SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
PRINCE2 Risco
A maioria dos gerentes de projeto realmente não têm muita chance praticar
Gerenciamento de Risco. O tema é coberto muito bem em todos os métodos de
Gerenciamento de Projetos, mas parece ser esquecido tão logo o projeto é iniciado.
Mesmo quando os Gerentes de Projeto investem uma quantidade de tempo adequada no
Gerenciamento de Risco, começam a “desanimar” uma vez que eles percebem que ninguém
está interessado em obter as informações sobre risco (pode haver pouca consciência de
Gestão de Riscos da organização, podem imaginar que Risco está relacionado à má gestão
ou simplesmente podem achar chato).
Gerentes de Projeto não são os culpados. Primeiro eles precisam de uma abordagem de
Gerenciamento de Risco a seguir, e o resto da organização também tem que estar ciente da
importância do Gerenciamento de Risco. Se você estiver trabalhando em um ambiente de
programa, provavelmente haverá uma abordagem padrão para Gerenciamento de Risco e
esperamos que você terá recebido treinamento. Se você não estiver trabalhando em um
ambiente de Programa, então você deve verificar se existem procedimentos padrão
disponíveis para o Gerenciamento de Risco na arquitetura do Programa ou em uso por
outros Gerentes de Projeto.
O conhecimento fornecido neste Tema de Riscos fornece uma excelente abordagem para
Gerenciamento de Risco que você será capaz de entender e usar. Acreditamos que a coisa
mais importante a entender neste Tema é a estrutura do risco, como usá-la para trabalhar
as informações de risco e como controlar/acompanhar os riscos durante o projeto.
Uma boa dica para lembrar é pedir seu executivo "como os riscos devem ser avaliados,
controlados e comunicados durante o projeto? Isto lhe dará uma boa idéia sobre a
conscientização sobre os riscos do projeto que o executivo tem e, talvez, que a organização
tem.
Finalidade
O Tema de Risco destina-se fornecer uma abordagem para "identificar, avaliar e controlar
as incertezas durante um projeto e, como resultado, melhorar a possibilidade do projeto ter
sucesso"
Você também poderia dizer que a finalidade do tema risco é "identificando, avaliando e
controlando incertezas para melhorar a capacidade de sucesso".
Por que há risco em um projeto?
Fazer Projetos é fazer algo novo! Toda mudança introduz incerteza! E toda incerteza é um
risco; Assim, risco é inerente a projeto. Você precisa saber como identificar o risco, como
avaliar esse risco, como controlar este risco, e como risco pode afetar os objetivos do
projeto.
Quando o gerenciamento de riscos é feito no projeto?
Gerenciamento de risco não é feito apenas no início do projeto, mas deve ser uma atividade
contínua durante toda a vida do projeto; é, portanto, uma das principais tarefas para o
Gerente de Projeto. É o executivo que é responsável pelo risco em um projeto, e eles
contam com o Gerente de Projeto para continuamente identificar, avaliar e controlar os
riscos ao longo do projeto.
O que é Risco?
PRINCE2 tem uma definição específica para o risco, que surge a partir do método de
M_o_R®.
Risco é um conjunto de eventos que, caso eles ocorram, terá um efeito sobre os objetivos do
projeto.
Outra definição para riscos é:
Risco é um evento incerto que, se ocorrer, terá um efeito positivo ou negativo sobre um
objetivo de projeto.
Já que o Risco é incerto, ele pode trazer um efeito positivo ou negativo, ou seja, pode ser
visto como uma ameaça ou oportunidade. Descrever risco como positivo – ou diriamos uma
oportunidade – pode ser novo para você, então aqui está um exemplo. Em um projeto para
desenvolver um novo sistema CRM (Gestão de Relacionamento com Cliente) e foi
identificado um possibilidade de obter uma redução de 50% sobre o módulo de integração
