SlideShare uma empresa Scribd logo
ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 
ECONOMIA BRASILEIRA 
PROFESSOR: ROBERTO QUARANTA 
NATHAN AGOSTINHO FELIPE 
PLANO REAL 
MARANGUAPE-CE 
2014
Sumário 
INTRODUÇÃO ..........................................................................................................4 
Plano Real .................................................................................................................5 
PAI – Programa de Ação Imediata.............................................................................6 
A criação da URV (Unidade Real de Valor) ............................................................. 7 
A nova moeda, o 
Real............................................................................................................................7 
SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 1º ANO..............................................8 
SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 5º ANO..............................................8 
SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 10º ANO............................................9 
Superávit Primário....................................................................................................10 
SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 20º ANO..........................................10 
Como sair dessa situação? .....................................................................................11
4 
INTRODUÇÃO 
O plano real foi anunciado no dia 7 de novembro de 1993. O presidente da 
República era Itamar Franco, que havia assumido o comando do país no ano 
anterior, após o impeachment do presidente Fernando Collor de Mello de quem fora 
vice-presidente. O ministro da fazenda era Fernando Henrique Cardoso. O Brasil 
estava à beira da hiperinflação. O sucesso do Plano real ao reduzir uma inflação 
anual de 2500% para menos de 10% em menos de um ano, garantiu à Fernando 
Henrique dois mandatos consecutivos (1995-1998 e 1999-2002) na Presidência da 
República. 
A moeda que serviu como âncora, no caso brasileiro, foi o dólar. Ela constituiu 
uma substituição imediata de moedas domésticas. 
O plano possuiu três etapas para se desenvolver, como vamos ver no 
desenvolvimento da leitura, assim como o desenvolvimento econômico do país no 
decorrer dos anos.
5 
PLANO REAL 
O que foi o Plano Real? 
Plano Real foi o programa brasileiro de estabilização econômica desenvolvido 
em 30 de junho de 1994 durante o governo de Itamar Franco, elaborado pelo 
ministro da Fazenda Fernando Henrique Cardoso que promoveu o fim 
da inflação elevada no Brasil, situação que já durava aproximadamente trinta anos. 
A inflação se alimenta do desequilíbrio do governo. Quando alguém gasta 
mais do que ganha e toma dinheiro emprestado, entra numa roda viva que leva ao 
desespero. Isso era o que estava acontecendo com o país. Todos os anos eram 
relacionadas obras e despesas maiores do que o governo arrecadava. Era mais ou 
menos assim: em um ano o governo ganhava 70, mas gastava 100; cobria a 
diferença tomando dinheiro emprestado, pagando juros ou fabricando dinheiro. 
Quanto mais deve, mais o governo tem de pedir emprestado e mais juros paga, e 
mais dinheiro acaba fabricando, sob a forma de papel-moeda ou de títulos. Com 
isso, todo o país perde a confiança na moeda e exige mais dinheiro pelos produtos 
ou serviços vendidos 
O Plano passou por três fases: 
 PAI – Programa de Ação Imediata. 
 URV (Unidade Real de Valor). 
 Implementação da nova moeda, o Real.
6 
PAI – Programa de Ação Imediata 
Foi um conjunto de medidas econômicas elaborado em julho de 1993, que 
“preparou a casa” para o lançamento do Plano Real um ano depois. Nessa época, o 
presidente era Itamar Franco, sendo que Fernando Henrique Cardoso já era o 
Ministro da Fazenda. 
O Programa de Ação Imediata apontou as seguintes necessidades: 
 - Corte de gastos públicos – de aproximadamente 6 bilhões de dólares no 
orçamento de 1993, em todos os ministérios. 
 - Recuperação da Receita – através do combate à evasão fiscal, inclusive das 
grandes empresas. 
 - Austeridade (controle de gastos) no relacionamento com Estados e 
Municípios – através do corte de repasses inconstitucionais, forçando Estados 
e Municípios a equilibrarem seus gastos através de cortes. 
 - Ajustes nos Bancos Estaduais – em alguns casos, através da intervenção do 
Banco Central, buscando cortes de gastos e punindo irregularidades com a 
Lei do Colarinho Branco. 
 - Redefinição das funções dos Bancos Federais – buscando o enxugamento 
da estrutura, evitar a concorrência recíproca e predatória, e punir 
irregularidades através da Lei do Colarinho Branco. 
 - Privatizações - De empresas dos setores siderúrgicos, petroquímico e de 
fertilizantes, por entender que as empresas públicas estarem reféns de 
interesses corporativos, políticos e econômicos.
7 
A criação da URV (Unidade Real de Valor) 
A segunda etapa do Plano, a criação da URV ocorreu em 27 de maio de 
1994, inicialmente convertendo os salários e os benefícios previdenciários, 
promovendo a neutralidade distributiva. 
Foi um índice que procurou refletir a variação do poder aquisitivo da moeda, 
servindo apenas como unidade de conta e referência de valores. Teve curso 
juntamente com o Cruzeiro Real (CR$) até o dia 1º de julho de 1994, quando foi 
lançada a nova base monetária nacional, o Real (R$). 
Instituída pela Medida Provisória nº 482, foi parte fundamental do Plano Real, 
contribuindo positivamente para a mudança de moeda, para a estabilização 
monetária e econômica, sem medidas de choque como confiscos e congelamentos. 
A nova moeda, o Real 
No dia 30 de junho de 1994, foi editada a Medida Provisória que implementou 
a nova moeda, o Real. Essa era a terceira fase do plano. 
Todo o programa tinha como base as políticas cambial e monetária. A política 
monetária foi utilizada como instrumento de controle dos meios de pagamentos 
