SlideShare uma empresa Scribd logo
5º ano - “E”
Autores e ilustradores dos contos de terror: Alunos da rede
pública de ensino da cidade de Brazlândia – DF.
Organizador: Professor Guilherme Leão.
Colaboradores: Professora Sheley Corrêa e Gustavo Inácio.
Ano: 2015.
Apresentação
Os contos e ilustrações da tipologia de terror
foram escritos por uma turma de vinte e dois
alunos, com idades entre nove a doze anos, que se
encontram no 5º ano do Ensino Fundamental.
A produção dessas histórias aconteceu na
Escola Classe 01 de Brazlândia, por meio de uma
oficina, sob a orientação do professor regente
Guilherme Leão.
A oficina foi dividida em vários momentos:
primeiramente, realizou-se uma roda para leitura e
discussão acerca dos contos de terror e
assombração; conversa sobre os medos dos alunos,
visando a superação; explanação e identificação
das principais características do gênero conto;
propiciando, em duplas e grupos, a criação,
ilustração e leitura de um conto de terror.
A temática foi de grande valia para os
alunos e a turma apresentou-se bastante interessada
e participativa em todas as atividades propostas.
A morte corrupta
Brayan Robson e João Paulo
Era uma vez, em uma cidade sombria, uma menina chamada Ana.
Um dia, ocorreu um tiroteio entre policiais e bandidos e ela estava atrás do
seu pai, que era policial.
Um bandido atirou e Ana se arremessou na frente do seu pai, para
que a bala não acertasse nele, mas acertou a cabeça de Ana. O pai de Ana
sobreviveu, mas nunca mais conseguiu andar, por causa do tiro. Na mesma
noite, ela estava com uma boneca na mão.
No dia seguinte, no enterro de Ana, a mãe dela que se chamava Ana
Alice, pediu para que enterrasse a boneca junto com Ana. No ano seguinte,
no dia do aniversário de Ana, a alma dela entrou para dentro da boneca,
que ganhou vida e ela sentiu raiva dos bandidos que fizeram seu pai nunca
mais andar. Ela foi atrás dos bandidos que atiraram no pai dela e um deles
se chamava: Jack, o maior bandido da cidade.
Ana foi até a cozinha de sua casa, pegou uma faca e matou todos os
bandidos, principalmente o Jack. Ela o matou enfiando a faca dentro de um
dos olhos e saiu rasgando o corpo inteiro de Jack.
E ela ficou conhecida como:
O lobisomem ataca
na Transilvânia
Raí de Moura e Juan Henrique
Em 1984, um homem chamado Jack foi mordido por um
lobisomem, em uma floresta sombria na cidade de Transilvânia.
Após a sua mordida, no primeiro dia às 00:00, ele se tornou um
lobisomem, e atacou a cidade de Transilvânia.
Ás 7:30 da manhã, ele voltou a ser o Jack, e foi para a sua casa
simples no morro de Transilvânia.
Sete dias depois, tornou a voltar a lua cheia e no centro da cidade,
Jack, o lobisomem, se encontrou com o lobisomem que tinha mordido ele.
E Jack falou para o lobisomem tirar o efeito do sangue de
lobisomem dele. E o lobisomem falou:
- Não, enquanto você não ganhar de mim.
E Jack falou:
- Vamos começar a luta.
E Jack falou novamente:
- Eu brigo pela cura e você briga pela minha morte.
Depois de 7 horas e meia, Jack conseguiu a sua cura e voltou para
sua casa simples no morro de Transilvânia.
A boneca assassina
Joyce Cristina e Priscielle Antunes
Era uma vez, uma linda família que queria se mudar. Aí eles
encontraram uma casa abandonada. Eles decidiram ficar lá.
Passou um dia, eles estavam arrumando a casa, e a filha Keiseane
achou uma boneca. Mas só que ela não sabia que a boneca era assassina.
Passaram alguns dias, a menina estava dormindo e a boneca pegou
uma faca para matar ela. Ela começou a gritar. Os pais foram correndo para
ver o que tinha acontecido e eles viram que a filha estava morta. Eles a
enterraram no quintal.
No outro dia, a família ficou assustada, porque a menina ressuscitou
e começou a falar:
- Vou matar vocês.
Ela estava com uma faca para matar todo mundo.
E a menina continuou lá com a maldade da boneca. Ela jurou que
quem fosse lá, ia morrer.
A rua assombrada
Geovanna Barbosa e Isabelle Vitória
