SlideShare uma empresa Scribd logo
1
ESTADO DE SANTA CATARINA
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
4ª GERÊNCIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO
ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA SAAD ANTONIO SARQUIS
RUA SÃO LOURENÇO DO OESTE, 558-E – BAIRRO CRISTO REI
DIRETOR: PAULO SÉRGIO PAZ DE OLIVEIRA
ASSESSORES: NEUSA MULLER FERREIRA GARCIA
JOÃO PEDRO DALBOSCO
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 2018
Chapecó (SC), Abril de 2018.
2
1. Apresentação
A Escola de Educação Básica Saad Antônio Sarquis foi construída em área
de terra de 740.698 m², doada pela Prefeitura Municipal de Chapecó, através da Lei
nº 2.522 de 30/05/84.
A portaria E/299/88 através do Decreto nº 31.112/86, conjugado com a Lei nº
4.394/69, resolve criar junto à Escola de Rede Estadual o curso de Educação Pré-
escolar, com data em vigor de 18/08/88.
O decreto nº 512, de 06/09/99, autoriza o funcionamento do Curso de Ensino
Médio pelo parecer nº 181/CEE, de 20/07/99, com matrícula inicial de 94 alunos.
A Escola de Educação Básica Saad Antônio Sarquis está localizada na Rua
São Lourenço do Oeste, 558 E, no Bairro Cristo Rei de Chapecó-SC. Mantida pelo
Governo do Estado de Santa Catarina e administrada pela Secretaria de Estado da
Educação, será regida por este Projeto Político Pedagógico nos termos da
legislação em vigor.
A escola situa-se na região norte do município e conta com uma população de
baixa e media renda. São trabalhadores que matriculam seus filhos nesta Unidade
Escolar em busca de uma educação de qualidade para os mesmos.
3
Projeto Político Pedagógico
O Projeto Político Pedagógico, mais do que uma exigência legal, é a definição
de regras no ambiente escolar. É por meio dele que a comunidade escolar define
como deve ser organizada a escola, como deve se relacionar com a comunidade,
que disciplinas serão oferecidas, que estratégias devem ser valorizadas, quais os
critérios avaliação da aprendizagem, enfim, como a escola vai organizar o processo
formativo dos estudantes que estão sob sua responsabilidade.
É “Projeto” porque indica uma direção, é “Político” porque
resulta das relações de força existentes na escola e porque toma
partido sobre o que fazer e o que não fazer, é “Pedagógico” porque
pressupõe uma definição do tipo de ser humano que se quer formar.
Por isso o “Projeto Político-Pedagógico” deve ser entendido como
uma tomada de posição e um consenso possível da comunidade da
escola sobre o que se deve fazer para se formar os indivíduos que
esta comunidade crê que devam ser formados na escola.¹
O PPP constitui-se, portanto, como resultado de trabalho coletivo de
planejamento e, ao mesmo tempo, expressão de uma concepção de educação e de
escola que também deve servir de base para a sua construção.
A escola é um todo composto por diferentes partes que se articulam e
interagem em prol de uma educação de qualidade. Essa unidade do trabalho
educativo se consolida na construção coletiva do Projeto Político Pedagógico.²
4
IDEB da Unidade Escolar
Um dos dados que mostra o desenvolvimento dos nossos alunos é o IDEB
(Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). Na tabela abaixo podem ser
observados os índices registrados de 2005 a 2015 e metas a serem atingidas até
2021:
Ensino
Fundamental
IDEB
Observado
2005 2007 2009 2011 2013 2015
Anos Iniciais 4,5 5,3 5,0 5,8 7,0 6,5
Anos Finais 4,3 3,9 4,4 4,8 4,5 5,1
Ensino
Fundamental
Metas Projetadas
2007 2009 2011 2013 2015 2017 2019 2021
Anos Iniciais 4,5 4,9 5,3 5,5 5,8 6,0 6,3 6,5
Anos Finais 4,4 4,5 4,8 5,2 5,5 5,8 6,0 6,2
Fonte: Prova Brasil e Censo Escolar.
Avaliação
A avaliação do aproveitamento do aluno será contínua e de forma global,
mediante verificação de competências e da aprendizagem do conhecimento, em
atividades no ambiente escolar (provas, trabalhos individuais e em grupos,
apresentações, seminários...) bem como atividades extraclasse (pesquisas, tema de
casa...). A partir de 2017, a média bimestral para que o aluno seja considerado
aprovado será 6,0 (seis), onde os educandos terão que atingir a soma de 24 (vinte e
quatro) pontos nos quatro bimestres. Outra mudança importante é que, a partir deste
ano não teremos mais os exames finais, de acordo com a Portaria nº189/2017.
Ou, seja, aqueles que não atingirem a média anual 6,0 (seis), incluídos os
procedimentos próprios de recuperação paralela, o aluno será considerado
reprovado.
5
A avaliação do processo de ensino-aprendizagem, de acordo com a
Resolução nº 183/2013, e pela Portaria nº189/2017, busca possibilitar o
aperfeiçoamento do processo de ensino-aprendizagem, melhorando o desempenho
do aluno quanto à apropriação de competências e conhecimentos em cada área de
estudos e atividades escolares, acompanhando o desempenho docente e as
condições físicas e materiais que substanciam esse processo.
Para efeito de registro de avaliação, consideram-se os valores numéricos de
1,0 (um) a 10,0 (dez), que serão organizados em quatro bimestres, preponderando
sempre à média das notas registradas podendo ser utilizado o meio ponto ou 0,5
(cinco décimos) na média bimestral. A nota obtida pelo aluno no bimestre poderá ser
substituída de forma crescente, tantas vezes quantas forem às oportunidades de
recuperação do conhecimento realizadas pelo professor.
O registro da nota deverá seguir o critério de ordem crescente, ou seja,
considerando que o aluno não desaprende o que já foi apropriado e nem se suprime
o que já foi ensinado. Com ressalva, a nota poderá ser menor a anterior quando o
aluno, comprovadamente, se recusar a realizar as avaliações propostas. O registro
terá como base a apropriação dos conceitos que pode variar de 10% a 100% do que
foi trabalhado durante o ano.
No caso dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, a avaliação é conceitual e
descritiva, onde o aluno é avaliado segundo vários quesitos durante o bimestre,
onde recebe os seguintes conceitos: R – Regular, onde o aluno não atingiu
desempenho satisfatório no seu percurso durante o bimestre; B – Bom, quando o
aluno atinge a média, mas ainda tem conceitos que não se apropriou
suficientemente; MB – Muito Bom, onde o educando teve um bom desempenho e
apropriou-se, de forma satisfatória, dos conceitos abordados, podendo melhorar
ainda mais durante seu percurso formativo; e E – Excelente, onde o aluno teve um
ótimo desempenho, apropriando-se de praticamente todos os conceitos abordados.
6
Nos casos de transferência para outras unidades escolares em que a
avaliação segue o critério de notas numéricas, o conceito será convertido de acordo
com a tabela abaixo:
CONCEITO LEGENDA NOTA EQUIVALENTE
REGULAR R ABAIXO DE 6,0
BOM B 6,0 – 7,0
MUITO BOM MB 7,5 – 8,5
EXCELENTE E 9,0 – 10,0
7
Recuperação
Oferecemos ainda novas oportunidades de avaliação. Sempre que verificado
o aproveitamento insuficiente durante os bimestres, é assegurada ao aluno a
promoção de recuperação paralela.
Todo aluno tem o direito de ter oportunidades para recuperar o mau
desempenho que teve em determinados conceitos e/ou disciplinas. Entendemos por
recuperação de estudos o processo didático pedagógico que visa oferecer novas
oportunidades aos alunos para superar deficiências ao longo do percurso formativo.
A recuperação será oferecida de forma paralela, sempre que for
diagnosticada insuficiência durante o processo regular de apropriação do
conhecimento e de competências pelo aluno.
O resultado obtido na recuperação paralela, após estudos em que o aluno
demonstre ter superado as dificuldades anteriormente demonstradas, substituirá a
nota anterior, referentes aos mesmos objetivos, prevalecendo o maior resultado.
A escola trabalha com alguns projetos pedagógicos durante o ano letivo,
sendo atualmente os seguintes: Revisão e avaliação permanente do PPP;
Implementação e execução do Plano de Educação dos nove anos; Socialização com
os educandos das normas de convivência da Unidade Escolar; Leitura na Escola;
Sexualidade e Afetividade; Embelezamento da Escola; Educação no Trânsito; Brasil
Afro; Conselho de Classe Participativo e Plantão Pedagógico; Interação
Família/Escola; Acolhimento dos educandos na chegada; Violência no âmbito
Escolar; Semana Catarinense do Meio Ambiente.
8
2. Papel da escola
Objetivo Geral
Interagir no sentido de formar alunos como sujeitos ativos, críticos e
participativos na construção de uma sociedade mais justa, humana e igualitária.
Objetivos Específicos
- Desenvolver a criticidade dos educandos;
- Diminuir os índices de evasão e repetência;
- Garantir a apropriação e a internalização dos conteúdos aos educandos;
- Despertar nos educandos os sentimentos de cidadania e solidariedade;
- Sensibilizar os educandos para a preservação do ambiente;
- Respeitar as diferenças, promovendo a educação inclusiva;
- Implementar a capacitação contínua do corpo docente e diretivo da UE;
- Integrar a comunidade escolar.
A filosofia norteada na ação pedagógica tem sua origem e seu fim na prática
social concreta. O contexto histórico-social no qual vivem professores e alunos
constitui o fundamento da escola.
3. Proposta Curricular
A Unidade Escolar tem por finalidade atender o disposto nas Constituições
Federal e Estadual, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e no
Estatuto da Criança e do Adolescente. Ministrar o Ensino Fundamental e o Ensino
Médio, observados, em cada caso, a legislação e as normas especificamente
aplicáveis.
A Escola funciona de segunda a sexta-feira com os alunos e aos sábados
extraordinariamente.
9
Matriz Curricular do Ensino Fundamental de 09 anos
Número de dias de efetivo trabalho escolar: 200 dias
Número mínimo de semanas letivas: 40 semanas
Número de dias semanais de efetivo trabalho: 05 dias
Duração da hora/aula: 45 minutos – 05 horas/aulas diárias (4 horas relógio)
Carga anual para os alunos: 800 horas
Turno: Diurno
RESOLUÇÃO
Nº 02/CEB/CNE
COMPONENTES
CURRICULARES
ANOS
(AULAS SEMANAIS)
TOTAL
SEMANAL
1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º
BASE COMUM
Língua Portuguesa X X X X X 04 04 04 04 16
Matemática X X X X X 04 04 04 04 16
Ciências X X X X X 03 03 03 03 12
História X X X X X 03 03 03 03 12
Geografia X X X X X 03 03 03 03 12
Educação Física X X X X X 03 03 03 03 12
Arte X X X X X 02 02 02 02 08
Ensino Religioso X X X X X 01 01 01 01 04
PARTE
DIVERSIFICADA
Língua Estrangeira
(Inglês)
- - - - - 03 03 03 03 12
TOTAIS SEMANAIS X X X X X 26 26 26 26 104
10
Matriz Curricular do Ensino Médio - Diurno e Noturno
Carga Horária Semestral – 400 horas
Carga Horária Total – 800 horas
Número de dias de efetivo trabalho escolar – 200 dias
Número de semanas – 40
Duração da aula – hora/aula: Matutino – 45 minutos (4horas relógio)
Noturno – 40 minutos (3h30min relógio)
RESOLUÇÃO Nº
03/CEB/CNE
COMPONENTES CURRICULARES 1ª
SÉRIE
2ª
SÉRIE
3ª
SÉRIE
CARGA
HORÁRIA
LINGUAGENS
Língua Portuguesa e Literatura 03 03 03 288
Língua Estrangeira (Inglês) 02 02 02 192
Artes 02 01 02 160
Educação Física 02 02 02 192
Subtotal 09 08 09 832
CIÊNCIAS DA
NATUREZA E
MATEMÁTICA
Química 02 02 02 192
Física 02 02 02 192
Biologia 02 02 02 192
Matemática 03 03 03 288
Subtotal 09 09 09 864
CIÊNCIAS HUMANAS
História 02 02 02 192
Geografia 02 02 02 192
Filosofia 01 02 02 160
Sociologia 02 02 01 160
Subtotal 07 08 07 704
TOTAIS SEMANAIS 25 25 25 2400
11
Os programas e currículos serão articulados com a prática social, sendo seu
ponto de partida e seu ponto de chegada. Estabelece-se, portanto, uma relação
dialética entre o conhecimento acumulado historicamente pela humanidade e a
realidade na qual está inserida a escola.
A LDB redimensiona o conceito de escola e explica que está nas mãos dos
sujeitos que fazem a escola definir a organização do seu trabalho pedagógico.
Obviamente, uma atribuição dessa natureza é de grande responsabilidade, porque
implica na definição dos caminhos que a escola vai tomar e, consequentemente a
construção de sua autonomia, que depende de uma ação compartilhada de todos os
segmentos, de forma mais dialogada e solidária.
Este marco operativo diz respeito ao trabalho da escola como um todo, em
sua finalidade primeira e a todas as atividades desenvolvidas tanto dentro como fora
da sala de aula, inclusive a forma de gestão, a abordagem curricular e a relação
escola comunidade.
A dimensão pedagógica manifesta-se à medida que a aprendizagem do
aluno, a base curricular e os programas de ensino por ele desenvolvidos, são
analisados pelo professor, ou pelo coletivo dos professores, e a avaliação da escola
é feita para verificar o seu desempenho em termos de aprendizagem. A maior
finalidade do Projeto Político Pedagógico é assegurar o sucesso da aprendizagem
de todos os alunos da escola.
12
4. Dimensão Administrativa Diretor Geral
Neusa Muller Ferreira Garcia João Pedro Dalbosco
Assessores de Direção
Paulo Sérgio Paz De Oliveira
Assistente de Educação
Patricia Buss
Grêmio Estudantil
Em transição
Assistente Técnico Pedagógico
Ronaldo dos Santos
Maristela Terezinha Ruschel
Presidente APP (2018-2020)
Indiamara de Oliveira
Presidente Conselho Deliberativo
(2017-2019)
Viviane A. Anghinoni
Professores
Entidades Democráticas
Responsável pela
Biblioteca
Maristela Terezinha
Ruschel
Responsável pela
Sala de Informática
Ronaldo dos Santos
13
5. Corpo Docente
Nome Do Professor
Matrícula Função
Componente
Curricular
Carga
Horária
Paulo Sérgio Paz De Oliveira 288.138-1-04 Diretor Geral Biologia
40
Neusa Muller F. Garcia 311.162-8-03 Assessora LPL
20
João Pedro Dalbosco 318.132-4-02 Assessor História
40
Patricia Buss 372.976-1-01 Assistente de Educação Ed. Infantil
40
Ronaldo dos Santos 345.296-4-03 Assistente Téc. Pedag. Matemática
40
Maristela T. Ruschel Pegoraro 182.245-4-03 Assistente Téc. Pedag. LPL/ Alemão
40
Adenize Vieira de Jesus 387337-4-03 Professora Ensino Religioso
Compl.
Adriana Thomas Frezza 655788-0-01 2ª Professora Anos Finais
20
Alexandra Severo 998683-9-01 Professora Anos Iniciais
40
Ana Carla Soboleski Merlo 398.051-0-03 Professora Anos Iniciais
40
Andreia Cristina dos Santos Rodrigues 980466-8-01 2ª Professora Anos Finais
20
Andreia Salete Sobierai 390.149-1-02 Professora
Matemática 16.
Camila Pelegrini 667348-1-01 Professora Sociologia
14
Cassiana Dallacort 681211-2-01 Professora Biologia
10
Cristina Gaboardi M. Mezzomo 344.582-8-02 Professora Educação Física
20
Daiane Bonafé 327.822-0-01 Professora Química
40
Daiane Sichelero 679406-8-01 Professora Séries Iniciais
40
Daisa Pompeo 356993-4-01 Professora Língua Inglesa
22
Danieli Orlandini 682681-4-01 Professora 2ª Professora
20
Débora Cristina Klaus Tecchio 678.834-3-01 Professora Educação Física
40
Dimali Aparecida Ongaratto 336005-9-03 Professora Arte
28
Eliane Franceschina Cavalheiro 389117-8-01 Professora Anos Iniciais
40
Eliane Thome 378217-4-01 Professora Física
12
Elisaine Inês Tonatto Massoline 315.029-1-04 Professora Matemática/ Física
40
14
Nome Do Professor
Matrícula Função
Componente
Curricular
Carga
Horária
Eloi Telmir dos Santos 320.426-0-03 Professor Geografia
30
Elza Antonia Spagnol Vanin 317523-5-02 Professora Língua Inglesa
10
Francine Baptistella 331489-8-02 Professora Química
10
Greici Moratelli Sampaio 682790-0-01 Professora LPL
6
Isael Machado Da Costa 975221-8-02 Professora Geografia
24
Ivania Maria Ferreira 686772-3-02 2ª Professora Anos Iniciais
20
Jaime Antonio Karasek 305.612-0-04 Professor Educação Física
40
Jussara Eleuterio Da Luz Teodoro 310232-7-03 Professora Língua Inglesa
10
Karieli Kaue Ferrari 677700-7-01 Professora Anos Iniciais
20
Kelli Cristina J. Dellalibera 676.846-6-01 2ª Professora Anos Finais
20
Kerlen Kendi Salvador 674621-7-01 Professora Educação Física
32
Luiz Antônio Garcia 387.858-9-03 Professor Filosofia/ Sociologia
40
Margarete Tironi 672793-0-02 Professora Biologia
10
Marília Eliane Prestes 664.110-5-01 Professora Matemática
08
Marivete Ines Feldmann Krindges 668315-0-02 Professora Filosofia
15
Marlise Seghetto 675133-4-02 Professora Matemática
40
Mauriceia Gheller Da Silva 338436-5-01 Professora LPL
08
Monique Francieli Gielda 650861-8-03 Professora História
19
Neide Dominga Testa 342276-3-02 Professora Língua Inglesa
15
Neiva Ana Maboni 270.362-9-03 Professora Geografia
20
Nilceia De Oliveira 389212-3-03 2ª Professora Anos Iniciais
20
Rosalia F. da Silva Kessler 259.191-0-03 Professora Língua Portuguesa/ LPL
40
Roseli Salete Vivan 289.239-1-05 Professora Arte
40
Sidiane Covatti 298.427-0-05 Professora Biologia / Ciências
40
Sidiani Quadri 394591-0-01 2ª Professora Anos Iniciais
20
15
Nome Do Professor
Matrícula Função
Componente
Curricular
Carga
Horária
Sirlei Spegiorin Spolti 399502-0-01 2ª Professora Anos Iniciais
20
Suelen Pamela Sganzerla Marafon 989281-8-01 Professora Ciências
30
Susana Madalena Martins Vieira 311.843-6-02 Professora Séries Iniciais
40
Tatiana de Oliveira da Silva 359.413-0-04 Professora Arte
40
Zenei Oliva P. Michellon 261.710-2-05 Professora História
40
16
Os trabalhadores em educação desta Unidade Escolar estão em constante
aperfeiçoamento pedagógico, que se dá através de planejamentos periódicos que