(saldo da balança comercial, de capital e de serviços), enquanto a política cambial 
regulou as relações comerciais do país com os demais países do mundo. 
Foi estabelecida a paridade nos valores de reais e dólares, defendida através 
da política de intervenção, na qual o governo promoveu a venda de dólares e o 
aumento das taxas de juros nos momentos de pressão econômica. 
Fernando Henrique Cardoso (FHC) era o ministro da Fazenda durante o 
período de lançamento do Plano. O presidente era Itamar Franco. Um mês após o 
lançamento do plano, FHC se desincompatibilizou do cargo para se candidatar à 
Presidência da República pelo PSDB. Rubens Ricupero assumiu o ministério da 
Fazenda. O Plano Real possibilitou a vitória de Fernando Henrique Cardoso nas 
eleições para a Presidência em 1994, sendo reeleito nas eleições seguintes.
8 
SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 1º ANO 
Assumindo o governo em 1º de janeiro de 1995, Fernando Henrique 
Cardoso, agora como presidente do mais importante país da América. 
Seu primeiro governo foi marcado pela quebra dos monopólios estatais nas 
áreas de comunicação e petróleo, bem como pela eliminação de restrições ao 
capital estrangeiro. Essa ampla política de privatização de empresas estatais 
renovou o país nas áreas de telefonia e comercialização de minérios. Surgia a 
missão de dar suporte ao Plano Real e controlar o déficit público, fazendo uma 
reforma monetária sustentável. 
Uma das principais preocupações de Fernando Henrique Cardoso era 
controlar a inflação. Para isto, o governo elevou as taxas de juros da economia. 
Outra iniciativa de destaque de FHC foi privatizar empresas estatais, como a Vale do 
Rio Doce e Sistema Telebrás. Enfrentou muitas críticas de vários setores da 
sociedade, principalmente de partidos de oposição, como o PT (Partido dos 
Trabalhadores). 
SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 5º ANO 
Entre 1999 e 2003/2004 os resultados dos anos de Plano Real foram 
dramáticos em termos de criação de empregos formais, de crescimento e 
concentração de renda. 
A crise da desvalorização do real, ou efeito samba, foi um forte movimento de 
queda do real que ocorreu no Brasil em janeiro de 1999, quando o Banco Central 
abandonou o regime de câmbio fixo, passando a operar em regime de câmbio 
flutuante. 
Na prática, o Brasil acabou sendo vitimado pelas menores taxas de 
crescimento do PIB das últimas décadas, associado a um processo de 
"desindustrialização"
9 
SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 10º ANO 
De agosto de 1994 a maio de 2004, os preços administrados subiram 258,8%, 
os serviços de telefonia subiram 715,1%, o gás de botijão teve aumento de 525,9%. 
Transportes: trem, 259,1%; ônibus, 239,9%; táxis, 211,8%. Correios, 376%; 
eletricidade, 212,6%; água e esgoto, 261,7%. 
As causas principais da alta de preços são: 
1) o controle dos mercados pelo poder econômico concentrado em poucas 
empresas, em geral estrangeiras; 
2) a indexação das tarifas de serviços públicos privatizados e a permissividade das 
agências pseudo-reguladoras; 
3) a inibição da produção resultante de: a) abolição dos investimentos na 
infraestrutura; b) compressão da renda disponível dos brasileiros (se a procura 
estagna ou declina, para quê investir na produção?).
10 
SUPERÁVIT PRIMÁRIO: 
O setor público é chamado a fazer um grande esforço fiscal de corte de 
despesas orçamentárias (saúde, educação, saneamento, pessoal, previdência social 
e outras), com o objetivo de gerar o tal superávit primário. E todo o saldo desse 
resultado é dirigido automaticamente para o pagamento das despesas financeiras. 
Comparação, em termos absolutos (bilhões 
de reais), entre o PIB, a dívida pública, o gasto com pagamento de juros da dívida, o ‘esforço fiscal’ 
do superávit primário (resultados consolidados, isto é, de todo o setor público) e a arrecadação 
tributária da União, Estados e Municípios, excluídas as estatais, no período compreendido entre 1995 
(implantação do Plano Real por FHC) e 2004 (após dois anos de governo Lula). 
SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 20º ANO 
Ao longo de quase 20 anos do Plano Real, a inflação acumulada desde 
1/07/1994 até 1/2/2014, medida pelo IPCA, foi de 347,51%. Assim, um produto que 
custava R$ 1,00 em 1994 custa hoje R$ 4,47. A cédula de R$ 100,00 perdeu 
77,65% do seu poder de compra desde o dia em que passou a circular. Com isso, o 
poder aquisitivo da nota de R$ 100,00 é hoje de apenas R$ 22,35. 
Com essa desvalorização, se o indivíduo ganhava R$ 100 em 1994 agora 
precisa de R$ 400 para poder atender aos seus desejos 
Isso se deve por conta do efeito da inflação sobre o poder de compra. "A inflação é 
o termômetro que mede a diferença entre o desejo de consumir e a capacidade de 
produzir“.
11 
Outro fator que estimulou a inflação foi a queda abrupta da taxa de juros até 
2012. A oferta de crédito fez com que as pessoas se sentissem mais "ricas". "O 
brasileiro partiu para o consumo desenfreado, se endividou, se tornou 
inadimplente. E a conta para pagar veio. 
Como sair dessa situação? 
A primeira providência é investir no setor produtivo para adequar as 
necessidades de produção ao consumo. 
O segundo item importante é o investimento em educação. Incluir na grade 
curricular conceitos fundamentais de finanças pessoais. Ensinar a importância de 
poupar. 
Sonhos de consumo podem e devem ser realizados, mas mediante um 
planejamento. Primeiro economizar para realizar o sonho e não antecipar o sonho 
usando empréstimos e financiamentos que no médio prazo reduzem sua capacidade 
de consumir. 
E, quando o produto estiver caro demais, deixe-o na prateleira. Afinal, quando 
o produto sobra, as liquidações aparecem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PLANO REAL: Principais decisões e consequências
PLANO REAL: Principais decisões e consequênciasPLANO REAL: Principais decisões e consequências
PLANO REAL: Principais decisões e consequências
Marlúcia Ribeiro
 