Era uma vez, duas amigas. Um dia, a Isabelle chamou a Geovanna
para andar de skate a noite, era umas 23:30. Elas estavam terminando de se
arrumar.
Geovanna foi chamar a Isabelle. Elas saíram da rua onde moravam
e tinham que passar por uma outra rua que não tinha luz, para elas
chegarem mais rápido. Essa rua era assombrada e foi construída em cima
de um cemitério.
Elas estavam morrendo de medo, mas para elas chegarem mais
rápido, tinham que passar por essa rua.
Elas foram passando, mas não sabiam, que nessa rua, toda meia
noite, os espíritos se levantavam do caixão e chegavam na lanchonete para
comer X-Bomba e tomar refrigerante.
Quando Geovanna viu no celular, já era 00:30. Enquanto isso,
Isabelle viu um vulto preto atrás de uma árvore e começou a gritar.
Ai Geovanna disse:
- Que foi Isabelle?
E Isabelle falou:
- Olha lá atrás daquela árvore!
Geovanna olhou e não viu nada. Elas como eram muito atrevidas,
foram chegando mais perto. E quando viram o vulto, saíram gritando.
Quando se viraram, perceberam que não tinham mais saída e as
casas eram todas assombradas.
O espírito que estava atrás da árvore, foi chegando mais perto e
falou:
- Chegou o dia de vocês morrerem.
E ele as enterrou vivas.
A mãe das duas meninas ficaram muito preocupadas, pois já era
6:50 da manhã. Chamaram a polícia, pois já tinham dois dias que suas
filham tinham sumido.
As mães já tinham perdido as esperanças de encontrá-las e pararam
com as buscas, pois já fazia uma semana que estavam procurando elas.
E as duas nunca mais foram achadas.
Infecção Zumbi
Carlos Fernando, Guilherme Dias, Guilherme Marthym e Roberto Pereira.
Um certo dia na CAESB, uma menina foi a um passeio. Ela entrou
no laboratório e derramou um produto tóxico no encanamento da Escola
Classe de 01 de Brazlândia.
Todos os alunos e professores foram infectados, virando Zumbis,
menos quatro meninos, que se chamavam Guilherme Dias, Roberto, Carlos
e Guilherme Marthym.
No dia da contaminação, eles não tinham ido para a escola. Então,
produziram uma cura para esse problema, que foi colocado em algumas
armas.
Esses meninos subiram no telhado da escola e começaram a dar
tiros em todas as pessoas contaminadas. Mas isso não estava dando certo.
Então, tiveram a ideia de colocar a cura dentro de garrafinhas de
água. Assim, jogaram a fórmula nos Zumbis e todos viraram ao normal.
A maldição de
Tomyy
Luís Felipe e Vinícius Santos
Era uma vez, um menino chamado Tomyy. Ele era excluído e sentia
muito medo do Fredyy e do Foxy pesadelos. Os únicos amigos de Tomyy
eram o mini Fredyy e o mini Foxy.
Quando ele foi dormir, ele ouviu um barulho e foi ver o que era. Ele
pegou uma lanterna e foi lá.
Quando ele chegou, viu os pesadelos Fredyy e Foxy. E Tomyy
vendo aquilo, correu para o quarto.
Chegando lá, ele tentou trancar a porta, mas a porta só ficava
encostada (fechava, mas depois abria).
Foxy se escondeu dentro do armário e Fredyy estava tentando abrir
a porta do quarto. Tomyy teve que fechar a porta do quarto e do armário,
mas nenhuma das duas fechava.
Os monstros ficaram lá até as 06:00 da manhã. Aí apareceram o
mini Fredyy e o mini Foxy e com isso, Tomyy descobriu que os pesadelos
eram os seus amigos.
Eles contaram que Tomyy estava em coma e quem fez isso, foi o
Fredyy, mordendo a sua cabeça e tirando uma parte do seu cérebro.
(Status de vida do Tomyy: ).
A alma de Tomyy estava condenada a ficar presa dentro do Fredyy.
E ele teve que matar crianças para se libertar da maldição.
O Simut e o tesouro
Beatriz Queiroz e Maria Myllena
Era uma vez, um faraó, que se chamava Hanamut. Ele era o mais
poderoso do Egito e tinha o tesouro mais desejado de todo o planeta.
O tesouro ficava dentro do quarto do faraó. E o servo Simut roubou
o tesouro do grande Hanamut e fugiu para baixo Egito.
O faraó descobriu que o tesouro foi roubado e fez um decreto para
que se revirasse o palácio e a vila dos hebreus, porém não encontrou. Ele
retornou a fazer outro decreto, que iria buscar o tesouro no baixo Egito.
