SlideShare uma empresa Scribd logo
PRINCÍPIOS
BÁSICOS
DA AMOSTRAGEM
DE AR
Avaliação de Agentes
Químicos em Ambientes
de Trabalho
Antes de Começar
o Programa de
Amostragem de Ar:
é importante
determinar os
objetivos da
avaliação
O que você quer
avaliar?
# PASSO 1 #
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
RAZÕES PARA FAZER
AMOSTRAGEM DE AR
AVALIAR E GARANTIR O
CUMPRIMENTO DOS
PADRÕES LEGAIS
Incluindo os padrões
ambientais e ocupacionais
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
RAZÕES PARA FAZER
AMOSTRAGEM DE AR
AVALIAR A EFICÁCIA DAS
MEDIDAS DE CONTROLE
ADOTADAS
Amostras coletadas antes e após
a implantação das medidas de
controle, servirão para avaliar a
eficácia das mesmas na redução
das exposições ou da
contaminação ambiental
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
Medidas de engenharia e
mudanças nas práticas de
trabalho devem ser priorizadas
RAZÕES PARA FAZER
AMOSTRAGEM DE AR
PARA EDUCAR OS
TRABALHADORES SOBRE A
IMPORTÂNCIA DAS
PRÁTICAS SEGURAS DE
TRABALHO
Instrumentos de Leitura Direta
podem ser utilizados para
demonstrar aos trabalhadores
as reduções nos níveis de
concentração gerados quando
são adotadas práticas seguras
de trabalho em suas atividades
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
RAZÕES PARA FAZER
AMOSTRAGEM DE AR
PARA CONDUZIR ESTUDOS
EPIDEMIOLÓGICOS
Muitas organizações
conduzem estudos e
pesquisas utilizando
resultados de amostragem de
ar para revelar/estabelecer a
relação entre uma
determinada substância
química e uma doença.
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
RAZÕES PARA FAZER
AMOSTRAGEM DE AR
PARA DETERMINAR OU
MONITORAR FONTES DE
EMISSÕES E VAZAMENTOS
Instrumentos de Leitura
Direta podem ser utilizados
para detectar ou monitorar
pontos de emissões e
vazamentos próximos a
tubulações, bombas, flanges
e outros equipamentos.
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
RAZÕES PARA FAZER
AMOSTRAGEM DE AR
PARA DEFINIR ÁREAS
CONTROLADAS EM
FUNÇÃO DE UM
VAZAMENTO OU
DERRAMAMENTO
A coleta de amostras
instantâneas em distâncias
diferentes da fonte fornecerá
informações que subsidiarão o
estabelecimento dos controles
apropriados.
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
# PASSO 2 #
Determine Como os Agentes
Químicos são Regulamentados
Categorias dos Limites Brasileiros:
1. Média Ponderada no Tempo
- LT-MPT para 8 horas/dia e até 48
horas/semana - NR 15, anexo 11.
2. Valores Máximos Permitidos
- Picos de concentração máxima
para os LT-MPT - NR-15, anexo 11.
3. Valor Teto
- LT-MPT = Valor Máximo Permitido
NR-15, anexo 11
Albertinho Barreto de Fonte: SKC Inc
# PASSO 2 #
Determine Como os Agentes
Químicos são Regulamentados
LIMITES DE CONCENTRAÇÃO
PARA AMBIENTES DE TRABALHO
EXEMPLOS
- LIMITES BRASILEIROS
- Limites de Tolerância (LT)
- Valor de Referência Tecnológico
para o Benzeno - VRT-Bz
- LIMITES INTERNACIONAIS
- Limites de Tolerância da ACGIH
- Limites de Exposição da OSHA
- Valor de Referência Técnica da
Alemanha (DFG) - TRK, entre outros
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
# PASSO 3 #
CONSULTAR O
LABORATÓRIO
O laboratório irá definir ou
subsidiar a escolha do
método analítico
(amostragem e análise).
O laboratório deve validar o
método e desenvolver ou
participar de programas de
controle de qualidade.
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
AGÊNCIAS QUE PUBLICAM
MÉTODOS DE AMOSTRAGEM
E ANÁLISE DE AR
 National Institute for
Occupational Safety and
Health (NIOSH)
 Occupational Safety and
Health Administration (OSHA)
 Environmental Protection
Agency (EPA)
# PASSO 4 #
ESCOLHA DO MÉTODO
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
# PASSO 5 #
ESCOLHA DOS
EQUIPAMENTOS
TUDO QUE VOCÊ
NECESSITA PARA A
MAIORIA DOS MÉTODOS DE
AMOSTRAGEM DO AR
 Bombas de amostragem
 Calibradores (flowmeters)
para as bombas
 Meios de coleta (líquidos,
filtros, adsorventes, sacos...)
 Amostradores Passivos
 Medidores de umidade e
temperatura do ar
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
TÉCNICAS DE
AMOSTRAGEM
 Amostragem Ativa
Necessita de bombas de
amostragem para aspirar ou
empurrar o ar
 Amostragem Passiva
Não dependem do emprego de
bombas de amostragem
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
AMOSTRAGEM
ATIVA
...é o processo de coleta do
contaminante de interesse
em um sistema apropriado,
através da movimentação de
ar provocada por uma
bomba de amostragem. A
bomba é utilizada para
coletar e/ou concentrar o
agente químico sobre o
meio de coleta.
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
ELEMENTOS DE UMA
AMOSTRAGEM ATIVA
 Bomba de Amostragem
Para succionar ou empurrar o ar
 Meio de Coleta
Meio de retenção do contaminante
(coleta ou concentração)
 Calibrador
Forma de garantir o conhecimento
da quantidade de ar realmente
aspirada ou empurrada (coletada)
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
CALIBRAÇÃO DAS
BOMBAS
Calibração quer dizer
selecionar e
checar a vazão
das bombas.
A calibração deve
ser feita antes e
após cada coleta.
As vazões são
medidas em
ml/min or l/min.
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
CALIBRADOR
ELETRÔNICO
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
UM IMPORTANTE
PARÂMETRO DA
AMOSTRAGEM
É O VOLUME DE AR
COLETADO
É determinado multiplicando a
vazão da bomba, em ml/min ou
l/min, pelo tempo de
amostragem, em minutos.
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
COLETA ATIVA DE
GASES E VAPORES
Muitos métodos de amostragem
requerem o uso de tubos
adsorventes
para a amostragem de gases e
vapores.
