SlideShare uma empresa Scribd logo
7º ENCONTRO
A Santa Missa
O que significa a Eucaristia na vida da Igreja?
A Eucaristia é a fonte e o ápice da vida cristã. Na
Eucaristia, atingem o auge a ação santificadora de Deus
em nosso favor e o nosso culto para com Ele. Nela está
contido todo o tesouro espiritual da Igreja: o próprio Cristo,
nossa Páscoa. A comunhão da vida divina e a unidade do
Povo de Deus são significadas e realizadas na Eucaristia.
Pela celebração eucarística unimo-nos desde já à liturgia
do Céu e antecipamos a vida eterna.
Introdução
O centro da liturgia da Igreja é a Eucaristia - a
Missa -, que os Apóstolos celebraram desde
o primeiro momento; desde então até agora,
a Missa tem permanecido essencialmente a
mesma.
Ideias principais
A Missa
A missa é um memorial de Nosso Senhor. “Fazei isto em
memória de mim”, disse Jesus ao ordenar sacerdotes os
seus Apóstolos. É inerente ao coração humano o desejo de
conservar viva a lembrança das pessoas que se amou ou
se admirou. Quer se trate de um retrato desbotado dos
nossos falecidos pais, ou de um monumento a um herói
nacional, o mundo está semeado de memoriais. Nosso
Senhor Jesus, que tanto nos ama e que tanto deseja o
nosso amor, deixou-nos um memorial de Si mesmo como
só Deus o podia conceber. Não é um quadro, um
monumento, uma estátua; é a presença viva de Si mesmo,
que vem diariamente a nós na missa.
Na Missa, temos o próprio Corpo e o próprio Sangue de
Jesus imolado na Cruz. Nela, Jesus continua através do
tempo o oferecimento de Si no Calvário, aplicando à
nossa alma os méritos que nos ganhou no Gólgota. Não
é apenas a sua morte que recordamos na Missa, mas
também a sua ressurreição, pela qual Jesus nos
arrebatou das garras da morte, de uma vez para
sempre; e também a sua Ascensão aos céus, à glória
para a qual nos predestinou, e que um dia partilhará
conosco, se nós o quisermos.
Além de ser uma recordação de Nosso Senhor, a Missa
é um banquete sagrado. À sua mesa, Jesus alimenta-se
com o seu próprio corpo e sangue.
A Missa é um memorial do Senhor Jesus. É um memorial
perfeito, em que a sua presença viva nos mantém
vividamente conscientes dEle. É também um banquete
divino, em que Deus provê a mesa com seu próprio
corpo e o seu próprio sangue. Mas é mais do que um
memorial e mais do que um banquete. É sobretudo um
sacrifício.
Com o transcorrer dos séculos, a palavra sacrifício perdeu
grande parte do seu significado exato, e passou a indicar
antes algo doloroso e, por isso, desagradável: a renúncia a
alguma coisa que gostaríamos de ter ou de fazer.
Originariamente, no entanto, essa palavra tinha um só
significado: aplicava-se à ação pela qual se oferece a
Deus um dom, e esse é ainda hoje o seu sentido estrito e
mais apropriado. Deriva de duas palavras latinas: sacrum,
sagrado e facere, fazer. Fazia-se sagrada uma coisa
subtraindo-se à posse e ao uso humano, e oferecendo-a a
Deus por um ato simbólico de doação.
A Missa é o sacrifício perfeito. Todos os sacrifícios
anteriores à Missa tinham um grande defeito: para Deus,
os dons oferecidos não tinham, em si, valor nenhum.
Simplesmente devolviam a Deus as coisas que Ele
mesmo havia criado: touros, ovelhas, pão e vinho. Mesmo
todo ouro que é guardado nos bancos do mundo, em si,
não teria valor nenhum para Deus. O Senhor comprazia-
se nas oferendas porque se dignava fazê-lo, aceitava
graciosamente os nossos insignificantes dons por serem
expressão do amor dos homens.
Mas, no Sacrifício da Missa, irrompe um elemento novo e
maravilhoso: pela primeira vez e todos os dias, a
humanidade pode já oferecer a Deus um dom digno dEle: o
dom do seu próprio Filho, um dom de valor infinito, digno
de Deus infinito. Aqui temos um dom que Deus não só
digna aceitar, mas tem que aceitar, um dom que Deus não
pode recusar, um dom precioso aos seus olhos porque é
um dom de Deus a Deus.
A Missa é as três coisas: memorial, banquete, sacrifício,
mas acima de tudo, é sacrifício. É o sacrifício que durará
enquanto o tempo durar.
Que constitui um sacrifício?
O sacrifício é um dom feito a Deus. No entanto, nem todos
os dons oferecidos a Deus são sacrifícios. O dinheiro com
que contribuímos para as despesas da paróquia ainda que
seja um dom oferecido a Deus (se nossa intenção é reta),
não constitui um sacrifício no sentido estrito da palavra.
Num autêntico sacrifício, a oferenda é subtraída ao uso
humano e de alguma maneira destruída, para significar que
é um dom que se faz a Deus. Nos sacrifícios pré-cristãos,
se se oferecia um animal, este era morto sobre o altar e,
frequentemente, consumido pelo fogo. Se se oferecia vinho,
este era derramado no chão, diante do altar. Essa
destruição do dom era e é essencial à ideia de sacrifício.
Há um nome especial para o dom que se oferece a
Deus em sacrifício: vítima. A palavra latina victima
significava especificamente o dom que se oferecia
a Deus em sacrifício. E o mesmo sentido que
“vítima” tem a palavra hóstia.
