SlideShare uma empresa Scribd logo
O AQUÁRIO

                                                  Texto de Karl Valentin (1908).
                       Traduzido e adaptado por Michael Wilson e Oliver Double.
                                   Tradução do inglês: Tarsila Rubim Battistella.


                Texto extraído dos anexos da dissertação de mestrado “O jovem
                 Brecht e Karl Valentin: a cena cômica na república de Weimar”,
                                           de Roseli Maria Battistella, de 2007, na
                                      Universidade do Estado de Santa Catarina.


          Tendo falado sobre aquários mais cedo – Eu não quero dizer mais
cedo hoje, é claro – mais cedo quando eu morava na Rua Alta (High Street), é
claro, isso seria ridículo, ninguém poderia morar na Rua Alta por causa de to-
dos os bondes – Eu morei nas casas na Rua Alta. Bem, não em todas as ca-
sas, só em uma delas, aquela que está espremida no meio das outras. Prova-
velmente você sabe o que eu quero dizer. E é lá que eu vivia. Bem, não casa
inteira, só no andar térreo, que fica debaixo do primeiro andar e sobre o porão,
e há uma escadaria que sobe para o primeiro andar e também desce novamen-
te. Só que não é a escada que sobe, nós é que subimos as escadas, é só uma
figura de linguagem.


          E eu tinha uma sala de estar lá, onde eu tinha a minha casa. Real-
mente eu tinha a minha cama na sala de estar extra e eu morava no quarto. Na
sala de estar, para o meu próprio prazer, eu tinha um aquário que ficava no
canto e se adequava perfeitamente lá. Eu poderia ter tido um aquário redondo,
mas sobrariam partes no canto. O aquário inteiro não era maior do que isso,
digamos (indica), aqui estão os dois lados de vidro – de fato eles não são mi-
nhas mãos, só estou tentando ilustrar para vocês poderem entender melhor – e
aqui estão os dois lados de vidro, e por baixo está o fundo que segura toda a
água de forma que quando você põe água até o topo ela não vaza pelo fundo.
Se não houvesse nenhum fundo, você poderia colocar dez, vinte ou até mesmo
trinta galões e tudo vazaria.


         É claro que com uma gaiola de pássaros é completamente diferente.
Numa gaiola de pássaros as paredes são bem parecidas com as de um aquá-
rio, só que as paredes de uma gaiola de pássaros não são feitas de vidro, mas
de arame.
É claro que não faria sentido construir um aquário dessa maneira
porque o aquário seria incapaz de segurar a água, ele continuaria deixando a
água vazar pelo arame. Então você vê, tudo é feito de acordo com as leis da
natureza. E então eu tinha um peixe-dourado no aquário e mantinha um pássa-
ro na gaiola, embora recentemente eu tenha feito uma coisa boba. Eu coloquei
o peixe-dourado na gaiola e o canário no aquário. É claro que o peixe-dourado
continuava caindo do poleiro e o canário teria se afogado no aquário se eu não
tivesse colocado tudo de volta ao normal, colocado o pássaro de volta na gaio-
la e o peixe-dourado de volta no aquário, o lugar que pertence a eles.


          E agora o peixe estava nadando alegremente ao redor do aquário,
primeiro na superfície e depois indo para o fundo, quase todos os dias ele na-
daria de uma maneira diferente. Anteontem eu tive um contratempo. Eu percebi
que o peixe precisava de mais água, então eu enchi um balde, mas e aí havia
água demais, e ela estava tão alta (indica) que passou por cima do topo do a-
quário, o que eu só notei no outro dia. Um dos peixes-dourado nadou para fora,
por cima do topo do aquário e caiu no chão, porque no quarto onde está o a-
quário nós temos um chão – e lá estava ele, deitado, mas só depois de ter pa-
rado de cair.


