SlideShare uma empresa Scribd logo
Unidade 2
Fisioterapia na
atenção secundária I
Rosana Pazim Nalesso
© 2019 por Editora e Distribuidora Educacional S.A.
Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida
ou transmitida de qualquer modo ou por qualquer outro meio, eletrônico ou mecânico,
incluindo fotocópia, gravação ou qualquer outro tipo de sistema de armazenamento
e transmissão de informação, sem prévia autorização, por escrito, da Editora e
Distribuidora Educacional S.A.
2019
Editora e Distribuidora Educacional S.A.
Avenida Paris, 675 – Parque Residencial João Piza
CEP: 86041-100 — Londrina — PR
e-mail: editora.educacional@kroton.com.br
Homepage: http://www.kroton.com.br/
Sumário
Unidade 2
Fisioterapia na atenção secundária I.......................................................5
Seção 2.1
Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção
secundária........................................................................................7
Seção 2.2
Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e
neonato na atenção secundária.................................................. 25
Seção 2.3
Apresentação geral da fisioterapia na saúde do idoso e
reumatologia na atenção secundária......................................... 43
Unidade 2
Fisioterapia na atenção secundária I
Convite ao estudo
Olá, caro aluno!
Você tem acompanhado, com o decorrer dos anos, que a fisioterapia vem
ampliando sua área de atuação, agregando cada vez mais áreas em seu âmbito
de assistência, desenvolvendo ações em todos os níveis de atenção à saúde.
Saiba que a Fisioterapia Neurofuncional foi reconhecida pelo COFFITO por
meio da RESOLUÇÂO Nº 189, de 9 de dezembro de 1998, sendo esta assis-
tência prestada em todos os ciclos da vida, e está inserida tanto na atenção
primária como secundária e terciária, sendo que aquela visão anterior de
uma assistência curativa e reabilitadora vem dando espaço a uma abordagem
preventiva, em que a promoção da saúde preencha a lacuna deixada na
história dessa profissão.
Iniciaremos, agora, a segunda unidade de ensino do nosso livro didático,
tendo como competência levar ao conhecimento do aluno a atuação fisio-
terapêutica nas áreas de neurologia, geriatria, neonatologia e reumatologia
nos diferentes ciclos de vida, bem como os recursos empregados nessas
áreas, na atenção secundária à saúde. Com esse aprendizado você poderá
compreender e caracterizar a atuação fisioterapêutica em diferentes áreas,
bem como os recursos que são disponibilizados por elas, conseguindo
elaborar planos de tratamento por meio do conhecimento das patologias e
dos recursos disponíveis.
Para que possa compreender os temas a serem abordados nesta unidade,
propomos a você o seguinte contexto:
Adriana, profissional fisioterapeuta, Mestre em Ciências do Movimento,
atua como docente em uma Universidade Federal, ministrando aulas em
disciplinas aplicadas, visto ser graduada há 35 anos, tendo uma visão clínica
generalista em detrimento das formações de anos atrás. Pela sua experiência,
por ser muito carismática, comprometida e ter excelente relacionamento com
seus colegas de trabalho e com os alunos, foi convidada pela Coordenadoria
do Curso para assumir a Coordenadoria dos Campos de estágio com a
função de Responsabilidade Técnica da Clínica Escola da Universidade
(CEU), que oferece assistência na atenção secundária em várias áreas da
fisioterapia e em todos os ciclos da vida. Coordenará uma equipe composta
por sete preceptores no local, cada qual com grupos de no máximo cinco
alunos por bateria, que são rotativas dentro do estágio, devendo o aluno,
dentro do ano letivo, atuar em todas as áreas oferecidas pelo estágio. Ao
iniciar suas atividades, Adriana recebeu de sua coordenadora uma demanda
para realizar um pacote de treinamento a um grupo de profissionais da área
da saúde sobre as várias áreas de atuação do profissional fisioterapeuta.
Frente a isso, resolveu agendar uma reunião na primeira semana do início
do ano letivo, com a participação dos preceptores e dos alunos, para discutir
sobre como deveriam elaborar o conteúdo desse treinamento. Solicitou então
que fosse montado um grupo de estudos, do qual os alunos também parti-
cipariam, auxiliando na elaboração dos conteúdos a serem ministrados aos
profissionais. A proposta de Adriana é que o grupo de estudos discuta sobre
os possíveis conteúdos a serem abordados nesse treinamento, referentes à
área de neurologia adulto e neuropediatria, e respectivos recursos empre-
gados na atenção secundária, áreas de atuação na assistência a crianças,
adolescentes e neonatos na atenção secundária, bem como os recursos que
contemplam a assistência nessas áreas, a atuação da Fisioterapia na saúde do
Idoso, os recursos utilizados nesse ciclo de vida e a atuação da fisioterapia
em reumatologia na atenção secundária. A coordenadora, então, para dar
andamento ao grupo de estudos e à elaboração do conteúdo do treinamento,
dividiu a sala em três grupos, e os alunos deverão pesquisar conteúdos para
as seguintes questões:
Grupo 1: quais ações deverão ser realizadas na atuação em neurologia
adulto e neuropediátrica na atenção secundária? Em relação aos recursos,
quais distinções deverão ser feitas entre os atendimentos na neurologia
adulto e neuropediatria?
Grupo 2: quais áreas da fisioterapia atendem a crianças, adolescentes e
neonatos na atenção secundária? Quais recursos fisioterapêuticos contem-
plam esses atendimentos?
Grupo 3: quais ações caracterizam a atuação da fisioterapia em idosos e
quais recursos são utilizados nesses pacientes na atenção secundária? Qual a
atuação da fisioterapia em reumatologia e quais recursos são utilizados nessa
área na atenção secundária?
Para que consiga ajudar os alunos a responder esses questionamentos,
você precisará compreender sobre os recursos e a atuação fisioterapeuta
diante das áreas de neonatologia, neuropediatria, neuroadulto, reumatologia,
saúde do idoso, da criança e do adolescente.
Vamos lá?
Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 7
Apresentação geral da fisioterapia em
neurologia na atenção secundária
Diálogo aberto
Caro aluno, você já aprendeu que a longevidade, em detrimento da
transição demográfica e epidemiológica por meio dos avanços tecnoló-
gicos na área da saúde, tem repercutido um aumento de doenças crônicas
não transmissíveis, estando entre elas as doenças neurodegenerativas, que
acometem tanto a população adulta como idosos. Já as doenças neuropediá-
tricas diminuíram, visto todo aparato tecnológico que permite exames ainda
na fase intrauterina, servindo de fatores preventivos ao surgimento delas.
O fato é que a fisioterapia neurológica, tanto adulta como neuropediátrica,
contribui para a recuperação, reinserção social, acarretando a melhora da
qualidade de vida desses pacientes, sendo que muitas técnicas e recursos vêm
sendo aprimorados na assistência fisioterapêutica.
Para compreender e caracterizar a atuação da fisioterapia na Atenção
Secundária em Neurologia Adulto e na Criança, vamos abordar a situação
hipotética a seguir:
Vamos relembrar Adriana, que é profissional fisioterapeuta, mestre em
Ciências do Movimento e docente em uma Universidade Federal, na qual
ministra aulas em disciplinas aplicadas, e o convite que recebeu para assumir
a coordenadoria dos campos de estágio do curso de Fisioterapia.
No início de sua nova função na coordenação, sua coordenadora solicitou
que elaborasse um pacote de treinamento a um grupo de profissionais da
área da saúde sobre as várias áreas de atuação do profissional fisioterapeuta.
Frente a isso, resolveu agendar uma reunião na primeira semana do início
do ano letivo, com a participação dos preceptores e dos alunos, para discutir
sobre como deveriam elaborar o conteúdo desse treinamento, montado um
grupo de estudos com a participação dos alunos para auxiliar na elaboração
dos conteúdos a serem ministrado aos profissionais.
A área de Neurologia adulto e neuropediatria é uma das áreas que o
treinamento deverá contemplar, portanto, os alunos do 1º grupo deverão
pesquisar e apresentar ao grupo de estudos conteúdos referentes à atuação da
fisioterapia em neurologia adulto e neuropediatria, bem como as diferenças
de aplicação de recursos nessas duas áreas na atenção secundária. Portanto,
os alunos deverão procurar respostas para os seguintes questionamentos:
quais ações deverão ser realizadas na atuação em neurologia adulto e
Seção 2.1
8 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
neuropediatria na atenção secundária? Com relação aos recursos, quais
distinções deverão ser feitas entre os atendimentos na neurologia adulto e
neuropediatria?
Para que você possa ajudar os alunos no esclarecimento dessas dúvidas,
deverá pesquisar sobre a atuação fisioterapêutica em neurologia e neuropedia-
tria na atenção secundária e os recursos e as técnicas utilizadas nessas áreas.
Portanto, avante nesses estudos!
Você sabe quais são as ações desempenhadas na fisioterapia em neuro-
logia na atenção secundária?
Antes de falarmos da atuação fisioterapêutica em neurologia adulto e
neuropediatria na atenção secundária, vamos remeter nossos estudos a uma
breve revisão acerca do Sistema Nervoso (SN).
Sistema Nervoso
O SN é dividido em Sistema Nervoso Central (SNC) e Sistema Nervoso
Periférico (SNP), sendo o sistema nervoso central subdividido em encéfalo
e medula espinhal, e o sistema nervoso periférico subdividido em sistema
autônomo e sistema somático.
Sistema Nervoso Central
Segundo Valle (2015), o sistema nervoso central é constituído pelo
encéfalo, tronco encefálico, cerebelo e a medula espinhal, sendo que das
diferentes partes que compõem o encéfalo, sem dúvida o cérebro é a
mais importante, destinado a receber as impressões sensitivas bem como
a elaborar as reações motoras voluntárias, cabendo-lhe ainda a sede das
operações psíquicas mais complexas e elevadas. O cérebro é dividido em
telencéfalo e diencéfalo, e o tronco encefálico é dividido em bulbo, ponte
e mesencéfalo. O tronco encefálico é a região do encéfalo responsável pela
união da medula espinhal e o cérebro, sendo constituído pelo mesencéfalo,
ponte e bulbo, que são responsáveis pelas funções básicas para a manutenção
da vida, como a respiração, o batimento cardíaco e a pressão arterial (VALLE,
2015). Veja a seguir cada um separadamente.
A medula espinhal está localizada no canal vertebral da coluna verte-
bral, sendo ela continuidade do tronco encefálico. Posteriormente ao tronco
encefálico está o cerebelo, e superiormente ao tronco está o diencéfalo, que é
Não pode faltar
Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 9
Figura 2.1 | Componentes do SNC
Fonte: http://www.anatomiadocorpo.com/sistema-nervoso/central/. Acesso em: 25 set. 2018.
compreendido pelo tálamo e hipotálamo. O cerebelo é a segunda parte maior
do encéfalo, localizando-se logo abaixo do cérebro e possuindo como funções
a coordenação dos movimentos comandados pelo cérebro, garantindo uma
perfeita harmonia entre eles, a promoção do tônus muscular, regulando assim
o grau de contração do músculo em repouso, e a manutenção do equilíbrio
do corpo. Portanto, o cerebelo é o centro coordenador dos movimentos e
intervém também no equilíbrio do corpo e na orientação, contribuindo para
o equilíbrio (DORETTO, 2001).
A medula espinhal inclui todas as partes do SN envolvidos na coluna
vertebral. Além da medula espinhal, os axônios ligados à medula estão
dentro da região medular espinhal até saírem do forame intervertebral. A
medula espinhal é composta por substância branca, ao redor da massa de
substância cinzenta em forma de “H” ou borboleta, localizada centralmente,
funcionando como via expressa para a condução de impulsos nervosos.
Já a substância cinzenta é composta pelos corpos celulares dos neurônios
(neuróglia), os axônios amielínicos e os dendritos dos interneurônios, e dos
neurônios motores. Os cornos anteriores (ventrais) são os corpos de neurô-
nios motores somáticos, via de impulsos nervosos causadores da contração
músculos esqueléticos, e os cornos posteriores (dorsais), que são neurônios
sensitivos somáticos e autônomos (EKMAN, 2004).
Diversas são as patologias neurológicas do SNC que podem ser
tratadas pela fisioterapia. Dentre elas, discorreremos sobre as mais
comuns: AVE; doença de Parkinson; traumatismo cranioencefálico
(TCE); paralisia cerebral / encefalopatia crônica não progressiva
(ECNP); Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), (também pode atingir
SNP); Esclerose Múltipla (EM); doença de Alzheimer; traumatismo
raquimedular (TRM); hidrocefalia; meningites.
10 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
Sistema Nervoso Periférico (SNP)
O SNP é dividido em Sistemas Nervoso Autônomo (SNA) e sistema
nervoso somático (SNS). Ainda que não sejam abordados, nesta seção,
aspectos relacionados ao SNA, ele é dividido em: simpático e parassimpá-
tico, sendo a acupuntura e a mobilização neural recursos fisioterapêuticos
que atuam nesse sistema. O sistema nervoso periférico é constituído por 12
pares de nervos cranianos, pelas raízes espinhais anterior e posterior dos 31
nervos raquidianos (conforme ilustra a Figura 2.2), pelos plexos nervosos e
pelos gânglios espinhais e autonômicos (SNA) (VALLE, 2015).
O SNS consiste de neurônios sensitivos que vão conduzir as infor-
mações por meio dos receptores sensitivos situados na pele, músculos
esqueléticos e articulações, e também por meio dos receptores para
os sentidos especiais (visão, audição, equilíbrio, paladar e olfato),
conduzindo essas informações para o SNC. Já os neurônios motores
controlam os órgãos efetores, como as glândulas exócrinas e endócrinas
e as fibras musculares. A Figura 2.3 ilustra os nervos periféricos, sendo
a raiz posterior aferente (sensitiva) e a raíz anterior (eferente) motora,
no reflexo patelar ou de estiramento, em que não há a participação das
vias superiores corticais (VALLE, 2015).
O reflexo patelar é um reflexo profundo, mediado pela inervação dos
níveis neurológicos de L2, L3 e L4, predominantemente de L4, portanto,
inicialmente considerado um reflexo de L4. Qual a importância de testar
esse reflexo? Resposta: a detecção de lesões de raízes nervosas, sendo que
o reflexo patelar pode ser desencadeado artificialmente por meio do estira-
mento ou percussão de seu tendão por meio de um martelo de reflexo,
estando o paciente sentado confortavelmente em uma maca, com o quadril e
joelhos flexionados sem apoio dos pés (MACHADO,1999).
Pesquise mais
Além das informações contidas nesta seção, você poderá consultar as
referências abaixo para ampliar seus conhecimentos acerca do Sistema
Nervoso. Sugiro a leitura da aula 13, p. 94 a 207 do link abaixo:
VALLE, P. H. C. do. Ciências Morfofuncionais dos Sistemas Nervoso e
Cardiorespiratório. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S. A,
2015. 216 p. (consultar p. 7 a 89)
EKMAN, L. L. Neurociência: fundamentos para a reabilitação. 2. ed. Rio
de Janeiro: Elsevier, 2004. (consultar p. 74 a 100)
Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 11
Percebam, então, que as disfunções do neurônio motor inferior resultam
em fraqueza ou paralisia e as disfunções dos neurônios sensoriais resultam
em sensibilidade anormal ou perda de sensibilidade. São exemplos de patolo-
gias do SNP as doenças neuromusculares, conjunto amplo de patologias do
sistema nervoso periférico, acometendo o segundo neurónio motor, raízes
Figura 2.2 | Componentes do SNC e SNP
Fonte: https://alunosonline.uol.com.br/biologia/nervos-sistema-nervoso-periferico.html. Acesso em: 24 set. 2018.
Figura 2.3 | Componentes do SNP
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Patelar.JPG. Acesso em: 24 set. 2018.
12 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
nervosas, os plexos e os nervos periféricos, a junção neuromuscular e o
músculo propriamente dito. Como exemplo de doença do neurônio motor,
podemos citar a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), Atrofia Muscular
Progressiva (AMP), Esclerose Lateral Primária (ELP), Paralisia Bulbar
Progressiva (PBP) (CHEIA, 2005). As doenças dos nervos e das raízes, as
polineuropatias, possuem envolvimento motor e sensorial, sendo os sintomas
sensitivos, frequentemente, os primeiros observados pelos pacientes, e
com a progressão da doença, iniciam-se os sintomas motores. As neuro-
patias predominantemente motoras nos remetem a quadros inflamatórios
autoimunes, como as polirradiculoneurites aguda ou crônica, neuropatia
motora multifocal (NMM), neuropatia sensitivo motora multifocal desmie-
linizante adquirida, neuropatia desmielinizante distal simétrica e adquirida,
entre outras. A forma mais comum de acometimento das neuropatias é do
segmento corporal distal (extremidades) para proximal, ou seja, ascendente
e simétrica. A exemplo, temos a neuropatia diabética e alcoólica. No caso de
um comprometimento proximal e distal inicial, predominantemente motor,
sugere-se um diagnóstico de uma polirradiculoneuropatia desmielinizante
inflamatória crônica – PDIC, ou aguda (síndrome de Guillain-Barré).
As neuropatias apresentam, como quadro clínico, fraqueza muscular
secundária à alteração do nervo periférico, isto é, da ponta anterior da
medula até a junção neuromuscular, apresentando sintomas relacionados ao
músculo, como fadiga, mialgia e cãibras, extremamente comuns, sendo que a
maior parte das miopatias tem baixa prevalência. Aqui, podemos citar como
exemplo as miopatias hereditárias mais comuns, as distrofias musculares de
Duchenne e de Becker (CARVALHO, 2005). A Paralisia Facial Periférica
(PFP), também chamada Paralisia de Bell, caracteriza-se pelo acometimento
dos músculos da hemiface, nos quadrantes superior, médio e inferior, sendo
uma lesão nervosa periférica quando suas causas são decorrentes de trans-
tornos no VII par de nervos cranianos (nervo facial), composto pelo nervo
facial propriamente dito (motor) e pelo nervo intermediário de Wrisberg,
sendo que o quadro clínico consiste em alterações motoras na face e sensi-
tivas na língua (MACHADO, 1998).
Assimile
Lesões que atinjam o córtex motor ou as suas vias eferentes, ou seja,
que atinja o neurônio motor superior (NMS) poderá levar à alteração do
tônus, ocasionando Hipertonia Elástica, a espasticidade, ou Hipertonia
Plástica, rigidez. Há casos em que lesões do NMS leve ao tônus diminuído
(hipotonia) ou ausente (flacidez), por exemplo, lesões no cerebelo ou na
fase aguda da lesão em NMS, como nos casos de choque medular, fase
aguda do Acidente Vascular Encefálico (AVC).
Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 13
Em lesões dos neurônios motores inferiores, afetando o SNP, o paciente
poderá apresentar sintomas como fraqueza muscular ou paralisia,
fasciculações, hipotonia, hiporreflexia e atrofia (LEVY; OLIVEIRA, 2003;
MACHADO; HAERTEL, 2006).
Agora que você relembrou o SN, vamos estudar sobre a atuação e os
recursos da fisioterapia neurológica. A fisioterapia em neurologia na atenção
secundária clínica engloba a assistência em ambulatórios , clínicas, consul-
tórios e centros de reabilitação, e suas atribuições gerais incluem: avaliar
o estado funcional do paciente, elaborar o diagnóstico cinético funcional,
estabelecer as rotinas da assistência fisioterapêutica, solicitar exames comple-
mentares quando necessário, registrar no prontuário do paciente, recorrer a
outros profissionais quando necessário, desenvolver atividades em equipe e
participar de reuniões de estudo, discussão de casos, entre outros.
Rotinasnecessáriasparaoatendimentoneurológiconaatençãosecundária
A princípio, é necessário organizar a ficha de avaliação dos pacientes,
que deve ser preenchida de acordo com todos os princípios éticos. Em
seguida, avaliar o estado funcional do paciente para elaborar o diagnós-
tico cinético-funcional a partir de criteriosa avaliação fisioterapêutica,
contendo todos os itens necessários para avaliar um caso neurológico,
traçando objetivos e condutas e um roteiro de orientações ao paciente,
cuidador ou responsável. Posteriormente, selecionar todos os equipa-
mentos necessários durante o atendimento, estabelecendo as rotinas para
a assistência fisioterapêutica, solicitar exames quando necessário, recorrer
a outros profissionais de saúde em caso de dúvidas, alterar o programa de
tratamento sempre que necessário e registrar todas as prescrições e ações
desenvolvidas no prontuário do paciente.
A avaliação fisioterapêutica é o ponto principal para a condução do
tratamento correto, sendo que uma avaliação bem estruturada reflete
uma conduta de qualidade. A avaliação fisioterapêutica deve examinar as
funções mais importantes, descrevendo o padrão patológico, tais quais:
funções corticais (linguagem, estado mental, orientação no tempo e no
espaço, capacidade de aprendizagem), sistema muscular e funções motoras
(tônus muscular, trofismo, motricidade voluntária e involuntária, força
muscular, coordenação motora, equilíbrio estático e dinâmico, marcha,
reflexos osteotendíneos e manobras deficitárias para fraqueza muscular,
reações de proteção e endireitamento, amplitude de movimento, coorde-
nação motora grossa e fina) e funções sensitivas (sensibilidade superfi-
cial, como tato, pressão e dor, e sensibilidade profunda, como cinético
14 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
postural). Alguns Instrumentos de avaliação poderão ser utilizados,
conforme quadro abaixo:
INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO OBJETIVO
EMA- Escala Modificada de Ashworth Avaliação do tônus muscular (espasticidade).
EBB- Escala de Equilíbrio de Berg
Avaliação do equilíbrio durante as atividades
funcionais.
Escala da ASIA modificada de Frankel
Avaliação o grau de deficiência em
traumatismo raquimedular.
A escala de Tinetti
Avaliação do equilíbrio e da mobilidade
desenvolvida por Tinetti em 1986.
Miniexame do Estado Mental (MEEM) Avaliação de funções cognitivas.
Timed Up and Go (TUG)
Avaliação da mobilidade e o equilíbrio
funcional.
MIF (Medida de Independência Funcional )
Avalia 18 itens em áreas de cuidados pessoais,
controle dos esfíncteres, mobilidade,
locomoção, comunicação e cognição social.
Esta avaliação foi projetada para mensurar
o nível de dependência do paciente em um
contexto de enfermaria.
Indice de Barthel
Avaliação de dez funções e atividades
fundamentais no cotidiano: alimentar-se,
banhar-se, pentear-se, vestir-se, controle
intestinal, controle vesical, transferência para
o vaso sanitário, transferência da cadeira para
a cama, caminhar e subir escadas.
Quadro 2.1| Instrumentos de avaliação em neurologia
Fonte: Karura; Silva; Navega (2011).
Recursos em Fisioterapia Neurológica em adultos e crianças
Em um setor de fisioterapia neurológica, a sala de avaliação é composta
por: material didático para atividades educacionais, mesa de apoio, cadeira,
maca, computador e materiais técnicos para a avaliação. Para a assistência
fisioterapêutica deve conter:
Recursos mecanoterápicos: espaldar, prancha ortostática, halteres, exerci-
tador de tornozelo e mãos, bicicleta ergométrica, esteira ergométrica, cama
elástica, tábua de equilíbrio, balancinho e bancos de alturas variadas, bola
Bobath, rolo Bobath, bastão, colchonete, espelho fixo, faixa elástica, estimulador
tátil, tatames, barra paralela fixa (adulto e infantil), trilho móvel com cinta de
sustentação, tábua de inversão / eversão e escada com rampa de canto fixa.
DAM (Dispositivos para auxílio da marcha): muleta axilar e canadense,
andador e cadeira de rodas.
Recursos de eletroterapia: neuroestimulação elétrica transcutânea
(TENS) e estimulação elétrica funcional (FES), corrente russa.
Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 15
Recursos Termoterápicos: bolsa térmica e máquina de gelo (crioterapia).
Este setor deverá estar adaptado para atendimento a portadores de neces-
sidades especiais, conforme as normas da Associação Brasileira de Normas
e Técnicas (ABNT), com rampas, barras de apoio, corrimão, entre outros.
Objetivos da fisioterapia neurológica
O objetivo da fisioterapia neurológica é o tratamento do paciente como
um todo, buscando restaurar funções, tais como: mobilidade, equilíbrio,
força, coordenação motora e sensibilidade, principalmente readaptar o
indivíduo ao seu ambiente domiciliar e reinseri-lo no convívio social. Outras
funções mais específicas são: prevenir deformidades, orientar a família e o
paciente, seja ele adulto ou criança; normalizar o tônus postural; melhorar
habilidades cognitivas e de memória; reintegrar o paciente na sociedade;
diminuir padrões patológicos; prevenir instalação de doenças pulmonares,
como pneumonias decorrentes de broncoaspiração; prevenir quedas; manter
ou aumentar a amplitude de movimento; estimular as atividades de vida
diária, a alimentação, o retreinamento da bexiga e dos intestinos, a exploração
vocacional e de lazer; otimizar a qualidade de vida do paciente; prescrever
próteses e órteses, bem como auxiliar no seu manejo.
Métodos e técnicas em neurologia adulta
A fisioterapia em pacientes neurológicos adultos tem um papel funda-
mental na reabilitação, adaptação e interação dos mesmos à sua condição
de saúde. Esses atendimentos se distinguem dos atendimentos em neuro-
pediatria pela epidemiologia encontrada em adultos, cujas patologias mais
frequentes são: AVE, doença de Parkinson, doença de Alzheimer, Esclerose
Pesquise mais
É necessário, dentro de um setor de neurologia, promover acessibilidade
ao paciente. Para que você pesquise sobre a montagem de um setor de
fisioterapia dentro das normas de acessibilidade de deficientes da ABNT,
consulte a bibliografia sugerida – páginas 5 a 17.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: acessibi-
lidade a edificações, mobiliários, espaços e equipamentos urbanos. Rio
de Janeiro, 1994. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.
br/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefiel-
d-description%5D_24.pdf. Acesso em: 9 nov. 2018.
16 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
Lateral Amiotrófica, Esclerose Múltipla, paralisia facial periférica, síndrome
de Guillian Barré, trauma cranioencefálico e trauma raquimedular, porém,
em se tratando de lesão em sistema nervoso, tanto a neuropediatria como a
neuroadulto pode atingir o SNC e/ou SNP.
Além dos recursos citados anteriormente, algumas técnicas se destacam
nesses atendimentos:
1)	 Facilitação neuromuscular proprioceptiva (FNP): objetiva permitir
aos terapeutas analisar e avaliar o movimento do paciente enquanto
facilita estratégias de movimentos funcionais mais eficientes, tendo
como princípio a estimulação dos proprioceptores para aumentar a
demanda feita ao mecanismo neuromuscular, integrando técnicas
manuais de alongamento e fortalecimento com princípios neurofi-
siológicos de indução sucessiva, inervação e inibição recíproca, além
do fenômeno de irradiação.
2)	 Método neuroevolutivo Bobath: muito utilizado em AVE´s. É
uma abordagem terapêutica para a resolução de problemas para a
avaliação e o tratamento de indivíduos com problemas de função,
controle postural e movimento devido a uma lesão do sistema
nervoso central, baseando-se fundamentalmente nas teorias do
controle motor, aprendizagem motora, plasticidade cerebral, princí-
pios da biomecânica, além do aprimoramento dos profissionais ao
observar, analisar e interpretar a execução das tarefas funcionais
(ABRAFIN, 2015).
3)	 Terapia por contensão induzida (TCI): é uma intervenção compor-
tamental realizada a partir de um protocolo terapêutico com três
componentes: treinamento intensivo orientado à tarefa, métodos
comportamentais para a transferência e restrição do membro
superior menos afetado. A TCI é uma terapêutica que visa a recupe-
ração da função do membro superior (MS) parético de pacientes
com sequelas de um AVC por meio de treinamento intensivo, uso de
uma restrição no MS não-parético durante 90% do dia e pelo pacote
de transferência (SILVA; TAMASHIRO, 2010).
4)	 Mobilização Neural (MN): visa restaurar o movimento e a elasticidade do
SN,eéutilizadacomométododediagnósticoetratamentodasdisfunções
de origem neural. Objetiva restaurar o movimento e a plasticidade do SN,
promovendo o retorno às suas funções normais e a redução do quadro
sintomático (VASCONCELOS; LINS; DANTAS, 2011).
5)	 Hidroterapia: os principais objetivos para hidroterapia nas doenças
neurológicas são adequação tônica, alívio da dor, diminuição do
Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 17
espasmo muscular, manutenção ou aumento de mobilidade articular
e força muscular, conquista de equilíbrio, aprimoramento da coorde-
nação motora, reeducação e treino de marcha, reeducação dos
músculos paralisados, melhora da capacidade respiratória e ganho
de independência funcional e qualidade de vida. Uma das melhores
técnicas em neurologia é o Halliwick, pois seu programa de pontos
auxilia a conquista funcional da independência no meio, além de
possibilitar, é claro, o aprimoramento das atividades de vida diária
em solo (BEGO; SHIWA, 2018).
6)	 Terapia - espelho: a técnica sugere que uma rede neural responsável
pelo controle de uma mão em uma determinada tarefa pode ser utili-
zada nos movimentos da outra mão, referindo-se à capacidade de
memorização de um procedimento, sendo a ideia reeducar o cérebro
por meio de uma simples tarefa, na qual o indivíduo realiza uma
série de movimentos com o braço saudável, sendo que este é visto
no espelho como sendo o braço parético, havendo nessa prática a
pretensão de “enganar” o cérebro (ROSA; ROSA; CAMPOS, 2013).
Atuação Fisioterapêutica em Neuropediatria
Caro aluno, a abordagem em neuropediatria deve diferir do atendimento
em adulto. É um dos desafios delegados ao docente em saúde formar profis-
sionais conhecedores do que é particular na abordagem à criança, e eles
devem ser habilidosos no ato de desenvolver estratégias ambientais e sociais
favoráveis ao desenvolvimento potencial da criança, pois o ambiente social
favorável impulsiona a aquisição de habilidades, favorece a independência
funcional e também melhora o desempenho escolar. O caráter preventivo
aqui é muito importante, pois muitas necessitam da intervenção precoce.
Trabalhar de acordo com a faixa etária e de forma individual são premissas
importantes. O envolvimento familiar na terapêutica aplicada à criança é
necessário, pois se não tiver uma interação grande com esse grupo, o seu
tratamento não vai ser eficaz.
Reflita
“A abordagem à criança não se encerra nela; deve ser direcionada à
criança e às suas circunstâncias” (GUEDES; ALVES; WYSZOMIRSKA, 2013,
[s.p.]). A assistência neuropediátrica é a mesma dada na assistência em
neurologia adulta na atenção secundária? Poderiam ser utilizados os
mesmos recursos em ambas as abordagens?
18 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
Outro fator importante na neuropediatria são as patologias assistidas,
existindo diferentes tipos de doenças neurológicas que afetam o sistema
nervoso central e periférico. Esses diferentes tipos de doenças neurológicas
podem ocorrer por etiologia congênita, hereditariedade, trauma, exposição a
produtos químicos tóxicos, tumores e infecções.  Os achados clínicos distúr-
bios neurológicos mais comuns são: atrasos no desenvolvimento neurop-
sicomotor (DNPM), cefaleias, convulsões, aumento anormal do perímetro
craniano, alteração de tônus, ataxia, distúrbios de fala, etc. (SENA, 2007).
Métodos e técnicas em atendimento neuropediátrico
Já foram citadas anteriormente, em Métodos e Técnicas em neuro-
logia adulto, a Hidroterapia, Bobath e a mobilização neural, que também
assistem ao público infantil. Sobre algumas especificidades das técnicas em
neuropediatria:
1)	 Conceito Neuroevolutivo Bobath: essa técnica em neuropediatria é
muito utilizada para a ECNP, devendo ser iniciada o mais precoce
possível. Se a criança ainda for muito pequena, tendo movimentos
mais primários que anormais, poderá auxiliá-la a estabelecer os
esquemas mais fundamentais de um modo próximo ao normal,
seguido tão de perto quanto possível às etapas do desenvolvimento
motor da criança normal (BRIANESE, 2009).
2)	 A hipoterapia é um dos programas da área de equoterapia, consis-
tindo na utilização do cavalo principalmente como um instrumento