Outro ponto a sublinhar é que o sacrifício não é um ato de
piedade individual. A oferenda de um sacrifício é um ato
de culto social, quer dizer, de grupo. Isto significa que
quem oferece um sacrifício não o faz em nome próprio,
como indivíduo particular. Oferece-o em nome do grupo
que representa, do qual ele é o porta-voz. Nos tempos
pré-cristãos, o patriarca oferecia o sacrifício em nome da
sua tribo ou família; o rei, em nome dos seus súditos; os
filhos de Aarão, em nome dos israelitas.
E isto revela-nos o último requisito de um sacrifício
genuíno: deve haver um sacerdote. Quem oferece
um sacrifício deve ter o direito de representar o
grupo em cujo nome faz a oferenda. Seja patriarca-
sacerdote, rei-sacerdote ou aaronita-sacerdote, deve
ter o direito de se dirigir a Deus em nome do povo de
Deus.
Passo a passo, fomos construindo a definição de
sacrifício. Podemos agora descrevê-lo como a
oferenda de um dom (chamado vítima) que um
grupo faz a Deus, e a destruição dessa vítima
para indicar que é um dom feito a Deus, realizado
por alguém (chamado sacerdote) que tem o
direito de representar esse grupo.
Devemos ter ideias claras sobre a razão pela qual chamamos à
Missa o Santo Sacrifício. Tem todos os elementos essenciais a um
verdadeiro sacrifício. O primeiro e o principal é que há a oferenda
de um dom infinitamente precioso, da vítima infinitamente perfeita:
o próprio Filho de Deus. Há o grupo pelo qual o dom é oferecido:
todos os cristãos batizados em união com o Vigário de Cristo na
terra, o Papa; quer dizer, o Corpo Místico de Cristo. Há também o
sacerdote: o homem que, por meio do sacramento da Ordem
Sagrada, recebeu de Deus não só o mandato, mas também o
poder necessário para oferecer a Deus esse dom sublime, o poder
de mudar o pão e o vinho no Corpo e Sangue de Cristo.
O sacerdote humano, no entanto, não passa de uma figura
secundária. É o próprio Jesus Cristo quem representa realmente
o povo de Deus, um povo que Ele comprou com o seu sangue. É
o próprio Cristo o sacerdote real de cada missa: é Cristo-
sacerdote quem oferece Cristo-vítima a Deus por todos nós. O
sacerdote humano é simplesmente o “instrumento vivo de Cristo-
Sacerdote”, como nos lembra o Concílio Vaticano II. Pelo
sacramento da Ordem Sagrada, Jesus designou esse homem e
deu-lhe poderes para ser seu agente livre e cooperante, para
dizer as palavras pelas quais Ele mesmo, num ponto
determinado do tempo e do espaço, renova a oferenda de Si
feita na cruz.
E é aqui que se dá a destruição da Vítima. Cada Missa não é
um novo sacrifício em que Jesus morra outra vez, mas a
continuação e prolongamento – no tempo – da morte, realizada
de uma vez por todas, de Jesus, na cruz. A Missa torna-nos
presente e eficaz, aqui e agora, a Vítima oferecida no altar da
cruz. A morte de Jesus é muito mais que um fato histórico. É
um sacrifício eterno. Não há ontem para Deus. Na sua mente
infinita, para a qual todas as coisas passadas são presente,
Jesus pende eternamente da cruz.
Não é uma verdade fácil de captar, mas é a verdade: na Missa,
o tempo e a distância são aniquiladas num sentido místico, e
você e eu nos encontramos ao pé da cruz na qual o Filho de
Deus se oferece em reparação pelos nossos pecados.
Finalidades da Missa
A Missa tem um fim quádruplo, e esses quatro
objetivos dizem respeito à relação que existe entre
Deus e nós. Deus é o Dono e Senhor de toda a
criação. Tudo o que existe, foi Ele que o fez.
Somos criaturas de Deus, propriedades de Deus;
pertencemos-lhe em corpo e alma. Da própria
natureza da relação entre criatura e Criador
surgem certas obrigações indispensáveis.
A primeira de todas é reconhecer essa própria relação: reconhecer o
infinito poder, sabedoria e bondade de Deus, reconhecer que Ele é tudo
e nós não somos nada comparados com Ele. O próprio fim da nossa
existência, a razão pela qual Deus nos fez, é dar-lhe glória. Abaixo do
nível humano, as coisas criadas dão glória a Deus simplesmente por
existirem. Os minerais, as plantas e os animais dão testemunho da
grandeza de Deus simplesmente sendo o que são. Mas o caso do
homem é diferente, e dele se espera mais. Com a sua alma imortal, com
o seu livre-arbítrio e a sua capacidade de pensar e falar, o homem não
pode ser um mero testemunho mudo da glória divina. Com a sua
liberdade, que é seu privilégio exclusivo, o homem deve dar glória a
Deus livremente, deve cantar livremente os louvores divinos.
Em resumo, o homem deve adorar a Deus. Adorar
a Deus é o primeiro dos seus deveres, o elemento
mais essencial da sua oração, o fim primordial de
todos os seus sacrifícios. Em consequência, a
adoração é o fim primordial da Missa. Na Missa,
pela primeira vez, a humanidade pôde adorar a
Deus adequadamente, na pessoa do próprio Filho
de Deus que nos representa.
Depois da adoração, o segundo dos nossos deveres para com
Deus é a gratidão. Sendo Deus a fonte de todo o bem, sabemos