          Agora, o peixe não tinha água no chão porque a não ser no aquário,
não temos água no chão. Então a proprietária disse: –“Você verá, esse peixe
não ficará bem no chão, você deveria acabar com o sofrimento dele”. É claro
que eu não queria que ele sofresse mais do que o necessário, dessa forma eu
pensei que poderia bater nele com um martelo. Porém, eu pensei que poderia
acabar batendo com o martelo em meu dedo polegar e, assim, pensei em dar
um chute nele. Mas se você não der um chute direto, ele acabaria sofrendo a-
inda mais. Então eu tive uma idéia brilhante. Eu disse a mim mesmo: “Vou pe-
gar o peixe, carregá-lo até o rio e dar-lhe um bom e velho afogamento”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A terra conta a sua história os fósseis
A terra conta a sua história   os fósseisA terra conta a sua história   os fósseis
A terra conta a sua história os fósseis
Bárbara Pereira
 
Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)
Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)
Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)
Thay Santos
 
Marin sorescu-iona
Marin sorescu-ionaMarin sorescu-iona
Marin sorescu-iona
Anea Push
 
Exploração da costa africana
Exploração da costa africanaExploração da costa africana
Exploração da costa africana
Maria Gomes
 
áGuia real
áGuia realáGuia real
áGuia real
elsamariana
 
Transportes Marítimos
Transportes MarítimosTransportes Marítimos
Transportes Marítimos
Marta Azevedo
 
A crise na Igreja
A crise na IgrejaA crise na Igreja
A crise na Igreja
cattonia
 
Paleozoico silurico
Paleozoico siluricoPaleozoico silurico
Paleozoico silurico
Bruno Lopes
 
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
Vítor Santos
 
O império holandês e inglês
O império holandês e inglêsO império holandês e inglês
O império holandês e inglês
DiogoChico8c
 
Fenomenos naturais
Fenomenos naturaisFenomenos naturais
Fenomenos naturais
Luiz Amaral
 
Relatório experimental
Relatório experimentalRelatório experimental
Relatório experimental
antoniopedropinheiro
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
Maida Marciano
 

Mais procurados (13)

A terra conta a sua história os fósseis
A terra conta a sua história   os fósseisA terra conta a sua história   os fósseis
A terra conta a sua história os fósseis
 
Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)
Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)
Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)
 
Marin sorescu-iona
Marin sorescu-ionaMarin sorescu-iona
Marin sorescu-iona
 
Exploração da costa africana
Exploração da costa africanaExploração da costa africana
Exploração da costa africana
 
áGuia real
áGuia realáGuia real
áGuia real
 
Transportes Marítimos
Transportes MarítimosTransportes Marítimos
Transportes Marítimos
 
A crise na Igreja
A crise na IgrejaA crise na Igreja
A crise na Igreja
 
Paleozoico silurico
Paleozoico siluricoPaleozoico silurico
Paleozoico silurico
 
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
 
O império holandês e inglês
O império holandês e inglêsO império holandês e inglês
O império holandês e inglês
 
Fenomenos naturais
Fenomenos naturaisFenomenos naturais
Fenomenos naturais
 
Relatório experimental
Relatório experimentalRelatório experimental
Relatório experimental
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 

Destaque

3614972 fisica-pre vestibular-impacto-vetores-decomposicao
3614972 fisica-pre vestibular-impacto-vetores-decomposicao3614972 fisica-pre vestibular-impacto-vetores-decomposicao
3614972 fisica-pre vestibular-impacto-vetores-decomposicao
afpinto
 
Roberto lopes passos
Roberto lopes passosRoberto lopes passos
Roberto lopes passos
nefvitao
 
Jhe
JheJhe
Importante
ImportanteImportante
Importante
Juliana Schuindt
 
caratula
caratulacaratula
Lean Maintenance 2013
Lean Maintenance 2013Lean Maintenance 2013
Lean Maintenance 2013
CLT Valuebased Services
 
Competencia legal
Competencia legalCompetencia legal
Competencia legal
Paulo Ivan Rodrigues Vega
 
Boletim 2013 wesley gonçalves florentino
Boletim 2013   wesley gonçalves florentinoBoletim 2013   wesley gonçalves florentino
Boletim 2013 wesley gonçalves florentino
conexart
 
Distributivo personal 2012
Distributivo personal 2012Distributivo personal 2012
V - Congresso Nacional de Excelência em Gestão
V - Congresso Nacional de Excelência em GestãoV - Congresso Nacional de Excelência em Gestão
V - Congresso Nacional de Excelência em Gestão
Edson Teixeira de Araujo, M.Sc. MBA .´.
 