Ele descobriu que foi o Simut, porque não notou a sua presença. Os
guardas encontraram o tesouro com o Simut, então levaram ele para o alto
Egito. O faraó mandou o castigo pior de morte, que era ser enforcado.
Depois de muito tempo, houve uma guerra e o palácio foi invadido
pelos inimigos. Eles mataram o faraó e tomaram o seu reino. Esse novo rei
era muito severo e então, mandou matar os egípcios do antigo reino.
A morte do casal
Ítalo Alves e Ivan Lucas
Um dia, tinha um cara forte que estava interessado em uma mulher
bonita. Ela já tinha terminado com um traficante, que ameaçou esquartejar
o próximo que se interessasse, namorasse ou cassasse com ela. Depois das
ameaças, ele sumiu.
Ela foi assistir uma luta com o seu sobrinho. Ai entrou o lutador
Naconda e ela se interessou, mas lembrou das ameaças e ficou triste,
porquê se namorasse, ele iria morrer.
No entanto, ela sabia que seu ex-namorado havia sumido. Então,
começou a namorar o lutador.
Porém, o traficante voltou. E ele viu a sua mulher com o lutador e
jurou matar os dois.
No dia seguinte, ela teve um filho. Quando chegou em casa com o
lutador e o filho, ficaram surpresos com a presença do traficante. Ele sacou
a arma e matou os três.
Ele foi preso na prisão de Alcatraz, tentou fugiu de lá e caiu no mar,
onde foi comido por um tubarão branco.
O mistério do
assassinato
Daniel Gonçalves e Gabriel Sobrinho
No dia dez de agosto, dois dias depois da morte da minha mãe, eu
ainda pequeno, com 09 anos, tinha achado pistas sobre quem poderia ser o
assassino dela.
As pistas levavam a uma casa, que diziam que era assombrada pela
morte. Já que estava escuro, fui para casa dormir.
No dia seguinte, eu tomei coragem e fui. Cheguei lá e a casa era
enorme. Quando entrei, as portas bateram e não consegui sair.
Falei pra mim mesmo:
- Eu acho que a morte quer que eu resolva este problema da minha
mãe, por isso que me trancou.
Então, resolvi reler as pistas e descobri que tinha que ir ao segundo
andar. Então as luzes se acenderam e vi um elevador, mas quando fui
entrar, estava cheio de aranhas. Então, fui pelas escadas.
Quando cheguei lá, achei um rastro de sangue e ele me levava a
uma janela. Tentei abrir, mas não consegui. Tinha um órgão e um papel em
cima dele. O papel falava que eu tinha que ir ao terceiro andar e subir a
escada.
Quando fiz isso, vi o assassino da minha mãe. Corri atrás dele e
finalmente conseguir pegar ele. E descobri que era o meu pai.
Então, eu acordei no meu quarto gritando e foi ai que descobri, que
tinha acontecido só um sonho.
The Walking Dead
Anna Camilly e Michele Damasceno
Era uma vez, Anna e Michele e elas estavam assistindo “The
Walking Dead”. Na primeira temporada, o delegado viu uma zumbi. Ela
era loira e estava com um ursinho. Ele deu quatro tiros nela. Logo depois,
ele levou um tiro, foi para o hospital e ficou desacordado por um ano.
E quando ele acordou, ainda meio tonto, viu a cidade cheia de
zumbis e quase foi mordido por um deles. Mas, ele viu um homem com seu
filho e pediu ajuda.
O homem perguntou:
- Você foi arranhado?
E o xerife disse:
- Não, levei um tiro.
O homem levou o xerife para sua casa e cuidou dele. Mas, o
homem foi embora, e o xerife teve que sair da casa. Ele saiu e andou muito.
Lá na frente, ele parou e foi pedir uma água, mas dentro da casa só tinha
pessoas mortas.
Nisso, ele viu um cavalo no pasto, selou e foi. Mas, lá na frente,
tinha muitos zumbis juntos. O xerife pegou o cavalo e escapou, entrando
em uma tribo.
Chegando lá, ele viu um japonês, que virou seu amigo. Esse japonês
não tinha onde morar. Lá tinha um monte de pessoas, então, o xerife achou
um lugar para eles morarem.
O xerife arrumou uma mulher e teve um filho.
Nossa turma!
5º ano “E”
Juan e Raí Beatriz e Maria Myllena
Michele e Anna Camilly Ítalo e Ivan
Roberto, Guilherme M., Guilherme D. e Carlos Luís Felipe e Vinícius
Juan e Raí
João Paulo e BrayanGabriel e Daniel
Priscielle e JoyceGeovanna e Isabelle

