SlideShare uma empresa Scribd logo
PLANO REAL
O plano e seus desdobramentos
Faculdade da Cidade
Administração
Economia Brasileira
Reginaldo Alcântara
5º Semestre
•Andrea Sousa
• Catiane Mariete
• Dinalva Reis
• Marcela Barbosa
• Nailson Soriano
• Nildete Cristina
Retrospectiva
O que aconteceu antes da
criação do Plano Real?
- Plano Real -
Após a renúncia de Fernando Collor da
presidência, para fugir do Impeachment, o
seu vice, Itamar Franco assumiu o cargo e
nomeou FHC como Ministro da Fazenda.
Juntos deram início ao
novo plano econômico
brasileiro.
Que deu, posteriormente,
a vitória da presidência à
FHC.
Imagens da internet.
A primeira medida para combater a
inflação foi cortar 3 zeros do Cruzeiro,
que passou a se chamar Cruzeiro Real.
Imagem da internet.
Planejamento
Fatores essenciais para o sucesso
- Plano Real -
Zerar o déficit público
Justamente o fator que gerava a emissão de dinheiro.
Para isso, haveria um aumento de cinco pontos percentuais em
todos os impostos federais e privatizações de estatais,
principalmente dos bancos estaduais.
Fator 1
Imagem da internet.
Desindexar a economia
Acabar com as correções
automáticas de preços e
salários.
Que eram reajustados
automaticamente de acordo
com a inflação passada.
Reindexar a economia
...de acordo com a taxa de
câmbio.
Em outras palavras, fazer com
que preços e salários variassem
de acordo com o dólar.
Na prática, o dólar se tornava o
novo indexador.
Fator 2 Fator 3
Abrir a economia
...por meio da redução das tarifas
de importação.
Tudo era válido para combater
qualquer escalada de preços.
Fator 4
Imagem da internet.
O governo deveria comprar
dólares continuamente,
acumulando-os até o
momento da introdução da
nova moeda.
Quanto mais dólares o
governo tivesse em suas
reservas, maior seria a
confiança dos investidores
internacionais e menores
seriam as chances de um
ataque especulativo e de uma
fuga de capitais.
Fator 5
Aumentar as
reservas internacionais
Imagem da internet.
Implantação
Colocando o plano em prática
- Plano Real -
- PAI -
Programa de Ação Imediata
• Corte de gastos públicos – de aproximadamente 6 bilhões de
dólares no orçamento de 1993, em todos os ministérios.
• Recuperação da Receita – através do combate à evasão fiscal,
inclusive das grandes empresas.
• Austeridade no relacionamento com Estados e Municípios –
através do corte de repasses inconstitucionais, forçando Estados
e Municípios a equilibrarem seus gastos através de cortes.
• Ajustes nos Bancos Estaduais – buscando cortes de gastos e
punindo irregularidades com a Lei do Colarinho Branco.
• Redefinição das funções dos Bancos Federais – buscando o
enxugamento da estrutura, evitar a concorrência recíproca e
predatória.
• Privatizações de empresas – por entender que as empresas
públicas eram reféns de interesses corporativos, políticos e
econômicos.
- PAI -
Programa de Ação Imediata
• A URV não era uma moeda física, foi apenas uma unidade de
conversão do dólar. A moeda ainda em circulação era o Cruzeiro
Real.
• O valor da URV em relação ao Cruzeiro Real era corrigido
diariamente.
• A taxa de câmbio do final de cada dia era estabelecida como
sendo o valor da URV do dia seguinte.
- URV -
Unidade Real deValor
• O objetivo disso era fazer com que a memória inflacionária fosse
apagada.
• Tudo deveria ser negociado em URV até que a transição para o
Real estivesse completa, o que se deu em 1° de julho de 1994.
• Antes da transição, o Cruzeiro Real estava valendo CR$ 2.750,00
que divididos através da URV, no dia 1° de julho, passaria a valer
R$ 1,00 (Um Real), equiparando-se ao dólar.
- URV -
Unidade Real deValor
- REAL -
A Nova Moeda
Imagens da internet.
• O Real foi aceito por que a quantidade de reais em poder público
e em contas correntes era inferior à quantidade de reservas
internacionais.
• Isso significa que mesmo que os reais fossem convertidos em
dólares, ainda sobrariam muitos dólares.
• O segredo estava no tamanho das reservas internacionais em
dólares.
- REAL -
A Nova Moeda
• No caso de uma crise econômica mundial, converter R$ 1 em
dólar não seria uma preocupação, pois havia dólares sobrando.
• A qualidade do Real garantiu a confiança dos investidores,
levando a sua imediata apreciação.
• Portanto, tanto brasileiros quanto investidores estrangeiros
aceitariam a nova moeda.
- REAL -
A Nova Moeda
OBJETIVO CONQUISTADO
Imagens da internet.
• O Plano Real conseguiu chegar ao seu objetivo principal e
emergencial: a derrubada da inflação.
• O principal resultado do Plano Real, segundo Delfim Netto, foi
recuperar a credibilidade da moeda brasileira depois de uma
década de erosão contínua e profunda, num processo acelerado
de inflação que estava conduzindo a economia brasileira à
tragédia de uma hiperinflação.
ÃO! ÃO! ÃO!
Abaixo a inflação
• O Plano Real é considerado o mais bem-sucedido de todos os
planos lançados para combater a inflação até o momento.
• O grande diferencial dele em relação aos outros planos foi que o
mesmo conseguiu acabar com a indexação da economia
brasileira sem congelamento de preços.
ÃO! ÃO! ÃO!
Abaixo a inflação
O Plano Real, tal como fundado em 1994, deixou de existir em
1999, a partir daquela data, adotava-se um tripé macroeconômico:
câmbio flutuante, metas de inflação e superávit primário.
Imagens da internet.
LACERDA, A. C.; Bocchi, J. I.; Rego, J. M.; Borges, M. A.; Marques, R. M.
Economia Brasileira. 3ª Edição. Editora Saraiva.
LANZANA, Antônio Evaristo.
Economia Brasileira: Fundamentos e Atualidade. 2ª Edição. Editora Atlas.
ROQUE, Leandro.
Uma breve história do Plano Real aos seus 18 anos.
UOL EDUCAÇÃO
Plano Real: Fim da inflação e conquista da estabilidade econômica.
MORAES, Maria Fernanda.
Plano Real: Moeda trouxe novo ciclo de desenvolvimento econômico.
Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Governo dilma e temer
Governo dilma e temerGoverno dilma e temer
Governo dilma e temer
AndressonSimplicio
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
Isaquel Silva
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Fatima Freitas
 
