SlideShare uma empresa Scribd logo
PRIMEIROS SOCORROS

Conceito:
      Os primeiros socorros são atendimentos básicos e simples prestados à
vítima no local do acidente, a fim de prevenir ou diminuir danos à saúde da
mesma e ainda salvar sua vida, mantendo os sinais vitais e evitando
agravamento do seu estado.

     Quando devemos prestar esse tipo de socorro?
     Devemos prestar socorro sempre que a vítima não esteja em condições
de cuidar de si própria.

       Os momentos seguintes do acidente são os mais importantes para
garantir a recuperação e a sobrevivência do acidentado.
       Ao prestarmos essa assistência devemos manter a calma diante da
situação, que muitas vezes provoca pânico, e agir com cautela. Se no local
houver mais pessoas, devemos pedir ajuda, não esquecendo que somente
uma pessoa deverá assumir a liderança, explicando aos demais o que deve ser
feito.
Um atendimento mal feito pode levar danos irreversíveis à vítima e até mesmo
a morte. Portanto, também é importante que não nos esqueçamos de que os
primeiros socorros não substitui a assistência de um médico, ou
seja,imediatamente após os cuidados deve se providenciar atendimento
médico.
       Caso uma pessoa não tenha condições de realizar os primeiros socorros,
esta deve procurar socorro. Omitir socorro é crime.

   . ASPECTOS LEGAIS DO SOCORRISMO
· OMISSÃO DE SOCORRO (ART. 135º DO CÓDIGO PENAL.)
Todo cidadão é obrigado a prestar auxílio a quem esteja necessitando,
tendo
três formas para fazê-lo:
atender, auxiliar quem esteja atendendo ou solicitar auxílio.
Exceções da lei (em relação a atender e/ou auxiliar): menores de 16 anos,
maiores de 65, gestantes a partir do terceiro mês, deficientes visuais,
mentais e físicos (incapacitados).
Telefones de emergência:
CB: 193
SAMU: 192
PM: 190
“ A principal causa-morte pré-hospitalar é a falta de atendimento. A
segunda é o socorro inadequado.”

   Socorrista e Atendente de Emergência:
   Socorrista é o profissional em atendimento de emergência, portanto, uma
pessoa que possui somente o Curso Básico de Primeiros Socorros não é um
Socorrista e sim um Atendente de Emergência.

Importância das atividades de Primeiros Socorros a Bordo
   - Saber agir diante de uma emergência;
-   Conhecer os principais acidentes que possam ocorrer a bordo;
   -   Conhecer técnicas a serem realizadas nos possíveis acidentes;
   -   Poder ajudar a vítima, evitando complicações consequentes do acidente
       e até evitar a morte da mesma.

Casos comuns que requerem realização dos primeiros socorros a bordo:
-enjôo;
-choques elétricos;
-afogamentos com homem ao mar;
-ferimentos generalizados;
-hemorragias;
-fraturas;
-queimaduras;
-insolação e intermação;
-desmaios em geral;
-estado de choque e coma.

Importante: Ter sempre o cuidado de prevenir.

-Quais situações de emergência o navio está sujeito?

FACILITADORES DE ACIDENTES

-Atos inseguros e,
-Condições inseguras.

Primeiras atitudes ao nos deparar com uma vítima:
-manter a calma, transmitindo confiança, tranquilidade e segurança;
-agir rapidamente, porém dentro dos seus limites;
-use seus conhecimentos de primeiros socorros;
-sinalize o local;
-peça ajuda de pessoas especializadas;
-afaste os curiosos;
-improvise se necessário.

Diante de um acidente devemos observar rapidamente toda a situação,
para que possamos agir corretamente, atentando para:
-quantas são e onde estão as vítimas;
-quais os perigos iminentes;
-se houver mais de 1 vítima, identificar quem precisa de primeiros
socorros com mais urgência.

ABCDE da vida:
A- ABERTURA DAS VIAS AÉREAS COM CONTROLE CERVICAL
B- BOA VENTILAÇÃO (RESPIRAÇÃO)
C- CONTROLE HEMODINÃMICO (CIRCULAÇÃO / CONTROLE DAS
HEMORRAGIAS)
D- DÉFICIT NEUROLÓGICO-NÍVEL CONSCIÊNCIA (NÃO ADM NADA ORAL)
E- EXPOSIÇÃO COMPLETA DA VÍTIMA(exame físico) E CONTROLE
TÉRMICO
•   TODA VÍTIMA DE TRAUMA POSSUI LESÃO CERVICAL ATÉ PROVAR
       O CONTRÁRIO!
   •   PRIORIDADE ABSOLUTA (CHAMADO DE A B C DA VIDA)
       A ABERTURA DAS VIAS AÉREAS COM CONTROLE CERVICAL
       B BOA VENTILAÇÃO
       C CIRCULAÇÃO E CONTROLE DAS HEMORRAGIAS

Os 10 mandamentos do socorrista ou atendente de emergência:
1.Manter a calma;
2.Ter em mente a seguinte ordem de segurança:
Primeiro: o socorrista
Segundo:os demais presentes na cena do acidente
Em seguida: a vítima;
3.Ligar imediatamente para um socorro especializado;
4.Sempre verifique se há risco no local, para você e os demais, antes de agir
no acidente;
5.Manter sempre o bom senso;
6.Manter o espírito de liderança, pedindo ajuda e afastando os curiosos;
7.Distribuir tarefas, assim as pessoas que poderiam atrapalhar lhe ajudarão e
se sentirão mais úteis;
8.Evitar manobras intempestivas(realizadas de forma imprudente);
9.Em caso de múltiplas vítimas,dê preferência aquelas que correm maior risco
de vida;
10.Seja socorrista e não herói(lembre-se do 2 mandamento).

Noções de Biossegurança

Conceito:
São conjuntos de medidas de controle de infecção que devem ser adotadas
durante todo e qualquer procedimento de risco de contaminação, visando
interromper a cadeia de transmissão das doenças infecto-contagiosas.

Como uma pessoa pode se contaminar?
-Ar (tuberculose e gripe)
-Sangue (hepatites, SIDA)
-Fluidos corporais (secreções e vômitos)
-Particulas disseminadas por vias aéreas que podem ser transmitidas pela
tosse ou espirro.

Exemplos de doenças que podem ser transmitidas:
Sangue: SIDA, hepatites B ou C;
Pele: herpes, escabiose, hanseníase...;
Respiração : tuberculose, meningite, gripe...;
Mucosas: herpes labial, conjuntivite...;
Fezes: hepatite A, diarréia infecciosa...

Equipamentos de Proteção Individual (EPI)
Funcionam como barreiras físicas que diminuem a probabilidade de
transmissão de microorganismos.

-luvas de látex
-máscaras semi-facial (boca-nariz)
-óculos protetor
-capacete
-protetor auricular
-botas
-vestuário adequado.

SINAIS VITAIS

Aliado ao exame da cabeça aos pés,os sinais vitais são valiosas fontes de
informações, que permitem um diagnóstico provável do que está errado com a
vítima e, o que é muito importante, quais são as medidas que devem ser
tomadas para corrigir o problema.

Os sinais vitais:
-Temperatura
-Pulso
-Respiração
-Pressão arterial(precisa-se de instrumento).

Cor da pele:
-vermelha (AVC,hipertensão arterial,ataque cardíaco, coma diabético)
-pálida e cinzenta (choque, hemorragia)
-azulada, cianótica (deficiência respiratória, arritmias,falta de
oxigenação, doenças pulmonares, envenenamentos)

Temperatura da pele:
-fria e úmida (choque, hemorragias, perda de calor, intermação)
-fria e seca (exposição ao frio, hipotermia)
-fria com sudorese excessiva (choque, ataque cardíaco)
-quente e seca (febre alta e insolação)
-quente e úmida (infecções)

Temperatura(valor normal)
36º a 37º C

Respiração: valores normais
Adulto: 12 a 20 rpm
Criança(1 a 8 anos): 20 a 40 rpm
Bebê: 40 a 60 rpm

Medir a frequência respiratória em 1 minuto.
Obs: eupnéia, apnéia, dispnéia, bradipnéia e taquipnéia

Pulso:
Adulto: 60 a 100 bpm
Criança: 80 a 120 bpm
Bebê: 85 a 160 bpm
Obs: Normocardia, bradicardia e taquicardia.
Usar o dedo médio e o indicador e contar por 60 segundos.

Principais artérias utilizadas para aferição: radial, carótida e femural.

OBS: Com a manutenção e estabilização dos sinais vitais(TPR) é que
mantemos o equilíbrio fisiológico do organismo (homeostase), conservando a
vida de uma vítima até a chegada do atendimento médico especializado.
IMPORTANTE: VER, OUVIR E SENTIR.

SINAIS DE APOIO

Conceito:
   São os que fornecem mais informações sobre o estado da vítima. Não são
prioritários, mas são válidos para mais informações.

- motilidade – avaliamos lesões musculares e déficit neurológico. Avaliamos
pela observação e solicitando ações à vítima. Só pode ser avaliada nas
pessoas conscientes.
-sensibilidade – idem ao anterior
- fotorreatividade pupilar (pupilas dilatadas chamam-se midríase e contraídas
chamam-se miose). Midríase paralítica pode ser indicativo de hipóxia cerebral,
edema intracraniano, hipovolemia, TCE. Miose pode indicar envenenamento,
intoxicação. Utiliza-se uma lanterna clínica para avaliação e independe do
estado de consciência da vítima.
- enchimento capilar .

ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS

Choque
Conceito:
O choque é um estado causado por uma diminuição do fluxo sanguíneo
adequado à manutenção da perfusão tecidual sistêmica,ocasionando prejuízos
à função celular.

São classificadas de acordo com a sua causa determinante da
seguinte maneira:
-choque hipovolêmico (perda de sangue e perda de líquidos extracelular);
-choque cardiogênico (insuficiência miocárdica);
-choque periférico ou distributivo (relacionados a graves infecções bacterianas).

Sinais e sintomas:
Palidez, pele fria e úmida,suor frio ,pulso rápido e fraco, respiração curta e
rápida, náuseas e vômitos, sensação de sede, extremidades cianóticas,
sensação de frio e tremores, visão nublada e inconsciência.

Medidas de primeiros socorros:
-faça uma breve inspeção da vítima e estabeleça as prioridades;
-tente eliminar ou controlar a causa do choque;
-revise os sinais vitais: mantenha as vias respiratórias desobstruídas, verifique
a respiração, a pulsação e o nível de consciência;
-se a vítima estiver consciente e respirando bem, deite-a com a cabeça
 mais baixa que o tronco e as pernas, exceto quando houver suspeitas de
fraturas;
-se houver sangramento pela boca ou nariz, vômitos ou muita salivação,
coloque a vítima na posição lateral;
-afrouxe as vestes da vítima para facilitar a circulação sanguínea, e mantenha-
a agasalhada e protegida.

Desmaio
È uma manifestação clínica que se caracteriza por perda da consciência
temporária de curta duração.

Causas:
Fome, excesso de esforço físico, contusões, choques emocionais, arritmias...

Sinais e sintomas:
-escurecimento das vistas;
-sudorese fria;
-dificuldade respiratória;
-náuseas, vômitos;
-perda da consciência com queda do corpo;
-relaxamento muscular;
-palidez;

Medidas de primeiros socorros:
-deitar a vítima com a cabeça mais baixa em relação ao resto do corpo;
-afrouxar as vestes;
-ficar atento aos sinais vitais;
-elevar as pernas da vítima;

Se o desmaio persistir, aqueça a vítima e procure socorro médico.
O ideal é saber prevenir o desmaio.

Convulsões:
São contrações involuntárias dos músculos esqueléticos produzidas por
alterações das funções cerebrais, que duram por poucos minutos.

Causas: São mais frequentes em epilepsias (distúrbio que acomete o SNC),
traumatismo crânio-encefálico, tumores, hipertermia...

Sinas e sintomas:
-perda da consciência e queda ao chão;
-contrações involuntárias dos músculos do corpo e da face, inclusive da língua,
travamento dos dentes;
-lábios roxos e salivação excessiva;
-respiração forte e irregular;
-pode apresentar cianose, devido à dificuldade respiratória relacionada ao
tempo de duração da crise;
-pode apresentar evacuação ou diurese após a crise.

