SlideShare uma empresa Scribd logo
O Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas*
(Rascunho de uma carta aberta para o Secretário de Estado da Cultura)


Por Filipe Leal




Estimado Jorge Barreto Xavier,

Dirijo-me a si através desta carta aberta. Faço-o porque dos dois anos que
trabalhámos juntos na Câmara Municipal de Oeiras (enquanto Vereador do
Pelouro da Cultura e enquanto Chefe da Divisão de Bibliotecas) me ficou a ideia
que é conhecedor e defensor do inestimável papel social desempenhado pelas
bibliotecas públicas.

Acredito que o sucesso das bibliotecas públicas se deve à confluência de três
fatores determinantes: vontade politica (materializada na aposta estratégica,
por parte dos autarcas, no desenvolvimento sustentável dos equipamentos e
dos serviços); competência técnica (materializada na existência de equipas
técnicas especializadas, com elevados níveis de empenho e de desempenho);
recursos estratégicos (materializada em edifícios funcionalmente adequados,
fundos documentais diversificados, meios tecnológicos atualizados, equipas
técnicas especializadas, recursos financeiros adequados). Em Oeiras, durante
alguns anos, esses fatores confluíram de modo a tornar as Bibliotecas
Municipais de Oeiras numa referência a nível nacional. Viveu-se um período
áureo. Em muitas bibliotecas municipais da Rede Nacional de Bibliotecas
Públicas (RNBP) aconteceu o mesmo.

Todavia, depois de 25 anos de implementação em todo o território nacional
(são cerca de 200 as novas bibliotecas municipais que já foram inauguradas), a
RNBP encontra-se perante um paradoxo: nunca como hoje, foi tão necessário e
urgente transformar as bibliotecas públicas portuguesas adequando-as as
mudanças sociais ocorridas; nunca, como hoje, houve tanta dificuldade em
mobilizar a vontade política e os recursos estratégicos para o fazer. A urgência
de transformar as bibliotecas públicas portuguesas surge como resposta às
rápidas, profundas e irreversíveis, mudanças sociais ocorridas nos últimos anos
(com a emergência da internet e dos novos media); a dificuldade em mobilizar a
vontade política e os recursos estratégicos para a transformação decorre do
impacto da crise internacional em que estamos mergulhados.

Perante este paradoxo, resta-nos tão-somente dois caminhos: transformar ou
desaparecer. O fator decisivo que ditará o futuro das bibliotecas públicas
portuguesas tem a ver com o seu efetivo impacto social. Das duas, uma: ou as
bibliotecas públicas continuarão a acrescentar valor social e sobreviverão, ou as
bibliotecas públicas deixaram de acrescentar valor social e desaparecerão. O seu
desaparecimento não vai ser um processo imediato e evidente mas será sim um
processo de lenta decadência. Com o desinvestimento nos recursos estratégicos
e consequente incapacidade de dar resposta às mudanças sociais, as bibliotecas
públicas tornar-se-ão em instituições socialmente obsoletas e irrelevantes.

Pessoalmente acredito que temos todas as condições para transformar as
bibliotecas públicas portuguesas. Mas isso implica definir claramente qual o
caminho que queremos trilhar nos próximos anos. A vontade política será
determinante no desenvolvimento desse processo de transformação. E é neste
contexto que deixo aqui as minhas sugestões para si, enquanto responsável
governamental pela área da cultura. Passo a enunciá-las:

   1. Realizar um diagnóstico da situação da RNBP – Este diagnóstico é
      fundamental para conhecer a situação atual das bibliotecas municipais
      que integram a RNBP, e, consequentemente, estabelecer uma estratégia
      de desenvolvimento sustentável para os próximos anos. Para além da
      realização de um inquérito extensivo a todas as bibliotecas, deverão ser
também realizados estudos de caso e entrevistas com os atores-chave da
   RNBP. Acima de tudo há que recolher dados quantitativos e qualitativos
   dentro de uma matriz previamente definida, estabelecer um quadro de
   referência nacional e mapear as diversas realidades regionais e locais.
   Preferencialmente este diagnóstico deverá ser efetuado por uma
   entidade independente, competente e experiente. Sugiro que essa
   entidade seja o ISCTE, pelo histórico que esta instituição académica tem
   na realização deste tipo de estudos na área das bibliotecas.


2. Formar um Grupo de Trabalho RNBP 2020 – À semelhança do que
   aconteceu no passado (1986 e 1996) é fundamental criar um Grupo de
   Trabalho que, de uma forma sistemática, apresente um conjunto de
   propostas para o estabelecimento de uma estratégia, de medidas e de
   ações estruturantes, para o desenvolvimento sustentável para a RNBP no
   horizonte temporal de 2020. Esse GT deverá integrar um conjunto de
   profissionais que, com o seu conhecimento e sua experiência, possam
   pensar prospectivamente a RNBP. O processo reflexão deve também ter
   uma componente de debate alargado com todos os profissionais da área
   (via Fórum das Bibliotecas Públicas). O resultado desse trabalho deve ser
   consubstanciado através da definição de Linhas de Orientação para a
   RNBP. Esse documento deve ter um carácter orientador e não vinculador,
   todavia a sua aplicação deve ser incentivada pelo Estado.