Um tubo adsorvente é um
pequeno tubo de vidro,
normalmente preenchido com
duas camadas de um material
sólido adsorvente.
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
TUBO
ADSORVENTE
Fonte: SKC Inc
ADSORVENTES
MAIS COMUNS
 Carvão Ativado
 Sílica Gel
 Tenax
 XAD-2
 Chromosorbs
O adsorvente a ser utilizado
para o agente químico de
interesse será especificado
pelo método
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
COLETA DE AMOSTRAS
COM TUBOS
ADSORVENTES
As extremidades do tubo são
quebradas e um volume conhecido
de ar é passado através do
mesmo, usando uma bomba de
amostragem de ar, calibrada
previamente para a vazão
especificada pelo método.
Os agentes químicos são retidos na
primeira camada de adsorvente. A
segunda camada, também chamada de
segunda seção ou seção back-up, serve
para avaliar a ocorrência de breakthrough.
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
SISTEMA DE COLETA
COM TUBO
ADSORVENTE
Fonte: SKC Inc
APÓS A COLETA DA
AMOSTRA
O tubo é fechado com tampas
apropriadas (teflon opcional) e
enviado para o laboratório, para
análise.
Lá, o adsorvente é removido do
tubo de vidro e os contaminantes
são extraídos com um solvente
(dessorção química) ou por
aquecimento (dessorção térmica) e
identificados e quantificados por
cromatografia a gás ou outro
método indicado.
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
COLETA ATIVA DE
GASES E VAPORES
EM SACOS
Em alguns casos pode ser
desejável coletar a amostra
inteira de ar, sem a separação do
contaminante.
Nestes casos pode-se utilizar sacos
especialmente fabricados para estas
finalidades. São de materiais inertes
como teflon, polietileno, etc.
Geralmente, são amostras
instantâneas ou de curta duração
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
COLETA DE AMOSTRA
COM SACOS
 Bombas dotadas com saídas de
exaustão (descarga) podem ser
utilizadas para empurrar o ar para
dentro de sacos de amostragem,
conectados por meio de tubos de
teflon.
 Os sacos contendo as amostras
podem ser analisados em campo,
por meio de instrumentos de leitura
direta,
 Ou serem levados para o
laboratório, para posterior análise
por cromatografia a gás ou outro
método adequado.
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
COLETA COM SACO
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
COLETA DE GASES E
VAPORES COM
IMPINGERS
MÉTODO DE ABSORÇÃO
Alguns agentes químicos, tais como
ácidos, ozônio, cloro e formaldeído
podem ser coletados utilizando-se
impingers.
Os impingers são frascos de vidro,
especialmente desenhados, dentro
dos quais é colocado um líquido
especificado no método analítico.
O ar contaminado é passado
através do líquido e o agente
químico de interesse é retido por
dissolução ou reação química.
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
IMPINGERS
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
PARA COLETAR
AMOSTRAS COM
IMPINGERS
 Uma bomba de amostragem
é usada para borbulhar o ar
no líquido (especificado no
método analítico) contido no
impinger
 O líquido dissolverá ou
reagirá quimicamente com o
agente químico de interesse.
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
SISTEMA DE COLETA
COM IMPINGER
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
APÓS A COLETA
 O líquido é removido do
impinger, transferido para
frascos apropriados e enviado
para o laboratório, para análise.
Se o laboratório for na própria
empresa onde a amostra foi
coletada, o líquido pode ser
transportado no próprio
impinger, devidamente fechado
(com fita teflon).
 O impinger pode ser lavado e
reutilizado.
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
APÓS A COLETA DE
AMOSTRAS COM
FILTROS
Os filtros podem ser analisados
por uma variedade de
métodos, dependendo do
agente químico:
 Gravimetria - Pesagem do filtro
antes e após a coleta.
 Absorção Atômica /ICP - Análise
química para determinar compostos
ou elementos químicos específicos.
 Microscopia - Contagem de fibras
individuais.
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
CICLONE PARA
POEIRA RESPIRÁVEL
Ciclone de Alumínio para Poeira
Respirável da SKC Inc.
AO COLETAR COM
CICLONES
As partículas menores serão
coletadas sobre um filtro e
encaminhadas para análise.
As partículas maiores cairão na
parte inferior do ciclone e
serão descartadas.
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
NOTA SOBRE COLETA
COM CICLONE
 Certifique-se de
calibrar a bomba na
vazão especificada
no método, para
garantir que o ponto
de corte de 50%
seja obedecido.
 O ponto de corte
especifica o tamanho
de partícula de
poeira que o ciclone
coletará com 50% de
eficiência.
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
NOTA SOBRE COLETA
COM CICLONE
 A NIOSH e a ACGIH
recomendam que o corte
seja definido para partículas
de 4 microns.
 Para atingir 50%¨em 4
microns, o ciclone de
alumínio da SKC deve
operar à vazão de 2,5 l/min.
O dispositivo especificado na
NR-15 faz o corte de 50%
em 3,5 microns.
A vazão para o ciclone de
nylon deve ser 1,7 l/min
Fonte: SKC Inc
Albertinho Barreto de Carvalho
VAZÕES DE COLETA
(MÉTODO ATIVO)
Para muitas aplicações em
Higiene Industrial:
GASES E VAPORES são,
geralmente, coletados com baixas
vazões para assegurar uma alta
eficiência de adsorção (tubos
adsorventes) ou absorção
(impingers).
PARTICULADOS são, geralmente,
coletados com altas vazões (>1
l/min) para que as partículas sejam
retidas efetivamente sobre o filtro.
Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
BOMBA DE BAIXA
Fonte: SKC Inc
BOMBA PARA BAIXA
E ALTA VAZÃO
Fonte: SKC Inc