O governo Fernando Henrique Cardoso
O governo Fernando Henrique CardosoO governo Fernando Henrique Cardoso
O governo Fernando Henrique Cardoso
Edenilson Morais
 
A economia brasileira na epoca do regime militar
A economia brasileira na epoca do regime militarA economia brasileira na epoca do regime militar
A economia brasileira na epoca do regime militar
fernandesrafael
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
Rodrigo Luiz
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
Daniel Alves Bronstrup
 
A Nova República (1985 )
A Nova República (1985 )A Nova República (1985 )
A Nova República (1985 )
Isaquel Silva
 
O governo Lula (2003-2010)
O governo Lula (2003-2010)O governo Lula (2003-2010)
O governo Lula (2003-2010)
Edenilson Morais
 
Juscelino kubitschek
Juscelino kubitschekJuscelino kubitschek
Juscelino kubitschek
Adriana Gomes Messias
 
Governo FHC - governo LULA
Governo FHC -    governo LULAGoverno FHC -    governo LULA
Governo FHC - governo LULA
Edenilson Morais
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
Daniel Alves Bronstrup
 
3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
Daniel Alves Bronstrup
 
O governo Fernando Collor (1990-1992)
O governo Fernando Collor (1990-1992)O governo Fernando Collor (1990-1992)
O governo Fernando Collor (1990-1992)
Edenilson Morais
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
Daniel Alves Bronstrup
 
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democraticaBRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
Gisele Finatti Baraglio
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
Marcos Azevedo
 
Brasil Colônia - administração
Brasil Colônia - administraçãoBrasil Colônia - administração
Brasil Colônia - administração
Portal do Vestibulando
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
Fabiana Tonsis
 