3. Criar um Fórum das Bibliotecas Públicas – Este Fórum será um espaço de
   participação alargada a todos os profissionais da área das bibliotecas
   públicas portuguesas. Tendo o carácter de um espaço de reflexão e de
   debate permanentes e em aberto, este fórum será materializado de duas
   maneiras: fórum presencial (reuniões mensais com duração de um dia),
   onde serão abordados circunstanciadamente e em profundidade temas
atuais (formas de financiamento, serviços inovadores, atualização
   profissional, modelos de gestão, ferramentas do marketing, integração
   dos ebooks, etc.); fórum virtual (suportado por um site com ligação às
   redes sociais), esta componente do fórum permite que a reflexão e o
   debate sejam ainda mais continuados, alargados e participados. Do
   Fórum surgirão uma série de recursos e documentos que irão engrossar
   um corpus técnico para a mobilização e atualização dos profissionais
   (vídeos, recomendações, tutoriais, etc.).


4. Definir Linhas de Orientação para a RNBP – Com o Programa da RNBP foi
   estabelecido um modelo para a criação e organização de novas
   bibliotecas municipais. Esse modelo definia claramente (em função da
   população servida): filosofia de organização e funcionamento, áreas dos
   edifícios das bibliotecas, fundos documentais mínimos, infraestrutura
   tecnológica básica, quadro de pessoal necessário. Ficou por definir no
   Programa da RNBP um modelo para o funcionamento e gestão das novas
   bibliotecas municipais. Esse modelo deverá definir claramente (em
   função nas novas exigências sociais): portfolio de serviços mínimos,
   métodos de envolvimento das comunidades, métodos de gestão
   inovadores, fontes de financiamento adequadas, perfil de competências
   dos profissionais, estratégias de funcionamento em rede. Estas
   orientações devem ser operacionalizadas por programas governamentais
   que incentivem a sua aplicação e prémios que reconheçam os resultados
   alcançados.


5. Criar um programa de formação avançada para bibliotecários – Os
   bibliotecários são os agentes da mudança e da inovação tão necessária à
   transformação das bibliotecas públicas portuguesas. Atualizar os
   conhecimentos e as competências técnicas dos bibliotecários que já
   trabalham na RNBP é uma tarefa urgente e prioritária. O enfoque deste
programa deve ser colocado nas seguintes temáticas: métodos de gestão
  para a qualidade e para a inovação, liderança de equipas de trabalho e de
  projetos inovadores, desenvolvimento de serviços inovadores de base
  tecnológica, métodos de envolvimento das comunidades locais na
  gestão. Financiado pelo Estado, sujeito a um rigoroso processo de
  candidaturas, este programa deve ser desenvolvido em estrita
  colaboração com a BAD (pela sua longa experiência de formação
  profissional especializada). Acima de tudo este programa deve servir para
  criar uma postura resiliente, proactiva e inovadora, por parte dos
  bibliotecários da RNBP.


6. Criar um programa de inovação para a RNBP – O desenvolvimento
  sustentável das bibliotecas públicas portuguesas depende, em grande
  medida, da sua capacidade para respostar de forma rápida e eficiente
  aos constantes desafios que as rápidas e profundas mudanças sociais
  implicam. A inovação é pois uma estratégia determinante não somente
  para   melhorar    a   performance     das   bibliotecas   públicas   mas
  essencialmente para garantir o seu impacto social. No entanto, a
  inovação não deve ter a novidade tecnológica por motivação e
  justificação. Inovar deve significar, antes de mais, tornar as bibliotecas
  públicas mais adequadas às comunidades que servem. Assim sendo,
  grande parte das inovações serão de ordem metodológica, levando a
  novas formas de prestar serviços, de envolver as comunidades, de
  promover a literacia, de gerar recursos, de organizar espaços, de motivar
  equipas. O modelo a aplicar pode ser idêntico ao utilizado com grande
  sucesso na Rede Internacional de Bibliotecas Públicas (financiada pela
  Fundação Bertelsmann). Fase 1 – desenvolvimento de um novo conceito,
  serviço ou metodologia; Fase 2 – aplicação num conjunto de bibliotecas
  públicas de teste; Fase 3 – monitorização e avaliação dos resultados
alcançados; Fase 4 – validação do novo conceito, serviço ou metodologia;
       Fase 5 – disseminação alargada dos resultados alcançados.