do armazém, porém a um custo de R$15.000. Trata-se de uma oportunidade, já que terá
impacto positivo.
O que está em Risco no Projeto?
Se eu fosse fazer a pergunta, "O que está em risco no projeto?" você poderia responder
que o projeto estava sob risco, ou talvez, que a satisfação do usuário com o uso do produto
estava sob risco. PRINCE2 considera outro ponto de vista. Ele busca identificar quais
objetivos do projeto estão em risco, e estes incluem as seis metas de desempenho, de tempo,
custo, qualidade, escopo, benefícios e o próprio desempenho de riscos.
O que é Gestão de Risco?
Gerenciamento de riscos está relacionado às etapas que são necessárias de forma
sistemática, e que permitirá que você para identificar, avaliar e controlar (planejar,
implementar e comunicar) os riscos. Este tema de riscos fornece uma abordagem para
gerenciar o risco em um projeto. Há três etapas principais para gerenciamento de risco,
que são a identificação, avaliação e controle:
 Identificação Como identificar e descrever o risco.
 Avaliar Propabilidade, proximidade e impacto nos objetivos
 Controlar Como responder da melhor maneira possível
Um novo risco pode surgir a qualquer momento no projeto. O gerente de projeto deve
fazer perguntas, como:
 "Esse risco afetará o Business Case?"
 "Como o risco afeta quaisquer dos riscos atuais já registrados?"
O Método de Gestão de Risco e o contexto do Risco
O PRINCE2 utiliza outro Método da OGC, que é o Gerenciamento de Risco (M_o_R®).
Como resultado, o PRINCE2 aproveita todos estes procedimentos e princípios que já foram
definidos em vez de tentar reinventar a roda. O método M_o_R é uma abordagem genérica
para Riscos e tem a seguintes etapas:
 Em primeiro lugar, entender o contexto do projeto, o que significa compreender o ambiente
de projeto;
 Envolver as partes interessadas (usuários, fornecedores, equipes, etc) para ajudar a identificar
os riscos;
 Estabelecer uma abordagem para o projeto e documentar essa abordagem;
 Apresentar relatórios periódicos sobre o risco;
 Definir Papéis e Responsabilidades para os Riscos.
Contexto de Risco
Se alguém lhe perguntar o que significa uma determinada palavra, você pode perguntar
"em que contexto?". É a mesma coisa, porém no ponto de vista dos Riscos.
Exemplo 1: Se temos um projeto de espacial da NASA e um dispositivo tem de funcionar
por 10 anos em órbita (contexto); temos é um bom exemplo de um projeto de baixíssima
tolerância a risco.
Exemplo 2: Estamos desenvolvendo um protótipo simples para uso interno apenas e este
produto terá uma vida de até 4 meses; e, como há contornos possíveis, nem tudo tem que
funcionar 100% neste produto (contexto). Este é um exemplo de um projeto de alta
tolerância a risco de.
Nota: Um projeto que tem alta tolerância de risco tem um grande apetite a risco, pois pode
absorver muitos riscos.
Ao efetuar as primeiras considerações sobre risco, a primeira pergunta deveria ser: “Que
políticas de risco já existem na empresa, ou no ambiente programa, e que podem ser
usadas?” e “Então não há nenhuma necessidade de re-inventá-las?". Se houver alguma
diretiva, então ela fornecerá as seguintes informações:
 A atitude da organização em relação a riscos (também chamado apetite de risco);
 Tolerâncias de risco
 Procedimentos de escalonamento;
 Papéis & responsabilidades típicos;
 Exemplo de um documento de estratégia de gerenciamento de risco.
Referência
 prince2.wiki/PRINCE2
 pt.prince2.wiki/PRINCE2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gerenciamento de Riscos e Projetos - Boas Práticas e Desafios da Aplicação
Gerenciamento de Riscos e Projetos - Boas Práticas e Desafios da AplicaçãoGerenciamento de Riscos e Projetos - Boas Práticas e Desafios da Aplicação
Gerenciamento de Riscos e Projetos - Boas Práticas e Desafios da AplicaçãoGUGP SUCESU-RS
 