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conto de suspense e atividade.
Conto  de suspense e  atividade.Conto  de suspense e  atividade.
Conto de suspense e atividade.
Mary Alvarenga
 
Avaliação de Língua Portuguesa
Avaliação de Língua Portuguesa  Avaliação de Língua Portuguesa
Avaliação de Língua Portuguesa
Maria Élia David de Assis Ferreira
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos errosAtividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Mary Alvarenga
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
SimoneHelenDrumond
 
Atividade ortográfica - caçando erros
Atividade ortográfica - caçando erros Atividade ortográfica - caçando erros
Atividade ortográfica - caçando erros
Mary Alvarenga
 
Aleluia de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da música
Aleluia  de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da músicaAleluia  de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da música
Aleluia de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da música
Mary Alvarenga
 
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinhoInterpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
Rose Tavares
 
Multiplicação adição de parcelas iguais
Multiplicação   adição de parcelas iguaisMultiplicação   adição de parcelas iguais
Multiplicação adição de parcelas iguais
Crescendo EAprendendo
 
Sequência didática poemas
Sequência didática poemasSequência didática poemas
Sequência didática poemas
Dário Reis
 
Problematizando - Quanto é o troco?
Problematizando   - Quanto é o troco? Problematizando   - Quanto é o troco?
Problematizando - Quanto é o troco?
Mary Alvarenga
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Mary Alvarenga
 
5° ano relatorios
5° ano relatorios5° ano relatorios
5° ano relatorios
Lucas Kaaio
 
Caça palavras - Bullying
Caça palavras - BullyingCaça palavras - Bullying
Caça palavras - Bullying
Mary Alvarenga
 
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de AlfabetizaçãoApostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
Iolanda Sá
 
Atividades para o maternal
Atividades para o maternalAtividades para o maternal
Atividades para o maternal
Ana Carolina Nascimento
 
Era uma Vez - Kell Smith - Análise e entendimento da música
Era uma Vez - Kell Smith - Análise e entendimento da músicaEra uma Vez - Kell Smith - Análise e entendimento da música
Era uma Vez - Kell Smith - Análise e entendimento da música
Mary Alvarenga
 
Avaliação de Matematica 2º ano
Avaliação de Matematica 2º anoAvaliação de Matematica 2º ano
Avaliação de Matematica 2º ano
Maria Élia David de Assis Ferreira
 
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemáticaParecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
SimoneHelenDrumond
 
Avaliação do 4º ano de Ens Religioso
Avaliação do 4º ano de Ens ReligiosoAvaliação do 4º ano de Ens Religioso
Avaliação do 4º ano de Ens Religioso
Lúcia Maia
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
Roseanne Funchal Olivieira
 

Mais procurados (20)

Conto de suspense e atividade.
Conto  de suspense e  atividade.Conto  de suspense e  atividade.
Conto de suspense e atividade.
 
Avaliação de Língua Portuguesa
Avaliação de Língua Portuguesa  Avaliação de Língua Portuguesa
Avaliação de Língua Portuguesa
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos errosAtividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
 
Atividade ortográfica - caçando erros
Atividade ortográfica - caçando erros Atividade ortográfica - caçando erros
Atividade ortográfica - caçando erros
 
Aleluia de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da música
Aleluia  de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da músicaAleluia  de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da música
Aleluia de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da música
 
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinhoInterpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
 
Multiplicação adição de parcelas iguais
Multiplicação   adição de parcelas iguaisMultiplicação   adição de parcelas iguais
Multiplicação adição de parcelas iguais
 
Sequência didática poemas
Sequência didática poemasSequência didática poemas
Sequência didática poemas
 
Problematizando - Quanto é o troco?
Problematizando   - Quanto é o troco? Problematizando   - Quanto é o troco?
Problematizando - Quanto é o troco?
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
 
5° ano relatorios
5° ano relatorios5° ano relatorios
5° ano relatorios
 
Caça palavras - Bullying
Caça palavras - BullyingCaça palavras - Bullying
Caça palavras - Bullying
 
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de AlfabetizaçãoApostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
 
Atividades para o maternal
Atividades para o maternalAtividades para o maternal
Atividades para o maternal
 
Era uma Vez - Kell Smith - Análise e entendimento da música
Era uma Vez - Kell Smith - Análise e entendimento da músicaEra uma Vez - Kell Smith - Análise e entendimento da música
Era uma Vez - Kell Smith - Análise e entendimento da música
 
Avaliação de Matematica 2º ano
Avaliação de Matematica 2º anoAvaliação de Matematica 2º ano
Avaliação de Matematica 2º ano
 