A guerra do paraguai
A guerra do paraguaiA guerra do paraguai
A guerra do paraguai
Marcela Marangon Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Governo dilma e temer
Governo dilma e temerGoverno dilma e temer
Governo dilma e temer
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
O governo Fernando Henrique Cardoso
O governo Fernando Henrique CardosoO governo Fernando Henrique Cardoso
O governo Fernando Henrique Cardoso
 
A economia brasileira na epoca do regime militar
A economia brasileira na epoca do regime militarA economia brasileira na epoca do regime militar
A economia brasileira na epoca do regime militar
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
A Nova República (1985 )
A Nova República (1985 )A Nova República (1985 )
A Nova República (1985 )
 
O governo Lula (2003-2010)
O governo Lula (2003-2010)O governo Lula (2003-2010)
O governo Lula (2003-2010)
 
Juscelino kubitschek
Juscelino kubitschekJuscelino kubitschek
Juscelino kubitschek
 
Governo FHC - governo LULA
Governo FHC -    governo LULAGoverno FHC -    governo LULA
Governo FHC - governo LULA
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
 
3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
 
O governo Fernando Collor (1990-1992)
O governo Fernando Collor (1990-1992)O governo Fernando Collor (1990-1992)
O governo Fernando Collor (1990-1992)
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democraticaBRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Brasil Colônia - administração
Brasil Colônia - administraçãoBrasil Colônia - administração
Brasil Colônia - administração
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
A guerra do paraguai
A guerra do paraguaiA guerra do paraguai
A guerra do paraguai
 

Semelhante a Plano real

Plano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida Thiagretes
Plano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida ThiagretesPlano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida Thiagretes
Plano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida Thiagretes
FernandoCardoso75
 
Plano real
Plano realPlano real
Plano real
Nathan Felipe
 
Artigo plano real
Artigo plano realArtigo plano real
Artigo plano real
Daiane Silva
 
CEO Business School | Módulo 2 | Ambiente Político, Social e Econômico
CEO Business School | Módulo 2 | Ambiente Político, Social e EconômicoCEO Business School | Módulo 2 | Ambiente Político, Social e Econômico
CEO Business School | Módulo 2 | Ambiente Político, Social e Econômico
Sonia R Ribeiro
 
Plano Real
Plano RealPlano Real
Plano Real
Bruno Moraes
 
Apresentação do Prof Alberto Borges Matias
Apresentação do Prof Alberto Borges Matias Apresentação do Prof Alberto Borges Matias
Apresentação do Prof Alberto Borges Matias
GrupoSimus Simus
 
Plano real
Plano realPlano real
Plano real
gabrielmoura89
 
Economia Brasileira 2012: DESAFIOS, OPORTUNIDADES E AMEAÇAS
Economia Brasileira 2012: DESAFIOS, OPORTUNIDADES E AMEAÇASEconomia Brasileira 2012: DESAFIOS, OPORTUNIDADES E AMEAÇAS
Economia Brasileira 2012: DESAFIOS, OPORTUNIDADES E AMEAÇAS
Leonardo Araujo
 
Planos econômicos do plano cruzado ao plano real
Planos econômicos   do plano cruzado ao plano realPlanos econômicos   do plano cruzado ao plano real
Planos econômicos do plano cruzado ao plano real
Marcos Rizzatti
 
Microsoft Power Point Expectativas Racionais E InflaçãO
Microsoft Power Point   Expectativas Racionais E InflaçãOMicrosoft Power Point   Expectativas Racionais E InflaçãO
Microsoft Power Point Expectativas Racionais E InflaçãO
joseguilhermevieira
 
A crise econômica no brasil
A crise econômica no brasilA crise econômica no brasil
A crise econômica no brasil
Diego Guilherme
 
#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt
#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt
#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt
anacardoso258774
 
Manual da-diversificacao_financeira_pessoal_e_ internacional
Manual da-diversificacao_financeira_pessoal_e_ internacionalManual da-diversificacao_financeira_pessoal_e_ internacional
Manual da-diversificacao_financeira_pessoal_e_ internacional
Sandro Soares
 
De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015
De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015
De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015
Daniel Pousa
 