Medidas de primeiros socorros:

-afaste a vítima se o local oferecer perigo, e afaste objetos que também
possam oferecer perigo;
-proteja a cabeça da vítima e deixe-a se bater;
-evite a queda da língua, colocando um pedaço de pano e retire qualquer resto
de alimentos e prótese dentária;
-coloque-a na posição lateral;
-passada a crise, oriente a vítima a procurar assistência médica.
OBS: Nunca ofereça líquidos ou jogue água sobre a vítima durante a crise.

Parada Cardio-respiratória

Conceito:
Situação em que clinicamente não são perceptíveis movimentos respiratórios e
batimentos cardíacos.

A parada cardíaca é estudada juntamente com a parada respiratória porque
uma situação sempre chama a outra, exigindo procedimentos conjuntos para
manter os dois principais sinais vitais. A PCR leva a morte em poucos
minutos(pode ocorrer entre 3 a 5 min) ou a danos irreversíveis, causados por
falta de oxigênio no cérebro.

Possíveis causas de PCR:
-choque elétrico;
-inalação de gases venenosos;
-afogamento ou asfixia;
-reação medicamentosa;
-intoxicação;
-arritmias,infarto agudo do miocárdio(IAM)

Sinais e sintomas da PCR:
-inconsciência;
-palidez excessiva;
-ausência de pulsação;
-pupilas dilatadas;
-pele, extremidades e lábios azulados(cianose);
-ausência de movimentos respiratórios;

Técnicas de reanimação respiratória:
(boca-a-boca/ boca-máscara/ aparelhos)
   - Deite a vítima de costas sobre uma superfície dura;
   - Retire da boca da vítima próteses ou restos de alimentos;
   - Eleve suavemente o queixo da vítima, inclinando sua cabeça para trás;
   - Tape as narinas com seu polegar e indicador e abra a boca da vítima
      completamente;
-   Inspire fundo e sopre na boca da vítima sem deixar escapar o ar.
   -   Se não houver pulsação, efetue ao mesmo tempo a massagem
       cardíaca.

Obs: Não inclinar a cabeça da vítima para trás no caso de suspeita de trauma
cervical.

Técnicas de reanimação cardíaca:
-coloque a vítima deitada em superfície rígida;
-ajoelhe-se ao seu lado;
-com os braços esticados apóie as duas mãos, com os dedos entrelaçados ,
sobre o peito da vítima(sobre o terço inferior do esterno)
-utilizando o peso do seu corpo, faça compressões curtas e fortes comprimindo
e aliviando naturalmente(cerca de 2 movimentos por segundo).

Obs: Essa técnica só pode ser realizada na absoluta certeza de que não há
movimentos cardíacos.

■ 1 socorrista ou 2 socorristas: fazer 30 compressões para 2 ventilações.

Em crianças a manobra é feita com uma mão e em bebês com apenas 2 dedos
e, a ventilação é feita boca e nariz.

Nos casos de parada cardíaca súbita, quando os leigos realizam apenas a
compressão torácica, o benefício pode ser maior.
O coração está parado e as massagens no tórax fazem o sangue circular
novamente nos órgãos vitais. A ventilação é importante, depois de oito, dez
minutos. Antes disso, há reserva suficiente de oxigênio, a não ser nos casos de
afogamento e hipoxia (baixa oxigenação). Portanto, nos primeiros minutos
depois da parada cardíaca, fazer compressão torácica sem respiração boca-a-
boca é muito melhor do que não fazer nada. As novas diretrizes para o trabalho
de ressuscitação deixam claro que a compressão torácica tem de ser de boa
qualidade. Já existem serviços de emergência na Europa e nos Estados
Unidos recomendando começar por ela e só depois fazer a respiração boca-a-
boca.

     COMPLICAÇÕES NA RCP :
PODEM OCORRER MAS NÃO SÃO INDICATIVOS OBRIGATÓRIOS DE
INTERRUPÇÃO DA RCP.
    - FRATURAS DE COSTELAS - EM PRINCÍPIO CONTINUAMOS.
● CONTRA-INDICAÇÕES DA RCP (SÃO AS SITUAÇÕES QUE, QUANDO
ENCONTRADAS, JÁ SÃO INDICATIVOS PARA A NÃO REALIZAÇÃO DO
PROCEDIMENTO DE RCP, PORÉM, EM CERTOS CASOS, A DECISÃO DE
CONTINUAR OU NÃO FICARÁ A CRITÉRIO DO SOCORRISTA)
     ¨ PCR POR TRAUMA DE TÓRAX
¨ VÍTIMAS COM DOENÇAS EM ESTÁGIO TERMINAL
¨ VÍTIMAS COM MAIS DE 75 ANOS
¨ PCR OCORRIDA A MAIS DE 15 MINUTOS
¨ SURGIMENTO DE RIGIDEZ CADAVÉRICA
Hemorragia
  É a perda sanguínea consequente do rompimento de um ou mais vasos
(veias ou artérias).
 O controle da hemorragia deve ser realizado imediatamente, pois pode levar à
morte.

Tipos de hemorragia:
venosa: devido a lesão de uma ou mais veias ;
arterial: devido a lesão de uma ou mais artérias.

Classificação:
 -interna: resultado de ferimento profundo com rompimento de vasos
sanguíneos dentro do corpo, sem solução de continuidade da pele;
-externa: o local de sangramento é visível através da solução de continuidade
da pele e tecidos.

Fatores determinantes da gravidade da hemorragia:
-volume de sangue perdido
-calibre do vaso rompido
-velocidade da perda de sangue.

 Sinais e sintomas:
  Dependendo da gravidade da hemorragia, a vítima pode apresentar: palidez
intensa, mucosa hipocorada,pulso rápido e fino, respiração rápida e superficial,
vertigens, náuseas e vômitos, sudorese fria, sensação de sede e desmaio.

  Medidas de primeiros socorros:
 -afrouxar as vestes da vítima;
 - manter a área afetada mais elevada em relação ao resto do corpo;
 - estancar a hemorragia por cerca de 10 minutos e repetir se necessário;
 - fazer curativo compressivo no local;
 - se o sangramento persistir através do curativo, ponha novas ataduras sem
retirar as anteriores;
 - se ainda persistir, pressionar a artéria contra o osso, no segmento que
antecede o ferimento

Torniquete
Só deve ser aplicado em casos extremos e como ultimo recurso, quando não
há a parada do sangramento.

Hemorragia Nasal

O que fazer?
-Colocar a vítima sentada;
-Inclinar a cabeça para trás;
-Comprimir a narina que sangra;
-Colocar compressas frias sobre o nariz;
Se a hemorragia persistir volte a pressionar a narina e procure atendimento
médico.

Hemorragia dos pulmões (hemoptise)
-coloque a vítima em repouso;
-mantenha-a calma e oriente-a a não falar;
-procure auxílio médico.
O sangue nesse tipo de hemorragia é vermelho claro, com bolhas de ar.

Hemorragia do estômago (hematêmese)
-coloque a vítima em decúbito dorsal, sem travesseiro;
-coloque bolsa de gelo na região epigástrica;
-mantenha-a em jejum absoluto;
-procure auxílio médico.
O sangue nesse tipo de hemorragia é vermelho escuro, e pode haver restos de
alimentos.

Hemorragia genital(metrorragia)
-coloque a vítima em repouso com os MMII elevados;
-coloque uma bolsa de gelo na região suprapúlbica e faça tamponamento;
-procure um médico imediatamente

Hemorragias internas em geral
    A conduta deve ser procurar imediatamente atendimento
especializado,enquanto se mantém o acidentado deitado com a cabeça mais
baixa que o corpo, e as pernas elevadas para melhorar o retorno sanguíneo.
Este procedimento é o padrão para prevenir o estado de choque. Nos casos de
suspeita de fratura de crânio, lesão cerebral ou quando houver dispnéia, a
cabeça deve ser mantida elevada.
   Aplicar compressas frias ou saco de gelo onde houver suspeita de
hemorragia interna. Se não for possível, usar compressas úmidas.

Afogamento

Procedimentos em caso de afogamento
No caso de afogamento:
• não perder tempo tentando retirar água dos pulmões da vítima;
• checar imediatamente os sinais vitais (análise primária);
• não havendo respiração ou pulso, iniciar as técnicas de ressuscitação
imediatamente;
• mantenha a vítima aquecida;
• ministre o oxigênio;
• trate o estado de choque;
• não tente resgatar ninguém da água, se você não for treinado para isso.
Apenas jogue algum material flutuante para a vítima agarrar e chame por
socorro especializado (salva-vidas).

Choque elétrico
A passagem de corrente elétrica pelo corpo pode produzir um formigamento ou
uma leve contração dos músculos, ou ainda uma sensação dolorosa. Choques
mais intensos podem lesar músculos ou paralisar o coração. Podem paralisar
também a respiração e, nesse caso, se o acidentado não for socorrido dentro
de poucos minutos, a morte sobrevêm.
A intensidade do choque depende dos seguintes fatores:
• valor da tensão;
• área de contato do corpo com o componente eletrificado;
• pressão com que é feito o contato; e
• umidade existente na superfície do contato.

Procedimentos em caso de choque elétrico
• desligue o aparelho da tomada ou a chave geral;
• se tiver que usar as mãos para remover uma pessoa, envolva-as em jornal ou
um saco de papel; e
• empurre ou puxe a vítima para longe da fonte de eletricidade com um objeto
seco, não-condutor de corrente, como um cabo de vassoura, tábua, corda
seca,cadeira de madeira ou bastão de borracha.

O que fazer

• se houver parada cardio-respiratória, aplique a ressuscitação;
• cubra as queimaduras com uma gaze ou com um pano bem limpo;
• se a pessoa estiver consciente, deite-a de costas, com as pernas
elevadas. Se estiver inconsciente, deite-a de lado;
• se necessário, cubra a pessoa com um cobertor e mantenha-a calma;
• procure ajuda médica imediatamente.

CORPOS ESTRANHOS

É quando há a introdução acidental de corpos estranhos nas vias, que podem
ser: partículas de poeiras, cacos de vidro, moedas...

Sinais e sintomas:
-tosse;
-sufocamento;
-engasgamento.

Nos olhos: não esfregar nem tentar retirar objetos encravados no globo ocular.
Se for apenas partículas de poeira, lavar bastante com água corrente, se for
outra coisa, tapar a vista e encaminhar com urgência ao hospital.

Nariz: normalmente acontece com crianças, colocam caroço de feijão,
sementes..no nariz. Deve ser removido imediatamente, pois pode sufocar e
prejudicar a respiração.
Nesse caso colocamos um de nossos dedos para tapar a narina livre e pedir a
vítima que feche a boca e faça força para expelir o objeto. Caso não funcione,
levar a vítima para o hospital.
Ouvidos: também comum em crianças. Devemos colocar um pouco de óleo de
cozinha frio no ouvido com o objeto, pingue 10 gotas de óleo e deixe por cerca
de 5 minutos. Em seguida peça a vítima para inverter a posição para expelir o
objeto. Caso não saia, levar a vítima para o hospital.

Garganta: requer ação imediata, pois corre o risco de asfixia e parada
respiratória.
Pega-se a vítima por trás, abraça-lhe com um de nossos braços na altura do
diafragma, coloca-se uma de nossas pernas entre as do paciente e incline-o
para frente, com nossa outra mão, em forma de concha, dê-lhe algumas
palmadas nas costas entre os pulmões. No mesmo instante, com o braço que
está em volta, faça compressões no diafragma.

Outros corpos estranhos cravados no corpo, como pedaço de pau,
pregos...não devem ser retirados pelo socorrista. Deve-se proteger o local e
encaminhar ao hospital.

Obs: Quando a vítima estiver deitada:
-posicionar a vítima em decúbito dorsal;
-ajoelhar-se ao lado da vítima;
-posicionar a palma da mão sobre o abdome da vítima, entre o apêndice xifóide
e a cicatriz umbilical, mantendo as mãos sobrepostas
-aplica 4 compressões.

Intoxicações e envenenamentos
Tóxico ou envenenamento é qualquer substância que introduzida no organismo
provoca graves alterações em um ou mais sistemas fisiológicos.

