SlideShare uma empresa Scribd logo
Gestão Estratégica da Inovação
Antônio Diomário de Queiroz
Diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação
Reunião Plenária
Jaraguá do Sul, 07 de abril de 2014
1. Inovação: fator chave de sucesso para a
gestão empresarial na sociedade do
conhecimento
2. Estratégias de inovação para o
empreendedorismo inovador em Santa
Catarina
Gestão Estratégica da Inovação
1. Inovação: fator chave de sucesso para
a gestão empresarial na sociedade do
conhecimento
2. Estratégias de inovação para o
empreendedorismo inovador em Santa
Catarina
Gestão Estratégica da Inovação
A gestão consiste
em orientar, dirigir
e controlar os
esforços de um
grupo de
indivíduos para
um objetivo
comum.
NEWMAN, Willian H., 1980
Conceito de Gestão
Modelo do Termostato:
a Gestão assegura os padrões
Padrões desejados
Gestão
Eficiência
Produtividade
Rentabilidade
A Gestão inclui a Análise Ambiental
Análise Ambiental
Gestão
Gestão por Objetivos
Estratégia
Política e Diretrizes
Linhas de Ação
Mensuração e
Informação
Controle Estratégico
de
Gestão
A Gestão integra Estratégia e Ação
Estratégia
Ação
Ambiente Interno
Ambiente Externo
Slack:
modelo geral da administração de produção
Diomário
Input
Recursos a
serem
transformad
osMateriais
Informações
Consumidor
es
Instalações
Pessoal
Input
Recursos de
transformação
Bens
e
serviços
INPUT OUTPUT
Ambiente
Ambiente
Processo
de
Transformação
Plano
Planejamento
e controle
Estratégia
de produção
Melhoria
Papel e posição
competitiva da
empresa
Objetivos
estratégicos
NÍVEL DE
GESTÃO
OPERACIONAL ESTRATÉGICO
A POSTERIORI
MOMENTO
A PRIORI
(PROATIVO)
A
ZONA A: Prática de Ontem
Fonte: Hugues Boisvert
D
ZONA D: Prática de Amanhã
C
ZONA C: Teoria de Hoje
B
ZONA B: Prática de Hoje
Momento de intervenção e
nível de gestão
Gestão
Estratégica
Metas
Gestão por
Processos
Atividades
Visão e Valores
Objetivos Estratégicos
Necessidades de informações
Arquitetura da Informação
MelhoriaContínua
MelhoriaContínua
Estratégia
Diomário
Conceito Renovado de Gestão
Gestão da
Performance
Indicadores de
Gestão - FCS
Flexibilidade Flexibilidade
Qualidade
Competitividade
Atrair e Reter
Clientes
Lucrativos
Fatores chaves de sucesso
A inovação
tornou-se
fundamental para
a definição do
posicionamento
competitivo da
empresa
Inovação e Competitividade
Criação do conhecimento
Contínua inovação
Vantagem competitiva
Denise/Senai
Conhecimento
é fator de produção
determinante da
formação do valor
na nova economia.
Diomário: Entrevista ao Jornal da Andes,1995
A Universidade tem a responsabilidade social de
alimentar continuamente com novos
conhecimentos o processo de desenvolvimento
econômico e social de um país.
A responsabilidade social da universidade
A inovação é a
convergência da
história de
diversas pessoas
para encontrar
uma solução
de futuro.
2003. Queiroz, Diomário
Criatividade é uma
habilidade humana, a
qual permite chegar
a soluções novas
para problemas a
partir de associação
de informações
anteriores.
Criatividade
http://www.eps.ufsc.br/disserta99/queiroz
Alexandre Hering de Queiroz
Ideias Criativas Geram Inovações
Ciência
Resolvem
Problemas
Científicos
Geram
Inovações
Método
Tecnologia
Ideias criativas
Criatividade direcionada
para resultados
Criatividade Produtiva
Neri dos Santos, Dr. Ing
"A inovação é o
instrumento específico
dos empreendedores, o
processo pelo qual eles
exploram a mudança
como uma oportunidade
para um negócio
diferente ou um serviço
diferente".
Inovação e Empreendedorismo
Drucker (1987)
Novas
tecnologias
Custo
Prazo
Qualidade
EFICIÊNCIA
Qualidade
das Ideias
EFICÁCIA
Importância da Inovação Tecnológica
http://www.eps.ufsc.br/disserta99/queiroz
Alexandre Hering de Queiroz
Geração de
ideias Produto
inovador
$ $ $ $ $ $ $ETAPAS DE TRIAGEM E DESENVOLVIMENTO
Otimização dos projetos de produtos
O grande problema da
empresa brasileira é que
geralmente ela é simples
reprodutora de
conhecimentos
alienígenas.
Diomário: Entrevista ao Jornal de Santa Catarina, 1995
Valorização das Potencialidades
Regionais pela Pesquisa
Valorização das Potencialidades
Regionais pela Pesquisa
No exterior as empresas são
concebidas como núcleos
de desenvolvimento. Aqui
frequentemente só se atêm à
função de fabricação,
negligenciando-se a
pesquisa e a inovação.
Diomário: Entrevista ao Jornal de Santa Catarina, 1995
O novo paradigma do desenvolvimento
A economia baseada no conhecimento
DESENVOLVIMENTO
ECONÔMICO
Trabalho Capital
Produtividade
Capital Humano Uso das TIC Inovacão e Ciência Impulso Emprendedor
• Nível de formação
• Formação em C&T
• Formação em Gestão
• Investimento
• Uso
• Base de Ciência
• Difusão
• Relação Ciência-Indústria
• Cultura “inovacão”
• Empresa Internacional
• Criatividade
• Capital de Risco
• Facilidade de
Negociação
• Emp. forte crescimento
Entorno Favorável
Adaptado de Angel Landabaso
Conselheiro C & T
Delegação da Comissão Européia no Brasil
• A Importância dos Intangíveis
• PMEs Inovadoras
• Integração entre Pesquisa e Inovação
• Capacidade para produzir high-tech
• Melhoria contínua
• Rede global de inovacão e adaptabilidade
• Mudanças tecnológicas e produtos inovadores
Especificidades da Inovação na
Sociedade do Conhecimento
Os investimentos são inseparáveis da inovação
Fonte:Angel Landabaso
Conselheiro C e T
Delegacao da Comissao Européia no Brasil
"A Lei da Inovação passa a vigorar em
um contexto de desafios e de
esperanças. Com ela, avançam a
ciência, a tecnologia e a inovação
brasileiras. E o governo cumpre, mais
uma vez, o seu compromisso de mudar
esse País, na perspectiva de suas
maiorias excluídas e da construção de
um desenvolvimento soberano, com
justiça social". Ministro Eduardo Campos
02/12/2004
Lei 10.973, de 2.12.2004
Lei Brasileira de Inovação
Lei 10.973, de 2-dez-2004
“Inovação: introdução
de novidade ou
aperfeiçoamento no
ambiente produtivo ou
social, que resulte em
novos produtos,
processos ou
serviços”.
Lei da inovação
A Lei 11.196/05 cria a concessão
de incentivos fiscais às pessoas
jurídicas que realizarem
pesquisa e desenvolvimento de
inovação tecnológica.
PEC 290/13
Novo marco legal para
Ciência e Tecnologia
Esgotamento das estratégias convencionais de estímulo ao
desenvolvimento econômico e social
Persistente estagnação da produtividade no setor produtivo brasileiro
Constitucionalizar o conceito de Inovação de modo a fundamentar as
ações articuladas entre academia e setor produtivo, para retomar o
ímpeto da pesquisa nacional e da criação de soluções tecnológicas
adequadas aos desafios econômicos e sociais do país.
Formalização constitucional de um Sistema Nacional de Ciência,
Tecnologia e Inovação
Melhoria da eficácia do SNCTI, desburocratizando procedimentos e
viabilizando novas formas de trabalho
1. Inovação: fator chave de sucesso para
a gestão empresarial na sociedade do
conhecimento
2. Estratégias de inovação para o
empreendedorismo inovador em Santa
Catarina
Gestão Estratégica da Inovação
2014
SC: trajetória estratégica da Inovação
Incubadora
1986
Projeto
Sapiens
2001
Parqtec Alfa
1993
CELTA
19951991
Tecnópolis
1984
CERTI
2008
Sapiens Parque
2006
Marco Zero
Sapiens
1960
Parqtec Alfa e CELTA
Parque tecnológico
75 empresas de tecnologia instaladas
Mais de 3.000 postos de trabalho
Receitas anuais de R$ 400 milhões
Incubadora celta
42 empresas incubadas e 65 graduadas
Mais de 600 postos de trabalho (2500
graduadas)
Receitas anuais de R$ 45 M (R$ 600 M
graduadas)
Parqtec Alfa e Celta
ApoioRealização
Inovação & Sustentabilidade
Ed4. 9.800 m2
Empreendimentos no Sapiens Parque
Centro de Inovação
em Medicamentos
Cluster Life –
5.200 m2
INPETRO – Cluster
Energia– 9.500 m2
Softplan
Cluster TIC –
20.000 m2
InovaLAB – Cluster
de Energia e
Econ.Criativa
Ed5.
15.000m2
Reason
3.000 m2
Acate
20.000 m2
SENAI
Instituto Senai de Inovação na
área de Sistemas Embarcados
Escola do Futuro
Projetos Inovação SENAI
Centro de Inovação de Educação
Básica
Projeto da PMF para a inovação na educação básica
Atividades artísticas-culturais, científicas, desportivas,
informática, ciência e inovação voltadas para o
desenvolvimento da comunicação, sociabilidade, raciocínio,
disciplina e senso crítico para os alunos.
Localização
CIEB – Norte
da Ilha
TÍTULO X
DAS DISPOSIÇÕES
GERAIS
Art. 193. O Estado destinará à
pesquisa científica e
