SlideShare uma empresa Scribd logo
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 “Os Maias” de Eça de Queirós
» Título e Subtítulo
» A Ação
Escola Secundária de Santa Maria da Feira
Português – 11º Ano
Abril 2013
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Índice
 Introdução;
 Arquitetura do Romance;
 Título – Intriga (Principal e Secundária);
 Subtítulo – Crónica de Costumes;
 Recorda – Categorias da Narrativa;
 Relevo;
 Delimitação;
 Estrutura da Ação;
 Organização das Sequência Narrativas;
 Palavras Cruzadas;
 Conclusão;
 Bibliografia e Webgrafia.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Introdução
Com a realização deste trabalho proposto no âmbito da disciplina de
Português, o grupo pretende dar a conhecer aos restantes elementos da
turma, os temas A Ação e o Título e Subtítulo da obra “Os Maias” de Eça
de Queirós.
A obra -prima de Eça de Queirós, publicada em 1888, e uma das
mais importantes de toda a literatura narrativa portuguesa. É um romance
realista (e naturalista) onde não faltam o fatalismo, a análise social, as
peripécias e a catástrofe próprias do enredo passional.
A obra ocupa-se da história de uma família (Maia) ao longo de três
gerações, centrando-se depois na última geração e dando relevo aos
amores incestuosos de Carlos da Maia e Maria Eduarda. Mas a história é
também um pretexto para o autor fazer uma crítica à situação decadente
do país a nível político e cultural e á alta burguesia lisboeta oitocentista,
por onde perpassa um humor (ora fino, ora satírico) que configura a
derrota e o desengano de todas as personagens.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Arquitetura do
Romance
Chave :
1- Introdução : marco inicial da ação ; O Ramalhete ; Afonso.
2- Preparação :
a) Juventude de Afonso;
b) Infância de Pedro ;
c) Juventude, amores e suicidio de Pedro;
d) Infância e educação de Carlos;
e) Carlos estudante em Coimbra;
f) Primeira viagem de Carlos.
3- Ação.
4- Epílogo:
a) Viagem de Carlos e de Ega (1877-1878 )
b) Cenas da estada de Carlos em Lisboa, oito anos depois (1887)
Setas verticais ascendentes: indicam a cronologia do narrado.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
Curvas a tracejado: indicam analepses completivas e repetitivas.
Segundo Gérar Genette analepses completivas e repetitivas significam,
respetivamente, «segmentos retrospetivos que vêm preencher lacunas
anteriores da narrativa» e « alusões da narrativa ao seu próprio passado»
. Nas últimas, ou seja, nas repetitivas, evocam-se figuras ou situações já
conhecidas não só pelas personagens como também pelos leitores.
A ação inicia-se com a alteração do ritmo narrativo, sendo que as
páginas anteriores são uma simples preparação e introdução à história,
em flashback, centrada em Afonso da Maia . Esta ação não abrange meio
século mas sim, e apenas, catorze meses, ou seja, do Outono de 1875 a
fins de 1876. De 1820 a 1875 são ocupadas poucas páginas, comparadas
com as da ação, que ocupa uma vastidão de páginas e quase quatro
quintos da obra.
Na introdução, que começa no Outono de 1875, é descrito o
Ramalhete e é retratada também a mudança de Carlos e Afonso para este
mesmo, após a formação de Carlos em medicina. Segue-se da analalepse,
isto é, de um recuo no tempo. Esta pertence à preparação e nela estão
contidas as narrações da juventude de Afonso da Maia, a infância de
Pedro, a juventude e amores de Pedro, o casamento de Pedro com Maria
Monforte e o seu suicidio, a infância e educação de Carlos, a formação de
Carlos em medicina e a sua primeira viagem.
Depois da ação, onde é referida a vida boémia de Carlos e os seus
amores incestuosos por Maria Eduarda, sua irmã, há um epílogo reflexivo
cujas primeiras páginas se referem a consequentes do desfecho, ou seja,
da separação definitiva de Carlos e Maria Eduarda e as outras retratam a
Viagem de Carlos pelo mundo com Ega e a chegada dos dois a Portugal
oito anos depois, em 1887.
O romance está organizado em três dimensões, sendo estas os
antecedentes e evolução da família Maia, a relação incestuosa de Carlos e
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
Maria Eduarda e a visão dos costumes da sociedade lisboeta e portuguesa
nos finais do século XIX, que estão em torno da ação, que é a parte
central.
O Romantismo está presente enquanto forma, estilo de vida e até como
retórica, prolongando-se pelo último quartel do século XIX, referindo-se
ao sarau a favor de todas as vítimas das inundações do Ribatejo, onde o
próprio Alencar declamou. Nesse sarau, como Ega teria previsto, estariam
« todo o pessoal canoro e sentimental do constitucionalismo». Em Carlos,
assim como em vários companheiros da mesma geração, o romantismo
manifesta-se intensamente. Neste verifica-se o amor incestuoso por Maria
Eduarda, não passando este amor por «uma paixão absurda do
romântico» que lhe pusera uma névoa diante dos olhos, para que mais
nada pudesse ver. Verifica-se em Carlos, não só pelos traços fisionómicos,
o filho de Pedro da Maia e de Maria Monforte, apesar de ter tido uma
educação diferente, à moda inglesa e não à tradicional. Ao contrário do
seu pai, quando entrou na desgraça não se suicidou como este tinha feito,
mas levou uma «vida larga de um príncipe artista da Renascença».
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Título e
subtítulo
Se o título e o subtítulo já fazem parte da obra deve articular-se com
ela e contribuir para um efeito global. Trata-se de dois plurais “Os Maias”
e “Episódios da vida romântica”. Representam duas esferas, dois espaços
mentais. Já se disse que nelas se conjugam dois climas muito diferentes, o
da tragédia e o da comédia lisboeta. Conseguiu Eça de facto conciliar
estruturalmente essas duas grandes isotopias, por outras palavras o
transcendente e o terreno, o insólito e o quotidiano, o romeno e o trivial.
Eça de Queirós quis contar a história de uma família, “ Os Maias” através
de várias gerações. O subtítulo indica uma segunda intenção, descrever
certo estilo de vida, o romântico, através de episódios, mas admite duas
hipóteses, que tais episódios pertencem, à história dos Maias, ou que
decorram marginalmente numa sociedade em que a família Maia se
insere, Justifica-se o título “ Os Maias”, na medida em que Carlos, o herói,
mais precisamente, o amante e herói aparece integrado numa família.
Também se justifica o subtítulo “ Episódios de vida romântica”, porque a
personagem oferece-nos múltiplos caso, cenas, atitudes, considerados
típicos dos Romantismos que continua vivaz em 1875/1876. O que não
ficou incluído no título nem no subtítulo foi o elemento de coesão que