Vias de penetração:
-pele: contato com substâncias tóxicas;
-via digestiva: ingestão de substância tóxica, química ou natural;
-vias respiratórias: aspiração de vapores ou gases tóxicos.

Geralmente há o comprometimento de vários aparelhos, causando alterações,
que podem ser:
-neurológicas: distúrbios mentais, delírios, alucinações(cocaína),
convulsões(anfetaminas), midríase e miose(cafeína);
-gástricas: náuseas, vômitos, diarréia e dor abdominal;
-respiratórias:pode haver oscilação(dispnéia, bradipnéia, taquipnéia e até
apnéia);
-circulatória:variam desde alterações no ritmo, frequência, pressão arterial e
estado de choque(chumbinho);
-urinário:mais comum a anúria.

Medidas de primeiros socorros:

Todos os casos devem ser encaminhados ao atendimento especializado.
-devemos induzir o vômito, desde que a vítima não esteja inconsciente, e o
veneno não seja cáustico( com água morna, ou com o dedo);
-não provocar o vômito se for veneno cáustico, acido ou derivado do petróleo;
-após o vômito, oferecer a vítima um tipo de antídoto universal;
-na pele: lavar imediatamente com água corrente e sabão. Retirar as roupas
contaminadas o quanto antes, encaminhar ao hospital;
-inalação: retirar a vítima do local com cuidado para um lugar arejado, não
ofereça nada para beber nem comer, não provoque vômito.
-sempre que possível, levar a embalagem do veneno para o hospital.

CONTAMINAÇÃO DOS OLHOS
   - Lave com água ou soro fisiológico mantendo as pálpebras abertas até
chegar ao Hospital.

FERIDAS
Conceito:
Ferida é uma lesão com continuidade da pele ou mucosa, devido à ação de um
agente traumático.

Tipos:
-Escoriações ou abrasões: lesões superficiais, atingindo as primeiras camadas
do revestimento cutâneo, geralmente provocadas pelo atrito com superfícies
muito ásperas.

-Feridas incisas: são provocadas por agentes cortantes.

-Feridas contusas: são as que apresentam solução de continuidade da pele,
associada a contusão. O dano tecidual depende do impacto. O local pode
apresentar edemas, hematoma, bordas irregulares e dilaceradas.

-Feridas penetrantes: são causadas por agentes perfurantes. A gravidade é
avaliada de acordo com a profundidade da ferida, pois pode lesar órgãos e
estruturas importantes.

Medidas de Primeiros Socorros:
a)Feridas superficiais:
-lavar com água corrente e sabão;
-secar com gaze ou pano limpo;
-pode-se aplicar uma solução anti-séptica(povidine, methiolate..)
-proteger o local, principalmente se houver perigo de contaminação;

b)Feridas profundas:
-dependendo da área atingida, a vítima pode apresentar complicações
respiratórias, hemorragia, choque. Devemos tomar os devidos cuidados dando
prioridade ao mais grave;
-se houver hemorragia, usar o método de hemostasia adequado ao caso;
-não retirar corpos estranhos entranhados no tecido lesado que ofereçam
resistência;
-limpar ao redor da ferida com água e sabão ou povidine;
-proteger a área afetada e encaminhar a vítima para receber o tratamento
definitivo.

c)Feridas perfurantes do tórax:
-vedar a ferida para impedir a penetração de ar na cavidade pleural,caso tenha
sido lesada;
-remover a vítima com urgência.

d)Feridas perfurantes do abdome:
-deixar a vítima em jejum;
-não manipular órgãos expostos, nem tentar colocá-los no lugar;
-cobrir a evisceração com compressa úmida para evitar ressecamento
(necrose);
-fixar com uma atadura;
-manter a vítima em decúbito dorsal com os MMII fletidos;
-encaminhá-lo ao hospital.

 e) Ferimentos na cabeça:
Procedimentos: afrouxe suas roupas, mantenha a vitima deitada em Decúbito
dorsal,agasalhada, faca compressas para conter hemorragias, removendo-a ao
PS mais próximo.

OBS: lembrar dos cuidados de lavar as mãos, não tocar diretamente na ferida,
evitar falar e tossir sobre a mesma, não usar pós na ferida.Proteção contra
tétano.

Amputações traumáticas
São lesões em que há separação de um membro ou de uma estrutura
protuberante do corpo, podem ser causadas por objetos cortantes, por
esmagamento ou por forças de tração.

O que fazer?
-Controlar hemorragia.
- Tratar estado de choque, caso este esteja presente.
- Fazer curativo úmido com soro fisiológico com leve compressão, usando
compressa limpa.

Como cuidar do segmento amputado?
-Limpeza com solução salina, sem imersão em líquido.
-Envolvê-lo em gaze estéril ou compressa limpa.
- Proteger o membro amputado com dois sacos plásticos fechados.
- Colocar o saco plástico em recipiente de isopor com gele ou água gelada.
-Jamais colocar o segmento amputado em contado direto com gelo.

ATENÇÃO !
1) Transportar o paciente o mais rápido possível ao hospital.
2) Transportar o membro amputado junto ao paciente, dentro de isopor, nas
condições
acima citadas.

QUEIMADURAS

Queimaduras são lesões teciduais provocadas por agentes:
-físicos (calor, eletricidade, radiação);
-químicos (ácidos)
-biológicos (animal:água viva/ vegetal:urtiga)

Classificação:
Quanto à profundidade:
-1º grau: queimadura superficial, atinge a epiderme. Causa vermelhidão e
edema, com presença de dor moderada;
-2º grau: atinge a derme. Há presença de edema, flictenas. A dor é intensa,
pois há terminações nervosas sensitivas.
-3º grau: queimadura profunda, podendo atingir o tecido subcutâneo, músculos
e ossos. Apresenta área de necrose, sendo pouco sensível a dor.

Quanto a extensão:
-pequena queimadura: ≤ 10% da área corporal total;
-grande queimadura: > 10% da área corporal total;

Medidas de primeiros socorros:
-resfrie as queimaduras com panos limpos molhados em água corrente;
-não coloque qualquer produto sobre as queimaduras(óleos, pasta de dente...);
-não estoure as bolhas. Se estourarem, evite qualquer contato direto com
alesão;
-oferecer líquido para a vítima;
-procure atendimento hospitalar o mais rápido possível.

NÃO FAÇA:
NAO APLIQUE, GRAXAS, BICARBONATO DE SODIO OU OUTRAS
SUBSTANCIAS EM QUEIMADURAS. NAO RETIRE CORPOS ESTRANHOS
OU GRAXAS DAS LESOES. NAO FURE AS BOLHAS EXISTENTES.
NAO TOQUE COM AS MAOS A AREA AFETADA.

QUEIMADURA NOS OLHOS:
- Lavar os olhos com soro fisiológico.
- Vendar os olhos com gaze umedecida.
- Levar ao medico com urgência.

PICADAS DE ANIMAIS PEÇONHENTOS

Ação das peçonhas no homem:
-ação proteolítica: provoca necrose tecidual, devido a decomposição das
proteínas;
-ação neurotóxica: a peçonha age no sistema nervoso, causando
adormecimento ou formigamento no local afetado, alterações de consciência e
perturbações visuais;
-ação hemolítica: age destruindo as hemácias do sangue;
-ação coagulante: ocorre destruição do fibrinogênio de forma que o sangue se
torna incoagulável.

Exemplos:
-Jararacas e Surucucus (proteolítico e coagulante)
-Cascavel (hemolítico e neurotóxico)
-Coral (neurotóxico)
-Escorpiões e aranhas armadeiras (neurotóxico)
-Aranha marrom (hemolítico e proteolítico)
Algumas características das cobras venenosas:
-cabeça triangular com pescoço aparente;
-olhos pequenos;
-possuem fosseta lacrimal;
-escamas com desenhos irregulares;
-cauda curta, afinada;
-possuem 2 dentes(presas) bem maiores que os demais;
-as picadas apresentam a marca das presas;
-tem hábitos noturnos

Com exceção da coral, que a cabeça não é triangular, não tem o pescoço
destacado do resto do corpo e não possuem fossas lacrimais.

Medidas de primeiros socorros:

-lavar o local afetado com água e sabão, colocar compressas frias;
-não deixar que a vítima faça nenhum tipo de esforço;
-levar imediatamente ao hospital;
-não garrotear, nem furar próximo ao local para escoar o sangue, isso só
poderá piorar;
-tente chegar ao hospital em menos de 30 minutos, se possível, leve a cobra,
aranha ou escorpião.

TRANSPORTE DE FERIDOS

Transporte de um acidentado

A remoção ou movimentação de um acidentado deve ser feita com um máximo
de
cuidado, a fim de não agravar as lesões existentes. Antes da remoção da
vítima,
deve-se tomar as seguintes providências:
• se houver suspeita de fraturas no pescoço e nas costas, evite mover a
pessoa.;
• para puxá-la para um local seguro, mova-a de costas, no sentido do
comprimento
com o auxílio de um casaco ou cobertor;
• para erguê-la, você e mais duas pessoas devem apoiar todo o corpo e
colocá-la
numa tábua ou maca, lembrando que a maca é o melhor jeito de se transportar
uma vítima. Se precisar improvisar uma maca, use pedaços de madeira,
amarrando cobertores ou paletós;
• apóie sempre a cabeça, impedindo-a de cair para trás;
• se houver parada respiratória, inicie imediatamente a manobra de
ressuscitação;
• imobilize todos os pontos suspeitos de fratura;
• se houver suspeita de fraturas, amarre os pés do acidentado e o erga em
posição
horizontal, como um só bloco, levando-o até a maca;
• no caso de uma pessoa inconsciente, mas sem evidência de fraturas, duas
pessoas bastam para o levantamento e o transporte; e
• lembre-se sempre de não fazer movimentos bruscos.

Atenção
• movimente o acidentado o menos possível;
• evite arrancadas bruscas ou paradas súbitas durante o transporte;
• o transporte deve ser feito sempre em baixa velocidade, por ser mais seguro
e mais cômodo para a vítima; e
• não interrompa, sob nenhum pretexto, a respiração artificial ou a massagem
cardíaca, se estas forem necessárias. Nem mesmo durante o transporte.

Obs:Deve ser realizada após se prestar os Primeiros Socorros. Certas
manobras não devem ser interrompidas nem durante o transporte.

Métodos de transporte:
1-Vítimas conscientes e sem lesão grave:
- Transporte de apoio executado por uma pessoa;
- Transporte de apoio executado por 2 pessoas;
- Transporte em cadeirinha;
- Transporte em cadeira;
- Transporte pelas extremidades;

2-Vítimas inconscientes e pouco grave:
- Transporte em braço;
- Transporte nas costas;
- Transporte feito por 2 pessoas no colo;
- Transporte feito com cobertor ou colcha.

Intermação:
Também denominada exaustão pelo calor. Geralmente se deve à ação do calor
no decurso de trabalho muscular associado a um meio ambiente desfavorável.
Traduz a ação do calor em ambientes pouco arejados.

Insolação:
Geralmente decorre da exposição prolongada aos raios solares.

Sinais e sintomas:
Vertigem, cefaléia, cansaço, perda do apetite, náuseas, mal-estar, hipertermia,
cessação da sudorese, pele quente e seca. Pode ocorrer convulsões.

Medidas de primeiros socorros:
-remover a vítima para local arejado e fresco;
-diminuir a temperatura através de: aplicação de toalhas frias por todo o corpo;
compressas de álcool na superfície corpórea; banho em temperatura ambiente;
-estar atento ao estado geral da vítima (consciência e sinais vitais);
-se a vítima estiver consciente, oferecer bebidas frias(água, sucos).
Medidas preventivas:
-usar roupas leves;
-comer alimentos leves;
-manter-se em local fresco;
-não se expor ao sol;
-proteger-se dos raios solares, com guarda-sol, chapéus...

Fratura
É a quebra de um osso causada por uma pancada muito forte, uma queda ou
esmagamento.

Fratura fechada: quando ocorre a quebra de osso e , apesar do choque, a
pele permanece intacta, sem rompimento.
Sinais indicadores:
• dor ou grande sensibilidade em um osso ou articulação;
• incapacidade de movimentar a parte afetada, além do adormecimento ou
formigamento da região; e
• inchaço e pele arroxeada, acompanhado de deformação aparente do membro
machucado.