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemáticaParecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
 
Avaliação do 4º ano de Ens Religioso
Avaliação do 4º ano de Ens ReligiosoAvaliação do 4º ano de Ens Religioso
Avaliação do 4º ano de Ens Religioso
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 

Semelhante a Livro - Contos de terror - 5º ano "E"

Livrinho 4ªF
Livrinho 4ªFLivrinho 4ªF
Livrinho 4ªF
EMEBJuca2
 
Histórias que a 5ª D conta
Histórias que a 5ª D conta  Histórias que a 5ª D conta
Histórias que a 5ª D conta
enir.ester
 
Livrinho 4ª J
Livrinho 4ª JLivrinho 4ª J
Livrinho 4ª J
EMEBJuca2
 
Projeto contos de arrepiar...
Projeto contos de arrepiar...Projeto contos de arrepiar...
Projeto contos de arrepiar...
andrea
 
Apresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º ciclo
Apresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º cicloApresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º ciclo
Apresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º ciclo
Biblioteca Soares Dos Reis
 
Contos2.individual
Contos2.individualContos2.individual
Contos2.individual
Edson Demarch
 
Fichaivo
FichaivoFichaivo
Fichaivo
Silvina1
 
1 as lembranças da guerra
1  as lembranças da guerra1  as lembranças da guerra
1 as lembranças da guerra
ahelenadutra
 
AplicaçãOalunomonitor
AplicaçãOalunomonitorAplicaçãOalunomonitor
AplicaçãOalunomonitor
Ana Maria Pomarino Monasterios
 
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Claudia Valério
 
Contando Histórias
Contando HistóriasContando Histórias
Contando Histórias
Cassiano Santana
 
Histórias em família
Histórias em famíliaHistórias em família
Histórias em família
Marcia Neves
 
Contando Histórias
Contando HistóriasContando Histórias
Contando Histórias
Cassiano Santana
 
Várias histórias
Várias histórias   Várias histórias
Várias histórias
ProfaJosi
 
Textos dos alunos novembro-2013
Textos dos alunos novembro-2013Textos dos alunos novembro-2013
Textos dos alunos novembro-2013
Escola Nelso Alquieri
 
Livrinho 4ªG
Livrinho 4ªGLivrinho 4ªG
Livrinho 4ªG
EMEBJuca2
 
O jogo do copo1
O jogo do copo1O jogo do copo1
O jogo do copo1
Ricardo Rodrigues
 
Uma Aventura
Uma AventuraUma Aventura
Uma Aventura
Diogo Proença
 
Labir5
Labir5Labir5
Os contos do 5.º E
Os contos  do 5.º EOs contos  do 5.º E
Os contos do 5.º E
cristinapedrogao
 

Semelhante a Livro - Contos de terror - 5º ano "E" (20)

Livrinho 4ªF
Livrinho 4ªFLivrinho 4ªF
Livrinho 4ªF
 
Histórias que a 5ª D conta
Histórias que a 5ª D conta  Histórias que a 5ª D conta
Histórias que a 5ª D conta
 
Livrinho 4ª J
Livrinho 4ª JLivrinho 4ª J
Livrinho 4ª J
 
Projeto contos de arrepiar...
Projeto contos de arrepiar...Projeto contos de arrepiar...
Projeto contos de arrepiar...
 
Apresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º ciclo
Apresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º cicloApresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º ciclo
Apresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º ciclo
 
Contos2.individual
Contos2.individualContos2.individual
Contos2.individual
 
Fichaivo
FichaivoFichaivo
Fichaivo
 
1 as lembranças da guerra
1  as lembranças da guerra1  as lembranças da guerra
1 as lembranças da guerra
 
AplicaçãOalunomonitor
AplicaçãOalunomonitorAplicaçãOalunomonitor
AplicaçãOalunomonitor
 
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
 
Contando Histórias
Contando HistóriasContando Histórias
Contando Histórias
 
Histórias em família
Histórias em famíliaHistórias em família
Histórias em família
 
Contando Histórias
Contando HistóriasContando Histórias
Contando Histórias
 
Várias histórias
Várias histórias   Várias histórias
Várias histórias
 
Textos dos alunos novembro-2013
Textos dos alunos novembro-2013Textos dos alunos novembro-2013
Textos dos alunos novembro-2013
 