reside no facto de tanto “ Os Maias” como esses episódios representarem
uma personagem coberta, Portugal, a grande personagem latente na obra
de Eça, sua obsidente preocupação.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Título – Intriga
O Título – Os Maias
O título Os Maias reporta-se à história da família Maia ao longo de
três gerações.
Primeira geração: a de Afonso da Maia, representante dos
valores antigos, assinalada pela reação contra o absolutismo.
Segunda geração: a de Pedro da Maia, representante da fase
de instauração do Liberalismo.
Terceira geração: a de Carlos da Maia, representante da
decadência dos ideais liberais.
1ª Geração – Afonso da Maria
(Maria Eduarda Runa)
Vítima de Portugal absolutista
2ª Geração – Pedro da Maria
(Maria Monforte)
Representante da fase de instauração
do Liberalismo
3 ª Geração – Carlos da Maria
(Maria Eduarda)
Representante da queda dos ideiais
liberais
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
» Intriga Principal e Intriga Secundária
Vida de Pedro da Maia (intriga
secundária; amores infelizes)
Vida dissoluta
Encontro ocasional com Maria
Monforte
Procura de Mª Monforte
Encontro através de Alencar
Oposição real de Afonso à
“Negreira”
Encontros e casamento
Elemento desencadeador do
drama – o napolitano
Infedilidade de Maria
Monforte – reações de Pedro
Encontro de Pedro com
Afonso e suícidio de Pedro
Vida de Carlos da Maia (intriga
principal; amores incestuosos)
Vida dissoluta
Encontro ocasional com Maria
Eduarda
Procura de Mª Eduarda
Encontro através de Dâmaso
Oposição potencial de Afonso
à “Amante”
Encontros e relações
Elemento desencadeador do
drama – Guimarães
Descoberta do Incesto –
reações de Carlos
Encontro de Carlos com
Afonso e morte de Afonso
O romance d' Os Maias, título que remete para o estudo desta
família fidalga, apresenta duas intrigas.
A intriga principal narra os amores incestuosos entre Carlos da
Maia e Maria Eduarda (a história da terceira geração dos Maias).
A intriga secundária que, organizada em torno da relação amorosa
de Pedro da Maia e Maria Monforte, narra a história da segunda geração
dos Maias.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Subtítulo –
Crónica de Costumes
Em alternância com esta história, nomeadamente com a intriga
principal, desenrolam-se múltiplos episódios a que se costuma chamar a
Crónica de Costumes da vida de Lisboa, aliás sugerida no subtítulo
Episódios da Vida Romântica.
Existe uma relação entre a intriga e a crónica de costumes, por
exemplo, é no Hotel Central que Carlos vê Maria Eduarda. No entanto, a
crónica de costumes como tem autonomia em relação à intriga trata-se de
uma ação aberta, ao passo que a intriga, porque pressupõe desenlace,
constitui uma ação fechada.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Categorias da
Narrativa – Ação
Uma das Categorias da Narrativa é a Ação, e como tal, neste trabalho, o
grupo decidiu recordar com os colegas o conteúdo.
A Ação está dividida em quatro características essênciais, as quais: o
relevo, a delimitação, a estrutura da ação ou sequências da narrativa/ação
e a organização destas.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Relevo
Em “Os Maias”, a narrativa pressupõe duas ações fundamentais: a ação
secundária e a ação principal ou central.
A ação secundária envolve as seguintes personagens consideradas
relevantes: Pedro da Maia, Maria Monforte , Afonso da Maia e Tancredo.
É aqui que Pedro cai em amores por Maria Monforte, a “negreira”.
Namoram e, apesar de Afonso da Maia não autorizar, casam-se e fogem
para o estrangeiro. Mais tarde regressam a Portugal onde se instalam em
Arroios e continuam a sua vida na sociedade. Do casamento de Pedro e
Maria Monforte nascem dois filhos, Carlos e Maria Eduarda.
Apesar de já terem dois filhos, Maria Monforte adia prolongamente o
encontro com o sogro, Afonso da Maia, não tendo com ele qualquer tipo
de relação. Pedro, acidentalmente, fere Tancredo (um amigo italiano) e
este instala-se na sua casa até recuperar.
Durante esse período, Maria Monforte e Tancredo apaixonam-se e fogem,
levando consido apenas a sua filha, Maria Eduarda. Pedro volta para perto
do pai, Afonso, com o seu filho, Carlos da Maia, e conta o sucedido. Nesse
mesmo dia Pedro escreveu uma carta de despedida e suicidou-se,
deixando o seu filho Carlos com o avô, Afonso.
Na ação principal intervêm principalmente as seguintes personagens:
Carlos, Maria Eduarda, Guimarães, Ega e Afonso.
Esta inicia-se quando Carlos vê Maria Eduarda pela primeira vez no Hotel
Central, acompanhada pelo Castro Gomes.
Mais tarde este visita-a, com o objetivo de analisar Rosa e porventura
Sara, e apaixona-se, declarando-lhe assim o seu amor. Os dois viveram
intensamente o amor que sentiam um pelo outro até que Guimarães tem
conhecimento da identidade de Maria Eduarda, quando se encontra com
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
ela. Este informa Ega do sucedido, ou seja, que Maria Eduarda e Carlos
eram irmãos. Por sua vez Ega revelou a Carlos e Carlos a Afonso, que
acaba por morrer no jardim da sua própria casa.
Quando Maria Eduarda descobriu do incesto incosciente que cometera
partiu, nomeadamente para Paris, acabando por se apaixonar e casar lá,
enquanto que Ega e Carlos partiram sem destino fixo e apenas voltaram
para Portugal dez anos depois.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Estrutura da
Ação
N“Os Maias”, a narrativa pressupõe uma estrutura da ação constituída
pela introdução, desenvolvimento e conclusão. Quanto à introdução,
podemos incluir a descrição do Ramalhete e a vida de Afonso da Maia
enquanto jovem. Quanto ao desenvolvimento podemos englobar a
preparação, em que nos é dado a conhecer a infância de Pedro e a sua
vida e a vida de Carlos até ao momento em que este realiza a sua primeira
viagem, e a ação, quem que nos é apresentada a vida adulta de Carlos.
Quanto à conclusão, faz parte desta a viagem de Carlos e Ega e o regresso
a Lisboa de Carlos após 10 de anos de ausência.
O esquema representa de uma forma sucinta a estrutura:
Introdução
Marco inicial da ação ;
O Ramalhete
Juventude de Afonso
da Maia
Desenvolvimento
Preparação: Infância
de Pedro , juventude
de Pedro; Infância e
juventude de Carlos
Ação: Vida adulta de
Carlos
Conclusão
Viagem de Carlos e
Ega (1877/1878)
Regresso a Lisboa de
Carlos , dez anos
depois.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Delimitação
Como já vimos, a ação em “Os Maias” pressupõe dois níveis: a Intriga e a
Crónica de Costumes. Quanto à delimitação da narrativa, na Intriga a
narrativa é fechada e na Crónica de Costumes é aberta. Isto deve-se ao
