge
Resposta_detran_anexo2_protocolopgeResposta_detran_anexo2_protocolopge
Resposta_detran_anexo2_protocolopge
 
Resposta_detran_anexo1_notatecnica_geare
Resposta_detran_anexo1_notatecnica_geareResposta_detran_anexo1_notatecnica_geare
Resposta_detran_anexo1_notatecnica_geare
 
Resposta_detran_blog
Resposta_detran_blogResposta_detran_blog
Resposta_detran_blog
 
Pagamentos_detran_galpao
Pagamentos_detran_galpaoPagamentos_detran_galpao
Pagamentos_detran_galpao
 
comunicado_auditoriaprocessosdetran
comunicado_auditoriaprocessosdetrancomunicado_auditoriaprocessosdetran
comunicado_auditoriaprocessosdetran
 
contrato_detran_galpaoc
contrato_detran_galpaoccontrato_detran_galpaoc
contrato_detran_galpaoc
 
Manifesto_CRRs_Internação Compulsória
Manifesto_CRRs_Internação CompulsóriaManifesto_CRRs_Internação Compulsória
Manifesto_CRRs_Internação Compulsória
 
Informacao_cabo
Informacao_caboInformacao_cabo
Informacao_cabo
 
Paulista_entrevistas_selecao_saude_2013
Paulista_entrevistas_selecao_saude_2013Paulista_entrevistas_selecao_saude_2013
Paulista_entrevistas_selecao_saude_2013
 
parecer_restriçãoveiculos_recife_camara
parecer_restriçãoveiculos_recife_camaraparecer_restriçãoveiculos_recife_camara
parecer_restriçãoveiculos_recife_camara
 
votoderepudio_Carpina_JeanWyllys
votoderepudio_Carpina_JeanWyllysvotoderepudio_Carpina_JeanWyllys
votoderepudio_Carpina_JeanWyllys
 
DiarioOficial_PE_jarbas_terezinhanunes
DiarioOficial_PE_jarbas_terezinhanunesDiarioOficial_PE_jarbas_terezinhanunes
DiarioOficial_PE_jarbas_terezinhanunes
 

Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife

  • 1. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Distribuição espacial da Temperatura da superfície do Recife O live ira , Tia g o He nrique de . Muda nça e s pa ço te mpora l do us o e cobe rtura do s olo e e s tima tiva do ba la nço de e ne rg ia e e va potra ns pira çã o diá ria no município do R e cife -P E . C F C H. Dis s e rta çã o de Me s tra do - P rog ra ma de P ós – G ra dua çã o e m G e og ra fia , 2012. O rie nta dor: P rof.ª Dr.ª J os iclê da Domicia no G a lvíncio. Inc lui bibliog ra fia . 154 f. : il. ; 30 cm. 2012.
  • 2. Metodologia • Utilização de Imagens TM do satélite Landsat 5 • Pré-processamento das imagens (Empilhamento, Registro e exclusão de nuvens e sombras) • Aplicação de parte do A lgoritmo SE BAL (BASTIAANSSEN e t a l, 1 998a,b) • Te mpe ra tura da s upe rfície (120m) • Ajus te de re s oluçã o e s pa cia l da te mpe ra tura (30m) • Técnica Ts HA R P (Agam e t a l, 2007) - NDVI e Te mpe ra tura
  • 3. Figura 1 . Evolução espaço-temporal da temperatura da superfície do município de Recife – PE • Para a temperatura da superfície - Ts (Figura 1 ), nota-se, como em períodos de maiores temperaturas (correspondentes aos meses de setembro a fevereiro em Recife), que as áreas vegetadas, assim como os corpos hídricos, desempenham um importante papel na amenização das temperaturas em um ambiente urbanizado ou adensado. • As áreas vegetadas refrescam as áreas circunvizinhas através da evapotrans-piração, promovendo a conversão da energia solar em água evaporada ao invés do calor e mantendo a temperatura da vegetação e do ar mais baixas, assim como também através da promoção de áreas sombreadas (no caso da vegetação de porte Arbóreo), disponibilizando uma superfície mais fresca (GARTLAND, 201 0 – p.64-65).
  • 4. • Estudo realizado por Souza & Azevedo (201 2), a tra vé s da utilização de dados meteorológicos da PCD Recife e aplicação de índices climáticos, constatou a ocorrência de [...] “muda nça s loca is re la ciona da s a pre cipita çã o pluviomé trica e à s te mpe ra tura s má xima s e mínima s dura nte o pe ríodo compre e ndido e ntre 1961 e 2008” (p. 1 4). • Os mesmos afirmam a existência de um aumento de 1 °C nas temperaturas máximas e mínimas, nos 47 anos analisados e modelos utilizados, o que provoca o aumento de ondas de calor agravando ainda mais a formação de ilhas de calor existente na cidade.
  • 5. • Através da utilização da metodologia TsHARP, proposta por Agam e t a l. (2007), é possível melhor visualizar espacialmente a distribuição da temperatura da superfície (°C) assim como verificar a influência dos diferentes tipos de materiais utilizados nas edificações e avenidas na temperatura da superfície, como pode ser observado através das Figura 2 a 4 para a Avenida Caxangá, parte do bairro de Boa Viagem e Pina e parte dos bairros do Recife, Santo Amaro e Santo Antônio, respectivamente.
  • 7. Figura 2. Distribuição da temperatura da superfície (°C) em parte da Avenida Caxangá (trecho BR-1 01 à Rua Dr. João Lacerda) no município de Recife – PE.
  • 8. Figura 3. Distribuição da temperatura da superfície (°C) em parte do bairro de Boa Viagem e Pina no município de Recife – PE
  • 9. Figura 4. Distribuição da temperatura da superfície (°C) nos bairros do Recife, Santo Amaro, Santo Antônio e São José do município de Recife – PE.
  • 10. Figura 5. Arrefecimento da temperatura da superfície no entorno do Hospital Geral de Areias, devido à arborização, bairro de Areias – Recife - PE.
  • 11. Figura 6. Arrefecimento da temperatura da superfície no entorno de grandes edificações devido à arborização, Prefeitura da cidade do Recife – Recife - PE.
  • 12. Figura 7. Distribuição de ilhas de calor em grandes lojas e galpões entre as Avenidas Sul (linha de metrô) e Mascarenhas de Moraes, município do Recife – PE.
  • 13. Figura 8. Distribuição de ilhas de calor em áreas com grande concentração de edificações em área do bairro do Pina, município do Recife – PE.
  • 14. • Para demonstrar a sensibilidade dos índices utilizados nesta pesquisa aos diversos usos e cobertura do solo, foram traçados dois transectos lineares, Figura 9, e criados perfis dos valores de Índice de Área Foliar, Umidade (NDWI) e Temperatura da superfície (°C) para as imagens dos anos de 1 987 e 201 0, Figura 1 0 a 1 3. Figura 9. Representação do Transecto linear para a Região Político- Administrativo 4, município do Recife - PE. Figura 1 0. Representação do Transecto linear 1 para a imagem de 9 de maio de 1 987.Figura 11 . Representação do Transecto linear 1 para a imagem de 6 de setembro de
  • 15. • Já o transecto linear 2 está sobreposto sobre uma área mais urbanizada. Deste modo é possível observar que o bairro da Cidade Universitária, por apresentar o campus da UFPE com uma grande distribuição espacial dos centros e amplas áreas verdes, apresenta valores de temperatura mais baixos e IAF e NDWI mais elevadas. A partir do ano de 2006 é possível observar alguns picos mais baixos de NDWI e IAF devido à reforma e construção de novos centros. Figura 1 2. Representação do Transecto linear 2 para a imagem de 9 de maio de 1 987.Figura 1 3. Representação do Transecto linear 2 para a imagem de 6 de setembro de 201 0.
  • 16. Temperatura e infraestrutura de transportes Av. Mascarenhas de Moraes, Av. Domingos Ferreira
  • 17. Temperatura e infraestrutura de transportes Av. Caxangá