Slide crise de 1929
Slide crise de 1929Slide crise de 1929
Slide crise de 1929
Isabel Aguiar
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
Luciano Pires
 
Programa de governo de Dilma Rousseff (PT)
Programa de governo de Dilma Rousseff (PT)Programa de governo de Dilma Rousseff (PT)
Programa de governo de Dilma Rousseff (PT)
Portal Canal Rural
 
Descolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiáticaDescolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiática
Portal do Vestibulando
 
Teoria fisiocrata
Teoria fisiocrataTeoria fisiocrata
Teoria fisiocrata
Flávia Almeida
 
O processo de Abertura Política
O processo de Abertura PolíticaO processo de Abertura Política
O processo de Abertura Política
Edenilson Morais
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
Felipe Leo
 
Lista de exercicios gabarito - teoria dos jogos
Lista de exercicios   gabarito  - teoria dos jogosLista de exercicios   gabarito  - teoria dos jogos
Lista de exercicios gabarito - teoria dos jogos
Katia Gomide
 
Revolta dos Malês
Revolta dos MalêsRevolta dos Malês
Revolta dos Malês
Luan Victor
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Felipe Leo
 
Fisica 001 m.r.u e m.r.u.v
Fisica   001 m.r.u e m.r.u.vFisica   001 m.r.u e m.r.u.v
Fisica 001 m.r.u e m.r.u.v
con_seguir
 