cinesioterapêutico, sendo que o seu deslocamento na andadura
do “passo” produz o movimento tridimensional que propor-
ciona inputs sensório-motores que influenciam adequadamente o
processamento sensorial e neuromotor, refletindo no equilíbrio, na
Exemplificando
Entre as condições neuropediátricas mais presentes no atendimento
fisioterapêutico em nível secundário estão: ECNP (Paralisia Cerebral),
hidrocefalia, microcefalia, espinha bífida, meningomielocele, encefa-
lopatias, miopatias, distrofias. Embora não tenha origem no SN, a
trissomia 21, a chamada Síndrome de Down, é uma condição cromos-
sômica causada por um cromossomo extra no par 21, que acarreta a
sequela neurológicas, como a hipotonia. A Síndrome de Guillain Barré
também poderá afetar crianças, pois ocorre em todas as idades, bem
como a Paralisia Facial Periférica e a Paralisia Braquial Obstétrica (PBO)
(GUEDES; WYSZOMIRSKA, 2013).
Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 19
postura, na força e na coordenação sensório-motora, sendo muito
eficaz em neuropediatria.
3)	 A mobilização neural poderá ser utilizada em neuropediatria com
o objetivo de reduzir a espasticidade, restaurar o movimento e a
elasticidade do SN, o que gera o retorno às suas funções normais
e a diminuição do quadro sintomático. Os movimentos reali-
zados pela técnica permitem que ocorra a manutenção da elasti-
cidade e extensibilidade do tecido nervoso, o que vem a auxiliar a
manutenção da extensibilidade das fibras musculares e, por conse-
quência, favorecer a amplitude de movimento articular, princi-
palmente as propriedades de alongamento adaptativo do sistema
nervoso (VASCONCELOS; LINS; DANTAS, 2011; ROSA; ROSA;
CAMPOS, 2013).
4)	 Fisioterapia funcional: é a terapia com ênfase na prática de ativi-
dades funcionais priorizando o aprendizado de habilidades
motoras que sejam significantes no ambiente da criança, nas quais
ela deseja se engajar e que sejam percebidas como problemáticas
pela criança e seus pais ou cuidadores. É muito utilizada em ECNP
(BRIONESI, 2009).
5)	 Hidroterapia: a fisioterapia aquática proporciona à criança um
ambiente lúdico, diferenciado, que favorece a realização de diversos
manuseios e permite uma abordagem complementar à fisioterapia
em solo. Suas técnicas e princípios físicos auxiliam o tratamento
de diversas patologias, estimulando o DNPM, as reações de equilí-
brio, a coordenação, a postura, a analgesia, além de trazer benefí-
cios psicológicos. 
6)	 Técnicas de estimulação e integração sensorial: técnicas de trata-
mento sensorial promovem experiências sensoriais apropriadas e
variadas (tátil, proprioceptiva, cinestésica, visual, auditiva, gusta-
tiva, entre outras) para as crianças com espasticidade e hipotonia,
visando atividades que utilizam posturas adequadas e contro-
ladas, as quais são ajustadas às necessidades individuais, levando
em consideração o grau de limitação motora, visual, perceptiva e
cognitiva, com objetivo de possibilitar o recebimento de informa-
ções sensório-motoras adequadas a cada nova exploração, além
de aumentar o nível de funcionalidade, alerta, interesse e partici-
pação. O objetivo da integração sensorial, quanto à reabilitação,
é favorecer o desenvolvimento da sensibilidade corporal para
diferenciação de suas partes, limites e possibilidades, regularizando
o tônus (FERRARETO, 1998).
20 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
E então, alunos, foi muito proveitoso nossos estudos nesta seção, não é
mesmo?
Após a exposição deste conteúdo, já podemos auxiliar aos alunos a escla-
recer suas dúvidas no estágio na clínica escola da Universidade!
Então, mãos à obra.
Vocês se lembram dos três grupos de pesquisa que irão se dedicar à elabo-
ração do conteúdo para o treinamento dos profissionais da área da saúde?
Então, o 1º grupo abordou sobre a área de neurologia adulto e neuropediatria
e respectivos recursos empregados na atenção secundária. Os alunos, para
iniciar a pesquisa, precisaram responder aos seguintes questionamentos:
quais ações devem ser realizadas na atuação em neurologia adulto e neuro-
pediatria na atenção secundária? Com relação aos recursos, quais distinções
devemserfeitasentreosatendimentosnaneurologiaadultoeneuropediatria?
Os alunos disseram que as ações desenvolvidas em neurologia adulto
e neuropediatria na atenção secundária são assistidas em ambulatórios,
clínicas, consultórios e centros de reabilitação, sendo que as atribuições
gerais incluem avaliar o estado funcional do paciente para a elaboração do
diagnóstico cinético funcional. Para a avaliação, é necessário organizar uma
ficha de avaliação dos pacientes, sendo preenchida de acordo com todos
os princípios éticos. Deverá constar nessa avaliação o estado funcional do
paciente para que seja elaborado o diagnóstico cinético-funcional a partir
de criteriosa avaliação fisioterapêutica, contendo todos os itens necessários
para avaliar um caso neurológico, traçando objetivos e condutas e um roteiro
de orientações ao paciente, cuidador ou responsável, estabelecer as rotinas
da assistência fisioterapêutica, solicitar exames complementares quando
necessário, registrar no prontuário do paciente, recorrer a outros profissio-
nais quando necessário, desenvolver atividades em equipe e participar de
reuniões de estudo, discussão de casos, entre outros.
Com relação aos recursos utilizados em neurologia com adultos e neuro-
pediatria, estes dependerão das diferentes patologias que acometem esses
ciclos de vida, embora em ambos os acometimentos são tanto do SNC como
do SNP, onde adultos e crianças terão alterações de tônus, cursando desde a
hipertonia à hipotonia.
A diferença na utilização dos recursos em atendimentos também está nos
objetivos. As patologias congênitas ou ocorridas até a fase de maturação do
SNC acarretarão o atraso do DNPM, com distúrbios de fala, aprendizado,
Sem medo de errar
Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 21
cognição, alterações motoras, entre outras. A exemplo, podemos citar a
técnica Neuroevolutiva Bobath, que, no adulto, assiste a pacientes com
AVE, e na criança, a pacientes com patologias em que há atraso do DNPM,
inibindo movimentos anormais, baseado na inibição dos reflexos primitivos
padrões patológicos de movimento, e estimulando o desenvolvimento motor.
Técnicas como a Hidroterapia, que assiste tanto a neurologia adulto
como a neuropediatria, proporciona à criança um ambiente lúdico, diferen-
ciado, que favorece a realização de diversos manuseios e permite uma
abordagem complementar à fisioterapia em solo. Nessa área, em crianças,
são priorizadas a estimulação do DNPM, as reações de equilíbrio, a coorde-
nação, a postura, a analgesia, e até os benefícios psicológicos. Nos adultos a
prioridade é com o restabelecimento das funções perdidas, diferentemente
da abordagem da neuropediatria, que prioriza o DNPM, porém, também
há aqui a promoção de fortalecimento muscular, analgesia, adequação de
tônus, equilíbrio, entre outros.
Muito bem, parabéns ao primeiro grupo! Conseguiu solucionar os
questionamentos referentes à atuação fisioterapêutica em neurologia adulto e
neuropediatria, bem como elencar alguns recursos utilizados, estabelecendo
algumas distinções dentro dessas duas áreas de atuação da fisioterapia para
toda a classe.
Classificação do tônus em lesões do SNC e SNP
Descrição da situação-problema
Heloísa é aluna do 9º semestre do curso de Fisioterapia e deverá cumprir
os estágios curriculares na Clínica da Escola Universitária. Compõe um
grupo de cinco alunos que iniciaram, nesta semana, o estágio na disciplina
de Fisioterapia em Neurologia e Neuropediatria. Ocorre que ela está com
muitas dúvidas, visto esta semana ter avaliado um paciente adulto, 55 anos,
com diagnóstico de AVE isquêmico à direita, ocorrido há dois anos, e, poste-
riormente, ter avaliado uma criança, 5 anos, com diagnóstico de Paralisia
Braquial Obstétrica (PBO) em membro superior esquerdo. Sua maior
dificuldade na avaliação foi classificar o estado do tônus para posteriormente
elaborar o diagnóstico cinético-funcional, os objetivos do tratamento e a
prescrição da conduta.
Conversando com seu preceptor sobre esses casos clínicos, foi solici-
tado a você que recorresse à literatura a fim de elaborar uma pesquisa,
Avançando na prática
22 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
um relatório e ter conhecimentos científicos para a identificação do
diagnóstico dos casos clínicos apresentados. Quais seriam as caracte-
rísticas do tônus desses pacientes em decorrência das estruturas anatô-
micas acometidas no SN? Quais seriam os objetivos da fisioterapia
diante desses casos?
Vamos ajudar Heloísa em seu estágio?
Resolução da situação-problema
Logo após um AVE, em que há acometimento das estruturas do SNC, o
hemicorpo afetado apresenta hipotonia, isto é, o tônus está reduzido, impos-
sibilitando o movimento funcional do hemicorpo, não apresentando resis-
tência ao movimento passivo e o indivíduo não consegue manter o membro
em nenhuma posição, principalmente durante as primeiras semanas. Porém
com o passar do tempo, dá-se a substituição de um quadro de hipotonia por
hipertonia, apresentando um aumento da resistência ao movimento passivo,
sendo essa hipertonia denominada espástica, que tende a aumentar gradual-
mente nos primeiros 18 meses com os esforços e as atividades desenvolvidas
pelo indivíduo. Portanto, nesse caso clínico a classificação do tônus seria
Hipertonia espástica.
A fisioterapia objetiva a redução da espasticidade, sendo recursos para
tal: a crioestimulação, que consiste no gelo aplicado de forma contínua
e rápida, reduzindo a espasticidade por diminuir a neurotransmissão de
impulsos aferentes e eferentes; o calor superficial e a hidrocinesioterapia. A
cinesioterapia com exercícios de alongamento também normaliza o tônus
muscular, melhora a extensibilidade dos tecidos moles, a postura e a ampli-
tude de movimento. A PBO acomete estruturas do SNP, sendo o resultado
de uma lesão das fibras nervosas do plexo braquial durante as manobras
obstétricas do parto, gerando grande repercussão na funcionalidade do
membro superior lesado do recém-nascido, desenvolvendo tônus flácido.
A criança apresenta a manifestação de paresia ou plegia flácida de um
único membro, que se encontra posicionado próximo ao tronco. A fisio-
terapia tem como objetivo a recuperação da função muscular e adequação
do ambiente para favorecer a funcionalidade; para tanto, atua na estimu-
lação, manutenção e/ou aumento da movimentação ativa, recuperação
sensorial, desenvolvimento motor, ensinando a criança a explorar o meio
com atividades lúdicas do brincar, prevenindo deformidades e contra-
turas de tecidos moles, prescrevendo órteses e ensinando aos cuidadores o
posicionamento adequado do membro superior comprometido (CARMO;
MURILLO; COSTA, 1996).
Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 23
1. Um dos objetivos da atuação do profissional fisioterapeuta, tanto na área de neuro-
logia adulto como neuropediatria, é a adequação do tônus, visto tanto as lesões de
Sistema Nervoso Central (SNC) como do Sistema Nervoso Periférico (SNP) levarem
à alteração do tônus do paciente, seja para a hipertonia, traduzida por espasticidade
ou rigidez, ou para a hipotonia. Sobre a frase: “nos casos das lesões dos neurônios
motores inferiores, que afetam SNP, o profissional fisioterapeuta deverá ter como
objetivo na aplicação de seus recursos e técnicas _____________:
Assinale a alternativa que completa a frase:
a)	 Aumentar a espasticidade.
b)	 Diminuir a rigidez.
c)	 Aumentar a hipertonia.
d)	 Diminuir a hipotonia.
e)	 Promover hiporeflexia.
2. O Sistema nervoso periférico (SNP) é dividido em Sistemas Nervoso Autônomo
(SNA) e sistema nervoso somático (SNS), sendo o SNA dividido em simpático e
parassimpático, e a acupuntura e a mobilização neural são alguns dos recursos fisio-
terapêuticos que atuam nesse sistema. Sobre os componentes que constituem o SNP,
complete as lacunas:
O sistema nervoso periférico é constituído por ____________ pares de nervos
cranianos e pelas raízes espinhais anterior e posterior dos ____________ nervos
raquidianos, pelos plexos nervosos e gânglios espinhais e gânglios autonômicos
(SNA). Os neurônios sensitivos ou ____________ vão conduzir as informações
através dos receptores sensitivos situados na pele, músculos esqueléticos e articula-
ções. Já os neurônios motores ou ____________ controlam os órgãos efetores, como
as glândulas exócrinas e endócrinas e as fibras musculares.
Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas :
a)	 10; 33; aferentes; eferentes.
b)	 12; 31; aferentes; eferentes.
c)	 12; 31; eferentes; aferentes.
d)	 10; 33; eferentes; aferentes.
e)	 12; 33; eferentes; aferentes.
3. O tratamento em fisioterapia neurológica visa a assistência ao indivíduo como um
todo, buscando restaurar funções, tais como mobilidade, equilíbrio, força, coorde-
nação motora e principalmente readaptar o indivíduo ao seu ambiente domiciliar e
reinseri-lo no convívio social.
Faça valer a pena
24 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
Sobre o atendimento fisioterapêutico em neurologia adulto e neuropediatria, analise
as sentenças e assinale a alternativa correta:
a)	 A assistência fisioterapêutica na atenção secundária em Neurologia é prestada
em hospitais, leitos e UTI, a exemplo em pós Acidente Vascular Encefálico em
fase aguda.
b)	 São objetivos do atendimento em neurologia tanto adulto como infantil a hiper-
trofia e hipertonia muscular, endurance e resistência.
c)	 Caso o paciente em assistência fisioterapêutica necessite da prescrição de
próteses e órteses, bem como auxílio para o seu manejo, só pode ser encami-
nhado a um especialista dessa área, como um terapeuta ocupacional.
d)	 A fisioterapia Neuropediátrica assiste, de modo geral, patologias como:
Acidente Vascular Encefálico, Doença de Parkinson, Doença de Alzheimer,
Esclerose Lateral Amiotrófica, Esclerose Múltipla, Paralisia Facial Periférica e
polineuropatias.
e)	 A hidroterapia é um recurso indicado em neuropediatria, proporcionando à
criança um ambiente lúdico, diferenciado, que favorece a realização de diversos
manuseios, sendo que suas técnicas e seus princípios físicos auxiliam o trata-
mento de diversas patologias estimulando o Desenvolvimento Neuropsicomotor
(DNPM), as reações de equilíbrio, a coordenação, a postura, a analgesia e até
benefícios psicológicos.
Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 25
Apresentação geral da fisioterapia na criança,
adolescente e neonato na atenção secundária
Diálogo aberto
Prezado aluno, você deve estar escutando falar, em seu curso de
Graduação, sobre os avanços que a Fisioterapia vem fazendo na assistência
à criança, ao adolescente e aos Neonatos, contemplando todos os níveis de
atenção à saúde. Isso porque as funções e atribuições do profissional fisiote-
rapeuta são constituídas por um conjunto de ações de saúde, incluindo nessa
esfera a prevenção, assim como o diagnóstico cinético funcional, o trata-
mento, a reabilitação e a manutenção da saúde.
Para que você possa compreender as questões relacionadas a este tema,
vamos relembrar o contexto de aprendizagem. A Prof. Adriana, profissional
fisioterapeuta, Mestre em Ciências do Movimento, atua como docente em
uma Universidade Federal ministrando aulas em disciplinas aplicadas, e
recebeu o convite para assumir a coordenadoria dos campos de estágio do
curso de Fisioterapia.
No início de sua nova função na coordenação do estágio, sua coorde-
nadora lhe solicitou a elaboração de um pacote de treinamento a um grupo
de profissionais da área da saúde sobre as várias áreas de atuação do profis-
sional fisioterapeuta. Frente a isso, você resolveu agendar uma reunião na
primeira semana do início do ano letivo, com a participação dos preceptores
e dos alunos, para discutir sobre como deveriam elaborar o conteúdo desse
treinamento, bem como montar um grupo de estudos com a participação
dos alunos para auxiliar na elaboração dos conteúdos a serem ministrado
aos profissionais.
A área de atuação fisioterapêutica a crianças, adolescentes e neonatos
na atenção secundária, bem como os recursos empregados nesses ciclos
de vida, é uma das áreas que o treinamento deverá contemplar; portanto,
os alunos do 2º grupo deverão pesquisar e apresentar ao grupo de estudos
conteúdos referentes à atuação fisioterapêutica às crianças, aos adolescentes
e aos neonatos na atenção secundária, bem como os recursos empregados
nestes ciclos de vida. Portanto, os alunos do 2º grupo deverão, para a elabo-
ração da pesquisa, responder aos seguintes questionamentos: quais áreas da
fisioterapia atendem a crianças, adolescentes e neonatos na atenção secun-
dária? Quais principais técnicas e recursos fisioterapêuticos contemplam
esses atendimentos?
Seção 2.2
26 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
Para que você possa ajudar os alunos no esclarecimento dessas dúvidas,
pesquise sobre a atuação fisioterapêutica em crianças, adolescentes e neonatos
na atenção secundária, bem como os recursos e as técnicas para esses ciclos
de vida.
Então, vamos em frente nas pesquisas!
Já vimos na Unidade I, seção 2, que a assistência na atenção secundária
envolve o tratamento realizado em Unidades Básicas de Saúde, domicílio,
clínicas, Centros de Referência, consultórios e home care, sendo conside-
rados atendimentos de média complexidade e médio custo.
Caro aluno, não podemos falar sobre a saúde da criança e do adoles-
cente sem antes falarmos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA),
criado em 13 de julho de 1990, portanto, completando 28 anos. Saiba
que o Brasil foi um dos primeiros países a organizar uma legislação que
seguisse os princípios da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos
da Criança, que, entre os principais objetivos, contem detalhadamente
direitos e deveres das crianças e dos adolescentes, pais, gestores públicos,
profissionais da saúde e conselhos tutelares, estabelecendo punições para
maus tratos, políticas de atendimento e assistência, bem como medidas de
proteção e socioeducativas.
Segundo o ECA, é considerado criança o cidadão que tem até 12 anos
incompletos, e aqueles com idade entre 12 e 18 anos são considerados adoles-
centes. O ECA define que crianças e adolescentes têm direito à vida, à saúde,
à alimentação, à educação, ao esporte, à cultura, à liberdade, ao atendi-
mento prioritário em postos de saúde e hospitais, bem como a socorro –
em primeiro lugar – em caso de acidente de trânsito, incêndio, enchente ou
qualquer situação de emergência (BRASIL, 2012).
Não pode faltar
Pesquise mais
Para saber mais sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente - Lei
8069/90, sugerimos que clique no link abaixo e acesse as páginas 20 a
25, o conteúdo relacionado, ao Direito à vida e à saúde, contido no Título
II- Dos direitos fundamentais:
CEDECA. ECA 2017. Estatuto da criança e do adolescente. Rio De Janeiro:
CEDECA, 2017. Disponível em: http://www.chegadetrabalhoinfantil.org.
br/wp-content/uploads/2017/06/LivroECA_2017_v05_INTERNET.pdf.
Acesso em: 4 out. 2018.
Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 27
Sobre a atuação da fisioterapia na criança e no adolescente na atenção
secundária, algumas políticas públicas são dirigidas a essas faixas etárias,
como Programa de Atenção Integral à Saúde da Criança (PAISC), Programa
de Atenção à Saúde do Adolescente (PROSAD), Decreto n° 6.286, de 5 de
dezembro de 2007, que institui o Programa Saúde na Escola – PSE, Diretrizes
Nacionais para a Atenção Integral à Saúde de Adolescentes e Jovens na
Promoção, Proteção e Recuperação da Saúde (2010) e Política Nacional de
Atenção Integral à Saúde da Criança (BRASIL, 2010).
Na saúde coletiva, o acompanhamento regular na primeira infância e
as avaliações fisioterapêuticas programadas permitem detectar precoce-
mente atrasos ou desvios, orientar os pais sobre as características da criança
pré-termo, ensinar princípios básicos de estimulação sensório-motora e
anotar dados sobre o crescimento e desenvolvimento das crianças acompa-
nhadas na caderneta infantil. Quanto mais precoce as intervenções, maiores
as chances de normalização sem defasagem no desenvolvimento.
Agora que você já conheceu um pouco sobre a ECA e algumas
políticas públicas voltadas para a criança e o adolescente, vamos fazer
Reflita
A atuação da fisioterapia sobre os problemas e as necessidades de saúde
da criança ao adolescente contempla os três níveis de atenção à saúde,
articulando o profissional ao princípio da integralidade.
Existem distinções na assistência fisioterapêutica a crianças e adolescentes
na atenção secundária? Quais áreas da fisioterapia assistem esse público?
Exemplificando
A exemplo do papel do fisioterapeuta nas políticas públicas, no programa
de saúde na escola, a fisioterapia assume importante papel dentro das
instituições de ensino, visto que os estudantes desenvolvem hábitos
deletérios à postura, que, a longo prazo, podem gerar limitações funcio-
nais. Pelo fato das escolas serem locais ideais para a realização de ações
que favoreçam o adequado desenvolvimento físico e motor de crianças
e adolescentes, torna-se necessária a compreensão da relação entre
dor musculoesquelética e os fatores a ela relacionados, possibilitando
ao fisioterapeuta, na atenção secundária, utilizar de seus recursos nas
intervenções com escolares, elaborando diagnóstico precoce e encami-
nhamento à terapêutica específica (PEREIRA et.al, 2013).
28 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
uma abordagem sobre a fisioterapia motora em crianças e adolescentes
na atenção secundária.
Atuação da fisioterapia na criança e no adolescente
Embora sejam muitas as áreas da fisioterapia que assistem a criança e
o adolescente na atenção secundária, vamos nos remeter as mais predomi-
nantes. Na fisioterapia motora, conforme já mencionamos na Unidade 1,
Seção 3, há assistência a crianças e adolescentes com patologias neurológicas,
como a Paralisia Cerebral (Encefalopatia Crônica Não Progressiva), miopa-
tias, Síndrome de Down, neuropatias, entre outras.
Pudemos também ressaltar que o quadro resultante de crianças prema-
turas com patologias limitantes ou restritas ao leito estão sujeitas a complica-
ções, como atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, úlceras de decúbito,
alterações no sistema musculoesquelético, acarretando hipotrofia, atrofia
muscular, contraturas, osteoporose precoce, osteopenia e deformidades.
Essas crianças, por sua vez, são assistidas pela Fisioterapia Neurofuncional
(HOSPITAL SÍRIO LIBANES, 2018).
Muitas doenças ortopédicas, tanto congênitas como adquiridas, também
são assistidas pelo fisioterapeuta no nível secundário em crianças, como os
torcicolos congênitos, pé torto congênito, escolioses congênitas, artrogri-
poses. Já as doenças ortopédicas e traumatológicas mais frequentes na adoles-
cência são as fraturas, as luxações, os desvios posturais, as entorses, as lesões
ligamentares, entre outras. Embora seja usual pensar em doenças reuma-
tológicas no adulto ou no idoso, temos também como alterações motoras
as doenças reumatológicas que requerem os cuidados do fisioterapeuta
na atenção secundária, que se caracterizam por comprometer o sistema
musculoesquelético e podem ser degenerativas, metabólicas e inflamató-
rias. As doenças reumatológicas que mais atingem as crianças são as do
tipo inflamatórias, que são incuráveis e autoimunes, a exemplo, a Artrite
Reumatóide Juvenil, o Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES), a dermatopoli-
miosite (DMP), a esclerodermia (ESP), as vasculites, etc.
Podemos ainda destacar a incidência, em adolescentes praticantes de
atividade física ou esporte, os reumatismos de partes moles, incluindo tendi-
nopatias, bursites e entesites, oriundos de atividades repetitivas e/ou uso
excessivo de vídeo games, celulares e computadores.
Ainda sobre a fisioterapia motora, as variações posturais são comumente
encontradas no período de crescimento e desenvolvimento e decorrem dos
vários ajustes, várias adaptações, de mudanças corporais e psicossociais
que marcam essa fase. É observado um aumento relevante na incidência
Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 29
de problemas posturais em crianças, tendo como causas mais comuns: má
postura durante as aulas, uso incorreto da mochila escolar, uso contínuo de
computadores, vídeo games e celular, sedentarismo e obesidade.
Passaremos agora a discorrer sobre as afecções respiratórias, que estão
entre as mais comuns na criança, e, embora se generalize a fisioterapia respi-
ratória como prática somente realizada em ambiente hospitalar (atenção
terciária), como os atendimentos a Neonatos (recém-nascidos de risco),
por exemplo, a fisioterapia respiratória pediátrica pode ser assistida em
casa, clínicas, ambulatórios, consultórios e, ainda, setores de hidroterapia.
Podemos citar como as principais doenças respiratórias da criança e do
adolescente: bronqueolite, asma, rinite, pneumonia e infecções das vias aéreas
superiores. No que se refere às doenças respiratórias crônicas, os serviços de
saúde realizam, frequentemente, abordagens restritas ao tratamento sinto-
mático das exacerbações.
A Saúde Coletiva estabelece como atribuições na assistência às doenças
respiratórias: realizar a avaliação fisioterapêutica respiratória; realizar
anamnese incluindo atividades de vida diária (AVD’s); avaliar o grau de
dispneia por meio da aplicação de escalas/questionários; avaliar a capaci-
dade funcional por meio de teste de caminhada; realizar a medida de pico de
fluxo; identificar os fatores limitantes e os fatores de risco para a realização de
exercícios; definir e aplicar os exercícios respiratórios visando a redução das
alterações funcionais da respiração; relaxar, alongar e fortalecer as cadeias
musculares envolvidas; ensinar estratégias respiratórias; definir e aplicar o
condicionamento físico aeróbico com monitorização adequada e avaliar o
resultado do tratamento por meio de testes e questionários de qualidade de
vida (ALVIM; LIMA; LASMAR, 2009).
Frente ao tema, não poderíamos deixar de abordar também a fisioterapia
oncológica em crianças e adolescentes, uma área eminente e de extrema
relevância uma vez que o câncer infanto-juvenil vem sendo uma das causas
de mortes não acidentais mais comuns entre crianças e adolescentes.
Os tipos mais comuns de câncer nessa faixa etária são a leucemia, tumores
do Sistema Nervoso, sarcomas de partes moles, linfoma não Hodkin, tumores
ósseos, retinoblastoma, dentre outras. As indicações para assistência fisiotera-
pêutica são determinadas pelas disfunções causadas pela doença ao paciente,
assim como pelos tipos de tratamento adotados.  Pacientes submetidos ao trata-
mento cirúrgico, radioterápico ou quimioterápico podem apresentar disfunções
ousequelas,eo fisioterapeutaoncológicosurgecomopeçafundamentaltantono
processo de prevenção quanto no de reabilitação do paciente oncológico.
A fisioterapia possui recursos que podem atuar no controle da dor em
decorrência do processo oncológico, atendendo as necessidades específicas
30 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
de cada paciente, com condutas que objetivem a restauração anatômica e
funcional, o suporte físico e psicológico e a paliação de sintomas. O processo
de reabilitação deverá ser iniciado tão logo o câncer for diagnosticado,
devendo ser planejada cada etapa do tratamento, sendo responsabilidade do
fisioterapeuta o diagnóstico cinético funcional das disfunções produzidas
pela doença e pelos tratamentos advindos dela, atualizando-se constante-
mente, elegendo e adequando as técnicas individualizadas de tratamento e o
encaminhamento adequado do paciente a uma equipe interdisciplinar, caso
seja necessário (INSTITUTO ONCOGUIA, 2015; GRAACC, 2018).  Na
última unidade falaremos sobre fisioterapia e oncologia na atenção terciária
e você entenderá a diferença entre as assistências prestadas.
Na saúde coletiva, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS´s), há ainda um
outro segmento na prática da assistência à criança e ao adolescente relacio-
nado ao “acompanhamento”, em que o fisioterapeuta estabelece formas de
monitorar a criança, seja por meio da programação de retornos semanais
Assimile
O tipo de câncer infanto-juvenil mais frequente é a leucemia, entre
25 a 35% dos casos de câncer, seguido dos linfomas e tumores do
sistema nervoso, o que exige maior demanda por assistência de fisio-
terapia devido a sequelas neuromusculoesqueléticas. Os tumores que
acometem as crianças e os adolescentes são mais agressivos, crescendo
rapidamente, porém, respondem melhor ao tratamento, considerados
de bom prognóstico. Existe um tumor, o meduloblastoma, que atinge o
cerebelo, comprometendo a coordenação motora e o déficit de equilí-
brio, e a atuação fisioterapêutica na atenção secundária poderá levar
até dois anos ou mais, dependendo da evolução da doença e de como a
criança reagirá ao tratamento (CREFITO 3, 2018).
Pesquise mais
Para que você adquira conhecimentos sobre a atuação fisioterapêutica
em oncologia na atenção secundária relacionada ao tratamento da dor,
acesse o link a seguir.
SOUZA, J. A. F. de. et al. Atuação da fisioterapia no controle da dor no
câncer infantil: uma revisão de literatura. Pesquisa e Ação, [S.l.], v. 3 n. 2,
p. 73-83, dez. 2017. Disponível em:
https://revistas.brazcubas.br/index.php/pesquisa/ar ticle/
download/319/457/. Acesso em: 13 nov. 2018.
Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 31
às Unidades Básicas de Saúde ou por meio de visitas domiciliares, podendo
esse acompanhamento ser feito de forma direta ou indireta. Elaborada pelo
Ministério da Saúde (2010), constitui-se de uma importante ferramenta que
os profissionais da saúde dispõem para acompanhar a adequação do cresci-
mento e do desenvolvimento desse ciclo de vida. Na atenção secundária
esse acompanhamento só é possível de forma direta, em que o profissional
programa retornos periódicos nos quais ele realiza a avaliação do desenvol-
vimento e do crescimento da criança, analisa aspectos sensoriais e motores,
reforça orientações realizadas e ainda retoma os cuidados quanto às doenças
respiratórias e quanto ao manejo de pacientes crônicos, avaliando a evolução
da criança e do adolescente, identificando precocemente alterações motoras
e posturais, bem como agudizações do quadro respiratório, e ainda monitora
as condições domiciliares. Já o acompanhamento indireto pertence aqui à
atenção primária, com o objetivo de promover a vigilância à saúde infantil
(DAVID et al. ,2013).
Muito bem, passemos agora a compreender sobre alguns recursos utili-
zados na criança e no adolescente, em uma abordagem sobre a fisioterapia
motora, respiratória e oncológica.
Recursos da fisioterapia na criança e no adolescente
Fisioterapia motora: na assistência das afecções motoras a crianças
e adolescentes, o fisioterapeuta lança mão de exercícios, mobilizações,
manipulações, alongamentos e outros recursos que visam restabelecer a
função musculoesquelética. Alguns recursos e técnicas utilizados na reabi-
litação neuromotora já foram descritos anteriormente, com ressalva para
a Técnica Terashuit (Figura 2.4), que pode ser usada em adultos, mas tem
como público alvo as crianças e os adolescentes, com o objetivo de prover
melhora funcional, manutenção e/ou redução de déficits motores, focando
Reflita
A compreensão de todos os aspectos envolvidos nos distúrbios neona-
tais, pediátricos e na adolescência pode auxiliar o fisioterapeuta a
fornecer um tratamento de qualidade, respeitando sempre o princípio
que cada criança é única e possui a sua particularidade. Por isso, o
tratamento sempre deverá ser diferenciado mesmo que a doença for a
mesma, pois cada um reage de uma maneira diferente. Há contraindica-
ções entre os recursos fisioterapêuticos aplicados a neonatos, crianças e
adolescentes na atenção secundária?
32 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
o programa de desenvolvimento motor, o fortalecimento muscular, a resis-
tência, a flexibilidade, a coordenação motora e o equilíbrio (FRANGE;
SILVA, 2012).
