SlideShare uma empresa Scribd logo
MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
GABINETE DO COMANDANTE
(GABINETE DO MINISTRO DA GUERRA)
DIEx n° 1934-A3.3/A3/GabCmtEx
EB: 64536.027446/2014-20
Brasília, DF, 10 de novembro de 2014.
Do Chefe do Gabinete do Comandante do Exército
Ao Sr Vice-Chefe do Departamento-Geral do Pessoal
Assunto: Política de Remuneração para Militares das Forças Armadas
Anexo: Ofício nº 12.185/SEORI/SG-MD, de 17 OUT 14
Sobre o assunto, encaminho a Vossa Excelência o documento anexo para
conhecimento e providências.
Por ordem do Senhor Comandante do Exército.
1
fAé:Q&LUCIANO GUILHERME CABRAL PINHEIRO - Cel
Rsp pl Ch Gab Cmt Ex
·MINISTÉRJO DA DEFESA
SECRET ARlA-GERAL - SG
SECRETARIA DE ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL - SEORI
Esplanada dos Ministérios - Bloco "Q" - 12 Andar
CEP: 70049-900 Brasília - DF
Telefone: (61) 3312-8594 Endereço eletrônico: seori@dejesa.gov.br
Ofício n2 .~2.8 5 ISEORIlSG - MD
Brasília, r:t· de outubro de 2014.
A Sua Excelência o Senhor
General-de-Divisão MAURO CESAR LOURENA CID
Chefe de Gabinete do Comandante do Exército
70630-901 - Brasília - DF
Assunto: Política de remuneração para os militares das Forças Armadas.
Senhor Chefe de Gabinete,
1. Cumprimentando-o, faço menção ao projeto de decreto, que aprova a política de
remuneração para os militares das Forças Armadas, em atendimento às orientações constantes da
Estratégia Nacional de Defesa (END), conforme o Decreto n2 6.703, de 18 de dezembro de 2008.
2. Informo a Vossa Excelência que o anexo projeto de decreto foi encaminhado à
Casa Civil da Presidência da República, por intermédio da Exposição de Motivos n2 003151MD,
de 6 de outubro de 2014.
Atenciosamente,
LUIZ ANTONIO DE SOUZA CORDEIRO
Secretário
r -.•.........,..... ...•_ I 0 rv IJ. ~..,
EMn~ 0031SIMD
i, Brasilia, 06 de OUTUBRO de 2014.
Excelentissima Senhora Presidenta da República,
, (
, 1. Submeto à apreciação de Vossa Excelência o·anexo projeto de decreto que aprova'
a Política de Remuneraçãopara OS Militares das F~ Armadas, em atendimento às .orientações '
constantes da Estratégia Nacional de Defesa ~), aprovada pelo D~creto n~ 6.703~ de 18 d~
dezembro de 2008, em harmonia com os fundamentos, objetivos e princípios dispostos na
Constituição FederaL .
2., A iniciativa cinge-se de relevância por envolver aspectos' motivacionais dos
agentes públicos encarregados de, em nome do Estado, garantir a Defesa Nacional, assunto que
, ultra~~a o âmbito restrito da área militar" projetando-se ein toda a sociedade brasileira.
,/
3. O tema "remuneraçãó dos militares das Forças Annadas" nunca foi objeto de
política ou diretriz norteadora, mas apenas de leis específicas para cada Força e para militares em
situações distintas - na ativa, na reserva e pensionistas.
4. Apenas em 1951, com a edição do Código de Vencimentos é Vantagens dos
Militares (CVVM), aprovado pela Lei ~ 1.316, de 20 de janeiro, foi consolidada .a legislação
sobre a remuneração dos militares federais e estabelecida a nova estrutura remuneratória no País
, e no exterior emtempo de paz, em campanha e na inatividade.
,5. Dessa época até 2001, a Lei n~ 1.316, de 1951, sofreu algumas alterações - em
1964 (Lei n2 4.328, de 30 de abril), em 1969 (Decreto-Lei n~ 728, de -4 de agosto), em 1972 (Lei
~ 5.787, de 27 de junho), em 1991 (Lei ~ 8237, de 30 de setembro) e .em 2001 (Medida
Provisória n2 2.215-10, de 31 de agosto) -, formando um arcabouço normativo composto, por
modificações relacionadas ao ato anterior, a mudanças de denominação ou à extinção ou criação
de benefícios.
6., .Entre os anos de 2008, e 2010, o Ministério da Defesa conduziu trabalho
denominado "Estudo sobre a Remuneração dos Militares das Forças Armadas", o qual, em sua
conclusão, apontou não somente a necessidade de consolidação e atualização da legislação em
vigor, adequando-a à atual conjuntura, mas de estabelecimento de regras passíveis de serem
aplicadas em curto, 'médio, e longo prazo.
7. Há que se considerar, sobretudo, o importante papel exercido pelo efetivo militar
das Forças Armadas' de garantidor da 'soberania, do patrimônio nacional e da, integridade
, territorial, o que, por si só, justifica a inserção da Política em comento no conjunto de medidas
prioritárias do governo federal, voltadas ao fortalecimento de um contingente militar brasileiro
qualificado e motivado. . 
~~/'
8:. Com a edição da END, o Estado. demandou novos rumos para a 'atuação das
Forças Armadas e gerouaobrigação de o efetivo militar manter-se estimulado, resiliente e com o
domínio de tecnologias essenciais ao atendimento dos requisitos indispensáveis para
monítoramento, controle, mobilidade e presença.em prol da Defesa Nacional. Em consequência,
suscitou o imperativo de que as Forças sejam capazes de atrair e reter recursos. humanos
essenciais para a manutenção da capacidade operativa nos níveis pretendidos.'. .
9. Dessa forina, revela-se pertinente e oportuno dírecionar uma política específica e
em consonância com os princípios .da paridade e dá íntegralidade, que contemple,
simultaneamente, orientações que atendam às funções retributiva e valorativa darermmeração,:
inerentes ao efetivo militar das Forças Armadas, e medidas de caráter de atração e retenção, no
interesse do aprimoramento da instituição.
. 10. São essas, Senhora Presidenta, as razões que recomendam a aprovação do anexo
projeto de decreto.' .
. Respeitosamente, ;;/-- .-:--
CELSO AMORIM
Ministro de Estado da Defesa
/
S5s
~ .'" .
. . .
ANEXo À EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DO MINISTÉRIO DA DEFESA<,
N~ ,DE DE DE 2014
1.. Síntese do problema ou da situação que reclama providências
Necessidade de a carreira militar das Forças Armadas ter uma Política definidora de sua .
estrutura remuneratória, considerando que apenas leis e decretos específicos foram utilizados
como instii.Imentos para reger o assunto, sem uma diretriz superior. . .
2. Soluções e providências contidas no ato normativo ou na medida proposta
Projeto de decreto aprovando Política de Remuneração para os Militares das Forças Armadas.
3. Alternativas existentes à medida proposta
Não existe projeto tramitando no Poder Executivo ou no Poder Legislativo sobre a matéria,
nem alternativa disponível dentro das normasque regem a administração pública federal. ., -
4. Custos ..
Não se aplica.
S. Síntese do par~cer do órgão jurídico
'DECRETONº ,DE DE DE 2014
, 
.Aprova a Política de Remuneração para os Militares
das Forças Armadas.
A PRESIDENTA DA REPÚBLlCA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,
inciso vt, alínea "a" da Constituição, .
DECRETA:
. '.  '. . '.
- .Art, 1Q Fica aprovada a Política de Remuneração para- os Militares das Forças Anna'das
(PRMF A), na forma do Anexo. " '
'. Art. 2Q
O Ministério dá Defesa deverá avaliar tríenalmenté os resultados da' PRMF A,
propor li sua implementação em coI!iunto: com .os Comandos das Forças Singulares e acompanhar,
anualmente, a sua execução.
Parágrafo único. Para:fins do disposto no caput deste artigo, no prazo de até sessenta dias
da publicação deste Decreto o Ministro de Estado da Defesa constituirá um Comitê Consultivo e um ' '.
Comitê de Gestão, com às seguintes, atribuições:
I - Comitê Consultivo: analisar e apresentar ao Ministro de Estado da Defesa medidas de
caráter deliberativo formuladas no âmbito do Comitê de Gestão;
TI- Comitê de Gestão: acompanhar e avaliar a' execução da PRMF A.e propor ao Comitê
Consultivo as atualizaçõesnecessárias.
I
Art. 32 Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, de de 2014; Ún" da Independência e 126" da República. i.
, "
ANEXO
POLÍTICADEREMUNERAÇÃOPARAOS~ITARES
DAS FORÇAS ARl1ADAS (pRl.1F A)
1. INTRODUÇÃO,
As funções de soberania, numa primeira ordem de grandeza a Defesa Nacional, têm lugar"
próprio na estrutura do Estado. A soberania significa independência e liberdade nacional,' garantia da
