SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
APRESENTAÇÃO

O GOVERNO DE COSTA E SILVA
O governo de Costa e Silva é repleto
de violência, repressão, manifestações
contra a política e arrependimentos, por
todo o apoio oferecido à ditadura.
Muitos estudantes lutaram contra a
política vigente, fazendo
manifestações, devido aos desmando
dos militares.
O governo de Costa e Silva abre
caminho para que os militares da
chamada “linha dura” guiassem a vida
política do país com o objetivo de
desarticular as oposições.
Font: google.imagem.com
Biografia
Presidente do Brasil - de 15/3/1967 a 31/8/1969
Arthur da Costa e Silva
 Nasceu no dia 3 de outubro de

1902 em Taquari, Rio Grande do
Sul
 Filho de portugueses, estudou
no colégio Militar de Porto
Alegre, na Escola Militar do
Realengo, no Rio de Janeiro, na
Escola de Aperfeiçoamento de
Oficiais da Armada e na Escola
de Estado-Maior do Exército.
 Fez parte do movimento
tenentista em 1922, quando foi
preso e anistiado, e dez anos
mais tarde, em 1932, participou
da Revolução Constitucionalista
que aconteceu em São Paulo.

http://educacao.uol.com.br/biografias/a
rthur-da-costa-e-silva.j
Biografia


Já envolvido na política, fez parte do grupo do
exército na embaixada do Brasil, na Argentina
(1950-1952).



Foi promovido a general de divisão em 1961 e
liderou o comando do 4º Exército, em Recife
(1961-1962).



Ao lado de Castello Branco, Costa e Silva foi um
dos principais articuladores do golpe de
1964, que depôs o presidente João Goulart, e
fez parte da junta batizada de Comando
Supremo da Revolução, formada pelo
brigadeiro Correia de Melo e do almirante
Augusto Rademaker.



Em agosto de 1969, Costa e Silva sofreu uma
trombose cerebral e foi afastado do
cargo, sendo substituído por uma junta militar.
Faleceu no Rio de Janeiro, em 17 de dezembro
Principais medidas do governo
Costa e Silva
motivos da criação do AI-5


Quando a ditadura militar foi
instaurada em 1964, a primeira
atitude do novo regime foi dizimar
os movimentos trabalhistas, as
ligas
camponesas,
a
intelectualidade de esquerda, os
militares
envolvidos
com
movimentos que feriam a
hierarquia e os movimentos
estudantis.
 Iniciou-se um processo de
cassações, expurgos e prisões.
 Em 1968 só o movimento
estudantil ainda afrontava a
ditadura militar


Com a morte do estudante que
comoveu o Brasil. Surgiram as
manifestações da classe, que
desejavam mais liberdade a
populaçao.



Em resposta a falta de liberdade
organizadas
inúmeras
passeatas,
sobre
tudo
por
estudantes, sindicalistas e políticos
de oposição.



No Rio de Janeiro, em 1968 mais de
100 mil pessoas saíram as ruas em
passeatas, protestando contra o
assassinato do estudante Edson
Luis, de 18 pela policia...
Ação da população


Aumentaram no país as manifestações
publicas contrarias a ditadura militar:
estudantes saíram as ruas em passeatas;
operários organizaram greves contra o
arrocho salarial ;políticos de oposição
fizeram pronunciamentos atacando a
violência da ditadura( alguns como Carlos
Lacerda, arrependendo por ter apoiado o
golpe de 64, procuraram organizar uma “
frente ampla” de oposição);padres
progressistas discursaram sobre a fome
do povo e a tortura praticada por órgãos
de segurança contra os adversários da
ditadura.
Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores
GeraldoVandre











Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer
Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão
Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer
Há soldados armados
Amados ou não
Quase todos perdidos

De armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam
Uma antiga lição:
De morrer pela pátria
E viver sem razão



Refrão



Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Somos todos soldados



Armados ou não
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não



Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Aprendendo e ensinando
Uma nova lição