Livrinho 4ªG
Livrinho 4ªGLivrinho 4ªG
Livrinho 4ªG
 
O jogo do copo1
O jogo do copo1O jogo do copo1
O jogo do copo1
 
Uma Aventura
Uma AventuraUma Aventura
Uma Aventura
 
Labir5
Labir5Labir5
Labir5
 
Os contos do 5.º E
Os contos  do 5.º EOs contos  do 5.º E
Os contos do 5.º E
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 

Livro - Contos de terror - 5º ano "E"

  • 1. 5º ano - “E”
  • 2. Autores e ilustradores dos contos de terror: Alunos da rede pública de ensino da cidade de Brazlândia – DF. Organizador: Professor Guilherme Leão. Colaboradores: Professora Sheley Corrêa e Gustavo Inácio. Ano: 2015.
  • 3. Apresentação Os contos e ilustrações da tipologia de terror foram escritos por uma turma de vinte e dois alunos, com idades entre nove a doze anos, que se encontram no 5º ano do Ensino Fundamental. A produção dessas histórias aconteceu na Escola Classe 01 de Brazlândia, por meio de uma oficina, sob a orientação do professor regente Guilherme Leão. A oficina foi dividida em vários momentos: primeiramente, realizou-se uma roda para leitura e discussão acerca dos contos de terror e assombração; conversa sobre os medos dos alunos, visando a superação; explanação e identificação das principais características do gênero conto; propiciando, em duplas e grupos, a criação, ilustração e leitura de um conto de terror. A temática foi de grande valia para os alunos e a turma apresentou-se bastante interessada e participativa em todas as atividades propostas.
  • 4. A morte corrupta Brayan Robson e João Paulo Era uma vez, em uma cidade sombria, uma menina chamada Ana. Um dia, ocorreu um tiroteio entre policiais e bandidos e ela estava atrás do seu pai, que era policial. Um bandido atirou e Ana se arremessou na frente do seu pai, para que a bala não acertasse nele, mas acertou a cabeça de Ana. O pai de Ana sobreviveu, mas nunca mais conseguiu andar, por causa do tiro. Na mesma noite, ela estava com uma boneca na mão. No dia seguinte, no enterro de Ana, a mãe dela que se chamava Ana Alice, pediu para que enterrasse a boneca junto com Ana. No ano seguinte, no dia do aniversário de Ana, a alma dela entrou para dentro da boneca, que ganhou vida e ela sentiu raiva dos bandidos que fizeram seu pai nunca
  • 5. mais andar. Ela foi atrás dos bandidos que atiraram no pai dela e um deles se chamava: Jack, o maior bandido da cidade. Ana foi até a cozinha de sua casa, pegou uma faca e matou todos os bandidos, principalmente o Jack. Ela o matou enfiando a faca dentro de um dos olhos e saiu rasgando o corpo inteiro de Jack. E ela ficou conhecida como:
  • 6. O lobisomem ataca na Transilvânia Raí de Moura e Juan Henrique Em 1984, um homem chamado Jack foi mordido por um lobisomem, em uma floresta sombria na cidade de Transilvânia. Após a sua mordida, no primeiro dia às 00:00, ele se tornou um lobisomem, e atacou a cidade de Transilvânia. Ás 7:30 da manhã, ele voltou a ser o Jack, e foi para a sua casa simples no morro de Transilvânia. Sete dias depois, tornou a voltar a lua cheia e no centro da cidade, Jack, o lobisomem, se encontrou com o lobisomem que tinha mordido ele. E Jack falou para o lobisomem tirar o efeito do sangue de lobisomem dele. E o lobisomem falou: - Não, enquanto você não ganhar de mim.
  • 7. E Jack falou: - Vamos começar a luta. E Jack falou novamente: - Eu brigo pela cura e você briga pela minha morte. Depois de 7 horas e meia, Jack conseguiu a sua cura e voltou para sua casa simples no morro de Transilvânia.
  • 8. A boneca assassina Joyce Cristina e Priscielle Antunes Era uma vez, uma linda família que queria se mudar. Aí eles encontraram uma casa abandonada. Eles decidiram ficar lá. Passou um dia, eles estavam arrumando a casa, e a filha Keiseane achou uma boneca. Mas só que ela não sabia que a boneca era assassina. Passaram alguns dias, a menina estava dormindo e a boneca pegou uma faca para matar ela. Ela começou a gritar. Os pais foram correndo para ver o que tinha acontecido e eles viram que a filha estava morta. Eles a enterraram no quintal. No outro dia, a família ficou assustada, porque a menina ressuscitou e começou a falar: - Vou matar vocês.
