SlideShare uma empresa Scribd logo
Variação linguística e os
níveis de linguagem
Diferença entre língua oral e escrita
É impressionante como a língua escrita assumiu um papel
importante e com caráter oficial na sociedade moderna. Quase não há
mais avaliações orais, nem nas escolas, nem em concursos públicos.
Sempre que é necessário selecionar alguém. Ainda que se faça
entrevista, o peso maior fica por conta da produção escrita.
PESO DA LÍNGUA ESCRITA
Diferença entre Língua oral e Escrita
Língua Oral
Língua não-padrão: quando conversamos, o registro é de linguagem não- -
padrão, ou seja, aquele que não está de acordo com as normas gramaticais.
Ex.: Muitas vezes tu não pega o livro para ler.
Linguagem corporal: é muito comum usarmos o nosso corpo para ajudar o
processo de comunicação. Às vezes, um gesto ou um olhar expressa nossa ideia.
Ex.: Maria ficou com uma colocação feita por Joana e fez um sinal para Pedro,
dizendo que ela estava louca.
ATIVIDADE 1
USO DA LINGUAGEM CORPORAL
Diferença entre Língua oral e Escrita
Língua Oral
Intervenção do receptor: no processo comunicativo oral, o ouvinte pode nos
interromper para pedir que expliquemos melhor a nossa mensagem, para opinar, para
nos corrigir, ou para sugerir outro assunto.
Ex.: Maria e Pedro conversam. Ela, repentinamente, diz: – Eu não quero te ver mais! E
ele coloca: – Eu não ouvi direito. O que foi?
Contexto situacional: durante uma conversa, podemos fazer referência a algo externo
ao assunto, mas que faz parte do contexto daquele momento.
Ex.: Maria e Pedro conversam sobre a escola. Neste momento, passa Joana com uma
roupa espalhafatosa. A amiga de Pedro faz um comentário sobre aquela cena.
Diferença entre Língua oral e Escrita
Língua Escrita
Língua padrão: o registro escrito não admite o uso de língua não-padrão. Quando
escrevemos devemos usar a língua de acordo com as normas gramaticais, uma
vez que fica no papel o nosso texto.
Ex.: Muitas vezes tu não pegas o livro para ler.
Contextualização: tendo em vista que emissor e receptor estão longe um do
outro, torna-se necessário que o autor do texto descreva o contexto e só saia dele
quando especificar um outro.
Ex.: Em um livro de romance, o cenário da história.
Adequação do texto ao leitor: o leitor não tem como interagir com o escritor,
por isso deve haver um direcionamento do que se escreve para quem se lê.
Isso diz respeito não somente ao assunto, mas também à adequação da
linguagem. Se isso não for observado, corremos o risco de não nos
comunicarmos por meio do texto produzido.
Ex.: Se o livro for direcionado a professores, usar assuntos de cunho
pedagógico e linguagem técnica referente ao sistema educacional.
Diferença entre Língua oral e Escrita
Língua Escrita
Variação linguística: uma realidade mundial
Na busca da perfeição linguística, acabamos radicalizando e assumimos uma
postura preconceituosa diante das várias formas de expressão da Língua
Portuguesa no Brasil. Quando se trata de texto escrito é fácil ter uma
uniformização, pois usamos a língua padrão que se encontra nas gramáticas.
Mas o que acontece quando falamos?
Fatores que fazem a língua variar
A língua sofre alterações por vários motivos.
Aspectos geográficos: conforme a região, a língua
sofrerá alteração. Essa mudança pode ser na
gramática, no significado das palavras ou nos
sons. Não podemos esquecer que dentro de um
estado isso também ocorre. Seguem os exemplos.
Ex.: A palavra porta é pronunciada porta no
centro de São Paulo e poRta (com r forte) no
interior. Em todo o Brasil, o doce brigadeiro
recebe esse nome, porém, no Rio Grande do Sul,
ele é chamado de negrinho.
Fatores que fazem a língua variar
Aspectos socioeconômicos: o acesso à cultura e ao estudo também influencia na forma
da língua. Pessoas que leem costumam estruturar as sentenças de modo mais próximo à
língua padrão e ter um número maior de palavras no vocabulário. Isso não significa que a
linguagem de pessoas menos cultas é pior, ela só é diferente, uma vez que atende as
necessidades específicas do falante.
Ex.: Músicas do funk e hip-hop retratam uma realidade diferente da classe média. Por
isso, para entendê-las, precisamos conhecer o contexto
Fatores que fazem a língua variar
Idade: sem dúvida, a
experiência acumulada pelos
anos de vida faz com que a
língua se altere. Isso ocorre
porque as necessidades, o
conhecimento de mundo e
outros fatores sejam
diferentes. Não se pode
esperar que alguém que esteja
na adolescência fale como uma
criança de seis anos ou como
um adulto de 30 anos.
Sexo, etnia, grupos sociais: pode
parecer estranho para alguns, mas
esses fatores fazem com que a
língua tenha características
próprias. Há diferença entre a
linguagem do homem e da mulher,
pois as necessidades e realidades
são diferentes; as revistas
destinadas a esses públicos
comprovam isso. Também as várias
etnias influenciam na variação
linguística.
Níveis de Linguagem
Língua culta – é o nível que respeita as normas
gramaticais.
Ex.: Comprei quinhentos gramas de queijo e
quatrocentos gramas de presunto.
Língua coloquial – é o nível de linguagem em que
ocorrem erros normativos gramaticais aceitáveis para o
falante nativo.
Ex.: Comprei quinhentas gramas de queijo e
quatrocentas gramas de presunto.
Níveis de Linguagem
Níveis de Linguagem
língua vulgar ou inculta – é o nível em que ocorrem grandes desvios gramaticais, não aceitáveis para o falante
nativo de determinadas estratificações sociais.
Ex.: A muié não comprou as flaldas das criança.
língua regional – é o nível de linguagem em que ocorrem expressões e aspectos gramaticais próprios de uma
determinada região. Ex.: Axé, meu povo! Bah, tchê!
língua grupal – é o nível de linguagem que pertence a grupos fechados. Divide-se em técnica e grupal.
língua técnica – pertence a áreas de estudo. Só é compreendida por aqueles que estudaram os termos. Ex.: [...]
entrementes seria de bom alvitre saber o momento em que as digladiantes ficaram pávidas...
gíria: é própria de tribos existentes na sociedade, como, por exemplo, os surfistas, os skatistas, os funkeiros e assim
por diante. Ex.: Termos como vazar = ir embora; tá ligado = está prestando atenção; fora da casinha = louco;
Português instrumental II