Gerenciamento de riscos abordando os assuntos tratados no PMBOK®, ISO 31000 e...
Gerenciamento de riscos abordando os assuntos tratados no PMBOK®, ISO 31000 e...Gerenciamento de riscos abordando os assuntos tratados no PMBOK®, ISO 31000 e...
Gerenciamento de riscos abordando os assuntos tratados no PMBOK®, ISO 31000 e...Jefferson Oliveira
 
Gerenciamento de Projetos PMBOK cap11 risco
Gerenciamento de Projetos PMBOK  cap11 riscoGerenciamento de Projetos PMBOK  cap11 risco
Gerenciamento de Projetos PMBOK cap11 riscoFernando Palma
 
Gerenciamento de riscos em projetos de TI
Gerenciamento de riscos em projetos de TIGerenciamento de riscos em projetos de TI
Gerenciamento de riscos em projetos de TIOsvaldo Pedra
 
Seminario Riscos 2006 - Vladimir
Seminario Riscos 2006 - VladimirSeminario Riscos 2006 - Vladimir
Seminario Riscos 2006 - VladimirPeter Mello
 
Análise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa
Análise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou QuantitativaAnálise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa
Análise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativaelliando dias
 
Sistema de Gestão de Risco - Implantação
Sistema de Gestão de Risco - ImplantaçãoSistema de Gestão de Risco - Implantação
Sistema de Gestão de Risco - ImplantaçãoAndré Santos
 
09 risco pitagoras
09 risco    pitagoras09 risco    pitagoras
09 risco pitagorasfernandao777
 
Manual de Gestão de Riscos
Manual de Gestão de RiscosManual de Gestão de Riscos
Manual de Gestão de Riscosfabiocdaraujo
 
Gerenciamento de Riscos: Uma Abordagem na Metodologia FEL
Gerenciamento de Riscos: Uma Abordagem na Metodologia FEL Gerenciamento de Riscos: Uma Abordagem na Metodologia FEL
Gerenciamento de Riscos: Uma Abordagem na Metodologia FEL Leonardo Dias Nascimento
 
Tirando os Riscos do Papel
Tirando os Riscos do PapelTirando os Riscos do Papel
Tirando os Riscos do PapelPeter Mello
 
Gerência de Riscos Para certificação MPS-BR
Gerência de Riscos Para certificação MPS-BRGerência de Riscos Para certificação MPS-BR
Gerência de Riscos Para certificação MPS-BRelliando dias
 
Gerenciamento de projetos aula 13 (riscos)
Gerenciamento de projetos   aula 13 (riscos)Gerenciamento de projetos   aula 13 (riscos)
Gerenciamento de projetos aula 13 (riscos)Paulo Junior
 
Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Gerenciamento de Ri...
Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Gerenciamento de Ri...Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Gerenciamento de Ri...
Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Gerenciamento de Ri...Macrosolutions SA
 

Mais procurados (20)

Gerenciamento de Riscos e Projetos - Boas Práticas e Desafios da Aplicação
Gerenciamento de Riscos e Projetos - Boas Práticas e Desafios da AplicaçãoGerenciamento de Riscos e Projetos - Boas Práticas e Desafios da Aplicação
Gerenciamento de Riscos e Projetos - Boas Práticas e Desafios da Aplicação
 
Gerenciamento dos Riscos em Projetos
Gerenciamento dos Riscos em ProjetosGerenciamento dos Riscos em Projetos
Gerenciamento dos Riscos em Projetos
 
Metodologias Avançadas em Gestão de Riscos
Metodologias Avançadas em Gestão de RiscosMetodologias Avançadas em Gestão de Riscos
Metodologias Avançadas em Gestão de Riscos
 
Gerenciamento de riscos abordando os assuntos tratados no PMBOK®, ISO 31000 e...
Gerenciamento de riscos abordando os assuntos tratados no PMBOK®, ISO 31000 e...Gerenciamento de riscos abordando os assuntos tratados no PMBOK®, ISO 31000 e...
Gerenciamento de riscos abordando os assuntos tratados no PMBOK®, ISO 31000 e...
 