Fratura exposta: quando o osso quebrado sai do lugar, rompendo a pele e
deixando exposta uma de suas partes.
Sinais indicadores:
• os mesmos da fratura fechada;
• sangramentos e ferimento de pele.

Técnicas para imobilização de membros fraturados

-Amarre delicadamente o membro machucado (braços ou pernas) a uma
superfície,
como uma tábua, revista dobrada, vassoura ou outro objeto qualquer.
-Use tiras de pano, ataduras ou cintos, sem apertar muito para não dificultar a
circulação sanguínea.
-Utilize um pedaço grande de tecido com as pontas presas ao redor do
pescoço.
Isto serve para sustentar um braço em casos de fratura de punho, antebraço,
cotovelo, costelas ou clavícula .

Atenção
• Não movimente a vítima até imobilizar o local atingido.
• Solicite assistência médica; enquanto isso, mantenha a pessoa calma e
aquecida.
• Verifique se o ferimento não interrompeu a circulação sanguínea.
• Imobilize o osso ou articulação atingida com uma tala.
• Mantenha o local afetado em nível mais elevado que o resto do corpo e
aplique compressas de gelo para diminuir o inchaço, a dor e a progressão do
 hematoma.
• Só use a tipóia se o braço ferido puder ser flexionado sem dor ou se já estiver
dobrado.
No caso de fratura exposta proteja o ferimento e controle o seu
sangramento antes de imobilizar a região afetada.

Tome os seguintes cuidados:
• coloque gaze, lenço ou pano limpo sobre o ferimento;
• firme este curativo usando um cinto, uma gravata ou uma tira de
pano;
• estanque a hemorragia, se for o caso.
• deite o doente;
• coloque uma tala sem tentar colocar o membro em posição natural; e
• transporte o doente, só após a imobilização.
Uma atadura pode ser usada para imobilização de fratura, para
conter provisoriamente uma parte do corpo ou manter um curativo.

Na falta de ataduras, podemos improvisar com panos.

Entorse
É a torção de uma articulação, com lesão dos ligamentos (estrutura que
sustenta as articulações). A entorse se apresenta com dor local, impotência
funcional parcial e edema.

Medidas de primeiros socorros:
-aplicar gelo local por 20 minutos;
-imobilização provisória com ataduras;
-encaminhar ao médico.

Luxação
É a separação das superfícies articulares entre dois ossos(deslocamento).
 A luxação se caracteriza com dor intensa, impotência funcional, deformidade e
 edema progressivo.
Medidas de primeiros socorros:
-imobilizar as articulações;
-aplicar compressas frias ;
-encaminhar ao hospital.

Contusão
É a área afetada pela ação de objetos, pancadas, sem solução de continuidade
da pele.
Medidas de primeiros socorros:
-deve-se aplicar compressas frias ou bolsa de gelo por cerca de 20 minutos;
-encaminhar a vítima para um hospital.

LESÕES DA COLUNA CERVICAL

A coluna é constituída por 33 ossos sobrepostos, denominados vértebras, que
se estendem do crânio ao cóccix. Em seu interior se encontra a medula
espinhal, responsável pela condução dos impulsos nervosos aos diversos
segmentos do corpo. A lesão da coluna vertebral pode estar associada a lesão
de medula, ou esta ser provocada pela manipulação inadequada do paciente
durante as técnicas de primeiros socorros ou a remoção para o hospital.

Sinais e sintomas:
-dor intensa localizada;
-diminuição da sensibilidade(dormência,formigamento);
-pode haver paralisia abaixo da lesão;
-alterações da função respiratória;
-perda do controle vesical e intestinal.

Medidas de primeiros socorros:
-verificar e restabelecer as condições respiratórias;
-imobilizar primeiramente a região cervical;
-remover a vítima em superfície dura, com coxins sob a nuca, região lombar,
 joelhos e tornozelos.

TRAUMATISMO CRÂNIO-ENCEFÁLICO

TCE:
Os traumatismos crânio-encefálico decorrem geralmente de quedas acidentais
, atropelamentos, colisão de autos, ferimentos por arma de fogo...
A gravidade do TCE está condicionada principalmente à lesão cerebral.

Tipos de lesões:
1-Lesão do couro cabeludo (onde pode haver muito sangramento);
2-Lesões do arcabouço ósseo (fraturas)
3-Lesões cerebrais ( as lesões cerebrais podem ocorrer associadas ou não a
outras lesões do crânio).
       -comoção: não apresenta lesão do tecido nervoso, apenas um distúrbio
funcional do caráter transitório;
       -contusão: apresenta lesão anatômica do encéfalo, podendo ser
localizada ou difusa. Costuma ser mais grave que a comoção;
       - dilaceração: ocorre solução de continuidade do encéfalo associada a
perda de substância.

Os hematomas são as formas localizadas de hemorragia.

Condutas de emergência:

-geralmente um portador de TCE é antes de tudo um politraumatizado,portanto
é essencial o exame físico geral e o estabelecimento de prioridade no
tratamento;
-certifique-se de que não há fraturas na coluna cervical, antes de mobilizar a
cabeça e o pescoço da vítima;
-verifique seu nível de consciência, perturbação motora, perda de líquido
céfalorraquidiano pelo nariz, perda de massa encefálica pelo local do trauma.

O que podemos fazer como medida de emergência é proteger as áreas
atingidas, colocar a vítima em posição adequada, e levá-la o mais rápido
possível para o hospital.
Algumas complicações:
-Paraplegia: paralisia dos MMII
-Hemiplegia: paralisia da metade simétrica do corpo
-Tetraplegia: paralisia de todos os membros
-Paraparesia: diminuição da motricidade dos membros inferiores
-Midríase:pupilas dilatadas
-Miose: pupilas diminuidas.

DSTs
As DSTs são causadas por vírus , bactérias e parasitas.
Causadas por vírus:
-verrugas genitais;
-herpes genital;
-hepatite B;
-HIV (AIDS).

Causadas por bactérias:
-gonorréia;
-clamídia;
-cancro mole;
-sífilis.

Causadas por parasitas:
-escabiose(sarna);
-tricomoníase, candidíase.

As DSTs se manifestam em forma de corrimentos, verrugas e feridas.
Os sinais e sintomas não se manifestam da mesma forma em homens e
mulheres.
Ex: Gonorréia é mais visível no homem;
    Tricomoníase é mais visível na mulher.

A DST é transmitida pelo portador, mesmo sem estar manifestando a doença.
O tratamento deve ser feito por quem está com a doença manifestada e pelo
parceiro. O uso da camisinha deve ser em todas as relações.

O principal meio de transmissão da DST é através de relação sexual, porém,
algumas doenças são transmitidas através de gestação, parto, amamentação,
sangue infectado...( sífilis, hepatite B, HIV).

Complicações da sífilis: cegueira, mal-formação, distúrbios neurológicos,
surdez...
Importante:
    - Gonorréia: esterilidade na mulher, transmissão fácil pela mulher;
    - Sífilis: capaz de infectar qualquer órgão ou tecido;
    - Herpes genital: é muito comum. Aparecem bolhas que estouram e se
 transformam em feridinhas, que desaparecem e reaparecem;
    - Cancro mole: se apresenta com feridas no pênis, ânus e vulva.
Dicas:
      -Uso da camisinha em todas as relações sexuais;
      -Evitar o troca troca de parceiros;
      -Manter higiene adequada.

PRINCIPAIS DEPENDÊNCIAS QUÍMICAS
-Maconha: é a segunda droga mais consumida entre os jovens, perdendo para
o álcool. A droga aumenta a sensibilidade aos estímulos externos,
tranquilização, alucinações, delírios, agressividade, agitação, falta de atenção.

-Cocaína: altera o funcionamento do cérebro, provocando efeitos consideráveis
agradáveis, prazeirozos. Pode também elevar a pressão arterial e paralizar a
respiração, levando à morte.

-Sedativos: dependência.

-Alcoolismo: caracteriza-se por uma ingestão de bebida alcoólica que causa
algum tipo de prejuízo para a pessoa(familiar,físico, mental, profissional ou
social.
-síndrome da dependência: a bebida se torna prioridade e o indivíduo perde
 a noção do consumo

Fases do alcoolismo:
-Primeira fase: não ocorre dependência física. Torna a pessoa pouco tolerante.
-Segunda fase:o organismo se modifica. Aumenta a tolerância.
-Terceira fase:começa a dependência física, além da emocional. Começa crise
na família, pode haver internações.
-Quarta fase: ultima fase. Inicia-se a atrofia do cérebro.

Sinais de abstinência:
É a falta que o organismo sente do álcool depois de um tempo sem ingeri-lo. O
indivíduo é um depende do álcool.

Uma grave complicação do uso do álcool é a Cirrose Hepática, que ocorre a
destruição das células hepáticas, formação de tecidos cicatriciais e deficiência
regenerativa celular.

Segundo informações da Polícia Militar do Ceará, uma nova droga começou a
circular recentemente no Estado e é motivo de preocupação. O “oxi” tem um
efeito devastador nos usuários e na maioria dos casos é muito difícil largar o
vício.

Segundo especialistas, a nova droga é mais forte que o crack, e basta
experimentar uma única vez para ficar dependente. O oxi é feito com o que
sobra do refino da cocaína. Na composição, há substâncias como gasolina,
diesel e até solução de bateria. A droga já circula pelo país há 10 anos e agora
está ficando mais popular. O preço, mais barato que o crack, atrai
consumidores.
Conforme os órgãos de segurança, a droga é produzida na Bolívia e entra no
Brasil pelo Acre. O Ceará é uma das rotas utilizadas pelos traficantes para
enviar o produto para a Europa. A polícia acredita que a droga já circula por
aqui, e que a falta de fiscalização nas estradas pode ter contribuído para o
crescimento do consumo no Estado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
Rosemeire Moreira Souza
 
Primeiros socorros - Queimaduras
Primeiros socorros - QueimadurasPrimeiros socorros - Queimaduras
Primeiros socorros - Queimaduras
Rhuan Ornilo
 
Primeiros socorros (PRS 71) - Hemorragia
Primeiros socorros (PRS 71) - HemorragiaPrimeiros socorros (PRS 71) - Hemorragia
Primeiros socorros (PRS 71) - Hemorragia
Lucas Damasceno
 
Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros
Ane Costa
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
celsoricca
 
Curso aph samu sao paulo
Curso aph samu sao pauloCurso aph samu sao paulo
Curso aph samu sao paulo
leoege
 
Emergências clínicas
Emergências clínicasEmergências clínicas
Emergências clínicas
DiegoAugusto86
 
Atendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicosAtendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicos
Ana Hollanders
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
Rocha Neto
 
Ovace
OvaceOvace
Ovace
Gitomazi
 
PRIMEIROS SOCORROS CHOQUE ELETRICO
PRIMEIROS SOCORROS  CHOQUE ELETRICOPRIMEIROS SOCORROS  CHOQUE ELETRICO
PRIMEIROS SOCORROS CHOQUE ELETRICO
Rodrigo Camilo Araujo
 
1 slides animais peçonhentos
1   slides    animais peçonhentos1   slides    animais peçonhentos
1 slides animais peçonhentos
Zacarias Junior
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
ernandesrodriguesdasilva
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
DefesaCivilMatoGrosso
 
1 socorros
1 socorros1 socorros
1 socorros
andreportellaal
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
Janaína Lassala
 
Afogamento i
Afogamento iAfogamento i
Afogamento i
Regina de Oliveira
 
Aph
AphAph
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
Alessandro Silva
 

Mais procurados (20)

Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Primeiros socorros - Queimaduras
Primeiros socorros - QueimadurasPrimeiros socorros - Queimaduras
Primeiros socorros - Queimaduras
 
Primeiros socorros (PRS 71) - Hemorragia
Primeiros socorros (PRS 71) - HemorragiaPrimeiros socorros (PRS 71) - Hemorragia
Primeiros socorros (PRS 71) - Hemorragia
 
Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Curso aph samu sao paulo
Curso aph samu sao pauloCurso aph samu sao paulo
Curso aph samu sao paulo
 
Emergências clínicas
Emergências clínicasEmergências clínicas
Emergências clínicas
 
Atendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicosAtendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicos
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
Ovace
OvaceOvace
Ovace
 