Economia na República Velha
Economia na República VelhaEconomia na República Velha
Economia na República Velha
Marco Santos
 
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc 6.12.12
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc   6.12.12Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc   6.12.12
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc 6.12.12
Sintese Sergipe
 
_Brasil_planos econômicos.pdf
_Brasil_planos econômicos.pdf_Brasil_planos econômicos.pdf
_Brasil_planos econômicos.pdf
LviaLivinha
 
G1 superávit primário conjuntura
G1 superávit primário   conjunturaG1 superávit primário   conjuntura
G1 superávit primário conjuntura
Remo Nnt
 
387 an 10 julho_2012.ok
387 an 10 julho_2012.ok387 an 10 julho_2012.ok
387 an 10 julho_2012.ok
Roberto Rabat Chame
 
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 

Semelhante a Plano real (20)

Plano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida Thiagretes
Plano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida ThiagretesPlano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida Thiagretes
Plano Real - Ensino Médio - Mineko Hayashida Thiagretes
 
Plano real
Plano realPlano real
Plano real
 
Artigo plano real
Artigo plano realArtigo plano real
Artigo plano real
 
CEO Business School | Módulo 2 | Ambiente Político, Social e Econômico
CEO Business School | Módulo 2 | Ambiente Político, Social e EconômicoCEO Business School | Módulo 2 | Ambiente Político, Social e Econômico
CEO Business School | Módulo 2 | Ambiente Político, Social e Econômico
 
Plano Real
Plano RealPlano Real
Plano Real
 
Apresentação do Prof Alberto Borges Matias
Apresentação do Prof Alberto Borges Matias Apresentação do Prof Alberto Borges Matias
Apresentação do Prof Alberto Borges Matias
 
Plano real
Plano realPlano real
Plano real
 
Economia Brasileira 2012: DESAFIOS, OPORTUNIDADES E AMEAÇAS
Economia Brasileira 2012: DESAFIOS, OPORTUNIDADES E AMEAÇASEconomia Brasileira 2012: DESAFIOS, OPORTUNIDADES E AMEAÇAS
Economia Brasileira 2012: DESAFIOS, OPORTUNIDADES E AMEAÇAS
 
Planos econômicos do plano cruzado ao plano real
Planos econômicos   do plano cruzado ao plano realPlanos econômicos   do plano cruzado ao plano real
Planos econômicos do plano cruzado ao plano real
 
Microsoft Power Point Expectativas Racionais E InflaçãO
Microsoft Power Point   Expectativas Racionais E InflaçãOMicrosoft Power Point   Expectativas Racionais E InflaçãO
Microsoft Power Point Expectativas Racionais E InflaçãO
 
A crise econômica no brasil
A crise econômica no brasilA crise econômica no brasil
A crise econômica no brasil
 
#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt
#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt
#Brasil - Períodos Econômicos, 20 Anos Plano Real.ppt
 
Manual da-diversificacao_financeira_pessoal_e_ internacional
Manual da-diversificacao_financeira_pessoal_e_ internacionalManual da-diversificacao_financeira_pessoal_e_ internacional
Manual da-diversificacao_financeira_pessoal_e_ internacional
 
De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015
De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015
De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015
 
Economia na República Velha
Economia na República VelhaEconomia na República Velha
Economia na República Velha
 
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc 6.12.12
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc   6.12.12Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc   6.12.12
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc 6.12.12
 
_Brasil_planos econômicos.pdf
_Brasil_planos econômicos.pdf_Brasil_planos econômicos.pdf
_Brasil_planos econômicos.pdf
 
G1 superávit primário conjuntura
G1 superávit primário   conjunturaG1 superávit primário   conjuntura
G1 superávit primário conjuntura
 
387 an 10 julho_2012.ok
387 an 10 julho_2012.ok387 an 10 julho_2012.ok
387 an 10 julho_2012.ok
 
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 

Mais de Andrea Sousa

Entendendo as perguntas
Entendendo as perguntasEntendendo as perguntas
Entendendo as perguntas
Andrea Sousa
 
Mobilidade Urbana + Filme Inferno
Mobilidade Urbana + Filme InfernoMobilidade Urbana + Filme Inferno
Mobilidade Urbana + Filme Inferno
Andrea Sousa
 
