SlideShare uma empresa Scribd logo
6º ENCONTRO
A Sagrada Comunhão
Porque é que a Eucaristia é banquete pascal?
A Eucaristia é o banquete pascal, porque Cristo, pela
realização sacramental da sua Páscoa, nos dá o seu
Corpo e o seu Sangue, oferecidos como alimento e
bebida, e nos une a si e entre nós no seu sacrifício.
Introdução
 Os primeiros cristãos encontravam a razão
do seu heroísmo na Eucaristia. A Comunhão
dava-lhes alento e fortaleza para defender a
sua fé até ao martírio.
 Nós devemos tratar a Eucaristia com a
mesma fé, respeito e amor com que tratavam
a Eucaristia os primeiros cristãos, a Virgem,
os santos.
Ideias principais
O sacrifício eucarístico e a comunhão
O sacramento da Sagrada Eucaristia foi instituído como
alimento espiritual. Por isso, o sinal externo desse
sacramento são as aparências do pão e do vinho, sinais de
alimento, como o sinal externo do Batismo, a água, é sinal
de limpeza. A ação pela qual nós, como indivíduos,
recebemos a Sagrada Eucaristia é uma ação de comer:
ingerimos as aparências do pão e do vinho sob as quais
Jesus está realmente presente. Esta ação chama-se
Comunhão. Se a Eucaristia é um alimento espiritual, é de
supor-se que produza na alma efeitos semelhantes aos que
o alimento material produz no corpo.
O primeiro e o mais importante dos efeitos do
alimento material é tornar-se uma só coisa com
quem o come; transforma-se na substância da
pessoa que o ingere e torna-se parte dela. Na
Sagrada Comunhão passa-se espiritualmente
algo de parecido, mas com uma grande diferença.
Opera-se uma união entre a pessoa e o alimento,
mas, neste caso, é o indivíduo quem se une ao
alimento, mais do que o alimento ao indivíduo. O
inferior une-se ao superior: tornamo-nos uma só
coisa com Cristo.
A nossa união sacramental com Cristo não consiste na
mera união física entre o nosso corpo e a Sagrada Hóstia
que recebemos. É antes a união mística e espiritual da
alma com Jesus, operada pela divina virtude do amor
mediante contato físico com o sagrado Corpo de Jesus.
Este efeito – a incorporação mística da alma a Jesus por
meio da caridade – produz-se opere operato, como dizem
os teólogos. Quer dizer, produz-se pela virtude do próprio
sacramento, sem esforço da nossa parte. Se não opomos
barreira à sua ação – como seriam as barreiras da falta de
fé ou do pecado – ao recebermos a comunhão unimo-nos
infalivelmente de um modo íntimo a Jesus pelo laço da
caridade.
Esta maravilhosa fusão da alma com Jesus é de um tipo
muito especial. Evidentemente, não nos tornamos “parte de
Deus”, não nos unimos a Jesus por uma união hipostática
como a que existe entre a sagrada Humanidade de Cristo e a
sua Natureza Divina. A união com Jesus que a Sagrada
Comunhão opera em nós é de um tipo único na sua espécie.
É muito mais que a união “ordinária” com Deus que o Espírito
Santo estabelece em nós pela graça santificante, mas é
menos que a união final e da máxima intimidade de que
gozaremos no céu com a visão beatífica. A união não é nem
hipostática nem beatífica: é muito simplesmente Comunhão.
Ao unirmo-nos a Cristo nessa união íntima e
pessoal, uma união tão particular, unimo-nos
também a todos os que estão “em” Cristo, aos
outros membros do seu Corpo Místico. A união com
Cristo na Sagrada Comunhão é o laço de caridade
que nos faz uma só coisa com o próximo. Não
podemos experimentar um crescimento no amor a
Deus, que a nossa união com Deus nos comunica,
sem experimentar ao mesmo tempo um crescimento
no amor ao próximo.
O próprio sinal desse sacramento simboliza a
nossa absoluta unidade com Cristo. Muitos grãos de
trigo se juntaram no pão que se converterá no Corpo
de Cristo. Muitos grãos de uva foram espremidos
juntos para encher o cálice que conterá o Sangue de
Cristo. Somos muitos num. E esse Um é Cristo.
O amor a Deus e ao próximo não é um amor sentimental
nem, necessariamente, emocional. Podemos crescer em
amor a Deus e ao próximo sem “sentir” a emoção que se
sente nas relações humanas de afeto. Aliás, a emoção é
um guia de pouca confiança. Não devemos preocupar-nos
se a nossa emotividade permaneceu inalterada; devemos
medir a eficácia das nossas comunhões frequentes pela
melhora do nosso modo de ser e de agir.
Efeitos da Comunhão
O primeiro efeito da Comunhão é o crescimento espiritual que se
produz pelos repetidos incrementos de graça santificante que a Sagrada
Comunhão comunica. É próprio de cada sacramento dar ou aumentar a
graça santificante. No entanto, cada um dos outros sacramentos tem um
fim específico próprio, além de conferir a graça santificante. O Batismo
apaga o pecado original, a Penitência perdoa o pecado atual, a
Confirmação fortalece a fé, o Matrimônio santifica os esposos, e assim
por diante. Mas a Sagrada Eucaristia é um sacramento cujo fim especial
é aumentar a graça santificante, repetida e frequentemente, por meio da
união pessoal com o próprio Autor da graça. Esta a razão pela qual a
Eucaristia é o sacramento por excelência do crescimento espiritual:
aumenta-nos a estatura e a força espirituais.
Tal como o alimento corporal serve para restaurar as forças
perdidas, assim também a Eucaristia fortifica a caridade que,
na vida quotidiana, tende a enfraquecer; e esta caridade
vivificada apaga os pecados veniais. Dando-Se a nós, Cristo
reaviva o nosso amor e torna-nos capazes de quebrar as
ligações desordenadas às criaturas e radicar-nos n’Ele.
Pela mesma caridade que acende em nós a
Eucaristia preserva-nos dos pecados mortais futuros.
Quanto mais participarmos na vida de Cristo e
progredirmos na sua amizade, mais difícil nos será
romper com Ele pelo pecado mortal. A Eucaristia não
está ordenada para o perdão dos pecados mortais;
isso é próprio do sacramento da Reconciliação. O que
é próprio da Eucaristia é ser o sacramento daqueles
que estão em plena comunhão com a Igreja.
A Sagrada Comunhão tem ainda um efeito adicional que ajuda a
preservar-nos do pecado mortal. Atua sobre o que os teólogos