tecnológica pelo menos dois
por cento de suas receitas
correntes, delas excluídas as
parcelas pertencentes aos
Municípios, destinando-se
metade à pesquisa
agropecuária, liberados em
duodécimos.
A Lei Catarinense da
Inovação - Lei no 14.328, de
15 de janeiro de 2008 dispõe
sobre incentivos à pesquisa
científica e tecnológica e à
inovação no ambiente
produtivo no Estado de
Santa Catarina, visando à
capacitação em ciência,
tecnologia e inovação, o
equilíbrio regional e o
desenvolvimento econômico
e sustentável.
Baseada na Lei 10.973, de
2.12.2004 - Lei Brasileira de
Inovação
PCCT&I
“É a síntese do passado de
trabalho competente de
muitas pessoas e
instituições, e, ao
mesmo tempo, o desafio
estratégico que une
governo, academia e
agentes econômicos e
sociais, visando à
qualidade de vida dos
habitantes e ao
desenvolvimento de
Santa Catarina, com
sustentabilidade
ambiental e equilíbrio
regional.”
Desenvolvimento Regional Sustentável
com Base em Educação, Ciência,
Tecnologia e Inovação
P
C
C
T
&
I
CONHECIMENTO
Princípios
Eixos
Estratégicos
Linhas de Ação
Prioridades
OBJETIVO
Desenvolvimento
Sustentável e
Qualidade de
Vida da
População,
com Equilíbrio
Regional
Eixos estratégicos
I. EXPANSÃO E CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA
CATARINENSE DE CT&I
1.1 Consolidação do Sistema Catarinense de CT&I
1.2 Formação de Recursos Humanos para CT&I
1.3 Infraestrutura para a Pesquisa Científica e
Tecnológica
Santos Dumont
1873-1932
II. PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA
2.1. Pesquisa Científica e Tecnológica
2.2. Pesquisas em Ciências Agrárias e Meio
Ambiente
Eixos estratégicos
Galileu Galilei
(1564 - 1642)
III. INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO
3.1 Apoio ao avanço tecnológico e às inovações nas
empresas e outras organizações públicas e privadas.
3.2 Incentivo à Criação e Consolidação de Empresas
Intensivas em Tecnologia
Ozires Silva
(1931)
Eixos estratégicos
IV. DESENVOLVIMENTO SOCIAL E
REGIONAL SUSTENTÁVEL
4.1 Promoção da inclusão digital
4.2 Fomento à disseminação da C&T&I
com enfoque em desenvolvimento local e APLs
4.3 Apoio à P&D aplicado à saúde e à segurança alimentar e
nutricional
4.4 Pesquisa, desenvolvimento agropecuário e agroindustrial
para inserção social
4.5 Fomento a pesquisas para melhoria da habitação e
saneamento básico
Eixos estratégicos
Celso Furtado
(1920 – 2004)
Disseminação da educação superior
Fonte: INEP 2007:
http://www.inep.gov.br/superior/censosuperior/
Leonardo da Vinci
(1452 - 1519)
Matrículas nas Instituições de Educação
Superior em Santa Catarina 2001-2008.
Fonte: site da UFSC, da ACAFE e da AMPESC
* associadas à AMPESC.
Galileu Galilei
(1564 - 1642)
Disseminação da educação superior
Matrículas/ano
Sistema 2001 2005 2006 2007 2008
UFSC 17.111 18.651 22.240 25.737 24.157
Instituições do Sistema ACAFE 112.722 143.153 142.803 159.572 157.520
Instituições de Ensino Superior
Particular*
11.964 41.598 69.453 79.600 121.500
TOTAL 141.797 196.597 233.845 264.909 303.177
Rede Catarinense de Ciência e
Tecnologia - RCT
Instrumentos e instituições de pesquisa
Arranjos Produtivos
Malacocultura
FAPESC: R$ 485.032,32
Finep: R$ 479.977,36
Processos
TêxteisFAPESC:R$
200.000,00
Finep: R$ 249.599,92
Empresas:R$ 93.600,00
Existentes
Novos Arranjos
Cerâmica Vermelha
FAPESC: R$ 746.620,00
Empresas:R$ 192.000,00
Finep:R$ 655.300,80
TIC
FAPESC : R$ 904.500,00
Finep: R$ 786.000,00
Empresas:R$ 400.000,00
Carvão
Madeira e Móveis
FAPESC : R$ 699.357,00
Finep: R$ 915.700,00
Suinocultura
FAPESC:R$ 619.030,00
Finep: R$ 804.959,00
Perdigão:R$ 608.000,00
Continuidade do APL
FINEP: R$ 500.000,00
Programa estruturante do sistema
catarinense de C&T&I
Inovação Têxtil
P&D
em Fitoterápicos
P&D em
madeira e móveis
P&D em recuperação
ambiental pela
exploração do carvão
P&D em
manejo dos solos
Diversidade genética
de espécies vegetais
Inovação tecnológica
da fruticultura de
clima temperado
Rede de Pesquisa
na área de software
Grande
Florianópolis
Sul
Serrana
Oeste
Norte
Vale do Itajaí
Regionais da EPAGRI e da
EMBRAPA
Instrumentos e instituições de pesquisa
Objetivo: Apoio a projetos de C,T&I, que visem o
desenvolvimento sustentável da SDRs do Estado de
Santa Catarina, e que possam promover relevantes
impactos sociais, ambientais e econômicos para a
sociedade local.
Recursos: R$ 18 milhões
Ciência, Tecnologia e Inovação para o
desenvolvimento regional do estado de
Santa Catarina
Chamada pública nº 12/2009
Chamada Pública 12/2009
C&T&I para o Desenvolvimento Regional do
Estado de Santa Catarina
312 PRÉ-SELECIONADOS PELAS SDRS
 R$ 44.896.227,24
212 RECOMENDADOS PELA FAPESC
 R$ 30.604.799,13
132 APROVADOS PELAS SDRs
39 Termos de Outorga, 80 Convênios e 14 Termos de
Subvenção Econômica
 R$ 17.596.950,24
PROJETOS
Organização sistêmica empresarial
SOFTVILLE
ABRADI
ACATE
ASSESPRO-SC
SUCESU-SC
BLUSOFT
CÂMARA e-NET
CDI-SC
CETIC
FECOAGRO
FIESC
FUNDAÇÃO CERTI
OCESC
SEBRAE/SC
SIESC
SEINFLO
SEPIJ
SEPROSC
Associação Catarinense de Empresas de
Tecnologia
Institucional
Entidade privada, sem fins lucrativos, fundada em 1986
com intuito de representar as empresas catarinenses do
setor de tecnologia
Comandada por empresários associados, eleitos para
mandatos de dois anos, sem remuneração
Possui 300 empresas associadas em diversas cidades de
Santa Catarina
Gerencia a Incubadora MIDI Tecnológico, mantida pelo
SEBRAE-SC
Áreas de Atuação
Fortalecimento do Setor
Apoio a captação de recursos;
Ações de acesso à mercado;
Projetos de Subvenção;
Apoio a elaboração de Projetos;
Divulgação de eventos;
Ações Setoriais junto aos órgãos de fomento;
Projetos Estruturantes.
Marco Regulatório
Decreto Estadual nº 2.024/04
Lei de Inovação Federal
Lei de Inovação SC
ISS
MCT / Abes / Brasscom
SOFTEX - Governo Estado - Prefeitura
Áreas de Atuação
Mercado
Projeto Setorial de Integração para
Exportação de Software
Verticais
Inovação
MIDI Tecnológico
Programa Juro Zero
Santa Catarina
Fundos de investimento
Educação, Capacitação e Pesquisa
Projeto de formação de Recursos Humanos
Universidade Setorial
Empreendedorismo
Verticais
Acate – Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia Projetos 2010 Jamile Sabatini Marques
9 verticais
estabelecidas
Mais de 70 empresas
participantes
Conquista de novas
adesões
Comunicação entre
verticais
Acompanhamento nas
reuniões
Organização e controle
das empresas
participantes
Equipe:
Gabriel
Kamila
CONCEITO
SINAPSE
PROTÓTIPO
PN
• Projetos
C&T
• Teses
• Dissertações
• TCC
MCTI
CAPES
CNPQ
FINEP
FAPs
EMPRESA
CONSOLIDADA
SUBVENÇÃOPRIME
EMPRESA
NASCENTE
SEBRAETEC
MPEs
“ TRANSFORMAR CONHECIMENTO E IDEIAS
CRIATIVAS
EM EMPREENDIMENTOS DE SUCESSO ”
P
C
I
Principais programas e projetos
Aporte financeiro em 2014
Fundação de Amparo à Pesquisa e
Inovação do Estado de Santa Catarina
Presidente: Dr. Sergio Gargioni
 Chamada Pública N° 04/2013
 Divulgação do resultado: 07/02/2014
 Total: 22,5 milhões
(15 milhões FINEP; 7,5 milhões FAPESC)
Programa TECNOVA
De 210 propostas foram selecionadas 49
empresas, inclusive a Voxter Soluções em
Manutenção Industrial Ltda de Jaraguá
Programa TECNOVA
 Propostas submetidas: 210 (demanda: 90 milhões)
 Propostas por mesorregião:
Grande Florianópolis - 116
Norte Catarinense - 31
Oeste Catarinense - 23
Sul Catarinense - 6
Vale do Itajaí - 34
PPSUS - Programa de Pesquisa para o SUS
 Chamada Pública 2013
 Total: 2,5 milhões
 Parceiros: Ministério da Saúde (R$1,5
milhão), Secretaria de Saúde/SC (R$
500 mil) e FAPESC (R$ 500 mil)
 Divulgação dos
resultados: 23/01/2014 : selecionados
37 projetos
Equipamento criado com apoio do PPSUS
GeraçãoTEC
 Inscritos: 5.986
 Total: 3,5 milhões (fonte: Pró-emprego)
 Municípios atendidos: Blumenau, Brusque,
Chapecó, Criciúma, Grande Florianópolis, Itajaí,
Joinville, Lages, Nova Veneza, São Bento do Sul e
Tubarão.
 Chamada Pública lançada em 2013
 Total da Chamada Pública: até 7,9 milhões
 Por empresa selecionada: 50 mil da FAPESC
e até 29 mil do SEBRAETEC
Programa SINAPSE da Inovação
Dos 1226 inscritos foram
selecionados 93 projetos sendo 2
de Jaraguá do Sul
Programando o Futuro
Projeto piloto lançado em
Lages para a formação de
crianças
Ações Cooperadas em Prol da
Dinâmica de Inovação da
Sociedade Catarinense
Retorno
Tempo
Investimentos
Ciência
Tecnologia
Inovação
