SlideShare uma empresa Scribd logo
A santa missa
Os tesouros, por grandes e preciosos que sejam, não
podem ser estimados se não forem conhecidos. Eis porque,
caro leitor, muitos não têm pelo santo Sacrifício da Missa o
amor que deveriam ter, porque este tesouro, A MAIOR
MARAVILHA e a MAIOR RIQUEZA da IGREJA DE DEUS é um
TESOURO OCULTO um tesouro muito pouco conhecido.
 "A santa Missa é o sacrifício incruento do Corpo e do Sangue de Jesus
Cristo que, sob as espécies do pão e do vinho, se oferece por mãos do
sacerdote a Deus sobre o altar, memória e renovação do sacrifício da
Cruz." (Catecismo de SãoPio X)
 O concílio Vaticano II diz que o padre age “in persona Christ”, isto é, em
lugar da pessoa de Jesus.
 SENTADO– É uma posição cômoda, uma atitude de ficar à vontade para
ouvir e meditar, sem pressa.
 DE PÉ – É uma posição de quem ouve com atenção e respeito. Indica a
prontidão e disposição para obedecer.
 DE JOELHOS – Posição de Adoração a Deus diante do Santíssimo
Sacramento e durante a consagração do pão e do vinho.
 GENUFLEXÃO– É um gesto de Adoração a Jesus na Eucaristia. Fazemos
quando entramos na igreja e dela saímos, se ali existir o Sacrário.
 INCLINAÇÃO– Inclina–se diante do Santíssimo Sacramento é sinal de
Adoração.
A santa missa
Na entrada a Comunidade recebe
o celebrante, ao mesmo tempo que
responde: “Eis me aqui Senhor.”
Vim para atender o vosso
Chamado, Vim para louvar,
agradecer, Bendizer, adorar e
Estou Inteiramente a seu dispor.
• O Altar é o sinal de Jesus Cristo presente no meio da comunidade, o beijo
tem um endereço: não é propriamente para o mármore mais ou a madeira
do altar, mais para o Cristo, que é o centro de nossa piedade.
O padre dirige-se aos fiéis fazendo o sinal da cruz. Essa expressão
“EM NOME DO PAI E DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO”,
tem um sentido bíblico. Nome em sentido bíblico quer dizer a
própria pessoa. Isto é, iniciemos a missa colocando a nossa vida
e toda a nossa ação nas mãos da Santíssima Trindade.
A cruz, segundo os ensinamentos de São Paulo, é Sinal de
vergonha e morte para os descrentes e pagãos, mas é, ao mesmo
tempo, sinal de vitória e orgulho para os cristãos.
Ao fazermos o sinal da cruz, professamos que o nosso pensamento
(cabeça), vontade (peito) e ações (ombros) estão voltados para
Deus. Estando em harmonia com a Santíssima Trindade e sob a
proteção de Deus.
• SAUDAÇÃO: O sacerdote abre os braços, em sinal de acolhida, e saúda
toda a assembleia presente e faz uma saudação espontânea, envolvendo o
amor e paz da Santíssima Trindade, tal como “A graça de nosso Senhor
Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam
convosco”; e os fieis responde alegremente: “Bendito seja Deus que nos
reuniu no amor de Cristo.
• Toda comunidade individualmente tem as suas fraquezas, limitações e
misérias, somos um povo santo e pecador.
• O Ato Penitencial é o convite para cada um
olhar dentro de si mesmo diante de Deus,
reconhecer e confessar os seus pecados, o
arrependimento deve ser sincero.
• Quando estamos para participar em corpo e alma de uma Santa
Missa temos que nos preocupar com a limpeza do nosso coração, alma
e mente, pois mais importante que aparência física, é ter uma alma
limpa e livre de qualquer mal e pecado que posso impedir de nos
aproximarmos de Jesus.
 ATENÇÃO: O perdão recebido no Ato Penitencial, não
significa que estamos isentos do Sacramento da
Confissão.
 GLÓRIAA DEUS NASALTURAS
 Após recebermos o perdão de Deus, concedido por sua infinita bondade,
proclamamos com o coração aliviado o nosso hino de louvor e glória pela
graça recebida.
 O glória é um hino muito antigo, pelo qual a Igreja glorifica a Deus Pai e ao
Cordeiro. Expressamos através de canto, a nossa alegria de filhos de Deus.
 Ela sempre se inicia com solene OREMOS pelo sacerdote e é seguido de
uma pausa; este é o momento que o celebrante nos convida a nos
colocarmos em oração.
 Durante esse tempo de silêncio cada um faz mentalmente se pedido a
Deus. Em seguida o padre eleva as mãos e profere a oração,
oficialmente, em nome de toda a Igreja. Nesse ato de levantar as mãos
o celebrante está assumindo e elevando a Deus todas as intenções dos
fieis. Após a oração todos respondem AMÉM, para dizer que aquela
oração também é sua.
Após o Amém da oração, a comunidade senta-se mas deve
esperar o celebrante dirige-se à cadeira. A Liturgia da Palavra
tem um conteúdo de maior importante pois é nesta hora que
Deus nos fala solenemente.
 Primeira Leitura: Toda a assembleia sentada. É normalmente tirada
dos livros históricos e proféticos da Bíblia; anuncia a Salvação que se
realizara plenamente em Jesus Cristo. Essa leitura é proclamada da
mesa da palavra (Ambão) por um fiel. No final da leitura o leitor diz:
“Palavra do Senhor” e todos respondem a aclamação “Graças a Deus”.
 Salmo Responsorial: Essa leitura e proclamada ou cantada. O salmo
responsorial deve responder a cada leitura e normalmente será do
lecionário. Após o salmista proferir os versículos perante toda a
assembleia, que responde dizendo ou cantando o refrão.
Segunda Leitura: Em geral é tirada das cartas dos apóstolos,
que apresentam à comunidade o mistério de Cristo e exorta a
vivê-los.
Cantode Aclamação ao Evangelho: Toda a assemble pé. Esta
aclamação fala por si mesma, através da qual a assembleia
dos fiéis acolhe o Senhor que lhe vai falar no Evangelho.