que tudo o que somos, temos ou esperamos, vem dEle. Nem
sequer poderíamos continuar a existir se Ele nos deixasse fora da
sua mente por um simples instante. A vida física e a vida espiritual,
as graças que continuamente recebemos todos os dias, o amor e
a amizade, as ondas da televisão e a água que sai da torneira:
tudo, absolutamente tudo, é de Deus e a Ele devemos agradecer.
Dar graças a Deus é, pois, o segundo elemento essencial de toda
oração e sacrifício verdadeiros.
É o segundo fim da Missa. Nela, Jesus Cristo oferece a Deus, em
nosso nome, uma ação de graças que sobrepuja os dons que
recebemos, uma ação de graças infinita, que a própria infinita
bondade de Deus não pode superar.
Além de adorar e dar graças, a nossa relação com Deus
impõe-nos outro dever: o de pedir-lhe as graças de que
nós e os demais homens necessitamos para alcançar o
céu. Dotando-nos de uma vontade livre, Deus fez com que
a nossa salvação dependesse da nossa livre cooperação.
Ele não nos força a aceitar umas graças que não
queremos. Mostramos a nossa disposição de cooperar
quando pedimos a Deus as graças de que necessitamos.
Deus fez também com que, em certo grau, a nossa salvação
dependesse dos outros. Jesus Cristo dignou-se fazer-nos participar do
seu trabalho redentor; as nossas orações beneficiam os outros, do
mesmo modo que a dos outros nos beneficiam. Uma vez que é lei de
Deus que amemos os outros como a nós mesmos, é lógico que
tenhamos que rezar por eles – pelas graças de que necessitam – como
rezamos por nós. Naturalmente, rezamos pelos que estão ligados a
nós por laços de sangue, de dever ou de afeto; mas as nossas orações
devem ir mais longe e abranger todos os homens. Se queremos,
podemos pedir favores temporais, mas devemos pedir pelas nossas
necessidades espirituais e pelas do próximo. A petição é o terceiro fim
pelo qual se oferece a Missa, e é o próprio Jesus Cristo quem nela
intercede conosco e por nós.
Além de adorar, dar graças e pedir, devemos a Deus
reparação pelos nossos pecados. Pela própria natureza da
nossa relação com Deus – a de uma criatura com o seu
Criador – devemos obediência absoluta à vontade divina.
Rebelar-nos pelo pecado contra Deus que nos fez é um ato
de injustiça infinita, e ao mesmo tempo uma ingratidão
monstruosa. Se assim nos rebelamos, é nossa obrigação
restaurar a balança da justiça reparando o nosso pecado.
Mais ainda, dada a unidade do gênero humano e a
interdependência entre todos, é também necessário que
ofereçamos reparação pelos pecados alheios.
Nenhum de nós pode oferecer uma satisfação adequada pelo
pecado; só Jesus podia fazê-lo, e foi o que fez na cruz e o que
continua a fazer todos os dias, tirando-a daquele depósito
inesgotável. O valor infinito da satisfação de Cristo pelo pecado
não dispensa, evidentemente, a nossa reparação pessoal.
É precisamente pela infinita satisfação pelo pecado, oferecido
por Jesus na cruz, que os nossos atos de reparação, oferecidos
em união com os de Cristo, ganham valor aos olhos de Deus.
Este é o quarto dos fins pelos quais se oferece a Missa:
reparação a Deus pelos pecados dos homens.
Frutos da Missa
Os teólogos distinguem três espécies de frutos na Missa. O
primeiro é o fruto geral. Em consonância com a intenção de
Nosso Senhor e da sua Igreja, o sacerdote oferece em cada
missa o Santo Sacrifício pelos presentes; pela Igreja, pelo
Papa e pelo bispo da diocese; por todos os fiéis cristãos,
vivos e defuntos, e pela salvação de todos os homens. Por
vontade de Cristo e da sua Igreja, estas intenções estão
presentes em cada missa, e o sacerdote que a oferece não
pode excluí-las nem que queira. As graças que resultam
dessa intenção são as que poderíamos chamar “graças
comuns” da Missa.
Além do fruto geral da Missa, temos o fruto especial, que se
aplica à pessoa ou às pessoas (vivas ou mortas) por quem a
missa é oferecida pelo celebrante. Quando damos uma
espórtula para que se celebre uma missa, esse fruto especial
aplica-se às pessoas por quem se oferece a intenção da
missa, isto é, a nós ou a terceiros. Não se deve perguntar
nunca: “Quanto custa uma missa?” A missa tem valor infinito
e não se pode fixar-lhe um preço. A espórtula não é um
preço que pagamos, é uma oferenda que fazemos. E quando
o sacerdote a aceita, é obrigado em consciência, sob pena
de pecado mortal, a procurar que essa missa seja oferecida
de acordo com as intenções do doador.
Além dos frutos geral e especial da Missa, há um
terceiro: as graças que resultam da participação pessoal
do sacerdote celebrante, e que contribuirão para a sua
própria santificação e reparação dos seus pecados. Este
fruto é chamado fruto pessoal da Missa.
Perguntas
www.conhecendominhafe.blogspot.com.br
1. O que é Missa?
2. Quais as finalidades da Missa?
3. Quais são os frutos da Missa?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução aos sacramentos
Introdução aos sacramentosIntrodução aos sacramentos
Introdução aos sacramentos
Jean
 