Com relação a alterações posturais, a detecção e seu diagnóstico precoce
sãoaçõesquepossibilitamumaintervençãoeficaz,principalmentenacriança,
cujo sistema musculoesquelético é mais complacente. Aqui, o recurso reside
na avaliação fisioterapêutica minuciosa da postura, por meio do qual conse-
gue-se identificar alterações que podem trazer consequências prejudiciais à
função de sustentação e de mobilidade, bem como iniciar precocemente a
terapêutica adequada e reverter o quadro, constando de cinesioterapia, com
exercícios de alongamento e fortalecimento muscular, bem como exercí-
cios respiratórios. Técnicas como Pilates e Reeducação Postural Global são
bastante resolutivas nessas alterações posturais (DAVID, 2013).
Fisioterapia respiratória: a assistência fisioterapêutica nas afecções
respiratórias para crianças e adolescentes na atenção secundária envolve a
aplicação de técnicas convencionais, como drenagem postural, vibração
manual ou mecânica, percussão e padrões ventilatórios, a fim de remover
secreção brônquica, otimizar a ventilação pulmonar e melhorar o padrão
respiratório da criança. Há, entretanto, outras técnicas denominadas
modernas, como o ciclo ativo da respiração, técnica de expiração forçada
e drenagem autógena, que também podem ser utilizadas. Em crianças, em
detrimento de seu perfil, que necessita de motivação e incentivo, a aplicação
de recursos lúdicos, como bolhas de sabão, língua de sogra e apitos, são bons
Figura 2.4 | Método Terashuit
Fonte: http://www.cielo.org.br/therasuit. Acesso em: 12 nov. 2018.
Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 33
coadjuvantes na terapia respiratória. Além do uso de algumas técnicas e
instrumentais, como o inspirômetro de incentivo, o flutter e a tapotagem,
que podem ser ensinados (ALVIM; LIMA; LASMAR, 2009).
Fisioterapia oncológica: na assistência, a fisioterapia oncológica deve
realizar tratamento fisioterapêutico em pacientes com sintomas relacio-
nados à doença e seus tipos de tratamento. É comum encontrar presença
de dor persistente, fibroses, retrações e aderências cicatriciais, encurta-
mentos musculares, diminuição de amplitude do movimento das articula-
ções e membros, osteoporose, neuropatias, presença de linfedema quando
há esvaziamento ganglionar, alterações respiratórias, trismo (contratura
dolorosa da musculatura da mandíbula (masseteres), falta de controle motor,
incoordenação, fraqueza muscular, cansaço, incontinência urinária ou fecal,
entre outros. Os sintomas variam de acordo com o tipo e a localização do
tumor, sendo os objetivos manter os segmentos corporais bem alongados,
com boa força muscular, controlar a dor, melhorar a função pulmonar,
prevenir a presença de inchaços e evitar a inatividade no leito. Para isso, a
fisioterapia apresenta recursos benéficos no cuidado a crianças e adoles-
centes com câncer, reduzindo sua dor. As técnicas analgésicas encontradas
foram: eletroterapia (TENS), desde que criança tenha responsividade e
consiga definir o grau de intensidade da corrente, a hidroterapia, terapia
manual, crioterapia e terapia por exercício físico (cinesioterapia), sempre
ressaltando a importância do caráter lúdico das intervenções terapêuticas
infantis (ONCOFISIO, 2010).
A assistência à criança e ao adolescente também é dada no que diz
respeito aos quadros álgicos, por outras patologias, como também no câncer,
responsáveis por um elevado número de consultas nas UBS`s. A redução da
dor melhora o desempenho do paciente durante a terapia, além de restituir
sua qualidade de vida. A acupuntura e a estimulação elétrica nervosa trans-
cutânea são recursos com bons resultados analgésicos, sendo que o desco-
nhecimento da técnica da acupuntura em criança acaba por diminuir seu
uso. Porém sua eficácia e segurança são enormes, provendo a saúde num
momento tão delicado da vida. Há relatos de suas indicações para quadros
de dores crônicas em crianças e adolescentes e equalização de tônus nos
quadros de Paralisia Cerebral (SÁ, 2003).
Outros procedimentos, como massoterapia, relaxamento, hidroterapia
e cinesioterapia, também propiciam o alívio sintomático da dor, possibili-
tando a redução do uso de fármacos. Já, com relação a recursos termoterá-
picos na classificação de calor profundo (ultrassom contínuo, ondas curtas e
o microondas), deve haver uma avaliação criteriosa da real necessidade do
uso na infância e na adolescência, lembrando que são contraindicados em
zonas de crescimento.
34 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
Atuação fisioterapêutica na neonatologia
A especialização em Fisioterapia Neonatal objetiva oferecer assistência
tanto no nível secundário como terciário, devendo o profissional atuante
nessa área ter uma visão global do atendimento a pacientes ambulatoriais
e hospitalares. Você é capaz de caracterizar as ações da Fisioterapia em
Neonatologia na atenção secundária?
Designa-se período neonatal o que compreende desde o nascimento e
termina após 28 dias completos depois do nascimento (DATASUS, 2008).
O tratamento da fisioterapia neonatal conta com a assistência na área respi-
ratória e motora, sendo o objetivo da fisioterapia neonatal prevenir ou
atenuar alterações causadas por patologias respiratórias provocadas pela
hospitalização, realizar a manutenção ou ainda normalização e estabilização
dos padrões motores do recém-nascido, como tônus e trofismo muscular,
e estimular e acompanhar o Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM),
como nos casos de microcefalia e hidrocefalia. De um modo geral, os
pacientes encaminhados para os serviços de atendimento secundário são
provenientes da U.T.I. neonatal e berçário de cuidados intermediários,
podendo ser acompanhados no programa de fisioterapia respiratória e/ou
fisioterapia motora. O seguimento dessas crianças inclui avaliação respi-
ratória, manobras de desobstrução de vias aéreas superiores e de higiene
brônquica, inaloterapia, aspiração de secreções, avaliação neurológica,
abordagem do desenvolvimento motor normal e anormal, estimulação
sensorial, prescrição e utilização de órteses e orientação aos pais (AGUIAR;
PEREIRA; CARVALHO, 2008).
Fisioterapia motora em neonatologia
É fato que a permanência na UTI neonatal é fator relevante quanto aos
riscos do recém-nascido apresentar sinais de disfunção neuromotora, sendo
que o acompanhamento ambulatorial deve ser iniciado logo após a alta hospi-
talar. Os fatores ambientais encontrados na UTI interferem na motricidade
e também no atraso do desenvolvimento da imagem corporal da criança,
acontecendo isso devido à internação por longos períodos em unidades de
terapia intensiva (UTI), onde há falta da recepção de estímulos adequados,
exposição a ruídos excessivos e luminosidade exagerada, devendo haver
cuidados para que seja evitada ao máximo essa exposição, garantido sobre-
vida. Aqui reside a importância da intervenção precoce de uma equipe
multidisciplinar com fisioterapeutas, médicos, enfermeiros, assistentes
sociais, psicólogos e nutricionistas: apresentar bons resultados. Quando o
quadro já se encontra instalado, a fisioterapia tem como objetivos princi-
pais promover o DNPM do neonato e minimizar os padrões patológicos
Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 35
presentes, incentivando o contato do neonato com os pais para conseguir
melhor eficácia da intervenção. A exemplo do recém-nascido de risco, após
sua alta hospitalar, ele pode levar consigo alterações clínicas diversas, como
retinopatia da prematuridade, surdez, disfagias, como, também, alterações
cognitivas, comportamentais e de neurodesenvolvimento.
A anóxia perinatal é a principal condição clínica capaz de levar o recém-
-nascido a uma disfunção
Neurológica, sendo que os neonatos de Unidade de Terapia Intensiva
Neonatal (UTIN) necessitam ser supervisionados quanto ao aparecimento de
problemas que podem exigir encaminhamento e coordenação de múltiplos
serviços preventivos e reabilitacionais com o intuito da detecção precoce de
desvios do desenvolvimento, minimizando sequelas. (AGUIAR; BEZERRA;
CARVALHO, 2008). Essa intervenção na UTI é de suma importância para
que os neonatos ou já lactentes possam continuar na assistência secundária
em ambulatórios recebendo o auxílio de uma equipe multidisciplinar.
Técnicas utilizadas em neonatologia na fisioterapia motora
Alguns métodos de avaliação podem fornecer prognóstico e diagnóstico
precoce das alterações do DNPM, sendo utilizadas escalas padronizadas e
validadas no Brasil para melhores diagnósticos acerca do comportamento
motor, principalmente durante o primeiro ano de vida das crianças. Portanto,
o fisioterapeuta, como profissional da saúde, deve possuir um conhecimento
aprofundado sobre o processo das aquisições normais do desenvolvimento
global da criança e estar familiarizado com os diversos instrumentos de
avaliação existentes e os que são mundialmente mais utilizados para, assim,
selecionar o mais adequado ao seu paciente.  Diante disso, a Fisioterapia,
como integrante da equipe multidisciplinar responsável pelo RN, tem se
especializado cada vez mais em minimizar as complicações sensório motoras
decorrentes do período de internação na UTIN, atuando diretamente na
motricidade global, objetivando eliminar reações posturais inadequadas e
facilitando os movimentos normais, o estado de organização, a estimulação
proprioceptiva e o aumento do limiar de sensibilidade tátil e cinestésica.
Uma das técnicas que podem ser usadas para otimizar o desenvolvi-
mento articular do quadril, bem como a execução de atividades motoras,
como sentar, engatinhar e andar, é o Método de Facilitação Neuromuscular
Proprioceptiva (PNF) ou Método Kabat. Ele foi originalmente descrito para
adultos, porém, os princípios da irradiação, o contato manual do terapeuta,
a posição corporal do paciente, a tração, a aproximação e o estiramento
muscular podem ser utilizados em Neonatos (NEREN, 2012).
36 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
Em suma, cabe ao fisioterapeuta, diante da assistência motora:
- Normalizar o tônus muscular.- Promover alongamentos musculares. 
- Manter e/ou aumentar amplitude de movimento. 
- Prevenir ou inibir padrões e/ou desvios patológicos. 
- Prevenir deformidades articulares. 
- Estimular o desenvolvimento motor normal.
Fisioterapia respiratória em neonatologia
A fisioterapia respiratória tem por objetivo evitar a obstrução brônquica
pelo acúmulo secretivo, melhorar a ventilação / perfusão e difusão
pulmonar, aumentar o trabalho respiratório otimizando e expansibili-
dade torácica, manter as vias aéreas permeáveis, normalizando a mecânica
muscular respiratória e corrigindo as distorções tóraco-abdominais.
A melhora da função respiratória do recém-nascido (RN) provém da facili-
tação do transporte mucociliar, reduzindo o acúmulo de secreções e preve-
nindo áreas de atelectasia, infecções e alterações da relação ventilação-per-
fusão. As técnicas de fisioterapia respiratória em prematuros têm como
principais objetivos a manutenção das vias aéreas, o melhoramento da função
respiratória e a prevenção de complicações pulmonares. São recomendadas
as técnicas de desobstrução brônquica, técnicas de reexpansão pulmonar e
posicionamento (POP, 2016).
Técnicas utilizadas em neonatologia na fisioterapia respiratória
São algumas das manobras utilizadas:
A utilização da Hiperinsuflação Manual (HM), associada ou não a vibro-
compressão, para a mobilização e o deslocamento de secreção das vias aéreas.
A aplicação do aumento do fluxo expiratório (AFE) de forma lenta e a
realização de compressões torácicas seguidas de liberação lenta e completa
da caixa torácica. O AFE é considerado uma técnica não convencional de
desobstrução brônquica e pode ser aplicada desde o nascimento.
A drenagem postural (DP) consiste no posicionamento do paciente
em diferentes decúbitos baseados na anatomia da árvore brônquica que,
associados à ação da gravidade, favorecem a mobilização de secreção da
parte distal para a proximal dos lobos pulmonares.
As manobras de reexpansão pulmonar estimulam a elasticidade
pulmonar, diminuem a resistência tissular e provocam uma homogeneidade
do ar inspirado em sua distribuição intrapulmonar.
Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 37
Pois bem, alunos, espero que tenham absorvido o conteúdo desta seção.
Uma vez contemplados com todas essas informações, já podemos auxiliar os
alunos na elaboração do conteúdo para o treinamento proposto pela Prof.
Adriana aos profissionais da área da saúde!
Agora, sigamos adiante!
Vamos então retomar o treinamento demandado para a coordenadora
Adriana!
A coordenadora de estágios, com a participação dos preceptores e dos
alunos, montou um grupo de estudos a partir do qual deverão ser elaborados
os conteúdos para o treinamento de profissionais da área da saúde, deman-
dado pela coordenadora do curso de Fisioterapia. Hoje, o 2º grupo deverá
elaborar esse conteúdo, pesquisando sobre os seguintes questionamentos:
quais áreas da fisioterapia atendem as crianças, adolescentes e neonatos na
atenção secundária? Quais principais técnicas e os recursos fisioterapêuticos
que contemplam esses atendimentos? Vamos então ajudá-los a esclarecer
essas dúvidas.
Em relação às áreas da fisioterapia que atendem as crianças, adoles-
centes e neonatos na atenção secundária, a fisioterapia motora está presente,
sendo as alterações mais assistidas as que acometem o sistema musculoes-
quelético e neurológico, e em menor proporção podemos citar a fisioterapia
dermato-funcional em queimados e Saúde da Mulher em disfunções urogi-
necológicas, porém, vamos nos remeter às mais predominantes. A área de
Neurofuncional,tratadanestaUnidade2,naSeção1,assistepatologiasneuro-
lógicas, como Paralisia Cerebral (Encefalopatia Crônica Não Progressiva),
miopatias, Sindrome de Down, neuropatias, entre outras, tendo o objetivo
de promover o DNPM, prevenir hipotrofias, atrofia muscular, contraturas e
deformidades, osteopenia e osteoporose precoces.
A fisioterapia motora também assiste crianças e adolescentes na área de
Fisioterapia em Ortopedia e Traumatologia, tanto congênitas como adquiridas,
como torcicolos congênitos, pé torto congênito, escolioses congênitas, artrogri-
poses, fraturas, luxações, desvios posturais, entorses, lesões ligamentares entre
outras. A Fisioterapia Reumatológica também é assistida para esses ciclos de vida,
pelo comprometimento do sistema musculoesquelético, sendo as mais frequentes
a Artrite Reumatoide Juvenil, o Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES), a dermatopo-
limiosite (DMP), a esclerodermia (ESP) e as vasculites. Podemos ainda destacar a
Sem medo de errar
38 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
incidência, em adolescentes praticantes de atividade física ou esporte, os reuma-
tismos de partes moles, incluindo tendinopatias, bursites, entesites, oriundos de
atividades repetitivas e/ou uso excessivo de vídeo games, celulares e computa-
dores. A área de Saúde Escolar atua assistindo as variações posturais, comumente
encontradasnoperíododecrescimento edesenvolvimento,decorrentesdosvários
ajustes, das adaptações, das mudanças corporais e psicossociais que marcam
essa fase. São recursos utilizados na Fisioterapia Motora na atenção secundária
a cinesioterapia, as mobilizações, as manipulações, os alongamentos e outros
recursos que visam restabelecer a função musculoesquelética. Em pacientes com
disfunçõesneurológicassãoutilizadastécnicasespecíficas,comooMétodoBobath
e Kabat, que promovem estimulação precoce. Técnicas como Pilates e Reeducação
Postural Global são bastante resolutivas nas alterações posturais.
Na área de Fisioterapia Respiratória, podemos citar como as principais
doenças respiratórias da criança e do adolescente: bronqueolite, asma, rinite,
pneumonia e infecções das vias aéreas superiores (IVAS), objetivando expan-
sibilidade pulmonar, higiene brônquica, avaliação da capacidade funcional
e medida de pico de fluxo, fortalecimento da musculatura respiratória,
entre outros. São recursos utilizados na Fisioterapia respiratória na atenção
secundária a aplicação de técnicas convencionais, como drenagem postural,
vibração manual ou mecânica, percussão e padrões ventilatórios. Técnicas
modernas, como o ciclo ativo da respiração, técnica de expiração forçada e
drenagem autógena também podem ser utilizadas.
Na área da Fisioterapia Oncológica a assistência em crianças e adolescentes
tem suas indicações determinadas pelas disfunções causadas pela doença ao
paciente, assim como pelos tipos de tratamento adotados, sendo determi-
nantes para a prescrição da conduta o tratamento cirúrgico, radioterápico ou
quimioterápico. Os recursos podem ser utilizados para analgesia, disfunções
motoras e respiratórias, como eletroterapia, recursos manuais, acupuntura,
cinesioterapia, hidroterapia, técnicas de relaxamento, entre outros.
A assistência ao Neonato, Fisioterapia Neonatal, atende as áreas respi-
ratória (Fisioterapia Respiratória e motora, Fisioterapia Neurofuncional),
sendo o objetivo da fisioterapia neonatal prevenir ou atenuar alterações
causadas por patologias respiratórias provocadas pela hospitalização, realizar
a manutenção ou ainda normalização e estabilização dos padrões motores
do recém-nascido, como tônus e trofismo muscular, bem como estimular e
acompanhar o Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM).
São utilizados para assistência em fisioterapia motora ao neonato
na atenção secundária recursos que objetivam a normalização e estabi-
lização dos padrões motores do recém-nascido, como tônus e trofismo
muscular, bem como o estímulo e o acompanhamento do Desenvolvimento
Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 39
Neuropsicomotor (DNPM). São exemplos de métodos para assistir ao
neonato: Bobath e Kabat, que consistem em normalizar o tônus muscular,
promover alongamentos musculares, manter e/ou aumentar amplitude de
movimento, prevenir ou inibir padrões e/ou desvios patológicos, prevenção
de deformidades articulares e estimular o desenvolvimento motor normal.
São recursos utilizados em neonatos, na área respiratória, manobras
manuais de desobstrução de vias aéreas superiores e de higiene brônquica,
inaloterapia, Hiperinsiflação Manual (HM) associada ou não à vibrocom-
pressão, manobras de aumento do fluxo expiratório (AFE), compressões
torácicas seguidas de liberação lenta e completa da caixa torácica, drenagem
postural, manobras de reexpansão pulmonar.
Pronto, agora que os alunos já conseguiram esclarecer tais dúvidas à
classe, a coordenadora Adriana poderá solicitar ao 3º grupo que finalize as
reuniões, cumprindo as demandas a eles propostas.
Fisioterapia Neonatal e atenção à saúde
Descrição da situação-problema
Sandra, egressa do curso de Fisioterapia de uma Universidade Federal,
ingressou num curso de Pós-Graduação em Fisioterapia Neonatal, sendo seu
objetivo aprimorar seus conhecimentos neste ciclo de vida, adotando uma
visão global do atendimento a pacientes neonatos em ambulatórios e hospi-
tais, e o desenvolvimento e a atuação profissional no contexto atual das insti-
tuições de saúde. Para tanto, a profissional, ao final dos módulos teóricos do
curso, deverá realizar o estágio supervisionado, totalizando a carga horária
de 60 horas, em que vivenciará situações que terá de enfrentar em sua prática
profissional, o que a está deixando muito ansiosa, pois receia não estar prepa-
rada para atuar com a fragilidade dos neonatos, tendo muitas dúvidas em
relação à atuação hospitalar e ambulatorial em neonatos.
Como supervisora desse estágio, como você esclareceria para Sandra as
diferenças entre o atendimento ambulatorial do hospitalar?
Resolução da situação-problema
A princípio, o que diferencia atendimentos hospitalares de ambulatoriais
são os diferentes níveis de atenção à saúde, estando o hospitalar geral, os
Avançando na prática
40 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
leitos e as unidades de Terapia Intensiva relacionados à atenção terciária, de
alta tecnologia e alta complexidade. O ambulatorial, por sua vez, está relacio-
nado à atenção secundária, de média tecnologia e média complexidade.
A abordagem ao neonato, tanto em nível ambulatorial como hospi-
talar, atende as áreas respiratória (Fisioterapia Respiratória) e motora
(Fisioterapia Neurofuncional), sendo o objetivo da fisioterapia, em ambos,
prevenir ou atenuar alterações causadas por patologias respiratórias
provocadas pela hospitalização, realizar a manutenção ou ainda norma-
lização e estabilização dos padrões motores do recém-nascido, como
tônus e trofismo muscular, e estimular e acompanhar o Desenvolvimento
Neuropsicomotor (DNPM).
E aí, Sandra, essas informações lhe deixam melhor preparada? Esperamos
que sim.
Avante com sua educação continuada.
1. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), criado em 13 de julho de 1990,
tem como principais objetivos detalhar os direitos e deveres das crianças e dos adoles-
centes, pais, gestores públicos, profissionais da saúde e conselhos tutelares, estabele-
cendo punições para maus tratos, políticas de atendimento e assistência, bem como
medidas de proteção e socioeducativas. Segundo o ECA, é considerado criança o
cidadão que tem até________________, e aqueles com idade entre______________
são considerados adolescentes.
Assinale a alternativa que completa as sentenças acima:
a)	 12 anos incompletos; 12 e 18 anos.
b)	 12 anos completos; 12 e 18 anos.
c)	 12 anos incompletos; 12 e 16 anos.
d)	 12 anos completos; 12 e 18 anos.
e)	 10 anos incompletos; 12 e 18 anos.
2. Várias são as áreas da fisioterapia que assistem crianças e adolescentes no nível
de atenção secundário. As áreas pelas quais essa população é mais acometida estão
relacionadas à fisioterapia motora e respiratória, porém, devemos destacar a Fisio-
terapia Oncológica, visto o câncer infanto-juvenil ser uma das causas de mortes não
acidentais mais comuns entre crianças e adolescentes. Sobre as áreas da fisioterapia
que assistem crianças e adolescentes, analise as sentenças assinalando V para as
verdadeiras e F para as falsas:
Faça valer a pena
Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 41
( ) Na assistência a crianças prematuras com patologias limitantes ou restritas
ao leito, o fisioterapeuta poderá atuar em complicações como: atraso no desen-
volvimento neuropsicomotor, úlceras de decúbito, alterações no sistema muscu-
loesquelético, atrofia muscular, contraturas, osteoporose precoce, osteopenia e
deformidades.
( ) A Fisioterapia em Reumatologia não assiste crianças e adolescentes, visto esse
ciclo de vida não desenvolver essas afecções, sendo restritas ao atendimento secun-
dário e terciário do adulto e idoso.
( ) A fisioterapia respiratória em crianças e adolescentes está restrita ao ambiente
hospitalar (atenção terciária), como os atendimentos a neonatos e lactentes, não
havendo assistência no nível de atenção secundário.
( ) As indicações para assistência fisioterapêutica em oncologia são determinadas
pelas disfunções causadas pela doença ao paciente, assim como pelos tipos de trata-
mento adotados, como tratamento cirúrgico, radioterápico ou quimioterápico, que
podem apresentar disfunções ou sequelas.
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta:
a)	 V – V – F – V.
b)	 V – F – V – V.
c)	 F – F – V – F.
d)	 V – V – F – F.
e)	 V – F – F - V.
3. A especialização em Fisioterapia Neonatal objetiva oferecer assistência tanto
no nível secundário como terciário, devendo o profissional atuante nesta área
ter uma visão global do atendimento a pacientes ambulatoriais e hospitalares.
Após períodos de internação, o neonato deverá ser encaminhado a serviços
especializados para que possa ser assistido na atenção secundária. Sobre a
assistência ao neonato na atenção secundária, assinale as asserções e a relação
proposta entre elas:
I.	 O tratamento da fisioterapia neonatal na atenção secundária conta apenas com
a assistência específica na área respiratória, sendo que o seguimento desses
neonatos inclui avaliação, manobras de desobstrução de vias aéreas superiores e
de higiene brônquica, inaloterapia, aspiração de secreções.
PORQUE
II.	 A área motora não assiste o Neonato na atenção secundária, devendo a assis-
tência fisioterapêutica ser iniciada após essa fase, em lactentes, objetivando
prevenir ou atenuar alterações neurológicas, objetivando normalização e estabi-
lização dos padrões motores, como tônus e trofismo muscular, e estimular e
acompanhar o Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM).
42 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
A respeito dessas asserções, assinale a alternativa correta:
a)	 As asserções I e II são proposições verdadeiras e a II é uma justificativa da I.
b)	 As asserções I e II são proposições verdadeiras, mas a II não é uma justificativa da I.
c)	 A asserção I é uma proposição verdadeira e a II é uma proposição falsa.
d)	 A asserção I é uma proposição falsa e a II é uma proposição verdadeira.
e)	 As asserções I e II são proposições falsas.
Seção 2.3 / Apresentação geral da fisioterapia na saúde do idoso e reumatologia na atenção secundári - 43
Apresentação geral da fisioterapia na saúde do
idoso e reumatologia na atenção secundária
Diálogo aberto
Caro aluno, muito temos ouvido falar sobre a transição demográfica e
epidemiológica nos últimos anos, em que a longevidade populacional tem
modificado as patologias e agravos, trazendo ao cenário epidemiológico as
Doenças Crônicas Não Transmissíveis em foco.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS, 2014) o número
de pessoas com idade superior a 60 anos chegará a 2 bilhões de pessoas até
2050, e isso representará um quinto da população mundial. Doenças reuma-
tológicas (DR) acompanham esse cenário, em que doenças degenerativas,
como osteoartrose (OA), e metabólicas, como a osteoporose, têm sido fator
limitante na vida da população idosa.
Para a compreensão a respeito dos questionamentos relacionados a essa
temática, tragamos à memória o contexto de aprendizagem.
Adriana, no início de sua nova função na coordenação do estágio, foi
orientada pela coordenadora do curso a elaborar um pacote de treina-
mento a um grupo de profissionais da área da saúde sobre as várias áreas de
atuação do profissional fisioterapeuta. Frente a isso, resolveu agendar uma
reunião na primeira semana do início do ano letivo, com a participação
dos preceptores e dos alunos, para discutir sobre como deveriam elaborar
o conteúdo desse treinamento.
A área de atuação fisioterapêutica na saúde dos idosos e a área de
Reumatologia na atenção secundária, bem como os recursos empregados
nesse ciclo de vida e nessa área de atuação, são conteúdos que o treinamento
deverá contemplar, portanto, os alunos do 3º grupo deverão pesquisar e
apresentar ao grupo de estudos conteúdos referentes à atuação fisiotera-
pêutica na saúde do idoso e recursos empregados para essa população, bem
como abordar a atuação da fisioterapia na área de reumatologia e os recursos
empregados nela.
Portanto, para a elaboração do conteúdo do treinamento, esses alunos
deverão solucionar os seguintes questionamentos: quais ações e recursos
caracterizam o atendimento fisioterapêutico na saúde do idoso? Em se
tratando da área da reumatologia, esta, por sua vez, só atende aos idosos?
Por quê?
Seção 2.3
44 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I
Para que você possa ajudar os alunos no esclarecimento dessas dúvidas,
vamos estudar a atuação fisioterapêutica na saúde do idoso, bem como a
área de reumatologia, além dos recursos empregados nessas áreas na atenção
secundária.
Portanto, vamos nos empenhar?
Vamos iniciar nossos estudos falando sobre um estatuto que representa um
avanço considerável na proteção jurídica aos homens e mulheres da sociedade
brasileira: “O Estatuto do Idoso”, Lei Federal de nº 10.741, de 1 de outubro de
2003, isto é, uma Lei Orgânica do Estado Brasileiro destinada a regulamentar
os direitos que pertencem à faixa etária igual ou superior a 60 anos e que vivem
no Brasil. Está em vigência desde janeiro de 2004, vindo a somar direitos que já
eramprevistospelaLeiFederaldenº8842,de04janeirode1994,eConstituição
Federal de 1988, estabelecendo-se como forte instrumento de defesa, promo-
vendo a cidadania dessa faixa etária, sua proteção jurídica, garantindo seus
direitos para que vivam com dignidade (SBGG, 2018).
As questões que envolvem a saúde como direito da pessoa idosa são
também abordadas pela Política Nacional do Idoso (PNI), Lei n. 8842/94,
que em texto oficial cria condições para promover a autonomia, integração
e participação efetiva do idoso na sociedade, o que envolve saúde de quali-
dade, como é destacado no artigo 10, inciso II – que se refere à área da saúde,
garantindo ao idoso a assistência à saúde nos diversos níveis de atendimento.
A Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa, Portaria GM 2528, de
19 de outubro de 2006, define que a atenção à saúde dessa população terá
Não pode faltar
Pesquise mais
Sobre o Estatuto do Idoso, em que são estabelecidos os direitos dos
idosos e são previstas punições a quem os violarem, dando aos idosos
uma maior qualidade de vida, em 2007 foi criado, pelo Ministério e
Defensoria Pública do Estado de São Paulo, uma cartilha informativa.
Sugerimos que você clique no link abaixo para aperfeiçoar seus conheci-
mentos sobre o Idoso.
SÃO PAULO (estado). Ministério Público do Estado de São Paulo. Defen-
soria Pública do Estado de São Paulo. Cartilha do idoso. São Paulo, 2007.
Disponível em: https://www.anadep.org.br/wtksite/cartilhaidoso.pdf.
Acesso em: 14 nov. 2018.
Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 45
como porta de entrada a atenção Básica/ Estratégia de Saúde da Família. A
Rede de Atenção Psicossocial (CAPS) e a Rede de Urgências e Emergências
(UPAS e Pronto Atendimentos) também são portas de entrada para atendi-
mento (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). São seus eixos estruturantes:
fortalecimento da Atenção Primária à Saúde (APS); organização da rede
de atenção à saúde da pessoa idosa; reconhecimento da pessoa idosa como
usuário “sócio sanitário” do Sistema Único de Saúde (SUS) e produção
de um modelo de atenção à saúde da pessoa idosa que invista na imple-
mentação de novas ferramentas de autocuidado e em planos integrados de
cuidado. Por isso, os profissionais da saúde podem assistir ao idoso nos três
níveis de atenção à saúde.
Passaremos agora a alguns esclarecimentos sobre os termos utilizados na
“Saúde do Idoso” para que você possa absorvê-los e ser assertivo quando se
referir à população idosa. A princípio, vamos analisar os termos geriatria
e gerontologia. São sinônimos? Pois bem, as duas áreas trabalham com o
mesmo público, porém, as diferenças são pontuais. A geriatria é um ramo
da medicina especializada nos cuidados de pessoas idosas e exercida pelo
geriatra; objetiva a promoção da saúde realizando um trabalho de prevenção
e tratamento de doenças que são especificas do envelhecimento. Já a geronto-
logia é o ramo dedicado ao estudo dos diversos aspectos do envelhecimento,
e além da saúde, preocupa-se com aspectos sociais (SBGG, 2016).
A senescência (envelhecimento) abrange todas as alterações produ-
zidas no organismo de um ser vivo, seja do reino animal ou vegetal, que se
relaciona com a sua evolução no tempo, sem nenhum mecanismo de doença
reconhecido, ou seja, alterações pelas quais o corpo passa e que são decor-
rentes de processos fisiológicos, que não caracterizam doenças e são comuns
a todos os elementos da mesma espécie, com variações biológicas. São fatores
Saiba mais
No ano de 2016, o COFFITO aprovou a Resolução n°476, que reconhece
e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia em Gerontologia,
respaldado na necessidade das novas especialidades pela estimativa da
expectativa de vida ser, em 2060, 26,75% da população com mais de 65
anos (COFFITO, 2017). 
COFFITO. Gerontologia é regulamentada como especialidade profis-
sional da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional. 2017.
Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=6346. Acesso em:
15 out. 2018.
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Livro u2 (1)

Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Paula Müller
 
Plano Didático.pdf
Plano Didático.pdfPlano Didático.pdf
Plano Didático.pdf
CliderleneSousa
 
Iniciacao metod cientifica[1]
Iniciacao metod cientifica[1]Iniciacao metod cientifica[1]
Iniciacao metod cientifica[1]
Lia Brambilla
 
CST EM TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
CST EM TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARESCST EM TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
CST EM TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
Colaborar Educacional
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
PROJETO DE EXTENSÃO I - TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARESPROJETO DE EXTENSÃO I - TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
PROJETO DE EXTENSÃO I - TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
Colaborar Educacional
 
LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...
LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...
LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...
MarryCruz1
 
Livro unico laura
Livro unico lauraLivro unico laura
Livro unico laura
andressaborges30
 
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de ReabilitaçãoEnfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Belmiro Rocha
 
Aula inaugural IC I 2021.pptx
Aula inaugural IC I 2021.pptxAula inaugural IC I 2021.pptx
Aula inaugural IC I 2021.pptx
PatriciaNoro1
 
FISIOTERAPIA
FISIOTERAPIAFISIOTERAPIA
Açoes em saude mental
Açoes em saude mentalAçoes em saude mental
Açoes em saude mental
Silvana Santos
 
Planeja sus
Planeja susPlaneja sus
Planeja sus
Tiago Calabria
 
ENFERMAGEM 7.pdf
ENFERMAGEM 7.pdfENFERMAGEM 7.pdf
ENFERMAGEM 7.pdf
ArlenoFavacho2
 
Matriciamneto
MatriciamnetoMatriciamneto
Matriciamneto
Iarly Nebraska
 
621 2600-1-pb
621 2600-1-pb621 2600-1-pb
621 2600-1-pb
Douglas Neurocientista
 
Enfermeira Sandra.pdf
Enfermeira Sandra.pdfEnfermeira Sandra.pdf
Enfermeira Sandra.pdf
trabalhosnota10sp
 
TEMPLATE PDCA 2 .pdf
TEMPLATE PDCA 2                                .pdfTEMPLATE PDCA 2                                .pdf
TEMPLATE PDCA 2 .pdf
HELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PDCA 2.pdf
TEMPLATE PDCA                                 2.pdfTEMPLATE PDCA                                 2.pdf
TEMPLATE PDCA 2.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Semelhante a Livro u2 (1) (18)

Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
 
Plano Didático.pdf
Plano Didático.pdfPlano Didático.pdf
Plano Didático.pdf
 
Iniciacao metod cientifica[1]
Iniciacao metod cientifica[1]Iniciacao metod cientifica[1]
Iniciacao metod cientifica[1]
 
CST EM TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
CST EM TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARESCST EM TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
CST EM TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
PROJETO DE EXTENSÃO I - TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARESPROJETO DE EXTENSÃO I - TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
PROJETO DE EXTENSÃO I - TERAPIAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
 
LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...
LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...
LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...
 