ocorrem na escola e também em seminários e cursos promovidos pela GERED e por
outras Instituições de Ensino Superior (IES).
Os alunos são atendidos regularmente em sala de aula e também na sala de
informática, na biblioteca e no ginásio de esportes para a realização da práxis
pedagógica.
O atendimento supracitado ocorre nos seguintes períodos:
 Matutino: 07 horas e 30 minutos às 11 horas e 30 minutos
 Vespertino: 13 horas e 15 minutos às 17 horas e 15 minutos
 Noturno: 18 horas e 30min às 22 horas.
Quanto ao Estágio de Estudantes do Ensino Médio, de acordo com a Lei nº
11.788/2008, a Unidade Escolar informa os estudantes com 16 anos ou mais, a
possibilidade dos mesmos estagiarem em empresas ou escolas. O aluno
interessado preenche a sua inscrição na unidade escolar e a mesma encaminha ao
setor de ensino da GERED. No momento que surgirem vagas, a pessoa responsável
entra em contato com a escola, que comunica o aluno.
A Implantação da avaliação institucional é um desafio, porque precisamos:
1. Compreender os princípios e as finalidades da avaliação institucional como
o embasamento para o desenvolvimento desse processo;
2. Participar da formação de procedimentos metodológicos e etapas de
avaliação institucional;
3. Implantar um processo de avaliação na instituição escolar, envolvendo toda
a comunidade;
4. Selecionar procedimentos básicos para a elaboração, aplicação,
organização e interpretação dos instrumentos de coleta de informações sobre a
escola;
5. Utilizar os resultados da avaliação do processo de aperfeiçoamento do
Projeto Político Pedagógico da escola.
Sabemos que a avaliação institucional tem uma relação direta com a
aprendizagem do aluno e ela se desenvolve por meio de uma prática coletiva.
17
6. Diagnóstico da Escola
6.1 Dimensão socioeconômica
Segundo as últimas informações do IBGE (Censo 2010), a comunidade na
qual a escola está inserida possui uma população de aproximadamente 8.700
habitantes. Quanto à parte social, na comunidade existem Associações de
Moradores, organizações de cunho religioso (predominando o cristianismo),
movimentos culturais e de entretenimento, como os Centros de Tradições Gaúchas
(CTG) e shopping, unidades de saúde. Os problemas que afetam a comunidade são:
falta de saneamento básico, ruas e calçadas pouco acessíveis, violência, consumo e
tráfico de entorpecentes, falta de áreas sociais de lazer. Porém, nota-se que houve
muitos ganhos sociais a essa região na última década.
A maioria dos pais é oriunda do meio rural que migraram para a cidade em
busca de novas oportunidades (êxodo rural). A grande maioria de nossos alunos
(aproximadamente 70%) vive com os pais, em residência própria; cerca de 75% dos
pais trabalham com carteira assinada.
Quanto à renda familiar, cerca de 60% ganham de 1 a 3 salários mínimos. A
média de pessoas por família é de quatro membros. Quanto à escolarização dos
pais, 25% têm os anos iniciais do Ensino Fundamental; 27% têm o Ensino
Fundamental completo; 9% cursam o Ensino Médio e 21% tem o Ensino Médio
completo; 5% estão cursando o Ensino Superior e cerca de 3% tem o Ensino
Superior completo. Ainda temos aproximadamente 8% dos pais que não são
alfabetizados.
Quanto à etnia de nossos alunos, são oriundos de alemães, italianos,
poloneses, negros e caboclos.
6.2 Dimensão Pedagógica
A Unidade Escolar objetiva sua ação educativa, fundamentada nos objetivos
da universalização (comum a todas as pessoas) de igualdade de acesso (entrada na
escola) e permanência, com redução dos índices de reprovação e evasão, da
obrigatoriedade do Ensino Fundamental e da gratuidade escolar.
18
Tem como proposta uma escola de qualidade, democrática, participativa e
comunitária, como espaço cultural de socialização e desenvolvimento do educando,
preparando-o para o exercício de direitos e o cumprimento dos deveres, sinônimo de
cidadania.
No envolvimento da comunidade escolar, a escola se propõe à produção,
transmissão e apropriação crítica do conhecimento e seu maior objetivo é a
formação do aluno como sujeito ativo, participativo da construção de uma sociedade
mais justa, humana e igualitária. Um ser capaz de, consciente e conhecedor da
realidade em que está inserido, ser crítico, responsável, engajado na busca do saber
historicamente construído pela humanidade.
A filosofia norteada na ação pedagógica tem sua origem e seu fim na prática
social concreta, de acordo com o que preconiza a Proposta Curricular de Santa
Catarina, proposta esta que ainda nos diz que quanto mais integral a formação dos
sujeitos, maiores são as possibilidades de criação e transformação da sociedade. O
contexto histórico-social no qual vivem professores e alunos constitui o fundamento
da escola.
Os programas e currículos serão articulados com a prática social, ou seja,
terão na prática social seu ponto de partida e seu ponto de chegada. Estabelece-se,
portanto, uma relação dialética entre o conhecimento acumulado historicamente pela
humanidade e a realidade na qual está inserida a escola.
A Escola De Educação Básica Saad Antônio Sarquis, prima pela efetiva
participação responsável e democrática de nossos alunos na construção de uma
sociedade mais justa e sustentável, pois como diz o nosso lema, “O pai que ama seu
filho e valoriza a escola não deixa de participar.”
A escola trabalha com alguns projetos pedagógicos durante o ano letivo,
sendo atualmente os seguintes: Revisão e avaliação permanente do PPP;
Implementação e execução do Plano de Educação dos Nove Anos; Leitura na
Escola; Sexualidade e Afetividade; Embelezamento da escola; Educação no
Trânsito; Brasil Afro; Conselho de Classe Participativo e Plantão Pedagógico;
19
Interação Família-escola; Acolhimento dos educando na chegada; Violência no
Ambiente Escolar e Semana Catarinense do Meio Ambiente, inclusão e diversidade.
Esses projetos são avaliados continuamente e tem demonstrado bons resultados.
Educação Ambiental
É realizada na escola no âmbito dos currículos, sem, entretanto, constituir-se
como disciplina, pois, em virtude do seu caráter integrador e motivador, exige a
participação de todos os professores na medida em que as temáticas ambientais
passam pelas disciplinas e geram o envolvimento da comunidade escolar.
As pessoas devem ser educadas, a fim que suas relações com o ambiente
mantenham a sua subsistência de modo sustentável. A Unidade Escolar trabalha a
partir do pensamento de Fritjof Capra, que diz: “Nas próximas décadas a
sobrevivência da humanidade vai depender da nossa habilidade de extrair
conhecimentos da natureza, entender os princípios básicos da ecologia e de viver de
acordo com eles.”
A Constituição Brasileira de 1988 menciona como responsabilidade do poder
público: promover a Educação Ambiental em todos os níveis de ensino e a
conscientização pública para a preservação do ambiente, reforçada na Política
Nacional de Educação Ambiental (PNEA), estabelecida na lei nº 9.795/99.
Inclusão e diversidade
Diversidade é o conjunto de diferenças e semelhanças que nos caracterizam,
não apenas as diferenças. Diversos não são os outros que estão em situação de
vulnerabilidade, desvantagem ou exclusão. Essa maneira de encarar a diversidade
como uma característica de todos nós, e não de alguns de nós, faz toda a diferença
quando trabalhamos o tema. Não se trata de incluir os que ficaram do lado de fora
porque eles são os diversos. Eles ficaram do lado de fora porque estamos
cometendo injustiças, e não porque eles são “desajustados” e os incluídos são os
perfeitos.
Incluir é agir para que o outro exista, e não um movimento para tornar o outro
semelhante a si ou o movimento de negar-se para que só o outro exista. Quem tem
medo da diferença e se sente ameaçado por ela não se dispõe ao encontro, à
20
transformação, à afirmação do que se é e do que o outro é para construir algo novo,
um novo lugar, um ponto de chegada que não é o mesmo, mas outro.
Inclusão é resultado do gesto de incluir, que faz com que todos se sintam
acolhidos em suas singularidades para contribuir com o todo na realização da
missão do grupo e da instituição.
A inclusão surge na interação e a fortalece, ampliando as possibilidades de
cooperação entre as pessoas, de resolver conflitos e de chegar a um bom termo em
relação aos desafios.
Ser inclusivo é dispor-se ao novo, ao inusitado, à transformação. Inclusão,
como interação de qualidade, destrói a ideia de fora e dentro que o termo sugere
para dar-se conta de que há um todo transformado pela postura e pelas práticas
inclusivas.
A EEB. Saad Antônio Sarquis prima pela inclusão de todos os atores
educacionais, comungando o pensamento de Paulo Freire de que a Educação tem
caráter permanente. Não há seres educados e não educados. Estamos todos nos
educando.
21
6.3 Dimensão Financeira
Os recursos financeiros da escola são oriundos das verbas que vem do
governo federal – PDDE - e verbas descentralizadas do governo estadual, que são
distribuídas e aplicadas conforme a legislação vigente.
6.4 Dimensão Física
A EEB. Saad Antônio Sarquis tem uma área construída de aproximadamente
1400 m2
. Possui 08 (sete) salas com 48 m2
; 06 (Seis) salas com 36 m2
; salientamos
ainda que todas as salas de aula são climatizadas e possuem 01 (uma) TV Led 32”
e 01 (um) aparelho de DVD, totalizando 11 (onze) televisores e 11 (onze) DVD´s;
área coberta com aproximadamente 600 m2
; 08 (oito) banheiros femininos; 06 (seis)
banheiros masculinos; 01(um) banheiro na sala dos professores; sala da direção;
secretaria; sala de planejamento e intervenção pedagógica contando com 02 (dois)
computadores, 01 (uma) TV e 01(um) aparelho de DVD; cozinha; biblioteca com 48
m2
, informatizada e climatizada, reunindo um acervo de aproximadamente 9000
(nove mil) títulos, entre livros, revistas periódicas, gibis e enciclopédias; contamos
com uma sala informatizada, climatizada com 28 (vinte e oito) terminais de
computador e 01 (uma) impressora/copiadora.
Temos ainda 08 (oito) computadores distribuídos na sala dos professores,
secretaria, biblioteca e sala da direção; 04(quatro) impressoras. Temos 01 (um)
datashow e 01 (um) notebook, 02(dois) projetores multimídia 3X1 Proinfo, aparelhos
de som portátil. Mais 01 (um) televisor com DVD e parabólica na secretaria; 01 (um)
televisor com parabólica na sala dos professores; 01 (um) home theather; 02 (duas)
caixas amplificadas; 01 (um) sistema de som para eventos maiores; além da área
coberta, entre as alas 1 e 2, com som ambiente, que serve também como refeitório
durante o recreio.
Fazem parte ainda do espaço físico da escola 01 (uma) quadra de areia, área
descoberta entre as alas 2 e 3 e o ginásio de esportes.
Em termos de acessibilidade, foram construídas rampas de acesso e 01 (um)
banheiro adaptado para uso de cadeirantes.
22
7. Educação Inclusiva
A escola tem que ser o reflexo da vida do lado de fora. O grande ganho, para
todos, é viver a experiência da diferença. Se os educandos não passam por isso na
infância, mais tarde terão muita dificuldade de vencer os preconceitos.
A inclusão possibilita aos que são discriminados pela deficiência, pela classe
social ou pela cor que, por direito, ocupem o seu espaço na sociedade. Se isso não
ocorrer, essas pessoas serão sempre dependentes e terão uma vida cidadã pela
metade. Você não pode ter um lugar no mundo sem considerar o do outro,
valorizando o que ele é, e o que ele poderá vir a ser.
Além disso, para nós, professores, o maior ganho está em garantir a todos
o direito à educação.
Os alunos precisam de liberdade para aprender de seu modo, de acordo
com as suas condições. E isso vale para os estudantes com deficiência ou não.
A escola de Educação Básica Saad Antônio Sarquis, é uma escola que
pratica e acredita na educação inclusiva, pois, para Mantoan, 2005,” Inclusão é o
privilégio de conviver com as diferenças”.
8. Gestão Democrática
A ação democrática representa um exercício de poder, autocriação, auto
instituição e autogestão. Para que a gestão da escola pública seja efetivamente
democrática é fundamental que ela exercite sua autonomia. Levando isso em conta,
sentiu-se a necessidade de encontrar outra forma de gestão da escola pública, que
não a tradicional (indicação política). A democracia deve ser um exercício
permanente e cotidiano, em todos os ambientes e momentos da escola, somente
assim ela poderá se fazer viva e se constituir como um elemento da cultura
institucional, não apenas uma prática de eleição.
Os artigos 14 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e 22
do Plano Nacional de Educação (PNE) indicam que os sistemas de ensino definirão
as normas da gestão democrática do ensino público na educação básica
obedecendo aos princípios da participação dos profissionais da educação na
elaboração do projeto pedagógico da escola e a participação das comunidades
escolares e locais em conselhos escolares. Devemos enfatizar então que a
23
democracia na escola por si só não tem significado. Ela só faz sentido se estiver
vinculada a uma percepção de democratização da sociedade.
Na rede estadual de ensino de Santa Catarina, as normas que regem a
Gestão Democrática são definidas no decreto nº 1.794/13, de 15 de outubro de
2013, com alterações dadas pelo decreto nº 243, de 1º de julho de 2015. Segundo
estes decretos, os que tiverem interesse em assumir a direção da unidade escolar
deverão apresentar um Plano de Gestão Escolar, que será apreciado por uma banca
avaliadora a ser definida pela Secretaria de Estado da Educação. Passando pela
banca, os Planos de Gestão estarão aptos a serem analisados e votados pela
comunidade escolar.
O diretor que tiver seu Plano de Gestão escolhido pela comunidade escolar
indicará os seus assessores. O edital para inscrição e escolha dos Planos de Gestão
é divulgado anualmente, ou de acordo com a necessidade, pela SED. Em nossa
unidade escolar, a eleição ocorreu em 2015, onde o professor Paulo Sérgio Paz de
Oliveira teve seu Plano de Gestão Escolar aprovado pela Comunidade Escolar,
estando como Diretor Geral na gestão 2016-2019.
24
9. Metas, Ações e Responsáveis.
Meta 01: Revisão e avaliação permanente do PPP.
Ação: Mudança no olhar do PPP.
Responsáveis: Comunidade escolar
Período de desenvolvimento: Fevereiro a dezembro de 2018.
Resultados esperados: A consolidação do PPP na Comunidade Escolar.
Como será a avaliação final: Será realizada entre todos os partícipes da
Comunidade Escolar.
Meta 02: Implementação e execução do Plano de Educação dos nove anos.
Ação: Alfabetização e letramento.
Responsáveis: Coordenador Pedagógico, professores do Ensino
Fundamental.
Período de desenvolvimento: Fevereiro a dezembro de 2018.
Resultados esperados: Manutenção do Ideb dos Anos Iniciais e melhoria
nos índices do IDEB nos Anos Finais do Ensino Fundamental.
Como será a avaliação final: Através de instrumentos como a Prova Brasil.
Meta 03: Desenvolver a temática sexualidade e afetividade.
Ação: Palestras, produção de textos e cartazes e apresentações em
seminários.
Responsáveis: Coordenadores do Nepre e comunidade escolar.
Período de desenvolvimento: Março a dezembro de 2018.
Resultados esperados: Uma nova postura frente aos assuntos relacionados
à sexualidade e afetividade.
Como será a avaliação final: Serão observadas as mudanças de atitudes
dos alunos.
25
Meta 04: Aperfeiçoar e avaliar o projeto Brasil Afro para sua real efetivação.
Ação: Palestras, filmes, debates, comemoração nas datas referentes ao
projeto.
Responsáveis: Professores, Assistentes Técnicos Pedagógicos e
comunidade escolar.
Período de desenvolvimento: Março a novembro de 2018.
Resultados esperados: Que todas as culturas e etnias sejam respeitadas e
valorizadas.
Como será a avaliação final: Verificar se houve mudanças de postura em
relação à convivência das diferentes etnias.
Meta 05: Desenvolver a capacidade da leitura crítica, reflexiva e lúdica
(Projeto Leitura na Escola).
Ação: Dias específicos de leitura na sala de aula em toda a escola.
Responsáveis: Todos os professores, alunos e funcionários.
Período de desenvolvimento: Abril a dezembro de 2018.
Resultados esperados: Que os educandos adquiram o hábito da leitura.
Como será a avaliação final: Observando se houve melhoras na
aprendizagem e na interpretação de fatos.
Meta 06: Preservação do meio ambiente como forma de sobrevivência e
embelezamento, onde a UE está inserida.
Ação: Plantio e manejo para implantação do bosque pedagógico, palestras,
saídas a campo.
Responsáveis: Comunidade escolar e professores de Ciências, Biologia e
Geografia.
Período de desenvolvimento: Março a dezembro de 2018.
Resultados esperados: Que se desenvolva um novo olhar de preservação
ao meio ambiente.
Como será a avaliação final: A partir das atitudes desenvolvidas em
preservação ao meio pela Comunidade Escolar.
26
Meta 07: Desenvolver uma consciência educada em relação aos transeuntes
e motoristas.
Ação: Palestras com autoridades do trânsito, conhecimento do Código de
Trânsito Brasileiro, maquetes, produção textual e cartazes.
Responsáveis: Comunidade escolar e Professores de Geografia.