facto de, na Intriga o desfecho ser conhecido pelo leitor, e em
contrapartida, na Crónica de Costumes este ser desconhecido.
A intriga, quer principal ou secundária, foca os amores de Carlos e Maria
Eduarda, assim como todo o desenrolar das gerações da família Maia,
onde é possível reconhecer o final das personagens. Os eventos sucedem-
se por uma relação de causalidade, existindo um acontecimento final, o
desenlace, que inviabiliza a sua continuação. Afonso da Maia, morre
fisicamente, e Carlos e Maria Eduarda morrem moralmente devido à
descoberta do incesto, sendo por isso designado de ao desfecho trágico.
Sabe-se também que Maria Eduarda se casa e que Carlos se adapta a uma
situação inócua de uma vida de qualidade e bem estar.
Por sua vez, na crónica de costumes a narrativa é considerada aberta
porque nenhum dos episódios impõe um desenlace inultrapassável. A
sociedade do século XIX é criticada por Eça de Queirós onde este, através
de personagens tipo que representam grupos, classes sociais ou
mentalidades, mostra aos leitores o estado de corrupção,
providencialismo e parasitismo da sociedade lisboeta, bem como os seus
costumes e vícios.
Atualmente, os costumes da sociedade continuam a poder ser retratados
e criticados e na crónica de costumes tem autonomia em relação à Intriga,
daí a crónica de costumes ser uma narrativa aberta.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Estrutura da
Narrativa
Na obra que estamos a analisar podemos distinguir a estrutura narrativa
em dois níveis diferentes: o primeiro nível e o segundo nível.
O primeiro nível é a Intriga romanesca. Nesta está inserida a intriga
principal (relação amorosa e incestuosa de Carlos com Maria Eduarda que
levam à desagregação da família, ou seja, à morte de Afonso e à separação
do casal) e a intriga secundária (vida de Pedro da Maia e a sua relação com
Maria Monforte; história de Afonso da Maia ; história da infância e
juventude de Carlos da Maia). Como já foi visto anteriormente são estas
duas ações que constituem a intriga e que justificam o título “Os Maias”.
O segundo nível é a crónica de costumes . Esta crónica, que justifica o
subtítulo « Episódios da vida Romântica», visa criticar a sociedade
Lisboeta (Portugal) nos finais do século XIX e nela constituem cinco
episódios, sendo estes o Jantar no Hotel Central , as Corridas de cavalos
no Hipódromo,o Jantar dos Gouvarinho, a Imprensa e o Sarau na
Trindade.
A ação principal d’ “Os Maias” desenvolve-se segundo os padrões da
tragédia clássica, isto é, contêm uma peripécia, um reconhecimento e uma
catástrofe. A peripécia verificou-se no casual encontro de Maria Eduarda
com Guimarães, com as revelações de Guimarães a Ega sobre a verdadeira
identidade de Maria Eduarda e com as revelações a Carlos e Afonso da
Maia àcerca também da identidade de Maria Eduarda. O reconhecimento,
que foi provocado pelas revelações de Guimarães, tornou a relação de
Carlos e Maria Eduarda incestuosa, levando à catástrofe consumada pela
morte do avô de Carlos, Afonso da Maia , a separação definitiva do casal e
as reflexões de Carlos da Maia e Ega.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Sequência da
Narrativa
Na obra “Os Maias” de Eça de Queirós podemos observar as diversas
sequências narrativas: o encadeamento, o encaixe e a alternância das
ações.
O encadeamento é-nos visível no desenrolar dos amores entre Carlos e
Maria Eduarda, onde as sequências narrativas seguem uma ordem
cronológica, em que cada uma é o ponto de partida da
seguinte.
Um exemplo do encaixe verifica-se através da
narração a Carlos da vida passada de Maria
Eduarda pela própria. Logo uma história (a da
vida de Maria Eduarda) é introduzida no interior
da que estava a ser narrada, a qual é, por isso,
interrompida e prosseguida mais tarde. (Fig. 1)
Quando a ação principal, ou seja, a história dos amores incestuosos de
Maria Eduarda e Carlos da Maia, é interrompida para dar lugar à crónica
de costumes, aos episódios da vida romântica como crítica à sociedade,
estamos perante a alternância, uma vez que as ações são narradas
alternadamente, ou seja, uma é interrompida para dar lugar a outra(s) de
origem diversa, que por sua vez, ficam em suspenso. (Fig. 2)
Fig 1 - Encaixe
Fig. 2 - Alternância
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
Excertos de Exemplos das Sequências
Narrativas
» Encadeamento:
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
Nestes excertos podemos observar o encadeamento, de ordem
temporal cronológica, da Intriga Principal ao longo de toda a
história.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
» Encaixe:
Nestes dois excertos verifica-se que a narração de Maria Eduarda
a Carlos acerca do seu passado e da sua infância, é introduzida
no interior de outra ação, neste caso, pelo diálogo de Carlos e
Maria Eduarda acerca da relação entre esta e o Castro Gomes.
Verifica-se assim um encaixe.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
» Alternância:
É vísivel que a Intriga Principal, ou seja, os amores de Carlos com
Maria Eduarda, é alternada com um episódio da Crónica de
Costumes, neste caso, “As Corridas no Hipódromo”, onde o autor
critica a sociedade lisboeta.
Neste episódio o autor pretende críticar a forma exuberante das
pessoas, pelo facto de estas importarem comportamentos que
não sabem seguir.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Palavras
Cruzadas
Soluções:
1- Carlos;
2- Secundária;
3- Título;
4- Principal;
5- Subtítulo;
6- Fechada;
7- Pedro;
8- Encadeamento;
9- Encaixe;
10- Aberta;
11- Afonso.
Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa
 Conclusão
Este trabalho permitiu-nos analisar de uma forma mais aprofundada a
obra e adquirir um conhecimento mais abrangente d’ Os Maias. Foram
diversos os aspetos que analisamos, tais como a arquitetura do romance,
a estrutura da obra, as categorias da narrativa, o relevo, a delimitação e
sequência narrativa.
Recorremos a uma apresentação mais sucinta do nosso trabalho para a
transmissão dos conhecimentos adquiridos à turma. Além deste, criamos
umas palavras cruzadas para a consolidação dos mesmos.
Fazemos um balanço muito positivo da realização do trabalho escrito
sobre Os Maias.
 Bibliografia
 COSTA, Fernanda; CASTRO, Rogério. Novos Horizontes 12º -
Português A:O Realismo. Porto: Porto Editora.
 MARTINS, Filomena; MOURA, Graça. Página Seguinte - Português
11º ano. Texto Editores.
 Webgrafia
 http://danielaemarta.no.sapo.pt/
 http://www.slideshare.net/PiresdeLima/categorias-narrativa-
9760379
 http://faroldasletras.no.sapo.pt/os_maias_seq_narrat_intr_princ.ht
ml
 http://www.slideshare.net/sebentadigital/narrativa-e-estilo-n-os-
maias

