SlideShare uma empresa Scribd logo
Unidade I
MÉTODOS DE PESQUISA
Prof. Dra. Cecília M. Villas Bôas
A pesquisa como produção de
conhecimento
A ciência é uma atividade tipicamente
humana de busca sistemática do
conhecimento da natureza e dos seus
fenômenos.
Observação;Observação;
Descrição;
Experimentação;
Teorização.
A pesquisa como produção de
conhecimento
Dependendo do objeto de pesquisa:
A experimentação;
Modelo teórico;
A experimentação pode ser mais ou
menos rigorosa, dependendo dos
recursos que se dispõe, inclusive o
conhecimento teórico pré-existente.
A pesquisa como produção de
conhecimento
Conceito de tecnologia
A tecnologia é o estudo das
técnicas.
É a busca do conhecimento
de como produzir e
desenvolver instrumentosdesenvolver instrumentos.
Na sua origem, a tecnologia
era uma atividade típica de
artesãos.
Conceito de tecnologia
Conceito de pesquisa
A pesquisa é o exercício ou a prática da
busca do conhecimento:
Básica;
AplicadaAplicada.
Conceito de pesquisa
Sub-classificação
da pesquisa em:
Estratégica;
FundamentalFundamental.
Conceito de desenvolvimento
experimental - P&D
Desenvolvimento experimental:
Etapas de transformação de uma
descoberta ou um invento em uma
inovação;
O aprimoramento de uma inovação
tecnológica.
Conceito de estado do
conhecimento ou “estado da arte”
Estado do conhecimento é a avaliação do
conhecimento em um determinado
momento, seja ele referente a um campo da
ciência ou a uma determinada técnica.
"Estado da arte"(state of the arts);Estado da arte (state of the arts);
Descobertas ou invenções;
Inventos e inovações.
Processo de geração de
conhecimento
A geração de conhecimento implica em
que a atividade nas áreas de C&T e de P&D,
tenham como resultado os produtos, as
descobertas, invenções ou inovações.
Interatividade
Qual a afirmação INCORRETA?Qual a afirmação INCORRETA?
A geração de conhecimento:
a) Significa a atividade nas áreas de C&T e
de P&D que têm como resultado as
descobertas, invenções ou inovações;
b) Dá l b tó i d i id db) Dá-se em laboratórios de universidades e
centros de pesquisa;
c) Na área tecnológica tem lugar nos
laboratórios, oficinas, plantas-piloto e
parques tecnológicos;
d) Nunca ocorre em incubadoras ded) Nunca ocorre em incubadoras de
empresas de universidades e de centros
de pesquisa ou em instalações de
pesquisa das indústrias;
e) Interessa de perto ao setor
produtivo.
Processo de geração de
conhecimento
O desafio está em aumentar a colaboração
e o relacionamento entre a área tecnológica
e a científica.
Inovação
A inovação é a invenção que tem condições
de ser absorvida pelo setor produtivo,
pode ser de produto ou de processo.
Inovação
Investigação
Tecnológica
Proteção da
Tecnologia
Gestão da Prova de
Conceito
Planejamento do
Negócio
Desenv. do Produto
Transferência da
Tecnologia
Identificação
Oportunida-des
Start-up do Negócio
CAPTAÇÃO DE RECURSOS / PROJETOS
Investigação
Tecnológica
Proteção da
Tecnologia
Gestão da Prova de
Conceito
Planejamento do
Negócio
Desenv. do Produto
Transferência da
Tecnologia
Identificação
Oportunida-des
Identificação
Oportunida-des
Start-up do NegócioStart-up do Negócio
CAPTAÇÃO DE RECURSOS / PROJETOSCAPTAÇÃO DE RECURSOS / PROJETOSCAPTAÇÃO DE RECURSOS / PROJETOS
CIÊNCIA MERCADOINOVAÇÃOCIÊNCIA MERCADOINOVAÇÃO
Inovação
O interesse pelo estudo do
progresso técnico e seus efeitos na
economia
Progresso técnico.
Para renovar e impulsionar os setores
produtivos;
Melhorar a qualidade.
Conhecer a natureza do progresso técnico
aplicado ao sistema produtivo vem
constituindo preocupação das várias
correntes do pensamento econômico.
O enfoque dos economistas
clássicos
Para os economistas clássicos o progresso
técnico traria prosperidade e bem estar.
Smith, Ricardo e Mill - foram os primeiros a
reconhecer o papel do progresso técnico
no crescimento econômicono crescimento econômico.
Os países que mais avançassem no uso
das novas técnicas poderiam beneficiar-se
nas relações de comércio internacional.
A visão marxista do progresso
técnico
Marx não dissociava a expansão capitalista
da utilização do progresso técnico.
Os impactos negativos da grande indústria:
Destruição de formas antigas de
produção familiar;
A alienação do trabalhador;
O aumento da exploração capitalista.
A visão do pensamento neoclássico
convencional
Os neoclássicos convencionais defendem
que não se deve valorar a adoção ou não do
progresso técnico.
A inovação tecnológica dependeria do
avanço do conhecimento científico e dasavanço do conhecimento científico e das
artes técnicas.
A mudança técnica aconteceria
dependendo do preço relativo dos fatores
de produção.de produção.
A visão contemporânea
A visão contemporânea ressalta o impacto
das políticas públicas de ciência e
tecnologia.
Mais importante que a decisão empresarial
de introduzir uma inovação visando maiorde introduzir uma inovação visando maior
competitividade, é o funcionamento do
sistema de geração de tecnologias.
A maneira como se organiza e funciona a
pesquisa básica e a aplicada e ospesquisa básica e a aplicada e os
mecanismos de difusão, é um fator decisivo
nos processos de indução e absorção de
inovações tecnológicas.
O papel da C&T na afirmação da
soberania nacional
Ciência e Tecnologia não são somente
elementos da cultura de um povo, mas são
elementos delimitadores de um perfil
moderno de um Estado nação.
O papel da C&T na afirmação da
soberania nacional
No Brasil:
Há necessidade de que conhecimentos
sejam adaptados à realidade brasileira;
Há necessidade de sermos menosHá necessidade de sermos menos
dependentes de produtos importados;
Há necessidade de sermos eficientes na
geração autóctone do conhecimento.
O papel da C&T na afirmação da
soberania nacional
Menor dependência da importação de
conhecimentos;
Gerar oportunidades de investimentos;
Explorar as vantagens de comércioExplorar as vantagens de comércio
internacional;
Depender menos da pesquisa realizada
fora das fronteiras do Brasil;
Evitar manter um elevado grau de
vulnerabilidade da economia.
O papel da C&T na afirmação da
soberania nacional
O Brasil tem forte potencial para a geração
de conhecimento, mas ainda carece de um
mecanismo que faça com que este
conhecimento alcance o setor produtivo.
O papel da C&T na afirmação da
soberania nacional
6.000
8.000
10.000
12.000
0,80
1,00
1,20
1,40
1,60
A produção científica do
Brasil representa 1,5%
do total mundial
BRASIL: FORTE POTENCIAL DE GERAÇÃO DE CONHECIMENTO
MESTRES E
DOUTORES
TITULADOS
ANUALMENTE
Fonte: CNPq / MCT
6.000
8.000
10.000
12.000
0,80
1,00
1,20
1,40
1,60
6.000
8.000
10.000
12.000
0,80
1,00
1,20
1,40
1,60
6.000
8.000
10.000
12.000
0,80
1,00
1,20
1,40
1,60
A produção científica do
Brasil representa 1,5%
do total mundial
BRASIL: FORTE POTENCIAL DE GERAÇÃO DE CONHECIMENTO
MESTRES E
DOUTORES
TITULADOS
ANUALMENTE
Fonte: CNPq / MCT
0
2.000
4.000
81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 20002001
0,00
0,20
0,40
0,60
0
2.000
4.000
6.000
8.000
10.000
12.000
14.000
16.000
18.000
20.000
Nº DE ARTIGOS
PUBLICADOS EM
REVISTAS
INTERNACIONAIS
Tendência: 6 mil Doutores /
ano
0
2.000
4.000
81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 20002001
0,00
0,20
0,40
0,60
0
2.000
4.000
81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 20002001
0,00
0,20
0,40
0,60
0
2.000
4.000