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
Catequese Anjos dos Céus
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
Catequese Anjos dos Céus
 
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Rubens Júnior
 
Crisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoCrisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativo
Rafael Maciel
 
Os sacramentos da igreja - Aula 02
Os sacramentos da igreja - Aula 02Os sacramentos da igreja - Aula 02
Os sacramentos da igreja - Aula 02
Rubens Júnior
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
Si Leão
 
Os 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos CatólicosOs 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos Católicos
Adalberto Queiroz
 
Os sacramentos da igreja - Aula 11
Os sacramentos da igreja - Aula 11Os sacramentos da igreja - Aula 11
Os sacramentos da igreja - Aula 11
Rubens Júnior
 
Esquema da-missa
Esquema da-missaEsquema da-missa
Esquema da-missa
Jadson Costa
 
Formação catequese
Formação catequeseFormação catequese
Formação catequese
Rafael Maciel
 
Introdução aos sacramentos 09.04.13
Introdução aos sacramentos   09.04.13Introdução aos sacramentos   09.04.13
Introdução aos sacramentos 09.04.13
Daiane Costa
 
A vida cristã sacramentos
A vida cristã sacramentosA vida cristã sacramentos
A vida cristã sacramentos
Léo Mendonça
 
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
Léo Mendonça
 
Os sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vidaOs sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vida
Juliana Cristina M. Muniz
 
Unção enfermos
Unção enfermosUnção enfermos
Unção enfermos
António José Fonseca
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Sacramento da penitencia
Sacramento da penitenciaSacramento da penitencia
Sacramento da penitencia
Blog VALDERI
 
Sacramentos e batismo
Sacramentos e batismoSacramentos e batismo
Sacramentos e batismo
Eric Araújo
 
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
Ser cristão   objetivo primeiro da catequeseSer cristão   objetivo primeiro da catequese
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
Catequese Anjos dos Céus
 

Mais procurados (20)

Introdução aos sacramentos
Introdução aos sacramentosIntrodução aos sacramentos
Introdução aos sacramentos
 
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
 
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01
 
Crisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoCrisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativo
 
Os sacramentos da igreja - Aula 02
Os sacramentos da igreja - Aula 02Os sacramentos da igreja - Aula 02
Os sacramentos da igreja - Aula 02
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
 
Os 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos CatólicosOs 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos Católicos
 
Os sacramentos da igreja - Aula 11
Os sacramentos da igreja - Aula 11Os sacramentos da igreja - Aula 11
Os sacramentos da igreja - Aula 11
 
Esquema da-missa
Esquema da-missaEsquema da-missa
Esquema da-missa
 
Formação catequese
Formação catequeseFormação catequese
Formação catequese
 
Introdução aos sacramentos 09.04.13
Introdução aos sacramentos   09.04.13Introdução aos sacramentos   09.04.13
Introdução aos sacramentos 09.04.13
 
A vida cristã sacramentos
A vida cristã sacramentosA vida cristã sacramentos
A vida cristã sacramentos
 
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
 
Os sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vidaOs sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vida
 
Unção enfermos
Unção enfermosUnção enfermos
Unção enfermos
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Sacramento da penitencia
Sacramento da penitenciaSacramento da penitencia
Sacramento da penitencia
 
Sacramentos e batismo
Sacramentos e batismoSacramentos e batismo
Sacramentos e batismo
 
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
Ser cristão   objetivo primeiro da catequeseSer cristão   objetivo primeiro da catequese
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
 

Destaque

A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
Francisco Rodrigues
 
Diário de Leitura e Resenha do conto Missa do galo
Diário de Leitura e Resenha do conto Missa do galoDiário de Leitura e Resenha do conto Missa do galo
Diário de Leitura e Resenha do conto Missa do galo
Carina Silva
 
Crisma para adultos aula1
Crisma para adultos aula1Crisma para adultos aula1
Crisma para adultos aula1
Sara Laurido
 
2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia
2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia
2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia
Catequese Anjos dos Céus
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
Alexandre Alves Rocha
 
Natal na estonia1
Natal na estonia1Natal na estonia1
Natal na estonia1
Natercia
 
Curso de crisma
Curso de crismaCurso de crisma
Curso de crisma
Suely SS
 
Apostila crisma-2015
Apostila crisma-2015Apostila crisma-2015
Apostila crisma-2015
Catequese Anjos dos Céus
 

Destaque (8)

A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
 
Diário de Leitura e Resenha do conto Missa do galo
Diário de Leitura e Resenha do conto Missa do galoDiário de Leitura e Resenha do conto Missa do galo
Diário de Leitura e Resenha do conto Missa do galo
 
Crisma para adultos aula1
Crisma para adultos aula1Crisma para adultos aula1
Crisma para adultos aula1
 
2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia
2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia
2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
Natal na estonia1
Natal na estonia1Natal na estonia1
Natal na estonia1
 
Curso de crisma
Curso de crismaCurso de crisma
Curso de crisma
 
Apostila crisma-2015
Apostila crisma-2015Apostila crisma-2015
Apostila crisma-2015
 

Semelhante a Os sacramentos da igreja - Aula 07

A santa missa
A santa missaA santa missa
A santa missa
Lucas Barros
 
A Missa para não-católicos
A Missa para não-católicosA Missa para não-católicos
A Missa para não-católicos
Orlando Junior
 
A divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbex
A divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbexA divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbex
A divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbex
José De Moura Oliveira
 
A Santa Missa Liturgia Eucaristica
A Santa Missa Liturgia EucaristicaA Santa Missa Liturgia Eucaristica
A Santa Missa Liturgia Eucaristica
Leone Orlando
 
Artigo 2 - louvor manchado - MD Ed. 50
Artigo 2 - louvor manchado - MD Ed. 50Artigo 2 - louvor manchado - MD Ed. 50
Artigo 2 - louvor manchado - MD Ed. 50
Társis Iraídes
 