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
António Fernandes
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
Fátima Teixeira Kika
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maias
mauro dinis
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
Iga Almeida
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
mauro dinis
 
Geração de 70
Geração de 70Geração de 70
Geração de 70
inesabento
 
Os maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analiseOs maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analise
keve semedo
 
Os Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaOs Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da Maia
António Fernandes
 
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no HipódromoMaias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
Pedro Oliveira
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
Emília Maij
 
Análise Capitulo XV - Os Maias
Análise Capitulo XV -  Os MaiasAnálise Capitulo XV -  Os Maias
Análise Capitulo XV - Os Maias
monicasantosilva
 
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI. Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Rita Magalhães
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Claudia Ribeiro
 
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A TradeOs Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
Oxana Marian
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Daniel Sousa
 
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Alexandra Soares
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 

Mais procurados (20)

Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maias
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
Geração de 70
Geração de 70Geração de 70
Geração de 70
 
Os maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analiseOs maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analise
 
Os Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaOs Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da Maia
 
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no HipódromoMaias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
 
Análise Capitulo XV - Os Maias
Análise Capitulo XV -  Os MaiasAnálise Capitulo XV -  Os Maias
Análise Capitulo XV - Os Maias
 
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI. Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A TradeOs Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 

Destaque

Os maias análise
Os maias análiseOs maias análise
Os maias análise
luiza1973
 
Os maias a intriga
Os maias   a intrigaOs maias   a intriga
Os maias a intriga
margaridafelisberto
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
LuisMagina
 
Os Maias - Análise
Os Maias - AnáliseOs Maias - Análise
Os Maias - Análise
nelsonalves70
 
Corrida de cavalos2
Corrida de cavalos2Corrida de cavalos2
Corrida de cavalos2
Paula Rebelo
 
Os Maias estrutura
Os Maias estruturaOs Maias estrutura
Os Maias estrutura
CostaIdalina
 
Os Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e IIOs Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e II
sin3stesia
 
Os Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IVOs Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IV
Dina Baptista
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
joanana
 
Educação n' os maias
Educação n' os maiasEducação n' os maias
Educação n' os maias
Ester Pinto Pereira
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
Rita Costa
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
Carolina Costa
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacao
Dina Baptista
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
Aparecida Mallagoli
 
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Os Maias   Episódios da Vida RomânticaOs Maias   Episódios da Vida Romântica
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Patrícia Pereira
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
Dina Baptista
 

Destaque (16)

Os maias análise
Os maias análiseOs maias análise
Os maias análise
 
Os maias a intriga
Os maias   a intrigaOs maias   a intriga
Os maias a intriga
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
Os Maias - Análise
Os Maias - AnáliseOs Maias - Análise
Os Maias - Análise
 
Corrida de cavalos2
Corrida de cavalos2Corrida de cavalos2
Corrida de cavalos2
 
Os Maias estrutura
Os Maias estruturaOs Maias estrutura
Os Maias estrutura
 
Os Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e IIOs Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e II
 
Os Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IVOs Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IV
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
 
Educação n' os maias
Educação n' os maiasEducação n' os maias
Educação n' os maias
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacao
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Os Maias   Episódios da Vida RomânticaOs Maias   Episódios da Vida Romântica
Os Maias Episódios da Vida Romântica
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
 

Semelhante a Os Maias - a ação & titulo e subtítulo

Os Maias - aspetos básicos
Os Maias - aspetos básicosOs Maias - aspetos básicos
Os Maias - aspetos básicos
António Fernandes
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Os Maias de A a Z
Os Maias de A a ZOs Maias de A a Z
Os Maias de A a Z
lumigopereira
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
-Resumos-Dos-Maias.pdf
-Resumos-Dos-Maias.pdf-Resumos-Dos-Maias.pdf
-Resumos-Dos-Maias.pdf
sandrasilvaae6181
 
Memorias Sentimentais de João Miramar - 3ª A - 2011
Memorias Sentimentais de João Miramar - 3ª A - 2011Memorias Sentimentais de João Miramar - 3ª A - 2011
Memorias Sentimentais de João Miramar - 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Jonatas Carlos
 
Tempo Maias
Tempo MaiasTempo Maias
Tempo Maias
Claudia Custodio
 
Eça de Queirós
Eça de QueirósEça de Queirós
Eça de Queirós
Endl Félix Muriel
 
Uel05 Literatura
Uel05 LiteraturaUel05 Literatura
Uel05 Literatura
guest6789389c
 
Romantismo no brasil (poesia)
Romantismo no brasil (poesia)Romantismo no brasil (poesia)
Romantismo no brasil (poesia)
ISJ
 
João da Ega
João da EgaJoão da Ega
João da Ega
Tomás Pinto
 
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Natalia Salgado
 
A literatura romântica.
A literatura romântica.A literatura romântica.
A literatura romântica.
Vanuza Duarte
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
KarinaSouzaCorreiaAl
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
AlessandraSoaresMont
 
O tempo nos maias
O tempo nos maias O tempo nos maias
O tempo nos maias
Claudia Custodio
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
jojopaiva
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
DaianniSilv
 