Resultados
Projeto de
EBT
Empreendedorismo Inovador
intenso em C&T
Empresa
Nascente
Idéia +
Conhecimento
Empresa
consolidada
P&D
Geração
de Idéias
Pré-Incubação
Incubação
Crescimento
NITs
© COPYRIGHT 2008 - Fundação CERTI
SINAPSE DA INOVAÇÃO SC 2009
SINAPSE DA INOVAÇÃO SC
2010
 Operações já realizadas:
 Piloto Grande Florianópolis-2008
 Estado de Santa Catarina – 2009
 Estado de Santa Catarina – 2010
2008 2009 2010
Acessos ao Portal 7.954 51.000 53.675
Participantes
Cadastrados
496 9.800 13.349
Ideias Inscritas 151 1.174 1.158
Projetos apoiados 10 61 50
TOTAL
Empreendimentos
121
HISTÓRICO
Em 2009 recebeu o Prêmio Nacional ANPROTEC
“Melhor Programa de Empreendedorismo Inovador”
Empresas criadas pelo Sinapse da Inovação
2014: 93 empresas,
sendo 2 de Jaraguá do Sul
Parques Tecnológicos
e Incubadoras em SC
• Florianópolis: CELTA, GENESIS/FEESC,
MIDI Tecnológico/SEBRAE
• Blumenau: BLUSOFT, GENE Blumenau
• Joinville: SOFTVILLE, MIDIVILLE,INOVAPARQ
• Criciúma: MIDISUL
• Rio do Sul: TECNOPARK
• Chapecó: MIDIOESTE
•OBS: Existiam outras iniciativas em fase de desenvolvimento.
Parques Tecnológicos
e Incubadoras em SC
IESJ - São José
SC-Entretenimento
Florianópolis
ACITA - Itapema
2007: 35 incubadoras/pré-incubadoras
ITFETEP
São Bento do Sul
UNC CETEC
Curitibanos
G-TEC
Rio do Sul
JARAGUATEC
Pré Incubadora da Unerj
2004: 30 incubadoras/pré-incubadoras
CITEB
Biguaçu
Inc. UnivaliInc. Unifebe
ACIT/INCEVALE
Tijucas
Base Tecnológica Unisul
Software
Pré-Incubadora de São
Miguel Agronegócios
NECTAR
Informática, Biotecnologia
e Alimentos
TECNOVALE -
do Rio do Peixe
IAC – Agroindustrial
de Concórdia
Incubadora Virtual de
Empresas da Uniplac
MIDI Lages
Agronegócios - Fapeu
Software - Senai/CTAI
Eng. Biomédica
CONTESTEC - Planalto Norte
Carvão
Incubadora de Itá
INTECH Chapecó
GENE Blumenau
SOFTVILLE
BLUSOFT
MIDIVILLE
MIDISUL
MIDIOESTE
CELTA
GENESS/FEESC
MIDI Tecnológico/SEBRAE
2002: 10 incubadoras
2010: + 13 aprovadas CP
12/2009
INOVASUL
Incubadora
Ibirama
Incubadora
Luzerna
Incubadora
Caçador
2009: 44 incubadoras/pré-incubadoras
JaraguaTec
Centro de Inovação e Pesquisas
Tecnológicas Espaço para a ciência e a
tecnologia como caminho para
o desenvolvimento
Professor Victor Danich,
Diretor Executivo
Empresas incubadas
UPTIME Tecnologia Ltda.
AT4D Tecnologia Ltda.
MAQUINNE AutomotiveCAENVS Automação Ltda.
FOLLOWUP TI Ltda. DREI-K Eletroeletrônica
AJ Equipamentos Ltda.
LSK Metrologia Laboratório Metrologia LSK
VOXTER Ltda.
FNS Manutenção Ltda.
VESOTEC Energia Ltda.
MAXLINE Instr. Mecânica
LHF Instrumentação Ltda.
SPG Robotic Solutions
TOWWER Telecomunicações Ltda.
VESOTEC Energia Ltda.
TOWWER Telecomunicações ACOPTECH Sistemas Ltda.
Empresas incubadas
R$ 120.000,00 por empresa sem contrapartida
Empresas incubadas fase final programa prime
Empresa Empresa
Bananapoly fibras naturais ltda. Meg desenvolvimento de
sistemas ltda.
Caenvs – desenvolvimento e
programação de sistemas de
automação ltda.
Voxter soluções em manutenção
industrial ltda.
Edge automação industrial ltda. V8 web agência digital ltda.
Empresas graduadas
POLIMERTEC IND. E COM.
POLIMERTEC IND. E COM. POLIMERTEC IND. E COM.
POLIMERTEC IND. E COM.
FLEXMOTRONICS LTDA.
ELETRÔNICA EMBARCADA
LAYOUT LTDA.
GATI SISTEMAS LTDA.
SLIM LTDA.
AGÊNCIA81
HANDSON LTDA. ME.
V8WEB DIGITAL LTDA
EDGE AUTOMAÇÃO LTDA.
Empresa associada e graduada
EDGE AUTOMAÇÃO LTDA.
DOALL MÁQUINAS LTDA.
APP DESIGN LTDA.
G1 INFORMÁTICA LTDA.
MEG SISTEMAS LTDA.
TORKMATEC LTDA.
Empresas graduadas
BANANAPOLY Ltda. GETCON Tecnologia Ltda. BRAITEC Equipamentos Ltda.
VIRTUELL Treinamentos Ltda.E2S2 Controle de Potência Ltda. PRODESIGN Máquinas Ltda.
Empresas graduadas
Case EMBRACO
Cooperação Universidade-Empresa
Gestão Estratégica da Inovação
Prédio
construído
pela
Embraco na
UFSC
Pesquisa e Desenvolvimento no
Laboratório Polo
Com a tecnologia Wisemotion, os fabricantes poderão pensar
em designs inovadores para a produção de sistemas de
refrigeração”, explica Roberto H. Campos, presidente da
Embraco.
“Estamos tornando possível um sonho dos nossos clientes:
desenvolver o refrigerador do futuro. O mercado da
refrigeração doméstica irá dar um salto tecnológico com esta
nova solução”, afirma Campos.
“O wisemotion é o primeiro compressor sem
óleo do mundo para refrigeradores, que traz
uma série de benefícios para a qualidade de
vida das pessoas,”, afirmou o vice-presidente
de Pesquisa e Desenvolvimento e Operações
da Embraco, Lainor Driessen,
Wisemotion:primeiro compressor sem óleo do mundo
Brasília, 11 de setembro de 2008.
LANÇAMENTO DA NOVA MARCA
LANÇAMENTO DO 1º PRÊMIO
CISER DE INOVAÇÃO
TECNOLÓGICA
Estratégia de Inovação:
do parafuso aos fixadores
inteligentes
Gestão Estratégica da Inovação
Gestão Estratégica da Inovação
Case
WEG Automação
Eng. Moacyr Rogério Sens
WEG Automação em 1988
Unidade de pesquisa e inovação incubada em Florianópolis
Incubadora
1986
WEG Automação em 1988
Produtos e sistemas
Etapas da Evolução: Desenvolvimento e Produção
(1961 – 1978)
Etapas da Evolução: Expansão e Diversificação
(1979 – 1988)
Etapas da Evolução: Internacionalização
(1989 - 1999)
Etapas da Evolução: Globalização (2000 – 2012)
Ref: Motor 60HP 4p
W22 Super Premium
1980
Efficiency: 90%
1960
Efficiency: 88%
2010
Efficiency: 95,1%
1990
Efficiency: 90,2%
2000
Efficiency: 93,9%
Losses
6020 W
losses 4906 W ( -
18%)
Losses 4797 W ( -
2%)
Losses 2869 W ( -40%)
Losses 2275 W ( -21%)
68% Losses
reduction in the
last 50 years
2012
Efficiency: 95,8%
Losses 1936 W ( -15%)
Exemplos de motores
Elétricos inovadores
Linha w22
 Motores elétricos de indução
 Características elétricas e mecânicas superiores às da linha
W21
 Nova plataforma construtiva – é a base para as demais
linhas de motores WEG
LINHA wquattro
 Motores híbridos: indução e ímãs permanentes
 Partida direta da rede: como os motores de indução
 Operação em velocidade síncrona: como os motores de ímãs
 Rendimento equivalente ao dos motores de ímãs
Desenho da chapa do estator
meramente ilustrativo
Motor com ímãs permanentes WMagnet
Ranhura dos ímãs
Ímã
MOTOR DE INDUÇÃO
MOTOR DE ÍMÃS
Vantagens do motor com ímãs permanentes:
• Rendimento extra alto  economia de
energia
• Volume reduzido
• Peso reduzido
• Mais silencioso
• Menor temperatura nos mancais  maior
vida útil
• Controle sensorless  maior
confiabilidade
• Maior intervalo de relubrificação
• Não necessita ventilação forçada
• Excelente performance em baixas
velocidades
• Velocidade independente da carga
+
Motores de Ímãs Permanentes
para Torres de Refrigeração
 Ímãs permanentes de alta energia
 Acoplamento direto: elimina
engrenagens  menos manutenção e
menores perdas mecânicas
 Alto torque , baixa rotação
 Drive com controle “sensorless”
 Potência: 15kW – 150kW
 Torques: 500 – 10000Nm
 Rotação: 100 – 300 rpm
 Carcaças: 355 – 450
 Maior vida útil
Exemplo de um motor de 45kW, 200rpm, 2150Nm, Rendimento:
94.3%
Motores de Ímãs Permanentes
para Veículos Elétricos
 Ímãs permanentes de alta energia
 Tensão de entrada do drive: 220V
 Rotação máxima: 10000rpm
 Potência nominal: 21kW
 Rotação base: 3600rpm
 Resfriado a água
A Criação de Conhecimento
na Empresa
Nenhum departamento ou grupo
de especialistas da empresa tem
responsabilidade exclusiva pela
criação do novo conhecimento.
A criação do novo
conhecimento é produto
da interação dinâmica
entre todos os funcionários
da organização.
ADAPTAÇÃO
DE TECNOLOGIA
CONTRATAÇÃO
EXTERNA
TECNOLOGIA
WEG
DESENVOLVIMENTO PRÓPRIO
 Pacotes abertos
 Tecnologia do
produto e processo
 Treinamento na fonte
 Benchmarking
 Acompanhamento de
tendências
 Centro Tecnológico
 Engenharia de produtos e processos
 Universidades e consultores
externos
Automação HOJE
 Maior fabricante e líder no mercado
brasileiro de inversores de frequência
e soft-starters
 Maior fabricante brasileiro de
dispositivos de comando, manobra e
proteção de baixa tensão
 Maior fabricante de painéis elétricos da
América Latina
• Líder no fornecimento de
eletrocentros no Brasil
 Focos de atuação em automação
industrial e predial, mobilidade
• urbana, energia solar, segurança
operacional de máquinas e critical
power
Número de Colaboradores - Automação
* Até 31 Julho
Síntese da filosofia da empresa
Obrigado,
Diomário Queiroz
diomarioq@terra.com.br
Palestra disponível em:
www.slideshare.net