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Felipe Leo
 
A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)
Isaquel Silva
 
O governo Fernando Henrique Cardoso
O governo Fernando Henrique CardosoO governo Fernando Henrique Cardoso
O governo Fernando Henrique Cardoso
Edenilson Morais
 
AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e ConflitosAFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
Kéliton Ferreira
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
Privada
 
Contabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidadeContabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidade
Ewerton Uchôa
 
Governos Itamar Franco e FHC
Governos Itamar Franco e FHCGovernos Itamar Franco e FHC
Governos Itamar Franco e FHC
Valéria Shoujofan
 
Educação Financeira.pptx
Educação Financeira.pptxEducação Financeira.pptx
Educação Financeira.pptx
JoseaneAlves34
 

Mais procurados (20)

PLANO REAL: Principais decisões e consequências
PLANO REAL: Principais decisões e consequênciasPLANO REAL: Principais decisões e consequências
PLANO REAL: Principais decisões e consequências
 
Slide crise de 1929
Slide crise de 1929Slide crise de 1929
Slide crise de 1929
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
 
Programa de governo de Dilma Rousseff (PT)
Programa de governo de Dilma Rousseff (PT)Programa de governo de Dilma Rousseff (PT)
Programa de governo de Dilma Rousseff (PT)
 
Descolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiáticaDescolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiática
 
Teoria fisiocrata
Teoria fisiocrataTeoria fisiocrata
Teoria fisiocrata
 
O processo de Abertura Política
O processo de Abertura PolíticaO processo de Abertura Política
O processo de Abertura Política
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
 
Lista de exercicios gabarito - teoria dos jogos
Lista de exercicios   gabarito  - teoria dos jogosLista de exercicios   gabarito  - teoria dos jogos
Lista de exercicios gabarito - teoria dos jogos
 
Revolta dos Malês
Revolta dos MalêsRevolta dos Malês
Revolta dos Malês
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
 
Fisica 001 m.r.u e m.r.u.v
Fisica   001 m.r.u e m.r.u.vFisica   001 m.r.u e m.r.u.v
Fisica 001 m.r.u e m.r.u.v
 
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
 
A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)
 
O governo Fernando Henrique Cardoso
O governo Fernando Henrique CardosoO governo Fernando Henrique Cardoso
O governo Fernando Henrique Cardoso
 
AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e ConflitosAFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 
Contabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidadeContabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidade
 
Governos Itamar Franco e FHC
Governos Itamar Franco e FHCGovernos Itamar Franco e FHC
Governos Itamar Franco e FHC
 
Educação Financeira.pptx
Educação Financeira.pptxEducação Financeira.pptx
Educação Financeira.pptx
 

Destaque

Economia brasileira anos 2000
Economia brasileira anos 2000Economia brasileira anos 2000
Economia brasileira anos 2000
Marcelo Manzano
 
Slides sistema monetário
Slides sistema monetárioSlides sistema monetário
Slides sistema monetário
Lúcia Marta de Lira
 
Plano real
Plano realPlano real
Plano real
Daiane Silva
 
Planos econômicos do plano cruzado ao plano real
Planos econômicos   do plano cruzado ao plano realPlanos econômicos   do plano cruzado ao plano real
Planos econômicos do plano cruzado ao plano real
Marcos Rizzatti
 
O Plano Real
O Plano RealO Plano Real
O Plano Real
ecsette
 
Itamar franco e Plano real
Itamar franco e Plano real Itamar franco e Plano real
Itamar franco e Plano real
Maycleslem Alves
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
Henrique Vieira
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
Bia Bernardino
 
Apresentação de slides pronto
Apresentação de slides prontoApresentação de slides pronto
Apresentação de slides pronto
candidacbertao
 
Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmica
RafaelBorges3
 

Destaque (10)

Economia brasileira anos 2000
Economia brasileira anos 2000Economia brasileira anos 2000
Economia brasileira anos 2000
 
Slides sistema monetário
Slides sistema monetárioSlides sistema monetário
Slides sistema monetário
 
Plano real
Plano realPlano real
Plano real
 
Planos econômicos do plano cruzado ao plano real
Planos econômicos   do plano cruzado ao plano realPlanos econômicos   do plano cruzado ao plano real
Planos econômicos do plano cruzado ao plano real
 