81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 20002001
0,00
0,20
0,40
0,60
0
2.000
4.000
6.000
8.000
10.000
12.000
14.000
16.000
18.000
20.000
0
2.000
4.000
6.000
8.000
10.000
12.000
14.000
16.000
18.000
20.000
0
2.000
4.000
6.000
8.000
10.000
12.000
14.000
16.000
18.000
20.000
0
2.000
4.000
6.000
8.000
10.000
12.000
14.000
16.000
18.000
20.000
Nº DE ARTIGOS
PUBLICADOS EM
REVISTAS
INTERNACIONAIS
Tendência: 6 mil Doutores /
ano
1987 1988 1989
0
1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000
Mestrado Doutorado
2001
INTERNACIONAIS
Fonte: Capes / MEC
1987 1988 1989
0
1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000
Mestrado Doutorado
20011987 1988 1989
0
1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000
Mestrado Doutorado
2001
0
1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000
Mestrado Doutorado
2001
0
1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000
Mestrado Doutorado
2001
INTERNACIONAIS
Fonte: Capes / MEC
O papel da C&T na afirmação da
soberania nacional
30.000
40.000
50.000
60.000
70.000
30.000
40.000
50.000
60.000
70.000
8241980
CoréiaBrasilAno
8241980
CoréiaBrasilAno
PEDIDOS DE PATENTES DE
INVENÇÃO NO ESCRITÓRIO DE
PATENTES DO EUA (USPTO)
BRASIL X CORÉIA: APROPRIAÇÃO
DE CONHECIMENTO PARA GERAÇÃO DE RIQUEZA
0
10.000
20.000
1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000
Brasil Coréia Taiwan
0
10.000
20.000
1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000
Brasil Coréia Taiwan
3.5381102001
3.314982000
225411990
8241980
3.5381102001
3.314982000
225411990
8241980
A d ã dê i b il i
RENDA PER CAPTA
Em 2003
Brasil = US$ 7,5 mil
Coréia = US$ 17,9 mil
Fonte:INPI
EXPORTAÇÕES TOTAIS - 2004
Brasil = US$ 96,5 bi
Coréia = US$ 254.0 bilhões
A produção acadêmica brasileira
é comparável à coreana
O papel da C&T na afirmação da
soberania nacional
6%
8%
uPatentes
% dos artigos publicados
% patentes reg. nos EUA
0%
2%
4%
Brasil UK Alem França Itália Israel Coréia
%dosArtigoso
Brasil UK Alem. França Itália Israel Coréia
Interatividade
C&T devem ser desenvolvidas no país:
a) Para adaptar o conhecimento à realidade
brasileira;
b) Para possibilitar sermos menos
dependentes de produtos importados;
c) Para gerar conhecimento autóctone;
d) Todas as anteriores.
Tipos de pesquisa
Quanto à Natureza
Pesquisa Básica.
Pesquisa Teórica.
Pesquisa Empírica.
Pesquisa AplicadaPesquisa Aplicada.
Quanto aos objetivos
NÍVEIS CONHECIMENTO OBJETIVOS MODALIDADESNÍVEIS CONHECIMENTO OBJETIVOS MODALIDADES
EXPLORATÓRIA COMO Conhecer mais e
melhor um problem a
Elaborar hipóteses
Aprimorar idéias
Descobrir intuições
Levantamentos
bibliográficos
Entrevistas
Estudos de caso
DESCRITIVA O QUÊ Descrever
características de
l ã
Estudos
etnográficos
população ou
fenômeno
Estabelecer relações
entre variáveis
Levantamentos
(opiniões, atitudes,
crenças...)
EXPLICATIVA POR QUÊ Identificar variáveis
que determinam a
ocorrência de um
fenômeno
Experimental
Explicar a razão do
fenômeno
Investigar relações
de causa e efeito
Quanto aos procedimentos
Quanto aos procedimentos
Pesquisa experimental
Manipula diretamente as variáveis
relacionadas ao objeto de estudo.
O que são variáveis?
Variáveis são características que são
medidas, controladas ou manipuladas em
uma pesquisa.
Dependentes;
Independentes.
Interatividade
O gráfico mostra a variação do consumo
de cerveja com a temperatura.
Qual a variável dependente?
a) O consumo de cerveja
b) A t tb) A temperatura
c) O preço da cerveja
d) N.D.A.
Quanto aos procedimentos
Pesquisa de Laboratório.
Artificializa a produção do fato ou da sua
leitura.
Quanto aos procedimentos
Pesquisa Operacional.
É a investigação sistemática dos
processos de produção.
Quanto aos procedimentos
Levantamento
Caracteriza-se pela interrogação direta
das pessoas, cuja opinião se quer
conhecer.
Pesquisa de Campoq p
Observa o lugar natural onde ocorrem
os fenômenos.
Quanto aos procedimentos
Estudo de caso:
Um caso pode ser...
Uma decisão,
Um programa;
Um processo de implantação.
Quanto aos procedimentos
Pesquisa-ação
Pesquisa social com
base empírica na qual
os pesquisadores e
os participantes estãoos participantes estão
envolvidos de modo
cooperativo ou
participativo.
Quanto à natureza da informação
Quanto à natureza da informação
As pessoas gostam mais de sorvete de
chocolate ou de morango?
55% das pessoas gosta de chocolate;
40% prefere morango;
5% não gosta de sorvete5% não gosta de sorvete.
Quanto à natureza da informação
Questionário:
É um instrumento de coleta de dados;
O questionário deve seguir uma
estrutura lógica, do mais simples ao
mais complexo;mais complexo;
Os questionários devem ser
acompanhados de uma carta de
apresentação detalhando:
A finalidade do estudo;
Como preencher o questionário;
Se é preciso identificação pessoal;
Como devolver o
questionário.
Quanto à natureza da informação
Entrevista Estruturada Entrevistador usa um esquema de questões
sobre um tema
Entrevista Semi-
Estruturada
Há um esquema, mas o entrevistador estimula
que o entrevistado fale livremente sobre
assuntos que vão surgindo
Entrevista Orientada O entrevistador foca sua atenção sobre uma
experiência e seus efeitos
Entrevista de grupo Pequenos grupos respondem simultaneamente à
um grupo de questões
Entrevista informal Utilizada em estudos exploratórios, pode ajudar
a encaminhar a investigação, rever hipóteses.
Entrevista dirigida O informante apenas escolhe uma entre várias
possibilidades.
embora possa se expressar com suas próprias
palavras, é importante que as questões sejam
fechadas.
Entrevistas
Quanto à natureza da informação
Pesquisa Qualitativa:
Considera que há um vínculo entre o
mundo objetivo e a subjetividade do
sujeito que não pode ser traduzido em
números;números;
Não requer o uso de métodos e técnicas
estatísticas;
É descritiva.É descritiva.
Quanto à natureza da informação
Pesquisa Bibliográfica
Fontes primárias São os elementos sobre os quais está
escrevendo diretamente - as matérias primas da
pesquisa (livro, autor, experimento...)
Fontes
secundárias
Livros e artigos nos quais os autores informam
resultados de suas pesquisas baseadas em
d d f t i á idados ou fontes primárias
São citados como suporte para sua pesquisa
Fontes terciárias Livros e artigos baseados em pesquisas
secundárias, baseados nas pesquisas de outros
Sintetizam e explicam a pesquisa feita em uma
área
Úteis para início de pesquisa, mas não são
atualizadas e dão suporte fraco à pesquisaatualizadas e dão suporte fraco à pesquisa
Quanto à natureza da informação
Pesquisa Documental
Documento
“Qualquer suporte que contenha
informação registrada, formando uma
unidade que possa servir para consultaunidade, que possa servir para consulta,
estudo ou prova. Inclui impressos,
manuscritos, registros audiovisuais e
sonoros, imagens, sem modificações,
independentemente do período decorrido
desde a primeira publicação.desde a primeira publicação.
(ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR
6023, 2000)
Interatividade
Quando um pesquisador quer abordar um
assunto e apenas levantar os vários autores
que escreveram sobre este assunto, sua
pesquisa é:
a) Pesquisa bibliográfica;a) Pesquisa bibliográfica;
b) Pesquisa exploratória;
c) Pesquisa operacional;
d) Pesquisa descritiva;
e) Pesquisa açãoe) Pesquisa ação.
É ÓATÉ A PRÓXIMA!