Período de desenvolvimento: Fevereiro a dezembro de 2018.
Resultados esperados: Que se crie uma consciência em relação à direção
defensiva e ao respeito às normas de trânsito.
Como será a avaliação final: A partir das atitudes dos alunos em relação ao
trânsito.
Meta 08: Integração e envolvimento da comunidade escolar no ambiente
educativo.
Ação: Homenagem às famílias com apresentação de teatros, poesias,
jograis, danças, músicas e outras atividades.
Responsáveis: Alunos, professores e comunidade escolar.
Período de desenvolvimento: Abril e agosto de 2018.
Resultados esperados: Que os pais participem efetivamente da vida escolar
dos filhos.
Como será a avaliação final: A partir da efetiva integração entre a
Comunidade Escolar.
Meta 09: Prevenir a violência no ambiente escolar.
Ação: Palestras, reflexão entre professores, funcionários e alunos a respeito
da violência no universo escolar, produções de textos sobre direitos e deveres dos
cidadãos e estudos sobre bullying.
Responsáveis: Toda a Comunidade Escolar.
Período de desenvolvimento: Todo ano letivo de 2018.
Resultados esperados: Que se desenvolva uma consciência de respeito e
amor ao próximo, ao diferente e combate as práticas da homofobia, transfobia e
lesbofobia.
Como será a avaliação final: A partir das mudanças atitudinais em relação a
convivência dos atores envolvidos.
27
Meta 10: Realizar o VI Seminário do Meio Ambiente em comemoração a VI
Semana Catarinense do Meio Ambiente.
Ação: Promover atividades referentes ao projeto de Lei de autoria dos alunos
da EEB. Saad Antônio Sarquis na sua participação na 13ª edição do Parlamento
Jovem, na Assembleia Legislativa de Santa Catarina. O Projeto em questão foi
aprovado pela Alesc no final do ano de 2012.
Responsáveis: Toda a Comunidade Escolar.
Período de desenvolvimento: Neste ano, será realizado na semana
subsequente ao dia 05 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente.
Resultados esperados: Que se desenvolva uma consciência de preservação
ambiental, reduzindo-se ao máximo a degradação do meio.
Como será a avaliação final: A partir da mudança de atitude e da verificação de
uma consciência mais sustentável.
Meta 11: Socializar com os educandos as normas de convivência da Unidade
Escolar.
Ação: Promover uma apresentação com posterior reflexão e socialização das
normas, priorizando a participação do educando na legitimação das mesmas,
através da visualização turma por turma das mesmas.
Responsáveis: Direção e ATPs.
Período de desenvolvimento: Nas primeiras semanas de aula.
Resultados esperados: Que o educando sinta-se fazendo parte na
construção, discussão e aprovação das normas de convivência, o que lhe dará um
maior senso de responsabilidade no cumprimento das mesmas.
Como será a avaliação final: A partir do processo de internalização e
mudança de comportamento em relação às normas.
Meta 12: Garantir o acesso e a permanência dos educandos com sucesso e
aproveitamento no processo de ensinagem.
Ação: Tornar a escola um espaço onde ocorra efetivamente o processo de
inclusão e internalização dos temas abordados nas mais diversas etapas da
construção do sujeito crítico, reflexivo e participativo.
28
Responsáveis: Direção, professores e pais.
Período de desenvolvimento: Durante todo o ano letivo.
Resultados esperados: Que o educando sinta-se fazendo parte na
construção, discussão e internalização dos conteúdos, para que com isso
desenvolva uma consciência da importância da educação, bem como da sua efetiva
permanência no ambiente escolar, diminuindo, com isso, os índices de evasão e
repetência.
Como será a avaliação final: A partir da observação dos números de evasão
e repetência durante o ano letivo.
Meta 13: Execução do Hino Nacional Brasileiro no ambiente escolar.
Ação: Cantar o Hino Nacional Brasileiro uma vez por semana como forma de
desenvolver o civismo e o patriotismo nos educandos.
Responsáveis: Equipe gestora, pedagógica e professores.
Período de desenvolvimento: de fevereiro a dezembro de 2018.
Resultados esperados: O desenvolvimento dos sentimentos de civismo e
patriotismo nos educandos, despertando a criticidade e o conhecimento dos
símbolos nacionais.
Meta 14: Acolhimento e socialização dos educandos.
Ação: Receber todos os dias, nos três turnos, os educandos e suas famílias
no portão, bem como servir a merenda aos mesmos, como forma de valorização,
inclusão e prevenção da violência no ambiente escolar.
Responsáveis: Equipe gestora, AE e ATPs.
Período de desenvolvimento: de fevereiro a dezembro de 2018.
Resultados esperados: Que os educandos sintam-se em segurança no
ambiente escolar e saibam que a escola é um ambiente inclusivo e acolhedor.
Meta 15: Acolhimento e inclusão dos educandos da Educação Especial.
Ação: Desenvolver um trabalho inclusivo com toda a Comunidade Escolar.
Responsáveis: Comunidade Escolar.
Período de desenvolvimento: de fevereiro a dezembro de 2018.
29
Resultados esperados: Que os educandos sintam-se inclusos no ambiente
escolar, respeitando suas especificidades.
8. Consolidação do PPP
Este documento foi consolidado na Assembleia Ordinária da Associação de
Pais e Professores (APP) realizada no dia 17 de março de 2018, às 14h, sendo o
documento acima aprovado, de acordo com a Ata nº 001/2018.
30
9. Calendário Escolar
CALENDÁRIO ESCOLAR – 2018
FEVEREIRO
DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO
01 02 03
04 05 06 07 08 09 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28
17 – ASSEMBLEIA DE PAIS
30-SEXTA-FEIRA DA
PAIXÃO
DETE 21 M. V.N.
MARÇO
DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO
01 02 03
04 05 06 07 08 09 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31
ABRIL
DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO
01 02 03 04 05 06 07
08 09 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30
05 A 09 – PLANEJAMENTO
COM OS PROFESSORES
19 - INÍCIO DO ANO LETIVO
COM ALUNOS
12 E 13- CARNAVAL
14- CINZAS
DETE: 08 M.V.N
14 – DIA DA FAMÍLIA NA
ESCOLA – SÁBADO –
PALESTRA
MOTIVACIONAL PAIS
10- FORMAÇÃO
27- CONSELHO DE CLASSE
PARTICIPATIVO
27 - TERMINO DO 1º
BIMESTRE COM 49 DIAS
LETIVOS
30- FERIADÃO
Dete: 20 M. V. N.
31
MAIO
DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO
01 02 03 04 05
06 07 08 09 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31
JUNHO
DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO
01 02
03 04 05 06 07 08 09
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
JULHO
DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO
01 02 03 04 05 06 07
08 09 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31
01 – FERIADO DIA DO
TRABALHADOR
05 – DIA DA FAMILIA NA
ESCOLA- ENTREGA DE
BOLETINS
14 – SEMINÁRIO DO PNAIC –
aula normal
31-CORPUS CRISTI
DETE: 22 M. V. N.
01- FERIADO CORPUS CRISTI
20 - FORMAÇÃO
DETE: 19 M. V. N.
07 – FESTA JULINA
18 – CONSELHO DE CLASSE
PARTICIPATIVO /
ENCERRAMENTO DO 2º
BIMESTRE COM 55 DIAS
LETIVOS.
19 A 27 - RECESSO ESCOLAR
PARA OS ALUNOS
19 E 20 - FORMAÇÃO PARA OS
PROFESSORES -
SOCIALIZAÇÃO DE
ATIVIDADES
23 A 27 - RECESSO
PROFESSORES
30- INICIO DO 3º BIMESTRE
DETE: 14 para 2 º bimestre
02 para 3º bimestre
= 16 dias
DETE. 1º Semestre – 104
32
AGOSTO
DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO
01 02 03 04
05 06 07 08 09 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31
SETEMBRO
DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO
01
02 03 04 05 06 07 08
09 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30
OUTUBRO
DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO
01 02 03 04 05 06
07 08 09 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31
11-DIA DO ESTUDANTE
(REPOSIÇÃO DIA 15/02)
24 – FEIRA DO
CONHECIMENTO NA
ESCOLA
DETE: 24 M. V. N. + 2
julho= 26
07 – ATO CÍVICO –
INDEPENDÊNCIA DO
BRASIL (na escola).
18 – FORMAÇÃO
19 – FEIRA REGIONAL DO
CONHECIMENTO -
UNOESC
26 – CONSELHO DE CLASSE
PARTICIPATIVO
28 – TÉRMINO DO 3º
BIMESTRE COM 45 DIAS
DETE: 19 M. V. N.
12 – FERIADO – NOSSA
SENHORA APARECIDA.
15 – FERIADO – DIA DO
PROFESSOR
20 – ALMOÇO EM
HOMENAGEM AOS
PROFESSORES
DETE: 21 M. V. N.
33
NOVEMBRO
DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO
01 02 03
04 05 06 07 08 09 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30
DEZEMBRO
DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO
01
02 03 04 05 06 07 08
09 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31
DETE. 2º Semestre – 98
Total de Dias Letivos - 202
Legenda
Dias de Efetivo Trabalho Escolar (DETE)
Recesso
Feriados
Planejamento e Formação
Início – término de bimestre
02 – FERIADO DIA DE
FINADOS
15 e 16 FERIADO
PROCLAMAÇÃO DA
REPÚBLICA
24- SHOW DE TALENTOS
NA PRAÇA (REPOSIÇÃO
DO DIA 16/02)
DETE: 20 M. V. N.
17- CONSELHO DE CLASSE
PARTICIPATIVO
18- TÉRMINO DA AULA
PARA TODOS OS ALUNOS
18-ENCERRAMENTO DO
ANO LETIVO COM 53 DIAS
LETIVOS
19 , 20,21 - RECURSOS/
FORMATURAS/ ENTREGA
DE BOLETINS
25 - NATAL
DETE: 12
34
10.DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS
DENOMINAÇÃO DO CARGO: Professor
GRUPO OCUPACIONAL: Docência NÍVEL: III a VI REFERÊNCIA: A a I
HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Formação em curso superior de graduação em Pedagogia
ou Curso Superior de graduação e licenciatura plena correspondente às áreas de
conhecimento específicas do currículo.
JORNADA DE TRABALHO: 10 (dez), 20 (vinte), 30 (trinta) ou 40 (quarenta) horas semanais.
DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES:
Ministrar aulas e orientar a aprendizagem do aluno;
Elaborar programas, planos de curso e de aula no que for de sua competência;
Avaliar o desempenho dos alunos atribuindo-lhes notas ou conceitos nos prazos fixados;
Cooperar com os Serviços de Orientação Educação e Supervisão Escolar;
Promover experiências de ensino e aprendizagem contribuindo para o aprimoramento da
qualidade do ensino;
Participar de reunião, conselhos de classe, atividades cívicas e outras;
Preencher devidamente os dados em sistemas informatizados a fim de manter informados os
pais ou responsáveis sobre a frequência e o rendimento dos alunos, assim como a execução
da atividade docente;
Promover aulas e trabalhos de recuperação com alunos que apresentam dificuldades de
aprendizagem;
Seguir as diretrizes do ensino emanadas do órgão superior competente;
Fornecer dados e apresentar relatórios de suas atividades;
Assumir a docência, quando do impedimento eventual do professor responsável pela turma
e/ou disciplina, independentemente da etapa ou da modalidade;
Elaborar e implementar projetos especiais relacionados às disciplinas, aos Temas
Transversais/Multidisciplinares e ao Projeto Político-Pedagógico da Unidade Escolar;
Elaborar seu planejamento bimestral/semestral/anual dos temas a serem trabalhados com os
estudantes, em conjunto com a equipe pedagógica da escola;
Participar do planejamento curricular com todos os professores da unidade escolar;
Participar na elaboração, execução e avaliação de planos, programas e projetos na área
educacional;
Executar outras atividades compatíveis com o cargo.
35
DENOMINAÇÃO DO CARGO: Assistente Técnico Pedagógico
GRUPO OCUPACIONAL: Apoio Técnico NÍVEL: III a VI REFERÊNCIA: A a I
HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Formação em curso superior de graduação em Pedagogia.
JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) ou 40 (quarenta) horas semanais.
DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES:
Participar de estudos e pesquisas de natureza técnica sobre administração geral e específica, sob
orientação;
Participar, estudar e propor aperfeiçoamento e adequação da legislação e normas específicas, bem
como métodos e técnicas de trabalho;
Realizar programação de trabalho, tendo em vista alterações de normas legais, regulamentares ou
recursos;
Participar na elaboração de programas para o levantamento, implantação e controle das práticas de
pessoal;
Selecionar, classificar e arquivar documentação;
Participar na execução de programas e projetos educacionais;
Prestar auxílio no desenvolvimento de atividades relativas à assistência técnica aos segmentos
envolvidos diretamente com o processo ensino-aprendizagem;
Desenvolver outras atividades afins ao órgão e a sua área de atuação;
Participar com a comunidade escolar na construção do projeto político-pedagógico;
Auxiliar na distribuição dos recursos humanos, físicos e materiais disponíveis na escola;
Participar do planejamento curricular;
Auxiliar na coleta e organização de informações, dados estatísticos da escola e documentação;
Contribuir para a criação, organização e funcionamento das diversas associações escolares;
Comprometer-se com atendimento às reais necessidades escolares;
Participar dos conselhos de classe, reuniões pedagógicas e grupos de estudo;
Contribuir para o cumprimento do calendário escolar;
Participar na elaboração, execução e desenvolvimento de projetos especiais;
Administrar e organizar os laboratórios existentes na escola;
Auxiliar na administração e organização das bibliotecas escolares;
Executar outras atividades de acordo com as necessidades da escola.
36
DENOMINAÇÃO DO CARGO: Assistente de Educação
GRUPO OCUPACIONAL: Apoio Administrativo NÍVEL: III a VI REFERÊNCIA: A a I
HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Formação em curso superior de graduação em Pedagogia.
JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) ou 40 (quarenta) horas semanais.
DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES:
Coordenar e executar as tarefas da secretaria escolar;
Organizar e manter em dia o protocolo, o arquivo escolar e o registro de assentamentos dos
alunos, de forma a permitir, em qualquer época, a verificação da identidade e regularidade da
vida escolar do aluno e a autenticidade dos documentos escolares;
Redigir e expedir toda a correspondência oficial da unidade escolar;
Organizar e manter em dia a coletânea de leis, regulamentos, diretrizes, ordens de serviço,
circulares, resoluções e demais documentos;
Auxiliar na elaboração de relatórios;
Rever todo o expediente a ser submetido a despacho do Diretor;
Apresentar ao Diretor, em tempo hábil, todos os documentos que devem ser assinados;
Coordenar e supervisionar as atividades referentes à matrícula, transferência, adaptação e
conclusão de curso;
Assinar juntamente com o Diretor, os documentos escolares que forem expedidos, inclusive os
diplomas e certificados;
Preparar e secretariar reuniões, quando convocado pela direção;
Zelar pelo uso adequado e conservação dos bens materiais distribuídos à secretaria;
Comunicar à direção toda irregularidade que venha a ocorrer na secretaria;
Organizar e preparar a documentação necessária para o encaminhamento de processos
diversos;
Conhecer a estrutura, compreender e viabilizar o funcionamento das instâncias colegiadas na
unidade escolar;
Registrar e manter atualizados os assentamentos funcionais dos servidores;
Executar outras atividades compatíveis com o cargo.
37
Referencial Bibliográfico
¹Brasil. Secretaria de Educação Básica. Formação de professores do ensino
médio, etapa I - caderno V : organização e gestão democrática da escola /
Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica; [autores : Celso João
Ferretti, Ronaldo Lima Araújo, Domingos Leite Lima Filho]. – Curitiba :
UFPR/Setor de Educação, 2013.
²Brasil. Secretaria de Educação Básica. Programa Nacional de Fortalecimento
dos Conselhos Escolares, módulo I: Conselho Escolar na Democratização
da Escola.
MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão é o Privilégio de Conviver com as
Diferenças. In Nova Escola, maio, 2005.
Santa Catarina. Secretaria de Estado da Educação e do Desporto. Proposta
Curricular de Santa Catarina: Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio:
Disciplinas curriculares. Florianópolis: COGEN, 1998.
Santa Catarina. Governo do Estado. Secretaria do Estado da Educação. Proposta
Curricular de Santa Catarina: formação integral na educação básica. Estado
de Santa Catarina, Secretaria de Estado da Educação, 2014.
Santa Catarina. DECRETO SC Nº 1794, de 15/10/2013. Dispõe sobre a Gestão
Escolar da Educação Básica e Profissional da rede estadual de ensino, em todos os
níveis e modalidades.
Santa Catarina. DECRETO SC Nº 243, de 01/07/2015. Altera alguns artigos do
decreto Nº 1794, de 15/10/2013, que rege a Gestão Escolar da Educação Básica e
Profissional da rede estadual de ensino, em todos os níveis e modalidades.
Santa Catarina. LEI COMPLEMENTAR Nº 668, de 28/12/2015. Disciplina a
admissão de pessoal por prazo determinado no âmbito do Magistério Público
Estadual, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público,
sob regime administrativo especial (Lei do Efetivo).
Santa Catarina. LEI Nº 16.861, DE 28/12/2015. Disciplina a admissão de pessoal por
prazo determinado no âmbito do Magistério Público Estadual, para atender à
necessidade temporária de excepcional interesse público, sob regime administrativo
especial (Lei do ACT).
.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PPP publicado 2018
PPP publicado 2018 PPP publicado 2018
PPP publicado 2018
QUEDMA SILVA
 