   7. Criar um prémio de boas práticas na RNBP – Dar a conhecer de forma
       sistemática e alargada muito do trabalho anónimo mas altamente
       meritório que já é realizado pelas bibliotecas municipais que integram a
       RNBP é o grande objetivo deste programa. Passando por um processo de
       avaliação de candidaturas (por um júri independente) as boas práticas
       são avaliadas, validades e premiadas. O prémio deve ter duas
       componentes: reconhecimento público das boas práticas; integração
       prioritária no programa de inovação. Todas as boas práticas da RNBP
       serão disseminadas pelas outras bibliotecas municipais através de vários
       métodos: estudos de caso, entrevistas com intervenientes, organização
       de seminários, organização de estágios, etc.



Estimado Jorge Barreto Xavier,

Concluo sublinhando três ideias centrais: acredito que a redefinição das
politicas estatais que estão na base da RNBP é urgente e inadiável; acredito que
essa será uma das preocupações prioritárias da SEC sobre sua liderança e
supervisão; acredito que os profissionais da RNBP estão interessados e vão estar
empenhados no processo de transformação das bibliotecas públicas
portuguesas. Está nas suas mãos (enquanto responsável governamental pela
área) desencadear esse processo de transformação. O repto fica aqui lançado,
espero que aceite o desafio.

Saudações cordiais

Filipe Leal

* Publicado originalmente no blog Edição Exclusiva (http://edicaoexclusiva.blogspot.pt/)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Programa Oeiras a Ler - Balanço & Desafios
Programa Oeiras a Ler - Balanço & DesafiosPrograma Oeiras a Ler - Balanço & Desafios
Programa Oeiras a Ler - Balanço & Desafios
BibliotecAtiva
 
Biblioteca escolar
Biblioteca escolarBiblioteca escolar
Biblioteca escolar
IsabelPereira2010
 
Programa oeiras a ler
Programa oeiras a lerPrograma oeiras a ler
Programa oeiras a ler
BibliotecAtiva
 
MABE
MABEMABE
CSO mapping study launch Maputo UEM JLameiras
CSO mapping study launch Maputo UEM JLameirasCSO mapping study launch Maputo UEM JLameiras
CSO mapping study launch Maputo UEM JLameiras
Joao Lameiras
 
Ciência Aberta: recomendações para uma política nacional de ciência aberta - ...
Ciência Aberta: recomendações para uma política nacional de ciência aberta - ...Ciência Aberta: recomendações para uma política nacional de ciência aberta - ...
Ciência Aberta: recomendações para uma política nacional de ciência aberta - ...
Pedro Príncipe
 
Maabe.Doc
Maabe.DocMaabe.Doc
Maabe.Doc
guestbfb743
 

Mais procurados (7)

Programa Oeiras a Ler - Balanço & Desafios
Programa Oeiras a Ler - Balanço & DesafiosPrograma Oeiras a Ler - Balanço & Desafios
Programa Oeiras a Ler - Balanço & Desafios
 
Biblioteca escolar
Biblioteca escolarBiblioteca escolar
Biblioteca escolar
 
Programa oeiras a ler
Programa oeiras a lerPrograma oeiras a ler
Programa oeiras a ler
 
MABE
MABEMABE
MABE
 
CSO mapping study launch Maputo UEM JLameiras
CSO mapping study launch Maputo UEM JLameirasCSO mapping study launch Maputo UEM JLameiras
CSO mapping study launch Maputo UEM JLameiras
 
Ciência Aberta: recomendações para uma política nacional de ciência aberta - ...
Ciência Aberta: recomendações para uma política nacional de ciência aberta - ...Ciência Aberta: recomendações para uma política nacional de ciência aberta - ...
Ciência Aberta: recomendações para uma política nacional de ciência aberta - ...
 
Maabe.Doc
Maabe.DocMaabe.Doc
Maabe.Doc
 

Destaque

Repensar a RNBP
Repensar a RNBPRepensar a RNBP
Repensar a RNBP
BibliotecAtiva
 
Entre a paixão e a vontade
Entre a paixão e a vontadeEntre a paixão e a vontade
Entre a paixão e a vontade
BibliotecAtiva
 
Carta Aberta Bibliotecários
Carta Aberta BibliotecáriosCarta Aberta Bibliotecários
Carta Aberta Bibliotecários
BibliotecAtiva
 
Carta Aberta aos Bibliotecários
Carta Aberta aos BibliotecáriosCarta Aberta aos Bibliotecários
Carta Aberta aos Bibliotecários
BibliotecAtiva
 
Equinócio da Primavera
Equinócio da PrimaveraEquinócio da Primavera
Equinócio da Primavera
BibliotecAtiva
 
Bibliotecas Inovadoras 01 - Almere
Bibliotecas Inovadoras 01 - AlmereBibliotecas Inovadoras 01 - Almere
Bibliotecas Inovadoras 01 - Almere
BibliotecAtiva
 
Pelo sonho é que vamos
Pelo sonho é que vamosPelo sonho é que vamos
Pelo sonho é que vamos
BibliotecAtiva
 

Destaque (7)