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Métodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade II
Métodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade IIMétodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade II
Métodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade II
Theeh Juh
 
Métodos de Pesquisa - Unidade I
Métodos de Pesquisa - Unidade IMétodos de Pesquisa - Unidade I
Métodos de Pesquisa - Unidade I
Theeh Juh
 
Metodologia Científica 1
Metodologia Científica 1Metodologia Científica 1
Metodologia Científica 1
Niepson Arruda
 
Iniciação à Metodologia Científica e Método de Engenharia
Iniciação à Metodologia Científica e Método de EngenhariaIniciação à Metodologia Científica e Método de Engenharia
Iniciação à Metodologia Científica e Método de Engenharia
guest29598f60
 
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Aula 2   elaboração trabalhos científicosAula 2   elaboração trabalhos científicos
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Rodrigo Abreu
 
Tema 1 fundamentos de pesquisa científica final1
Tema 1 fundamentos de pesquisa científica final1Tema 1 fundamentos de pesquisa científica final1
Tema 1 fundamentos de pesquisa científica final1
Francisco Lindume Lindume
 
Mtc métodos e técnicas de pesquisa - 2012
Mtc   métodos e técnicas de pesquisa - 2012Mtc   métodos e técnicas de pesquisa - 2012
Mtc métodos e técnicas de pesquisa - 2012
Jailson Borges Soares
 
teste teste teste
teste teste testeteste teste teste
teste teste teste
mariatuzzin
 
Passos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.pptPassos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.ppt
Lucovolan
 
Métodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade I
Métodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade IMétodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade I
Métodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade I
Theeh Juh
 