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PRINCÍPIOS BÁSICOS DA AMOSTRAGEM DE AR.ppt

2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
Seminário CME
 
Contador de partículas
Contador de partículasContador de partículas
Contador de partículas
Fernando Dias
 
Fundamentos quimica analitica
Fundamentos quimica analiticaFundamentos quimica analitica
Fundamentos quimica analitica
Kzona99
 
Instrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processoInstrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processo
Pensalab Instrumentação Analítica
 
Nho03
Nho03Nho03
NHO 03
NHO 03NHO 03
NHO 03
Ane Costa
 
Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014
Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014
Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014
Denise Santana
 
Procedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostrasProcedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostras
Universidade Federal Fluminense
 
Procedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostrasProcedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostras
Universidade Federal Fluminense
 
Curso Avaliação de Agentes Químicos-FUNDACENTRO-BA
Curso Avaliação de Agentes Químicos-FUNDACENTRO-BACurso Avaliação de Agentes Químicos-FUNDACENTRO-BA
Curso Avaliação de Agentes Químicos-FUNDACENTRO-BA
Denise Santana
 
Poluição ar
Poluição arPoluição ar
Poluição ar
Mirianny Elena Freitas
 
Apresentação Workshop Sharebiotech Ar Diagnostic
Apresentação Workshop Sharebiotech   Ar DiagnosticApresentação Workshop Sharebiotech   Ar Diagnostic
Apresentação Workshop Sharebiotech Ar Diagnostic
zarzaragoza
 