O Plano Real
O Plano RealO Plano Real
O Plano Real
 
Itamar franco e Plano real
Itamar franco e Plano real Itamar franco e Plano real
Itamar franco e Plano real
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Apresentação de slides pronto
Apresentação de slides prontoApresentação de slides pronto
Apresentação de slides pronto
 
Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmica
 

Semelhante a Plano real

Plano real
Plano realPlano real
Plano real
gabrielmoura89
 
Administração financeira e orçamentária pg176
Administração financeira e orçamentária pg176Administração financeira e orçamentária pg176
Administração financeira e orçamentária pg176
kisb1337
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
Lindomar Pereira
 
Plano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida Thiagretes
Plano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida ThiagretesPlano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida Thiagretes
Plano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida Thiagretes
FernandoCardoso75
 
Artigo plano real
Artigo plano realArtigo plano real
Artigo plano real
Daiane Silva
 
Introdução à economia troster e monchón cap 21
Introdução à economia troster e monchón cap 21Introdução à economia troster e monchón cap 21
Introdução à economia troster e monchón cap 21
Claudia Sá de Moura
 
Dívida pública acumulação de capital e desenvolvimento
Dívida pública acumulação de capital e desenvolvimentoDívida pública acumulação de capital e desenvolvimento
Dívida pública acumulação de capital e desenvolvimento
paulo rubem santiago
 
DESPESA PUBLICA EM MOCAMBIQUE
DESPESA PUBLICA EM MOCAMBIQUEDESPESA PUBLICA EM MOCAMBIQUE
DESPESA PUBLICA EM MOCAMBIQUE
Faudo Mussa
 
Tequila ou Tortilha? Notas sobre a Economia Brasileira nos Noventa
Tequila ou Tortilha? Notas sobre a Economia Brasileira nos NoventaTequila ou Tortilha? Notas sobre a Economia Brasileira nos Noventa
Tequila ou Tortilha? Notas sobre a Economia Brasileira nos Noventa
Grupo de Economia Política IE-UFRJ
 
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
Fernando Alcoforado
 
El - 2000 - privatização do banespa
El - 2000 - privatização do banespaEl - 2000 - privatização do banespa
El - 2000 - privatização do banespa
Delta Economics & Finance
 
Visões sobre pec 241
Visões sobre pec 241Visões sobre pec 241
Visões sobre pec 241
Fernando Alcoforado
 
Livro pdf gestão pública em saúde-4
Livro pdf gestão pública em saúde-4Livro pdf gestão pública em saúde-4
Livro pdf gestão pública em saúde-4
Eloi Menezes
 
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasilPec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Fernando Alcoforado
 
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Aula 5 - 1987 - 1994.pptx
Aula 5  - 1987 - 1994.pptxAula 5  - 1987 - 1994.pptx
Aula 5 - 1987 - 1994.pptx
Kennya De Lima Ribeiro
 
O Processo Orcamentario Na Lrf Instrumento De Planejamento
O Processo Orcamentario Na Lrf Instrumento De PlanejamentoO Processo Orcamentario Na Lrf Instrumento De Planejamento
O Processo Orcamentario Na Lrf Instrumento De Planejamento
marcosurl
 
Resumo e atividades sobre nova república
Resumo e atividades sobre  nova repúblicaResumo e atividades sobre  nova república
Resumo e atividades sobre nova república
Atividades Diversas Cláudia
 
Política fiscal e monetária
Política fiscal e monetáriaPolítica fiscal e monetária
Política fiscal e monetária
UsuarioManeiro
 
A Crise Fiscal Brasileira
A Crise Fiscal BrasileiraA Crise Fiscal Brasileira
A Crise Fiscal Brasileira
Alexandre A. Rocha
 

Semelhante a Plano real (20)

Plano real
Plano realPlano real
Plano real
 
Administração financeira e orçamentária pg176
Administração financeira e orçamentária pg176Administração financeira e orçamentária pg176
Administração financeira e orçamentária pg176
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
 
Plano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida Thiagretes
Plano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida ThiagretesPlano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida Thiagretes
Plano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida Thiagretes
 
Artigo plano real
Artigo plano realArtigo plano real
Artigo plano real
 
Introdução à economia troster e monchón cap 21
Introdução à economia troster e monchón cap 21Introdução à economia troster e monchón cap 21
Introdução à economia troster e monchón cap 21
 