PASCOA 2014 .... A nossa Páscoa (4/4)
PASCOA 2014 .... A nossa Páscoa (4/4)PASCOA 2014 .... A nossa Páscoa (4/4)
PASCOA 2014 .... A nossa Páscoa (4/4)
Luís Carvalho
 
Os Sacrifícios
Os SacrifíciosOs Sacrifícios
Os Sacrifícios
Alberto Simonton
 
17 ist - a vida cristã - revisão geral ii
17   ist - a vida cristã - revisão geral ii17   ist - a vida cristã - revisão geral ii
17 ist - a vida cristã - revisão geral ii
Léo Mendonça
 
Pré revisão 2
Pré revisão 2Pré revisão 2
Pré revisão 2
Erick Diniz
 
Celebração da palavra
Celebração da palavraCelebração da palavra
Celebração da palavra
luciano
 
Devocao ao Sagrado Coracao de Jesus
Devocao ao Sagrado Coracao de JesusDevocao ao Sagrado Coracao de Jesus
Devocao ao Sagrado Coracao de Jesus
JMVSobreiro
 
a santa missa parte por partes para formação
a santa missa parte por partes para formaçãoa santa missa parte por partes para formação
a santa missa parte por partes para formação
freivalentimpesente
 
01 paroquia imaculadocoracao
01 paroquia imaculadocoracao01 paroquia imaculadocoracao
01 paroquia imaculadocoracao
Juliana Felisberto Cardoso Silva
 
Lição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus Cristo
Lição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus CristoLição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus Cristo
Lição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus Cristo
Éder Tomé
 
9 Ideias Para Viver A Eucaristia
9 Ideias Para Viver A Eucaristia9 Ideias Para Viver A Eucaristia
9 Ideias Para Viver A Eucaristia
loboastuto
 
santa-missa-explicada-ok.pdf
santa-missa-explicada-ok.pdfsanta-missa-explicada-ok.pdf
santa-missa-explicada-ok.pdf
FatimaSanta1
 
A missa segundo o papa francisco
A missa segundo o papa franciscoA missa segundo o papa francisco
A missa segundo o papa francisco
Fábio Vasconcelos
 
Comentários sobre o ministério sacerdotal de cristo no santuário celestial
Comentários sobre o ministério sacerdotal de cristo no santuário celestialComentários sobre o ministério sacerdotal de cristo no santuário celestial
Comentários sobre o ministério sacerdotal de cristo no santuário celestial
Diego Fortunatto
 
notas sobre o pentateuco levítico - c. h. mackintosh
notas sobre o pentateuco   levítico - c. h. mackintoshnotas sobre o pentateuco   levítico - c. h. mackintosh
notas sobre o pentateuco levítico - c. h. mackintosh
djalmabose
 
Nota do Pentateuco Levítico - C. H. Mackintosh
Nota do Pentateuco   Levítico - C. H. MackintoshNota do Pentateuco   Levítico - C. H. Mackintosh
Nota do Pentateuco Levítico - C. H. Mackintosh
Tsushya marco
 

Semelhante a Os sacramentos da igreja - Aula 07 (20)

A santa missa
A santa missaA santa missa
A santa missa
 
A Missa para não-católicos
A Missa para não-católicosA Missa para não-católicos
A Missa para não-católicos
 
A divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbex
A divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbexA divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbex
A divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbex
 
A Santa Missa Liturgia Eucaristica
A Santa Missa Liturgia EucaristicaA Santa Missa Liturgia Eucaristica
A Santa Missa Liturgia Eucaristica
 
Artigo 2 - louvor manchado - MD Ed. 50
Artigo 2 - louvor manchado - MD Ed. 50Artigo 2 - louvor manchado - MD Ed. 50
Artigo 2 - louvor manchado - MD Ed. 50
 
PASCOA 2014 .... A nossa Páscoa (4/4)
PASCOA 2014 .... A nossa Páscoa (4/4)PASCOA 2014 .... A nossa Páscoa (4/4)
PASCOA 2014 .... A nossa Páscoa (4/4)
 
Os Sacrifícios
Os SacrifíciosOs Sacrifícios
Os Sacrifícios
 
17 ist - a vida cristã - revisão geral ii
17   ist - a vida cristã - revisão geral ii17   ist - a vida cristã - revisão geral ii
17 ist - a vida cristã - revisão geral ii
 
Pré revisão 2
Pré revisão 2Pré revisão 2
Pré revisão 2
 
Celebração da palavra
Celebração da palavraCelebração da palavra
Celebração da palavra
 
Devocao ao Sagrado Coracao de Jesus
Devocao ao Sagrado Coracao de JesusDevocao ao Sagrado Coracao de Jesus
Devocao ao Sagrado Coracao de Jesus
 
a santa missa parte por partes para formação
a santa missa parte por partes para formaçãoa santa missa parte por partes para formação
a santa missa parte por partes para formação
 
01 paroquia imaculadocoracao
01 paroquia imaculadocoracao01 paroquia imaculadocoracao
01 paroquia imaculadocoracao
 
Lição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus Cristo
Lição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus CristoLição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus Cristo
Lição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus Cristo
 
9 Ideias Para Viver A Eucaristia
9 Ideias Para Viver A Eucaristia9 Ideias Para Viver A Eucaristia
9 Ideias Para Viver A Eucaristia
 
santa-missa-explicada-ok.pdf
santa-missa-explicada-ok.pdfsanta-missa-explicada-ok.pdf
santa-missa-explicada-ok.pdf
 
A missa segundo o papa francisco
A missa segundo o papa franciscoA missa segundo o papa francisco
A missa segundo o papa francisco
 