  • 9. Ela estava com uma faca para matar todo mundo. E a menina continuou lá com a maldade da boneca. Ela jurou que quem fosse lá, ia morrer.
  • 10. A rua assombrada Geovanna Barbosa e Isabelle Vitória Era uma vez, duas amigas. Um dia, a Isabelle chamou a Geovanna para andar de skate a noite, era umas 23:30. Elas estavam terminando de se arrumar. Geovanna foi chamar a Isabelle. Elas saíram da rua onde moravam e tinham que passar por uma outra rua que não tinha luz, para elas chegarem mais rápido. Essa rua era assombrada e foi construída em cima de um cemitério. Elas estavam morrendo de medo, mas para elas chegarem mais rápido, tinham que passar por essa rua. Elas foram passando, mas não sabiam, que nessa rua, toda meia noite, os espíritos se levantavam do caixão e chegavam na lanchonete para comer X-Bomba e tomar refrigerante.
  • 11. Quando Geovanna viu no celular, já era 00:30. Enquanto isso, Isabelle viu um vulto preto atrás de uma árvore e começou a gritar. Ai Geovanna disse: - Que foi Isabelle? E Isabelle falou: - Olha lá atrás daquela árvore! Geovanna olhou e não viu nada. Elas como eram muito atrevidas, foram chegando mais perto. E quando viram o vulto, saíram gritando. Quando se viraram, perceberam que não tinham mais saída e as casas eram todas assombradas. O espírito que estava atrás da árvore, foi chegando mais perto e falou: - Chegou o dia de vocês morrerem. E ele as enterrou vivas. A mãe das duas meninas ficaram muito preocupadas, pois já era 6:50 da manhã. Chamaram a polícia, pois já tinham dois dias que suas filham tinham sumido. As mães já tinham perdido as esperanças de encontrá-las e pararam com as buscas, pois já fazia uma semana que estavam procurando elas. E as duas nunca mais foram achadas.
  • 12. Infecção Zumbi Carlos Fernando, Guilherme Dias, Guilherme Marthym e Roberto Pereira. Um certo dia na CAESB, uma menina foi a um passeio. Ela entrou no laboratório e derramou um produto tóxico no encanamento da Escola Classe de 01 de Brazlândia. Todos os alunos e professores foram infectados, virando Zumbis, menos quatro meninos, que se chamavam Guilherme Dias, Roberto, Carlos e Guilherme Marthym. No dia da contaminação, eles não tinham ido para a escola. Então, produziram uma cura para esse problema, que foi colocado em algumas armas. Esses meninos subiram no telhado da escola e começaram a dar tiros em todas as pessoas contaminadas. Mas isso não estava dando certo. Então, tiveram a ideia de colocar a cura dentro de garrafinhas de água. Assim, jogaram a fórmula nos Zumbis e todos viraram ao normal.
  • 13. A maldição de Tomyy Luís Felipe e Vinícius Santos Era uma vez, um menino chamado Tomyy. Ele era excluído e sentia muito medo do Fredyy e do Foxy pesadelos. Os únicos amigos de Tomyy eram o mini Fredyy e o mini Foxy. Quando ele foi dormir, ele ouviu um barulho e foi ver o que era. Ele pegou uma lanterna e foi lá. Quando ele chegou, viu os pesadelos Fredyy e Foxy. E Tomyy vendo aquilo, correu para o quarto. Chegando lá, ele tentou trancar a porta, mas a porta só ficava encostada (fechava, mas depois abria). Foxy se escondeu dentro do armário e Fredyy estava tentando abrir a porta do quarto. Tomyy teve que fechar a porta do quarto e do armário, mas nenhuma das duas fechava.
  • 14. Os monstros ficaram lá até as 06:00 da manhã. Aí apareceram o mini Fredyy e o mini Foxy e com isso, Tomyy descobriu que os pesadelos eram os seus amigos. Eles contaram que Tomyy estava em coma e quem fez isso, foi o Fredyy, mordendo a sua cabeça e tirando uma parte do seu cérebro. (Status de vida do Tomyy: ). A alma de Tomyy estava condenada a ficar presa dentro do Fredyy. E ele teve que matar crianças para se libertar da maldição.
  • 15. O Simut e o tesouro Beatriz Queiroz e Maria Myllena Era uma vez, um faraó, que se chamava Hanamut. Ele era o mais poderoso do Egito e tinha o tesouro mais desejado de todo o planeta. O tesouro ficava dentro do quarto do faraó. E o servo Simut roubou o tesouro do grande Hanamut e fugiu para baixo Egito. O faraó descobriu que o tesouro foi roubado e fez um decreto para que se revirasse o palácio e a vila dos hebreus, porém não encontrou. Ele retornou a fazer outro decreto, que iria buscar o tesouro no baixo Egito. Ele descobriu que foi o Simut, porque não notou a sua presença. Os guardas encontraram o tesouro com o Simut, então levaram ele para o alto Egito. O faraó mandou o castigo pior de morte, que era ser enforcado.