Repensar a RNBP
Repensar a RNBPRepensar a RNBP
Repensar a RNBP
 
Entre a paixão e a vontade
Entre a paixão e a vontadeEntre a paixão e a vontade
Entre a paixão e a vontade
 
Carta Aberta Bibliotecários
Carta Aberta BibliotecáriosCarta Aberta Bibliotecários
Carta Aberta Bibliotecários
 
Carta Aberta aos Bibliotecários
Carta Aberta aos BibliotecáriosCarta Aberta aos Bibliotecários
Carta Aberta aos Bibliotecários
 
Equinócio da Primavera
Equinócio da PrimaveraEquinócio da Primavera
Equinócio da Primavera
 
Bibliotecas Inovadoras 01 - Almere
Bibliotecas Inovadoras 01 - AlmereBibliotecas Inovadoras 01 - Almere
Bibliotecas Inovadoras 01 - Almere
 
Pelo sonho é que vamos
Pelo sonho é que vamosPelo sonho é que vamos
Pelo sonho é que vamos
 

Semelhante a O Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas

Cooperação e Redes de Bibliotecas - Apresentação do Grupo de Trabalho das Bib...
Cooperação e Redes de Bibliotecas - Apresentação do Grupo de Trabalho das Bib...Cooperação e Redes de Bibliotecas - Apresentação do Grupo de Trabalho das Bib...
Cooperação e Redes de Bibliotecas - Apresentação do Grupo de Trabalho das Bib...
Pedro Príncipe
 
Experiência colaborativa para implantação de novos serviços e produtos: novas...
Experiência colaborativa para implantação de novos serviços e produtos: novas...Experiência colaborativa para implantação de novos serviços e produtos: novas...
Experiência colaborativa para implantação de novos serviços e produtos: novas...
http://bvsalud.org/
 
BibliografiaNacionaltecnologiasdifusopatrimniobibliogrfico.pptx
BibliografiaNacionaltecnologiasdifusopatrimniobibliogrfico.pptxBibliografiaNacionaltecnologiasdifusopatrimniobibliogrfico.pptx
BibliografiaNacionaltecnologiasdifusopatrimniobibliogrfico.pptx
ssuser2f6dd81
 
Man biblioteconomia
Man biblioteconomiaMan biblioteconomia
Man biblioteconomia
Regina Grein
 
Projecto final
Projecto finalProjecto final
Projecto final
IsabelPereira2010
 
Trabalho consad 2009
Trabalho consad 2009Trabalho consad 2009
Apresentação do MABE
Apresentação do MABEApresentação do MABE
Apresentação do MABE
Mariana Oliveira
 
Apresentação do MABE
Apresentação do MABEApresentação do MABE
Apresentação do MABE
Mariana Oliveira
 
Apresentação doMABE
Apresentação doMABEApresentação doMABE
Apresentação doMABE
Mariana Oliveira
 
Prointer oficcial biblioteca virtual
Prointer oficcial   biblioteca virtualProinter oficcial   biblioteca virtual
Prointer oficcial biblioteca virtual
Viviane Macedo
 
Grupo de Trabalho da BAD das Bibliotecas de Ensino Superior: resumo da ativid...
Grupo de Trabalho da BAD das Bibliotecas de Ensino Superior: resumo da ativid...Grupo de Trabalho da BAD das Bibliotecas de Ensino Superior: resumo da ativid...
Grupo de Trabalho da BAD das Bibliotecas de Ensino Superior: resumo da ativid...
Pedro Príncipe
 
Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...
Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...
Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...
Pedro Príncipe
 
Lilian Nunes Schiavon
Lilian Nunes SchiavonLilian Nunes Schiavon
Seminário BibliotecAtiva 2014 - Reinventar as bibliotecas públicas portuguesas
Seminário BibliotecAtiva 2014 - Reinventar as bibliotecas públicas portuguesasSeminário BibliotecAtiva 2014 - Reinventar as bibliotecas públicas portuguesas
Seminário BibliotecAtiva 2014 - Reinventar as bibliotecas públicas portuguesas
BibliotecAtiva
 
Tainacan manual do usuário v1.1
Tainacan  manual do usuário v1.1Tainacan  manual do usuário v1.1
Tainacan manual do usuário v1.1
Laboratório de Políticas Públicas Participativas
 
Patrícia de Almeida Silva - O papel do Portal Periódicos CAPES na democratiza...
Patrícia de Almeida Silva - O papel do Portal Periódicos CAPES na democratiza...Patrícia de Almeida Silva - O papel do Portal Periódicos CAPES na democratiza...
Patrícia de Almeida Silva - O papel do Portal Periódicos CAPES na democratiza...
SciELO - Scientific Electronic Library Online
 
Plano de Comunicação Institucional para Museus de Pequeno Porte/ SISEM
Plano de Comunicação Institucional para Museus de Pequeno Porte/ SISEMPlano de Comunicação Institucional para Museus de Pequeno Porte/ SISEM
Plano de Comunicação Institucional para Museus de Pequeno Porte/ SISEM
cultcultura
 