Refrão


No congresso Nacional o deputado
Marcio Moreira Alves, do MDB, fez um
discurso
contra
os
militares
responsabilizando-os pela violência
praticada principalmente contra os
estudantes. Assim propões a população
o boicote a parada militar de 7 de
setembro.
Os
oficiais
militares
consideram o discurso ofensivo a honra
das forças armadas exigiam que o
deputado fosse processado mas a
Câmara Federal negou a autorização
para o processo preservando a
imunidade parlamentar do deputado

http://www.google.com.br/imagem
O que foi o AI-5


O AI-5 (Ato Institucional número
5) foi o quinto decreto emitido
pelo governo militar brasileiro
(1964-1985). É considerado o mais
duro golpe na democracia e deu
poderes quase absolutos ao
regime militar. Redigido pelo
ministro da Justiça Luís Antônio da
Gama e Silva, o AI-5 entrou em
vigor em 13 de dezembro de
1968, durante o governo do então
presidente Artur da Costa e Silva.
A reunião que radicalizou a ditadura
 “Meus senhores, eu convoquei o Conselho de

Segurança Nacional, que é o órgão consultivo
do governo, da Presidência da República, para
colocá-los, a todos os membros, em parte de
um problema que se apresenta com uma
gravidade muito grande e que deve ser
equacionado e resolvido dentro, com a maior
tranquilidade de espírito e a maior isenção de
ânimo. O presidente da República [tosse], que
se considera ainda um legítimo representante
da Revolução de 1964, 31 de março, vê-se em
um momento crítico, em que ele tem que tomar
uma decisão optativa: ou a Revolução continua
ou a Revolução se desagrega.”
(Discurso de Costa e Silva)
A reunião
A FRASE HISTORICA DE JARBAS
PASSARINHO
‘AS FAVAS SENHOR PRESIDENTE,
NESTE MOMENTO, TODOS OS ESCRUPULOS DE CONSCIÊNCIA”
QUEM APROVOU O ATO

Arthur da Costa e
Silva(Presidente da
Republica)

Gama e Silva
(Ministro da Justiça)

Augusto Rademarker
(Ministro da Marinha)

Rondon Pacheco
(Chefe do Gabinete

Emilio Garrastazu Médici
(Chefe do SNI)

Marcio de Souza e Mello
(Ministro da Aeronáutica)
O ÚNICO A NÃO APROVAR

Vice Presidente Pedro Aleixo
Sugeria o Estado de Sitio como alternativa. Justificou que por aquele caminho,
estariam instituindo um processo equivalente a uma ditadura.
ATO INSTITUCIONAL
ALGUMAS DAS PRINCIPAIS MEDIDAS
 O AI-5 suspendia as garantias
individuais ao permitir que o habeas
corpus perdesse a sua aplicação
legal.
 decreto

permitia ao
estabelecer
o
indeterminado
do
Nacional e de qualquer
legislativo em esfera
municipal.

presidente
recesso
Congresso
outro órgão
estadual e

 cassar mandatos e suspender os

direitos políticos de
cidadão por dez anos.

qualquer

www.brasilescola.com/historiab/ai5.htm
OS PRIMEIROS
EFEITOS DO AI-5
 O FECHAMENTO DO CONGRESSO POR QUASE UM






ANO;
A PRISAO DE CARLOS LACERDA E JUSCELINO
KUBITCHECK;
CASSAÇÃO DE DEPUTADOS E SENADORES;
PROFESSORES SÃO EXPULSOS DAS
UNIVERSIDADES, DENTRE ELES FERNANDO
HENRIQUE CARDOSO, FLORESTAN FERNADES E
CAIO PRADO JUNIOR;
PRISOES DE ARTISTAS DE TELEVISÃO, COMO
MARILIA PÊRA, CAETANO VELOSO E GILBERTO
GIL;
O AUMENTO DA CENSURA

http://www.google.com.br/imgres
http://www.google.com.br/imgres
O Estadão ficou sob censura previa de 1972 a 1975. Publica trechos
do poema épico Os Lusíadas, de Camões, nos espaços das matérias
censuradas.
A REPRESSÃO AUMENTA

