SlideShare uma empresa Scribd logo
TRATAMENTO
ANAERÓBIO DE
   ESGOTO
Objetivo
 Apresentar conceitos básicos de
tratamento de efluentes com
enfoque em tratamento anaeróbio
 Apresentar o funcionamento de
reatores anaeróbios para
tratamento de esgoto doméstico



     COMPREENSÃO GERAL DO
    TRATAMENTO DE EFLUENTES
Conceitos básicos
Autodepuração:
processo natural que ocorre em um
corpo d’água após o lançamento de
despejos
Principais organismos envolvidos:
bactérias, protozoários, fungos,
algas e vermes
Conceitos básicos

   “Tratamento” de Esgotos



Alterar a qualidade do líquido

Conversão da       Alteração por
matéria orgânica   processos
em produtos        físico-químicos
mineralizados      e/ou biológicos
inertes
Conceitos básicos

 ETE – Estação de Tratamento de
             Esgotos

Os mesmos fenômenos ocorrem mas
   com introdução de tecnologia


    Condições       Taxas mais
   controladas       elevadas
Conceitos básicos


               OD: Oxigênio Dissolvido
 •Quanto MAIOR o OD, MELHOR a qualidade da
 água;
 •Resolução CONAMA No. 357/2005:


 Classe     Classe I   Classe II   Classe III   Classe
OD (mg/L)     ≥6          ≥5          ≥4          IV
                                                 ≥2
Conceitos básicos

DBO: Demanda Bioquímica de Oxigênio
•Representa a demanda potencial de oxigênio
dissolvido que poderá ocorrer devido à
estabilização dos compostos orgânicos
biodegradáveis;
•DBO é um parâmetro importante no controle
da eficiência das ETEs;
•Quanto MAIOR a DBO, PIOR a qualidade da
água;
•Resolução CONAMA No. 357/2005:
       Classe      Classe I   Classe II   Classe III
   DBO (mg/L O2)     ≤ 3        ≤5          ≤ 10
Conceitos básicos
Processo AERÓBIO x Processo ANAERÓBIO




Oxigênio presente na   Ausência de oxigênio
forma molecular (O2)
                        Produção de
 Produção de Gás        Metano (CH4) e
 Carbônico (CO2) e      Gás Carbônico
 água                   (CO2)
Estação de Tratamento de Esgoto
                 (ETE)



                      Medidor
                      de vazão       Reator           Esgoto
                                                      Tratado
Esgoto
Bruto
                  Caixa de
         Grades                               Decantador
                  areia      Decantador
                             Primário         Secundário
PROCESSOS ANAERÓBIOS

Condições (favoráveis)
• Manutenção de grande massa de bactérias
ativas
• Contato intenso entre o material orgânico
presente no afluente e a massa bacteriana do
sistema;
• Controle de temperatura, pH, presença de
nutrientes e ausência de materiais tóxicos.
PROCESSOS ANAERÓBIOS

Por que utilizar como principal unidade de
tratamento biológico?


Remoção de até 70% da matéria orgânica
sem dispêndio de energia ou adição de
substâncias químicas auxiliares.


(Unidades de pós-tratamento podem ser
usadas para remoção de parcela
remanescente do material orgânico)
PROCESSOS ANAERÓBIOS

Vantagens
 Baixo consumo de energia;

 Menor produção de lodo de excesso = menor
custo de disposição;

 Possibilidade de recuperação e utilização
do gás metano como combustível;

 Possibilidade de funcionar bem mesmo
após longos períodos de interrupção;
PROCESSOS ANAERÓBIOS

Aspectos negativos:


 Longo período de partida (sem inóculo);


 Sensibilidade do processo a mudanças das
condições ambientais (pH, temperatura,
sobrecargas orgânicas e hidráulicas);


 Possível emissão de odores ofensivos;
PROCESSOS ANAERÓBIOS

• Decanto-digestores;
• Filtro Anaeróbio;
• Reatores Anaeróbios de Manto de Lodo;
• Lagoas Anaeróbias;
• Reatores de Leito Expandido/Fluidificado;
Decanto Digestores ou Tanques
             Sépticos


•Baixa eficiência (remove principalmente
sólidos em suspensão)

•Operação simples

•Baixo custo

•Efluentes necessitam de pós-tratamento
FILTRO ANAERÓBIO



•Tanque contendo leito de pedras ou outro
material de enchimento

•Mais utilizado para pós-tratamento
REATORES ANAERÓBIOS DE MANTO
            DE LODO

•UASB, RALF, DAFA, RAFA;
•Tanque no qual os esgotos são
introduzidos na parte inferior (fundo) e
saem na parte superior;
•Estabelecimento de um fluxo ascendente
através de um leito constituído por
grânulos ou flocos que contêm elevada
quantidade de microrganismos ativos;
•Tendência à separação de fases.
LAGOAS ANAERÓBIAS
• Não são usadas como única unidade de
tratamento biológico;
• Baixo custo;
• Facilidade de operação;
• Exigência de área significativamente
maiores do que processos mecanizados;
• Risco de emanação de maus odores;
• Material flutuante (visual desagradável).
COMBINAÇÕES DE REATORES
Obrigada!