Cbc anos iniciais
Cbc   anos iniciaisCbc   anos iniciais
Cbc anos iniciais
Antônio Fernandes
 
Regulação da Educação: Lei de Bases do Sistema Educativo, Docente: Professor...
Regulação da Educação: Lei de Bases  do Sistema Educativo, Docente: Professor...Regulação da Educação: Lei de Bases  do Sistema Educativo, Docente: Professor...
Regulação da Educação: Lei de Bases do Sistema Educativo, Docente: Professor...
A. Rui Teixeira Santos
 
Reunião central de_vagas
Reunião central de_vagasReunião central de_vagas
Reunião central de_vagas
Rosemary Batista
 
Projeto Político Pedagógico - EEPAM
Projeto Político Pedagógico - EEPAM Projeto Político Pedagógico - EEPAM
Projeto Político Pedagógico - EEPAM
orientadoresemeepam
 
Conheça nosso Plano de Ação
Conheça  nosso Plano de AçãoConheça  nosso Plano de Ação
Conheça nosso Plano de Ação
guest90f41f
 
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Ana Paula Silva
 
Resolução see nº 2197. TRATA DA ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM MINAS GE...
Resolução see nº 2197. TRATA DA ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM MINAS GE...Resolução see nº 2197. TRATA DA ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM MINAS GE...
Resolução see nº 2197. TRATA DA ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM MINAS GE...
Antônio Fernandes
 
Ppp 2015 eeb saad sarquis
Ppp 2015 eeb saad sarquisPpp 2015 eeb saad sarquis
Ppp 2015 eeb saad sarquis
Ronaldo dos Santos
 
Plano de gestão 2014
Plano de gestão 2014Plano de gestão 2014
Plano de gestão 2014
Francisco Oliveira
 
Bia final
Bia finalBia final
Plano Anual de Atividades do Agrupamento
Plano Anual de Atividades do AgrupamentoPlano Anual de Atividades do Agrupamento
Resolução see nº 2197
Resolução see nº 2197Resolução see nº 2197
Resolução see nº 2197
NTEPatrocinio
 
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021 Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
muni2014
 
Ocepe abril2016
Ocepe abril2016Ocepe abril2016
Ocepe abril2016
Susana Pereira
 
Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
100 questões sobre legislação educacional
100 questões sobre legislação educacional100 questões sobre legislação educacional
100 questões sobre legislação educacional
Celi Jandy Moraes Gomes
 
E book atividades-de-aprendizagem-pedro-demo
E book atividades-de-aprendizagem-pedro-demoE book atividades-de-aprendizagem-pedro-demo
E book atividades-de-aprendizagem-pedro-demo
fabinhodragon
 
Plano de gestão escolar 2016
Plano de gestão escolar 2016Plano de gestão escolar 2016
Plano de gestão escolar 2016
Wilma Almeida Souza Ribeiro
 

Mais procurados (19)

PPP publicado 2018
PPP publicado 2018 PPP publicado 2018
PPP publicado 2018
 
Cbc anos iniciais
Cbc   anos iniciaisCbc   anos iniciais
Cbc anos iniciais
 
Regulação da Educação: Lei de Bases do Sistema Educativo, Docente: Professor...
Regulação da Educação: Lei de Bases  do Sistema Educativo, Docente: Professor...Regulação da Educação: Lei de Bases  do Sistema Educativo, Docente: Professor...
Regulação da Educação: Lei de Bases do Sistema Educativo, Docente: Professor...
 
