SlideShare uma empresa Scribd logo
QUESTÕES AMBIENTAIS GLOBAIS
       EFEITO ESTUFA
EMISSORES DE CO2
DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO
EVOLUÇÃO DA DESTRUIÇÃO
COMO O OZÔNIO É
  DESTRUÍDO
CONSEQUÊNCIAS
  A principal conseqüência da destruição da camada de
   ozônio será o grande aumento da incidência de câncer
         de pele, desde que os raios ultravioletas são
                        mutagênicos.
Além disso, existe a hipótese segundo a qual a destruição
 da camada de ozônio pode causar desequilíbrio no clima,
         resultando no efeito estufa, o que causaria o
    descongelamento das geleiras polares e conseqüente
      inundação de muitos territórios que atualmente se
           encontram em condições de habitação.
De qualquer forma, a maior preocupação dos cientistas é
      mesmo com o câncer de pele, cuja incidência vem
     aumentando nos últimos vinte anos. Cada vez mais
     aconselha-se a evitar o sol nas horas em que esteja
   muito forte, assim como a utilização de filtros solares,
  únicas maneiras de se prevenir e de se proteger a pele.
Consumo anual de CFC por pessoa
   O consumo está concentrado nas áreas de maior
           desenvolvimento econômico
PAÍSES QUE ASSINARAM PROTOCOLO DE
             MONTREAL
CHUVA ÁCIDA
COMO FUNCIONA ?
EFEITOS DO FENÔMENO
              Prejuízos para o homem:
Saúde: a chuva libera metais tóxicos que estavam no solo.
Saúde
 Esses metais podem alcançar rios e serem utilizados pelo
      homem causando sérios problemas de saúde.
Prédios, casas, arquitetura: a chuva ácida também ajuda a
                arquitetura
 corroer os materiais usados nas construções, destruindo
           represas, turbinas hidrelétricas etc...
            Prejuízos para o meio ambiente:
 Lagos: os lagos podem ser os mais prejudicados com o
 Lagos
    efeito da chuva ácida, pois podem ficar totalmente
          acidificados, perdendo toda a sua vida.
  Desmatamentos: a chuva ácida faz clareiras, matando
  Desmatamentos
 duas ou três árvores. Isso pode destruir uma floresta.
 Agricultura: a chuva afeta plantações quase do mesmo
jeito que das florestas, só que é destruída mais rápido já
que as plantas são do mesmo tamanho, tendo assim mais
                      áreas atingidas.
VISUALIZANDO O
   FENÔMENO
VISUALIZANDO NA NATUREZA
MONUMENTOS E NO SER
     HUMANO
NO MUNDO LOCALIZAÇÃO
MUNDO LOCALIZAÇÃO
INVERSÃO TÉRMICA
RESULTADOS
ILHA DE CALOR



região que se caracteriza por apresentar a temperatura da
   superfície mais alta que a temperatura das áreas ao seu
                           redor.
 O fenômeno ilha de calor atinge principalmente grandes
  centros urbanos onde o calor gerado é transferido para o
    meio ambiente, aumentando a temperatura deste. Em
       algumas cidades verificou-se que a diferença de
 temperatura ilha-arredores chegou a 10oC. A diferença de
  temperatura entre periferia e centro faz com que o vento
    sopre para a região central acumulando os poluentes.
      Surge então uma "chaminé" i.e., uma coluna de ar
     poluído, no centro da ilha.Este ar da "coluna" volta a
 circular poluindo o restante da região da ilha e também os
                          arredores.
COMO SE FORMA ILHA DE CALOR ?
 O fenômeno é o resultado de alterações relacionadas:
   - às características térmicas da superfície;
           - às taxas de evaporação;
                  - aos ventos;
- à energia dissipada pelas atividades humanas.
CAUSAS DO FENÔMENO
            • A ilha de calor pode ser devido a:
• poluentes industriais, escapamento dos automóveis e em
                         especial o CO2
• ausência de áreas verdes, de áreas de água, como rios e
              lagos, que absorvem o calor do sol.
   • a configuração da malha viária urbana, bem como a
          presença dos edifícios, que refletem o calor
  • falta de área permeável que faz com que o calor seja
    refletido e a absorção deste pelo solo e pela vegetação
                        seja minimizada.
 • as propriedades caloríficas dos materiais urbanos, em
    especial do asfalto, das ruas e do concreto dos prédios
                      que refletem o calor,
  • calor gerado por organismos vivos (população) e não
   vivos (máquinas industrias e automóveis, refrigeradores,
           condicionadores de ar, aquecedores, etc.)
EROSÃO DOS SOLOS