O Aleluia é cantado em todos os tempos, exceto na Quaresma,
que canta-se um versículo proposto no lecionário, no lugar do
Aleluia.
 Sinal da Cruz: Antes da Proclamação do Evangelho, fazemos o
sinal da cruz:
• Na testa, para que Deus tome conta do nosso pensamento;
• Na boca, para que a gente passe essa Palavra para os outros;
• No coração, para que a Palavra permaneça em nosso coração.
 Homilia: Toda a assembleia sentada. A Homilia (que significa
conversa Familiar) é a conversa que o padre tem com a
assembleia, nos orientando sobre a mensagem de Deus,
transportando-a para nossa vida hoje. Essa Palavra tem que
transformar nosso viver.
 Profissão de Fé: A comunidade professa sua fé em comunhão com
os ensinamentos da Igreja e pela Liturgia da Palavra, confessamos
crer em toda doutrina Católica, no perdão dos pecados e na
presença viva de Jesus. Creio em Deus Pai, com essa atitude
queremos dizer que cremos na Palavra de Deus que foi
proclamada e estamos prontos para pô-lo em prática.
 Oração dos fiéis: A comunidade unida em um só pensamento
eleva a Deus seus pedidos e anseios, pedindo coletivos e também
pessoais. Mesmo que o seu pedido não seja pronunciado em voz
alta, eu posso colocá-los na grande oração da comunidade. Assim
se torna oração de toda a Igreja.
Inicia-se com as oferendas. A comunidade oferece seus
sacrifícios através do pão e do vinho entregues ao sacerdote
para a transformação.
As principais ofertas são o pão e o vinho, as demais ofertas
representam a generosidade do povo. Deus não precisa de
esmola porque Ele não é mendigo e sim o Senhor da vida, a
nossa oferta é sinal de gratidão e contribuição para a
conservação e manutenção da casa de Deus.
Na Missa nós oferecemos a Deus o pão e o Vinho que, pelo
poder do mesmo Deus, mudam-se no Corpo e Sangue de
Cristo.
O sacerdote oferece o pão a Deus, depois coloca a hóstia sobre
o corporal e prepara o vinho para oferecê-lo do mesmo modo.
Ele põe algumas gotas de água no vinho que simboliza a
união da natureza humana com a natureza divina.
E assim como a água colocada no cálice torna-se um só coisa
com o vinho, também nós, na Missa, nos unimos a Cristo
para forma um só corpo com Ele.
Prefácio é um hino “abertura” que nos introduz no Mistério
Eucarístico. Pois isso o celebrante convida a Assembleia para
elevar os corações a Deus, dizendo “Corações ao alto!” É um
hino que proclama a santidade de Deus e dá graça ao Senhor.
O final do Prefácio termina com a aclamação Santo, Santo,
Santo... É tirada do livro do profeta Isaías (6,3) e a repetição é
um reforço de expressão para significar o máximo de
santidade, embora sendo pecadores, de lábios impuros,
estamos nos preparando para receber o Corpo de Cristo.
 Existe ao menos três elementos fundamentais:
• 1 – A Santidade de Deus – Santo, Santo, Santo, Senhor Deus...
• 2 – A Majestade de Deus – O Céu e a terra proclama a vossa glória
• 3 – A Imanência de Deus – Bendito o que vem em nome do Senhor
É a invocação na qual a Igreja implora por meio de invocações
o poder divino sobre as oferendas, isto é, se tornem o Corpo e
o Sangue de Cristo e que a hóstia se torne a salvação daqueles
que vão recebe-las em comunhão.
Consagração do Pão e
do Vinho
 (Toda a assembleia ajoelhada)
 Pelas mãos do Sacerdote o
pão e o vinho se
transformam em Corpo e
Sangue de Jesus. O
celebrante estende as
mãos sobre o pão e o vinho
e pede ao Pai que os
santifique enviando sobre
eles o Espírito Santo.
Por ordem de Cristo e recordando o
que o próprio Jesus fez na Ceia e
pronuncia as palavras “TOMAI
TODOS E ...” O celebrante faz uma
genuflexão para adorar Jesus presente
sobre o altar.
Em seguida recorda que Jesus tomou o
cálice em suas mãos, deu graças
novamente, e o deu a seus discípulos
dizendo “TOMAI TODOS E...”
“FAZEI ISSO EM MENÓRIA DE MIM”
aqui cumpre-se a vontade expressa de
Jesus, que mandou celebrar a Ceia.
 Novamente começa o Sacrifício de Jesus e diante de nós está o Calvário, e agora
somos nós que estamos ao pé da Cruz. No silêncio profundo e no recolhimento do
nosso coração adoramos o nosso Salvador, que está crucificado diante de nós.
Devemos oferecer a Jesus, nossa vida, dores, misérias e sofrimentos para ser
crucificado junto com Ele, na esperança da Salvação e da vida-eterna. Tudo isso
não podemos ver com os olhos do corpo, mas temos que ver com os olhos do
coração e da alma.
 A Igreja está espalhada por toda a
terra e além dos limites geográficos
está na terra, como Igreja peregrina;
está no purgatório, como Igreja
padecentes; e está no Céu como Igreja
gloriosa e triunfante. Entre todos os
membros dessa Igreja, que está no
Céu e na Terra, existe a
intercomunicação da graça ou
comunhão dos Santos. Uns oram
pelos outros, pois somos todos
irmãos, membros da grande Família
de Deus.
A primeira oração é pelo Papa e pelo bispo Diocesano, são os pastores
do rebanho, sua missão é ensinar, santificar e governar o Povo de
Deus. Por isso a comunidade precisa orar muito por eles.
Depois rezar pelos mortos, é um ato de caridade.
E finalmente, pedimos por nós mesmo como “povo santo e pecador”.
 O Pai Nosso, não é apenas uma simples fórmula de oração, nem um
ensinamento teórico de doutrina. Antes de ser ensinado por Jesus, o Pai Nosso
foi vivido plenamente pelo mesmo Cristo. Portanto, deve ser vivido também
pelos seus discípulos. Essa belíssima oração é a síntese do Evangelho. Para