denominam “a proclividade para a concupiscência”. A concupiscência é
essa tendência para o pecado que é herança comum de todo o gênero
humano em resultado da queda de Adão. É a atração das paixões
desordenadas que puxam para baixo, é o embate dos impulsos rebeldes
que controlamos inadequadamente, é a tendência para a soberba da
vontade, que quer seguir o seu caminho sem contar com Deus.
Esta concupiscência, esta inclinação para o pecado, debilita-se em
nós quando recebemos o sacramento da Sagrada Eucaristia. Quando
nos aproximamos mais e mais de Jesus pela comunhão frequente,
notamos que a força de atração da concupiscência diminui e o poder da
tentação de debilita.
Finalmente, como toda boa alimentação, a
Sagrada Comunhão anima-nos a trabalhar. Quem
comunga com frequência, bem preparado e com
fruto, não pode ficar encerrado em si mesmo. O
seu horizonte espiritual vai se abrindo mais e mais
ao amor de Deus, e sente a urgência de fazer
coisas por Cristo e com Cristo; fortalecido pelas
graças da Sagrada Comunhão, converte-se num
cristão apóstolo.
Quem pode comungar?
Todo o católico que tenha alcançado o uso da
razão e possua o necessário conhecimento pode e
deve receber o sacramento da Sagrada Eucaristia.
Considera-se que uma criança chegou ao uso
da razão quando é capaz de distinguir (pelo menos
até certo ponto) a diferença entre o bem e o mal
morais.
Como regra “a olho”, aceita-se que, comumente, uma
criança entra no uso da razão aos sete anos de idade.
Mas são poucas as crianças “comuns”. Tanto mental
como fisicamente umas se desenvolvem mais depressa
ou mais devagar que outras. Cada criança tem a sua
medida pessoal de desenvolvimento. É reponsabilidade
dos pais e educadores determinar quando a criança
atingiu idade suficiente para receber o sacramento da
Sagrada Eucaristia.
Os doentes mentais que tenham perdido por
completo o contato com a realidade não podem
comungar. Se têm períodos de lucidez, em que
raciocinam com coerência, podem receber a
Sagrada Comunhão nesses intervalos. Também
podem fazê-lo se a doença é apenas parcial e
ainda são capazes de distinguir a Sagrada
Eucaristia do pão comum.
A profundidade de conhecimento requerida para receber a
Sagrada Comunhão dependerá da capacidade mental de
cada indivíduo. Evidentemente, uma criança de sete anos
não captará a natureza da Sagrada Eucaristia tão
plenamente como um adulto, e uma pessoa menos
esclarecida pode não compreender as verdades da fé tão
claramente como uma pessoa mais esclarecida. Como
mínimo, quem vai comungar deve saber (e crer) as verdades
divinas que são imprescindíveis para a salvação: o
conhecimento de Deus Uno e Deus Trino, que premia a
verdade e castiga o pecado; e de Jesus Cristo, Deus e
homem, nosso Redentor.
Se comungamos movidos por uma intenção reta, e
com a alma livre de pecado mortal, recebemos
infalivelmente a graça do sacramento. A quantidade de
graça recebida dependerá da perfeição das nossas
disposições. Quanto mais ardente for o nosso amor por
Jesus Cristo, quanto menos pecados veniais tivermos, e
quanto mais incondicional for a nossa entrega a Deus,
maior será a graça que receberemos.
O jejum eucarístico
Quando vamos comungar, devemos abster-nos de
qualquer alimento e bebida uma hora antes de recebermos
a Sagrada Comunhão (a água natural não quebra o jejum,
e pode-se tomá-la sem limite de tempo). Deve-se notar
que a lei especifica que seja uma hora antes de comungar,
e não uma hora antes da missa. Assim, se uma pessoa
pensa comungar na missa das oito horas da manhã, e
sabe que a Sagrada Comunhão não será distribuída antes
das oito horas e quarenta minutos, pode comer e beber até
às sete horas e quarenta minutos.
O Código de Direito Canônico estabeleceu que as
pessoas idosas ou enfermas, bem como as que dela
cuidam, podem receber a Santíssima Eucaristia mesmo
tendo tomado algo na hora imediatamente anterior.
Quando se diz que uma pessoa doente pode tomar
remédios sem limite de tempo, não se está pensando
apenas em doenças graves. Uma dor de cabeça justifica
que tomemos uma aspirina antes de irmos à missa; uma
tosse rebelde autoriza a tomar um xarope medicinal; uma
afecção cardíaca crônica permite o uso dos comprimidos
prescritos.
Para aplicarmos estas especiais concessões aos
doentes, não é necessário obtermos autorização de
um sacerdote. Se estamos doentes, podemos utilizar
sem outras condições os privilégios concedidos aos
enfermos. E, visto a lei não estabelecer um especial
grau de doença, podemos utilizar esses privilégios
mesmo que a nossa enfermidade seja leve.
Uma pessoa em perigo de morte pode comungar
sem necessidade de jejum de qualquer tipo.
Conselhos práticos para comungar
O nosso aspecto externo deve estar de acordo com as
adequadas disposições interiores. A mais elementar cortesia
exige que, quando nos aproximamos da Comunhão,
estejamos limpos de corpo e de roupa.
O mesmo ocorre com a modéstia no vestir. Os que
querem visitar a rainha da Inglaterra devem sujeitar-se a um
protocolo rígido; e ninguém sonharia em entrevistar-se com o
Presidente da República vestido de calças curtas e camisa
esporte. O Rei dos reis tem incomparavelmente mais direito
às manifestações externas de reverência e respeito. Não é
pedantismo nem beatice, mas piedade da mais elementar, a
que proíbe as sumárias peças e os vestidos decotados para
nos aproximarmos da Comunhão.
Aqueles que comungam diretamente na boca – ajoelhados ou de pé –
devem inclinar a cabeça ligeiramente para trás, abrir suficientemente a
boca e por a língua por cima das bordas do lábio inferior.
Onde está autorizada a prática de receber a comunhão na mão, os
que desejam recebê-la assim devem apresentar a mão esquerda com a
palma aberta sobre a palma da mão direita. Ali será depositada a
Sagrada Hóstia, que deverá ser tomada com a máxima reverência com o
indicador e o polegar da mão direita, e levada à boca antes de sair do
lugar. As normas vigentes não permitem em caso algum que o próprio
fiel tome diretamente a Hóstia do cibório ou do altar ou que a receba