Livro unico laura
Livro unico lauraLivro unico laura
Livro unico laura
 
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de ReabilitaçãoEnfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
 
Aula inaugural IC I 2021.pptx
Aula inaugural IC I 2021.pptxAula inaugural IC I 2021.pptx
Aula inaugural IC I 2021.pptx
 
FISIOTERAPIA
FISIOTERAPIAFISIOTERAPIA
FISIOTERAPIA
 
Açoes em saude mental
Açoes em saude mentalAçoes em saude mental
Açoes em saude mental
 
Planeja sus
Planeja susPlaneja sus
Planeja sus
 
ENFERMAGEM 7.pdf
ENFERMAGEM 7.pdfENFERMAGEM 7.pdf
ENFERMAGEM 7.pdf
 
Matriciamneto
MatriciamnetoMatriciamneto
Matriciamneto
 
621 2600-1-pb
621 2600-1-pb621 2600-1-pb
621 2600-1-pb
 
Enfermeira Sandra.pdf
Enfermeira Sandra.pdfEnfermeira Sandra.pdf
Enfermeira Sandra.pdf
 
TEMPLATE PDCA 2 .pdf
TEMPLATE PDCA 2                                .pdfTEMPLATE PDCA 2                                .pdf
TEMPLATE PDCA 2 .pdf
 
TEMPLATE PDCA 2.pdf
TEMPLATE PDCA                                 2.pdfTEMPLATE PDCA                                 2.pdf
TEMPLATE PDCA 2.pdf
 

Mais de Giselda morais rodrigues do

DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docxDISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
Giselda morais rodrigues do
 
Hsc povos-tradicionais-amerindios-e-africanos
Hsc povos-tradicionais-amerindios-e-africanosHsc povos-tradicionais-amerindios-e-africanos
Hsc povos-tradicionais-amerindios-e-africanos
Giselda morais rodrigues do
 
360426450 caca-palavras-sobre-renascimento
360426450 caca-palavras-sobre-renascimento360426450 caca-palavras-sobre-renascimento
360426450 caca-palavras-sobre-renascimento
Giselda morais rodrigues do
 
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Giselda morais rodrigues do
 
Ap cs história- 7° ano - correto
Ap cs   história- 7° ano - corretoAp cs   história- 7° ano - correto
Ap cs história- 7° ano - correto
Giselda morais rodrigues do
 
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano   setembro - gabaritoAvaliação história 7º ano   setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
Giselda morais rodrigues do
 
Caapalavrasidademdiaeja 160916013034
Caapalavrasidademdiaeja 160916013034Caapalavrasidademdiaeja 160916013034
Caapalavrasidademdiaeja 160916013034
Giselda morais rodrigues do
 
Planejamento g4 e13 a 17 de setembro
Planejamento g4 e13 a 17 de setembroPlanejamento g4 e13 a 17 de setembro
Planejamento g4 e13 a 17 de setembro
Giselda morais rodrigues do
 
Planej. giselda g4 e 24-05 à 28 de maio
Planej. giselda g4 e  24-05 à 28 de maioPlanej. giselda g4 e  24-05 à 28 de maio
Planej. giselda g4 e 24-05 à 28 de maio
Giselda morais rodrigues do
 
Campo de experiências codigos g4 copia
Campo de experiências codigos g4   copiaCampo de experiências codigos g4   copia
Campo de experiências codigos g4 copia
Giselda morais rodrigues do
 
Apostila completa 2 semestre 2021 (1) (1)
Apostila completa 2 semestre 2021 (1) (1)Apostila completa 2 semestre 2021 (1) (1)
Apostila completa 2 semestre 2021 (1) (1)
Giselda morais rodrigues do
 
Apostila g418
Apostila g418Apostila g418
6 anol portuguesaprofessor3cadernonovo
6 anol portuguesaprofessor3cadernonovo6 anol portuguesaprofessor3cadernonovo
6 anol portuguesaprofessor3cadernonovo
Giselda morais rodrigues do
 
18 caua pereira rosa de almeida
18 caua pereira rosa de almeida18 caua pereira rosa de almeida
18 caua pereira rosa de almeida
Giselda morais rodrigues do
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Livro projeto gato xadrez 1
Livro projeto gato xadrez 1Livro projeto gato xadrez 1
Livro projeto gato xadrez 1
Giselda morais rodrigues do
 
Cadernodofuturo matemtica-3anoprof-171112071214
Cadernodofuturo matemtica-3anoprof-171112071214Cadernodofuturo matemtica-3anoprof-171112071214
Cadernodofuturo matemtica-3anoprof-171112071214
Giselda morais rodrigues do
 
20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa
20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa
20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa
Giselda morais rodrigues do
 
Aula2
Aula2Aula2
Diretrizes brasileiras de obesidade
Diretrizes brasileiras de obesidadeDiretrizes brasileiras de obesidade
Diretrizes brasileiras de obesidade
Giselda morais rodrigues do
 

Mais de Giselda morais rodrigues do (20)

DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docxDISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
 
Hsc povos-tradicionais-amerindios-e-africanos
Hsc povos-tradicionais-amerindios-e-africanosHsc povos-tradicionais-amerindios-e-africanos
Hsc povos-tradicionais-amerindios-e-africanos
 
360426450 caca-palavras-sobre-renascimento
360426450 caca-palavras-sobre-renascimento360426450 caca-palavras-sobre-renascimento
360426450 caca-palavras-sobre-renascimento
 
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
 
Ap cs história- 7° ano - correto
Ap cs   história- 7° ano - corretoAp cs   história- 7° ano - correto
Ap cs história- 7° ano - correto
 
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano   setembro - gabaritoAvaliação história 7º ano   setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
 
Caapalavrasidademdiaeja 160916013034
Caapalavrasidademdiaeja 160916013034Caapalavrasidademdiaeja 160916013034
Caapalavrasidademdiaeja 160916013034
 
Planejamento g4 e13 a 17 de setembro
Planejamento g4 e13 a 17 de setembroPlanejamento g4 e13 a 17 de setembro
Planejamento g4 e13 a 17 de setembro
 
Planej. giselda g4 e 24-05 à 28 de maio
Planej. giselda g4 e  24-05 à 28 de maioPlanej. giselda g4 e  24-05 à 28 de maio
Planej. giselda g4 e 24-05 à 28 de maio
 
Campo de experiências codigos g4 copia
Campo de experiências codigos g4   copiaCampo de experiências codigos g4   copia
Campo de experiências codigos g4 copia
 
Apostila completa 2 semestre 2021 (1) (1)
Apostila completa 2 semestre 2021 (1) (1)Apostila completa 2 semestre 2021 (1) (1)
Apostila completa 2 semestre 2021 (1) (1)
 
Apostila g418
Apostila g418Apostila g418
Apostila g418
 
6 anol portuguesaprofessor3cadernonovo
6 anol portuguesaprofessor3cadernonovo6 anol portuguesaprofessor3cadernonovo
6 anol portuguesaprofessor3cadernonovo
 
18 caua pereira rosa de almeida
18 caua pereira rosa de almeida18 caua pereira rosa de almeida
18 caua pereira rosa de almeida
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Livro projeto gato xadrez 1
Livro projeto gato xadrez 1Livro projeto gato xadrez 1
Livro projeto gato xadrez 1
 
Cadernodofuturo matemtica-3anoprof-171112071214
Cadernodofuturo matemtica-3anoprof-171112071214Cadernodofuturo matemtica-3anoprof-171112071214
Cadernodofuturo matemtica-3anoprof-171112071214
 
20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa
20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa
20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa
 
Aula2
Aula2Aula2
Aula2
 
Diretrizes brasileiras de obesidade
Diretrizes brasileiras de obesidadeDiretrizes brasileiras de obesidade
Diretrizes brasileiras de obesidade
 

Último

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 

Último (20)

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 

Livro u2 (1)