Comentários sobre o ministério sacerdotal de cristo no santuário celestial
Comentários sobre o ministério sacerdotal de cristo no santuário celestialComentários sobre o ministério sacerdotal de cristo no santuário celestial
Comentários sobre o ministério sacerdotal de cristo no santuário celestial
 
notas sobre o pentateuco levítico - c. h. mackintosh
notas sobre o pentateuco   levítico - c. h. mackintoshnotas sobre o pentateuco   levítico - c. h. mackintosh
notas sobre o pentateuco levítico - c. h. mackintosh
 
Nota do Pentateuco Levítico - C. H. Mackintosh
Nota do Pentateuco   Levítico - C. H. MackintoshNota do Pentateuco   Levítico - C. H. Mackintosh
Nota do Pentateuco Levítico - C. H. Mackintosh
 

Último

21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 

Último (15)

21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 

Os sacramentos da igreja - Aula 07

  • 2. O que significa a Eucaristia na vida da Igreja? A Eucaristia é a fonte e o ápice da vida cristã. Na Eucaristia, atingem o auge a ação santificadora de Deus em nosso favor e o nosso culto para com Ele. Nela está contido todo o tesouro espiritual da Igreja: o próprio Cristo, nossa Páscoa. A comunhão da vida divina e a unidade do Povo de Deus são significadas e realizadas na Eucaristia. Pela celebração eucarística unimo-nos desde já à liturgia do Céu e antecipamos a vida eterna.
  • 3. Introdução O centro da liturgia da Igreja é a Eucaristia - a Missa -, que os Apóstolos celebraram desde o primeiro momento; desde então até agora, a Missa tem permanecido essencialmente a mesma.
  • 5. A Missa A missa é um memorial de Nosso Senhor. “Fazei isto em memória de mim”, disse Jesus ao ordenar sacerdotes os seus Apóstolos. É inerente ao coração humano o desejo de conservar viva a lembrança das pessoas que se amou ou se admirou. Quer se trate de um retrato desbotado dos nossos falecidos pais, ou de um monumento a um herói nacional, o mundo está semeado de memoriais. Nosso Senhor Jesus, que tanto nos ama e que tanto deseja o nosso amor, deixou-nos um memorial de Si mesmo como só Deus o podia conceber. Não é um quadro, um monumento, uma estátua; é a presença viva de Si mesmo, que vem diariamente a nós na missa.
  • 6. Na Missa, temos o próprio Corpo e o próprio Sangue de Jesus imolado na Cruz. Nela, Jesus continua através do tempo o oferecimento de Si no Calvário, aplicando à nossa alma os méritos que nos ganhou no Gólgota. Não é apenas a sua morte que recordamos na Missa, mas também a sua ressurreição, pela qual Jesus nos arrebatou das garras da morte, de uma vez para sempre; e também a sua Ascensão aos céus, à glória para a qual nos predestinou, e que um dia partilhará conosco, se nós o quisermos. Além de ser uma recordação de Nosso Senhor, a Missa é um banquete sagrado. À sua mesa, Jesus alimenta-se com o seu próprio corpo e sangue.
  • 7. A Missa é um memorial do Senhor Jesus. É um memorial perfeito, em que a sua presença viva nos mantém vividamente conscientes dEle. É também um banquete divino, em que Deus provê a mesa com seu próprio corpo e o seu próprio sangue. Mas é mais do que um memorial e mais do que um banquete. É sobretudo um sacrifício.
  • 8. Com o transcorrer dos séculos, a palavra sacrifício perdeu grande parte do seu significado exato, e passou a indicar antes algo doloroso e, por isso, desagradável: a renúncia a alguma coisa que gostaríamos de ter ou de fazer. Originariamente, no entanto, essa palavra tinha um só significado: aplicava-se à ação pela qual se oferece a Deus um dom, e esse é ainda hoje o seu sentido estrito e mais apropriado. Deriva de duas palavras latinas: sacrum, sagrado e facere, fazer. Fazia-se sagrada uma coisa subtraindo-se à posse e ao uso humano, e oferecendo-a a Deus por um ato simbólico de doação.
  • 9. A Missa é o sacrifício perfeito. Todos os sacrifícios anteriores à Missa tinham um grande defeito: para Deus, os dons oferecidos não tinham, em si, valor nenhum. Simplesmente devolviam a Deus as coisas que Ele mesmo havia criado: touros, ovelhas, pão e vinho. Mesmo todo ouro que é guardado nos bancos do mundo, em si, não teria valor nenhum para Deus. O Senhor comprazia- se nas oferendas porque se dignava fazê-lo, aceitava graciosamente os nossos insignificantes dons por serem expressão do amor dos homens.
  • 10. Mas, no Sacrifício da Missa, irrompe um elemento novo e maravilhoso: pela primeira vez e todos os dias, a humanidade pode já oferecer a Deus um dom digno dEle: o dom do seu próprio Filho, um dom de valor infinito, digno de Deus infinito. Aqui temos um dom que Deus não só digna aceitar, mas tem que aceitar, um dom que Deus não pode recusar, um dom precioso aos seus olhos porque é um dom de Deus a Deus. A Missa é as três coisas: memorial, banquete, sacrifício, mas acima de tudo, é sacrifício. É o sacrifício que durará enquanto o tempo durar.
