SlideShare uma empresa Scribd logo
A CRISE ECONÔMICA NO
MERCADO DOS RECICLÁVEIS


         Maio/ 2012
INDÚSTRIA
        REDES DE                          ATRAVESSADORES                  Setor do Papel
      COOPERATIVA                                                           e Celulose
           S E                                                               Setor da
      ASSOCIAÇÕES                           Aparistas e                   Siderurgia Aço
      de Catadores                          Sucateiros                       e Ferro,
       de Materiais
       Recicláveis



                                                  Queda da Produção
                                                  Industrial Brasileira

                                                 Queda na Exportação.
Impactos da Crise nas                                                       Transação
Cooperativas/Redes                                                             das
                                                  Queda da Produção
                                                                           Mercadorias
1º - Estoques Cheios de Material                                             em Bolsa
                                                   Estoques Cheios
Reciclável da Coleta Seletiva;                                            Internacional.
2º - Queda do Faturamento com a venda                                      Commodities
                                                   Queda nos preços
dos materiais;                                                               /Traders
3º - Retirada dos Cooperados caindo
mensalmente , chegando quase 70%;
4º - Aumento das despesas com Custo
Operacional da Coleta;
5º - Cooperado deixando a Cooperativa;          Efeitos da Crise
6º - Inadimplência com fornecedores e         Econômica Mundial               CRISE
atraso no pagamento aos cooperados;                                       INTERNACIONA
7º - Desvalorização em alguns materiais       Queda da Produção                  L
chega quase ser quinzenal.                     Mundial os Países            (Quebra das
                                              deixam de comprar               Bolsas
                                                materia-prima.            Internacionais)
Material Exportado do Brasil na forma de resíduos, aparas e metais
                          Material                                         2007                                       2008
                                                               USS*               Toneladas               USS*               Toneladas
                           Papel                                                                                                  
Cartão, Kraft, Cru e Ondulado.                                  590                   3                   9,3 mil               11
Cartão da pasta química branqueada                             746 mil             2,1 mil                833 mil             2,6 mil
Outros Resíduos de papel-cartão.                               119 mil               mil                  165 mil               844
                                                                                                                                  
                          Plásticos                                                                                               
Polímeros de Estireno                                          491 mil               684                  256 mil               347
Polímeros de Etileno                                           13 mil                32                   102 mil               45
                                                                                                                                  
                           Metais                                                                                                 
Chumbo                                                         224 mil               262                                          
Alumínio em forma bruta                                        278 mil               15                 4,4 milhões           1,8 mil
Níquel                                                       3 milhões               341                  720 mil               190
Cobre                                                        3,7 milhões            5 mil               5 milhões              2 mil
Ferro Fundido                                                3,7 milhões            19 mil              9,6 milhões            30 mil
Estanho                                                        396 mil               104                  500 mil               196
Aços Inoxidáveis                                             33 milhões             11 mil              25 milhões            9,8 mil

Resíduos do torno, da fresa, aparas, lascas, limalhas etc.    1 milhão               668                 1 milhão              2 mil
Outros resíduos de ferro e aço                               3,6 milhões            50 mil              7,6 milhões            58 mil
                                                                                                                                  
                    Outros Mercados                                                                                               
Borracha não endurecida                                      2,5 milhões            13 mil              3,2 milhões           13 mil 
Madeira                                                        7,5 mil                4                                           
                                                                                          Ministério do Desenvolvimento
O MERCADO DE RECICLÁVEIS
   Mercado Oligopsônico
       Pequenos produtores X Grandes Compradores
       Restrição da margem de negociação dos
        catadores para composição do preço dos
        materiais recicláveis determinada pelos
        grandes compradores.
       Organização do trabalho é determinada pelos
        preços pagos pelos materiais recicláveis.
       O catador não é pago pelo quantidade de
        trabalho realizado (jornada de trabalho).
   Crise Atual
       Aumento da quantidade de trabalho do
        catador para manter sua renda.

       Essa lógica traria mais exploração do próprio
        trabalho do catador.