  • 2. Fisioterapia na atenção secundária I Rosana Pazim Nalesso
  • 3. © 2019 por Editora e Distribuidora Educacional S.A. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida ou transmitida de qualquer modo ou por qualquer outro meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia, gravação ou qualquer outro tipo de sistema de armazenamento e transmissão de informação, sem prévia autorização, por escrito, da Editora e Distribuidora Educacional S.A. 2019 Editora e Distribuidora Educacional S.A. Avenida Paris, 675 – Parque Residencial João Piza CEP: 86041-100 — Londrina — PR e-mail: editora.educacional@kroton.com.br Homepage: http://www.kroton.com.br/
  • 4. Sumário Unidade 2 Fisioterapia na atenção secundária I.......................................................5 Seção 2.1 Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundária........................................................................................7 Seção 2.2 Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundária.................................................. 25 Seção 2.3 Apresentação geral da fisioterapia na saúde do idoso e reumatologia na atenção secundária......................................... 43
  • 5.
  • 6. Unidade 2 Fisioterapia na atenção secundária I Convite ao estudo Olá, caro aluno! Você tem acompanhado, com o decorrer dos anos, que a fisioterapia vem ampliando sua área de atuação, agregando cada vez mais áreas em seu âmbito de assistência, desenvolvendo ações em todos os níveis de atenção à saúde. Saiba que a Fisioterapia Neurofuncional foi reconhecida pelo COFFITO por meio da RESOLUÇÂO Nº 189, de 9 de dezembro de 1998, sendo esta assis- tência prestada em todos os ciclos da vida, e está inserida tanto na atenção primária como secundária e terciária, sendo que aquela visão anterior de uma assistência curativa e reabilitadora vem dando espaço a uma abordagem preventiva, em que a promoção da saúde preencha a lacuna deixada na história dessa profissão. Iniciaremos, agora, a segunda unidade de ensino do nosso livro didático, tendo como competência levar ao conhecimento do aluno a atuação fisio- terapêutica nas áreas de neurologia, geriatria, neonatologia e reumatologia nos diferentes ciclos de vida, bem como os recursos empregados nessas áreas, na atenção secundária à saúde. Com esse aprendizado você poderá compreender e caracterizar a atuação fisioterapêutica em diferentes áreas, bem como os recursos que são disponibilizados por elas, conseguindo elaborar planos de tratamento por meio do conhecimento das patologias e dos recursos disponíveis. Para que possa compreender os temas a serem abordados nesta unidade, propomos a você o seguinte contexto: Adriana, profissional fisioterapeuta, Mestre em Ciências do Movimento, atua como docente em uma Universidade Federal, ministrando aulas em disciplinas aplicadas, visto ser graduada há 35 anos, tendo uma visão clínica generalista em detrimento das formações de anos atrás. Pela sua experiência, por ser muito carismática, comprometida e ter excelente relacionamento com seus colegas de trabalho e com os alunos, foi convidada pela Coordenadoria do Curso para assumir a Coordenadoria dos Campos de estágio com a função de Responsabilidade Técnica da Clínica Escola da Universidade (CEU), que oferece assistência na atenção secundária em várias áreas da fisioterapia e em todos os ciclos da vida. Coordenará uma equipe composta
  • 7. por sete preceptores no local, cada qual com grupos de no máximo cinco alunos por bateria, que são rotativas dentro do estágio, devendo o aluno, dentro do ano letivo, atuar em todas as áreas oferecidas pelo estágio. Ao iniciar suas atividades, Adriana recebeu de sua coordenadora uma demanda para realizar um pacote de treinamento a um grupo de profissionais da área da saúde sobre as várias áreas de atuação do profissional fisioterapeuta. Frente a isso, resolveu agendar uma reunião na primeira semana do início do ano letivo, com a participação dos preceptores e dos alunos, para discutir sobre como deveriam elaborar o conteúdo desse treinamento. Solicitou então que fosse montado um grupo de estudos, do qual os alunos também parti- cipariam, auxiliando na elaboração dos conteúdos a serem ministrados aos profissionais. A proposta de Adriana é que o grupo de estudos discuta sobre os possíveis conteúdos a serem abordados nesse treinamento, referentes à área de neurologia adulto e neuropediatria, e respectivos recursos empre- gados na atenção secundária, áreas de atuação na assistência a crianças, adolescentes e neonatos na atenção secundária, bem como os recursos que contemplam a assistência nessas áreas, a atuação da Fisioterapia na saúde do Idoso, os recursos utilizados nesse ciclo de vida e a atuação da fisioterapia em reumatologia na atenção secundária. A coordenadora, então, para dar andamento ao grupo de estudos e à elaboração do conteúdo do treinamento, dividiu a sala em três grupos, e os alunos deverão pesquisar conteúdos para as seguintes questões: Grupo 1: quais ações deverão ser realizadas na atuação em neurologia adulto e neuropediátrica na atenção secundária? Em relação aos recursos, quais distinções deverão ser feitas entre os atendimentos na neurologia adulto e neuropediatria? Grupo 2: quais áreas da fisioterapia atendem a crianças, adolescentes e neonatos na atenção secundária? Quais recursos fisioterapêuticos contem- plam esses atendimentos? Grupo 3: quais ações caracterizam a atuação da fisioterapia em idosos e quais recursos são utilizados nesses pacientes na atenção secundária? Qual a atuação da fisioterapia em reumatologia e quais recursos são utilizados nessa área na atenção secundária? Para que consiga ajudar os alunos a responder esses questionamentos, você precisará compreender sobre os recursos e a atuação fisioterapeuta diante das áreas de neonatologia, neuropediatria, neuroadulto, reumatologia, saúde do idoso, da criança e do adolescente. Vamos lá?
  • 8. Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 7 Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundária Diálogo aberto Caro aluno, você já aprendeu que a longevidade, em detrimento da transição demográfica e epidemiológica por meio dos avanços tecnoló- gicos na área da saúde, tem repercutido um aumento de doenças crônicas não transmissíveis, estando entre elas as doenças neurodegenerativas, que acometem tanto a população adulta como idosos. Já as doenças neuropediá- tricas diminuíram, visto todo aparato tecnológico que permite exames ainda na fase intrauterina, servindo de fatores preventivos ao surgimento delas. O fato é que a fisioterapia neurológica, tanto adulta como neuropediátrica, contribui para a recuperação, reinserção social, acarretando a melhora da qualidade de vida desses pacientes, sendo que muitas técnicas e recursos vêm sendo aprimorados na assistência fisioterapêutica. Para compreender e caracterizar a atuação da fisioterapia na Atenção Secundária em Neurologia Adulto e na Criança, vamos abordar a situação hipotética a seguir: Vamos relembrar Adriana, que é profissional fisioterapeuta, mestre em Ciências do Movimento e docente em uma Universidade Federal, na qual ministra aulas em disciplinas aplicadas, e o convite que recebeu para assumir a coordenadoria dos campos de estágio do curso de Fisioterapia. No início de sua nova função na coordenação, sua coordenadora solicitou que elaborasse um pacote de treinamento a um grupo de profissionais da área da saúde sobre as várias áreas de atuação do profissional fisioterapeuta. Frente a isso, resolveu agendar uma reunião na primeira semana do início do ano letivo, com a participação dos preceptores e dos alunos, para discutir sobre como deveriam elaborar o conteúdo desse treinamento, montado um grupo de estudos com a participação dos alunos para auxiliar na elaboração dos conteúdos a serem ministrado aos profissionais. A área de Neurologia adulto e neuropediatria é uma das áreas que o treinamento deverá contemplar, portanto, os alunos do 1º grupo deverão pesquisar e apresentar ao grupo de estudos conteúdos referentes à atuação da fisioterapia em neurologia adulto e neuropediatria, bem como as diferenças de aplicação de recursos nessas duas áreas na atenção secundária. Portanto, os alunos deverão procurar respostas para os seguintes questionamentos: quais ações deverão ser realizadas na atuação em neurologia adulto e Seção 2.1
  • 9. 8 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I neuropediatria na atenção secundária? Com relação aos recursos, quais distinções deverão ser feitas entre os atendimentos na neurologia adulto e neuropediatria? Para que você possa ajudar os alunos no esclarecimento dessas dúvidas, deverá pesquisar sobre a atuação fisioterapêutica em neurologia e neuropedia- tria na atenção secundária e os recursos e as técnicas utilizadas nessas áreas. Portanto, avante nesses estudos! Você sabe quais são as ações desempenhadas na fisioterapia em neuro- logia na atenção secundária? Antes de falarmos da atuação fisioterapêutica em neurologia adulto e neuropediatria na atenção secundária, vamos remeter nossos estudos a uma breve revisão acerca do Sistema Nervoso (SN). Sistema Nervoso O SN é dividido em Sistema Nervoso Central (SNC) e Sistema Nervoso Periférico (SNP), sendo o sistema nervoso central subdividido em encéfalo e medula espinhal, e o sistema nervoso periférico subdividido em sistema autônomo e sistema somático. Sistema Nervoso Central Segundo Valle (2015), o sistema nervoso central é constituído pelo encéfalo, tronco encefálico, cerebelo e a medula espinhal, sendo que das diferentes partes que compõem o encéfalo, sem dúvida o cérebro é a mais importante, destinado a receber as impressões sensitivas bem como a elaborar as reações motoras voluntárias, cabendo-lhe ainda a sede das operações psíquicas mais complexas e elevadas. O cérebro é dividido em telencéfalo e diencéfalo, e o tronco encefálico é dividido em bulbo, ponte e mesencéfalo. O tronco encefálico é a região do encéfalo responsável pela união da medula espinhal e o cérebro, sendo constituído pelo mesencéfalo, ponte e bulbo, que são responsáveis pelas funções básicas para a manutenção da vida, como a respiração, o batimento cardíaco e a pressão arterial (VALLE, 2015). Veja a seguir cada um separadamente. A medula espinhal está localizada no canal vertebral da coluna verte- bral, sendo ela continuidade do tronco encefálico. Posteriormente ao tronco encefálico está o cerebelo, e superiormente ao tronco está o diencéfalo, que é Não pode faltar
  • 10. Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 9 Figura 2.1 | Componentes do SNC Fonte: http://www.anatomiadocorpo.com/sistema-nervoso/central/. Acesso em: 25 set. 2018. compreendido pelo tálamo e hipotálamo. O cerebelo é a segunda parte maior do encéfalo, localizando-se logo abaixo do cérebro e possuindo como funções a coordenação dos movimentos comandados pelo cérebro, garantindo uma perfeita harmonia entre eles, a promoção do tônus muscular, regulando assim o grau de contração do músculo em repouso, e a manutenção do equilíbrio do corpo. Portanto, o cerebelo é o centro coordenador dos movimentos e intervém também no equilíbrio do corpo e na orientação, contribuindo para o equilíbrio (DORETTO, 2001). A medula espinhal inclui todas as partes do SN envolvidos na coluna vertebral. Além da medula espinhal, os axônios ligados à medula estão dentro da região medular espinhal até saírem do forame intervertebral. A medula espinhal é composta por substância branca, ao redor da massa de substância cinzenta em forma de “H” ou borboleta, localizada centralmente, funcionando como via expressa para a condução de impulsos nervosos. Já a substância cinzenta é composta pelos corpos celulares dos neurônios (neuróglia), os axônios amielínicos e os dendritos dos interneurônios, e dos neurônios motores. Os cornos anteriores (ventrais) são os corpos de neurô- nios motores somáticos, via de impulsos nervosos causadores da contração músculos esqueléticos, e os cornos posteriores (dorsais), que são neurônios sensitivos somáticos e autônomos (EKMAN, 2004). Diversas são as patologias neurológicas do SNC que podem ser tratadas pela fisioterapia. Dentre elas, discorreremos sobre as mais comuns: AVE; doença de Parkinson; traumatismo cranioencefálico (TCE); paralisia cerebral / encefalopatia crônica não progressiva (ECNP); Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), (também pode atingir SNP); Esclerose Múltipla (EM); doença de Alzheimer; traumatismo raquimedular (TRM); hidrocefalia; meningites.
  • 11. 10 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I Sistema Nervoso Periférico (SNP) O SNP é dividido em Sistemas Nervoso Autônomo (SNA) e sistema nervoso somático (SNS). Ainda que não sejam abordados, nesta seção, aspectos relacionados ao SNA, ele é dividido em: simpático e parassimpá- tico, sendo a acupuntura e a mobilização neural recursos fisioterapêuticos que atuam nesse sistema. O sistema nervoso periférico é constituído por 12 pares de nervos cranianos, pelas raízes espinhais anterior e posterior dos 31 nervos raquidianos (conforme ilustra a Figura 2.2), pelos plexos nervosos e pelos gânglios espinhais e autonômicos (SNA) (VALLE, 2015). O SNS consiste de neurônios sensitivos que vão conduzir as infor- mações por meio dos receptores sensitivos situados na pele, músculos esqueléticos e articulações, e também por meio dos receptores para os sentidos especiais (visão, audição, equilíbrio, paladar e olfato), conduzindo essas informações para o SNC. Já os neurônios motores controlam os órgãos efetores, como as glândulas exócrinas e endócrinas e as fibras musculares. A Figura 2.3 ilustra os nervos periféricos, sendo a raiz posterior aferente (sensitiva) e a raíz anterior (eferente) motora, no reflexo patelar ou de estiramento, em que não há a participação das vias superiores corticais (VALLE, 2015). O reflexo patelar é um reflexo profundo, mediado pela inervação dos níveis neurológicos de L2, L3 e L4, predominantemente de L4, portanto, inicialmente considerado um reflexo de L4. Qual a importância de testar esse reflexo? Resposta: a detecção de lesões de raízes nervosas, sendo que o reflexo patelar pode ser desencadeado artificialmente por meio do estira- mento ou percussão de seu tendão por meio de um martelo de reflexo, estando o paciente sentado confortavelmente em uma maca, com o quadril e joelhos flexionados sem apoio dos pés (MACHADO,1999). Pesquise mais Além das informações contidas nesta seção, você poderá consultar as referências abaixo para ampliar seus conhecimentos acerca do Sistema Nervoso. Sugiro a leitura da aula 13, p. 94 a 207 do link abaixo: VALLE, P. H. C. do. Ciências Morfofuncionais dos Sistemas Nervoso e Cardiorespiratório. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S. A, 2015. 216 p. (consultar p. 7 a 89) EKMAN, L. L. Neurociência: fundamentos para a reabilitação. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. (consultar p. 74 a 100)
  • 12. Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 11 Percebam, então, que as disfunções do neurônio motor inferior resultam em fraqueza ou paralisia e as disfunções dos neurônios sensoriais resultam em sensibilidade anormal ou perda de sensibilidade. São exemplos de patolo- gias do SNP as doenças neuromusculares, conjunto amplo de patologias do sistema nervoso periférico, acometendo o segundo neurónio motor, raízes Figura 2.2 | Componentes do SNC e SNP Fonte: https://alunosonline.uol.com.br/biologia/nervos-sistema-nervoso-periferico.html. Acesso em: 24 set. 2018. Figura 2.3 | Componentes do SNP Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Patelar.JPG. Acesso em: 24 set. 2018.
  • 13. 12 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I nervosas, os plexos e os nervos periféricos, a junção neuromuscular e o músculo propriamente dito. Como exemplo de doença do neurônio motor, podemos citar a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), Atrofia Muscular Progressiva (AMP), Esclerose Lateral Primária (ELP), Paralisia Bulbar Progressiva (PBP) (CHEIA, 2005). As doenças dos nervos e das raízes, as polineuropatias, possuem envolvimento motor e sensorial, sendo os sintomas sensitivos, frequentemente, os primeiros observados pelos pacientes, e com a progressão da doença, iniciam-se os sintomas motores. As neuro- patias predominantemente motoras nos remetem a quadros inflamatórios autoimunes, como as polirradiculoneurites aguda ou crônica, neuropatia motora multifocal (NMM), neuropatia sensitivo motora multifocal desmie- linizante adquirida, neuropatia desmielinizante distal simétrica e adquirida, entre outras. A forma mais comum de acometimento das neuropatias é do segmento corporal distal (extremidades) para proximal, ou seja, ascendente e simétrica. A exemplo, temos a neuropatia diabética e alcoólica. No caso de um comprometimento proximal e distal inicial, predominantemente motor, sugere-se um diagnóstico de uma polirradiculoneuropatia desmielinizante inflamatória crônica – PDIC, ou aguda (síndrome de Guillain-Barré). As neuropatias apresentam, como quadro clínico, fraqueza muscular secundária à alteração do nervo periférico, isto é, da ponta anterior da medula até a junção neuromuscular, apresentando sintomas relacionados ao músculo, como fadiga, mialgia e cãibras, extremamente comuns, sendo que a maior parte das miopatias tem baixa prevalência. Aqui, podemos citar como exemplo as miopatias hereditárias mais comuns, as distrofias musculares de Duchenne e de Becker (CARVALHO, 2005). A Paralisia Facial Periférica (PFP), também chamada Paralisia de Bell, caracteriza-se pelo acometimento dos músculos da hemiface, nos quadrantes superior, médio e inferior, sendo uma lesão nervosa periférica quando suas causas são decorrentes de trans- tornos no VII par de nervos cranianos (nervo facial), composto pelo nervo facial propriamente dito (motor) e pelo nervo intermediário de Wrisberg, sendo que o quadro clínico consiste em alterações motoras na face e sensi- tivas na língua (MACHADO, 1998). Assimile Lesões que atinjam o córtex motor ou as suas vias eferentes, ou seja, que atinja o neurônio motor superior (NMS) poderá levar à alteração do tônus, ocasionando Hipertonia Elástica, a espasticidade, ou Hipertonia Plástica, rigidez. Há casos em que lesões do NMS leve ao tônus diminuído (hipotonia) ou ausente (flacidez), por exemplo, lesões no cerebelo ou na fase aguda da lesão em NMS, como nos casos de choque medular, fase aguda do Acidente Vascular Encefálico (AVC).
  • 14. Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 13 Em lesões dos neurônios motores inferiores, afetando o SNP, o paciente poderá apresentar sintomas como fraqueza muscular ou paralisia, fasciculações, hipotonia, hiporreflexia e atrofia (LEVY; OLIVEIRA, 2003; MACHADO; HAERTEL, 2006). Agora que você relembrou o SN, vamos estudar sobre a atuação e os recursos da fisioterapia neurológica. A fisioterapia em neurologia na atenção secundária clínica engloba a assistência em ambulatórios , clínicas, consul- tórios e centros de reabilitação, e suas atribuições gerais incluem: avaliar o estado funcional do paciente, elaborar o diagnóstico cinético funcional, estabelecer as rotinas da assistência fisioterapêutica, solicitar exames comple- mentares quando necessário, registrar no prontuário do paciente, recorrer a outros profissionais quando necessário, desenvolver atividades em equipe e participar de reuniões de estudo, discussão de casos, entre outros. Rotinasnecessáriasparaoatendimentoneurológiconaatençãosecundária A princípio, é necessário organizar a ficha de avaliação dos pacientes, que deve ser preenchida de acordo com todos os princípios éticos. Em seguida, avaliar o estado funcional do paciente para elaborar o diagnós- tico cinético-funcional a partir de criteriosa avaliação fisioterapêutica, contendo todos os itens necessários para avaliar um caso neurológico, traçando objetivos e condutas e um roteiro de orientações ao paciente, cuidador ou responsável. Posteriormente, selecionar todos os equipa- mentos necessários durante o atendimento, estabelecendo as rotinas para a assistência fisioterapêutica, solicitar exames quando necessário, recorrer a outros profissionais de saúde em caso de dúvidas, alterar o programa de tratamento sempre que necessário e registrar todas as prescrições e ações desenvolvidas no prontuário do paciente. A avaliação fisioterapêutica é o ponto principal para a condução do tratamento correto, sendo que uma avaliação bem estruturada reflete uma conduta de qualidade. A avaliação fisioterapêutica deve examinar as funções mais importantes, descrevendo o padrão patológico, tais quais: funções corticais (linguagem, estado mental, orientação no tempo e no espaço, capacidade de aprendizagem), sistema muscular e funções motoras (tônus muscular, trofismo, motricidade voluntária e involuntária, força muscular, coordenação motora, equilíbrio estático e dinâmico, marcha, reflexos osteotendíneos e manobras deficitárias para fraqueza muscular, reações de proteção e endireitamento, amplitude de movimento, coorde- nação motora grossa e fina) e funções sensitivas (sensibilidade superfi- cial, como tato, pressão e dor, e sensibilidade profunda, como cinético
  • 15. 14 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I postural). Alguns Instrumentos de avaliação poderão ser utilizados, conforme quadro abaixo: INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO OBJETIVO EMA- Escala Modificada de Ashworth Avaliação do tônus muscular (espasticidade). EBB- Escala de Equilíbrio de Berg Avaliação do equilíbrio durante as atividades funcionais. Escala da ASIA modificada de Frankel Avaliação o grau de deficiência em traumatismo raquimedular. A escala de Tinetti Avaliação do equilíbrio e da mobilidade desenvolvida por Tinetti em 1986. Miniexame do Estado Mental (MEEM) Avaliação de funções cognitivas. Timed Up and Go (TUG) Avaliação da mobilidade e o equilíbrio funcional. MIF (Medida de Independência Funcional ) Avalia 18 itens em áreas de cuidados pessoais, controle dos esfíncteres, mobilidade, locomoção, comunicação e cognição social. Esta avaliação foi projetada para mensurar o nível de dependência do paciente em um contexto de enfermaria. Indice de Barthel Avaliação de dez funções e atividades fundamentais no cotidiano: alimentar-se, banhar-se, pentear-se, vestir-se, controle intestinal, controle vesical, transferência para o vaso sanitário, transferência da cadeira para a cama, caminhar e subir escadas. Quadro 2.1| Instrumentos de avaliação em neurologia Fonte: Karura; Silva; Navega (2011). Recursos em Fisioterapia Neurológica em adultos e crianças Em um setor de fisioterapia neurológica, a sala de avaliação é composta por: material didático para atividades educacionais, mesa de apoio, cadeira, maca, computador e materiais técnicos para a avaliação. Para a assistência fisioterapêutica deve conter: Recursos mecanoterápicos: espaldar, prancha ortostática, halteres, exerci- tador de tornozelo e mãos, bicicleta ergométrica, esteira ergométrica, cama elástica, tábua de equilíbrio, balancinho e bancos de alturas variadas, bola Bobath, rolo Bobath, bastão, colchonete, espelho fixo, faixa elástica, estimulador tátil, tatames, barra paralela fixa (adulto e infantil), trilho móvel com cinta de sustentação, tábua de inversão / eversão e escada com rampa de canto fixa. DAM (Dispositivos para auxílio da marcha): muleta axilar e canadense, andador e cadeira de rodas. Recursos de eletroterapia: neuroestimulação elétrica transcutânea (TENS) e estimulação elétrica funcional (FES), corrente russa.
  • 16. Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 15 Recursos Termoterápicos: bolsa térmica e máquina de gelo (crioterapia). Este setor deverá estar adaptado para atendimento a portadores de neces- sidades especiais, conforme as normas da Associação Brasileira de Normas e Técnicas (ABNT), com rampas, barras de apoio, corrimão, entre outros. Objetivos da fisioterapia neurológica O objetivo da fisioterapia neurológica é o tratamento do paciente como um todo, buscando restaurar funções, tais como: mobilidade, equilíbrio, força, coordenação motora e sensibilidade, principalmente readaptar o indivíduo ao seu ambiente domiciliar e reinseri-lo no convívio social. Outras funções mais específicas são: prevenir deformidades, orientar a família e o paciente, seja ele adulto ou criança; normalizar o tônus postural; melhorar habilidades cognitivas e de memória; reintegrar o paciente na sociedade; diminuir padrões patológicos; prevenir instalação de doenças pulmonares, como pneumonias decorrentes de broncoaspiração; prevenir quedas; manter ou aumentar a amplitude de movimento; estimular as atividades de vida diária, a alimentação, o retreinamento da bexiga e dos intestinos, a exploração vocacional e de lazer; otimizar a qualidade de vida do paciente; prescrever próteses e órteses, bem como auxiliar no seu manejo. Métodos e técnicas em neurologia adulta A fisioterapia em pacientes neurológicos adultos tem um papel funda- mental na reabilitação, adaptação e interação dos mesmos à sua condição de saúde. Esses atendimentos se distinguem dos atendimentos em neuro- pediatria pela epidemiologia encontrada em adultos, cujas patologias mais frequentes são: AVE, doença de Parkinson, doença de Alzheimer, Esclerose Pesquise mais É necessário, dentro de um setor de neurologia, promover acessibilidade ao paciente. Para que você pesquise sobre a montagem de um setor de fisioterapia dentro das normas de acessibilidade de deficientes da ABNT, consulte a bibliografia sugerida – páginas 5 a 17. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: acessibi- lidade a edificações, mobiliários, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 1994. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.gov. br/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefiel- d-description%5D_24.pdf. Acesso em: 9 nov. 2018.
  • 17. 16 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I Lateral Amiotrófica, Esclerose Múltipla, paralisia facial periférica, síndrome de Guillian Barré, trauma cranioencefálico e trauma raquimedular, porém, em se tratando de lesão em sistema nervoso, tanto a neuropediatria como a neuroadulto pode atingir o SNC e/ou SNP. Além dos recursos citados anteriormente, algumas técnicas se destacam nesses atendimentos: 1) Facilitação neuromuscular proprioceptiva (FNP): objetiva permitir aos terapeutas analisar e avaliar o movimento do paciente enquanto facilita estratégias de movimentos funcionais mais eficientes, tendo como princípio a estimulação dos proprioceptores para aumentar a demanda feita ao mecanismo neuromuscular, integrando técnicas manuais de alongamento e fortalecimento com princípios neurofi- siológicos de indução sucessiva, inervação e inibição recíproca, além do fenômeno de irradiação. 2) Método neuroevolutivo Bobath: muito utilizado em AVE´s. É uma abordagem terapêutica para a resolução de problemas para a avaliação e o tratamento de indivíduos com problemas de função, controle postural e movimento devido a uma lesão do sistema nervoso central, baseando-se fundamentalmente nas teorias do controle motor, aprendizagem motora, plasticidade cerebral, princí- pios da biomecânica, além do aprimoramento dos profissionais ao observar, analisar e interpretar a execução das tarefas funcionais (ABRAFIN, 2015). 3) Terapia por contensão induzida (TCI): é uma intervenção compor- tamental realizada a partir de um protocolo terapêutico com três componentes: treinamento intensivo orientado à tarefa, métodos comportamentais para a transferência e restrição do membro superior menos afetado. A TCI é uma terapêutica que visa a recupe- ração da função do membro superior (MS) parético de pacientes com sequelas de um AVC por meio de treinamento intensivo, uso de uma restrição no MS não-parético durante 90% do dia e pelo pacote de transferência (SILVA; TAMASHIRO, 2010). 4) Mobilização Neural (MN): visa restaurar o movimento e a elasticidade do SN,eéutilizadacomométododediagnósticoetratamentodasdisfunções de origem neural. Objetiva restaurar o movimento e a plasticidade do SN, promovendo o retorno às suas funções normais e a redução do quadro sintomático (VASCONCELOS; LINS; DANTAS, 2011). 5) Hidroterapia: os principais objetivos para hidroterapia nas doenças neurológicas são adequação tônica, alívio da dor, diminuição do
  • 18. Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 17 espasmo muscular, manutenção ou aumento de mobilidade articular e força muscular, conquista de equilíbrio, aprimoramento da coorde- nação motora, reeducação e treino de marcha, reeducação dos músculos paralisados, melhora da capacidade respiratória e ganho de independência funcional e qualidade de vida. Uma das melhores técnicas em neurologia é o Halliwick, pois seu programa de pontos auxilia a conquista funcional da independência no meio, além de possibilitar, é claro, o aprimoramento das atividades de vida diária em solo (BEGO; SHIWA, 2018). 6) Terapia - espelho: a técnica sugere que uma rede neural responsável pelo controle de uma mão em uma determinada tarefa pode ser utili- zada nos movimentos da outra mão, referindo-se à capacidade de memorização de um procedimento, sendo a ideia reeducar o cérebro por meio de uma simples tarefa, na qual o indivíduo realiza uma série de movimentos com o braço saudável, sendo que este é visto no espelho como sendo o braço parético, havendo nessa prática a pretensão de “enganar” o cérebro (ROSA; ROSA; CAMPOS, 2013). Atuação Fisioterapêutica em Neuropediatria Caro aluno, a abordagem em neuropediatria deve diferir do atendimento em adulto. É um dos desafios delegados ao docente em saúde formar profis- sionais conhecedores do que é particular na abordagem à criança, e eles devem ser habilidosos no ato de desenvolver estratégias ambientais e sociais favoráveis ao desenvolvimento potencial da criança, pois o ambiente social favorável impulsiona a aquisição de habilidades, favorece a independência funcional e também melhora o desempenho escolar. O caráter preventivo aqui é muito importante, pois muitas necessitam da intervenção precoce. Trabalhar de acordo com a faixa etária e de forma individual são premissas importantes. O envolvimento familiar na terapêutica aplicada à criança é necessário, pois se não tiver uma interação grande com esse grupo, o seu tratamento não vai ser eficaz. Reflita “A abordagem à criança não se encerra nela; deve ser direcionada à criança e às suas circunstâncias” (GUEDES; ALVES; WYSZOMIRSKA, 2013, [s.p.]). A assistência neuropediátrica é a mesma dada na assistência em neurologia adulta na atenção secundária? Poderiam ser utilizados os mesmos recursos em ambas as abordagens?
  • 19. 18 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I Outro fator importante na neuropediatria são as patologias assistidas, existindo diferentes tipos de doenças neurológicas que afetam o sistema nervoso central e periférico. Esses diferentes tipos de doenças neurológicas podem ocorrer por etiologia congênita, hereditariedade, trauma, exposição a produtos químicos tóxicos, tumores e infecções.  Os achados clínicos distúr- bios neurológicos mais comuns são: atrasos no desenvolvimento neurop- sicomotor (DNPM), cefaleias, convulsões, aumento anormal do perímetro craniano, alteração de tônus, ataxia, distúrbios de fala, etc. (SENA, 2007). Métodos e técnicas em atendimento neuropediátrico Já foram citadas anteriormente, em Métodos e Técnicas em neuro- logia adulto, a Hidroterapia, Bobath e a mobilização neural, que também assistem ao público infantil. Sobre algumas especificidades das técnicas em neuropediatria: 1) Conceito Neuroevolutivo Bobath: essa técnica em neuropediatria é muito utilizada para a ECNP, devendo ser iniciada o mais precoce possível. Se a criança ainda for muito pequena, tendo movimentos mais primários que anormais, poderá auxiliá-la a estabelecer os esquemas mais fundamentais de um modo próximo ao normal, seguido tão de perto quanto possível às etapas do desenvolvimento motor da criança normal (BRIANESE, 2009). 2) A hipoterapia é um dos programas da área de equoterapia, consis- tindo na utilização do cavalo principalmente como um instrumento cinesioterapêutico, sendo que o seu deslocamento na andadura do “passo” produz o movimento tridimensional que propor- ciona inputs sensório-motores que influenciam adequadamente o processamento sensorial e neuromotor, refletindo no equilíbrio, na Exemplificando Entre as condições neuropediátricas mais presentes no atendimento fisioterapêutico em nível secundário estão: ECNP (Paralisia Cerebral), hidrocefalia, microcefalia, espinha bífida, meningomielocele, encefa- lopatias, miopatias, distrofias. Embora não tenha origem no SN, a trissomia 21, a chamada Síndrome de Down, é uma condição cromos- sômica causada por um cromossomo extra no par 21, que acarreta a sequela neurológicas, como a hipotonia. A Síndrome de Guillain Barré também poderá afetar crianças, pois ocorre em todas as idades, bem como a Paralisia Facial Periférica e a Paralisia Braquial Obstétrica (PBO) (GUEDES; WYSZOMIRSKA, 2013).