Gerenciamento de Projetos PMBOK cap11 risco
Gerenciamento de Projetos PMBOK  cap11 riscoGerenciamento de Projetos PMBOK  cap11 risco
Gerenciamento de Projetos PMBOK cap11 risco
 
Gerenciamento de riscos em projetos de TI
Gerenciamento de riscos em projetos de TIGerenciamento de riscos em projetos de TI
Gerenciamento de riscos em projetos de TI
 
Seminario Riscos 2006 - Vladimir
Seminario Riscos 2006 - VladimirSeminario Riscos 2006 - Vladimir
Seminario Riscos 2006 - Vladimir
 
Estimativa de Teste sem medo - parte 2
Estimativa de Teste sem medo - parte 2Estimativa de Teste sem medo - parte 2
Estimativa de Teste sem medo - parte 2
 
Análise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa
Análise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou QuantitativaAnálise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa
Análise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa
 
Sistema de Gestão de Risco - Implantação
Sistema de Gestão de Risco - ImplantaçãoSistema de Gestão de Risco - Implantação
Sistema de Gestão de Risco - Implantação
 
09 risco pitagoras
09 risco    pitagoras09 risco    pitagoras
09 risco pitagoras
 
Manual de Gestão de Riscos
Manual de Gestão de RiscosManual de Gestão de Riscos
Manual de Gestão de Riscos
 
Gerenciamento de Riscos: Uma Abordagem na Metodologia FEL
Gerenciamento de Riscos: Uma Abordagem na Metodologia FEL Gerenciamento de Riscos: Uma Abordagem na Metodologia FEL
Gerenciamento de Riscos: Uma Abordagem na Metodologia FEL
 
Tirando os Riscos do Papel
Tirando os Riscos do PapelTirando os Riscos do Papel
Tirando os Riscos do Papel
 
Estimativa de Teste sem medo - Introdução 2015
Estimativa de Teste sem medo - Introdução 2015Estimativa de Teste sem medo - Introdução 2015
Estimativa de Teste sem medo - Introdução 2015
 
Gestão de riscos
Gestão de riscosGestão de riscos
Gestão de riscos
 
Gerência de Riscos Para certificação MPS-BR
Gerência de Riscos Para certificação MPS-BRGerência de Riscos Para certificação MPS-BR
Gerência de Riscos Para certificação MPS-BR
 
A função e a origem do gerenciamento de riscos
A função e a origem do gerenciamento de riscosA função e a origem do gerenciamento de riscos
A função e a origem do gerenciamento de riscos
 
Gerenciamento de projetos aula 13 (riscos)
Gerenciamento de projetos   aula 13 (riscos)Gerenciamento de projetos   aula 13 (riscos)
Gerenciamento de projetos aula 13 (riscos)
 
Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Gerenciamento de Ri...
Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Gerenciamento de Ri...Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Gerenciamento de Ri...
Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Gerenciamento de Ri...
 

Destaque

Consumer barriers to mobile internet adoption in Asia
Consumer barriers to mobile internet adoption in AsiaConsumer barriers to mobile internet adoption in Asia
Consumer barriers to mobile internet adoption in AsiaTuan Anh Nguyen
 
Entrepreneuriat, startups : 20 influenceurs à découvrir sur Twitter
Entrepreneuriat, startups : 20 influenceurs à découvrir sur TwitterEntrepreneuriat, startups : 20 influenceurs à découvrir sur Twitter
Entrepreneuriat, startups : 20 influenceurs à découvrir sur TwitterPlug & Start
 
Presentación De Negocios
Presentación De NegociosPresentación De Negocios
Presentación De NegociosAlvaro Zepeda
 
Conflict tussen Laurent en Filip escaleert
Conflict tussen Laurent en Filip escaleertConflict tussen Laurent en Filip escaleert
Conflict tussen Laurent en Filip escaleertThierry Debels
 
Power of the Offensive Line in the NFL
Power of the Offensive Line in the NFLPower of the Offensive Line in the NFL
Power of the Offensive Line in the NFLplemus
 
How to be a Scrumy Father
How to be a Scrumy FatherHow to be a Scrumy Father
How to be a Scrumy FatherRyan Ornelas
 

Destaque (13)

Consumer barriers to mobile internet adoption in Asia
Consumer barriers to mobile internet adoption in AsiaConsumer barriers to mobile internet adoption in Asia
Consumer barriers to mobile internet adoption in Asia
 