rezarmos bem o Pai Nosso, precisamos entrar no pensamento de Jesus e na
vontade do Pai. Portanto, para eu comungar o Corpo do Senhor na Eucaristia,
preciso estar em “comunhão” com meus irmãos, que são membros do Corpo
Místico de Cristo.
 Pai Nosso é recitado de pé, com as mãos erguida, na posição de orante. Pode
também ser cantado, mas sem alterar a sua fórmula. Após o Pai Nosso na
Missa não se diz amém, pois a oração seguinte é continuação.
 Toda a assembleia de pé. A Igreja implora a paz e a unidade para si
mesma e para toda a família humana e os fiéis exprimem entre si a
comunhão eclesial e a mútua caridade, antes de comungar do
sacramento. A oração pela paz (Senhor Jesus Cristo, dissestes aos
vossos Apóstolos...) é uma oração presidencial, que só o celebrante faz,
pois ele age in Persona Christi. No final o presidente convida os fiéis a
saudarem uns aos outros.
 O Celebrante parte a hóstia grande e coloca um pedacinho da mesma
.......................................... dentro do cálice, que representa a união do
............................................ Corpo e do Sangue do Senhor num mesmo
.......................................... Sacrifício e mesma comunhão.
 Cordeiro de
Deus
 Tanto
no Antigo como no velho testamento, Jesus é representado como o
“Cordeiro de Deus”. Os fiéis sente-se indignos de receber o Corpo de
Cristo, e pedem perdão mais uma vez.
 Jesus agora está vivo e presente sobre o altar. É presença real no meio de nós e se
manifesta em bondade de amor. A Eucaristia é um tesouro que Jesus, o Rei imortal
e eterno, deixou como Mistério de Salvação para todos os quenEle creem.
Comungar é receber Jesus Cristo, Reis dos Reis, para alimento de vida eterna.
 Deixar o banco e caminhar com reverência até o altar, com as mãos
unidas em oração.
 Fazer um gesto de reverência ao se aproximar do ministro em
procissão para receber a Comunhão.
 Se for recebida de joelhos, não se faz nenhum gesto adicional antes de
recebê-la.
 Não se deve comungar nunca com as mãos (pois ai acontecer vários
sacrilégios contra o Corpo Santíssimo de Nosso Senhor)
 Recebida a comunhão na boca, fazer o sinal da Cruz, em
reconhecimento que a Santíssima Trindade penetra dentro de você.
 Agora seu Corpo descido da Cruz não irá mais para o sepulcro, mas
vai ressuscitar dentro de cada um de nós.
 É o momento Sagrado em que Jesus fala diretamente conosco, nos
ilumina e dá forças para viver cada vez melhor para podermos refletir
sua imagem onde quer que estejamos.
É hora da reflexão final, tudo que sentimos e vivemos, será completado
pela benção final, pelas mãos do Sacerdote, Deus nos abençoa.
É preciso valorizar mais e receber com fé a benção solene dada no final da
Missa. E a Missa só termina com a benção.
Estamos fortalecidos e prontos para vivenciar a salvação. Olhando o
mundo de nova maneira, acolhendo bem a todos os irmão, praticando a
caridade e fraternidade, principalmente com os excluídos deste mundo,
aos doentes, presos, marginalizados e com aqueles que não terá o
verdadeiro sentido e nos fará caminhar e aproximar cada vez mais da
vida eterna junto à Santíssima Trindade.
 Aqui se faz uma leve inclinação para receber a benção. O Celebrante faz
uma pequena mensagem para que cada qual retorne às suas boas obras,
Louvando e Bendizendo a Deus.
 Só se deixa o lugar após o Celebrante ter se retirado do Altar.
 Ao deixarmos o interior da Igreja, a celebração deve continuar em cada
momento de seu dia a dia, pois Jesus não ficou no altar, mas está dentro de
cada um de nós.
2181. A Eucaristia dominical fundamenta e
sanciona toda a prática cristã. É por isso
que os fiéis têm obrigação de participar na
Eucaristia nos dias de preceito, a menos
que estejam justificados, por motivo sério
(por exemplo, doença, obrigação de cuidar
de crianças de peito) ou dispensados pelo
seu pastor. Os que deliberadamente faltam
a esta obrigação cometem um pecado
grave.
Se não conhecemos o seu valor e significado e repetimos as orações de maneira mecânica, não
usufruiremos os imensos benefícios que a missa traz.
Reflitamos umpouco mais sobre a formade como cada umparticipada Missalendoa
seguintehistória:
Numa certa cidade, uma bela catedral estava sendo construída. Ela era inteiramente feita de pedras, e
centenas de operários moviam-se por todos os lados para levantá-la. Um dia, um visitante ilustre
passou para visitar a grande construção. O visitante observou como aqueles trabalhadores passavam,
um após o outro, carregando pesadas pedras, e resolveu entrevistar três deles. A pergunta foi a mesma
para todos. O que você está fazendo?
- Carregando pedras, disse o primeiro.
- Defendendo meu pão, respondeu o segundo.
Mas o terceiro respondeu: - Estou construindo uma catedral, onde muitos louvarão a Deus, e onde
meus filhos aprenderão o caminho do céu.
Essa história relata que apesar de todos estarem realizando a mesma tarefa, a maneira de cada um
realizar é diferente. Assim igualmente acontece com a Missa. Ela é a mesma para todos, contudo a
maneira de participar é diferente, dependendo da fé e do interesse de cada um:
Existem os que vão para cumprir um preceito; Há os que vão à Missa para fazer seus pedidos e orações;
E há aqueles que vão à Missa para louvar a Deus em comunhão com seus irmãos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Liturgia
LiturgiaLiturgia
Liturgia
Samuel Elanio
 