          Erosão severa do
              solo em uma
              plantação de
            trigo próxima à
           Washington State
               University
DESERTIFICAÇÃO NO MUNDO
DESERTIFICAÇÃO NO BRASIL
O CASO DO SUL DO BRASIL
Problemas ambientais urbanos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
André Luiz Marques
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
laiszanatta
 
Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1
orlandoguedess
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Cristina Gouveia
 
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores ClimáticosClima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Vitor Vieira Vasconcelos
 
IDH
IDHIDH
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
edsonluz
 
Relação entre sociedade e natureza
Relação entre sociedade e naturezaRelação entre sociedade e natureza
Relação entre sociedade e natureza
Colégio Nova Geração COC
 
Revisão de geografia europa - 9º ano
Revisão de geografia   europa - 9º anoRevisão de geografia   europa - 9º ano
Revisão de geografia europa - 9º ano
Simone Aguiar
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Conferência das nações unidas sobre o meio ambiente
Conferência das nações unidas sobre o meio ambienteConferência das nações unidas sobre o meio ambiente
Conferência das nações unidas sobre o meio ambiente
Colégio Planeta Educacional
 
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
Cléber Figueiredo Beda de Ávila
 
Globalização e meio ambiente
Globalização e meio ambienteGlobalização e meio ambiente
Globalização e meio ambiente
Nome Sobrenome
 
Questão Ambiental
Questão AmbientalQuestão Ambiental
Questão Ambiental
Rogerio Silveira
 
6º ano cap 7 o homem e o meio ambiente
6º ano cap 7  o homem e o meio ambiente6º ano cap 7  o homem e o meio ambiente
6º ano cap 7 o homem e o meio ambiente
ISJ
 
Problemas Ambientais do Século XXI
Problemas Ambientais do Século XXIProblemas Ambientais do Século XXI
Problemas Ambientais do Século XXI
emef25dejulho
 
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
Idalina Leite
 
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMAATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
Vanessa Silva
 
America latina
America latina America latina
America latina
Christie Freitas
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
profacacio
 

Mais procurados (20)

Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 
Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores ClimáticosClima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
 
IDH
IDHIDH
IDH
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
 
Relação entre sociedade e natureza
Relação entre sociedade e naturezaRelação entre sociedade e natureza
Relação entre sociedade e natureza
 
Revisão de geografia europa - 9º ano
Revisão de geografia   europa - 9º anoRevisão de geografia   europa - 9º ano
Revisão de geografia europa - 9º ano
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Mudanças Climáticas
 
Conferência das nações unidas sobre o meio ambiente
Conferência das nações unidas sobre o meio ambienteConferência das nações unidas sobre o meio ambiente
Conferência das nações unidas sobre o meio ambiente
 
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
 
Globalização e meio ambiente
Globalização e meio ambienteGlobalização e meio ambiente
Globalização e meio ambiente
 
Questão Ambiental
Questão AmbientalQuestão Ambiental
Questão Ambiental
 
6º ano cap 7 o homem e o meio ambiente
6º ano cap 7  o homem e o meio ambiente6º ano cap 7  o homem e o meio ambiente
6º ano cap 7 o homem e o meio ambiente
 
Problemas Ambientais do Século XXI
Problemas Ambientais do Século XXIProblemas Ambientais do Século XXI
Problemas Ambientais do Século XXI
 
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
 
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMAATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
 
America latina
America latina America latina
America latina
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 

Destaque

Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
UFMS
 
Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"
Matheus Yuri
 
Sociologia 1 em aula 02
Sociologia 1 em aula 02Sociologia 1 em aula 02
Sociologia 1 em aula 02
Joao Gumiero
 