Entrepreneuriat, startups : 20 influenceurs à découvrir sur Twitter
Entrepreneuriat, startups : 20 influenceurs à découvrir sur TwitterEntrepreneuriat, startups : 20 influenceurs à découvrir sur Twitter
Entrepreneuriat, startups : 20 influenceurs à découvrir sur Twitter
 
Presentación De Negocios
Presentación De NegociosPresentación De Negocios
Presentación De Negocios
 
Conflict tussen Laurent en Filip escaleert
Conflict tussen Laurent en Filip escaleertConflict tussen Laurent en Filip escaleert
Conflict tussen Laurent en Filip escaleert
 
Prince2 mudanças
Prince2 mudançasPrince2 mudanças
Prince2 mudanças
 
Poster analysis
Poster analysisPoster analysis
Poster analysis
 
Cap02 modelos1
Cap02 modelos1Cap02 modelos1
Cap02 modelos1
 
Validando formulários com HTML5
Validando formulários com HTML5Validando formulários com HTML5
Validando formulários com HTML5
 
SMAC
SMACSMAC
SMAC
 
Power of the Offensive Line in the NFL
Power of the Offensive Line in the NFLPower of the Offensive Line in the NFL
Power of the Offensive Line in the NFL
 
How to be a Scrumy Father
How to be a Scrumy FatherHow to be a Scrumy Father
How to be a Scrumy Father
 
Lobel solar brochure
Lobel solar brochureLobel solar brochure
Lobel solar brochure
 
ProposalSponsor
ProposalSponsorProposalSponsor
ProposalSponsor
 

Semelhante a Prince2 risco

Gerenciamento de Riscos em Projetos - Sao Paulo
Gerenciamento de Riscos em Projetos - Sao PauloGerenciamento de Riscos em Projetos - Sao Paulo
Gerenciamento de Riscos em Projetos - Sao PauloGrupo Treinar
 
Gerenciamento Riscos Senai 2
Gerenciamento Riscos Senai 2Gerenciamento Riscos Senai 2
Gerenciamento Riscos Senai 2robsonnasc
 
Disciplina de Gerenciamento de Riscos
Disciplina de Gerenciamento de RiscosDisciplina de Gerenciamento de Riscos
Disciplina de Gerenciamento de RiscosLuthiano Vasconcelos
 
Macrosolutions Treinamento: Gerenciamento de Riscos
Macrosolutions Treinamento: Gerenciamento de RiscosMacrosolutions Treinamento: Gerenciamento de Riscos
Macrosolutions Treinamento: Gerenciamento de RiscosMacrosolutions SA
 
Gestão de Projetos e Programas - Aula # 13
Gestão de Projetos e Programas - Aula # 13Gestão de Projetos e Programas - Aula # 13
Gestão de Projetos e Programas - Aula # 13Ethel Capuano
 
Apresentação 3 203 - ernani marques
Apresentação 3   203 - ernani marquesApresentação 3   203 - ernani marques
Apresentação 3 203 - ernani marquesRodrigo Cipullo
 
ARTIGO - UNG - RIVOIR - RISCOS
ARTIGO - UNG - RIVOIR - RISCOSARTIGO - UNG - RIVOIR - RISCOS
ARTIGO - UNG - RIVOIR - RISCOSCarolina Rivoir
 
Gerenciamento de projetos - Um estudo a respeito da modelagem adequada na ela...
Gerenciamento de projetos - Um estudo a respeito da modelagem adequada na ela...Gerenciamento de projetos - Um estudo a respeito da modelagem adequada na ela...
Gerenciamento de projetos - Um estudo a respeito da modelagem adequada na ela...Diogo Coimbra de Brito
 
Análise e gestão do risco
Análise e gestão do riscoAnálise e gestão do risco
Análise e gestão do riscoXikkoRibeiro
 