Dívida pública acumulação de capital e desenvolvimento
Dívida pública acumulação de capital e desenvolvimentoDívida pública acumulação de capital e desenvolvimento
Dívida pública acumulação de capital e desenvolvimento
 
DESPESA PUBLICA EM MOCAMBIQUE
DESPESA PUBLICA EM MOCAMBIQUEDESPESA PUBLICA EM MOCAMBIQUE
DESPESA PUBLICA EM MOCAMBIQUE
 
Tequila ou Tortilha? Notas sobre a Economia Brasileira nos Noventa
Tequila ou Tortilha? Notas sobre a Economia Brasileira nos NoventaTequila ou Tortilha? Notas sobre a Economia Brasileira nos Noventa
Tequila ou Tortilha? Notas sobre a Economia Brasileira nos Noventa
 
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
 
El - 2000 - privatização do banespa
El - 2000 - privatização do banespaEl - 2000 - privatização do banespa
El - 2000 - privatização do banespa
 
Visões sobre pec 241
Visões sobre pec 241Visões sobre pec 241
Visões sobre pec 241
 
Livro pdf gestão pública em saúde-4
Livro pdf gestão pública em saúde-4Livro pdf gestão pública em saúde-4
Livro pdf gestão pública em saúde-4
 
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasilPec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
 
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Aula 5 - 1987 - 1994.pptx
Aula 5  - 1987 - 1994.pptxAula 5  - 1987 - 1994.pptx
Aula 5 - 1987 - 1994.pptx
 
O Processo Orcamentario Na Lrf Instrumento De Planejamento
O Processo Orcamentario Na Lrf Instrumento De PlanejamentoO Processo Orcamentario Na Lrf Instrumento De Planejamento
O Processo Orcamentario Na Lrf Instrumento De Planejamento
 
Resumo e atividades sobre nova república
Resumo e atividades sobre  nova repúblicaResumo e atividades sobre  nova república
Resumo e atividades sobre nova república
 
Política fiscal e monetária
Política fiscal e monetáriaPolítica fiscal e monetária
Política fiscal e monetária
 
A Crise Fiscal Brasileira
A Crise Fiscal BrasileiraA Crise Fiscal Brasileira
A Crise Fiscal Brasileira
 