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

português instrumental
  português instrumental  português instrumental
português instrumental
Jhosafá de Kastro
 
Introdução ao Português Instrumental
Introdução ao Português InstrumentalIntrodução ao Português Instrumental
Introdução ao Português Instrumental
Lideney Ferreira
 
Níveis de linguagem
Níveis de linguagemNíveis de linguagem
Níveis de linguagem
Universidade de Sorocaba
 
Preconceito linguístico
Preconceito linguísticoPreconceito linguístico
Preconceito linguístico
Renato Rodrigues
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
Gerdian Teixeira
 
Informações Implícitas
Informações ImplícitasInformações Implícitas
Informações Implícitas
Taïs Bressane
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
7 de Setembro
 
Coerência e coesão
Coerência e coesão Coerência e coesão
Coerência e coesão
DriiQuirino
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagem
Kelly Moraes
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
Caroline Cunha
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
Denise
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
Elizabeth Vicente da Silva
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
Jose Arnaldo Silva
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Denise Oliveira
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Jose Manuel Alho
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
Luciene Gomes
 
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto) fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
Taty Cruz
 

Mais procurados (20)

português instrumental
  português instrumental  português instrumental
português instrumental
 
Introdução ao Português Instrumental
Introdução ao Português InstrumentalIntrodução ao Português Instrumental
Introdução ao Português Instrumental
 
Níveis de linguagem
Níveis de linguagemNíveis de linguagem
Níveis de linguagem
 
Preconceito linguístico
Preconceito linguísticoPreconceito linguístico
Preconceito linguístico
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
 
Informações Implícitas
Informações ImplícitasInformações Implícitas
Informações Implícitas
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
 
Coerência e coesão
Coerência e coesão Coerência e coesão
Coerência e coesão
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagem
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto) fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 

Destaque

Portugues instrumental ifes
Portugues instrumental ifesPortugues instrumental ifes
Portugues instrumental ifes
Marli Santos
 
Slide de portugues(1)
Slide de portugues(1)Slide de portugues(1)
Slide de portugues(1)
corujasinteligentes
 