Reunião central de_vagas
Reunião central de_vagasReunião central de_vagas
Reunião central de_vagas
 
Projeto Político Pedagógico - EEPAM
Projeto Político Pedagógico - EEPAM Projeto Político Pedagógico - EEPAM
Projeto Político Pedagógico - EEPAM
 
Conheça nosso Plano de Ação
Conheça  nosso Plano de AçãoConheça  nosso Plano de Ação
Conheça nosso Plano de Ação
 
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
 
Resolução see nº 2197. TRATA DA ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM MINAS GE...
Resolução see nº 2197. TRATA DA ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM MINAS GE...Resolução see nº 2197. TRATA DA ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM MINAS GE...
Resolução see nº 2197. TRATA DA ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM MINAS GE...
 
Ppp 2015 eeb saad sarquis
Ppp 2015 eeb saad sarquisPpp 2015 eeb saad sarquis
Ppp 2015 eeb saad sarquis
 
Plano de gestão 2014
Plano de gestão 2014Plano de gestão 2014
Plano de gestão 2014
 
Bia final
Bia finalBia final
Bia final
 
Plano Anual de Atividades do Agrupamento
Plano Anual de Atividades do AgrupamentoPlano Anual de Atividades do Agrupamento
Plano Anual de Atividades do Agrupamento
 
Resolução see nº 2197
Resolução see nº 2197Resolução see nº 2197
Resolução see nº 2197
 
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021 Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
 
Ocepe abril2016
Ocepe abril2016Ocepe abril2016
Ocepe abril2016
 
Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
Plano gestão 2015 2018
 
100 questões sobre legislação educacional
100 questões sobre legislação educacional100 questões sobre legislação educacional
100 questões sobre legislação educacional
 
E book atividades-de-aprendizagem-pedro-demo
E book atividades-de-aprendizagem-pedro-demoE book atividades-de-aprendizagem-pedro-demo
E book atividades-de-aprendizagem-pedro-demo
 
Plano de gestão escolar 2016
Plano de gestão escolar 2016Plano de gestão escolar 2016
Plano de gestão escolar 2016
 

Semelhante a Ppp 2018 eeb saad sarquis

PPP 2015 EEB Saad Antônio Sarquis
PPP 2015 EEB Saad Antônio SarquisPPP 2015 EEB Saad Antônio Sarquis
PPP 2015 EEB Saad Antônio Sarquis
EEB. Saad Antônio Sarquis
 
Constr prop p001-017_c
Constr prop p001-017_cConstr prop p001-017_c
Constr prop p001-017_c
afereira
 
Ppp 2013 compacto_saad
Ppp 2013 compacto_saadPpp 2013 compacto_saad
Ppp 2013 compacto_saad
Ronaldo dos Santos
 
PPP 2013 compacto EEB. Saad Sarquis
PPP 2013 compacto EEB. Saad SarquisPPP 2013 compacto EEB. Saad Sarquis
PPP 2013 compacto EEB. Saad Sarquis
Ronaldo dos Santos
 
PPP 2014 SAAD A. SARQUIS
PPP 2014 SAAD A. SARQUISPPP 2014 SAAD A. SARQUIS
PPP 2014 SAAD A. SARQUIS
Ronaldo dos Santos
 
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
ElieneDias
 
Projeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolarProjeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolar
alvinarocha
 
Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1
Andréa Otoni Sales
 
Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013
eemarquesdesaovicente
 
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. AdolfoPPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
heder oliveira silva
 
PROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdf
PROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdfPROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdf
PROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdf
MarianaMoraesMathias
 
Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014
eemarquesdesaovicente
 
Expandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
Expandindo a qualidade da educação pública de minas geraisExpandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
Expandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
Eunice Mendes de Oliveira
 
Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013
colegiocpf
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 
Simulado
SimuladoSimulado
Simulado
Marcia Tavares
 
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdfPLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdf
Antonio Burnat
 
Programa Jovem de Futuro
Programa Jovem de FuturoPrograma Jovem de Futuro
Programa Jovem de Futuro
EEMTI Custódio da Silva Lemos
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
jeffcezanne
 
Mipa - Dom Bosco Maringá
Mipa - Dom Bosco MaringáMipa - Dom Bosco Maringá
Mipa - Dom Bosco Maringá
Liniker Santos
 

Semelhante a Ppp 2018 eeb saad sarquis (20)

PPP 2015 EEB Saad Antônio Sarquis
PPP 2015 EEB Saad Antônio SarquisPPP 2015 EEB Saad Antônio Sarquis
PPP 2015 EEB Saad Antônio Sarquis
 
Constr prop p001-017_c
Constr prop p001-017_cConstr prop p001-017_c
Constr prop p001-017_c
 
Ppp 2013 compacto_saad
Ppp 2013 compacto_saadPpp 2013 compacto_saad
Ppp 2013 compacto_saad
 
PPP 2013 compacto EEB. Saad Sarquis
PPP 2013 compacto EEB. Saad SarquisPPP 2013 compacto EEB. Saad Sarquis
PPP 2013 compacto EEB. Saad Sarquis
 
PPP 2014 SAAD A. SARQUIS
PPP 2014 SAAD A. SARQUISPPP 2014 SAAD A. SARQUIS
PPP 2014 SAAD A. SARQUIS
 
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
 
Projeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolarProjeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolar
 
Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1
 
Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013
 
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. AdolfoPPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
 
PROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdf
PROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdfPROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdf
PROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdf
 
Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014
 
Expandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
Expandindo a qualidade da educação pública de minas geraisExpandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
Expandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
 
Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 
Simulado
SimuladoSimulado
Simulado
 
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdfPLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS.pdf
 
Programa Jovem de Futuro
Programa Jovem de FuturoPrograma Jovem de Futuro
Programa Jovem de Futuro
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
Mipa - Dom Bosco Maringá
Mipa - Dom Bosco MaringáMipa - Dom Bosco Maringá
Mipa - Dom Bosco Maringá
 