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de ÁguaManual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
Ministério Público de Santa Catarina
 
Livro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-sc
Livro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-scLivro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-sc
Livro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-sc
Juliana Rodrigues
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
Geagra UFG
 
amostragem. medições.pdf
amostragem. medições.pdfamostragem. medições.pdf
amostragem. medições.pdf
ssuser66f178
 
383658421 laudo-de-compressor
383658421 laudo-de-compressor383658421 laudo-de-compressor
383658421 laudo-de-compressor
Everson Alexandre Solomão
 
Trabalho%20 sitap%201
Trabalho%20 sitap%201Trabalho%20 sitap%201
Trabalho%20 sitap%201
Sergio Da Silva Pereira
 
Apostila laboratório final
Apostila laboratório finalApostila laboratório final
Apostila laboratório final
Sarah Santos
 
Fontes de Poluição Atmosférica
Fontes de Poluição AtmosféricaFontes de Poluição Atmosférica
Fontes de Poluição Atmosférica
Rianne Balbino
 

Semelhante a PRINCÍPIOS BÁSICOS DA AMOSTRAGEM DE AR.ppt (20)

2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
 
Contador de partículas
Contador de partículasContador de partículas
Contador de partículas
 
Fundamentos quimica analitica
Fundamentos quimica analiticaFundamentos quimica analitica
Fundamentos quimica analitica
 
Instrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processoInstrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processo
 
Nho03
Nho03Nho03
Nho03
 
NHO 03
NHO 03NHO 03
NHO 03
 
Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014
Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014
Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014
 
Procedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostrasProcedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostras
 
Procedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostrasProcedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostras
 
Curso Avaliação de Agentes Químicos-FUNDACENTRO-BA
Curso Avaliação de Agentes Químicos-FUNDACENTRO-BACurso Avaliação de Agentes Químicos-FUNDACENTRO-BA
Curso Avaliação de Agentes Químicos-FUNDACENTRO-BA
 
Poluição ar
Poluição arPoluição ar
Poluição ar
 
Apresentação Workshop Sharebiotech Ar Diagnostic
Apresentação Workshop Sharebiotech   Ar DiagnosticApresentação Workshop Sharebiotech   Ar Diagnostic
Apresentação Workshop Sharebiotech Ar Diagnostic
 
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de ÁguaManual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
 
Livro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-sc
Livro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-scLivro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-sc
Livro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-sc
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
amostragem. medições.pdf
amostragem. medições.pdfamostragem. medições.pdf
amostragem. medições.pdf
 
383658421 laudo-de-compressor
383658421 laudo-de-compressor383658421 laudo-de-compressor
383658421 laudo-de-compressor
 
Trabalho%20 sitap%201
Trabalho%20 sitap%201Trabalho%20 sitap%201
Trabalho%20 sitap%201
 
Apostila laboratório final
Apostila laboratório finalApostila laboratório final
Apostila laboratório final
 
Fontes de Poluição Atmosférica
Fontes de Poluição AtmosféricaFontes de Poluição Atmosférica
Fontes de Poluição Atmosférica
 

Mais de Vilson Stollmeier

11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx
11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx
11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx
Vilson Stollmeier
 
segurança do trabalho humano Medicina do Trabalho.ppt
segurança do trabalho humano Medicina do Trabalho.pptsegurança do trabalho humano Medicina do Trabalho.ppt
segurança do trabalho humano Medicina do Trabalho.ppt
Vilson Stollmeier
 
segurança do trabalho e medicina humana.ppt
segurança do trabalho e medicina humana.pptsegurança do trabalho e medicina humana.ppt
segurança do trabalho e medicina humana.ppt
Vilson Stollmeier
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 
Modelo_de_ASO_b4ff6cbcef494343b6639d040c1d4973.docx
Modelo_de_ASO_b4ff6cbcef494343b6639d040c1d4973.docxModelo_de_ASO_b4ff6cbcef494343b6639d040c1d4973.docx
Modelo_de_ASO_b4ff6cbcef494343b6639d040c1d4973.docx
Vilson Stollmeier
 
Dúvidas SST no eSocial tudo que você precisa saber! (1).pdf
Dúvidas SST no eSocial tudo que você precisa saber! (1).pdfDúvidas SST no eSocial tudo que você precisa saber! (1).pdf
Dúvidas SST no eSocial tudo que você precisa saber! (1).pdf
Vilson Stollmeier
 