       As Cooperativas e Associações estão inseridas
        num contexto maior, onde a relação com o
        mercado, que desafia a sua sustentabilidade.
   Refletir sobre o trabalho do catador e buscar
    novas alternativas.

       Não há mais espaço para as cooperativas e
        associações ficarem dependentes unicamente do
        mercado oligopsônico para a composição da renda
        do catador sem pensar sobre a remuneração do
        trabalho em toda atividade de coleta, triagem,
        prensagem, armazenamento e atividades de apoio.

       Trabalho do Catador: Trabalho + Venda do
        Material = Renda.

       Tecnologia Social
POLÍTICA
PÚBLICA                                GOVERNO
                  GOVERNO              MUNCIPAL
                  FEDERAL
                                      Responsável
                                      pela Limpeza
                                         Urbana
   Marco Legal    Política Nacional
                    de Resíduos
                       Sólidos        COOPERATIVAS
                                      de Catadores de
                                         Materiais
                                        Recicláveis
   Regulação do   Câmara Setorial
    Mercado de     da Reciclagem
    Reciclagem



                                       Incorporação
                   Programas de       nos Programas     Marco
                  Investimento no        de Coleta      Legal
                       Setor              Seletiva
                                        Municipais


                  Desenvolvimento
                   de Tecnologia      Remuneração
                       Social         pela Prestação
                                        de Serviço
                                          Público
Prestação de Serviço pelas Prefeituras.


Força de Trabalho dos Catadores e Catadoras em
           Cooperativas e Associação
                       .


                      Triagem,                               Mercado:
    Coleta           Separação,       Comercializaçã
   Seletiva,         Prensagem,       oComercializaç       Atravessadores
                   Carregamento,       ão em Rede,          , Sucateiros e
                  Armazenamento                              a Indústria.
                  e Administração.




   REMUNERAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO DOS               Câmara Setorial,
             CATADORES – PREFEITURAS.                  Regulação do Mercado
Coleta+Triagem+Armazenamento = Prestação de Serviço
Jornais – Lado dos Catadores, Associações,
               Cooperativas e Redes.

   Preço de recicláveis prejudica catadores
   Queda de preços de material dificulta vida de catadores
   Crise derruba preço de material reciclável e prejudica
    catadores
   Cooperativas e catadores amargam queda da receita
   Crise derruba renda de catadores em 81%
   Catadores sofrem com crise que afeta reciclagem.
   Atingidos pela crise, catadores de material reciclável pedem
                              providências
   Desvalorização do dólar encolhe rendimento de catadores de rua
   Reflexos da crise atingem catadores e cooperativas de
    reciclagem em Taubaté
Jornais – Lado dos Catadores, Associações,
                Cooperativas e Redes.
   Preço de recicláveis prejudica catadores
   Queda de preços de material dificulta vida de catadores
   Crise derruba preço de material reciclável e prejudica
    catadores
   Cooperativas e catadores amargam queda da receita
   Crise derruba renda de catadores em 81%
   Catadores sofrem com crise que afeta reciclagem.
   Desvalorização do dólar encolhe rendimento de catadores de rua
   Reflexos da crise atingem catadores e cooperativas de
    reciclagem em Taubaté
Jornais – Lado dos Aparistas, Sucateiros e
                  Indústrias da Reciclagem.

   Crise atinge com força a Gerdau nos EUA
   Queda na produção industrial gera crise no setor de reciclagem
   Crise econômica prejudica indústria de reciclagem
   Mercado de recicláveis enfrenta um de seus piores momentos com
    a crise
   Queda na produção industrial prejudica reciclagem
   Papel e celulose: prevendo cenário deteriorado.
   Sucateiros de São Paulo já sentem efeitos da crise internacional
   Sucateiros investem no mercado externo.
   Crise mundial já começa a afetar o setor de reciclagem de metais
LUIZ HENRIQUE DA SILVA
      031.7813.8488
luizasmare@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Comex INfoco: “Gestão Portuária: Oportunidades e Desafios da Profissão no Bra...
Comex INfoco: “Gestão Portuária: Oportunidades e Desafios da Profissão no Bra...Comex INfoco: “Gestão Portuária: Oportunidades e Desafios da Profissão no Bra...
Comex INfoco: “Gestão Portuária: Oportunidades e Desafios da Profissão no Bra...
ABRACOMEX
 