Apresentação da Disciplina
Apresentação da DisciplinaApresentação da Disciplina
Apresentação da Disciplina
Robson Santos
 
Slide curso portugues instrumental novo acordo ortografico
Slide curso portugues instrumental   novo acordo ortograficoSlide curso portugues instrumental   novo acordo ortografico
Slide curso portugues instrumental novo acordo ortografico
Unichristus Centro Universitário
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
Antônio Fernandes
 
Comunicação e redação organizacional-parte 1
Comunicação e redação organizacional-parte 1Comunicação e redação organizacional-parte 1
Comunicação e redação organizacional-parte 1
Ernandes Rodrigues Do Nascimento
 
Elaboração de textos técnicos
Elaboração de textos técnicosElaboração de textos técnicos
Elaboração de textos técnicos
Rosangela Costa
 
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUALCOMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
nehemiasj
 
Modelos de documentos
Modelos de documentosModelos de documentos
Modelos de documentos
Diana Pilatti
 
Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentação
blogdoalunocefa
 
Leitura e interpretação de texto para alfabetização
Leitura e interpretação de texto para alfabetizaçãoLeitura e interpretação de texto para alfabetização
Leitura e interpretação de texto para alfabetização
Lorena Lopes
 
Apostila matemática em pdf
Apostila  matemática em pdfApostila  matemática em pdf
Apostila matemática em pdf
Isa ...
 
A Biblioteca de Babel
A Biblioteca de BabelA Biblioteca de Babel
A Biblioteca de Babel
Carlos Elson Cunha
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Carla Souto
 
Tipologia documental
Tipologia documentalTipologia documental
Tipologia documental
Biblioteca Central UFRGS
 
Discurso dissertativo
Discurso dissertativoDiscurso dissertativo
Discurso dissertativo
georgeharrilson
 
Plano de aula carla
Plano de aula carlaPlano de aula carla
Plano de aula carla
carla macedo
 
Por ins comunicação implícitos
Por ins comunicação  implícitosPor ins comunicação  implícitos
Por ins comunicação implícitos
claudianavegante
 
Ementa do curso
Ementa do cursoEmenta do curso
Ementa do curso
Thiago Meira
 
A Estrutura da Linguagem SQL
A Estrutura da Linguagem SQLA Estrutura da Linguagem SQL
A Estrutura da Linguagem SQL
Centro Paula Souza
 

Destaque (20)

Portugues instrumental ifes
Portugues instrumental ifesPortugues instrumental ifes
Portugues instrumental ifes
 
Slide de portugues(1)
Slide de portugues(1)Slide de portugues(1)
Slide de portugues(1)
 
Apresentação da Disciplina
Apresentação da DisciplinaApresentação da Disciplina
Apresentação da Disciplina
 
Slide curso portugues instrumental novo acordo ortografico
Slide curso portugues instrumental   novo acordo ortograficoSlide curso portugues instrumental   novo acordo ortografico
Slide curso portugues instrumental novo acordo ortografico
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
 
Comunicação e redação organizacional-parte 1
Comunicação e redação organizacional-parte 1Comunicação e redação organizacional-parte 1
Comunicação e redação organizacional-parte 1
 
Elaboração de textos técnicos
Elaboração de textos técnicosElaboração de textos técnicos
Elaboração de textos técnicos
 
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUALCOMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
 
Modelos de documentos
Modelos de documentosModelos de documentos
Modelos de documentos
 
Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentação
 
Leitura e interpretação de texto para alfabetização
Leitura e interpretação de texto para alfabetizaçãoLeitura e interpretação de texto para alfabetização
Leitura e interpretação de texto para alfabetização
 
Apostila matemática em pdf
Apostila  matemática em pdfApostila  matemática em pdf
Apostila matemática em pdf
 
A Biblioteca de Babel
A Biblioteca de BabelA Biblioteca de Babel
A Biblioteca de Babel
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Tipologia documental
Tipologia documentalTipologia documental
Tipologia documental
 
Discurso dissertativo
Discurso dissertativoDiscurso dissertativo
Discurso dissertativo
 
Plano de aula carla
Plano de aula carlaPlano de aula carla
Plano de aula carla
 
Por ins comunicação implícitos
Por ins comunicação  implícitosPor ins comunicação  implícitos
Por ins comunicação implícitos
 
Ementa do curso
Ementa do cursoEmenta do curso
Ementa do curso
 
A Estrutura da Linguagem SQL
A Estrutura da Linguagem SQLA Estrutura da Linguagem SQL
A Estrutura da Linguagem SQL
 

Semelhante a Português instrumental II

Semântica.PDF
Semântica.PDFSemântica.PDF
Semântica.PDF
Jeferson S. J.
 