Lista (4) de exercícios adição e subtração
Lista (4) de exercícios adição e subtraçãoLista (4) de exercícios adição e subtração
Lista (4) de exercícios adição e subtração
Olicio Silva
 
Menus mayo
Menus mayoMenus mayo
Menus mayo
splendini
 
Tpm premios hasta 2013
Tpm premios hasta 2013Tpm premios hasta 2013
Tpm premios hasta 2013
Mantenimiento En Latinoamerica
 
30 sesiones web
30 sesiones web30 sesiones web
30 sesiones web
Jordi Graells
 
Prepara os teus testes intermédios e exames nacionais
Prepara os teus testes intermédios e exames nacionaisPrepara os teus testes intermédios e exames nacionais
Prepara os teus testes intermédios e exames nacionais
EDUCATE
 
Política de segurança – Padrão de regulagem da participação dos internautas
Política de segurança – Padrão de regulagem da participação dos internautas Política de segurança – Padrão de regulagem da participação dos internautas
Política de segurança – Padrão de regulagem da participação dos internautas
Ministério da Saúde
 
Aula 3 distância na reta numérica corrigido
Aula 3 distância na reta numérica corrigidoAula 3 distância na reta numérica corrigido
Aula 3 distância na reta numérica corrigido
Olicio Silva
 
Alfredo keil
Alfredo keilAlfredo keil
Alfredo keil
mariasrt2
 

Destaque (20)

Piramide
PiramidePiramide
Piramide
 
3614972 fisica-pre vestibular-impacto-vetores-decomposicao
3614972 fisica-pre vestibular-impacto-vetores-decomposicao3614972 fisica-pre vestibular-impacto-vetores-decomposicao
3614972 fisica-pre vestibular-impacto-vetores-decomposicao
 
Roberto lopes passos
Roberto lopes passosRoberto lopes passos
Roberto lopes passos
 
Jhe
JheJhe
Jhe
 
Importante
ImportanteImportante
Importante
 
caratula
caratulacaratula
caratula
 
Lean Maintenance 2013
Lean Maintenance 2013Lean Maintenance 2013
Lean Maintenance 2013
 
Competencia legal
Competencia legalCompetencia legal
Competencia legal
 
Boletim 2013 wesley gonçalves florentino
Boletim 2013   wesley gonçalves florentinoBoletim 2013   wesley gonçalves florentino
Boletim 2013 wesley gonçalves florentino
 
Distributivo personal 2012
Distributivo personal 2012Distributivo personal 2012
Distributivo personal 2012
 
V - Congresso Nacional de Excelência em Gestão
V - Congresso Nacional de Excelência em GestãoV - Congresso Nacional de Excelência em Gestão
V - Congresso Nacional de Excelência em Gestão
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Lista (4) de exercícios adição e subtração
Lista (4) de exercícios adição e subtraçãoLista (4) de exercícios adição e subtração
Lista (4) de exercícios adição e subtração
 
Menus mayo
Menus mayoMenus mayo
Menus mayo
 
Tpm premios hasta 2013
Tpm premios hasta 2013Tpm premios hasta 2013
Tpm premios hasta 2013
 
30 sesiones web
30 sesiones web30 sesiones web
30 sesiones web
 
Prepara os teus testes intermédios e exames nacionais
Prepara os teus testes intermédios e exames nacionaisPrepara os teus testes intermédios e exames nacionais
Prepara os teus testes intermédios e exames nacionais
 
Política de segurança – Padrão de regulagem da participação dos internautas
Política de segurança – Padrão de regulagem da participação dos internautas Política de segurança – Padrão de regulagem da participação dos internautas
Política de segurança – Padrão de regulagem da participação dos internautas
 
Aula 3 distância na reta numérica corrigido
Aula 3 distância na reta numérica corrigidoAula 3 distância na reta numérica corrigido
Aula 3 distância na reta numérica corrigido
 