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
Catequese Anjos dos Céus
 
24. eucaristía
24. eucaristía24. eucaristía
24. eucaristía
David Galarza Fernández
 
Pedagogia de la fe
Pedagogia de la fePedagogia de la fe
Pedagogia de la fe
jhoanirave2013
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Jean
 
Sacramento da eucaristia
Sacramento da eucaristiaSacramento da eucaristia
Sacramento da eucaristia
Jorge Pereira
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
José Luiz Silva Pinto
 
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsxLiturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Padre Anderson de Lima Alencar
 
Missa
MissaMissa
Missa
nyllolucas
 
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Leandro Couto
 
IV Ministério de leitores
IV Ministério de leitoresIV Ministério de leitores
IV Ministério de leitores
Fernando José Ribeiro dos Santos
 
O ministério do leitor
O ministério do leitorO ministério do leitor
O ministério do leitor
Núccia Ortega
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
mbsilva1971
 
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximoQuaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
Bernadetecebs .
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
Francisco Rodrigues
 
Ceia eucarística
Ceia eucarísticaCeia eucarística
Ceia eucarística
Antenor Antenor
 
Sacramento da penitencia
Sacramento da penitenciaSacramento da penitencia
Sacramento da penitencia
Blog VALDERI
 
Power point da formação
Power point da formaçãoPower point da formação
Power point da formação
acolitosdeparanhos
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da EucarístiaMissa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Cris-Keka Mania
 

Mais procurados (20)

Liturgia
LiturgiaLiturgia
Liturgia
 
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
 
24. eucaristía
24. eucaristía24. eucaristía
24. eucaristía
 
Pedagogia de la fe
Pedagogia de la fePedagogia de la fe
Pedagogia de la fe
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Sacramento da eucaristia
Sacramento da eucaristiaSacramento da eucaristia
Sacramento da eucaristia
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
 
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsxLiturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
 
Missa
MissaMissa
Missa
 
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
 
IV Ministério de leitores
IV Ministério de leitoresIV Ministério de leitores
IV Ministério de leitores
 
O ministério do leitor
O ministério do leitorO ministério do leitor
O ministério do leitor
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
 
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximoQuaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
 
Ceia eucarística
Ceia eucarísticaCeia eucarística
Ceia eucarística
 
Sacramento da penitencia
Sacramento da penitenciaSacramento da penitencia
Sacramento da penitencia
 
Power point da formação
Power point da formaçãoPower point da formação
Power point da formação
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
 
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da EucarístiaMissa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
 

Destaque

A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
Jean
 
O valor da_santa_missa
O valor da_santa_missaO valor da_santa_missa
O valor da_santa_missa
hesahe
 
Reunião dos-coroinhas-14-03-2015
Reunião dos-coroinhas-14-03-2015Reunião dos-coroinhas-14-03-2015
Reunião dos-coroinhas-14-03-2015
Agostinho Silva
 
Reunião dos coroinhas 02 04 2015 final
Reunião dos coroinhas 02 04 2015 finalReunião dos coroinhas 02 04 2015 final
Reunião dos coroinhas 02 04 2015 final
Agostinho Silva
 
Acólitos no rito da missa
Acólitos no rito da missaAcólitos no rito da missa
Acólitos no rito da missa
Jean
 
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e CerimoniáriosApostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Karina Lima
 
Celebrações da Semana Santa
Celebrações da Semana SantaCelebrações da Semana Santa
Celebrações da Semana Santa
Sandro Rezende
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
Jean
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
iaymesobrino
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
mbsilva1971
 
História da Igreja - Visão geral
História da Igreja - Visão geralHistória da Igreja - Visão geral
História da Igreja - Visão geral
Glauco Gonçalves
 

Destaque (11)

A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
 
O valor da_santa_missa
O valor da_santa_missaO valor da_santa_missa
O valor da_santa_missa
 
Reunião dos-coroinhas-14-03-2015
Reunião dos-coroinhas-14-03-2015Reunião dos-coroinhas-14-03-2015
Reunião dos-coroinhas-14-03-2015
 
Reunião dos coroinhas 02 04 2015 final
Reunião dos coroinhas 02 04 2015 finalReunião dos coroinhas 02 04 2015 final
Reunião dos coroinhas 02 04 2015 final
 
Acólitos no rito da missa
Acólitos no rito da missaAcólitos no rito da missa
Acólitos no rito da missa
 
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e CerimoniáriosApostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
 
Celebrações da Semana Santa
Celebrações da Semana SantaCelebrações da Semana Santa
Celebrações da Semana Santa
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
 
História da Igreja - Visão geral
História da Igreja - Visão geralHistória da Igreja - Visão geral
História da Igreja - Visão geral
 