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Bia Crispim
 
Ipt resumo
Ipt   resumoIpt   resumo
Ipt resumo
Lu1zFern4nando
 
Variedades linguisticas
Variedades linguisticasVariedades linguisticas
Variedades linguisticas
uesleii
 
Níveis de linguagem
Níveis de linguagemNíveis de linguagem
Níveis de linguagem
Fátima Campilho
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
caurysilva
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
caurysilva
 
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIALLINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
Thainá Assunção
 
aula-1.desenvolvidas par a Língua Portuguesa da pró Ivana
aula-1.desenvolvidas par a Língua Portuguesa da pró Ivanaaula-1.desenvolvidas par a Língua Portuguesa da pró Ivana
aula-1.desenvolvidas par a Língua Portuguesa da pró Ivana
IvanaAlves18
 
aula-1.pptxtexto lingua e linguagem em Português
aula-1.pptxtexto lingua e linguagem em Portuguêsaula-1.pptxtexto lingua e linguagem em Português
aula-1.pptxtexto lingua e linguagem em Português
IvanaAlves18
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Resenha marcos
Resenha marcosResenha marcos
Resenha marcos
emilenemd
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Glacemi Loch
 
Apts
AptsApts
Apts
maraieva
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Variação lingüística e preconceito lingüístico.Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Adriano Barros
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
daniwable
 
Pojhd
PojhdPojhd
Aula 01 - LINGUAGEM.pptx
Aula 01 - LINGUAGEM.pptxAula 01 - LINGUAGEM.pptx
Aula 01 - LINGUAGEM.pptx
AnneCaroline272991
 
INGLES PADRAO E NÃO PADRÃO 3° ANO ensino medio.pptx
INGLES PADRAO E NÃO PADRÃO 3° ANO ensino medio.pptxINGLES PADRAO E NÃO PADRÃO 3° ANO ensino medio.pptx
INGLES PADRAO E NÃO PADRÃO 3° ANO ensino medio.pptx
MrioAndrDeOliveiraCr
 
LINGUAGEM - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA - NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
LINGUAGEM -  VARIAÇÃO LINGUÍSTICA  -  NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptxLINGUAGEM -  VARIAÇÃO LINGUÍSTICA  -  NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
LINGUAGEM - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA - NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
JaineCarolaineLima
 

Semelhante a Português instrumental II (20)

Semântica.PDF
Semântica.PDFSemântica.PDF
Semântica.PDF
 
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
 
Ipt resumo
Ipt   resumoIpt   resumo
Ipt resumo
 
Variedades linguisticas
Variedades linguisticasVariedades linguisticas
Variedades linguisticas
 
Níveis de linguagem
Níveis de linguagemNíveis de linguagem
Níveis de linguagem
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIALLINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
 
aula-1.desenvolvidas par a Língua Portuguesa da pró Ivana
aula-1.desenvolvidas par a Língua Portuguesa da pró Ivanaaula-1.desenvolvidas par a Língua Portuguesa da pró Ivana
aula-1.desenvolvidas par a Língua Portuguesa da pró Ivana
 
aula-1.pptxtexto lingua e linguagem em Português
aula-1.pptxtexto lingua e linguagem em Portuguêsaula-1.pptxtexto lingua e linguagem em Português
aula-1.pptxtexto lingua e linguagem em Português
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Resenha marcos
Resenha marcosResenha marcos
Resenha marcos
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
 
Apts
AptsApts
Apts
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Variação lingüística e preconceito lingüístico.Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Variação lingüística e preconceito lingüístico.
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Pojhd
PojhdPojhd
Pojhd
 
Aula 01 - LINGUAGEM.pptx
Aula 01 - LINGUAGEM.pptxAula 01 - LINGUAGEM.pptx
Aula 01 - LINGUAGEM.pptx
 
INGLES PADRAO E NÃO PADRÃO 3° ANO ensino medio.pptx
INGLES PADRAO E NÃO PADRÃO 3° ANO ensino medio.pptxINGLES PADRAO E NÃO PADRÃO 3° ANO ensino medio.pptx
INGLES PADRAO E NÃO PADRÃO 3° ANO ensino medio.pptx
 