Discriminação Sexual
Discriminação SexualDiscriminação Sexual
Discriminação Sexual
Andrea Sousa
 
Mobilidade urbana
Mobilidade urbanaMobilidade urbana
Mobilidade urbana
Andrea Sousa
 
Perspectivas Metateóricas
Perspectivas MetateóricasPerspectivas Metateóricas
Perspectivas Metateóricas
Andrea Sousa
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
Andrea Sousa
 
Cuidar do Corpo e da Alma
Cuidar do Corpo e da AlmaCuidar do Corpo e da Alma
Cuidar do Corpo e da Alma
Andrea Sousa
 
O Corpo Fala
O Corpo FalaO Corpo Fala
O Corpo Fala
Andrea Sousa
 
Especialização vertical e horizontal
Especialização vertical e horizontalEspecialização vertical e horizontal
Especialização vertical e horizontal
Andrea Sousa
 

Mais de Andrea Sousa (9)

Entendendo as perguntas
Entendendo as perguntasEntendendo as perguntas
Entendendo as perguntas
 
Mobilidade Urbana + Filme Inferno
Mobilidade Urbana + Filme InfernoMobilidade Urbana + Filme Inferno
Mobilidade Urbana + Filme Inferno
 
Discriminação Sexual
Discriminação SexualDiscriminação Sexual
Discriminação Sexual
 
Mobilidade urbana
Mobilidade urbanaMobilidade urbana
Mobilidade urbana
 
Perspectivas Metateóricas
Perspectivas MetateóricasPerspectivas Metateóricas
Perspectivas Metateóricas
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Cuidar do Corpo e da Alma
Cuidar do Corpo e da AlmaCuidar do Corpo e da Alma
Cuidar do Corpo e da Alma
 
O Corpo Fala
O Corpo FalaO Corpo Fala
O Corpo Fala
 
Especialização vertical e horizontal
Especialização vertical e horizontalEspecialização vertical e horizontal
Especialização vertical e horizontal
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 