integridade do território, defesa do regime constitucional e salvaguarda coletiva de pessoas e bens. A
soberania justifica a existência, do Estado, e o exercício- das funções de soberania assegura o
desenvolvimento normal das tarefas próprias do Estado e o regular funcionamento das instituições
democráticas e constitucionais. '
A Defesa Nacional; como função de Estado stricto sensu, é intransferível, logo, exclusiva e
permanente do Estado. 'É o Estado, e apenas ele, por meios próprios, que garante a soberania, 'o
patrimônio nacional e a integridade territorial, parcelas que compõem um dos Objetivos Nacionais de
Defesa, porintermédio das Forças Armadas e do seu efetivo 'militar.
A 'Estratégia Nacional de Defesa (END), aprovada pelo Decretorê 6.703, de 18 de dezembro de
2008, revisada e enviada ao Congresso Nacional por meio da Mensagem Presidencial n~ 323, de 17 de
julho de 2012, recebendo manifestação favorável na forma do Decreto Legislativo ~~ 373, de 25 de
setembro de 2013, ao tratar da reorganização e da' reorientação daS' Forças Armadas trouxe luz à
necessidade de os militares brasileiros desenvolverem atributos e predicados que permitam o domínio de
tecnologias, aliando qualificação e' resiliência e envolvendo todo, um repertório de práticas e de
capacitações operacionais capazes de atender aos requisitos de monitoramenta.controle, mobilidade e
presença, estabelecidos para a atuação das Forças.
-"
Afora o imperativo de permanente capacitação e aprimoramento, a carreira militar, voluntária
por excelência e peculiar em sua essência, exige do seu efetivo condições próprias como obediência a
preceitos rígidos de disciplina e hierarquia, dedicação exclusiva e disponibilidade permanente para o
serviço e movimentações constantes para diversas localidades, muitas das quais situadas na fronteira do
País e, por vezes, destituídas.de infraestrutura mínima, ' '
Além disso, a carreira do militar das Forças Armadas, exclusiva por si só, submete-o à exigência
mais distinta e hão' imposta a qualquer outro agente público, qual seja, aobrígatoriedade legal de
sacrificar, se necessário, a própria vida na defesa do País, conforme estabelecido na Lei nQ
6.880-<de 9 de
dezembro de 1980 (EStatuto dos Militares). "
Tudo isso cria liame que envolve a necessidade de o militar das Forças, Armadas habilitar-se
.permanentemente, mantendo-se motivado para persistir nos seus esforços como combatente, e a
capacidade de o Estado atrair e reter recursos humanos, por intermédio dessas Forças, para fazer frente ao
papel relevante de garantir a Defesa Nacional, sob a égide dos novos e modernos rumos firmados pela
END.
)$l& **:tDessemodo, cabe dirigir uma política específica de remuneração dos militares das Forças
Arm pautada pelos princípios da paridade' e da integralidade. e que congregue em seu bojo, ao mesmo
tempo, orientações que visem contemplar ás funções retributiva e valorativa da remuneração, inereafes ao
militar das Forças, e as funções de atração e de retenção, em prol do aprimoramento da instituição" l/... p-
/"
::.:' .
-.. . Esta Política, dando corpo aos ditames da END que recomenda a valorização da ~r~tissã~~:~
como exigência de segurança nacional, de forma. compatível com seu papel na sociedacte",br~Q.~
objetiva ampliar o esforço do Estado para estabelecer orientações voltadas tanto para a criação de
atrativos e de instrumentos de reconhecimento da eficiência e dos bons serviços prestados pelo militar das
Forças Armadas quanto pará buscar a melhoria do nível de satisfação pessoal por. meio de justa.
retribuição pecuniéria, '
2. OBJETIVOS DA POLÍTICA
2.1. Prover ao militar das Forças Annadas remuneração' compatível com a função de Estado strícto
sensu, com o elevado nível de conhecimento acadêmico, técnico e profissional exigido e a relevância das
atribuições desempenhadas. .
. , .
2.2. Contribuir para a atração, () aperfeiçoamento contínuo e a permanência dos recursos humanos
.militares das Forças Armadas, para fortalecer o esforço de defesa. .
3. DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA
A implementação da Política de Remuneração para os Militares das Forças Armadas (pRMFA)
deverá, obrigatoriamente, considerar-os seguintes objetivos estratégicos e orientação estratégica:
3.L·Objetivos Estratégicos
Para atingir os objetivos. da' PRMFA, as' ações estratégicas devem batizar-se por' objetivos
estratégicos que, uma vez alcançados e consolidados, permitirão a consecução dos resultados
, almejados pela Política, a saber: .
3.1 :1. Estabelecer progressão remuneratória condizente com a progressão da carreira:
Estabelecer estrutura' de remuneração ajustada à evolução de, conhecimentos, .à,
capacitação 'e competências' adquiridas e às necessidades socioeconômicas do militar e de sua
família nas diferentes fases de sua vida. . .
3.1.2. Garantir o adequado nivelamento social do militar:. . . "
A remuneração do militar das Forças· Armadas precisa compreender mecanismos que
proporcionem nível socioeconômico compátível com as demais carreiras típicas de Estado; não sópela
valorização do militar, mas pela necessidade do trabalho conjunto com ~ssesprofissionais.
3.1.3_ Incentivar a capacitação contim13do militar:
A remuneração deve ser composta de partes variáveis que permitam o incentivo à capacitação é
sirvam como fatores de distinção nas atividades militares. . .
. 3.1.4. Valorizar o nível de responsabilidade atribuído ao militar:
A remuneração deve valorizar tanto o nível de responsabilidade atribuído ao militar
quanto as características peculiares do de~empenho profissional, normalmente representadi por:
, /
. . . . /~
""
, ,
?5J~X~~
I" ' .,.~ /
a) ocupaçãode cargos e exercício de funções de comando, direção ou chefia eih..Q~~~ções
militares, nas diversas regiões do País ou no exterior, e.deassessoramento superior;
b) execução'de atividades especiais ou complexas que exigem habilitações específicas;
c) desempenho do serviço em condições insalubres e perigosas ou em localidades onde as
condições ambientaís ou socioeconômicas acarretam riscos adicionais à pessoa ou ônus à saúde e à
. educação do militar e de seus familiares.
·3.1.5. Reconhecer ~ disponibilidadeíninterrupta.do militar em prol doEstado:
A remuneração do militar das Forças Armadas precisa considerar a disponibilidade do
militar, mesmo na reserva remunerada, para ser convocado a servir à Nação, condição que
·demanda. proventos compatíveis' com o nível· de capacitação que esse militar possua como
reserva estratégica de recurso humano qualificado, à disposição do Estado.
3.2.•Orientação Estratégica
,A orientação estratégica para a implementação da PRMF A b~ as' iniciativas que devem ser
buscadas pelo Ministério da Defesa, a saber:
3.2;1. Consolidar e atualizar a legislação relativa à' remuneração do militar, com vistas a maior-
racionalidade na aplicação da norma e a redução 'de demandasjudiciais;
. ,
3.2.2. Aperfeiçoar a compensação financeira ao militar q-q,edesempenhe atividades especiais que exijam
habilitações específicas e que impliquem desgaste orgânico ou psicológico, em observância às orientações
da~; . . ,
3.23. Revisar os incentivos pecuniários aplicáveis ao militar que desempenhe atividades especiais ou'
· complexas que exijam habilitações específicas, de forma a assegurar a atração e' a retenção desses
profissionais;
3.2.4. Aperfeiçoar as.indenizações aplicadas com vistas à atração e retenção de profissionais de formação
e titulação diferenciadas, mantendo-os como militares, por tempo determinado, no exercício de funções
essenciais e com alta demanda pelas Forças,Armadas; .
·3.2.5. Valorizar o militar que exerça suas atividades em condições de insalubridade e de periculosidade, .
.bem como em localidades especiais; .
3.2.6. Assegurar a efetividade das compensações remuneratórias =capacitação e ao contínuo
aperfeiçoamento do militar no decorrer de sua carreira nas Forças Armadas. 
7'