Meio ambiente e sociedade
Meio ambiente e sociedadeMeio ambiente e sociedade
Meio ambiente e sociedade
Solange Machado
 
Sociedade e Meio Ambiente
Sociedade e Meio AmbienteSociedade e Meio Ambiente
Sociedade e Meio Ambiente
Lucianamarcicano
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 15 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 15 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 15 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 15 do Tomazi
pascoalnaib
 

Destaque (6)

Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"
 
Sociologia 1 em aula 02
Sociologia 1 em aula 02Sociologia 1 em aula 02
Sociologia 1 em aula 02
 
Meio ambiente e sociedade
Meio ambiente e sociedadeMeio ambiente e sociedade
Meio ambiente e sociedade
 
Sociedade e Meio Ambiente
Sociedade e Meio AmbienteSociedade e Meio Ambiente
Sociedade e Meio Ambiente
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 15 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 15 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 15 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 15 do Tomazi
 

Semelhante a Problemas ambientais urbanos

CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2
CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2
CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2
ProfMario De Mori
 
A questao ambiental
A questao ambientalA questao ambiental
A questao ambiental
rdbtava
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
Jackson de Barros
 
Ana brazuca
Ana brazucaAna brazuca
Ana brazuca
rosa-gabo
 
A poluição na atmosfera
A poluição na atmosferaA poluição na atmosfera
A poluição na atmosfera
Sandra Alves
 
Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais UrbanosModulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Poluição atmosferica
Poluição atmosfericaPoluição atmosferica
Poluição atmosferica
Mayjö .
 
Clima urbano
Clima urbanoClima urbano
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
meninas9d
 
Trabalho Pedro
Trabalho PedroTrabalho Pedro
Trabalho Pedro
vidasegura
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
Andreia Pereira
 
Problemas atmosféricos
Problemas atmosféricosProblemas atmosféricos
Problemas atmosféricos
Eliena Leal
 
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
Leonor Vaz Pereira
 
A poluição atmosférica
A poluição atmosféricaA poluição atmosférica
A poluição atmosférica
fda
 
Clima urbano
Clima urbanoClima urbano
Ambiente e sociedade
Ambiente e sociedadeAmbiente e sociedade
Ambiente e sociedade
Rosária Zamith
 
Aval geo11
Aval geo11Aval geo11
Sustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambienteSustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambiente
Marcus Corradini
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
Danielle1610
 
Alterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicaçõesAlterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicações
guest3eaec9
 

Semelhante a Problemas ambientais urbanos (20)

CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2
CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2
CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2
 
A questao ambiental
A questao ambientalA questao ambiental
A questao ambiental
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
Ana brazuca
Ana brazucaAna brazuca
Ana brazuca
 
A poluição na atmosfera
A poluição na atmosferaA poluição na atmosfera
A poluição na atmosfera
 
Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais UrbanosModulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
 
Poluição atmosferica
Poluição atmosfericaPoluição atmosferica
Poluição atmosferica
 
Clima urbano
Clima urbanoClima urbano
Clima urbano
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Trabalho Pedro
Trabalho PedroTrabalho Pedro
Trabalho Pedro
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Problemas atmosféricos
Problemas atmosféricosProblemas atmosféricos
Problemas atmosféricos
 
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
 
A poluição atmosférica
A poluição atmosféricaA poluição atmosférica
A poluição atmosférica
 
Clima urbano
Clima urbanoClima urbano
Clima urbano
 
Ambiente e sociedade
Ambiente e sociedadeAmbiente e sociedade
Ambiente e sociedade
 
Aval geo11
Aval geo11Aval geo11
Aval geo11
 
Sustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambienteSustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambiente
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
 
Alterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicaçõesAlterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicações
 

Mais de Marcio Cicchelli

Estados unidos noseculo xix
Estados unidos noseculo xixEstados unidos noseculo xix
Estados unidos noseculo xix
Marcio Cicchelli
 
Revolucao russa
Revolucao  russaRevolucao  russa
Revolucao russa
Marcio Cicchelli
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
Marcio Cicchelli
 