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de SuprimentosGestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de Suprimentos
Gerisval Pessoa
 
Função Produção
Função ProduçãoFunção Produção
Função Produção
Mauro Enrique
 
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e MicroAmbientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
Diego Andreasi
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Luis Paulo Barros
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Mayra de Souza
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Celso Alfaia Barbosa
 
Gestão da produção aula 01
Gestão da produção   aula 01Gestão da produção   aula 01
Gestão da produção aula 01
Mauricio de Castro
 
Logística Reversa
Logística ReversaLogística Reversa
Logística Reversa
Jocelenilton Gomes
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
Michael Silva
 
Administração de materiais a apostila - cópia
Administração de materiais   a apostila - cópiaAdministração de materiais   a apostila - cópia
Administração de materiais a apostila - cópia
Aildo de Lima
 
Funções Administrativas
Funções AdministrativasFunções Administrativas
Funções Administrativas
rodspeed
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
ELAINESILVEIRA
 
Cadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentosCadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentos
Felippi Perez
 
Inovação e sustentabilidade
Inovação e sustentabilidadeInovação e sustentabilidade
Inovação e sustentabilidade
Anatalia Saraiva Martins Ramos
 
Gestão da inovação
Gestão da inovaçãoGestão da inovação
Gestão da inovação
Alexandre Spengler
 
Estrutura organizacional e funções administrativas
Estrutura organizacional e funções administrativasEstrutura organizacional e funções administrativas
Estrutura organizacional e funções administrativas
Pedro Kangombe
 
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di MiceliGovernança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Sustentare Escola de Negócios
 
Palestra gestão sistêmica dos valores organizacionais
Palestra gestão sistêmica dos valores organizacionaisPalestra gestão sistêmica dos valores organizacionais
Palestra gestão sistêmica dos valores organizacionais
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 

Mais procurados (20)

Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de SuprimentosGestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de Suprimentos
 
Função Produção
Função ProduçãoFunção Produção
Função Produção
 
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e MicroAmbientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
Adm Producao
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Gestão da produção aula 01
Gestão da produção   aula 01Gestão da produção   aula 01
Gestão da produção aula 01
 
Logística Reversa
Logística ReversaLogística Reversa
Logística Reversa
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Administração de materiais a apostila - cópia
Administração de materiais   a apostila - cópiaAdministração de materiais   a apostila - cópia
Administração de materiais a apostila - cópia
 
Funções Administrativas
Funções AdministrativasFunções Administrativas
Funções Administrativas
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 
Cadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentosCadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentos
 
Inovação e sustentabilidade
Inovação e sustentabilidadeInovação e sustentabilidade
Inovação e sustentabilidade
 
Gestão da inovação
Gestão da inovaçãoGestão da inovação
Gestão da inovação
 
Estrutura organizacional e funções administrativas
Estrutura organizacional e funções administrativasEstrutura organizacional e funções administrativas
Estrutura organizacional e funções administrativas
 
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di MiceliGovernança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
 
Palestra gestão sistêmica dos valores organizacionais
Palestra gestão sistêmica dos valores organizacionaisPalestra gestão sistêmica dos valores organizacionais
Palestra gestão sistêmica dos valores organizacionais
 

Semelhante a Gestão estratégica da inovação

20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
guest5555c1
 
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência EmpresarialInovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Antônio Diomário de Queiroz
 
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Antônio Diomário de Queiroz
 
Visão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e Inovação
Visão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e InovaçãoVisão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e Inovação
Visão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e Inovação
Antônio Diomário de Queiroz
 
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimentoO conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
Roberto C. S. Pacheco
 
Ufmt oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense
Ufmt   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinenseUfmt   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense
Ufmt oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense
Antônio Diomário de Queiroz
 
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
Antônio Diomário de Queiroz
 
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações
 
Sistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do Conhecimento
Sistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do ConhecimentoSistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do Conhecimento
Sistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do Conhecimento
Roberto C. S. Pacheco
 
Implementação dos NITs no âmbito da SES
Implementação dos NITs no âmbito da SESImplementação dos NITs no âmbito da SES
Palestra minas lactea 2015 eduardo grizendi
Palestra minas lactea 2015 eduardo grizendiPalestra minas lactea 2015 eduardo grizendi
Palestra minas lactea 2015 eduardo grizendi
Eduardo Grizendi
 
Cultura para Inovação
Cultura para InovaçãoCultura para Inovação
Cultura para Inovação
Roberto C. S. Pacheco
 
Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.
Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.
Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.
Antônio Diomário de Queiroz
 
Downloads guia_inovacao_empresas
 Downloads guia_inovacao_empresas Downloads guia_inovacao_empresas
Downloads guia_inovacao_empresas
Celia Regina Azevedo Ricotta
 
Aula univas gestão da inovação ago 2013
Aula univas gestão da inovação  ago  2013Aula univas gestão da inovação  ago  2013
Aula univas gestão da inovação ago 2013
Eduardo Grizendi
 