Capitalismo e Socialismo
Capitalismo e Socialismo Capitalismo e Socialismo
Capitalismo e Socialismo
Christie Freitas
 
Noções básicas de seis sigma
Noções básicas de seis sigmaNoções básicas de seis sigma
Noções básicas de seis sigma
Gerisval Pessoa
 
Técnicas de Negociação
Técnicas de NegociaçãoTécnicas de Negociação
Técnicas de Negociação
andersonals
 
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...
FecomercioSP
 
Adm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeAdm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidade
Denis Carlos Sodré
 
Seminário Aese - Definição das ferramentas do LSS
Seminário Aese - Definição das ferramentas do LSSSeminário Aese - Definição das ferramentas do LSS
Seminário Aese - Definição das ferramentas do LSS
PedrodosSantos
 
Vendedores de Sucesso - Técnicas de comunicação e vendas em Programação Neuro...
Vendedores de Sucesso - Técnicas de comunicação e vendas em Programação Neuro...Vendedores de Sucesso - Técnicas de comunicação e vendas em Programação Neuro...
Vendedores de Sucesso - Técnicas de comunicação e vendas em Programação Neuro...
Mário Salomão
 
Six Sigma Metodologia DMAIC
Six Sigma Metodologia DMAICSix Sigma Metodologia DMAIC
Six Sigma Metodologia DMAIC
CLT Valuebased Services
 
Aulas Gestão da Qualidade & Produtividade 2015
Aulas Gestão da Qualidade & Produtividade 2015 Aulas Gestão da Qualidade & Produtividade 2015
Aulas Gestão da Qualidade & Produtividade 2015
Marcos Magnanti
 
Técnicas de negociação
Técnicas de negociaçãoTécnicas de negociação
Técnicas de negociação
CNA
 
Pnl e vendas
Pnl e vendas   Pnl e vendas
Pnl e vendas
Mizuji Kajii
 
Palestra PNL em Vendas
Palestra PNL em VendasPalestra PNL em Vendas
Palestra PNL em Vendas
Guilherme E cruz Silva
 
Palestra Pnl
Palestra PnlPalestra Pnl
Aulas - Gestão Da Qualidade - 2006 - Prof. Sergio.Jr
Aulas - Gestão Da Qualidade - 2006 -  Prof. Sergio.JrAulas - Gestão Da Qualidade - 2006 -  Prof. Sergio.Jr
Aulas - Gestão Da Qualidade - 2006 - Prof. Sergio.Jr
Sergio Luis Seloti Jr
 
Técnicas de negociação infalíveis para você nunca mais perder uma venda
Técnicas de negociação infalíveis para você nunca mais perder uma vendaTécnicas de negociação infalíveis para você nunca mais perder uma venda
Técnicas de negociação infalíveis para você nunca mais perder uma venda
Agendor
 
Mercado de trabalho desafios e oportunidades
Mercado de trabalho desafios e oportunidadesMercado de trabalho desafios e oportunidades
Mercado de trabalho desafios e oportunidades
Benjamim Garcia Netto
 
Palestra conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Palestra   conquistando seu lugar no mercado de trabalhoPalestra   conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Palestra conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Ernandes Rodrigues Do Nascimento
 
Métodos e técnicas de negociação
Métodos e técnicas de negociaçãoMétodos e técnicas de negociação
Métodos e técnicas de negociação
Claudiomar Borduchi
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
ELAINESILVEIRA
 

Destaque (20)

Comex INfoco: “Gestão Portuária: Oportunidades e Desafios da Profissão no Bra...
Comex INfoco: “Gestão Portuária: Oportunidades e Desafios da Profissão no Bra...Comex INfoco: “Gestão Portuária: Oportunidades e Desafios da Profissão no Bra...
Comex INfoco: “Gestão Portuária: Oportunidades e Desafios da Profissão no Bra...
 
