SlideShare uma empresa Scribd logo
LITERATURA PERIFÉRICA
NA SALA DE AULA
LITERATURA MARGINAL
 Na Literatura Marginal encontramos traços da
oralidade misturados a termos de linguagem culta.
Incorreções, sintáticas ou de pontuação. Selo
editorial desconhecido.
 Porém, na atualidade, especialistas o elogiam como
donos de um estilo literário próprio e relevante?
 Essa Literatura já tem alguns autores importantes e
talentosos, como:
 Ferrez;
 Sergio Vaz;
 Sacolinha;
 Alan da Rosa;
 Dinha e
 Rose da Coperifa.
  ORIGEM DOS AUTORES
  TEMÁTICA ABORDADA
 Este movimento reúne autores que têm berço nas periferias
brasileiras, escrevem sobre temáticas diversas e se mantêm
distantes das normas cultas propositalmente.
 Cátia Cernov, no recém-lançado Amazônia em Chamas, por
exemplo, reúne contos sobre ecologia. Rodrigo Ciríaco, em
Te Pego Lá Fora, aborda o cotidiano escolar. Heloisa explica
que, no início de carreira, os escritores marginais tendem a
falar mais sobre sua realidade, a respeito do "próprio CEP",
como eles mesmos definem. Mas muitos abordam outros
temas depois.
CARACTERÍSTICA DA LITERATURA MARGINAL
A literatura marginal tem como característica a
pluralidade.
Ela não deve ser, por exemplo, tachada simplesmente
de violenta ou de retrato da pobreza e da
marginalidade, como costuma ocorrer. Esses temas
fazem parte de seu repertório, mas não são os únicos.
 Ao promover o estudo de produções marginais, o
professor tende a despertar o interesse dos alunos pelo
hábito da leitura e amplia o repertório deles de várias
maneiras .
 A razão é o contato com os variados gêneros textuais
marcados por temáticas geralmente cotidianas e com
linguagem coloquial. Somam-se a isso termos e
construções textuais diversificados e às vezes mais
palatáveis e autores que não estão no panteão culto,
aproximando a relação entre quem escreve e quem lê.
 Os alunos podem não perceber a função dos objetos
de mediação usados pelo autor, como palavrões e
distorções da realidade, e acabar rejeitando a obra.
Ou, no extremo oposto, ainda ignorando a mediação,
se identificar em demasia com ela e passar a fazer
apologia descabida ao material.
 É preciso ajudar os estudantes a comparar produções
de naturezas diversas. Não com o intuito de mostrar
como uma é inferior à outra, mas para que entendam
como e por que diferentes grupos interpretam e
registram questões muito semelhantes. E, é claro,
para se despir de todos os preconceitos.
 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
 Cultura Letrada - Literatura e Leitura, Márcia
Abreu, 128 págs., Ed. Unesp, tel. (11) 3242-7171, 15
reais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Literatura Surda Imagens Textos
Literatura Surda Imagens TextosLiteratura Surda Imagens Textos
Literatura Surda Imagens Textos
asustecnologia
 
A plurissignificação da linguagem literária
A plurissignificação da linguagem literáriaA plurissignificação da linguagem literária
A plurissignificação da linguagem literária
Evilane Alves
 
Teoria Da Literatura
Teoria Da LiteraturaTeoria Da Literatura
Teoria Da Literatura
Crys Bastos
 

Mais procurados (17)

Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro" Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro"
 
Literatura Brasileira Academ X Moder
Literatura Brasileira Academ X ModerLiteratura Brasileira Academ X Moder
Literatura Brasileira Academ X Moder
 
Literatura Surda Imagens Textos
Literatura Surda Imagens TextosLiteratura Surda Imagens Textos
Literatura Surda Imagens Textos
 
Oficina 02 – gêneros textuais
Oficina 02 – gêneros textuaisOficina 02 – gêneros textuais
Oficina 02 – gêneros textuais
 
Ideia 1 de planilha de avaliação
Ideia 1 de planilha de avaliaçãoIdeia 1 de planilha de avaliação
Ideia 1 de planilha de avaliação
 
Aula gêneros textuais
Aula gêneros textuaisAula gêneros textuais
Aula gêneros textuais
 
Literatura Surda
Literatura SurdaLiteratura Surda
Literatura Surda
 
Arte e literatura
Arte e literaturaArte e literatura
Arte e literatura
 
A plurissignificação da linguagem literária
A plurissignificação da linguagem literáriaA plurissignificação da linguagem literária
A plurissignificação da linguagem literária
 
2 oralidade e letramento
2 oralidade e letramento2 oralidade e letramento
2 oralidade e letramento
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
O que é literatura?
O que é literatura?O que é literatura?
O que é literatura?
 