Plano real

  • 1. ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ECONOMIA BRASILEIRA PROFESSOR: ROBERTO QUARANTA NATHAN AGOSTINHO FELIPE PLANO REAL MARANGUAPE-CE 2014
  • 2.
  • 3. Sumário INTRODUÇÃO ..........................................................................................................4 Plano Real .................................................................................................................5 PAI – Programa de Ação Imediata.............................................................................6 A criação da URV (Unidade Real de Valor) ............................................................. 7 A nova moeda, o Real............................................................................................................................7 SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 1º ANO..............................................8 SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 5º ANO..............................................8 SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 10º ANO............................................9 Superávit Primário....................................................................................................10 SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 20º ANO..........................................10 Como sair dessa situação? .....................................................................................11
  • 4. 4 INTRODUÇÃO O plano real foi anunciado no dia 7 de novembro de 1993. O presidente da República era Itamar Franco, que havia assumido o comando do país no ano anterior, após o impeachment do presidente Fernando Collor de Mello de quem fora vice-presidente. O ministro da fazenda era Fernando Henrique Cardoso. O Brasil estava à beira da hiperinflação. O sucesso do Plano real ao reduzir uma inflação anual de 2500% para menos de 10% em menos de um ano, garantiu à Fernando Henrique dois mandatos consecutivos (1995-1998 e 1999-2002) na Presidência da República. A moeda que serviu como âncora, no caso brasileiro, foi o dólar. Ela constituiu uma substituição imediata de moedas domésticas. O plano possuiu três etapas para se desenvolver, como vamos ver no desenvolvimento da leitura, assim como o desenvolvimento econômico do país no decorrer dos anos.
  • 5. 5 PLANO REAL O que foi o Plano Real? Plano Real foi o programa brasileiro de estabilização econômica desenvolvido em 30 de junho de 1994 durante o governo de Itamar Franco, elaborado pelo ministro da Fazenda Fernando Henrique Cardoso que promoveu o fim da inflação elevada no Brasil, situação que já durava aproximadamente trinta anos. A inflação se alimenta do desequilíbrio do governo. Quando alguém gasta mais do que ganha e toma dinheiro emprestado, entra numa roda viva que leva ao desespero. Isso era o que estava acontecendo com o país. Todos os anos eram relacionadas obras e despesas maiores do que o governo arrecadava. Era mais ou menos assim: em um ano o governo ganhava 70, mas gastava 100; cobria a diferença tomando dinheiro emprestado, pagando juros ou fabricando dinheiro. Quanto mais deve, mais o governo tem de pedir emprestado e mais juros paga, e mais dinheiro acaba fabricando, sob a forma de papel-moeda ou de títulos. Com isso, todo o país perde a confiança na moeda e exige mais dinheiro pelos produtos ou serviços vendidos O Plano passou por três fases:  PAI – Programa de Ação Imediata.  URV (Unidade Real de Valor).  Implementação da nova moeda, o Real.
  • 6. 6 PAI – Programa de Ação Imediata Foi um conjunto de medidas econômicas elaborado em julho de 1993, que “preparou a casa” para o lançamento do Plano Real um ano depois. Nessa época, o presidente era Itamar Franco, sendo que Fernando Henrique Cardoso já era o Ministro da Fazenda. O Programa de Ação Imediata apontou as seguintes necessidades:  - Corte de gastos públicos – de aproximadamente 6 bilhões de dólares no orçamento de 1993, em todos os ministérios.  - Recuperação da Receita – através do combate à evasão fiscal, inclusive das grandes empresas.  - Austeridade (controle de gastos) no relacionamento com Estados e Municípios – através do corte de repasses inconstitucionais, forçando Estados e Municípios a equilibrarem seus gastos através de cortes.  - Ajustes nos Bancos Estaduais – em alguns casos, através da intervenção do Banco Central, buscando cortes de gastos e punindo irregularidades com a Lei do Colarinho Branco.  - Redefinição das funções dos Bancos Federais – buscando o enxugamento da estrutura, evitar a concorrência recíproca e predatória, e punir irregularidades através da Lei do Colarinho Branco.  - Privatizações - De empresas dos setores siderúrgicos, petroquímico e de fertilizantes, por entender que as empresas públicas estarem reféns de interesses corporativos, políticos e econômicos.
  • 7. 7 A criação da URV (Unidade Real de Valor) A segunda etapa do Plano, a criação da URV ocorreu em 27 de maio de 1994, inicialmente convertendo os salários e os benefícios previdenciários, promovendo a neutralidade distributiva. Foi um índice que procurou refletir a variação do poder aquisitivo da moeda, servindo apenas como unidade de conta e referência de valores. Teve curso juntamente com o Cruzeiro Real (CR$) até o dia 1º de julho de 1994, quando foi lançada a nova base monetária nacional, o Real (R$). Instituída pela Medida Provisória nº 482, foi parte fundamental do Plano Real, contribuindo positivamente para a mudança de moeda, para a estabilização monetária e econômica, sem medidas de choque como confiscos e congelamentos. A nova moeda, o Real No dia 30 de junho de 1994, foi editada a Medida Provisória que implementou a nova moeda, o Real. Essa era a terceira fase do plano. Todo o programa tinha como base as