PRIMEIROS SOCORROS CHOQUE ELETRICO
PRIMEIROS SOCORROS  CHOQUE ELETRICOPRIMEIROS SOCORROS  CHOQUE ELETRICO
PRIMEIROS SOCORROS CHOQUE ELETRICO
 
1 slides animais peçonhentos
1   slides    animais peçonhentos1   slides    animais peçonhentos
1 slides animais peçonhentos
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
1 socorros
1 socorros1 socorros
1 socorros
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Afogamento
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
 
Afogamento i
Afogamento iAfogamento i
Afogamento i
 
Aph
AphAph
Aph
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
 

Semelhante a Primeiros socorros completo

Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
Oberlania Alves
 
1ªaula - primeiros socorros.ppt
1ªaula - primeiros socorros.ppt1ªaula - primeiros socorros.ppt
1ªaula - primeiros socorros.ppt
AlexandrelindoVital1
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
Augusto Santos
 
\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS
miguel_ytchu
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
InstitutoVidaBsica
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
InstitutoVidaBsica
 
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
PRIMEIROS SOCORROS (2).pptPRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
Devanir Miranda
 
primeiros socorros básico.pptx
primeiros socorros básico.pptxprimeiros socorros básico.pptx
primeiros socorros básico.pptx
AtividadesdeEnfermag
 
Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-
MILLE19
 
Primeiros Socorros Amanda.pptx
Primeiros Socorros Amanda.pptxPrimeiros Socorros Amanda.pptx
Primeiros Socorros Amanda.pptx
AcisegSeguranadoTrab
 
Bombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorrosBombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorros
marceloteacher
 
Aula 01 primeiros socorros
Aula 01   primeiros socorrosAula 01   primeiros socorros
Aula 01 primeiros socorros
Legiane Bortoli
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
Instrutor Alessandro Leal
 
Aula 1 tst01 n
Aula 1 tst01 nAula 1 tst01 n
Aula 1 tst01 n
Rosemeire Moreira Souza
 
Aula 1 Primeiros Socorros.pdf
Aula 1 Primeiros Socorros.pdfAula 1 Primeiros Socorros.pdf
Aula 1 Primeiros Socorros.pdf
ontimiza
 
Sumário
SumárioSumário
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
Instrutor Alessandro Leal
 
Primeiros socorros 08 h [modo de compatibilidade]
Primeiros socorros 08 h [modo de compatibilidade]Primeiros socorros 08 h [modo de compatibilidade]
Primeiros socorros 08 h [modo de compatibilidade]
Fabiana Kotwiski
 
Primeiros Socorros Mirim
Primeiros Socorros MirimPrimeiros Socorros Mirim
Primeiros Socorros Mirim
José Alencar Peixoto
 
Primeirossocorros cartilha
Primeirossocorros cartilhaPrimeirossocorros cartilha
Primeirossocorros cartilha
Danilo Sousa
 

Semelhante a Primeiros socorros completo (20)

Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
 
1ªaula - primeiros socorros.ppt
1ªaula - primeiros socorros.ppt1ªaula - primeiros socorros.ppt
1ªaula - primeiros socorros.ppt
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
 
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
PRIMEIROS SOCORROS (2).pptPRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
 
primeiros socorros básico.pptx
primeiros socorros básico.pptxprimeiros socorros básico.pptx
primeiros socorros básico.pptx
 
Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-
 
Primeiros Socorros Amanda.pptx
Primeiros Socorros Amanda.pptxPrimeiros Socorros Amanda.pptx
Primeiros Socorros Amanda.pptx
 
Bombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorrosBombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorros
 
Aula 01 primeiros socorros
Aula 01   primeiros socorrosAula 01   primeiros socorros
Aula 01 primeiros socorros
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Aula 1 tst01 n
Aula 1 tst01 nAula 1 tst01 n
Aula 1 tst01 n
 
Aula 1 Primeiros Socorros.pdf
Aula 1 Primeiros Socorros.pdfAula 1 Primeiros Socorros.pdf
Aula 1 Primeiros Socorros.pdf
 
Sumário
SumárioSumário
Sumário
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Primeiros socorros 08 h [modo de compatibilidade]
Primeiros socorros 08 h [modo de compatibilidade]Primeiros socorros 08 h [modo de compatibilidade]
Primeiros socorros 08 h [modo de compatibilidade]
 
Primeiros Socorros Mirim
Primeiros Socorros MirimPrimeiros Socorros Mirim
Primeiros Socorros Mirim
 
Primeirossocorros cartilha
Primeirossocorros cartilhaPrimeirossocorros cartilha
Primeirossocorros cartilha
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
SolangeWaltre
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 

Último (20)