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Informativo STF 871 - Informativo Estratégico
Informativo STF 871 - Informativo EstratégicoInformativo STF 871 - Informativo Estratégico
Informativo STF 871 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Fabio Motta
 
Informativo stf 847
Informativo stf 847Informativo stf 847
Pttc readaptação 15 mar2011 (1)
Pttc  readaptação 15 mar2011 (1)Pttc  readaptação 15 mar2011 (1)
Pttc readaptação 15 mar2011 (1)
Rede Democrática PMDF
 
Informativo STF 882 - Informativo Estratégico
Informativo STF 882 - Informativo EstratégicoInformativo STF 882 - Informativo Estratégico
Informativo STF 882 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 870 - Informativo Estratégico
Informativo STF 870 - Informativo EstratégicoInformativo STF 870 - Informativo Estratégico
Informativo STF 870 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
federal reserve
federal reservefederal reserve
federal reserve
Sandro Suzart
 
Informativo STJ 597
Informativo STJ 597Informativo STJ 597
Ativ juridica informativo 603 a 606_outubro_2010
Ativ juridica informativo 603 a 606_outubro_2010Ativ juridica informativo 603 a 606_outubro_2010
Ativ juridica informativo 603 a 606_outubro_2010
Vagner Alves
 
Processo joseph-11-09
Processo joseph-11-09Processo joseph-11-09
Processo joseph-11-09
Revista do Vale
 
O acórdão do STF sobre o título brasileiro de 1987
O acórdão do STF sobre o título brasileiro de 1987O acórdão do STF sobre o título brasileiro de 1987
O acórdão do STF sobre o título brasileiro de 1987
Cassio Zirpoli
 
Adin Precatórios
Adin  PrecatóriosAdin  Precatórios
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Fabio Motta
 
Fator previdenciário procedente
Fator previdenciário procedenteFator previdenciário procedente
Fator previdenciário procedente
Fabio Motta
 
Concurso-PM-MG-2021-soldado-edital.pdf
Concurso-PM-MG-2021-soldado-edital.pdfConcurso-PM-MG-2021-soldado-edital.pdf
Concurso-PM-MG-2021-soldado-edital.pdf
HyhanRibeiro
 
2012 lei-modulo 3-estudo-versao_final_1.6
2012 lei-modulo 3-estudo-versao_final_1.62012 lei-modulo 3-estudo-versao_final_1.6
2012 lei-modulo 3-estudo-versao_final_1.6
demarch_47
 
Resposta TRF5 - auxílio-moradia
Resposta TRF5 - auxílio-moradiaResposta TRF5 - auxílio-moradia
Resposta TRF5 - auxílio-moradia
Paulo Veras
 
Acordao 1.3
Acordao 1.3Acordao 1.3
Acordao 1.3
Marcia Pereira
 
Cr 4604535000 sp_20.08.2008
Cr 4604535000 sp_20.08.2008Cr 4604535000 sp_20.08.2008
Cr 4604535000 sp_20.08.2008
Adauto Matos
 

Mais procurados (19)

Informativo STF 871 - Informativo Estratégico
Informativo STF 871 - Informativo EstratégicoInformativo STF 871 - Informativo Estratégico
Informativo STF 871 - Informativo Estratégico
 
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
 
Informativo stf 847
Informativo stf 847Informativo stf 847
Informativo stf 847
 
Pttc readaptação 15 mar2011 (1)
Pttc  readaptação 15 mar2011 (1)Pttc  readaptação 15 mar2011 (1)
Pttc readaptação 15 mar2011 (1)
 
Informativo STF 882 - Informativo Estratégico
Informativo STF 882 - Informativo EstratégicoInformativo STF 882 - Informativo Estratégico
Informativo STF 882 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 870 - Informativo Estratégico
Informativo STF 870 - Informativo EstratégicoInformativo STF 870 - Informativo Estratégico
Informativo STF 870 - Informativo Estratégico
 
federal reserve
federal reservefederal reserve
federal reserve
 
Informativo STJ 597
Informativo STJ 597Informativo STJ 597
Informativo STJ 597
 
Ativ juridica informativo 603 a 606_outubro_2010
Ativ juridica informativo 603 a 606_outubro_2010Ativ juridica informativo 603 a 606_outubro_2010
Ativ juridica informativo 603 a 606_outubro_2010
 
Processo joseph-11-09
Processo joseph-11-09Processo joseph-11-09
Processo joseph-11-09
 
O acórdão do STF sobre o título brasileiro de 1987
O acórdão do STF sobre o título brasileiro de 1987O acórdão do STF sobre o título brasileiro de 1987
O acórdão do STF sobre o título brasileiro de 1987
 
Adin Precatórios
Adin  PrecatóriosAdin  Precatórios
Adin Precatórios
 
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
 
Fator previdenciário procedente
Fator previdenciário procedenteFator previdenciário procedente
Fator previdenciário procedente
 
Concurso-PM-MG-2021-soldado-edital.pdf
Concurso-PM-MG-2021-soldado-edital.pdfConcurso-PM-MG-2021-soldado-edital.pdf
Concurso-PM-MG-2021-soldado-edital.pdf
 
2012 lei-modulo 3-estudo-versao_final_1.6
2012 lei-modulo 3-estudo-versao_final_1.62012 lei-modulo 3-estudo-versao_final_1.6
2012 lei-modulo 3-estudo-versao_final_1.6
 
Resposta TRF5 - auxílio-moradia
Resposta TRF5 - auxílio-moradiaResposta TRF5 - auxílio-moradia
Resposta TRF5 - auxílio-moradia
 
Acordao 1.3
Acordao 1.3Acordao 1.3
Acordao 1.3
 
Cr 4604535000 sp_20.08.2008
Cr 4604535000 sp_20.08.2008Cr 4604535000 sp_20.08.2008
Cr 4604535000 sp_20.08.2008
 

Destaque

O fundo monetário internacional
O fundo monetário internacional O fundo monetário internacional
O fundo monetário internacional
Rodrigo Pereira
 
Pes brigada militar
Pes   brigada militarPes   brigada militar
Pes brigada militar
Jorge Bengochea
 
Ritual carbonário
Ritual carbonárioRitual carbonário
Ritual carbonário
Itanimulli
 
Metas da nova ordem mundial
Metas da nova ordem mundialMetas da nova ordem mundial
Metas da nova ordem mundial
Sérgio Ventura
 
Ordem illuminati
Ordem illuminatiOrdem illuminati
Ordem illuminati
Itanimulli
 
Globalização Política
Globalização PolíticaGlobalização Política
Globalização Política
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Manipulação do dna & clonagem
Manipulação do dna & clonagemManipulação do dna & clonagem
Manipulação do dna & clonagem
PhoenixSportFitness
 
Ritual rosacruz
Ritual rosacruzRitual rosacruz
Ritual rosacruz
Itanimulli
 
7219254 rosacruz-amorc-introducao-a-simbologia-rev
7219254 rosacruz-amorc-introducao-a-simbologia-rev7219254 rosacruz-amorc-introducao-a-simbologia-rev
7219254 rosacruz-amorc-introducao-a-simbologia-rev
Carlos Alexandre
 