Homem e sociedade unip
Homem e sociedade unipHomem e sociedade unip
Homem e sociedade unip
Arte de Lorena
 
Monografia Poliana Enfermagem 2012
Monografia Poliana Enfermagem 2012Monografia Poliana Enfermagem 2012
Monografia Poliana Enfermagem 2012
Biblioteca Campus VII
 
Tipos de pesquisa
Tipos de pesquisaTipos de pesquisa
Tipos de pesquisa
Marcioveras
 
Babbie earl-metodos-de-pesquisa-de-survey
Babbie earl-metodos-de-pesquisa-de-surveyBabbie earl-metodos-de-pesquisa-de-survey
Babbie earl-metodos-de-pesquisa-de-survey
crizmqc
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
jaddy xavier
 
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De PesquisaAula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Jonathas Carvalho
 
Pesquisa científica
Pesquisa científicaPesquisa científica
Pesquisa científica
costafranklin
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
Joao Balbi
 
Elaborando uma pesquisa qualitativa
Elaborando uma pesquisa qualitativaElaborando uma pesquisa qualitativa
Elaborando uma pesquisa qualitativa
Luís Fernando Tófoli
 
Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1
queenbianca
 

Destaque (20)

Métodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade II
Métodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade IIMétodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade II
Métodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade II
 
Métodos de Pesquisa - Unidade I
Métodos de Pesquisa - Unidade IMétodos de Pesquisa - Unidade I
Métodos de Pesquisa - Unidade I
 
Metodologia Científica 1
Metodologia Científica 1Metodologia Científica 1
Metodologia Científica 1
 
Iniciação à Metodologia Científica e Método de Engenharia
Iniciação à Metodologia Científica e Método de EngenhariaIniciação à Metodologia Científica e Método de Engenharia
Iniciação à Metodologia Científica e Método de Engenharia
 
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Aula 2   elaboração trabalhos científicosAula 2   elaboração trabalhos científicos
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
 
Tema 1 fundamentos de pesquisa científica final1
Tema 1 fundamentos de pesquisa científica final1Tema 1 fundamentos de pesquisa científica final1
Tema 1 fundamentos de pesquisa científica final1
 
Mtc métodos e técnicas de pesquisa - 2012
Mtc   métodos e técnicas de pesquisa - 2012Mtc   métodos e técnicas de pesquisa - 2012
Mtc métodos e técnicas de pesquisa - 2012
 
teste teste teste
teste teste testeteste teste teste
teste teste teste
 
Passos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.pptPassos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.ppt
 
Métodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade I
Métodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade IMétodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade I
Métodos de Pesquisa - Tele-Aula Unidade I
 
Homem e sociedade unip
Homem e sociedade unipHomem e sociedade unip
Homem e sociedade unip
 
Monografia Poliana Enfermagem 2012
Monografia Poliana Enfermagem 2012Monografia Poliana Enfermagem 2012
Monografia Poliana Enfermagem 2012
 
Tipos de pesquisa
Tipos de pesquisaTipos de pesquisa
Tipos de pesquisa
 
Babbie earl-metodos-de-pesquisa-de-survey
Babbie earl-metodos-de-pesquisa-de-surveyBabbie earl-metodos-de-pesquisa-de-survey
Babbie earl-metodos-de-pesquisa-de-survey
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
 
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De PesquisaAula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
 
Pesquisa científica
Pesquisa científicaPesquisa científica
Pesquisa científica
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
 
Elaborando uma pesquisa qualitativa
Elaborando uma pesquisa qualitativaElaborando uma pesquisa qualitativa
Elaborando uma pesquisa qualitativa
 
Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1
 

Semelhante a Métodos de pesquisa - Unidade I (Slides) - Disciplina Online

Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Antônio Diomário de Queiroz
 
Palestra inovação tecnológica e desenvolvimento econômico e social
Palestra inovação tecnológica e desenvolvimento econômico e socialPalestra inovação tecnológica e desenvolvimento econômico e social
Palestra inovação tecnológica e desenvolvimento econômico e social
Claudio Seixas
 
Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014
Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014
Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014
Nilton Nélio Cometti
 
Palestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo Horizonte
Palestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo HorizontePalestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo Horizonte
Palestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo Horizonte
Sistema Mineiro de Inovação
 
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência EmpresarialInovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Antônio Diomário de Queiroz
 
Política de Inovação IF Farroupilha - Santa Maria 10-07-2014
Política de Inovação IF Farroupilha - Santa Maria 10-07-2014Política de Inovação IF Farroupilha - Santa Maria 10-07-2014
Política de Inovação IF Farroupilha - Santa Maria 10-07-2014
Nilton Nélio Cometti
 
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamentoProjeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Lychnoflora Pesquisa e Desenvolvimento em Produtos Naturais
 
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGVFinanciamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
Hudson Mendonça
 
Ciência sem Fronteiras
Ciência sem FronteirasCiência sem Fronteiras
Ciência sem Fronteiras
Confap
 
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimentoO conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
Roberto C. S. Pacheco
 
A Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica BrasileiraA Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica Brasileira
marcelo otenio
 
Palestra interação estratégia inovação glaucio
Palestra interação estratégia inovação glaucioPalestra interação estratégia inovação glaucio
Palestra interação estratégia inovação glaucio
Macroplan
 
Rio Info 2015 - Fomento do Governo do RJ aos Empreendedores de TI - José Robe...
Rio Info 2015 - Fomento do Governo do RJ aos Empreendedores de TI - José Robe...Rio Info 2015 - Fomento do Governo do RJ aos Empreendedores de TI - José Robe...
Rio Info 2015 - Fomento do Governo do RJ aos Empreendedores de TI - José Robe...
Rio Info
 
Mini-curso III SICANP - 28-10-13
Mini-curso III SICANP - 28-10-13Mini-curso III SICANP - 28-10-13
Mini-curso III SICANP - 28-10-13
Darío Palmieri
 
Inova GestòO Cgpei Gci Slides Final
Inova GestòO Cgpei Gci Slides FinalInova GestòO Cgpei Gci Slides Final
Inova GestòO Cgpei Gci Slides Final
Inova Gestão
 