America espanhola (1)
America espanhola (1)America espanhola (1)
America espanhola (1)
Marcio Cicchelli
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
Marcio Cicchelli
 
Roma antiga-resumo-ilustrado
Roma antiga-resumo-ilustradoRoma antiga-resumo-ilustrado
Roma antiga-resumo-ilustrado
Marcio Cicchelli
 
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismoFormacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Marcio Cicchelli
 
Crise do imperio_romano
Crise do imperio_romanoCrise do imperio_romano
Crise do imperio_romano
Marcio Cicchelli
 
Primeira guerra
Primeira guerraPrimeira guerra
Primeira guerra
Marcio Cicchelli
 
Teoria da historia
Teoria da historiaTeoria da historia
Teoria da historia
Marcio Cicchelli
 
Introdução a historia
Introdução a historiaIntrodução a historia
Introdução a historia
Marcio Cicchelli
 
Pre historia
Pre historiaPre historia
Pre historia
Marcio Cicchelli
 
2002ed d2 qui
2002ed d2 qui2002ed d2 qui
2002ed d2 qui
Marcio Cicchelli
 
2002ed d2 mat
2002ed d2 mat2002ed d2 mat
2002ed d2 mat
Marcio Cicchelli
 
2002ed d2 lplb
2002ed d2 lplb2002ed d2 lplb
2002ed d2 lplb
Marcio Cicchelli
 
2002ed d2 geo
2002ed d2 geo2002ed d2 geo
2002ed d2 geo
Marcio Cicchelli
 
2002ed d2 esp
2002ed d2 esp2002ed d2 esp
2002ed d2 esp
Marcio Cicchelli
 
2002ed d2 bio
2002ed d2 bio2002ed d2 bio
2002ed d2 bio
Marcio Cicchelli
 
2002ed d1 mat_uenf
2002ed d1 mat_uenf2002ed d1 mat_uenf
2002ed d1 mat_uenf
Marcio Cicchelli
 
2002ed d1 lpi+red
2002ed d1 lpi+red2002ed d1 lpi+red
2002ed d1 lpi+red
Marcio Cicchelli
 

Mais de Marcio Cicchelli (20)

Estados unidos noseculo xix
Estados unidos noseculo xixEstados unidos noseculo xix
Estados unidos noseculo xix
 
Revolucao russa
Revolucao  russaRevolucao  russa
Revolucao russa
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
 
America espanhola (1)
America espanhola (1)America espanhola (1)
America espanhola (1)
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Roma antiga-resumo-ilustrado
Roma antiga-resumo-ilustradoRoma antiga-resumo-ilustrado
Roma antiga-resumo-ilustrado
 
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismoFormacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
 
Crise do imperio_romano
Crise do imperio_romanoCrise do imperio_romano
Crise do imperio_romano
 
Primeira guerra
Primeira guerraPrimeira guerra
Primeira guerra
 
Teoria da historia
Teoria da historiaTeoria da historia
Teoria da historia
 
Introdução a historia
Introdução a historiaIntrodução a historia
Introdução a historia
 
Pre historia
Pre historiaPre historia
Pre historia
 
2002ed d2 qui
2002ed d2 qui2002ed d2 qui
2002ed d2 qui
 
2002ed d2 mat
2002ed d2 mat2002ed d2 mat
2002ed d2 mat
 
2002ed d2 lplb
2002ed d2 lplb2002ed d2 lplb
2002ed d2 lplb
 
2002ed d2 geo
2002ed d2 geo2002ed d2 geo
2002ed d2 geo
 
2002ed d2 esp
2002ed d2 esp2002ed d2 esp
2002ed d2 esp
 
2002ed d2 bio
2002ed d2 bio2002ed d2 bio
2002ed d2 bio
 
2002ed d1 mat_uenf
2002ed d1 mat_uenf2002ed d1 mat_uenf
2002ed d1 mat_uenf
 
2002ed d1 lpi+red
2002ed d1 lpi+red2002ed d1 lpi+red
2002ed d1 lpi+red
 

Último

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
ALEXANDRODECASTRODOS
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
dataprovider
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
 