ApresentaçãO Sta Maria
ApresentaçãO Sta MariaApresentaçãO Sta Maria
ApresentaçãO Sta Maria
Larissa Pereira Mayer
 
Caderno de Inovação 17
Caderno de Inovação 17 Caderno de Inovação 17
Caderno de Inovação 17
FGV-EAESP
 
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamentoProjeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Lychnoflora Pesquisa e Desenvolvimento em Produtos Naturais
 
Educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regional
Educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regionalEducação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regional
Educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regional
Antônio Diomário de Queiroz
 

Semelhante a Gestão estratégica da inovação (20)

20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
 
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência EmpresarialInovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
 
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
 
Visão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e Inovação
Visão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e InovaçãoVisão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e Inovação
Visão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e Inovação
 
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimentoO conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
 
Ufmt oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense
Ufmt   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinenseUfmt   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense
Ufmt oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense
 
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
 
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
 
Sistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do Conhecimento
Sistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do ConhecimentoSistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do Conhecimento
Sistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do Conhecimento
 
Implementação dos NITs no âmbito da SES
Implementação dos NITs no âmbito da SESImplementação dos NITs no âmbito da SES
Implementação dos NITs no âmbito da SES
 
Palestra minas lactea 2015 eduardo grizendi
Palestra minas lactea 2015 eduardo grizendiPalestra minas lactea 2015 eduardo grizendi
Palestra minas lactea 2015 eduardo grizendi
 
Cultura para Inovação
Cultura para InovaçãoCultura para Inovação
Cultura para Inovação
 
Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.
Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.
Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.
 
Downloads guia_inovacao_empresas
 Downloads guia_inovacao_empresas Downloads guia_inovacao_empresas
Downloads guia_inovacao_empresas
 
Aula univas gestão da inovação ago 2013
Aula univas gestão da inovação  ago  2013Aula univas gestão da inovação  ago  2013
Aula univas gestão da inovação ago 2013
 
ApresentaçãO Sta Maria
ApresentaçãO Sta MariaApresentaçãO Sta Maria
ApresentaçãO Sta Maria
 
Caderno de Inovação 17
Caderno de Inovação 17 Caderno de Inovação 17
Caderno de Inovação 17
 
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
 
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamentoProjeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
 
Educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regional
Educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regionalEducação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regional
Educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regional
 

Mais de Antônio Diomário de Queiroz

ORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINA
ORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINAORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINA
ORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINA
Antônio Diomário de Queiroz
 
CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO	 CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Antônio Diomário de Queiroz
 
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde
Espiritualidade e valores cristãos para a saúdeEspiritualidade e valores cristãos para a saúde
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde
Antônio Diomário de Queiroz
 
Os escoteiros construindo um mundo melhor!
Os escoteiros construindo um mundo melhor!Os escoteiros construindo um mundo melhor!
Os escoteiros construindo um mundo melhor!
Antônio Diomário de Queiroz
 
Testemunho e vivências de maio 1968 em Paris
Testemunho e vivências de maio 1968 em  ParisTestemunho e vivências de maio 1968 em  Paris
Testemunho e vivências de maio 1968 em Paris
Antônio Diomário de Queiroz
 
Enit oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense final
Enit   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense finalEnit   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense final
Enit oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense final
Antônio Diomário de Queiroz
 
Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...
Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...
Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...
Antônio Diomário de Queiroz
 
Sustentabilidade Empresarial
Sustentabilidade EmpresarialSustentabilidade Empresarial
Sustentabilidade Empresarial
Antônio Diomário de Queiroz
 
Oportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinense
Oportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinenseOportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinense
Oportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinense
Antônio Diomário de Queiroz
 
Paz e conciliação na missão de vida cristã.
Paz e conciliação na missão de vida cristã.Paz e conciliação na missão de vida cristã.
Paz e conciliação na missão de vida cristã.
Antônio Diomário de Queiroz
 
Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...
Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...
Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...
Antônio Diomário de Queiroz
 
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde nonoai2015
Espiritualidade e  valores cristãos para a saúde nonoai2015Espiritualidade e  valores cristãos para a saúde nonoai2015
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde nonoai2015
Antônio Diomário de Queiroz
 
Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...
Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...
Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...
Antônio Diomário de Queiroz
 
Integração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmica
Integração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmicaIntegração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmica
Integração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmica
Antônio Diomário de Queiroz
 
Uma visão estratégica da gestão universitária
Uma visão estratégica da gestão universitáriaUma visão estratégica da gestão universitária
Uma visão estratégica da gestão universitária
Antônio Diomário de Queiroz
 
Emergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
Emergência dos parques tecnológicos em Santa CatarinaEmergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
Emergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
Antônio Diomário de Queiroz
 
Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...
Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...
Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...
Antônio Diomário de Queiroz
 
Associados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do Brasil
Associados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do BrasilAssociados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do Brasil
Associados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do Brasil
Antônio Diomário de Queiroz
 
Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...
Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...
Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...
Antônio Diomário de Queiroz
 
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Antônio Diomário de Queiroz
 

Mais de Antônio Diomário de Queiroz (20)

ORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINA
ORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINAORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINA
ORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINA
 
CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO	 CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
 
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde
Espiritualidade e valores cristãos para a saúdeEspiritualidade e valores cristãos para a saúde
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde
 
Os escoteiros construindo um mundo melhor!
Os escoteiros construindo um mundo melhor!Os escoteiros construindo um mundo melhor!
Os escoteiros construindo um mundo melhor!
 
Testemunho e vivências de maio 1968 em Paris
Testemunho e vivências de maio 1968 em  ParisTestemunho e vivências de maio 1968 em  Paris
Testemunho e vivências de maio 1968 em Paris
 
Enit oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense final
Enit   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense finalEnit   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense final
Enit oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense final
 
Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...
Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...
Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...
 
Sustentabilidade Empresarial
Sustentabilidade EmpresarialSustentabilidade Empresarial
Sustentabilidade Empresarial
 
Oportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinense
Oportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinenseOportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinense
Oportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinense
 
Paz e conciliação na missão de vida cristã.
Paz e conciliação na missão de vida cristã.Paz e conciliação na missão de vida cristã.
Paz e conciliação na missão de vida cristã.
 
Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...
Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...
Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...
 
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde nonoai2015
Espiritualidade e  valores cristãos para a saúde nonoai2015Espiritualidade e  valores cristãos para a saúde nonoai2015
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde nonoai2015
 
Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...
Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...
Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...
 
Integração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmica
Integração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmicaIntegração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmica
Integração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmica
 
Uma visão estratégica da gestão universitária
Uma visão estratégica da gestão universitáriaUma visão estratégica da gestão universitária
Uma visão estratégica da gestão universitária
 
Emergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
Emergência dos parques tecnológicos em Santa CatarinaEmergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
Emergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
 
Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...
Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...
Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...
 
Associados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do Brasil
Associados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do BrasilAssociados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do Brasil
Associados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do Brasil
 
Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...
Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...
Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...
 
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
 

Último

Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 

Último (8)

Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 

Gestão estratégica da inovação

  • 1. Gestão Estratégica da Inovação Antônio Diomário de Queiroz Diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação Reunião Plenária Jaraguá do Sul, 07 de abril de 2014
  • 2. 1. Inovação: fator chave de sucesso para a gestão empresarial na sociedade do conhecimento 2. Estratégias de inovação para o empreendedorismo inovador em Santa Catarina Gestão Estratégica da Inovação
  • 3. 1. Inovação: fator chave de sucesso para a gestão empresarial na sociedade do conhecimento 2. Estratégias de inovação para o empreendedorismo inovador em Santa Catarina Gestão Estratégica da Inovação
  • 4. A gestão consiste em orientar, dirigir e controlar os esforços de um grupo de indivíduos para um objetivo comum. NEWMAN, Willian H., 1980 Conceito de Gestão
  • 5. Modelo do Termostato: a Gestão assegura os padrões Padrões desejados Gestão Eficiência Produtividade Rentabilidade
  • 6. A Gestão inclui a Análise Ambiental Análise Ambiental Gestão Gestão por Objetivos Estratégia
  • 7. Política e Diretrizes Linhas de Ação Mensuração e Informação Controle Estratégico de Gestão A Gestão integra Estratégia e Ação Estratégia Ação Ambiente Interno Ambiente Externo
  • 8. Slack: modelo geral da administração de produção Diomário Input Recursos a serem transformad osMateriais Informações Consumidor es Instalações Pessoal Input Recursos de transformação Bens e serviços INPUT OUTPUT Ambiente Ambiente Processo de Transformação Plano Planejamento e controle Estratégia de produção Melhoria Papel e posição competitiva da empresa Objetivos estratégicos
  • 9. NÍVEL DE GESTÃO OPERACIONAL ESTRATÉGICO A POSTERIORI MOMENTO A PRIORI (PROATIVO) A ZONA A: Prática de Ontem Fonte: Hugues Boisvert D ZONA D: Prática de Amanhã C ZONA C: Teoria de Hoje B ZONA B: Prática de Hoje Momento de intervenção e nível de gestão
  • 10. Gestão Estratégica Metas Gestão por Processos Atividades Visão e Valores Objetivos Estratégicos Necessidades de informações Arquitetura da Informação MelhoriaContínua MelhoriaContínua Estratégia Diomário Conceito Renovado de Gestão Gestão da Performance Indicadores de Gestão - FCS Flexibilidade Flexibilidade
  • 11. Qualidade Competitividade Atrair e Reter Clientes Lucrativos Fatores chaves de sucesso A inovação tornou-se fundamental para a definição do posicionamento competitivo da empresa
  • 12. Inovação e Competitividade Criação do conhecimento Contínua inovação Vantagem competitiva Denise/Senai
  • 13. Conhecimento é fator de produção determinante da formação do valor na nova economia.
  • 14. Diomário: Entrevista ao Jornal da Andes,1995 A Universidade tem a responsabilidade social de alimentar continuamente com novos conhecimentos o processo de desenvolvimento econômico e social de um país. A responsabilidade social da universidade
  • 15. A inovação é a convergência da história de diversas pessoas para encontrar uma solução de futuro. 2003. Queiroz, Diomário
  • 16. Criatividade é uma habilidade humana, a qual permite chegar a soluções novas para problemas a partir de associação de informações anteriores. Criatividade http://www.eps.ufsc.br/disserta99/queiroz Alexandre Hering de Queiroz
  • 17. Ideias Criativas Geram Inovações
  • 19. Criatividade direcionada para resultados Criatividade Produtiva Neri dos Santos, Dr. Ing
  • 20. "A inovação é o instrumento específico dos empreendedores, o processo pelo qual eles exploram a mudança como uma oportunidade para um negócio diferente ou um serviço diferente". Inovação e Empreendedorismo Drucker (1987)
  • 21. Novas tecnologias Custo Prazo Qualidade EFICIÊNCIA Qualidade das Ideias EFICÁCIA Importância da Inovação Tecnológica http://www.eps.ufsc.br/disserta99/queiroz Alexandre Hering de Queiroz Geração de ideias Produto inovador $ $ $ $ $ $ $ETAPAS DE TRIAGEM E DESENVOLVIMENTO Otimização dos projetos de produtos
  • 22. O grande problema da empresa brasileira é que geralmente ela é simples reprodutora de conhecimentos alienígenas. Diomário: Entrevista ao Jornal de Santa Catarina, 1995 Valorização das Potencialidades Regionais pela Pesquisa
  • 23. Valorização das Potencialidades Regionais pela Pesquisa No exterior as empresas são concebidas como núcleos de desenvolvimento. Aqui frequentemente só se atêm à função de fabricação, negligenciando-se a pesquisa e a inovação. Diomário: Entrevista ao Jornal de Santa Catarina, 1995
  • 24. O novo paradigma do desenvolvimento A economia baseada no conhecimento DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Trabalho Capital Produtividade Capital Humano Uso das TIC Inovacão e Ciência Impulso Emprendedor • Nível de formação • Formação em C&T • Formação em Gestão • Investimento • Uso • Base de Ciência • Difusão • Relação Ciência-Indústria • Cultura “inovacão” • Empresa Internacional • Criatividade • Capital de Risco • Facilidade de Negociação • Emp. forte crescimento Entorno Favorável Adaptado de Angel Landabaso Conselheiro C & T Delegação da Comissão Européia no Brasil
  • 25. • A Importância dos Intangíveis • PMEs Inovadoras • Integração entre Pesquisa e Inovação • Capacidade para produzir high-tech • Melhoria contínua • Rede global de inovacão e adaptabilidade • Mudanças tecnológicas e produtos inovadores Especificidades da Inovação na Sociedade do Conhecimento Os investimentos são inseparáveis da inovação Fonte:Angel Landabaso Conselheiro C e T Delegacao da Comissao Européia no Brasil
  • 26. "A Lei da Inovação passa a vigorar em um contexto de desafios e de esperanças. Com ela, avançam a ciência, a tecnologia e a inovação brasileiras. E o governo cumpre, mais uma vez, o seu compromisso de mudar esse País, na perspectiva de suas maiorias excluídas e da construção de um desenvolvimento soberano, com justiça social". Ministro Eduardo Campos 02/12/2004 Lei 10.973, de 2.12.2004 Lei Brasileira de Inovação
  • 27. Lei 10.973, de 2-dez-2004 “Inovação: introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social, que resulte em novos produtos, processos ou serviços”. Lei da inovação
  • 28. A Lei 11.196/05 cria a concessão de incentivos fiscais às pessoas jurídicas que realizarem pesquisa e desenvolvimento de inovação tecnológica.
  • 29. PEC 290/13 Novo marco legal para Ciência e Tecnologia Esgotamento das estratégias convencionais de estímulo ao desenvolvimento econômico e social Persistente estagnação da produtividade no setor produtivo brasileiro Constitucionalizar o conceito de Inovação de modo a fundamentar as ações articuladas entre academia e setor produtivo, para retomar o ímpeto da pesquisa nacional e da criação de soluções tecnológicas adequadas aos desafios econômicos e sociais do país. Formalização constitucional de um Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Melhoria da eficácia do SNCTI, desburocratizando procedimentos e viabilizando novas formas de trabalho
  • 30. 1. Inovação: fator chave de sucesso para a gestão empresarial na sociedade do conhecimento 2. Estratégias de inovação para o empreendedorismo inovador em Santa Catarina Gestão Estratégica da Inovação
  • 31. 2014 SC: trajetória estratégica da Inovação Incubadora 1986 Projeto Sapiens 2001 Parqtec Alfa 1993 CELTA 19951991 Tecnópolis 1984 CERTI 2008 Sapiens Parque 2006 Marco Zero Sapiens 1960
  • 32. Parqtec Alfa e CELTA Parque tecnológico 75 empresas de tecnologia instaladas Mais de 3.000 postos de trabalho Receitas anuais de R$ 400 milhões Incubadora celta 42 empresas incubadas e 65 graduadas Mais de 600 postos de trabalho (2500 graduadas) Receitas anuais de R$ 45 M (R$ 600 M graduadas) Parqtec Alfa e Celta
  • 34. Ed4. 9.800 m2 Empreendimentos no Sapiens Parque Centro de Inovação em Medicamentos Cluster Life – 5.200 m2 INPETRO – Cluster Energia– 9.500 m2 Softplan Cluster TIC – 20.000 m2 InovaLAB – Cluster de Energia e Econ.Criativa Ed5. 15.000m2 Reason 3.000 m2 Acate 20.000 m2
  • 35.
  • 36. SENAI Instituto Senai de Inovação na área de Sistemas Embarcados Escola do Futuro Projetos Inovação SENAI
  • 37. Centro de Inovação de Educação Básica Projeto da PMF para a inovação na educação básica Atividades artísticas-culturais, científicas, desportivas, informática, ciência e inovação voltadas para o desenvolvimento da comunicação, sociabilidade, raciocínio, disciplina e senso crítico para os alunos. Localização CIEB – Norte da Ilha