  • 11. Que constitui um sacrifício? O sacrifício é um dom feito a Deus. No entanto, nem todos os dons oferecidos a Deus são sacrifícios. O dinheiro com que contribuímos para as despesas da paróquia ainda que seja um dom oferecido a Deus (se nossa intenção é reta), não constitui um sacrifício no sentido estrito da palavra. Num autêntico sacrifício, a oferenda é subtraída ao uso humano e de alguma maneira destruída, para significar que é um dom que se faz a Deus. Nos sacrifícios pré-cristãos, se se oferecia um animal, este era morto sobre o altar e, frequentemente, consumido pelo fogo. Se se oferecia vinho, este era derramado no chão, diante do altar. Essa destruição do dom era e é essencial à ideia de sacrifício.
  • 12. Há um nome especial para o dom que se oferece a Deus em sacrifício: vítima. A palavra latina victima significava especificamente o dom que se oferecia a Deus em sacrifício. E o mesmo sentido que “vítima” tem a palavra hóstia.
  • 13. Outro ponto a sublinhar é que o sacrifício não é um ato de piedade individual. A oferenda de um sacrifício é um ato de culto social, quer dizer, de grupo. Isto significa que quem oferece um sacrifício não o faz em nome próprio, como indivíduo particular. Oferece-o em nome do grupo que representa, do qual ele é o porta-voz. Nos tempos pré-cristãos, o patriarca oferecia o sacrifício em nome da sua tribo ou família; o rei, em nome dos seus súditos; os filhos de Aarão, em nome dos israelitas.
  • 14. E isto revela-nos o último requisito de um sacrifício genuíno: deve haver um sacerdote. Quem oferece um sacrifício deve ter o direito de representar o grupo em cujo nome faz a oferenda. Seja patriarca- sacerdote, rei-sacerdote ou aaronita-sacerdote, deve ter o direito de se dirigir a Deus em nome do povo de Deus.
  • 15. Passo a passo, fomos construindo a definição de sacrifício. Podemos agora descrevê-lo como a oferenda de um dom (chamado vítima) que um grupo faz a Deus, e a destruição dessa vítima para indicar que é um dom feito a Deus, realizado por alguém (chamado sacerdote) que tem o direito de representar esse grupo.
  • 16. Devemos ter ideias claras sobre a razão pela qual chamamos à Missa o Santo Sacrifício. Tem todos os elementos essenciais a um verdadeiro sacrifício. O primeiro e o principal é que há a oferenda de um dom infinitamente precioso, da vítima infinitamente perfeita: o próprio Filho de Deus. Há o grupo pelo qual o dom é oferecido: todos os cristãos batizados em união com o Vigário de Cristo na terra, o Papa; quer dizer, o Corpo Místico de Cristo. Há também o sacerdote: o homem que, por meio do sacramento da Ordem Sagrada, recebeu de Deus não só o mandato, mas também o poder necessário para oferecer a Deus esse dom sublime, o poder de mudar o pão e o vinho no Corpo e Sangue de Cristo.
  • 17. O sacerdote humano, no entanto, não passa de uma figura secundária. É o próprio Jesus Cristo quem representa realmente o povo de Deus, um povo que Ele comprou com o seu sangue. É o próprio Cristo o sacerdote real de cada missa: é Cristo- sacerdote quem oferece Cristo-vítima a Deus por todos nós. O sacerdote humano é simplesmente o “instrumento vivo de Cristo- Sacerdote”, como nos lembra o Concílio Vaticano II. Pelo sacramento da Ordem Sagrada, Jesus designou esse homem e deu-lhe poderes para ser seu agente livre e cooperante, para dizer as palavras pelas quais Ele mesmo, num ponto determinado do tempo e do espaço, renova a oferenda de Si feita na cruz.
  • 18. E é aqui que se dá a destruição da Vítima. Cada Missa não é um novo sacrifício em que Jesus morra outra vez, mas a continuação e prolongamento – no tempo – da morte, realizada de uma vez por todas, de Jesus, na cruz. A Missa torna-nos presente e eficaz, aqui e agora, a Vítima oferecida no altar da cruz. A morte de Jesus é muito mais que um fato histórico. É um sacrifício eterno. Não há ontem para Deus. Na sua mente infinita, para a qual todas as coisas passadas são presente, Jesus pende eternamente da cruz. Não é uma verdade fácil de captar, mas é a verdade: na Missa, o tempo e a distância são aniquiladas num sentido místico, e você e eu nos encontramos ao pé da cruz na qual o Filho de Deus se oferece em reparação pelos nossos pecados.
  • 19. Finalidades da Missa A Missa tem um fim quádruplo, e esses quatro objetivos dizem respeito à relação que existe entre Deus e nós. Deus é o Dono e Senhor de toda a criação. Tudo o que existe, foi Ele que o fez. Somos criaturas de Deus, propriedades de Deus; pertencemos-lhe em corpo e alma. Da própria natureza da relação entre criatura e Criador surgem certas obrigações indispensáveis.
  • 20. A primeira de todas é reconhecer essa própria relação: reconhecer o infinito poder, sabedoria e bondade de Deus, reconhecer que Ele é tudo e nós não somos nada comparados com Ele. O próprio fim da nossa existência, a razão pela qual Deus nos fez, é dar-lhe glória. Abaixo do nível humano, as coisas criadas dão glória a Deus simplesmente por existirem. Os minerais, as plantas e os animais dão testemunho da grandeza de Deus simplesmente sendo o que são. Mas o caso do homem é diferente, e dele se espera mais. Com a sua alma imortal, com o seu livre-arbítrio e a sua capacidade de pensar e falar, o homem não pode ser um mero testemunho mudo da glória divina. Com a sua liberdade, que é seu privilégio exclusivo, o homem deve dar glória a Deus livremente, deve cantar livremente os louvores divinos.