com os dedos em pinça. E a Igreja estabeleceu que, mesmo nos lugares
onde se dá legitimamente a comunhão na mão, qualquer fiel tem o
direito – que deve ser respeitado pelo sacerdote – de receber a Sagrada
Comunhão na boca.
Quer mastiguemos a Sagrada Hóstia ou não, o
que devemos garantir é que a engulamos, já que a
Sagrada Eucaristia é alimento espiritual, e, para
recebê-lo, temos de comê-la. Se quiséssemos que a
Sagrada Hóstia se dissolvesse completamente na
boca, de modo que já não conservasse as
aparências de pão, não receberíamos a Sagrada
Comunhão nem as graças que esse sacramento nos
confere. Devemos, pois, manter a Sagrada Hóstia
na boca apenas o tempo suficiente para que se
umedeça e a possamos ingerir.
 Com que frequência me é permitido comungar?
 Com que frequência tenho obrigação de comungar?
 Com que frequência deveria comungar?
A norma geral autoriza a comungar até mais de
uma vez por dia; só precisa que, “quem já recebeu
a Santíssima Eucaristia, pode recebê-la de novo no
mesmo dia unicamente dentro da celebração
eucarística na qual participe.” (CDC, cân 917)
Temos obrigação de comungar uma vez por ano
pela Páscoa (desde a Quarta-feira de Cinzas até o
domingo de Pentecostes) e em perigo de morte.
Omitir deliberadamente a comunhão em qualquer
desses casos é pecado grave.
Deveria comungar com a frequência que me
fosse possível; o ideal seria que fosse diariamente.
A Sagrada Eucaristia é o nosso alimento e, pelo
menos, deveríamos ter tanto interesse em alimentar
a nossa alma como em alimentar o nosso corpo;
ora, ninguém passa muito tempo sem tomar uma
refeição. A Sagrada Eucaristia é também garantia
de felicidade eterna, se a recebermos regularmente
e com razoável frequência, todos os dias, se
pudermos.
Suponhamos que estamos preparados por dentro
e por fora para fazer uma comunhão digna.
Podemos perguntar-nos: “Quantas graças poderei
receber quando comungar?”
Cada comunhão contém um depósito inesgotável
de graças: quem está presente na Sagrada
Eucaristia é Jesus Cristo, e Jesus Cristo é Deus, e
Deus é infinito, e pode conceder graças infinitas.
Mas o total de graças que cada indivíduo recebe
numa comunhão depende da capacidade que esse
indivíduo tenha.
A nossa alma tem uma capacidade limitada para a graça.
Como criatura finita que é, nenhuma alma humana pode ter
capacidade infinita para a graça, nenhuma alma está em
condições de absorver toda a graça que uma comunhão
põe à sua disposição.
Mas isto não quer dizer que em cada uma das nossas
comunhões estejamos conseguindo toda a graça que nos é
possível. Não quer dizer que não possamos aumentar a
nossa capacidade de adquirir graça. Só Deus sabe qual é a
capacidade máxima de graça de uma alma. Mas todos
podemos ter a certeza de ainda não a havermos alcançado.
Aumentamos a nossa capacidade de graça quando
tiramos os obstáculos à graça que embaraçam a nossa
alma. O primeiro e o maior deles é o apego ao pecado
venial (uma comunhão digna pressupõe ausência de
pecado mortal). Enquanto houver um só pecado venial
que não queiramos abandonar, estaremos reduzindo a
capacidade de graça da nossa alma.
Uma vez livres do pecado venial, ainda resta a
luta contra as imperfeições, essas falhas que
mostram que o nosso amor a Deus não é ainda de
todo o coração. Pode haver em nós desleixo ou
desinteresse na nossa oração, resistência egoísta
em ajudar o próximo, falta de esforço para vencer a
nossa irritabilidade ou impaciência, certa vaidade
infantil nas nossas atitudes ou nos nossos talentos.
Que podemos fazer com esses pecados e imperfeições?
Pôr um pouco mais de esforço e receber a Sagrada
Comunhão com maior frequência. Um efeito maravilhoso da
graça da comunhão é que nos purifica e fortalece contra as
mesmas coisas que a impedem de agir. Com um pequeno
esforço da nossa parte, cada Sagrada Comunhão prepara o
caminho para maiores graças na seguinte. Cada comunhão
edifica sobre a anterior.
É verdade que o Senhor podia, por um milagre da
sua graça, fazer de um pecador um santo com uma
só comunhão. Mas, normalmente, permite que o
crescimento na santidade seja um crescimento
orgânico, gradual e estável como o de uma criança,
que mal se percebe de um dia para o outro. É
melhor para a nossa humildade não conhecermos
claramente o progresso que fazemos.
O mais importante de tudo é que cada comunhão nos
leve o mais longe possível. Isso exige uma preparação
imediata de cada comunhão, que estimule os nossos
sentimentos de arrependimento, fé, amor e gratidão, que
nos arraste a uma entrega autêntica, para identificarmos a
nossa vontade com a de Deus.
Depois, temos esses preciosos minutos após a
comunhão, em que Nosso Senhor Jesus nos tem,
poderíamos dizer, abraçados.
A ação de graças da comunhão significa
renovarmos as nossas promessas de amor e
gratidão, significa perguntarmo-nos valentemente:
“Senhor, que queres que eu faça?”, e escutarmos
com mais valentia ainda a resposta que virá.
Há um ponto final que convém ter presente: podemos
comungar com muita frequência; podemos preparar-nos
adequadamente para a comunhão e depois dar graças com
generosidade; podemos estar tratando sinceramente de
comunhão em comunhão, de pôr em prática os nossos
propósitos e, apesar de tudo isso (ou talvez por causa
disso), sentirmo-nos insatisfeitos conosco próprios. Então,
não nos limitemos a exclamar: “Com tantas comunhões,
como devia ser melhor!” Perguntemo-nos também: “Sem
tantas comunhões, que seria de mim?”
Perguntas
www.conhecendominhafe.blogspot.com.br
1. Por que a Eucaristia é banquete pascal?
2. Quais são os efeitos da Comunhão?
3. Quem pode comungar?
4. Com que frequência me é permitido comungar?
5. Com que frequência tenho a obrigação de comungar?
6. Com que frequência deveria comungar?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os sacramentos da igreja - Aula 11
Os sacramentos da igreja - Aula 11Os sacramentos da igreja - Aula 11
Os sacramentos da igreja - Aula 11
Rubens Júnior
 