Eng. Civil Graziela Zim
Profill Engenharia e Ambiente
Fone: (51) 3211 3944
E-mail: graziela@profill.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila tratamento de efluentes industriais
Apostila   tratamento de efluentes industriaisApostila   tratamento de efluentes industriais
Apostila tratamento de efluentes industriais
Livia Iost Gallucci
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
Giovanna Ortiz
 
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Reuso da agua
Reuso da aguaReuso da agua
Reuso da agua
Luana Barros
 
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de ResíduosTratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
ONU Meio Ambiente e Ministério do Meio Ambiente
 
Sedimentação
SedimentaçãoSedimentação
Sedimentação
Josemar Pereira da Silva
 
Aula 4 sedimentação
Aula 4   sedimentaçãoAula 4   sedimentação
Aula 4 sedimentação
Giovanna Ortiz
 
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasAula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Giovanna Ortiz
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Larissa Freire
 
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
Giovanna Ortiz
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos SólidosPolítica Nacional de Resíduos Sólidos
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologia
Rebeca Vale
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
Giovanna Ortiz
 
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2   exercício od tratamento de águas residuáriasAula 2   exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
Giovanna Ortiz
 
Tratamento dos esgotos
Tratamento dos esgotosTratamento dos esgotos
Tratamento dos esgotos
PAULO TAYLOR MACIEL DA SILVA
 
Aula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águasAula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águas
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Taa 3
Taa 3Taa 3
Aula 7a dimensionamento lagoa anaeróbia
Aula 7a dimensionamento lagoa anaeróbiaAula 7a dimensionamento lagoa anaeróbia
Aula 7a dimensionamento lagoa anaeróbia
Giovanna Ortiz
 

Mais procurados (20)

Apostila tratamento de efluentes industriais
Apostila   tratamento de efluentes industriaisApostila   tratamento de efluentes industriais
Apostila tratamento de efluentes industriais
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
 
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
 
Reuso da agua
Reuso da aguaReuso da agua
Reuso da agua
 
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de ResíduosTratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
 
Sedimentação
SedimentaçãoSedimentação
Sedimentação
 
Aula 4 sedimentação
Aula 4   sedimentaçãoAula 4   sedimentação
Aula 4 sedimentação
 
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasAula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
 
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos SólidosPolítica Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos Sólidos
 
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
 
V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologia
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
 
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2   exercício od tratamento de águas residuáriasAula 2   exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
 
Tratamento dos esgotos
Tratamento dos esgotosTratamento dos esgotos
Tratamento dos esgotos
 
Aula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águasAula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águas
 
Taa 3
Taa 3Taa 3
Taa 3
 
Aula 7a dimensionamento lagoa anaeróbia
Aula 7a dimensionamento lagoa anaeróbiaAula 7a dimensionamento lagoa anaeróbia
Aula 7a dimensionamento lagoa anaeróbia
 

Destaque

Tratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoTratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Luan Furtado
 
Digestor anaerobio de fluxo ascendente
Digestor anaerobio de fluxo ascendenteDigestor anaerobio de fluxo ascendente
Digestor anaerobio de fluxo ascendente
darsand
 
exercicio
exercicioexercicio
exercicio
Thays Alves
 
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e SociaisEsgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Nathália Vasconcelos
 
Tratamento da água
Tratamento da águaTratamento da água
Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgoto
Grazi Grazi
 

Destaque (6)

Tratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoTratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básico
 
Digestor anaerobio de fluxo ascendente
Digestor anaerobio de fluxo ascendenteDigestor anaerobio de fluxo ascendente
Digestor anaerobio de fluxo ascendente
 
exercicio
exercicioexercicio
exercicio
 
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e SociaisEsgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
 
Tratamento da água
Tratamento da águaTratamento da água
Tratamento da água
 
Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgoto
 

Semelhante a Tratamento anaeróbio esgoto

Descarte de resíduos
Descarte de resíduosDescarte de resíduos
Palestra principais usos da água na indústria e técnicas
Palestra    principais usos da água na indústria e técnicasPalestra    principais usos da água na indústria e técnicas
Palestra principais usos da água na indústria e técnicas
Roeli Paulucci
 
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
lenilson marinho barbosa
 
Tratamento águas residuárias
Tratamento águas residuáriasTratamento águas residuárias
Tratamento águas residuárias
Flávio Rezende Cunha
 