Último

UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 

Ppp 2018 eeb saad sarquis

  • 1. 1 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO 4ª GERÊNCIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA SAAD ANTONIO SARQUIS RUA SÃO LOURENÇO DO OESTE, 558-E – BAIRRO CRISTO REI DIRETOR: PAULO SÉRGIO PAZ DE OLIVEIRA ASSESSORES: NEUSA MULLER FERREIRA GARCIA JOÃO PEDRO DALBOSCO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 2018 Chapecó (SC), Abril de 2018.
  • 2. 2 1. Apresentação A Escola de Educação Básica Saad Antônio Sarquis foi construída em área de terra de 740.698 m², doada pela Prefeitura Municipal de Chapecó, através da Lei nº 2.522 de 30/05/84. A portaria E/299/88 através do Decreto nº 31.112/86, conjugado com a Lei nº 4.394/69, resolve criar junto à Escola de Rede Estadual o curso de Educação Pré- escolar, com data em vigor de 18/08/88. O decreto nº 512, de 06/09/99, autoriza o funcionamento do Curso de Ensino Médio pelo parecer nº 181/CEE, de 20/07/99, com matrícula inicial de 94 alunos. A Escola de Educação Básica Saad Antônio Sarquis está localizada na Rua São Lourenço do Oeste, 558 E, no Bairro Cristo Rei de Chapecó-SC. Mantida pelo Governo do Estado de Santa Catarina e administrada pela Secretaria de Estado da Educação, será regida por este Projeto Político Pedagógico nos termos da legislação em vigor. A escola situa-se na região norte do município e conta com uma população de baixa e media renda. São trabalhadores que matriculam seus filhos nesta Unidade Escolar em busca de uma educação de qualidade para os mesmos.
  • 3. 3 Projeto Político Pedagógico O Projeto Político Pedagógico, mais do que uma exigência legal, é a definição de regras no ambiente escolar. É por meio dele que a comunidade escolar define como deve ser organizada a escola, como deve se relacionar com a comunidade, que disciplinas serão oferecidas, que estratégias devem ser valorizadas, quais os critérios avaliação da aprendizagem, enfim, como a escola vai organizar o processo formativo dos estudantes que estão sob sua responsabilidade. É “Projeto” porque indica uma direção, é “Político” porque resulta das relações de força existentes na escola e porque toma partido sobre o que fazer e o que não fazer, é “Pedagógico” porque pressupõe uma definição do tipo de ser humano que se quer formar. Por isso o “Projeto Político-Pedagógico” deve ser entendido como uma tomada de posição e um consenso possível da comunidade da escola sobre o que se deve fazer para se formar os indivíduos que esta comunidade crê que devam ser formados na escola.¹ O PPP constitui-se, portanto, como resultado de trabalho coletivo de planejamento e, ao mesmo tempo, expressão de uma concepção de educação e de escola que também deve servir de base para a sua construção. A escola é um todo composto por diferentes partes que se articulam e interagem em prol de uma educação de qualidade. Essa unidade do trabalho educativo se consolida na construção coletiva do Projeto Político Pedagógico.²
  • 4. 4 IDEB da Unidade Escolar Um dos dados que mostra o desenvolvimento dos nossos alunos é o IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). Na tabela abaixo podem ser observados os índices registrados de 2005 a 2015 e metas a serem atingidas até 2021: Ensino Fundamental IDEB Observado 2005 2007 2009 2011 2013 2015 Anos Iniciais 4,5 5,3 5,0 5,8 7,0 6,5 Anos Finais 4,3 3,9 4,4 4,8 4,5 5,1 Ensino Fundamental Metas Projetadas 2007 2009 2011 2013 2015 2017 2019 2021 Anos Iniciais 4,5 4,9 5,3 5,5 5,8 6,0 6,3 6,5 Anos Finais 4,4 4,5 4,8 5,2 5,5 5,8 6,0 6,2 Fonte: Prova Brasil e Censo Escolar. Avaliação A avaliação do aproveitamento do aluno será contínua e de forma global, mediante verificação de competências e da aprendizagem do conhecimento, em atividades no ambiente escolar (provas, trabalhos individuais e em grupos, apresentações, seminários...) bem como atividades extraclasse (pesquisas, tema de casa...). A partir de 2017, a média bimestral para que o aluno seja considerado aprovado será 6,0 (seis), onde os educandos terão que atingir a soma de 24 (vinte e quatro) pontos nos quatro bimestres. Outra mudança importante é que, a partir deste ano não teremos mais os exames finais, de acordo com a Portaria nº189/2017. Ou, seja, aqueles que não atingirem a média anual 6,0 (seis), incluídos os procedimentos próprios de recuperação paralela, o aluno será considerado reprovado.
  • 5. 5 A avaliação do processo de ensino-aprendizagem, de acordo com a Resolução nº 183/2013, e pela Portaria nº189/2017, busca possibilitar o aperfeiçoamento do processo de ensino-aprendizagem, melhorando o desempenho do aluno quanto à apropriação de competências e conhecimentos em cada área de estudos e atividades escolares, acompanhando o desempenho docente e as condições físicas e materiais que substanciam esse processo. Para efeito de registro de avaliação, consideram-se os valores numéricos de 1,0 (um) a 10,0 (dez), que serão organizados em quatro bimestres, preponderando sempre à média das notas registradas podendo ser utilizado o meio ponto ou 0,5 (cinco décimos) na média bimestral. A nota obtida pelo aluno no bimestre poderá ser substituída de forma crescente, tantas vezes quantas forem às oportunidades de recuperação do conhecimento realizadas pelo professor. O registro da nota deverá seguir o critério de ordem crescente, ou seja, considerando que o aluno não desaprende o que já foi apropriado e nem se suprime o que já foi ensinado. Com ressalva, a nota poderá ser menor a anterior quando o aluno, comprovadamente, se recusar a realizar as avaliações propostas. O registro terá como base a apropriação dos conceitos que pode variar de 10% a 100% do que foi trabalhado durante o ano. No caso dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, a avaliação é conceitual e descritiva, onde o aluno é avaliado segundo vários quesitos durante o bimestre, onde recebe os seguintes conceitos: R – Regular, onde o aluno não atingiu desempenho satisfatório no seu percurso durante o bimestre; B – Bom, quando o aluno atinge a média, mas ainda tem conceitos que não se apropriou suficientemente; MB – Muito Bom, onde o educando teve um bom desempenho e apropriou-se, de forma satisfatória, dos conceitos abordados, podendo melhorar ainda mais durante seu percurso formativo; e E – Excelente, onde o aluno teve um ótimo desempenho, apropriando-se de praticamente todos os conceitos abordados.
  • 6. 6 Nos casos de transferência para outras unidades escolares em que a avaliação segue o critério de notas numéricas, o conceito será convertido de acordo com a tabela abaixo: CONCEITO LEGENDA NOTA EQUIVALENTE REGULAR R ABAIXO DE 6,0 BOM B 6,0 – 7,0 MUITO BOM MB 7,5 – 8,5 EXCELENTE E 9,0 – 10,0
  • 7. 7 Recuperação Oferecemos ainda novas oportunidades de avaliação. Sempre que verificado o aproveitamento insuficiente durante os bimestres, é assegurada ao aluno a promoção de recuperação paralela. Todo aluno tem o direito de ter oportunidades para recuperar o mau desempenho que teve em determinados conceitos e/ou disciplinas. Entendemos por recuperação de estudos o processo didático pedagógico que visa oferecer novas oportunidades aos alunos para superar deficiências ao longo do percurso formativo. A recuperação será oferecida de forma paralela, sempre que for diagnosticada insuficiência durante o processo regular de apropriação do conhecimento e de competências pelo aluno. O resultado obtido na recuperação paralela, após estudos em que o aluno demonstre ter superado as dificuldades anteriormente demonstradas, substituirá a nota anterior, referentes aos mesmos objetivos, prevalecendo o maior resultado. A escola trabalha com alguns projetos pedagógicos durante o ano letivo, sendo atualmente os seguintes: Revisão e avaliação permanente do PPP; Implementação e execução do Plano de Educação dos nove anos; Socialização com os educandos das normas de convivência da Unidade Escolar; Leitura na Escola; Sexualidade e Afetividade; Embelezamento da Escola; Educação no Trânsito; Brasil Afro; Conselho de Classe Participativo e Plantão Pedagógico; Interação Família/Escola; Acolhimento dos educandos na chegada; Violência no âmbito Escolar; Semana Catarinense do Meio Ambiente.
  • 8. 8 2. Papel da escola Objetivo Geral Interagir no sentido de formar alunos como sujeitos ativos, críticos e participativos na construção de uma sociedade mais justa, humana e igualitária. Objetivos Específicos - Desenvolver a criticidade dos educandos; - Diminuir os índices de evasão e repetência; - Garantir a apropriação e a internalização dos conteúdos aos educandos; - Despertar nos educandos os sentimentos de cidadania e solidariedade; - Sensibilizar os educandos para a preservação do ambiente; - Respeitar as diferenças, promovendo a educação inclusiva; - Implementar a capacitação contínua do corpo docente e diretivo da UE; - Integrar a comunidade escolar. A filosofia norteada na ação pedagógica tem sua origem e seu fim na prática social concreta. O contexto histórico-social no qual vivem professores e alunos constitui o fundamento da escola. 3. Proposta Curricular A Unidade Escolar tem por finalidade atender o disposto nas Constituições Federal e Estadual, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e no Estatuto da Criança e do Adolescente. Ministrar o Ensino Fundamental e o Ensino Médio, observados, em cada caso, a legislação e as normas especificamente aplicáveis. A Escola funciona de segunda a sexta-feira com os alunos e aos sábados extraordinariamente.
  • 9. 9 Matriz Curricular do Ensino Fundamental de 09 anos Número de dias de efetivo trabalho escolar: 200 dias Número mínimo de semanas letivas: 40 semanas Número de dias semanais de efetivo trabalho: 05 dias Duração da hora/aula: 45 minutos – 05 horas/aulas diárias (4 horas relógio) Carga anual para os alunos: 800 horas Turno: Diurno RESOLUÇÃO Nº 02/CEB/CNE COMPONENTES CURRICULARES ANOS (AULAS SEMANAIS) TOTAL SEMANAL 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º BASE COMUM Língua Portuguesa X X X X X 04 04 04 04 16 Matemática X X X X X 04 04 04 04 16 Ciências X X X X X 03 03 03 03 12 História X X X X X 03 03 03 03 12 Geografia X X X X X 03 03 03 03 12 Educação Física X X X X X 03 03 03 03 12 Arte X X X X X 02 02 02 02 08 Ensino Religioso X X X X X 01 01 01 01 04 PARTE DIVERSIFICADA Língua Estrangeira (Inglês) - - - - - 03 03 03 03 12 TOTAIS SEMANAIS X X X X X 26 26 26 26 104
  • 10. 10 Matriz Curricular do Ensino Médio - Diurno e Noturno Carga Horária Semestral – 400 horas Carga Horária Total – 800 horas Número de dias de efetivo trabalho escolar – 200 dias Número de semanas – 40 Duração da aula – hora/aula: Matutino – 45 minutos (4horas relógio) Noturno – 40 minutos (3h30min relógio) RESOLUÇÃO Nº 03/CEB/CNE COMPONENTES CURRICULARES 1ª SÉRIE 2ª SÉRIE 3ª SÉRIE CARGA HORÁRIA LINGUAGENS Língua Portuguesa e Literatura 03 03 03 288 Língua Estrangeira (Inglês) 02 02 02 192 Artes 02 01 02 160 Educação Física 02 02 02 192 Subtotal 09 08 09 832 CIÊNCIAS DA NATUREZA E MATEMÁTICA Química 02 02 02 192 Física 02 02 02 192 Biologia 02 02 02 192 Matemática 03 03 03 288 Subtotal 09 09 09 864 CIÊNCIAS HUMANAS História 02 02 02 192 Geografia 02 02 02 192 Filosofia 01 02 02 160 Sociologia 02 02 01 160 Subtotal 07 08 07 704 TOTAIS SEMANAIS 25 25 25 2400
  • 11. 11 Os programas e currículos serão articulados com a prática social, sendo seu ponto de partida e seu ponto de chegada. Estabelece-se, portanto, uma relação dialética entre o conhecimento acumulado historicamente pela humanidade e a realidade na qual está inserida a escola. A LDB redimensiona o conceito de escola e explica que está nas mãos dos sujeitos que fazem a escola definir a organização do seu trabalho pedagógico. Obviamente, uma atribuição dessa natureza é de grande responsabilidade, porque implica na definição dos caminhos que a escola vai tomar e, consequentemente a construção de sua autonomia, que depende de uma ação compartilhada de todos os segmentos, de forma mais dialogada e solidária. Este marco operativo diz respeito ao trabalho da escola como um todo, em sua finalidade primeira e a todas as atividades desenvolvidas tanto dentro como fora da sala de aula, inclusive a forma de gestão, a abordagem curricular e a relação escola comunidade. A dimensão pedagógica manifesta-se à medida que a aprendizagem do aluno, a base curricular e os programas de ensino por ele desenvolvidos, são analisados pelo professor, ou pelo coletivo dos professores, e a avaliação da escola é feita para verificar o seu desempenho em termos de aprendizagem. A maior finalidade do Projeto Político Pedagógico é assegurar o sucesso da aprendizagem de todos os alunos da escola.
  • 12. 12 4. Dimensão Administrativa Diretor Geral Neusa Muller Ferreira Garcia João Pedro Dalbosco Assessores de Direção Paulo Sérgio Paz De Oliveira Assistente de Educação Patricia Buss Grêmio Estudantil Em transição Assistente Técnico Pedagógico Ronaldo dos Santos Maristela Terezinha Ruschel Presidente APP (2018-2020) Indiamara de Oliveira Presidente Conselho Deliberativo (2017-2019) Viviane A. Anghinoni Professores Entidades Democráticas Responsável pela Biblioteca Maristela Terezinha Ruschel Responsável pela Sala de Informática Ronaldo dos Santos
  • 13. 13 5. Corpo Docente Nome Do Professor Matrícula Função Componente Curricular Carga Horária Paulo Sérgio Paz De Oliveira 288.138-1-04 Diretor Geral Biologia 40 Neusa Muller F. Garcia 311.162-8-03 Assessora LPL 20 João Pedro Dalbosco 318.132-4-02 Assessor História 40 Patricia Buss 372.976-1-01 Assistente de Educação Ed. Infantil 40 Ronaldo dos Santos 345.296-4-03 Assistente Téc. Pedag. Matemática 40 Maristela T. Ruschel Pegoraro 182.245-4-03 Assistente Téc. Pedag. LPL/ Alemão 40 Adenize Vieira de Jesus 387337-4-03 Professora Ensino Religioso Compl. Adriana Thomas Frezza 655788-0-01 2ª Professora Anos Finais 20 Alexandra Severo 998683-9-01 Professora Anos Iniciais 40 Ana Carla Soboleski Merlo 398.051-0-03 Professora Anos Iniciais 40 Andreia Cristina dos Santos Rodrigues 980466-8-01 2ª Professora Anos Finais 20 Andreia Salete Sobierai 390.149-1-02 Professora Matemática 16. Camila Pelegrini 667348-1-01 Professora Sociologia 14 Cassiana Dallacort 681211-2-01 Professora Biologia 10 Cristina Gaboardi M. Mezzomo 344.582-8-02 Professora Educação Física 20 Daiane Bonafé 327.822-0-01 Professora Química 40 Daiane Sichelero 679406-8-01 Professora Séries Iniciais 40 Daisa Pompeo 356993-4-01 Professora Língua Inglesa 22 Danieli Orlandini 682681-4-01 Professora 2ª Professora 20 Débora Cristina Klaus Tecchio 678.834-3-01 Professora Educação Física 40 Dimali Aparecida Ongaratto 336005-9-03 Professora Arte 28 Eliane Franceschina Cavalheiro 389117-8-01 Professora Anos Iniciais 40 Eliane Thome 378217-4-01 Professora Física 12 Elisaine Inês Tonatto Massoline 315.029-1-04 Professora Matemática/ Física 40
  • 14. 14 Nome Do Professor Matrícula Função Componente Curricular Carga Horária Eloi Telmir dos Santos 320.426-0-03 Professor Geografia 30 Elza Antonia Spagnol Vanin 317523-5-02 Professora Língua Inglesa 10 Francine Baptistella 331489-8-02 Professora Química 10 Greici Moratelli Sampaio 682790-0-01 Professora LPL 6 Isael Machado Da Costa 975221-8-02 Professora Geografia 24 Ivania Maria Ferreira 686772-3-02 2ª Professora Anos Iniciais 20 Jaime Antonio Karasek 305.612-0-04 Professor Educação Física 40 Jussara Eleuterio Da Luz Teodoro 310232-7-03 Professora Língua Inglesa 10 Karieli Kaue Ferrari 677700-7-01 Professora Anos Iniciais 20 Kelli Cristina J. Dellalibera 676.846-6-01 2ª Professora Anos Finais 20 Kerlen Kendi Salvador 674621-7-01 Professora Educação Física 32 Luiz Antônio Garcia 387.858-9-03 Professor Filosofia/ Sociologia 40 Margarete Tironi 672793-0-02 Professora Biologia 10 Marília Eliane Prestes 664.110-5-01 Professora Matemática 08 Marivete Ines Feldmann Krindges 668315-0-02 Professora Filosofia 15 Marlise Seghetto 675133-4-02 Professora Matemática 40 Mauriceia Gheller Da Silva 338436-5-01 Professora LPL 08 Monique Francieli Gielda 650861-8-03 Professora História 19 Neide Dominga Testa 342276-3-02 Professora Língua Inglesa 15 Neiva Ana Maboni 270.362-9-03 Professora Geografia 20 Nilceia De Oliveira 389212-3-03 2ª Professora Anos Iniciais 20 Rosalia F. da Silva Kessler 259.191-0-03 Professora Língua Portuguesa/ LPL 40 Roseli Salete Vivan 289.239-1-05 Professora Arte 40 Sidiane Covatti 298.427-0-05 Professora Biologia / Ciências 40 Sidiani Quadri 394591-0-01 2ª Professora Anos Iniciais 20
  • 15. 15 Nome Do Professor Matrícula Função Componente Curricular Carga Horária Sirlei Spegiorin Spolti 399502-0-01 2ª Professora Anos Iniciais 20 Suelen Pamela Sganzerla Marafon 989281-8-01 Professora Ciências 30 Susana Madalena Martins Vieira 311.843-6-02 Professora Séries Iniciais 40 Tatiana de Oliveira da Silva 359.413-0-04 Professora Arte 40 Zenei Oliva P. Michellon 261.710-2-05 Professora História 40