Capitalismo e Socialismo
Capitalismo e Socialismo Capitalismo e Socialismo
Capitalismo e Socialismo
 
Noções básicas de seis sigma
Noções básicas de seis sigmaNoções básicas de seis sigma
Noções básicas de seis sigma
 
Técnicas de Negociação
Técnicas de NegociaçãoTécnicas de Negociação
Técnicas de Negociação
 
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...
 
Adm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeAdm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidade
 
Seminário Aese - Definição das ferramentas do LSS
Seminário Aese - Definição das ferramentas do LSSSeminário Aese - Definição das ferramentas do LSS
Seminário Aese - Definição das ferramentas do LSS
 
Vendedores de Sucesso - Técnicas de comunicação e vendas em Programação Neuro...
Vendedores de Sucesso - Técnicas de comunicação e vendas em Programação Neuro...Vendedores de Sucesso - Técnicas de comunicação e vendas em Programação Neuro...
Vendedores de Sucesso - Técnicas de comunicação e vendas em Programação Neuro...
 
Six Sigma Metodologia DMAIC
Six Sigma Metodologia DMAICSix Sigma Metodologia DMAIC
Six Sigma Metodologia DMAIC
 
Aulas Gestão da Qualidade & Produtividade 2015
Aulas Gestão da Qualidade & Produtividade 2015 Aulas Gestão da Qualidade & Produtividade 2015
Aulas Gestão da Qualidade & Produtividade 2015
 
Técnicas de negociação
Técnicas de negociaçãoTécnicas de negociação
Técnicas de negociação
 
Pnl e vendas
Pnl e vendas   Pnl e vendas
Pnl e vendas
 
Palestra PNL em Vendas
Palestra PNL em VendasPalestra PNL em Vendas
Palestra PNL em Vendas
 
Palestra Pnl
Palestra PnlPalestra Pnl
Palestra Pnl
 
Aulas - Gestão Da Qualidade - 2006 - Prof. Sergio.Jr
Aulas - Gestão Da Qualidade - 2006 -  Prof. Sergio.JrAulas - Gestão Da Qualidade - 2006 -  Prof. Sergio.Jr
Aulas - Gestão Da Qualidade - 2006 - Prof. Sergio.Jr
 
Técnicas de negociação infalíveis para você nunca mais perder uma venda
Técnicas de negociação infalíveis para você nunca mais perder uma vendaTécnicas de negociação infalíveis para você nunca mais perder uma venda
Técnicas de negociação infalíveis para você nunca mais perder uma venda
 
Mercado de trabalho desafios e oportunidades
Mercado de trabalho desafios e oportunidadesMercado de trabalho desafios e oportunidades
Mercado de trabalho desafios e oportunidades
 
Palestra conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Palestra   conquistando seu lugar no mercado de trabalhoPalestra   conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Palestra conquistando seu lugar no mercado de trabalho
 
Métodos e técnicas de negociação
Métodos e técnicas de negociaçãoMétodos e técnicas de negociação
Métodos e técnicas de negociação
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 

Semelhante a Luiz henrique a crise econômica no mercado dos recicláveis

Teleconferência 2 t12
Teleconferência 2 t12Teleconferência 2 t12
Teleconferência 2 t12
Eternit S.A.
 
Teleconferência 4 t12 versão final
Teleconferência 4 t12 versão finalTeleconferência 4 t12 versão final
Teleconferência 4 t12 versão final
Eternit S.A.
 
STF - Audiência Pública do Amianto - 24/08/2012 - Supremo Tribunal Federal
STF - Audiência Pública do Amianto - 24/08/2012 - Supremo Tribunal FederalSTF - Audiência Pública do Amianto - 24/08/2012 - Supremo Tribunal Federal
STF - Audiência Pública do Amianto - 24/08/2012 - Supremo Tribunal Federal
Instituto Brasileiro do Crisotila
 
Eternit teleconferência 2 t12
Eternit   teleconferência 2 t12Eternit   teleconferência 2 t12
Eternit teleconferência 2 t12
Eternit S.A.
 