Aula 06 - Princípios básicos do tratamento biológico de esgotos.pdf
Aula 06 - Princípios básicos do tratamento biológico de esgotos.pdfAula 06 - Princípios básicos do tratamento biológico de esgotos.pdf
Aula 06 - Princípios básicos do tratamento biológico de esgotos.pdf
LarissaSaraiva10
 
Eta Rs
Eta RsEta Rs
Eta Rs
angelaesp
 
Efluentes domésticos e industriais.pdf
Efluentes domésticos e industriais.pdfEfluentes domésticos e industriais.pdf
Efluentes domésticos e industriais.pdf
HlioMachado1
 
Teli 7
Teli 7Teli 7
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
João Boos Boos
 
Curs-1.pdfz rx es diz-nos Jack tak crês seu
Curs-1.pdfz rx es diz-nos Jack tak crês seuCurs-1.pdfz rx es diz-nos Jack tak crês seu
Curs-1.pdfz rx es diz-nos Jack tak crês seu
MatheusVincius36
 
Manta de lodo
Manta de lodoManta de lodo
Manta de lodo
Marcelo Tavares
 
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppttratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
Alessandro409980
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
João Boos Boos
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
João Boos Boos
 
Qualidade e paramentros -
Qualidade e paramentros - Qualidade e paramentros -
Qualidade e paramentros -
Jean Leão
 
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia AmbientalICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
Ricardo Portela
 
Calculos vazao
Calculos vazaoCalculos vazao
Calculos vazao
Maicon Zanchettin
 
Saneamento Energético
Saneamento EnergéticoSaneamento Energético
Saneamento Energético
Ampla Energia S.A.
 
Fossa séptica biodigestora o que é e como funciona
Fossa séptica biodigestora o que é e como funcionaFossa séptica biodigestora o que é e como funciona
Fossa séptica biodigestora o que é e como funciona
João Siqueira da Mata
 
Aula 10 e 11 - Produção de Biogás e Biometano
Aula 10 e 11 - Produção de Biogás e BiometanoAula 10 e 11 - Produção de Biogás e Biometano
Aula 10 e 11 - Produção de Biogás e Biometano
DouglasdeAssis1
 

Semelhante a Tratamento anaeróbio esgoto (20)

Descarte de resíduos
Descarte de resíduosDescarte de resíduos
Descarte de resíduos
 
Palestra principais usos da água na indústria e técnicas
Palestra    principais usos da água na indústria e técnicasPalestra    principais usos da água na indústria e técnicas
Palestra principais usos da água na indústria e técnicas
 
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
 
Tratamento águas residuárias
Tratamento águas residuáriasTratamento águas residuárias
Tratamento águas residuárias
 
Aula 06 - Princípios básicos do tratamento biológico de esgotos.pdf
Aula 06 - Princípios básicos do tratamento biológico de esgotos.pdfAula 06 - Princípios básicos do tratamento biológico de esgotos.pdf
Aula 06 - Princípios básicos do tratamento biológico de esgotos.pdf
 
Eta Rs
Eta RsEta Rs
Eta Rs
 
Efluentes domésticos e industriais.pdf
Efluentes domésticos e industriais.pdfEfluentes domésticos e industriais.pdf
Efluentes domésticos e industriais.pdf
 
Teli 7
Teli 7Teli 7
Teli 7
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
 
Curs-1.pdfz rx es diz-nos Jack tak crês seu
Curs-1.pdfz rx es diz-nos Jack tak crês seuCurs-1.pdfz rx es diz-nos Jack tak crês seu
Curs-1.pdfz rx es diz-nos Jack tak crês seu
 
Manta de lodo
Manta de lodoManta de lodo
Manta de lodo
 
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppttratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
Qualidade e paramentros -
Qualidade e paramentros - Qualidade e paramentros -
Qualidade e paramentros -
 
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia AmbientalICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
 
Calculos vazao
Calculos vazaoCalculos vazao
Calculos vazao
 
Saneamento Energético
Saneamento EnergéticoSaneamento Energético
Saneamento Energético
 
Fossa séptica biodigestora o que é e como funciona
Fossa séptica biodigestora o que é e como funcionaFossa séptica biodigestora o que é e como funciona
Fossa séptica biodigestora o que é e como funciona
 
Aula 10 e 11 - Produção de Biogás e Biometano
Aula 10 e 11 - Produção de Biogás e BiometanoAula 10 e 11 - Produção de Biogás e Biometano
Aula 10 e 11 - Produção de Biogás e Biometano
 