Semelhante a A santa missa

A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
JNR
 
A Santa Missa Liturgia Eucaristica
A Santa Missa Liturgia EucaristicaA Santa Missa Liturgia Eucaristica
A Santa Missa Liturgia Eucaristica
Leone Orlando
 
santa-missa-explicada-ok.pdf
santa-missa-explicada-ok.pdfsanta-missa-explicada-ok.pdf
santa-missa-explicada-ok.pdf
FatimaSanta1
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
nyllolucas
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
nyllolucas
 
a santa missa parte por partes para formação
a santa missa parte por partes para formaçãoa santa missa parte por partes para formação
a santa missa parte por partes para formação
freivalentimpesente
 
MISSA PASSO A PASSO.pptx
MISSA PASSO A PASSO.pptxMISSA PASSO A PASSO.pptx
MISSA PASSO A PASSO.pptx
ChristianBarbosa26
 
A Santa Missa Liturgia Da Palavra
A Santa Missa Liturgia Da PalavraA Santa Missa Liturgia Da Palavra
A Santa Missa Liturgia Da Palavra
Leone Orlando
 
A missa segundo o papa francisco
A missa segundo o papa franciscoA missa segundo o papa francisco
A missa segundo o papa francisco
Fábio Vasconcelos
 
Preparaçao 1ª comunhao 2011
Preparaçao 1ª comunhao 2011Preparaçao 1ª comunhao 2011
Preparaçao 1ª comunhao 2011
Paroquia Cucujaes
 
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Paróquia Menino Jesus
 
A Missa para não-católicos
A Missa para não-católicosA Missa para não-católicos
A Missa para não-católicos
Orlando Junior
 
Formação litúrgica 16.09.2017 3
Formação litúrgica 16.09.2017 3Formação litúrgica 16.09.2017 3
Formação litúrgica 16.09.2017 3
parsantanajequeri
 
22 02 12
22 02 1222 02 12
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
Juliana Cristina M. Muniz
 
Culto Divino - Quinta-feira Santa
Culto Divino -  Quinta-feira SantaCulto Divino -  Quinta-feira Santa
Culto Divino - Quinta-feira Santa
Josemar da Silva Alves Bonho
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
jcsa.media
 
Mudanças no Missal - 3ª Edição Típica do Missal Romano.pdf
Mudanças no Missal - 3ª Edição Típica do Missal Romano.pdfMudanças no Missal - 3ª Edição Típica do Missal Romano.pdf
Mudanças no Missal - 3ª Edição Típica do Missal Romano.pdf
AntonioCardoso633408
 
Vamos a igreja para participar da santa missa
Vamos a igreja para participar da santa missaVamos a igreja para participar da santa missa
Vamos a igreja para participar da santa missa
SITEclarissasmarilia
 
Esquema da-missa
Esquema da-missaEsquema da-missa
Esquema da-missa
Jadson Costa
 

Semelhante a A santa missa (20)

A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
 
A Santa Missa Liturgia Eucaristica
A Santa Missa Liturgia EucaristicaA Santa Missa Liturgia Eucaristica
A Santa Missa Liturgia Eucaristica
 
santa-missa-explicada-ok.pdf
santa-missa-explicada-ok.pdfsanta-missa-explicada-ok.pdf
santa-missa-explicada-ok.pdf
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
 
a santa missa parte por partes para formação
a santa missa parte por partes para formaçãoa santa missa parte por partes para formação
a santa missa parte por partes para formação
 
MISSA PASSO A PASSO.pptx
MISSA PASSO A PASSO.pptxMISSA PASSO A PASSO.pptx
MISSA PASSO A PASSO.pptx
 
A Santa Missa Liturgia Da Palavra
A Santa Missa Liturgia Da PalavraA Santa Missa Liturgia Da Palavra
A Santa Missa Liturgia Da Palavra
 
A missa segundo o papa francisco
A missa segundo o papa franciscoA missa segundo o papa francisco
A missa segundo o papa francisco
 
Preparaçao 1ª comunhao 2011
Preparaçao 1ª comunhao 2011Preparaçao 1ª comunhao 2011
Preparaçao 1ª comunhao 2011
 
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
 
A Missa para não-católicos
A Missa para não-católicosA Missa para não-católicos
A Missa para não-católicos
 
Formação litúrgica 16.09.2017 3
Formação litúrgica 16.09.2017 3Formação litúrgica 16.09.2017 3
Formação litúrgica 16.09.2017 3
 
22 02 12
22 02 1222 02 12
22 02 12
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
 
Culto Divino - Quinta-feira Santa
Culto Divino -  Quinta-feira SantaCulto Divino -  Quinta-feira Santa
Culto Divino - Quinta-feira Santa
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Mudanças no Missal - 3ª Edição Típica do Missal Romano.pdf
Mudanças no Missal - 3ª Edição Típica do Missal Romano.pdfMudanças no Missal - 3ª Edição Típica do Missal Romano.pdf
Mudanças no Missal - 3ª Edição Típica do Missal Romano.pdf
 
Vamos a igreja para participar da santa missa
Vamos a igreja para participar da santa missaVamos a igreja para participar da santa missa
Vamos a igreja para participar da santa missa
 