> Estudo dos ambientes de inovação de Minas Gerais: empresas, incubadoras de ...
> Estudo dos ambientes de inovação de Minas Gerais: empresas, incubadoras de ...> Estudo dos ambientes de inovação de Minas Gerais: empresas, incubadoras de ...
> Estudo dos ambientes de inovação de Minas Gerais: empresas, incubadoras de ...
LilianMilena
 
Por quê o Brasil não inova?
Por quê o Brasil não inova?Por quê o Brasil não inova?
Por quê o Brasil não inova?
Marcos CAVALCANTI
 
Aula palestra gestão da inovação usp each nov 2010 eduardo grizendi v 1.0
Aula   palestra gestão da inovação usp each  nov 2010 eduardo grizendi v 1.0Aula   palestra gestão da inovação usp each  nov 2010 eduardo grizendi v 1.0
Aula palestra gestão da inovação usp each nov 2010 eduardo grizendi v 1.0
Eduardo Grizendi
 
0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx
0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx
0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx
PauloFelipeMaximiano1
 
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
Antônio Diomário de Queiroz
 

Semelhante a Métodos de pesquisa - Unidade I (Slides) - Disciplina Online (20)

Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
 
Palestra inovação tecnológica e desenvolvimento econômico e social
Palestra inovação tecnológica e desenvolvimento econômico e socialPalestra inovação tecnológica e desenvolvimento econômico e social
Palestra inovação tecnológica e desenvolvimento econômico e social
 
Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014
Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014
Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014
 
Palestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo Horizonte
Palestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo HorizontePalestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo Horizonte
Palestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo Horizonte
 
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência EmpresarialInovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
 
Política de Inovação IF Farroupilha - Santa Maria 10-07-2014
Política de Inovação IF Farroupilha - Santa Maria 10-07-2014Política de Inovação IF Farroupilha - Santa Maria 10-07-2014
Política de Inovação IF Farroupilha - Santa Maria 10-07-2014
 
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamentoProjeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
 
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGVFinanciamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
 
Ciência sem Fronteiras
Ciência sem FronteirasCiência sem Fronteiras
Ciência sem Fronteiras
 
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimentoO conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
 
A Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica BrasileiraA Pesquisa Científica Brasileira
A Pesquisa Científica Brasileira
 
Palestra interação estratégia inovação glaucio
Palestra interação estratégia inovação glaucioPalestra interação estratégia inovação glaucio
Palestra interação estratégia inovação glaucio
 
Rio Info 2015 - Fomento do Governo do RJ aos Empreendedores de TI - José Robe...
Rio Info 2015 - Fomento do Governo do RJ aos Empreendedores de TI - José Robe...Rio Info 2015 - Fomento do Governo do RJ aos Empreendedores de TI - José Robe...
Rio Info 2015 - Fomento do Governo do RJ aos Empreendedores de TI - José Robe...
 
Mini-curso III SICANP - 28-10-13
Mini-curso III SICANP - 28-10-13Mini-curso III SICANP - 28-10-13
Mini-curso III SICANP - 28-10-13
 
Inova GestòO Cgpei Gci Slides Final
Inova GestòO Cgpei Gci Slides FinalInova GestòO Cgpei Gci Slides Final
Inova GestòO Cgpei Gci Slides Final
 
> Estudo dos ambientes de inovação de Minas Gerais: empresas, incubadoras de ...
> Estudo dos ambientes de inovação de Minas Gerais: empresas, incubadoras de ...> Estudo dos ambientes de inovação de Minas Gerais: empresas, incubadoras de ...
> Estudo dos ambientes de inovação de Minas Gerais: empresas, incubadoras de ...
 
Por quê o Brasil não inova?
Por quê o Brasil não inova?Por quê o Brasil não inova?
Por quê o Brasil não inova?
 
Aula palestra gestão da inovação usp each nov 2010 eduardo grizendi v 1.0
Aula   palestra gestão da inovação usp each  nov 2010 eduardo grizendi v 1.0Aula   palestra gestão da inovação usp each  nov 2010 eduardo grizendi v 1.0
Aula palestra gestão da inovação usp each nov 2010 eduardo grizendi v 1.0
 
0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx
0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx
0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx
 
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
 

Mais de Fernando Souza

A criação estratégica aula 03 - Dickson
A criação estratégica  aula 03 - DicksonA criação estratégica  aula 03 - Dickson
A criação estratégica aula 03 - Dickson
Fernando Souza
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Métodos de pesquisa - Unidade I
Métodos de pesquisa - Unidade IMétodos de pesquisa - Unidade I
Métodos de pesquisa - Unidade I
Fernando Souza
 
Promoção e Merchandising - Planejamento promocional - Aula 04 - Vergne
Promoção e Merchandising - Planejamento promocional - Aula 04 - VergnePromoção e Merchandising - Planejamento promocional - Aula 04 - Vergne
Promoção e Merchandising - Planejamento promocional - Aula 04 - Vergne
Fernando Souza
 
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Fernando Souza
 
Aula 2 - as tramas do texto publicitário - Avelina
Aula 2 - as tramas do texto publicitário - AvelinaAula 2 - as tramas do texto publicitário - Avelina
Aula 2 - as tramas do texto publicitário - Avelina
Fernando Souza
 
Aula 1 - oficina de linguagens - Avelina
Aula 1 - oficina de linguagens - AvelinaAula 1 - oficina de linguagens - Avelina
Aula 1 - oficina de linguagens - Avelina
Fernando Souza
 
Criação Publicitária - Aula 01 - Dickson
Criação Publicitária  - Aula 01 - DicksonCriação Publicitária  - Aula 01 - Dickson
Criação Publicitária - Aula 01 - Dickson
Fernando Souza
 
Criação publicitária - As raízes do design gráfico - Dickson
Criação publicitária - As raízes do design gráfico - DicksonCriação publicitária - As raízes do design gráfico - Dickson
Criação publicitária - As raízes do design gráfico - Dickson
Fernando Souza
 