  • 20. Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 19 postura, na força e na coordenação sensório-motora, sendo muito eficaz em neuropediatria. 3) A mobilização neural poderá ser utilizada em neuropediatria com o objetivo de reduzir a espasticidade, restaurar o movimento e a elasticidade do SN, o que gera o retorno às suas funções normais e a diminuição do quadro sintomático. Os movimentos reali- zados pela técnica permitem que ocorra a manutenção da elasti- cidade e extensibilidade do tecido nervoso, o que vem a auxiliar a manutenção da extensibilidade das fibras musculares e, por conse- quência, favorecer a amplitude de movimento articular, princi- palmente as propriedades de alongamento adaptativo do sistema nervoso (VASCONCELOS; LINS; DANTAS, 2011; ROSA; ROSA; CAMPOS, 2013). 4) Fisioterapia funcional: é a terapia com ênfase na prática de ativi- dades funcionais priorizando o aprendizado de habilidades motoras que sejam significantes no ambiente da criança, nas quais ela deseja se engajar e que sejam percebidas como problemáticas pela criança e seus pais ou cuidadores. É muito utilizada em ECNP (BRIONESI, 2009). 5) Hidroterapia: a fisioterapia aquática proporciona à criança um ambiente lúdico, diferenciado, que favorece a realização de diversos manuseios e permite uma abordagem complementar à fisioterapia em solo. Suas técnicas e princípios físicos auxiliam o tratamento de diversas patologias, estimulando o DNPM, as reações de equilí- brio, a coordenação, a postura, a analgesia, além de trazer benefí- cios psicológicos.  6) Técnicas de estimulação e integração sensorial: técnicas de trata- mento sensorial promovem experiências sensoriais apropriadas e variadas (tátil, proprioceptiva, cinestésica, visual, auditiva, gusta- tiva, entre outras) para as crianças com espasticidade e hipotonia, visando atividades que utilizam posturas adequadas e contro- ladas, as quais são ajustadas às necessidades individuais, levando em consideração o grau de limitação motora, visual, perceptiva e cognitiva, com objetivo de possibilitar o recebimento de informa- ções sensório-motoras adequadas a cada nova exploração, além de aumentar o nível de funcionalidade, alerta, interesse e partici- pação. O objetivo da integração sensorial, quanto à reabilitação, é favorecer o desenvolvimento da sensibilidade corporal para diferenciação de suas partes, limites e possibilidades, regularizando o tônus (FERRARETO, 1998).
  • 21. 20 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I E então, alunos, foi muito proveitoso nossos estudos nesta seção, não é mesmo? Após a exposição deste conteúdo, já podemos auxiliar aos alunos a escla- recer suas dúvidas no estágio na clínica escola da Universidade! Então, mãos à obra. Vocês se lembram dos três grupos de pesquisa que irão se dedicar à elabo- ração do conteúdo para o treinamento dos profissionais da área da saúde? Então, o 1º grupo abordou sobre a área de neurologia adulto e neuropediatria e respectivos recursos empregados na atenção secundária. Os alunos, para iniciar a pesquisa, precisaram responder aos seguintes questionamentos: quais ações devem ser realizadas na atuação em neurologia adulto e neuro- pediatria na atenção secundária? Com relação aos recursos, quais distinções devemserfeitasentreosatendimentosnaneurologiaadultoeneuropediatria? Os alunos disseram que as ações desenvolvidas em neurologia adulto e neuropediatria na atenção secundária são assistidas em ambulatórios, clínicas, consultórios e centros de reabilitação, sendo que as atribuições gerais incluem avaliar o estado funcional do paciente para a elaboração do diagnóstico cinético funcional. Para a avaliação, é necessário organizar uma ficha de avaliação dos pacientes, sendo preenchida de acordo com todos os princípios éticos. Deverá constar nessa avaliação o estado funcional do paciente para que seja elaborado o diagnóstico cinético-funcional a partir de criteriosa avaliação fisioterapêutica, contendo todos os itens necessários para avaliar um caso neurológico, traçando objetivos e condutas e um roteiro de orientações ao paciente, cuidador ou responsável, estabelecer as rotinas da assistência fisioterapêutica, solicitar exames complementares quando necessário, registrar no prontuário do paciente, recorrer a outros profissio- nais quando necessário, desenvolver atividades em equipe e participar de reuniões de estudo, discussão de casos, entre outros. Com relação aos recursos utilizados em neurologia com adultos e neuro- pediatria, estes dependerão das diferentes patologias que acometem esses ciclos de vida, embora em ambos os acometimentos são tanto do SNC como do SNP, onde adultos e crianças terão alterações de tônus, cursando desde a hipertonia à hipotonia. A diferença na utilização dos recursos em atendimentos também está nos objetivos. As patologias congênitas ou ocorridas até a fase de maturação do SNC acarretarão o atraso do DNPM, com distúrbios de fala, aprendizado, Sem medo de errar
  • 22. Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 21 cognição, alterações motoras, entre outras. A exemplo, podemos citar a técnica Neuroevolutiva Bobath, que, no adulto, assiste a pacientes com AVE, e na criança, a pacientes com patologias em que há atraso do DNPM, inibindo movimentos anormais, baseado na inibição dos reflexos primitivos padrões patológicos de movimento, e estimulando o desenvolvimento motor. Técnicas como a Hidroterapia, que assiste tanto a neurologia adulto como a neuropediatria, proporciona à criança um ambiente lúdico, diferen- ciado, que favorece a realização de diversos manuseios e permite uma abordagem complementar à fisioterapia em solo. Nessa área, em crianças, são priorizadas a estimulação do DNPM, as reações de equilíbrio, a coorde- nação, a postura, a analgesia, e até os benefícios psicológicos. Nos adultos a prioridade é com o restabelecimento das funções perdidas, diferentemente da abordagem da neuropediatria, que prioriza o DNPM, porém, também há aqui a promoção de fortalecimento muscular, analgesia, adequação de tônus, equilíbrio, entre outros. Muito bem, parabéns ao primeiro grupo! Conseguiu solucionar os questionamentos referentes à atuação fisioterapêutica em neurologia adulto e neuropediatria, bem como elencar alguns recursos utilizados, estabelecendo algumas distinções dentro dessas duas áreas de atuação da fisioterapia para toda a classe. Classificação do tônus em lesões do SNC e SNP Descrição da situação-problema Heloísa é aluna do 9º semestre do curso de Fisioterapia e deverá cumprir os estágios curriculares na Clínica da Escola Universitária. Compõe um grupo de cinco alunos que iniciaram, nesta semana, o estágio na disciplina de Fisioterapia em Neurologia e Neuropediatria. Ocorre que ela está com muitas dúvidas, visto esta semana ter avaliado um paciente adulto, 55 anos, com diagnóstico de AVE isquêmico à direita, ocorrido há dois anos, e, poste- riormente, ter avaliado uma criança, 5 anos, com diagnóstico de Paralisia Braquial Obstétrica (PBO) em membro superior esquerdo. Sua maior dificuldade na avaliação foi classificar o estado do tônus para posteriormente elaborar o diagnóstico cinético-funcional, os objetivos do tratamento e a prescrição da conduta. Conversando com seu preceptor sobre esses casos clínicos, foi solici- tado a você que recorresse à literatura a fim de elaborar uma pesquisa, Avançando na prática
  • 23. 22 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I um relatório e ter conhecimentos científicos para a identificação do diagnóstico dos casos clínicos apresentados. Quais seriam as caracte- rísticas do tônus desses pacientes em decorrência das estruturas anatô- micas acometidas no SN? Quais seriam os objetivos da fisioterapia diante desses casos? Vamos ajudar Heloísa em seu estágio? Resolução da situação-problema Logo após um AVE, em que há acometimento das estruturas do SNC, o hemicorpo afetado apresenta hipotonia, isto é, o tônus está reduzido, impos- sibilitando o movimento funcional do hemicorpo, não apresentando resis- tência ao movimento passivo e o indivíduo não consegue manter o membro em nenhuma posição, principalmente durante as primeiras semanas. Porém com o passar do tempo, dá-se a substituição de um quadro de hipotonia por hipertonia, apresentando um aumento da resistência ao movimento passivo, sendo essa hipertonia denominada espástica, que tende a aumentar gradual- mente nos primeiros 18 meses com os esforços e as atividades desenvolvidas pelo indivíduo. Portanto, nesse caso clínico a classificação do tônus seria Hipertonia espástica. A fisioterapia objetiva a redução da espasticidade, sendo recursos para tal: a crioestimulação, que consiste no gelo aplicado de forma contínua e rápida, reduzindo a espasticidade por diminuir a neurotransmissão de impulsos aferentes e eferentes; o calor superficial e a hidrocinesioterapia. A cinesioterapia com exercícios de alongamento também normaliza o tônus muscular, melhora a extensibilidade dos tecidos moles, a postura e a ampli- tude de movimento. A PBO acomete estruturas do SNP, sendo o resultado de uma lesão das fibras nervosas do plexo braquial durante as manobras obstétricas do parto, gerando grande repercussão na funcionalidade do membro superior lesado do recém-nascido, desenvolvendo tônus flácido. A criança apresenta a manifestação de paresia ou plegia flácida de um único membro, que se encontra posicionado próximo ao tronco. A fisio- terapia tem como objetivo a recuperação da função muscular e adequação do ambiente para favorecer a funcionalidade; para tanto, atua na estimu- lação, manutenção e/ou aumento da movimentação ativa, recuperação sensorial, desenvolvimento motor, ensinando a criança a explorar o meio com atividades lúdicas do brincar, prevenindo deformidades e contra- turas de tecidos moles, prescrevendo órteses e ensinando aos cuidadores o posicionamento adequado do membro superior comprometido (CARMO; MURILLO; COSTA, 1996).
  • 24. Seção 2.1 / Apresentação geral da fisioterapia em neurologia na atenção secundári - 23 1. Um dos objetivos da atuação do profissional fisioterapeuta, tanto na área de neuro- logia adulto como neuropediatria, é a adequação do tônus, visto tanto as lesões de Sistema Nervoso Central (SNC) como do Sistema Nervoso Periférico (SNP) levarem à alteração do tônus do paciente, seja para a hipertonia, traduzida por espasticidade ou rigidez, ou para a hipotonia. Sobre a frase: “nos casos das lesões dos neurônios motores inferiores, que afetam SNP, o profissional fisioterapeuta deverá ter como objetivo na aplicação de seus recursos e técnicas _____________: Assinale a alternativa que completa a frase: a) Aumentar a espasticidade. b) Diminuir a rigidez. c) Aumentar a hipertonia. d) Diminuir a hipotonia. e) Promover hiporeflexia. 2. O Sistema nervoso periférico (SNP) é dividido em Sistemas Nervoso Autônomo (SNA) e sistema nervoso somático (SNS), sendo o SNA dividido em simpático e parassimpático, e a acupuntura e a mobilização neural são alguns dos recursos fisio- terapêuticos que atuam nesse sistema. Sobre os componentes que constituem o SNP, complete as lacunas: O sistema nervoso periférico é constituído por ____________ pares de nervos cranianos e pelas raízes espinhais anterior e posterior dos ____________ nervos raquidianos, pelos plexos nervosos e gânglios espinhais e gânglios autonômicos (SNA). Os neurônios sensitivos ou ____________ vão conduzir as informações através dos receptores sensitivos situados na pele, músculos esqueléticos e articula- ções. Já os neurônios motores ou ____________ controlam os órgãos efetores, como as glândulas exócrinas e endócrinas e as fibras musculares. Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas : a) 10; 33; aferentes; eferentes. b) 12; 31; aferentes; eferentes. c) 12; 31; eferentes; aferentes. d) 10; 33; eferentes; aferentes. e) 12; 33; eferentes; aferentes. 3. O tratamento em fisioterapia neurológica visa a assistência ao indivíduo como um todo, buscando restaurar funções, tais como mobilidade, equilíbrio, força, coorde- nação motora e principalmente readaptar o indivíduo ao seu ambiente domiciliar e reinseri-lo no convívio social. Faça valer a pena
  • 25. 24 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I Sobre o atendimento fisioterapêutico em neurologia adulto e neuropediatria, analise as sentenças e assinale a alternativa correta: a) A assistência fisioterapêutica na atenção secundária em Neurologia é prestada em hospitais, leitos e UTI, a exemplo em pós Acidente Vascular Encefálico em fase aguda. b) São objetivos do atendimento em neurologia tanto adulto como infantil a hiper- trofia e hipertonia muscular, endurance e resistência. c) Caso o paciente em assistência fisioterapêutica necessite da prescrição de próteses e órteses, bem como auxílio para o seu manejo, só pode ser encami- nhado a um especialista dessa área, como um terapeuta ocupacional. d) A fisioterapia Neuropediátrica assiste, de modo geral, patologias como: Acidente Vascular Encefálico, Doença de Parkinson, Doença de Alzheimer, Esclerose Lateral Amiotrófica, Esclerose Múltipla, Paralisia Facial Periférica e polineuropatias. e) A hidroterapia é um recurso indicado em neuropediatria, proporcionando à criança um ambiente lúdico, diferenciado, que favorece a realização de diversos manuseios, sendo que suas técnicas e seus princípios físicos auxiliam o trata- mento de diversas patologias estimulando o Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM), as reações de equilíbrio, a coordenação, a postura, a analgesia e até benefícios psicológicos.
  • 26. Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 25 Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundária Diálogo aberto Prezado aluno, você deve estar escutando falar, em seu curso de Graduação, sobre os avanços que a Fisioterapia vem fazendo na assistência à criança, ao adolescente e aos Neonatos, contemplando todos os níveis de atenção à saúde. Isso porque as funções e atribuições do profissional fisiote- rapeuta são constituídas por um conjunto de ações de saúde, incluindo nessa esfera a prevenção, assim como o diagnóstico cinético funcional, o trata- mento, a reabilitação e a manutenção da saúde. Para que você possa compreender as questões relacionadas a este tema, vamos relembrar o contexto de aprendizagem. A Prof. Adriana, profissional fisioterapeuta, Mestre em Ciências do Movimento, atua como docente em uma Universidade Federal ministrando aulas em disciplinas aplicadas, e recebeu o convite para assumir a coordenadoria dos campos de estágio do curso de Fisioterapia. No início de sua nova função na coordenação do estágio, sua coorde- nadora lhe solicitou a elaboração de um pacote de treinamento a um grupo de profissionais da área da saúde sobre as várias áreas de atuação do profis- sional fisioterapeuta. Frente a isso, você resolveu agendar uma reunião na primeira semana do início do ano letivo, com a participação dos preceptores e dos alunos, para discutir sobre como deveriam elaborar o conteúdo desse treinamento, bem como montar um grupo de estudos com a participação dos alunos para auxiliar na elaboração dos conteúdos a serem ministrado aos profissionais. A área de atuação fisioterapêutica a crianças, adolescentes e neonatos na atenção secundária, bem como os recursos empregados nesses ciclos de vida, é uma das áreas que o treinamento deverá contemplar; portanto, os alunos do 2º grupo deverão pesquisar e apresentar ao grupo de estudos conteúdos referentes à atuação fisioterapêutica às crianças, aos adolescentes e aos neonatos na atenção secundária, bem como os recursos empregados nestes ciclos de vida. Portanto, os alunos do 2º grupo deverão, para a elabo- ração da pesquisa, responder aos seguintes questionamentos: quais áreas da fisioterapia atendem a crianças, adolescentes e neonatos na atenção secun- dária? Quais principais técnicas e recursos fisioterapêuticos contemplam esses atendimentos? Seção 2.2
  • 27. 26 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I Para que você possa ajudar os alunos no esclarecimento dessas dúvidas, pesquise sobre a atuação fisioterapêutica em crianças, adolescentes e neonatos na atenção secundária, bem como os recursos e as técnicas para esses ciclos de vida. Então, vamos em frente nas pesquisas! Já vimos na Unidade I, seção 2, que a assistência na atenção secundária envolve o tratamento realizado em Unidades Básicas de Saúde, domicílio, clínicas, Centros de Referência, consultórios e home care, sendo conside- rados atendimentos de média complexidade e médio custo. Caro aluno, não podemos falar sobre a saúde da criança e do adoles- cente sem antes falarmos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), criado em 13 de julho de 1990, portanto, completando 28 anos. Saiba que o Brasil foi um dos primeiros países a organizar uma legislação que seguisse os princípios da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança, que, entre os principais objetivos, contem detalhadamente direitos e deveres das crianças e dos adolescentes, pais, gestores públicos, profissionais da saúde e conselhos tutelares, estabelecendo punições para maus tratos, políticas de atendimento e assistência, bem como medidas de proteção e socioeducativas. Segundo o ECA, é considerado criança o cidadão que tem até 12 anos incompletos, e aqueles com idade entre 12 e 18 anos são considerados adoles- centes. O ECA define que crianças e adolescentes têm direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, à cultura, à liberdade, ao atendi- mento prioritário em postos de saúde e hospitais, bem como a socorro – em primeiro lugar – em caso de acidente de trânsito, incêndio, enchente ou qualquer situação de emergência (BRASIL, 2012). Não pode faltar Pesquise mais Para saber mais sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente - Lei 8069/90, sugerimos que clique no link abaixo e acesse as páginas 20 a 25, o conteúdo relacionado, ao Direito à vida e à saúde, contido no Título II- Dos direitos fundamentais: CEDECA. ECA 2017. Estatuto da criança e do adolescente. Rio De Janeiro: CEDECA, 2017. Disponível em: http://www.chegadetrabalhoinfantil.org. br/wp-content/uploads/2017/06/LivroECA_2017_v05_INTERNET.pdf. Acesso em: 4 out. 2018.
  • 28. Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 27 Sobre a atuação da fisioterapia na criança e no adolescente na atenção secundária, algumas políticas públicas são dirigidas a essas faixas etárias, como Programa de Atenção Integral à Saúde da Criança (PAISC), Programa de Atenção à Saúde do Adolescente (PROSAD), Decreto n° 6.286, de 5 de dezembro de 2007, que institui o Programa Saúde na Escola – PSE, Diretrizes Nacionais para a Atenção Integral à Saúde de Adolescentes e Jovens na Promoção, Proteção e Recuperação da Saúde (2010) e Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (BRASIL, 2010). Na saúde coletiva, o acompanhamento regular na primeira infância e as avaliações fisioterapêuticas programadas permitem detectar precoce- mente atrasos ou desvios, orientar os pais sobre as características da criança pré-termo, ensinar princípios básicos de estimulação sensório-motora e anotar dados sobre o crescimento e desenvolvimento das crianças acompa- nhadas na caderneta infantil. Quanto mais precoce as intervenções, maiores as chances de normalização sem defasagem no desenvolvimento. Agora que você já conheceu um pouco sobre a ECA e algumas políticas públicas voltadas para a criança e o adolescente, vamos fazer Reflita A atuação da fisioterapia sobre os problemas e as necessidades de saúde da criança ao adolescente contempla os três níveis de atenção à saúde, articulando o profissional ao princípio da integralidade. Existem distinções na assistência fisioterapêutica a crianças e adolescentes na atenção secundária? Quais áreas da fisioterapia assistem esse público? Exemplificando A exemplo do papel do fisioterapeuta nas políticas públicas, no programa de saúde na escola, a fisioterapia assume importante papel dentro das instituições de ensino, visto que os estudantes desenvolvem hábitos deletérios à postura, que, a longo prazo, podem gerar limitações funcio- nais. Pelo fato das escolas serem locais ideais para a realização de ações que favoreçam o adequado desenvolvimento físico e motor de crianças e adolescentes, torna-se necessária a compreensão da relação entre dor musculoesquelética e os fatores a ela relacionados, possibilitando ao fisioterapeuta, na atenção secundária, utilizar de seus recursos nas intervenções com escolares, elaborando diagnóstico precoce e encami- nhamento à terapêutica específica (PEREIRA et.al, 2013).
  • 29. 28 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I uma abordagem sobre a fisioterapia motora em crianças e adolescentes na atenção secundária. Atuação da fisioterapia na criança e no adolescente Embora sejam muitas as áreas da fisioterapia que assistem a criança e o adolescente na atenção secundária, vamos nos remeter as mais predomi- nantes. Na fisioterapia motora, conforme já mencionamos na Unidade 1, Seção 3, há assistência a crianças e adolescentes com patologias neurológicas, como a Paralisia Cerebral (Encefalopatia Crônica Não Progressiva), miopa- tias, Síndrome de Down, neuropatias, entre outras. Pudemos também ressaltar que o quadro resultante de crianças prema- turas com patologias limitantes ou restritas ao leito estão sujeitas a complica- ções, como atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, úlceras de decúbito, alterações no sistema musculoesquelético, acarretando hipotrofia, atrofia muscular, contraturas, osteoporose precoce, osteopenia e deformidades. Essas crianças, por sua vez, são assistidas pela Fisioterapia Neurofuncional (HOSPITAL SÍRIO LIBANES, 2018). Muitas doenças ortopédicas, tanto congênitas como adquiridas, também são assistidas pelo fisioterapeuta no nível secundário em crianças, como os torcicolos congênitos, pé torto congênito, escolioses congênitas, artrogri- poses. Já as doenças ortopédicas e traumatológicas mais frequentes na adoles- cência são as fraturas, as luxações, os desvios posturais, as entorses, as lesões ligamentares, entre outras. Embora seja usual pensar em doenças reuma- tológicas no adulto ou no idoso, temos também como alterações motoras as doenças reumatológicas que requerem os cuidados do fisioterapeuta na atenção secundária, que se caracterizam por comprometer o sistema musculoesquelético e podem ser degenerativas, metabólicas e inflamató- rias. As doenças reumatológicas que mais atingem as crianças são as do tipo inflamatórias, que são incuráveis e autoimunes, a exemplo, a Artrite Reumatóide Juvenil, o Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES), a dermatopoli- miosite (DMP), a esclerodermia (ESP), as vasculites, etc. Podemos ainda destacar a incidência, em adolescentes praticantes de atividade física ou esporte, os reumatismos de partes moles, incluindo tendi- nopatias, bursites e entesites, oriundos de atividades repetitivas e/ou uso excessivo de vídeo games, celulares e computadores. Ainda sobre a fisioterapia motora, as variações posturais são comumente encontradas no período de crescimento e desenvolvimento e decorrem dos vários ajustes, várias adaptações, de mudanças corporais e psicossociais que marcam essa fase. É observado um aumento relevante na incidência
  • 30. Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 29 de problemas posturais em crianças, tendo como causas mais comuns: má postura durante as aulas, uso incorreto da mochila escolar, uso contínuo de computadores, vídeo games e celular, sedentarismo e obesidade. Passaremos agora a discorrer sobre as afecções respiratórias, que estão entre as mais comuns na criança, e, embora se generalize a fisioterapia respi- ratória como prática somente realizada em ambiente hospitalar (atenção terciária), como os atendimentos a Neonatos (recém-nascidos de risco), por exemplo, a fisioterapia respiratória pediátrica pode ser assistida em casa, clínicas, ambulatórios, consultórios e, ainda, setores de hidroterapia. Podemos citar como as principais doenças respiratórias da criança e do adolescente: bronqueolite, asma, rinite, pneumonia e infecções das vias aéreas superiores. No que se refere às doenças respiratórias crônicas, os serviços de saúde realizam, frequentemente, abordagens restritas ao tratamento sinto- mático das exacerbações. A Saúde Coletiva estabelece como atribuições na assistência às doenças respiratórias: realizar a avaliação fisioterapêutica respiratória; realizar anamnese incluindo atividades de vida diária (AVD’s); avaliar o grau de dispneia por meio da aplicação de escalas/questionários; avaliar a capaci- dade funcional por meio de teste de caminhada; realizar a medida de pico de fluxo; identificar os fatores limitantes e os fatores de risco para a realização de exercícios; definir e aplicar os exercícios respiratórios visando a redução das alterações funcionais da respiração; relaxar, alongar e fortalecer as cadeias musculares envolvidas; ensinar estratégias respiratórias; definir e aplicar o condicionamento físico aeróbico com monitorização adequada e avaliar o resultado do tratamento por meio de testes e questionários de qualidade de vida (ALVIM; LIMA; LASMAR, 2009). Frente ao tema, não poderíamos deixar de abordar também a fisioterapia oncológica em crianças e adolescentes, uma área eminente e de extrema relevância uma vez que o câncer infanto-juvenil vem sendo uma das causas de mortes não acidentais mais comuns entre crianças e adolescentes. Os tipos mais comuns de câncer nessa faixa etária são a leucemia, tumores do Sistema Nervoso, sarcomas de partes moles, linfoma não Hodkin, tumores ósseos, retinoblastoma, dentre outras. As indicações para assistência fisiotera- pêutica são determinadas pelas disfunções causadas pela doença ao paciente, assim como pelos tipos de tratamento adotados.  Pacientes submetidos ao trata- mento cirúrgico, radioterápico ou quimioterápico podem apresentar disfunções ousequelas,eo fisioterapeutaoncológicosurgecomopeçafundamentaltantono processo de prevenção quanto no de reabilitação do paciente oncológico. A fisioterapia possui recursos que podem atuar no controle da dor em decorrência do processo oncológico, atendendo as necessidades específicas
  • 31. 30 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I de cada paciente, com condutas que objetivem a restauração anatômica e funcional, o suporte físico e psicológico e a paliação de sintomas. O processo de reabilitação deverá ser iniciado tão logo o câncer for diagnosticado, devendo ser planejada cada etapa do tratamento, sendo responsabilidade do fisioterapeuta o diagnóstico cinético funcional das disfunções produzidas pela doença e pelos tratamentos advindos dela, atualizando-se constante- mente, elegendo e adequando as técnicas individualizadas de tratamento e o encaminhamento adequado do paciente a uma equipe interdisciplinar, caso seja necessário (INSTITUTO ONCOGUIA, 2015; GRAACC, 2018).  Na última unidade falaremos sobre fisioterapia e oncologia na atenção terciária e você entenderá a diferença entre as assistências prestadas. Na saúde coletiva, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS´s), há ainda um outro segmento na prática da assistência à criança e ao adolescente relacio- nado ao “acompanhamento”, em que o fisioterapeuta estabelece formas de monitorar a criança, seja por meio da programação de retornos semanais Assimile O tipo de câncer infanto-juvenil mais frequente é a leucemia, entre 25 a 35% dos casos de câncer, seguido dos linfomas e tumores do sistema nervoso, o que exige maior demanda por assistência de fisio- terapia devido a sequelas neuromusculoesqueléticas. Os tumores que acometem as crianças e os adolescentes são mais agressivos, crescendo rapidamente, porém, respondem melhor ao tratamento, considerados de bom prognóstico. Existe um tumor, o meduloblastoma, que atinge o cerebelo, comprometendo a coordenação motora e o déficit de equilí- brio, e a atuação fisioterapêutica na atenção secundária poderá levar até dois anos ou mais, dependendo da evolução da doença e de como a criança reagirá ao tratamento (CREFITO 3, 2018). Pesquise mais Para que você adquira conhecimentos sobre a atuação fisioterapêutica em oncologia na atenção secundária relacionada ao tratamento da dor, acesse o link a seguir. SOUZA, J. A. F. de. et al. Atuação da fisioterapia no controle da dor no câncer infantil: uma revisão de literatura. Pesquisa e Ação, [S.l.], v. 3 n. 2, p. 73-83, dez. 2017. Disponível em: https://revistas.brazcubas.br/index.php/pesquisa/ar ticle/ download/319/457/. Acesso em: 13 nov. 2018.
  • 32. Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 31 às Unidades Básicas de Saúde ou por meio de visitas domiciliares, podendo esse acompanhamento ser feito de forma direta ou indireta. Elaborada pelo Ministério da Saúde (2010), constitui-se de uma importante ferramenta que os profissionais da saúde dispõem para acompanhar a adequação do cresci- mento e do desenvolvimento desse ciclo de vida. Na atenção secundária esse acompanhamento só é possível de forma direta, em que o profissional programa retornos periódicos nos quais ele realiza a avaliação do desenvol- vimento e do crescimento da criança, analisa aspectos sensoriais e motores, reforça orientações realizadas e ainda retoma os cuidados quanto às doenças respiratórias e quanto ao manejo de pacientes crônicos, avaliando a evolução da criança e do adolescente, identificando precocemente alterações motoras e posturais, bem como agudizações do quadro respiratório, e ainda monitora as condições domiciliares. Já o acompanhamento indireto pertence aqui à atenção primária, com o objetivo de promover a vigilância à saúde infantil (DAVID et al. ,2013). Muito bem, passemos agora a compreender sobre alguns recursos utili- zados na criança e no adolescente, em uma abordagem sobre a fisioterapia motora, respiratória e oncológica. Recursos da fisioterapia na criança e no adolescente Fisioterapia motora: na assistência das afecções motoras a crianças e adolescentes, o fisioterapeuta lança mão de exercícios, mobilizações, manipulações, alongamentos e outros recursos que visam restabelecer a função musculoesquelética. Alguns recursos e técnicas utilizados na reabi- litação neuromotora já foram descritos anteriormente, com ressalva para a Técnica Terashuit (Figura 2.4), que pode ser usada em adultos, mas tem como público alvo as crianças e os adolescentes, com o objetivo de prover melhora funcional, manutenção e/ou redução de déficits motores, focando Reflita A compreensão de todos os aspectos envolvidos nos distúrbios neona- tais, pediátricos e na adolescência pode auxiliar o fisioterapeuta a fornecer um tratamento de qualidade, respeitando sempre o princípio que cada criança é única e possui a sua particularidade. Por isso, o tratamento sempre deverá ser diferenciado mesmo que a doença for a mesma, pois cada um reage de uma maneira diferente. Há contraindica- ções entre os recursos fisioterapêuticos aplicados a neonatos, crianças e adolescentes na atenção secundária?