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 

Primeiros socorros completo

  • 1. PRIMEIROS SOCORROS Conceito: Os primeiros socorros são atendimentos básicos e simples prestados à vítima no local do acidente, a fim de prevenir ou diminuir danos à saúde da mesma e ainda salvar sua vida, mantendo os sinais vitais e evitando agravamento do seu estado. Quando devemos prestar esse tipo de socorro? Devemos prestar socorro sempre que a vítima não esteja em condições de cuidar de si própria. Os momentos seguintes do acidente são os mais importantes para garantir a recuperação e a sobrevivência do acidentado. Ao prestarmos essa assistência devemos manter a calma diante da situação, que muitas vezes provoca pânico, e agir com cautela. Se no local houver mais pessoas, devemos pedir ajuda, não esquecendo que somente uma pessoa deverá assumir a liderança, explicando aos demais o que deve ser feito. Um atendimento mal feito pode levar danos irreversíveis à vítima e até mesmo a morte. Portanto, também é importante que não nos esqueçamos de que os primeiros socorros não substitui a assistência de um médico, ou seja,imediatamente após os cuidados deve se providenciar atendimento médico. Caso uma pessoa não tenha condições de realizar os primeiros socorros, esta deve procurar socorro. Omitir socorro é crime. . ASPECTOS LEGAIS DO SOCORRISMO · OMISSÃO DE SOCORRO (ART. 135º DO CÓDIGO PENAL.) Todo cidadão é obrigado a prestar auxílio a quem esteja necessitando, tendo três formas para fazê-lo: atender, auxiliar quem esteja atendendo ou solicitar auxílio. Exceções da lei (em relação a atender e/ou auxiliar): menores de 16 anos, maiores de 65, gestantes a partir do terceiro mês, deficientes visuais, mentais e físicos (incapacitados). Telefones de emergência: CB: 193 SAMU: 192 PM: 190 “ A principal causa-morte pré-hospitalar é a falta de atendimento. A segunda é o socorro inadequado.” Socorrista e Atendente de Emergência: Socorrista é o profissional em atendimento de emergência, portanto, uma pessoa que possui somente o Curso Básico de Primeiros Socorros não é um Socorrista e sim um Atendente de Emergência. Importância das atividades de Primeiros Socorros a Bordo - Saber agir diante de uma emergência;
  • 2. - Conhecer os principais acidentes que possam ocorrer a bordo; - Conhecer técnicas a serem realizadas nos possíveis acidentes; - Poder ajudar a vítima, evitando complicações consequentes do acidente e até evitar a morte da mesma. Casos comuns que requerem realização dos primeiros socorros a bordo: -enjôo; -choques elétricos; -afogamentos com homem ao mar; -ferimentos generalizados; -hemorragias; -fraturas; -queimaduras; -insolação e intermação; -desmaios em geral; -estado de choque e coma. Importante: Ter sempre o cuidado de prevenir. -Quais situações de emergência o navio está sujeito? FACILITADORES DE ACIDENTES -Atos inseguros e, -Condições inseguras. Primeiras atitudes ao nos deparar com uma vítima: -manter a calma, transmitindo confiança, tranquilidade e segurança; -agir rapidamente, porém dentro dos seus limites; -use seus conhecimentos de primeiros socorros; -sinalize o local; -peça ajuda de pessoas especializadas; -afaste os curiosos; -improvise se necessário. Diante de um acidente devemos observar rapidamente toda a situação, para que possamos agir corretamente, atentando para: -quantas são e onde estão as vítimas; -quais os perigos iminentes; -se houver mais de 1 vítima, identificar quem precisa de primeiros socorros com mais urgência. ABCDE da vida: A- ABERTURA DAS VIAS AÉREAS COM CONTROLE CERVICAL B- BOA VENTILAÇÃO (RESPIRAÇÃO) C- CONTROLE HEMODINÃMICO (CIRCULAÇÃO / CONTROLE DAS HEMORRAGIAS) D- DÉFICIT NEUROLÓGICO-NÍVEL CONSCIÊNCIA (NÃO ADM NADA ORAL) E- EXPOSIÇÃO COMPLETA DA VÍTIMA(exame físico) E CONTROLE TÉRMICO
  • 3. TODA VÍTIMA DE TRAUMA POSSUI LESÃO CERVICAL ATÉ PROVAR O CONTRÁRIO! • PRIORIDADE ABSOLUTA (CHAMADO DE A B C DA VIDA) A ABERTURA DAS VIAS AÉREAS COM CONTROLE CERVICAL B BOA VENTILAÇÃO C CIRCULAÇÃO E CONTROLE DAS HEMORRAGIAS Os 10 mandamentos do socorrista ou atendente de emergência: 1.Manter a calma; 2.Ter em mente a seguinte ordem de segurança: Primeiro: o socorrista Segundo:os demais presentes na cena do acidente Em seguida: a vítima; 3.Ligar imediatamente para um socorro especializado; 4.Sempre verifique se há risco no local, para você e os demais, antes de agir no acidente; 5.Manter sempre o bom senso; 6.Manter o espírito de liderança, pedindo ajuda e afastando os curiosos; 7.Distribuir tarefas, assim as pessoas que poderiam atrapalhar lhe ajudarão e se sentirão mais úteis; 8.Evitar manobras intempestivas(realizadas de forma imprudente); 9.Em caso de múltiplas vítimas,dê preferência aquelas que correm maior risco de vida; 10.Seja socorrista e não herói(lembre-se do 2 mandamento). Noções de Biossegurança Conceito: São conjuntos de medidas de controle de infecção que devem ser adotadas durante todo e qualquer procedimento de risco de contaminação, visando interromper a cadeia de transmissão das doenças infecto-contagiosas. Como uma pessoa pode se contaminar? -Ar (tuberculose e gripe) -Sangue (hepatites, SIDA) -Fluidos corporais (secreções e vômitos) -Particulas disseminadas por vias aéreas que podem ser transmitidas pela tosse ou espirro. Exemplos de doenças que podem ser transmitidas: Sangue: SIDA, hepatites B ou C; Pele: herpes, escabiose, hanseníase...; Respiração : tuberculose, meningite, gripe...; Mucosas: herpes labial, conjuntivite...; Fezes: hepatite A, diarréia infecciosa... Equipamentos de Proteção Individual (EPI)
  • 4. Funcionam como barreiras físicas que diminuem a probabilidade de transmissão de microorganismos. -luvas de látex -máscaras semi-facial (boca-nariz) -óculos protetor -capacete -protetor auricular -botas -vestuário adequado. SINAIS VITAIS Aliado ao exame da cabeça aos pés,os sinais vitais são valiosas fontes de informações, que permitem um diagnóstico provável do que está errado com a vítima e, o que é muito importante, quais são as medidas que devem ser tomadas para corrigir o problema. Os sinais vitais: -Temperatura -Pulso -Respiração -Pressão arterial(precisa-se de instrumento). Cor da pele: -vermelha (AVC,hipertensão arterial,ataque cardíaco, coma diabético) -pálida e cinzenta (choque, hemorragia) -azulada, cianótica (deficiência respiratória, arritmias,falta de oxigenação, doenças pulmonares, envenenamentos) Temperatura da pele: -fria e úmida (choque, hemorragias, perda de calor, intermação) -fria e seca (exposição ao frio, hipotermia) -fria com sudorese excessiva (choque, ataque cardíaco) -quente e seca (febre alta e insolação) -quente e úmida (infecções) Temperatura(valor normal) 36º a 37º C Respiração: valores normais Adulto: 12 a 20 rpm Criança(1 a 8 anos): 20 a 40 rpm Bebê: 40 a 60 rpm Medir a frequência respiratória em 1 minuto. Obs: eupnéia, apnéia, dispnéia, bradipnéia e taquipnéia Pulso: Adulto: 60 a 100 bpm
  • 5. Criança: 80 a 120 bpm Bebê: 85 a 160 bpm Obs: Normocardia, bradicardia e taquicardia. Usar o dedo médio e o indicador e contar por 60 segundos. Principais artérias utilizadas para aferição: radial, carótida e femural. OBS: Com a manutenção e estabilização dos sinais vitais(TPR) é que mantemos o equilíbrio fisiológico do organismo (homeostase), conservando a vida de uma vítima até a chegada do atendimento médico especializado. IMPORTANTE: VER, OUVIR E SENTIR. SINAIS DE APOIO Conceito: São os que fornecem mais informações sobre o estado da vítima. Não são prioritários, mas são válidos para mais informações. - motilidade – avaliamos lesões musculares e déficit neurológico. Avaliamos pela observação e solicitando ações à vítima. Só pode ser avaliada nas pessoas conscientes. -sensibilidade – idem ao anterior - fotorreatividade pupilar (pupilas dilatadas chamam-se midríase e contraídas chamam-se miose). Midríase paralítica pode ser indicativo de hipóxia cerebral, edema intracraniano, hipovolemia, TCE. Miose pode indicar envenenamento, intoxicação. Utiliza-se uma lanterna clínica para avaliação e independe do estado de consciência da vítima. - enchimento capilar . ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS Choque Conceito: O choque é um estado causado por uma diminuição do fluxo sanguíneo adequado à manutenção da perfusão tecidual sistêmica,ocasionando prejuízos à função celular. São classificadas de acordo com a sua causa determinante da seguinte maneira: -choque hipovolêmico (perda de sangue e perda de líquidos extracelular); -choque cardiogênico (insuficiência miocárdica); -choque periférico ou distributivo (relacionados a graves infecções bacterianas). Sinais e sintomas: Palidez, pele fria e úmida,suor frio ,pulso rápido e fraco, respiração curta e rápida, náuseas e vômitos, sensação de sede, extremidades cianóticas, sensação de frio e tremores, visão nublada e inconsciência. Medidas de primeiros socorros: -faça uma breve inspeção da vítima e estabeleça as prioridades;
  • 6. -tente eliminar ou controlar a causa do choque; -revise os sinais vitais: mantenha as vias respiratórias desobstruídas, verifique a respiração, a pulsação e o nível de consciência; -se a vítima estiver consciente e respirando bem, deite-a com a cabeça mais baixa que o tronco e as pernas, exceto quando houver suspeitas de fraturas; -se houver sangramento pela boca ou nariz, vômitos ou muita salivação, coloque a vítima na posição lateral; -afrouxe as vestes da vítima para facilitar a circulação sanguínea, e mantenha- a agasalhada e protegida. Desmaio È uma manifestação clínica que se caracteriza por perda da consciência temporária de curta duração. Causas: Fome, excesso de esforço físico, contusões, choques emocionais, arritmias... Sinais e sintomas: -escurecimento das vistas; -sudorese fria; -dificuldade respiratória; -náuseas, vômitos; -perda da consciência com queda do corpo; -relaxamento muscular; -palidez; Medidas de primeiros socorros: -deitar a vítima com a cabeça mais baixa em relação ao resto do corpo; -afrouxar as vestes; -ficar atento aos sinais vitais; -elevar as pernas da vítima; Se o desmaio persistir, aqueça a vítima e procure socorro médico. O ideal é saber prevenir o desmaio. Convulsões: São contrações involuntárias dos músculos esqueléticos produzidas por alterações das funções cerebrais, que duram por poucos minutos. Causas: São mais frequentes em epilepsias (distúrbio que acomete o SNC), traumatismo crânio-encefálico, tumores, hipertermia... Sinas e sintomas: -perda da consciência e queda ao chão; -contrações involuntárias dos músculos do corpo e da face, inclusive da língua, travamento dos dentes; -lábios roxos e salivação excessiva; -respiração forte e irregular;
  • 7. -pode apresentar cianose, devido à dificuldade respiratória relacionada ao tempo de duração da crise; -pode apresentar evacuação ou diurese após a crise. Medidas de primeiros socorros: -afaste a vítima se o local oferecer perigo, e afaste objetos que também possam oferecer perigo; -proteja a cabeça da vítima e deixe-a se bater; -evite a queda da língua, colocando um pedaço de pano e retire qualquer resto de alimentos e prótese dentária; -coloque-a na posição lateral; -passada a crise, oriente a vítima a procurar assistência médica. OBS: Nunca ofereça líquidos ou jogue água sobre a vítima durante a crise. Parada Cardio-respiratória Conceito: Situação em que clinicamente não são perceptíveis movimentos respiratórios e batimentos cardíacos. A parada cardíaca é estudada juntamente com a parada respiratória porque uma situação sempre chama a outra, exigindo procedimentos conjuntos para manter os dois principais sinais vitais. A PCR leva a morte em poucos minutos(pode ocorrer entre 3 a 5 min) ou a danos irreversíveis, causados por falta de oxigênio no cérebro. Possíveis causas de PCR: -choque elétrico; -inalação de gases venenosos; -afogamento ou asfixia; -reação medicamentosa; -intoxicação; -arritmias,infarto agudo do miocárdio(IAM) Sinais e sintomas da PCR: -inconsciência; -palidez excessiva; -ausência de pulsação; -pupilas dilatadas; -pele, extremidades e lábios azulados(cianose); -ausência de movimentos respiratórios; Técnicas de reanimação respiratória: (boca-a-boca/ boca-máscara/ aparelhos) - Deite a vítima de costas sobre uma superfície dura; - Retire da boca da vítima próteses ou restos de alimentos; - Eleve suavemente o queixo da vítima, inclinando sua cabeça para trás; - Tape as narinas com seu polegar e indicador e abra a boca da vítima completamente;
  • 8. - Inspire fundo e sopre na boca da vítima sem deixar escapar o ar. - Se não houver pulsação, efetue ao mesmo tempo a massagem cardíaca. Obs: Não inclinar a cabeça da vítima para trás no caso de suspeita de trauma cervical. Técnicas de reanimação cardíaca: -coloque a vítima deitada em superfície rígida; -ajoelhe-se ao seu lado; -com os braços esticados apóie as duas mãos, com os dedos entrelaçados , sobre o peito da vítima(sobre o terço inferior do esterno) -utilizando o peso do seu corpo, faça compressões curtas e fortes comprimindo e aliviando naturalmente(cerca de 2 movimentos por segundo). Obs: Essa técnica só pode ser realizada na absoluta certeza de que não há movimentos cardíacos. ■ 1 socorrista ou 2 socorristas: fazer 30 compressões para 2 ventilações. Em crianças a manobra é feita com uma mão e em bebês com apenas 2 dedos e, a ventilação é feita boca e nariz. Nos casos de parada cardíaca súbita, quando os leigos realizam apenas a compressão torácica, o benefício pode ser maior. O coração está parado e as massagens no tórax fazem o sangue circular novamente nos órgãos vitais. A ventilação é importante, depois de oito, dez minutos. Antes disso, há reserva suficiente de oxigênio, a não ser nos casos de afogamento e hipoxia (baixa oxigenação). Portanto, nos primeiros minutos depois da parada cardíaca, fazer compressão torácica sem respiração boca-a- boca é muito melhor do que não fazer nada. As novas diretrizes para o trabalho de ressuscitação deixam claro que a compressão torácica tem de ser de boa qualidade. Já existem serviços de emergência na Europa e nos Estados Unidos recomendando começar por ela e só depois fazer a respiração boca-a- boca.  COMPLICAÇÕES NA RCP : PODEM OCORRER MAS NÃO SÃO INDICATIVOS OBRIGATÓRIOS DE INTERRUPÇÃO DA RCP. - FRATURAS DE COSTELAS - EM PRINCÍPIO CONTINUAMOS. ● CONTRA-INDICAÇÕES DA RCP (SÃO AS SITUAÇÕES QUE, QUANDO ENCONTRADAS, JÁ SÃO INDICATIVOS PARA A NÃO REALIZAÇÃO DO PROCEDIMENTO DE RCP, PORÉM, EM CERTOS CASOS, A DECISÃO DE CONTINUAR OU NÃO FICARÁ A CRITÉRIO DO SOCORRISTA) ¨ PCR POR TRAUMA DE TÓRAX ¨ VÍTIMAS COM DOENÇAS EM ESTÁGIO TERMINAL ¨ VÍTIMAS COM MAIS DE 75 ANOS ¨ PCR OCORRIDA A MAIS DE 15 MINUTOS ¨ SURGIMENTO DE RIGIDEZ CADAVÉRICA