Promoção e merchandising aula 02 - promoção institucional
Promoção e merchandising   aula 02 - promoção institucionalPromoção e merchandising   aula 02 - promoção institucional
Promoção e merchandising aula 02 - promoção institucional
Fernando Souza
 
Arte e publicidade - Aula 01
Arte e publicidade - Aula 01Arte e publicidade - Aula 01
Arte e publicidade - Aula 01
Fernando Souza
 
Final
FinalFinal

Mais de Fernando Souza (12)

A criação estratégica aula 03 - Dickson
A criação estratégica  aula 03 - DicksonA criação estratégica  aula 03 - Dickson
A criação estratégica aula 03 - Dickson
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Métodos de pesquisa - Unidade I
Métodos de pesquisa - Unidade IMétodos de pesquisa - Unidade I
Métodos de pesquisa - Unidade I
 
Promoção e Merchandising - Planejamento promocional - Aula 04 - Vergne
Promoção e Merchandising - Planejamento promocional - Aula 04 - VergnePromoção e Merchandising - Planejamento promocional - Aula 04 - Vergne
Promoção e Merchandising - Planejamento promocional - Aula 04 - Vergne
 
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
 
Aula 2 - as tramas do texto publicitário - Avelina
Aula 2 - as tramas do texto publicitário - AvelinaAula 2 - as tramas do texto publicitário - Avelina
Aula 2 - as tramas do texto publicitário - Avelina
 
Aula 1 - oficina de linguagens - Avelina
Aula 1 - oficina de linguagens - AvelinaAula 1 - oficina de linguagens - Avelina
Aula 1 - oficina de linguagens - Avelina
 
Criação Publicitária - Aula 01 - Dickson
Criação Publicitária  - Aula 01 - DicksonCriação Publicitária  - Aula 01 - Dickson
Criação Publicitária - Aula 01 - Dickson
 
Criação publicitária - As raízes do design gráfico - Dickson
Criação publicitária - As raízes do design gráfico - DicksonCriação publicitária - As raízes do design gráfico - Dickson
Criação publicitária - As raízes do design gráfico - Dickson
 
Promoção e merchandising aula 02 - promoção institucional
Promoção e merchandising   aula 02 - promoção institucionalPromoção e merchandising   aula 02 - promoção institucional
Promoção e merchandising aula 02 - promoção institucional
 
Arte e publicidade - Aula 01
Arte e publicidade - Aula 01Arte e publicidade - Aula 01
Arte e publicidade - Aula 01
 
Final
FinalFinal
Final
 

Último

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 

Último (20)

