Pro cog a_memória

695 visualizações

Publicada em

Psicologia Memória

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
695
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pro cog a_memória

  1. 1. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA MEMÓRIA PSICOLOGIA – Módulo III Profª. Lúcia Novo de Carvalho Ano letivo 2014/15
  2. 2. A MEMÓRIA  Se perdêssemos a memória, deixaríamos de ser quem somos, porque o que fomos e o que seremos depende, em grande parte, da nossa memória.  É a nossa memória que retém conhecimentos, informações, ideias, acontecimentos, encontros e este património torna-se único, assegurando-nos a nossa identidade pessoal. É ela que nos permite representar o mundo.  É a memória que nos assegura que retemos o que já aprendemos e que continuaremos a aprender novos conhecimentos, conceitos, experiências e sentimentos. Reconhece-se que não há cognição, não há conhecimento sem memória.  É a memória que nos permite, sempre que precisamos, atualizar informação necessária para dar resposta aos desafios do meio.
  3. 3. A MEMÓRIA - Definição MEMÓRIA: conjunto de processos e estruturas que codificam, armazenam e recuperam informações; é o processo dinâmico que consiste na codificação, armazenamento e recuperação dos conteúdos mnésicos ou de informação. A MEMÓRIA implica tratamento de informação. A esse respeito distinguem-se três tipos de operações: a codificação, o armazenamento e a recuperação.
  4. 4. ESTÁDIOS PARA A FORMAÇÃO E RECUPERAÇÃO DA MEMÓRIA 1º - CODIFICAÇÃO :É a primeira fase do processo de formação de novas memórias. Toda a informação implica a codificação dos dados informativos, isto é, a sua transformação de modo a poder ser armazenada na memória. Se por vezes essa codificação é automática, outras vezes temos de lhe dar uma forma que permita memorizá-la e recordá-la. Os dados são traduzidos num código que pode ser: acústico (memória ecóica/ sequência de sons), visual (memória icónica / imagem) ou semântico (significado).
  5. 5. 2º – ARMAZENAMENTO: é o processo mediante o qual mantemos na memória a informação que foi adquirida. A informação é conservada por períodos mais ou menos longos de tempo, para poder ser utilizada quando necessário. Cada informação (engrama) produz modificações nas redes neuronais que permitem que se recorde o que se memoriza. Não existe um local específico no nosso cérebro onde se guarde um acontecimento / informação. As nossas memórias estão registadas em várias áreas cerebrais, registadas com diferentes códigos, contribuindo cada um deles para formas uma recordação.
  6. 6. 3 – RECUPERAÇÃO: nesta etapa procura-se recuperar a informação que necessitamos. Esta recuperação pode muitas vezes implicar a atualização da informação armazenada, para a utilizar na experiência presente. Reatualizar significa pois localizar a informação armazenada e fazê-la aceder à consciência.
  7. 7. TIPOS DE MEMÓRIA 3 TIPOS DE MEMÓRIA: SENSORIAL, A CURTO PRAZO e A LONGO PRAZO 1- MEMÓRIA SENSORIAL Relaciona-se com nossos sentidos; Armazenagem temporária – dura poucos segundos; Guarda as nossas estimulações imediatas e, ainda que a sensação seja efémera, ela pode ser forte o suficiente para reter a atenção e romper as barreiras de curto prazo ( Ex: Cheiros, sabores, cores, formato, … )
  8. 8. TIPOS DE MEMÓRIA 2- MEMÓRIA A CURTO PRAZO Retém a informação durante um período limitado de tempo, podendo ser esquecida ou passar a memória de longo prazo. Apresenta duas componentes: Memória imediata: É um armazém com capacidade limitada (7 itens ou peças de informação) que consegue manter a informação durante 20 a 30 segundos. Memória de trabalho: a informação mantém-se enquanto for útil. NOTA: qualquer informação que tenha estado na memória a curto prazo e se tenha perdido, estará perdida para sempre.
  9. 9. TIPOS DE MEMÓRIA 3- MEMÓRIA A LONGO PRAZO Permite conservar dados, informações, durante dias, meses, anos, ou mesmo toda uma vida. Contém dados que têm a sua origem na memória a curto prazo. Existem dois tipos de memória a longo prazo: Memória não declarativa: memória automática que permite realizar tarefas básicas, associadas a comportamentos motores (Por exemplo: andar de bicicleta). Memória declarativa: também designada por memória explícita, está associada a factos, informações gerais e episódios ou acontecimentos pessoais. Nela distinguem-se a memória episódica e a memória semântica.
  10. 10. TIPOS DE MEMÓRIA 3- MEMÓRIA A LONGO PRAZO – (cont.) MEMÓRIA DECLARATIVA memória episódica e a memória semântica Envolve recordações, como rostos de familiares, amigos e ídolos; as nossas músicas preferidas, factos e experiências pessoais. Daí parecer “autobiográfica”, pois reporta-se a lembranças da vida pessoal. Refere-se ao conhecimento geral sobre o mundo, como por exemplo as leis da física, os factos históricos, fórmulas matemáticas, conhecimentos já adquiridos de línguas estrangeiras, … Neste tipo de memória não há localização no tempo, não estando ligada a nenhum conhecimento ou ação específica e sem referência a qualquer facto passado.
  11. 11. Entrada Sensorial Ensaio / Atualização Atenção Armazenamento Recuperação MEMÓRIA SENSORIAL MEMÓRIA A CURTO PRAZO MEMÓRIA A LONGO PRAZO
  12. 12. O ESQUECIMENTO  É a incapacidade, provisória ou definitiva, em recordar, recuperar dados, informações, experiências que foram memorizadas. O esquecimento é essencial à memória, uma vez que tem uma função seletiva e adaptativa
  13. 13. FACTORES QUE INFLUENCIAM O ESQUECIMENTO 1. ESQUECIMENTO REGRESSIVO, 2. ESQUECIMENTO MOTIVADO E 3. PROCESSO DE INTERFERÊNCIAS 1. Esquecimento regressivo: ocorre quando surgem dificuldades em reter novos materiais e em recordar factos e nomes aprendidos recentemente. É especialmente sentido em pessoas de certa idade e pode estar associado ao envelhecimento dos tecidos cerebrais.
  14. 14. FACTORES QUE INFLUENCIAM O ESQUECIMENTO 2. Esquecimento motivado: recordações penosas e traumatizantes tendem a ser esquecidas para evitar a angústia e ansiedade, permitindo assim a manutenção do equilíbrio psicológico ( em Freud, fala-se de recalcamento).
  15. 15. FACTORES QUE INFLUENCIAM O ESQUECIMENTO 3. Influência dos processos de interferência: as novas memórias interferem com a recuperação de memórias mais antigas. - inibição proativa: influência negativa que a aprendizagem anterior tem sobre a recordação de uma nova informação ( nº de telefone antigo interfere na memorização de um novo nº). - inibição retroativa: efeito negativo que a informação nova tem sobre a anterior ( nº de telefone novo interfere na recuperação do nº antigo).

×