Plano real

  • 1. PLANO REAL O plano e seus desdobramentos
  • 2. Faculdade da Cidade Administração Economia Brasileira Reginaldo Alcântara 5º Semestre •Andrea Sousa • Catiane Mariete • Dinalva Reis • Marcela Barbosa • Nailson Soriano • Nildete Cristina
  • 3. Retrospectiva O que aconteceu antes da criação do Plano Real? - Plano Real -
  • 4. Após a renúncia de Fernando Collor da presidência, para fugir do Impeachment, o seu vice, Itamar Franco assumiu o cargo e nomeou FHC como Ministro da Fazenda. Juntos deram início ao novo plano econômico brasileiro. Que deu, posteriormente, a vitória da presidência à FHC. Imagens da internet.
  • 5. A primeira medida para combater a inflação foi cortar 3 zeros do Cruzeiro, que passou a se chamar Cruzeiro Real. Imagem da internet.
  • 6. Planejamento Fatores essenciais para o sucesso - Plano Real -
  • 7. Zerar o déficit público Justamente o fator que gerava a emissão de dinheiro. Para isso, haveria um aumento de cinco pontos percentuais em todos os impostos federais e privatizações de estatais, principalmente dos bancos estaduais. Fator 1 Imagem da internet.
  • 8. Desindexar a economia Acabar com as correções automáticas de preços e salários. Que eram reajustados automaticamente de acordo com a inflação passada. Reindexar a economia ...de acordo com a taxa de câmbio. Em outras palavras, fazer com que preços e salários variassem de acordo com o dólar. Na prática, o dólar se tornava o novo indexador. Fator 2 Fator 3
  • 9. Abrir a economia ...por meio da redução das tarifas de importação. Tudo era válido para combater qualquer escalada de preços. Fator 4 Imagem da internet.
  • 10. O governo deveria comprar dólares continuamente, acumulando-os até o momento da introdução da nova moeda. Quanto mais dólares o governo tivesse em suas reservas, maior seria a confiança dos investidores internacionais e menores seriam as chances de um ataque especulativo e de uma fuga de capitais. Fator 5 Aumentar as reservas internacionais Imagem da internet.
  • 11. Implantação Colocando o plano em prática - Plano Real -
  • 12. - PAI - Programa de Ação Imediata • Corte de gastos públicos – de aproximadamente 6 bilhões de dólares no orçamento de 1993, em todos os ministérios. • Recuperação da Receita – através do combate à evasão fiscal, inclusive das grandes empresas. • Austeridade no relacionamento com Estados e Municípios – através do corte de repasses inconstitucionais, forçando Estados e Municípios a equilibrarem seus gastos através de cortes.
  • 13. • Ajustes nos Bancos Estaduais – buscando cortes de gastos e punindo irregularidades com a Lei do Colarinho Branco. • Redefinição das funções dos Bancos Federais – buscando o enxugamento da estrutura, evitar a concorrência recíproca e predatória. • Privatizações de empresas – por entender que as empresas públicas eram reféns de interesses corporativos, políticos e econômicos. - PAI - Programa de Ação Imediata
  • 14. • A URV não era uma moeda física, foi apenas uma unidade de conversão do dólar. A moeda ainda em circulação era o Cruzeiro Real. • O valor da URV em relação ao Cruzeiro Real era corrigido diariamente. • A taxa de câmbio do final de cada dia era estabelecida como sendo o valor da URV do dia seguinte. - URV - Unidade Real deValor
  • 15. • O objetivo disso era fazer com que a memória inflacionária fosse apagada. • Tudo deveria ser negociado em URV até que a transição para o Real estivesse completa, o que se deu em 1° de julho de 1994. • Antes da transição, o Cruzeiro Real estava valendo CR$ 2.750,00 que divididos através da URV, no dia 1° de julho, passaria a valer R$ 1,00 (Um Real), equiparando-se ao dólar. - URV - Unidade Real deValor
  • 16. - REAL - A Nova Moeda Imagens da internet.
  • 17. • O Real foi aceito por que a quantidade de reais em poder público e em contas correntes era inferior à quantidade de reservas internacionais. • Isso significa que mesmo que os reais fossem convertidos em dólares, ainda sobrariam muitos dólares. • O segredo estava no tamanho das reservas internacionais em dólares. - REAL - A Nova Moeda
  • 18. • No caso de uma crise econômica mundial, converter R$ 1 em dólar não seria uma preocupação, pois havia dólares sobrando. • A qualidade do Real garantiu a confiança dos investidores, levando a sua imediata apreciação. • Portanto, tanto brasileiros quanto investidores estrangeiros aceitariam a nova moeda. - REAL - A Nova Moeda
  • 20. • O Plano Real conseguiu chegar ao seu objetivo principal e emergencial: a derrubada da inflação. • O principal resultado do Plano Real, segundo Delfim Netto, foi recuperar a credibilidade da moeda brasileira depois de uma década de erosão contínua e profunda, num processo acelerado de inflação que estava conduzindo a economia brasileira à tragédia de uma hiperinflação. ÃO! ÃO! ÃO! Abaixo a inflação
  • 21. • O Plano Real é considerado o mais bem-sucedido de todos os planos lançados para combater a inflação até o momento. • O grande diferencial dele em relação aos outros planos foi que o mesmo conseguiu acabar com a indexação da economia brasileira sem congelamento de preços. ÃO! ÃO! ÃO! Abaixo a inflação
  • 22. O Plano Real, tal como fundado em 1994, deixou de existir em 1999, a partir daquela data, adotava-se um tripé macroeconômico: câmbio flutuante, metas de inflação e superávit primário. Imagens da internet.
  • 23. LACERDA, A. C.; Bocchi, J. I.; Rego, J. M.; Borges, M. A.; Marques, R. M. Economia Brasileira. 3ª Edição. Editora Saraiva. LANZANA, Antônio Evaristo. Economia Brasileira: Fundamentos e Atualidade. 2ª Edição. Editora Atlas. ROQUE, Leandro. Uma breve história do Plano Real aos seus 18 anos. UOL EDUCAÇÃO Plano Real: Fim da inflação e conquista da estabilidade econômica. MORAES, Maria Fernanda. Plano Real: Moeda trouxe novo ciclo de desenvolvimento econômico. Referências