Três meses desde a edição do AI5, encarregados dos inquéritos políticos
passaram a poder prender quaisquer cidadãos
por 60 dias, dez dos quais deveriam
permanecer incomunicáveis.
 O AI-5 –que foi seguido por mais 12 atos

institucionais, 59 atos complementares e oito
emendas constitucionais– duraria até 17 de
outubro de 1978. Sobre ele disse Costa e
Silva, em discurso transmitido por rádio e
TV, no último dia de 1968: "Salvamos o nosso
programa de governo e salvamos a
democracia, voltando às origens do poder
revolucionário".
O ULTIMO ATO

A JUNTA MILITAR
MOTIVOS QUE LEVARAM A CRIAÇÃO DA JUNTA
MILITAR

Em 29 de agosto de 1969, a meio caminho de
seu periodo de governo, Costa e Silva sofre
uma trombose cerebral. A 29 sobrevem-lhe a
trombose e, a 31, seu lado direito fica
paralisado.
No Rio, onde Costa e Silva se encontra em
cadeira de rodas, o ministros militares se
unem numa Junta Militar.
OS TRÊS PATETAS

Augusto Rademarker
(Ministro da Marinha)

Marcio de Souza e Mello
(Ministro da Aeronáutica)

Aurélio de Lyra Tavares
(Ministro do Exercito)
 A Junta não aceita Pedro Aleixo para assumir

o cargo de Presidente;
 A Junta Miltar da um golpe e assume o poder
em 14 de Outubro de 1969;
 Declara vagos os cargos de Presidente e Vice;
 Marca para 25 de Outubro a “eleição” do novo
Presidente, pelo Congresso, e a posse para o
dia 30, com mandato até 15 de Março de 1974.
COMO SE FAZ UM NOVO PRESIDENTE
 Dizia o texto que os partidos inscreveriam

seus candidatos na Mesa do Senado. Mas o
escolhido da Junta, é claro, será o eleito:

Emilio Garrastazu Médici
A MORTE DE COSTA E SILVA
 Como epilogo para seu governo, Costa e Silva

morre sem fala e paralisado, um mês e meio
depois que Médici senta na cadeira
presidencial. Não verá o período mais
sangrento da ditadura que ajudou a implantar.
“A economiA vAi bem, só o povo é que vAi
mAl”
(Discurso de Médici)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Regime Militar Brasileiro - 1964
Regime Militar Brasileiro - 1964Regime Militar Brasileiro - 1964
Regime Militar Brasileiro - 1964Aline Oliveira
 
Governos populistas(1945-1964) resumo
Governos populistas(1945-1964)   resumoGovernos populistas(1945-1964)   resumo
Governos populistas(1945-1964) resumoPrivada
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasilDaniel Alves Bronstrup
 
Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilEmanuel Leite
 
Governos Geisel e Figueiredo
Governos Geisel e FigueiredoGovernos Geisel e Figueiredo
Governos Geisel e FigueiredoEdenilson Morais
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilFatima Freitas
 
Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)Edenilson Morais
 
Ditadura militar brasileira 1964 1985
Ditadura militar brasileira 1964   1985Ditadura militar brasileira 1964   1985
Ditadura militar brasileira 1964 1985Ócio do Ofício
 
Regime militar no brasil novo
Regime militar no brasil novoRegime militar no brasil novo
Regime militar no brasil novodavincipatos
 
Movimento Tenentista.
Movimento Tenentista.Movimento Tenentista.
Movimento Tenentista.BiaHonorato
 
A Era Vargas (1930-1945). Prof. Medeiros
A Era Vargas (1930-1945). Prof. MedeirosA Era Vargas (1930-1945). Prof. Medeiros
A Era Vargas (1930-1945). Prof. MedeirosJoão Medeiros
 
PLANO DE AULA – A REVOLUÇÃO DE 1930 E O GOVERNO PROVISÓRIO.
PLANO DE AULA – A REVOLUÇÃO DE 1930 E O GOVERNO PROVISÓRIO.PLANO DE AULA – A REVOLUÇÃO DE 1930 E O GOVERNO PROVISÓRIO.
PLANO DE AULA – A REVOLUÇÃO DE 1930 E O GOVERNO PROVISÓRIO.Tissiane Gomes
 