Manipulação genética
Manipulação genéticaManipulação genética
Manipulação genética
gracalourenco
 
Curso rosacruz grau onze alquimista
Curso rosacruz grau onze alquimistaCurso rosacruz grau onze alquimista
Curso rosacruz grau onze alquimista
Itanimulli
 
Nova ordem mundial
Nova ordem mundialNova ordem mundial
Nova ordem mundial
Clodoaldo Prado
 
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
João Lima
 
Simbolismo maçom
Simbolismo maçomSimbolismo maçom
Simbolismo maçom
Carlos Ferreira
 
O livro dos segredos
O livro dos segredosO livro dos segredos
O livro dos segredos
Marco Pinto
 
Ritual do grau 33 da Maçonaria (Grande inspetor geral)
Ritual do grau 33 da Maçonaria (Grande inspetor geral)Ritual do grau 33 da Maçonaria (Grande inspetor geral)
Ritual do grau 33 da Maçonaria (Grande inspetor geral)
Renata Carvalho Silva
 
Brasil, Globalização e a Nova Ordem Mundial
Brasil, Globalização e a Nova Ordem MundialBrasil, Globalização e a Nova Ordem Mundial
Brasil, Globalização e a Nova Ordem Mundial
Cristiane Freitas
 
10 Estratégias de Manipulação
10 Estratégias de Manipulação10 Estratégias de Manipulação
10 Estratégias de Manipulação
Universidade Estácio de Sá
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
João Couto
 

Destaque (19)

O fundo monetário internacional
O fundo monetário internacional O fundo monetário internacional
O fundo monetário internacional
 
Pes brigada militar
Pes   brigada militarPes   brigada militar
Pes brigada militar
 
Ritual carbonário
Ritual carbonárioRitual carbonário
Ritual carbonário
 
Metas da nova ordem mundial
Metas da nova ordem mundialMetas da nova ordem mundial
Metas da nova ordem mundial
 
Ordem illuminati
Ordem illuminatiOrdem illuminati
Ordem illuminati
 
Globalização Política
Globalização PolíticaGlobalização Política
Globalização Política
 
Manipulação do dna & clonagem
Manipulação do dna & clonagemManipulação do dna & clonagem
Manipulação do dna & clonagem
 
Ritual rosacruz
Ritual rosacruzRitual rosacruz
Ritual rosacruz
 
7219254 rosacruz-amorc-introducao-a-simbologia-rev
7219254 rosacruz-amorc-introducao-a-simbologia-rev7219254 rosacruz-amorc-introducao-a-simbologia-rev
7219254 rosacruz-amorc-introducao-a-simbologia-rev
 
Manipulação genética
Manipulação genéticaManipulação genética
Manipulação genética
 
Curso rosacruz grau onze alquimista
Curso rosacruz grau onze alquimistaCurso rosacruz grau onze alquimista
Curso rosacruz grau onze alquimista
 
Nova ordem mundial
Nova ordem mundialNova ordem mundial
Nova ordem mundial
 
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
 
Simbolismo maçom
Simbolismo maçomSimbolismo maçom
Simbolismo maçom
 
O livro dos segredos
O livro dos segredosO livro dos segredos
O livro dos segredos
 
Ritual do grau 33 da Maçonaria (Grande inspetor geral)
Ritual do grau 33 da Maçonaria (Grande inspetor geral)Ritual do grau 33 da Maçonaria (Grande inspetor geral)
Ritual do grau 33 da Maçonaria (Grande inspetor geral)
 
Brasil, Globalização e a Nova Ordem Mundial
Brasil, Globalização e a Nova Ordem MundialBrasil, Globalização e a Nova Ordem Mundial
Brasil, Globalização e a Nova Ordem Mundial
 
10 Estratégias de Manipulação
10 Estratégias de Manipulação10 Estratégias de Manipulação
10 Estratégias de Manipulação
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 

Semelhante a Política de remuneração das forças armadas

Aumento de efetivo no exército pl 4370 2012
Aumento de efetivo no exército   pl 4370 2012Aumento de efetivo no exército   pl 4370 2012
Aumento de efetivo no exército pl 4370 2012
Ricardo Montedo
 
Aumento de efetivo no exército PL 4370 2012
Aumento de efetivo no exército   PL 4370 2012Aumento de efetivo no exército   PL 4370 2012
Aumento de efetivo no exército PL 4370 2012
Ricardo Montedo
 
EstratéGia Nacional De Defesa Final
EstratéGia Nacional De Defesa   FinalEstratéGia Nacional De Defesa   Final
EstratéGia Nacional De Defesa Final
Luis Nassif
 
62º FóRum De Debates Projeto Brasil
62º FóRum De Debates Projeto Brasil62º FóRum De Debates Projeto Brasil
62º FóRum De Debates Projeto Brasil
Luis Nassif
 
POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO - EXÉRCITO 2024 SOCIEDADE MILITAR
POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO - EXÉRCITO 2024 SOCIEDADE MILITARPOLÍTICA DE COMUNICAÇÃO - EXÉRCITO 2024 SOCIEDADE MILITAR
POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO - EXÉRCITO 2024 SOCIEDADE MILITAR
Revista Sociedade Militar
 
ESTRATEGIA NACIONAL DE DEFESA
ESTRATEGIA NACIONAL DE DEFESAESTRATEGIA NACIONAL DE DEFESA
ESTRATEGIA NACIONAL DE DEFESA
Fabio Tessari
 
ENDEFORTE EXÉRCITO Revista Sociedade Militar
ENDEFORTE EXÉRCITO  Revista Sociedade MilitarENDEFORTE EXÉRCITO  Revista Sociedade Militar
ENDEFORTE EXÉRCITO Revista Sociedade Militar
Revista Sociedade Militar
 
Pedido tenente coronel e cap fragata fab e exército.pdf
Pedido tenente coronel e cap fragata fab e exército.pdfPedido tenente coronel e cap fragata fab e exército.pdf
Pedido tenente coronel e cap fragata fab e exército.pdf
Revista Sociedade Militar
 
Lbm 01
Lbm   01Lbm   01
Novo regime de contratações militares - versão para críticas
Novo regime de contratações militares - versão para críticasNovo regime de contratações militares - versão para críticas
Novo regime de contratações militares - versão para críticas
Lucas Navarro Prado
 
E-1
E-1E-1
Bo 15 11-2012-62 (3)
Bo 15 11-2012-62 (3)Bo 15 11-2012-62 (3)
Bo 15 11-2012-62 (3)
Ministério Educação E Desporto
 
Bo 15 11-2012-62
Bo 15 11-2012-62Bo 15 11-2012-62
Bo 15 11-2012-62
Bo 15 11-2012-62Bo 15 11-2012-62
RUE - Introdução Índice
RUE - Introdução ÍndiceRUE - Introdução Índice
RUE - Introdução Índice
Falcão Brasil
 
Portaria limites qe
Portaria limites qePortaria limites qe
Portaria limites qe
Ricardo Montedo
 
Legislação PMPB
Legislação PMPBLegislação PMPB
Legislação PMPB
Djavan Marques dos Santos
 
Bo 17 04-2013-21 (1)
Bo 17 04-2013-21 (1)Bo 17 04-2013-21 (1)
Bo 17 04-2013-21 (1)
Ministério Educação E Desporto
 
Histórico da Mobilização
Histórico da MobilizaçãoHistórico da Mobilização
Histórico da Mobilização
vitor pinheiro
 
Eidn 4-historico mobilizacao
Eidn 4-historico mobilizacaoEidn 4-historico mobilizacao
Eidn 4-historico mobilizacao
liviacalmeida
 

Semelhante a Política de remuneração das forças armadas (20)

Aumento de efetivo no exército pl 4370 2012
Aumento de efetivo no exército   pl 4370 2012Aumento de efetivo no exército   pl 4370 2012
Aumento de efetivo no exército pl 4370 2012
 