Esquema da-missa
Esquema da-missaEsquema da-missa
Esquema da-missa
 

A santa missa

  • 2. Os tesouros, por grandes e preciosos que sejam, não podem ser estimados se não forem conhecidos. Eis porque, caro leitor, muitos não têm pelo santo Sacrifício da Missa o amor que deveriam ter, porque este tesouro, A MAIOR MARAVILHA e a MAIOR RIQUEZA da IGREJA DE DEUS é um TESOURO OCULTO um tesouro muito pouco conhecido.
  • 3.  "A santa Missa é o sacrifício incruento do Corpo e do Sangue de Jesus Cristo que, sob as espécies do pão e do vinho, se oferece por mãos do sacerdote a Deus sobre o altar, memória e renovação do sacrifício da Cruz." (Catecismo de SãoPio X)  O concílio Vaticano II diz que o padre age “in persona Christ”, isto é, em lugar da pessoa de Jesus.
  • 4.  SENTADO– É uma posição cômoda, uma atitude de ficar à vontade para ouvir e meditar, sem pressa.  DE PÉ – É uma posição de quem ouve com atenção e respeito. Indica a prontidão e disposição para obedecer.  DE JOELHOS – Posição de Adoração a Deus diante do Santíssimo Sacramento e durante a consagração do pão e do vinho.  GENUFLEXÃO– É um gesto de Adoração a Jesus na Eucaristia. Fazemos quando entramos na igreja e dela saímos, se ali existir o Sacrário.  INCLINAÇÃO– Inclina–se diante do Santíssimo Sacramento é sinal de Adoração.
  • 6. Na entrada a Comunidade recebe o celebrante, ao mesmo tempo que responde: “Eis me aqui Senhor.” Vim para atender o vosso Chamado, Vim para louvar, agradecer, Bendizer, adorar e Estou Inteiramente a seu dispor.
  • 7. • O Altar é o sinal de Jesus Cristo presente no meio da comunidade, o beijo tem um endereço: não é propriamente para o mármore mais ou a madeira do altar, mais para o Cristo, que é o centro de nossa piedade.
  • 8. O padre dirige-se aos fiéis fazendo o sinal da cruz. Essa expressão “EM NOME DO PAI E DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO”, tem um sentido bíblico. Nome em sentido bíblico quer dizer a própria pessoa. Isto é, iniciemos a missa colocando a nossa vida e toda a nossa ação nas mãos da Santíssima Trindade. A cruz, segundo os ensinamentos de São Paulo, é Sinal de vergonha e morte para os descrentes e pagãos, mas é, ao mesmo tempo, sinal de vitória e orgulho para os cristãos. Ao fazermos o sinal da cruz, professamos que o nosso pensamento (cabeça), vontade (peito) e ações (ombros) estão voltados para Deus. Estando em harmonia com a Santíssima Trindade e sob a proteção de Deus.
  • 9. • SAUDAÇÃO: O sacerdote abre os braços, em sinal de acolhida, e saúda toda a assembleia presente e faz uma saudação espontânea, envolvendo o amor e paz da Santíssima Trindade, tal como “A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco”; e os fieis responde alegremente: “Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.
  • 10. • Toda comunidade individualmente tem as suas fraquezas, limitações e misérias, somos um povo santo e pecador. • O Ato Penitencial é o convite para cada um olhar dentro de si mesmo diante de Deus, reconhecer e confessar os seus pecados, o arrependimento deve ser sincero. • Quando estamos para participar em corpo e alma de uma Santa Missa temos que nos preocupar com a limpeza do nosso coração, alma e mente, pois mais importante que aparência física, é ter uma alma limpa e livre de qualquer mal e pecado que posso impedir de nos aproximarmos de Jesus.
  • 11.  ATENÇÃO: O perdão recebido no Ato Penitencial, não significa que estamos isentos do Sacramento da Confissão.  GLÓRIAA DEUS NASALTURAS  Após recebermos o perdão de Deus, concedido por sua infinita bondade, proclamamos com o coração aliviado o nosso hino de louvor e glória pela graça recebida.  O glória é um hino muito antigo, pelo qual a Igreja glorifica a Deus Pai e ao Cordeiro. Expressamos através de canto, a nossa alegria de filhos de Deus.
  • 12.  Ela sempre se inicia com solene OREMOS pelo sacerdote e é seguido de uma pausa; este é o momento que o celebrante nos convida a nos colocarmos em oração.  Durante esse tempo de silêncio cada um faz mentalmente se pedido a Deus. Em seguida o padre eleva as mãos e profere a oração, oficialmente, em nome de toda a Igreja. Nesse ato de levantar as mãos o celebrante está assumindo e elevando a Deus todas as intenções dos fieis. Após a oração todos respondem AMÉM, para dizer que aquela oração também é sua.
  • 13. Após o Amém da oração, a comunidade senta-se mas deve esperar o celebrante dirige-se à cadeira. A Liturgia da Palavra tem um conteúdo de maior importante pois é nesta hora que Deus nos fala solenemente.
  • 14.  Primeira Leitura: Toda a assembleia sentada. É normalmente tirada dos livros históricos e proféticos da Bíblia; anuncia a Salvação que se realizara plenamente em Jesus Cristo. Essa leitura é proclamada da mesa da palavra (Ambão) por um fiel. No final da leitura o leitor diz: “Palavra do Senhor” e todos respondem a aclamação “Graças a Deus”.  Salmo Responsorial: Essa leitura e proclamada ou cantada. O salmo responsorial deve responder a cada leitura e normalmente será do lecionário. Após o salmista proferir os versículos perante toda a assembleia, que responde dizendo ou cantando o refrão.
  • 15. Segunda Leitura: Em geral é tirada das cartas dos apóstolos, que apresentam à comunidade o mistério de Cristo e exorta a vivê-los. Cantode Aclamação ao Evangelho: Toda a assemble pé. Esta aclamação fala por si mesma, através da qual a assembleia dos fiéis acolhe o Senhor que lhe vai falar no Evangelho. O Aleluia é cantado em todos os tempos, exceto na Quaresma, que canta-se um versículo proposto no lecionário, no lugar do Aleluia.