Introdução aos sacramentos 09.04.13
Introdução aos sacramentos   09.04.13Introdução aos sacramentos   09.04.13
Introdução aos sacramentos 09.04.13
Daiane Costa
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Os 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos CatólicosOs 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos Católicos
Adalberto Queiroz
 
O sacramento do Crisma
O sacramento do CrismaO sacramento do Crisma
O sacramento do Crisma
António José Fonseca
 
Unção enfermos
Unção enfermosUnção enfermos
Unção enfermos
António José Fonseca
 
Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04
Rubens Júnior
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Os sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vidaOs sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vida
Juliana Cristina M. Muniz
 
Sacramentos e batismo
Sacramentos e batismoSacramentos e batismo
Sacramentos e batismo
Eric Araújo
 
Crisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoCrisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativo
Rafael Maciel
 
Introdução aos sacramentos
Introdução aos sacramentosIntrodução aos sacramentos
Introdução aos sacramentos
Jean
 
Os sacramentos da igreja - Aula 05
Os sacramentos da igreja - Aula 05Os sacramentos da igreja - Aula 05
Os sacramentos da igreja - Aula 05
Rubens Júnior
 
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Rubens Júnior
 
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
Catequese Anjos dos Céus
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
Si Leão
 
Os Sacramentos
Os SacramentosOs Sacramentos
Os Sacramentos
Eric Araújo
 
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianosOs sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Presentepravoce SOS
 
25 Os Setes Sacramentos Da Igreja
25  Os Setes Sacramentos Da Igreja25  Os Setes Sacramentos Da Igreja
25 Os Setes Sacramentos Da Igreja
p1guarei
 
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
Léo Mendonça
 

Mais procurados (20)

Os sacramentos da igreja - Aula 11
Os sacramentos da igreja - Aula 11Os sacramentos da igreja - Aula 11
Os sacramentos da igreja - Aula 11
 
Introdução aos sacramentos 09.04.13
Introdução aos sacramentos   09.04.13Introdução aos sacramentos   09.04.13
Introdução aos sacramentos 09.04.13
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Os 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos CatólicosOs 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos Católicos
 
O sacramento do Crisma
O sacramento do CrismaO sacramento do Crisma
O sacramento do Crisma
 
Unção enfermos
Unção enfermosUnção enfermos
Unção enfermos
 
Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Os sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vidaOs sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vida
 
Sacramentos e batismo
Sacramentos e batismoSacramentos e batismo
Sacramentos e batismo
 
Crisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoCrisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativo
 
Introdução aos sacramentos
Introdução aos sacramentosIntrodução aos sacramentos
Introdução aos sacramentos
 
Os sacramentos da igreja - Aula 05
Os sacramentos da igreja - Aula 05Os sacramentos da igreja - Aula 05
Os sacramentos da igreja - Aula 05
 
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01
 
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
 
Os Sacramentos
Os SacramentosOs Sacramentos
Os Sacramentos
 
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianosOs sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
 
25 Os Setes Sacramentos Da Igreja
25  Os Setes Sacramentos Da Igreja25  Os Setes Sacramentos Da Igreja
25 Os Setes Sacramentos Da Igreja
 
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
 

Destaque

Esquema da-missa
Esquema da-missaEsquema da-missa
Esquema da-missa
Jadson Costa
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Samuel Elanio
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
Francisco Rodrigues
 
Crisma para adultos aula1
Crisma para adultos aula1Crisma para adultos aula1
Crisma para adultos aula1
Sara Laurido
 
Natal na estonia1
Natal na estonia1Natal na estonia1
Natal na estonia1
Natercia
 
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Rodrigo F Menegatti
 
2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre
2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre
2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre
Jefferson Evangelista
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
Gcom digital factory
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
Jean
 
A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
Jean
 

Destaque (10)

Esquema da-missa
Esquema da-missaEsquema da-missa
Esquema da-missa
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
 
Crisma para adultos aula1
Crisma para adultos aula1Crisma para adultos aula1
Crisma para adultos aula1
 
Natal na estonia1
Natal na estonia1Natal na estonia1
Natal na estonia1
 
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
 
2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre
2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre
2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
 
A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
 

Semelhante a Os sacramentos da igreja - Aula 06

O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?
Juliana Cristina M. Muniz
 
Aula26 130816134324-phpapp01
Aula26 130816134324-phpapp01Aula26 130816134324-phpapp01
Aula26 130816134324-phpapp01
Gildemar Silva
 
SLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdf
SLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdfSLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdf
SLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdf
LuizEduardo136978
 