  • 9. Hemorragia É a perda sanguínea consequente do rompimento de um ou mais vasos (veias ou artérias). O controle da hemorragia deve ser realizado imediatamente, pois pode levar à morte. Tipos de hemorragia: venosa: devido a lesão de uma ou mais veias ; arterial: devido a lesão de uma ou mais artérias. Classificação: -interna: resultado de ferimento profundo com rompimento de vasos sanguíneos dentro do corpo, sem solução de continuidade da pele; -externa: o local de sangramento é visível através da solução de continuidade da pele e tecidos. Fatores determinantes da gravidade da hemorragia: -volume de sangue perdido -calibre do vaso rompido -velocidade da perda de sangue. Sinais e sintomas: Dependendo da gravidade da hemorragia, a vítima pode apresentar: palidez intensa, mucosa hipocorada,pulso rápido e fino, respiração rápida e superficial, vertigens, náuseas e vômitos, sudorese fria, sensação de sede e desmaio. Medidas de primeiros socorros: -afrouxar as vestes da vítima; - manter a área afetada mais elevada em relação ao resto do corpo; - estancar a hemorragia por cerca de 10 minutos e repetir se necessário; - fazer curativo compressivo no local; - se o sangramento persistir através do curativo, ponha novas ataduras sem retirar as anteriores; - se ainda persistir, pressionar a artéria contra o osso, no segmento que antecede o ferimento Torniquete Só deve ser aplicado em casos extremos e como ultimo recurso, quando não há a parada do sangramento. Hemorragia Nasal O que fazer? -Colocar a vítima sentada; -Inclinar a cabeça para trás; -Comprimir a narina que sangra; -Colocar compressas frias sobre o nariz;
  • 10. Se a hemorragia persistir volte a pressionar a narina e procure atendimento médico. Hemorragia dos pulmões (hemoptise) -coloque a vítima em repouso; -mantenha-a calma e oriente-a a não falar; -procure auxílio médico. O sangue nesse tipo de hemorragia é vermelho claro, com bolhas de ar. Hemorragia do estômago (hematêmese) -coloque a vítima em decúbito dorsal, sem travesseiro; -coloque bolsa de gelo na região epigástrica; -mantenha-a em jejum absoluto; -procure auxílio médico. O sangue nesse tipo de hemorragia é vermelho escuro, e pode haver restos de alimentos. Hemorragia genital(metrorragia) -coloque a vítima em repouso com os MMII elevados; -coloque uma bolsa de gelo na região suprapúlbica e faça tamponamento; -procure um médico imediatamente Hemorragias internas em geral A conduta deve ser procurar imediatamente atendimento especializado,enquanto se mantém o acidentado deitado com a cabeça mais baixa que o corpo, e as pernas elevadas para melhorar o retorno sanguíneo. Este procedimento é o padrão para prevenir o estado de choque. Nos casos de suspeita de fratura de crânio, lesão cerebral ou quando houver dispnéia, a cabeça deve ser mantida elevada. Aplicar compressas frias ou saco de gelo onde houver suspeita de hemorragia interna. Se não for possível, usar compressas úmidas. Afogamento Procedimentos em caso de afogamento No caso de afogamento: • não perder tempo tentando retirar água dos pulmões da vítima; • checar imediatamente os sinais vitais (análise primária); • não havendo respiração ou pulso, iniciar as técnicas de ressuscitação imediatamente; • mantenha a vítima aquecida; • ministre o oxigênio; • trate o estado de choque; • não tente resgatar ninguém da água, se você não for treinado para isso. Apenas jogue algum material flutuante para a vítima agarrar e chame por socorro especializado (salva-vidas). Choque elétrico
  • 11. A passagem de corrente elétrica pelo corpo pode produzir um formigamento ou uma leve contração dos músculos, ou ainda uma sensação dolorosa. Choques mais intensos podem lesar músculos ou paralisar o coração. Podem paralisar também a respiração e, nesse caso, se o acidentado não for socorrido dentro de poucos minutos, a morte sobrevêm. A intensidade do choque depende dos seguintes fatores: • valor da tensão; • área de contato do corpo com o componente eletrificado; • pressão com que é feito o contato; e • umidade existente na superfície do contato. Procedimentos em caso de choque elétrico • desligue o aparelho da tomada ou a chave geral; • se tiver que usar as mãos para remover uma pessoa, envolva-as em jornal ou um saco de papel; e • empurre ou puxe a vítima para longe da fonte de eletricidade com um objeto seco, não-condutor de corrente, como um cabo de vassoura, tábua, corda seca,cadeira de madeira ou bastão de borracha. O que fazer • se houver parada cardio-respiratória, aplique a ressuscitação; • cubra as queimaduras com uma gaze ou com um pano bem limpo; • se a pessoa estiver consciente, deite-a de costas, com as pernas elevadas. Se estiver inconsciente, deite-a de lado; • se necessário, cubra a pessoa com um cobertor e mantenha-a calma; • procure ajuda médica imediatamente. CORPOS ESTRANHOS É quando há a introdução acidental de corpos estranhos nas vias, que podem ser: partículas de poeiras, cacos de vidro, moedas... Sinais e sintomas: -tosse; -sufocamento; -engasgamento. Nos olhos: não esfregar nem tentar retirar objetos encravados no globo ocular. Se for apenas partículas de poeira, lavar bastante com água corrente, se for outra coisa, tapar a vista e encaminhar com urgência ao hospital. Nariz: normalmente acontece com crianças, colocam caroço de feijão, sementes..no nariz. Deve ser removido imediatamente, pois pode sufocar e prejudicar a respiração. Nesse caso colocamos um de nossos dedos para tapar a narina livre e pedir a vítima que feche a boca e faça força para expelir o objeto. Caso não funcione, levar a vítima para o hospital.
  • 12. Ouvidos: também comum em crianças. Devemos colocar um pouco de óleo de cozinha frio no ouvido com o objeto, pingue 10 gotas de óleo e deixe por cerca de 5 minutos. Em seguida peça a vítima para inverter a posição para expelir o objeto. Caso não saia, levar a vítima para o hospital. Garganta: requer ação imediata, pois corre o risco de asfixia e parada respiratória. Pega-se a vítima por trás, abraça-lhe com um de nossos braços na altura do diafragma, coloca-se uma de nossas pernas entre as do paciente e incline-o para frente, com nossa outra mão, em forma de concha, dê-lhe algumas palmadas nas costas entre os pulmões. No mesmo instante, com o braço que está em volta, faça compressões no diafragma. Outros corpos estranhos cravados no corpo, como pedaço de pau, pregos...não devem ser retirados pelo socorrista. Deve-se proteger o local e encaminhar ao hospital. Obs: Quando a vítima estiver deitada: -posicionar a vítima em decúbito dorsal; -ajoelhar-se ao lado da vítima; -posicionar a palma da mão sobre o abdome da vítima, entre o apêndice xifóide e a cicatriz umbilical, mantendo as mãos sobrepostas -aplica 4 compressões. Intoxicações e envenenamentos Tóxico ou envenenamento é qualquer substância que introduzida no organismo provoca graves alterações em um ou mais sistemas fisiológicos. Vias de penetração: -pele: contato com substâncias tóxicas; -via digestiva: ingestão de substância tóxica, química ou natural; -vias respiratórias: aspiração de vapores ou gases tóxicos. Geralmente há o comprometimento de vários aparelhos, causando alterações, que podem ser: -neurológicas: distúrbios mentais, delírios, alucinações(cocaína), convulsões(anfetaminas), midríase e miose(cafeína); -gástricas: náuseas, vômitos, diarréia e dor abdominal; -respiratórias:pode haver oscilação(dispnéia, bradipnéia, taquipnéia e até apnéia); -circulatória:variam desde alterações no ritmo, frequência, pressão arterial e estado de choque(chumbinho); -urinário:mais comum a anúria. Medidas de primeiros socorros: Todos os casos devem ser encaminhados ao atendimento especializado. -devemos induzir o vômito, desde que a vítima não esteja inconsciente, e o veneno não seja cáustico( com água morna, ou com o dedo); -não provocar o vômito se for veneno cáustico, acido ou derivado do petróleo;
  • 13. -após o vômito, oferecer a vítima um tipo de antídoto universal; -na pele: lavar imediatamente com água corrente e sabão. Retirar as roupas contaminadas o quanto antes, encaminhar ao hospital; -inalação: retirar a vítima do local com cuidado para um lugar arejado, não ofereça nada para beber nem comer, não provoque vômito. -sempre que possível, levar a embalagem do veneno para o hospital. CONTAMINAÇÃO DOS OLHOS - Lave com água ou soro fisiológico mantendo as pálpebras abertas até chegar ao Hospital. FERIDAS Conceito: Ferida é uma lesão com continuidade da pele ou mucosa, devido à ação de um agente traumático. Tipos: -Escoriações ou abrasões: lesões superficiais, atingindo as primeiras camadas do revestimento cutâneo, geralmente provocadas pelo atrito com superfícies muito ásperas. -Feridas incisas: são provocadas por agentes cortantes. -Feridas contusas: são as que apresentam solução de continuidade da pele, associada a contusão. O dano tecidual depende do impacto. O local pode apresentar edemas, hematoma, bordas irregulares e dilaceradas. -Feridas penetrantes: são causadas por agentes perfurantes. A gravidade é avaliada de acordo com a profundidade da ferida, pois pode lesar órgãos e estruturas importantes. Medidas de Primeiros Socorros: a)Feridas superficiais: -lavar com água corrente e sabão; -secar com gaze ou pano limpo; -pode-se aplicar uma solução anti-séptica(povidine, methiolate..) -proteger o local, principalmente se houver perigo de contaminação; b)Feridas profundas: -dependendo da área atingida, a vítima pode apresentar complicações respiratórias, hemorragia, choque. Devemos tomar os devidos cuidados dando prioridade ao mais grave; -se houver hemorragia, usar o método de hemostasia adequado ao caso; -não retirar corpos estranhos entranhados no tecido lesado que ofereçam resistência; -limpar ao redor da ferida com água e sabão ou povidine; -proteger a área afetada e encaminhar a vítima para receber o tratamento definitivo. c)Feridas perfurantes do tórax:
  • 14. -vedar a ferida para impedir a penetração de ar na cavidade pleural,caso tenha sido lesada; -remover a vítima com urgência. d)Feridas perfurantes do abdome: -deixar a vítima em jejum; -não manipular órgãos expostos, nem tentar colocá-los no lugar; -cobrir a evisceração com compressa úmida para evitar ressecamento (necrose); -fixar com uma atadura; -manter a vítima em decúbito dorsal com os MMII fletidos; -encaminhá-lo ao hospital. e) Ferimentos na cabeça: Procedimentos: afrouxe suas roupas, mantenha a vitima deitada em Decúbito dorsal,agasalhada, faca compressas para conter hemorragias, removendo-a ao PS mais próximo. OBS: lembrar dos cuidados de lavar as mãos, não tocar diretamente na ferida, evitar falar e tossir sobre a mesma, não usar pós na ferida.Proteção contra tétano. Amputações traumáticas São lesões em que há separação de um membro ou de uma estrutura protuberante do corpo, podem ser causadas por objetos cortantes, por esmagamento ou por forças de tração. O que fazer? -Controlar hemorragia. - Tratar estado de choque, caso este esteja presente. - Fazer curativo úmido com soro fisiológico com leve compressão, usando compressa limpa. Como cuidar do segmento amputado? -Limpeza com solução salina, sem imersão em líquido. -Envolvê-lo em gaze estéril ou compressa limpa. - Proteger o membro amputado com dois sacos plásticos fechados. - Colocar o saco plástico em recipiente de isopor com gele ou água gelada. -Jamais colocar o segmento amputado em contado direto com gelo. ATENÇÃO ! 1) Transportar o paciente o mais rápido possível ao hospital. 2) Transportar o membro amputado junto ao paciente, dentro de isopor, nas condições acima citadas. QUEIMADURAS Queimaduras são lesões teciduais provocadas por agentes: -físicos (calor, eletricidade, radiação);
  • 15. -químicos (ácidos) -biológicos (animal:água viva/ vegetal:urtiga) Classificação: Quanto à profundidade: -1º grau: queimadura superficial, atinge a epiderme. Causa vermelhidão e edema, com presença de dor moderada; -2º grau: atinge a derme. Há presença de edema, flictenas. A dor é intensa, pois há terminações nervosas sensitivas. -3º grau: queimadura profunda, podendo atingir o tecido subcutâneo, músculos e ossos. Apresenta área de necrose, sendo pouco sensível a dor. Quanto a extensão: -pequena queimadura: ≤ 10% da área corporal total; -grande queimadura: > 10% da área corporal total; Medidas de primeiros socorros: -resfrie as queimaduras com panos limpos molhados em água corrente; -não coloque qualquer produto sobre as queimaduras(óleos, pasta de dente...); -não estoure as bolhas. Se estourarem, evite qualquer contato direto com alesão; -oferecer líquido para a vítima; -procure atendimento hospitalar o mais rápido possível. NÃO FAÇA: NAO APLIQUE, GRAXAS, BICARBONATO DE SODIO OU OUTRAS SUBSTANCIAS EM QUEIMADURAS. NAO RETIRE CORPOS ESTRANHOS OU GRAXAS DAS LESOES. NAO FURE AS BOLHAS EXISTENTES. NAO TOQUE COM AS MAOS A AREA AFETADA. QUEIMADURA NOS OLHOS: - Lavar os olhos com soro fisiológico. - Vendar os olhos com gaze umedecida. - Levar ao medico com urgência. PICADAS DE ANIMAIS PEÇONHENTOS Ação das peçonhas no homem: -ação proteolítica: provoca necrose tecidual, devido a decomposição das proteínas; -ação neurotóxica: a peçonha age no sistema nervoso, causando adormecimento ou formigamento no local afetado, alterações de consciência e perturbações visuais; -ação hemolítica: age destruindo as hemácias do sangue; -ação coagulante: ocorre destruição do fibrinogênio de forma que o sangue se torna incoagulável. Exemplos: -Jararacas e Surucucus (proteolítico e coagulante) -Cascavel (hemolítico e neurotóxico)