Mais procurados (20)

Governo Sarney
Governo SarneyGoverno Sarney
Governo Sarney
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Governo de geisel
Governo de geiselGoverno de geisel
Governo de geisel
 
Regime Militar Brasileiro - 1964
Regime Militar Brasileiro - 1964Regime Militar Brasileiro - 1964
Regime Militar Brasileiro - 1964
 
Ditadura Argentina
Ditadura ArgentinaDitadura Argentina
Ditadura Argentina
 
Governos populistas(1945-1964) resumo
Governos populistas(1945-1964)   resumoGovernos populistas(1945-1964)   resumo
Governos populistas(1945-1964) resumo
 
Diretas já
Diretas jáDiretas já
Diretas já
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
 
Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no Brasil
 
Governo jk - Disma
Governo jk - DismaGoverno jk - Disma
Governo jk - Disma
 
Governos Geisel e Figueiredo
Governos Geisel e FigueiredoGovernos Geisel e Figueiredo
Governos Geisel e Figueiredo
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
 
Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)
 
O golpe de 1964
O golpe de 1964O golpe de 1964
O golpe de 1964
 
Ditadura militar brasileira 1964 1985
Ditadura militar brasileira 1964   1985Ditadura militar brasileira 1964   1985
Ditadura militar brasileira 1964 1985
 
Regime militar no brasil novo
Regime militar no brasil novoRegime militar no brasil novo
Regime militar no brasil novo
 
Movimento Tenentista.
Movimento Tenentista.Movimento Tenentista.
Movimento Tenentista.
 
A Era Vargas (1930-1945). Prof. Medeiros
A Era Vargas (1930-1945). Prof. MedeirosA Era Vargas (1930-1945). Prof. Medeiros
A Era Vargas (1930-1945). Prof. Medeiros
 
PLANO DE AULA – A REVOLUÇÃO DE 1930 E O GOVERNO PROVISÓRIO.
PLANO DE AULA – A REVOLUÇÃO DE 1930 E O GOVERNO PROVISÓRIO.PLANO DE AULA – A REVOLUÇÃO DE 1930 E O GOVERNO PROVISÓRIO.
PLANO DE AULA – A REVOLUÇÃO DE 1930 E O GOVERNO PROVISÓRIO.
 
Governo de geisel
Governo de geiselGoverno de geisel
Governo de geisel
 

Semelhante a Governo de Costa e Silva e criação do AI-5

Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarRegime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.João Medeiros
 
Ditadura Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Ditadura Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarDitadura Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Ditadura Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Arthur da Costa e Silva - Prof. Altair Aguilar
Arthur da Costa e Silva - Prof. Altair AguilarArthur da Costa e Silva - Prof. Altair Aguilar
Arthur da Costa e Silva - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR
ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITARANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR
ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITARRaimund M Souza
 
ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR
ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR
ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR Raimund M Souza
 
ditadura militar Brasil.pptx
ditadura militar Brasil.pptxditadura militar Brasil.pptx
ditadura militar Brasil.pptxRomulo Moura
 
DITADURA MILITAR NO BRASIL.pptx
DITADURA MILITAR NO BRASIL.pptxDITADURA MILITAR NO BRASIL.pptx
DITADURA MILITAR NO BRASIL.pptxMariaLuizza3
 
Escravidao republica estado novo_ditadura
Escravidao republica estado novo_ditaduraEscravidao republica estado novo_ditadura
Escravidao republica estado novo_ditaduraKatia Silva
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militarmigueldrj
 
Ditadura civil-Militar.pptx
Ditadura civil-Militar.pptxDitadura civil-Militar.pptx
Ditadura civil-Militar.pptxWirlanPaje2
 
Trabalho de recuperação de historia
Trabalho de recuperação de historiaTrabalho de recuperação de historia
Trabalho de recuperação de historiaMateus Cabral
 

Semelhante a Governo de Costa e Silva e criação do AI-5 (20)

Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarRegime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.
 