O Batismo no Espírito.docx
O Batismo no Espírito.docxO Batismo no Espírito.docx
O Batismo no Espírito.docx
ssusercf733f2
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
JNR
 
Mensagem do papa para a quaresma 2013
Mensagem do papa para a quaresma 2013Mensagem do papa para a quaresma 2013
Mensagem do papa para a quaresma 2013
Comunidades Vivas
 
ADORAÇÃO-CARISMAS-ESPÍRITO SANTO -CIC - CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
ADORAÇÃO-CARISMAS-ESPÍRITO SANTO -CIC - CATECISMO DA IGREJA CATÓLICAADORAÇÃO-CARISMAS-ESPÍRITO SANTO -CIC - CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
ADORAÇÃO-CARISMAS-ESPÍRITO SANTO -CIC - CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
GRUPO DE ORAÇÃO ANJO RAFAEL
 
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
Helio Diniz
 
Mensaje cuaresma 2013 portugués
Mensaje cuaresma 2013 portuguésMensaje cuaresma 2013 portugués
Mensaje cuaresma 2013 portugués
Davinia Martínez
 
Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013
eusouaimaculada
 
EUCARISTIA.pptx
EUCARISTIA.pptxEUCARISTIA.pptx
EUCARISTIA.pptx
DINAMRCIACHAVES
 
Deus requer santificação aos cristãos 3
Deus requer santificação aos cristãos 3Deus requer santificação aos cristãos 3
Deus requer santificação aos cristãos 3
Silvio Dutra
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Os Sacramentos da Nova Lei Instituídos por Jesus
Os Sacramentos da Nova Lei Instituídos por JesusOs Sacramentos da Nova Lei Instituídos por Jesus
Os Sacramentos da Nova Lei Instituídos por Jesus
Walben
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Cristo, nosso Alimento
Cristo, nosso AlimentoCristo, nosso Alimento
Cristo, nosso Alimento
Silvio Dutra
 
Santa ceia a igreja esta fazendo isso errado!
Santa ceia   a igreja esta fazendo isso errado!Santa ceia   a igreja esta fazendo isso errado!
Santa ceia a igreja esta fazendo isso errado!
Alessandro Dias
 
Jornal março corrigido
Jornal março corrigidoJornal março corrigido
Jornal março corrigido
saojosepascom
 
Traducaoknox libre
Traducaoknox libreTraducaoknox libre
Traducaoknox libre
Jonatas Mendes
 
Carismatismo super-emotivo
Carismatismo super-emotivoCarismatismo super-emotivo
Carismatismo super-emotivo
Tradição Católica no Brasil
 

Semelhante a Os sacramentos da igreja - Aula 06 (20)

O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?
 
Aula26 130816134324-phpapp01
Aula26 130816134324-phpapp01Aula26 130816134324-phpapp01
Aula26 130816134324-phpapp01
 
SLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdf
SLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdfSLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdf
SLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdf
 
O Batismo no Espírito.docx
O Batismo no Espírito.docxO Batismo no Espírito.docx
O Batismo no Espírito.docx
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
 
Mensagem do papa para a quaresma 2013
Mensagem do papa para a quaresma 2013Mensagem do papa para a quaresma 2013
Mensagem do papa para a quaresma 2013
 
ADORAÇÃO-CARISMAS-ESPÍRITO SANTO -CIC - CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
ADORAÇÃO-CARISMAS-ESPÍRITO SANTO -CIC - CATECISMO DA IGREJA CATÓLICAADORAÇÃO-CARISMAS-ESPÍRITO SANTO -CIC - CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
ADORAÇÃO-CARISMAS-ESPÍRITO SANTO -CIC - CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
 
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
 
Mensaje cuaresma 2013 portugués
Mensaje cuaresma 2013 portuguésMensaje cuaresma 2013 portugués
Mensaje cuaresma 2013 portugués
 
Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013
 
EUCARISTIA.pptx
EUCARISTIA.pptxEUCARISTIA.pptx
EUCARISTIA.pptx
 
Deus requer santificação aos cristãos 3
Deus requer santificação aos cristãos 3Deus requer santificação aos cristãos 3
Deus requer santificação aos cristãos 3
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Os Sacramentos da Nova Lei Instituídos por Jesus
Os Sacramentos da Nova Lei Instituídos por JesusOs Sacramentos da Nova Lei Instituídos por Jesus
Os Sacramentos da Nova Lei Instituídos por Jesus
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Cristo, nosso Alimento
Cristo, nosso AlimentoCristo, nosso Alimento
Cristo, nosso Alimento
 
Santa ceia a igreja esta fazendo isso errado!
Santa ceia   a igreja esta fazendo isso errado!Santa ceia   a igreja esta fazendo isso errado!
Santa ceia a igreja esta fazendo isso errado!
 
Jornal março corrigido
Jornal março corrigidoJornal março corrigido
Jornal março corrigido
 
Traducaoknox libre
Traducaoknox libreTraducaoknox libre
Traducaoknox libre
 
Carismatismo super-emotivo
Carismatismo super-emotivoCarismatismo super-emotivo
Carismatismo super-emotivo
 

Último

9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 

Último (15)