  • 16. -Coral (neurotóxico) -Escorpiões e aranhas armadeiras (neurotóxico) -Aranha marrom (hemolítico e proteolítico) Algumas características das cobras venenosas: -cabeça triangular com pescoço aparente; -olhos pequenos; -possuem fosseta lacrimal; -escamas com desenhos irregulares; -cauda curta, afinada; -possuem 2 dentes(presas) bem maiores que os demais; -as picadas apresentam a marca das presas; -tem hábitos noturnos Com exceção da coral, que a cabeça não é triangular, não tem o pescoço destacado do resto do corpo e não possuem fossas lacrimais. Medidas de primeiros socorros: -lavar o local afetado com água e sabão, colocar compressas frias; -não deixar que a vítima faça nenhum tipo de esforço; -levar imediatamente ao hospital; -não garrotear, nem furar próximo ao local para escoar o sangue, isso só poderá piorar; -tente chegar ao hospital em menos de 30 minutos, se possível, leve a cobra, aranha ou escorpião. TRANSPORTE DE FERIDOS Transporte de um acidentado A remoção ou movimentação de um acidentado deve ser feita com um máximo de cuidado, a fim de não agravar as lesões existentes. Antes da remoção da vítima, deve-se tomar as seguintes providências: • se houver suspeita de fraturas no pescoço e nas costas, evite mover a pessoa.; • para puxá-la para um local seguro, mova-a de costas, no sentido do comprimento com o auxílio de um casaco ou cobertor; • para erguê-la, você e mais duas pessoas devem apoiar todo o corpo e colocá-la numa tábua ou maca, lembrando que a maca é o melhor jeito de se transportar uma vítima. Se precisar improvisar uma maca, use pedaços de madeira, amarrando cobertores ou paletós; • apóie sempre a cabeça, impedindo-a de cair para trás; • se houver parada respiratória, inicie imediatamente a manobra de ressuscitação; • imobilize todos os pontos suspeitos de fratura;
  • 17. • se houver suspeita de fraturas, amarre os pés do acidentado e o erga em posição horizontal, como um só bloco, levando-o até a maca; • no caso de uma pessoa inconsciente, mas sem evidência de fraturas, duas pessoas bastam para o levantamento e o transporte; e • lembre-se sempre de não fazer movimentos bruscos. Atenção • movimente o acidentado o menos possível; • evite arrancadas bruscas ou paradas súbitas durante o transporte; • o transporte deve ser feito sempre em baixa velocidade, por ser mais seguro e mais cômodo para a vítima; e • não interrompa, sob nenhum pretexto, a respiração artificial ou a massagem cardíaca, se estas forem necessárias. Nem mesmo durante o transporte. Obs:Deve ser realizada após se prestar os Primeiros Socorros. Certas manobras não devem ser interrompidas nem durante o transporte. Métodos de transporte: 1-Vítimas conscientes e sem lesão grave: - Transporte de apoio executado por uma pessoa; - Transporte de apoio executado por 2 pessoas; - Transporte em cadeirinha; - Transporte em cadeira; - Transporte pelas extremidades; 2-Vítimas inconscientes e pouco grave: - Transporte em braço; - Transporte nas costas; - Transporte feito por 2 pessoas no colo; - Transporte feito com cobertor ou colcha. Intermação: Também denominada exaustão pelo calor. Geralmente se deve à ação do calor no decurso de trabalho muscular associado a um meio ambiente desfavorável. Traduz a ação do calor em ambientes pouco arejados. Insolação: Geralmente decorre da exposição prolongada aos raios solares. Sinais e sintomas: Vertigem, cefaléia, cansaço, perda do apetite, náuseas, mal-estar, hipertermia, cessação da sudorese, pele quente e seca. Pode ocorrer convulsões. Medidas de primeiros socorros: -remover a vítima para local arejado e fresco; -diminuir a temperatura através de: aplicação de toalhas frias por todo o corpo; compressas de álcool na superfície corpórea; banho em temperatura ambiente; -estar atento ao estado geral da vítima (consciência e sinais vitais); -se a vítima estiver consciente, oferecer bebidas frias(água, sucos).
  • 18. Medidas preventivas: -usar roupas leves; -comer alimentos leves; -manter-se em local fresco; -não se expor ao sol; -proteger-se dos raios solares, com guarda-sol, chapéus... Fratura É a quebra de um osso causada por uma pancada muito forte, uma queda ou esmagamento. Fratura fechada: quando ocorre a quebra de osso e , apesar do choque, a pele permanece intacta, sem rompimento. Sinais indicadores: • dor ou grande sensibilidade em um osso ou articulação; • incapacidade de movimentar a parte afetada, além do adormecimento ou formigamento da região; e • inchaço e pele arroxeada, acompanhado de deformação aparente do membro machucado. Fratura exposta: quando o osso quebrado sai do lugar, rompendo a pele e deixando exposta uma de suas partes. Sinais indicadores: • os mesmos da fratura fechada; • sangramentos e ferimento de pele. Técnicas para imobilização de membros fraturados -Amarre delicadamente o membro machucado (braços ou pernas) a uma superfície, como uma tábua, revista dobrada, vassoura ou outro objeto qualquer. -Use tiras de pano, ataduras ou cintos, sem apertar muito para não dificultar a circulação sanguínea. -Utilize um pedaço grande de tecido com as pontas presas ao redor do pescoço. Isto serve para sustentar um braço em casos de fratura de punho, antebraço, cotovelo, costelas ou clavícula . Atenção • Não movimente a vítima até imobilizar o local atingido. • Solicite assistência médica; enquanto isso, mantenha a pessoa calma e aquecida. • Verifique se o ferimento não interrompeu a circulação sanguínea. • Imobilize o osso ou articulação atingida com uma tala. • Mantenha o local afetado em nível mais elevado que o resto do corpo e aplique compressas de gelo para diminuir o inchaço, a dor e a progressão do hematoma. • Só use a tipóia se o braço ferido puder ser flexionado sem dor ou se já estiver dobrado.
  • 19. No caso de fratura exposta proteja o ferimento e controle o seu sangramento antes de imobilizar a região afetada. Tome os seguintes cuidados: • coloque gaze, lenço ou pano limpo sobre o ferimento; • firme este curativo usando um cinto, uma gravata ou uma tira de pano; • estanque a hemorragia, se for o caso. • deite o doente; • coloque uma tala sem tentar colocar o membro em posição natural; e • transporte o doente, só após a imobilização. Uma atadura pode ser usada para imobilização de fratura, para conter provisoriamente uma parte do corpo ou manter um curativo. Na falta de ataduras, podemos improvisar com panos. Entorse É a torção de uma articulação, com lesão dos ligamentos (estrutura que sustenta as articulações). A entorse se apresenta com dor local, impotência funcional parcial e edema. Medidas de primeiros socorros: -aplicar gelo local por 20 minutos; -imobilização provisória com ataduras; -encaminhar ao médico. Luxação É a separação das superfícies articulares entre dois ossos(deslocamento). A luxação se caracteriza com dor intensa, impotência funcional, deformidade e edema progressivo. Medidas de primeiros socorros: -imobilizar as articulações; -aplicar compressas frias ; -encaminhar ao hospital. Contusão É a área afetada pela ação de objetos, pancadas, sem solução de continuidade da pele. Medidas de primeiros socorros: -deve-se aplicar compressas frias ou bolsa de gelo por cerca de 20 minutos; -encaminhar a vítima para um hospital. LESÕES DA COLUNA CERVICAL A coluna é constituída por 33 ossos sobrepostos, denominados vértebras, que se estendem do crânio ao cóccix. Em seu interior se encontra a medula espinhal, responsável pela condução dos impulsos nervosos aos diversos segmentos do corpo. A lesão da coluna vertebral pode estar associada a lesão
  • 20. de medula, ou esta ser provocada pela manipulação inadequada do paciente durante as técnicas de primeiros socorros ou a remoção para o hospital. Sinais e sintomas: -dor intensa localizada; -diminuição da sensibilidade(dormência,formigamento); -pode haver paralisia abaixo da lesão; -alterações da função respiratória; -perda do controle vesical e intestinal. Medidas de primeiros socorros: -verificar e restabelecer as condições respiratórias; -imobilizar primeiramente a região cervical; -remover a vítima em superfície dura, com coxins sob a nuca, região lombar, joelhos e tornozelos. TRAUMATISMO CRÂNIO-ENCEFÁLICO TCE: Os traumatismos crânio-encefálico decorrem geralmente de quedas acidentais , atropelamentos, colisão de autos, ferimentos por arma de fogo... A gravidade do TCE está condicionada principalmente à lesão cerebral. Tipos de lesões: 1-Lesão do couro cabeludo (onde pode haver muito sangramento); 2-Lesões do arcabouço ósseo (fraturas) 3-Lesões cerebrais ( as lesões cerebrais podem ocorrer associadas ou não a outras lesões do crânio). -comoção: não apresenta lesão do tecido nervoso, apenas um distúrbio funcional do caráter transitório; -contusão: apresenta lesão anatômica do encéfalo, podendo ser localizada ou difusa. Costuma ser mais grave que a comoção; - dilaceração: ocorre solução de continuidade do encéfalo associada a perda de substância. Os hematomas são as formas localizadas de hemorragia. Condutas de emergência: -geralmente um portador de TCE é antes de tudo um politraumatizado,portanto é essencial o exame físico geral e o estabelecimento de prioridade no tratamento; -certifique-se de que não há fraturas na coluna cervical, antes de mobilizar a cabeça e o pescoço da vítima; -verifique seu nível de consciência, perturbação motora, perda de líquido céfalorraquidiano pelo nariz, perda de massa encefálica pelo local do trauma. O que podemos fazer como medida de emergência é proteger as áreas atingidas, colocar a vítima em posição adequada, e levá-la o mais rápido possível para o hospital.
  • 21. Algumas complicações: -Paraplegia: paralisia dos MMII -Hemiplegia: paralisia da metade simétrica do corpo -Tetraplegia: paralisia de todos os membros -Paraparesia: diminuição da motricidade dos membros inferiores -Midríase:pupilas dilatadas -Miose: pupilas diminuidas. DSTs As DSTs são causadas por vírus , bactérias e parasitas. Causadas por vírus: -verrugas genitais; -herpes genital; -hepatite B; -HIV (AIDS). Causadas por bactérias: -gonorréia; -clamídia; -cancro mole; -sífilis. Causadas por parasitas: -escabiose(sarna); -tricomoníase, candidíase. As DSTs se manifestam em forma de corrimentos, verrugas e feridas. Os sinais e sintomas não se manifestam da mesma forma em homens e mulheres. Ex: Gonorréia é mais visível no homem; Tricomoníase é mais visível na mulher. A DST é transmitida pelo portador, mesmo sem estar manifestando a doença. O tratamento deve ser feito por quem está com a doença manifestada e pelo parceiro. O uso da camisinha deve ser em todas as relações. O principal meio de transmissão da DST é através de relação sexual, porém, algumas doenças são transmitidas através de gestação, parto, amamentação, sangue infectado...( sífilis, hepatite B, HIV). Complicações da sífilis: cegueira, mal-formação, distúrbios neurológicos, surdez... Importante: - Gonorréia: esterilidade na mulher, transmissão fácil pela mulher; - Sífilis: capaz de infectar qualquer órgão ou tecido; - Herpes genital: é muito comum. Aparecem bolhas que estouram e se transformam em feridinhas, que desaparecem e reaparecem; - Cancro mole: se apresenta com feridas no pênis, ânus e vulva.
  • 22. Dicas: -Uso da camisinha em todas as relações sexuais; -Evitar o troca troca de parceiros; -Manter higiene adequada. PRINCIPAIS DEPENDÊNCIAS QUÍMICAS -Maconha: é a segunda droga mais consumida entre os jovens, perdendo para o álcool. A droga aumenta a sensibilidade aos estímulos externos, tranquilização, alucinações, delírios, agressividade, agitação, falta de atenção. -Cocaína: altera o funcionamento do cérebro, provocando efeitos consideráveis agradáveis, prazeirozos. Pode também elevar a pressão arterial e paralizar a respiração, levando à morte. -Sedativos: dependência. -Alcoolismo: caracteriza-se por uma ingestão de bebida alcoólica que causa algum tipo de prejuízo para a pessoa(familiar,físico, mental, profissional ou social. -síndrome da dependência: a bebida se torna prioridade e o indivíduo perde a noção do consumo Fases do alcoolismo: -Primeira fase: não ocorre dependência física. Torna a pessoa pouco tolerante. -Segunda fase:o organismo se modifica. Aumenta a tolerância. -Terceira fase:começa a dependência física, além da emocional. Começa crise na família, pode haver internações. -Quarta fase: ultima fase. Inicia-se a atrofia do cérebro. Sinais de abstinência: É a falta que o organismo sente do álcool depois de um tempo sem ingeri-lo. O indivíduo é um depende do álcool. Uma grave complicação do uso do álcool é a Cirrose Hepática, que ocorre a destruição das células hepáticas, formação de tecidos cicatriciais e deficiência regenerativa celular. Segundo informações da Polícia Militar do Ceará, uma nova droga começou a circular recentemente no Estado e é motivo de preocupação. O “oxi” tem um efeito devastador nos usuários e na maioria dos casos é muito difícil largar o vício. Segundo especialistas, a nova droga é mais forte que o crack, e basta experimentar uma única vez para ficar dependente. O oxi é feito com o que sobra do refino da cocaína. Na composição, há substâncias como gasolina, diesel e até solução de bateria. A droga já circula pelo país há 10 anos e agora está ficando mais popular. O preço, mais barato que o crack, atrai consumidores.
  • 23. Conforme os órgãos de segurança, a droga é produzida na Bolívia e entra no Brasil pelo Acre. O Ceará é uma das rotas utilizadas pelos traficantes para enviar o produto para a Europa. A polícia acredita que a droga já circula por aqui, e que a falta de fiscalização nas estradas pode ter contribuído para o crescimento do consumo no Estado.