Alfredo keil
Alfredo keilAlfredo keil
Alfredo keil
 

Semelhante a Karl valenti-o-aguário

O peixinho que descobriu o mar
O peixinho que descobriu o marO peixinho que descobriu o mar
O peixinho que descobriu o mar
Ana Paz
 
O Peixinho Que Descobriu O Mar
O Peixinho Que Descobriu O MarO Peixinho Que Descobriu O Mar
O Peixinho Que Descobriu O Mar
Cristina Leão Braga da Cruz
 
Charles berlitz o triângulo das bermudas-parte2
Charles berlitz   o triângulo das bermudas-parte2Charles berlitz   o triângulo das bermudas-parte2
Charles berlitz o triângulo das bermudas-parte2
Ariovaldo Cunha
 
O jardim
O jardimO jardim
A pequena sereia
A pequena sereiaA pequena sereia
A pequena sereia
labneusa
 
a-Ilha-Do-Tesouro.pdf
a-Ilha-Do-Tesouro.pdfa-Ilha-Do-Tesouro.pdf
a-Ilha-Do-Tesouro.pdf
ValterCarvalho24
 

Semelhante a Karl valenti-o-aguário (6)

O peixinho que descobriu o mar
O peixinho que descobriu o marO peixinho que descobriu o mar
O peixinho que descobriu o mar
 
O Peixinho Que Descobriu O Mar
O Peixinho Que Descobriu O MarO Peixinho Que Descobriu O Mar
O Peixinho Que Descobriu O Mar
 
Charles berlitz o triângulo das bermudas-parte2
Charles berlitz   o triângulo das bermudas-parte2Charles berlitz   o triângulo das bermudas-parte2
Charles berlitz o triângulo das bermudas-parte2
 
O jardim
O jardimO jardim
O jardim
 
A pequena sereia
A pequena sereiaA pequena sereia
A pequena sereia
 
a-Ilha-Do-Tesouro.pdf
a-Ilha-Do-Tesouro.pdfa-Ilha-Do-Tesouro.pdf
a-Ilha-Do-Tesouro.pdf
 

Mais de studio silvio selva

Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de BauruLei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
studio silvio selva
 
Cenotécnicos do Brasil
Cenotécnicos do BrasilCenotécnicos do Brasil
Cenotécnicos do Brasil
studio silvio selva
 
Vamos sair da chuva quando a bomba cair mario bortolotto
Vamos sair da chuva quando a bomba cair  mario bortolotto Vamos sair da chuva quando a bomba cair  mario bortolotto
Vamos sair da chuva quando a bomba cair mario bortolotto
studio silvio selva
 
Gabriel garcia marques ninguém escreve ao coronel
Gabriel garcia marques   ninguém escreve ao coronelGabriel garcia marques   ninguém escreve ao coronel
Gabriel garcia marques ninguém escreve ao coronel
studio silvio selva
 
As alegres matronas de windsor W. Shakespeare
As alegres matronas de windsor W. ShakespeareAs alegres matronas de windsor W. Shakespeare
As alegres matronas de windsor W. Shakespeare
studio silvio selva
 
"Alegres senhoras de Windsor" William Shakespeare,
"Alegres senhoras de Windsor"  William Shakespeare, "Alegres senhoras de Windsor"  William Shakespeare,
"Alegres senhoras de Windsor" William Shakespeare,
studio silvio selva
 
'O casamento do pequeno burgues' bertolt brecht
'O casamento do pequeno burgues'   bertolt brecht'O casamento do pequeno burgues'   bertolt brecht
'O casamento do pequeno burgues' bertolt brecht
studio silvio selva
 
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo SacaldassyFulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
studio silvio selva
 
Pastelão 1
Pastelão 1Pastelão 1
Pastelão 1
studio silvio selva
 
O pastel e a torta
O pastel e a tortaO pastel e a torta
O pastel e a torta
studio silvio selva
 
O pastelao e a torta
O pastelao e a tortaO pastelao e a torta
O pastelao e a torta
studio silvio selva
 
máscara cinematográfica de látex
máscara cinematográfica de látexmáscara cinematográfica de látex
máscara cinematográfica de látex
studio silvio selva
 