  • 16. 16 Os trabalhadores em educação desta Unidade Escolar estão em constante aperfeiçoamento pedagógico, que se dá através de planejamentos periódicos que ocorrem na escola e também em seminários e cursos promovidos pela GERED e por outras Instituições de Ensino Superior (IES). Os alunos são atendidos regularmente em sala de aula e também na sala de informática, na biblioteca e no ginásio de esportes para a realização da práxis pedagógica. O atendimento supracitado ocorre nos seguintes períodos:  Matutino: 07 horas e 30 minutos às 11 horas e 30 minutos  Vespertino: 13 horas e 15 minutos às 17 horas e 15 minutos  Noturno: 18 horas e 30min às 22 horas. Quanto ao Estágio de Estudantes do Ensino Médio, de acordo com a Lei nº 11.788/2008, a Unidade Escolar informa os estudantes com 16 anos ou mais, a possibilidade dos mesmos estagiarem em empresas ou escolas. O aluno interessado preenche a sua inscrição na unidade escolar e a mesma encaminha ao setor de ensino da GERED. No momento que surgirem vagas, a pessoa responsável entra em contato com a escola, que comunica o aluno. A Implantação da avaliação institucional é um desafio, porque precisamos: 1. Compreender os princípios e as finalidades da avaliação institucional como o embasamento para o desenvolvimento desse processo; 2. Participar da formação de procedimentos metodológicos e etapas de avaliação institucional; 3. Implantar um processo de avaliação na instituição escolar, envolvendo toda a comunidade; 4. Selecionar procedimentos básicos para a elaboração, aplicação, organização e interpretação dos instrumentos de coleta de informações sobre a escola; 5. Utilizar os resultados da avaliação do processo de aperfeiçoamento do Projeto Político Pedagógico da escola. Sabemos que a avaliação institucional tem uma relação direta com a aprendizagem do aluno e ela se desenvolve por meio de uma prática coletiva.
  • 17. 17 6. Diagnóstico da Escola 6.1 Dimensão socioeconômica Segundo as últimas informações do IBGE (Censo 2010), a comunidade na qual a escola está inserida possui uma população de aproximadamente 8.700 habitantes. Quanto à parte social, na comunidade existem Associações de Moradores, organizações de cunho religioso (predominando o cristianismo), movimentos culturais e de entretenimento, como os Centros de Tradições Gaúchas (CTG) e shopping, unidades de saúde. Os problemas que afetam a comunidade são: falta de saneamento básico, ruas e calçadas pouco acessíveis, violência, consumo e tráfico de entorpecentes, falta de áreas sociais de lazer. Porém, nota-se que houve muitos ganhos sociais a essa região na última década. A maioria dos pais é oriunda do meio rural que migraram para a cidade em busca de novas oportunidades (êxodo rural). A grande maioria de nossos alunos (aproximadamente 70%) vive com os pais, em residência própria; cerca de 75% dos pais trabalham com carteira assinada. Quanto à renda familiar, cerca de 60% ganham de 1 a 3 salários mínimos. A média de pessoas por família é de quatro membros. Quanto à escolarização dos pais, 25% têm os anos iniciais do Ensino Fundamental; 27% têm o Ensino Fundamental completo; 9% cursam o Ensino Médio e 21% tem o Ensino Médio completo; 5% estão cursando o Ensino Superior e cerca de 3% tem o Ensino Superior completo. Ainda temos aproximadamente 8% dos pais que não são alfabetizados. Quanto à etnia de nossos alunos, são oriundos de alemães, italianos, poloneses, negros e caboclos. 6.2 Dimensão Pedagógica A Unidade Escolar objetiva sua ação educativa, fundamentada nos objetivos da universalização (comum a todas as pessoas) de igualdade de acesso (entrada na escola) e permanência, com redução dos índices de reprovação e evasão, da obrigatoriedade do Ensino Fundamental e da gratuidade escolar.
  • 18. 18 Tem como proposta uma escola de qualidade, democrática, participativa e comunitária, como espaço cultural de socialização e desenvolvimento do educando, preparando-o para o exercício de direitos e o cumprimento dos deveres, sinônimo de cidadania. No envolvimento da comunidade escolar, a escola se propõe à produção, transmissão e apropriação crítica do conhecimento e seu maior objetivo é a formação do aluno como sujeito ativo, participativo da construção de uma sociedade mais justa, humana e igualitária. Um ser capaz de, consciente e conhecedor da realidade em que está inserido, ser crítico, responsável, engajado na busca do saber historicamente construído pela humanidade. A filosofia norteada na ação pedagógica tem sua origem e seu fim na prática social concreta, de acordo com o que preconiza a Proposta Curricular de Santa Catarina, proposta esta que ainda nos diz que quanto mais integral a formação dos sujeitos, maiores são as possibilidades de criação e transformação da sociedade. O contexto histórico-social no qual vivem professores e alunos constitui o fundamento da escola. Os programas e currículos serão articulados com a prática social, ou seja, terão na prática social seu ponto de partida e seu ponto de chegada. Estabelece-se, portanto, uma relação dialética entre o conhecimento acumulado historicamente pela humanidade e a realidade na qual está inserida a escola. A Escola De Educação Básica Saad Antônio Sarquis, prima pela efetiva participação responsável e democrática de nossos alunos na construção de uma sociedade mais justa e sustentável, pois como diz o nosso lema, “O pai que ama seu filho e valoriza a escola não deixa de participar.” A escola trabalha com alguns projetos pedagógicos durante o ano letivo, sendo atualmente os seguintes: Revisão e avaliação permanente do PPP; Implementação e execução do Plano de Educação dos Nove Anos; Leitura na Escola; Sexualidade e Afetividade; Embelezamento da escola; Educação no Trânsito; Brasil Afro; Conselho de Classe Participativo e Plantão Pedagógico;
  • 19. 19 Interação Família-escola; Acolhimento dos educando na chegada; Violência no Ambiente Escolar e Semana Catarinense do Meio Ambiente, inclusão e diversidade. Esses projetos são avaliados continuamente e tem demonstrado bons resultados. Educação Ambiental É realizada na escola no âmbito dos currículos, sem, entretanto, constituir-se como disciplina, pois, em virtude do seu caráter integrador e motivador, exige a participação de todos os professores na medida em que as temáticas ambientais passam pelas disciplinas e geram o envolvimento da comunidade escolar. As pessoas devem ser educadas, a fim que suas relações com o ambiente mantenham a sua subsistência de modo sustentável. A Unidade Escolar trabalha a partir do pensamento de Fritjof Capra, que diz: “Nas próximas décadas a sobrevivência da humanidade vai depender da nossa habilidade de extrair conhecimentos da natureza, entender os princípios básicos da ecologia e de viver de acordo com eles.” A Constituição Brasileira de 1988 menciona como responsabilidade do poder público: promover a Educação Ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do ambiente, reforçada na Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA), estabelecida na lei nº 9.795/99. Inclusão e diversidade Diversidade é o conjunto de diferenças e semelhanças que nos caracterizam, não apenas as diferenças. Diversos não são os outros que estão em situação de vulnerabilidade, desvantagem ou exclusão. Essa maneira de encarar a diversidade como uma característica de todos nós, e não de alguns de nós, faz toda a diferença quando trabalhamos o tema. Não se trata de incluir os que ficaram do lado de fora porque eles são os diversos. Eles ficaram do lado de fora porque estamos cometendo injustiças, e não porque eles são “desajustados” e os incluídos são os perfeitos. Incluir é agir para que o outro exista, e não um movimento para tornar o outro semelhante a si ou o movimento de negar-se para que só o outro exista. Quem tem medo da diferença e se sente ameaçado por ela não se dispõe ao encontro, à
  • 20. 20 transformação, à afirmação do que se é e do que o outro é para construir algo novo, um novo lugar, um ponto de chegada que não é o mesmo, mas outro. Inclusão é resultado do gesto de incluir, que faz com que todos se sintam acolhidos em suas singularidades para contribuir com o todo na realização da missão do grupo e da instituição. A inclusão surge na interação e a fortalece, ampliando as possibilidades de cooperação entre as pessoas, de resolver conflitos e de chegar a um bom termo em relação aos desafios. Ser inclusivo é dispor-se ao novo, ao inusitado, à transformação. Inclusão, como interação de qualidade, destrói a ideia de fora e dentro que o termo sugere para dar-se conta de que há um todo transformado pela postura e pelas práticas inclusivas. A EEB. Saad Antônio Sarquis prima pela inclusão de todos os atores educacionais, comungando o pensamento de Paulo Freire de que a Educação tem caráter permanente. Não há seres educados e não educados. Estamos todos nos educando.
  • 21. 21 6.3 Dimensão Financeira Os recursos financeiros da escola são oriundos das verbas que vem do governo federal – PDDE - e verbas descentralizadas do governo estadual, que são distribuídas e aplicadas conforme a legislação vigente. 6.4 Dimensão Física A EEB. Saad Antônio Sarquis tem uma área construída de aproximadamente 1400 m2 . Possui 08 (sete) salas com 48 m2 ; 06 (Seis) salas com 36 m2 ; salientamos ainda que todas as salas de aula são climatizadas e possuem 01 (uma) TV Led 32” e 01 (um) aparelho de DVD, totalizando 11 (onze) televisores e 11 (onze) DVD´s; área coberta com aproximadamente 600 m2 ; 08 (oito) banheiros femininos; 06 (seis) banheiros masculinos; 01(um) banheiro na sala dos professores; sala da direção; secretaria; sala de planejamento e intervenção pedagógica contando com 02 (dois) computadores, 01 (uma) TV e 01(um) aparelho de DVD; cozinha; biblioteca com 48 m2 , informatizada e climatizada, reunindo um acervo de aproximadamente 9000 (nove mil) títulos, entre livros, revistas periódicas, gibis e enciclopédias; contamos com uma sala informatizada, climatizada com 28 (vinte e oito) terminais de computador e 01 (uma) impressora/copiadora. Temos ainda 08 (oito) computadores distribuídos na sala dos professores, secretaria, biblioteca e sala da direção; 04(quatro) impressoras. Temos 01 (um) datashow e 01 (um) notebook, 02(dois) projetores multimídia 3X1 Proinfo, aparelhos de som portátil. Mais 01 (um) televisor com DVD e parabólica na secretaria; 01 (um) televisor com parabólica na sala dos professores; 01 (um) home theather; 02 (duas) caixas amplificadas; 01 (um) sistema de som para eventos maiores; além da área coberta, entre as alas 1 e 2, com som ambiente, que serve também como refeitório durante o recreio. Fazem parte ainda do espaço físico da escola 01 (uma) quadra de areia, área descoberta entre as alas 2 e 3 e o ginásio de esportes. Em termos de acessibilidade, foram construídas rampas de acesso e 01 (um) banheiro adaptado para uso de cadeirantes.
  • 22. 22 7. Educação Inclusiva A escola tem que ser o reflexo da vida do lado de fora. O grande ganho, para todos, é viver a experiência da diferença. Se os educandos não passam por isso na infância, mais tarde terão muita dificuldade de vencer os preconceitos. A inclusão possibilita aos que são discriminados pela deficiência, pela classe social ou pela cor que, por direito, ocupem o seu espaço na sociedade. Se isso não ocorrer, essas pessoas serão sempre dependentes e terão uma vida cidadã pela metade. Você não pode ter um lugar no mundo sem considerar o do outro, valorizando o que ele é, e o que ele poderá vir a ser. Além disso, para nós, professores, o maior ganho está em garantir a todos o direito à educação. Os alunos precisam de liberdade para aprender de seu modo, de acordo com as suas condições. E isso vale para os estudantes com deficiência ou não. A escola de Educação Básica Saad Antônio Sarquis, é uma escola que pratica e acredita na educação inclusiva, pois, para Mantoan, 2005,” Inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças”. 8. Gestão Democrática A ação democrática representa um exercício de poder, autocriação, auto instituição e autogestão. Para que a gestão da escola pública seja efetivamente democrática é fundamental que ela exercite sua autonomia. Levando isso em conta, sentiu-se a necessidade de encontrar outra forma de gestão da escola pública, que não a tradicional (indicação política). A democracia deve ser um exercício permanente e cotidiano, em todos os ambientes e momentos da escola, somente assim ela poderá se fazer viva e se constituir como um elemento da cultura institucional, não apenas uma prática de eleição. Os artigos 14 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e 22 do Plano Nacional de Educação (PNE) indicam que os sistemas de ensino definirão as normas da gestão democrática do ensino público na educação básica obedecendo aos princípios da participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto pedagógico da escola e a participação das comunidades escolares e locais em conselhos escolares. Devemos enfatizar então que a
  • 23. 23 democracia na escola por si só não tem significado. Ela só faz sentido se estiver vinculada a uma percepção de democratização da sociedade. Na rede estadual de ensino de Santa Catarina, as normas que regem a Gestão Democrática são definidas no decreto nº 1.794/13, de 15 de outubro de 2013, com alterações dadas pelo decreto nº 243, de 1º de julho de 2015. Segundo estes decretos, os que tiverem interesse em assumir a direção da unidade escolar deverão apresentar um Plano de Gestão Escolar, que será apreciado por uma banca avaliadora a ser definida pela Secretaria de Estado da Educação. Passando pela banca, os Planos de Gestão estarão aptos a serem analisados e votados pela comunidade escolar. O diretor que tiver seu Plano de Gestão escolhido pela comunidade escolar indicará os seus assessores. O edital para inscrição e escolha dos Planos de Gestão é divulgado anualmente, ou de acordo com a necessidade, pela SED. Em nossa unidade escolar, a eleição ocorreu em 2015, onde o professor Paulo Sérgio Paz de Oliveira teve seu Plano de Gestão Escolar aprovado pela Comunidade Escolar, estando como Diretor Geral na gestão 2016-2019.
  • 24. 24 9. Metas, Ações e Responsáveis. Meta 01: Revisão e avaliação permanente do PPP. Ação: Mudança no olhar do PPP. Responsáveis: Comunidade escolar Período de desenvolvimento: Fevereiro a dezembro de 2018. Resultados esperados: A consolidação do PPP na Comunidade Escolar. Como será a avaliação final: Será realizada entre todos os partícipes da Comunidade Escolar. Meta 02: Implementação e execução do Plano de Educação dos nove anos. Ação: Alfabetização e letramento. Responsáveis: Coordenador Pedagógico, professores do Ensino Fundamental. Período de desenvolvimento: Fevereiro a dezembro de 2018. Resultados esperados: Manutenção do Ideb dos Anos Iniciais e melhoria nos índices do IDEB nos Anos Finais do Ensino Fundamental. Como será a avaliação final: Através de instrumentos como a Prova Brasil. Meta 03: Desenvolver a temática sexualidade e afetividade. Ação: Palestras, produção de textos e cartazes e apresentações em seminários. Responsáveis: Coordenadores do Nepre e comunidade escolar. Período de desenvolvimento: Março a dezembro de 2018. Resultados esperados: Uma nova postura frente aos assuntos relacionados à sexualidade e afetividade. Como será a avaliação final: Serão observadas as mudanças de atitudes dos alunos.
  • 25. 25 Meta 04: Aperfeiçoar e avaliar o projeto Brasil Afro para sua real efetivação. Ação: Palestras, filmes, debates, comemoração nas datas referentes ao projeto. Responsáveis: Professores, Assistentes Técnicos Pedagógicos e comunidade escolar. Período de desenvolvimento: Março a novembro de 2018. Resultados esperados: Que todas as culturas e etnias sejam respeitadas e valorizadas. Como será a avaliação final: Verificar se houve mudanças de postura em relação à convivência das diferentes etnias. Meta 05: Desenvolver a capacidade da leitura crítica, reflexiva e lúdica (Projeto Leitura na Escola). Ação: Dias específicos de leitura na sala de aula em toda a escola. Responsáveis: Todos os professores, alunos e funcionários. Período de desenvolvimento: Abril a dezembro de 2018. Resultados esperados: Que os educandos adquiram o hábito da leitura. Como será a avaliação final: Observando se houve melhoras na aprendizagem e na interpretação de fatos. Meta 06: Preservação do meio ambiente como forma de sobrevivência e embelezamento, onde a UE está inserida. Ação: Plantio e manejo para implantação do bosque pedagógico, palestras, saídas a campo. Responsáveis: Comunidade escolar e professores de Ciências, Biologia e Geografia. Período de desenvolvimento: Março a dezembro de 2018. Resultados esperados: Que se desenvolva um novo olhar de preservação ao meio ambiente. Como será a avaliação final: A partir das atitudes desenvolvidas em preservação ao meio pela Comunidade Escolar.