Biografia bando do 4
Biografia bando do 4Biografia bando do 4
Biografia bando do 4
poletef
 

Semelhante a Os Maias - a ação & titulo e subtítulo (20)

Os Maias - aspetos básicos
Os Maias - aspetos básicosOs Maias - aspetos básicos
Os Maias - aspetos básicos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Os Maias de A a Z
Os Maias de A a ZOs Maias de A a Z
Os Maias de A a Z
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
-Resumos-Dos-Maias.pdf
-Resumos-Dos-Maias.pdf-Resumos-Dos-Maias.pdf
-Resumos-Dos-Maias.pdf
 
Memorias Sentimentais de João Miramar - 3ª A - 2011
Memorias Sentimentais de João Miramar - 3ª A - 2011Memorias Sentimentais de João Miramar - 3ª A - 2011
Memorias Sentimentais de João Miramar - 3ª A - 2011
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Tempo Maias
Tempo MaiasTempo Maias
Tempo Maias
 
Eça de Queirós
Eça de QueirósEça de Queirós
Eça de Queirós
 
Uel05 Literatura
Uel05 LiteraturaUel05 Literatura
Uel05 Literatura
 
Romantismo no brasil (poesia)
Romantismo no brasil (poesia)Romantismo no brasil (poesia)
Romantismo no brasil (poesia)
 
João da Ega
João da EgaJoão da Ega
João da Ega
 
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
 
A literatura romântica.
A literatura romântica.A literatura romântica.
A literatura romântica.
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
O tempo nos maias
O tempo nos maias O tempo nos maias
O tempo nos maias
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
 
Biografia bando do 4
Biografia bando do 4Biografia bando do 4
Biografia bando do 4
 

Mais de Daniela Filipa Sousa

80s decade
80s decade80s decade
Produção de proteínas farmacêuticas
Produção de proteínas farmacêuticas Produção de proteínas farmacêuticas
Produção de proteínas farmacêuticas
Daniela Filipa Sousa
 
The Eighties
The Eighties The Eighties
The Eighties
Daniela Filipa Sousa
 
O menino da sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
O menino da  sua mãe - Fernando Pessoa OrtonimoO menino da  sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
O menino da sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
Daniela Filipa Sousa
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
Daniela Filipa Sousa
 
Tuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano BiologiaTuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano Biologia
Daniela Filipa Sousa
 
Mutações - Biologia 12º
Mutações - Biologia 12º Mutações - Biologia 12º
Mutações - Biologia 12º
Daniela Filipa Sousa
 
Relatório da visita ao Geoparque de Arouca
Relatório da visita ao Geoparque de AroucaRelatório da visita ao Geoparque de Arouca
Relatório da visita ao Geoparque de Arouca
Daniela Filipa Sousa
 
Sandro Botticelli - O nascimento de vénus
Sandro Botticelli - O nascimento de vénusSandro Botticelli - O nascimento de vénus
Sandro Botticelli - O nascimento de vénus
Daniela Filipa Sousa
 
biologia 12º - Metodos contracetivos
biologia 12º - Metodos contracetivosbiologia 12º - Metodos contracetivos
biologia 12º - Metodos contracetivos
Daniela Filipa Sousa
 
Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes  Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes
Daniela Filipa Sousa
 
Ana and mia
Ana and mia Ana and mia
Ana and mia
Daniela Filipa Sousa
 
poema bucólica
poema bucólicapoema bucólica
poema bucólica
Daniela Filipa Sousa
 
Quem foi Padre António Vieira
Quem foi Padre António VieiraQuem foi Padre António Vieira
Quem foi Padre António Vieira
Daniela Filipa Sousa
 
Evolucionismo vs Fixismo
Evolucionismo vs Fixismo Evolucionismo vs Fixismo
Evolucionismo vs Fixismo
Daniela Filipa Sousa
 

Mais de Daniela Filipa Sousa (15)

80s decade
80s decade80s decade
80s decade
 
Produção de proteínas farmacêuticas
Produção de proteínas farmacêuticas Produção de proteínas farmacêuticas
Produção de proteínas farmacêuticas
 
The Eighties
The Eighties The Eighties
The Eighties
 
O menino da sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
O menino da  sua mãe - Fernando Pessoa OrtonimoO menino da  sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
O menino da sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
 
Tuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano BiologiaTuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano Biologia
 
Mutações - Biologia 12º
Mutações - Biologia 12º Mutações - Biologia 12º
Mutações - Biologia 12º
 
Relatório da visita ao Geoparque de Arouca
Relatório da visita ao Geoparque de AroucaRelatório da visita ao Geoparque de Arouca
Relatório da visita ao Geoparque de Arouca
 
Sandro Botticelli - O nascimento de vénus
Sandro Botticelli - O nascimento de vénusSandro Botticelli - O nascimento de vénus
Sandro Botticelli - O nascimento de vénus
 
biologia 12º - Metodos contracetivos
biologia 12º - Metodos contracetivosbiologia 12º - Metodos contracetivos
biologia 12º - Metodos contracetivos
 
Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes  Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes
 
Ana and mia
Ana and mia Ana and mia
Ana and mia
 
poema bucólica
poema bucólicapoema bucólica
poema bucólica
 
Quem foi Padre António Vieira
Quem foi Padre António VieiraQuem foi Padre António Vieira
Quem foi Padre António Vieira
 
Evolucionismo vs Fixismo
Evolucionismo vs Fixismo Evolucionismo vs Fixismo
Evolucionismo vs Fixismo
 