Aumento de efetivo no exército PL 4370 2012
Aumento de efetivo no exército   PL 4370 2012Aumento de efetivo no exército   PL 4370 2012
Aumento de efetivo no exército PL 4370 2012
 
EstratéGia Nacional De Defesa Final
EstratéGia Nacional De Defesa   FinalEstratéGia Nacional De Defesa   Final
EstratéGia Nacional De Defesa Final
 
62º FóRum De Debates Projeto Brasil
62º FóRum De Debates Projeto Brasil62º FóRum De Debates Projeto Brasil
62º FóRum De Debates Projeto Brasil
 
POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO - EXÉRCITO 2024 SOCIEDADE MILITAR
POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO - EXÉRCITO 2024 SOCIEDADE MILITARPOLÍTICA DE COMUNICAÇÃO - EXÉRCITO 2024 SOCIEDADE MILITAR
POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO - EXÉRCITO 2024 SOCIEDADE MILITAR
 
ESTRATEGIA NACIONAL DE DEFESA
ESTRATEGIA NACIONAL DE DEFESAESTRATEGIA NACIONAL DE DEFESA
ESTRATEGIA NACIONAL DE DEFESA
 
ENDEFORTE EXÉRCITO Revista Sociedade Militar
ENDEFORTE EXÉRCITO  Revista Sociedade MilitarENDEFORTE EXÉRCITO  Revista Sociedade Militar
ENDEFORTE EXÉRCITO Revista Sociedade Militar
 
Pedido tenente coronel e cap fragata fab e exército.pdf
Pedido tenente coronel e cap fragata fab e exército.pdfPedido tenente coronel e cap fragata fab e exército.pdf
Pedido tenente coronel e cap fragata fab e exército.pdf
 
Lbm 01
Lbm   01Lbm   01
Lbm 01
 
Novo regime de contratações militares - versão para críticas
Novo regime de contratações militares - versão para críticasNovo regime de contratações militares - versão para críticas
Novo regime de contratações militares - versão para críticas
 
E-1
E-1E-1
E-1
 
Bo 15 11-2012-62 (3)
Bo 15 11-2012-62 (3)Bo 15 11-2012-62 (3)
Bo 15 11-2012-62 (3)
 
Bo 15 11-2012-62
Bo 15 11-2012-62Bo 15 11-2012-62
Bo 15 11-2012-62
 
Bo 15 11-2012-62
Bo 15 11-2012-62Bo 15 11-2012-62
Bo 15 11-2012-62
 
RUE - Introdução Índice
RUE - Introdução ÍndiceRUE - Introdução Índice
RUE - Introdução Índice
 
Portaria limites qe
Portaria limites qePortaria limites qe
Portaria limites qe
 
Legislação PMPB
Legislação PMPBLegislação PMPB
Legislação PMPB
 
Bo 17 04-2013-21 (1)
Bo 17 04-2013-21 (1)Bo 17 04-2013-21 (1)
Bo 17 04-2013-21 (1)
 
Histórico da Mobilização
Histórico da MobilizaçãoHistórico da Mobilização
Histórico da Mobilização
 
Eidn 4-historico mobilizacao
Eidn 4-historico mobilizacaoEidn 4-historico mobilizacao
Eidn 4-historico mobilizacao
 

Mais de Ricardo Montedo

Conversão de Licença Especial em pecúnia para militares do Exército
Conversão de Licença Especial em pecúnia para militares do ExércitoConversão de Licença Especial em pecúnia para militares do Exército
Conversão de Licença Especial em pecúnia para militares do Exército
Ricardo Montedo
 
Quadro Especial: argumentos da Associação dos Militares das Forças Armadas do...
Quadro Especial: argumentos da Associação dos Militares das Forças Armadas do...Quadro Especial: argumentos da Associação dos Militares das Forças Armadas do...
Quadro Especial: argumentos da Associação dos Militares das Forças Armadas do...
Ricardo Montedo
 
ÁRDUA TAREFA
ÁRDUA TAREFAÁRDUA TAREFA
ÁRDUA TAREFA
Ricardo Montedo
 
CUIDADOS DURANTE FORMATURAS/CERIMÔNIAS MILITARES
CUIDADOS DURANTE FORMATURAS/CERIMÔNIAS MILITARESCUIDADOS DURANTE FORMATURAS/CERIMÔNIAS MILITARES
CUIDADOS DURANTE FORMATURAS/CERIMÔNIAS MILITARES
Ricardo Montedo
 
Relatório do Ministério da Defesa 2017
Relatório do Ministério da Defesa 2017Relatório do Ministério da Defesa 2017
Relatório do Ministério da Defesa 2017
Ricardo Montedo
 
Sentença favorável a recruta do 34 BIMtz - Foz do Iguaçu
Sentença favorável a recruta do 34 BIMtz - Foz do IguaçuSentença favorável a recruta do 34 BIMtz - Foz do Iguaçu
Sentença favorável a recruta do 34 BIMtz - Foz do Iguaçu
Ricardo Montedo
 
Plano de carreira de graduados e oficiais QAO do Exército Brasileiro
Plano de carreira de graduados e oficiais QAO do Exército BrasileiroPlano de carreira de graduados e oficiais QAO do Exército Brasileiro
Plano de carreira de graduados e oficiais QAO do Exército Brasileiro
Ricardo Montedo
 
RELATÓRIO DA AVALIAÇÂO ATUARIAL DAS PENSÕES DOS MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS ...
RELATÓRIO DA AVALIAÇÂO ATUARIAL DAS PENSÕES DOS MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS ...RELATÓRIO DA AVALIAÇÂO ATUARIAL DAS PENSÕES DOS MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS ...
RELATÓRIO DA AVALIAÇÂO ATUARIAL DAS PENSÕES DOS MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS ...
Ricardo Montedo
 
Sentença judicial: diferença de subtenente para primeiro tenente por desempen...
Sentença judicial: diferença de subtenente para primeiro tenente por desempen...Sentença judicial: diferença de subtenente para primeiro tenente por desempen...
Sentença judicial: diferença de subtenente para primeiro tenente por desempen...
Ricardo Montedo
 
Muitas imagens uma história
Muitas imagens uma históriaMuitas imagens uma história
Muitas imagens uma história
Ricardo Montedo
 
Cartas do Tenente Messias Dias ao Comandante do Exército
Cartas do Tenente Messias Dias ao Comandante do ExércitoCartas do Tenente Messias Dias ao Comandante do Exército
Cartas do Tenente Messias Dias ao Comandante do Exército
Ricardo Montedo
 
Processo Judicial contra as promoções ao QAO- Messias Santa'Ana Dias
Processo Judicial contra as promoções ao QAO- Messias Santa'Ana DiasProcesso Judicial contra as promoções ao QAO- Messias Santa'Ana Dias
Processo Judicial contra as promoções ao QAO- Messias Santa'Ana Dias
Ricardo Montedo
 
Tutorial criando um blog
Tutorial   criando um blogTutorial   criando um blog
Tutorial criando um blog
Ricardo Montedo
 
Esclarecimentos da Defesa à Comissão da Verdade
Esclarecimentos da Defesa à Comissão da VerdadeEsclarecimentos da Defesa à Comissão da Verdade
Esclarecimentos da Defesa à Comissão da Verdade
Ricardo Montedo
 
Dresden: o inferno na terra.
Dresden: o inferno na terra.Dresden: o inferno na terra.
Dresden: o inferno na terra.
Ricardo Montedo
 
D-Day Landing Sites Then and Now: Normandy Beaches in 1944 and 70 Years Later...
D-Day Landing Sites Then and Now: Normandy Beaches in 1944 and 70 Years Later...D-Day Landing Sites Then and Now: Normandy Beaches in 1944 and 70 Years Later...
D-Day Landing Sites Then and Now: Normandy Beaches in 1944 and 70 Years Later...
Ricardo Montedo
 