9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 

Os sacramentos da igreja - Aula 06

  • 2. Porque é que a Eucaristia é banquete pascal? A Eucaristia é o banquete pascal, porque Cristo, pela realização sacramental da sua Páscoa, nos dá o seu Corpo e o seu Sangue, oferecidos como alimento e bebida, e nos une a si e entre nós no seu sacrifício.
  • 3. Introdução  Os primeiros cristãos encontravam a razão do seu heroísmo na Eucaristia. A Comunhão dava-lhes alento e fortaleza para defender a sua fé até ao martírio.  Nós devemos tratar a Eucaristia com a mesma fé, respeito e amor com que tratavam a Eucaristia os primeiros cristãos, a Virgem, os santos.
  • 5. O sacrifício eucarístico e a comunhão O sacramento da Sagrada Eucaristia foi instituído como alimento espiritual. Por isso, o sinal externo desse sacramento são as aparências do pão e do vinho, sinais de alimento, como o sinal externo do Batismo, a água, é sinal de limpeza. A ação pela qual nós, como indivíduos, recebemos a Sagrada Eucaristia é uma ação de comer: ingerimos as aparências do pão e do vinho sob as quais Jesus está realmente presente. Esta ação chama-se Comunhão. Se a Eucaristia é um alimento espiritual, é de supor-se que produza na alma efeitos semelhantes aos que o alimento material produz no corpo.
  • 6. O primeiro e o mais importante dos efeitos do alimento material é tornar-se uma só coisa com quem o come; transforma-se na substância da pessoa que o ingere e torna-se parte dela. Na Sagrada Comunhão passa-se espiritualmente algo de parecido, mas com uma grande diferença. Opera-se uma união entre a pessoa e o alimento, mas, neste caso, é o indivíduo quem se une ao alimento, mais do que o alimento ao indivíduo. O inferior une-se ao superior: tornamo-nos uma só coisa com Cristo.
  • 7. A nossa união sacramental com Cristo não consiste na mera união física entre o nosso corpo e a Sagrada Hóstia que recebemos. É antes a união mística e espiritual da alma com Jesus, operada pela divina virtude do amor mediante contato físico com o sagrado Corpo de Jesus. Este efeito – a incorporação mística da alma a Jesus por meio da caridade – produz-se opere operato, como dizem os teólogos. Quer dizer, produz-se pela virtude do próprio sacramento, sem esforço da nossa parte. Se não opomos barreira à sua ação – como seriam as barreiras da falta de fé ou do pecado – ao recebermos a comunhão unimo-nos infalivelmente de um modo íntimo a Jesus pelo laço da caridade.
  • 8. Esta maravilhosa fusão da alma com Jesus é de um tipo muito especial. Evidentemente, não nos tornamos “parte de Deus”, não nos unimos a Jesus por uma união hipostática como a que existe entre a sagrada Humanidade de Cristo e a sua Natureza Divina. A união com Jesus que a Sagrada Comunhão opera em nós é de um tipo único na sua espécie. É muito mais que a união “ordinária” com Deus que o Espírito Santo estabelece em nós pela graça santificante, mas é menos que a união final e da máxima intimidade de que gozaremos no céu com a visão beatífica. A união não é nem hipostática nem beatífica: é muito simplesmente Comunhão.
  • 9. Ao unirmo-nos a Cristo nessa união íntima e pessoal, uma união tão particular, unimo-nos também a todos os que estão “em” Cristo, aos outros membros do seu Corpo Místico. A união com Cristo na Sagrada Comunhão é o laço de caridade que nos faz uma só coisa com o próximo. Não podemos experimentar um crescimento no amor a Deus, que a nossa união com Deus nos comunica, sem experimentar ao mesmo tempo um crescimento no amor ao próximo.
  • 10. O próprio sinal desse sacramento simboliza a nossa absoluta unidade com Cristo. Muitos grãos de trigo se juntaram no pão que se converterá no Corpo de Cristo. Muitos grãos de uva foram espremidos juntos para encher o cálice que conterá o Sangue de Cristo. Somos muitos num. E esse Um é Cristo.
  • 11. O amor a Deus e ao próximo não é um amor sentimental nem, necessariamente, emocional. Podemos crescer em amor a Deus e ao próximo sem “sentir” a emoção que se sente nas relações humanas de afeto. Aliás, a emoção é um guia de pouca confiança. Não devemos preocupar-nos se a nossa emotividade permaneceu inalterada; devemos medir a eficácia das nossas comunhões frequentes pela melhora do nosso modo de ser e de agir.
  • 12. Efeitos da Comunhão O primeiro efeito da Comunhão é o crescimento espiritual que se produz pelos repetidos incrementos de graça santificante que a Sagrada Comunhão comunica. É próprio de cada sacramento dar ou aumentar a graça santificante. No entanto, cada um dos outros sacramentos tem um fim específico próprio, além de conferir a graça santificante. O Batismo apaga o pecado original, a Penitência perdoa o pecado atual, a Confirmação fortalece a fé, o Matrimônio santifica os esposos, e assim por diante. Mas a Sagrada Eucaristia é um sacramento cujo fim especial é aumentar a graça santificante, repetida e frequentemente, por meio da união pessoal com o próprio Autor da graça. Esta a razão pela qual a Eucaristia é o sacramento por excelência do crescimento espiritual: aumenta-nos a estatura e a força espirituais.
  • 13. Tal como o alimento corporal serve para restaurar as forças perdidas, assim também a Eucaristia fortifica a caridade que, na vida quotidiana, tende a enfraquecer; e esta caridade vivificada apaga os pecados veniais. Dando-Se a nós, Cristo reaviva o nosso amor e torna-nos capazes de quebrar as ligações desordenadas às criaturas e radicar-nos n’Ele.
  • 14. Pela mesma caridade que acende em nós a Eucaristia preserva-nos dos pecados mortais futuros. Quanto mais participarmos na vida de Cristo e progredirmos na sua amizade, mais difícil nos será romper com Ele pelo pecado mortal. A Eucaristia não está ordenada para o perdão dos pecados mortais; isso é próprio do sacramento da Reconciliação. O que é próprio da Eucaristia é ser o sacramento daqueles que estão em plena comunhão com a Igreja.