Os Maias - a ação & titulo e subtítulo

  • 1. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  “Os Maias” de Eça de Queirós » Título e Subtítulo » A Ação Escola Secundária de Santa Maria da Feira Português – 11º Ano Abril 2013
  • 2. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Índice  Introdução;  Arquitetura do Romance;  Título – Intriga (Principal e Secundária);  Subtítulo – Crónica de Costumes;  Recorda – Categorias da Narrativa;  Relevo;  Delimitação;  Estrutura da Ação;  Organização das Sequência Narrativas;  Palavras Cruzadas;  Conclusão;  Bibliografia e Webgrafia.
  • 3. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Introdução Com a realização deste trabalho proposto no âmbito da disciplina de Português, o grupo pretende dar a conhecer aos restantes elementos da turma, os temas A Ação e o Título e Subtítulo da obra “Os Maias” de Eça de Queirós. A obra -prima de Eça de Queirós, publicada em 1888, e uma das mais importantes de toda a literatura narrativa portuguesa. É um romance realista (e naturalista) onde não faltam o fatalismo, a análise social, as peripécias e a catástrofe próprias do enredo passional. A obra ocupa-se da história de uma família (Maia) ao longo de três gerações, centrando-se depois na última geração e dando relevo aos amores incestuosos de Carlos da Maia e Maria Eduarda. Mas a história é também um pretexto para o autor fazer uma crítica à situação decadente do país a nível político e cultural e á alta burguesia lisboeta oitocentista, por onde perpassa um humor (ora fino, ora satírico) que configura a derrota e o desengano de todas as personagens.
  • 4. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Arquitetura do Romance Chave : 1- Introdução : marco inicial da ação ; O Ramalhete ; Afonso. 2- Preparação : a) Juventude de Afonso; b) Infância de Pedro ; c) Juventude, amores e suicidio de Pedro; d) Infância e educação de Carlos; e) Carlos estudante em Coimbra; f) Primeira viagem de Carlos. 3- Ação. 4- Epílogo: a) Viagem de Carlos e de Ega (1877-1878 ) b) Cenas da estada de Carlos em Lisboa, oito anos depois (1887) Setas verticais ascendentes: indicam a cronologia do narrado.
  • 5. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa Curvas a tracejado: indicam analepses completivas e repetitivas. Segundo Gérar Genette analepses completivas e repetitivas significam, respetivamente, «segmentos retrospetivos que vêm preencher lacunas anteriores da narrativa» e « alusões da narrativa ao seu próprio passado» . Nas últimas, ou seja, nas repetitivas, evocam-se figuras ou situações já conhecidas não só pelas personagens como também pelos leitores. A ação inicia-se com a alteração do ritmo narrativo, sendo que as páginas anteriores são uma simples preparação e introdução à história, em flashback, centrada em Afonso da Maia . Esta ação não abrange meio século mas sim, e apenas, catorze meses, ou seja, do Outono de 1875 a fins de 1876. De 1820 a 1875 são ocupadas poucas páginas, comparadas com as da ação, que ocupa uma vastidão de páginas e quase quatro quintos da obra. Na introdução, que começa no Outono de 1875, é descrito o Ramalhete e é retratada também a mudança de Carlos e Afonso para este mesmo, após a formação de Carlos em medicina. Segue-se da analalepse, isto é, de um recuo no tempo. Esta pertence à preparação e nela estão contidas as narrações da juventude de Afonso da Maia, a infância de Pedro, a juventude e amores de Pedro, o casamento de Pedro com Maria Monforte e o seu suicidio, a infância e educação de Carlos, a formação de Carlos em medicina e a sua primeira viagem. Depois da ação, onde é referida a vida boémia de Carlos e os seus amores incestuosos por Maria Eduarda, sua irmã, há um epílogo reflexivo cujas primeiras páginas se referem a consequentes do desfecho, ou seja, da separação definitiva de Carlos e Maria Eduarda e as outras retratam a Viagem de Carlos pelo mundo com Ega e a chegada dos dois a Portugal oito anos depois, em 1887. O romance está organizado em três dimensões, sendo estas os antecedentes e evolução da família Maia, a relação incestuosa de Carlos e
  • 6. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa Maria Eduarda e a visão dos costumes da sociedade lisboeta e portuguesa nos finais do século XIX, que estão em torno da ação, que é a parte central. O Romantismo está presente enquanto forma, estilo de vida e até como retórica, prolongando-se pelo último quartel do século XIX, referindo-se ao sarau a favor de todas as vítimas das inundações do Ribatejo, onde o próprio Alencar declamou. Nesse sarau, como Ega teria previsto, estariam « todo o pessoal canoro e sentimental do constitucionalismo». Em Carlos, assim como em vários companheiros da mesma geração, o romantismo manifesta-se intensamente. Neste verifica-se o amor incestuoso por Maria Eduarda, não passando este amor por «uma paixão absurda do romântico» que lhe pusera uma névoa diante dos olhos, para que mais nada pudesse ver. Verifica-se em Carlos, não só pelos traços fisionómicos, o filho de Pedro da Maia e de Maria Monforte, apesar de ter tido uma educação diferente, à moda inglesa e não à tradicional. Ao contrário do seu pai, quando entrou na desgraça não se suicidou como este tinha feito, mas levou uma «vida larga de um príncipe artista da Renascença».
  • 7. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Título e subtítulo Se o título e o subtítulo já fazem parte da obra deve articular-se com ela e contribuir para um efeito global. Trata-se de dois plurais “Os Maias” e “Episódios da vida romântica”. Representam duas esferas, dois espaços mentais. Já se disse que nelas se conjugam dois climas muito diferentes, o da tragédia e o da comédia lisboeta. Conseguiu Eça de facto conciliar estruturalmente essas duas grandes isotopias, por outras palavras o transcendente e o terreno, o insólito e o quotidiano, o romeno e o trivial. Eça de Queirós quis contar a história de uma família, “ Os Maias” através de várias gerações. O subtítulo indica uma segunda intenção, descrever certo estilo de vida, o romântico, através de episódios, mas admite duas hipóteses, que tais episódios pertencem, à história dos Maias, ou que decorram marginalmente numa sociedade em que a família Maia se insere, Justifica-se o título “ Os Maias”, na medida em que Carlos, o herói, mais precisamente, o amante e herói aparece integrado numa família. Também se justifica o subtítulo “ Episódios de vida romântica”, porque a personagem oferece-nos múltiplos caso, cenas, atitudes, considerados típicos dos Romantismos que continua vivaz em 1875/1876. O que não ficou incluído no título nem no subtítulo foi o elemento de coesão que reside no facto de tanto “ Os Maias” como esses episódios representarem uma personagem coberta, Portugal, a grande personagem latente na obra de Eça, sua obsidente preocupação.