SST no eSocial confira as principais dúvidas.pdf
SST no eSocial confira as principais dúvidas.pdfSST no eSocial confira as principais dúvidas.pdf
SST no eSocial confira as principais dúvidas.pdf
Vilson Stollmeier
 
apresentação BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdf
apresentação BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdfapresentação BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdf
apresentação BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdf
Vilson Stollmeier
 
apresentação Adicional de insalubridade.pdf
apresentação Adicional de insalubridade.pdfapresentação Adicional de insalubridade.pdf
apresentação Adicional de insalubridade.pdf
Vilson Stollmeier
 
Processamento origem animal carne bovina e avicultura
Processamento origem animal carne bovina e aviculturaProcessamento origem animal carne bovina e avicultura
Processamento origem animal carne bovina e avicultura
Vilson Stollmeier
 
7 TEMAS DE DDS.pdf
7 TEMAS DE DDS.pdf7 TEMAS DE DDS.pdf
7 TEMAS DE DDS.pdf
Vilson Stollmeier
 
5 Razes Para Voc Proteger Suas MOS.ppt
5  Razes  Para  Voc  Proteger  Suas  MOS.ppt5  Razes  Para  Voc  Proteger  Suas  MOS.ppt
5 Razes Para Voc Proteger Suas MOS.ppt
Vilson Stollmeier
 
7 TEMAS DE DDS.pdf
7 TEMAS DE DDS.pdf7 TEMAS DE DDS.pdf
7 TEMAS DE DDS.pdf
Vilson Stollmeier
 
Apresentao dos EPI.ppt
Apresentao dos EPI.pptApresentao dos EPI.ppt
Apresentao dos EPI.ppt
Vilson Stollmeier
 
nr18_apr_movimentacao-de-cargas.pdf
nr18_apr_movimentacao-de-cargas.pdfnr18_apr_movimentacao-de-cargas.pdf
nr18_apr_movimentacao-de-cargas.pdf
Vilson Stollmeier
 
10 regras de estocagem.PPT
10 regras de estocagem.PPT10 regras de estocagem.PPT
10 regras de estocagem.PPT
Vilson Stollmeier
 
1185024487introducaoasegurancaehigienedotrabalho-130723085504-phpapp01.ppt
1185024487introducaoasegurancaehigienedotrabalho-130723085504-phpapp01.ppt1185024487introducaoasegurancaehigienedotrabalho-130723085504-phpapp01.ppt
1185024487introducaoasegurancaehigienedotrabalho-130723085504-phpapp01.ppt
Vilson Stollmeier
 
BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdf
BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdfBOAS PRATICAS GESTAO SST.pdf
BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdf
Vilson Stollmeier
 
PONTES ROLANTES 004.ppt
PONTES ROLANTES 004.pptPONTES ROLANTES 004.ppt
PONTES ROLANTES 004.ppt
Vilson Stollmeier
 
PPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA.ppt
PPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA.pptPPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA.ppt
PPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA.ppt
Vilson Stollmeier
 

Mais de Vilson Stollmeier (20)

11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx
11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx
11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx
 
segurança do trabalho humano Medicina do Trabalho.ppt
segurança do trabalho humano Medicina do Trabalho.pptsegurança do trabalho humano Medicina do Trabalho.ppt
segurança do trabalho humano Medicina do Trabalho.ppt
 
segurança do trabalho e medicina humana.ppt
segurança do trabalho e medicina humana.pptsegurança do trabalho e medicina humana.ppt
segurança do trabalho e medicina humana.ppt
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 
Modelo_de_ASO_b4ff6cbcef494343b6639d040c1d4973.docx
Modelo_de_ASO_b4ff6cbcef494343b6639d040c1d4973.docxModelo_de_ASO_b4ff6cbcef494343b6639d040c1d4973.docx
Modelo_de_ASO_b4ff6cbcef494343b6639d040c1d4973.docx
 
Dúvidas SST no eSocial tudo que você precisa saber! (1).pdf
Dúvidas SST no eSocial tudo que você precisa saber! (1).pdfDúvidas SST no eSocial tudo que você precisa saber! (1).pdf
Dúvidas SST no eSocial tudo que você precisa saber! (1).pdf
 