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 

Métodos de pesquisa - Unidade I (Slides) - Disciplina Online

  • 1. Unidade I MÉTODOS DE PESQUISA Prof. Dra. Cecília M. Villas Bôas
  • 2. A pesquisa como produção de conhecimento A ciência é uma atividade tipicamente humana de busca sistemática do conhecimento da natureza e dos seus fenômenos. Observação;Observação; Descrição; Experimentação; Teorização.
  • 3. A pesquisa como produção de conhecimento Dependendo do objeto de pesquisa: A experimentação; Modelo teórico; A experimentação pode ser mais ou menos rigorosa, dependendo dos recursos que se dispõe, inclusive o conhecimento teórico pré-existente.
  • 4. A pesquisa como produção de conhecimento
  • 5. Conceito de tecnologia A tecnologia é o estudo das técnicas. É a busca do conhecimento de como produzir e desenvolver instrumentosdesenvolver instrumentos. Na sua origem, a tecnologia era uma atividade típica de artesãos.
  • 7. Conceito de pesquisa A pesquisa é o exercício ou a prática da busca do conhecimento: Básica; AplicadaAplicada.
  • 8. Conceito de pesquisa Sub-classificação da pesquisa em: Estratégica; FundamentalFundamental.
  • 9. Conceito de desenvolvimento experimental - P&D Desenvolvimento experimental: Etapas de transformação de uma descoberta ou um invento em uma inovação; O aprimoramento de uma inovação tecnológica.
  • 10. Conceito de estado do conhecimento ou “estado da arte” Estado do conhecimento é a avaliação do conhecimento em um determinado momento, seja ele referente a um campo da ciência ou a uma determinada técnica. "Estado da arte"(state of the arts);Estado da arte (state of the arts); Descobertas ou invenções; Inventos e inovações.
  • 11. Processo de geração de conhecimento A geração de conhecimento implica em que a atividade nas áreas de C&T e de P&D, tenham como resultado os produtos, as descobertas, invenções ou inovações.
  • 12. Interatividade Qual a afirmação INCORRETA?Qual a afirmação INCORRETA? A geração de conhecimento: a) Significa a atividade nas áreas de C&T e de P&D que têm como resultado as descobertas, invenções ou inovações; b) Dá l b tó i d i id db) Dá-se em laboratórios de universidades e centros de pesquisa; c) Na área tecnológica tem lugar nos laboratórios, oficinas, plantas-piloto e parques tecnológicos; d) Nunca ocorre em incubadoras ded) Nunca ocorre em incubadoras de empresas de universidades e de centros de pesquisa ou em instalações de pesquisa das indústrias; e) Interessa de perto ao setor produtivo.
  • 13. Processo de geração de conhecimento O desafio está em aumentar a colaboração e o relacionamento entre a área tecnológica e a científica.
  • 14. Inovação A inovação é a invenção que tem condições de ser absorvida pelo setor produtivo, pode ser de produto ou de processo.
  • 15. Inovação Investigação Tecnológica Proteção da Tecnologia Gestão da Prova de Conceito Planejamento do Negócio Desenv. do Produto Transferência da Tecnologia Identificação Oportunida-des Start-up do Negócio CAPTAÇÃO DE RECURSOS / PROJETOS Investigação Tecnológica Proteção da Tecnologia Gestão da Prova de Conceito Planejamento do Negócio Desenv. do Produto Transferência da Tecnologia Identificação Oportunida-des Identificação Oportunida-des Start-up do NegócioStart-up do Negócio CAPTAÇÃO DE RECURSOS / PROJETOSCAPTAÇÃO DE RECURSOS / PROJETOSCAPTAÇÃO DE RECURSOS / PROJETOS CIÊNCIA MERCADOINOVAÇÃOCIÊNCIA MERCADOINOVAÇÃO
  • 17. O interesse pelo estudo do progresso técnico e seus efeitos na economia Progresso técnico. Para renovar e impulsionar os setores produtivos; Melhorar a qualidade. Conhecer a natureza do progresso técnico aplicado ao sistema produtivo vem constituindo preocupação das várias correntes do pensamento econômico.
  • 18. O enfoque dos economistas clássicos Para os economistas clássicos o progresso técnico traria prosperidade e bem estar. Smith, Ricardo e Mill - foram os primeiros a reconhecer o papel do progresso técnico no crescimento econômicono crescimento econômico. Os países que mais avançassem no uso das novas técnicas poderiam beneficiar-se nas relações de comércio internacional.
  • 19. A visão marxista do progresso técnico Marx não dissociava a expansão capitalista da utilização do progresso técnico. Os impactos negativos da grande indústria: Destruição de formas antigas de produção familiar; A alienação do trabalhador; O aumento da exploração capitalista.
  • 20. A visão do pensamento neoclássico convencional Os neoclássicos convencionais defendem que não se deve valorar a adoção ou não do progresso técnico. A inovação tecnológica dependeria do avanço do conhecimento científico e dasavanço do conhecimento científico e das artes técnicas. A mudança técnica aconteceria dependendo do preço relativo dos fatores de produção.de produção.
  • 21. A visão contemporânea A visão contemporânea ressalta o impacto das políticas públicas de ciência e tecnologia. Mais importante que a decisão empresarial de introduzir uma inovação visando maiorde introduzir uma inovação visando maior competitividade, é o funcionamento do sistema de geração de tecnologias. A maneira como se organiza e funciona a pesquisa básica e a aplicada e ospesquisa básica e a aplicada e os mecanismos de difusão, é um fator decisivo nos processos de indução e absorção de inovações tecnológicas.
  • 22. O papel da C&T na afirmação da soberania nacional Ciência e Tecnologia não são somente elementos da cultura de um povo, mas são elementos delimitadores de um perfil moderno de um Estado nação.
  • 23. O papel da C&T na afirmação da soberania nacional No Brasil: Há necessidade de que conhecimentos sejam adaptados à realidade brasileira; Há necessidade de sermos menosHá necessidade de sermos menos dependentes de produtos importados; Há necessidade de sermos eficientes na geração autóctone do conhecimento.
  • 24. O papel da C&T na afirmação da soberania nacional Menor dependência da importação de conhecimentos; Gerar oportunidades de investimentos; Explorar as vantagens de comércioExplorar as vantagens de comércio internacional; Depender menos da pesquisa realizada fora das fronteiras do Brasil; Evitar manter um elevado grau de vulnerabilidade da economia.
  • 25. O papel da C&T na afirmação da soberania nacional O Brasil tem forte potencial para a geração de conhecimento, mas ainda carece de um mecanismo que faça com que este conhecimento alcance o setor produtivo.