  • 8. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Título – Intriga O Título – Os Maias O título Os Maias reporta-se à história da família Maia ao longo de três gerações. Primeira geração: a de Afonso da Maia, representante dos valores antigos, assinalada pela reação contra o absolutismo. Segunda geração: a de Pedro da Maia, representante da fase de instauração do Liberalismo. Terceira geração: a de Carlos da Maia, representante da decadência dos ideais liberais. 1ª Geração – Afonso da Maria (Maria Eduarda Runa) Vítima de Portugal absolutista 2ª Geração – Pedro da Maria (Maria Monforte) Representante da fase de instauração do Liberalismo 3 ª Geração – Carlos da Maria (Maria Eduarda) Representante da queda dos ideiais liberais
  • 9. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa » Intriga Principal e Intriga Secundária Vida de Pedro da Maia (intriga secundária; amores infelizes) Vida dissoluta Encontro ocasional com Maria Monforte Procura de Mª Monforte Encontro através de Alencar Oposição real de Afonso à “Negreira” Encontros e casamento Elemento desencadeador do drama – o napolitano Infedilidade de Maria Monforte – reações de Pedro Encontro de Pedro com Afonso e suícidio de Pedro Vida de Carlos da Maia (intriga principal; amores incestuosos) Vida dissoluta Encontro ocasional com Maria Eduarda Procura de Mª Eduarda Encontro através de Dâmaso Oposição potencial de Afonso à “Amante” Encontros e relações Elemento desencadeador do drama – Guimarães Descoberta do Incesto – reações de Carlos Encontro de Carlos com Afonso e morte de Afonso O romance d' Os Maias, título que remete para o estudo desta família fidalga, apresenta duas intrigas. A intriga principal narra os amores incestuosos entre Carlos da Maia e Maria Eduarda (a história da terceira geração dos Maias). A intriga secundária que, organizada em torno da relação amorosa de Pedro da Maia e Maria Monforte, narra a história da segunda geração dos Maias.
  • 10. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Subtítulo – Crónica de Costumes Em alternância com esta história, nomeadamente com a intriga principal, desenrolam-se múltiplos episódios a que se costuma chamar a Crónica de Costumes da vida de Lisboa, aliás sugerida no subtítulo Episódios da Vida Romântica. Existe uma relação entre a intriga e a crónica de costumes, por exemplo, é no Hotel Central que Carlos vê Maria Eduarda. No entanto, a crónica de costumes como tem autonomia em relação à intriga trata-se de uma ação aberta, ao passo que a intriga, porque pressupõe desenlace, constitui uma ação fechada.
  • 11. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Categorias da Narrativa – Ação Uma das Categorias da Narrativa é a Ação, e como tal, neste trabalho, o grupo decidiu recordar com os colegas o conteúdo. A Ação está dividida em quatro características essênciais, as quais: o relevo, a delimitação, a estrutura da ação ou sequências da narrativa/ação e a organização destas.
  • 12. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Relevo Em “Os Maias”, a narrativa pressupõe duas ações fundamentais: a ação secundária e a ação principal ou central. A ação secundária envolve as seguintes personagens consideradas relevantes: Pedro da Maia, Maria Monforte , Afonso da Maia e Tancredo. É aqui que Pedro cai em amores por Maria Monforte, a “negreira”. Namoram e, apesar de Afonso da Maia não autorizar, casam-se e fogem para o estrangeiro. Mais tarde regressam a Portugal onde se instalam em Arroios e continuam a sua vida na sociedade. Do casamento de Pedro e Maria Monforte nascem dois filhos, Carlos e Maria Eduarda. Apesar de já terem dois filhos, Maria Monforte adia prolongamente o encontro com o sogro, Afonso da Maia, não tendo com ele qualquer tipo de relação. Pedro, acidentalmente, fere Tancredo (um amigo italiano) e este instala-se na sua casa até recuperar. Durante esse período, Maria Monforte e Tancredo apaixonam-se e fogem, levando consido apenas a sua filha, Maria Eduarda. Pedro volta para perto do pai, Afonso, com o seu filho, Carlos da Maia, e conta o sucedido. Nesse mesmo dia Pedro escreveu uma carta de despedida e suicidou-se, deixando o seu filho Carlos com o avô, Afonso. Na ação principal intervêm principalmente as seguintes personagens: Carlos, Maria Eduarda, Guimarães, Ega e Afonso. Esta inicia-se quando Carlos vê Maria Eduarda pela primeira vez no Hotel Central, acompanhada pelo Castro Gomes. Mais tarde este visita-a, com o objetivo de analisar Rosa e porventura Sara, e apaixona-se, declarando-lhe assim o seu amor. Os dois viveram intensamente o amor que sentiam um pelo outro até que Guimarães tem conhecimento da identidade de Maria Eduarda, quando se encontra com
  • 13. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa ela. Este informa Ega do sucedido, ou seja, que Maria Eduarda e Carlos eram irmãos. Por sua vez Ega revelou a Carlos e Carlos a Afonso, que acaba por morrer no jardim da sua própria casa. Quando Maria Eduarda descobriu do incesto incosciente que cometera partiu, nomeadamente para Paris, acabando por se apaixonar e casar lá, enquanto que Ega e Carlos partiram sem destino fixo e apenas voltaram para Portugal dez anos depois.
  • 14. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Estrutura da Ação N“Os Maias”, a narrativa pressupõe uma estrutura da ação constituída pela introdução, desenvolvimento e conclusão. Quanto à introdução, podemos incluir a descrição do Ramalhete e a vida de Afonso da Maia enquanto jovem. Quanto ao desenvolvimento podemos englobar a preparação, em que nos é dado a conhecer a infância de Pedro e a sua vida e a vida de Carlos até ao momento em que este realiza a sua primeira viagem, e a ação, quem que nos é apresentada a vida adulta de Carlos. Quanto à conclusão, faz parte desta a viagem de Carlos e Ega e o regresso a Lisboa de Carlos após 10 de anos de ausência. O esquema representa de uma forma sucinta a estrutura: Introdução Marco inicial da ação ; O Ramalhete Juventude de Afonso da Maia Desenvolvimento Preparação: Infância de Pedro , juventude de Pedro; Infância e juventude de Carlos Ação: Vida adulta de Carlos Conclusão Viagem de Carlos e Ega (1877/1878) Regresso a Lisboa de Carlos , dez anos depois.