SST no eSocial confira as principais dúvidas.pdf
SST no eSocial confira as principais dúvidas.pdfSST no eSocial confira as principais dúvidas.pdf
SST no eSocial confira as principais dúvidas.pdf
 
apresentação BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdf
apresentação BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdfapresentação BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdf
apresentação BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdf
 
apresentação Adicional de insalubridade.pdf
apresentação Adicional de insalubridade.pdfapresentação Adicional de insalubridade.pdf
apresentação Adicional de insalubridade.pdf
 
Processamento origem animal carne bovina e avicultura
Processamento origem animal carne bovina e aviculturaProcessamento origem animal carne bovina e avicultura
Processamento origem animal carne bovina e avicultura
 
7 TEMAS DE DDS.pdf
7 TEMAS DE DDS.pdf7 TEMAS DE DDS.pdf
7 TEMAS DE DDS.pdf
 
5 Razes Para Voc Proteger Suas MOS.ppt
5  Razes  Para  Voc  Proteger  Suas  MOS.ppt5  Razes  Para  Voc  Proteger  Suas  MOS.ppt
5 Razes Para Voc Proteger Suas MOS.ppt
 
7 TEMAS DE DDS.pdf
7 TEMAS DE DDS.pdf7 TEMAS DE DDS.pdf
7 TEMAS DE DDS.pdf
 
Apresentao dos EPI.ppt
Apresentao dos EPI.pptApresentao dos EPI.ppt
Apresentao dos EPI.ppt
 
nr18_apr_movimentacao-de-cargas.pdf
nr18_apr_movimentacao-de-cargas.pdfnr18_apr_movimentacao-de-cargas.pdf
nr18_apr_movimentacao-de-cargas.pdf
 
10 regras de estocagem.PPT
10 regras de estocagem.PPT10 regras de estocagem.PPT
10 regras de estocagem.PPT
 
1185024487introducaoasegurancaehigienedotrabalho-130723085504-phpapp01.ppt
1185024487introducaoasegurancaehigienedotrabalho-130723085504-phpapp01.ppt1185024487introducaoasegurancaehigienedotrabalho-130723085504-phpapp01.ppt
1185024487introducaoasegurancaehigienedotrabalho-130723085504-phpapp01.ppt
 
BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdf
BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdfBOAS PRATICAS GESTAO SST.pdf
BOAS PRATICAS GESTAO SST.pdf
 
PONTES ROLANTES 004.ppt
PONTES ROLANTES 004.pptPONTES ROLANTES 004.ppt
PONTES ROLANTES 004.ppt
 
PPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA.ppt
PPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA.pptPPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA.ppt
PPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA.ppt
 