Tratamento anaeróbio esgoto

  • 2. Objetivo  Apresentar conceitos básicos de tratamento de efluentes com enfoque em tratamento anaeróbio  Apresentar o funcionamento de reatores anaeróbios para tratamento de esgoto doméstico COMPREENSÃO GERAL DO TRATAMENTO DE EFLUENTES
  • 3. Conceitos básicos Autodepuração: processo natural que ocorre em um corpo d’água após o lançamento de despejos Principais organismos envolvidos: bactérias, protozoários, fungos, algas e vermes
  • 4. Conceitos básicos “Tratamento” de Esgotos Alterar a qualidade do líquido Conversão da Alteração por matéria orgânica processos em produtos físico-químicos mineralizados e/ou biológicos inertes
  • 5. Conceitos básicos ETE – Estação de Tratamento de Esgotos Os mesmos fenômenos ocorrem mas com introdução de tecnologia Condições Taxas mais controladas elevadas
  • 6. Conceitos básicos OD: Oxigênio Dissolvido •Quanto MAIOR o OD, MELHOR a qualidade da água; •Resolução CONAMA No. 357/2005: Classe Classe I Classe II Classe III Classe OD (mg/L) ≥6 ≥5 ≥4 IV ≥2
  • 7. Conceitos básicos DBO: Demanda Bioquímica de Oxigênio •Representa a demanda potencial de oxigênio dissolvido que poderá ocorrer devido à estabilização dos compostos orgânicos biodegradáveis; •DBO é um parâmetro importante no controle da eficiência das ETEs; •Quanto MAIOR a DBO, PIOR a qualidade da água; •Resolução CONAMA No. 357/2005: Classe Classe I Classe II Classe III DBO (mg/L O2) ≤ 3 ≤5 ≤ 10
  • 8. Conceitos básicos Processo AERÓBIO x Processo ANAERÓBIO Oxigênio presente na Ausência de oxigênio forma molecular (O2) Produção de Produção de Gás Metano (CH4) e Carbônico (CO2) e Gás Carbônico água (CO2)
  • 9. Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Medidor de vazão Reator Esgoto Tratado Esgoto Bruto Caixa de Grades Decantador areia Decantador Primário Secundário
  • 10. PROCESSOS ANAERÓBIOS Condições (favoráveis) • Manutenção de grande massa de bactérias ativas • Contato intenso entre o material orgânico presente no afluente e a massa bacteriana do sistema; • Controle de temperatura, pH, presença de nutrientes e ausência de materiais tóxicos.
  • 11. PROCESSOS ANAERÓBIOS Por que utilizar como principal unidade de tratamento biológico? Remoção de até 70% da matéria orgânica sem dispêndio de energia ou adição de substâncias químicas auxiliares. (Unidades de pós-tratamento podem ser usadas para remoção de parcela remanescente do material orgânico)
  • 12. PROCESSOS ANAERÓBIOS Vantagens  Baixo consumo de energia;  Menor produção de lodo de excesso = menor custo de disposição;  Possibilidade de recuperação e utilização do gás metano como combustível;  Possibilidade de funcionar bem mesmo após longos períodos de interrupção;
  • 13. PROCESSOS ANAERÓBIOS Aspectos negativos:  Longo período de partida (sem inóculo);  Sensibilidade do processo a mudanças das condições ambientais (pH, temperatura, sobrecargas orgânicas e hidráulicas);  Possível emissão de odores ofensivos;
  • 14. PROCESSOS ANAERÓBIOS • Decanto-digestores; • Filtro Anaeróbio; • Reatores Anaeróbios de Manto de Lodo; • Lagoas Anaeróbias; • Reatores de Leito Expandido/Fluidificado;
  • 15. Decanto Digestores ou Tanques Sépticos •Baixa eficiência (remove principalmente sólidos em suspensão) •Operação simples •Baixo custo •Efluentes necessitam de pós-tratamento
  • 16. FILTRO ANAERÓBIO •Tanque contendo leito de pedras ou outro material de enchimento •Mais utilizado para pós-tratamento
  • 17. REATORES ANAERÓBIOS DE MANTO DE LODO •UASB, RALF, DAFA, RAFA; •Tanque no qual os esgotos são introduzidos na parte inferior (fundo) e saem na parte superior; •Estabelecimento de um fluxo ascendente através de um leito constituído por grânulos ou flocos que contêm elevada quantidade de microrganismos ativos; •Tendência à separação de fases.
  • 18. LAGOAS ANAERÓBIAS • Não são usadas como única unidade de tratamento biológico; • Baixo custo; • Facilidade de operação; • Exigência de área significativamente maiores do que processos mecanizados; • Risco de emanação de maus odores; • Material flutuante (visual desagradável).
  • 20. Obrigada! Eng. Civil Graziela Zim Profill Engenharia e Ambiente Fone: (51) 3211 3944 E-mail: graziela@profill.com.br