A PONTE DO RIO KWAI
A PONTE DO RIO KWAIA PONTE DO RIO KWAI
A PONTE DO RIO KWAI
Ricardo Montedo
 
PEC 295 - CONCESSÃO DE ADICIONAL NOTURNO PARA OS MILITARES - Parecer CCJC -16...
PEC 295 - CONCESSÃO DE ADICIONAL NOTURNO PARA OS MILITARES - Parecer CCJC -16...PEC 295 - CONCESSÃO DE ADICIONAL NOTURNO PARA OS MILITARES - Parecer CCJC -16...
PEC 295 - CONCESSÃO DE ADICIONAL NOTURNO PARA OS MILITARES - Parecer CCJC -16...
Ricardo Montedo
 
Todas as perdas dos militares do eb nos últimos 40 anos
Todas as perdas dos militares do eb nos últimos 40 anosTodas as perdas dos militares do eb nos últimos 40 anos
Todas as perdas dos militares do eb nos últimos 40 anos
Ricardo Montedo
 
DECISÃO DO STF SOBRE INDENIZAÇÃO DE ALUGUEL PAGO POR SARGENTO DO EXÉRCITO
DECISÃO DO STF SOBRE INDENIZAÇÃO DE ALUGUEL PAGO POR SARGENTO DO EXÉRCITODECISÃO DO STF SOBRE INDENIZAÇÃO DE ALUGUEL PAGO POR SARGENTO DO EXÉRCITO
DECISÃO DO STF SOBRE INDENIZAÇÃO DE ALUGUEL PAGO POR SARGENTO DO EXÉRCITO
Ricardo Montedo
 

Mais de Ricardo Montedo (20)

Conversão de Licença Especial em pecúnia para militares do Exército
Conversão de Licença Especial em pecúnia para militares do ExércitoConversão de Licença Especial em pecúnia para militares do Exército
Conversão de Licença Especial em pecúnia para militares do Exército
 
Quadro Especial: argumentos da Associação dos Militares das Forças Armadas do...
Quadro Especial: argumentos da Associação dos Militares das Forças Armadas do...Quadro Especial: argumentos da Associação dos Militares das Forças Armadas do...
Quadro Especial: argumentos da Associação dos Militares das Forças Armadas do...
 
ÁRDUA TAREFA
ÁRDUA TAREFAÁRDUA TAREFA
ÁRDUA TAREFA
 
CUIDADOS DURANTE FORMATURAS/CERIMÔNIAS MILITARES
CUIDADOS DURANTE FORMATURAS/CERIMÔNIAS MILITARESCUIDADOS DURANTE FORMATURAS/CERIMÔNIAS MILITARES
CUIDADOS DURANTE FORMATURAS/CERIMÔNIAS MILITARES
 
Relatório do Ministério da Defesa 2017
Relatório do Ministério da Defesa 2017Relatório do Ministério da Defesa 2017
Relatório do Ministério da Defesa 2017
 
Sentença favorável a recruta do 34 BIMtz - Foz do Iguaçu
Sentença favorável a recruta do 34 BIMtz - Foz do IguaçuSentença favorável a recruta do 34 BIMtz - Foz do Iguaçu
Sentença favorável a recruta do 34 BIMtz - Foz do Iguaçu
 
Plano de carreira de graduados e oficiais QAO do Exército Brasileiro
Plano de carreira de graduados e oficiais QAO do Exército BrasileiroPlano de carreira de graduados e oficiais QAO do Exército Brasileiro
Plano de carreira de graduados e oficiais QAO do Exército Brasileiro
 
RELATÓRIO DA AVALIAÇÂO ATUARIAL DAS PENSÕES DOS MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS ...
RELATÓRIO DA AVALIAÇÂO ATUARIAL DAS PENSÕES DOS MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS ...RELATÓRIO DA AVALIAÇÂO ATUARIAL DAS PENSÕES DOS MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS ...
RELATÓRIO DA AVALIAÇÂO ATUARIAL DAS PENSÕES DOS MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS ...
 
Sentença judicial: diferença de subtenente para primeiro tenente por desempen...
Sentença judicial: diferença de subtenente para primeiro tenente por desempen...Sentença judicial: diferença de subtenente para primeiro tenente por desempen...
Sentença judicial: diferença de subtenente para primeiro tenente por desempen...
 
Muitas imagens uma história
Muitas imagens uma históriaMuitas imagens uma história
Muitas imagens uma história
 
Cartas do Tenente Messias Dias ao Comandante do Exército
Cartas do Tenente Messias Dias ao Comandante do ExércitoCartas do Tenente Messias Dias ao Comandante do Exército
Cartas do Tenente Messias Dias ao Comandante do Exército
 
Processo Judicial contra as promoções ao QAO- Messias Santa'Ana Dias
Processo Judicial contra as promoções ao QAO- Messias Santa'Ana DiasProcesso Judicial contra as promoções ao QAO- Messias Santa'Ana Dias
Processo Judicial contra as promoções ao QAO- Messias Santa'Ana Dias
 
Tutorial criando um blog
Tutorial   criando um blogTutorial   criando um blog
Tutorial criando um blog
 
Esclarecimentos da Defesa à Comissão da Verdade
Esclarecimentos da Defesa à Comissão da VerdadeEsclarecimentos da Defesa à Comissão da Verdade
Esclarecimentos da Defesa à Comissão da Verdade
 
Dresden: o inferno na terra.
Dresden: o inferno na terra.Dresden: o inferno na terra.
Dresden: o inferno na terra.
 
D-Day Landing Sites Then and Now: Normandy Beaches in 1944 and 70 Years Later...
D-Day Landing Sites Then and Now: Normandy Beaches in 1944 and 70 Years Later...D-Day Landing Sites Then and Now: Normandy Beaches in 1944 and 70 Years Later...
D-Day Landing Sites Then and Now: Normandy Beaches in 1944 and 70 Years Later...
 
A PONTE DO RIO KWAI
A PONTE DO RIO KWAIA PONTE DO RIO KWAI
A PONTE DO RIO KWAI
 
PEC 295 - CONCESSÃO DE ADICIONAL NOTURNO PARA OS MILITARES - Parecer CCJC -16...
PEC 295 - CONCESSÃO DE ADICIONAL NOTURNO PARA OS MILITARES - Parecer CCJC -16...PEC 295 - CONCESSÃO DE ADICIONAL NOTURNO PARA OS MILITARES - Parecer CCJC -16...
PEC 295 - CONCESSÃO DE ADICIONAL NOTURNO PARA OS MILITARES - Parecer CCJC -16...
 
Todas as perdas dos militares do eb nos últimos 40 anos
Todas as perdas dos militares do eb nos últimos 40 anosTodas as perdas dos militares do eb nos últimos 40 anos
Todas as perdas dos militares do eb nos últimos 40 anos
 
DECISÃO DO STF SOBRE INDENIZAÇÃO DE ALUGUEL PAGO POR SARGENTO DO EXÉRCITO
DECISÃO DO STF SOBRE INDENIZAÇÃO DE ALUGUEL PAGO POR SARGENTO DO EXÉRCITODECISÃO DO STF SOBRE INDENIZAÇÃO DE ALUGUEL PAGO POR SARGENTO DO EXÉRCITO
DECISÃO DO STF SOBRE INDENIZAÇÃO DE ALUGUEL PAGO POR SARGENTO DO EXÉRCITO
 