LINGUAGEM - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA - NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
LINGUAGEM -  VARIAÇÃO LINGUÍSTICA  -  NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptxLINGUAGEM -  VARIAÇÃO LINGUÍSTICA  -  NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
LINGUAGEM - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA - NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
 

Mais de Sinara Lustosa

Frase, oração e período - Orações coordenadas
Frase, oração e período  - Orações coordenadasFrase, oração e período  - Orações coordenadas
Frase, oração e período - Orações coordenadas
Sinara Lustosa
 
Educação e Redes Sociais
Educação e Redes SociaisEducação e Redes Sociais
Educação e Redes Sociais
Sinara Lustosa
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de Energia
Sinara Lustosa
 
Recursos minerais não metálicos
Recursos minerais não metálicosRecursos minerais não metálicos
Recursos minerais não metálicos
Sinara Lustosa
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
Sinara Lustosa
 
Espanhol primeiro ano
Espanhol primeiro anoEspanhol primeiro ano
Espanhol primeiro ano
Sinara Lustosa
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
Sinara Lustosa
 
Agricultura na sociedade urbano-industrial
Agricultura na sociedade urbano-industrialAgricultura na sociedade urbano-industrial
Agricultura na sociedade urbano-industrial
Sinara Lustosa
 

Mais de Sinara Lustosa (8)

Frase, oração e período - Orações coordenadas
Frase, oração e período  - Orações coordenadasFrase, oração e período  - Orações coordenadas
Frase, oração e período - Orações coordenadas
 
Educação e Redes Sociais
Educação e Redes SociaisEducação e Redes Sociais
Educação e Redes Sociais
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de Energia
 
Recursos minerais não metálicos
Recursos minerais não metálicosRecursos minerais não metálicos
Recursos minerais não metálicos
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Espanhol primeiro ano
Espanhol primeiro anoEspanhol primeiro ano
Espanhol primeiro ano
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Agricultura na sociedade urbano-industrial
Agricultura na sociedade urbano-industrialAgricultura na sociedade urbano-industrial
Agricultura na sociedade urbano-industrial
 