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Atividades da Biblioteca EscolarPlano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
Biblioteca ativa
Biblioteca ativaBiblioteca ativa
Biblioteca ativa
Fernanda Gonçalves
 
Biblioteca escolar projeto mobilizador crb
Biblioteca escolar   projeto mobilizador crbBiblioteca escolar   projeto mobilizador crb
Biblioteca escolar projeto mobilizador crb
Biblio 2010
 

Semelhante a O Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas (20)

Cooperação e Redes de Bibliotecas - Apresentação do Grupo de Trabalho das Bib...
Cooperação e Redes de Bibliotecas - Apresentação do Grupo de Trabalho das Bib...Cooperação e Redes de Bibliotecas - Apresentação do Grupo de Trabalho das Bib...
Cooperação e Redes de Bibliotecas - Apresentação do Grupo de Trabalho das Bib...
 
Experiência colaborativa para implantação de novos serviços e produtos: novas...
Experiência colaborativa para implantação de novos serviços e produtos: novas...Experiência colaborativa para implantação de novos serviços e produtos: novas...
Experiência colaborativa para implantação de novos serviços e produtos: novas...
 
BibliografiaNacionaltecnologiasdifusopatrimniobibliogrfico.pptx
BibliografiaNacionaltecnologiasdifusopatrimniobibliogrfico.pptxBibliografiaNacionaltecnologiasdifusopatrimniobibliogrfico.pptx
BibliografiaNacionaltecnologiasdifusopatrimniobibliogrfico.pptx
 
Man biblioteconomia
Man biblioteconomiaMan biblioteconomia
Man biblioteconomia
 
Projecto final
Projecto finalProjecto final
Projecto final
 
Trabalho consad 2009
Trabalho consad 2009Trabalho consad 2009
Trabalho consad 2009
 
Apresentação do MABE
Apresentação do MABEApresentação do MABE
Apresentação do MABE
 
Apresentação do MABE
Apresentação do MABEApresentação do MABE
Apresentação do MABE
 
Apresentação doMABE
Apresentação doMABEApresentação doMABE
Apresentação doMABE
 
Prointer oficcial biblioteca virtual
Prointer oficcial   biblioteca virtualProinter oficcial   biblioteca virtual
Prointer oficcial biblioteca virtual
 
Grupo de Trabalho da BAD das Bibliotecas de Ensino Superior: resumo da ativid...
Grupo de Trabalho da BAD das Bibliotecas de Ensino Superior: resumo da ativid...Grupo de Trabalho da BAD das Bibliotecas de Ensino Superior: resumo da ativid...
Grupo de Trabalho da BAD das Bibliotecas de Ensino Superior: resumo da ativid...
 
Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...
Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...
Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...
 
Lilian Nunes Schiavon
Lilian Nunes SchiavonLilian Nunes Schiavon
Lilian Nunes Schiavon
 
Seminário BibliotecAtiva 2014 - Reinventar as bibliotecas públicas portuguesas
Seminário BibliotecAtiva 2014 - Reinventar as bibliotecas públicas portuguesasSeminário BibliotecAtiva 2014 - Reinventar as bibliotecas públicas portuguesas
Seminário BibliotecAtiva 2014 - Reinventar as bibliotecas públicas portuguesas
 
Tainacan manual do usuário v1.1
Tainacan  manual do usuário v1.1Tainacan  manual do usuário v1.1
Tainacan manual do usuário v1.1
 
Patrícia de Almeida Silva - O papel do Portal Periódicos CAPES na democratiza...
Patrícia de Almeida Silva - O papel do Portal Periódicos CAPES na democratiza...Patrícia de Almeida Silva - O papel do Portal Periódicos CAPES na democratiza...
Patrícia de Almeida Silva - O papel do Portal Periódicos CAPES na democratiza...
 
Plano de Comunicação Institucional para Museus de Pequeno Porte/ SISEM
Plano de Comunicação Institucional para Museus de Pequeno Porte/ SISEMPlano de Comunicação Institucional para Museus de Pequeno Porte/ SISEM
Plano de Comunicação Institucional para Museus de Pequeno Porte/ SISEM
 
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Atividades da Biblioteca EscolarPlano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
 
Biblioteca ativa
Biblioteca ativaBiblioteca ativa
Biblioteca ativa
 
Biblioteca escolar projeto mobilizador crb
Biblioteca escolar   projeto mobilizador crbBiblioteca escolar   projeto mobilizador crb
Biblioteca escolar projeto mobilizador crb
 

Mais de BibliotecAtiva

Bibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de Sucesso
Bibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de SucessoBibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de Sucesso
Bibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de Sucesso
BibliotecAtiva
 
Transformar as bibliotecas municipais portuguesas
Transformar as bibliotecas municipais portuguesasTransformar as bibliotecas municipais portuguesas
Transformar as bibliotecas municipais portuguesas
BibliotecAtiva
 