Política de remuneração das forças armadas

  • 1. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO GABINETE DO COMANDANTE (GABINETE DO MINISTRO DA GUERRA) DIEx n° 1934-A3.3/A3/GabCmtEx EB: 64536.027446/2014-20 Brasília, DF, 10 de novembro de 2014. Do Chefe do Gabinete do Comandante do Exército Ao Sr Vice-Chefe do Departamento-Geral do Pessoal Assunto: Política de Remuneração para Militares das Forças Armadas Anexo: Ofício nº 12.185/SEORI/SG-MD, de 17 OUT 14 Sobre o assunto, encaminho a Vossa Excelência o documento anexo para conhecimento e providências. Por ordem do Senhor Comandante do Exército. 1 fAé:Q&LUCIANO GUILHERME CABRAL PINHEIRO - Cel Rsp pl Ch Gab Cmt Ex
  • 2. ·MINISTÉRJO DA DEFESA SECRET ARlA-GERAL - SG SECRETARIA DE ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL - SEORI Esplanada dos Ministérios - Bloco "Q" - 12 Andar CEP: 70049-900 Brasília - DF Telefone: (61) 3312-8594 Endereço eletrônico: seori@dejesa.gov.br Ofício n2 .~2.8 5 ISEORIlSG - MD Brasília, r:t· de outubro de 2014. A Sua Excelência o Senhor General-de-Divisão MAURO CESAR LOURENA CID Chefe de Gabinete do Comandante do Exército 70630-901 - Brasília - DF Assunto: Política de remuneração para os militares das Forças Armadas. Senhor Chefe de Gabinete, 1. Cumprimentando-o, faço menção ao projeto de decreto, que aprova a política de remuneração para os militares das Forças Armadas, em atendimento às orientações constantes da Estratégia Nacional de Defesa (END), conforme o Decreto n2 6.703, de 18 de dezembro de 2008. 2. Informo a Vossa Excelência que o anexo projeto de decreto foi encaminhado à Casa Civil da Presidência da República, por intermédio da Exposição de Motivos n2 003151MD, de 6 de outubro de 2014. Atenciosamente, LUIZ ANTONIO DE SOUZA CORDEIRO Secretário r -.•.........,..... ...•_ I 0 rv IJ. ~..,
  • 3. EMn~ 0031SIMD i, Brasilia, 06 de OUTUBRO de 2014. Excelentissima Senhora Presidenta da República, , ( , 1. Submeto à apreciação de Vossa Excelência o·anexo projeto de decreto que aprova' a Política de Remuneraçãopara OS Militares das F~ Armadas, em atendimento às .orientações ' constantes da Estratégia Nacional de Defesa ~), aprovada pelo D~creto n~ 6.703~ de 18 d~ dezembro de 2008, em harmonia com os fundamentos, objetivos e princípios dispostos na Constituição FederaL . 2., A iniciativa cinge-se de relevância por envolver aspectos' motivacionais dos agentes públicos encarregados de, em nome do Estado, garantir a Defesa Nacional, assunto que , ultra~~a o âmbito restrito da área militar" projetando-se ein toda a sociedade brasileira. ,/ 3. O tema "remuneraçãó dos militares das Forças Annadas" nunca foi objeto de política ou diretriz norteadora, mas apenas de leis específicas para cada Força e para militares em situações distintas - na ativa, na reserva e pensionistas. 4. Apenas em 1951, com a edição do Código de Vencimentos é Vantagens dos Militares (CVVM), aprovado pela Lei ~ 1.316, de 20 de janeiro, foi consolidada .a legislação sobre a remuneração dos militares federais e estabelecida a nova estrutura remuneratória no País , e no exterior emtempo de paz, em campanha e na inatividade. ,5. Dessa época até 2001, a Lei n~ 1.316, de 1951, sofreu algumas alterações - em 1964 (Lei n2 4.328, de 30 de abril), em 1969 (Decreto-Lei n~ 728, de -4 de agosto), em 1972 (Lei ~ 5.787, de 27 de junho), em 1991 (Lei ~ 8237, de 30 de setembro) e .em 2001 (Medida Provisória n2 2.215-10, de 31 de agosto) -, formando um arcabouço normativo composto, por modificações relacionadas ao ato anterior, a mudanças de denominação ou à extinção ou criação de benefícios. 6., .Entre os anos de 2008, e 2010, o Ministério da Defesa conduziu trabalho denominado "Estudo sobre a Remuneração dos Militares das Forças Armadas", o qual, em sua conclusão, apontou não somente a necessidade de consolidação e atualização da legislação em vigor, adequando-a à atual conjuntura, mas de estabelecimento de regras passíveis de serem aplicadas em curto, 'médio, e longo prazo. 7. Há que se considerar, sobretudo, o importante papel exercido pelo efetivo militar das Forças Armadas' de garantidor da 'soberania, do patrimônio nacional e da, integridade , territorial, o que, por si só, justifica a inserção da Política em comento no conjunto de medidas prioritárias do governo federal, voltadas ao fortalecimento de um contingente militar brasileiro qualificado e motivado. . ~~/'
  • 4. 8:. Com a edição da END, o Estado. demandou novos rumos para a 'atuação das Forças Armadas e gerouaobrigação de o efetivo militar manter-se estimulado, resiliente e com o domínio de tecnologias essenciais ao atendimento dos requisitos indispensáveis para monítoramento, controle, mobilidade e presença.em prol da Defesa Nacional. Em consequência, suscitou o imperativo de que as Forças sejam capazes de atrair e reter recursos. humanos essenciais para a manutenção da capacidade operativa nos níveis pretendidos.'. . 9. Dessa forina, revela-se pertinente e oportuno dírecionar uma política específica e em consonância com os princípios .da paridade e dá íntegralidade, que contemple, simultaneamente, orientações que atendam às funções retributiva e valorativa darermmeração,: inerentes ao efetivo militar das Forças Armadas, e medidas de caráter de atração e retenção, no interesse do aprimoramento da instituição. . 10. São essas, Senhora Presidenta, as razões que recomendam a aprovação do anexo projeto de decreto.' . . Respeitosamente, ;;/-- .-:-- CELSO AMORIM Ministro de Estado da Defesa /
  • 5. S5s ~ .'" . . . . ANEXo À EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DO MINISTÉRIO DA DEFESA<, N~ ,DE DE DE 2014 1.. Síntese do problema ou da situação que reclama providências Necessidade de a carreira militar das Forças Armadas ter uma Política definidora de sua . estrutura remuneratória, considerando que apenas leis e decretos específicos foram utilizados como instii.Imentos para reger o assunto, sem uma diretriz superior. . . 2. Soluções e providências contidas no ato normativo ou na medida proposta Projeto de decreto aprovando Política de Remuneração para os Militares das Forças Armadas. 3. Alternativas existentes à medida proposta Não existe projeto tramitando no Poder Executivo ou no Poder Legislativo sobre a matéria, nem alternativa disponível dentro das normasque regem a administração pública federal. ., - 4. Custos .. Não se aplica. S. Síntese do par~cer do órgão jurídico
  • 6. 'DECRETONº ,DE DE DE 2014 , .Aprova a Política de Remuneração para os Militares das Forças Armadas. A PRESIDENTA DA REPÚBLlCA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso vt, alínea "a" da Constituição, . DECRETA: . '. '. . '. - .Art, 1Q Fica aprovada a Política de Remuneração para- os Militares das Forças Anna'das (PRMF A), na forma do Anexo. " ' '. Art. 2Q O Ministério dá Defesa deverá avaliar tríenalmenté os resultados da' PRMF A, propor li sua implementação em coI!iunto: com .os Comandos das Forças Singulares e acompanhar, anualmente, a sua execução. Parágrafo único. Para:fins do disposto no caput deste artigo, no prazo de até sessenta dias da publicação deste Decreto o Ministro de Estado da Defesa constituirá um Comitê Consultivo e um ' '. Comitê de Gestão, com às seguintes, atribuições: I - Comitê Consultivo: analisar e apresentar ao Ministro de Estado da Defesa medidas de caráter deliberativo formuladas no âmbito do Comitê de Gestão; TI- Comitê de Gestão: acompanhar e avaliar a' execução da PRMF A.e propor ao Comitê Consultivo as atualizaçõesnecessárias. I Art. 32 Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, de de 2014; Ún" da Independência e 126" da República. i.