Ditadura militar no Brasil
Ditadura militar no BrasilDitadura militar no Brasil
Ditadura militar no Brasil
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985   pdfBrasil ditadura militar 1964 a 1985   pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
 
Ditadura Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Ditadura Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarDitadura Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Ditadura Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Arthur da Costa e Silva - Prof. Altair Aguilar
Arthur da Costa e Silva - Prof. Altair AguilarArthur da Costa e Silva - Prof. Altair Aguilar
Arthur da Costa e Silva - Prof. Altair Aguilar
 
ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR
ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITARANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR
ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR
 
ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR
ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR
ANOS DE CHUMBO DITADURA MILITAR
 
ditadura militar Brasil.pptx
ditadura militar Brasil.pptxditadura militar Brasil.pptx
ditadura militar Brasil.pptx
 
DITADURA MILITAR NO BRASIL.pptx
DITADURA MILITAR NO BRASIL.pptxDITADURA MILITAR NO BRASIL.pptx
DITADURA MILITAR NO BRASIL.pptx
 
A ditadura militar e a educacao no brasil revisado
A ditadura militar e a educacao no brasil revisadoA ditadura militar e a educacao no brasil revisado
A ditadura militar e a educacao no brasil revisado
 
Escravidao republica estado novo_ditadura
Escravidao republica estado novo_ditaduraEscravidao republica estado novo_ditadura
Escravidao republica estado novo_ditadura
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
21 Regime Militar
21  Regime  Militar21  Regime  Militar
21 Regime Militar
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Ditadura civil-Militar.pptx
Ditadura civil-Militar.pptxDitadura civil-Militar.pptx
Ditadura civil-Militar.pptx
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Trabalho de recuperação de historia
Trabalho de recuperação de historiaTrabalho de recuperação de historia
Trabalho de recuperação de historia
 