Teleconferência 2 t12
Teleconferência 2 t12Teleconferência 2 t12
Teleconferência 2 t12
Eternit S.A.
 
Teleconferência 2 t12
Teleconferência 2 t12Teleconferência 2 t12
Teleconferência 2 t12
Eternit S.A.
 
Eternit pdf 2 t12
Eternit   pdf 2 t12Eternit   pdf 2 t12
Eternit pdf 2 t12
Eternit S.A.
 
Teleconferência 3 t12
Teleconferência 3 t12Teleconferência 3 t12
Teleconferência 3 t12
Eternit S.A.
 
Teleconferência 3 t12
Teleconferência 3 t12Teleconferência 3 t12
Teleconferência 3 t12
Eternit S.A.
 
Luiz antonio 16 00
Luiz antonio 16 00Luiz antonio 16 00
Luiz antonio 16 00
forumsustentar
 

Semelhante a Luiz henrique a crise econômica no mercado dos recicláveis (10)

Teleconferência 2 t12
Teleconferência 2 t12Teleconferência 2 t12
Teleconferência 2 t12
 
Teleconferência 4 t12 versão final
Teleconferência 4 t12 versão finalTeleconferência 4 t12 versão final
Teleconferência 4 t12 versão final
 
STF - Audiência Pública do Amianto - 24/08/2012 - Supremo Tribunal Federal
STF - Audiência Pública do Amianto - 24/08/2012 - Supremo Tribunal FederalSTF - Audiência Pública do Amianto - 24/08/2012 - Supremo Tribunal Federal
STF - Audiência Pública do Amianto - 24/08/2012 - Supremo Tribunal Federal
 
Eternit teleconferência 2 t12
Eternit   teleconferência 2 t12Eternit   teleconferência 2 t12
Eternit teleconferência 2 t12
 
Teleconferência 2 t12
Teleconferência 2 t12Teleconferência 2 t12
Teleconferência 2 t12
 
Teleconferência 2 t12
Teleconferência 2 t12Teleconferência 2 t12
Teleconferência 2 t12
 
Eternit pdf 2 t12
Eternit   pdf 2 t12Eternit   pdf 2 t12
Eternit pdf 2 t12
 
Teleconferência 3 t12
Teleconferência 3 t12Teleconferência 3 t12
Teleconferência 3 t12
 
Teleconferência 3 t12
Teleconferência 3 t12Teleconferência 3 t12
Teleconferência 3 t12
 
Luiz antonio 16 00
Luiz antonio 16 00Luiz antonio 16 00
Luiz antonio 16 00
 

Mais de ominassemlixoes

Palestra slu
Palestra sluPalestra slu
Palestra slu
ominassemlixoes
 
Apresentação jr biogerais
Apresentação jr biogeraisApresentação jr biogerais
Apresentação jr biogerais
ominassemlixoes
 
Palestra resotec holcim
Palestra resotec holcimPalestra resotec holcim
Palestra resotec holcim
ominassemlixoes
 
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
ominassemlixoes
 
Pnrs
PnrsPnrs
Situação comercial dos empreendimentos de coleta de materiais
Situação comercial dos empreendimentos de coleta de materiaisSituação comercial dos empreendimentos de coleta de materiais
Situação comercial dos empreendimentos de coleta de materiais
ominassemlixoes
 
Larissa apresentação cmrr
Larissa   apresentação cmrrLarissa   apresentação cmrr
Larissa apresentação cmrr
ominassemlixoes
 
Wagner
WagnerWagner
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
Jacqueline panorama cadeia recicláveis finalJacqueline panorama cadeia recicláveis final
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
ominassemlixoes
 
Heitor apresentação fip - bh-rev1
Heitor   apresentação fip - bh-rev1Heitor   apresentação fip - bh-rev1
Heitor apresentação fip - bh-rev1
ominassemlixoes
 
Palestra abrepet
Palestra abrepetPalestra abrepet
Palestra abrepet
ominassemlixoes
 
Apresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logos
Apresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logosApresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logos
Apresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logos
ominassemlixoes
 

Mais de ominassemlixoes (12)