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA AMOSTRAGEM DE AR.ppt

  • 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA AMOSTRAGEM DE AR Avaliação de Agentes Químicos em Ambientes de Trabalho
  • 2. Antes de Começar o Programa de Amostragem de Ar: é importante determinar os objetivos da avaliação O que você quer avaliar? # PASSO 1 # Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 3. RAZÕES PARA FAZER AMOSTRAGEM DE AR AVALIAR E GARANTIR O CUMPRIMENTO DOS PADRÕES LEGAIS Incluindo os padrões ambientais e ocupacionais Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 4. RAZÕES PARA FAZER AMOSTRAGEM DE AR AVALIAR A EFICÁCIA DAS MEDIDAS DE CONTROLE ADOTADAS Amostras coletadas antes e após a implantação das medidas de controle, servirão para avaliar a eficácia das mesmas na redução das exposições ou da contaminação ambiental Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc Medidas de engenharia e mudanças nas práticas de trabalho devem ser priorizadas
  • 5. RAZÕES PARA FAZER AMOSTRAGEM DE AR PARA EDUCAR OS TRABALHADORES SOBRE A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS SEGURAS DE TRABALHO Instrumentos de Leitura Direta podem ser utilizados para demonstrar aos trabalhadores as reduções nos níveis de concentração gerados quando são adotadas práticas seguras de trabalho em suas atividades Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 6. RAZÕES PARA FAZER AMOSTRAGEM DE AR PARA CONDUZIR ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Muitas organizações conduzem estudos e pesquisas utilizando resultados de amostragem de ar para revelar/estabelecer a relação entre uma determinada substância química e uma doença. Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 7. RAZÕES PARA FAZER AMOSTRAGEM DE AR PARA DETERMINAR OU MONITORAR FONTES DE EMISSÕES E VAZAMENTOS Instrumentos de Leitura Direta podem ser utilizados para detectar ou monitorar pontos de emissões e vazamentos próximos a tubulações, bombas, flanges e outros equipamentos. Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 8. RAZÕES PARA FAZER AMOSTRAGEM DE AR PARA DEFINIR ÁREAS CONTROLADAS EM FUNÇÃO DE UM VAZAMENTO OU DERRAMAMENTO A coleta de amostras instantâneas em distâncias diferentes da fonte fornecerá informações que subsidiarão o estabelecimento dos controles apropriados. Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 9. # PASSO 2 # Determine Como os Agentes Químicos são Regulamentados Categorias dos Limites Brasileiros: 1. Média Ponderada no Tempo - LT-MPT para 8 horas/dia e até 48 horas/semana - NR 15, anexo 11. 2. Valores Máximos Permitidos - Picos de concentração máxima para os LT-MPT - NR-15, anexo 11. 3. Valor Teto - LT-MPT = Valor Máximo Permitido NR-15, anexo 11 Albertinho Barreto de Fonte: SKC Inc
  • 10. # PASSO 2 # Determine Como os Agentes Químicos são Regulamentados LIMITES DE CONCENTRAÇÃO PARA AMBIENTES DE TRABALHO EXEMPLOS - LIMITES BRASILEIROS - Limites de Tolerância (LT) - Valor de Referência Tecnológico para o Benzeno - VRT-Bz - LIMITES INTERNACIONAIS - Limites de Tolerância da ACGIH - Limites de Exposição da OSHA - Valor de Referência Técnica da Alemanha (DFG) - TRK, entre outros Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 11. # PASSO 3 # CONSULTAR O LABORATÓRIO O laboratório irá definir ou subsidiar a escolha do método analítico (amostragem e análise). O laboratório deve validar o método e desenvolver ou participar de programas de controle de qualidade. Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 12. AGÊNCIAS QUE PUBLICAM MÉTODOS DE AMOSTRAGEM E ANÁLISE DE AR  National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH)  Occupational Safety and Health Administration (OSHA)  Environmental Protection Agency (EPA) # PASSO 4 # ESCOLHA DO MÉTODO Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 13. # PASSO 5 # ESCOLHA DOS EQUIPAMENTOS TUDO QUE VOCÊ NECESSITA PARA A MAIORIA DOS MÉTODOS DE AMOSTRAGEM DO AR  Bombas de amostragem  Calibradores (flowmeters) para as bombas  Meios de coleta (líquidos, filtros, adsorventes, sacos...)  Amostradores Passivos  Medidores de umidade e temperatura do ar Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 14. TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM  Amostragem Ativa Necessita de bombas de amostragem para aspirar ou empurrar o ar  Amostragem Passiva Não dependem do emprego de bombas de amostragem Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 15. AMOSTRAGEM ATIVA ...é o processo de coleta do contaminante de interesse em um sistema apropriado, através da movimentação de ar provocada por uma bomba de amostragem. A bomba é utilizada para coletar e/ou concentrar o agente químico sobre o meio de coleta. Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 16. ELEMENTOS DE UMA AMOSTRAGEM ATIVA  Bomba de Amostragem Para succionar ou empurrar o ar  Meio de Coleta Meio de retenção do contaminante (coleta ou concentração)  Calibrador Forma de garantir o conhecimento da quantidade de ar realmente aspirada ou empurrada (coletada) Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 17. CALIBRAÇÃO DAS BOMBAS Calibração quer dizer selecionar e checar a vazão das bombas. A calibração deve ser feita antes e após cada coleta. As vazões são medidas em ml/min or l/min. Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 19. UM IMPORTANTE PARÂMETRO DA AMOSTRAGEM É O VOLUME DE AR COLETADO É determinado multiplicando a vazão da bomba, em ml/min ou l/min, pelo tempo de amostragem, em minutos. Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 20. COLETA ATIVA DE GASES E VAPORES Muitos métodos de amostragem requerem o uso de tubos adsorventes para a amostragem de gases e vapores. Um tubo adsorvente é um pequeno tubo de vidro, normalmente preenchido com duas camadas de um material sólido adsorvente. Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 22. ADSORVENTES MAIS COMUNS  Carvão Ativado  Sílica Gel  Tenax  XAD-2  Chromosorbs O adsorvente a ser utilizado para o agente químico de interesse será especificado pelo método Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 23. COLETA DE AMOSTRAS COM TUBOS ADSORVENTES As extremidades do tubo são quebradas e um volume conhecido de ar é passado através do mesmo, usando uma bomba de amostragem de ar, calibrada previamente para a vazão especificada pelo método. Os agentes químicos são retidos na primeira camada de adsorvente. A segunda camada, também chamada de segunda seção ou seção back-up, serve para avaliar a ocorrência de breakthrough. Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 24. SISTEMA DE COLETA COM TUBO ADSORVENTE Fonte: SKC Inc
  • 25. APÓS A COLETA DA AMOSTRA O tubo é fechado com tampas apropriadas (teflon opcional) e enviado para o laboratório, para análise. Lá, o adsorvente é removido do tubo de vidro e os contaminantes são extraídos com um solvente (dessorção química) ou por aquecimento (dessorção térmica) e identificados e quantificados por cromatografia a gás ou outro método indicado. Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 26. COLETA ATIVA DE GASES E VAPORES EM SACOS Em alguns casos pode ser desejável coletar a amostra inteira de ar, sem a separação do contaminante. Nestes casos pode-se utilizar sacos especialmente fabricados para estas finalidades. São de materiais inertes como teflon, polietileno, etc. Geralmente, são amostras instantâneas ou de curta duração Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 27. COLETA DE AMOSTRA COM SACOS  Bombas dotadas com saídas de exaustão (descarga) podem ser utilizadas para empurrar o ar para dentro de sacos de amostragem, conectados por meio de tubos de teflon.  Os sacos contendo as amostras podem ser analisados em campo, por meio de instrumentos de leitura direta,  Ou serem levados para o laboratório, para posterior análise por cromatografia a gás ou outro método adequado. Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 28. COLETA COM SACO Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 29. COLETA DE GASES E VAPORES COM IMPINGERS MÉTODO DE ABSORÇÃO Alguns agentes químicos, tais como ácidos, ozônio, cloro e formaldeído podem ser coletados utilizando-se impingers. Os impingers são frascos de vidro, especialmente desenhados, dentro dos quais é colocado um líquido especificado no método analítico. O ar contaminado é passado através do líquido e o agente químico de interesse é retido por dissolução ou reação química. Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 30. IMPINGERS Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 31. PARA COLETAR AMOSTRAS COM IMPINGERS  Uma bomba de amostragem é usada para borbulhar o ar no líquido (especificado no método analítico) contido no impinger  O líquido dissolverá ou reagirá quimicamente com o agente químico de interesse. Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 32. SISTEMA DE COLETA COM IMPINGER Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 33. APÓS A COLETA  O líquido é removido do impinger, transferido para frascos apropriados e enviado para o laboratório, para análise. Se o laboratório for na própria empresa onde a amostra foi coletada, o líquido pode ser transportado no próprio impinger, devidamente fechado (com fita teflon).  O impinger pode ser lavado e reutilizado. Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 34. APÓS A COLETA DE AMOSTRAS COM FILTROS Os filtros podem ser analisados por uma variedade de métodos, dependendo do agente químico:  Gravimetria - Pesagem do filtro antes e após a coleta.  Absorção Atômica /ICP - Análise química para determinar compostos ou elementos químicos específicos.  Microscopia - Contagem de fibras individuais. Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 35. CICLONE PARA POEIRA RESPIRÁVEL Ciclone de Alumínio para Poeira Respirável da SKC Inc.
  • 36. AO COLETAR COM CICLONES As partículas menores serão coletadas sobre um filtro e encaminhadas para análise. As partículas maiores cairão na parte inferior do ciclone e serão descartadas. Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 37. NOTA SOBRE COLETA COM CICLONE  Certifique-se de calibrar a bomba na vazão especificada no método, para garantir que o ponto de corte de 50% seja obedecido.  O ponto de corte especifica o tamanho de partícula de poeira que o ciclone coletará com 50% de eficiência. Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 38. NOTA SOBRE COLETA COM CICLONE  A NIOSH e a ACGIH recomendam que o corte seja definido para partículas de 4 microns.  Para atingir 50%¨em 4 microns, o ciclone de alumínio da SKC deve operar à vazão de 2,5 l/min. O dispositivo especificado na NR-15 faz o corte de 50% em 3,5 microns. A vazão para o ciclone de nylon deve ser 1,7 l/min Fonte: SKC Inc Albertinho Barreto de Carvalho
  • 39. VAZÕES DE COLETA (MÉTODO ATIVO) Para muitas aplicações em Higiene Industrial: GASES E VAPORES são, geralmente, coletados com baixas vazões para assegurar uma alta eficiência de adsorção (tubos adsorventes) ou absorção (impingers). PARTICULADOS são, geralmente, coletados com altas vazões (>1 l/min) para que as partículas sejam retidas efetivamente sobre o filtro. Albertinho Barreto de Carvalho Fonte: SKC Inc
  • 41. BOMBA PARA BAIXA E ALTA VAZÃO Fonte: SKC Inc