  • 15. A Sagrada Comunhão tem ainda um efeito adicional que ajuda a preservar-nos do pecado mortal. Atua sobre o que os teólogos denominam “a proclividade para a concupiscência”. A concupiscência é essa tendência para o pecado que é herança comum de todo o gênero humano em resultado da queda de Adão. É a atração das paixões desordenadas que puxam para baixo, é o embate dos impulsos rebeldes que controlamos inadequadamente, é a tendência para a soberba da vontade, que quer seguir o seu caminho sem contar com Deus. Esta concupiscência, esta inclinação para o pecado, debilita-se em nós quando recebemos o sacramento da Sagrada Eucaristia. Quando nos aproximamos mais e mais de Jesus pela comunhão frequente, notamos que a força de atração da concupiscência diminui e o poder da tentação de debilita.
  • 16. Finalmente, como toda boa alimentação, a Sagrada Comunhão anima-nos a trabalhar. Quem comunga com frequência, bem preparado e com fruto, não pode ficar encerrado em si mesmo. O seu horizonte espiritual vai se abrindo mais e mais ao amor de Deus, e sente a urgência de fazer coisas por Cristo e com Cristo; fortalecido pelas graças da Sagrada Comunhão, converte-se num cristão apóstolo.
  • 17. Quem pode comungar? Todo o católico que tenha alcançado o uso da razão e possua o necessário conhecimento pode e deve receber o sacramento da Sagrada Eucaristia. Considera-se que uma criança chegou ao uso da razão quando é capaz de distinguir (pelo menos até certo ponto) a diferença entre o bem e o mal morais.
  • 18. Como regra “a olho”, aceita-se que, comumente, uma criança entra no uso da razão aos sete anos de idade. Mas são poucas as crianças “comuns”. Tanto mental como fisicamente umas se desenvolvem mais depressa ou mais devagar que outras. Cada criança tem a sua medida pessoal de desenvolvimento. É reponsabilidade dos pais e educadores determinar quando a criança atingiu idade suficiente para receber o sacramento da Sagrada Eucaristia.
  • 19. Os doentes mentais que tenham perdido por completo o contato com a realidade não podem comungar. Se têm períodos de lucidez, em que raciocinam com coerência, podem receber a Sagrada Comunhão nesses intervalos. Também podem fazê-lo se a doença é apenas parcial e ainda são capazes de distinguir a Sagrada Eucaristia do pão comum.
  • 20. A profundidade de conhecimento requerida para receber a Sagrada Comunhão dependerá da capacidade mental de cada indivíduo. Evidentemente, uma criança de sete anos não captará a natureza da Sagrada Eucaristia tão plenamente como um adulto, e uma pessoa menos esclarecida pode não compreender as verdades da fé tão claramente como uma pessoa mais esclarecida. Como mínimo, quem vai comungar deve saber (e crer) as verdades divinas que são imprescindíveis para a salvação: o conhecimento de Deus Uno e Deus Trino, que premia a verdade e castiga o pecado; e de Jesus Cristo, Deus e homem, nosso Redentor.
  • 21. Se comungamos movidos por uma intenção reta, e com a alma livre de pecado mortal, recebemos infalivelmente a graça do sacramento. A quantidade de graça recebida dependerá da perfeição das nossas disposições. Quanto mais ardente for o nosso amor por Jesus Cristo, quanto menos pecados veniais tivermos, e quanto mais incondicional for a nossa entrega a Deus, maior será a graça que receberemos.
  • 22. O jejum eucarístico Quando vamos comungar, devemos abster-nos de qualquer alimento e bebida uma hora antes de recebermos a Sagrada Comunhão (a água natural não quebra o jejum, e pode-se tomá-la sem limite de tempo). Deve-se notar que a lei especifica que seja uma hora antes de comungar, e não uma hora antes da missa. Assim, se uma pessoa pensa comungar na missa das oito horas da manhã, e sabe que a Sagrada Comunhão não será distribuída antes das oito horas e quarenta minutos, pode comer e beber até às sete horas e quarenta minutos.
  • 23. O Código de Direito Canônico estabeleceu que as pessoas idosas ou enfermas, bem como as que dela cuidam, podem receber a Santíssima Eucaristia mesmo tendo tomado algo na hora imediatamente anterior. Quando se diz que uma pessoa doente pode tomar remédios sem limite de tempo, não se está pensando apenas em doenças graves. Uma dor de cabeça justifica que tomemos uma aspirina antes de irmos à missa; uma tosse rebelde autoriza a tomar um xarope medicinal; uma afecção cardíaca crônica permite o uso dos comprimidos prescritos.
  • 24. Para aplicarmos estas especiais concessões aos doentes, não é necessário obtermos autorização de um sacerdote. Se estamos doentes, podemos utilizar sem outras condições os privilégios concedidos aos enfermos. E, visto a lei não estabelecer um especial grau de doença, podemos utilizar esses privilégios mesmo que a nossa enfermidade seja leve. Uma pessoa em perigo de morte pode comungar sem necessidade de jejum de qualquer tipo.
  • 25. Conselhos práticos para comungar O nosso aspecto externo deve estar de acordo com as adequadas disposições interiores. A mais elementar cortesia exige que, quando nos aproximamos da Comunhão, estejamos limpos de corpo e de roupa. O mesmo ocorre com a modéstia no vestir. Os que querem visitar a rainha da Inglaterra devem sujeitar-se a um protocolo rígido; e ninguém sonharia em entrevistar-se com o Presidente da República vestido de calças curtas e camisa esporte. O Rei dos reis tem incomparavelmente mais direito às manifestações externas de reverência e respeito. Não é pedantismo nem beatice, mas piedade da mais elementar, a que proíbe as sumárias peças e os vestidos decotados para nos aproximarmos da Comunhão.
  • 26. Aqueles que comungam diretamente na boca – ajoelhados ou de pé – devem inclinar a cabeça ligeiramente para trás, abrir suficientemente a boca e por a língua por cima das bordas do lábio inferior. Onde está autorizada a prática de receber a comunhão na mão, os que desejam recebê-la assim devem apresentar a mão esquerda com a palma aberta sobre a palma da mão direita. Ali será depositada a Sagrada Hóstia, que deverá ser tomada com a máxima reverência com o indicador e o polegar da mão direita, e levada à boca antes de sair do lugar. As normas vigentes não permitem em caso algum que o próprio fiel tome diretamente a Hóstia do cibório ou do altar ou que a receba com os dedos em pinça. E a Igreja estabeleceu que, mesmo nos lugares onde se dá legitimamente a comunhão na mão, qualquer fiel tem o direito – que deve ser respeitado pelo sacerdote – de receber a Sagrada Comunhão na boca.