  • 15. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Delimitação Como já vimos, a ação em “Os Maias” pressupõe dois níveis: a Intriga e a Crónica de Costumes. Quanto à delimitação da narrativa, na Intriga a narrativa é fechada e na Crónica de Costumes é aberta. Isto deve-se ao facto de, na Intriga o desfecho ser conhecido pelo leitor, e em contrapartida, na Crónica de Costumes este ser desconhecido. A intriga, quer principal ou secundária, foca os amores de Carlos e Maria Eduarda, assim como todo o desenrolar das gerações da família Maia, onde é possível reconhecer o final das personagens. Os eventos sucedem- se por uma relação de causalidade, existindo um acontecimento final, o desenlace, que inviabiliza a sua continuação. Afonso da Maia, morre fisicamente, e Carlos e Maria Eduarda morrem moralmente devido à descoberta do incesto, sendo por isso designado de ao desfecho trágico. Sabe-se também que Maria Eduarda se casa e que Carlos se adapta a uma situação inócua de uma vida de qualidade e bem estar. Por sua vez, na crónica de costumes a narrativa é considerada aberta porque nenhum dos episódios impõe um desenlace inultrapassável. A sociedade do século XIX é criticada por Eça de Queirós onde este, através de personagens tipo que representam grupos, classes sociais ou mentalidades, mostra aos leitores o estado de corrupção, providencialismo e parasitismo da sociedade lisboeta, bem como os seus costumes e vícios. Atualmente, os costumes da sociedade continuam a poder ser retratados e criticados e na crónica de costumes tem autonomia em relação à Intriga, daí a crónica de costumes ser uma narrativa aberta.
  • 16. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Estrutura da Narrativa Na obra que estamos a analisar podemos distinguir a estrutura narrativa em dois níveis diferentes: o primeiro nível e o segundo nível. O primeiro nível é a Intriga romanesca. Nesta está inserida a intriga principal (relação amorosa e incestuosa de Carlos com Maria Eduarda que levam à desagregação da família, ou seja, à morte de Afonso e à separação do casal) e a intriga secundária (vida de Pedro da Maia e a sua relação com Maria Monforte; história de Afonso da Maia ; história da infância e juventude de Carlos da Maia). Como já foi visto anteriormente são estas duas ações que constituem a intriga e que justificam o título “Os Maias”. O segundo nível é a crónica de costumes . Esta crónica, que justifica o subtítulo « Episódios da vida Romântica», visa criticar a sociedade Lisboeta (Portugal) nos finais do século XIX e nela constituem cinco episódios, sendo estes o Jantar no Hotel Central , as Corridas de cavalos no Hipódromo,o Jantar dos Gouvarinho, a Imprensa e o Sarau na Trindade. A ação principal d’ “Os Maias” desenvolve-se segundo os padrões da tragédia clássica, isto é, contêm uma peripécia, um reconhecimento e uma catástrofe. A peripécia verificou-se no casual encontro de Maria Eduarda com Guimarães, com as revelações de Guimarães a Ega sobre a verdadeira identidade de Maria Eduarda e com as revelações a Carlos e Afonso da Maia àcerca também da identidade de Maria Eduarda. O reconhecimento, que foi provocado pelas revelações de Guimarães, tornou a relação de Carlos e Maria Eduarda incestuosa, levando à catástrofe consumada pela morte do avô de Carlos, Afonso da Maia , a separação definitiva do casal e as reflexões de Carlos da Maia e Ega.
  • 17. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Sequência da Narrativa Na obra “Os Maias” de Eça de Queirós podemos observar as diversas sequências narrativas: o encadeamento, o encaixe e a alternância das ações. O encadeamento é-nos visível no desenrolar dos amores entre Carlos e Maria Eduarda, onde as sequências narrativas seguem uma ordem cronológica, em que cada uma é o ponto de partida da seguinte. Um exemplo do encaixe verifica-se através da narração a Carlos da vida passada de Maria Eduarda pela própria. Logo uma história (a da vida de Maria Eduarda) é introduzida no interior da que estava a ser narrada, a qual é, por isso, interrompida e prosseguida mais tarde. (Fig. 1) Quando a ação principal, ou seja, a história dos amores incestuosos de Maria Eduarda e Carlos da Maia, é interrompida para dar lugar à crónica de costumes, aos episódios da vida romântica como crítica à sociedade, estamos perante a alternância, uma vez que as ações são narradas alternadamente, ou seja, uma é interrompida para dar lugar a outra(s) de origem diversa, que por sua vez, ficam em suspenso. (Fig. 2) Fig 1 - Encaixe Fig. 2 - Alternância
  • 18. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa Excertos de Exemplos das Sequências Narrativas » Encadeamento:
  • 19. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa Nestes excertos podemos observar o encadeamento, de ordem temporal cronológica, da Intriga Principal ao longo de toda a história.
  • 20. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa » Encaixe: Nestes dois excertos verifica-se que a narração de Maria Eduarda a Carlos acerca do seu passado e da sua infância, é introduzida no interior de outra ação, neste caso, pelo diálogo de Carlos e Maria Eduarda acerca da relação entre esta e o Castro Gomes. Verifica-se assim um encaixe.
  • 21. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa » Alternância: É vísivel que a Intriga Principal, ou seja, os amores de Carlos com Maria Eduarda, é alternada com um episódio da Crónica de Costumes, neste caso, “As Corridas no Hipódromo”, onde o autor critica a sociedade lisboeta. Neste episódio o autor pretende críticar a forma exuberante das pessoas, pelo facto de estas importarem comportamentos que não sabem seguir.
  • 22. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Palavras Cruzadas Soluções: 1- Carlos; 2- Secundária; 3- Título; 4- Principal; 5- Subtítulo; 6- Fechada; 7- Pedro; 8- Encadeamento; 9- Encaixe; 10- Aberta; 11- Afonso.
  • 23. Ana Rita Oliveira | Ana Sofia Sousa | Andreia Rodriguez | Daniela Sousa  Conclusão Este trabalho permitiu-nos analisar de uma forma mais aprofundada a obra e adquirir um conhecimento mais abrangente d’ Os Maias. Foram diversos os aspetos que analisamos, tais como a arquitetura do romance, a estrutura da obra, as categorias da narrativa, o relevo, a delimitação e sequência narrativa. Recorremos a uma apresentação mais sucinta do nosso trabalho para a transmissão dos conhecimentos adquiridos à turma. Além deste, criamos umas palavras cruzadas para a consolidação dos mesmos. Fazemos um balanço muito positivo da realização do trabalho escrito sobre Os Maias.  Bibliografia  COSTA, Fernanda; CASTRO, Rogério. Novos Horizontes 12º - Português A:O Realismo. Porto: Porto Editora.  MARTINS, Filomena; MOURA, Graça. Página Seguinte - Português 11º ano. Texto Editores.  Webgrafia  http://danielaemarta.no.sapo.pt/  http://www.slideshare.net/PiresdeLima/categorias-narrativa- 9760379  http://faroldasletras.no.sapo.pt/os_maias_seq_narrat_intr_princ.ht ml  http://www.slideshare.net/sebentadigital/narrativa-e-estilo-n-os- maias