  • 21. Em resumo, o homem deve adorar a Deus. Adorar a Deus é o primeiro dos seus deveres, o elemento mais essencial da sua oração, o fim primordial de todos os seus sacrifícios. Em consequência, a adoração é o fim primordial da Missa. Na Missa, pela primeira vez, a humanidade pôde adorar a Deus adequadamente, na pessoa do próprio Filho de Deus que nos representa.
  • 22. Depois da adoração, o segundo dos nossos deveres para com Deus é a gratidão. Sendo Deus a fonte de todo o bem, sabemos que tudo o que somos, temos ou esperamos, vem dEle. Nem sequer poderíamos continuar a existir se Ele nos deixasse fora da sua mente por um simples instante. A vida física e a vida espiritual, as graças que continuamente recebemos todos os dias, o amor e a amizade, as ondas da televisão e a água que sai da torneira: tudo, absolutamente tudo, é de Deus e a Ele devemos agradecer. Dar graças a Deus é, pois, o segundo elemento essencial de toda oração e sacrifício verdadeiros. É o segundo fim da Missa. Nela, Jesus Cristo oferece a Deus, em nosso nome, uma ação de graças que sobrepuja os dons que recebemos, uma ação de graças infinita, que a própria infinita bondade de Deus não pode superar.
  • 23. Além de adorar e dar graças, a nossa relação com Deus impõe-nos outro dever: o de pedir-lhe as graças de que nós e os demais homens necessitamos para alcançar o céu. Dotando-nos de uma vontade livre, Deus fez com que a nossa salvação dependesse da nossa livre cooperação. Ele não nos força a aceitar umas graças que não queremos. Mostramos a nossa disposição de cooperar quando pedimos a Deus as graças de que necessitamos.
  • 24. Deus fez também com que, em certo grau, a nossa salvação dependesse dos outros. Jesus Cristo dignou-se fazer-nos participar do seu trabalho redentor; as nossas orações beneficiam os outros, do mesmo modo que a dos outros nos beneficiam. Uma vez que é lei de Deus que amemos os outros como a nós mesmos, é lógico que tenhamos que rezar por eles – pelas graças de que necessitam – como rezamos por nós. Naturalmente, rezamos pelos que estão ligados a nós por laços de sangue, de dever ou de afeto; mas as nossas orações devem ir mais longe e abranger todos os homens. Se queremos, podemos pedir favores temporais, mas devemos pedir pelas nossas necessidades espirituais e pelas do próximo. A petição é o terceiro fim pelo qual se oferece a Missa, e é o próprio Jesus Cristo quem nela intercede conosco e por nós.
  • 25. Além de adorar, dar graças e pedir, devemos a Deus reparação pelos nossos pecados. Pela própria natureza da nossa relação com Deus – a de uma criatura com o seu Criador – devemos obediência absoluta à vontade divina. Rebelar-nos pelo pecado contra Deus que nos fez é um ato de injustiça infinita, e ao mesmo tempo uma ingratidão monstruosa. Se assim nos rebelamos, é nossa obrigação restaurar a balança da justiça reparando o nosso pecado. Mais ainda, dada a unidade do gênero humano e a interdependência entre todos, é também necessário que ofereçamos reparação pelos pecados alheios.
  • 26. Nenhum de nós pode oferecer uma satisfação adequada pelo pecado; só Jesus podia fazê-lo, e foi o que fez na cruz e o que continua a fazer todos os dias, tirando-a daquele depósito inesgotável. O valor infinito da satisfação de Cristo pelo pecado não dispensa, evidentemente, a nossa reparação pessoal. É precisamente pela infinita satisfação pelo pecado, oferecido por Jesus na cruz, que os nossos atos de reparação, oferecidos em união com os de Cristo, ganham valor aos olhos de Deus. Este é o quarto dos fins pelos quais se oferece a Missa: reparação a Deus pelos pecados dos homens.
  • 27. Frutos da Missa Os teólogos distinguem três espécies de frutos na Missa. O primeiro é o fruto geral. Em consonância com a intenção de Nosso Senhor e da sua Igreja, o sacerdote oferece em cada missa o Santo Sacrifício pelos presentes; pela Igreja, pelo Papa e pelo bispo da diocese; por todos os fiéis cristãos, vivos e defuntos, e pela salvação de todos os homens. Por vontade de Cristo e da sua Igreja, estas intenções estão presentes em cada missa, e o sacerdote que a oferece não pode excluí-las nem que queira. As graças que resultam dessa intenção são as que poderíamos chamar “graças comuns” da Missa.
  • 28. Além do fruto geral da Missa, temos o fruto especial, que se aplica à pessoa ou às pessoas (vivas ou mortas) por quem a missa é oferecida pelo celebrante. Quando damos uma espórtula para que se celebre uma missa, esse fruto especial aplica-se às pessoas por quem se oferece a intenção da missa, isto é, a nós ou a terceiros. Não se deve perguntar nunca: “Quanto custa uma missa?” A missa tem valor infinito e não se pode fixar-lhe um preço. A espórtula não é um preço que pagamos, é uma oferenda que fazemos. E quando o sacerdote a aceita, é obrigado em consciência, sob pena de pecado mortal, a procurar que essa missa seja oferecida de acordo com as intenções do doador.
  • 29. Além dos frutos geral e especial da Missa, há um terceiro: as graças que resultam da participação pessoal do sacerdote celebrante, e que contribuirão para a sua própria santificação e reparação dos seus pecados. Este fruto é chamado fruto pessoal da Missa.
  • 31. www.conhecendominhafe.blogspot.com.br 1. O que é Missa? 2. Quais as finalidades da Missa? 3. Quais são os frutos da Missa?