Último

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

Português instrumental II

  • 1. Variação linguística e os níveis de linguagem Diferença entre língua oral e escrita
  • 2. É impressionante como a língua escrita assumiu um papel importante e com caráter oficial na sociedade moderna. Quase não há mais avaliações orais, nem nas escolas, nem em concursos públicos. Sempre que é necessário selecionar alguém. Ainda que se faça entrevista, o peso maior fica por conta da produção escrita. PESO DA LÍNGUA ESCRITA
  • 3. Diferença entre Língua oral e Escrita Língua Oral Língua não-padrão: quando conversamos, o registro é de linguagem não- - padrão, ou seja, aquele que não está de acordo com as normas gramaticais. Ex.: Muitas vezes tu não pega o livro para ler. Linguagem corporal: é muito comum usarmos o nosso corpo para ajudar o processo de comunicação. Às vezes, um gesto ou um olhar expressa nossa ideia. Ex.: Maria ficou com uma colocação feita por Joana e fez um sinal para Pedro, dizendo que ela estava louca.
  • 4. ATIVIDADE 1 USO DA LINGUAGEM CORPORAL
  • 5. Diferença entre Língua oral e Escrita Língua Oral Intervenção do receptor: no processo comunicativo oral, o ouvinte pode nos interromper para pedir que expliquemos melhor a nossa mensagem, para opinar, para nos corrigir, ou para sugerir outro assunto. Ex.: Maria e Pedro conversam. Ela, repentinamente, diz: – Eu não quero te ver mais! E ele coloca: – Eu não ouvi direito. O que foi? Contexto situacional: durante uma conversa, podemos fazer referência a algo externo ao assunto, mas que faz parte do contexto daquele momento. Ex.: Maria e Pedro conversam sobre a escola. Neste momento, passa Joana com uma roupa espalhafatosa. A amiga de Pedro faz um comentário sobre aquela cena.
  • 6. Diferença entre Língua oral e Escrita Língua Escrita Língua padrão: o registro escrito não admite o uso de língua não-padrão. Quando escrevemos devemos usar a língua de acordo com as normas gramaticais, uma vez que fica no papel o nosso texto. Ex.: Muitas vezes tu não pegas o livro para ler. Contextualização: tendo em vista que emissor e receptor estão longe um do outro, torna-se necessário que o autor do texto descreva o contexto e só saia dele quando especificar um outro. Ex.: Em um livro de romance, o cenário da história.
  • 7. Adequação do texto ao leitor: o leitor não tem como interagir com o escritor, por isso deve haver um direcionamento do que se escreve para quem se lê. Isso diz respeito não somente ao assunto, mas também à adequação da linguagem. Se isso não for observado, corremos o risco de não nos comunicarmos por meio do texto produzido. Ex.: Se o livro for direcionado a professores, usar assuntos de cunho pedagógico e linguagem técnica referente ao sistema educacional. Diferença entre Língua oral e Escrita Língua Escrita
  • 8. Variação linguística: uma realidade mundial Na busca da perfeição linguística, acabamos radicalizando e assumimos uma postura preconceituosa diante das várias formas de expressão da Língua Portuguesa no Brasil. Quando se trata de texto escrito é fácil ter uma uniformização, pois usamos a língua padrão que se encontra nas gramáticas. Mas o que acontece quando falamos?
  • 9. Fatores que fazem a língua variar A língua sofre alterações por vários motivos. Aspectos geográficos: conforme a região, a língua sofrerá alteração. Essa mudança pode ser na gramática, no significado das palavras ou nos sons. Não podemos esquecer que dentro de um estado isso também ocorre. Seguem os exemplos. Ex.: A palavra porta é pronunciada porta no centro de São Paulo e poRta (com r forte) no interior. Em todo o Brasil, o doce brigadeiro recebe esse nome, porém, no Rio Grande do Sul, ele é chamado de negrinho.
  • 10. Fatores que fazem a língua variar Aspectos socioeconômicos: o acesso à cultura e ao estudo também influencia na forma da língua. Pessoas que leem costumam estruturar as sentenças de modo mais próximo à língua padrão e ter um número maior de palavras no vocabulário. Isso não significa que a linguagem de pessoas menos cultas é pior, ela só é diferente, uma vez que atende as necessidades específicas do falante. Ex.: Músicas do funk e hip-hop retratam uma realidade diferente da classe média. Por isso, para entendê-las, precisamos conhecer o contexto
  • 11. Fatores que fazem a língua variar Idade: sem dúvida, a experiência acumulada pelos anos de vida faz com que a língua se altere. Isso ocorre porque as necessidades, o conhecimento de mundo e outros fatores sejam diferentes. Não se pode esperar que alguém que esteja na adolescência fale como uma criança de seis anos ou como um adulto de 30 anos. Sexo, etnia, grupos sociais: pode parecer estranho para alguns, mas esses fatores fazem com que a língua tenha características próprias. Há diferença entre a linguagem do homem e da mulher, pois as necessidades e realidades são diferentes; as revistas destinadas a esses públicos comprovam isso. Também as várias etnias influenciam na variação linguística.
  • 12. Níveis de Linguagem Língua culta – é o nível que respeita as normas gramaticais. Ex.: Comprei quinhentos gramas de queijo e quatrocentos gramas de presunto. Língua coloquial – é o nível de linguagem em que ocorrem erros normativos gramaticais aceitáveis para o falante nativo. Ex.: Comprei quinhentas gramas de queijo e quatrocentas gramas de presunto.
  • 14. Níveis de Linguagem língua vulgar ou inculta – é o nível em que ocorrem grandes desvios gramaticais, não aceitáveis para o falante nativo de determinadas estratificações sociais. Ex.: A muié não comprou as flaldas das criança. língua regional – é o nível de linguagem em que ocorrem expressões e aspectos gramaticais próprios de uma determinada região. Ex.: Axé, meu povo! Bah, tchê! língua grupal – é o nível de linguagem que pertence a grupos fechados. Divide-se em técnica e grupal. língua técnica – pertence a áreas de estudo. Só é compreendida por aqueles que estudaram os termos. Ex.: [...] entrementes seria de bom alvitre saber o momento em que as digladiantes ficaram pávidas... gíria: é própria de tribos existentes na sociedade, como, por exemplo, os surfistas, os skatistas, os funkeiros e assim por diante. Ex.: Termos como vazar = ir embora; tá ligado = está prestando atenção; fora da casinha = louco;