  • 16. Depois de muito tempo, houve uma guerra e o palácio foi invadido pelos inimigos. Eles mataram o faraó e tomaram o seu reino. Esse novo rei era muito severo e então, mandou matar os egípcios do antigo reino.
  • 17. A morte do casal Ítalo Alves e Ivan Lucas Um dia, tinha um cara forte que estava interessado em uma mulher bonita. Ela já tinha terminado com um traficante, que ameaçou esquartejar o próximo que se interessasse, namorasse ou cassasse com ela. Depois das ameaças, ele sumiu. Ela foi assistir uma luta com o seu sobrinho. Ai entrou o lutador Naconda e ela se interessou, mas lembrou das ameaças e ficou triste, porquê se namorasse, ele iria morrer. No entanto, ela sabia que seu ex-namorado havia sumido. Então, começou a namorar o lutador. Porém, o traficante voltou. E ele viu a sua mulher com o lutador e jurou matar os dois.
  • 18. No dia seguinte, ela teve um filho. Quando chegou em casa com o lutador e o filho, ficaram surpresos com a presença do traficante. Ele sacou a arma e matou os três. Ele foi preso na prisão de Alcatraz, tentou fugiu de lá e caiu no mar, onde foi comido por um tubarão branco.
  • 19. O mistério do assassinato Daniel Gonçalves e Gabriel Sobrinho No dia dez de agosto, dois dias depois da morte da minha mãe, eu ainda pequeno, com 09 anos, tinha achado pistas sobre quem poderia ser o assassino dela. As pistas levavam a uma casa, que diziam que era assombrada pela morte. Já que estava escuro, fui para casa dormir. No dia seguinte, eu tomei coragem e fui. Cheguei lá e a casa era enorme. Quando entrei, as portas bateram e não consegui sair. Falei pra mim mesmo: - Eu acho que a morte quer que eu resolva este problema da minha mãe, por isso que me trancou.
  • 20. Então, resolvi reler as pistas e descobri que tinha que ir ao segundo andar. Então as luzes se acenderam e vi um elevador, mas quando fui entrar, estava cheio de aranhas. Então, fui pelas escadas. Quando cheguei lá, achei um rastro de sangue e ele me levava a uma janela. Tentei abrir, mas não consegui. Tinha um órgão e um papel em cima dele. O papel falava que eu tinha que ir ao terceiro andar e subir a escada. Quando fiz isso, vi o assassino da minha mãe. Corri atrás dele e finalmente conseguir pegar ele. E descobri que era o meu pai. Então, eu acordei no meu quarto gritando e foi ai que descobri, que tinha acontecido só um sonho.
  • 21. The Walking Dead Anna Camilly e Michele Damasceno Era uma vez, Anna e Michele e elas estavam assistindo “The Walking Dead”. Na primeira temporada, o delegado viu uma zumbi. Ela era loira e estava com um ursinho. Ele deu quatro tiros nela. Logo depois, ele levou um tiro, foi para o hospital e ficou desacordado por um ano. E quando ele acordou, ainda meio tonto, viu a cidade cheia de zumbis e quase foi mordido por um deles. Mas, ele viu um homem com seu filho e pediu ajuda. O homem perguntou: - Você foi arranhado? E o xerife disse: - Não, levei um tiro.
  • 22. O homem levou o xerife para sua casa e cuidou dele. Mas, o homem foi embora, e o xerife teve que sair da casa. Ele saiu e andou muito. Lá na frente, ele parou e foi pedir uma água, mas dentro da casa só tinha pessoas mortas. Nisso, ele viu um cavalo no pasto, selou e foi. Mas, lá na frente, tinha muitos zumbis juntos. O xerife pegou o cavalo e escapou, entrando em uma tribo. Chegando lá, ele viu um japonês, que virou seu amigo. Esse japonês não tinha onde morar. Lá tinha um monte de pessoas, então, o xerife achou um lugar para eles morarem. O xerife arrumou uma mulher e teve um filho.
  • 24. Juan e Raí Beatriz e Maria Myllena
  • 25. Michele e Anna Camilly Ítalo e Ivan
  • 26. Roberto, Guilherme M., Guilherme D. e Carlos Luís Felipe e Vinícius Juan e Raí
  • 27. João Paulo e BrayanGabriel e Daniel