Transformar as Bibliotecas Municipais
Transformar as Bibliotecas MunicipaisTransformar as Bibliotecas Municipais
Transformar as Bibliotecas Municipais
BibliotecAtiva
 
Saramago tinha razão?
Saramago tinha razão?Saramago tinha razão?
Saramago tinha razão?
BibliotecAtiva
 
Programa Fórum BibliotecAtiva
Programa Fórum BibliotecAtivaPrograma Fórum BibliotecAtiva
Programa Fórum BibliotecAtiva
BibliotecAtiva
 
Fórum BibliotecAtiva - Programa
Fórum BibliotecAtiva - ProgramaFórum BibliotecAtiva - Programa
Fórum BibliotecAtiva - Programa
BibliotecAtiva
 
Inspirações BibliotecAtiva 01 - Almere
Inspirações BibliotecAtiva 01 - AlmereInspirações BibliotecAtiva 01 - Almere
Inspirações BibliotecAtiva 01 - Almere
BibliotecAtiva
 
Espiral 01 - Discursos sobre a leitura | Filipe Leal
Espiral 01 - Discursos sobre a leitura  |  Filipe LealEspiral 01 - Discursos sobre a leitura  |  Filipe Leal
Espiral 01 - Discursos sobre a leitura | Filipe Leal
BibliotecAtiva
 
Transformar as Bibliotecas Públicas Portuguesas
Transformar as Bibliotecas Públicas PortuguesasTransformar as Bibliotecas Públicas Portuguesas
Transformar as Bibliotecas Públicas Portuguesas
BibliotecAtiva
 
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticas
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticasPlano Nacional de Leitura: discursos & práticas
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticas
BibliotecAtiva
 
RNBP - A insustentável leveza do ser
RNBP - A insustentável leveza do serRNBP - A insustentável leveza do ser
RNBP - A insustentável leveza do ser
BibliotecAtiva
 
BibViva 2011 - Filipe Leal
BibViva 2011 - Filipe LealBibViva 2011 - Filipe Leal
BibViva 2011 - Filipe Leal
BibliotecAtiva
 

Mais de BibliotecAtiva (12)

Bibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de Sucesso
Bibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de SucessoBibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de Sucesso
Bibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de Sucesso
 
Transformar as bibliotecas municipais portuguesas
Transformar as bibliotecas municipais portuguesasTransformar as bibliotecas municipais portuguesas
Transformar as bibliotecas municipais portuguesas
 
Transformar as Bibliotecas Municipais
Transformar as Bibliotecas MunicipaisTransformar as Bibliotecas Municipais
Transformar as Bibliotecas Municipais
 
Saramago tinha razão?
Saramago tinha razão?Saramago tinha razão?
Saramago tinha razão?
 
Programa Fórum BibliotecAtiva
Programa Fórum BibliotecAtivaPrograma Fórum BibliotecAtiva
Programa Fórum BibliotecAtiva
 
Fórum BibliotecAtiva - Programa
Fórum BibliotecAtiva - ProgramaFórum BibliotecAtiva - Programa
Fórum BibliotecAtiva - Programa
 
Inspirações BibliotecAtiva 01 - Almere
Inspirações BibliotecAtiva 01 - AlmereInspirações BibliotecAtiva 01 - Almere
Inspirações BibliotecAtiva 01 - Almere
 
Espiral 01 - Discursos sobre a leitura | Filipe Leal
Espiral 01 - Discursos sobre a leitura  |  Filipe LealEspiral 01 - Discursos sobre a leitura  |  Filipe Leal
Espiral 01 - Discursos sobre a leitura | Filipe Leal
 
Transformar as Bibliotecas Públicas Portuguesas
Transformar as Bibliotecas Públicas PortuguesasTransformar as Bibliotecas Públicas Portuguesas
Transformar as Bibliotecas Públicas Portuguesas
 
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticas
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticasPlano Nacional de Leitura: discursos & práticas
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticas
 
RNBP - A insustentável leveza do ser
RNBP - A insustentável leveza do serRNBP - A insustentável leveza do ser
RNBP - A insustentável leveza do ser
 
BibViva 2011 - Filipe Leal
BibViva 2011 - Filipe LealBibViva 2011 - Filipe Leal
BibViva 2011 - Filipe Leal
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

O Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas

  • 1. O Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas* (Rascunho de uma carta aberta para o Secretário de Estado da Cultura) Por Filipe Leal Estimado Jorge Barreto Xavier, Dirijo-me a si através desta carta aberta. Faço-o porque dos dois anos que trabalhámos juntos na Câmara Municipal de Oeiras (enquanto Vereador do Pelouro da Cultura e enquanto Chefe da Divisão de Bibliotecas) me ficou a ideia que é conhecedor e defensor do inestimável papel social desempenhado pelas bibliotecas públicas. Acredito que o sucesso das bibliotecas públicas se deve à confluência de três fatores determinantes: vontade politica (materializada na aposta estratégica, por parte dos autarcas, no desenvolvimento sustentável dos equipamentos e dos serviços); competência técnica (materializada na existência de equipas técnicas especializadas, com elevados níveis de empenho e de desempenho); recursos estratégicos (materializada em edifícios funcionalmente adequados, fundos documentais diversificados, meios tecnológicos atualizados, equipas técnicas especializadas, recursos financeiros adequados). Em Oeiras, durante alguns anos, esses fatores confluíram de modo a tornar as Bibliotecas Municipais de Oeiras numa referência a nível nacional. Viveu-se um período áureo. Em muitas bibliotecas municipais da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas (RNBP) aconteceu o mesmo. Todavia, depois de 25 anos de implementação em todo o território nacional (são cerca de 200 as novas bibliotecas municipais que já foram inauguradas), a RNBP encontra-se perante um paradoxo: nunca como hoje, foi tão necessário e
  • 2. urgente transformar as bibliotecas públicas portuguesas adequando-as as mudanças sociais ocorridas; nunca, como hoje, houve tanta dificuldade em mobilizar a vontade política e os recursos estratégicos para o fazer. A urgência de transformar as bibliotecas públicas portuguesas surge como resposta às rápidas, profundas e irreversíveis, mudanças sociais ocorridas nos últimos anos (com a emergência da internet e dos novos media); a dificuldade em mobilizar a vontade política e os recursos estratégicos para a transformação decorre do impacto da crise internacional em que estamos mergulhados. Perante este paradoxo, resta-nos tão-somente dois caminhos: transformar ou desaparecer. O fator decisivo que ditará o futuro das bibliotecas públicas portuguesas tem a ver com o seu efetivo impacto social. Das duas, uma: ou as bibliotecas públicas continuarão a acrescentar valor social e sobreviverão, ou as bibliotecas públicas deixaram de acrescentar valor social e desaparecerão. O seu desaparecimento não vai ser um processo imediato e evidente mas será sim um processo de lenta decadência. Com o desinvestimento nos recursos estratégicos e consequente incapacidade de dar resposta às mudanças sociais, as bibliotecas públicas tornar-se-ão em instituições socialmente obsoletas e irrelevantes. Pessoalmente acredito que temos todas as condições para transformar as bibliotecas públicas portuguesas. Mas isso implica definir claramente qual o caminho que queremos trilhar nos próximos anos. A vontade política será determinante no desenvolvimento desse processo de transformação. E é neste contexto que deixo aqui as minhas sugestões para si, enquanto responsável governamental pela área da cultura. Passo a enunciá-las: 1. Realizar um diagnóstico da situação da RNBP – Este diagnóstico é fundamental para conhecer a situação atual das bibliotecas municipais que integram a RNBP, e, consequentemente, estabelecer uma estratégia de desenvolvimento sustentável para os próximos anos. Para além da realização de um inquérito extensivo a todas as bibliotecas, deverão ser
  • 3. também realizados estudos de caso e entrevistas com os atores-chave da RNBP. Acima de tudo há que recolher dados quantitativos e qualitativos dentro de uma matriz previamente definida, estabelecer um quadro de referência nacional e mapear as diversas realidades regionais e locais. Preferencialmente este diagnóstico deverá ser efetuado por uma entidade independente, competente e experiente. Sugiro que essa entidade seja o ISCTE, pelo histórico que esta instituição académica tem na realização deste tipo de estudos na área das bibliotecas. 2. Formar um Grupo de Trabalho RNBP 2020 – À semelhança do que aconteceu no passado (1986 e 1996) é fundamental criar um Grupo de Trabalho que, de uma forma sistemática, apresente um conjunto de propostas para o estabelecimento de uma estratégia, de medidas e de ações estruturantes, para o desenvolvimento sustentável para a RNBP no horizonte temporal de 2020. Esse GT deverá integrar um conjunto de profissionais que, com o seu conhecimento e sua experiência, possam pensar prospectivamente a RNBP. O processo reflexão deve também ter uma componente de debate alargado com todos os profissionais da área (via Fórum das Bibliotecas Públicas). O resultado desse trabalho deve ser consubstanciado através da definição de Linhas de Orientação para a RNBP. Esse documento deve ter um carácter orientador e não vinculador, todavia a sua aplicação deve ser incentivada pelo Estado. 3. Criar um Fórum das Bibliotecas Públicas – Este Fórum será um espaço de participação alargada a todos os profissionais da área das bibliotecas públicas portuguesas. Tendo o carácter de um espaço de reflexão e de debate permanentes e em aberto, este fórum será materializado de duas maneiras: fórum presencial (reuniões mensais com duração de um dia), onde serão abordados circunstanciadamente e em profundidade temas