CULTURA DE CORDEL_A MULTIPLICIDADE E O SINGULAR
CULTURA DE CORDEL_A MULTIPLICIDADE E O SINGULARCULTURA DE CORDEL_A MULTIPLICIDADE E O SINGULAR
CULTURA DE CORDEL_A MULTIPLICIDADE E O SINGULAR
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Teoria Da Literatura
Teoria Da LiteraturaTeoria Da Literatura
Teoria Da Literatura
 
Projeto cordel em sala de aula
Projeto cordel em sala de aulaProjeto cordel em sala de aula
Projeto cordel em sala de aula
 
Guia de aprendizagem 3a unid out 2017
Guia de aprendizagem 3a unid out 2017Guia de aprendizagem 3a unid out 2017
Guia de aprendizagem 3a unid out 2017
 

Destaque (8)

Sequencia didática literatura marginal
Sequencia didática literatura marginalSequencia didática literatura marginal
Sequencia didática literatura marginal
 
Chacal e a poesia marginal
Chacal e a poesia marginalChacal e a poesia marginal
Chacal e a poesia marginal
 
A Poesia Marginal
A Poesia MarginalA Poesia Marginal
A Poesia Marginal
 
Literatura marginal
Literatura marginalLiteratura marginal
Literatura marginal
 
O que é literatura marginal
O que é literatura marginalO que é literatura marginal
O que é literatura marginal
 
Literatura oral e tradicional
Literatura oral e tradicionalLiteratura oral e tradicional
Literatura oral e tradicional
 
poesia marginal pps
poesia marginal ppspoesia marginal pps
poesia marginal pps
 
2.literatura oral e_tradicional_tipologia
2.literatura oral e_tradicional_tipologia2.literatura oral e_tradicional_tipologia
2.literatura oral e_tradicional_tipologia
 

Semelhante a Literatura marginal

Modulo 1 conhecendo a literatura pronto
Modulo 1 conhecendo a literatura prontoModulo 1 conhecendo a literatura pronto
Modulo 1 conhecendo a literatura pronto
stuff5678
 
MÓDULO 1 conhecendo a literatura pronto
MÓDULO  1 conhecendo a literatura prontoMÓDULO  1 conhecendo a literatura pronto
MÓDULO 1 conhecendo a literatura pronto
Priscila Santana
 
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e HeterônimosApresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Felipe De Souza Costa
 
F ormação de março RMD- LIteratura
F ormação de março  RMD- LIteraturaF ormação de março  RMD- LIteratura
F ormação de março RMD- LIteratura
Karen Kampa
 
F ormação de março rmd
F ormação de março  rmdF ormação de março  rmd
F ormação de março rmd
Karen Kampa
 

Semelhante a Literatura marginal (20)

PROJETO DE ESTÁGIO II LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marc...
PROJETO DE ESTÁGIO II        LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marc...PROJETO DE ESTÁGIO II        LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marc...
PROJETO DE ESTÁGIO II LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marc...
 
LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição...
LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição...LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição...
LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição...
 
81
8181
81
 
Modulo 1 conhecendo a literatura pronto
Modulo 1 conhecendo a literatura prontoModulo 1 conhecendo a literatura pronto
Modulo 1 conhecendo a literatura pronto
 
MÓDULO 1 conhecendo a literatura pronto
MÓDULO  1 conhecendo a literatura prontoMÓDULO  1 conhecendo a literatura pronto
MÓDULO 1 conhecendo a literatura pronto
 
Abordagem dos-classicos-no-ensino-de-literatura
Abordagem dos-classicos-no-ensino-de-literaturaAbordagem dos-classicos-no-ensino-de-literatura
Abordagem dos-classicos-no-ensino-de-literatura
 
A variação Linguística na Obra Dona Guidinha do Poço,de Manuel de Oliveira P...
A variação Linguística na Obra Dona Guidinha do Poço,de Manuel de Oliveira  P...A variação Linguística na Obra Dona Guidinha do Poço,de Manuel de Oliveira  P...
A variação Linguística na Obra Dona Guidinha do Poço,de Manuel de Oliveira P...
 
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e HeterônimosApresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
 
IV Simpósio Internacional sobre Literatura Brasileira Contemporânea: autoria,...
IV Simpósio Internacional sobre Literatura Brasileira Contemporânea: autoria,...IV Simpósio Internacional sobre Literatura Brasileira Contemporânea: autoria,...
IV Simpósio Internacional sobre Literatura Brasileira Contemporânea: autoria,...
 