políticas cambial e monetária. A política monetária foi utilizada como instrumento de controle dos meios de pagamentos (saldo da balança comercial, de capital e de serviços), enquanto a política cambial regulou as relações comerciais do país com os demais países do mundo. Foi estabelecida a paridade nos valores de reais e dólares, defendida através da política de intervenção, na qual o governo promoveu a venda de dólares e o aumento das taxas de juros nos momentos de pressão econômica. Fernando Henrique Cardoso (FHC) era o ministro da Fazenda durante o período de lançamento do Plano. O presidente era Itamar Franco. Um mês após o lançamento do plano, FHC se desincompatibilizou do cargo para se candidatar à Presidência da República pelo PSDB. Rubens Ricupero assumiu o ministério da Fazenda. O Plano Real possibilitou a vitória de Fernando Henrique Cardoso nas eleições para a Presidência em 1994, sendo reeleito nas eleições seguintes.
  • 8. 8 SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 1º ANO Assumindo o governo em 1º de janeiro de 1995, Fernando Henrique Cardoso, agora como presidente do mais importante país da América. Seu primeiro governo foi marcado pela quebra dos monopólios estatais nas áreas de comunicação e petróleo, bem como pela eliminação de restrições ao capital estrangeiro. Essa ampla política de privatização de empresas estatais renovou o país nas áreas de telefonia e comercialização de minérios. Surgia a missão de dar suporte ao Plano Real e controlar o déficit público, fazendo uma reforma monetária sustentável. Uma das principais preocupações de Fernando Henrique Cardoso era controlar a inflação. Para isto, o governo elevou as taxas de juros da economia. Outra iniciativa de destaque de FHC foi privatizar empresas estatais, como a Vale do Rio Doce e Sistema Telebrás. Enfrentou muitas críticas de vários setores da sociedade, principalmente de partidos de oposição, como o PT (Partido dos Trabalhadores). SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 5º ANO Entre 1999 e 2003/2004 os resultados dos anos de Plano Real foram dramáticos em termos de criação de empregos formais, de crescimento e concentração de renda. A crise da desvalorização do real, ou efeito samba, foi um forte movimento de queda do real que ocorreu no Brasil em janeiro de 1999, quando o Banco Central abandonou o regime de câmbio fixo, passando a operar em regime de câmbio flutuante. Na prática, o Brasil acabou sendo vitimado pelas menores taxas de crescimento do PIB das últimas décadas, associado a um processo de "desindustrialização"
  • 9. 9 SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 10º ANO De agosto de 1994 a maio de 2004, os preços administrados subiram 258,8%, os serviços de telefonia subiram 715,1%, o gás de botijão teve aumento de 525,9%. Transportes: trem, 259,1%; ônibus, 239,9%; táxis, 211,8%. Correios, 376%; eletricidade, 212,6%; água e esgoto, 261,7%. As causas principais da alta de preços são: 1) o controle dos mercados pelo poder econômico concentrado em poucas empresas, em geral estrangeiras; 2) a indexação das tarifas de serviços públicos privatizados e a permissividade das agências pseudo-reguladoras; 3) a inibição da produção resultante de: a) abolição dos investimentos na infraestrutura; b) compressão da renda disponível dos brasileiros (se a procura estagna ou declina, para quê investir na produção?).
  • 10. 10 SUPERÁVIT PRIMÁRIO: O setor público é chamado a fazer um grande esforço fiscal de corte de despesas orçamentárias (saúde, educação, saneamento, pessoal, previdência social e outras), com o objetivo de gerar o tal superávit primário. E todo o saldo desse resultado é dirigido automaticamente para o pagamento das despesas financeiras. Comparação, em termos absolutos (bilhões de reais), entre o PIB, a dívida pública, o gasto com pagamento de juros da dívida, o ‘esforço fiscal’ do superávit primário (resultados consolidados, isto é, de todo o setor público) e a arrecadação tributária da União, Estados e Municípios, excluídas as estatais, no período compreendido entre 1995 (implantação do Plano Real por FHC) e 2004 (após dois anos de governo Lula). SITUAÇÃO ECONÔMICA NO PLANO REAL: 20º ANO Ao longo de quase 20 anos do Plano Real, a inflação acumulada desde 1/07/1994 até 1/2/2014, medida pelo IPCA, foi de 347,51%. Assim, um produto que custava R$ 1,00 em 1994 custa hoje R$ 4,47. A cédula de R$ 100,00 perdeu 77,65% do seu poder de compra desde o dia em que passou a circular. Com isso, o poder aquisitivo da nota de R$ 100,00 é hoje de apenas R$ 22,35. Com essa desvalorização, se o indivíduo ganhava R$ 100 em 1994 agora precisa de R$ 400 para poder atender aos seus desejos Isso se deve por conta do efeito da inflação sobre o poder de compra. "A inflação é o termômetro que mede a diferença entre o desejo de consumir e a capacidade de produzir“.
  • 11. 11 Outro fator que estimulou a inflação foi a queda abrupta da taxa de juros até 2012. A oferta de crédito fez com que as pessoas se sentissem mais "ricas". "O brasileiro partiu para o consumo desenfreado, se endividou, se tornou inadimplente. E a conta para pagar veio. Como sair dessa situação? A primeira providência é investir no setor produtivo para adequar as necessidades de produção ao consumo. O segundo item importante é o investimento em educação. Incluir na grade curricular conceitos fundamentais de finanças pessoais. Ensinar a importância de poupar. Sonhos de consumo podem e devem ser realizados, mas mediante um planejamento. Primeiro economizar para realizar o sonho e não antecipar o sonho usando empréstimos e financiamentos que no médio prazo reduzem sua capacidade de consumir. E, quando o produto estiver caro demais, deixe-o na prateleira. Afinal, quando o produto sobra, as liquidações aparecem.