  • 7. , " ANEXO POLÍTICADEREMUNERAÇÃOPARAOS~ITARES DAS FORÇAS ARl1ADAS (pRl.1F A) 1. INTRODUÇÃO, As funções de soberania, numa primeira ordem de grandeza a Defesa Nacional, têm lugar" próprio na estrutura do Estado. A soberania significa independência e liberdade nacional,' garantia da integridade do território, defesa do regime constitucional e salvaguarda coletiva de pessoas e bens. A soberania justifica a existência, do Estado, e o exercício- das funções de soberania assegura o desenvolvimento normal das tarefas próprias do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas e constitucionais. ' A Defesa Nacional; como função de Estado stricto sensu, é intransferível, logo, exclusiva e permanente do Estado. 'É o Estado, e apenas ele, por meios próprios, que garante a soberania, 'o patrimônio nacional e a integridade territorial, parcelas que compõem um dos Objetivos Nacionais de Defesa, porintermédio das Forças Armadas e do seu efetivo 'militar. A 'Estratégia Nacional de Defesa (END), aprovada pelo Decretorê 6.703, de 18 de dezembro de 2008, revisada e enviada ao Congresso Nacional por meio da Mensagem Presidencial n~ 323, de 17 de julho de 2012, recebendo manifestação favorável na forma do Decreto Legislativo ~~ 373, de 25 de setembro de 2013, ao tratar da reorganização e da' reorientação daS' Forças Armadas trouxe luz à necessidade de os militares brasileiros desenvolverem atributos e predicados que permitam o domínio de tecnologias, aliando qualificação e' resiliência e envolvendo todo, um repertório de práticas e de capacitações operacionais capazes de atender aos requisitos de monitoramenta.controle, mobilidade e presença, estabelecidos para a atuação das Forças. -" Afora o imperativo de permanente capacitação e aprimoramento, a carreira militar, voluntária por excelência e peculiar em sua essência, exige do seu efetivo condições próprias como obediência a preceitos rígidos de disciplina e hierarquia, dedicação exclusiva e disponibilidade permanente para o serviço e movimentações constantes para diversas localidades, muitas das quais situadas na fronteira do País e, por vezes, destituídas.de infraestrutura mínima, ' ' Além disso, a carreira do militar das Forças Armadas, exclusiva por si só, submete-o à exigência mais distinta e hão' imposta a qualquer outro agente público, qual seja, aobrígatoriedade legal de sacrificar, se necessário, a própria vida na defesa do País, conforme estabelecido na Lei nQ 6.880-<de 9 de dezembro de 1980 (EStatuto dos Militares). " Tudo isso cria liame que envolve a necessidade de o militar das Forças, Armadas habilitar-se .permanentemente, mantendo-se motivado para persistir nos seus esforços como combatente, e a capacidade de o Estado atrair e reter recursos humanos, por intermédio dessas Forças, para fazer frente ao papel relevante de garantir a Defesa Nacional, sob a égide dos novos e modernos rumos firmados pela END. )$l& **:tDessemodo, cabe dirigir uma política específica de remuneração dos militares das Forças Arm pautada pelos princípios da paridade' e da integralidade. e que congregue em seu bojo, ao mesmo tempo, orientações que visem contemplar ás funções retributiva e valorativa da remuneração, inereafes ao militar das Forças, e as funções de atração e de retenção, em prol do aprimoramento da instituição" l/... p-
  • 8. /" ::.:' . -.. . Esta Política, dando corpo aos ditames da END que recomenda a valorização da ~r~tissã~~:~ como exigência de segurança nacional, de forma. compatível com seu papel na sociedacte",br~Q.~ objetiva ampliar o esforço do Estado para estabelecer orientações voltadas tanto para a criação de atrativos e de instrumentos de reconhecimento da eficiência e dos bons serviços prestados pelo militar das Forças Armadas quanto pará buscar a melhoria do nível de satisfação pessoal por. meio de justa. retribuição pecuniéria, ' 2. OBJETIVOS DA POLÍTICA 2.1. Prover ao militar das Forças Annadas remuneração' compatível com a função de Estado strícto sensu, com o elevado nível de conhecimento acadêmico, técnico e profissional exigido e a relevância das atribuições desempenhadas. . . , . 2.2. Contribuir para a atração, () aperfeiçoamento contínuo e a permanência dos recursos humanos .militares das Forças Armadas, para fortalecer o esforço de defesa. . 3. DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA A implementação da Política de Remuneração para os Militares das Forças Armadas (pRMFA) deverá, obrigatoriamente, considerar-os seguintes objetivos estratégicos e orientação estratégica: 3.L·Objetivos Estratégicos Para atingir os objetivos. da' PRMFA, as' ações estratégicas devem batizar-se por' objetivos estratégicos que, uma vez alcançados e consolidados, permitirão a consecução dos resultados , almejados pela Política, a saber: . 3.1 :1. Estabelecer progressão remuneratória condizente com a progressão da carreira: Estabelecer estrutura' de remuneração ajustada à evolução de, conhecimentos, .à, capacitação 'e competências' adquiridas e às necessidades socioeconômicas do militar e de sua família nas diferentes fases de sua vida. . . 3.1.2. Garantir o adequado nivelamento social do militar:. . . " A remuneração do militar das Forças· Armadas precisa compreender mecanismos que proporcionem nível socioeconômico compátível com as demais carreiras típicas de Estado; não sópela valorização do militar, mas pela necessidade do trabalho conjunto com ~ssesprofissionais. 3.1.3_ Incentivar a capacitação contim13do militar: A remuneração deve ser composta de partes variáveis que permitam o incentivo à capacitação é sirvam como fatores de distinção nas atividades militares. . . . 3.1.4. Valorizar o nível de responsabilidade atribuído ao militar: A remuneração deve valorizar tanto o nível de responsabilidade atribuído ao militar quanto as características peculiares do de~empenho profissional, normalmente representadi por: , / . . . . /~
  • 9. "" , , ?5J~X~~ I" ' .,.~ / a) ocupaçãode cargos e exercício de funções de comando, direção ou chefia eih..Q~~~ções militares, nas diversas regiões do País ou no exterior, e.deassessoramento superior; b) execução'de atividades especiais ou complexas que exigem habilitações específicas; c) desempenho do serviço em condições insalubres e perigosas ou em localidades onde as condições ambientaís ou socioeconômicas acarretam riscos adicionais à pessoa ou ônus à saúde e à . educação do militar e de seus familiares. ·3.1.5. Reconhecer ~ disponibilidadeíninterrupta.do militar em prol doEstado: A remuneração do militar das Forças Armadas precisa considerar a disponibilidade do militar, mesmo na reserva remunerada, para ser convocado a servir à Nação, condição que ·demanda. proventos compatíveis' com o nível· de capacitação que esse militar possua como reserva estratégica de recurso humano qualificado, à disposição do Estado. 3.2.•Orientação Estratégica ,A orientação estratégica para a implementação da PRMF A b~ as' iniciativas que devem ser buscadas pelo Ministério da Defesa, a saber: 3.2;1. Consolidar e atualizar a legislação relativa à' remuneração do militar, com vistas a maior- racionalidade na aplicação da norma e a redução 'de demandasjudiciais; . , 3.2.2. Aperfeiçoar a compensação financeira ao militar q-q,edesempenhe atividades especiais que exijam habilitações específicas e que impliquem desgaste orgânico ou psicológico, em observância às orientações da~; . . , 3.23. Revisar os incentivos pecuniários aplicáveis ao militar que desempenhe atividades especiais ou' · complexas que exijam habilitações específicas, de forma a assegurar a atração e' a retenção desses profissionais; 3.2.4. Aperfeiçoar as.indenizações aplicadas com vistas à atração e retenção de profissionais de formação e titulação diferenciadas, mantendo-os como militares, por tempo determinado, no exercício de funções essenciais e com alta demanda pelas Forças,Armadas; . ·3.2.5. Valorizar o militar que exerça suas atividades em condições de insalubridade e de periculosidade, . .bem como em localidades especiais; . 3.2.6. Assegurar a efetividade das compensações remuneratórias =capacitação e ao contínuo aperfeiçoamento do militar no decorrer de sua carreira nas Forças Armadas. 7'