  • 26. O papel da C&T na afirmação da soberania nacional 6.000 8.000 10.000 12.000 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 A produção científica do Brasil representa 1,5% do total mundial BRASIL: FORTE POTENCIAL DE GERAÇÃO DE CONHECIMENTO MESTRES E DOUTORES TITULADOS ANUALMENTE Fonte: CNPq / MCT 6.000 8.000 10.000 12.000 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 6.000 8.000 10.000 12.000 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 6.000 8.000 10.000 12.000 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 A produção científica do Brasil representa 1,5% do total mundial BRASIL: FORTE POTENCIAL DE GERAÇÃO DE CONHECIMENTO MESTRES E DOUTORES TITULADOS ANUALMENTE Fonte: CNPq / MCT 0 2.000 4.000 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 20002001 0,00 0,20 0,40 0,60 0 2.000 4.000 6.000 8.000 10.000 12.000 14.000 16.000 18.000 20.000 Nº DE ARTIGOS PUBLICADOS EM REVISTAS INTERNACIONAIS Tendência: 6 mil Doutores / ano 0 2.000 4.000 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 20002001 0,00 0,20 0,40 0,60 0 2.000 4.000 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 20002001 0,00 0,20 0,40 0,60 0 2.000 4.000 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 20002001 0,00 0,20 0,40 0,60 0 2.000 4.000 6.000 8.000 10.000 12.000 14.000 16.000 18.000 20.000 0 2.000 4.000 6.000 8.000 10.000 12.000 14.000 16.000 18.000 20.000 0 2.000 4.000 6.000 8.000 10.000 12.000 14.000 16.000 18.000 20.000 0 2.000 4.000 6.000 8.000 10.000 12.000 14.000 16.000 18.000 20.000 Nº DE ARTIGOS PUBLICADOS EM REVISTAS INTERNACIONAIS Tendência: 6 mil Doutores / ano 1987 1988 1989 0 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 Mestrado Doutorado 2001 INTERNACIONAIS Fonte: Capes / MEC 1987 1988 1989 0 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 Mestrado Doutorado 20011987 1988 1989 0 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 Mestrado Doutorado 2001 0 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 Mestrado Doutorado 2001 0 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 Mestrado Doutorado 2001 INTERNACIONAIS Fonte: Capes / MEC
  • 27. O papel da C&T na afirmação da soberania nacional 30.000 40.000 50.000 60.000 70.000 30.000 40.000 50.000 60.000 70.000 8241980 CoréiaBrasilAno 8241980 CoréiaBrasilAno PEDIDOS DE PATENTES DE INVENÇÃO NO ESCRITÓRIO DE PATENTES DO EUA (USPTO) BRASIL X CORÉIA: APROPRIAÇÃO DE CONHECIMENTO PARA GERAÇÃO DE RIQUEZA 0 10.000 20.000 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 Brasil Coréia Taiwan 0 10.000 20.000 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 Brasil Coréia Taiwan 3.5381102001 3.314982000 225411990 8241980 3.5381102001 3.314982000 225411990 8241980 A d ã dê i b il i RENDA PER CAPTA Em 2003 Brasil = US$ 7,5 mil Coréia = US$ 17,9 mil Fonte:INPI EXPORTAÇÕES TOTAIS - 2004 Brasil = US$ 96,5 bi Coréia = US$ 254.0 bilhões A produção acadêmica brasileira é comparável à coreana
  • 28. O papel da C&T na afirmação da soberania nacional 6% 8% uPatentes % dos artigos publicados % patentes reg. nos EUA 0% 2% 4% Brasil UK Alem França Itália Israel Coréia %dosArtigoso Brasil UK Alem. França Itália Israel Coréia
  • 29. Interatividade C&T devem ser desenvolvidas no país: a) Para adaptar o conhecimento à realidade brasileira; b) Para possibilitar sermos menos dependentes de produtos importados; c) Para gerar conhecimento autóctone; d) Todas as anteriores.
  • 31. Quanto à Natureza Pesquisa Básica. Pesquisa Teórica. Pesquisa Empírica. Pesquisa AplicadaPesquisa Aplicada.
  • 32. Quanto aos objetivos NÍVEIS CONHECIMENTO OBJETIVOS MODALIDADESNÍVEIS CONHECIMENTO OBJETIVOS MODALIDADES EXPLORATÓRIA COMO Conhecer mais e melhor um problem a Elaborar hipóteses Aprimorar idéias Descobrir intuições Levantamentos bibliográficos Entrevistas Estudos de caso DESCRITIVA O QUÊ Descrever características de l ã Estudos etnográficos população ou fenômeno Estabelecer relações entre variáveis Levantamentos (opiniões, atitudes, crenças...) EXPLICATIVA POR QUÊ Identificar variáveis que determinam a ocorrência de um fenômeno Experimental Explicar a razão do fenômeno Investigar relações de causa e efeito
  • 34. Quanto aos procedimentos Pesquisa experimental Manipula diretamente as variáveis relacionadas ao objeto de estudo.
  • 35. O que são variáveis? Variáveis são características que são medidas, controladas ou manipuladas em uma pesquisa. Dependentes; Independentes.
  • 36. Interatividade O gráfico mostra a variação do consumo de cerveja com a temperatura. Qual a variável dependente? a) O consumo de cerveja b) A t tb) A temperatura c) O preço da cerveja d) N.D.A.
  • 37. Quanto aos procedimentos Pesquisa de Laboratório. Artificializa a produção do fato ou da sua leitura.
  • 38. Quanto aos procedimentos Pesquisa Operacional. É a investigação sistemática dos processos de produção.
  • 39. Quanto aos procedimentos Levantamento Caracteriza-se pela interrogação direta das pessoas, cuja opinião se quer conhecer. Pesquisa de Campoq p Observa o lugar natural onde ocorrem os fenômenos.
  • 40. Quanto aos procedimentos Estudo de caso: Um caso pode ser... Uma decisão, Um programa; Um processo de implantação.
  • 41. Quanto aos procedimentos Pesquisa-ação Pesquisa social com base empírica na qual os pesquisadores e os participantes estãoos participantes estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo.
  • 42. Quanto à natureza da informação
  • 43. Quanto à natureza da informação As pessoas gostam mais de sorvete de chocolate ou de morango? 55% das pessoas gosta de chocolate; 40% prefere morango; 5% não gosta de sorvete5% não gosta de sorvete.
  • 44. Quanto à natureza da informação Questionário: É um instrumento de coleta de dados; O questionário deve seguir uma estrutura lógica, do mais simples ao mais complexo;mais complexo; Os questionários devem ser acompanhados de uma carta de apresentação detalhando: A finalidade do estudo; Como preencher o questionário; Se é preciso identificação pessoal; Como devolver o questionário.
  • 45. Quanto à natureza da informação Entrevista Estruturada Entrevistador usa um esquema de questões sobre um tema Entrevista Semi- Estruturada Há um esquema, mas o entrevistador estimula que o entrevistado fale livremente sobre assuntos que vão surgindo Entrevista Orientada O entrevistador foca sua atenção sobre uma experiência e seus efeitos Entrevista de grupo Pequenos grupos respondem simultaneamente à um grupo de questões Entrevista informal Utilizada em estudos exploratórios, pode ajudar a encaminhar a investigação, rever hipóteses. Entrevista dirigida O informante apenas escolhe uma entre várias possibilidades. embora possa se expressar com suas próprias palavras, é importante que as questões sejam fechadas. Entrevistas
  • 46. Quanto à natureza da informação Pesquisa Qualitativa: Considera que há um vínculo entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido em números;números; Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas; É descritiva.É descritiva.
  • 47. Quanto à natureza da informação Pesquisa Bibliográfica Fontes primárias São os elementos sobre os quais está escrevendo diretamente - as matérias primas da pesquisa (livro, autor, experimento...) Fontes secundárias Livros e artigos nos quais os autores informam resultados de suas pesquisas baseadas em d d f t i á idados ou fontes primárias São citados como suporte para sua pesquisa Fontes terciárias Livros e artigos baseados em pesquisas secundárias, baseados nas pesquisas de outros Sintetizam e explicam a pesquisa feita em uma área Úteis para início de pesquisa, mas não são atualizadas e dão suporte fraco à pesquisaatualizadas e dão suporte fraco à pesquisa
  • 48. Quanto à natureza da informação Pesquisa Documental Documento “Qualquer suporte que contenha informação registrada, formando uma unidade que possa servir para consultaunidade, que possa servir para consulta, estudo ou prova. Inclui impressos, manuscritos, registros audiovisuais e sonoros, imagens, sem modificações, independentemente do período decorrido desde a primeira publicação.desde a primeira publicação. (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023, 2000)
  • 49. Interatividade Quando um pesquisador quer abordar um assunto e apenas levantar os vários autores que escreveram sobre este assunto, sua pesquisa é: a) Pesquisa bibliográfica;a) Pesquisa bibliográfica; b) Pesquisa exploratória; c) Pesquisa operacional; d) Pesquisa descritiva; e) Pesquisa açãoe) Pesquisa ação.
  • 50. É ÓATÉ A PRÓXIMA!