Palestra slu
Palestra sluPalestra slu
Palestra slu
 
Apresentação jr biogerais
Apresentação jr biogeraisApresentação jr biogerais
Apresentação jr biogerais
 
Palestra resotec holcim
Palestra resotec holcimPalestra resotec holcim
Palestra resotec holcim
 
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
 
Pnrs
PnrsPnrs
Pnrs
 
Situação comercial dos empreendimentos de coleta de materiais
Situação comercial dos empreendimentos de coleta de materiaisSituação comercial dos empreendimentos de coleta de materiais
Situação comercial dos empreendimentos de coleta de materiais
 
Larissa apresentação cmrr
Larissa   apresentação cmrrLarissa   apresentação cmrr
Larissa apresentação cmrr
 
Wagner
WagnerWagner
Wagner
 
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
Jacqueline panorama cadeia recicláveis finalJacqueline panorama cadeia recicláveis final
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
 
Heitor apresentação fip - bh-rev1
Heitor   apresentação fip - bh-rev1Heitor   apresentação fip - bh-rev1
Heitor apresentação fip - bh-rev1
 
Palestra abrepet
Palestra abrepetPalestra abrepet
Palestra abrepet
 
Apresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logos
Apresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logosApresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logos
Apresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logos
 

Luiz henrique a crise econômica no mercado dos recicláveis

  • 1. A CRISE ECONÔMICA NO MERCADO DOS RECICLÁVEIS Maio/ 2012
  • 2. INDÚSTRIA REDES DE ATRAVESSADORES Setor do Papel COOPERATIVA e Celulose S E Setor da ASSOCIAÇÕES Aparistas e Siderurgia Aço de Catadores Sucateiros e Ferro, de Materiais Recicláveis Queda da Produção Industrial Brasileira Queda na Exportação. Impactos da Crise nas Transação Cooperativas/Redes das Queda da Produção Mercadorias 1º - Estoques Cheios de Material em Bolsa Estoques Cheios Reciclável da Coleta Seletiva; Internacional. 2º - Queda do Faturamento com a venda Commodities Queda nos preços dos materiais; /Traders 3º - Retirada dos Cooperados caindo mensalmente , chegando quase 70%; 4º - Aumento das despesas com Custo Operacional da Coleta; 5º - Cooperado deixando a Cooperativa; Efeitos da Crise 6º - Inadimplência com fornecedores e Econômica Mundial CRISE atraso no pagamento aos cooperados; INTERNACIONA 7º - Desvalorização em alguns materiais Queda da Produção L chega quase ser quinzenal. Mundial os Países (Quebra das deixam de comprar Bolsas materia-prima. Internacionais)
  • 3. Material Exportado do Brasil na forma de resíduos, aparas e metais Material 2007 2008   USS* Toneladas USS* Toneladas Papel         Cartão, Kraft, Cru e Ondulado. 590 3 9,3 mil 11 Cartão da pasta química branqueada 746 mil 2,1 mil 833 mil 2,6 mil Outros Resíduos de papel-cartão. 119 mil mil 165 mil 844           Plásticos         Polímeros de Estireno 491 mil 684 256 mil 347 Polímeros de Etileno 13 mil 32 102 mil 45           Metais         Chumbo 224 mil 262     Alumínio em forma bruta 278 mil 15 4,4 milhões 1,8 mil Níquel 3 milhões 341 720 mil 190 Cobre 3,7 milhões 5 mil 5 milhões 2 mil Ferro Fundido 3,7 milhões 19 mil 9,6 milhões 30 mil Estanho 396 mil 104 500 mil 196 Aços Inoxidáveis 33 milhões 11 mil 25 milhões 9,8 mil Resíduos do torno, da fresa, aparas, lascas, limalhas etc. 1 milhão 668 1 milhão 2 mil Outros resíduos de ferro e aço 3,6 milhões 50 mil 7,6 milhões 58 mil           Outros Mercados         Borracha não endurecida 2,5 milhões 13 mil 3,2 milhões 13 mil  Madeira 7,5 mil 4     Ministério do Desenvolvimento