Governo de Costa e Silva e criação do AI-5

  • 1. APRESENTAÇÃO O GOVERNO DE COSTA E SILVA O governo de Costa e Silva é repleto de violência, repressão, manifestações contra a política e arrependimentos, por todo o apoio oferecido à ditadura. Muitos estudantes lutaram contra a política vigente, fazendo manifestações, devido aos desmando dos militares. O governo de Costa e Silva abre caminho para que os militares da chamada “linha dura” guiassem a vida política do país com o objetivo de desarticular as oposições. Font: google.imagem.com
  • 2. Biografia Presidente do Brasil - de 15/3/1967 a 31/8/1969 Arthur da Costa e Silva  Nasceu no dia 3 de outubro de 1902 em Taquari, Rio Grande do Sul  Filho de portugueses, estudou no colégio Militar de Porto Alegre, na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais da Armada e na Escola de Estado-Maior do Exército.  Fez parte do movimento tenentista em 1922, quando foi preso e anistiado, e dez anos mais tarde, em 1932, participou da Revolução Constitucionalista que aconteceu em São Paulo. http://educacao.uol.com.br/biografias/a rthur-da-costa-e-silva.j
  • 3. Biografia  Já envolvido na política, fez parte do grupo do exército na embaixada do Brasil, na Argentina (1950-1952).  Foi promovido a general de divisão em 1961 e liderou o comando do 4º Exército, em Recife (1961-1962).  Ao lado de Castello Branco, Costa e Silva foi um dos principais articuladores do golpe de 1964, que depôs o presidente João Goulart, e fez parte da junta batizada de Comando Supremo da Revolução, formada pelo brigadeiro Correia de Melo e do almirante Augusto Rademaker.  Em agosto de 1969, Costa e Silva sofreu uma trombose cerebral e foi afastado do cargo, sendo substituído por uma junta militar. Faleceu no Rio de Janeiro, em 17 de dezembro
  • 4. Principais medidas do governo Costa e Silva motivos da criação do AI-5  Quando a ditadura militar foi instaurada em 1964, a primeira atitude do novo regime foi dizimar os movimentos trabalhistas, as ligas camponesas, a intelectualidade de esquerda, os militares envolvidos com movimentos que feriam a hierarquia e os movimentos estudantis.  Iniciou-se um processo de cassações, expurgos e prisões.  Em 1968 só o movimento estudantil ainda afrontava a ditadura militar
  • 5.  Com a morte do estudante que comoveu o Brasil. Surgiram as manifestações da classe, que desejavam mais liberdade a populaçao.  Em resposta a falta de liberdade organizadas inúmeras passeatas, sobre tudo por estudantes, sindicalistas e políticos de oposição.  No Rio de Janeiro, em 1968 mais de 100 mil pessoas saíram as ruas em passeatas, protestando contra o assassinato do estudante Edson Luis, de 18 pela policia...
  • 6. Ação da população  Aumentaram no país as manifestações publicas contrarias a ditadura militar: estudantes saíram as ruas em passeatas; operários organizaram greves contra o arrocho salarial ;políticos de oposição fizeram pronunciamentos atacando a violência da ditadura( alguns como Carlos Lacerda, arrependendo por ter apoiado o golpe de 64, procuraram organizar uma “ frente ampla” de oposição);padres progressistas discursaram sobre a fome do povo e a tortura praticada por órgãos de segurança contra os adversários da ditadura.
  • 7. Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores GeraldoVandre       Caminhando e cantando E seguindo a canção Somos todos iguais Braços dados ou não Nas escolas, nas ruas Campos, construções Caminhando e cantando E seguindo a canção Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer Pelos campos há fome Em grandes plantações Pelas ruas marchando Indecisos cordões Ainda fazem da flor Seu mais forte refrão E acreditam nas flores Vencendo o canhão Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer Há soldados armados Amados ou não Quase todos perdidos De armas na mão Nos quartéis lhes ensinam Uma antiga lição: De morrer pela pátria E viver sem razão  Refrão  Nas escolas, nas ruas Campos, construções Somos todos soldados  Armados ou não Caminhando e cantando E seguindo a canção Somos todos iguais Braços dados ou não  Os amores na mente As flores no chão A certeza na frente A história na mão Caminhando e cantando E seguindo a canção Aprendendo e ensinando Uma nova lição  Refrão
  • 8.  No congresso Nacional o deputado Marcio Moreira Alves, do MDB, fez um discurso contra os militares responsabilizando-os pela violência praticada principalmente contra os estudantes. Assim propões a população o boicote a parada militar de 7 de setembro. Os oficiais militares consideram o discurso ofensivo a honra das forças armadas exigiam que o deputado fosse processado mas a Câmara Federal negou a autorização para o processo preservando a imunidade parlamentar do deputado http://www.google.com.br/imagem