  • 16.  Sinal da Cruz: Antes da Proclamação do Evangelho, fazemos o sinal da cruz: • Na testa, para que Deus tome conta do nosso pensamento; • Na boca, para que a gente passe essa Palavra para os outros; • No coração, para que a Palavra permaneça em nosso coração.  Homilia: Toda a assembleia sentada. A Homilia (que significa conversa Familiar) é a conversa que o padre tem com a assembleia, nos orientando sobre a mensagem de Deus, transportando-a para nossa vida hoje. Essa Palavra tem que transformar nosso viver.
  • 17.  Profissão de Fé: A comunidade professa sua fé em comunhão com os ensinamentos da Igreja e pela Liturgia da Palavra, confessamos crer em toda doutrina Católica, no perdão dos pecados e na presença viva de Jesus. Creio em Deus Pai, com essa atitude queremos dizer que cremos na Palavra de Deus que foi proclamada e estamos prontos para pô-lo em prática.  Oração dos fiéis: A comunidade unida em um só pensamento eleva a Deus seus pedidos e anseios, pedindo coletivos e também pessoais. Mesmo que o seu pedido não seja pronunciado em voz alta, eu posso colocá-los na grande oração da comunidade. Assim se torna oração de toda a Igreja.
  • 18. Inicia-se com as oferendas. A comunidade oferece seus sacrifícios através do pão e do vinho entregues ao sacerdote para a transformação.
  • 19. As principais ofertas são o pão e o vinho, as demais ofertas representam a generosidade do povo. Deus não precisa de esmola porque Ele não é mendigo e sim o Senhor da vida, a nossa oferta é sinal de gratidão e contribuição para a conservação e manutenção da casa de Deus. Na Missa nós oferecemos a Deus o pão e o Vinho que, pelo poder do mesmo Deus, mudam-se no Corpo e Sangue de Cristo.
  • 20. O sacerdote oferece o pão a Deus, depois coloca a hóstia sobre o corporal e prepara o vinho para oferecê-lo do mesmo modo. Ele põe algumas gotas de água no vinho que simboliza a união da natureza humana com a natureza divina. E assim como a água colocada no cálice torna-se um só coisa com o vinho, também nós, na Missa, nos unimos a Cristo para forma um só corpo com Ele.
  • 21. Prefácio é um hino “abertura” que nos introduz no Mistério Eucarístico. Pois isso o celebrante convida a Assembleia para elevar os corações a Deus, dizendo “Corações ao alto!” É um hino que proclama a santidade de Deus e dá graça ao Senhor. O final do Prefácio termina com a aclamação Santo, Santo, Santo... É tirada do livro do profeta Isaías (6,3) e a repetição é um reforço de expressão para significar o máximo de santidade, embora sendo pecadores, de lábios impuros, estamos nos preparando para receber o Corpo de Cristo.
  • 22.  Existe ao menos três elementos fundamentais: • 1 – A Santidade de Deus – Santo, Santo, Santo, Senhor Deus... • 2 – A Majestade de Deus – O Céu e a terra proclama a vossa glória • 3 – A Imanência de Deus – Bendito o que vem em nome do Senhor
  • 23. É a invocação na qual a Igreja implora por meio de invocações o poder divino sobre as oferendas, isto é, se tornem o Corpo e o Sangue de Cristo e que a hóstia se torne a salvação daqueles que vão recebe-las em comunhão.
  • 24. Consagração do Pão e do Vinho  (Toda a assembleia ajoelhada)  Pelas mãos do Sacerdote o pão e o vinho se transformam em Corpo e Sangue de Jesus. O celebrante estende as mãos sobre o pão e o vinho e pede ao Pai que os santifique enviando sobre eles o Espírito Santo.
  • 25. Por ordem de Cristo e recordando o que o próprio Jesus fez na Ceia e pronuncia as palavras “TOMAI TODOS E ...” O celebrante faz uma genuflexão para adorar Jesus presente sobre o altar. Em seguida recorda que Jesus tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu a seus discípulos dizendo “TOMAI TODOS E...” “FAZEI ISSO EM MENÓRIA DE MIM” aqui cumpre-se a vontade expressa de Jesus, que mandou celebrar a Ceia.
  • 26.  Novamente começa o Sacrifício de Jesus e diante de nós está o Calvário, e agora somos nós que estamos ao pé da Cruz. No silêncio profundo e no recolhimento do nosso coração adoramos o nosso Salvador, que está crucificado diante de nós. Devemos oferecer a Jesus, nossa vida, dores, misérias e sofrimentos para ser crucificado junto com Ele, na esperança da Salvação e da vida-eterna. Tudo isso não podemos ver com os olhos do corpo, mas temos que ver com os olhos do coração e da alma.
  • 27.  A Igreja está espalhada por toda a terra e além dos limites geográficos está na terra, como Igreja peregrina; está no purgatório, como Igreja padecentes; e está no Céu como Igreja gloriosa e triunfante. Entre todos os membros dessa Igreja, que está no Céu e na Terra, existe a intercomunicação da graça ou comunhão dos Santos. Uns oram pelos outros, pois somos todos irmãos, membros da grande Família de Deus.
  • 28. A primeira oração é pelo Papa e pelo bispo Diocesano, são os pastores do rebanho, sua missão é ensinar, santificar e governar o Povo de Deus. Por isso a comunidade precisa orar muito por eles. Depois rezar pelos mortos, é um ato de caridade. E finalmente, pedimos por nós mesmo como “povo santo e pecador”.