"Esperando godot" de Beckett
"Esperando godot" de Beckett"Esperando godot" de Beckett
"Esperando godot" de Beckett
studio silvio selva
 
Molière o tartufo
Molière o tartufoMolière o tartufo
Molière o tartufo
studio silvio selva
 
O 18 de Brumário de Luís Bonaparte
O 18 de Brumário de Luís BonaparteO 18 de Brumário de Luís Bonaparte
O 18 de Brumário de Luís Bonaparte
studio silvio selva
 
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
studio silvio selva
 
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
studio silvio selva
 
Luigi pirandello
Luigi pirandello Luigi pirandello
Luigi pirandello
studio silvio selva
 
Gonçalves dias leonor de mendonça
Gonçalves dias leonor de mendonçaGonçalves dias leonor de mendonça
Gonçalves dias leonor de mendonça
studio silvio selva
 
Anton tchekov os maleficios do tabaco
Anton tchekov os maleficios do tabacoAnton tchekov os maleficios do tabaco
Anton tchekov os maleficios do tabaco
studio silvio selva
 

Mais de studio silvio selva (20)

Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de BauruLei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
 
Cenotécnicos do Brasil
Cenotécnicos do BrasilCenotécnicos do Brasil
Cenotécnicos do Brasil
 
Vamos sair da chuva quando a bomba cair mario bortolotto
Vamos sair da chuva quando a bomba cair  mario bortolotto Vamos sair da chuva quando a bomba cair  mario bortolotto
Vamos sair da chuva quando a bomba cair mario bortolotto
 
Gabriel garcia marques ninguém escreve ao coronel
Gabriel garcia marques   ninguém escreve ao coronelGabriel garcia marques   ninguém escreve ao coronel
Gabriel garcia marques ninguém escreve ao coronel
 
As alegres matronas de windsor W. Shakespeare
As alegres matronas de windsor W. ShakespeareAs alegres matronas de windsor W. Shakespeare
As alegres matronas de windsor W. Shakespeare
 
"Alegres senhoras de Windsor" William Shakespeare,
"Alegres senhoras de Windsor"  William Shakespeare, "Alegres senhoras de Windsor"  William Shakespeare,
"Alegres senhoras de Windsor" William Shakespeare,
 
'O casamento do pequeno burgues' bertolt brecht
'O casamento do pequeno burgues'   bertolt brecht'O casamento do pequeno burgues'   bertolt brecht
'O casamento do pequeno burgues' bertolt brecht
 
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo SacaldassyFulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
 
Pastelão 1
Pastelão 1Pastelão 1
Pastelão 1
 
O pastel e a torta
O pastel e a tortaO pastel e a torta
O pastel e a torta
 
O pastelao e a torta
O pastelao e a tortaO pastelao e a torta
O pastelao e a torta
 
máscara cinematográfica de látex
máscara cinematográfica de látexmáscara cinematográfica de látex
máscara cinematográfica de látex
 
"Esperando godot" de Beckett
"Esperando godot" de Beckett"Esperando godot" de Beckett
"Esperando godot" de Beckett
 
Molière o tartufo
Molière o tartufoMolière o tartufo
Molière o tartufo
 
O 18 de Brumário de Luís Bonaparte
O 18 de Brumário de Luís BonaparteO 18 de Brumário de Luís Bonaparte
O 18 de Brumário de Luís Bonaparte
 
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
 
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
 
Luigi pirandello
Luigi pirandello Luigi pirandello
Luigi pirandello
 
Gonçalves dias leonor de mendonça
Gonçalves dias leonor de mendonçaGonçalves dias leonor de mendonça
Gonçalves dias leonor de mendonça
 
Anton tchekov os maleficios do tabaco
Anton tchekov os maleficios do tabacoAnton tchekov os maleficios do tabaco
Anton tchekov os maleficios do tabaco
 