  • 9. O que foi o AI-5  O AI-5 (Ato Institucional número 5) foi o quinto decreto emitido pelo governo militar brasileiro (1964-1985). É considerado o mais duro golpe na democracia e deu poderes quase absolutos ao regime militar. Redigido pelo ministro da Justiça Luís Antônio da Gama e Silva, o AI-5 entrou em vigor em 13 de dezembro de 1968, durante o governo do então presidente Artur da Costa e Silva.
  • 10. A reunião que radicalizou a ditadura  “Meus senhores, eu convoquei o Conselho de Segurança Nacional, que é o órgão consultivo do governo, da Presidência da República, para colocá-los, a todos os membros, em parte de um problema que se apresenta com uma gravidade muito grande e que deve ser equacionado e resolvido dentro, com a maior tranquilidade de espírito e a maior isenção de ânimo. O presidente da República [tosse], que se considera ainda um legítimo representante da Revolução de 1964, 31 de março, vê-se em um momento crítico, em que ele tem que tomar uma decisão optativa: ou a Revolução continua ou a Revolução se desagrega.” (Discurso de Costa e Silva) A reunião
  • 11. A FRASE HISTORICA DE JARBAS PASSARINHO ‘AS FAVAS SENHOR PRESIDENTE, NESTE MOMENTO, TODOS OS ESCRUPULOS DE CONSCIÊNCIA”
  • 12. QUEM APROVOU O ATO Arthur da Costa e Silva(Presidente da Republica) Gama e Silva (Ministro da Justiça) Augusto Rademarker (Ministro da Marinha) Rondon Pacheco (Chefe do Gabinete Emilio Garrastazu Médici (Chefe do SNI) Marcio de Souza e Mello (Ministro da Aeronáutica)
  • 13. O ÚNICO A NÃO APROVAR Vice Presidente Pedro Aleixo Sugeria o Estado de Sitio como alternativa. Justificou que por aquele caminho, estariam instituindo um processo equivalente a uma ditadura.
  • 14. ATO INSTITUCIONAL ALGUMAS DAS PRINCIPAIS MEDIDAS  O AI-5 suspendia as garantias individuais ao permitir que o habeas corpus perdesse a sua aplicação legal.  decreto permitia ao estabelecer o indeterminado do Nacional e de qualquer legislativo em esfera municipal. presidente recesso Congresso outro órgão estadual e  cassar mandatos e suspender os direitos políticos de cidadão por dez anos. qualquer www.brasilescola.com/historiab/ai5.htm
  • 16.  O FECHAMENTO DO CONGRESSO POR QUASE UM     ANO; A PRISAO DE CARLOS LACERDA E JUSCELINO KUBITCHECK; CASSAÇÃO DE DEPUTADOS E SENADORES; PROFESSORES SÃO EXPULSOS DAS UNIVERSIDADES, DENTRE ELES FERNANDO HENRIQUE CARDOSO, FLORESTAN FERNADES E CAIO PRADO JUNIOR; PRISOES DE ARTISTAS DE TELEVISÃO, COMO MARILIA PÊRA, CAETANO VELOSO E GILBERTO GIL;
  • 17. O AUMENTO DA CENSURA http://www.google.com.br/imgres http://www.google.com.br/imgres
  • 18. O Estadão ficou sob censura previa de 1972 a 1975. Publica trechos do poema épico Os Lusíadas, de Camões, nos espaços das matérias censuradas.
  • 19. A REPRESSÃO AUMENTA Três meses desde a edição do AI5, encarregados dos inquéritos políticos passaram a poder prender quaisquer cidadãos por 60 dias, dez dos quais deveriam permanecer incomunicáveis.
  • 20.  O AI-5 –que foi seguido por mais 12 atos institucionais, 59 atos complementares e oito emendas constitucionais– duraria até 17 de outubro de 1978. Sobre ele disse Costa e Silva, em discurso transmitido por rádio e TV, no último dia de 1968: "Salvamos o nosso programa de governo e salvamos a democracia, voltando às origens do poder revolucionário".
  • 21. O ULTIMO ATO A JUNTA MILITAR
  • 22. MOTIVOS QUE LEVARAM A CRIAÇÃO DA JUNTA MILITAR Em 29 de agosto de 1969, a meio caminho de seu periodo de governo, Costa e Silva sofre uma trombose cerebral. A 29 sobrevem-lhe a trombose e, a 31, seu lado direito fica paralisado. No Rio, onde Costa e Silva se encontra em cadeira de rodas, o ministros militares se unem numa Junta Militar.
  • 23. OS TRÊS PATETAS Augusto Rademarker (Ministro da Marinha) Marcio de Souza e Mello (Ministro da Aeronáutica) Aurélio de Lyra Tavares (Ministro do Exercito)
  • 24.  A Junta não aceita Pedro Aleixo para assumir o cargo de Presidente;  A Junta Miltar da um golpe e assume o poder em 14 de Outubro de 1969;  Declara vagos os cargos de Presidente e Vice;  Marca para 25 de Outubro a “eleição” do novo Presidente, pelo Congresso, e a posse para o dia 30, com mandato até 15 de Março de 1974.
  • 25. COMO SE FAZ UM NOVO PRESIDENTE  Dizia o texto que os partidos inscreveriam seus candidatos na Mesa do Senado. Mas o escolhido da Junta, é claro, será o eleito: Emilio Garrastazu Médici
  • 26. A MORTE DE COSTA E SILVA  Como epilogo para seu governo, Costa e Silva morre sem fala e paralisado, um mês e meio depois que Médici senta na cadeira presidencial. Não verá o período mais sangrento da ditadura que ajudou a implantar.
  • 27. “A economiA vAi bem, só o povo é que vAi mAl” (Discurso de Médici)