  • 29.  O Pai Nosso, não é apenas uma simples fórmula de oração, nem um ensinamento teórico de doutrina. Antes de ser ensinado por Jesus, o Pai Nosso foi vivido plenamente pelo mesmo Cristo. Portanto, deve ser vivido também pelos seus discípulos. Essa belíssima oração é a síntese do Evangelho. Para rezarmos bem o Pai Nosso, precisamos entrar no pensamento de Jesus e na vontade do Pai. Portanto, para eu comungar o Corpo do Senhor na Eucaristia, preciso estar em “comunhão” com meus irmãos, que são membros do Corpo Místico de Cristo.  Pai Nosso é recitado de pé, com as mãos erguida, na posição de orante. Pode também ser cantado, mas sem alterar a sua fórmula. Após o Pai Nosso na Missa não se diz amém, pois a oração seguinte é continuação.
  • 30.  Toda a assembleia de pé. A Igreja implora a paz e a unidade para si mesma e para toda a família humana e os fiéis exprimem entre si a comunhão eclesial e a mútua caridade, antes de comungar do sacramento. A oração pela paz (Senhor Jesus Cristo, dissestes aos vossos Apóstolos...) é uma oração presidencial, que só o celebrante faz, pois ele age in Persona Christi. No final o presidente convida os fiéis a saudarem uns aos outros.
  • 31.  O Celebrante parte a hóstia grande e coloca um pedacinho da mesma .......................................... dentro do cálice, que representa a união do ............................................ Corpo e do Sangue do Senhor num mesmo .......................................... Sacrifício e mesma comunhão.  Cordeiro de Deus  Tanto no Antigo como no velho testamento, Jesus é representado como o “Cordeiro de Deus”. Os fiéis sente-se indignos de receber o Corpo de Cristo, e pedem perdão mais uma vez.
  • 32.  Jesus agora está vivo e presente sobre o altar. É presença real no meio de nós e se manifesta em bondade de amor. A Eucaristia é um tesouro que Jesus, o Rei imortal e eterno, deixou como Mistério de Salvação para todos os quenEle creem. Comungar é receber Jesus Cristo, Reis dos Reis, para alimento de vida eterna.
  • 33.  Deixar o banco e caminhar com reverência até o altar, com as mãos unidas em oração.  Fazer um gesto de reverência ao se aproximar do ministro em procissão para receber a Comunhão.  Se for recebida de joelhos, não se faz nenhum gesto adicional antes de recebê-la.
  • 34.  Não se deve comungar nunca com as mãos (pois ai acontecer vários sacrilégios contra o Corpo Santíssimo de Nosso Senhor)  Recebida a comunhão na boca, fazer o sinal da Cruz, em reconhecimento que a Santíssima Trindade penetra dentro de você.  Agora seu Corpo descido da Cruz não irá mais para o sepulcro, mas vai ressuscitar dentro de cada um de nós.  É o momento Sagrado em que Jesus fala diretamente conosco, nos ilumina e dá forças para viver cada vez melhor para podermos refletir sua imagem onde quer que estejamos.
  • 35. É hora da reflexão final, tudo que sentimos e vivemos, será completado pela benção final, pelas mãos do Sacerdote, Deus nos abençoa. É preciso valorizar mais e receber com fé a benção solene dada no final da Missa. E a Missa só termina com a benção. Estamos fortalecidos e prontos para vivenciar a salvação. Olhando o mundo de nova maneira, acolhendo bem a todos os irmão, praticando a caridade e fraternidade, principalmente com os excluídos deste mundo, aos doentes, presos, marginalizados e com aqueles que não terá o verdadeiro sentido e nos fará caminhar e aproximar cada vez mais da vida eterna junto à Santíssima Trindade.
  • 36.  Aqui se faz uma leve inclinação para receber a benção. O Celebrante faz uma pequena mensagem para que cada qual retorne às suas boas obras, Louvando e Bendizendo a Deus.  Só se deixa o lugar após o Celebrante ter se retirado do Altar.  Ao deixarmos o interior da Igreja, a celebração deve continuar em cada momento de seu dia a dia, pois Jesus não ficou no altar, mas está dentro de cada um de nós.
  • 37. 2181. A Eucaristia dominical fundamenta e sanciona toda a prática cristã. É por isso que os fiéis têm obrigação de participar na Eucaristia nos dias de preceito, a menos que estejam justificados, por motivo sério (por exemplo, doença, obrigação de cuidar de crianças de peito) ou dispensados pelo seu pastor. Os que deliberadamente faltam a esta obrigação cometem um pecado grave.
  • 38. Se não conhecemos o seu valor e significado e repetimos as orações de maneira mecânica, não usufruiremos os imensos benefícios que a missa traz. Reflitamos umpouco mais sobre a formade como cada umparticipada Missalendoa seguintehistória: Numa certa cidade, uma bela catedral estava sendo construída. Ela era inteiramente feita de pedras, e centenas de operários moviam-se por todos os lados para levantá-la. Um dia, um visitante ilustre passou para visitar a grande construção. O visitante observou como aqueles trabalhadores passavam, um após o outro, carregando pesadas pedras, e resolveu entrevistar três deles. A pergunta foi a mesma para todos. O que você está fazendo? - Carregando pedras, disse o primeiro. - Defendendo meu pão, respondeu o segundo. Mas o terceiro respondeu: - Estou construindo uma catedral, onde muitos louvarão a Deus, e onde meus filhos aprenderão o caminho do céu. Essa história relata que apesar de todos estarem realizando a mesma tarefa, a maneira de cada um realizar é diferente. Assim igualmente acontece com a Missa. Ela é a mesma para todos, contudo a maneira de participar é diferente, dependendo da fé e do interesse de cada um: Existem os que vão para cumprir um preceito; Há os que vão à Missa para fazer seus pedidos e orações; E há aqueles que vão à Missa para louvar a Deus em comunhão com seus irmãos.

Notas do Editor

  1. torna-