Karl valenti-o-aguário

  • 1. O AQUÁRIO Texto de Karl Valentin (1908). Traduzido e adaptado por Michael Wilson e Oliver Double. Tradução do inglês: Tarsila Rubim Battistella. Texto extraído dos anexos da dissertação de mestrado “O jovem Brecht e Karl Valentin: a cena cômica na república de Weimar”, de Roseli Maria Battistella, de 2007, na Universidade do Estado de Santa Catarina. Tendo falado sobre aquários mais cedo – Eu não quero dizer mais cedo hoje, é claro – mais cedo quando eu morava na Rua Alta (High Street), é claro, isso seria ridículo, ninguém poderia morar na Rua Alta por causa de to- dos os bondes – Eu morei nas casas na Rua Alta. Bem, não em todas as ca- sas, só em uma delas, aquela que está espremida no meio das outras. Prova- velmente você sabe o que eu quero dizer. E é lá que eu vivia. Bem, não casa inteira, só no andar térreo, que fica debaixo do primeiro andar e sobre o porão, e há uma escadaria que sobe para o primeiro andar e também desce novamen- te. Só que não é a escada que sobe, nós é que subimos as escadas, é só uma figura de linguagem. E eu tinha uma sala de estar lá, onde eu tinha a minha casa. Real- mente eu tinha a minha cama na sala de estar extra e eu morava no quarto. Na sala de estar, para o meu próprio prazer, eu tinha um aquário que ficava no canto e se adequava perfeitamente lá. Eu poderia ter tido um aquário redondo, mas sobrariam partes no canto. O aquário inteiro não era maior do que isso, digamos (indica), aqui estão os dois lados de vidro – de fato eles não são mi- nhas mãos, só estou tentando ilustrar para vocês poderem entender melhor – e aqui estão os dois lados de vidro, e por baixo está o fundo que segura toda a água de forma que quando você põe água até o topo ela não vaza pelo fundo. Se não houvesse nenhum fundo, você poderia colocar dez, vinte ou até mesmo trinta galões e tudo vazaria. É claro que com uma gaiola de pássaros é completamente diferente. Numa gaiola de pássaros as paredes são bem parecidas com as de um aquá- rio, só que as paredes de uma gaiola de pássaros não são feitas de vidro, mas de arame.
  • 2. É claro que não faria sentido construir um aquário dessa maneira porque o aquário seria incapaz de segurar a água, ele continuaria deixando a água vazar pelo arame. Então você vê, tudo é feito de acordo com as leis da natureza. E então eu tinha um peixe-dourado no aquário e mantinha um pássa- ro na gaiola, embora recentemente eu tenha feito uma coisa boba. Eu coloquei o peixe-dourado na gaiola e o canário no aquário. É claro que o peixe-dourado continuava caindo do poleiro e o canário teria se afogado no aquário se eu não tivesse colocado tudo de volta ao normal, colocado o pássaro de volta na gaio- la e o peixe-dourado de volta no aquário, o lugar que pertence a eles. E agora o peixe estava nadando alegremente ao redor do aquário, primeiro na superfície e depois indo para o fundo, quase todos os dias ele na- daria de uma maneira diferente. Anteontem eu tive um contratempo. Eu percebi que o peixe precisava de mais água, então eu enchi um balde, mas e aí havia água demais, e ela estava tão alta (indica) que passou por cima do topo do a- quário, o que eu só notei no outro dia. Um dos peixes-dourado nadou para fora, por cima do topo do aquário e caiu no chão, porque no quarto onde está o a- quário nós temos um chão – e lá estava ele, deitado, mas só depois de ter pa- rado de cair. Agora, o peixe não tinha água no chão porque a não ser no aquário, não temos água no chão. Então a proprietária disse: –“Você verá, esse peixe não ficará bem no chão, você deveria acabar com o sofrimento dele”. É claro que eu não queria que ele sofresse mais do que o necessário, dessa forma eu pensei que poderia bater nele com um martelo. Porém, eu pensei que poderia acabar batendo com o martelo em meu dedo polegar e, assim, pensei em dar um chute nele. Mas se você não der um chute direto, ele acabaria sofrendo a- inda mais. Então eu tive uma idéia brilhante. Eu disse a mim mesmo: “Vou pe- gar o peixe, carregá-lo até o rio e dar-lhe um bom e velho afogamento”.