Gerenciamento de riscos - PMBOK
Gerenciamento de riscos - PMBOKGerenciamento de riscos - PMBOK
Gerenciamento de riscos - PMBOKPriscila Antunes
 
gestao-de-riscos-eficaz.pdf
gestao-de-riscos-eficaz.pdfgestao-de-riscos-eficaz.pdf
gestao-de-riscos-eficaz.pdfBrbaraMonteiro35
 
Gerenciamento de riscos
Gerenciamento de riscosGerenciamento de riscos
Gerenciamento de riscosPaulo Junior
 
Palestra sobre comunicação interna e externa inmeta
Palestra sobre comunicação interna e externa inmetaPalestra sobre comunicação interna e externa inmeta
Palestra sobre comunicação interna e externa inmetaguestc72311
 

Semelhante a Prince2 risco (20)

GP4US - Gerenciamento de Riscos em Scrum
GP4US - Gerenciamento de Riscos em ScrumGP4US - Gerenciamento de Riscos em Scrum
GP4US - Gerenciamento de Riscos em Scrum
 
Gerenciamento de Riscos em Projetos - Sao Paulo
Gerenciamento de Riscos em Projetos - Sao PauloGerenciamento de Riscos em Projetos - Sao Paulo
Gerenciamento de Riscos em Projetos - Sao Paulo
 
Gerenciamento Riscos Senai 2
Gerenciamento Riscos Senai 2Gerenciamento Riscos Senai 2
Gerenciamento Riscos Senai 2
 
Artigo oquegp
Artigo oquegpArtigo oquegp
Artigo oquegp
 
Disciplina de Gerenciamento de Riscos
Disciplina de Gerenciamento de RiscosDisciplina de Gerenciamento de Riscos
Disciplina de Gerenciamento de Riscos
 
Macrosolutions Treinamento: Gerenciamento de Riscos
Macrosolutions Treinamento: Gerenciamento de RiscosMacrosolutions Treinamento: Gerenciamento de Riscos
Macrosolutions Treinamento: Gerenciamento de Riscos
 
Gerenciamento de Riscos Corporativos FGV 2017
Gerenciamento de Riscos Corporativos FGV 2017 Gerenciamento de Riscos Corporativos FGV 2017
Gerenciamento de Riscos Corporativos FGV 2017
 
Ris02
Ris02Ris02
Ris02
 
Gestão de Projetos e Programas - Aula # 13
Gestão de Projetos e Programas - Aula # 13Gestão de Projetos e Programas - Aula # 13
Gestão de Projetos e Programas - Aula # 13
 
Apresentação 3 203 - ernani marques
Apresentação 3   203 - ernani marquesApresentação 3   203 - ernani marques
Apresentação 3 203 - ernani marques
 
ARTIGO - UNG - RIVOIR - RISCOS
ARTIGO - UNG - RIVOIR - RISCOSARTIGO - UNG - RIVOIR - RISCOS
ARTIGO - UNG - RIVOIR - RISCOS
 
Gerenciamento de projetos - Um estudo a respeito da modelagem adequada na ela...
Gerenciamento de projetos - Um estudo a respeito da modelagem adequada na ela...Gerenciamento de projetos - Um estudo a respeito da modelagem adequada na ela...
Gerenciamento de projetos - Um estudo a respeito da modelagem adequada na ela...
 
Lecture 3 :: Análise e Gestão de Risco
Lecture 3 :: Análise e Gestão de RiscoLecture 3 :: Análise e Gestão de Risco
Lecture 3 :: Análise e Gestão de Risco
 
Análise e gestão do risco
Análise e gestão do riscoAnálise e gestão do risco
Análise e gestão do risco
 
Gerenciamento de riscos - PMBOK
Gerenciamento de riscos - PMBOKGerenciamento de riscos - PMBOK
Gerenciamento de riscos - PMBOK
 
A4 -plano_de_risco_-_planejamento
A4  -plano_de_risco_-_planejamentoA4  -plano_de_risco_-_planejamento
A4 -plano_de_risco_-_planejamento
 
gestao-de-riscos-eficaz.pdf
gestao-de-riscos-eficaz.pdfgestao-de-riscos-eficaz.pdf
gestao-de-riscos-eficaz.pdf
 