  • 33. 32 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I o programa de desenvolvimento motor, o fortalecimento muscular, a resis- tência, a flexibilidade, a coordenação motora e o equilíbrio (FRANGE; SILVA, 2012). Com relação a alterações posturais, a detecção e seu diagnóstico precoce sãoaçõesquepossibilitamumaintervençãoeficaz,principalmentenacriança, cujo sistema musculoesquelético é mais complacente. Aqui, o recurso reside na avaliação fisioterapêutica minuciosa da postura, por meio do qual conse- gue-se identificar alterações que podem trazer consequências prejudiciais à função de sustentação e de mobilidade, bem como iniciar precocemente a terapêutica adequada e reverter o quadro, constando de cinesioterapia, com exercícios de alongamento e fortalecimento muscular, bem como exercí- cios respiratórios. Técnicas como Pilates e Reeducação Postural Global são bastante resolutivas nessas alterações posturais (DAVID, 2013). Fisioterapia respiratória: a assistência fisioterapêutica nas afecções respiratórias para crianças e adolescentes na atenção secundária envolve a aplicação de técnicas convencionais, como drenagem postural, vibração manual ou mecânica, percussão e padrões ventilatórios, a fim de remover secreção brônquica, otimizar a ventilação pulmonar e melhorar o padrão respiratório da criança. Há, entretanto, outras técnicas denominadas modernas, como o ciclo ativo da respiração, técnica de expiração forçada e drenagem autógena, que também podem ser utilizadas. Em crianças, em detrimento de seu perfil, que necessita de motivação e incentivo, a aplicação de recursos lúdicos, como bolhas de sabão, língua de sogra e apitos, são bons Figura 2.4 | Método Terashuit Fonte: http://www.cielo.org.br/therasuit. Acesso em: 12 nov. 2018.
  • 34. Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 33 coadjuvantes na terapia respiratória. Além do uso de algumas técnicas e instrumentais, como o inspirômetro de incentivo, o flutter e a tapotagem, que podem ser ensinados (ALVIM; LIMA; LASMAR, 2009). Fisioterapia oncológica: na assistência, a fisioterapia oncológica deve realizar tratamento fisioterapêutico em pacientes com sintomas relacio- nados à doença e seus tipos de tratamento. É comum encontrar presença de dor persistente, fibroses, retrações e aderências cicatriciais, encurta- mentos musculares, diminuição de amplitude do movimento das articula- ções e membros, osteoporose, neuropatias, presença de linfedema quando há esvaziamento ganglionar, alterações respiratórias, trismo (contratura dolorosa da musculatura da mandíbula (masseteres), falta de controle motor, incoordenação, fraqueza muscular, cansaço, incontinência urinária ou fecal, entre outros. Os sintomas variam de acordo com o tipo e a localização do tumor, sendo os objetivos manter os segmentos corporais bem alongados, com boa força muscular, controlar a dor, melhorar a função pulmonar, prevenir a presença de inchaços e evitar a inatividade no leito. Para isso, a fisioterapia apresenta recursos benéficos no cuidado a crianças e adoles- centes com câncer, reduzindo sua dor. As técnicas analgésicas encontradas foram: eletroterapia (TENS), desde que criança tenha responsividade e consiga definir o grau de intensidade da corrente, a hidroterapia, terapia manual, crioterapia e terapia por exercício físico (cinesioterapia), sempre ressaltando a importância do caráter lúdico das intervenções terapêuticas infantis (ONCOFISIO, 2010). A assistência à criança e ao adolescente também é dada no que diz respeito aos quadros álgicos, por outras patologias, como também no câncer, responsáveis por um elevado número de consultas nas UBS`s. A redução da dor melhora o desempenho do paciente durante a terapia, além de restituir sua qualidade de vida. A acupuntura e a estimulação elétrica nervosa trans- cutânea são recursos com bons resultados analgésicos, sendo que o desco- nhecimento da técnica da acupuntura em criança acaba por diminuir seu uso. Porém sua eficácia e segurança são enormes, provendo a saúde num momento tão delicado da vida. Há relatos de suas indicações para quadros de dores crônicas em crianças e adolescentes e equalização de tônus nos quadros de Paralisia Cerebral (SÁ, 2003). Outros procedimentos, como massoterapia, relaxamento, hidroterapia e cinesioterapia, também propiciam o alívio sintomático da dor, possibili- tando a redução do uso de fármacos. Já, com relação a recursos termoterá- picos na classificação de calor profundo (ultrassom contínuo, ondas curtas e o microondas), deve haver uma avaliação criteriosa da real necessidade do uso na infância e na adolescência, lembrando que são contraindicados em zonas de crescimento.
  • 35. 34 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I Atuação fisioterapêutica na neonatologia A especialização em Fisioterapia Neonatal objetiva oferecer assistência tanto no nível secundário como terciário, devendo o profissional atuante nessa área ter uma visão global do atendimento a pacientes ambulatoriais e hospitalares. Você é capaz de caracterizar as ações da Fisioterapia em Neonatologia na atenção secundária? Designa-se período neonatal o que compreende desde o nascimento e termina após 28 dias completos depois do nascimento (DATASUS, 2008). O tratamento da fisioterapia neonatal conta com a assistência na área respi- ratória e motora, sendo o objetivo da fisioterapia neonatal prevenir ou atenuar alterações causadas por patologias respiratórias provocadas pela hospitalização, realizar a manutenção ou ainda normalização e estabilização dos padrões motores do recém-nascido, como tônus e trofismo muscular, e estimular e acompanhar o Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM), como nos casos de microcefalia e hidrocefalia. De um modo geral, os pacientes encaminhados para os serviços de atendimento secundário são provenientes da U.T.I. neonatal e berçário de cuidados intermediários, podendo ser acompanhados no programa de fisioterapia respiratória e/ou fisioterapia motora. O seguimento dessas crianças inclui avaliação respi- ratória, manobras de desobstrução de vias aéreas superiores e de higiene brônquica, inaloterapia, aspiração de secreções, avaliação neurológica, abordagem do desenvolvimento motor normal e anormal, estimulação sensorial, prescrição e utilização de órteses e orientação aos pais (AGUIAR; PEREIRA; CARVALHO, 2008). Fisioterapia motora em neonatologia É fato que a permanência na UTI neonatal é fator relevante quanto aos riscos do recém-nascido apresentar sinais de disfunção neuromotora, sendo que o acompanhamento ambulatorial deve ser iniciado logo após a alta hospi- talar. Os fatores ambientais encontrados na UTI interferem na motricidade e também no atraso do desenvolvimento da imagem corporal da criança, acontecendo isso devido à internação por longos períodos em unidades de terapia intensiva (UTI), onde há falta da recepção de estímulos adequados, exposição a ruídos excessivos e luminosidade exagerada, devendo haver cuidados para que seja evitada ao máximo essa exposição, garantido sobre- vida. Aqui reside a importância da intervenção precoce de uma equipe multidisciplinar com fisioterapeutas, médicos, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos e nutricionistas: apresentar bons resultados. Quando o quadro já se encontra instalado, a fisioterapia tem como objetivos princi- pais promover o DNPM do neonato e minimizar os padrões patológicos
  • 36. Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 35 presentes, incentivando o contato do neonato com os pais para conseguir melhor eficácia da intervenção. A exemplo do recém-nascido de risco, após sua alta hospitalar, ele pode levar consigo alterações clínicas diversas, como retinopatia da prematuridade, surdez, disfagias, como, também, alterações cognitivas, comportamentais e de neurodesenvolvimento. A anóxia perinatal é a principal condição clínica capaz de levar o recém- -nascido a uma disfunção Neurológica, sendo que os neonatos de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) necessitam ser supervisionados quanto ao aparecimento de problemas que podem exigir encaminhamento e coordenação de múltiplos serviços preventivos e reabilitacionais com o intuito da detecção precoce de desvios do desenvolvimento, minimizando sequelas. (AGUIAR; BEZERRA; CARVALHO, 2008). Essa intervenção na UTI é de suma importância para que os neonatos ou já lactentes possam continuar na assistência secundária em ambulatórios recebendo o auxílio de uma equipe multidisciplinar. Técnicas utilizadas em neonatologia na fisioterapia motora Alguns métodos de avaliação podem fornecer prognóstico e diagnóstico precoce das alterações do DNPM, sendo utilizadas escalas padronizadas e validadas no Brasil para melhores diagnósticos acerca do comportamento motor, principalmente durante o primeiro ano de vida das crianças. Portanto, o fisioterapeuta, como profissional da saúde, deve possuir um conhecimento aprofundado sobre o processo das aquisições normais do desenvolvimento global da criança e estar familiarizado com os diversos instrumentos de avaliação existentes e os que são mundialmente mais utilizados para, assim, selecionar o mais adequado ao seu paciente.  Diante disso, a Fisioterapia, como integrante da equipe multidisciplinar responsável pelo RN, tem se especializado cada vez mais em minimizar as complicações sensório motoras decorrentes do período de internação na UTIN, atuando diretamente na motricidade global, objetivando eliminar reações posturais inadequadas e facilitando os movimentos normais, o estado de organização, a estimulação proprioceptiva e o aumento do limiar de sensibilidade tátil e cinestésica. Uma das técnicas que podem ser usadas para otimizar o desenvolvi- mento articular do quadril, bem como a execução de atividades motoras, como sentar, engatinhar e andar, é o Método de Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva (PNF) ou Método Kabat. Ele foi originalmente descrito para adultos, porém, os princípios da irradiação, o contato manual do terapeuta, a posição corporal do paciente, a tração, a aproximação e o estiramento muscular podem ser utilizados em Neonatos (NEREN, 2012).
  • 37. 36 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I Em suma, cabe ao fisioterapeuta, diante da assistência motora: - Normalizar o tônus muscular.- Promover alongamentos musculares.  - Manter e/ou aumentar amplitude de movimento.  - Prevenir ou inibir padrões e/ou desvios patológicos.  - Prevenir deformidades articulares.  - Estimular o desenvolvimento motor normal. Fisioterapia respiratória em neonatologia A fisioterapia respiratória tem por objetivo evitar a obstrução brônquica pelo acúmulo secretivo, melhorar a ventilação / perfusão e difusão pulmonar, aumentar o trabalho respiratório otimizando e expansibili- dade torácica, manter as vias aéreas permeáveis, normalizando a mecânica muscular respiratória e corrigindo as distorções tóraco-abdominais. A melhora da função respiratória do recém-nascido (RN) provém da facili- tação do transporte mucociliar, reduzindo o acúmulo de secreções e preve- nindo áreas de atelectasia, infecções e alterações da relação ventilação-per- fusão. As técnicas de fisioterapia respiratória em prematuros têm como principais objetivos a manutenção das vias aéreas, o melhoramento da função respiratória e a prevenção de complicações pulmonares. São recomendadas as técnicas de desobstrução brônquica, técnicas de reexpansão pulmonar e posicionamento (POP, 2016). Técnicas utilizadas em neonatologia na fisioterapia respiratória São algumas das manobras utilizadas: A utilização da Hiperinsuflação Manual (HM), associada ou não a vibro- compressão, para a mobilização e o deslocamento de secreção das vias aéreas. A aplicação do aumento do fluxo expiratório (AFE) de forma lenta e a realização de compressões torácicas seguidas de liberação lenta e completa da caixa torácica. O AFE é considerado uma técnica não convencional de desobstrução brônquica e pode ser aplicada desde o nascimento. A drenagem postural (DP) consiste no posicionamento do paciente em diferentes decúbitos baseados na anatomia da árvore brônquica que, associados à ação da gravidade, favorecem a mobilização de secreção da parte distal para a proximal dos lobos pulmonares. As manobras de reexpansão pulmonar estimulam a elasticidade pulmonar, diminuem a resistência tissular e provocam uma homogeneidade do ar inspirado em sua distribuição intrapulmonar.
  • 38. Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 37 Pois bem, alunos, espero que tenham absorvido o conteúdo desta seção. Uma vez contemplados com todas essas informações, já podemos auxiliar os alunos na elaboração do conteúdo para o treinamento proposto pela Prof. Adriana aos profissionais da área da saúde! Agora, sigamos adiante! Vamos então retomar o treinamento demandado para a coordenadora Adriana! A coordenadora de estágios, com a participação dos preceptores e dos alunos, montou um grupo de estudos a partir do qual deverão ser elaborados os conteúdos para o treinamento de profissionais da área da saúde, deman- dado pela coordenadora do curso de Fisioterapia. Hoje, o 2º grupo deverá elaborar esse conteúdo, pesquisando sobre os seguintes questionamentos: quais áreas da fisioterapia atendem as crianças, adolescentes e neonatos na atenção secundária? Quais principais técnicas e os recursos fisioterapêuticos que contemplam esses atendimentos? Vamos então ajudá-los a esclarecer essas dúvidas. Em relação às áreas da fisioterapia que atendem as crianças, adoles- centes e neonatos na atenção secundária, a fisioterapia motora está presente, sendo as alterações mais assistidas as que acometem o sistema musculoes- quelético e neurológico, e em menor proporção podemos citar a fisioterapia dermato-funcional em queimados e Saúde da Mulher em disfunções urogi- necológicas, porém, vamos nos remeter às mais predominantes. A área de Neurofuncional,tratadanestaUnidade2,naSeção1,assistepatologiasneuro- lógicas, como Paralisia Cerebral (Encefalopatia Crônica Não Progressiva), miopatias, Sindrome de Down, neuropatias, entre outras, tendo o objetivo de promover o DNPM, prevenir hipotrofias, atrofia muscular, contraturas e deformidades, osteopenia e osteoporose precoces. A fisioterapia motora também assiste crianças e adolescentes na área de Fisioterapia em Ortopedia e Traumatologia, tanto congênitas como adquiridas, como torcicolos congênitos, pé torto congênito, escolioses congênitas, artrogri- poses, fraturas, luxações, desvios posturais, entorses, lesões ligamentares entre outras. A Fisioterapia Reumatológica também é assistida para esses ciclos de vida, pelo comprometimento do sistema musculoesquelético, sendo as mais frequentes a Artrite Reumatoide Juvenil, o Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES), a dermatopo- limiosite (DMP), a esclerodermia (ESP) e as vasculites. Podemos ainda destacar a Sem medo de errar
  • 39. 38 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I incidência, em adolescentes praticantes de atividade física ou esporte, os reuma- tismos de partes moles, incluindo tendinopatias, bursites, entesites, oriundos de atividades repetitivas e/ou uso excessivo de vídeo games, celulares e computa- dores. A área de Saúde Escolar atua assistindo as variações posturais, comumente encontradasnoperíododecrescimento edesenvolvimento,decorrentesdosvários ajustes, das adaptações, das mudanças corporais e psicossociais que marcam essa fase. São recursos utilizados na Fisioterapia Motora na atenção secundária a cinesioterapia, as mobilizações, as manipulações, os alongamentos e outros recursos que visam restabelecer a função musculoesquelética. Em pacientes com disfunçõesneurológicassãoutilizadastécnicasespecíficas,comooMétodoBobath e Kabat, que promovem estimulação precoce. Técnicas como Pilates e Reeducação Postural Global são bastante resolutivas nas alterações posturais. Na área de Fisioterapia Respiratória, podemos citar como as principais doenças respiratórias da criança e do adolescente: bronqueolite, asma, rinite, pneumonia e infecções das vias aéreas superiores (IVAS), objetivando expan- sibilidade pulmonar, higiene brônquica, avaliação da capacidade funcional e medida de pico de fluxo, fortalecimento da musculatura respiratória, entre outros. São recursos utilizados na Fisioterapia respiratória na atenção secundária a aplicação de técnicas convencionais, como drenagem postural, vibração manual ou mecânica, percussão e padrões ventilatórios. Técnicas modernas, como o ciclo ativo da respiração, técnica de expiração forçada e drenagem autógena também podem ser utilizadas. Na área da Fisioterapia Oncológica a assistência em crianças e adolescentes tem suas indicações determinadas pelas disfunções causadas pela doença ao paciente, assim como pelos tipos de tratamento adotados, sendo determi- nantes para a prescrição da conduta o tratamento cirúrgico, radioterápico ou quimioterápico. Os recursos podem ser utilizados para analgesia, disfunções motoras e respiratórias, como eletroterapia, recursos manuais, acupuntura, cinesioterapia, hidroterapia, técnicas de relaxamento, entre outros. A assistência ao Neonato, Fisioterapia Neonatal, atende as áreas respi- ratória (Fisioterapia Respiratória e motora, Fisioterapia Neurofuncional), sendo o objetivo da fisioterapia neonatal prevenir ou atenuar alterações causadas por patologias respiratórias provocadas pela hospitalização, realizar a manutenção ou ainda normalização e estabilização dos padrões motores do recém-nascido, como tônus e trofismo muscular, bem como estimular e acompanhar o Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM). São utilizados para assistência em fisioterapia motora ao neonato na atenção secundária recursos que objetivam a normalização e estabi- lização dos padrões motores do recém-nascido, como tônus e trofismo muscular, bem como o estímulo e o acompanhamento do Desenvolvimento
  • 40. Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 39 Neuropsicomotor (DNPM). São exemplos de métodos para assistir ao neonato: Bobath e Kabat, que consistem em normalizar o tônus muscular, promover alongamentos musculares, manter e/ou aumentar amplitude de movimento, prevenir ou inibir padrões e/ou desvios patológicos, prevenção de deformidades articulares e estimular o desenvolvimento motor normal. São recursos utilizados em neonatos, na área respiratória, manobras manuais de desobstrução de vias aéreas superiores e de higiene brônquica, inaloterapia, Hiperinsiflação Manual (HM) associada ou não à vibrocom- pressão, manobras de aumento do fluxo expiratório (AFE), compressões torácicas seguidas de liberação lenta e completa da caixa torácica, drenagem postural, manobras de reexpansão pulmonar. Pronto, agora que os alunos já conseguiram esclarecer tais dúvidas à classe, a coordenadora Adriana poderá solicitar ao 3º grupo que finalize as reuniões, cumprindo as demandas a eles propostas. Fisioterapia Neonatal e atenção à saúde Descrição da situação-problema Sandra, egressa do curso de Fisioterapia de uma Universidade Federal, ingressou num curso de Pós-Graduação em Fisioterapia Neonatal, sendo seu objetivo aprimorar seus conhecimentos neste ciclo de vida, adotando uma visão global do atendimento a pacientes neonatos em ambulatórios e hospi- tais, e o desenvolvimento e a atuação profissional no contexto atual das insti- tuições de saúde. Para tanto, a profissional, ao final dos módulos teóricos do curso, deverá realizar o estágio supervisionado, totalizando a carga horária de 60 horas, em que vivenciará situações que terá de enfrentar em sua prática profissional, o que a está deixando muito ansiosa, pois receia não estar prepa- rada para atuar com a fragilidade dos neonatos, tendo muitas dúvidas em relação à atuação hospitalar e ambulatorial em neonatos. Como supervisora desse estágio, como você esclareceria para Sandra as diferenças entre o atendimento ambulatorial do hospitalar? Resolução da situação-problema A princípio, o que diferencia atendimentos hospitalares de ambulatoriais são os diferentes níveis de atenção à saúde, estando o hospitalar geral, os Avançando na prática
  • 41. 40 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I leitos e as unidades de Terapia Intensiva relacionados à atenção terciária, de alta tecnologia e alta complexidade. O ambulatorial, por sua vez, está relacio- nado à atenção secundária, de média tecnologia e média complexidade. A abordagem ao neonato, tanto em nível ambulatorial como hospi- talar, atende as áreas respiratória (Fisioterapia Respiratória) e motora (Fisioterapia Neurofuncional), sendo o objetivo da fisioterapia, em ambos, prevenir ou atenuar alterações causadas por patologias respiratórias provocadas pela hospitalização, realizar a manutenção ou ainda norma- lização e estabilização dos padrões motores do recém-nascido, como tônus e trofismo muscular, e estimular e acompanhar o Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM). E aí, Sandra, essas informações lhe deixam melhor preparada? Esperamos que sim. Avante com sua educação continuada. 1. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), criado em 13 de julho de 1990, tem como principais objetivos detalhar os direitos e deveres das crianças e dos adoles- centes, pais, gestores públicos, profissionais da saúde e conselhos tutelares, estabele- cendo punições para maus tratos, políticas de atendimento e assistência, bem como medidas de proteção e socioeducativas. Segundo o ECA, é considerado criança o cidadão que tem até________________, e aqueles com idade entre______________ são considerados adolescentes. Assinale a alternativa que completa as sentenças acima: a) 12 anos incompletos; 12 e 18 anos. b) 12 anos completos; 12 e 18 anos. c) 12 anos incompletos; 12 e 16 anos. d) 12 anos completos; 12 e 18 anos. e) 10 anos incompletos; 12 e 18 anos. 2. Várias são as áreas da fisioterapia que assistem crianças e adolescentes no nível de atenção secundário. As áreas pelas quais essa população é mais acometida estão relacionadas à fisioterapia motora e respiratória, porém, devemos destacar a Fisio- terapia Oncológica, visto o câncer infanto-juvenil ser uma das causas de mortes não acidentais mais comuns entre crianças e adolescentes. Sobre as áreas da fisioterapia que assistem crianças e adolescentes, analise as sentenças assinalando V para as verdadeiras e F para as falsas: Faça valer a pena
  • 42. Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 41 ( ) Na assistência a crianças prematuras com patologias limitantes ou restritas ao leito, o fisioterapeuta poderá atuar em complicações como: atraso no desen- volvimento neuropsicomotor, úlceras de decúbito, alterações no sistema muscu- loesquelético, atrofia muscular, contraturas, osteoporose precoce, osteopenia e deformidades. ( ) A Fisioterapia em Reumatologia não assiste crianças e adolescentes, visto esse ciclo de vida não desenvolver essas afecções, sendo restritas ao atendimento secun- dário e terciário do adulto e idoso. ( ) A fisioterapia respiratória em crianças e adolescentes está restrita ao ambiente hospitalar (atenção terciária), como os atendimentos a neonatos e lactentes, não havendo assistência no nível de atenção secundário. ( ) As indicações para assistência fisioterapêutica em oncologia são determinadas pelas disfunções causadas pela doença ao paciente, assim como pelos tipos de trata- mento adotados, como tratamento cirúrgico, radioterápico ou quimioterápico, que podem apresentar disfunções ou sequelas. Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta: a) V – V – F – V. b) V – F – V – V. c) F – F – V – F. d) V – V – F – F. e) V – F – F - V. 3. A especialização em Fisioterapia Neonatal objetiva oferecer assistência tanto no nível secundário como terciário, devendo o profissional atuante nesta área ter uma visão global do atendimento a pacientes ambulatoriais e hospitalares. Após períodos de internação, o neonato deverá ser encaminhado a serviços especializados para que possa ser assistido na atenção secundária. Sobre a assistência ao neonato na atenção secundária, assinale as asserções e a relação proposta entre elas: I. O tratamento da fisioterapia neonatal na atenção secundária conta apenas com a assistência específica na área respiratória, sendo que o seguimento desses neonatos inclui avaliação, manobras de desobstrução de vias aéreas superiores e de higiene brônquica, inaloterapia, aspiração de secreções. PORQUE II. A área motora não assiste o Neonato na atenção secundária, devendo a assis- tência fisioterapêutica ser iniciada após essa fase, em lactentes, objetivando prevenir ou atenuar alterações neurológicas, objetivando normalização e estabi- lização dos padrões motores, como tônus e trofismo muscular, e estimular e acompanhar o Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM).
  • 43. 42 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I A respeito dessas asserções, assinale a alternativa correta: a) As asserções I e II são proposições verdadeiras e a II é uma justificativa da I. b) As asserções I e II são proposições verdadeiras, mas a II não é uma justificativa da I. c) A asserção I é uma proposição verdadeira e a II é uma proposição falsa. d) A asserção I é uma proposição falsa e a II é uma proposição verdadeira. e) As asserções I e II são proposições falsas.
  • 44. Seção 2.3 / Apresentação geral da fisioterapia na saúde do idoso e reumatologia na atenção secundári - 43 Apresentação geral da fisioterapia na saúde do idoso e reumatologia na atenção secundária Diálogo aberto Caro aluno, muito temos ouvido falar sobre a transição demográfica e epidemiológica nos últimos anos, em que a longevidade populacional tem modificado as patologias e agravos, trazendo ao cenário epidemiológico as Doenças Crônicas Não Transmissíveis em foco. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS, 2014) o número de pessoas com idade superior a 60 anos chegará a 2 bilhões de pessoas até 2050, e isso representará um quinto da população mundial. Doenças reuma- tológicas (DR) acompanham esse cenário, em que doenças degenerativas, como osteoartrose (OA), e metabólicas, como a osteoporose, têm sido fator limitante na vida da população idosa. Para a compreensão a respeito dos questionamentos relacionados a essa temática, tragamos à memória o contexto de aprendizagem. Adriana, no início de sua nova função na coordenação do estágio, foi orientada pela coordenadora do curso a elaborar um pacote de treina- mento a um grupo de profissionais da área da saúde sobre as várias áreas de atuação do profissional fisioterapeuta. Frente a isso, resolveu agendar uma reunião na primeira semana do início do ano letivo, com a participação dos preceptores e dos alunos, para discutir sobre como deveriam elaborar o conteúdo desse treinamento. A área de atuação fisioterapêutica na saúde dos idosos e a área de Reumatologia na atenção secundária, bem como os recursos empregados nesse ciclo de vida e nessa área de atuação, são conteúdos que o treinamento deverá contemplar, portanto, os alunos do 3º grupo deverão pesquisar e apresentar ao grupo de estudos conteúdos referentes à atuação fisiotera- pêutica na saúde do idoso e recursos empregados para essa população, bem como abordar a atuação da fisioterapia na área de reumatologia e os recursos empregados nela. Portanto, para a elaboração do conteúdo do treinamento, esses alunos deverão solucionar os seguintes questionamentos: quais ações e recursos caracterizam o atendimento fisioterapêutico na saúde do idoso? Em se tratando da área da reumatologia, esta, por sua vez, só atende aos idosos? Por quê? Seção 2.3
  • 45. 44 - U2 / Fisioterapia na atenção secundária I Para que você possa ajudar os alunos no esclarecimento dessas dúvidas, vamos estudar a atuação fisioterapêutica na saúde do idoso, bem como a área de reumatologia, além dos recursos empregados nessas áreas na atenção secundária. Portanto, vamos nos empenhar? Vamos iniciar nossos estudos falando sobre um estatuto que representa um avanço considerável na proteção jurídica aos homens e mulheres da sociedade brasileira: “O Estatuto do Idoso”, Lei Federal de nº 10.741, de 1 de outubro de 2003, isto é, uma Lei Orgânica do Estado Brasileiro destinada a regulamentar os direitos que pertencem à faixa etária igual ou superior a 60 anos e que vivem no Brasil. Está em vigência desde janeiro de 2004, vindo a somar direitos que já eramprevistospelaLeiFederaldenº8842,de04janeirode1994,eConstituição Federal de 1988, estabelecendo-se como forte instrumento de defesa, promo- vendo a cidadania dessa faixa etária, sua proteção jurídica, garantindo seus direitos para que vivam com dignidade (SBGG, 2018). As questões que envolvem a saúde como direito da pessoa idosa são também abordadas pela Política Nacional do Idoso (PNI), Lei n. 8842/94, que em texto oficial cria condições para promover a autonomia, integração e participação efetiva do idoso na sociedade, o que envolve saúde de quali- dade, como é destacado no artigo 10, inciso II – que se refere à área da saúde, garantindo ao idoso a assistência à saúde nos diversos níveis de atendimento. A Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa, Portaria GM 2528, de 19 de outubro de 2006, define que a atenção à saúde dessa população terá Não pode faltar Pesquise mais Sobre o Estatuto do Idoso, em que são estabelecidos os direitos dos idosos e são previstas punições a quem os violarem, dando aos idosos uma maior qualidade de vida, em 2007 foi criado, pelo Ministério e Defensoria Pública do Estado de São Paulo, uma cartilha informativa. Sugerimos que você clique no link abaixo para aperfeiçoar seus conheci- mentos sobre o Idoso. SÃO PAULO (estado). Ministério Público do Estado de São Paulo. Defen- soria Pública do Estado de São Paulo. Cartilha do idoso. São Paulo, 2007. Disponível em: https://www.anadep.org.br/wtksite/cartilhaidoso.pdf. Acesso em: 14 nov. 2018.
  • 46. Seção 2.2 / Apresentação geral da fisioterapia na criança, adolescente e neonato na atenção secundári - 45 como porta de entrada a atenção Básica/ Estratégia de Saúde da Família. A Rede de Atenção Psicossocial (CAPS) e a Rede de Urgências e Emergências (UPAS e Pronto Atendimentos) também são portas de entrada para atendi- mento (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). São seus eixos estruturantes: fortalecimento da Atenção Primária à Saúde (APS); organização da rede de atenção à saúde da pessoa idosa; reconhecimento da pessoa idosa como usuário “sócio sanitário” do Sistema Único de Saúde (SUS) e produção de um modelo de atenção à saúde da pessoa idosa que invista na imple- mentação de novas ferramentas de autocuidado e em planos integrados de cuidado. Por isso, os profissionais da saúde podem assistir ao idoso nos três níveis de atenção à saúde. Passaremos agora a alguns esclarecimentos sobre os termos utilizados na “Saúde do Idoso” para que você possa absorvê-los e ser assertivo quando se referir à população idosa. A princípio, vamos analisar os termos geriatria e gerontologia. São sinônimos? Pois bem, as duas áreas trabalham com o mesmo público, porém, as diferenças são pontuais. A geriatria é um ramo da medicina especializada nos cuidados de pessoas idosas e exercida pelo geriatra; objetiva a promoção da saúde realizando um trabalho de prevenção e tratamento de doenças que são especificas do envelhecimento. Já a geronto- logia é o ramo dedicado ao estudo dos diversos aspectos do envelhecimento, e além da saúde, preocupa-se com aspectos sociais (SBGG, 2016). A senescência (envelhecimento) abrange todas as alterações produ- zidas no organismo de um ser vivo, seja do reino animal ou vegetal, que se relaciona com a sua evolução no tempo, sem nenhum mecanismo de doença reconhecido, ou seja, alterações pelas quais o corpo passa e que são decor- rentes de processos fisiológicos, que não caracterizam doenças e são comuns a todos os elementos da mesma espécie, com variações biológicas. São fatores Saiba mais No ano de 2016, o COFFITO aprovou a Resolução n°476, que reconhece e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia em Gerontologia, respaldado na necessidade das novas especialidades pela estimativa da expectativa de vida ser, em 2060, 26,75% da população com mais de 65 anos (COFFITO, 2017).  COFFITO. Gerontologia é regulamentada como especialidade profis- sional da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional. 2017. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=6346. Acesso em: 15 out. 2018.