  • 4. atuais (formas de financiamento, serviços inovadores, atualização profissional, modelos de gestão, ferramentas do marketing, integração dos ebooks, etc.); fórum virtual (suportado por um site com ligação às redes sociais), esta componente do fórum permite que a reflexão e o debate sejam ainda mais continuados, alargados e participados. Do Fórum surgirão uma série de recursos e documentos que irão engrossar um corpus técnico para a mobilização e atualização dos profissionais (vídeos, recomendações, tutoriais, etc.). 4. Definir Linhas de Orientação para a RNBP – Com o Programa da RNBP foi estabelecido um modelo para a criação e organização de novas bibliotecas municipais. Esse modelo definia claramente (em função da população servida): filosofia de organização e funcionamento, áreas dos edifícios das bibliotecas, fundos documentais mínimos, infraestrutura tecnológica básica, quadro de pessoal necessário. Ficou por definir no Programa da RNBP um modelo para o funcionamento e gestão das novas bibliotecas municipais. Esse modelo deverá definir claramente (em função nas novas exigências sociais): portfolio de serviços mínimos, métodos de envolvimento das comunidades, métodos de gestão inovadores, fontes de financiamento adequadas, perfil de competências dos profissionais, estratégias de funcionamento em rede. Estas orientações devem ser operacionalizadas por programas governamentais que incentivem a sua aplicação e prémios que reconheçam os resultados alcançados. 5. Criar um programa de formação avançada para bibliotecários – Os bibliotecários são os agentes da mudança e da inovação tão necessária à transformação das bibliotecas públicas portuguesas. Atualizar os conhecimentos e as competências técnicas dos bibliotecários que já trabalham na RNBP é uma tarefa urgente e prioritária. O enfoque deste
  • 5. programa deve ser colocado nas seguintes temáticas: métodos de gestão para a qualidade e para a inovação, liderança de equipas de trabalho e de projetos inovadores, desenvolvimento de serviços inovadores de base tecnológica, métodos de envolvimento das comunidades locais na gestão. Financiado pelo Estado, sujeito a um rigoroso processo de candidaturas, este programa deve ser desenvolvido em estrita colaboração com a BAD (pela sua longa experiência de formação profissional especializada). Acima de tudo este programa deve servir para criar uma postura resiliente, proactiva e inovadora, por parte dos bibliotecários da RNBP. 6. Criar um programa de inovação para a RNBP – O desenvolvimento sustentável das bibliotecas públicas portuguesas depende, em grande medida, da sua capacidade para respostar de forma rápida e eficiente aos constantes desafios que as rápidas e profundas mudanças sociais implicam. A inovação é pois uma estratégia determinante não somente para melhorar a performance das bibliotecas públicas mas essencialmente para garantir o seu impacto social. No entanto, a inovação não deve ter a novidade tecnológica por motivação e justificação. Inovar deve significar, antes de mais, tornar as bibliotecas públicas mais adequadas às comunidades que servem. Assim sendo, grande parte das inovações serão de ordem metodológica, levando a novas formas de prestar serviços, de envolver as comunidades, de promover a literacia, de gerar recursos, de organizar espaços, de motivar equipas. O modelo a aplicar pode ser idêntico ao utilizado com grande sucesso na Rede Internacional de Bibliotecas Públicas (financiada pela Fundação Bertelsmann). Fase 1 – desenvolvimento de um novo conceito, serviço ou metodologia; Fase 2 – aplicação num conjunto de bibliotecas públicas de teste; Fase 3 – monitorização e avaliação dos resultados
  • 6. alcançados; Fase 4 – validação do novo conceito, serviço ou metodologia; Fase 5 – disseminação alargada dos resultados alcançados. 7. Criar um prémio de boas práticas na RNBP – Dar a conhecer de forma sistemática e alargada muito do trabalho anónimo mas altamente meritório que já é realizado pelas bibliotecas municipais que integram a RNBP é o grande objetivo deste programa. Passando por um processo de avaliação de candidaturas (por um júri independente) as boas práticas são avaliadas, validades e premiadas. O prémio deve ter duas componentes: reconhecimento público das boas práticas; integração prioritária no programa de inovação. Todas as boas práticas da RNBP serão disseminadas pelas outras bibliotecas municipais através de vários métodos: estudos de caso, entrevistas com intervenientes, organização de seminários, organização de estágios, etc. Estimado Jorge Barreto Xavier, Concluo sublinhando três ideias centrais: acredito que a redefinição das politicas estatais que estão na base da RNBP é urgente e inadiável; acredito que essa será uma das preocupações prioritárias da SEC sobre sua liderança e supervisão; acredito que os profissionais da RNBP estão interessados e vão estar empenhados no processo de transformação das bibliotecas públicas portuguesas. Está nas suas mãos (enquanto responsável governamental pela área) desencadear esse processo de transformação. O repto fica aqui lançado, espero que aceite o desafio. Saudações cordiais Filipe Leal * Publicado originalmente no blog Edição Exclusiva (http://edicaoexclusiva.blogspot.pt/)