Gerenciamento de riscos
Gerenciamento de riscosGerenciamento de riscos
Gerenciamento de riscos
 
Palestra sobre comunicação interna e externa InMeta
Palestra sobre comunicação interna e externa InMetaPalestra sobre comunicação interna e externa InMeta
Palestra sobre comunicação interna e externa InMeta
 
Palestra sobre comunicação interna e externa inmeta
Palestra sobre comunicação interna e externa inmetaPalestra sobre comunicação interna e externa inmeta
Palestra sobre comunicação interna e externa inmeta
 

Último

Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...E-Commerce Brasil
 
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.E-Commerce Brasil
 
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...E-Commerce Brasil
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...E-Commerce Brasil
 
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...imostorept
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxEduardoRodriguesOliv2
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...E-Commerce Brasil
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfReinerModro
 

Último (8)

Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
 
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
 
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
 
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 

Prince2 risco

  • 1. PRINCE2 Risco A maioria dos gerentes de projeto realmente não têm muita chance praticar Gerenciamento de Risco. O tema é coberto muito bem em todos os métodos de Gerenciamento de Projetos, mas parece ser esquecido tão logo o projeto é iniciado. Mesmo quando os Gerentes de Projeto investem uma quantidade de tempo adequada no Gerenciamento de Risco, começam a “desanimar” uma vez que eles percebem que ninguém está interessado em obter as informações sobre risco (pode haver pouca consciência de Gestão de Riscos da organização, podem imaginar que Risco está relacionado à má gestão ou simplesmente podem achar chato). Gerentes de Projeto não são os culpados. Primeiro eles precisam de uma abordagem de Gerenciamento de Risco a seguir, e o resto da organização também tem que estar ciente da importância do Gerenciamento de Risco. Se você estiver trabalhando em um ambiente de programa, provavelmente haverá uma abordagem padrão para Gerenciamento de Risco e esperamos que você terá recebido treinamento. Se você não estiver trabalhando em um ambiente de Programa, então você deve verificar se existem procedimentos padrão disponíveis para o Gerenciamento de Risco na arquitetura do Programa ou em uso por outros Gerentes de Projeto.
  • 2. O conhecimento fornecido neste Tema de Riscos fornece uma excelente abordagem para Gerenciamento de Risco que você será capaz de entender e usar. Acreditamos que a coisa mais importante a entender neste Tema é a estrutura do risco, como usá-la para trabalhar as informações de risco e como controlar/acompanhar os riscos durante o projeto. Uma boa dica para lembrar é pedir seu executivo "como os riscos devem ser avaliados, controlados e comunicados durante o projeto? Isto lhe dará uma boa idéia sobre a conscientização sobre os riscos do projeto que o executivo tem e, talvez, que a organização tem. Finalidade O Tema de Risco destina-se fornecer uma abordagem para "identificar, avaliar e controlar as incertezas durante um projeto e, como resultado, melhorar a possibilidade do projeto ter sucesso" Você também poderia dizer que a finalidade do tema risco é "identificando, avaliando e controlando incertezas para melhorar a capacidade de sucesso". Por que há risco em um projeto? Fazer Projetos é fazer algo novo! Toda mudança introduz incerteza! E toda incerteza é um risco; Assim, risco é inerente a projeto. Você precisa saber como identificar o risco, como avaliar esse risco, como controlar este risco, e como risco pode afetar os objetivos do projeto. Quando o gerenciamento de riscos é feito no projeto? Gerenciamento de risco não é feito apenas no início do projeto, mas deve ser uma atividade contínua durante toda a vida do projeto; é, portanto, uma das principais tarefas para o Gerente de Projeto. É o executivo que é responsável pelo risco em um projeto, e eles contam com o Gerente de Projeto para continuamente identificar, avaliar e controlar os riscos ao longo do projeto. O que é Risco? PRINCE2 tem uma definição específica para o risco, que surge a partir do método de M_o_R®. Risco é um conjunto de eventos que, caso eles ocorram, terá um efeito sobre os objetivos do projeto. Outra definição para riscos é: Risco é um evento incerto que, se ocorrer, terá um efeito positivo ou negativo sobre um objetivo de projeto.