Problemas ambientais urbanos

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 13. COMO O OZÔNIO É DESTRUÍDO
  • 14. CONSEQUÊNCIAS A principal conseqüência da destruição da camada de ozônio será o grande aumento da incidência de câncer de pele, desde que os raios ultravioletas são mutagênicos. Além disso, existe a hipótese segundo a qual a destruição da camada de ozônio pode causar desequilíbrio no clima, resultando no efeito estufa, o que causaria o descongelamento das geleiras polares e conseqüente inundação de muitos territórios que atualmente se encontram em condições de habitação. De qualquer forma, a maior preocupação dos cientistas é mesmo com o câncer de pele, cuja incidência vem aumentando nos últimos vinte anos. Cada vez mais aconselha-se a evitar o sol nas horas em que esteja muito forte, assim como a utilização de filtros solares, únicas maneiras de se prevenir e de se proteger a pele.
  • 15. Consumo anual de CFC por pessoa O consumo está concentrado nas áreas de maior desenvolvimento econômico
  • 16. PAÍSES QUE ASSINARAM PROTOCOLO DE MONTREAL
  • 19.
  • 20. EFEITOS DO FENÔMENO Prejuízos para o homem: Saúde: a chuva libera metais tóxicos que estavam no solo. Saúde Esses metais podem alcançar rios e serem utilizados pelo homem causando sérios problemas de saúde. Prédios, casas, arquitetura: a chuva ácida também ajuda a arquitetura corroer os materiais usados nas construções, destruindo represas, turbinas hidrelétricas etc... Prejuízos para o meio ambiente: Lagos: os lagos podem ser os mais prejudicados com o Lagos efeito da chuva ácida, pois podem ficar totalmente acidificados, perdendo toda a sua vida. Desmatamentos: a chuva ácida faz clareiras, matando Desmatamentos duas ou três árvores. Isso pode destruir uma floresta. Agricultura: a chuva afeta plantações quase do mesmo jeito que das florestas, só que é destruída mais rápido já que as plantas são do mesmo tamanho, tendo assim mais áreas atingidas.
  • 21. VISUALIZANDO O FENÔMENO
  • 23. MONUMENTOS E NO SER HUMANO
  • 26.
  • 27.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 34. ILHA DE CALOR região que se caracteriza por apresentar a temperatura da superfície mais alta que a temperatura das áreas ao seu redor. O fenômeno ilha de calor atinge principalmente grandes centros urbanos onde o calor gerado é transferido para o meio ambiente, aumentando a temperatura deste. Em algumas cidades verificou-se que a diferença de temperatura ilha-arredores chegou a 10oC. A diferença de temperatura entre periferia e centro faz com que o vento sopre para a região central acumulando os poluentes. Surge então uma "chaminé" i.e., uma coluna de ar poluído, no centro da ilha.Este ar da "coluna" volta a circular poluindo o restante da região da ilha e também os arredores.
  • 35.
  • 36.
  • 37. COMO SE FORMA ILHA DE CALOR ? O fenômeno é o resultado de alterações relacionadas: - às características térmicas da superfície; - às taxas de evaporação; - aos ventos; - à energia dissipada pelas atividades humanas.
  • 38. CAUSAS DO FENÔMENO • A ilha de calor pode ser devido a: • poluentes industriais, escapamento dos automóveis e em especial o CO2 • ausência de áreas verdes, de áreas de água, como rios e lagos, que absorvem o calor do sol. • a configuração da malha viária urbana, bem como a presença dos edifícios, que refletem o calor • falta de área permeável que faz com que o calor seja refletido e a absorção deste pelo solo e pela vegetação seja minimizada. • as propriedades caloríficas dos materiais urbanos, em especial do asfalto, das ruas e do concreto dos prédios que refletem o calor, • calor gerado por organismos vivos (população) e não vivos (máquinas industrias e automóveis, refrigeradores, condicionadores de ar, aquecedores, etc.)
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42. EROSÃO DOS SOLOS Erosão severa do solo em uma plantação de trigo próxima à Washington State University
  • 45. O CASO DO SUL DO BRASIL