  • 26. 26 Meta 07: Desenvolver uma consciência educada em relação aos transeuntes e motoristas. Ação: Palestras com autoridades do trânsito, conhecimento do Código de Trânsito Brasileiro, maquetes, produção textual e cartazes. Responsáveis: Comunidade escolar e Professores de Geografia. Período de desenvolvimento: Fevereiro a dezembro de 2018. Resultados esperados: Que se crie uma consciência em relação à direção defensiva e ao respeito às normas de trânsito. Como será a avaliação final: A partir das atitudes dos alunos em relação ao trânsito. Meta 08: Integração e envolvimento da comunidade escolar no ambiente educativo. Ação: Homenagem às famílias com apresentação de teatros, poesias, jograis, danças, músicas e outras atividades. Responsáveis: Alunos, professores e comunidade escolar. Período de desenvolvimento: Abril e agosto de 2018. Resultados esperados: Que os pais participem efetivamente da vida escolar dos filhos. Como será a avaliação final: A partir da efetiva integração entre a Comunidade Escolar. Meta 09: Prevenir a violência no ambiente escolar. Ação: Palestras, reflexão entre professores, funcionários e alunos a respeito da violência no universo escolar, produções de textos sobre direitos e deveres dos cidadãos e estudos sobre bullying. Responsáveis: Toda a Comunidade Escolar. Período de desenvolvimento: Todo ano letivo de 2018. Resultados esperados: Que se desenvolva uma consciência de respeito e amor ao próximo, ao diferente e combate as práticas da homofobia, transfobia e lesbofobia. Como será a avaliação final: A partir das mudanças atitudinais em relação a convivência dos atores envolvidos.
  • 27. 27 Meta 10: Realizar o VI Seminário do Meio Ambiente em comemoração a VI Semana Catarinense do Meio Ambiente. Ação: Promover atividades referentes ao projeto de Lei de autoria dos alunos da EEB. Saad Antônio Sarquis na sua participação na 13ª edição do Parlamento Jovem, na Assembleia Legislativa de Santa Catarina. O Projeto em questão foi aprovado pela Alesc no final do ano de 2012. Responsáveis: Toda a Comunidade Escolar. Período de desenvolvimento: Neste ano, será realizado na semana subsequente ao dia 05 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente. Resultados esperados: Que se desenvolva uma consciência de preservação ambiental, reduzindo-se ao máximo a degradação do meio. Como será a avaliação final: A partir da mudança de atitude e da verificação de uma consciência mais sustentável. Meta 11: Socializar com os educandos as normas de convivência da Unidade Escolar. Ação: Promover uma apresentação com posterior reflexão e socialização das normas, priorizando a participação do educando na legitimação das mesmas, através da visualização turma por turma das mesmas. Responsáveis: Direção e ATPs. Período de desenvolvimento: Nas primeiras semanas de aula. Resultados esperados: Que o educando sinta-se fazendo parte na construção, discussão e aprovação das normas de convivência, o que lhe dará um maior senso de responsabilidade no cumprimento das mesmas. Como será a avaliação final: A partir do processo de internalização e mudança de comportamento em relação às normas. Meta 12: Garantir o acesso e a permanência dos educandos com sucesso e aproveitamento no processo de ensinagem. Ação: Tornar a escola um espaço onde ocorra efetivamente o processo de inclusão e internalização dos temas abordados nas mais diversas etapas da construção do sujeito crítico, reflexivo e participativo.
  • 28. 28 Responsáveis: Direção, professores e pais. Período de desenvolvimento: Durante todo o ano letivo. Resultados esperados: Que o educando sinta-se fazendo parte na construção, discussão e internalização dos conteúdos, para que com isso desenvolva uma consciência da importância da educação, bem como da sua efetiva permanência no ambiente escolar, diminuindo, com isso, os índices de evasão e repetência. Como será a avaliação final: A partir da observação dos números de evasão e repetência durante o ano letivo. Meta 13: Execução do Hino Nacional Brasileiro no ambiente escolar. Ação: Cantar o Hino Nacional Brasileiro uma vez por semana como forma de desenvolver o civismo e o patriotismo nos educandos. Responsáveis: Equipe gestora, pedagógica e professores. Período de desenvolvimento: de fevereiro a dezembro de 2018. Resultados esperados: O desenvolvimento dos sentimentos de civismo e patriotismo nos educandos, despertando a criticidade e o conhecimento dos símbolos nacionais. Meta 14: Acolhimento e socialização dos educandos. Ação: Receber todos os dias, nos três turnos, os educandos e suas famílias no portão, bem como servir a merenda aos mesmos, como forma de valorização, inclusão e prevenção da violência no ambiente escolar. Responsáveis: Equipe gestora, AE e ATPs. Período de desenvolvimento: de fevereiro a dezembro de 2018. Resultados esperados: Que os educandos sintam-se em segurança no ambiente escolar e saibam que a escola é um ambiente inclusivo e acolhedor. Meta 15: Acolhimento e inclusão dos educandos da Educação Especial. Ação: Desenvolver um trabalho inclusivo com toda a Comunidade Escolar. Responsáveis: Comunidade Escolar. Período de desenvolvimento: de fevereiro a dezembro de 2018.
  • 29. 29 Resultados esperados: Que os educandos sintam-se inclusos no ambiente escolar, respeitando suas especificidades. 8. Consolidação do PPP Este documento foi consolidado na Assembleia Ordinária da Associação de Pais e Professores (APP) realizada no dia 17 de março de 2018, às 14h, sendo o documento acima aprovado, de acordo com a Ata nº 001/2018.
  • 30. 30 9. Calendário Escolar CALENDÁRIO ESCOLAR – 2018 FEVEREIRO DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 17 – ASSEMBLEIA DE PAIS 30-SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO DETE 21 M. V.N. MARÇO DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 ABRIL DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 05 A 09 – PLANEJAMENTO COM OS PROFESSORES 19 - INÍCIO DO ANO LETIVO COM ALUNOS 12 E 13- CARNAVAL 14- CINZAS DETE: 08 M.V.N 14 – DIA DA FAMÍLIA NA ESCOLA – SÁBADO – PALESTRA MOTIVACIONAL PAIS 10- FORMAÇÃO 27- CONSELHO DE CLASSE PARTICIPATIVO 27 - TERMINO DO 1º BIMESTRE COM 49 DIAS LETIVOS 30- FERIADÃO Dete: 20 M. V. N.
  • 31. 31 MAIO DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 JUNHO DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 JULHO DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 01 – FERIADO DIA DO TRABALHADOR 05 – DIA DA FAMILIA NA ESCOLA- ENTREGA DE BOLETINS 14 – SEMINÁRIO DO PNAIC – aula normal 31-CORPUS CRISTI DETE: 22 M. V. N. 01- FERIADO CORPUS CRISTI 20 - FORMAÇÃO DETE: 19 M. V. N. 07 – FESTA JULINA 18 – CONSELHO DE CLASSE PARTICIPATIVO / ENCERRAMENTO DO 2º BIMESTRE COM 55 DIAS LETIVOS. 19 A 27 - RECESSO ESCOLAR PARA OS ALUNOS 19 E 20 - FORMAÇÃO PARA OS PROFESSORES - SOCIALIZAÇÃO DE ATIVIDADES 23 A 27 - RECESSO PROFESSORES 30- INICIO DO 3º BIMESTRE DETE: 14 para 2 º bimestre 02 para 3º bimestre = 16 dias DETE. 1º Semestre – 104
  • 32. 32 AGOSTO DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 SETEMBRO DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 OUTUBRO DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 11-DIA DO ESTUDANTE (REPOSIÇÃO DIA 15/02) 24 – FEIRA DO CONHECIMENTO NA ESCOLA DETE: 24 M. V. N. + 2 julho= 26 07 – ATO CÍVICO – INDEPENDÊNCIA DO BRASIL (na escola). 18 – FORMAÇÃO 19 – FEIRA REGIONAL DO CONHECIMENTO - UNOESC 26 – CONSELHO DE CLASSE PARTICIPATIVO 28 – TÉRMINO DO 3º BIMESTRE COM 45 DIAS DETE: 19 M. V. N. 12 – FERIADO – NOSSA SENHORA APARECIDA. 15 – FERIADO – DIA DO PROFESSOR 20 – ALMOÇO EM HOMENAGEM AOS PROFESSORES DETE: 21 M. V. N.
  • 33. 33 NOVEMBRO DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 DEZEMBRO DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 DETE. 2º Semestre – 98 Total de Dias Letivos - 202 Legenda Dias de Efetivo Trabalho Escolar (DETE) Recesso Feriados Planejamento e Formação Início – término de bimestre 02 – FERIADO DIA DE FINADOS 15 e 16 FERIADO PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA 24- SHOW DE TALENTOS NA PRAÇA (REPOSIÇÃO DO DIA 16/02) DETE: 20 M. V. N. 17- CONSELHO DE CLASSE PARTICIPATIVO 18- TÉRMINO DA AULA PARA TODOS OS ALUNOS 18-ENCERRAMENTO DO ANO LETIVO COM 53 DIAS LETIVOS 19 , 20,21 - RECURSOS/ FORMATURAS/ ENTREGA DE BOLETINS 25 - NATAL DETE: 12
  • 34. 34 10.DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: Professor GRUPO OCUPACIONAL: Docência NÍVEL: III a VI REFERÊNCIA: A a I HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Formação em curso superior de graduação em Pedagogia ou Curso Superior de graduação e licenciatura plena correspondente às áreas de conhecimento específicas do currículo. JORNADA DE TRABALHO: 10 (dez), 20 (vinte), 30 (trinta) ou 40 (quarenta) horas semanais. DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES: Ministrar aulas e orientar a aprendizagem do aluno; Elaborar programas, planos de curso e de aula no que for de sua competência; Avaliar o desempenho dos alunos atribuindo-lhes notas ou conceitos nos prazos fixados; Cooperar com os Serviços de Orientação Educação e Supervisão Escolar; Promover experiências de ensino e aprendizagem contribuindo para o aprimoramento da qualidade do ensino; Participar de reunião, conselhos de classe, atividades cívicas e outras; Preencher devidamente os dados em sistemas informatizados a fim de manter informados os pais ou responsáveis sobre a frequência e o rendimento dos alunos, assim como a execução da atividade docente; Promover aulas e trabalhos de recuperação com alunos que apresentam dificuldades de aprendizagem; Seguir as diretrizes do ensino emanadas do órgão superior competente; Fornecer dados e apresentar relatórios de suas atividades; Assumir a docência, quando do impedimento eventual do professor responsável pela turma e/ou disciplina, independentemente da etapa ou da modalidade; Elaborar e implementar projetos especiais relacionados às disciplinas, aos Temas Transversais/Multidisciplinares e ao Projeto Político-Pedagógico da Unidade Escolar; Elaborar seu planejamento bimestral/semestral/anual dos temas a serem trabalhados com os estudantes, em conjunto com a equipe pedagógica da escola; Participar do planejamento curricular com todos os professores da unidade escolar; Participar na elaboração, execução e avaliação de planos, programas e projetos na área educacional; Executar outras atividades compatíveis com o cargo.
  • 35. 35 DENOMINAÇÃO DO CARGO: Assistente Técnico Pedagógico GRUPO OCUPACIONAL: Apoio Técnico NÍVEL: III a VI REFERÊNCIA: A a I HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Formação em curso superior de graduação em Pedagogia. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) ou 40 (quarenta) horas semanais. DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES: Participar de estudos e pesquisas de natureza técnica sobre administração geral e específica, sob orientação; Participar, estudar e propor aperfeiçoamento e adequação da legislação e normas específicas, bem como métodos e técnicas de trabalho; Realizar programação de trabalho, tendo em vista alterações de normas legais, regulamentares ou recursos; Participar na elaboração de programas para o levantamento, implantação e controle das práticas de pessoal; Selecionar, classificar e arquivar documentação; Participar na execução de programas e projetos educacionais; Prestar auxílio no desenvolvimento de atividades relativas à assistência técnica aos segmentos envolvidos diretamente com o processo ensino-aprendizagem; Desenvolver outras atividades afins ao órgão e a sua área de atuação; Participar com a comunidade escolar na construção do projeto político-pedagógico; Auxiliar na distribuição dos recursos humanos, físicos e materiais disponíveis na escola; Participar do planejamento curricular; Auxiliar na coleta e organização de informações, dados estatísticos da escola e documentação; Contribuir para a criação, organização e funcionamento das diversas associações escolares; Comprometer-se com atendimento às reais necessidades escolares; Participar dos conselhos de classe, reuniões pedagógicas e grupos de estudo; Contribuir para o cumprimento do calendário escolar; Participar na elaboração, execução e desenvolvimento de projetos especiais; Administrar e organizar os laboratórios existentes na escola; Auxiliar na administração e organização das bibliotecas escolares; Executar outras atividades de acordo com as necessidades da escola.
  • 36. 36 DENOMINAÇÃO DO CARGO: Assistente de Educação GRUPO OCUPACIONAL: Apoio Administrativo NÍVEL: III a VI REFERÊNCIA: A a I HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Formação em curso superior de graduação em Pedagogia. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) ou 40 (quarenta) horas semanais. DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES: Coordenar e executar as tarefas da secretaria escolar; Organizar e manter em dia o protocolo, o arquivo escolar e o registro de assentamentos dos alunos, de forma a permitir, em qualquer época, a verificação da identidade e regularidade da vida escolar do aluno e a autenticidade dos documentos escolares; Redigir e expedir toda a correspondência oficial da unidade escolar; Organizar e manter em dia a coletânea de leis, regulamentos, diretrizes, ordens de serviço, circulares, resoluções e demais documentos; Auxiliar na elaboração de relatórios; Rever todo o expediente a ser submetido a despacho do Diretor; Apresentar ao Diretor, em tempo hábil, todos os documentos que devem ser assinados; Coordenar e supervisionar as atividades referentes à matrícula, transferência, adaptação e conclusão de curso; Assinar juntamente com o Diretor, os documentos escolares que forem expedidos, inclusive os diplomas e certificados; Preparar e secretariar reuniões, quando convocado pela direção; Zelar pelo uso adequado e conservação dos bens materiais distribuídos à secretaria; Comunicar à direção toda irregularidade que venha a ocorrer na secretaria; Organizar e preparar a documentação necessária para o encaminhamento de processos diversos; Conhecer a estrutura, compreender e viabilizar o funcionamento das instâncias colegiadas na unidade escolar; Registrar e manter atualizados os assentamentos funcionais dos servidores; Executar outras atividades compatíveis com o cargo.
  • 37. 37 Referencial Bibliográfico ¹Brasil. Secretaria de Educação Básica. Formação de professores do ensino médio, etapa I - caderno V : organização e gestão democrática da escola / Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica; [autores : Celso João Ferretti, Ronaldo Lima Araújo, Domingos Leite Lima Filho]. – Curitiba : UFPR/Setor de Educação, 2013. ²Brasil. Secretaria de Educação Básica. Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares, módulo I: Conselho Escolar na Democratização da Escola. MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão é o Privilégio de Conviver com as Diferenças. In Nova Escola, maio, 2005. Santa Catarina. Secretaria de Estado da Educação e do Desporto. Proposta Curricular de Santa Catarina: Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio: Disciplinas curriculares. Florianópolis: COGEN, 1998. Santa Catarina. Governo do Estado. Secretaria do Estado da Educação. Proposta Curricular de Santa Catarina: formação integral na educação básica. Estado de Santa Catarina, Secretaria de Estado da Educação, 2014. Santa Catarina. DECRETO SC Nº 1794, de 15/10/2013. Dispõe sobre a Gestão Escolar da Educação Básica e Profissional da rede estadual de ensino, em todos os níveis e modalidades. Santa Catarina. DECRETO SC Nº 243, de 01/07/2015. Altera alguns artigos do decreto Nº 1794, de 15/10/2013, que rege a Gestão Escolar da Educação Básica e Profissional da rede estadual de ensino, em todos os níveis e modalidades. Santa Catarina. LEI COMPLEMENTAR Nº 668, de 28/12/2015. Disciplina a admissão de pessoal por prazo determinado no âmbito do Magistério Público Estadual, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público, sob regime administrativo especial (Lei do Efetivo). Santa Catarina. LEI Nº 16.861, DE 28/12/2015. Disciplina a admissão de pessoal por prazo determinado no âmbito do Magistério Público Estadual, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público, sob regime administrativo especial (Lei do ACT). .