  • 4. O MERCADO DE RECICLÁVEIS  Mercado Oligopsônico  Pequenos produtores X Grandes Compradores  Restrição da margem de negociação dos catadores para composição do preço dos materiais recicláveis determinada pelos grandes compradores.  Organização do trabalho é determinada pelos preços pagos pelos materiais recicláveis.  O catador não é pago pelo quantidade de trabalho realizado (jornada de trabalho).
  • 5. Crise Atual  Aumento da quantidade de trabalho do catador para manter sua renda.  Essa lógica traria mais exploração do próprio trabalho do catador.  As Cooperativas e Associações estão inseridas num contexto maior, onde a relação com o mercado, que desafia a sua sustentabilidade.
  • 6. Refletir sobre o trabalho do catador e buscar novas alternativas.  Não há mais espaço para as cooperativas e associações ficarem dependentes unicamente do mercado oligopsônico para a composição da renda do catador sem pensar sobre a remuneração do trabalho em toda atividade de coleta, triagem, prensagem, armazenamento e atividades de apoio.  Trabalho do Catador: Trabalho + Venda do Material = Renda.  Tecnologia Social
  • 7. POLÍTICA PÚBLICA GOVERNO GOVERNO MUNCIPAL FEDERAL Responsável pela Limpeza Urbana Marco Legal Política Nacional de Resíduos Sólidos COOPERATIVAS de Catadores de Materiais Recicláveis Regulação do Câmara Setorial Mercado de da Reciclagem Reciclagem Incorporação Programas de nos Programas Marco Investimento no de Coleta Legal Setor Seletiva Municipais Desenvolvimento de Tecnologia Remuneração Social pela Prestação de Serviço Público
  • 8. Prestação de Serviço pelas Prefeituras. Força de Trabalho dos Catadores e Catadoras em Cooperativas e Associação . Triagem, Mercado: Coleta Separação, Comercializaçã Seletiva, Prensagem, oComercializaç Atravessadores Carregamento, ão em Rede, , Sucateiros e Armazenamento a Indústria. e Administração. REMUNERAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO DOS Câmara Setorial, CATADORES – PREFEITURAS. Regulação do Mercado Coleta+Triagem+Armazenamento = Prestação de Serviço
  • 9. Jornais – Lado dos Catadores, Associações, Cooperativas e Redes.  Preço de recicláveis prejudica catadores  Queda de preços de material dificulta vida de catadores  Crise derruba preço de material reciclável e prejudica catadores  Cooperativas e catadores amargam queda da receita  Crise derruba renda de catadores em 81%  Catadores sofrem com crise que afeta reciclagem.  Atingidos pela crise, catadores de material reciclável pedem providências  Desvalorização do dólar encolhe rendimento de catadores de rua  Reflexos da crise atingem catadores e cooperativas de reciclagem em Taubaté
  • 10. Jornais – Lado dos Catadores, Associações, Cooperativas e Redes.  Preço de recicláveis prejudica catadores  Queda de preços de material dificulta vida de catadores  Crise derruba preço de material reciclável e prejudica catadores  Cooperativas e catadores amargam queda da receita  Crise derruba renda de catadores em 81%  Catadores sofrem com crise que afeta reciclagem.  Desvalorização do dólar encolhe rendimento de catadores de rua  Reflexos da crise atingem catadores e cooperativas de reciclagem em Taubaté
  • 11. Jornais – Lado dos Aparistas, Sucateiros e Indústrias da Reciclagem.  Crise atinge com força a Gerdau nos EUA  Queda na produção industrial gera crise no setor de reciclagem  Crise econômica prejudica indústria de reciclagem  Mercado de recicláveis enfrenta um de seus piores momentos com a crise  Queda na produção industrial prejudica reciclagem  Papel e celulose: prevendo cenário deteriorado.  Sucateiros de São Paulo já sentem efeitos da crise internacional  Sucateiros investem no mercado externo.  Crise mundial já começa a afetar o setor de reciclagem de metais
  • 12. LUIZ HENRIQUE DA SILVA 031.7813.8488 luizasmare@yahoo.com.br