  • 38. TÍTULO X DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 193. O Estado destinará à pesquisa científica e tecnológica pelo menos dois por cento de suas receitas correntes, delas excluídas as parcelas pertencentes aos Municípios, destinando-se metade à pesquisa agropecuária, liberados em duodécimos.
  • 39. A Lei Catarinense da Inovação - Lei no 14.328, de 15 de janeiro de 2008 dispõe sobre incentivos à pesquisa científica e tecnológica e à inovação no ambiente produtivo no Estado de Santa Catarina, visando à capacitação em ciência, tecnologia e inovação, o equilíbrio regional e o desenvolvimento econômico e sustentável. Baseada na Lei 10.973, de 2.12.2004 - Lei Brasileira de Inovação
  • 40. PCCT&I “É a síntese do passado de trabalho competente de muitas pessoas e instituições, e, ao mesmo tempo, o desafio estratégico que une governo, academia e agentes econômicos e sociais, visando à qualidade de vida dos habitantes e ao desenvolvimento de Santa Catarina, com sustentabilidade ambiental e equilíbrio regional.”
  • 41. Desenvolvimento Regional Sustentável com Base em Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 43. Eixos estratégicos I. EXPANSÃO E CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA CATARINENSE DE CT&I 1.1 Consolidação do Sistema Catarinense de CT&I 1.2 Formação de Recursos Humanos para CT&I 1.3 Infraestrutura para a Pesquisa Científica e Tecnológica Santos Dumont 1873-1932
  • 44. II. PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA 2.1. Pesquisa Científica e Tecnológica 2.2. Pesquisas em Ciências Agrárias e Meio Ambiente Eixos estratégicos Galileu Galilei (1564 - 1642)
  • 45. III. INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 3.1 Apoio ao avanço tecnológico e às inovações nas empresas e outras organizações públicas e privadas. 3.2 Incentivo à Criação e Consolidação de Empresas Intensivas em Tecnologia Ozires Silva (1931) Eixos estratégicos
  • 46. IV. DESENVOLVIMENTO SOCIAL E REGIONAL SUSTENTÁVEL 4.1 Promoção da inclusão digital 4.2 Fomento à disseminação da C&T&I com enfoque em desenvolvimento local e APLs 4.3 Apoio à P&D aplicado à saúde e à segurança alimentar e nutricional 4.4 Pesquisa, desenvolvimento agropecuário e agroindustrial para inserção social 4.5 Fomento a pesquisas para melhoria da habitação e saneamento básico Eixos estratégicos Celso Furtado (1920 – 2004)
  • 47. Disseminação da educação superior Fonte: INEP 2007: http://www.inep.gov.br/superior/censosuperior/ Leonardo da Vinci (1452 - 1519)
  • 48. Matrículas nas Instituições de Educação Superior em Santa Catarina 2001-2008. Fonte: site da UFSC, da ACAFE e da AMPESC * associadas à AMPESC. Galileu Galilei (1564 - 1642) Disseminação da educação superior Matrículas/ano Sistema 2001 2005 2006 2007 2008 UFSC 17.111 18.651 22.240 25.737 24.157 Instituições do Sistema ACAFE 112.722 143.153 142.803 159.572 157.520 Instituições de Ensino Superior Particular* 11.964 41.598 69.453 79.600 121.500 TOTAL 141.797 196.597 233.845 264.909 303.177
  • 49. Rede Catarinense de Ciência e Tecnologia - RCT Instrumentos e instituições de pesquisa
  • 50. Arranjos Produtivos Malacocultura FAPESC: R$ 485.032,32 Finep: R$ 479.977,36 Processos TêxteisFAPESC:R$ 200.000,00 Finep: R$ 249.599,92 Empresas:R$ 93.600,00 Existentes Novos Arranjos Cerâmica Vermelha FAPESC: R$ 746.620,00 Empresas:R$ 192.000,00 Finep:R$ 655.300,80 TIC FAPESC : R$ 904.500,00 Finep: R$ 786.000,00 Empresas:R$ 400.000,00 Carvão Madeira e Móveis FAPESC : R$ 699.357,00 Finep: R$ 915.700,00 Suinocultura FAPESC:R$ 619.030,00 Finep: R$ 804.959,00 Perdigão:R$ 608.000,00 Continuidade do APL FINEP: R$ 500.000,00
  • 51. Programa estruturante do sistema catarinense de C&T&I Inovação Têxtil P&D em Fitoterápicos P&D em madeira e móveis P&D em recuperação ambiental pela exploração do carvão P&D em manejo dos solos Diversidade genética de espécies vegetais Inovação tecnológica da fruticultura de clima temperado Rede de Pesquisa na área de software Grande Florianópolis Sul Serrana Oeste Norte Vale do Itajaí
  • 52. Regionais da EPAGRI e da EMBRAPA Instrumentos e instituições de pesquisa
  • 53. Objetivo: Apoio a projetos de C,T&I, que visem o desenvolvimento sustentável da SDRs do Estado de Santa Catarina, e que possam promover relevantes impactos sociais, ambientais e econômicos para a sociedade local. Recursos: R$ 18 milhões Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento regional do estado de Santa Catarina Chamada pública nº 12/2009
  • 54. Chamada Pública 12/2009 C&T&I para o Desenvolvimento Regional do Estado de Santa Catarina 312 PRÉ-SELECIONADOS PELAS SDRS  R$ 44.896.227,24 212 RECOMENDADOS PELA FAPESC  R$ 30.604.799,13 132 APROVADOS PELAS SDRs 39 Termos de Outorga, 80 Convênios e 14 Termos de Subvenção Econômica  R$ 17.596.950,24 PROJETOS
  • 55. Organização sistêmica empresarial SOFTVILLE ABRADI ACATE ASSESPRO-SC SUCESU-SC BLUSOFT CÂMARA e-NET CDI-SC CETIC FECOAGRO FIESC FUNDAÇÃO CERTI OCESC SEBRAE/SC SIESC SEINFLO SEPIJ SEPROSC
  • 56. Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia
  • 57. Institucional Entidade privada, sem fins lucrativos, fundada em 1986 com intuito de representar as empresas catarinenses do setor de tecnologia Comandada por empresários associados, eleitos para mandatos de dois anos, sem remuneração Possui 300 empresas associadas em diversas cidades de Santa Catarina Gerencia a Incubadora MIDI Tecnológico, mantida pelo SEBRAE-SC
  • 58. Áreas de Atuação Fortalecimento do Setor Apoio a captação de recursos; Ações de acesso à mercado; Projetos de Subvenção; Apoio a elaboração de Projetos; Divulgação de eventos; Ações Setoriais junto aos órgãos de fomento; Projetos Estruturantes. Marco Regulatório Decreto Estadual nº 2.024/04 Lei de Inovação Federal Lei de Inovação SC ISS MCT / Abes / Brasscom SOFTEX - Governo Estado - Prefeitura
  • 59. Áreas de Atuação Mercado Projeto Setorial de Integração para Exportação de Software Verticais Inovação MIDI Tecnológico Programa Juro Zero Santa Catarina Fundos de investimento Educação, Capacitação e Pesquisa Projeto de formação de Recursos Humanos Universidade Setorial Empreendedorismo
  • 60. Verticais Acate – Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia Projetos 2010 Jamile Sabatini Marques 9 verticais estabelecidas Mais de 70 empresas participantes Conquista de novas adesões Comunicação entre verticais Acompanhamento nas reuniões Organização e controle das empresas participantes Equipe: Gabriel Kamila
  • 61. CONCEITO SINAPSE PROTÓTIPO PN • Projetos C&T • Teses • Dissertações • TCC MCTI CAPES CNPQ FINEP FAPs EMPRESA CONSOLIDADA SUBVENÇÃOPRIME EMPRESA NASCENTE SEBRAETEC MPEs “ TRANSFORMAR CONHECIMENTO E IDEIAS CRIATIVAS EM EMPREENDIMENTOS DE SUCESSO ”
  • 62.
  • 63. P C I
  • 64.
  • 65.
  • 66. Principais programas e projetos Aporte financeiro em 2014 Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina Presidente: Dr. Sergio Gargioni
  • 67.  Chamada Pública N° 04/2013  Divulgação do resultado: 07/02/2014  Total: 22,5 milhões (15 milhões FINEP; 7,5 milhões FAPESC) Programa TECNOVA De 210 propostas foram selecionadas 49 empresas, inclusive a Voxter Soluções em Manutenção Industrial Ltda de Jaraguá
  • 68. Programa TECNOVA  Propostas submetidas: 210 (demanda: 90 milhões)  Propostas por mesorregião: Grande Florianópolis - 116 Norte Catarinense - 31 Oeste Catarinense - 23 Sul Catarinense - 6 Vale do Itajaí - 34
  • 69. PPSUS - Programa de Pesquisa para o SUS  Chamada Pública 2013  Total: 2,5 milhões  Parceiros: Ministério da Saúde (R$1,5 milhão), Secretaria de Saúde/SC (R$ 500 mil) e FAPESC (R$ 500 mil)  Divulgação dos resultados: 23/01/2014 : selecionados 37 projetos Equipamento criado com apoio do PPSUS
  • 70. GeraçãoTEC  Inscritos: 5.986  Total: 3,5 milhões (fonte: Pró-emprego)  Municípios atendidos: Blumenau, Brusque, Chapecó, Criciúma, Grande Florianópolis, Itajaí, Joinville, Lages, Nova Veneza, São Bento do Sul e Tubarão.
  • 71.  Chamada Pública lançada em 2013  Total da Chamada Pública: até 7,9 milhões  Por empresa selecionada: 50 mil da FAPESC e até 29 mil do SEBRAETEC Programa SINAPSE da Inovação Dos 1226 inscritos foram selecionados 93 projetos sendo 2 de Jaraguá do Sul Programando o Futuro Projeto piloto lançado em Lages para a formação de crianças