  • 3. Já que o Risco é incerto, ele pode trazer um efeito positivo ou negativo, ou seja, pode ser visto como uma ameaça ou oportunidade. Descrever risco como positivo – ou diriamos uma oportunidade – pode ser novo para você, então aqui está um exemplo. Em um projeto para desenvolver um novo sistema CRM (Gestão de Relacionamento com Cliente) e foi identificado um possibilidade de obter uma redução de 50% sobre o módulo de integração do armazém, porém a um custo de R$15.000. Trata-se de uma oportunidade, já que terá impacto positivo. O que está em Risco no Projeto? Se eu fosse fazer a pergunta, "O que está em risco no projeto?" você poderia responder que o projeto estava sob risco, ou talvez, que a satisfação do usuário com o uso do produto estava sob risco. PRINCE2 considera outro ponto de vista. Ele busca identificar quais objetivos do projeto estão em risco, e estes incluem as seis metas de desempenho, de tempo, custo, qualidade, escopo, benefícios e o próprio desempenho de riscos. O que é Gestão de Risco? Gerenciamento de riscos está relacionado às etapas que são necessárias de forma sistemática, e que permitirá que você para identificar, avaliar e controlar (planejar, implementar e comunicar) os riscos. Este tema de riscos fornece uma abordagem para gerenciar o risco em um projeto. Há três etapas principais para gerenciamento de risco, que são a identificação, avaliação e controle:  Identificação Como identificar e descrever o risco.  Avaliar Propabilidade, proximidade e impacto nos objetivos  Controlar Como responder da melhor maneira possível Um novo risco pode surgir a qualquer momento no projeto. O gerente de projeto deve fazer perguntas, como:  "Esse risco afetará o Business Case?"  "Como o risco afeta quaisquer dos riscos atuais já registrados?" O Método de Gestão de Risco e o contexto do Risco O PRINCE2 utiliza outro Método da OGC, que é o Gerenciamento de Risco (M_o_R®). Como resultado, o PRINCE2 aproveita todos estes procedimentos e princípios que já foram definidos em vez de tentar reinventar a roda. O método M_o_R é uma abordagem genérica para Riscos e tem a seguintes etapas:  Em primeiro lugar, entender o contexto do projeto, o que significa compreender o ambiente de projeto;  Envolver as partes interessadas (usuários, fornecedores, equipes, etc) para ajudar a identificar os riscos;  Estabelecer uma abordagem para o projeto e documentar essa abordagem;
  • 4.  Apresentar relatórios periódicos sobre o risco;  Definir Papéis e Responsabilidades para os Riscos. Contexto de Risco Se alguém lhe perguntar o que significa uma determinada palavra, você pode perguntar "em que contexto?". É a mesma coisa, porém no ponto de vista dos Riscos. Exemplo 1: Se temos um projeto de espacial da NASA e um dispositivo tem de funcionar por 10 anos em órbita (contexto); temos é um bom exemplo de um projeto de baixíssima tolerância a risco. Exemplo 2: Estamos desenvolvendo um protótipo simples para uso interno apenas e este produto terá uma vida de até 4 meses; e, como há contornos possíveis, nem tudo tem que funcionar 100% neste produto (contexto). Este é um exemplo de um projeto de alta tolerância a risco de. Nota: Um projeto que tem alta tolerância de risco tem um grande apetite a risco, pois pode absorver muitos riscos. Ao efetuar as primeiras considerações sobre risco, a primeira pergunta deveria ser: “Que políticas de risco já existem na empresa, ou no ambiente programa, e que podem ser usadas?” e “Então não há nenhuma necessidade de re-inventá-las?". Se houver alguma diretiva, então ela fornecerá as seguintes informações:  A atitude da organização em relação a riscos (também chamado apetite de risco);  Tolerâncias de risco  Procedimentos de escalonamento;  Papéis & responsabilidades típicos;  Exemplo de um documento de estratégia de gerenciamento de risco. Referência  prince2.wiki/PRINCE2  pt.prince2.wiki/PRINCE2