  • 27. Quer mastiguemos a Sagrada Hóstia ou não, o que devemos garantir é que a engulamos, já que a Sagrada Eucaristia é alimento espiritual, e, para recebê-lo, temos de comê-la. Se quiséssemos que a Sagrada Hóstia se dissolvesse completamente na boca, de modo que já não conservasse as aparências de pão, não receberíamos a Sagrada Comunhão nem as graças que esse sacramento nos confere. Devemos, pois, manter a Sagrada Hóstia na boca apenas o tempo suficiente para que se umedeça e a possamos ingerir.
  • 28.  Com que frequência me é permitido comungar?  Com que frequência tenho obrigação de comungar?  Com que frequência deveria comungar?
  • 29. A norma geral autoriza a comungar até mais de uma vez por dia; só precisa que, “quem já recebeu a Santíssima Eucaristia, pode recebê-la de novo no mesmo dia unicamente dentro da celebração eucarística na qual participe.” (CDC, cân 917) Temos obrigação de comungar uma vez por ano pela Páscoa (desde a Quarta-feira de Cinzas até o domingo de Pentecostes) e em perigo de morte. Omitir deliberadamente a comunhão em qualquer desses casos é pecado grave.
  • 30. Deveria comungar com a frequência que me fosse possível; o ideal seria que fosse diariamente. A Sagrada Eucaristia é o nosso alimento e, pelo menos, deveríamos ter tanto interesse em alimentar a nossa alma como em alimentar o nosso corpo; ora, ninguém passa muito tempo sem tomar uma refeição. A Sagrada Eucaristia é também garantia de felicidade eterna, se a recebermos regularmente e com razoável frequência, todos os dias, se pudermos.
  • 31. Suponhamos que estamos preparados por dentro e por fora para fazer uma comunhão digna. Podemos perguntar-nos: “Quantas graças poderei receber quando comungar?” Cada comunhão contém um depósito inesgotável de graças: quem está presente na Sagrada Eucaristia é Jesus Cristo, e Jesus Cristo é Deus, e Deus é infinito, e pode conceder graças infinitas. Mas o total de graças que cada indivíduo recebe numa comunhão depende da capacidade que esse indivíduo tenha.
  • 32. A nossa alma tem uma capacidade limitada para a graça. Como criatura finita que é, nenhuma alma humana pode ter capacidade infinita para a graça, nenhuma alma está em condições de absorver toda a graça que uma comunhão põe à sua disposição. Mas isto não quer dizer que em cada uma das nossas comunhões estejamos conseguindo toda a graça que nos é possível. Não quer dizer que não possamos aumentar a nossa capacidade de adquirir graça. Só Deus sabe qual é a capacidade máxima de graça de uma alma. Mas todos podemos ter a certeza de ainda não a havermos alcançado.
  • 33. Aumentamos a nossa capacidade de graça quando tiramos os obstáculos à graça que embaraçam a nossa alma. O primeiro e o maior deles é o apego ao pecado venial (uma comunhão digna pressupõe ausência de pecado mortal). Enquanto houver um só pecado venial que não queiramos abandonar, estaremos reduzindo a capacidade de graça da nossa alma.
  • 34. Uma vez livres do pecado venial, ainda resta a luta contra as imperfeições, essas falhas que mostram que o nosso amor a Deus não é ainda de todo o coração. Pode haver em nós desleixo ou desinteresse na nossa oração, resistência egoísta em ajudar o próximo, falta de esforço para vencer a nossa irritabilidade ou impaciência, certa vaidade infantil nas nossas atitudes ou nos nossos talentos.
  • 35. Que podemos fazer com esses pecados e imperfeições? Pôr um pouco mais de esforço e receber a Sagrada Comunhão com maior frequência. Um efeito maravilhoso da graça da comunhão é que nos purifica e fortalece contra as mesmas coisas que a impedem de agir. Com um pequeno esforço da nossa parte, cada Sagrada Comunhão prepara o caminho para maiores graças na seguinte. Cada comunhão edifica sobre a anterior.
  • 36. É verdade que o Senhor podia, por um milagre da sua graça, fazer de um pecador um santo com uma só comunhão. Mas, normalmente, permite que o crescimento na santidade seja um crescimento orgânico, gradual e estável como o de uma criança, que mal se percebe de um dia para o outro. É melhor para a nossa humildade não conhecermos claramente o progresso que fazemos.
  • 37. O mais importante de tudo é que cada comunhão nos leve o mais longe possível. Isso exige uma preparação imediata de cada comunhão, que estimule os nossos sentimentos de arrependimento, fé, amor e gratidão, que nos arraste a uma entrega autêntica, para identificarmos a nossa vontade com a de Deus.
  • 38. Depois, temos esses preciosos minutos após a comunhão, em que Nosso Senhor Jesus nos tem, poderíamos dizer, abraçados. A ação de graças da comunhão significa renovarmos as nossas promessas de amor e gratidão, significa perguntarmo-nos valentemente: “Senhor, que queres que eu faça?”, e escutarmos com mais valentia ainda a resposta que virá.
  • 39. Há um ponto final que convém ter presente: podemos comungar com muita frequência; podemos preparar-nos adequadamente para a comunhão e depois dar graças com generosidade; podemos estar tratando sinceramente de comunhão em comunhão, de pôr em prática os nossos propósitos e, apesar de tudo isso (ou talvez por causa disso), sentirmo-nos insatisfeitos conosco próprios. Então, não nos limitemos a exclamar: “Com tantas comunhões, como devia ser melhor!” Perguntemo-nos também: “Sem tantas comunhões, que seria de mim?”
  • 41. www.conhecendominhafe.blogspot.com.br 1. Por que a Eucaristia é banquete pascal? 2. Quais são os efeitos da Comunhão? 3. Quem pode comungar? 4. Com que frequência me é permitido comungar? 5. Com que frequência tenho a obrigação de comungar? 6. Com que frequência deveria comungar?