Guia de aprendizagem 3a unid out 2017
Guia de aprendizagem 3a unid out 2017Guia de aprendizagem 3a unid out 2017
Guia de aprendizagem 3a unid out 2017
 
Tessituras
TessiturasTessituras
Tessituras
 
Ler a áfrica para compreender o mundo
Ler a áfrica para compreender o mundoLer a áfrica para compreender o mundo
Ler a áfrica para compreender o mundo
 
Mito 7 - Marcos Bagno
Mito 7 - Marcos BagnoMito 7 - Marcos Bagno
Mito 7 - Marcos Bagno
 
Guia de aprendizagem Português Interdisciplinar 2017
Guia de aprendizagem Português Interdisciplinar 2017Guia de aprendizagem Português Interdisciplinar 2017
Guia de aprendizagem Português Interdisciplinar 2017
 
A literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do GloboA literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do Globo
 
F ormação de março RMD- LIteratura
F ormação de março  RMD- LIteraturaF ormação de março  RMD- LIteratura
F ormação de março RMD- LIteratura
 
F ormação de março rmd
F ormação de março  rmdF ormação de março  rmd
F ormação de março rmd
 
Texto Tradicional
Texto TradicionalTexto Tradicional
Texto Tradicional
 
Língua, Literatura e Ensino
Língua, Literatura e EnsinoLíngua, Literatura e Ensino
Língua, Literatura e Ensino
 
O QUE É APRENDER E ENSINAR LITERATURA HOJE?
O QUE É APRENDER E ENSINAR LITERATURA HOJE?O QUE É APRENDER E ENSINAR LITERATURA HOJE?
O QUE É APRENDER E ENSINAR LITERATURA HOJE?
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
ESCRIBA DE CRISTO
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 

Literatura marginal

  • 2. LITERATURA MARGINAL  Na Literatura Marginal encontramos traços da oralidade misturados a termos de linguagem culta. Incorreções, sintáticas ou de pontuação. Selo editorial desconhecido.  Porém, na atualidade, especialistas o elogiam como donos de um estilo literário próprio e relevante?
  • 3.  Essa Literatura já tem alguns autores importantes e talentosos, como:  Ferrez;  Sergio Vaz;  Sacolinha;  Alan da Rosa;  Dinha e  Rose da Coperifa.
  • 4.   ORIGEM DOS AUTORES   TEMÁTICA ABORDADA  Este movimento reúne autores que têm berço nas periferias brasileiras, escrevem sobre temáticas diversas e se mantêm distantes das normas cultas propositalmente.  Cátia Cernov, no recém-lançado Amazônia em Chamas, por exemplo, reúne contos sobre ecologia. Rodrigo Ciríaco, em Te Pego Lá Fora, aborda o cotidiano escolar. Heloisa explica que, no início de carreira, os escritores marginais tendem a falar mais sobre sua realidade, a respeito do "próprio CEP", como eles mesmos definem. Mas muitos abordam outros temas depois.
  • 5. CARACTERÍSTICA DA LITERATURA MARGINAL A literatura marginal tem como característica a pluralidade. Ela não deve ser, por exemplo, tachada simplesmente de violenta ou de retrato da pobreza e da marginalidade, como costuma ocorrer. Esses temas fazem parte de seu repertório, mas não são os únicos.
  • 6.  Ao promover o estudo de produções marginais, o professor tende a despertar o interesse dos alunos pelo hábito da leitura e amplia o repertório deles de várias maneiras .  A razão é o contato com os variados gêneros textuais marcados por temáticas geralmente cotidianas e com linguagem coloquial. Somam-se a isso termos e construções textuais diversificados e às vezes mais palatáveis e autores que não estão no panteão culto, aproximando a relação entre quem escreve e quem lê.
  • 7.  Os alunos podem não perceber a função dos objetos de mediação usados pelo autor, como palavrões e distorções da realidade, e acabar rejeitando a obra. Ou, no extremo oposto, ainda ignorando a mediação, se identificar em demasia com ela e passar a fazer apologia descabida ao material.  É preciso ajudar os estudantes a comparar produções de naturezas diversas. Não com o intuito de mostrar como uma é inferior à outra, mas para que entendam como e por que diferentes grupos interpretam e registram questões muito semelhantes. E, é claro, para se despir de todos os preconceitos.
  • 8.  REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS  Cultura Letrada - Literatura e Leitura, Márcia Abreu, 128 págs., Ed. Unesp, tel. (11) 3242-7171, 15 reais.