  • 72. Ações Cooperadas em Prol da Dinâmica de Inovação da Sociedade Catarinense
  • 73. Retorno Tempo Investimentos Ciência Tecnologia Inovação Resultados Projeto de EBT Empreendedorismo Inovador intenso em C&T Empresa Nascente Idéia + Conhecimento Empresa consolidada P&D Geração de Idéias Pré-Incubação Incubação Crescimento NITs © COPYRIGHT 2008 - Fundação CERTI
  • 76.  Operações já realizadas:  Piloto Grande Florianópolis-2008  Estado de Santa Catarina – 2009  Estado de Santa Catarina – 2010 2008 2009 2010 Acessos ao Portal 7.954 51.000 53.675 Participantes Cadastrados 496 9.800 13.349 Ideias Inscritas 151 1.174 1.158 Projetos apoiados 10 61 50 TOTAL Empreendimentos 121 HISTÓRICO Em 2009 recebeu o Prêmio Nacional ANPROTEC “Melhor Programa de Empreendedorismo Inovador” Empresas criadas pelo Sinapse da Inovação 2014: 93 empresas, sendo 2 de Jaraguá do Sul
  • 77. Parques Tecnológicos e Incubadoras em SC • Florianópolis: CELTA, GENESIS/FEESC, MIDI Tecnológico/SEBRAE • Blumenau: BLUSOFT, GENE Blumenau • Joinville: SOFTVILLE, MIDIVILLE,INOVAPARQ • Criciúma: MIDISUL • Rio do Sul: TECNOPARK • Chapecó: MIDIOESTE •OBS: Existiam outras iniciativas em fase de desenvolvimento.
  • 78. Parques Tecnológicos e Incubadoras em SC IESJ - São José SC-Entretenimento Florianópolis ACITA - Itapema 2007: 35 incubadoras/pré-incubadoras ITFETEP São Bento do Sul UNC CETEC Curitibanos G-TEC Rio do Sul JARAGUATEC Pré Incubadora da Unerj 2004: 30 incubadoras/pré-incubadoras CITEB Biguaçu Inc. UnivaliInc. Unifebe ACIT/INCEVALE Tijucas Base Tecnológica Unisul Software Pré-Incubadora de São Miguel Agronegócios NECTAR Informática, Biotecnologia e Alimentos TECNOVALE - do Rio do Peixe IAC – Agroindustrial de Concórdia Incubadora Virtual de Empresas da Uniplac MIDI Lages Agronegócios - Fapeu Software - Senai/CTAI Eng. Biomédica CONTESTEC - Planalto Norte Carvão Incubadora de Itá INTECH Chapecó GENE Blumenau SOFTVILLE BLUSOFT MIDIVILLE MIDISUL MIDIOESTE CELTA GENESS/FEESC MIDI Tecnológico/SEBRAE 2002: 10 incubadoras 2010: + 13 aprovadas CP 12/2009 INOVASUL Incubadora Ibirama Incubadora Luzerna Incubadora Caçador 2009: 44 incubadoras/pré-incubadoras
  • 79. JaraguaTec Centro de Inovação e Pesquisas Tecnológicas Espaço para a ciência e a tecnologia como caminho para o desenvolvimento Professor Victor Danich, Diretor Executivo
  • 80. Empresas incubadas UPTIME Tecnologia Ltda. AT4D Tecnologia Ltda. MAQUINNE AutomotiveCAENVS Automação Ltda. FOLLOWUP TI Ltda. DREI-K Eletroeletrônica AJ Equipamentos Ltda. LSK Metrologia Laboratório Metrologia LSK
  • 81. VOXTER Ltda. FNS Manutenção Ltda. VESOTEC Energia Ltda. MAXLINE Instr. Mecânica LHF Instrumentação Ltda. SPG Robotic Solutions TOWWER Telecomunicações Ltda. VESOTEC Energia Ltda. TOWWER Telecomunicações ACOPTECH Sistemas Ltda. Empresas incubadas
  • 82. R$ 120.000,00 por empresa sem contrapartida Empresas incubadas fase final programa prime Empresa Empresa Bananapoly fibras naturais ltda. Meg desenvolvimento de sistemas ltda. Caenvs – desenvolvimento e programação de sistemas de automação ltda. Voxter soluções em manutenção industrial ltda. Edge automação industrial ltda. V8 web agência digital ltda.
  • 83. Empresas graduadas POLIMERTEC IND. E COM. POLIMERTEC IND. E COM. POLIMERTEC IND. E COM. POLIMERTEC IND. E COM. FLEXMOTRONICS LTDA. ELETRÔNICA EMBARCADA LAYOUT LTDA. GATI SISTEMAS LTDA. SLIM LTDA. AGÊNCIA81
  • 84. HANDSON LTDA. ME. V8WEB DIGITAL LTDA EDGE AUTOMAÇÃO LTDA. Empresa associada e graduada EDGE AUTOMAÇÃO LTDA. DOALL MÁQUINAS LTDA. APP DESIGN LTDA. G1 INFORMÁTICA LTDA. MEG SISTEMAS LTDA. TORKMATEC LTDA. Empresas graduadas
  • 85. BANANAPOLY Ltda. GETCON Tecnologia Ltda. BRAITEC Equipamentos Ltda. VIRTUELL Treinamentos Ltda.E2S2 Controle de Potência Ltda. PRODESIGN Máquinas Ltda. Empresas graduadas
  • 88. Pesquisa e Desenvolvimento no Laboratório Polo
  • 89. Com a tecnologia Wisemotion, os fabricantes poderão pensar em designs inovadores para a produção de sistemas de refrigeração”, explica Roberto H. Campos, presidente da Embraco. “Estamos tornando possível um sonho dos nossos clientes: desenvolver o refrigerador do futuro. O mercado da refrigeração doméstica irá dar um salto tecnológico com esta nova solução”, afirma Campos. “O wisemotion é o primeiro compressor sem óleo do mundo para refrigeradores, que traz uma série de benefícios para a qualidade de vida das pessoas,”, afirmou o vice-presidente de Pesquisa e Desenvolvimento e Operações da Embraco, Lainor Driessen, Wisemotion:primeiro compressor sem óleo do mundo
  • 90. Brasília, 11 de setembro de 2008. LANÇAMENTO DA NOVA MARCA LANÇAMENTO DO 1º PRÊMIO CISER DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Estratégia de Inovação: do parafuso aos fixadores inteligentes Gestão Estratégica da Inovação
  • 91. Gestão Estratégica da Inovação Case WEG Automação Eng. Moacyr Rogério Sens
  • 92. WEG Automação em 1988 Unidade de pesquisa e inovação incubada em Florianópolis Incubadora 1986
  • 93. WEG Automação em 1988 Produtos e sistemas
  • 94. Etapas da Evolução: Desenvolvimento e Produção (1961 – 1978)
  • 95. Etapas da Evolução: Expansão e Diversificação (1979 – 1988)
  • 96. Etapas da Evolução: Internacionalização (1989 - 1999)
  • 97. Etapas da Evolução: Globalização (2000 – 2012)
  • 98. Ref: Motor 60HP 4p W22 Super Premium 1980 Efficiency: 90% 1960 Efficiency: 88% 2010 Efficiency: 95,1% 1990 Efficiency: 90,2% 2000 Efficiency: 93,9% Losses 6020 W losses 4906 W ( - 18%) Losses 4797 W ( - 2%) Losses 2869 W ( -40%) Losses 2275 W ( -21%) 68% Losses reduction in the last 50 years 2012 Efficiency: 95,8% Losses 1936 W ( -15%)
  • 100. Linha w22  Motores elétricos de indução  Características elétricas e mecânicas superiores às da linha W21  Nova plataforma construtiva – é a base para as demais linhas de motores WEG
  • 101. LINHA wquattro  Motores híbridos: indução e ímãs permanentes  Partida direta da rede: como os motores de indução  Operação em velocidade síncrona: como os motores de ímãs  Rendimento equivalente ao dos motores de ímãs Desenho da chapa do estator meramente ilustrativo
  • 102. Motor com ímãs permanentes WMagnet Ranhura dos ímãs Ímã MOTOR DE INDUÇÃO MOTOR DE ÍMÃS Vantagens do motor com ímãs permanentes: • Rendimento extra alto  economia de energia • Volume reduzido • Peso reduzido • Mais silencioso • Menor temperatura nos mancais  maior vida útil • Controle sensorless  maior confiabilidade • Maior intervalo de relubrificação • Não necessita ventilação forçada • Excelente performance em baixas velocidades • Velocidade independente da carga +
  • 103. Motores de Ímãs Permanentes para Torres de Refrigeração  Ímãs permanentes de alta energia  Acoplamento direto: elimina engrenagens  menos manutenção e menores perdas mecânicas  Alto torque , baixa rotação  Drive com controle “sensorless”  Potência: 15kW – 150kW  Torques: 500 – 10000Nm  Rotação: 100 – 300 rpm  Carcaças: 355 – 450  Maior vida útil Exemplo de um motor de 45kW, 200rpm, 2150Nm, Rendimento: 94.3%
  • 104. Motores de Ímãs Permanentes para Veículos Elétricos  Ímãs permanentes de alta energia  Tensão de entrada do drive: 220V  Rotação máxima: 10000rpm  Potência nominal: 21kW  Rotação base: 3600rpm  Resfriado a água
  • 105. A Criação de Conhecimento na Empresa Nenhum departamento ou grupo de especialistas da empresa tem responsabilidade exclusiva pela criação do novo conhecimento. A criação do novo conhecimento é produto da interação dinâmica entre todos os funcionários da organização.
  • 106. ADAPTAÇÃO DE TECNOLOGIA CONTRATAÇÃO EXTERNA TECNOLOGIA WEG DESENVOLVIMENTO PRÓPRIO  Pacotes abertos  Tecnologia do produto e processo  Treinamento na fonte  Benchmarking  Acompanhamento de tendências  Centro Tecnológico  Engenharia de produtos e processos  Universidades e consultores externos
  • 107. Automação HOJE  Maior fabricante e líder no mercado brasileiro de inversores de frequência e soft-starters  Maior fabricante brasileiro de dispositivos de comando, manobra e proteção de baixa tensão  Maior fabricante de painéis elétricos da América Latina • Líder no fornecimento de eletrocentros no Brasil  Focos de atuação em automação industrial e predial, mobilidade • urbana, energia solar, segurança operacional de máquinas e critical power
  • 108. Número de Colaboradores - Automação * Até 31 Julho
  • 109. Síntese da filosofia da empresa